Relatório Anual da Qualidade da Água

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Anual da Qualidade da Água"

Transcrição

1 Relatório Anual da Qualidade da Água Em cumprimento ao disposto no DECRETO n 5440/05, que estabelece os procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de abastecimento e, em consonância com o Portaria n 518/04, que estabelece os padrões de potabilidade da água, o SAMAE vem prestar informações aos seus usuários, do Município de Gaspar/SC O SAMAE Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto é uma Autarquia Municipal, criada em 15 de dezembro de 191 pela Lei n 404, primeiramente administrada pela Fundação SESP, com o objetivo de tratar e distribuir água e esgoto no Município de Gaspar A inauguração do sistema de abastecimento de água aconteceu em 08 de novembro de 192 Na época de implantação, o SAMAE contava com uma captação de água e uma estação de tratamento, projetada para o bombeamento e tratamento com capacidade de 2 litros por segundo, atendendo a 1500 ligações com rede de distribuição somente na área central da cidade Em 14 de dezembro de 199, foi extinto o contrato com a Fundação SESP, quando então passou a ser administrada pelo poder Municipal Hoje o SAMAE conta com cinco estações de tratamento de água, sendo ETA I e II abastecidas por manancial superficial Rio Itajaí-Açú, ETA IV e V abastecidas por manancial superficial Ribeirão Bateias e Ribeirão Belchior, respectivamente e ETA VI abastecida por manancial subterrâneo Poço artesiano Responsável Legal pela empresa: Luis Carlos Splenger Setor de Atendimento ao Consumidor: O consumidor encontrará todas as informações necessárias nos endereços abaixo: Rua Antônio Schimtt, n Centro Gaspar SC wwwsamaegasparcombr Telefone/Fax: (4) No caso de uma eventual ocorrência, as quais oferecem risco à saúde estarão disponíveis em: Na Estação de Tratamento de Água ETAI - Fone: No escritório do SAMAE - Fone: Meios de comunicação usuais, como rádio, televisão e internet Órgão Responsável pela Vigilância da qualidade da água Vigilância à Saúde Av das Comunidades, GASCIC n Centro Gaspar/SC - Tel: (4) Identificação dos Mananciais de abastecimento Os mananciais podem ser classificados em três categorias: superficiais (rios e lagos), subterrâneos (fontes naturais, galerias filtrantes, poços) e águas pluviais (superfícies preparadas) O município de Gaspar possui atualmente cinco estações de tratamento de água, as quais utilizam mananciais superficial (ETA I, II, IV e V) e subterrâneo (ETA VI) ETA Manancial Utilizado Classificação Resolução 35 do CONAMA ETA I Rio Itajaí-açú Classe 2 ETA II Rio Itajaí-açú Classe 2 ETA IV Riberão Bateias Classe 1 ETA V Ribeirão Belchior Classe 1 ETA VI Lençol Freático ---

2 BACIA HIDROGRÁFICA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ-AÇÚ As águas da Bacia do Rio Itajaí englobam 4 municípios em uma área que representa 1,15% do território catarinense, onde vivem cerca de 1 milhão de pessoas Isto faz de sua área de abrangência uma das mais importantes regiões para a economia de Santa Catarina e, ao mesmo tempo, uma das mais afetadas com as diversas formas de poluição e degradação ambiental Ao longo dos 200 quilômetros do Itajaí encontram-se, hoje, inúmeros exemplos de ignorância, agressão e descaso com o rio e seus afluentes Órgão responsável pelo seu monitoramento: FATMA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO BATEIAS A Estação de Tratamento IV do SAMAE, localizada na Rua Carlos Zuchi Neto, bairro Bateias, está situada no ponto de confluência dos dois ribeirões formadores do Rio Bateias (esses dois ribeirões não possuem nome catalogado e de uso comum) A Bacia Hidrográfica dos ribeirões formadores do Ribeirão Bateias e da qual são provenientes as águas que abastecem a ETA IV, devido a sua localização, topografia, geologia, vagetação, fauna e outros fatores, possui grande valor como ecossistema a ser estudado, além de enorme valor paisagístico e potencial turístico Por estas razões a Bacia Hidrográfica dos ribeirões formadores do Ribeirão Bateias foi declarada Área de Proteção Ambiental pelo Decreto n 18/2000Órgão responsável pelo seu monitoramento: FATMA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO BELCHIOR O ribeirão Belchior com 1 km de extensão, afluente da margem esquerda do rio Itajaí-Açú, está situado na região norte do Município de Gaspar, possuindo esta sub-bacia, aproximadamente 80 km² Esta sub-bacia, situada na região rural do Município de Gaspar, reúne as comunidades de Carolina, Belchior Alto, Belchior Central, Cananéia e Belchior Baixo que possui os seguintes limites: ao norte - municípios de Massaranduba e Luís Alves; ao sul - bairro Águas Negras, pertencente ao Município de Gaspar; ao leste - bairro Arraial do Ouro, pertencente ao Município de Gaspar; e ao oeste - município de Blumenau A sub-bacia do ribeirão Belchior tem economia diversificada a qual vem se desenvolvendo rapidamente sob o impulso da exploração do potencial turístico de suas águas Identificou-se na sub-bacia do Ribeirão Belchior, alguns problemas críticos: (a) diminuição da quantidade de água disponível no Ribeirão Belchior; (b) diminuição da qualidade da água em virtude da poluição ocasionada por efluentes industriais, esgotos domésticos, agrotóxicos; (c) falta de ordenação das construções erguidas (proximidade às vias públicas, impedindo o seu alargamento; e erguidas muito próximas ao curso d água, ocupando áreas de preservação permanente); (d) destruição da mata ciliar em virtude da ocupação destas áreas por pastagens e cultivos de arroz; (e) necessidade de melhorias na coleta dos resíduos sólidos urbanos, industriais e provenientes da agricultura, em especial as embalagens de agrotóxicos Para que estes problemas detectados fossem minimizados, formou-se um arranjo institucional, coordenado pelo Instituto de Estudos Ambientais (IPA) da Universidade Regional de Blumenau (FURB), constituído por diversas instituições que desenvolvem projetos/programas na região, adequando-as à realidade local do Belchior, bem como, fazendo convergir a diversidade de interesses das instituições envolvidas, a fim de otimizar esforços e recursos, de modo que possam ser sinérgicos ao longo de todo o Projeto Belchior Órgão responsável pelo seu monitoramento: FATMA POÇO ARTESIANO A ETA VI utiliza água de um poço artesiano e está localizada na Rua Leonardo Pedro Schmitz, Bairro Macuco com profundidade de 143 metros, produção de 4500L/h e reservação de 100m 3 Órgão responsável pelo seu monitoramento: FATMA

3 Estação de Tratamento de Água (ETA) O tratamento da água visa à eliminação de certas impurezas e/ou à correção de algumas impropriedades que tornam inadequada para determinado fim, no caso de uso doméstico, é realizado em instalações apropriadas, denominada estação de tratamento de água (ETA) e muitas vezes com o emprego de substâncias especificas Dentre os modelos de estações existentes os utilizados no município de Gaspar são os seguintes: Convencional Com as unidades de coagulação, floculação, decantação, filtração, desinfecção, fluoretação e reserva Utilizado para o tratamento de águas que possuem partículas finamente divididas em suspensão e partículas coloidais, necessitam de um tratamento químico capaz de propiciar sua deposição, com um baixo período de detenção Este tratamento é realizado provocando-se a coagulação, sendo geralmente empregado o sulfato de alumínio ou o policloreto de alumínio (PAC) O sulfato de alumínio normalmente é o produto mais utilizado, tanto pelas suas propriedades, como pelo seu menor custo Filtro Lento - É um método de tratamento da água, adotado principalmente para comunidades de pequeno porte, cujas águas dos mananciais apresentam baixos teores de turbidez e cor O processo consiste em fazer a água passar através de um meio granular com a finalidade de remover impurezas físicas, químicas e biológicas Então sofre desinfecção, fluoretação e reserva Filtro Russo - Para água bruta de turbidez baixa, primeiramente é realizada a floculação seguido de uma pré-filtragem, posteriormente ocorre outra filtragem As filtragens ocorrem em sentido ascensional (de baixo para cima), sendo a água filtrada recolhida em uma calha Então sofre desinfecção, fluoretação e reserva Tratamento Simples Devido ao fato da água de poço já possuir um sistema de filtragem natural, a água bruta apresenta turbidez baixa, havendo necessidade de somente realizar a desinfecção, fluoretação e reserva Na tabela abaixo são descritos os modelos nos quais se enquadram as estações de tratamento de água do município ETA Modelos de Tratamento utilizado ETA I Convencional ETA II Convencional ETA IV Filtro Lento ETA V Filtro Russo ETA VI Tratamento Simples Entenda os principais parâmetros analisados nas análises de água Cloro residual: O cloro é um agente bactericida Utilizado no tratamento com o objetivo de eliminar bactérias e outros microorganismos que podem estar presentes na água Flúor: Agente químico auxiliar na proteção e prevenção contra a cárie dentária PH: Indica a natureza ácida ou básica da água Ë monitorado durante as etapas de tratamento e na rede de distribuição, evitando os processos de corrosão nas canalizações Turbidez: É a medida da quantidade de partículas em suspensão (material insolúvel) presentes na água e que impedem a passagem de luz Cor: A cor indica a presença de substâncias dissolvidas ou finamente divididas que transmitem coloração especifica à água Assim como a turbidez, a cor é um parâmetro de aspecto estético de aceitação ou rejeição do produto Coliformes: É um grupo de bactérias que normalmente vivem no intestino de animais de sangue quente, embora alguns tipos possam ser encontrados também no meio ambiente É uma análise utilizada como indicadora de possível contaminação microbiológica

4 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA I # $%% $&# $&' () ** ()# &# '* $*) ) ) % ) ) ) ) ) ) )/%$ )/% )/%$ )/*' )/*% )/%( )/*# )/* )/(& )/# )/() )/# )/$ /#' /$( /) /) /$ $/*$ /# #/)2 %)( $&& %** *' %)# $( $( $' $*# $## $*) ** *# # %# ) ) ) ) ) ) /)* /) /# / /)' /% /)* /%( )/( /# (' &* &) &'' *%& *&' *& *(* *'& *) $*) ( *# '$ % ) ) ) ) ) ) /** /*' /*' /'& /$ /%' /%* /%$ /%( /% )/') )/'' )/&) )/#$ )/' )/&) )/(# )/() )/'& )/#' )/$$/) %* *( '$ #' #* *( *( *( #* *( * :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem 2 VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

5 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA II =>? %(# $&' *'& $(% &# (% ( (( #' #( $) ) $ ) $ ) ) ) ) ) ) )/$# )/$* )/$ )/$ )/%# )/%$ )/$( )/$ )/## )/$ )/*' )/') )/$# $/' */'* /() )/#' )/') $/*) /)' #/)2 %# %## %& %*$ %# %#( %$# %* %$) %*% $) * '$ ' $* ) ) ) ) ) ) /)% )/&' /)* )/&' /% /) )/&$ )/&) /)) /% /# )# &&$ %) &(& *#( *# *## **' *%& *#( $) % (' (( $# ) ) ) ) ) ) /) )/(% )/&% /* )/(# )/( )/(% )/(* )/(* )/(% )/(( )/'$ )/#& )/&( )/'( )/#) )/# )/'' )/'$ )/'* )/$$/) $$ %' %) $& $) $) $) $$ $) $) :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem 2 VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

6 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA IV?> $$$ $$* $' $%% $# $'' %)& $&$ $#' %$( $*) $( # ' ) ) ) ) ) ) )/% )/# )/%' )/*) )/* )/#) )/$( )/#$ /') )/&' %/$% /&* )/'' /#% /## /&& %/% $/(* */'# %/$$ #/)2 $$# $$* $# $%% $*& $'' %)& $() $#% %)& $*) @ A ) % $ ) ) ) ) ) ) /)) /)% )/&$ /%* )/(( /%( /) )/&' /) /$' /# $$$ $$% $' $%% $#' $' %)& $(( $## %%) $*) $ % # ) ) ) ) ) ) /)# /) )/& /)$ /)' /)) )/(% /)# /# /)* )/#) )/') )/#* )/#$ )/'$ )/'$ )/'* )/#' )/#* )/) )/$$/) ' %$ $$ & % % * ) $ ) :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem 2 VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

7 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA V?> %#* %#) %(( * *$ *$* *$$ %&# *# * #) * ) $% % ) $ $ ) ) ) )/* )/$* )/% )/$$ )/( )/%$ )/$ )/$$ )/$# )/$& #/*$ )/** */( /' )/%& )/ )/# )/*( $/$ %/*) #/)2 $)& %) $# $%& $%' $*) $#' $' '$ *' #) %$ $ # $) ) ) ) ) ) ) )/&# )/&% )/&$ )/&( /%) /) )/& )/(& /)) )/&$ /# %#* %#) %(( *# *% *$ *%( %(' *# * #) ( % # ) ) ) ) ) ) ) )/(( )/(( )/($ )/(( )/& )/( )/( )/(( )/(% )/(# )/# )/# )/#$ )/' )/') )/## )/'$ )/% )/'( )/' )/$$/) $ ( ( ' # % % % % $ ) :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

8 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA VI? # $# %* ( % $& $ $ $# $ # ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) )/ )/$ )/$$ )/' )/%$ )/$& )/%$ )/% )/%$ )/%$ )/%) )/($ )/$# )/*$ )/%# )/*' )/'# )/*# #/)2 # $ % ( % $& $ $ $* $* # # $ ' ) ) ) ) ) ) ) )/ )/'* )/) )/'$ )/&# /%* /$) )/( /$) /# # $# %* ( % %% % $ $( %) # ) ) $ ) ) $ $ ) ) ) )/(( )/(* )/( )/() )/' )/' )/$ )/'( )/( )/$ )/*& )/# )/*( )/%* )/$# )/$# )/*' )/'& )/$$/) * ( ( ' ' % $ $ % $ ) :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem 2 VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

9 As atividades desenvolvidas pelo SAMAE de Gaspar estão em acordo com a Portaria n 518/04, do Ministério da Saúde e as mesmas vêm sendo realizadas na forma legal, conforme cálculo de amostragem Como temos cinco estações de tratamento de água, para cada estação existe um plano de amostragem próprio respeitando as particularidades de cada uma e o número da população atendida Além disso, este é um sistema de controle para que uma vez verificado o resultado em desacordo, sejam tomadas medidas corretivas imediatamente, preservando, com isso, a saúde e a qualidade de vida da população Químico Resp CRQ Dr Luiz G Verdi Farm Bioquimica CRF 390 Jeanne A Santana

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

Abastecimento de água

Abastecimento de água Abastecimento de água Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Tucuruí Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental 2014 Disciplina: Sistema de Saneamento Ambiental Professor: Davi Sales Alunos:

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE PRESIDENTE VENCESLAU/SP BREVE ANÁLISE

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE PRESIDENTE VENCESLAU/SP BREVE ANÁLISE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE PRESIDENTE VENCESLAU/SP BREVE ANÁLISE Flávia Dias Martins, Jéssica Santos de Souza, Jéssica Tiemi Saito, Leticia Souza Primo, Mariana Ferreira Leme, Mariana Maia

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

Apostila Tratamento de Água

Apostila Tratamento de Água Apostila Tratamento de Água Estação de Tratamento de Água em Caçaroca Vila Velha MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA

ABASTECIMENTO DE ÁGUA ABASTECIMENTO DE ÁGUA HISTÓRIA: A água é essencial na sobrevivência e na evolução do homem. Na sobrevivência, porque sem ela não existiria vida animal ou vegetal sobre a terra. Basta dizer que o corpo

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS MS ECO RA 800 REV.02 SUMÁRIO 2 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS E ANÁLISE DA ÁGUA DE POÇOS DO ASSENTAMENTO GUARANY/ SANDOVALINA (SP).

RESÍDUOS SÓLIDOS E ANÁLISE DA ÁGUA DE POÇOS DO ASSENTAMENTO GUARANY/ SANDOVALINA (SP). Jean Farhat de Araújo da Silva João Furtado Barreto Gomyde, Matheus Guimarães Lima Graduandos em Geografia- FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente - SP Jeanshark87@hotmail.com gomydex@hotmail.com mgl.geopp@gmail.com

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS.

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. Ambiental MS Projetos Equipamentos e Sistemas Ltda. MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO MS ETE RA 5.000 SISTEMA DE TRATAMENTO E REÚSO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE VEÍCULOS PESADOS. REVISÃO: 01 FEVEREIRO

Leia mais

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano

Minicursos CRQ-IV - 2008 Sistema de tratamento de água para o consumo humano Ministrante: Eduardo Gomes Bispo Minicursos CRQ-IV - 2008 Técnico Químico e graduado em Administração de Empresas. Atua há mais de 20 anos em ETAs, sendo responsável pela distribuição da água distribuída

Leia mais

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015 Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão Maio /2015 A empresa produtora de aço Número um no mundo PERFIL Líder nos principais mercados, entre eles o de automóveis, construção, eletrodomésticos e embalagens.

Leia mais

Planos de Segurança de Água Projeto Piloto e Perspectivas de Implementação no Brasil Rafael K. X. Bastos rkxb@ufv.br

Planos de Segurança de Água Projeto Piloto e Perspectivas de Implementação no Brasil Rafael K. X. Bastos rkxb@ufv.br Planos de Segurança de Água Projeto Piloto e Perspectivas de Implementação no Brasil Rafael K. X. Bastos rkb@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Civil Plano de Segurança de

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Redução de Custos com a Automação da Dosagem de Coagulante Setembro - 2012 Organograma Unidade

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

T R A T A M E N T O D E Á G U A

T R A T A M E N T O D E Á G U A T R A T A M E N T O D E Á G U A Estações de Tratamento de Água ( ETA ): Têm pôr objetivo transformar água bruta, imprópria para consumo humano, em água potável, própria para este fim. O tratamento da água

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO

Leia mais

PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004

PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004 PORTARIA MINISTÉRIO DA SAÚDE 518, DE 25/03/2004 Estabelece as responsabilidades por parte de quem produz a água, a quem cabe o exercício do controle de qualidade da água e das autoridades sanitárias, a

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA 1 - Estrutura de Chegada de Água Bruta Q dimensionamento = 50 L/s É proposta estrutura de chegada do tipo canal com calha Parshall. Dimensões padrão para garganta de largura

Leia mais

ANALÂNDIA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico

ANALÂNDIA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ANALÂNDIA PRESTADOR: PREFEITURA MUNICIPAL DE ANALÂNDIA Relatório R1 Diagnóstico Americana, setembro de 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Sistemas de abastecimento de água do da Cidade do Rio de Janeiro, com ênfase no GUANDU.

Sistemas de abastecimento de água do da Cidade do Rio de Janeiro, com ênfase no GUANDU. Sistemas de abastecimento de água do da Cidade do Rio de Janeiro, com ênfase no GUANDU. 23 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO (Grande Rio) Pequenos Mananciais 1 m³/s Sistema Acari 3,8 m³/s Sistema

Leia mais

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO

ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO ÁGUA, NOSSO MAIOR PATRIMÔNIO PROJETO FORMANDO MULTIPLICADORES No combate ao desperdício de água e preservação nos nossos rios e mananciais CRIAÇÃO E FINALIDADES A CAESA - Companhia de Água e Esgoto do

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

Análise de gestão de recursos humanos em sistemas de tratamento de água (SiTAs) no Brasil

Análise de gestão de recursos humanos em sistemas de tratamento de água (SiTAs) no Brasil Análise de gestão de recursos humanos em sistemas de tratamento de água (SiTAs) no Brasil C. L. Achon*, P. C. Papani**, J. S. Cordeiro*** * Departamento de Hidráulica e Saneamento, Escola de Engenharia

Leia mais

Soluções em Saneamento

Soluções em Saneamento Soluções em Saneamento Automação com resultados A Lite Automação desenvolve projetos que envolvem desde pequenos controles e monitoramentos à solução completa para a sua operação. Soluções elaboradas em

Leia mais

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas

Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Guia Prá)co para Tratamento de Piscinas Apresentação Este manual foi criado para fornecer importantes informações sobre o tratamento de piscinas e todos os processos envolvidos. Um guia que traz conceitos

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA - MG

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA - MG Fernando Pinto Braga Juiz de

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC Brayam Luiz Batista Perini (1) Engenheiro Químico (PUC-PR), Mestrando em Engenharia de Processos (UNIVILLE),

Leia mais

Conselho Regional de Química 4ª Região

Conselho Regional de Química 4ª Região PARECER TÉCNICO EMENTA: PARECER SOBRE OS EFEITOS DA PORTARIA Nº 518, DE 25/03/2004, DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, BEM COMO AS AÇÕES QUE DEVERÃO SER TOMADAS PELOS ÓRGÃOS DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA E PELAS

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA 2013

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA 2013 RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA 2013 A Companhia de Saneamento Ambiental de Atibaia - SAAE, com sede na Praça Roberto Gomes Pedrosa, 11 - Centro - Atibaia - SP, Telefone 4414-3500 e atendimento ao

Leia mais

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural. SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural. SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento João Pessoa, 07 de novembro de 2012 Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental VI Seminário Nacional de Saneamento Rural SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Sergio Brasil Abreu Departamento

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16 SUMÁRIO Introdução... 1 Objetivo... 3 Geral... 3 Específicos... 3 Justificativa... 3 Metodologia... 3 Área de Estudo... 3 Resultados e Discussões... 5 Análise dos Parâmetros Físico-Químicos... 5 Demanda

Leia mais

I-115 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - SC.

I-115 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - SC. I-115 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA DA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS - SC. Reginaldo Campolino Jaques (1) Engenheiro Sanitarista e Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Mestre

Leia mais

Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal

Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal Representante legal: Célio Biavati Filho (Presidente) Centro de Gestão Águas Emendadas - Av. Sibipiruna Lotes 13/21 Águas Claras DF CEP 71928-720 Telefone:

Leia mais

O maior manancial de água doce do mundo

O maior manancial de água doce do mundo O maior manancial de água doce do mundo O Aquífero Guarani é o maior manancial de água doce Subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste da América do Sul, entre 12º e

Leia mais

Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento

Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento Estação Elevatória de Água de Santana: um Caso de Sucesso na Redução de Perdas e Consumo de Energia no Setor de Saneamento M. A. Braghiroli a, M. B. dos Santos b, D. Brega Filho c a. Sabesp, São Paulo,

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL

ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL O Sistema de Abastecimento de Água em Lindóia inicia-se pela captação da água bruta no Rio do Peixe, depois é bombeada até a Estação de Tratamento de Água ETA para o tratamento

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FOSSAS VERDES PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO NORDESTE.

A UTILIZAÇÃO DE FOSSAS VERDES PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO NORDESTE. A UTILIZAÇÃO DE FOSSAS VERDES PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO NORDESTE. Mário Rodrigues Pereira da Silva mariorodriguesengprod@gmail.com Antonio Oliveira Netto oliveira_netto@hotmail.com

Leia mais

COMO FUNCIONA UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA?

COMO FUNCIONA UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA? COMO FUNCIONA UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA? Orientações didáticas para o professor 1º PASSO A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA: PRIMEIRAS REFLEXÕES Antes de apresentar a animação, é importante que o professor

Leia mais

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt

Valongo- 24 de abril de 2014. Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Ana Heitor ana.heitor@arsnorte.min-saude.pt Água, o princípio de todas as coisas Tales de Mileto, 625 a.c. Ideias são sementes Há 2.000 anos, a população mundial correspondia a 3% da população actual,

Leia mais

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA

MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA MELHORIAS SANITÁRIAS E SEUS USOS EM COMUNIDADES NO ESTADO DA BAHIA Silvio Roberto Magalhães Orrico Jennifer Conceição Carvalho Teixeira de Matos Ricardo Silveira Bernardes Patrícia Campos Borja Cristiane

Leia mais

Guias Socioambientais do BNDES. Setembro/ 2014. Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

Guias Socioambientais do BNDES. Setembro/ 2014. Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Guias Socioambientais do BNDES Setembro/ 2014 Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Sumário Apresentação... 3 1. Introdução... 4 2. Estação de Tratamento de Água (ETA)... 4 3. Estação de Tratamento

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ. PRESTADOR: DAE S.A. Água e Esgoto. Relatório R1 Diagnóstico

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ. PRESTADOR: DAE S.A. Água e Esgoto. Relatório R1 Diagnóstico RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ PRESTADOR: DAE S.A. Água e Esgoto Relatório R1 Diagnóstico Americana, dezembro de 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco

Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco Expediente... Série Educação Ambiental Água Coordenadoria de Comunicação Social do Semasa Projeto gráfico e ilustrações: Marcelo Pacheco 5 A água no Planeta Terra A água tem uma enorme importância para

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA DA ETA DO SAAE JABOTICABAL-SP

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA DA ETA DO SAAE JABOTICABAL-SP PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA DA ETA DO SAAE JABOTICABAL-SP Laudicéia Gicometti Lopes (1) Química com atribuições tecnológicas (FFCLRP-USP), Mestre em Microbiologia (FCAV-UNESP), Especialista em Engenharia

Leia mais

Infraestrutura. Classes de Consumidores

Infraestrutura. Classes de Consumidores Infraestrutura 3.1 Energia 3.1.1 Consumidores de energia elétrica por classes de consumidores Classes de Consumidores 2000 78.717 3.309 8.690 583 402 89 91.790 2001 80.207 3.468 8.824 588 423 83 93.593

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE SANEAMENTO RURAL - ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RICO. AUTORES

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE SANEAMENTO RURAL - ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RICO. AUTORES IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE SANEAMENTO RURAL - ESGOTO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RICO. AUTORES ZANETTI, L. M. G. F. (1), COSTA JR, L. L. (2), ITALIANO, W. L. (3), PALLA, V. L. (4), GALBIATTI, J. A.

Leia mais

Estimativa da quantidade de lodo produzido no tratamento de água do tipo convencional e Actiflo comparação de metodologias

Estimativa da quantidade de lodo produzido no tratamento de água do tipo convencional e Actiflo comparação de metodologias Estimativa da quantidade de lodo produzido no tratamento de água do tipo convencional e Actiflo comparação de metodologias Marion Scheffer de Andrade Silva (Graduanda em Engenharia Civil, Universidade

Leia mais

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista; Mestranda em Engenharia

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

CURSO INDUSTRIA QUIMICA CMT ENSAIO DE TRATABILIDADE (JAR-TEST) MARCIO DE JESUS MECCA

CURSO INDUSTRIA QUIMICA CMT ENSAIO DE TRATABILIDADE (JAR-TEST) MARCIO DE JESUS MECCA CURSO INDUSTRIA QUIMICA CMT ENSAIO DE TRATABILIDADE (JAR-TEST) MARCIO DE JESUS MECCA Importância do ensaio de Jar Test Obter Parâmetros de projetos otimizados (dimensionamento ETA e efluentes ETE ). TDH,

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO GABARITO DA UNIDADE 3 (PDF) Página 8 Como diferenciar essas três formas de abastecimento de água para consumo humano? Vamos exercitar?

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 060

ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental II - 060 IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO DE FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO EM SUBSTITUIÇÃO AO PROCESSO DE DECANTAÇÃO DE ALTA TAXA NO PRÉ-TRATAMENTO DA ÁGUA BRUTA DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE MANTENÓPOLIS - ES Sílvio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO

A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO A IMPORTÂNCIA DA VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA NO MUNICÍPIO DE SÃO GONÇALO Lia Mônica de Oliveira Aluna do Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental/UNIPLI e funcionária da FUNASA. E-mail: sandramarins7@yahoo.com.br

Leia mais

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm;

-Torre de tomada d água com dispositivos de comportas e tubulações com diâmetro de 1.200mm; SISTEMA SUAPE INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: 1982 (Inicialmente atendia apenas ao Complexo Industrial de Suape, e, a partir de 1983, passou a ter a configuração atual). UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz,

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TURBIDEZ E COR DECLINANTES SOBRE A COAGULAÇÃO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO NO MECANISMO DE ADSORÇÃO- NEUTRALIZAÇÃO DE CARGAS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TURBIDEZ E COR DECLINANTES SOBRE A COAGULAÇÃO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO NO MECANISMO DE ADSORÇÃO- NEUTRALIZAÇÃO DE CARGAS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TURBIDEZ E COR DECLINANTES SOBRE A COAGULAÇÃO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO NO MECANISMO DE ADSORÇÃO- NEUTRALIZAÇÃO DE CARGAS Emília Akemi Kowata *, José Tarcísio Ribeiro **, Dirceu

Leia mais

Portaria RS/SES nº 1238 DE 28/11/2014

Portaria RS/SES nº 1238 DE 28/11/2014 Portaria RS/SES nº 1238 DE 28/11/2014 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 28 nov 2014 Estabelece definições e procedimentos sobre o Transporte de Água Potável para o Consumo Humano,

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PORTARIA MS N 2.914/2011

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PORTARIA MS N 2.914/2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL PROGRAMA NACIONAL DE VIGILÂNCIA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO : ASSISTENTE DE OPERADOR DE ÁGUAS E

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO : ASSISTENTE DE OPERADOR DE ÁGUAS E Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO : ASSISTENTE DE OPERADOR DE ÁGUAS E EFLUENTES Parte 1 (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE 1. Campus: Instituto Federal de Santa

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO EMBASA - ESCLARECIMENTOS EM RELAÇÃO AS NÃO CONFORMIDADES APONTADAS NO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SIAA / SIES SÃO FÉLIX - BA.

RELATÓRIO TÉCNICO EMBASA - ESCLARECIMENTOS EM RELAÇÃO AS NÃO CONFORMIDADES APONTADAS NO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SIAA / SIES SÃO FÉLIX - BA. RELATÓRIO TÉCNICO EMBASA - ESCLARECIMENTOS EM RELAÇÃO AS NÃO CONFORMIDADES APONTADAS NO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO SIAA / SIES SÃO FÉLIX - BA. Março cie 2074. APRESENTAÇÃO A seguir serão apresentados esclarecimentos

Leia mais

Eixo Temático ET-08-007 - Recursos Hídricos DIAGNÓSTICO DA TURBIDEZ NA REDE DE ABASTECIMENTO NO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL-PB

Eixo Temático ET-08-007 - Recursos Hídricos DIAGNÓSTICO DA TURBIDEZ NA REDE DE ABASTECIMENTO NO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL-PB 374 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-08-007 - Recursos Hídricos DIAGNÓSTICO DA TURBIDEZ NA REDE DE ABASTECIMENTO NO MUNICÍPIO

Leia mais

Oxidação + remoção por precipitação química

Oxidação + remoção por precipitação química ETA - ESQUEMA DE TRATAMENTO PARÂMETROS A ACTUAR OPERAÇÕES OU PROCESSOS UNITÁRIOS Ferro/manganésio Turvação Parâmetros microbiológicos Sólidos suspensos totais Equilíbrio calco-carbónico Oxidação da matéria

Leia mais

SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO DA CIDADE DE BLUMENAU. Santa Catarina, Brasil

SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO DA CIDADE DE BLUMENAU. Santa Catarina, Brasil SAMAE - SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO Rua Bahia, 1530 - Bairro Salto - CEP 89031-000 - Blumenau - Santa Catarina SISTEMA DE ESGOTO SANITÁRIO DA CIDADE DE BLUMENAU Santa Catarina, Brasil Volume

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.440, DE 4 DE MAIO DE 2005. Estabelece definições e procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de

Leia mais

Ofício CRQ VIII-IP 001/2013 Aracaju/SE 23 de maio de 2013

Ofício CRQ VIII-IP 001/2013 Aracaju/SE 23 de maio de 2013 Trav. Sálvio Oliveira 76 - Suissa - CEP : 49 050-700 - Aracaju/SE Ao Setor de Gestão de Concurso da AOCP Ref.: Impugnação do Concurso Q1/2013-DESO No Edital do Concurso Publico n 01/2013 de 30 de abril

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR

QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO HUMANO DE COMUNIDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE BANDEIRANTES PR 1 Farmacêutico Bioquímico - Pesquisador A - Embrapa Gado e Leite de Juiz de Fora, MG, Gestão Ambinetal

Leia mais

Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Social de uma Estação Compacta de Tratamento de Efluentes de Baixo Custo para Pequenas Comunidades 1

Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Social de uma Estação Compacta de Tratamento de Efluentes de Baixo Custo para Pequenas Comunidades 1 Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Social de uma Estação Compacta de Tratamento de Efluentes de Baixo Custo para Pequenas Comunidades 1 Vicente de Paulo Santos de Oliveira - Pesquisador UPEA/IFF

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO DE RIO NEGRINHO/SC RESUMO

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO DE RIO NEGRINHO/SC RESUMO PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO NEGRINHO ESTADO DE SANTA CATARINA SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO SAMAE PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO DE RIO NEGRINHO/SC Rio Negrinho, Dezembro de 2013. Alves Espíndola

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

MOGI MIRIM RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico

MOGI MIRIM RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM PRESTADOR: SAAE - SERVIÇO AUTÔNOMO DE AGUA E ESGOTOS DE MOGI MIRIM Relatório R1 Diagnóstico Americana, agosto

Leia mais

PRESERVAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS

PRESERVAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS M I N I S T É RIO DOS D E S B RA V A DO R E S PRESERVAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS O que vem por aí... preserve GUIA DAS ESPECIALIDADES Clube de Desbravadores /// Volume 7. 2015 PRESERVAÇÃO DE RECURSOS HÍDRICOS

Leia mais

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água)

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 1º período de 2013 LEMBRETES Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF Dicas para

Leia mais

PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PROGRAMA PILOTO DE UTILIZAÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO PELO SETOR DE TRANSPORTES LOCALIZADO NA ZONA NORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Eliane Rodríguez de Almeida Florio* Sabesp. Administradora de Empresas

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES

VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO EM SITUAÇÕES DE DESASTRES Curso de Líderes 2008 A importância da

Leia mais

Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar. Categoria em que o Projeto concorre: Meio Ambiente

Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar. Categoria em que o Projeto concorre: Meio Ambiente 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: O Ciclo da Água no Espaço Natura Cajamar Nome da Empresa: Natura Cosméticos S/A CNPJ da Empresa: 71.673.990/0001-77 Categoria em que o Projeto concorre: Meio

Leia mais

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO

Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO 250 Eixo Temático ET-04-001 - Gestão Ambiental em Saneamento QUALIDADE DA ÁGUA ENTRE CISTERNAS DE PLACA NO SEMIÁRIDO NORDESTINO Adriana Karla Tavares Batista Nunes Leal¹; Ronaldo Faustino da Silva²; Eduardo

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS CONSIDERAÇÕES SOBRE CONTROLE E VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS E SEUS TRATAMENTOS Miriam Cleide Cavalcante de Amorim 1 ; Everaldo Rocha Porto 2 1 Av. do Sol, n o 100, apt o 302, Caminho do

Leia mais

Apresentação da Metodologia da Conferência

Apresentação da Metodologia da Conferência Apresentação da Metodologia da Conferência Objetivos das Conferências? são espaços de diálogo entre o governo e a população Instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

I-080 -AVALIAÇÃO DE MANANCIAIS USADOS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: ESTUDOS DE CASO

I-080 -AVALIAÇÃO DE MANANCIAIS USADOS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: ESTUDOS DE CASO I-080 -AVALIAÇÃO DE MANANCIAIS USADOS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: ESTUDOS DE CASO Ana Cristina Lourenço da Silva (1) Engenheira Química, MSc em Tecnologia Ambiental pela PUC-Rio, Aluna do Curso

Leia mais

Empresa Pública Municipal de Saneamento

Empresa Pública Municipal de Saneamento Empresa Pública Municipal de Saneamento MARÇO 2014 SANEAMENTO AMBIENTAL: Conjunto de ações sócio - econômicas que tem o objetivo alcançar níveis crescentes de salubridade ambiental, através dos seguintes

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO O Tratamento Químico e fundamental para deixar a água da piscina saudável, limpa e cristalina. Você necessita medir, inicialmente, três parâmetros: Alcalinidade Total,

Leia mais