Relatório Anual da Qualidade da Água

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Anual da Qualidade da Água"

Transcrição

1 Relatório Anual da Qualidade da Água Em cumprimento ao disposto no DECRETO n 5440/05, que estabelece os procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de abastecimento e, em consonância com o Portaria n 518/04, que estabelece os padrões de potabilidade da água, o SAMAE vem prestar informações aos seus usuários, do Município de Gaspar/SC O SAMAE Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto é uma Autarquia Municipal, criada em 15 de dezembro de 191 pela Lei n 404, primeiramente administrada pela Fundação SESP, com o objetivo de tratar e distribuir água e esgoto no Município de Gaspar A inauguração do sistema de abastecimento de água aconteceu em 08 de novembro de 192 Na época de implantação, o SAMAE contava com uma captação de água e uma estação de tratamento, projetada para o bombeamento e tratamento com capacidade de 2 litros por segundo, atendendo a 1500 ligações com rede de distribuição somente na área central da cidade Em 14 de dezembro de 199, foi extinto o contrato com a Fundação SESP, quando então passou a ser administrada pelo poder Municipal Hoje o SAMAE conta com cinco estações de tratamento de água, sendo ETA I e II abastecidas por manancial superficial Rio Itajaí-Açú, ETA IV e V abastecidas por manancial superficial Ribeirão Bateias e Ribeirão Belchior, respectivamente e ETA VI abastecida por manancial subterrâneo Poço artesiano Responsável Legal pela empresa: Luis Carlos Splenger Setor de Atendimento ao Consumidor: O consumidor encontrará todas as informações necessárias nos endereços abaixo: Rua Antônio Schimtt, n Centro Gaspar SC wwwsamaegasparcombr Telefone/Fax: (4) No caso de uma eventual ocorrência, as quais oferecem risco à saúde estarão disponíveis em: Na Estação de Tratamento de Água ETAI - Fone: No escritório do SAMAE - Fone: Meios de comunicação usuais, como rádio, televisão e internet Órgão Responsável pela Vigilância da qualidade da água Vigilância à Saúde Av das Comunidades, GASCIC n Centro Gaspar/SC - Tel: (4) Identificação dos Mananciais de abastecimento Os mananciais podem ser classificados em três categorias: superficiais (rios e lagos), subterrâneos (fontes naturais, galerias filtrantes, poços) e águas pluviais (superfícies preparadas) O município de Gaspar possui atualmente cinco estações de tratamento de água, as quais utilizam mananciais superficial (ETA I, II, IV e V) e subterrâneo (ETA VI) ETA Manancial Utilizado Classificação Resolução 35 do CONAMA ETA I Rio Itajaí-açú Classe 2 ETA II Rio Itajaí-açú Classe 2 ETA IV Riberão Bateias Classe 1 ETA V Ribeirão Belchior Classe 1 ETA VI Lençol Freático ---

2 BACIA HIDROGRÁFICA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITAJAÍ-AÇÚ As águas da Bacia do Rio Itajaí englobam 4 municípios em uma área que representa 1,15% do território catarinense, onde vivem cerca de 1 milhão de pessoas Isto faz de sua área de abrangência uma das mais importantes regiões para a economia de Santa Catarina e, ao mesmo tempo, uma das mais afetadas com as diversas formas de poluição e degradação ambiental Ao longo dos 200 quilômetros do Itajaí encontram-se, hoje, inúmeros exemplos de ignorância, agressão e descaso com o rio e seus afluentes Órgão responsável pelo seu monitoramento: FATMA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO BATEIAS A Estação de Tratamento IV do SAMAE, localizada na Rua Carlos Zuchi Neto, bairro Bateias, está situada no ponto de confluência dos dois ribeirões formadores do Rio Bateias (esses dois ribeirões não possuem nome catalogado e de uso comum) A Bacia Hidrográfica dos ribeirões formadores do Ribeirão Bateias e da qual são provenientes as águas que abastecem a ETA IV, devido a sua localização, topografia, geologia, vagetação, fauna e outros fatores, possui grande valor como ecossistema a ser estudado, além de enorme valor paisagístico e potencial turístico Por estas razões a Bacia Hidrográfica dos ribeirões formadores do Ribeirão Bateias foi declarada Área de Proteção Ambiental pelo Decreto n 18/2000Órgão responsável pelo seu monitoramento: FATMA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO BELCHIOR O ribeirão Belchior com 1 km de extensão, afluente da margem esquerda do rio Itajaí-Açú, está situado na região norte do Município de Gaspar, possuindo esta sub-bacia, aproximadamente 80 km² Esta sub-bacia, situada na região rural do Município de Gaspar, reúne as comunidades de Carolina, Belchior Alto, Belchior Central, Cananéia e Belchior Baixo que possui os seguintes limites: ao norte - municípios de Massaranduba e Luís Alves; ao sul - bairro Águas Negras, pertencente ao Município de Gaspar; ao leste - bairro Arraial do Ouro, pertencente ao Município de Gaspar; e ao oeste - município de Blumenau A sub-bacia do ribeirão Belchior tem economia diversificada a qual vem se desenvolvendo rapidamente sob o impulso da exploração do potencial turístico de suas águas Identificou-se na sub-bacia do Ribeirão Belchior, alguns problemas críticos: (a) diminuição da quantidade de água disponível no Ribeirão Belchior; (b) diminuição da qualidade da água em virtude da poluição ocasionada por efluentes industriais, esgotos domésticos, agrotóxicos; (c) falta de ordenação das construções erguidas (proximidade às vias públicas, impedindo o seu alargamento; e erguidas muito próximas ao curso d água, ocupando áreas de preservação permanente); (d) destruição da mata ciliar em virtude da ocupação destas áreas por pastagens e cultivos de arroz; (e) necessidade de melhorias na coleta dos resíduos sólidos urbanos, industriais e provenientes da agricultura, em especial as embalagens de agrotóxicos Para que estes problemas detectados fossem minimizados, formou-se um arranjo institucional, coordenado pelo Instituto de Estudos Ambientais (IPA) da Universidade Regional de Blumenau (FURB), constituído por diversas instituições que desenvolvem projetos/programas na região, adequando-as à realidade local do Belchior, bem como, fazendo convergir a diversidade de interesses das instituições envolvidas, a fim de otimizar esforços e recursos, de modo que possam ser sinérgicos ao longo de todo o Projeto Belchior Órgão responsável pelo seu monitoramento: FATMA POÇO ARTESIANO A ETA VI utiliza água de um poço artesiano e está localizada na Rua Leonardo Pedro Schmitz, Bairro Macuco com profundidade de 143 metros, produção de 4500L/h e reservação de 100m 3 Órgão responsável pelo seu monitoramento: FATMA

3 Estação de Tratamento de Água (ETA) O tratamento da água visa à eliminação de certas impurezas e/ou à correção de algumas impropriedades que tornam inadequada para determinado fim, no caso de uso doméstico, é realizado em instalações apropriadas, denominada estação de tratamento de água (ETA) e muitas vezes com o emprego de substâncias especificas Dentre os modelos de estações existentes os utilizados no município de Gaspar são os seguintes: Convencional Com as unidades de coagulação, floculação, decantação, filtração, desinfecção, fluoretação e reserva Utilizado para o tratamento de águas que possuem partículas finamente divididas em suspensão e partículas coloidais, necessitam de um tratamento químico capaz de propiciar sua deposição, com um baixo período de detenção Este tratamento é realizado provocando-se a coagulação, sendo geralmente empregado o sulfato de alumínio ou o policloreto de alumínio (PAC) O sulfato de alumínio normalmente é o produto mais utilizado, tanto pelas suas propriedades, como pelo seu menor custo Filtro Lento - É um método de tratamento da água, adotado principalmente para comunidades de pequeno porte, cujas águas dos mananciais apresentam baixos teores de turbidez e cor O processo consiste em fazer a água passar através de um meio granular com a finalidade de remover impurezas físicas, químicas e biológicas Então sofre desinfecção, fluoretação e reserva Filtro Russo - Para água bruta de turbidez baixa, primeiramente é realizada a floculação seguido de uma pré-filtragem, posteriormente ocorre outra filtragem As filtragens ocorrem em sentido ascensional (de baixo para cima), sendo a água filtrada recolhida em uma calha Então sofre desinfecção, fluoretação e reserva Tratamento Simples Devido ao fato da água de poço já possuir um sistema de filtragem natural, a água bruta apresenta turbidez baixa, havendo necessidade de somente realizar a desinfecção, fluoretação e reserva Na tabela abaixo são descritos os modelos nos quais se enquadram as estações de tratamento de água do município ETA Modelos de Tratamento utilizado ETA I Convencional ETA II Convencional ETA IV Filtro Lento ETA V Filtro Russo ETA VI Tratamento Simples Entenda os principais parâmetros analisados nas análises de água Cloro residual: O cloro é um agente bactericida Utilizado no tratamento com o objetivo de eliminar bactérias e outros microorganismos que podem estar presentes na água Flúor: Agente químico auxiliar na proteção e prevenção contra a cárie dentária PH: Indica a natureza ácida ou básica da água Ë monitorado durante as etapas de tratamento e na rede de distribuição, evitando os processos de corrosão nas canalizações Turbidez: É a medida da quantidade de partículas em suspensão (material insolúvel) presentes na água e que impedem a passagem de luz Cor: A cor indica a presença de substâncias dissolvidas ou finamente divididas que transmitem coloração especifica à água Assim como a turbidez, a cor é um parâmetro de aspecto estético de aceitação ou rejeição do produto Coliformes: É um grupo de bactérias que normalmente vivem no intestino de animais de sangue quente, embora alguns tipos possam ser encontrados também no meio ambiente É uma análise utilizada como indicadora de possível contaminação microbiológica

4 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA I # $%% $&# $&' () ** ()# &# '* $*) ) ) % ) ) ) ) ) ) )/%$ )/% )/%$ )/*' )/*% )/%( )/*# )/* )/(& )/# )/() )/# )/$ /#' /$( /) /) /$ $/*$ /# #/)2 %)( $&& %** *' %)# $( $( $' $*# $## $*) ** *# # %# ) ) ) ) ) ) /)* /) /# / /)' /% /)* /%( )/( /# (' &* &) &'' *%& *&' *& *(* *'& *) $*) ( *# '$ % ) ) ) ) ) ) /** /*' /*' /'& /$ /%' /%* /%$ /%( /% )/') )/'' )/&) )/#$ )/' )/&) )/(# )/() )/'& )/#' )/$$/) %* *( '$ #' #* *( *( *( #* *( * :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem 2 VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

5 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA II =>? %(# $&' *'& $(% &# (% ( (( #' #( $) ) $ ) $ ) ) ) ) ) ) )/$# )/$* )/$ )/$ )/%# )/%$ )/$( )/$ )/## )/$ )/*' )/') )/$# $/' */'* /() )/#' )/') $/*) /)' #/)2 %# %## %& %*$ %# %#( %$# %* %$) %*% $) * '$ ' $* ) ) ) ) ) ) /)% )/&' /)* )/&' /% /) )/&$ )/&) /)) /% /# )# &&$ %) &(& *#( *# *## **' *%& *#( $) % (' (( $# ) ) ) ) ) ) /) )/(% )/&% /* )/(# )/( )/(% )/(* )/(* )/(% )/(( )/'$ )/#& )/&( )/'( )/#) )/# )/'' )/'$ )/'* )/$$/) $$ %' %) $& $) $) $) $$ $) $) :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem 2 VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

6 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA IV?> $$$ $$* $' $%% $# $'' %)& $&$ $#' %$( $*) $( # ' ) ) ) ) ) ) )/% )/# )/%' )/*) )/* )/#) )/$( )/#$ /') )/&' %/$% /&* )/'' /#% /## /&& %/% $/(* */'# %/$$ #/)2 $$# $$* $# $%% $*& $'' %)& $() $#% %)& $*) @ A ) % $ ) ) ) ) ) ) /)) /)% )/&$ /%* )/(( /%( /) )/&' /) /$' /# $$$ $$% $' $%% $#' $' %)& $(( $## %%) $*) $ % # ) ) ) ) ) ) /)# /) )/& /)$ /)' /)) )/(% /)# /# /)* )/#) )/') )/#* )/#$ )/'$ )/'$ )/'* )/#' )/#* )/) )/$$/) ' %$ $$ & % % * ) $ ) :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem 2 VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

7 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA V?> %#* %#) %(( * *$ *$* *$$ %&# *# * #) * ) $% % ) $ $ ) ) ) )/* )/$* )/% )/$$ )/( )/%$ )/$ )/$$ )/$# )/$& #/*$ )/** */( /' )/%& )/ )/# )/*( $/$ %/*) #/)2 $)& %) $# $%& $%' $*) $#' $' '$ *' #) %$ $ # $) ) ) ) ) ) ) )/&# )/&% )/&$ )/&( /%) /) )/& )/(& /)) )/&$ /# %#* %#) %(( *# *% *$ *%( %(' *# * #) ( % # ) ) ) ) ) ) ) )/(( )/(( )/($ )/(( )/& )/( )/( )/(( )/(% )/(# )/# )/# )/#$ )/' )/') )/## )/'$ )/% )/'( )/' )/$$/) $ ( ( ' # % % % % $ ) :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

8 Resumo das análises da qualidade da água distribuída pela ETA VI? # $# %* ( % $& $ $ $# $ # ) ) ) ) ) ) ) ) ) ) )/ )/$ )/$$ )/' )/%$ )/$& )/%$ )/% )/%$ )/%$ )/%) )/($ )/$# )/*$ )/%# )/*' )/'# )/*# #/)2 # $ % ( % $& $ $ $* $* # # $ ' ) ) ) ) ) ) ) )/ )/'* )/) )/'$ )/&# /%* /$) )/( /$) /# # $# %* ( % %% % $ $( %) # ) ) $ ) ) $ $ ) ) ) )/(( )/(* )/( )/() )/' )/' )/$ )/'( )/( )/$ )/*& )/# )/*( )/%* )/$# )/$# )/*' )/'& )/$$/) * ( ( ' ' % $ $ % $ ) :;3))4< ))4 1 AP n de amostras previstas de acordo com o plano de amostragem 2 VMP Valor Máximo Permitido pela Portaria 518/2004

9 As atividades desenvolvidas pelo SAMAE de Gaspar estão em acordo com a Portaria n 518/04, do Ministério da Saúde e as mesmas vêm sendo realizadas na forma legal, conforme cálculo de amostragem Como temos cinco estações de tratamento de água, para cada estação existe um plano de amostragem próprio respeitando as particularidades de cada uma e o número da população atendida Além disso, este é um sistema de controle para que uma vez verificado o resultado em desacordo, sejam tomadas medidas corretivas imediatamente, preservando, com isso, a saúde e a qualidade de vida da população Químico Resp CRQ Dr Luiz G Verdi Farm Bioquimica CRF 390 Jeanne A Santana

Escritório Central: Rua Aderbal R. da Silva, s/n Centro CEP: Doutor Pedrinho SC Fone: (47)

Escritório Central: Rua Aderbal R. da Silva, s/n Centro CEP: Doutor Pedrinho SC Fone: (47) RELATORIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO AGÊNCIA DE DOUTOR PEDRINHO Responsável legal: Diretor Presidente Valter Gallina As informações complementares

Leia mais

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME O SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto da cidade de Governador Valadares-MG, é uma Autarquia Municipal, criada pela Lei Municipal Nº276 de 01/09/1952,

Leia mais

Relatório Anual de Qualidade da Água -2012

Relatório Anual de Qualidade da Água -2012 Relatório Anual de Qualidade da Água -2012 Com o objetivo de atender ao Decreto Federal nº 5.440/05 que estabelece os procedimentos para a divulgação de informações ao consumidor sobre a qualidade da água

Leia mais

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME O SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto da cidade de Governador Valadares-MG, é uma Autarquia Municipal, criada pela Lei Municipal Nº276 de 01/09/1952,

Leia mais

Purificação das águas: tratamento de água para abastecimento

Purificação das águas: tratamento de água para abastecimento Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental (2017/2) Química das Águas (Parte 3a) Purificação das águas: tratamento de água para abastecimento

Leia mais

Tratamento de Água: Generalidades Aeração

Tratamento de Água: Generalidades Aeração UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Generalidades Aeração DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Água para

Leia mais

3.6 LEOPOLDINA Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.6 LEOPOLDINA Sistema Existente de Abastecimento de Água 3.6 LEOPOLDINA O sistema de abastecimento público de água em Leopoldina é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, empresa de âmbito estadual, através do sistema operacional

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO CAPTAÇÃO DE ÁGUA Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website:

Leia mais

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10 Estações de Tratamento de Água TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10.1 - Introdução Água potável à disposição dos consumidores: De forma contínua Quantidade adequada Pressão adequada Qualidade adequada

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2010 São Paulo Itapetininga Quem é a Sabesp A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) é uma empresa de economia mista, capital aberto, que tem

Leia mais

Aula 4: Química das Águas Parte 3a

Aula 4: Química das Águas Parte 3a Química Ambiental- 1 semestre 2016 Aula 4: Química das Águas Parte 3a Purificação de águas:tratamento de Água para abastecimento Taimara Polidoro Ferreira Departamento de Química- UFJF Importância da água

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE RESOLUÇÃO SS-45 DE 31 DE JANEIRO DE 1992 Institui o Programa de Vigilância

Leia mais

Você está recebendo um caderno de prova para o cargo de AGENTE DE ETA.

Você está recebendo um caderno de prova para o cargo de AGENTE DE ETA. Nome do candidato: Assinatura: Número da inscrição: ATENÇÃO! SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SAMAE Edital nº 001/2017 CADERNO DE PROVA AGENTE DE ETA Você está

Leia mais

Exercícios Ciências 3º Trimestre 2015

Exercícios Ciências 3º Trimestre 2015 ALUNO (A): Nº: TURMA: DATA: / / PROFESSOR (A): Graziela Grazziotin Costa DISCIPLINA: Ciências Exercícios Ciências 3º Trimestre 2015 1) Associe corretamente as colunas, colocando nos parênteses a letra

Leia mais

Tratar os efluentes significa reduzir seu potencial poluidor através de processos físicos, químicos ou biológicos, adaptando-os aos padrões

Tratar os efluentes significa reduzir seu potencial poluidor através de processos físicos, químicos ou biológicos, adaptando-os aos padrões Tratamento de água e efluentes: do convencional ao sistema avançado O papel das membranas PARTE 1 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO CONVENCIONAL Profa. Dr. ElisângelaMoraes 02 de dezembro de 2010 TRATAMENTO DE

Leia mais

10.2 Parâmetros de qualidade da água

10.2 Parâmetros de qualidade da água 10-3 m 1 m 10.2 Parâmetros de qualidade da água Sistema de Abastecimento de Água Partículas dissolvidas Dureza (sais de cálcio e magnésio), ferro e manganês não oxidados Partículas coloidais Coloidais:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Resolução SS- 293, de 25 /10 / 96 Estabelece os procedimentos do Programa de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano no Estado de São Paulo e dá providências correlatas. O Secretário da Saúde,

Leia mais

1- Nos quadrinhos, MARQUE S para os materiais solúveis em água e I para os materiais insolúveis em água.

1- Nos quadrinhos, MARQUE S para os materiais solúveis em água e I para os materiais insolúveis em água. Atividade de estudo 4º ano 1- Nos quadrinhos, MARQUE S para os materiais solúveis em água e I para os materiais insolúveis em água. 2- O nosso planeta também é chamado de planeta água. Isso porque a água

Leia mais

QUEM É A SABESP SITUAÇÃO DOS MANANCIAIS

QUEM É A SABESP SITUAÇÃO DOS MANANCIAIS APIAÍ QUEM É A SABESP A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) é uma empresa de economia mista, de capital aberto, que tem como principal acionista o Governo do Estado de São Paulo,

Leia mais

Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos

Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Qualidade da Água em Rios e Lagos Urbanos Novembro 2008 Felipe Carvalho

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

ÁGUA:abastecimento para consumo humano

ÁGUA:abastecimento para consumo humano UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ÁGUA:abastecimento para consumo humano Profa. Eliane Carneiro Gomes Disciplina de

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2008 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2008, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Boletim Epidemiológico VIGIAGUA

Boletim Epidemiológico VIGIAGUA 01 de agosto de 2016 Página 1/7 GLOSSÁRIO 1. Programa de Vigilância da Qualidade da Água no Ceará Água para consumo humano: Aquela utilizada para beber, preparação de alimentos e higiene corporal. Água

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 15 Flotação e Filtração

Saneamento Ambiental I. Aula 15 Flotação e Filtração Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 15 Flotação e Filtração Profª Heloise G. Knapik 1 Conteúdo Módulo 2 Parâmetros de qualidade de água - Potabilização Coagulação

Leia mais

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO

II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO II-149 CARACTERIZAÇÃO E CLARIFICAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DO FILTRO DE UMA ETA QUE UTILIZA COMO COAGULANTE O SULFATO DE ALUMÍNIO Cristiano Olinger (1) Engenheiro Civil pela Fundação Universidade Regional

Leia mais

Desafios frente à segurança da água para consumo humano no Rio Grande do Sul

Desafios frente à segurança da água para consumo humano no Rio Grande do Sul Desafios frente à segurança da água para consumo humano no Rio Grande do Sul Julce Clara da Silva MSc. Saúde Coletiva UNISINOS Engª.Quimica Sanitarista Coordenadora VIGIAGUA DVAS Porto Alegre, 27 de setembro

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 2015

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 2015 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS 2015 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2015, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Monitoramento da qualidade das águas de fontes alternativas de abastecimento do Bairro dos Ingleses- Florianópolis/SC (1)

Monitoramento da qualidade das águas de fontes alternativas de abastecimento do Bairro dos Ingleses- Florianópolis/SC (1) Monitoramento da qualidade das águas de fontes alternativas de abastecimento do Bairro dos Ingleses- Florianópolis/SC (1) Sônia Maria de Almeida(2); Claudi 'Ariane Gomes da Fonseca(3); Bruna Moraes Vicente(4);Guilherme

Leia mais

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS. Materiais Filtrantes para Tratamento de Água Potável e Efluentes Industriais.

I ENCONTRO DAS ÁGUAS. 13 a 15 de maio de Campo Grande MS. Materiais Filtrantes para Tratamento de Água Potável e Efluentes Industriais. I ENCONTRO DAS ÁGUAS 13 a 15 de maio de 2009 - Campo Grande MS Realização: SINTERCON Painel : Título da Palestra: Materiais Filtrantes para Tratamento de Água Potável e Efluentes Industriais. Palestrante:

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 1 INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 Yanna Julia Dantas de Souza 2, Jardson Álvaro Freitas Bezerra 3, Hozineide Oliveira Rolim 4,

Leia mais

Prof. Esp. Talles Mello Engenheiro Civil CREA MS 26047D

Prof. Esp. Talles Mello Engenheiro Civil CREA MS 26047D Prof. Esp. Talles Mello Engenheiro Civil CREA MS 26047D O tratamento da água destinada ao consumo humano tem a finalidade básica de torná-la segura do ponto de vista de potabilidade, ou seja, tratamento

Leia mais

AMPARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

AMPARO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE AMPARO PRESTADOR: SAAE - SANEAMENTO AMBIENTAL Relatório R2 Não Conformidades Americana, novembro de 2014 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA TRATADA DISTRIBUÍDA PELA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA (ETA) II EM GASPAR, SC

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA TRATADA DISTRIBUÍDA PELA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA (ETA) II EM GASPAR, SC VIII Encontro de Recursos Hídricos de Sergipe 26 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA TRATADA DISTRIBUÍDA PELA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA (ETA) II EM GASPAR, SC Camila Guesser 1 Matheus Leandro Gonçalves

Leia mais

FIME. Basicamente, uma instalação FiME é composta por alguma combinação entre a: a pré-filtração dinâmica, Pré filtração grosseira. a filtração lenta.

FIME. Basicamente, uma instalação FiME é composta por alguma combinação entre a: a pré-filtração dinâmica, Pré filtração grosseira. a filtração lenta. FIME Para o uso eficiente da filtração rápida, é necessário o pré-tratamento da água bruta com coagulação química, podendo ou não haver a floculação e decantação ou flotação, dependendo da qualidade da

Leia mais

Saneamento I. João Karlos Locastro contato:

Saneamento I. João Karlos Locastro contato: 1 ÁGUA 2 3 Saneamento I João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 4 Objetivos Projeto; Legislação; Atuação Profissional - Prestação de serviços - Concursos públicos 5 Ementa Saneamento

Leia mais

sólidos - a incineração, mostrada nas figuras 15 e 16. Muitos proprietários queimam seus lixos

sólidos - a incineração, mostrada nas figuras 15 e 16. Muitos proprietários queimam seus lixos 49 Figura 14 - Deposição de lixo. Na área estudada, é comum outra prática inadequada de tratamento dos resíduos sólidos - a incineração, mostrada nas figuras 15 e 16. Muitos proprietários queimam seus

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO. NÚMERO DE CADASTRO DA ENTIDADE NO MUNICÍPIO (Preenchido de acordo com o Relatório de Números Cadastrais / IBGE)

IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO. NÚMERO DE CADASTRO DA ENTIDADE NO MUNICÍPIO (Preenchido de acordo com o Relatório de Números Cadastrais / IBGE) Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - 0 ABASTECIMENTO DE ÁGUA AA BLOCO 0 0 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO NÚMERO DE

Leia mais

Tratamentode águade abastecimento. Disciplina: Saneamento Professor: Carlos Eduardo F Mello

Tratamentode águade abastecimento. Disciplina: Saneamento Professor: Carlos Eduardo F Mello Tratamentode águade abastecimento Disciplina: Saneamento Professor: Carlos Eduardo F Mello Conteúdodestaaula Conceituaçãoe objetivodo tratamentode águade abastecimento; Principaisinstrumentosde normatizaçãotécnicae

Leia mais

Conversando com as Águas - Itu/SP. Monitoramento e análise da qualidade das águas em situações de emergência.

Conversando com as Águas - Itu/SP. Monitoramento e análise da qualidade das águas em situações de emergência. Conversando com as Águas - Itu/SP Monitoramento e análise da qualidade das águas em situações de emergência. Relatório preliminar, segunda versão Kit de Imprensa Novembro de 2014 O Projeto Conversando

Leia mais

Educação e Saúde. { Ciências da Natureza - UNIPAMPA

Educação e Saúde. { Ciências da Natureza - UNIPAMPA Educação e Saúde { Ciências da Natureza - UNIPAMPA De onde vem a água que bebemos, cozinhamos, realizamos nossa higiene?? Abastecimento de Água Revolução Industrial- Crescimento demográfico urbano- Infra

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Infraestrutura de Abastecimento

Leia mais

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE.

I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. I-158 AUTOMATIZAÇÃO DA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA I DE BRUMADO COM UTILIZAÇÃO DE BOMBA DOSADORA E PH- METRO ON-LINE. Luiz Boaventura da Cruz e Silva (1) Químico bacharel graduado pela Universidade

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2015 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PARÂMETROS DETERMINADOS PELA SUDEMA DO RIO JAGUARIBE COM PADRÕES CONAMA 357/05

ANÁLISE COMPARATIVA DOS PARÂMETROS DETERMINADOS PELA SUDEMA DO RIO JAGUARIBE COM PADRÕES CONAMA 357/05 ANÁLISE COMPARATIVA DOS PARÂMETROS DETERMINADOS PELA SUDEMA DO RIO JAGUARIBE COM PADRÕES CONAMA 357/05 Hélio Teotônio Alves FILHO 1, Kenny Rogers da Silva HENRIQUES ¹, José Ítalo Carneiro RIBEIRO¹, 1 Alunos

Leia mais

SANTA BÁRBARA D OESTE

SANTA BÁRBARA D OESTE RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA D OESTE PRESTADOR: DAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE SANTA BÁRBARA D OESTE Relatório R3 Continuação do Diagnóstico

Leia mais

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA)

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO SAA UF SC Município Sombrio Mês/Ano de referência 06 /2017 Nome do SAA SAMAE Sombrio Código SAA (Sisagua) Instituição responsável

Leia mais

O sistema de abastecimento a cargo da EPAL tem evoluído de uma forma muito acentuada, de acordo com as necessidades da vasta região que abastece.

O sistema de abastecimento a cargo da EPAL tem evoluído de uma forma muito acentuada, de acordo com as necessidades da vasta região que abastece. Capítulo I A EPAL A EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S. A., é uma sociedade anónima de capitais públicos detida a 100% pelas Águas de Portugal, S.G.P.S., S.A., e integrante do Grupo Águas de

Leia mais

Água Subterrânea como Manancial de Abastecimento no Rio Grande do Sul

Água Subterrânea como Manancial de Abastecimento no Rio Grande do Sul Água Subterrânea como Manancial de Abastecimento no Rio Grande do Sul Carlos Alvin Heine Diretoria de Expansão Superintendência de Recursos Hídricos e Meio Ambiente COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO

Leia mais

Estudo da Arte da Coagulação. Nome(s) do(s) Autor(es) Francisco Oliveira Rinaldo Lima

Estudo da Arte da Coagulação. Nome(s) do(s) Autor(es) Francisco Oliveira Rinaldo Lima Estudo da Arte da Coagulação Nome(s) do(s) Autor(es) Francisco Oliveira Rinaldo Lima Curriculum- Autores Francisco Silva Oliveira Escola técnica de Saneamento SENAI CETIND Lauro de Freitas- Bahia. Técnico

Leia mais

ÁGUA E AR 3º TRIMESTRE

ÁGUA E AR 3º TRIMESTRE ÁGUA E AR 3º TRIMESTRE 1 IMPORTÂNCIA DA ÁGUA PARA A VIDA NA TERRA Ela é um dos principais componentes da biosfera e cobre a maior parte da superfície do planeta; Diversos ambientes na Terra são habitados

Leia mais

Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas. Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo

Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas. Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo População Rural 30 milhões de pessoas residem em localidades rurais no Brasil,

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA EM SANEAMENTO BÁSICOB. Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho

ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA EM SANEAMENTO BÁSICOB. Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANITÁRIA APLICAÇÕES DO DIÓXIDO DE CLORO EM SANEAMENTO BÁSICOB Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho Introdução SUMÁRIO Concepção de

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO PARINTINS - AMAZONAS

ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO PARINTINS - AMAZONAS Plano de amostragem mensal recomendável para o controle da qualidade da água do sistema de abastecimento do SAAE, para fins de análises microbiológicas, em função da população abastecida conforme a Portaria

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

Video coagulação/floculação

Video coagulação/floculação Video coagulação/floculação Tratamento de Águas para Consumo Humano FILTRAÇÃO: Consiste na remoção de substâncias em suspensão, para as quais a sedimentação não foi eficaz através da passagem da água por

Leia mais

Estação de tratamento de Água: R.F Unidade Sucupira

Estação de tratamento de Água: R.F Unidade Sucupira Estação de tratamento de Água: R.F Sucupira Resultados de Análises da Água na Saída do Tratamento e Redes de Distribuição Mês: Fevereiro/2013 2914/11 Estabelecidas Valor Médio Encontrado ETA REDE ETA REDE

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DAS ÁGUAS DO CÓRREGO MOSCADOS EM MARINGÁ-PR

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DAS ÁGUAS DO CÓRREGO MOSCADOS EM MARINGÁ-PR ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DAS ÁGUAS DO CÓRREGO MOSCADOS EM MARINGÁ-PR Denise Rech¹, Adonai Zamboti 2, Ricardo Andreola 3 1 Acadêmica do Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária do Centro Universitário de

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Sistemas de Tratamento São constituídos por unidades de captação, adução, tratamento, reservação e distribuição; Para cada tipo de água

Leia mais

POLUIÇÃO AMBIENTAL: DIAGNÓSTICO DAS FONTES CONTAMINANTES DO CÓRREGO DE TANQUES

POLUIÇÃO AMBIENTAL: DIAGNÓSTICO DAS FONTES CONTAMINANTES DO CÓRREGO DE TANQUES POLUIÇÃO AMBIENTAL: DIAGNÓSTICO DAS FONTES CONTAMINANTES DO CÓRREGO DE TANQUES Wilhiany de Oliveira Ramos, Junior Tavares Machado, Jéssica Nascimento Amorim Viana, Michelle Ribeiro Pereira (1) ; Regina

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

CORUMBATAÍ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades

CORUMBATAÍ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ PRESTADOR: PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBATAÍ Relatório R3 Continuação Diagnóstico e Não Conformidades Americana,

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANITÁRIA PHD SANEAMENTO I. Floculação

ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANITÁRIA PHD SANEAMENTO I. Floculação ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E SANITÁRIA PHD 2411 - SANEAMENTO I Floculação Prof. Dr. Roque Passos Piveli Prof. Dr. Sidney Seckler Ferreira Filho PHD-2411 Saneamento

Leia mais

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano

Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano ANEXO I da Resolução SS 65 de 12 de maio de 2005 Cadastro do Sistema /Solução Alternativa de Abastecimento de Água para Consumo Humano Nome do Sistema/Solução Alternativa: Regional de Saúde: Código IBGE:

Leia mais

Dessecagem de lodo de ETA através de Geofôrmas Lineares

Dessecagem de lodo de ETA através de Geofôrmas Lineares 17 a 20 de Agosto de 2010 -Rio de Janeiro Dessecagem de lodo de ETA através de Geofôrmas Lineares Oliveira FS; Costa ADS; Hillen L. Introdução Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos

Leia mais

PROJETO ÁGUA VIVA. Autor: Aldair da Silva Operador de Estação de Tratamento de Água do SAAE Itabirito

PROJETO ÁGUA VIVA. Autor: Aldair da Silva Operador de Estação de Tratamento de Água do SAAE Itabirito PROJETO ÁGUA VIVA Autor: Aldair da Silva Operador de Estação de Tratamento de Água do SAAE Itabirito Endereço: SAAE Itabirito Rua Araújo Lima, 107 - Centro - Itabirito - MG Cep: 35450-000 Fone; 3561-5678

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO CIDADE DE LAGOA FORMOSA DADOS RELATIVOS AO ABASTECIMENTO DE ÁGUA ATUAL

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO CIDADE DE LAGOA FORMOSA DADOS RELATIVOS AO ABASTECIMENTO DE ÁGUA ATUAL SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO CIDADE DE LAGOA FORMOSA DADOS RELATIVOS AO ABASTECIMENTO DE ÁGUA ATUAL 1 I CONSIDERAÇÕES SOBRE O ATENDIMENTO ATUAL DA POPULAÇÃO O sistema atual, no que concerne à produção

Leia mais

Do Brasil Ltda AVALIAÇÃO E BIORREMEDIAÇÃO DO POLO DO ATUBA NA CONTAMINAÇÃO POR ÓLEOS MINERAIS

Do Brasil Ltda AVALIAÇÃO E BIORREMEDIAÇÃO DO POLO DO ATUBA NA CONTAMINAÇÃO POR ÓLEOS MINERAIS AVALIAÇÃO E BIORREMEDIAÇÃO DO POLO DO ATUBA NA CONTAMINAÇÃO POR ÓLEOS MINERAIS O Pólo Atuba, um dos mais antigos campos operacionais da Companhia Paranaense de Energia, abriga, desde 1960, depósitos dos

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Profª Heloise G. Knapik 1 Primeiro módulo: Dimensionamento de redes de

Leia mais

O meio aquático I. Bacia Hidrográfica 23/03/2017. Aula 3. Prof. Dr. Joaquin Bonnecarrère Garcia. Zona de erosão. Zona de deposição.

O meio aquático I. Bacia Hidrográfica 23/03/2017. Aula 3. Prof. Dr. Joaquin Bonnecarrère Garcia. Zona de erosão. Zona de deposição. O meio aquático I Aula 3 Prof. Dr. Joaquin Bonnecarrère Garcia Bacia Hidrográfica Área de drenagem Zona de erosão Zona de armazenamento e transporte Lago ou Oceano Zona de deposição Zona de erosão Maior

Leia mais

O meio aquático I. Aula 3 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof. Dr. Joaquin B. Garcia

O meio aquático I. Aula 3 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof. Dr. Joaquin B. Garcia O meio aquático I Aula 3 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof. Dr. Joaquin B. Garcia 2 Bacia Hidrográfica Área de drenagem Zona de erosão Zona de armazenamento e transporte Lago ou Oceano Zona de deposição Zona

Leia mais

Aula 2: Mistura Rápida

Aula 2: Mistura Rápida Curso: Engenharia Civil Disciplina: Sistema de Tratamento de Água e Esgoto Prof(a): Marcos Heleno Guerson de O Jr Nota de Aula! Aula 2: Mistura Rápida Introdução A teoria de tratamento de água baseia-se

Leia mais

SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5.

SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5. ESTUDOS E INVENTÁRIO QUALITATIVO DAS ÁGUAS SUPERFICIAIS SUMÁRIO 1. Considerações iniciais 2. Bacia do rio Macaé 3. Bacia do rio das Ostras 4. Bacia da lagoa de Imboacica 5. Próximas etapas 1 - Considerações

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE N / A Revisão 0

RELATÓRIO DE ANÁLISE N / A Revisão 0 RELATÓRIO DE ANÁLISE N 70501 / 2017 - A Revisão 0 DADOS DO LABORATÓRIO RR ACQUA SERVICE COLETA E ANÁLISE DE ÁGUA LTDA-ME CNPJ: 08.356.731/0001-86 ENDEREÇO: AV. ANTÔNIO CARDOSO, 1.200 BANGÚ - SANTO ANDRÉ

Leia mais

RIO DAS PEDRAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

RIO DAS PEDRAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE RIO DAS PEDRAS PRESTADOR: SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE Relatório R2 Não Conformidades Americana, maio de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

Memorando nº 26/2017/CGPE/DIPOA/MAPA/SDA/MAPA. Brasília, 21 de julho de Ao(À) Aos Chefes dos SIPOAs, SISAs e SIFISAs

Memorando nº 26/2017/CGPE/DIPOA/MAPA/SDA/MAPA. Brasília, 21 de julho de Ao(À) Aos Chefes dos SIPOAs, SISAs e SIFISAs MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO COORDENACAO-GERAL DE PROGRAMAS ESPECIAIS - CGPE Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Bairro Zona Cívico-Administrativa - Brasília/DF,

Leia mais

TRATAMENTO DO EFLUENTES

TRATAMENTO DO EFLUENTES TRATAMENTO DO EFLUENTES Para que serve tratamento de efluente? Remover as impurezas físicas, químicas, biológicas e organismos patogênicos do EFLUENTE AQUELE QUE FLUI Resíduos (impurezas) proveniente das

Leia mais

Química Ambiental. Química das Águas - Parte 3 Purificação de águas - Tratamento de água para abastecimento - Tratamento de esgoto.

Química Ambiental. Química das Águas - Parte 3 Purificação de águas - Tratamento de água para abastecimento - Tratamento de esgoto. Departamento de Química UFJF L/O/G/O Química Ambiental Química das Águas - Parte 3 Purificação de águas - Tratamento de água para abastecimento - Tratamento de esgoto Agatha Lopes 2 semestre 2016 A Constituição

Leia mais

Hidrologia, Pedologia e Geologia

Hidrologia, Pedologia e Geologia CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR PROFISSIONAL DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR PROFISSIONAL JR - ENG. DE MEIO AMBIENTE JÚNIOR Hidrologia, Pedologia e Geologia Questões Resolvidas QUESTÕES

Leia mais

ESTUDO SOBRE O REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS NA ETA GAVIÃO EM PACATUBA/CE

ESTUDO SOBRE O REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS NA ETA GAVIÃO EM PACATUBA/CE ESTUDO SOBRE O REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS NA ETA GAVIÃO EM PACATUBA/CE Thayanne Lara Gondim Silva (*), Alan Martins de Oliveira * UFERSA, Universidade Federal Rural do Semi-Árido Campus

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE POÇOS PROFUNDOS DA MACRORREGIÃO DE MACIÇO DO BATURITÉ-CE

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE POÇOS PROFUNDOS DA MACRORREGIÃO DE MACIÇO DO BATURITÉ-CE AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE POÇOS PROFUNDOS DA MACRORREGIÃO DE MACIÇO DO BATURITÉ-CE Hudson Pimentel Costa 1 ; Maria Gomes Pereira Gildo 1 ; Karyne Barros Queiroz¹; Rogério Nunes

Leia mais

USO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO

USO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO USO E QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS PARA ABASTECIMENTO PÚBLICO NO ESTADO DE SÃO PAULO Maria de Fátima B. da Silva 1, Aimar Nicoletti 2, Alfredo C. C. Rocca 3 e Dorothy C. P. Casarini 1 Resumo - O presente

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE. Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS

URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE. Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS URBANIZAÇÃO E DRENAGEM URNANA EM PORTO ALEGRE Joel Avruch Goldenfum - IPH/UFRGS 1 Impactos da urbanização Cerca de 80% da população brasileira Problemas (Recursos Hídricos): degradação ambiental dos mananciais

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB Carolina Pereira Dantas (1); Márcia Izabel Cirne França (2); Valéria Kelly Alves da Silva (3); Sonáli Amaral

Leia mais

ÁGUA. Profa. Dra. Susana Segura Muñoz EERP/USP 1

ÁGUA. Profa. Dra. Susana Segura Muñoz EERP/USP 1 ÁGUA Profa. Dra. Susana Segura Muñoz EERP/USP 1 A água é um recurso esgotável? 5 Situação dos recursos hídricos no Brasil Aquífero Bauru Aquífero Guarani Aquífero Tubarão Aquífero Taubate Aquífero

Leia mais

A INTERFACE ENTRE OS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E OS RECURSOS HÍDRICOS

A INTERFACE ENTRE OS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E OS RECURSOS HÍDRICOS A INTERFACE ENTRE OS PLANOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO BÁSICO E OS RECURSOS HÍDRICOS Preparatório da Engenharia e da Agronomia para o 8º Fórum Mundial da Água Campinas/SP 22 de Março de 2017 Lei 11.445 de

Leia mais

Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida. Figura Distribuição das áreas contaminadas em relação à atividade (CETESB, 2006).

Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida. Figura Distribuição das áreas contaminadas em relação à atividade (CETESB, 2006). 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 757 Posto de Combustível 800 700 600 500 400 300 200 127 100 38 32 3 2 0 Indústria Comércio Resíduo Acidentes Desconhecida Figura822.10.18. Distribuição das áreas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tratamento de Água: Filtração DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito É um processo

Leia mais

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA)

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO SAA UF SC Município Sombrio Mês/Ano de referência 02 /2017 Nome do SAA SAMAE Sombrio Código SAA (Sisagua) Instituição responsável

Leia mais

PEDREIRA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

PEDREIRA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PEDREIRA PRESTADOR: SAAE SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE PEDREIRA Relatório R2 Não Conformidades Americana, maio de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DOSAGEM DE COAGULANTE NAS ETAS DE VIÇOSA-MG

OTIMIZAÇÃO DA DOSAGEM DE COAGULANTE NAS ETAS DE VIÇOSA-MG OTIMIZAÇÃO DA DOSAGEM DE COAGULANTE NAS ETAS DE VIÇOSA-MG Henrique Freitas Santana (1) Chefe do Setor de Qualidade e Tratamento do SAAE de Viçosa-MG, Mestre em Bioquímica e Imunologia pela Universidade

Leia mais

para fluxo laminar, com número de Reynolds N R menor que para fluxo turbulento, com número de Reynolds N vs

para fluxo laminar, com número de Reynolds N R menor que para fluxo turbulento, com número de Reynolds N vs taxa de escoamento superficial, mas também a velocidade de escoamento horizontal em seu interior, para evitar que sejam arrastados os flocos sedimentados. A velocidade máxima de escoamento horizontal segundo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU*

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* Autores: Felix de Carvalho Augusto (apresentador) Técnico em Química (Colégio São José RJ), Químico Industrial (Faculdade da

Leia mais

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas.

Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. Resolução CONAMA Nº 396, de 03 de Abril de 2008 Dispõe sobre a classificação e diretrizes ambientais para o enquadramento das águas subterrâneas. - Definições Águas subterrâneas: águas que ocorrem naturalmente

Leia mais

INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS

INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS INTRODUÇÃO À QUALIDADE DAS ÁGUAS E AO TRATAMENTO DE ESGOTOS Nádia Maria Moreira e Silva nadiaponto@gmail.com Prof. Dr. Nivaldo dos Santos nivaldodossantos@bol.com.br RESUMO: A água é um dos compostos inorgânicos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUIDA 2014 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DE BELA VISTA

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUIDA 2014 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DE BELA VISTA RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUIDA SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DE BELA VISTA INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO, EM CUMPRIMENTO AO DECRETO Nº 5.440

Leia mais

A água e sua qualidade

A água e sua qualidade A água e sua qualidade Ao contrário do que muitos imaginam, a água é uma substância muito complexa. Por ser um excelente solvente, até hoje ninguém pôde vê-la em estado de absoluta pureza. Quimicamente

Leia mais

-> A Bacia Hidrográfica do rio Paraopeba, UPGRH SF3 situa-se a sudeste do estado de Minas Gerais e abrange uma área de km2.

-> A Bacia Hidrográfica do rio Paraopeba, UPGRH SF3 situa-se a sudeste do estado de Minas Gerais e abrange uma área de km2. CBH PARAOPEBA -> A Bacia Hidrográfica do rio Paraopeba, UPGRH SF3 situa-se a sudeste do estado de Minas Gerais e abrange uma área de 13.643 km2. -> O rio Paraopeba, tem como seus principais afluentes o

Leia mais

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS Turbidez 51 59 59 Cloro Residual Livre 51 59 59 Cor Aparente 10 59 59 atenderam atenderam atenderam 51 59 02 amostras apresentaram presença de CT Escherichia coli 51 59 Ausência As análises realizadas

Leia mais

RIO DAS PEDRAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE

RIO DAS PEDRAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE RIO DAS PEDRAS PRESTADOR: SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

Leia mais