I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem:"

Transcrição

1

2 Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: I - NATURAL Relacionados com condicionalismos naturais, já que a atividade agrícola está muito dependente de fatores naturais, como o clima, o solo, o relevo, etc. II - ESTRUTURAL Estrutura das explorações agrícolas e a estrutura fundiária; Modos de exploração da terra; Características da população agrícola.

3 EVOLUÇÃO DAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS EM PORTUGAL Regiões com maior número de explorações Entre 1999 e 2009, registou-se um decréscimo do número de explorações agrícolas no território nacional. Em 2009, eram 305 mil, menos 111 mil do que em Trás-os-Montes; Beira Litoral; Entre Douro e Minho. Regiões com menor número de explorações: Algarve; Açores; Madeira.

4 EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS EM PORTUGAL E REGIÕES AGRÁRIAS EM 2009

5 VARIAÇÃO DO NÚMERO DE EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS EM PORTUGAL E REGIÕES AGRÁRIAS, O decréscimo das explorações agrícolas entre 1999 e 2009 foi mais significativo: na Beira Litoral; no Ribatejo e Oeste; no Algarve. O decréscimo das explorações agrícolas entre 1999 e 2009 não foi acentuado: Madeira; Trás-os-Montes; Alentejo.

6 VARIAÇÃO DO NÚMERO DE EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS, SAU EM PORTUGAL E REGIÕES AGRÁRIAS, Em 2009 a SAU (superfície agrícola utilizada) ocupava 3668 mil hectares, menos 195 mil hectares do que em 1999, o que representa um decréscimo de 5%, bem inferior ao verificado no número de explorações ( 27%).

7 VARIAÇÃO DO NÚMERO DE EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS, SAU EM PORTUGAL E REGIÕES AGRÁRIAS, A superfície agrícola utilizada (SAU), isto é, a área do espaço agrícola ocupada com culturas, acompanhou a evolução do número total de explorações agrícolas em 10 anos diminuiu tendo também uma repartição desigual. - Alentejo registou a maior área de SAU, mais de metade da SAU nacional. - Madeira, Açores, Algarve, Beira Litoral e Entre Douro e Minho detiveram a menor área de SAU.

8 SUPERFÍCIE ARÁVEL UTILIZADA (SAU) POR REGIÃO AGRÁRIA, EM 2009 A redução do número de explorações agrícolas é acompanhada pelo aumento da sua dimensão média.

9 A ESTRUTURA FUNDIÁRIA NACIONAL A estrutura fundiária nacional continua desordenada e caracterizada por: Predomínio de explorações de pequena dimensão; Explorações excessivamente fragmentadas; Explorações dispersas constituídas por pequenas parcelas geograficamente afastadas, maioritariamente adquiridas por herança.

10 A ESTRUTURA FUNDIÁRIA NACIONAL A estrutura fundiária portuguesa tem sido um obstáculo à modernização e racionalização da agricultura nacional, devido a: Condicionar a introdução de novas tecnologias agrícolas, como a mecanização; Traduzir um aumento dos custos de produção, pois as deslocações, por exemplo, implicam sempre perdas de tempo, maior desgaste do material e aumento do consumo de combustível.

11 FATORES QUE EXPLICAM A REDUÇÃO DAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS A redução do número de explorações agrícolas resultou: - Do abandono das terras agrícolas; - Da absorção das superfícies das pequenas explorações agrícolas pelas de maior dimensão.

12 FATORES QUE EXPLICAM A REDUÇÃO DAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS O abandono das terras agrícolas está associado à conjugação de fatores naturais e humanos, nomeadamente, económicos, sociais e políticos sendo estes diferentes ao nível regional. Por exemplo, o abandono dos campos: Na Beira Interior tem-se verificado devido à falta de viabilidade económica da agricultura, que acaba por promover a emigração. No Algarve tem resultado, tal como em outras regiões, do envelhecimento demográfico. Nas regiões agrárias do litoral, tem sido consequência da valorização das terras, fruto da pressão urbanística, do desenvolvimento de vias de comunicação rodoviárias e de equipamentos sociais e do desenvolvimento do setor terciário.

13 FATORES QUE EXPLICAM A REDUÇÃO DAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS Contudo tem havido excepções: Em algumas regiões do interior, onde a falta de alternativas profissionais e o apego à terra, podem levar à manutenção da atividade agrícola, mesmo que estas tenham pouca viabilidade económica. No Alentejo, onde a alteração do regime de ajudas diretas inseridas na Política Agrícola Comum, que substituiu total ou parcialmente os apoios diretos pelo Regime de Pagamento Único, desligando as ajudas da produção, levou a um sistema de cultura mais extensivo, mas não provocou o abandono das terras; Nos Açores e na Madeira, devido à exploração sustentada dos recursos naturais, apesar do sistema de cultura intensivo.

14 MODOS DE EXPLORAÇÃO DA TERRA Modos de exploração da SAU Forma de exploração Natureza jurídica Conta própria Arrendamento Produtor singular Sociedade

15 MODOS DE EXPLORAÇÃO DA TERRA (FORMAS DE EXPLORAÇÃO) Formas de exploração da SAU, Portugal, Ao nível das principais formas de exploração da SAU, tem-se assistido: Ao predomínio da exploração por conta própria; Ao aumento da importância do arrendamento, mais significativo nas explorações agrícolas de maior dimensão.

16 MODOS DE EXPLORAÇÃO DA TERRA (NATUREZA JURÍDICA) Repartição do número de explorações segundo a natureza jurídica, por classe de SAU, Portugal, 2009 Os produtores singulares continuam a predominar, utilizando principalmente mão de obra familiar, enquanto as sociedades agrícolas apesar do aumento, registam um menor peso, verificando-se, no entanto: Uma maior importância nas explorações de maior dimensão; Uma maior produtividade e competitividade face às outras explorações.

17 CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO AGRÍCOLA PORTUGUESA A população agrícola portuguesa tem registado: Uma diminuição; Um envelhecimento; Uma baixa instrução e qualificação A população agrícola, em 2009, é sobretudo familiar. Em termos regionais, a população agrícola: É predominante nas regiões: Entre Douro e Minho, Trás os Montes e Beira Litoral; É menos expressiva nas regiões do Algarve, Açores e Madeira. População agrícola familiar em portugal (2009)

18 CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO AGRÍCOLA PORTUGUESA (A DIMINUIÇÃO DA POPULAÇÃO AGRÍCOLA) A população agrícola tem decrescido. Os maiores decréscimos registaram-se nas regiões que viram mais explorações agrícolas cessarem a sua atividade: Beira Litoral ( 46%); Ribatejo e Oeste ( 44%).

19 CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO AGRÍCOLA PORTUGUESA (A DIMINUIÇÃO DA POPULAÇÃO AGRÍCOLA) A diminuição da população ativa na agricultura está associada a fatores como: A diminuição do número de explorações agrícolas e do agregado familiar; Os progressos tecnológicos, como a mecanização dos campos; O êxodo rural, resultante da procura de trabalho em outros setores de atividade, primeiro na indústria e depois nos serviços; O envelhecimento da população que trabalha na agricultura; A pouca atratividade da agricultura para a população mais jovem.

20 CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO AGRÍCOLA PORTUGUESA (O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO AGRÍCOLA) Idade média da população agrícola familiar, Portugal e região agrária, O aumento da idade média dos agricultores foi uma realidade em todo o território nacional, assistindo-se ao nível regional que O Algarve manteve a liderança como a região mais envelhecida; Os Açores foi a região com a população agrícola mais jovem.

21 CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO AGRÍCOLA PORTUGUESA (O BAIXO NÍVEL DE INSTRUÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL) O grau de instrução e de qualificação dos agricultores nacionais é baixo, apesar dos progressos, dado que a taxa de analfabetismo diminuiu e a frequência no ensino secundário e superior aumentou. Em termos regionais verificou-se que: Os Açores, além de ser a região com a população agrícola familiar mais jovem é também a que registou a melhor taxa de alfabetização; A Madeira representou a menor taxa de frequência escolar, apesar dos progressos registados; Entre Douro e Minho e Algarve foram as regiões com piores taxas de alfabetização, visível na população agrícola sem nenhum grau de instrução.

22 CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO AGRÍCOLA PORTUGUESA (O BAIXO NÍVEL DE INSTRUÇÃO E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL) Quanto maior a idade dos agricultores menor é o seu nível de instrução. O decréscimo, o envelhecimento e o baixo nível de instrução e qualificação profissional dos agricultores nacionais traduzem: Um entrave à modernização e inovação do setor, uma vez que a inovação e a utilização de nova tecnologia é condicionada, bem como a capacidade de investir e de atender às normas comunitárias de produção e comercialização dos produtos; A manutenção do baixo rendimento e da baixa produtividade agrícola.

23 EM SÍNTESE: PROBLEMAS ESTRUTURAIS DA AGRICULTURA PORTUGUESA Ao nível das explorações - Redução do número de explorações; Predomínio de explorações de pequena dimensão; Elevada fragmentação das explorações. Ao nível dos modos de explorações Predomínio dos agricultores por conta própria; Predomínio dos produtores singulares. Ao nível da população agrícola Diminuição dos agricultores; Envelhecimento da população agrícola; Baixa instrução e formação profissional. Estes problemas representam entraves à modernização e inovação das explorações. Daí resulta uma agricultura pouco produtiva e de fraco rendimento.

24

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS 1.1. A população: evolução e diferenças regionais 1.1.1. A evolução da população na 2ª metade do século XX Preparação para exame nacional Geografia A 1/8 Síntese: Evolução demográfica da população portuguesa

Leia mais

INQUÉRITO ÀS PLANTAÇÕES DE ÁRVORES DE FRUTO 2002

INQUÉRITO ÀS PLANTAÇÕES DE ÁRVORES DE FRUTO 2002 Informação à Comunicação Social 16 de Dezembro de INQUÉRITO ÀS PLANTAÇÕES DE ÁRVORES DE FRUTO Introdução O Inquérito às Plantações de Árvores de Fruto é um operação estatística obrigatória (Directiva 1/9/CE

Leia mais

AS FRAGILIDADES DOS SISTEMAS AGRÁRIOS

AS FRAGILIDADES DOS SISTEMAS AGRÁRIOS AS FRAGILIDADES DOS SISTEMAS AGRÁRIOS A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA A Representatividade das explorações agrícolas na superfície concelhia é: Mais mais baixa elevada no no litoral, Alentejo com e exceção

Leia mais

Primeiros Resultados RECENSEAMENTO GERAL DA AGRICULTURA 1999

Primeiros Resultados RECENSEAMENTO GERAL DA AGRICULTURA 1999 Informação à Comunicação Social 3 de Novembro de 2 Primeiros Resultados RECENSEAMENTO GERAL DA AGRICULTURA EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS b EM MENOR NÚMERO b COM MAIOR DIMENSÃO b MELHOR EQUIPADAS b COM MENOS MÃO-DE-OBRA

Leia mais

TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº1/VERSÃO 01

TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº1/VERSÃO 01 ESCOLA SECUNDÁRIA D. JOÃO II - SETÚBAL TESTE DE GEOGRAFIA A (2º ANO) Nº1/VERSÃO Nome: Aluno nº: Ano: Turma: Data: / / É obrigatório indicar a versão do teste na folha de respostas. No grupo I em cada um

Leia mais

ABORDAGEM SOBRE AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA AGRICULTURA FAMILIAR EM PORTUGAL, SEUS PRINCIPAIS INDICADORES

ABORDAGEM SOBRE AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA AGRICULTURA FAMILIAR EM PORTUGAL, SEUS PRINCIPAIS INDICADORES ABORDAGEM SOBRE AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA AGRICULTURA FAMILIAR EM PORTUGAL, SEUS PRINCIPAIS INDICADORES Senhora Ministra da Agricultura e Mar, Senhor Secretário de Estado da Agricultura, Senhor

Leia mais

Caracterização Sócio-Económica do Concelho de Mondim de Basto Actividade Económica

Caracterização Sócio-Económica do Concelho de Mondim de Basto Actividade Económica 6. Em 2001 a taxa de actividade em Mondim de Basto ascendeu a 35,8%, valor este, ligeiramente inferior à média registada na NutIII-Tâmega e Região Norte. No concelho registou-se um acréscimo na taxa de

Leia mais

Nas últimas duas décadas, o nível de instrução dos agricultores e a sua idade média aumentaram

Nas últimas duas décadas, o nível de instrução dos agricultores e a sua idade média aumentaram Nas últimas duas décadas, o nível de instrução dos agricultores e a sua idade média aumentaram O Instituto Nacional de Estatística produz, desde o início dos anos 80, um vasto conjunto de estatísticas

Leia mais

Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas

Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas Exmo. Ministro da Agricultura, Exma. Diretora da DRAPC, Exmo. Senhor Presidente da ESAC, Exmo. Responsáveis da CNA, Exmo. Convidados e Exmos Colegas É uma honra e uma satisfação, participar no Trigésimo

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE GEOGRAFIA - 2016/2017 25 de maio de 2016 Grupo I O número de cidades em Portugal, que em 1982 ascendia a 47, aumentou significativamente nas três

Leia mais

PARTE II Dinâmicas da Agricultura a Norte: Extensificação e Especialização na Diversidade

PARTE II Dinâmicas da Agricultura a Norte: Extensificação e Especialização na Diversidade QUAL O FUTURO DA AGRICULTURA PARA TRÁS OS MONTES? PARTE II Dinâmicas da Agricultura a Norte: Extensificação e Especialização na Diversidade Artur Cristóvão e Luís Tibério acristov@utad.pt; mtiberio@utad.pt

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO 4º trimestre de 2006

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO 4º trimestre de 2006 ESTATÍSTICAS DO EMPREGO 4º trimestre de 2006 15 de Fevereiro de 2007 A TAXA DE DESEMPREGO DO 4º TRIMESTRE DE 2006 FOI DE 8,2 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2006 foi de 8,2. Este valor

Leia mais

A Bolsa Nacional de terras Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa - 30 de maio de 2017

A Bolsa Nacional de terras Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa - 30 de maio de 2017 Bolsa Nacional de terras Um Projeto Inovador para o Mundo Rural Articulação com Medidas de Política Diagnóstico a agricultura e floresta ocupam uma importante área do território (70%); a agricultura e

Leia mais

A agricultura de regadio e o desenvolvimento rural

A agricultura de regadio e o desenvolvimento rural A agricultura de regadio e o desenvolvimento rural V CONGRESSO NACIONAL DO MILHO Hotel Altis Lisboa, 14-Fev-2007 José Manuel Lima Santos Departamento de Economia Agrária e Sociologia Rural Instituto Superior

Leia mais

nº 1 Novembro 2009 A PRODUÇÃO DE VINHO EM PORTUGAL CAMPANHAS 2000/2001 (EDIÇÃO REVISTA)

nº 1 Novembro 2009 A PRODUÇÃO DE VINHO EM PORTUGAL CAMPANHAS 2000/2001 (EDIÇÃO REVISTA) nº 1 Novembro 29 EDIÇÃO REVISTA A PRODUÇÃO DE VINHO EM PORTUGAL CAMPANHAS 2/21 A 28/29 (EDIÇÃO REVISTA) A publicação desta edição revista prende-se com a necessidade de rectificar algumas incorrecções

Leia mais

Inquérito à estrutura das explorações agrícolas 2013: um retrato com duas realidades

Inquérito à estrutura das explorações agrícolas 2013: um retrato com duas realidades 28 de novembro de 2014 Inquérito à Estrutura das Explorações Agrícolas 2013 Inquérito à estrutura das explorações agrícolas 2013: um retrato com duas realidades Em 2013 as explorações agrícolas ocupavam

Leia mais

A diversidade de paisagens agrárias levou à delimitação das nove regiões agrárias: Sete regiões em Portugal Continental.

A diversidade de paisagens agrárias levou à delimitação das nove regiões agrárias: Sete regiões em Portugal Continental. Com os seus cerca de 92 212 km 2, Portugal apresenta uma grande diversidade de paisagens, nas quais se inserem, quando consideramos o espaço rural, as paisagens agrárias. A diversidade de paisagens agrárias

Leia mais

Sectores da Economia. Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário

Sectores da Economia. Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário Sectores da Economia Sector Primário Sector Secundário Sector Terciário Sector Quaternário Sector Primário O sector primário está relacionado com a produção através da exploração de recursos da natureza.

Leia mais

TD DE GEOGRAFIA UECEvest ENEM 22/02/2014 PROF. TIAGO FERNANDO

TD DE GEOGRAFIA UECEvest ENEM 22/02/2014 PROF. TIAGO FERNANDO TD DE GEOGRAFIA UECEvest ENEM 22/02/2014 PROF. TIAGO FERNANDO 01. Um determinado município, representado na planta abaixo, dividido em regiões de A a I, com altitudes de terrenos indicadas por curvas de

Leia mais

Exercícios Revolução Verde

Exercícios Revolução Verde Exercícios Revolução Verde 1. Considerando os conhecimentos sobre o espaço agrário brasileiro e os dados apresentados no gráfico, é correto afirmar que, no período indicado, *Soja, Trigo, Milho, Arroz

Leia mais

A agricultura portuguesa apresenta uma diversidade significativa em resultado de uma série de fatores físicos e humanos...

A agricultura portuguesa apresenta uma diversidade significativa em resultado de uma série de fatores físicos e humanos... A agricultura portuguesa apresenta uma diversidade significativa em resultado de uma série de fatores físicos e humanos... FATORES CONDICIONANTES DA AGRICULTURA PORTUGUESA Fatores Naturais Clima (Precipitação,

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO A REGIÃO CENTRO NO CONTEXTO NACIONAL E REGIONAL A Região Centro, segundo a Nomenclatura das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos (NUTS), é uma das sete regiões

Leia mais

envelhecimento demográfico

envelhecimento demográfico Em, Portugal manteve a tendência de envelhecimento demográfico A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população residente em Portugal (10 463), para o qual foi essencial

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PORTO SANTO E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte :

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PORTO SANTO E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte : 7. PORTO SANTO Descoberto em 1418 por João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, o Porto Santo é uma ilha de origem vulcânica com um relevo muito menos acidentado que a Madeira e onde predominam o calcário

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX A tendência do número de nascimentos em Portugal neste período é de um decréscimo. O período de 1975 a 1977 contraria esta evolução devido a fatores

Leia mais

JOVENS AGRICULTORES E AGRICULTURA FAMILIAR (Transição Rural ou Regresso à Terra?)

JOVENS AGRICULTORES E AGRICULTURA FAMILIAR (Transição Rural ou Regresso à Terra?) AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS SEMINÁRIO REGIONAL DO ALENTEJO UNIVERSIDADE DE ÉVORA JOVENS AGRICULTORES E AGRICULTURA FAMILIAR (Transição Rural ou Regresso à Terra?) Pedro

Leia mais

Hotelaria com acréscimos nas dormidas e decréscimos nos proveitos

Hotelaria com acréscimos nas dormidas e decréscimos nos proveitos Actividade Turística Janeiro de 2010 12 de Março de 2010 Hotelaria com acréscimos nas dormidas e decréscimos nos proveitos Em Janeiro de 2010, os estabelecimentos hoteleiros apresentaram 1,7 milhões de

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2009

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2009 Boletim Climatológico Sazonal Verão 2009 CONTEÚDOS IM 02 Resumo Sazonal 04 Caracterização Climática Sazonal 04 Temperatura do Ar 07 Precipitação 09 Fenómenos Relevantes Figura 1 RESUMO SAZONAL Boletim

Leia mais

Obras concluídas e licenciamento decrescem mais do que em 2005

Obras concluídas e licenciamento decrescem mais do que em 2005 Estatísticas da Construção e Habitação 2006 31 de Julho 2007 Obras concluídas e licenciamento decrescem mais do que em 2005 Com base nos dados das Estatísticas da Construção e Habitação 2006, a partir

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR VITIVINÍCOLA ENTRE 2000 E 2009

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR VITIVINÍCOLA ENTRE 2000 E 2009 EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR VITIVINÍCOLA ENTRE 2000 E 2009 Observatório rio dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares Alimentares Julho 2011 EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS

Leia mais

Em 2015, o Algarve foi a região com maior crescimento, impulsionado pelo setor do turismo

Em 2015, o Algarve foi a região com maior crescimento, impulsionado pelo setor do turismo Contas Regionais 2014 e 2015Pe 16 de dezembro de 2016 Em 2015, o Algarve foi a região com maior crescimento, impulsionado pelo setor do turismo De acordo com os resultados preliminares de 2015, no Algarve

Leia mais

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia

Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Enquadramento da utilização da biomassa na União Europeia Cristina Santos 1 Enquadramento na EU 2 Disponibilidades 3 Estratégia nacional 1 Enquadramento Directiva 2001/77/CE relativa às energia renováveis

Leia mais

CIP - Europa Laboral em Síntese

CIP - Europa Laboral em Síntese CIP - Europa Laboral em Síntese Nº 5 janeiro de 2015 DESTAQUES Relatório sobre o emprego e desenvolvimentos sociais na Europa (2014) A Comissão Europeia publicou, em janeiro, o seu relatório sobre o emprego

Leia mais

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação Neste processo de inquirição foram convidadas a participar todas as escolas públicas e privadas de Portugal continental (807 escolas,

Leia mais

As ajudas atribuídas pelo INGA na campanha 1999/2000 totalizaram 128,8 milhões de contos abrangendo beneficiários.

As ajudas atribuídas pelo INGA na campanha 1999/2000 totalizaram 128,8 milhões de contos abrangendo beneficiários. INTRODUÇÃO Pelo terceiro ano consecutivo o INGA, através da publicação do Balanço da Campanha vem disponibilizar aos interessados um manancial de informação recolhido no desempenho das suas funções de

Leia mais

A taxa de desemprego situou-se em 10,5% no 4.º trimestre e em 11,1% no ano de 2016

A taxa de desemprego situou-se em 10,5% no 4.º trimestre e em 11,1% no ano de 2016 8 de fevereiro de 217 Estatísticas do Emprego 4.º trimestre de 216 A taxa de desemprego situou-se em 1,5 no 4.º trimestre e em 11,1 no ano de 216 A taxa de desemprego do 4.º trimestre de 216 foi de 1,5.

Leia mais

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO TECIDO EMPRESARIAL DA BEIRA INTERIOR

BREVE CARACTERIZAÇÃO DO TECIDO EMPRESARIAL DA BEIRA INTERIOR 1998 BREVE CARACTERIZAÇÃO DO TECIDO EMPRESARIAL DA BEIRA INTERIOR O Distrito de Castelo Branco enquadra Concelhos de duas regiões (NUTS III) a Cova da Beira e a Beira Interior Sul. Ambas as regiões apresentam

Leia mais

A RAA em números. Geografia

A RAA em números. Geografia 09 Foto: Espectro A RAA em números Geografia O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas dispersas no Atlântico Norte ao longo de 600 km, segundo uma orientação noroeste-sudeste e enquadrado

Leia mais

Resultados Definitivos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS 1998

Resultados Definitivos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS 1998 Informação à Comunicação Social 25 de Janeiro de 2000 Resultados Definitivos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS 1998 O Instituto de Estatística (INE) divulga os principais resultados do Inquérito ao

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE Dinâmicas Demográficas e Socio- Familiares A - Desertificação e envelhecimento da população Decréscimo populacional na ordem dos 17.5%; Jovens diminuíram para

Leia mais

PROVA ESCRITA DE GEOGRAFIA A 10+11º Anos

PROVA ESCRITA DE GEOGRAFIA A 10+11º Anos ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO MANUEL DA FONSECA (Prova de Exame a nível de escola ao abrigo do Decreto-Lei nº 357/2007, de 29 de Outubro) Duração da Prova: Cursos científico-humanísticos 90 minutos + 30

Leia mais

I NSTITUT O D A C ONST RU ÇÃ O E D O I M OB ILIÁ RI O, I.P.

I NSTITUT O D A C ONST RU ÇÃ O E D O I M OB ILIÁ RI O, I.P. I NSTITUT O D A C ONST RU ÇÃ O E D O I M OB ILIÁ RI O, I.P. D I R E Ç ÃO F I N AN C E I R A, D E E S TU D O S E D E E S TR A T É GI A FICHA TÉCNICA Título: Empresas titulares de alvará de construção -

Leia mais

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes

Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes Atividade Turística Fevereiro 2013 16 de Abril de 2013 Hóspedes do estrangeiro compensam redução de dormidas pelos residentes As dormidas na hotelaria atingiram 1,9 milhões, o que correspondeu a uma variação

Leia mais

Desenvolvimento Local. Aula 15. Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período

Desenvolvimento Local. Aula 15. Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período Desenvolvimento Local Aula 15 Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período 2014-2020. PAC 2014-2020 Desafios e objetivos Desafios Objetivos políticos

Leia mais

Habitação em Portugal: evolução e tendências.

Habitação em Portugal: evolução e tendências. Habitação em Portugal: evolução e tendências João Branco Lisboa http://portugalfotografiaaerea.blogspot.pt/search/label/arcos%20de%20valdevez Sumário Introdução 1. Publicação 2. Estrutura e conteúdo da

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 A Monoparentalidade em Portugal Breve caracterização através dos Censos Graça Magalhães núcleos familiares monoparentais Evolução

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 12,4%

Taxa de desemprego estimada em 12,4% 11 de maio de 216 Estatísticas do Emprego 1.º trimestre de 216 Taxa de desemprego estimada em 12,4 A taxa de desemprego no 1.º trimestre de 216 foi 12,4. Este valor é superior em,2 pontos percentuais (p.p.)

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2008 foi de 7,7%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2008 foi de 7,7% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2008 18 de Novembro de 2008 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2008 foi de 7,7 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2008 foi de 7,7. Este valor

Leia mais

A importância económica do sector do azeite

A importância económica do sector do azeite Seminário O SECTOR DO AZEITE EM PORTUGAL Crescimento e competitividade A importância económica do sector do azeite Francisco Avillez Prof. Emérito do ISA, UL e Coordenador científico da AGRO.GES Março

Leia mais

FÉRIAS DOS PORTUGUESES 2003 SÍNTESE DOS ASPECTOS MAIS RELEVANTES

FÉRIAS DOS PORTUGUESES 2003 SÍNTESE DOS ASPECTOS MAIS RELEVANTES FÉRIAS DOS PORTUGUESES 2003 SÍNTESE DOS ASPECTOS MAIS RELEVANTES Direcção-Geral do Turismo Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Janeiro/2004

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE SÃO VICENTE E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE SÃO VICENTE E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 11. SÃO VICENTE MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE SÃO VICENTE E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) O concelho de São Vicente, criado em

Leia mais

Hotelaria com decréscimo nas dormidas e estabilização nos proveitos

Hotelaria com decréscimo nas dormidas e estabilização nos proveitos Actividade Turística Junho de 2010 09 de Agosto de 2010 Hotelaria com decréscimo nas dormidas e estabilização nos proveitos No mês de Junho de 2010, os estabelecimentos hoteleiros registaram 3,5 milhões

Leia mais

Síntese Mensal da Contratação Pública

Síntese Mensal da Contratação Pública SUMÁRIO EXECUTIVO Nº de anúncios de concursos publicados em Diário da República aumentam em dezembro Os anúncios de concursos publicados durante o mês de dezembro de 217 aumentaram relativamente ao mês

Leia mais

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA Portugal é por tradição um país de migrações, dado que apesar do incremento da imigração, os portugueses continuam a emigrar... CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA A motivação económica, que se traduz pela

Leia mais

ÍNDICE. Av. República, 412, Cascais Tel Fax

ÍNDICE. Av. República, 412, Cascais Tel Fax Anexo 1 Informação de base e conceitos utilizados na definição das categorias de viabilidade das explorações agrícolas adoptadas no âmbito da construção dos cenários para os sectores da produção vegetal

Leia mais

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2008 17 de Fevereiro de 2009 A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2008 foi de 7,8%. Este

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] O PIB REGIONAL UMA ANÁLISE APLICADA À REGIÃO CENTRO O Produto Interno Bruto (PIB) é um indicador habitualmente utilizado para aferir e comparar o grau de desenvolvimento

Leia mais

Agricultura Biológica Rumo a um novo modelo de produção. Jaime Ferreira Presidente da Agrobio

Agricultura Biológica Rumo a um novo modelo de produção. Jaime Ferreira Presidente da Agrobio Agricultura Biológica Rumo a um novo modelo de produção Jaime Ferreira Presidente da Agrobio Agricultura Biológica em Portugal 1985 - AGROBIO Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, de âmbito nacional,

Leia mais

Ligeira diminuição do valor médio de Avaliação Bancária de Habitação

Ligeira diminuição do valor médio de Avaliação Bancária de Habitação Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2010 29 de Junho de 2010 Ligeira diminuição do valor médio de Avaliação Bancária de Habitação O valor médio de avaliação bancária 1 de habitação no total

Leia mais

Pedido Único a 2009 Pedido de Apoio Medidas Agro e Silvo Ambientais a 2010

Pedido Único a 2009 Pedido de Apoio Medidas Agro e Silvo Ambientais a 2010 SÍNTESE ESTATÍSTICA CANDIDATURAS - 27 a 29 Pedido de Apoio Medidas Agro e Silvo Ambientais - 28 a 21 ÍNDICE GERAL GLOSSÁRIO DE SIGLAS... 1 NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1. CANDIDATURAS CONTINENTE... 4 1.1. PEDIDO

Leia mais

Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal

Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal Congresso Estratégias para as novas agriculturas Cenários da evolução futura da agricultura em Portugal Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA/UTL e Coordenador Científico da AGROGES) Lisboa, 5 de

Leia mais

Frielas. Enquadramento no Concelho

Frielas. Enquadramento no Concelho Frielas de villa romana que atestava a sua importância estratégica e a qualidade das terras, todos os recantos de Frielas confirmam a transmissão de uma extensa herança material e imaterial Enquadramento

Leia mais

Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década. Francisco Avillez

Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década. Francisco Avillez Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década Francisco Avillez Maio de 2017 Produtividade, crescimento e rendimento agrícolas em Portugal na última década Francisco Avillez

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 13,7%

Taxa de desemprego estimada em 13,7% 6 de maio de 2015 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2015 Taxa de desemprego estimada em 13,7 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2015 foi de 13,7. Este valor é superior, em 0,2 pontos

Leia mais

Construção regista novos mínimos da década

Construção regista novos mínimos da década Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2011- Dados preliminares 15 de março de 2012 Construção regista novos mínimos da década O licenciamento de obras bateu os valores mínimos da última

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA MERCADO DE TRABALHO O quadro sociodemográfico apresentado tem consequências directas no mercado de trabalho. Segundo os últimos Censos, os concelhos de Penamacor, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão surgiam

Leia mais

2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção

2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção (milhares) 2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção Durante a última década (2002-2012), o setor da Construção viveu a crise mais prolongada e intensa da sua história recente, com o ano de 2012

Leia mais

I Feira das Ciências Agrárias e do Ambiente 9 de Novembro de 2011

I Feira das Ciências Agrárias e do Ambiente 9 de Novembro de 2011 Estado da Agricultura Portuguesa Pedro Aguiar Pinto ISA(UTL) EXPO AGRYA 11 I Feira das Ciências Agrárias e do Ambiente 9 de Novembro de 2011 Agricultura é uma actividade humana, levada a cabo com o objectivo

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 14 Tipologias dos territórios rurais; evolução dos territórios rurais e da relação entre o campo e a cidade em Portugal; o regresso ao campo. O que é o rural? Visão tradicional

Leia mais

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores A. Pesquisa Divisões territoriais: http://sig.ine.pt/viewer.htm Indicar os tipos de divisões territoriais (administrativa, estatística, outras); Indicar os itens de cada divisão administrativa (distrito,

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO 2006 AJUDAS ESTRUTURAIS NOS SECTORES DA AGRICULTURA E DAS PESCAS

BOLETIM ESTATÍSTICO 2006 AJUDAS ESTRUTURAIS NOS SECTORES DA AGRICULTURA E DAS PESCAS BOLETIM ESTATÍSTICO 2006 AJUDAS ESTRUTURAIS NOS SECTORES DA AGRICULTURA E DAS PESCAS I. AJUDAS AO INVESTIMENTO NO SECTOR AGRÍCOLA 3 I.1 CONTINENTE 3 I.1.1 VISÃO GL0BAL 3 I.1.1.1 QUADROS GLOBAIS 3 I.1.1.2

Leia mais

Relatório OP Outros Setores Agrícolas e Pecuários

Relatório OP Outros Setores Agrícolas e Pecuários Relatório OP Outros Setores Agrícolas e Pecuários DRAPLVT 2013 Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Ficha técnica Ficha técnica Edição: DRAPLVT/ DADR Quinta das Oliveiras E.N. 3 2000-471 SANTARÉM

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PORTO MONIZ E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PORTO MONIZ E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 6. PORTO MONIZ Colonizado a partir da segunda metade do século XV, o concelho de Porto Moniz situa-se no extremo noroeste da Ilha, possui 80,40 Km2 e uma população residente que diminuiu de 3432 1 para

Leia mais

ESPAÇO RURAL E MODERNIZAÇÃO DO CAMPO

ESPAÇO RURAL E MODERNIZAÇÃO DO CAMPO ESPAÇO RURAL E MODERNIZAÇÃO DO CAMPO COMO ENTENDER A SITUAÇÃO DO CAMPO NO BRASIL? COMO ENTENDER A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS NO BRASIL E NO MUNDO? Tipos de agropecuária: intensiva e extensiva Principais modelos

Leia mais

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Fevereiro de 2010 26 de Março 2010 Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição O valor médio de avaliação bancária 1 de habitação no

Leia mais

Teste Diagnóstico I Geografia

Teste Diagnóstico I Geografia Nome: Data: Alguns aspetos detetados: Conhecimentos prévios mal assimilados ou interiorizados. Dificuldades na interpretação de um pequeno texto. Dificuldades na interpretação de enunciados. Dificuldade

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III)

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III) Informação à Comunicação Social 16 de Outubro de 2 ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III) 2º Trimestre de 2 No segundo trimestre de 2, a taxa de desemprego na região Norte cifrou-se em 4,1%, registando

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

PRESSÕES SOCIOECONÓMICAS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS: Bacias hidrográficas das ribeiras costeiras entre Sado e Mira e Algarve Central

PRESSÕES SOCIOECONÓMICAS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS: Bacias hidrográficas das ribeiras costeiras entre Sado e Mira e Algarve Central PROWATERMAN - Água, ecossistemas aquáticos e actividade humana. Uma abordagem integrada e participativa na definição de estratégias inovadoras e prospectivas de gestão integrada de recursos hídricos no

Leia mais

Síntese Mensal da Contratação Pública

Síntese Mensal da Contratação Pública SUMÁRIO EXECUTIVO Nº de anúncios de concursos publicados em Diário da República aumenta em outubro assim como o número de contratos publicados no portal BASE (relativamente a período homólogo) Em outubro

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de julho e em 15 de agosto de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de julho e em 15 de agosto de 2012. Situação de Seca Meteorológica em 15 agosto Contributo do Instituto de Meteorologia, I.P. para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica A situação de seca

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA População Brasileira 2014: atingiu o número de 204 milhões de habitantes. Formada a partir de três grandes grupos étnicos: índios, brancos e negros. A maioria da população é branca

Leia mais

I.1 POPULAÇÃO RESIDENTE EVOLUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO

I.1 POPULAÇÃO RESIDENTE EVOLUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO I I.1 POPULAÇÃO RESIDENTE EVOLUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO Segundo resultados do último Recenseamento Geral da População, em 21, residiam na Beira Interior Sul, 78 123 indivíduos, representando cerca de 3% da população

Leia mais

Teste de Avaliação de Geografia - 11.º ano. Geografia A 10.º Ano

Teste de Avaliação de Geografia - 11.º ano. Geografia A 10.º Ano Teste de Avaliação de Geografia - 11.º ano Maio 2016 120 minutos Geografia A 10.º Ano Conteúdos Módulo Inicial: A posição de Portugal na Europa e no Mundo Constituição do território nacional e sua posição

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A ENSINO SECUNDÁRIO GEOGRAFIA 11ºANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

Hotelaria mantém resultados negativos nas dormidas e proveitos

Hotelaria mantém resultados negativos nas dormidas e proveitos Actividade Turística Novembro de 2009 15 de Janeiro de 2010 Hotelaria mantém resultados negativos nas dormidas e proveitos Em Novembro de 2009, os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de dois milhões

Leia mais

SECTOR AGRÍCOLA E AGROPECUÁRIO NA REGIÃO DE LEIRIA

SECTOR AGRÍCOLA E AGROPECUÁRIO NA REGIÃO DE LEIRIA SECTOR AGRÍCOLA E AGROPECUÁRIO NA REGIÃO DE LEIRIA Margarida Teixeira DRAPCentro ÍNDICE GERAL 1. Breve enquadramento geográfico 2. Séries históricas do INE 2.1 Explorações agrícolas 2.2 Utilização das

Leia mais

1. Explicite os três princípios básicos em que assentam os objetivos da PAC.

1. Explicite os três princípios básicos em que assentam os objetivos da PAC. Agrupamento de Escolas de Esmoriz/ Ovar Norte Escola Secundária Esmoriz Proposta de correção - Ficha avaliação escrita Geografia 11º ano 1. Explicite os três princípios básicos em que assentam os objetivos

Leia mais

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012 Perfil da presença feminina no tecido empresarial português Sumário executivo Em Portugal : 54,9% das empresas têm pelo menos uma mulher nos seus cargos de gestão e direcção: 44,8% têm uma equipa mista,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES Versão actualizada em Fevereiro de 211 Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO

Leia mais

Diogo Soares da Silva Elisabete Figueiredo Isabel Rodrigo Universidade de Aveiro, Portugal

Diogo Soares da Silva Elisabete Figueiredo Isabel Rodrigo Universidade de Aveiro, Portugal Diogo Soares da Silva diogo.silva@ua.pt Elisabete Figueiredo elisa@ua.pt Isabel Rodrigo isarodrigo@isa.ulisboa.pt Universidade de Aveiro, Portugal Através da técnica de Análise de Conteúdo: Analisar, a

Leia mais

Edifícios licenciados aumentaram 7,4% e edifícios concluídos cresceram 12,2%

Edifícios licenciados aumentaram 7,4% e edifícios concluídos cresceram 12,2% Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2017 - Dados preliminares 13 de setembro de 2017 Edifícios licenciados aumentaram 7,4% e edifícios concluídos cresceram 12,2% No 2º trimestre

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 11.º/ 12.º anos de Escolaridade Prova 719/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA O Futuro do Território Rural JOVENS EMPRESÁRIOS NO ESPAÇO RURAL Firmino Cordeiro Director-Geral da AJAP Organização: Apoio Institucional: AGRICULTURA NACIONAL - Agricultura profissional deve continuar

Leia mais

Hotelaria com resultados positivos nas dormidas e negativos nos proveitos

Hotelaria com resultados positivos nas dormidas e negativos nos proveitos Actividade Turística Março de 2010 10 de Maio de 2010 Hotelaria com resultados positivos nas dormidas e negativos nos proveitos No mês de Março de 2010, os estabelecimentos hoteleiros registaram 2,5 milhões

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE SANTA CRUZ E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE SANTA CRUZ E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 9. SANTA CRUZ O concelho de Santa Cruz situa-se na costa sudeste da Ilha e é constituído por cinco freguesias: Santa Cruz, Caniço, Gaula, Camacha, e Santo António da Serra 1. Com uma superfície de 67,29

Leia mais

Aumento do valor médio de Avaliação Bancária de Habitação

Aumento do valor médio de Avaliação Bancária de Habitação Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Janeiro de 2010 26 de Fevereiro de 2010 Aumento do valor médio de Avaliação Bancária de Habitação Em Janeiro de 2010, o valor médio de avaliação bancária 1 de

Leia mais

Projecções da População Residente,NUTSIII

Projecções da População Residente,NUTSIII População e Sociedade Bema PORTUGAL ISS 1645-7633 Projecções da População Residente,UTSIII 2000-2050 Ano de edição 2005 PROJECÇÕES DE POPULAÇÃO RESIDETE, PORTUGAL E I, 2000-2050 I. METODOLOGIA E AÁLISE...

Leia mais