ELETRÔNICA I. Apostila de Laboratório. Prof. Francisco Rubens M. Ribeiro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELETRÔNICA I. Apostila de Laboratório. Prof. Francisco Rubens M. Ribeiro"

Transcrição

1 ELETRÔNICA I Apostila de Laboratório Prof. Francisco Rubens M. Ribeiro L E E UERJ 1996

2 Prática 01 - Diodo de Silício 1 - Objetivo: Levantamento da característica estática VxI do diodo de Si, com o auxílio do osciloscópio na configuração XY - plotador. Medida de parâmetros - tensão de joelho e resistência dinâmica. Aplicações: retificador e limitador simétrico. 2 - Procedimento: Montar o circuito da figura 1 - alimentação 12 V RMS / 60Hz (medir previamente) Conectar o osciloscópio na configuração XY, conforme indicado no circuito: Canal 1 - eixo X - tensão no diodo. Canal 2 - eixo Y - corrente no diodo (invertido) Selecionar as escalas de modo a medir com precisão a tensão de joelho V D e a resistência dinâmica R D Desenhe, em papel milimetrado, as curvas obtidas para 3 valores de R (4K7Ω, lkω e 100Ω), altere as escalas, se necessário, e superponha as figuras para facilitar a comparação No desenho, determine os valores de V D e R D - faça uma tabela Na configuração normal do osciloscópio, observar e anotar as formas de onda de tensão e corrente no diodo Com auxílio da chave seletora CC / CA, medir o valor médio da tensão e da corrente. Comparar com os valores obtidos com o voltímetro digital Montar o circuito da figura Repita o item Desenhe, em papel milimetrado, a curva obtida para R = 100Ω Repita o item Conclusões e Comentários: Relacione o material utilizado Compare os resultados obtidos com os previstos na teoria e comente as discrepâncias. Não use frases vazias, poderão ter pontuação negativa Explique o funcionamento do circuito da figura 2 ou cite pelo menos uma aplicação. UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 1

3 4 Circuitos: E = 120V V 1 = 12V (nominal) D 1,2 = 1N4002 R = 4K7Ω, lkω e 100Ω UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 2

4 Prática 02/03 - Circuito Retificador 1 - Objetivo: Avaliação do comportamento de retificadores monofásicos nas 3 versões: meia onda, onda completa ou bifásico e ponte. Tensão de pico inverso. 2 - Procedimento: Monte o circuito da figura 1. Planeje a montagem do circuito mais complexo (fig. 3 ). Assim, haverá uma reserva de espaço na placa para que os componentes possam ser acrescentados sem alterar o que já foi montado Meça as seguintes grandezas, arrumando-as em tabela: Tensão de entrada no retificador (eficaz); Tensão de pico inverso no diodo; Tensão e corrente de pico na saída; Tensão e corrente médias na saída. Obs.: indique o instrumento usado em cada medida Anote as formas de onda de tensão no diodo e na saída Monte a seguir, em sequência, os circuitos das figuras 2 e 3, repetindo para cada um os itens 2.2 e Conclusões e Comentários: Relacione o material utilizado Apresente os dados em tabela, de modo a se obter uma leitura fácil do conjunto. As formas de onda devem ser desenhadas em escala Calcule o valor eficaz da tensão de saída e o fator de ondulação de cada circuito Relacione a tensão de pico inverso com a tensão de entrada. UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 3

5 4 - Circuitos: E = 120V V 1 = 12V (nominal) D 1,2,3,4 = 1N4002 R = 470Ω UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 4

6 Prática 04 - Circuito Retificador com Filtro C 1 - Objetivo: Avaliação do comportamento de circuitos retificadores monofásicos com filtro C. Curvas de regulação e de fator de ondulação (fator de ripple). Relações entre pico de corrente nos diodos, valor do capacitor e fator de ondulação. Resistência interna equivalente. 2 - Procedimento: Monte o circuito da figura 1, com C = 220µF / 25V Obs: o resistor Rs, de valor muito baixo, é usado para observar a corrente nos diodos Varie R na faixa 5KΩ - 50Ω e anote, em forma de tabela, os valores das grandezas abaixo relacionadas: Vs - tensão CC na saída (voltímetro digital). Vr - tensão de ondulação na saída, tensão de ripple, pico a pico (osciloscópio canal 1). Id - corrente no diodo - pico (osciloscópio - canal 2 - invertido). Tc - duração do pulso de corrente (osciloscópio - canal 2 - invertido). Obs.: anote as escalas usadas para cada parâmetro Anote as formas de onda de tensão (Vs e Vr) e corrente (Id). Lembre-se que elas ocorrem simultaneamente, desenhe-as corretamente. 2.4 Repita os itens 2.2 e 2.3 com C = 1000µF /25V 3 - Conclusões e Comentários: Relacione o material utilizado Valores RMS só poderão ser medidos diretamente se a forma de onda for senoidal pura. Para qualquer outra será necessário calculá-lo a partir da forma de onda observada no osciloscópio, sendo válido, para facilitar o cálculo, aproximações com formas de onda simples, tais como triângulo, trecho de senóide, retângulo, exponencial, etc. Indique sempre o método ou instrumento usado na medida Com os dados obtidos, calcule: Valor eficaz da tensão de ripple Vr(rms) Fator de ondulação ou fator de ripple f.r. = Vr(rms) / Vs. Corrente contínua na carga Is = Vs/R Arrume os dados em tabela - Vs, Is, Vr, Vr(rms), f.r., Id e Tc para cada valor de capacitor: 220µF e 1000µF Desenhe os gráficos - curva de regulação Vs x Is e fator de ripple f.r. x Is. Superponha as curvas para facilitar a interpretação Desenhe as formas de onda de tensão de ripple e corrente no diodo para 2 valores distantes da corrente de saída Is, respectivamente com C = 220µF e C = 1000µF. Quais as consequências de se usar capacitor de filtro com valor excessivamente elevado? UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 5

7 3.7 - A partir das curvas de regulação, calcule a resistência interna do circuito. A resistência interna pode ser calculada pela relação Vs / Is Teoricamente, o fator de ripple deve variar inversamente com o valor do capacitor. Verifique e justifique os resultados obtidos. 4 Circuito: E = 120V V 1 = 12V (nominal) D 1,2 = 1N4002 Rs < 5Ω R = 3KΩ a 50Ω C = 220µF /25V, 1000µF /25V UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 6

8 Prática 05 - Circuito Retificador com Filtro LC 1 - Objetivo: Avaliação do comportamento de circuitos retificadores monofásicos com filtro LC. Curvas de regulação e de fator de ondulação (fator de ripple). 2 - Procedimento: Monte o circuito da figura 1. Obs: o resistor Rs, de valor muito baixo, é usado para observar a corrente nos diodos e no indutor Varie R na faixa 5KΩ - 50Ω e anote, em forma de tabela, os valores das grandezas abaixo relacionadas. Vs - tensão CC na saída (voltímetro digital). Vr - tensão de ondulação na saída, tensão de ripple, pico a pico (osciloscópio - canal 1 ). I L - corrente no indutor - (osciloscópio - canal 2 - invertido). Obs: anote as escalas usadas para cada parâmetro Anote as formas de onda de tensão (Vs e Vr) e corrente (I L ). Lembre-se que elas ocorrem simultaneamente. 3 - Conclusões e Comentários: Relacione o material utilizado Com os dados obtidos, calcule: Valor eficaz da tensão de ripple Vr(rms) Fator de ondulação ou fator de ripple f.r. = Vr(rms) / Vs (expresse em %). Corrente contínua na carga Is = Vs / R ou valor médio de I L Arrume os dados em tabela: Vs, Is, Vr, Vr(rms), f.r Desenhe os gráficos: curva de regulação Vs x Is e fator de ripple f.r. x Is. Superponha as curvas para facilitar a interpretação. Compare com o circuito anterior (filtro C) Desenhe as formas de onda de tensão de ripple e corrente no diodo para dois valores distantes da corrente de saída Is. Compare com o circuito anterior (filtro C) A partir das curvas de regulação, calcule a resistência interna do circuito Compare e comente os resultados obtidos com os 2 circuitos: filtro C e LC. UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 7

9 4 Circuito: E = 120V V 1 = 12V (nominal) D 1,2 = 1N4002 Rs < 5Ω R = 5KΩ a 50Ω C = 220µF /25V H = 500mH (aprox.) 250 espiras Obs: o indutor deve ser montado sem entre-ferro. UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 8

10 Prática 06 - Curvas Características de Transistor 1 - Objetivo: Traçado da curva característica e determinação de alguns parâmetros de transistores de junção (BJT). Observar a variação dos valores dos parâmetros entre componentes semelhantes e a influência da temperatura. 2 Preparatório: Do manual, obtenha a curva V CE x Ic com I B constante e os valores típicos e limites de V BE, V CE(sat) e b. 3 - Procedimento: Separe os 3 transistores fornecidos, cuidando para que eles sejam facilmente reconhecidos caso tenha que refazer alguma medida Monte o circuito com o primeiro transistor e ajuste as escalas dos eixos X e Y para que a curva com I B (max) ocupe toda a tela. Atenção: a corrente Ic deve ser calculada a partir da ddp medida no resistor de emissor anote o valor das escalas Varie a corrente de base - entre 10 e 100 µa - e desenhe em papel milimetrado as curvas correspondentes (3 a 5 curvas) Repita o item anterior com os demais transistores. Com apenas um dos transistores: Amplifique a figura no sentido X para observar com mais exatidão a região de saturação e medir V CE(sat) x Ic Com I B = 0, base aberta: medir I CO (ampliar eixo Y) Aqueça o transistor com os dedos e verifique se ocorre alguma variação sensível em alguns parâmetros. Como a variação de temperatura será inferior a 20 C, escolha o parâmetro mais sensível para observar. 4 - Conclusões e Comentários: UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 9

11 5 - Circuito: Rl = caixa de resistores 100KΩ a 1MΩ R2 = 100KΩ R3 = 100Ω R4 = 470Ω R5 = 10Ω R6 = 470Ω D = 1N4002 T = BC547 V 1 = 12Vca - 60Hz V2 = 12 Vcc UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 10

12 Prática 07/08 - Polarização de Transistor 1 - Objetivo: Comparar a estabilidade do ponto de operação de transistores de junção (BJT) utilizando diferentes tipos de circuitos de polarização de base, com relação a variação de alguns parâmetros, tais como V BE e b. 2 Preparatório: Com os valores típicos obtidos em manual, calcule o ponto de operação de cada circuito. Parâmetros importantes: I B, I C e V CE. Inicialmente, faça uma estimativa do ponto de operação e depois consulte o manual. Desta maneira será possível determinar os valores de b e V BE com erro reduzido. Arrume os valores em tabela de modo a facilitar a comparação com os resultados a serem obtidos no laboratório. Especifique o valor de b usado nos cálculos. 3 - Procedimento: Separe os 3 transistores fornecidos, cuidando para que eles sejam usados sempre na mesma sequência, em cada um dos 3 circuitos a serem montados Monte o circuito A com o primeiro transistor e meça o ponto de operação. Atenção: as correntes devem ser calculadas a partir da ddp medida em resistores Repita o item anterior com os demais transistores Repita os itens 3.2 e 3.3 respectivamente com os circuitos B e C. Preste atenção para usar os transistores sempre na mesma sequência. 4 - Conclusões e Comentários: Com os dados obtidos, calcule os valores efetivos de V BE e b de cada transistor em cada um dos circuitos. Compare-os com os valores usados no cálculo teórico. Observe a dependência do ponto de operação com os parâmetros do transistor. UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 11

13 5 Circuitos: A B C Circuito A - polarização simples. Circuito B - polarização com realimentação de emissor. Circuito C - polarização com realimentação de coletor. UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 12

14 Prática 09 - Polarização de Transistor J-FET UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 13

15 Prática 10 - Polarização de Transistor 1 - Objetivo: Observar a estabilidade do ponto de operação de transistores de junção (BJT), polarizado com resistor de emissor e divisor de tensão na base, com relação a variação de alguns parâmetros, tais como V BE e b. Comparar com os circuitos estudados na aula anterior. 2 - Preparatório: Com os valores típicos obtidos em manual, calcule o ponto de operação: I C - V CE. Inicialmente, faça uma estimativa do ponto de operação e depois consulte o manual. Desta maneira será possível determinar os valores de V BE e b com erro reduzido. Arrume os valores em tabela de modo a facilitar a comparação com os resultados a serem obtidos no laboratório. Especifique o valor de b usado nos cálculos. 3 - Procedimento: Separe os 3 transistores fornecidos, cuidando para que eles sejam facilmente identificados caso tenha que repetir alguma medida Monte o circuito e meça o ponto de operação com cada um dos 3 transistores. Use R1 = 10KΩ e R2 = 1K2Ω Repita o item anterior com R1 = 470KΩ e R2 = 56KΩ Atenção: As correntes devem ser calculadas a partir da ddp medida em resistores. 4 - Conclusões e Comentários: Com os dados obtidos, calcule os valores efetivos de V BE e b de cada transistor em cada um dos circuitos. Obs: considerando que os resistores são de 5% e b >> 100, verifique a viabilidade de se calcular o valor de b a partir da medida do ponto de operação. Compare com os resultados obtidos na aula anterior. Qual a razão do ponto de operação variar mais com a troca de transistor, quando se usa valores mais elevados de Rl e R2. Atenção: faça comentários pertinentes. UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 14

16 5 Circuito: Rl = 10KΩ, 470KΩ R2 = 1K2Ω, 56KΩ UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 15

17 Prática 11 - Amplificador Emissor Comum 1 - Objetivo: Verificar as interações entre ponto de operação, reta de carga dinâmica e excursão de sinal num amplificador a transistor na configuração emissor comum. Influência do capacitor de emissor no ganho de tensão e na reta de carga. 2 - Preparatório: Com os valores típicos obtidos em manual, calcule o ponto de operação: I C - V CE Com C e = 470µF, calcule o ganho de tensão V 2 / V 1, com um sinal de frequência lkhz Calcule a amplitude máxima do sinal no coletor Qual o efeito da remoção do capacitor de emissor? 3 - Procedimento: 3.1- Monte o circuito ( com C e = 470µF ), e meça o ponto de operação Aplique na entrada um sinal senoidal de frequência 1KHz, com amplitude tal que a tensão no coletor permaneça senoidal. Anote as amplitudes dos sinais na entrada e na saída e calcule o ganho de tensão. Observe e meça a defasagem entre os dois sinais Aumente gradativamente a amplitude da entrada até que o sinal no coletor comece a apresentar distorção. Anote a amplitude do sinal na entrada Identifique esta distorção (corte ou saturação) e aumente o sinal até que ela ocorra também no lado oposto da senoide. Anote as respectivas amplitudes do sinal na entrada Continue aumentando o sinal até que a distorção fique simétrica. Anote a amplitude do sinal na entrada Retire o capacitor de emissor e repita os itens 3.2 a Conclusões e Comentários: Compare os dados obtidos com os valores calculados teoricamente Desenhe as retas de carga, estática e dinâmica, e compare a amplitude máxima do sinal de saída obtida graficamente com a determinada experimentalmente Que alterações podem ser feitas na polarização para que as distorções por corte e saturação ocorram simultaneamente ( com C e = 470µF ). UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 16

18 5 - Circuito: UERJ - LEE - Eletrônica I Apostila de Laboratório. Pag. 17

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

ELETRÔNICA ANALÓGICA

ELETRÔNICA ANALÓGICA CENEL Colegiado Acadêmico de Eng. Elétrica AULAS PRÁTICAS ELETRÔNICA ANALÓGICA (Laboratório de Eletrônica Analógica - ELET31) Prof. ISNALDO COÊLHO, DSc. isnaldo.coelho@univasf.edu.br 212 1 NORMAS PARA

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET

FET AMPLIFIERS Amplificadores FET FET AMPLIFIERS Amplificadores FET M-1106A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios 01 Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios Corrente Alternada: é toda tensão cuja polaridade muda ao longo do tempo. Forma mais comum: Senoidal: Na imagem

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima O que são sistemas eletrônicos? Sistemas elétricos, como os circuitos da sua casa, usam corrente elétrica para alimentar coisas como

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

CIRCUITOS ELÉCTRICOS

CIRCUITOS ELÉCTRICOS CICUITOS ELÉCTICOS. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Conceito de resistência interna de um aparelho.. INTODUÇÃO O multímetro digital que vai utilizar pode realizar

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 555 M-1108A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Experiência

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES 1. Associe as informações das colunas I, II, III e IV referentes às características do semicondutor I II III

Leia mais

Prof. Manoel Eusebio de Lima

Prof. Manoel Eusebio de Lima Eletrônica (Amplificador Push-Pull) Prof. Manoel Eusebio de Lima Operação classe B Estes amplificadores, denominados classe B permite que a corrente do coletor flua apenas por 180 o do ciclo ca em cada

Leia mais

As figuras a seguir mostram como conectar o instrumento corretamente ao circuito para fazer as medidas de tensão nos resistores.

As figuras a seguir mostram como conectar o instrumento corretamente ao circuito para fazer as medidas de tensão nos resistores. EXPERÊNCA CRCUTOS EM CORRENTE CONTNUA NTRODUÇÃO TEÓRCA. O MULTÍMETRO O multímetro é um instrumento com múltiplas funções utilizado frequentemente nas bancadas de trabalho em eletrônica. Permite medir tensões

Leia mais

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios Instrumentos de Medidas II Nesta prática iremos nos familiarizar com o uso de osciloscópios, mostrando algumas das funcionalidades desses instrumentos. Através de exemplos específicos mostraremos como

Leia mais

Circuito RLC-Série em Regime CA

Circuito RLC-Série em Regime CA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof. Alessandro L. Koerich Circuito RLC-Série em Regime CA Objetivo

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

Introdução ao estudo dos osciladores

Introdução ao estudo dos osciladores Introdução ao estudo dos osciladores Os receptores de rádio modernos, que você usa em seu lar ou automóvel, contém osciladores. Todo transmissor usa um oscilador para produzir os sinais que transmite,.

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ

ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Edição 2006 Revista e elaborada pelo Prof. Rodrigo Cutri Sob coordenação do Prof. Nilson De Lucca 2 Índice INTRODUÇÃO AO PROGRAMA DE SIMULAÇÃO PSIMCAD...

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2 Experiência N o 02: Medidas C I - Objetivos Familiarização com os equipamentos de laboratório: gerador de funções, osciloscópio e multímetro. II - Introdução

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

Introdução a Circuitos de Corrente Contínua

Introdução a Circuitos de Corrente Contínua Nesta prática vamos nos familiarizar com os componentes e instrumentos que serão utilizados durante o curso. Também faremos a verificação experimental da Lei de Ohm e discutiremos alguns casos em que ela

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletricidade Básica e Eletrônica CEV 2012

Lista de Exercícios de Eletricidade Básica e Eletrônica CEV 2012 Lista de Exercícios de Eletricidade Básica e Eletrônica CEV 2012 1) Calcule a tensão de R4 no circuito abaixo. a) 3 V b) 7 V c) 10 V d) 50 V 2) Em um circuito elétrico, composto de cinco lâmpadas, iguais,

Leia mais

A importância das unidades

A importância das unidades APOSTILA DE Montagem de Circuitos Eletroeletrônicos CURSO: TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Prof: Carlos Alberto Serpeloni Barros A importância das unidades Medida: é a comparação dela com uma unidade padrão

Leia mais

Apostila. Dispositivos de medição e controle

Apostila. Dispositivos de medição e controle Apostila Dispositivos de medição e controle Agosto de 2012 Prefácio Esta apostila tem por objetivo servir como referência aos alunos do curso de mecatrônica na disciplina de Dispositivos de Medição e Controle,

Leia mais

Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável

Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável Eletrônica Geral 1 Introdução Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável O projeto de uma fonte de tensão tem como principal objetivo o exercício de montagem prática, colocando o aluno face aos conceitos

Leia mais

Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo

Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha (http://www.gvensino.com.br) Lista de Exercícios 6 de Eletrônica Analógica Introdução Teórica Os

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução a Eletrônica Analógica Laboratório No. 6

Leia mais

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO Capa Industria e Comércio Ltda MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. DESCRIÇÃO DOS PAINÉIS... 01 3. DESCRIÇÃO ELÉTRICA... 02 4. ESPECIFICAÇÕES.... 02 5. INSTALAÇÃO...

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PROVA:

INSTRUÇÕES PARA A PROVA: CONCUSO PÚBLICO POFESSO / ELETOTÉCNICA GUPO MAGISTÉIO eservado ao CEFET-N 16 de setembro de 007 INSTUÇÕES PAA A POVA: Use apenas caneta esferográfica azul ou preta; Escreva o seu nome completo, o número

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Manual de Instruções. Multímetro Digital

Manual de Instruções. Multímetro Digital Manual de Instruções Multímetro Digital HK-M69 Todos os direitos reservados 2010 Unicoba Imp. e Exp. Ltda. OPERAÇÃO DE SEGURANÇA Este instrumento e designado para cumprir os requisitos de segurança para

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNA LABORATÓRIO DE ELETRÔNA ANALÓGA I Prática: 6 Assunto: Transistor Bipolar 1 Objetivos: Testar as junções e identificar o tipo de um transistor com o multímetro.

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas

Fontes de Alimentação Lineares não reguladas Fontes Lineares não reguladas FAL 24Vcc / 5A FAL 24Vcc / 10A Referência FAL 24Vcc/5A C904385.2000 Referência FAL 24Vcc/10A C904404.2000 Dados nominais Tensão de Entrada (± 10%): Tensão de saída ± 5% (selecionável):

Leia mais

Lista 3. Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista

Lista 3. Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista Lista 3 Física Experimental III (F 329 C) Rafael Alves Batista 1) Considere uma fonte de tensão alternada senoidal. A partir do gráfico abaixo, faça o que se pede. a) Estime o período da onda. b) Estime

Leia mais

Kit Didático de Eletrônica Analógica Teoria e Prática

Kit Didático de Eletrônica Analógica Teoria e Prática Kit Didático de Eletrônica Analógica Teoria e Prática ÍNDICE Experiência 01... 1 SCR... 3 Definição... 3 Característica Física do SCR... 3 Funcionamento do SCR... 3 Curva Característica do SCR... 4 Característica

Leia mais

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência GUIA DE LABORATÓRIO Análise de Circuitos - LEE TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

-10V 0s 0.2ms 0.4ms 0.6ms 0.8ms 1.0ms 1.2ms 1.4ms 1.6ms 1.8ms 2.0ms V(R3:1) Time

-10V 0s 0.2ms 0.4ms 0.6ms 0.8ms 1.0ms 1.2ms 1.4ms 1.6ms 1.8ms 2.0ms V(R3:1) Time Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de Santa Catarina 10V 5V 0V -5V -10V 0s 0.2ms 0.4ms 0.6ms 0.8ms 1.0ms 1.2ms 1.4ms

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento =1= ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

Transistores. História do Transistor

Transistores. História do Transistor História do Transistor O transistor foi inventado nos Laboratórios da Beel Telephone em dezembro de 1947 ( e não em 1948 como é freqüentemente dito) por Bardeen e Brattain. Descoberto por assim dizer,

Leia mais

O circuito integrado 555 (ART011)

O circuito integrado 555 (ART011) O circuito integrado 555 (ART011) Pela utilidade do circuito integrado 555, este artigo é um dos mais acessados deste site. Nele explicamos quase tudo (pois tudo que ele pode fazer é impossível de descrever)

Leia mais

Eletrônica Analógica e de Potência

Eletrônica Analógica e de Potência Eletrônica Analógica e de Potência Conversores CC-CC Prof.: Welbert Rodrigues Introdução Em certas aplicações é necessário transformar uma tensão contínua em outra com amplitude regulada; Em sistemas CA

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente;

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente; Objetivo do teste Verificar os picos de corrente gerados por circuitos de lâmpadas de vapor Metálico (Mercúrio, Sódio, etc.) de lâmpadas fluorescentes compactas e lâmpadas incandescentes. Procedimentos

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

Cursos de Licenciatura em Engenharia de Instrumentação e Electrónica Licenciatura em Telecomunicações e Redes. Electrónica II. Exercícios Propostos

Cursos de Licenciatura em Engenharia de Instrumentação e Electrónica Licenciatura em Telecomunicações e Redes. Electrónica II. Exercícios Propostos Cursos de Licenciatura em Engenharia de Instrumentação e Electrónica Licenciatura em Telecomunicações e edes Electrónica II Departamento de Matemática e Engenharias Página 1 Universidade da Madeira AMPLIFICADOES

Leia mais

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal CONCEITO DE SINAL Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal RECONSTRUÇÃO DE SINAIS A PARTIR DE SENÓIDES

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

DM-68 MULTÍMETRO DIGITAL. Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento.

DM-68 MULTÍMETRO DIGITAL. Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento. DM-68 MULTÍMETRO DIGITAL Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento. ÍNDICE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 02 INTRODUÇÃO... 04 ACESSÓRIOS... 04 ESPECIFICAÇÕES...

Leia mais

Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010

Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010 Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010 TRANSISTORES BIPOLARES O transistor de junção bipolar é um dispositivo semicondutor

Leia mais

MULTÍMETRO DIGITAL ET-2042

MULTÍMETRO DIGITAL ET-2042 MULTÍMETRO DIGITAL ET-2042 MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 02 2. INTRODUÇÃO... 04 3. ACESSÓRIOS... 05 4. ESPECIFICAÇÕES... 05 4.1 Especificações Gerais... 05 4.2 Especificações

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD ÍNDICE A. Introdução B. Informações de segurança C. Símbolos elétricos internacionais D. Características E. Especificações F. Painel de operação G. Como

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Multímetro Digital MM013

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Multímetro Digital MM013 MANUAL DE INSTRUÇÕES Multímetro Digital MM013 Obrigado por adquirir um produto ALLECO O GRUPO ALLECO garante a você um produto confiável, produzido com a mais alta tecnologia por uma empresa moderna e

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ELETRO-ELETRÔNICA

DEPARTAMENTO DE ELETRO-ELETRÔNICA DEPARTAMENTO DE ELETRO-ELETRÔNICA ELETRÔNICA ELETRÔNICA 2 ÍNDICE 1 DIODO SEMICONDUTOR E RETIFICAÇÃO 4 1.1 FÍSICA DOS SEMICONDUTORES 4 A ESTRUTURA DO ÁTOMO 4 ESTUDO DO SEMICONDUTORES 4 1.2 DIODO 7 POLARIZAÇÃO

Leia mais

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos www.bairrospd.kit.net Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra

Leia mais

Notas sobre os instrumentos

Notas sobre os instrumentos 8 ircuitos de corrente alternada Notas sobre os instrumentos A. Precisão de alguns instrumentos: Antes de desperdiçar tempo querendo medir com mais precisão do que os instrumentos permitem, tenha presente

Leia mais

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl

Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl Aplicação do Modelo Linear de Vorpérian ao Conversor tipo Buck Ewaldo L. M. Mehl 1. Apresentação Com o uso do conceito do Interruptor PWM apresentado por Vorpérian [1,2], torna-se extremamente simples

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS E FORMAS DE ONDA

ANÁLISE DE CIRCUITOS E FORMAS DE ONDA ANÁLISE DE CIRCUITOS E FORMAS DE ONDA Aldo Lopes ECCEL ELETRÔNICA www.eccel.com.br Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização por escrito do autor. COPYRIGHT

Leia mais

Drivers para Transistores de Potência

Drivers para Transistores de Potência A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais unesp UNIESIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Guaratinguetá Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Professor Carlos Augusto Patrício Amorim Amplificadores Operacionais Prof. Marcelo Wendling 200 ersão

Leia mais

DIGITAL MULTIMETER Multimetro Digital Multímetro Digital ET-2042C

DIGITAL MULTIMETER Multimetro Digital Multímetro Digital ET-2042C DIGITAL MULTIMETER Multimetro Digital Multímetro Digital ET-2042C *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. INSTRUCTIONS MANUAL Manual de Instrucciones Manual

Leia mais

E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO

E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO OBJETIVOS 1) Medidas de resistência e tensão em corrente continua e corrente alternada com um multímetro digital; 2) Medidas de corrente continua e alternada

Leia mais

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação :

REVISÃO: DIAGRAMA EM BLOCOS Estrutura convencional de um sistema de retificação : UNIERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 ET74C Profª Elisabete N Moraes AULA 8 RETIFICADOR MONOFÁSICO DE ONDA COMPLETA Em 22 de outubro de 2014. REISÃO:

Leia mais

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Sumário Introdução 5 Amplificação com FET 6 Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Estágio amplificador com FET 8 Princípio de funcionamento 9 Características

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência

Circuitos de Comando para MOSFETs e IGBTs de Potência Universidade Federal do Ceará PET Engenharia Elétrica Fortaleza CE, Brasil, Abril, 2013 Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica PET Engenharia Elétrica UFC Circuitos de Comando

Leia mais

DISPOSITIVOS ESPECIAIS

DISPOSITIVOS ESPECIAIS DISPOSITIVOS ESPECIAIS 1 DISPOSITIVOS ESPECIAIS BUFFERS/DRIVERS TRI-STATE PORTAS EXPANSÍVEIS/EXPANSORAS SCHMITT - TRIGGER OBJETIVOS: a) Entender o funcionamento de dispositivos lógicos especiais como:

Leia mais

Sumário. Parte 1. Capítulo 1 O Estudo da Eletrônica 1. Capítulo 5 Circuitos em Série 59. Capítulo 2 Eletricidade 15

Sumário. Parte 1. Capítulo 1 O Estudo da Eletrônica 1. Capítulo 5 Circuitos em Série 59. Capítulo 2 Eletricidade 15 Sumário Parte 1 Capítulo 1 O Estudo da Eletrônica 1 1.1 Influência nas nossas vidas... 1 1.2 Principais segmentos da indústria eletrônica... 1 1.3 Indústria convergente... 4 1.4 Empregos e carreiras na

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA Prof. Andryos da Silva Lemes Esta apostila é destinada

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Fonte de Energia Hardware de Computadores Introdução As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir energia elétrica a todos os componentes do computador. Assim, uma fonte de qualidade é essencial

Leia mais

MÓDULO 6 CONVERSORES CC-CA: INVERSORES OPERANDO EM FREQÜÊNCIA CONSTANTE

MÓDULO 6 CONVERSORES CC-CA: INVERSORES OPERANDO EM FREQÜÊNCIA CONSTANTE FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE 833 ELETRÔNICA DE POTÊIA MÓDULO 6 CONVERSORES CC-CA: INVERSORES OPERANDO EM FREQÜÊIA CONSTANTE 6. Introdução ASPECTOS TEÓRICOS A obtenção de

Leia mais

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A MEASUREMENTS Medidas M-1102A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Experiência

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

Comunicações Ópticas. E ns aios em Fibras Ópticas. Guia de T rabalhos de L aboratório. E T F O-01 Sistema de F ibra ótica

Comunicações Ópticas. E ns aios em Fibras Ópticas. Guia de T rabalhos de L aboratório. E T F O-01 Sistema de F ibra ótica Comunicações Ópticas E ns aios em Fibras Ópticas Guia de T rabalhos de L aboratório E T F O-01 Sistema de F ibra ótica Profº Engº Getúlio Teruo Tateoki Araçatuba, 20 de agosto de 2004 Prefácio -Este Guia

Leia mais