Aluna: Bianca Doimo Sousa Orientador: Prof. Dr. Jaques Waisberg. Hospital do Servidor Público Estadual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aluna: Bianca Doimo Sousa Orientador: Prof. Dr. Jaques Waisberg. Hospital do Servidor Público Estadual"

Transcrição

1 Hospital do Servidor Público Estadual Programa de Iniciação Científica em Gastroenterologia Cirúrgica EXPRESSÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA DO RECEPTOR DE FATOR DE CRESCIMENTO EPIDÉRMICO (EGFR) NO CARCINOMA COLORRETAL: RELAÇÃO COM OS ASPECTOS MORFOLÓGICOS E ANATOMOPATOLÓGICOS DA NEOPLASIA Aluna: Bianca Doimo Sousa Orientador: Prof. Dr. Jaques Waisberg

2 INTRODUÇÃO

3 CARCINOMA COLORRETAL

4 EPIDEMIOLOGIA 3 câncer mais prevalente no mundo Casos: casos / 100 mil Casos: casos / 100 mil INCA,

5 ETIOLOGIA

6 TIPO HISTOLÓGICO

7 CARCINOGÊNESE Wynder EL, Reddy BS, Weisburger JH. Cancer.1992;70: Howe GR et al. JNCI. 1992;84:

8 RECEPTOR DE FATOR DE CRESCIMENTO EPIDÉRMICO (EGFR)

9 EGFR Receptor da família ErbB 170 kda Codificado pelo cromossomo 7 (braço pequeno) Ciardello et al. N Engl J Med 2008;358:1160c

10 HISTÓRICO

11 HISTÓRICO

12 HISTÓRICO

13 MODELO DE ATIVIDADE DO EGFR Reade et al. Importance of epidermal growth factor receptor signaling in establishment of adenomas and maintenance of carcinomas during intestinal tumorigenesis.

14 ESTUDOS

15 ESTUDOS

16 OBJETIVO

17 Analisar a expressão do EGFR através de imunohistoquímica... no carcinoma colorretal, na transição carcinomamucosa e na mucosa adjacente... e relacionar com os aspectos morfológicos e anatomopatológicos da neoplasia.

18 MÉTODO

19 ÉTICA Parecer do CEP do HSPE (nº56 /08) Parecer do CEP da UNIFESP (0344/09 ):

20 DESENHO Estudo retrospectivo (blocos de parafina/prontuários) Pacientes do HSPE Gastroenterologia Cirúrgica Período: out 2005 mar 2007

21 AMOSTRA N=40 24

22 AMOSTRA Critérios de Inclusão Adulto Adenocarcinoma colorretal (confirmado pelo exame anatomopatológico) Lesão extirpada com intenção curativa ou paliativa Critérios de Exclusão Carcinoma colorretal hereditário Doença de Crohn ou retocolite ulcerativa Câncer colorretal metacrônico Cirurgia de urgência Outro tipo de neoplasia (tratada ou não)

23 ANÁLISE MICROSCÓPICA PATOLOGIA FMABC Análise dos blocos de parafina Estudo histopatológico - coloração de HE (hematoxilinaeosina) De cada bloco de parafina, 3 cortes de 4µm: tumor transição tumor-mucosa não neoplásica mucosa adjacente (10 cm da lesão)

24 ANÁLISE MICROSCÓPICA Estudo imuno-histoquímico: técnica da estreptavidina-biotinaperoxidade Anticorpo anti-egfr (diluição de 1:30) Anticorpo 2º biotinilado-reagente C / complexo-reagente A Coloração de hematoxilina de Harris e montadas em lamínula com resina

25 ANÁLISE MICROSCÓPICA Leitura por patologista experiente Análise com microscópio óptico biocular Nikon, com objetivas planacromáticas Selecão das áreas mais positivas (hot-spots) - 100x Análise da imunoexpressão com aumento de 400x, em 10 campos consecutivos Positivo = aparecimento de cor marrom no citoplasma ou na membrana

26 AVALIAÇÃO SEMI-QUANTITATIVA Expressão na Membrana Citoplasmática 0 Ausência + < 10%, qualquer <30%, fraca %, média a forte 30-50%, fraca a média +++ >30%, forte >50%, qualquer Kountourakis et al.; 2006

27 AVALIAÇÃO SEMI-QUANTITATIVA Expressão Citoplasmática 0 Ausência ou < 10%, fraca + >10%, fraca ++ >10%, média +++ >10%, forte Kountourakis et al.; 2006

28 Figura 1 - células neoplásicas (tumor) padrão citoplasmático média intensidade

29 Figura 2 - células neoplásicas (tumor) padrão membranoso e citoplasmático forte intensidade

30 Figura 3 - células neoplásicas (tumor) padrão membranoso forte intensidade

31 Figura 4 - células neoplásicas (tumor) padrão citoplasmático forte intensidade

32 Figura 5 - células epiteliais da transição tumor-mucosa normal padrão citoplasmático média intensidade

33 Figura 6 - células epiteliais da mucosa adjacente padrão citoplasmático fraca intensidade

34 ANÁLISE ESTATÍSTICA Programa Estatístico: Prism 4.0 Nível de significância (a=0,05) Probabilidade de erro: p< 0,05 - estatisticamente significante p> 0,05 - não significante (ns) Variáveis quantitativas médias Variáveis categóricas análise: teste de Mann-Witney comparação: teste de Spearman Variáveis dicotômicas - análise: teste exato de Fisher Variância em amostras de 3 grupos análise: teste de Kruskal- Wallis Sobrevivência análise: curvas de Kaplan-Meier comparação: teste de Log-rank

35 RESULTADOS

36 RESULTADOS T x TTM p=0,0001 TTM x M - p=0,0001 T x M - p=0,004

37 RESULTADOS Não houve diferença significativa (p>0,05) ao comparar: Imunoexpressão do EGFR (T, TTM, M) X Parâmetros: Morfológicos: Localização da lesão (cólon/reto) Diâmetro da lesão (< ou > 5,0cm) Anatomopatológicos: Invasão vascular (sim ou não) Invasão linfática (sim ou não) Invasão neural (sim ou não) Comprometimento linfonodal (sim ou não) Grau de diferenciação celular (bem, moderada ou pouco) Grau de profundidade de invasão na parede (serosa, subserosa, estruturas adjacentes) Clínico: Metástase hepática (sim ou não)

38 CONCLUSÃO

39 A IMUNOEXPRESSÃO DO EGFR......foi significantemente: tumor > transição tumor-mucosa > mucosa...não se relacionou significantemente com os parâmetros morfológicos, anatomopatológicos e clínico.

40 OBRIGADA!!

Patologia - orientações

Patologia - orientações Patologia - orientações Padronização para Patologistas e Ginecologistas Elaborado pelas Sociedades Brasileiras de Citopatologia, de Patologia, de Patologia do Trato Genital Inferior e Colposcopia, FEBRASGO,

Leia mais

Journal Club (set/2010)

Journal Club (set/2010) Journal Club (set/2010) van Werven et al Academic Medical Center University of Amsterdam Netherland Thiago Franchi Nunes Orientador: Dr. Rogério Caldana Escola Paulista de Medicina Universidade Federal

Leia mais

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016 A incidência de tumores neuroendócrinos (TNE) retais tem aumentado ao longo dos últimos 35 anos. A maioria dos TNEs retais são diagnosticados por acaso, provavelmente devido ao aumento do número de sigmoidoscopias

Leia mais

Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual IAMSPE IV Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE

Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual IAMSPE IV Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual IAMSPE IV Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE São Paulo 2010 Níveis séricos e imunoexpressão tecidual do marcador CA19-9 no carcinoma

Leia mais

Imunoexpressão do receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR) nos tecidos neoplásicos e adjacentes do carcinoma colorretal esporádico

Imunoexpressão do receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR) nos tecidos neoplásicos e adjacentes do carcinoma colorretal esporádico Artigo Original Imunoexpressão do receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR) nos tecidos neoplásicos e adjacentes do carcinoma colorretal esporádico Immunoexpression of the receptor epidermal growth

Leia mais

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Especializanda: Renata

Leia mais

Glicosaminoglicanos (GAGS) Introdução. heteropolissacarídeos lineares constituídos por unidades dissacarídicas repetitivas.

Glicosaminoglicanos (GAGS) Introdução. heteropolissacarídeos lineares constituídos por unidades dissacarídicas repetitivas. Identificação e quantificação pela espectroscopia de massa de glicosaminoglicanos sulftados da matriz extracelular no tecido colorretal neoplásico e não neoplásico* * Departmento de Biologia Molecular,

Leia mais

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB Leonardo S. Carvalho OBJETIVOS Avaliar a capacidade da MDCT com MPRs, para a predição da ressecabilidade do adenocarcinoma pancreatico MATERIAL E MÉTODO Trabalho retrospectivo

Leia mais

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br)

ONCOLOGIA. Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) ONCOLOGIA Aula I Profª.Enfª: Darlene Carvalho (www.darlenecarvalho.webnode.com.br) CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Lábeis Estáveis Perenes CLASSIFICAÇÃO DAS CÉLULAS Células lábeis: São aquelas em constante renovação

Leia mais

Luciana Zaia Della Negra Povegliano IMUNOEXPRESSÃO DA PROTEÍNA GALECTINA-3 NO CÂNCER COLORRETAL E SUA RELAÇÃO COM SOBREVIDA

Luciana Zaia Della Negra Povegliano IMUNOEXPRESSÃO DA PROTEÍNA GALECTINA-3 NO CÂNCER COLORRETAL E SUA RELAÇÃO COM SOBREVIDA Luciana Zaia Della Negra Povegliano IMUNOEXPRESSÃO DA PROTEÍNA GALECTINA-3 NO CÂNCER COLORRETAL E SUA RELAÇÃO COM SOBREVIDA Tese apresentada a Escola Paulista de Medicina UNIFESP para obtenção do Título

Leia mais

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PATOLOGIA Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo SÃO PAULO/SP Departamento de Patologia, 1º andar, sala 1154 20 e 21 de MAIO DE 2016 GABARITO PROVA TEÓRICA

Leia mais

XV Workshop Internacional de Hepatites Virais de Pernambuco

XV Workshop Internacional de Hepatites Virais de Pernambuco XV Workshop Internacional de Hepatites Virais de Pernambuco IV Simpósio de Transplante Hepático e Hipertensão Porta Brasil / Inglaterra JCPM Trade Center 09 a 10 junho 2011 Mesa Redonda: Carcinoma Hepatocelular

Leia mais

Embriologia e Histologia Animal I

Embriologia e Histologia Animal I Embriologia e Histologia Animal I Professora: Daniela Brum Embriologia FASE DIVISÃO INICIAL: multiplicação céls indiferenciadas FASE EMBRIONÁRIA: rápido crescimento e diferenciação para formação tecidos,

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE ANATOMIA PATOLÓGICA CITOPATOLOGIA IMUNOPATOLOGIA Anatomia patológica é uma especialidade da medicina que tem como objetivo fazer diagnóstico das doenças através

Leia mais

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome.

Caso Clínico. Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Caso Clínico Paciente do sexo masculino, 41 anos. Clínica: Dor em FID e região lombar direita. HPP: Nefrolitíase. Solicitado TC de abdome. Apendicite.

Leia mais

Serum level and tissular immunoexpression of the tumor marker CA 242 in colorectal carcinoma: relation to anatomopathological features of neoplasia

Serum level and tissular immunoexpression of the tumor marker CA 242 in colorectal carcinoma: relation to anatomopathological features of neoplasia Artigo Original Níveis séricos pré-operatórios e imunoexpressão tecidual do marcador tumoral CA 242 no carcinoma colorretal: relação com os aspectos anatomopatológicos da neoplasia Serum level and tissular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO: PATOLOGIA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME (T - P) PTG1015 PATOLOGIA GERAL MÉDICA (3-4) OBJETIVOS - ao término da disciplina

Leia mais

Departamento de Anatomia Patológica Laboratório de Multiusuário em Pesquisa UNIFESP

Departamento de Anatomia Patológica Laboratório de Multiusuário em Pesquisa UNIFESP VANTAGENS DO USO DA AGAROSE NAS TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DE CELL BLOCK NA CITOLOGIA ONCÓTICA DE LÍQUIDOS Joaquim Soares de Almeida. Departamento de Anatomia Patológica Laboratório de Multiusuário em Pesquisa

Leia mais

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC tumores de pele não melanoma SELINALDO AMORIM BEZERRA C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC 2 0 1 0 Orlando Parise e col. Diagnóstico e Tratamento Câncer de Cabeça e Pescoço São Paulo:

Leia mais

RADIOTERAPIA EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO LOCALMENTE AVANÇADOS E IRRESSECÁVEIS (IVB): QUANDO EVITAR TRATAMENTOS RADICAIS?

RADIOTERAPIA EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO LOCALMENTE AVANÇADOS E IRRESSECÁVEIS (IVB): QUANDO EVITAR TRATAMENTOS RADICAIS? RADIOTERAPIA EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO LOCALMENTE AVANÇADOS E IRRESSECÁVEIS (IVB): QUANDO EVITAR TRATAMENTOS RADICAIS? HENRIQUE FARIA BRAGA 1,2 ; HELOISA DE ANDRADE CARVALHO 1 ; ANDRE TSIN CHIH CHEN

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia

PALAVRAS-CHAVE Neoplasias do colo do útero. Epidemiologia. Patologia 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Apresentador JOSÉ EDUARDO CHICARELLI MARTIN

Apresentador JOSÉ EDUARDO CHICARELLI MARTIN Apresentador JOSÉ EDUARDO CHICARELLI MARTIN Acadêmico do 4º ano de Medicina Orientador Dr. Gustavo Viani Arruda Médico Radioncologista FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA/SP O presente trabalho foi submetido

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia.

PALAVRAS-CHAVE lesões de tireóide, citologia, ultrassonografia, epidemiologia. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos

Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos Orientadora: Professora PhD Silva Shimakura Universidade Federal do Paraná Novembro de 2014 Sumário Resultados Conclusão Sumário Dados: Amostra

Leia mais

Escolha dos testes INTRODUÇÃO À BIOESTATÍSTICA QUANTIFICAÇÃO DOS GRUPOS DO ESTUDO PESQUISA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA TESTE DE HIPÓTESES E

Escolha dos testes INTRODUÇÃO À BIOESTATÍSTICA QUANTIFICAÇÃO DOS GRUPOS DO ESTUDO PESQUISA INFERÊNCIA ESTATÍSTICA TESTE DE HIPÓTESES E Escolha dos testes INTRODUÇÃO À BIOESTATÍSTICA Determinada a pergunta/ hipótese Recolhidos os dados Análise descritiva = Estatística descritiva QUAIS TESTES ESTATÍSTICOS DEVEM SER REALIZADOS?? PROFESSORA:

Leia mais

CIRURGIA DO PÂNCREAS Câncer do Pâncreas. Dr. José Jukemura assistente doutor serviço de vias biliares e pâncreas da FMUSP

CIRURGIA DO PÂNCREAS Câncer do Pâncreas. Dr. José Jukemura assistente doutor serviço de vias biliares e pâncreas da FMUSP CIRURGIA DO PÂNCREAS Câncer do Pâncreas Dr. José Jukemura assistente doutor serviço de vias biliares e pâncreas da FMUSP adenocarcinoma de pâncreas Epidemiologia Incidência (EUA 2003) Mortalidade 30700

Leia mais

Métodos Quantitativos Aplicados

Métodos Quantitativos Aplicados Métodos Quantitativos Aplicados Aula 6 http://www.iseg.utl.pt/~vescaria/mqa/ Tópicos apresentação Análise de dados bivariada: os casos dos testes de proporções para duas amostras independentes e emparelhadas

Leia mais

20/8/2012. Raduan. Raduan

20/8/2012. Raduan. Raduan MÉTODOS DE ESTUDO: CÉLULAS E TECIDOS 1 2 3 Etapas na preparação de amostras de tecidos para estudo histológico 4 Fixação Finalidades: Evitar a autólise; Impedir a atividade e proliferação de bactérias;

Leia mais

Gliomas de Alto Grau. Jacques Bines. Oncologista Clínico

Gliomas de Alto Grau. Jacques Bines. Oncologista Clínico Gliomas de Alto Grau Jacques Bines Oncologista Clínico Objetivos Definição Caracterização Tratamento Papel da quimioterapia Definição Neoplasias do Sistema Nervoso Central (SNC) Apresentam características

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Patologia Geral Código: ODO-010 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

Câncer de pulmão. Ellias Magalhães e Abreu Lima Março 2015

Câncer de pulmão. Ellias Magalhães e Abreu Lima Março 2015 Câncer de pulmão Ellias Magalhães e Abreu Lima Março 2015 Objetivos Sintetizar as principais publicações / apresentações de 2014 Apresentação assim dividida: Rastreamento (1) Adjuvância (1) Metastático

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Colégio de Anatomia Patológica

Colégio de Anatomia Patológica Colégio de Anatomia Patológica Curso de Introdução à Patologia Molecular e Recomendações em relação ao Estágio de Biologia Molecular. I. INTRODUÇÃO De acordo com a Portaria 204/2012 de 4 de Julho o Internato

Leia mais

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno Situações especiais Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update 2014 Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Metástases Cerebrais

Leia mais

1982). Todavia, as recidivas loco regionais são diagnosticadas, principalmente, em

1982). Todavia, as recidivas loco regionais são diagnosticadas, principalmente, em 1 1 INTRODUÇÃO O carcinoma epidermóide na cabeça e pescoço tem na cirurgia e na radioterapia as principais modalidades terapêuticas iniciais, com intenção curativa (RAZACK et al., 1 1982). Todavia, as

Leia mais

Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central

Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central Correção dos Aneurismas da Aorta Torácica e Toracoabdominal - Técnica de Canulação Central Salomón S. O. Rojas, Januário M. de Souza, Viviane C. Veiga, Marcos F. Berlinck, Reinaldo W. Vieira, Domingo M.

Leia mais

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos:

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos: Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Os vírus do papiloma humano são classificados na família Papillomaviridae, gênero Papilomavírus. São vírus envelopados, de simetria icosaédrica, com 72 capsômeros

Leia mais

Causalidade e inferência em epidemiologia. Fábio Raphael Pascoti Bruhn Disciplina: Epidemiologia e Ecologia

Causalidade e inferência em epidemiologia. Fábio Raphael Pascoti Bruhn Disciplina: Epidemiologia e Ecologia Causalidade e inferência em epidemiologia Fábio Raphael Pascoti Bruhn Disciplina: Epidemiologia e Ecologia UFPel 2016 Epidemiologia Conceito: epi (sobre) + demo (povo) Estudo da distribuição e dos determinantes

Leia mais

Departamento de Biologia Celular e do Desenvolvimento Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo BMC- 104: BIOLOGIA TECIDUAL III

Departamento de Biologia Celular e do Desenvolvimento Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo BMC- 104: BIOLOGIA TECIDUAL III Departamento de Biologia Celular e do Desenvolvimento Instituto de Ciências Biomédicas Universidade de São Paulo G RADUAÇÃO EM M EDICINA - 2015 BMC- 104: BIOLOGIA TECIDUAL III SISTEMA URINÁRIO TÓPICOS

Leia mais

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA Bases da Radioterapia Tipos de Radioterapia Efeitos Colaterais Enf. Alexandre Barros Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein - SP Paciente :

Leia mais

Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata.

Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata. Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata. Serviço de Medicina Nuclear e Imagem Molecular Hospital Universitário Antônio Pedro Universidade Federal Fluminense Autor Elisa Carla

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas. Prof. Cristiane Oliveira

Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas. Prof. Cristiane Oliveira Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas Prof. Cristiane Oliveira Visão Geral Corpo humano organizado em 4 tecidos básicos: Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Visão Geral - Tecidos consistem

Leia mais

PROF. ROMMEL BARRETO Mestre em Morfologia (UFRJ)

PROF. ROMMEL BARRETO Mestre em Morfologia (UFRJ) Microscopia PROF. ROMMEL BARRETO Mestre em Morfologia (UFRJ) Preparação das lâminas histológicas Remoção dos fragmentos de órgãos Fixação Desidratação (Álcool etílico) Concentração crescente (70%, 80%,

Leia mais

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação

Câncer do Laringe. Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Câncer do Laringe Revisão Anatômica Dados Epidemiológicos Etiologia Fatores de Risco Diagnóstico Estadiamento Tratamento Rehabilitação Prof. Dr. Luiz Roberto de Oliveira - 2004 Revisão Anatômica Divisão

Leia mais

Biologia molecular dos carcinomas epiteliais e tumores de baixo grau (borderline) do ovário e implicações para a prática clínica

Biologia molecular dos carcinomas epiteliais e tumores de baixo grau (borderline) do ovário e implicações para a prática clínica Biologia molecular dos carcinomas epiteliais e tumores de baixo grau (borderline) do ovário e implicações para a prática clínica Filomena M Carvalho filomena.carvalho@fm.usp.br 2 Epiteliais 80-90% Cél.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Transtornos Linfoproliferativos; Linfoma; Linfoma de Hodgkin; Linfoma não Hodgkin.

PALAVRAS-CHAVE Transtornos Linfoproliferativos; Linfoma; Linfoma de Hodgkin; Linfoma não Hodgkin. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem 3 o Período Disciplina: Patologia Geral INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 DISCIPLINA DE

Leia mais

6.1. Materiais e Métodos Animais Conforme descrito no experimento Equipamento

6.1. Materiais e Métodos Animais Conforme descrito no experimento Equipamento 47 6. Experimento2: Efeito do pentilenotetrazol na resposta de pulos e corridas induzida pela microinjeção de NMDA na matéria cinzenta periaquedutal dorsal 6.1. Materiais e Métodos 6.1.1. Animais Conforme

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Processos Linfoproliferativos. Linfoma não Hodgkin. Epidemiologia

PALAVRAS-CHAVE Processos Linfoproliferativos. Linfoma não Hodgkin. Epidemiologia 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer - RHC HC-UFPR Casos de 2007 a 2009

Registro Hospitalar de Câncer - RHC HC-UFPR Casos de 2007 a 2009 Registro Hospitalar de Câncer - RHC HC-UFPR Casos de 2007 a 2009 Rosa Helena Silva Souza Coordenadora do RHC Distribuição das neoplasias segundo a faixa etária, o sexo e o ano de primeira consulta no HC-UFPR,

Leia mais

ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER Modelo de Riscos proporcionais de COX

ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER Modelo de Riscos proporcionais de COX ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER Modelo de Riscos proporcionais de COX Renato Azeredo Teixeira (UFMG / SES-MG) Prof a. Arminda Lucia Siqueira (UFMG) Ana Paula Azevedo Travassos (UFMG) Fonte

Leia mais

ALTERNATIVA PARA RECONSTRUÇÃO DA PAREDE ABDOMINAL

ALTERNATIVA PARA RECONSTRUÇÃO DA PAREDE ABDOMINAL doi: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrv.2011.92.356360 ALTERNATIVA PARA RECONSTRUÇÃO DA PAREDE ABDOMINAL Carvalho, EA 1 Cesar, RMM 1 Soares, PGON 2 Salles PO 3 Cintra, CA 4 Moreira, RCL 5 Miyata, S 6 1 Residentes

Leia mais

Rafael Soares Nunes Pinheiro

Rafael Soares Nunes Pinheiro Rafael Soares Nunes Pinheiro Avaliação das margens cirúrgicas e do tipo de borda tumoral nas ressecções hepáticas por metástase de câncer colorretal e seu impacto na mortalidade e recidiva Dissertação

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral PARTE Parte 12 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 2012 LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

Cancro do cólon e recto. - Estratégia de prevenção e vigilância -

Cancro do cólon e recto. - Estratégia de prevenção e vigilância - XXII Reunião Anual do N.G.H.D Cancro do cólon e recto - Estratégia de prevenção e vigilância - Luísa Glória Hospital de Santarém, EPE Estratégia de prevenção e vigilância Rastreio de CCR Avaliação de indivíduos

Leia mais

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic

Leia mais

RESUMO INTESTINOS DELGADO E GROSSO DOENÇAS INTESTINAIS NÃO NEOPLÁSICAS

RESUMO INTESTINOS DELGADO E GROSSO DOENÇAS INTESTINAIS NÃO NEOPLÁSICAS DOENÇAS INTESTINAIS NÃO NEOPLÁSICAS Obstrução intestinal: Intestino delgado é o mais atingido graças a sua luz estreita. Causas: Obstruções mecânicas herniação, aderência, vólvulo e intussuscepção (80%

Leia mais

QuímioRadioterapia nos tumores de cabeça e pescoço. Guy Pedro Vieira

QuímioRadioterapia nos tumores de cabeça e pescoço. Guy Pedro Vieira diagnóstico: lesões na maioria das vezes, são facilmente: observáveis. avaliadas. palpáveis. biópsiadas. história natural da doença: quase sempre seguem um padrão escalonado bem definido de crescimento:

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA (Actualização limitada do texto em Março de 2009) M. Babjuk, W. Oosterlinck, R. Sylvester, E. Kaasinen, A. Böhle, J. Palou Introdução Eur Urol 2002;41(2):105-12

Leia mais

CÂNCER LARINGE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE

CÂNCER LARINGE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Walter Cantídio Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço CÂNCER DE LARINGE GEAMBERG MACÊDO ABRIL - 2006 INTRODUÇÃO Câncer de cabeça e pescoço : 6º lugar. 90% são

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou.

PALAVRAS-CHAVE Colo do Útero, Anticoncepcionais, Teste de Papanicolaou. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

Cromoscopia com corantes - maio 2016 Por Felipe Paludo Salles - Endoscopia Terapêutica -

Cromoscopia com corantes - maio 2016 Por Felipe Paludo Salles - Endoscopia Terapêutica - Corantes Classificação: 1- Corantes de absorção ou vitais (azul de metileno, violeta de genciana, lugol) 2- Corantes de contraste (índigo carmin) 3- Corantes químicos ou reativos (vermelho-congo, ácido

Leia mais

Técnico de Laboratório Biomedicina. Laboratório Anatomia Patológica

Técnico de Laboratório Biomedicina. Laboratório Anatomia Patológica Técnico de Laboratório Biomedicina Laboratório Anatomia Patológica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 No método utilizado para demonstrar a presença de elementos infecciosos, filamentos conjuntivos,

Leia mais

CITOLOGIA CLINICA. Prof.Fernando Bacelar

CITOLOGIA CLINICA. Prof.Fernando Bacelar CITOLOGIA CLINICA Prof.Fernando Bacelar Competência Preparar e identificar exames desenvolvendo a capacidade técnica. Analisar exames aprimorando o senso crítico e cientifico para a interpretação de amostras

Leia mais

Neoplasias do sistema endócrino

Neoplasias do sistema endócrino Neoplasias do sistema endócrino PATOLOGIA II Aula Prática nº8 PATOLOGIA TIREOIDEIA (I) Hiperplasias Difusas Nodulares da tireoide Um n ódulo Multinodular Tumores de células foliculares Diferenciados: Adenoma

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA ANÁLISE COMPARATIVA DOS GRAUS HISTOLÓGICOS ENTRE TUMOR PRIMÁRIO E METÁSTASE AXILAR EM CASOS DE CÂNCER DE MAMA Pinheiro, A.C ¹, Aquino, R. G. F. ¹, Pinheiro, L.G.P. ¹, Oliveira, A. L. de S. ¹, Feitosa,

Leia mais

PERFIL DE FORMAÇÃO - INTEGRALIZAÇÃO MATRIZ CURRICULAR

PERFIL DE FORMAÇÃO - INTEGRALIZAÇÃO MATRIZ CURRICULAR PERFIL DE FORMAÇÃO - INTEGRALIZAÇÃO Período 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º CH/total Carga horária/semestre 582 659 597 615 630 532 596 545 -- -- -- -- 4756 h Estágio Supervisionado em Regime de

Leia mais

A Relação entre Metástases em Linfonodos Regionais e Fatores Prognósticos no Adenocarcinoma Esporádico de Intestino Grosso

A Relação entre Metástases em Linfonodos Regionais e Fatores Prognósticos no Adenocarcinoma Esporádico de Intestino Grosso The Relation Between Metastases in Regional Lymph Nodes and Prognostic Factors in the Sporadic Adenocarcinoma of the Large Bowel BIANCA CECCHELE MADEIRA 1 ; KARLA LAIS PÊGAS 2 ; CLÁUDIO GALEANO ZETTLER

Leia mais

PLANO DE CURSO 3º PERÍODO ANO: COMPONENTE CURRICULAR: Patologia Geral CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 hs TEÓRICA: 90 hs PRÁTICA: 18 hs

PLANO DE CURSO 3º PERÍODO ANO: COMPONENTE CURRICULAR: Patologia Geral CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 hs TEÓRICA: 90 hs PRÁTICA: 18 hs CURSO: Medicina PLANO DE CURSO 3º PERÍODO ANO: 2015.1 COMPONENTE CURRICULAR: Patologia Geral CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 hs TEÓRICA: 90 hs PRÁTICA: 18 hs PROFESSOR RESPONSÁVEL: Maria Auxiliadora Peixoto Peçanha

Leia mais

Introdução à Histologia

Introdução à Histologia Introdução à Histologia Prof. a Dr a. Sara Tatiana Moreira UTFPR Campus Santa Helena 1 Histórico Bichat (1771-1802) Pioneiro da histologia e pai da histologia moderna Sem o uso de microscópio, examinou

Leia mais

Up to date da radiologia no câncer de pulmão

Up to date da radiologia no câncer de pulmão Up to date da radiologia no câncer de pulmão Ana Paula Santo Lima Radiologista torácica Med Imagem ÍNDICE Difusão é superior ao PET-CT na detecção e avaliação linfonodal no câncer de pulmão Nódulos pulmonares

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 361 DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 Márcia Suelen Bento 2, Marcelo Oliveira Chamelete 3,

Leia mais

Braquiterapia Ginecológica

Braquiterapia Ginecológica Braquiterapia Ginecológica Indicações e recomendações clínicas American Brachytherapy Society (ABS) European Society for Radiotherapy & Oncology (GEC-ESTRO) Rejane Carolina Franco Hospital Erasto Gaertner-

Leia mais

REVIEW ARTICLE - PERFIL IMUNOFENOTÍPICO, COM FATOR PROGNOSTICO NO CANCER DE MAMA

REVIEW ARTICLE - PERFIL IMUNOFENOTÍPICO, COM FATOR PROGNOSTICO NO CANCER DE MAMA REVIEW ARTICLE REVIEW ARTICLE - PERFIL IMUNOFENOTÍPICO, COM FATOR PROGNOSTICO NO CANCER DE MAMA Marcella de Oliveira Santiago ¹ e Virgílio R. Guedes² Maria Cristina da S. Pranchevicius 3 1. Graduando em

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PACIENTES PARA REIRRADIAÇÃO DE TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PACIENTES PARA REIRRADIAÇÃO DE TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PACIENTES PARA REIRRADIAÇÃO DE TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO Pollyanna d Ávila Leite Thiago Jardim Arruda Maria Carolina Silva Thaís Nogueira Souza Felipe Erlich Célia Pais Viegas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU NOME COMPLETO DO AUTOR. Digite o título do trabalho em letras minúsculas e sem ponto final

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU NOME COMPLETO DO AUTOR. Digite o título do trabalho em letras minúsculas e sem ponto final UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU NOME COMPLETO DO AUTOR Digite o título do trabalho em letras minúsculas e sem ponto final BAURU 2009 NOME COMPLETO DO AUTOR Comece a contar as

Leia mais

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Linfoma em gatos (sinônimos) Linfoma Século XXI

Leia mais

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem

Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Conceito

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

16/6/2014. Teste Qui-quadrado de independência

16/6/2014. Teste Qui-quadrado de independência UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TESTES NÃO- PARAMÉTRICOS Parte I Prof. Luiz Medeiros Departamento de Estatística Teste Qui-quadrado de independência Um dos principais objetivos de se construir uma tabela

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS BIOESTATÍSTICA Ementa: conceitos básicos; descrição e apresentação de dados; representação gráfica; análise descritiva; introdução

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

Diminuição da expressão imuno-histoquímica de moléculas de adesão em carcinomas escamosos de mucosa oral

Diminuição da expressão imuno-histoquímica de moléculas de adesão em carcinomas escamosos de mucosa oral ISSN 2236-8035 Archives of Oral Research, v. 7, n. 1, p. 35-42, Jan./Apr. 2011 Licensed under a Creative Commons License [T] Diminuição da expressão imuno-histoquímica de moléculas de adesão em carcinomas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA PRIMEIRO SEMESTRE INTRODUÇÃO À PRÁTICA MÉDICA I 45 ANATOMIA SISTÊMICA APLICADA I 90 BIOFÍSICA E FISIOLOGIA I 90 SOCIOLOGIA CULTURA E ÉTICA 45 BIOLOGIA CELULAR, TECIDUAL

Leia mais

Hipofracionamento em câncer de mama:

Hipofracionamento em câncer de mama: Hipofracionamento em câncer de mama: resultados de um estudo piloto BORGES, Allisson B. B. ANGOTTI, Clarissa C. R. ALMEIDA, Cristiane M AGUILAR, P. B. STUART, Silvia R. CARVALHO, Heloisa A. Instituto de

Leia mais

Qual o delineamento e quantas observações devo considerar em meu projeto? Ivan Barbosa Machado Sampaio Professor Emérito Escola de Veterinária - UFMG

Qual o delineamento e quantas observações devo considerar em meu projeto? Ivan Barbosa Machado Sampaio Professor Emérito Escola de Veterinária - UFMG Qual o delineamento e quantas observações devo considerar em meu projeto? Ivan Barbosa Machado Sampaio Professor Emérito Escola de Veterinária - UFMG Após 45 dias sob mesmo manejo... Foram selecionados

Leia mais

S. C. SILVA; ANTÔNIO A. G. JUNIOR; LUANE A. MARTINS; 01 DE MAIO DE 2014.

S. C. SILVA; ANTÔNIO A. G. JUNIOR; LUANE A. MARTINS; 01 DE MAIO DE 2014. 1 Braquiterapia de Alta Taxa de Dose em tumores de pele não melanoma: Experiência do setor de Radioterapia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia. ROSEANE E. M SILVA; EURÍPEDES.

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse

Declaro não haver nenhum conflito de interesse Declaro não haver nenhum conflito de interesse Universidade Federal de Uberlândia Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Serviços de Mastologia e Ultrassonografia Avaliação pelo Ultrassom Doppler da

Leia mais