Quando você receber a nova edição do Caderno do Aluno, veja o que mudou e analise as diferenças, para estar sempre bem preparado para suas aulas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quando você receber a nova edição do Caderno do Aluno, veja o que mudou e analise as diferenças, para estar sempre bem preparado para suas aulas."

Transcrição

1 Caro Professor, Em 009 os Cadernos do Aluno foram editados e distribuídos a todos os estudantes da rede estadual de ensino. Eles serviram de apoio ao trabalho dos professores ao longo de todo o ano e foram usados, testados, analisados e revisados para a nova edição a partir de 0. As alterações foram apontadas pelos autores, que analisaram novamente o material, por leitores especializados nas disciplinas e, sobretudo, pelos próprios professores, que postaram suas sugestões e contribuíram para o aperfeiçoamento dos Cadernos. Note também que alguns dados foram atualizados em função do lançamento de publicações mais recentes. Quando você receber a nova edição do Caderno do Aluno, veja o que mudou e analise as diferenças, para estar sempre bem preparado para suas aulas. Na primeira parte deste documento, você encontra as respostas das atividades propostas no Caderno do Aluno. Como os Cadernos do Professor não serão editados em 0, utilize as informações e os ajustes que estão na segunda parte deste documento. Bom trabalho! Equipe São Paulo faz escola. 1

2 GABARITO Caderno do Aluno de Matemática 7ª série/8º ano Volume 1 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 OS RACIONAIS COMO MOSTRUÁRIO DAS FRAÇÕES Páginas a) As classes de equivalência seriam: o conjunto dos triângulos, o conjunto dos quadriláteros, o conjunto dos pentágonos, o conjunto dos hexágonos, etc. b) O mostruário seria o conjunto dos tipos de polígonos: {triângulos, quadriláteros, pentágonos, hexágonos, etc.} ou. a) As classes de equivalência seriam: {1, 1}, {, }, {3, 3}, {4, 4}, {5, 5}, e assim por diante. b) O mostruário seria o conjunto das distâncias possíveis de um inteiro na reta até a origem, ou seja, seria o conjunto {1,, 3, 4, 5,...}. Em outras palavras, estamos escrevendo o conjunto do módulo dos números inteiros. 3. a) As classes de equivalência seriam formadas por frações cuja soma do numerador com o denominador é constante, começando pelo menor valor possível, que é, depois 3, 4, e assim por diante:

3 Soma igual a Soma igual a 3 Soma igual a 4 Soma igual a , ou seja, 1 1 1, 4 1, 1 Soma igual a ,,,,,,,,,, e assim por diante. 1, 3, 3, , 4 1 Assim sendo, podemos representar as classes de equivalência através do seguinte conjunto: 3

4 Outra forma de responder à pergunta seria a construção da seguinte tabela: b) O mostruário seria o conjunto dos valores possíveis para a soma numerador + denominador: {, 3, 4, 5, 6,..., 13, 14,...}. A localização dos números racionais na reta Páginas a) 16 b) 6 c) não existe d) 5 e) infinitos f) infinitos 4

5 6. Alguns exemplos de resposta são: a) b) c) 0,881 ou 0,88 ou ainda 0,888 d) 1, ou 1, Página Algumas soluções possíveis são:,, Nos dois intervalos há uma infinidade de números racionais. É isso que caracteriza um conjunto denso. 3. Alguns exemplos podem ser referentes às medidas de temperatura, de massa, de volume, de comprimento, etc. 5

6 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM AS DÍZIMAS PERIÓDICAS SÃO PREVISÍVEIS... Desafio! Página Páginas É possível constatar que frações irredutíveis em que o denominador é formado apenas por fatores primos, 5 ou e 5 geram decimais exatos quando o numerador é dividido pelo denominador. Para que se possa generalizar alguma conclusão obtida baseando-se na tabela, é conveniente que sejam consideradas frações com numerador e denominador maiores 7 14 que 9, como ou

7 . Quando for possível simplificar os termos da fração, eliminando o fator 3 do 9 3 denominador, como em 1, Sim. Os dados observados na tabela indicam que os denominadores 3 geram dízimas periódicas, quando o numerador não é múltiplo de 3. 4., 3, 5, 7, 11, 13, 17, 19, 3 e Analisando os valores desse conjunto com os dados da tabela, observa-se que, excetuando-se os fatores e 5, todos os outros gerarão uma dízima periódica. Dessa forma podemos concluir que, se o denominador tiver um fator diferente desses dois, a fração irredutível gerará uma dízima. 6. Nesse caso, o aluno deve escrever frações irredutíveis, cujo denominador não seja múltiplo de ou de 5. Páginas Quando o denominador tem fatores primos que não são ou Algumas possíveis soluções seriam:,,,, Desafio! Página 14 Seguindo o processo discutido em sala, podemos deduzir que em 7 5, como o primeiro resto é 5, seu desenvolvimento será: 7 5 = 0,

8 Páginas a) b) 3 = 0,76930 c) = 0, = 0,69307 d) = 0, Observando na tabela a coluna dos restos, como ela não apresenta o resto igual a, 1 ela não permite prever o desenvolvimento de a partir de Portanto, temos a necessidade de efetuar a divisão de 13. Nessa divisão, além do resto, aparecem outros restos que não estavam presentes na primeira tabela: {, 5, 6, 7, 8, 11}. Agora, de posse desse novo desenvolvimento, podemos escrever as frações 13, e observando o caráter cíclico dos quocientes: = 0, = 0, ou = As tabelas juntas formam, agora, todos os restos que podem ser numeradores ou frações irredutíveis de denominador 13: {1,, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9,, 11, 1}. 8

9 Diferente da fração 7 1, em que todos os possíveis restos apareceram na primeira tabela, na fração 13 1 tivemos necessidade de construir duas tabelas. 3. a) b) c) d) Páginas Inicialmente, coloca-se o x em evidência: x(3 + 0,1 + 0,05 + 0, , ) = 4. Observamos então que o coeficiente de x é uma dízima periódica: (3, )x = 4. Encontrando sua geratriz, podemos resolver o problema: x 4, isto é, x Solução

10 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 DO GOOGOL AO ANGSTROM, UM CAMINHO PARA AS POTÊNCIAS Páginas a) Considerando-se o ano com 365 dias de 4 horas, a resposta exigirá o seguinte cálculo: = m = 9, metros. b) Para responder a essa pergunta, se escrevermos os valores em notação científica, 11 1,5. 5 teremos: 1,58. 0, ,4608. anos-luz. c) Como a distância da Terra ao Sol é de, aproximadamente, 1,5. 11 metros e a velocidade da luz é de 3. 8 m/s, um feixe de luz demorará 1, segundos para atingir a Terra, o que é, aproximadamente, 8 minutos e 0 segundos. Para efeito de comparação, o professor pode comentar que um feixe de luz, em um segundo, dá, aproximadamente, 7 voltas e meia em torno da Terra. Página 19 Resposta pessoal. Exemplo: uma unidade de medida para medir grandes distancias é a unidade astronômica abreviada por UA, que corresponde a distancia média entre a Terra e Sole, cujo valor corresponde a 1,4 96 x 11 m = 1,496, 8 Km> Para calcular algumas medidas em UA, utiliza-se o valor aproximado de 1,5 x 8 Km, ou seja, Km. No entanto, a medidas mais utilizada pelos astrônomos é o ano luz ( 9,5 x 1 km) ou o parsec ( 3 x 13 km)

11 Página 0 1. Para medir distâncias grandes é mais prático o uso de uma unidade grande. Na Astronomia existem unidades menores que o ano-luz, como a unidade astronômica, que é a distância média entre a Terra e o Sol, ou seja, km. O parsec, que corresponde a cerca de 3,6 anos-luz, é usado normalmente para indicar distâncias entre as estrelas ou as galáxias. Páginas a) 6,7. 9 pessoas. b),3. 9 segundos. c) 1,9. 1 de reais. Página 1. Para resolver essa atividade, primeiro temos que converter km³ em cm³ (1 km³ = cm³), o que indicará a massa de água na Terra ( 1,4. gramas). Como sabemos (pela tabela) que 1g de água tem 3. moléculas, então o número de moléculas no total de água da Terra é, aproximadamente, igual a 46 4,.. Aproximando-se grosseiramente esse número para 50, pode-se discutir com os alunos que esse número é muito menor que 1 googol. Muitos alunos poderão pensar, à primeira vista, que 50 é metade de 1 googol, o que não é verdade. Se dividirmos 1 googol por 50, o resultado será 50, que é o número de vezes que o número de moléculas na água da Terra caberia dentro de 1 googol. 11

12 Páginas Resposta livre.. 3. Página 5 Resposta pessoal. 1

13 4. Página angstrom corresponde a m.. Para determinar a quantidade de fios de cabelo que correspondem a 1 metro, basta 1 que façamos a divisão: 5 = fios. O professor pode ainda discutir com,54. os alunos que, como, em média, o ser humano tem fios de cabelo, podemos também concluir que todos os fios de cabelo de um indivíduo, quando alinhados por seus diâmetros, resultariam cerca de,54 metros (, ). 3. A solução desse problema exige que efetuemos os seguintes cálculos: 3. 1, dias e 3 horas. = 1, horas, o que corresponde a 3 1,875. = 78,15 dias, ou seja, 4 13

14 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 AS POTÊNCIAS E A MEMÓRIA DO COMPUTADOR Páginas A tabela preenchida ficará da seguinte forma: a) Como podemos observar, a última letra do alfabeto que pode ser representada com 4 bits é a letra P. Daí para frente temos de acrescentar outros bits. b) A letra representada pelo número 0111 é a letra H. 14

15 . 8 ou 56 informações. 3. Para responder a essa atividade, podemos aplicar não só o raciocínio inverso, como também trabalhar com a estimativa. Seriam necessários ao menos bits, pois 9 é igual a 51 e é igual a Múltiplos de byte Páginas a). 6 = 7 bytes b) c) d) e) 9 6 quilobytes gigabytes megabytes. 6 6 terabytes 1 5. a) b) c) quibibytes. bytes d) mebibytes bytes e) gibibytes 6. a) Basta transformar 700 mebibytes em megabytes. 15

16 megabytes. 000 Portanto, a capacidade efetiva do CD-ROM é de 734 MB. b) Basta transformar 4,7 gigabytes em gibibytes ,4 gibibytes Portanto, a capacidade em base binária do disco de DVD é de 4,4 gibibytes. Páginas = = 31 16

17 3. n elevado a n Número de algarismos

18 4. Utilizando o recurso gráfico das planilhas eletrônicas, encontramos um gráfico semelhante a esse: 5. n elevado a n Número de algarismos 39 5,498E ,0E ,199E ,398E ,796E ,759E Para responder a essa pergunta, podemos proceder com algumas estratégias próprias, como efetuar com a contagem da quantidade de algarismos baseando-se nos dados da tabela na sequência: 4, 3, 3, 4, 18

19 Outra forma é utilizar o gráfico dos colegas e ajustar, pelo menos quatro deles, fazendo coincidir os pontos iniciais e finais até encontrar o valor correspondente ao expoente 0. Contudo, podemos buscar uma forma mais simples para se chegar à solução do problema. Para isso, investigaremos, no gráfico, uma correspondência entre a variação de algarismo e do expoente. A ideia é perceber que, a cada variação de no expoente, há um acréscimo de 3 algarismos na escrita por extenso da potência de, isto é, há uma variação de 3 no número de algarismos. Basta, portanto, fazermos a relação para 3. Contudo, como a sequência parte do 1, devemos acrescentar uma unidade no resultado dessa relação. Assim, para encontrarmos o número de algarismos do desenvolvimento de 0, devemos fazer a seguinte relação: se a cada no expoente acrescentamos 3 no número de algarismos, quando o expoente for 0 teremos acrescentado 30 algarismos. Como a sequência da quantidade de algarismos partiu do 1, teremos como solução 31 algarismos. Isso é o mesmo que realizar as seguintes operações: 0. 3 = = 31 algarismos Agora vamos observar o que acontece quando o expoente não é múltiplo de, como é o caso de 36 e ,6 3,6. 3 =,8 + 1 = 11 algarismos 37 3,7 3,7. 3 = 11, = 1 algarismos Como vemos, a casa decimal resultante do produto por 3 é ignorada na determinação do número de algarismos da escrita por extenso, o que percebemos quando ligamos por um traço os pontos do gráfico. AJUSTES Caderno do Professor de Matemática 7ª série/8º ano Volume 1 Professor, a seguir você poderá conferir alguns ajustes. Eles estão sinalizados a cada página. 19

20 Configuração dos capacitores Estado: D desligado L ligado Número binário (4 casas) Letra D D D D 0000 A menos bytes, pois 9 é igual a 51 e é igual a Múltiplos de byte D D D L 0001 B D D L D 00 C D D L L 0011 D D L D D 00 E D L D L 01 F D L L D 01 G D L L L 0111 H L D D D 00 I L D D L 01 J L D L D K L D L L 11 L L L D D 10 M L L D L 11 N L L L D 11 O L L L L 1111 P b) A letra representada pelo número 0111 é a letra H. Atividade Um byte é composto por oito bits. Quantas informações podem ser armazenadas em um byte? 8 ou 56 informações. Atividade 3 Quantos bytes seriam necessários para armazenar informações? Neste item o aluno deve aplicar não só o raciocínio inverso, como também trabalhar com a estimativa. Seriam necessários ao No Sistema Internacional, os prefixos quilo, mega e giga expressam diferentes potências de dez. Assim, um quilobyte (Kb) equivale a 3 bytes, um megabyte (Mb) a 6 bytes, um gigabyte (Gb) a 9 bytes, e assim por diante. Atividade 4 Com base no Sistema Internacional, complete a tabela a seguir fazendo as transformações pedidas. Dê a resposta na forma de potência de dez. a) megabytes em bytes. 6 = 7 bytes. b) 1 gigabyte em quilobytes 9 3 = 6 quilobytes c) 0 quilobytes em gigabytes. 3 9 = 4 gigabytes d) 0 terabytes em megabytes.. 1 =. 7 megabytes 6 e) 1 megabyte em terabytes 6 = 1 6 terabytes Atividade 5 Já no sistema binário, os prefixos usados expressam potências de dois. Um quibibyte (Kib) equivale a bytes, um mebibyte (Mib) a 0 bytes, um gibibyte (Gib) a 30 bytes, e assim por diante. Faça as transformações a seguir e dê as respostas na forma de potência de dois. 40 MAT_CP_7a_vol1_FINAL.indd 40 4//09 1:11:39 PM

Seminários de Ensino de Matemática

Seminários de Ensino de Matemática Seminários de Ensino de Matemática Universidade de São Paulo - FEUSP 1 o semestre de 2008 Coordenação: Prof. Nilson Machado Notação científica: bits, bytes, megabytes... Carlos Eduardo Granja (Cadu) 2

Leia mais

Curso de Hardware Aula 01 Tema: Sistema de Medidas Por: Edmilson de Oliveira Reis Revisado em: 02/03/2012

Curso de Hardware Aula 01 Tema: Sistema de Medidas Por: Edmilson de Oliveira Reis Revisado em: 02/03/2012 Curso de Hardware Aula 01 Tema: Sistema de Medidas Por: Edmilson de Oliveira Reis Revisado em: 02/03/2012 Unidades de Medida de Armazenamento Esses detalhes refletem na quantidade de informação armazenada

Leia mais

Informática Sistemas de Numeração. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br

Informática Sistemas de Numeração. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br Sistemas de Numeração Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br Outros Sistemas de Numeração Já sabemos que existem outros tipos de sistemas de numeração, além

Leia mais

Exercícios de Matemática Potenciação e Radiciação b) x

Exercícios de Matemática Potenciação e Radiciação b) x Exercícios de Matemática Potenciação e Radiciação b) x 6 ) (Cesgranrio-994) O número de algarismos do produto y x 5 5 7 4 9 é igual a: c) x a) 7 xy b) 8 c) 6 y d) d) 4 e) 5 6) (ENEM-00) Dados divulgados

Leia mais

Exercícios de Matemática Potenciação e Radiciação

Exercícios de Matemática Potenciação e Radiciação Exercícios de Matemática Potenciação e Radiciação ) (Cesgranrio-994) O número de algarismos do produto 4 9 é igual a: b) 8 c) 6 d) 4 e) ) (CPCAR-00) Escolha a alternativa FALSA. b) 4. 0,.... 0 4 9 0,0

Leia mais

13 Números Reais - Tipo float

13 Números Reais - Tipo float 13 Números Reais - Tipo float Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até omomentonoslimitamosaouso do tipo inteiro para variáveis e expressões aritméticas. Vamos introduzir agora o tipo real. Ao final

Leia mais

2. Representação Numérica

2. Representação Numérica 2. Representação Numérica 2.1 Introdução A fim se realizarmos de maneira prática qualquer operação com números, nós precisamos representa-los em uma determinada base numérica. O que isso significa? Vamos

Leia mais

Informática Aplicada à Química. Sistemas de Numeração Representação de Dados

Informática Aplicada à Química. Sistemas de Numeração Representação de Dados Informática Aplicada à Química Sistemas de Numeração Representação de Dados Representando Dados Bit Byte Palavra Bit (b) Abreviação de binary digit (dígito binário). Dois valores possíveis: e 1. Nunca

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS DIGITAIS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 1 - SISTEMA DE NUMERAÇÃO BINÁRIA E DECIMAL Todos os computadores são formados por circuitos digitais, onde as informações e os dados são codificados com dois níveis de tensão, pelo que o seu sistema

Leia mais

Sistemas de numeração e conversão de bases Conversões;bit e byte (conceituação)

Sistemas de numeração e conversão de bases Conversões;bit e byte (conceituação) Sistemas de numeração e conversão de bases Conversões;bit e byte (conceituação) Cálculo de conversão de bases para responder às questões pertinentes à execução das especificações nas configurações de sistemas,

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Aula : Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Computação Numérica - O que é Cálculo Numérico? Cálculo numérico é uma metodologia para resolver problemas matemáticos

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Unidade 2 Unidades de Medida Curso Técnico em Informática SUMÁRIO UNIDADES DE MEDIDAS DE ARMAZENAMENTO... 3 CONVERTENDO AS UNIDADES DE MEDIDAS... 4 BIBLIOGRAFIA E REFERÊNCIAS...

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO DE MATEMÁTICA 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de relacionar números racionais e dízimas, completar a reta numérica e ordenar números

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo F- TIPO D-6 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 6º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avali ar o desempenho dos alunos do 6 o ano

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 02: Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos fundamentais: dado, informação e processamento de dados Conceitos de algoritmo, algoritmo ótimo, hardware. Software e

Leia mais

Capítulo 9: Codificação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 9: Codificação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 9: Codificação Prof.: Roberto Franciscatto Conceituação Um computador só pode identificar a informação através de sua capacidade de distinguir entre dois estados; Algo está imantado num sentido

Leia mais

Hit dos Bits. Série Matemática na Escola

Hit dos Bits. Série Matemática na Escola Hit dos Bits Série Matemática na Escola Objetivos 1. Apresentar o sistema de numeração binário; 2. Mostrar aplicações de sistemas de numeração diferentes do decimal; Hit dos Bits Série Matemática na Escola

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

Unidades de Medida em TI (byte, KB, MB, GB, TB, PB) Organização e Manutenção de Computadores

Unidades de Medida em TI (byte, KB, MB, GB, TB, PB) Organização e Manutenção de Computadores Unidades de Medida em TI (byte, KB, MB, GB, TB, PB) Organização e Manutenção de Computadores Prof. Lara P. Z. B. Oberderfer Miguel Debarba História Para efetuar medidas é necessário fazer uma padronização,

Leia mais

Capítulo 1 Erros e representação numérica

Capítulo 1 Erros e representação numérica Capítulo 1 Erros e representação numérica Objetivos Esperamos que ao final desta aula, você seja capaz de: Pré-requisitos Identificar as fases de modelagem e os possíveis erros nelas cometidos; Compreender

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

EFA / S13 SIS Ricardo Castanhinha / Nº 21322 STC / Formadoras Alexandra Formosinho & Isabel Carvalho. Sistema Binário

EFA / S13 SIS Ricardo Castanhinha / Nº 21322 STC / Formadoras Alexandra Formosinho & Isabel Carvalho. Sistema Binário EFA / S13 SIS Sistema Binário SISTEMA BINÁRIO Estamos acostumados a utilizar o SISTEMA DECIMAL DE NUMERAÇÃO. Esse sistema usa 10 algarismos para formar todos os números: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, e 9.

Leia mais

É possível que cada pacote tenha: ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 5 ( ) 6 ( ) 7 ( ) 9 ( ) 10. 02- Circule as frações equivalentes: 03- Escreva:

É possível que cada pacote tenha: ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 5 ( ) 6 ( ) 7 ( ) 9 ( ) 10. 02- Circule as frações equivalentes: 03- Escreva: PROFESSOR: EQUIPE DE MATEMÁTICA BANCO DE QUESTÕES - MATEMÁTICA - 5º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== 0- Leia e resolva: a) No início do

Leia mais

REVISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE INTEGRAÇÃO DO MERCOSUL CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM TRANSPORTES TERRESTRES

REVISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE INTEGRAÇÃO DO MERCOSUL CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM TRANSPORTES TERRESTRES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE INTEGRAÇÃO DO MERCOSUL CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM TRANSPORTES TERRESTRES REVISÃO Disciplina: Cálculo e Estatística Aplicada Professor: Dr. Fábio Saraiva da

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO

SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Atualizado em Prof. Rui Mano E mail: rmano@tpd.puc rio.br SISTEMAS DE NUMERAÇÃO Sistemas de Numer ação Posicionais Desde quando se começou a registrar informações sobre quantidades, foram criados diversos

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistemas de Numeração 1 Sistemas de Numeração e Conversão de Base Sistema Decimal É o nosso sistema natural. Dígitos 0,1,2,3,4,5,6,7,8 e 9. Números superiores a 9; convencionamos

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo F- TIPO D-7 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 7º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos do 7 o ano das

Leia mais

Exemplo de Subtração Binária

Exemplo de Subtração Binária Exemplo de Subtração Binária Exercícios Converta para binário e efetue as seguintes operações: a) 37 10 30 10 b) 83 10 82 10 c) 63 8 34 8 d) 77 8 11 8 e) BB 16 AA 16 f) C43 16 195 16 3.5.3 Divisão binária:

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistema de Numeração Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Sistemas Numéricos Principais sistemas numéricos: Decimal 0,

Leia mais

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS

Circuitos Digitais. Conteúdo. Sistema de Numeração e Códigos :: Conversões de Binário para Decimal SISTEMA DE NUMERAÇÃO E CÓDIGOS Ciência da Computação Sistemas de Numeração e Conversões Prof. Sergio Ribeiro Material adaptado das aulas do Prof. José Maria da UFPI Conteúdo Conversões de binário para decimal. Conversões de decimal

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Um numeral é um símbolo ou grupo de símbolos que representa um número em um determinado instante da evolução do homem. Tem-se que, numa determinada escrita ou época, os numerais diferenciaram-se

Leia mais

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2 INFORMÁTICA Sistemas de Numeração Professor: Rogério R. de Vargas 2014/2 Sistemas de Numeração São sistemas de notação usados para representar quantidades abstratas denominadas números. Um sistema numérico

Leia mais

NOTAÇÃO CIENTÍFICA. a) 82.500 c) 243.000.000.000 e) 0,00045 g) 0,000 000 0004. b) 15.000.000 d) 1.030.000.000 f) 0,000 000 003 h) 0, 000 000 000 15

NOTAÇÃO CIENTÍFICA. a) 82.500 c) 243.000.000.000 e) 0,00045 g) 0,000 000 0004. b) 15.000.000 d) 1.030.000.000 f) 0,000 000 003 h) 0, 000 000 000 15 1 NOTAÇÃO CIENTÍFICA Os números muito grandes ou muito pequenos podem ser escritos através de um produto n da forma x 10, onde 1 x < 10 e n Z. Denominamos essa representação de notação científica. Distância

Leia mais

Computadores II: Bits e Bytes

Computadores II: Bits e Bytes Computadores II: Bits e Bytes A1 Texto 2 http://www.bpiropo.com.br/fpc20050627.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 27/05/2005 Autor: B.Piropo Sistemas numéricos posicionais Pode-se

Leia mais

Binário e Hexadecimal. Como contam os computadores

Binário e Hexadecimal. Como contam os computadores Binário e Hexadecimal Como contam os computadores Bit Unidade básica de medida dos computadores é o bit (binary digit), intoduzida por Claude Shannon, na sua obra Teoria Matemática da Computação, de 1948.

Leia mais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais 1º BLOCO...2 I. Matemática Financeira - André Arruda...2 2º BLOCO...6 I. Matemática - Daniel Lustosa...6 3º BLOCO... 10 I. Tabela de Acumulação de Capital... 10 I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA

Leia mais

Aula 3 - Sistemas de Numeração

Aula 3 - Sistemas de Numeração UEM Universidade Estadual de Maringá DIN - Departamento de Informática Disciplina: Fundamentos da Computação Profª Thelma Elita Colanzi Lopes thelma@din.uem.br Aula 3 - Sistemas de Numeração O ser humano,

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação da Informação Um dispositivo eletrônico, armazena e movimenta as informações internamente

Leia mais

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados

2aula TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS. 2.1 Algarismos Corretos e Avaliados 2aula Janeiro de 2012 TEORIA DE ERROS I: ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS, ARREDONDAMENTOS E INCERTEZAS Objetivos: Familiarizar o aluno com os algarismos significativos, com as regras de arredondamento e as incertezas

Leia mais

Matemática. Elementar II Caderno de Atividades

Matemática. Elementar II Caderno de Atividades Matemática Elementar II Caderno de Atividades Autor Leonardo Brodbeck Chaves 2009 2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Sistema Binário Hardware de Computadores O sistema binário é um sistema de numeração posicional em que todas as quantidades são representadas, utilizando-se como base as cifras: zero e um (0 e 1). Os computadores

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

Cálculo Numérico. ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab. Ricardo Antonello. www.antonello.com.br

Cálculo Numérico. ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab. Ricardo Antonello. www.antonello.com.br Cálculo Numérico ECA / 4 créditos / 60 h Introdução, Erros e Matlab Ricardo Antonello www.antonello.com.br Conteúdo Erros na fase de modelagem Erros na fase de resolução Erros de arredondamento Erros de

Leia mais

Hardware Básico. - Conceitos Básicos - Números Binários - Principais Componentes. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. - Conceitos Básicos - Números Binários - Principais Componentes. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico - Conceitos Básicos - Números Binários - Principais Componentes Professor: Wanderson Dantas Conceitos Básicos Informática: Ciência que estuda o tratamento das informações quanto a sua coleta,

Leia mais

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS

3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS 3 - CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS Introdução É o conjunto de todos os números que estão ou podem ser colocados em forma de fração. Fração Quando dividimos um todo em partes iguais e queremos representar

Leia mais

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos

Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas. Óbidos Curso EFA Técnico/a de Informática - Sistemas Óbidos MÓDULO 769 Arquitectura interna do computador Carga horária 25 Objectivos No final do módulo, os formandos deverão: i. Identificar os elementos base

Leia mais

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de

Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro. Curso Profissional de Nível Secundário. Componente Técnica. Disciplina de Escola Secundária c/3º CEB José Macedo Fragateiro Curso Profissional de Nível Secundário Componente Técnica Disciplina de Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores 29/21 Módulo 1: Sistemas de Numeração

Leia mais

05/04/2013. Para efetuar medidas é necessário fazer uma padronização, escolhendo unidades para cada grandeza.

05/04/2013. Para efetuar medidas é necessário fazer uma padronização, escolhendo unidades para cada grandeza. Sistemas Internacional de Unidades Já imaginou se quando você fosse comprar uma fonte, importada, e ela viesse com as todas as especificações expressas em unidades que você nem fazia idéia que existiam?

Leia mais

No microfone, sua saída pode assumir qualquer valor dentro de uma faixa de 0 à 10mV. 1 - Sistemas de numeração

No microfone, sua saída pode assumir qualquer valor dentro de uma faixa de 0 à 10mV. 1 - Sistemas de numeração 1 - Sistemas de numeração Lidamos constantemente com quantidades. Quantidades são medidas monitoradas, gravadas, manipuladas aritmeticamente e observadas. Quando lidamos com quantidades, é de suma importância

Leia mais

3 Sistemas de Numeração:

3 Sistemas de Numeração: 3 Sistemas de Numeração: Os computadores eletrônicos têm como base para seu funcionamento a utilização de eletricidade. Diferente de outras máquinas que a presença ou ausência de eletricidade apenas significam

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A.

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA C.E.E.P CURITIBA APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA PARA E.J.A. Modalidades: Integrado Subseqüente Proeja Autor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) Curitiba

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação de grandeza com sinal O bit mais significativo representa o sinal: 0 (indica um número

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

quociente razão. mesma área a partes de um tablete de chocolate

quociente razão. mesma área a partes de um tablete de chocolate 1 As sequências de atividades Vamos relembrar, Como lemos os números racionais?, Como escrevemos os números racionais?, As partes das tiras de papel, Comparando e ordenando números racionais na forma decimal

Leia mais

Sistemas de Numeração e Conversão de Base

Sistemas de Numeração e Conversão de Base 1 No estudo de sistemas digitais recorre-se a diferentes sistemas de numeração. Sistema Decimal É o nosso sistema natural. Dígitos 0,1,2,...,9. Números superiores a 9; convencionamos o significado da posição

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Aula 01 Introdução Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011.1 1 Processamento de dados 2 Organização de Computadores 3 Sistemas de Numeração Processamento de dados Processamento

Leia mais

caderno do PROFESSOR MATEMÁTICA ensino fundamental 7 a - SÉRIE volume 1-2009

caderno do PROFESSOR MATEMÁTICA ensino fundamental 7 a - SÉRIE volume 1-2009 caderno do PROFESSOR ensino fundamental 7 a - SÉRIE volume - 009 MATEMÁTICA Governador José Serra Vice-Governador Alberto Goldman Secretária da Educação Maria Helena Guimarães de Castro Secretária-Adjunta

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas CENP Secretaria da Educação do Estado de São Paulo Equipe Técnica de Matemática

Caro(a) aluno(a), Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas CENP Secretaria da Educação do Estado de São Paulo Equipe Técnica de Matemática Caro(a) aluno(a), Para viver no mundo atual com qualidade de vida é preciso ter cada vez mais conhecimentos, respeitar valores e desenvolver atitudes positivas em relação a si e aos outros. Os conhecimentos

Leia mais

Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos. Sistemas Numéricos

Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos. Sistemas Numéricos Trabalho compilado da Internet Prof. Claudio Passos Sistemas Numéricos A Informação e sua Representação O computador, sendo um equipamento eletrônico, armazena e movimenta as informações internamente sob

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Conceitos básicos de informática O que é informática? Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Aritmética Computacional Slide 1 Sumário Unidade Lógica e Aritmética Representação de Números Inteiros Aritmética de Números Inteiros Representação de Números

Leia mais

AULA 1. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 1. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 1 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Estudo de caso Empresa do ramo de seguros Presidência RH Financeiro Vendas e Marketing TI CRM Riscos Introdução

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Informática Prof. Macêdo Firmino Representação da Informação Macêdo Firmino (IFRN) Informática Setembro de 2011 1 / 16 Introdução Estamos acostumados a pensar nos computadores como mecanismos complexos,

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL 1

ELETRÔNICA DIGITAL 1 CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE SÃO JOSÉ ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES ELETRÔNICA DIGITAL 1 CAPÍTULO 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...2 1. SISTEMAS DE NUMERAÇÃO...4 1.1 Introdução...4

Leia mais

AULA 10 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA O

AULA 10 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA O FISP 1/11 AULA 10 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA O conceito de bit binary digit bit Um bit representa a menor parte de uma informação, que pode ser armazenada na memória do computador. Um bit pode assumir apenas

Leia mais

Unidades de medida Prof a. Sediane Carmem Lunardi Hernandes

Unidades de medida Prof a. Sediane Carmem Lunardi Hernandes Unidades de medida Prof a. Sediane Carmem Lunardi Hernandes 1 1. A informação no computador Computador só entende 0s e 1s, ou seja, cada sinal elétrico que o computador processa é chamado de BIT - BInary

Leia mais

PC Fundamentos Revisão 4

PC Fundamentos Revisão 4 exatasfepi.com.br PC Fundamentos Revisão 4 André Luís Duarte...mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.is

Leia mais

USO DO APLICATIVO POWERS OF 10 COMO FERRAMENTA DE INTEGRAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS

USO DO APLICATIVO POWERS OF 10 COMO FERRAMENTA DE INTEGRAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS 1 USO DO APLICATIVO POWERS OF 10 COMO FERRAMENTA DE INTEGRAÇÃO NO ENSINO DE CIÊNCIAS EXATAS Sônia Elisa Marchi Gonzatti (lagonzatti@bewnet.com.br) Eliana Fernandes Borragini (borragini@yahoo.com.br) Ieda

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-2 tipo D-5 Matemática (P-2) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos do 5

Leia mais

A razão dos irracionais. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Apresentar os numeros irracionais. 2. Demonstrar que 2 não é racional com o

A razão dos irracionais. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Apresentar os numeros irracionais. 2. Demonstrar que 2 não é racional com o A razão dos irracionais. Série Matemática na Escola Objetivos 1. Apresentar os numeros irracionais. 2. Demonstrar que 2 não é racional com o argumento do absurdo. A razão dos irracionais Série Matemática

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS

PROCESSAMENTO DE DADOS PROCESSAMENTO DE DADOS Aula 1 - Hardware Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari 2 3 HARDWARE Todos os dispositivos físicos que constituem

Leia mais

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica

Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Tópico 2. Conversão de Unidades e Notação Científica Toda vez que você se refere a um valor ligado a uma unidade de medir, significa que, de algum modo, você realizou uma medição. O que você expressa é,

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos Sistemas de Informação CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Objetivos Converter um número de um sistema de numeração (decimal, binário ou hexadecimal) no seu equivalente

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Administração dos Recursos de Hardware e Software

Tecnologia e Sistemas de Informações Administração dos Recursos de Hardware e Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Administração dos Recursos de Hardware e Software Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 9 O que é Hardware e Software? Hardware

Leia mais

CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS

CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS CAPÍTULO II COLETANDO DADOS EXPERIMENTAIS II.1 A Comunicação em Ciência e Tecnologia A comunicação torna-se ainda mais perfeita, mais objetiva, se a questão envolver a definição da igualdade ou não de

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) I Representação dos números, aritmética de ponto flutuante e erros em máquinas

Leia mais

QUESTÕES PARA O 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES

QUESTÕES PARA O 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÕES PARA O 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÃO 01 1 Identificar a localização/movimentação de objeto, em mapas, croquis e outras representações gráficas.

Leia mais

02. Um bit é a menor unidade de informação usada pela computação. Abaixo, observe outras unidades:

02. Um bit é a menor unidade de informação usada pela computação. Abaixo, observe outras unidades: Aula n ọ 01 01. Os conjuntos numéricos foram surgindo à medida que certas operações aritméticas não eram fechadas dentro dos conjuntos em que eram realizadas. Assim, por exemplo, oconjunto dos números

Leia mais

COLÉGIO ETIP NIVELAMENTO BÁSICO DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO À INFORMÁTICA PROFESSOR RUBENS SOARES

COLÉGIO ETIP NIVELAMENTO BÁSICO DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO À INFORMÁTICA PROFESSOR RUBENS SOARES COLÉGIO ETIP NIVELAMENTO BÁSICO DE MATEMÁTICA ENSINO MÉDIO INTEGRADO À INFORMÁTICA PROFESSOR RUBENS SOARES SANTO ANDRÉ 2012 MEDIDAS DE SUPERFÍCIES (ÁREA): No sistema métrico decimal, devemos lembrar que,

Leia mais

Algoritmos e Programação I

Algoritmos e Programação I Algoritmos e Programação I Introdução a Computação Prof. Fernando Maia da Mota mota.fernandomaia@gmail.com CPCX/UFMS Fernando Maia da Mota 1 Computadores são dispositivos que só sabem fazer um tipo de

Leia mais

Unidade 5: Sistemas de Representação

Unidade 5: Sistemas de Representação Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: 9/8/ Unidade 5: Sistemas de Representação Números de Ponto Flutuante IEEE 754/8 e Caracteres ASCII Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender a representação

Leia mais

Conversões em Sistemas de Numeração. José Gustavo de Souza Paiva

Conversões em Sistemas de Numeração. José Gustavo de Souza Paiva Conversões em Sistemas de Numeração José Gustavo de Souza Paiva 1 Conversões entre bases que são potências entre si Primeiro caso base binária para base octal Como 2 3 = 8, podemos separar os bits de um

Leia mais

UTILIZANDO PROGRAMAS EDUCACIONAIS

UTILIZANDO PROGRAMAS EDUCACIONAIS LINUX EDUCACIONAL UTILIZANDO PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROFESSOR GERSON VALENCIO Caro professor: As novas Tecnologias de Informação e Comunicação(TICs) estão mudando nossa forma de pensar, agir, relacionar-se,

Leia mais

Aula 5. Simplificação de funções lógicas (cont.) Sistemas de numeração

Aula 5. Simplificação de funções lógicas (cont.) Sistemas de numeração Aula 5 Simplificação de funções lógicas (cont.) Sistemas de numeração Mapa de Karnaugh Exemplo: N=4 variáveis, M=2 4 =16 combinações Extracção da expressão do circuito, pelos maxtermos: extracção pelos

Leia mais

16 Comprimento e área do círculo

16 Comprimento e área do círculo A UA UL LA Comprimento e área do círculo Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o círculo, que começou a ser estudado há aproximadamente 4000 anos. Os círculos fazem parte do seu dia-a-dia.

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais

Você sabe a regra de três?

Você sabe a regra de três? Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação Eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit Você sabe a regra de três?

Leia mais

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br

Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Fabio Bento fbento@ifes.edu.br Eletrônica Digital Sistemas de Numeração e Códigos 1. Conversões de Binário para Decimal 2. Conversões de Decimal para Binário 3. Sistema de Numeração Hexadecimal 4. Código

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0. Introdução Por método numérico entende-se um método para calcular a solução de um problema realizando apenas uma sequência finita de operações aritméticas. A obtenção

Leia mais

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CURRÍCULO DE MATEMÁTICA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Eduardo Campos VICE-GOVERNADOR João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária

Curso: Técnico de Informática Disciplina: Redes de Computadores. 1- Apresentação Binária 1- Apresentação Binária Os computadores funcionam e armazenam dados mediante a utilização de chaves eletrônicas que são LIGADAS ou DESLIGADAS. Os computadores só entendem e utilizam dados existentes neste

Leia mais

Paquímetro: sistema inglês

Paquímetro: sistema inglês Paquímetro: sistema inglês Um problema Agora que o pessoal da empresa aprendeu a leitura de paquímetros no sistema métrico, é necessário aprender a ler no sistema inglês. Este é o assunto a ser estudado

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Representação da Informação para seres humanos Números (1,2,3,4...) Letras (a,a,b,b,c,c...) Sinais de pontuação (:,;...) Operadores aritméticos (+,-,x,/) Representação da Informação

Leia mais

O tamanho, idade e conteúdo do Universo.

O tamanho, idade e conteúdo do Universo. O tamanho, idade e conteúdo do Universo. Sumário Nosso endereço cósmico Distâncias e tamanhos no universo: Sistema Solar Estrelas Galáxias Aglomerados de Galáxias Universo Tamanho e idade do Universo Conteúdo

Leia mais

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO

ELETRÔNICA. Changed with the DEMO VERSION of CAD-KAS PDF-Editor (http://www.cadkas.com). INTRODUÇÃO 0010100111010101001010010101 CURSO DE 0101010100111010100101011101 1010011001111010100111010010 ELETRÔNICA 1010000111101010011101010010 DIGITAL INTRODUÇÃO Os circuitos equipados com processadores, cada

Leia mais

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275

centena dezena unidade 10 2 10 1 10 0 275 2 7 5 200 + 70 + 5 275 A. Sistemas de Numeração. Para se entender a linguagem do computador (o Código de Máquina), é necessário conhecer um pouco da teoria dos números. Não é uma tarefa tão difícil quanto pode parecer. Sabendo-se

Leia mais