P R O C E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P R O C E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O"

Transcrição

1 Encaminhamos pela presente, Norma e Procedimento que implanta e define a sistemática de do HOSPITAL SANTA ROSA. Controle Nome/Cargo Assinatura Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Allessandra Craice Medina Ferreira Enfermeira Givanildo Vieira da Cunha Coordenador técnico Carmen Aparecida de Aquino Neves Diretora Técnica ELABORAÇÃO REVISÃO Nº 03 EMISSÃO 01 DATA: 14/02/2008 DATA: 17/02/2012 DATA: 22/02/ / 10

2 I A P R E S E N T A Ç Ã O 1. Objetivo: 1.1. Estabelecer normas e procedimentos para Reserva e Solicitação de Hemocomponentes no Banco de Sangue do Hospital Santa Rosa, a fim de assegurar a entrega dos hemocomponentes solicitados. 2. Áreas Envolvidas: 2.1. Banco de Sangue 2.2. PA 2.3. UTI s 2.4. Centro Cirúrgico 2.5. Unidades de Internação 3. Fatores de Risco: 3.1. Não solicitação de hemocomponentes ao Banco de Sangue. 4. Considerações Gerais: 4.1. Nos casos de reserva de hemocomponentes, o médico deve consultar o banco de sangue quanto à disponibilidade do produto hemoterápico para o planejamento da transfusão. 2 / 10

3 II R E S P O N S A B I L I D A D E S 1. Banco de Sangue 1.1. Técnico de Hemoterapia: Verificar os dados da solicitação médica: nome completo do paciente, nome legível do médico solicitante e o registro no CRM, carimbo, diagnóstico ou Código Internacional de Doenças (CID), especificação do produto, quantidade, data e horário da solicitação Certificar-se, junto ao paciente, a respeito de transfusões anteriores e possíveis ocorrências de reações transfusionais para as devidas providências quanto à garantia da segurança transfusional Informar ao paciente o tempo previsto para o início da transfusão e orientá-lo quanto ao melhor local de espera do procedimento, bem como fornecer outras informações necessárias a sua compreensão e satisfação Encaminhar a solicitação de hemocomponentes para o médico hematologista realizar a avaliação Preencher corretamente todos os dados no mapa de programação hemoterápica Comunicar o setor de captação de doadores para reposição do hemocomponente a ser transfundido Medico Hematologista Avaliar a requisição de hemocomponentes 2. Pronto Atendimento (PA) 2.1. Equipe Médica: Preencher o formulário da Requisição de Hemocomponentes para Transfusão Preencher o formulário da guia do convênio do paciente com o produto hemoterápico a ser solicitado Estabelecer condutas que antecedem a transfusão, caso o paciente tenha apresentado alguma reação anterior. 3 / 10

4 2.2. Equipe da Enfermagem Avisar o banco de sangue, quando houver solicitação de hemocomponentes Verificar os dados da solicitação médica: nome completo do paciente, nome legível do médico solicitante e o registro no CRM, carimbo, diagnóstico ou Código Internacional de Doenças (CID), especificação do produto, quantidade, data e horário da solicitação Certificar-se, junto ao sistema cadastrado na ANVISA, a respeito de transfusões anteriores e possíveis ocorrências de reações transfusionais para as devidas providências quanto à garantia da segurança transfusional Comunicar o médico caso o paciente tenha apresentado ocorrências de reações transfusionais anteriormente Encaminhar o paciente para a coleta de uma amostra de sangue para a realização de testes pré-transfusionais. 3. UTI s: 3.1. Equipe Médica: Preencher o formulário da Requisição de Hemocomponentes para Transfusão Preencher o formulário da guia do convênio do paciente com o produto hemoterápico a ser solicitado Estabelecer condutas que antecedem a transfusão, caso o paciente tenha apresentado alguma reação anterior Equipe de enfermagem: Avisar o banco de sangue, quando houver solicitação de hemocomponente; Verificar os dados da solicitação médica: nome completo do paciente, nome legível do médico solicitante e o registro no CRM, carimbo, diagnóstico ou Código Internacional de Doenças (CID), especificação do produto, quantidade, data e horário da solicitação Certificar-se, junto ao paciente, a respeito de transfusões anteriores e possíveis ocorrências de reações transfusionais para as devidas providências quanto à garantia da segurança transfusional. 4 / 10

5 Comunicar o médico caso o paciente tenha apresentado ocorrências de reações transfusionais anteriormente. 4. Centro Cirúrgico 4.1. Equipe Médica Preencher o formulário da Requisição de Hemocomponentes para Transfusão Preencher o formulário da guia do convênio do paciente com o produto hemoterápico a ser solicitado Estabelecer condutas que antecedem a transfusão, caso o paciente tenha apresentado alguma reação anterior Equipe de enfermagem: Avisar o banco de sangue, quando houver solicitação de hemocomponente; Verificar os dados da solicitação médica: nome completo do paciente, nome legível do médico solicitante e o registro no CRM, carimbo, diagnóstico ou Código Internacional de Doenças (CID), especificação do produto, quantidade, data e horário da solicitação Certificar-se, junto ao paciente, a respeito de transfusões anteriores e possíveis ocorrências de reações transfusionais para as devidas providências quanto à garantia da segurança transfusional Comunicar o médico e ao banco de sangue caso o paciente tenha apresentado ocorrências de reações transfusionais anteriormente. 5. Unidades de Internação 5.1. Equipe Médica Preencher o formulário da Requisição de Hemocomponentes para Transfusão Preencher o formulário da guia do convênio do paciente com o produto hemoterápico a ser solicitado Estabelecer condutas que antecedem a transfusão, caso o paciente tenha apresentado alguma reação anterior. 5 / 10

6 5.2. Equipe de enfermagem: Avisar o banco de sangue, quando houver solicitação de hemocomponente e fazer reserva; Verificar os dados da solicitação médica: nome completo do paciente, nome legível do médico solicitante e o registro no CRM, carimbo, diagnóstico ou Código Internacional de Doenças (CID), especificação do produto, quantidade, data e horário da solicitação Certificar-se, junto ao cadastro da ANVISA, a respeito de transfusões anteriores e possíveis ocorrências de reações transfusionais para as devidas providências quanto à garantia da segurança transfusional Comunicar o médico caso o paciente tenha apresentado ocorrências de reações transfusionais anteriormente Encaminhar o paciente para a coleta de uma amostra de sangue para a realização de testes pré-transfusionais. 6 / 10

7 I II D E S C R I Ç Ã O D A A T I V I D A D E 1. Verificar os dados da solicitação médica: nome completo do paciente, nome legível do médico solicitante e o registro no CRM, carimbo, diagnóstico ou Código Internacional de Doenças (CID), especificação do produto, quantidade, data e horário da solicitação. 2. Certificar-se, junto ao cadastro na ANVISA a respeito de transfusões anteriores e possíveis ocorrências transfusionais. Caso o paciente tenha apresentado alguma reação anterior, comunicar o fato ao médico para as devidas providências e orientações quanto ao melhor procedimento para garantir a segurança transfusional. 3. Avaliação pelo médico Hematologista da Requisição de Hemocomponentes. 4. Informar ao paciente o tempo previsto para o início da transfusão e orienta-lo quanto ao melhor local de espera do procedimento, bem como fornecer outras informações necessárias a sua compreensão e satisfação. 5. Encaminhar o paciente para a coleta de uma amostra de sangue para a realização de testes pré-transfusionais. 7 / 10

8 I V A N E X O 8 / 10

9 V F L U X O G R A M A Início Verificar os dados da solicitação médica Certificar-se, junto ao paciente, a respeito de transfusões anteriores e possíveis ocorrências transfusionais Em transfusões anteriores houve ocorrências transfusionais? S Comunicar o fato ao médico para devidas providências N Encaminhar para o médico Hematologista da Requisição de Hemocomponentes para avalização Informar ao paciente o tempo previsto para o início da transfusão e orienta-lo quanto ao melhor local de espera do procedimento Encaminhar o paciente para a coleta de uma amostra de sangue para a realização de testes pré-transfusionais Fim 9 / 10

10 V I C O N T R O L E D E R E V I S Õ E S DATA ALTERAÇÃO REALIZADA RESPONSÁVEL 23/04/2010 Sem Alteração Givanildo Vieira da Cunha Coordenador técnico 17/02/2012 Sem Alteração Givanildo Vieira da Cunha Coordenador técnico 10 / 10

P ROC E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O

P ROC E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O Encaminhamos pela presente, Norma e Procedimento que implanta e define a sistemática de do HOSPITAL SANTA ROSA. Controle Nome/Cargo Assinatura Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Givanildo Vieira

Leia mais

ENFERMAGEM E A PRÁTICA TRANSFUSIONAL UM HOSPITAL DE ALTA COMPLEXIDADE EM MACEIÓ-AL. Enfermeira do HUPAA,

ENFERMAGEM E A PRÁTICA TRANSFUSIONAL UM HOSPITAL DE ALTA COMPLEXIDADE EM MACEIÓ-AL. Enfermeira do HUPAA, ENFERMAGEM E A PRÁTICA TRANSFUSIONAL UM HOSPITAL DE ALTA COMPLEXIDADE EM MACEIÓ-AL. Magalhães, Daniela 1 ; Almeida, Ingryd Leilane 2 1 Enfermeira do HUPAA, e-mail: daniermi@gmail.com 2 Enfermeira do HUPPA,

Leia mais

Assistência Médica. Dicas de reembolso

Assistência Médica. Dicas de reembolso Assistência Médica Dicas de reembolso Consulta médica Recibo original Nome do paciente ou do responsável pelo pagamento (em casos de atendimento de dependentes); Data da consulta; Valor pago (numérico

Leia mais

P R O C E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O

P R O C E D I M E N T O O P E R A C I O N A L P A D R Ã O Encaminhamos pela presente, Norma e Procedimento que implanta e define a sistemática de Admissão de Paciente na Sala de Pós-Operatório Imediato de Cirurgia Cardíaca na Unidade de tratamento Intensivo cardiológica

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. DESCONGELAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 5

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. DESCONGELAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 5 DESCONGELAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 5 1. OBJETIVO Realizar o descongelamento dos hemocomponentes criopreservados, de forma a preservar os seus constituintes, garantindo assim eficácia e a qualidade

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA ENFª. FERNANDA BRITO HEMOVIGILÂNCIA A transfusão sangüínea é um procedimento que

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO CURSO QUALIFICAÇÃO DO ATO TRANSFUSIONAL DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO CURSO QUALIFICAÇÃO DO ATO TRANSFUSIONAL DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DO CURSO QUALIFICAÇÃO DO ATO TRANSFUSIONAL DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ Rosimary da Silva Barbosa; Geórgia de Mendonça Nunes Leonardo; Maria Verônica Almeida de Brito;

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Educação e Pesquisa em Enfermagem: Administrativo Título

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Educação e Pesquisa em Enfermagem: Administrativo Título Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Núcleo de Educação e Pesquisa em Enfermagem: Administrativo Título Solicitação de Estágios de Aperfeiçoamento Profissional de Enfermagem Versão: 01

Leia mais

Processo de Autorização Unimed-Rio TIVIT

Processo de Autorização Unimed-Rio TIVIT T E C N O L O G I A Processo de Autorização Unimed-Rio TIVIT Autorizador - Captura On-line Prestadores Rio Sumário 0 1 C O N S I D E R A Ç Õ E S I N I C I A I S - 0 3 0 2 A C E S S O A O S I T E D E A

Leia mais

Guias TISS As condições de preenchimento dos campos são: 1.Obrigatório: a situação na qual o termo deve ser preenchido, incondicionalmente;

Guias TISS As condições de preenchimento dos campos são: 1.Obrigatório: a situação na qual o termo deve ser preenchido, incondicionalmente; Guia Guias TISS 3.02.01 No TISS 3.02.00 a ANS definiu novo layout para troca de informações entre operadoras e prestadores de serviços, na autorização, cobrança, demonstrativos de pagamento e recurso de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS HOSPITAL ESCOLA NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE ROTINA DE IDENTIFICAÇÃO CORRETA DO PACIENTE META INTERNACIONAL DE SEGURANÇA 1 ( MIS-01) 1 OBJETIVO PROCEDIMENTO OPERACIONAL

Leia mais

Dicas para. Autorizações

Dicas para. Autorizações Dicas para Autorizações Identidade Organizacional Negócio Promover saúde e qualidade de vida. Missão Promover saúde e qualidade de vida aos nossos clientes, gerando prosperidade e satisfação aos cooperados.

Leia mais

ANEXO I NORMAS DE HABILITAÇÃO PARA A ATENÇÃO ESPECIALIZADA NO PROCESSO TRANSEXUALIZADOR

ANEXO I NORMAS DE HABILITAÇÃO PARA A ATENÇÃO ESPECIALIZADA NO PROCESSO TRANSEXUALIZADOR ANEXO I NORMAS DE HABILITAÇÃO PARA A ATENÇÃO ESPECIALIZADA NO PROCESSO TRANSEXUALIZADOR 1. NORMAS DE HABILITAÇÃO PARA A MODALIDADE AMBULATORIAL 1.1. A Modalidade Ambulatorial consiste nas ações de âmbito

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 31/07/2014 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

ASSUNTO: QUAL O PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO DO ATESTADO MÉDICO DA CAT?

ASSUNTO: QUAL O PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO DO ATESTADO MÉDICO DA CAT? 1 PARECER CRM/MS N 03/2007 PROCESSO CONSULTA CRM MS Nº 05/2007 ASSUNTO: QUAL O PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO DO ATESTADO MÉDICO DA CAT? RELATOR: CONS. MOACYR BATTISTETTI. SOLICITANTE DE VISTA:

Leia mais

REGULAÇÃO AMBULATORIAL. agendamento de consultas especializadas e exames complementares

REGULAÇÃO AMBULATORIAL. agendamento de consultas especializadas e exames complementares REGULAÇÃO LATO IAL REGULAÇÃO AMBULATORIAL agendamento de consultas especializadas e exames complementares Os Centros Municipais de Saúde e Clínicas da Família são as unidades responsá veis pelo seu cuidado.

Leia mais

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR Realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos, inclusive em Hemodinâmica; Prescrever e ministrar tratamento para as diversas afecções

Leia mais

Manual de Preenchimento dos formulários da TISS. Versão

Manual de Preenchimento dos formulários da TISS. Versão Manual de Preenchimento dos formulários da TISS Versão 3.02.00 Agosto/2014 u Página 2 de 58 Sumário Instruções Gerais... 4 Guia de Consulta... 5 Guia de Serviço Profissional/Serviço Auxiliar de Diagnóstico

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E

U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E U N I V E R S I D A D E C A N D I D O M E N D E S P Ó S G R A D U A Ç Ã O L A T O S E N S U I N S T I T U T O A V E Z D O M E S T R E E S T U D O D O S P R O B L E M A S D A E C O N O M I A B R A S I L

Leia mais

PROTOCOLO DE EVASÃO. Data Versão/Revisões Descrição Autor 12/11/ Proposta inicial DP, AM, DL, MR

PROTOCOLO DE EVASÃO. Data Versão/Revisões Descrição Autor 12/11/ Proposta inicial DP, AM, DL, MR 1 de 9 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial DP, AM, DL, MR 1 Objetivo Resguardar direito do paciente em recusar tratamento

Leia mais

ROTINA DE HEMOCOMPONENTES

ROTINA DE HEMOCOMPONENTES ROTINA DE HEMOCOMPONENTES ENFERMAGEM Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro Hemocomponentes e hemoderivados são produtos distintos. Os produtos gerados um

Leia mais

PORTARIA Nº , DE 19 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o fornecimento de sangue e hemocomponentes no Sistema Único de

PORTARIA Nº , DE 19 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o fornecimento de sangue e hemocomponentes no Sistema Único de título: Portaria nº 1737, de 19 de agosto de 2004 ementa: Dispõe sobre o fornecimento de sangue e hemocomponentes no Sistema Único de Saúde - SUS, e o ressarcimento de seus custos operacionais. publicação:

Leia mais

A C T A N. º I V /

A C T A N. º I V / 1 A C T A N. º I V / 2 0 0 9 - - - - - - A o s d e z a s s e t e d i a s d o m ê s d e F e v e r e i r o d o a n o d e d o i s m i l e n o v e, n e s t a V i l a d e M o n c h i q u e, n o e d i f í c

Leia mais

Universidade Federal da Bahia. Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional. Unidade. Faculdade de Odontologia

Universidade Federal da Bahia. Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional. Unidade. Faculdade de Odontologia Unidade Universidade Federal da Bahia Faculdade de Odontologia Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo dentárias para disciplinas PO/FOUFBA/Setor de Compras e Nº

Leia mais

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e!

M a n h ã... p r e s e n t e! L u g a r... p r e s e n t e! Q u e m... p r e s e n t e! N e n h u m... p r e s e n t e! C u í c a... p r e s e n t e! C a r o l i n a M a n h ã......................................................................... p r e s e n t e! L u g a r.......................................................................... p

Leia mais

PROCESSO REQUISIÇÕES DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROCESSO REQUISIÇÕES DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSO REQUISIÇÕES DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MACROPROCESSO... 4 3. DIAGRAMA DE ESCOPO DO PROCESSO REQUISIÇÕES DE TI... 5 4. PROCESSO

Leia mais

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R Controle Nome/Cargo Assinatura Daniela Alencar Moreira Liciana Leticia de Maraes Diego Antonio de S. Fidelis Coordenador de Farmácia Dr. Jorge Lafeta Coordenador CTI Dr. Fábio Liberalli Coordenador Pronto

Leia mais

PROPOSTA DE RECONHECIMENTO PARA PROGRAMA DE ESTÁGIO E SERVIÇO PELA SBACV. Ao Presidente SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANGIOLOGIA E DE CIRURGIA VASCULAR

PROPOSTA DE RECONHECIMENTO PARA PROGRAMA DE ESTÁGIO E SERVIÇO PELA SBACV. Ao Presidente SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANGIOLOGIA E DE CIRURGIA VASCULAR PROPOSTA DE RECONHECIMENTO PARA PROGRAMA DE ESTÁGIO E SERVIÇO PELA SBACV Ao Presidente SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANGIOLOGIA E DE CIRURGIA VASCULAR Sr. Presidente e Membros da Comissão Solicitamos à Sociedade

Leia mais

Paciente Certo no Lugar Certo Gestão de Fluxo no Hospital. Mara Lílian Soares Nasrala

Paciente Certo no Lugar Certo Gestão de Fluxo no Hospital. Mara Lílian Soares Nasrala Paciente Certo no Lugar Certo Gestão de Fluxo no Hospital Mara Lílian Soares Nasrala HOSPITAL SANTA ROSA Indicadores - 2016 Leitos Instalados 180 Leitos UTI 61 Cirurgias 11.722 PA 75.034 Fundado em 1997-19

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ANTIMICROBIANO

RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ANTIMICROBIANO 1 de 6 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 14/11/2012 1.00 Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/05/2013 2.00 Revisão lista dos antimicrobianos. CESC, FA, LAS, RFC. 3.00

Leia mais

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta CESC, FA, LAS, RFC. 1 Objetivo Validar Estabelecer processo de segurança para o paciente

Leia mais

A C A D E M I A G PA

A C A D E M I A G PA ACADEMIA GPA ABRIL 2017 » ENQUADRAMENTO A A c a d e m i a G r e e n P r o j e c t A w a r d s ( G PA ) v i s a c r i a r u m a o p o r t u n i d a d e de v a l o r i z a ç ã o p r o f i s s i o n a l j

Leia mais

PROCEDIMENTO DE RECEBIMENTO E EMISSÃO DE ATESTADOS MÉDICOS VIVA RIO

PROCEDIMENTO DE RECEBIMENTO E EMISSÃO DE ATESTADOS MÉDICOS VIVA RIO PROCEDIMENTO DE RECEBIMENTO E EMISSÃO DE ATESTADOS MÉDICOS VIVA RIO Janeiro - 2014 FLUXO DE ENTREGA DE ATESTADOS MÉDICOS PARA UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA E UPAS Colaborador com Atestado O colaborador

Leia mais

UNIMED LITORAL MANUAL - AUTORIZAÇÃO PORTAL. Desenvolvido por: <Jéssica Francieli Junckes>

UNIMED LITORAL MANUAL - AUTORIZAÇÃO PORTAL. Desenvolvido por: <Jéssica Francieli Junckes> UNIMED LITORAL MANUAL - AUTORIZAÇÃO PORTAL ÍNDICE 2 ACESSO AO PORTAL...3 2.1 SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÕES...4 3 AUTORIZAÇÃO DE GUIAS DE ANEXOS...10 4 OUTRAS MUDANÇAS...17 1 - ACESSO AO PORTAL. Através do

Leia mais

4.2. GUIA DE SERVIÇO PROFISSIONAL / SERVIÇO AUXILIAR DIAGNÓSTICO E TERAPIA (SP / SADT)

4.2. GUIA DE SERVIÇO PROFISSIONAL / SERVIÇO AUXILIAR DIAGNÓSTICO E TERAPIA (SP / SADT) 4.2. GUIA DE SERVIÇO PROFISSIONAL / SERVIÇO AUXILIAR DIAGNÓSTICO E TERAPIA (SP / SADT) A Guia de Serviços Profissionais/ Serviço Auxiliar Diagnóstico e Terapia deve ser utilizada no atendimento a diversos

Leia mais

PORTARIA Nº 743, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005 (*)

PORTARIA Nº 743, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005 (*) Edição Número 65 de 04/04/2006 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 743, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005 (*) O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando

Leia mais

Pró - Reitoria de Assuntos Estudantis. SOLICITAÇÃO DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO Solicitação de Intercâmbio Acadêmico para alunos UVA

Pró - Reitoria de Assuntos Estudantis. SOLICITAÇÃO DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO Solicitação de Intercâmbio Acadêmico para alunos UVA Solicitação de Intercâmbio Acadêmico para alunos UVA Cada candidato deve enviar todos os documentos listados abaixo* Pedido de admissão para Programas de Intercâmbio da Universidade Veiga de Almeida devidamente

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 Assunto: Utilização de veículos oficiais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2011 Assunto: Utilização de veículos oficiais SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Caxias do Sul INSTRUÇÃO

Leia mais

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas.

Descrever os processos necessários para cadastro, liberação de perfil, vinculação de assinaturas digitalizadas. Setor: Escritório da Qualidade Pág. 1 de 10 Código:.QLD.NOR.002 Versão: 00 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3. SIGLAS UTILIZADAS... 2 4. GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5.

Leia mais

ANEXO I PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS DT 01/2016

ANEXO I PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS DT 01/2016 ANEXO I TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS RELATIVOS AO FORNECIMENTO DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo x. março de Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo x. março de Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo 11.8.x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Registro de Atendimento Externo... 3 2 Registrando o atendimento... 3 3 Atendimento

Leia mais

MEDICAMENTO DE ALTO CUSTO

MEDICAMENTO DE ALTO CUSTO FARMPr05 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 1 Objetivo Realizar a dispensação dos medicamentos

Leia mais

Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo

Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo Fevereiro - 2014 Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externos Indíce Título do documento 1. Registro de Atendimento Externo... 3 2. Registrando o atendimento...

Leia mais

CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO

CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO Página 1 de 18 Manual do Reembolso Unimed Cerrado CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO 2016 1 Página 2 de 18 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 DIRETRIZES DO REEMBOLSO... 4 PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O REEMBOLSO... 5 REEMBOLSO

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus Diadema Biblioteca

Universidade Federal de São Paulo Campus Diadema Biblioteca EMPRÉSTIMO ENTRE BIBLIOTECAS FINALIDADES O Empréstimo entre s (EEB) tem por objetivo possibilitar o acesso a recursos informacionais disponibilizados em s de outras instituições, devidamente cadastradas,

Leia mais

Código Descrição Código Descrição

Código Descrição Código Descrição VI - TABELA DE DOMÍNIO TABELAS Código Descrição Código Descrição 01 02 03 04 Lista de Procedimentos Médicos AMB 90 Lista de Procedimentos Médicos AMB 92 Lista de Procedimentos Médicos AMB 96 Lista de Procedimentos

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO HUWC COMISSÃO DE RISCOS HOSPITALARES HEMOCE ROCIVÂNIA LÉLIS

Leia mais

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/2012 1.00 Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 2.00 Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 Objetivo Promover assistência

Leia mais

REGIMENTO INTERNO COMITÊ TRANSFUSIONAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - USP. Capitulo I

REGIMENTO INTERNO COMITÊ TRANSFUSIONAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - USP. Capitulo I REGIMENTO INTERNO COMITÊ TRANSFUSIONAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - USP Capitulo I Categoria e Finalidades: Artigo 1 - O Comitê Transfusional do Hospital Universitário é de natureza técnico científica permanente,

Leia mais

Acreditação Hospitalar e as Mudanças Benéficas para as Instituições Filantrópicas

Acreditação Hospitalar e as Mudanças Benéficas para as Instituições Filantrópicas Acreditação Hospitalar e as Mudanças Benéficas para as Instituições Filantrópicas Gestão de Processos Daniele L. Meneguzzi Superintendente Administrativa Hospital Pompéia Caxias do Sul Setembro 2017 Gestão

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS

SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS 3.02.00 1 Sumário Campos obrigatórios das guias... 3 Tabelas de domínio TISS... 3 Relação de Terminologias unificadas da Saúde Suplementar...

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.317, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.317, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.317, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2000 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre

Leia mais

Legenda da Guia de Honorários

Legenda da Guia de Honorários PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA Formulário do Plano de Contingência Legenda da Guia de Honorários Registro ANS Nº da no prestador na 1 2 Registro ANS Número da no prestador String 6 0 Registro

Leia mais

RH 09 DESLIGAMENTO DE FUNCIONÁRIOS CÓPIA CONTROLADA Nº: 02

RH 09 DESLIGAMENTO DE FUNCIONÁRIOS CÓPIA CONTROLADA Nº: 02 ESCALA CONSTRUÇÕES E EMPREENDIMENTOS LTDA. PROCEDIMENTO OPERACIONAL DE RECURSOS HUMANOS RH 09 DESLIGAMENTO DE FUNCIONÁRIOS NBR ISO 9001:2008 e PBQP-H PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DESLIGAMENTO DE FUNCIONÁRIOS

Leia mais

Auditoria Concorrente. Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015

Auditoria Concorrente. Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015 Auditoria Concorrente Encontro de Auditoria Unimed Central-RS Porto Alegre 07 de agosto de 2015 UNIMED PORTO ALEGRE 40,7% 46 de participação do mercado de planos de saúde no RS (ANS dezembro/2014) Municípios

Leia mais

Manual de Instruções CAMED SAÚDE

Manual de Instruções CAMED SAÚDE Manual de Instruções CAMED SAÚDE Janeiro/2015 1 Sumário 1. Introdução... 5 2. Orientações Gerais... 6 2.1 Entrega de guias... 6 2.2 Numeração de guias... 6 2.3 Pacotes - Autorização e cobrança... 6 3.

Leia mais

HEMOCENTRO

HEMOCENTRO HEMOCENTRO 1 Como passar no Hemocentro DF - 2016? Plano de Estudo / Manual da Aprovação Querida (o) Aluna (o), Hoje conversaremos sobre um assunto fundamental para que você consiga êxito na sua trajetória

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

Manual de preenchimento das Guias TISS

Manual de preenchimento das Guias TISS Manual de preenchimento das Guias TISS (Troca de informações em Saúde Suplementar) Página 1 de 21 Guia de Consulta Legenda: Campos de preenchimento obrigatório 1, 2, 4, 6, 7, 9, 10, 11, 13, 14, 15, 16,

Leia mais

Instruções gerais para usuários dos Laboratórios Multiusuários de Ensino do ICT

Instruções gerais para usuários dos Laboratórios Multiusuários de Ensino do ICT Instruções gerais para usuários dos Laboratórios Multiusuários de Ensino do ICT FAÇA O AGENDAMENTO ANTES DAS ATIVIDADES O agendamento dos Laboratórios Multiusuários de Ensino (LME) segue a ordem de prioridade

Leia mais

Data de Vigência 31/12/2017 ÁREA EMITENTE: DIVISÃO DE SERVIÇOS DA EPPEN - OSASCO. ASSUNTO: Normas Internas para uso de veículo oficial Campus Osasco

Data de Vigência 31/12/2017 ÁREA EMITENTE: DIVISÃO DE SERVIÇOS DA EPPEN - OSASCO. ASSUNTO: Normas Internas para uso de veículo oficial Campus Osasco DSGP-POP- de OBJETIVO O objetivo deste procedimento é estabelecer critérios para atender a demanda de viagens para participações em reuniões, cursos, treinamentos, colaboradores de bancas examinadoras

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. a partir de. 9/jan

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. a partir de. 9/jan UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 2017 a partir de 9/jan DATAS E PRAZOS Início do Programa de Fomento à Extensão 2017 Período de solicitação dos benefícios Período de análise e execução Pagamento

Leia mais

POLÍTICA DE TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO E RECUSA

POLÍTICA DE TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO E RECUSA COORPORATIVO POLÍTICA DE TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO E RECUSA Código: CORP-POL-0004 Versão: 1 1. INTRODUÇÃO O termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) é o documento que embasa as

Leia mais

EXECUÇÃO DE SADT HILUM

EXECUÇÃO DE SADT HILUM EXECUÇÃO DE SADT HILUM Todas as solicitações médicas continuarão sendo descritas nas Guias Tiss. A mudança mais significativa será no pedido de autorização. A partir de 01º de Agosto/2014, o pedido de

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM UFRGS LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DE ENFERMAGEM

ESCOLA DE ENFERMAGEM UFRGS LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DE ENFERMAGEM MANUAL DO APRESENTAÇÃO No Laboratório de Práticas de Enfermagem (LAPENF) são realizadas atividades de ensino teórico-práticas para o desenvolvimento de habilidades em um ambiente seguro, por meio de práticas

Leia mais

DADOS DO BENEFICIÁRIO

DADOS DO BENEFICIÁRIO GUIA DE SP/SADT Número do campo Nome do campo Observação 1 Registro ANS Nas guias em papel impressas pela Petrobras ou Petrobras Distribuidora e nas guias disponibilizadas no site da Petrobras, é dado

Leia mais

Anexo C. Cursos de Especialização/ Estágios em Cardiologia Normas para Credenciamento pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

Anexo C. Cursos de Especialização/ Estágios em Cardiologia Normas para Credenciamento pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Anexo C Cursos de Especialização/ Estágios em Cardiologia Normas para Credenciamento pela Sociedade Brasileira de Cardiologia O Curso de Especialização/ Estágios em Cardiologia constitui modalidade do

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autores 1.00 Proposta inicial MGO,ESS,MRM,PAD,GAA,FCA,AMR,RRM 1 Objetivo Implantar um processo de assistência

Leia mais

A C O N T R A R E F O R M A E A R E F O R M A C A T Ó L I C A N O S P R I N C Í P I O S D A I D A D E M O D E R N A 2

A C O N T R A R E F O R M A E A R E F O R M A C A T Ó L I C A N O S P R I N C Í P I O S D A I D A D E M O D E R N A 2 1 Í N D I C E A C O N T R A R E F O R M A E A R E F O R M A C A T Ó L I C A N O S P R I N C Í P I O S D A I D A D E M O D E R N A 2 A P R E S E N T A Ç Ã O : A L G U M AS N O T A S E P A L A V R A S 2

Leia mais

HOSPITAL VETERINÁRIO UNIVERSITÁRIO - HVU NORMATIVAS DE UTILIZAÇÃO DO SETOR DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS - SCM

HOSPITAL VETERINÁRIO UNIVERSITÁRIO - HVU NORMATIVAS DE UTILIZAÇÃO DO SETOR DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS - SCM HOSPITAL VETERINÁRIO UNIVERSITÁRIO - HVU UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS - UAG NORMATIVAS DE UTILIZAÇÃO DO SETOR DE CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS - SCM 1 Descrição do setor 1.1 O setor é composto por

Leia mais

Gestão de Estoque Hospitalar

Gestão de Estoque Hospitalar II Forum de Lean Healthcare de São Paulo Gestão de Estoque Hospitalar Jorge Luiz Bison Mauricio Jacó Cerri UNIMED Araras Hospital Próprio em Araras e Leme SP 50.000 vidas (Araras, Leme e Conchal) 700+

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Versão: 2016.02 Pag.: 1 de 13 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para práticas adotadas no ato do atendimento a clientes, envolvendo desde a triagem inicial a entrega de resultados. 2. ABRANGÊNCIA Aplica-se

Leia mais

Parecer Setor Fiscal Nº06/2015

Parecer Setor Fiscal Nº06/2015 Parecer Setor Fiscal Nº06/2015 Assunto: Solicitação de parecer sobre: Realização de Flebotomia Terapêutica por profissional Enfermeiro. 1. Do fato: Considerando que o Hospital Universitário Walter Cantídio

Leia mais

necessidade de intubação oro-traqueal, que são transferidos ao HEPSJPII em ambulância contento apenas técnico de enfermagem e motorista.

necessidade de intubação oro-traqueal, que são transferidos ao HEPSJPII em ambulância contento apenas técnico de enfermagem e motorista. PARECER Nº 1/2016 PRESI ASSUNTO: TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR DE PACIENTES. INTERESSADO: Dr. Vinicius Ortigosa Nogueira Coordenador da Urgência e Emergência do HESPJPII RELATOR: Cons. Dr. Cleiton Cassio

Leia mais

-

- OBJETIVO Recepcionar os processos de Livre Escolha e dar as tratativas necessárias para que o processo de reembolso seja realizado com sucesso. Informar ao Participante a situação atual do processo de

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR TESTES IMUNOHEMATOLÓGICOS PRÉ TRANSFUSIONAIS JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA QUIXADÁ HISTÓRIA... Em 1492: escritor italiano

Leia mais

PROTOCOLO CÓDIGO AZUL E AMARELO

PROTOCOLO CÓDIGO AZUL E AMARELO AZUL E AMARELO I. Definição: O código amarelo consiste no reconhecimento precoce de mudanças agudas nos parâmetros vitais dos pacientes, com o intuito de reduzir o número de parada cardiorespiratórias

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM Ref. - Assunto Página: 1 / 9 de Publicação: : PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE Responsáveis: ATIVIDADE NOME CARGO Elaboração Controles Internos Revisores Carlos Rogério Ferraresi Gerente Adm. e Financeiro

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES )

ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES ) ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES ) DO SERVIÇO MÉDICO da emergência: Receber o paciente na sala de observação ( amarelos e verdes ), priorizando-o em relação aos consultórios

Leia mais

P a l a v r a s - c h a v e s : l i n g u í s t i c a, l i n g u a g e m, s o c i a b i l i d a d e.

P a l a v r a s - c h a v e s : l i n g u í s t i c a, l i n g u a g e m, s o c i a b i l i d a d e. A V A R I E D A D E L I N G U Í S T I C A D E N T R O D A S O C I E D A D E C A M P O - G R A N D E N S E N O Â M B I T O D O M E R C A D Ã O M U N I C I P A L E F E I R A C E N T R A L D E C A M P O G

Leia mais

TROCA DE INFORMAÇÕES DE SAÚDE SUPLEMENTAR

TROCA DE INFORMAÇÕES DE SAÚDE SUPLEMENTAR TROCA DE INFORMAÇÕES DE SAÚDE SUPLEMENTAR O padrão TISS tem como meta a troca eletrônica de dados entre prestadores e operadoras, de forma que a utilização de guias em papel para apresentação do faturamento

Leia mais

PROCEDIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAIS NO ALMOXARIFADO

PROCEDIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAIS NO ALMOXARIFADO Ref. - Assunto Página: 1 / 7 de Publicação: : PROCEDIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAIS Responsáveis: ATIVIDADE NOME CARGO Elaboração Controles Internos Revisores Carlos Rogério Ferraresi Gerente Adm. e

Leia mais

Legenda da Guia de Resumo de Internação

Legenda da Guia de Resumo de Internação PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA Formulário do Plano de Contingência Legenda da Guia de Resumo de Internação Registro ANS 1 Registro ANS String 6 Registro da operadora de plano privado de

Leia mais

ANEXO VII NOTAS: (2) As ME (micro empresas) e EPP (empresas de pequeno porte) estão dispensadas do pagamento das referidas taxas.

ANEXO VII NOTAS: (2) As ME (micro empresas) e EPP (empresas de pequeno porte) estão dispensadas do pagamento das referidas taxas. ANEXO VII Nota: Retificação da Portaria CVS 4, de 21-3-2011, retificada em 31-3-2011, 17-1-2013 e 24-10-2014. NOTAS: (1) O Laudo Técnico de Avaliação (LTA) é parte integrante do projeto de edificação avaliado

Leia mais

PLANO DE SAÚDE MANUAL DO CREDENCIADO

PLANO DE SAÚDE MANUAL DO CREDENCIADO Vitallis PLANO DE SAÚDE MANUAL DO CREDENCIADO Apresentação É com grande satisfação que iniciamos parceria. A Vitallis Saúde é classificada na modalidade Medicina de Grupo, tem cobertura nacional e é uma

Leia mais

COOPMED UROJF 2º Treinamento 17 de agosto de 2013

COOPMED UROJF 2º Treinamento 17 de agosto de 2013 COOPMED UROJF 2º Treinamento 17 de agosto de 2013 2º Treinamento para atendimento dos Urologistas a usuários da Bradesco, Amil/ Medial, Vita/Sinai Saúde e Golden Cross Razão Social: Cooperativa de Trabalho

Leia mais

PROCESSO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROCESSO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MACROPROCESSO... 4 3. DIAGRAMA DE ESCOPO DO PROCESSO GERENCIAMENTO DE INCIDENTES...

Leia mais

TISS. Troca de Informações em Saúde Suplementar MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA REDE CREDENCIADA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS

TISS. Troca de Informações em Saúde Suplementar MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA REDE CREDENCIADA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA REDE CREDENCIADA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS 2007 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 03 2. INFORMAÇÕES CONTATOS... 03 3. APRESENTAÇÃO... 04

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO II 10º Período. Supervisora de Estágios: Emmanuelly Nascimento Juliana Rodrigues

ESTÁGIO SUPERVISIONADO II 10º Período. Supervisora de Estágios: Emmanuelly Nascimento Juliana Rodrigues ESTÁGIO SUPERVISIONADO II 10º Período Supervisora de Estágios: Emmanuelly Nascimento Juliana Rodrigues ORGANOGRAMA Raquel Porto (Diretora Adjunta de Estágios) Paula Mendes (Coordenadora de Estágios) Emmanuelly

Leia mais

UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIMED LITORAL MANUAL DE PROCESSOS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL PORTAL UNIMED AUTORIZAÇÃO Site: www.unimedlitoral.com.br/planodesaude A senha e login será sempre o CPF do Médico Desenvolvido por: Larissa

Leia mais

Prontuário Eletrônico v.2.1

Prontuário Eletrônico v.2.1 Manual do Usuário Versão 01.02 [Este template faz parte integrante do Processo de Desenvolvimento de Sistemas da DTI (PDS-DTI) e deve ser usado em conjunto com as recomendações do processo. Os textos em

Leia mais

Atendimento. Cadastramento de Guias; Saída da clínica (SADT/Internação); Atenção nos status dos procedimentos; 20/08/2014

Atendimento. Cadastramento de Guias; Saída da clínica (SADT/Internação); Atenção nos status dos procedimentos; 20/08/2014 Treinamento Grupo IV Prestadores PJ Cadastramento de Guias; Atendimento Saída da clínica (SADT/Internação); Atenção nos status dos procedimentos; 1 Atendimento Status dos Procedimentos Status NEGADO, verificar

Leia mais

Edital Nº 15/SED de 22/06/2015 Curso Direcionado de Especialização UNIEDU/Pós-Graduação/FUMDES/2015

Edital Nº 15/SED de 22/06/2015 Curso Direcionado de Especialização UNIEDU/Pós-Graduação/FUMDES/2015 Edital Nº 15/SED de 22/06/2015 Curso Direcionado de Especialização UNIEDU/Pós-Graduação/FUMDES/2015 INSCRIÇÃO DO CANDIDATO À BOLSA NO SISTEMA FUMDES Formulário de cadastramento: Cadastro de solicitação

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA PROEXT 2013 MEC/SESu

PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA PROEXT 2013 MEC/SESu PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA PROEXT 2013 MEC/SESu SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Contratação de Serviços de Terceiros, Pessoa Física ou Jurídica... 3 3. Compra de Material de Consumo ou Permanente...

Leia mais

Manual de SOLICITAÇÃO. de Procedimentos Eletivos

Manual de SOLICITAÇÃO. de Procedimentos Eletivos MANUALWEB 1 Manual de SOLICITAÇÃO de Procedimentos Eletivos Área Restrita site Março 2015 Confira o passo a passo para solicitar autorização para a realização de procedimentos eletivos. MANUALWEB 2 SUMÁRIO

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representada pela Dra. Simone Silva da Silveira, Diretora Geral do Instituto

Leia mais

Manual TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar

Manual TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar Manual TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar Instruções para preenchimento Grupo 5 - Clínicas e Laboratórios Unimed Sorocaba Cooperativa de Trabalho Médico Av. Pres. Juscelino Kubitscheck de Oliveira,

Leia mais

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE SETEMBRO/2016 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Orientações Gerais... 4 2.1 Entrega de guias... 4 2.2 PACOTES - Autorização e cobrança... 4 3. Formulários... 4

Leia mais

Sessão Interativa: Casos Práticos. FEDERAÇÃO CENTRO-OESTE E TOCANTINS Dr. Gutemberg Rego

Sessão Interativa: Casos Práticos. FEDERAÇÃO CENTRO-OESTE E TOCANTINS Dr. Gutemberg Rego Sessão Interativa: Casos Práticos FEDERAÇÃO CENTRO-OESTE E TOCANTINS Dr. Gutemberg Rego Solicitação artroplastia total de joelho Paciente do sexo masculino, 61 anos, com lesão tumoral no joelho direito,

Leia mais