O ESPAÇO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA/PB: DESAFIOS E PERSPECTIVAS À AUTO-SUSTENTABILIDADE NO ASSENTAMENTO RURAL CARRASCO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ESPAÇO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA/PB: DESAFIOS E PERSPECTIVAS À AUTO-SUSTENTABILIDADE NO ASSENTAMENTO RURAL CARRASCO"

Transcrição

1 O ESPAÇO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA/PB: DESAFIOS E PERSPECTIVAS À AUTO-SUSTENTABILIDADE NO ASSENTAMENTO RURAL CARRASCO Autor: Crisólogo Vieira de Souza Graduando do Curso de Licenciatura Plena em Geografia (UEPB) Co-autor: Lincoln da Silva Diniz Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO/UFPE) 1. INTRODUÇÃO A partir do século XX as transformações decorrentes da globalização propiciaram o surgimento da grande agricultura comercial/moderna, voltada para atender, sobretudo, ao mercado externo, além da implantação de novas técnicas de cultivo, emprego de máquinas e equipamentos avançados, o que ampliou a produção, mas não atingiu todos os espaços agrícolas. Nos espaços de atividades agrícolas tradicionais ainda dominam a pequena agricultura familiar de subsistência. No município de Esperança, localizado na Mesorregião do Agreste Paraibano, desenvolve-se comumente a pequena agricultura familiar que se assemelham ainda as primeiras práticas tradicionais agrícolas, pois a produção é destinada principalmente ao próprio consumo familiar e o excedente é destinado à comercialização no mercado local, especialmente nos espaços das feiras livres. Outras características são os estabelecimentos rurais de pequena extensão, onde o chefe de família muitas vezes não é dono das terras, sendo arrendatário ou rendeiro, parceiro ou até posseiro ou ocupante, predomina a pouca utilização de equipamentos e técnicas modernas e a maior parte da mão-de-obra utilizada é familiar. Diante do exposto, o presente estudo ainda em fase de desenvolvimento pelos autores, tem por objetivo analisar as transformações recentes no espaço rural do município de Esperança/PB, a partir da implantação e desenvolvimento das técnicas/ projetos de 1

2 auto-sustentabilidade agrícola entre famílias de agricultores do Assentamento Rural Carrasco, bem como avaliar os desafios e as perspectivas deste espaço produtivo no contexto agrícola tradicional do semi-árido paraibano. Para realizar este estudo, vem sendo efetuado um levantamento bibliográfico sobre projetos de auto-sustentabilidade aplicados ao semi-árido, além da utilização de entrevistas e questionários com técnicos/ estudiosos da EMATER regional (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural), da Secretaria de Agricultura do município e, sobretudo, com os agricultores instalados no Assentamento Rural Carrasco. Pode-se afirmar, portanto, que no assentamento rural do Carrasco, desenvolvem-se práticas agrícolas auto-sustentáveis, bem como sistemas ecologicamente adequados e eficientes que permitem aos agricultores familiares do referido assentamento rural se manterem no campo de forma produtiva e viável as suas próprias condições sócio-culturais. 2. AGRICULTURA FAMILIAR E A SUA VIABILIDADE SOCIOECONÔMICA A agricultura familiar no Brasil é responsável por grande parte da alimentação que é consumida diariamente, sendo em torno de pelo menos 70% do feijão e 87% da mandioca provenientes deste setor da agricultura brasileira. A esse respeito, Oliveira (2007, p. 90) argumenta que: [...] as pequenas unidades camponesas têm sido responsáveis pela maior parte da produção dos alimentos básicos da população e de várias matérias-primas industriais [...]. Nesse contexto, a agricultura familiar é responsável pela produção dos alimentos básicos da alimentação brasileira. Outro aspecto a ser destacado se refere ao crescimento das unidades agrícolas brasileiras, destinadas a agricultura familiar e, que são responsáveis por gerar um número expressivo de empregos no campo. Quanto aos assentamentos agrícolas, estes são também vistos como resultado de ações políticas e sociais importantes para o desenvolvimento da agricultura familiar. Na opinião de David (2008), os assentamentos rurais são fundamentais no processo de dinamização da agricultura familiar, bem como possibilita novas perspectivas para um meio rural mais socializado entre as populações mais desfavorecidas. Sobre isso, destaca: Com os assentamentos, ampliou-se o debate sobre agricultura familiar e as alternativas de desenvolvimento rural. Os assentamentos têm-se constituído em um laboratório de experiências sociais e vêm dinamizando o debate sobre as 2

3 perspectivas do meio rural brasileiro e possibilidades de novas alternativas de desenvolvimento (DAVID, 2008, p. 21). Dessa forma, tem se ampliado os debates sobre as potencialidades da agricultura familiar a partir dos assentamentos rurais, sobretudo, a sua importância socioeconômica. No entanto, a agricultura de forma geral, e especialmente a familiar, sofreram os efeitos do modelo de exportação de produtos primários, da importação substitutiva de produtos nacionais. Afirma Rosa (1999) que: Na transição da década de 80 para a de 90, a agricultura brasileira, anteriormente protegida, foi exposta à concorrencia internacional. O conjunto dos produtores não rurais familiares não acompanhou esta evolução e, como resultado, perdeu competitividade frente a seus concorrentes internacionais (ROSA, 1999, p.02). Nesse sentido, a agricultura familiar perdeu competitividade deviddo a concorrência, e apesar dos incentivos do governo, ainda enfrenta muitas dificuldades, sendo ainda insuficientes os projetos de acompanhamento dos produtores que desenvolvem a pequena agricultura familiar. 3. O ESPAÇO DA AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA A agricultura familiar desenvolvida no espaço rural do município de Esperança/PB assemelha-se ainda, de forma dominante, as primeiras práticas agrícolas tradicionais. A presença de estabelecimentos rurais de pequenas extensões, onde a figura do chefe de família muitas vezes não é dono das terras, sendo arrendatário ou rendeiro, parceiro ou até posseiro ou ocupante. Outras características que predominam na maioria das propriedades agrícolas do município de Esperança são o predomínio de pouca utilização de equipamentos e técnicas modernas, a maior parte da mão-de-obra utilizada é familiar e a produção é destinada principalmente ao próprio consumo familiar e o excedente é destinado à comercialização no mercado local, especialmente nos espaços das feiras livres. No que se refere à produção agrícola, o municipio de Esperança apresenta condições de clima e também de solo que favorecem ao cultivo de diferentes culturas temporárias a exemplo do feijão, milho, mandioca entre outras, onde se deduz que há uma razoável geração 3

4 de renda e de empregos. No entanto, apresenta uma produtividade baixa, assim como na maior parte das cidades circunvizinhas, que se dedicam, principalmente, as práticas rudimentares que são utilizadas a exemplo das queimadas, a ausência de práticas eficaz de conservação do solo e de combate à erosão, a fraca difusão de sementes selecionadas, a falta de tecnologias modernas. Outros obstáculos enfrentados pelos agricultores familiares do município de Esperança referem-se à assistência técnica, além de poucos investimentos municipais, estaduais, e também federais no desenvolvimento de projetos voltados para atender a agricultura familiar. É importante ressaltar que o governo Federal possui alguns projetos para fortalecimento da agricultura familiar, como o Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), o Garantia-Safra que prevê indenização quando ocorrem perdas de 50% da produção. Esse programa tem sido uma das principais ajudas recebidas pelos agricultores familiares do município. As práticas de auto-sustentabilidade são ainda pouco desenvolvidas no espaço rural do município, ocorrendo em poucas propriedades, onde enfrentam dificuldades, devido à ausência tanto de investimentos, como de assistência técnicas de órgãos governamentais, e também a própria resistência as práticas tradicionais. 3. ASSENTAMENTO RURAL DO CARRASCO: UMA EXPERIÊNCIA DE AUTO-SUSTENTABILIDADE NO ESPAÇO AGRÍCOLA ESPERANCENSE O assentamento rural do Carrasco está localizado no sítio Carrasco na zona rural do município de Esperança. A área foi adquirida através do Credito Fundiário, programa do governo Federal para aquisição de terras (que é caracterizado pela reunião de pequenos agricultores familiares sem terra), onde ocorreu à reunião de dez famílias que não possuíam terras e trabalhavam como arrendatário ou rendeiro, parceiro ou até posseiro em outras propriedades, e que realizaram a compra de 60 hectares de terras que fazia parte de uma propriedade de 400 hectares. A área que corresponde ao assentamento rural do Carrasco era improdutiva, e as dez famílias se reuniram e formaram a Associação dos Produtores Orgânicos da Fazenda Carrasco- APROFACO. Adquiriram a propriedade com prazo de 20 anos para realização 4

5 do pagamento, cada família assentada também realizou um projeto do Pronaf, destinado pelo governo Federal para atender a assentamentos, esse projeto é destinado à realização de melhorias na propriedade, como a construção de cercas, barreiros, entre outras, além da construção de casas através dos recursos do FGTS Patrimônio do Trabalhador da Caixa Econômica Federal. No assentamento rural do Carrasco, desenvolve-se plenamente a agricultura familiar, assim como na maioria dos estabelecimentos rurais do município de Esperança e também de municípios adjacentes, porém o que diferencia é a diversidade técnica e produtiva implantada e desenvolvida no citado assentamento, que dispõem ainda de acompanhamento técnico fornecido pela EMATER do próprio município. Os agricultores familiares do assentamento são orientados pelos técnicos da EMATER a desenvolverem, além das culturas tradicionais, como o feijão, o milho, a mandioca entre outras, culturas permanentes como a laranja e o limão, bem como hortaliças de vários tipos, criação bovina, avicultura, apicultura, o que tem proporcionado maior rentabilidade e envolvimento dos trabalhadores. As técnicas agrícolas desenvolvidas no assentamento Carrasco se diferenciam muito das técnicas tradicionais utilizadas pela maioria dos agricultores familiares do município, pois toda a produção é orgânica, não sendo utilizado agrotóxico para combate de pragas, não ocorrendo, portanto, grandes agressões ao meio ambiente local. Existe uma preocupação dos agricultores familiares com a preservação das matas nativas existentes no assentamento, configurando uma área total de 12 hectares destinada à preservação (Foto 1). 5

6 Foto 1: Área de preservação ambiental no Assentamento Rural do Carrasco Foto: Crisólogo Vieira de Souza, Abril/ 2010 A produção orgânica desenvolvida pelos agricultores familiares aproveita-se do adubo, produzido no próprio assentamento, como o esterco dos animais, restos de cultivos, produzindo a matéria orgânica de excelente qualidade, evitando a utilização de adubos e fertilizantes químicos, ou qualquer produto químico, que possa causas danos ao meio ambiente e a saúde humana. É explorado o potencial do assentamento, explorando os recursos existentes como os mananciais para o desenvolvimento de irrigação por gotejamento de hortaliças de vários tipos (Foto 2), que são comercializadas na feira orgânica do município de Esperança e feiras orgânicas de Campina Grande/PB. 6

7 Foto 2: Produção orgânica de hortaliças de vários tipos Foto: Crisólogo Vieira de Souza, Abril/ 2010 Outros recursos explorados são a flora para o desenvolvimento da apicultura, que atende ao consumo familiar, como também na geração de renda a partir da sua comercialização no mercado local. A avicultura e a criação de suínos estão associadas à produção de hortaliças, na qual fornece as sobras que são utilizadas como complementação da alimentação desses animais. Em todas as atividades desenvolvidas no assentamento rural do Carrasco, não são permitidas práticas que possam causar destruição do meio ambiente, como por exemplo, as queimadas, ou qualquer outra atividade predatória. Desde o plantio até a colheita são aplicadas técnicas modernas que estão aliadas as práticas auto-sustentáveis e ao desenvolvimento de sistemas ecologicamente adequados Destarte, a produtividade obtida e as técnicas agrícolas avançadas implantadas entre os produtores deste referido assentamento contrastam, sobretudo, com o perfil produtivo da própria zona rural do município de Esperança, como também dos municípios vizinhos, uma vez que nestes são utilizadas práticas rudimentares, como as queimadas, a ausência de assistência técnica de práticas se conservação do solo e combate à erosão, além da ausência de sementes selecionadas e tecnologias modernas. 7

8 Pode-se afirmar, portanto, que no assentamento rural do Carrasco, desenvolvem-se práticas agrícolas auto-sustentáveis, apresentando diversificação de culturas adaptadas as condições ambiental-climatológicas do semi-árido, manejo adequado do solo, combate a erosão, bem como sistemas ecologicamente adequados e eficientes que permitem aos agricultores familiares do referido assentamento rural se manterem no campo de forma produtiva e viável as suas próprias condições sócio-culturais. 4. REFERÊNCIAS ESPERANÇA, Diagnóstico sócio-econômico. João Pessoa: SEBRAI/PROBER, DAVID, Cesar de. Agricultura Familiar em Assentamentos Rurais: contribuições à dinâmica regional do sul do estado do Rio Grande do Sul. In: MARFON, Glaucio José; PESSÔA, Vera Lúcia (orgs.). Agricultura, desenvolvimento e transformações socioespaciais: reflexões interinstitucionais e construção de grupos de pesquisas no rural e no urbano. Uberlândia: Assis Editora, 2008, p OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino. A geografia Agrária e as transformações territoriais recentes no campo brasileiro. In: CARLOS, Ana Fani Alessandri (org.). Novos caminhos da geografia. 5. Ed. São Paulo: Contexto, 2007, p ROSA, Sueli l. Couto. Agricultura familiar e desenvolvimento local sustentável. 37º Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural-SOBER, Foz do Iguaçu, [s.n.]. 8

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS GEOGRAFIA 5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS 1. Observe os mapas: Mapa 1 Fonte: IBGE. Atlas geográfico escolar. 6. ed. Rio de Janeiro, 2012. Adaptação. Parte integrante do livro didático

Leia mais

BRASIL: ESPAÇO AGRÁRIO E PROBLEMAS SÓCIOAMBIENTAIS

BRASIL: ESPAÇO AGRÁRIO E PROBLEMAS SÓCIOAMBIENTAIS BRASIL: ESPAÇO AGRÁRIO E PROBLEMAS SÓCIOAMBIENTAIS AGRICULTURA: HISTÓRICO Os primeiros camponeses (habitantes do campo) foram caçadores e coletores, ou seja, eram somente extrativistas: retiravam os alimentos

Leia mais

O USO DE BARRAGENS SUBTERRÂNEAS PARA GESTÃO HÍDICA NO SEMIÁRIDO

O USO DE BARRAGENS SUBTERRÂNEAS PARA GESTÃO HÍDICA NO SEMIÁRIDO O USO DE BARRAGENS SUBTERRÂNEAS PARA GESTÃO HÍDICA NO SEMIÁRIDO José Adailton Lima Silva¹; Monalisa Cristina Silva Medeiros²; Laíse Nascimento Cabral³; Thais Mara Souza Pereira 4 ; Vera Lucia Antunes de

Leia mais

CAPÍTULO 27 O MEIO RURAL E SUAS TRANSFORMAÇÕES

CAPÍTULO 27 O MEIO RURAL E SUAS TRANSFORMAÇÕES Disciplina - Geografia 2 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 27 O MEIO RURAL E SUAS TRANSFORMAÇÕES Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Revolução Neolítica Importância Em primeiro plano fornecer alimentos.

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1815

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1815 Página 1815 PRODUÇÃO ORGÂNICA DE ALGODÃO COLORIDO E BRANCO VERTICALIZADO NA PARAIBA Felipe Macedo Guimarães 1 ; Waltemilton Vieira Cartaxo 2. 1 Embrapa Algodão felipe@cnpa.embrapa.br ; 2 Embrapa Algodão.

Leia mais

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre

Jimboê. Geografia. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou à Unidade 2 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê Geografia 4 o ano Avaliação 2 o bimestre 1 Avaliação Geografia NOME: ESCOLA:

Leia mais

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO

CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO CAPÍTULO 3 - AGROPECUÁRIA E AGRONEGÓCIO PROFESSOR LEONAM JUNIOR COLÉGIO ARI DE SÁ 7º ANO QUEM SÃO OS TRABALHADORES BRASILEIROS E ONDE DESENVOLVEM SUAS ATIVIDADES ECONÔMICAS P. 37 PEA do Brasil: 100 milhões

Leia mais

Atividade Agrária no Brasil e no mundo. Prof. Andressa Carla

Atividade Agrária no Brasil e no mundo. Prof. Andressa Carla Atividade Agrária no Brasil e no mundo Prof. Andressa Carla Solo- toda camada da litosfera, formada por rochas onde se desenvolve a vida microbriana. Clima- influencia no tipo de cultivo. O uso de tecnologia

Leia mais

MUDANÇAS NO PRONAF. 1. Enquadramento no Pronaf. - assentados da Reforma Agrária e beneficiários do Crédito Fundiário que

MUDANÇAS NO PRONAF. 1. Enquadramento no Pronaf. - assentados da Reforma Agrária e beneficiários do Crédito Fundiário que MUDANÇAS NO PRONAF O Banco Central publicou, em 28 de março de 2008, a Resolução No. 3.559 promovendo alterações no Capítulo 10 do MCR Manual de Crédito Rural, que trata do PRONAF Programa Nacional de

Leia mais

Projeto Palma Pará BRASIL. ADM do BRASIL Ltda.

Projeto Palma Pará BRASIL. ADM do BRASIL Ltda. Projeto Palma Pará BRASIL ADM do BRASIL Ltda. 2014 A Archer Daniels Midland Company (ADM) MUNDO A ADM é uma das maiores processadoras de grãos do mundo; 71 Países/30.000 funcionários/250 Unidades; Desenvolvimento

Leia mais

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA PRIMEIROS CAMPONESES Os primeiros camponeses foram caçadores e coletores, ou seja, eram somente extrativistas: retiravam os alimentos da natureza, sem qualquer controle

Leia mais

PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016

PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016 PRONAF - AGRICULTURA FAMILIAR ANO AGRÍCOLA 2015/2016 Linha Risco Beneficiários (1) Finalidade Limites (R$) Juros Prazo/Carência CUSTEIO Pronaf Custeio Grupo "A/C" (2) /FCO Assentados da Reforma Agrária

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PRONAF

PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PRONAF C. S. Tecnologia do Agronegócio 3º Semestre PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR PRONAF Acadêmicos: Bruno Farias, Clodinei Uria,Mauricio, Renan Fontoura, Milton Fábrica, Ricardo

Leia mais

DO VALE DO AÇU DO VALE DO AÇU. Joacir Rufino de Aquino

DO VALE DO AÇU DO VALE DO AÇU. Joacir Rufino de Aquino II FÓRUM SOCIAL E SUSTENTÁVEL DO VALE DO AÇU EVOLUÇÃO E DESAFIOS DA AGROPECUÁRIA DO VALE DO AÇU Joacir Rufino de Aquino Economista. Mestre em Economia Rural e Regional. Professor Adjunto IV do Curso de

Leia mais

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin.

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin. GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD Professor Rodolfo Visentin. QUE É GEOGRAFIA AGRÁRIA A estrutura agrária reúne as condições sociais e fundiárias de um espaço, envolvendo aspectos referentes á legalidade das terras,

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

a) Entre A e F o que aconteceu com o tempo destinado ao pousio (tempo de espera sem cultivos) do solo? (0,25)

a) Entre A e F o que aconteceu com o tempo destinado ao pousio (tempo de espera sem cultivos) do solo? (0,25) 1) Observe o esquema: a) Entre A e F o que aconteceu com o tempo destinado ao pousio (tempo de espera sem cultivos) do solo? (0,25) b) Cite e explique 2 fatores que estão vinculados à mudança demonstrada

Leia mais

Diagnóstico sócio econômico, ambiental e físico conservacionista do assentamento Oziel Pereira Remígio PB

Diagnóstico sócio econômico, ambiental e físico conservacionista do assentamento Oziel Pereira Remígio PB Diagnóstico sócio econômico, ambiental e físico conservacionista do assentamento Oziel Pereira Remígio PB Diagnosis socioeconomic, environmental and physical conservation of the settlement Oziel Pereira

Leia mais

Meio Rural X Meio Agrário:

Meio Rural X Meio Agrário: Introdução Rural X Urbano: Urbano: presença de construções (casas, prédios, comércio, escolas, hospitais, etc.); Rural: presença maior da natureza e atividades agrárias; Meio Rural X Meio Agrário: Rural:

Leia mais

Lista de Siglas e Abreviaturas

Lista de Siglas e Abreviaturas Lista de Siglas e Abreviaturas - ADENE - Agência de Desenvolvimento do Nordeste - APA - Área de Proteção Ambiental - ASA - Projetos de Articulação do Semi-Árido - BDMG - Banco de Desenvolvimento de Minas

Leia mais

Perspectivas da Cadeia Produtiva da Cana-de-Açucar no Sistema Orgânico. O caso de Morretes, PR

Perspectivas da Cadeia Produtiva da Cana-de-Açucar no Sistema Orgânico. O caso de Morretes, PR Perspectivas da Cadeia Produtiva da Cana-de-Açucar no Sistema Orgânico. O caso de Morretes, PR KNOPIK, Marco Aurelio. FAFIPAR, marcoknopik@hotmail.com; FLEIG, Daniel. FAFIPAR, Resumo Dentre os principais

Leia mais

Prof. Clésio Farrapo

Prof. Clésio Farrapo Prof. Clésio Farrapo Podemos dividir a área agrícola em dois tipos de Iavoura: cultura permanente e cultura temporária. No primeiro caso, as culturas Ievam mais de um ano para produzir; podem ser retiradas

Leia mais

PROJETO DE DIVERSIFICAÇÃO PARA UNIDADES DE PRODUÇÃO DO TIPO FAMILIAR LEITE NO MUNICÍPIO DE PEJUÇARA-RS 1

PROJETO DE DIVERSIFICAÇÃO PARA UNIDADES DE PRODUÇÃO DO TIPO FAMILIAR LEITE NO MUNICÍPIO DE PEJUÇARA-RS 1 PROJETO DE DIVERSIFICAÇÃO PARA UNIDADES DE PRODUÇÃO DO TIPO FAMILIAR LEITE NO MUNICÍPIO DE PEJUÇARA-RS 1 Ana Paula Toso 2, Angélica De Oliveira Henriques 3, Felipe Esteves Oliveski 4, Nilvo Basso 5. 1

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL COMO ESTRATÉGIA DE MELHORIA DA PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA DE BANANA PARA JOVENS ASSENTADOS

INCLUSÃO DIGITAL COMO ESTRATÉGIA DE MELHORIA DA PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA DE BANANA PARA JOVENS ASSENTADOS INCLUSÃO DIGITAL COMO ESTRATÉGIA DE MELHORIA DA PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA DE BANANA PARA JOVENS ASSENTADOS BATISTA DE LIMA, Damião 1 SOUZA GONDIM, Perla Joana de 3 SÁ MELO, Raylson de 1 MELO SILVA, Silvanda

Leia mais

Agricultura familiar e mercados: algumas reflexões

Agricultura familiar e mercados: algumas reflexões Agricultura familiar e mercados: algumas reflexões Claudia Job Schmitt CPDA/UFRRJ 1. A construção social dos mercados na agricultura camponesa e familiar: perspectivas de análise 2. Diversidade e historicidade

Leia mais

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA PRIMEIROS CAMPONESES Os primeiros camponeses foram caçadores e coletores, ou seja, eram somente extrativistas: retiravam os alimentos da natureza, sem qualquer controle

Leia mais

PRODUÇÃO DE MORANGO ORGÂNICO EM PROPRIEDADES DE REFERÊNCIA

PRODUÇÃO DE MORANGO ORGÂNICO EM PROPRIEDADES DE REFERÊNCIA PRODUÇÃO DE MORANGO ORGÂNICO EM PROPRIEDADES DE REFERÊNCIA Área Temática: Ciências Agrárias, Agronomia, Extensão Rural André Gabriel 1 ; Juliano Tadeu Vilela de Resende 2 ; Julio José Nonato 3 ; Cristhiano

Leia mais

AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL

AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL Critérios para a Classificação dos Condados Norte-Americanos segundo o Rural-Urban Continuum Code Condados Metropolitanos 0 1 2 3 Condados centrais de áreas metropolitanas

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados

ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA ANO INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO Audiência pública da Comissão de Agricultura Câmara dos Deputados Cesar José de Oliveira MDA 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO COOPERATIVISMO

Leia mais

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio

Diretoria de Agronegócios. BB e o Agronegócio Diretoria de Agronegócios BB e o Agronegócio Importância do Agronegócio no Brasil + 35% nas exportações do país 197,9 40,9% 41,1% 37,4% 55,1 58,2 60,4 20,6 23,8 24,8 41,9% 73,1 30,6 160,6 40,4% 137,5 118,3

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA CURSO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR Prof. Antonio Lázaro Sant

Leia mais

Quadro resumo do crédito do Pronaf

Quadro resumo do crédito do Pronaf Pronaf custeio Quadro resumo do crédito do Pronaf 2016-2017 Linha Finalidade/empreendimento Condições Encargos (taxa de juros) Para financiamentos destinados ao cultivo de arroz, feijão, mandioca, feijão

Leia mais

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater germano@emater.pr.gov.br PROJETO CENTRO-SUL DE FEIJÃO E MILHO O Instituto EMATER, ao longo de sua existência,

Leia mais

Racionalização do Uso de Energia Elétrica e Água na Irrigação para Agricultura Familiar- Município de Jequitibá - MG

Racionalização do Uso de Energia Elétrica e Água na Irrigação para Agricultura Familiar- Município de Jequitibá - MG XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Racionalização do Uso de Energia Elétrica e Água na Irrigação para Agricultura Familiar-

Leia mais

O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no

O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no O papel da AGRICULTURA FAMILIAR no desenvolvimento do RS e do BRASIL Oportunidades de negócios para a Região Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul Ministro Pepe Vargas Agricultura Familiar RS Receitas

Leia mais

BAMBU: Agronegócio Sustentável

BAMBU: Agronegócio Sustentável BAMBU: Agronegócio Sustentável Desafios / Percepções Olhar empreendedor Quebrar paradigmas Alternativas tecnológicas Economia florestal Aspectos Gerais Vegetal de mais rápido crescimento Pouco exigente

Leia mais

A VISÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA AS ÁREAS CILIARES 1

A VISÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA AS ÁREAS CILIARES 1 A VISÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA AS ÁREAS CILIARES 1 Ana Maria Pereira Amaral, Engenheira Agrônonoma, mestrado em Agronomia, doutorado em Teoria Econômica Aplicada pela ESALQ/USP. Atualmente é Assessora

Leia mais

ADUBAÇÃO VERDE E BANCO DE SEMENTES Uma alternativa para o agricultor familiar

ADUBAÇÃO VERDE E BANCO DE SEMENTES Uma alternativa para o agricultor familiar ADUBAÇÃO VERDE E BANCO DE SEMENTES Uma alternativa para o agricultor familiar Lucas Alves Jural¹; Thais Monteiro de Souza²; Isabelle Sá e Silva Rangel³; Sandra Barros Sanchez 4 RESUMO O trabalho aqui apresentado

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

Brasil Sem Miséria RURAL

Brasil Sem Miséria RURAL Brasil Sem Miséria RURAL O desafio de acabar com a miséria Nos últimos anos, 28 milhões de brasileiros superaram a pobreza; Apesar disso, ainda há 16 milhões de pessoas extremamente pobres no Brasil; Para

Leia mais

EXTENSÃO RURAL EM ÁREAS DE AGRICULTURA FAMILIAR NA REGIÃO DO BREJO PARAIBANO

EXTENSÃO RURAL EM ÁREAS DE AGRICULTURA FAMILIAR NA REGIÃO DO BREJO PARAIBANO UFPB-PRAC XIV Encontro de Extensão EXTENSÃO RURAL EM ÁREAS DE AGRICULTURA FAMILIAR RESUMO NA REGIÃO DO BREJO PARAIBANO DEUS, Alex Santos de 1 ARAÚJO, Guilherme Monteiro de 2 SANTOS, Roseilton Fernandes

Leia mais

Territórios da Zona da Mata Sul e Norte da Paraíba e a promoção do desenvolvimento territorial sustentável: As Feiras Agroecológicas e da Agricultura

Territórios da Zona da Mata Sul e Norte da Paraíba e a promoção do desenvolvimento territorial sustentável: As Feiras Agroecológicas e da Agricultura Territórios da Zona da Mata Sul e Norte da Paraíba e a promoção do desenvolvimento territorial sustentável: As Feiras Agroecológicas e da Agricultura Familiar Roteiro de Apresentação: O que são as Feiras

Leia mais

O PAPEL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO DESENVOLVIMENTO E SEGURANÇA ALIMENTAR DOS ASSENTAMENTOS: O CASO DA COOPPSAF EM JARDIM-MS

O PAPEL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO DESENVOLVIMENTO E SEGURANÇA ALIMENTAR DOS ASSENTAMENTOS: O CASO DA COOPPSAF EM JARDIM-MS O PAPEL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO DESENVOLVIMENTO E SEGURANÇA ALIMENTAR DOS ASSENTAMENTOS: O CASO DA COOPPSAF EM JARDIM-MS Arcilei da Silva Lima 1 ; Ana Maria Soares de Oliveira 2 UEMS/Jardim MS - arcy.silva.lima@gmail.com/ageo@uems.br

Leia mais

2 MATERIAL E MÉTODOS

2 MATERIAL E MÉTODOS VIABILIDADE DE PRODUÇÃO DE TOMATE (SOLANUM LYCOPERSICUM) SAFRA 2017/2018 EM SISTEMA DE CULTIVO PROTEGIDO DE 1000 M² Amanda Rodrigues Apolinário ¹, Maurilio Expedito da Silva ¹, Maria Clara Ferrari 2 1

Leia mais

Antonio Trevisan, eng.agr. Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Antonio Trevisan, eng.agr. Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural Fonte: Res. 3.375, de 19/06/2006 - Pronaf Res.. 3.369 e 3.370, de 14/06/06 Bedes e R.P. Atualização MCR 477, de 16/03/2006 do Bacen Governo do Estado Antonio Trevisan, eng.agr. Secretaria de Estado da

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA DE ALGODÃO ORGÂNICO CONSORCIADO COM CULTURAS ALIMENTARES

ANÁLISE ENERGÉTICA DE ALGODÃO ORGÂNICO CONSORCIADO COM CULTURAS ALIMENTARES Página 112 ANÁLISE ENERGÉTICA DE ALGODÃO ORGÂNICO CONSORCIADO COM CULTURAS ALIMENTARES Miriam da Silva Tavares (myriann_silva@hotmail.com), Fábio Aquino de Albuquerque (Embrapa Algodão), Melchior Naelson

Leia mais

ESPAÇO RURAL E MODERNIZAÇÃO DO CAMPO

ESPAÇO RURAL E MODERNIZAÇÃO DO CAMPO ESPAÇO RURAL E MODERNIZAÇÃO DO CAMPO COMO ENTENDER A SITUAÇÃO DO CAMPO NO BRASIL? COMO ENTENDER A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS NO BRASIL E NO MUNDO? Tipos de agropecuária: intensiva e extensiva Principais modelos

Leia mais

II Simpósio Nacional de Empreendedorismo Social Enactus Brasil

II Simpósio Nacional de Empreendedorismo Social Enactus Brasil RENTABILIDADE DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS NA AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE ORÓS, CEARÁ Rayane de Morais Furtado 1 José Nilson Oliveira Filho 2 Geiza Delfino da Silva 3 Matheus Magalhães Silva Moura

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar. ALUNO(A): TURMA: Geografia.

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar. ALUNO(A): TURMA: Geografia. FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ 2011 O Colégio que ensina o aluno a estudar. APICE Geografia [1 a VG] 4 o Ano Ensino Fundamental I ALUNO(A): TURMA: Você está recebendo o APICE (Atividade para Intensificar

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO

VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA 1.INTRODUÇÃO VIABILIDADE ECONÔMICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA- MILHO SAFRINHA Alceu Richetti 1 1.INTRODUÇÃO No cenário nacional, o Estado de Mato Grosso do Sul é o terceiro maior produtor de milho safrinha e o quinto

Leia mais

HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF

HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF HISTÓRICO DE ATUAÇÃO E DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO SETOR AGROPECUÁRIO DO DF Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal SETEMBRO 2016 O QUE É A EMATER-DF? Empresa Pública, criada em

Leia mais

Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia 1ª Série Ensino Médio A Estrutura Agrária do Brasil

Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia 1ª Série Ensino Médio A Estrutura Agrária do Brasil Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia 1ª Série Ensino Médio A Estrutura Agrária do Brasil AGRICULTURA Conceito: técnica de plantio e uso do solo. Objetivos: alimentação, matéria-prima;. FATORES

Leia mais

1º ÁGUA. de 15 a 18 anos

1º ÁGUA. de 15 a 18 anos Dados da Moradia Dados da Família Município Programa de Formação e Mobilização para Convivência com o Semiárido P1+2 - Programa Uma Terra e Duas Águas Ficha de Seleção e Cadastramento de Famílias Comunidade

Leia mais

Palma de Óleo. Pronaf Eco Dendê

Palma de Óleo. Pronaf Eco Dendê Palma de Óleo Pronaf Eco Dendê 1 A Archer Daniels Midland Company (ADM) O que fazemos: Líder no processamento e transformação de produtos agrícolas; Uma das empresas mais admiradas no ramo de produção

Leia mais

Lembro a todos que estes slides não servem como embasamento TOTAL para a prova. Prof. Matheus

Lembro a todos que estes slides não servem como embasamento TOTAL para a prova. Prof. Matheus Lembro a todos que estes slides não servem como embasamento TOTAL para a prova Prof. Matheus Agropecuária Prof. Matheus Agronegócio e Economia Modernização Agrária no Brasil: Séc. XX: diversificação e

Leia mais

POSSIBILIDADES DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS NO ATENDIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR DO RIO GRANDE DO SUL 1. INTRODUÇÃO

POSSIBILIDADES DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS NO ATENDIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR DO RIO GRANDE DO SUL 1. INTRODUÇÃO POSSIBILIDADES DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS NO ATENDIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR DO RIO GRANDE DO SUL TEIXEIRA, Sandro Silva 1 ; GOMES, Mario Conill 2 1 Instituto Federal Sul Rio Grandense- Curso de Eletromecânica

Leia mais

PROGRAMA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA CULTIVO DE FRUTEIRAS TROPICAIS

PROGRAMA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA CULTIVO DE FRUTEIRAS TROPICAIS PROGRAMA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA CULTIVO DE FRUTEIRAS TROPICAIS Murilo Vargas da Silveira 1 ; Edson Talarico Rodrigues 2 1 Estudante do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade Universitária de Aquidauana;

Leia mais

Produção Orgânica, Agroecologia e Agricultura Familiar em Santa Catarina: a necessidade de priorizar políticas públicas

Produção Orgânica, Agroecologia e Agricultura Familiar em Santa Catarina: a necessidade de priorizar políticas públicas Produção Orgânica, Agroecologia e Agricultura Familiar em Santa Catarina: a necessidade de priorizar políticas públicas Santa Catarina (SC) possui cerca de 6,2 milhões de habitantes dos quais cerca de

Leia mais

Governo do Estado da Paraíba. Ricardo Vieira Coutinho Governador. Rômulo José de Gouveia Vice-Governador

Governo do Estado da Paraíba. Ricardo Vieira Coutinho Governador. Rômulo José de Gouveia Vice-Governador Governo do Estado da Paraíba Ricardo Vieira Coutinho Governador Rômulo José de Gouveia Vice-Governador Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca Marenilson Batista da Silva Secretário

Leia mais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Claudio Aparecido Spadotto* A importância da agricultura brasileira Nesse texto o termo

Leia mais

Abordagem Sobre o Agrário

Abordagem Sobre o Agrário Abordagem Sobre o Agrário 1. (UERJ) Material de apoio para Monitoria A região do pampa, no Rio Grande do Sul, reflete a realidade rural brasileira e suas mazelas. Identifique o processo socioespacial que

Leia mais

Aula Ao Vivo(18/04/2013) - Geografia Agrária do Brasil

Aula Ao Vivo(18/04/2013) - Geografia Agrária do Brasil Aula Ao Vivo(18/04/2013) - Geografia Agrária do Brasil IFCE 1 - O agronegócio, também conhecido por seu nome em inglês "agribusiness", cujas cadeias produtivas se baseiam na agricultura e na pecuária,

Leia mais

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Como transmitir o conhecimento às Assistência Técnica: pessoas

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DA ROTAÇÃO DE CULTURAS E AGRICULTURA DE PRECISÃO NO ÂMBITO DA GESTÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DO EFEITO DA ROTAÇÃO DE CULTURAS E AGRICULTURA DE PRECISÃO NO ÂMBITO DA GESTÃO AMBIENTAL ANÁLISE DO EFEITO DA ROTAÇÃO DE CULTURAS E AGRICULTURA DE PRECISÃO NO ÂMBITO DA GESTÃO AMBIENTAL MELLO, Felipe Vieira 1 ; BALEM, Tatiana Aparecida 2 Palavras-Chave: Rotação de culturas, Agricultura de

Leia mais

Orgânicos e a Economia verde: Oportunidade e desafios.

Orgânicos e a Economia verde: Oportunidade e desafios. Orgânicos e a Economia verde: Oportunidade e desafios. Objetivo Contribuir para o fortalecimento da cadeia produtiva brasileira de alimentos e produtos orgânicos por meio da integração e difusão de informação

Leia mais

NORDESTE. by Your User Name

NORDESTE. by Your User Name NORDESTE by Your User Name Clima Semiárido Baixas médias de pluviosidade anual, com altas temperaturas. Clima semiárido A existência desse clima se deve a dois fatores: 1. A barreira orográfica

Leia mais

Rumo ao REDD+ Jurisdicional:

Rumo ao REDD+ Jurisdicional: Rumo ao REDD+ Jurisdicional: Pesquisa, Análises e Recomendações ao Programa de Incentivos aos Serviços Ambientais do Acre (ISA Carbono) Pesquisa, Análises e Recomendações 11 Figura 1. Zonas

Leia mais

CI Orgânicos. Sylvia Wachsner Sociedade Nacional de Agricultura

CI Orgânicos. Sylvia Wachsner Sociedade Nacional de Agricultura CI Orgânicos Sylvia Wachsner Sociedade Nacional de Agricultura O que são produtos orgânicos Os princípios agroecológicos contemplam o uso responsável do solo, da água, do ar e demais recursos naturais.

Leia mais

Cadeias de Valor e Ambiente de Negócios em Mocambique

Cadeias de Valor e Ambiente de Negócios em Mocambique Cadeias de Valor e Ambiente de Negócios em Mocambique Apresentação de projecto de pesquisa do OMR e FAN: Prof. Doutor José Mota Lopes (Coordenador) Dr Júlio Machele (Assistente) Dr.a Paulina Abdala (Assistente)

Leia mais

Epagri. Conhecimento para a produção de alimentos. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina

Epagri. Conhecimento para a produção de alimentos. Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina Epagri Conhecimento para a produção de alimentos Segurança no Alimento & Saúde Pública Paulo R. L. Arruda Diretoria Extensão Rural e Pesqueira 21 de Junho de 2017 Missão Conhecimento, tecnologia e extensão

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE TOMATE NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE TOMATE NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE TOMATE NO NORDESTE Ano 4 2010 Nº 21 O nosso negócio é o desenvolvimento

Leia mais

Guaraná: Período: 01 a 31/07/2013

Guaraná: Período: 01 a 31/07/2013 Guaraná: Período: 01 a 31/07/2013 Quadro I: Guaraná em Grãos - Preço Pago ao Produtor (em R$/kg) Média de Mercado 12 1 Estados Unidade (a) (b) Mês Atual (c) meses mês Preço Mínimo Var.% (c/a) Am azonas-am

Leia mais

Como acessar. Crédito Rural. Banco do Brasil. seu

Como acessar. Crédito Rural. Banco do Brasil. seu Como acessar seu Crédito Rural no Banco do Brasil Produtor Familiar Documentos necessários Produtor Familiar Documentação necessária: - Documento de Identidade e CPF; - DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf;

Leia mais

ATUAÇÃO DO PROJETO DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL CULTIVANDO ESPERANÇA NO ASSENTAMENTO ROSA EM GUARAPUAVA-PR

ATUAÇÃO DO PROJETO DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL CULTIVANDO ESPERANÇA NO ASSENTAMENTO ROSA EM GUARAPUAVA-PR ATUAÇÃO DO PROJETO DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL CULTIVANDO ESPERANÇA NO ASSENTAMENTO ROSA EM GUARAPUAVA-PR Lais Martinkoski (UNICENTRO) martinkoskilais@hotmail.com Patrikk John Martins (Fundação RURECO) patrikk_martins@yahoo.com.br

Leia mais

1) (FGV-SP) Analise o mapa.

1) (FGV-SP) Analise o mapa. Aula ao vivo de geografia 19/03/2014 Revolução Verde e a questão agrária no Brasil 1) (FGV-SP) Analise o mapa. O produto destacado no mapa é: a) a cana-de-açúcar. b) o algodão. c) o café. d) o feijão.

Leia mais

Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade

Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade AGRICULTURA E PECUÁRIA Percursos 27 e 28 Expedições Geográficas - 6ºano Profª Bruna Andrade AGRICULTURA CONDIÇÕES NATURAIS: Apesar do grande desenvolvimento técnico e científico ela ainda depende do solo,

Leia mais

ASPECTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR NO ASSENTAMENTO MAÍSA

ASPECTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR NO ASSENTAMENTO MAÍSA ASPECTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR NO ASSENTAMENTO MAÍSA 1 INTRODUÇÃO Na região do Semi-árido a produção agrícola familiar é resultante da combinação de várias culturas, como a criação de animais, hortas,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA FAMILIAR NA ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO AGRÁRIO EM CORUMBATAÍ - SP

IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA FAMILIAR NA ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO AGRÁRIO EM CORUMBATAÍ - SP IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA FAMILIAR NA ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO AGRÁRIO EM CORUMBATAÍ - SP Marcos Vinícius Spagnoli Fernando Amorim Rosa Luiz Diego Perinotto Flamarion Dutra Alves Universidade Estadual Paulista

Leia mais

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA, FLORESTA - ilpf

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA, FLORESTA - ilpf 2 TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA, FLORESTA - ilpf O projeto Na perspectiva de colaborar com o esforço brasileiro de redução de emissões de Gases de Efeito de Estufa (GEE), o

Leia mais

Agricultoras familiares e sua inserção no PNAE em Tapejara-RS Raul Scariot

Agricultoras familiares e sua inserção no PNAE em Tapejara-RS Raul Scariot UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Agricultoras familiares e sua inserção no PNAE em Tapejara-RS Raul Scariot INTRODUÇÃO Identificar

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE GEOGRAFIA 1 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. MÁRCIO NOME Nº 7º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão anuladas.

Leia mais

Agricultura Brasileira 1 9 / 0 8 /

Agricultura Brasileira 1 9 / 0 8 / Agricultura Brasileira 1 9 / 0 8 / 2 0 1 5 Sistemas Agrícolas Intensivo: Maior importância à mecanização e/ou trabalho Altos índices de produtividade Natureza deixada em segundo plano Extensivo: Elementos

Leia mais

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Sumário Análise de conjuntura; Impactos das atividades agropecuárias sobre o meio ambiente; Responsabilidade ambiental; Boas práticas produtivas. Organograma

Leia mais

Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário - DFDA-ES. Políticas Estruturantes da SEAD: DAP, Crédito e ATER. Eng. Agrônomo Max Ribas

Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário - DFDA-ES. Políticas Estruturantes da SEAD: DAP, Crédito e ATER. Eng. Agrônomo Max Ribas Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário - DFDA-ES Políticas Estruturantes da SEAD: DAP, Crédito e ATER Eng. Agrônomo Max Ribas Identificação e acesso à políticas públicas Dados sobre a DAP PESSOA

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EXPERIÊNCIA DE BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EXPERIÊNCIA DE BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EXPERIÊNCIA DE BOAS PRÁTICAS DE ATER NA AGRICULTURA FAMILIAR E NA REFORMA AGRÁRIA Uso de rede social na assistência técnica rural.. Dezembro 2015 1 1. Contextualização

Leia mais

Construindo pontes entre saberes

Construindo pontes entre saberes Construindo pontes entre saberes Características do enfoque científico convencional Reducionismo Mecanicismo Universalismo Agroecossistema como objeto de organização do conhecimento na pesquisa em

Leia mais

ASPECTOS DA IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA FAMILIAR NO ESTADO DO AMAPÁ

ASPECTOS DA IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA FAMILIAR NO ESTADO DO AMAPÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ASPECTOS DA IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA FAMILIAR NO ESTADO DO AMAPÁ Irenildo Costa da Silva 1 ; Roni Mayer Lomba 2 RESUMO: Esta pesquisa tem como objetivo

Leia mais

CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS:

CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS: CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS: Agricultura Habilita estudantes a observar, organizar e planejar a forma de manejo do solo, bem como traçar medidas de otimização da produção agrícola. Assim, o profissional

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ANÁLISE ECONÔMICA ENTRE O CUSTO DE PRODUÇÃO DE MORANGO ORGÂNICO E CONVENCIONAL

ESTUDO DE CASO: ANÁLISE ECONÔMICA ENTRE O CUSTO DE PRODUÇÃO DE MORANGO ORGÂNICO E CONVENCIONAL ESTUDO DE CASO: ANÁLISE ECONÔMICA ENTRE O CUSTO DE PRODUÇÃO DE MORANGO ORGÂNICO E CONVENCIONAL Alceu Donadelli Econ., PqC do Polo Regional Leste Paulista/APTA donadelli@apta.sp.gov.br Cristiaini Kano Eng.

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR, AGROECOLOGIA E SUSTENTABILIDADE: TRANSIÇÃO EM MARCHA (?)

AGRICULTURA FAMILIAR, AGROECOLOGIA E SUSTENTABILIDADE: TRANSIÇÃO EM MARCHA (?) AGRICULTURA FAMILIAR, AGROECOLOGIA E SUSTENTABILIDADE: TRANSIÇÃO EM MARCHA (?) BALESTRIN, Nádia Luzia (Administração/UNIBRASIL) A Agroecologia, pode ser considerada, tanto uma ciência quanto um conjunto

Leia mais

Sistematização TEMA: ACOMPANHAMENTO DAS UNIDADES DE REFERÊNCIA EM SEDA

Sistematização TEMA: ACOMPANHAMENTO DAS UNIDADES DE REFERÊNCIA EM SEDA Sistematização TEMA: ACOMPANHAMENTO DAS UNIDADES DE REFERÊNCIA EM SEDA EIXO: UMA VISÃO DE REALIDADE DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEDA COMO OPÇÃO DE RENDA E MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DAS FAMÍLIAS Oswaldo

Leia mais

MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES NÃO-AGRÍCOLAS. META Demonstrar o caráter excludente da modernização tecnológica da agricultura brasileira.

MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES NÃO-AGRÍCOLAS. META Demonstrar o caráter excludente da modernização tecnológica da agricultura brasileira. Aula MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES NÃO-AGRÍCOLAS META Demonstrar o caráter excludente da modernização tecnológica da agricultura brasileira. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar

Leia mais

SÃO PAULO ORGÂNICO. Fotos: Akamiyama

SÃO PAULO ORGÂNICO. Fotos: Akamiyama SÃO PAULO ORGÂNICO Fotos: Akamiyama SÃO PAULO ORGÂNICO Ação de Governo realizada através da SMA e SAA, em parceria com instituições do setor orgânico. OBJETIVOS Políticas públicas e soluções para fomentar

Leia mais

A FALTA DE CHUVAS E AS DIFICULDADES PARA OS PEQUENOS AGRICULTORES DO SEMI-ÁRIDO ALIMENTAREM OS ANIMAIS NA SECA

A FALTA DE CHUVAS E AS DIFICULDADES PARA OS PEQUENOS AGRICULTORES DO SEMI-ÁRIDO ALIMENTAREM OS ANIMAIS NA SECA A FALTA DE CHUVAS E AS DIFICULDADES PARA OS PEQUENOS AGRICULTORES DO SEMI-ÁRIDO ALIMENTAREM OS ANIMAIS NA SECA Nilton de Brito Cavalcanti, Geraldo Milanez de Resende, Luiza Teixeira de Lima Brito. Embrapa

Leia mais

SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO

SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS E SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO AUTORES: FABIANA AQUINO JORGE WERNECK LIMA MARCELA COSTA O que são Serviços Ecossistêmicos? Benefícios diretos e indiretos obtidos pelo Homem a

Leia mais

Seção Temática: Políticas Públicas

Seção Temática: Políticas Públicas Agricultura familiar do município de Monte Carmelo-MG: Acesso as políticas públicas Family farming in the city of Monte Carmelo - MG: Access to public policy LIMA, Tatiane Lima 1 ; SILVA, Adriane de Andrade

Leia mais

TRABALHO DE EXTENSÃO EM COMUNIDADE QUILOMBOLA: A AGROECOLOGIA COMO ELEMENTO FUNDAMENTAL DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHO DE EXTENSÃO EM COMUNIDADE QUILOMBOLA: A AGROECOLOGIA COMO ELEMENTO FUNDAMENTAL DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO TRABALHO DE EXTENSÃO EM COMUNIDADE QUILOMBOLA: A AGROECOLOGIA COMO ELEMENTO FUNDAMENTAL DA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO RESUMO LUCENA, José Antonio de 1 SÁ SOBRINHO, Rosivaldo Gomes de Sá 2 SILVA, Sharle

Leia mais

ELEVAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO NA AGRICULTURA

ELEVAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO NA AGRICULTURA ELEVAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO NA AGRICULTURA Trabalho Elaborado pela Gerência Técnica e Econômica da Ocepar Curitiba, julho de 2008 ELEVAÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO I - INTRODUÇÃO: A agricultura brasileira

Leia mais

Seminário Certificação e Fomento Florestal

Seminário Certificação e Fomento Florestal Programa Klabin Fomento Florestal Seminário Certificação e Fomento Florestal Diálogo Florestal Canoinhas SC Out 2012 Fomento Florestal Fomento Florestal tem o objetivo formar florestas produtivas em áreas

Leia mais