Desenho geométrico, para que serve isso?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenho geométrico, para que serve isso?"

Transcrição

1 Desenho geométrico, para que serve isso? Jorge Alexandre dos Santos Gaspar Resolução de equações pelo Método Euclidiano: uma aplicação do Desenho Geométrico nas salas de hoje. Manual para professores do ensino fundamental e médio

2

3 APRESENTAÇÃO Em um mundo que os softwares constroem representações em um piscar de olhos, por que se resgatar o traçado de figuras geométricas por meio de régua, esquadros, compasso e transferidor? Puro saudosismo ou há alguma razão pedagógica? Responder a tais questões é a proposta deste livreto paradidático, além de resgatar competências e habilidades que se perderam no tempo. Tal como Chervel (1990), cremos que as disciplinas escolares são produtos da escola e variam com as culturas escolares. Como o autor nos prova em sua pesquisa de mestrado (GASPAR, 2014), a disciplina Desenho no Brasil passou por momentos de ascensão e queda. Há cerca de cinco décadas o desenho geométrico só aparece na proposta de alguns poucos colégios da educação básica (bem como na maioria das licenciaturas em Matemática) e, por conseguinte, a quase totalidade de nossos colegas de profissão ou desconhecem a área ou a subestimam, crendo ser algo obsoleto diante dos recursos tecnológicos. Quem assim pensa, é porque crê que o único objetivo do desenho geométrico é o de apenas traçar figuras com relativa precisão. Mas será que Gaspar, ao nos propor o presente material, está preso unicamente a este objetivo ou está nos induzindo a refletir sobre como nos apropriarmos dos recursos da área e Desenho Geométrico em nossa prática docente em Matemática? Saboreiem mais este produto, sedimentado na linha de pesquisa de História da Educação Matemática de um curso de Mestrado Profissional em Educação Matemática. Lucia Maria Aversa Villela.

4 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 4 2. TRAÇADO COM INSTRUMENTOS RÉGUA Leitura de medidas de segmentos Construção de segmentos TRANSFERIDOR Leitura de ângulos Construção de ângulos PAR DE ESQUADROS Identificação dos esquadros Construção de retas paralelas e perpendiculares com auxílio do par de esquadros _ COMPASSO Construção de circunferências Construção de ângulos notáveis, linhas paralelas e linhas perpendiculares APLICANDO AS CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS Divisão de segmentos em partes iguais e proporcionais Resolução de equações de 1 grau Resolução de equações de 2 grau COMENTÁRIOS FINAIS REFERÊNCIAS 55

5 1. INTRODUÇÃO A presente publicação é um anexo à dissertação O Desenho Geométrico como Disciplina Escolar no Rio de Janeiro: Uma História de 1890 a 1964 (GASPAR, 2014), apresentada pelo mesmo autor à coordenação do Mestrado Profissional em Educação Matemática, da Universidade Severino Sombra. Foi desenvolvido a partir de oficinas oferecidas durante a Prática Docente Supervisionada, outro pré-requisito de um curso desta natureza, e foi aplicado a professores da Rede Municipal de Vassouras e a alunos do curso de Mestrado em Educação Matemática da referida instituição, para que verificássemos a sua validade. A partir do levantamento histórico realizado em nossa pesquisa, verificamos que a formação de professores na área de Desenho Geométrico sofreu um grande baque a partir da publicação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 1961 (DECRETO 4024, de 20/12/1961), que gerou desdobramentos como a indicação do Conselho Federal de Educação, 5

6 de 24 de abril de 1962, em que a disciplina Desenho passou a ser opcional no então curso médio 1. Em consequência destas alterações legais, vê-se que gerações de profissionais atuantes no ensino de Matemática pouco trabalharam com os conteúdos relativos ao Desenho, excetuando-se os que ao longo de sua formação passaram pelas poucas instituições que optaram pela permanência do Desenho no seu currículo. Além disto, os professores recémformados estão mais ligados às construções feitas com auxílio de softwares, desconhecendo a manipulação dos instrumentos, bem como a importância de tais conhecimentos ligados aos demais campos da Matemática. Sendo assim, esta obra foi pensada a fim de que professores tenham à sua disposição, como sugestão, um novo velho material, que poderá vir a ter importância nas aulas tanto de Álgebra, quanto nas aulas de Geometria, visto que nos dias atuais, a utilização de materiais 1 Art. 34. O ensino médio será ministrado em dois ciclos, o ginasial e o colegial, e abrangerá, entre outros, os cursos secundários, técnicos e de formação de professôres para o ensino primário e pré-primário (LDB 4024 de 1961). 6

7 manipulativos não tem sido mais um pré-requisito para a aplicação de programas e softwares educacionais de Desenho. Esta não-utilização de tais recursos faz com que se tire do aluno a oportunidade de interpretar o que o computador está fazendo à sua frente. As atividades aqui propostas iniciam-se pelo estudo de proporcionalidade como elemento articulador com o trabalho de equações, através das construções básicas de Desenho Geométrico: linhas paralelas e perpendiculares, ângulos. A partir da utilização destas construções, foram desenvolvidas as soluções gráficas para equações de primeiro e segundo grau. Quando é possível construí-las, as representações gráficas servem para mostrar aos alunos que existem soluções para as equações, dando sentido às raízes. As construções são feitas a fim de que o educando consiga visualizar e comparar as medidas encontradas, de tal forma que fiquem claras as possíveis relações que entre elas possam ser geradas ou observadas. 7

8 Para Chervel, as disciplinas escolares nascem, crescem e morrem nas instituições escolares em resposta à interação entre as gerações de educadores e educandos, sendo então o preço que a sociedade deve pagar à sua cultura para poder transmiti-la no contexto da escola ou do colégio (CHERVEL, 1990, p. 222). Assim podemos dizer que o Desenho, mesmo que não apareça de forma explícita, enquanto disciplina escolar na maioria das propostas curriculares, ainda pode se encontrar vivo em apropriações feitas, via encaminhamentos metodológicos, por outras disciplinas, tais como a Matemática, a Física e as Artes Plásticas. Esperamos que esta publicação sirva como ponto de partida a outros trabalhos que também venham a auxiliar a junção do Desenho com os diferentes campos do conhecimento. 8

9 2. TRAÇADO COM INSTRUMENTOS 2.1. RÉGUA. A régua usual 2 é o instrumento utilizado para se traçar linhas retas. Pode ser graduada, ou seja, com a representação das unidades de medida indicadas em uma de seus lados ou não graduada (este tipo de régua era a que Euclides utilizava nas suas construções 3 ). Nos dias atuais, a régua é um instrumento usual para alunos de todos os níveis de ensino e ela está presente nos kits de materiais que são doados por governos, como por exemplo, do Município do Rio de Janeiro e Estadual do Rio de Janeiro, para que sejam utilizadas em sala de aula. 2 Há outros tipos de réguas, possíveis de serem utilizadas em outras concepções geométricas, tais como para medir distâncias em uma superfície esférica. 3 As medidas que eram necessárias eram tomadas por abertura de compasso, o que fazia um problema ser mais genérico. 9

10 Figura 1 Régua graduada, da marca Trident Leitura de medidas de segmentos. A leitura da medida de um segmento ocorre quando alinhamos a régua a este segmento e colocamos o zero da régua sobre uma de suas extremidades. Fazemos a leitura observando em que ponto existe a coincidência da outra extremidade. 10

11 Figura 2 Leitura da medida de um segmento. Mas e aqui vai uma proposta desestabilizadora para o aluno - e se você possuir uma régua quebrada, sem a parte inicial? Será que conseguiria medir um segmento de reta com esse instrumento avariado? A resposta é sim! Basta que utilizemos a Aritmética para isso. Podemos fazer a leitura a partir de um valor graduado conhecido e a leitura do ponto final. A seguir basta realizarmos a subtração da leitura encontrada no ponto final e no ponto inicial. 11

12 Leituras: A = 5, B = 11 Leitura do segmento: ( ) Figura 3 Leitura de medida de um segmento fora da origem da régua Construção de segmentos. A construção de um segmento de reta é feita a partir de um ponto conhecido. Esta situação pode-nos gerar a construção de infinitos segmentos que passam por este ponto 4. Como exemplo, vamos construir um segmento de reta que parte do ponto A e que terá a medida de 5 cm. O procedimento consiste em posicionar a régua, com sua origem no ponto A, traçar uma reta-suporte que terá todos os pontos que estão alinhados ao ponto A e que 4 Se bem trabalhado pelo professor, esta situação pode gerar a definição de circunferência! 12

13 seguem na direção traçada e por fim, medir o tamanho do segmento indicado, conforme nos mostra a sequência de fotos a seguir. Figura 4 construção de segmento de reta 13

14 2.2. TRANSFERIDOR. O transferidor usual é o instrumento utilizado para traçar e medir ângulos. Seu formato é circular, podendo ser de volta inteira, com a possibilidade de leitura direta de ângulos de 1 até 360, ou de meia volta, com possibilidade de leitura de 1 até 180. Este instrumento não é distribuído atualmente nos kits do Município do Rio de Janeiro, mas pode ser disponibilizado pelas escolas, caso requisitado pelo professor. O transferidor é dividido em três partes: o ponto central, que deve ser sempre colocado sobre o vértice do ângulo, a linha de fé, que deve ser alinhada com um dos lados do ângulo e o limbo, que é onde fazemos a leitura e marcação para a construção do ângulo. 14

15 LIMBO PONTO CENTRAL LINHA DE FÉ Figura 5 Transferidores. Se observarmos bem, veremos que as medidas são unitárias, impossibilitando a marcação de décimos de grau. Outro detalhe é que os modelos podem ter a sua graduação no sentido horário 5 (modelo da esquerda) ou nos dois sentidos (modelo da direita). 5 Quando nos referimos à circunferência e encaminhamos à construção dos seus ângulos, na grande maioria das vezes, influenciados pelo círculo trigonométrico, nós professores caminhamos no sentido anti-horário, o que seria um fator que dificultaria a construção pelos nossos alunos. 15

16 Leitura de ângulos. A leitura dos ângulos é feita seguindo uma sequência simples que consiste em: colocar o ponto central sobre o vértice do ângulo alinhar a linha de fé com um dos lados do ângulo. observar em que medida no limbo encontra-se o outro lado do ângulo. Ponto A Vértice. um dos lados do ângulo  (Alinhado com a linha de fé). Leitura ( ) Figura 6 Leitura do ângulo com transferidor. 16

17 Mas existe uma situação que deve ser observada. Caso o outro lado do ângulo não toque o transferidor, devemos prolongá-lo até que isto aconteça Construção de ângulos. A construção de um ângulo é feita alinhando-se o lado com a linha de fé e coincidindo-se o vértice com o ponto central. Fazemos a leitura do valor desejado no limbo, marcando com um ponto esta medida. Por fim, unimos este ponto ao vértice. A abertura entre as duas linhas é o ângulo desejado. Vejamos um exemplo de construção na sequência de fotos a seguir: 17

18 Figura 7 Construção de um ângulo 18

19 2.3.PAR DE ESQUADROS O par de esquadros é composto por duas peças na forma de triângulos retângulos, sendo um isósceles e outro escaleno. São instrumentos utilizados no Desenho Geométrico para os traçados de linhas paralelas e linhas perpendiculares Identificação dos esquadros. Conforme dito acima, os esquadros são triângulos retângulos e eles recebem o nome em função dos ângulos que os formam. Assim, o esquadro de 45 é um triângulo retângulo isósceles enquanto o esquadro de 30 e 60, é um triângulo escaleno. Figura 8 Esquadro de 45 Figura 9 Esquadro de 30 e 60 19

20 Construção de retas paralelas e perpendiculares com auxílio do par de esquadros. As construções de retas paralelas e perpendiculares são realizadas a partir de deslocamentos ou rotações dos esquadros, afim de que se obtenham os elementos construtivos desejados. As linhas paralelas são linhas que mantêm a mesma distância entre si durante toda a sua representação. São obtidas pelo deslocamento de um esquadro, que daremos o nome de esquadro móvel, sobre outro esquadro, que chamaremos de esquadro fixo. O processo consiste em alinhar a hipotenusa do esquadro móvel com a linha da qual queremos construir uma paralela e fixar em um dos catetos a hipotenusa do esquadro fixo, para que se possa obter um maior deslocamento. Assim, qualquer linha traçada pela hipotenusa do esquadro móvel será paralela à linha traçada originalmente. A sequência de fotos da figura 10 mostra como traçamos linhas paralelas. 20

21 Figura 10 Construção de linhas paralelas com os esquadros. 21

22 As linhas perpendiculares são aquelas que formam um ângulo reto entre si. São obtidas a partir da rotação do esquadro móvel em relação ao esquadro fixo. O processo consiste em alinhar o esquadro móvel com a linha que queremos construir a perpendicular e fixar o esquadro fixo com um dos catetos do esquadro móvel. Após estes movimentos iniciais, devemos rotacionar o esquadro móvel de tal forma que os catetos troquem de posição. Com isso, o ângulo formado pelas hipotenusas dos esquadros é um ângulo reto. A sequência de fotos (figura 11) mostra como traçamos linhas perpendiculares. 22

23 Figura 11 Construção de linhas perpendiculares com os esquadros. 23

24 2.4.COMPASSO. O compasso que conhecemos hoje é invenção de Leonardo Da Vinci ( ). É o instrumento que consegue traçar todos os pontos equidistantes de um ponto central. Existem vários tipos de compassos: o escolar, o técnico (que é muito parecido com o escolar, porém com uma melhor fixação das hastes), o balaústre (que tem uma haste parafusada transversal às duas hastes, que permite ajustar a abertura e mantê-la fixa), o de ponta seca (que possui duas pontas secas) o naval (compasso curvo que é utilizado na navegação), o de cintel (compasso fabricado com haste rígida para projetar, riscar e medir distâncias e círculos com medidas maiores). 24

25 Figura 12 Exemplo de compassos Construção de circunferências. Uma circunferência é construída a partir da abertura do compasso com a medida desejada. Para construir a circunferência devemos segurar o compasso pela superior e nunca pelas hastes, pois isso pode causar a abertura das mesmas e, com isso, a circunferência não irá fechar. 25

26 Figura 13 Construção de circunferência Construção de ângulos notáveis, linhas paralelas e linhas perpendiculares. A construção dos ângulos notáveis com o compasso é possível a partir da construção do ângulo de 60. Este é feito, a partir da construção de um triângulo equilátero. Com uma abertura qualquer traçamos um arco que deve tocar o lado traçado. A seguir, com a mesma abertura, mas no vértice oposto, traçamos um arco, até que ele toque o arco traçado anteriormente. A solução será a união deste ponto com o vértice inicial. Veja a sequência de fotos (figura 14) que se refere à construção do ângulo de

27 Figura 14 Construção do ângulo de

28 O ângulo de 30 é obtido pela divisão do ângulo de 60 em duas partes iguais. Essa divisão é feita pela bissetriz. A bissetriz é a semirreta, que tem origem no vértice do ângulo e que o divide em duas partes iguais. Ela pode ser traçada de algumas formas. Aqui, mostraremos uma em que usaremos somente o compasso. O processo consiste em traçar o ângulo de 60 e a seguir, nas extremidades traçamos outros dois arcos com a mesma abertura. Basta agora unir o ponto onde estes dois arcos se encontram e o vértice do ângulo de 60. A sequência de fotos a seguir mostra como esta construção é feita. 28

29 Figura 15 Construção do ângulo de

30 O ângulo de 90 é construído a partir de um ângulo de 60 e outro de 30. O processo consiste em, trabalhando sempre com a mesma abertura, traçar arcos que se encontrem para primeiro traçar dois ângulos de 60 consecutivos, sendo que o segundo será dividido em duas partes iguais, formando assim dois ângulos de 30. O ângulo de 60 adicionado ao de 30 formam, juntos, um ângulos de 90. A sequência de fotos da figura 16 mostra como realizar essa construção. 30

31 Figura 16 Construção do ângulo de

32 O último ângulo notável que iremos mostrar a construção é o de 45. A mesma técnica aplicada para a construção do ângulo de 30 será aplicada nesta situação, visto que o ângulo de 45 é bissetriz do ângulo reto. Logo, o processo consiste em construir um ângulo de 90 pelo processo descrito acima e, na sequência, construir a bissetriz, afastando as hastes do compasso com uma abertura maior que a metade da distância entre as linhas que formam o ângulo reto e traçar um arco a partir do encontro desses arcos com os lados do ângulo, de forma que esses arcos se encontrem. Por fim, basta unir este ponto ao vértice do ângulo reto. A sequência de fotos da figura 17 mostra a construção de um ângulo de

33 Figura 17 Construção do ângulo de

34 A partir destes ângulos base, podemos construir outros, através da combinação deles, como por exemplo, um ângulo de 45 somado com um de 30, resulta no ângulo de 75. As linhas perpendiculares já foram inicialmente trabalhadas quando traçamos o ângulo reto. Porém existem outros processos que serão trabalhados a partir de pontos que estejam na linha ou fora da linha. Para traçar uma perpendicular por um ponto pertencente a uma linha, iremos construir um arco com abertura qualquer e com centro no ponto da reta a partir do qual desejamos traçar a perpendicular. A partir de cada um dos pontos de encontro da linha com o arco traçado, construir arcos com o raio maior que a distância entre este ponto de encontro e o ponto desejado. O ponto de encontro dos novos arcos será unido ao ponto pertencente à linha, formando a perpendicular. A sequência de fotos a seguir (figura 18), mostra como realizar esta construção. 34

35 Figura 18 Construção da perpendicular passando por um ponto. 35

36 Quando o ponto a partir do qual devemos traçar a perpendicular se encontra fora da linha, o procedimento consiste em traçar um arco com abertura maior que a distância entre o ponto e a linha. A partir de cada um dos dois pontos de encontro do arco com a linha, construiremos novos arcos cujo raio seja maior que a metade da distância entre estes dois pontos, até que os dois novos arcos se encontrem. Este novo ponto de encontro dos arcos será unido ao ponto exterior à reta, formando a perpendicular. A sequência de fotos a seguir (figura 19) mostra os passos desta construção. 36

37 Figura 19 Construção da perpendicular passando por um ponto. 37

38 3. APLICANDO AS CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS Iremos aplicar as construções anteriormente vistas na solução de proporções e de equações de 1º e 2º graus. Este processo de resolução dos problemas geométricos, a partir do Desenho, recebe o nome de método euclidiano, por ter sido sistematizado por Euclides no livro Os Elementos Divisão de segmentos em partes iguais e proporcionais. A divisão de segmentos em partes iguais é uma das aplicações práticas do Teorema de Tales. O processo de divisão de um segmento começa pelo traçado de uma semirreta auxiliar qualquer, traçada a partir de um dos extremos desse segmento inicial. Sobre esta semirreta, com o auxílio do compasso, serão marcados tantos segmentos de mesmo comprimento quantas são as partes que desejamos dividir o segmento inicial. Unimos o último ponto marcado sobre a semirreta com a outra extremidade do segmento que queremos dividir. A 38

39 linha recém traçada é a responsável pela direção das paralelas. Com auxílio do par de esquadros traçamos retas paralelas e dividimos o segmento em partes iguais. A sequência de fotos a seguir (figura 20) mostra como realizamos a divisão de um segmento em cinco partes iguais. 39

40 Figura 20 Divisão de um segmento em cinco partes iguais. 40

41 Quando queremos dividir um segmento em partes com outra razão de proporcionalidade, o processo é bem semelhante ao de divisão em partes iguais, isto é, com razão de semelhança igual a 1. Tal como ocorrera no traçado anterior, a semirreta auxiliar será dividida, com o auxílio do compasso, em quantas partes necessitamos para que haja a proporcionalidade. Une-se o último ponto com a extremidade do segmento que queremos dividir e traçamos as paralelas no ponto que desejamos a proporcionalidade. Assim obteremos o segmento original dividido em partes proporcionais ao coeficiente de proporcionalidade desejado. A sequência de fotos a seguir (figura 21) mostra a divisão de um segmento em partes proporcionais a dois e cinco (2:5). 41

42 Figura 21 Divisão de um segmento em partes proporcionais. 42

43 3.2.Resolução de equações de 1 grau. Chamamos de equação polinomial de 1º grau, ou simplesmente equação de 1º grau, a toda sentença matemática simples e aberta que representa uma igualdade. Por esta definição podemos representar as equações da seguinte forma geral: Esta equação pode ser imaginada a partir de uma proporção. Consideremos. Então podemos reescrever a equação acima da seguinte maneira: se e, então. Esta última igualdade pode ser reescrita como se segue: Esta nova escrita tem a forma de solução para a quarta proporcional. 43

44 Se b for um quadrado perfeito, isto é, considerando, podemos ainda reescrever a equação de outra forma, que ficaria desta forma: se e, então, Esta forma de reescrever a equação é a representação da terceira proporcional. Na construção da solução, primeiro traçamos duas linhas base, uma para os antecedentes e outra para os consequentes. A seguir, marcamos as medidas dos antecedentes em sequência, e do consequente conhecido, cada um na sua respectiva linha suporte. Unimos o antecedente e o consequente da primeira razão, para, a seguir, traçar uma paralela a esta linha que passe pelo antecedente do qual queremos encontrar a quarta proporcional. A solução do problema é o segmento representado na linha suporte dos consequentes entre as paralelas. Como exemplo, na figura 22, vamos resolver graficamente a equação 3x 10 = 0. Reescrevendo o valor de 10 como o produto de 2 por 5, podemos transformar a equação 44

45 inicial 3x 10 = 0 em uma proporção do tipo. A sequência de fotos a seguir mostra como é a solução gráfica desta equação. Figura 22 Solução gráfica da equação 3x 10 = 0. 45

46 Porém nem sempre temos uma equação onde podemos decompor o termo b em um produto de forma direta. Quando isto acontecer, devemos abrir este valor b em uma adição de duas parcelas e aplicar a proporção reiterada (proporção obtida pela adição de proporções). Como exemplo, resolveremos graficamente a equação 3x 35 = 0. Primeiro, separamos o 35 em uma adição (25+10). A seguir, reescrevemos a equação 3x = e, construímos a igualdade 10. A proporção reiterada será escrita da seguinte maneira: e. A solução gráfica final é a soma das duas respostas encontradas. Vejamos a solução desta equação na sequência de fotos a seguir. 46

47 Figura 23 Solução gráfica da equação 3x 35 = 0 (parte 1). 47

48 Figura 24 Solução gráfica da equação 3x 35 = 0 (parte 2). 48

49 Figura 25 Solução gráfica da equação 3x 35 = 0 (solução final) Resolução de equações de 2 grau. As equações do 2º grau, no processo euclidiano são resolvidas utilizando os conceitos dos sistemas de equações. Para isso, é necessário, primeiro, escrever a expressão no formato. Assim, uma equação que, em princípio se apresenta como, deve ter seus elementos divididos por a e, a seguir, determinar um número n tal que. Teremos, então, dois sistemas possíveis: 49

50 { ou {. Quando o sistema é do tipo {, a solução passa pelas seguintes etapas: Primeiro representamos a adição das variáveis x e y (cuja soma representa m). Achamos o ponto médio e, a seguir, traçamos uma paralela com a medida igual a. Construímos uma perpendicular, a partir da intersecção desta paralela e o arco com centro no ponto médio de x + y. A solução da equação encontra-se no diâmetro da semicircunferência traçada. O valor de x é a distância entre uma das extremidades do diâmetro até a intersecção de n com m e o valor de y é o complemento da distância até a outra extremidade da semicircunferência. A sequência de fotos a seguir (figura 26) mostra a resolução da equação Tomemos m = 12 e n² = 9, logo n = 3. 50

51 Figura 26 Solução gráfica da equação x² + 12x + 9 = 0 (solução final). 51

52 Quando o sistema é do tipo {, a solução passa pelas seguintes etapas: Primeiro, construímos o valor de n (sendo ). Construímos uma perpendicular, a partir da extremidade de n, com a metade da medida de m. Traçamos a secante que passa por uma das extremidades de até a outra extremidade de n. Os valores de x e y são encontrados na secante traçada. O valor de x é a distância completa e y é a distância da extremidade de n até a primeira intersecção com a circunferência. A sequência de fotos a seguir mostra a resolução da equação Tomemos m = 12 e n² = 9, logo n = 3. 52

53 Figura 26 Solução gráfica da equação x² + 12x + 9 = 0 (solução final). 53

54 4. COMENTÁRIOS FINAIS As construções geométricas com instrumentos foram muito importantes no passado. Hoje em dia, a solução algébrica e os softwares educacionais são utilizados como substitutos dos instrumentos. Ao propor as construções geométricas como ponto de partida, temos a intenção de mostrar o que está por de trás das construções feitas no computador, de forma rápida e com a precisão matemática que somente as máquinas conseguem. Assim, ao sugerir a solução de equações através do Desenho Geométrico, pretendemos explorar o tema proporcionalidade mais a fundo, visto que as construções baseiam-se explicitamente nas construções de segmentos proporcionais, da quarta proporcional e da terceira proporcional, conteúdos estes que normalmente são trabalhados somente de forma algébrica em nossas escolas. Estas construções podem ser feitas posteriormente com o auxílio de softwares, visto que o intuito das construções geométricas não é de resgatá-las pela sua beleza construtiva, mas sim fazer com que sejam compreendidas na sua totalidade. A partir delas é que 54

55 conseguimos fazer com que as soluções sejam entendidas, que tenham significado tanto para alunos quanto para professores. As aplicações de construções geométricas aqui apresentadas nada mais são do que exemplos do potencial de recursos metodológicos que nós professores podemos ter se enveredarmos por esta seara. 55

56 5. REFERÊNCIAS BRASIL. Diário Oficial da União. Lei 4024, de 20/12/1961 Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Publicado em 27/12/1961, seção 1, p Disponível em publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em 20/6/ Diário Oficial da União. Indicação do Conselho Federal de Educação, de 21/2/1962. Publicado em 24/4/1962, seção 1, p Disponível em /pdfView. Acesso em 20/6/2013. CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. In: Teoria & Educação. Porto Alegre: Pannonica, n 2, 1990, p DEUS COMO ARQUITETO Altura: 1244 pixel. Largura: 1705 pixel. 300 dpi Formato: JPEG. Disponível em <http://commons.wikimedia.org/wiki/file: God_the_Geometer.jpg>. Acesso em 28/02/

Construções Fundamentais. r P r

Construções Fundamentais. r P r 1 Construções Fundamentais 1. De um ponto traçar a reta paralela à reta dada. + r 2. De um ponto traçar a perpendicular à reta r, sabendo que o ponto é exterior a essa reta; e de um ponto P traçar a perpendicular

Leia mais

Desenho geométrico. Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta:

Desenho geométrico. Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta: Desenho geométrico Ponto: Elemento geométrico considerado sem dimensão, apenas com posição. Reta: Linha que estabelece a menor distância entre 2 pontos. Por 1 ponto podem passar infinitas retas. Por 2

Leia mais

5. DESENHO GEOMÉTRICO

5. DESENHO GEOMÉTRICO 5. DESENHO GEOMÉTRICO 5.1. Retas Paralelas e Perpendiculares No traçado de retas paralelas ou perpendiculares é indispensável o manejo adequado dos esquadros. Na construção das retas perpendiculares e

Leia mais

Conceitos e fórmulas

Conceitos e fórmulas 1 Conceitos e fórmulas 1).- Triângulo: definição e elementos principais Definição - Denominamos triângulo (ou trilátero) a toda figura do plano euclidiano formada por três segmentos AB, BC e CA, tais que

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

Computação Gráfica Interativa

Computação Gráfica Interativa Computação Gráfica Interativa conceitos, fundamentos geométricos e algoritmos 1. Introdução Computação Gráfica é a criação, armazenamento e a manipulação de modelos de objetos e suas imagens pelo computador.

Leia mais

AV1 - MA 13-2011 UMA SOLUÇÃO. b x

AV1 - MA 13-2011 UMA SOLUÇÃO. b x Questão 1. figura abaixo mostra uma sequência de circunferências de centros 1,,..., n com raios r 1, r,..., r n, respectivamente, todas tangentes às retas s e t, e cada circunferência, a partir da segunda,

Leia mais

Currículo da Disciplina de Matemática - 7º ano. Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Organização e Tratamento de Dados (OTD)

Currículo da Disciplina de Matemática - 7º ano. Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Organização e Tratamento de Dados (OTD) Domínios de conteúdos: Números e Operações (NO) Geometria e Medida (GM) Funções, Sequências e Sucessões (FSS) Álgebra (ALG) Organização e Tratamento de Dados (OTD) Domínio NO7 9 GM7 33 Números racionais

Leia mais

Uma Introdução às Construções Geométricas

Uma Introdução às Construções Geométricas page 1 Uma Introdução às Construções Geométricas Eduardo Wagner page 2 Texto já revisado pela nova ortografia. page 3 Eισαγωγή στ ις Γεωµετ ρική κατ ασκευές Eduardo Wagner page 4 page i Apresentação Oι

Leia mais

DAS CORDAS PARA O SENO: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO EM TRIGONOMETRIA

DAS CORDAS PARA O SENO: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO EM TRIGONOMETRIA DAS CORDAS PARA O SENO: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO EM TRIGONOMETRIA Bernadete Barbosa Morey Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN bernadetemorey@gmail.com Severino Carlos Gomes Instituto Federal

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA 1 - RESUMO DA ATIVIDADE Como exemplo de um método de medida, vamos mostrar como há três séculos antes de Cristo, Eratóstenes mediu o raio da Terra, utilizando

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO 6 o ANO MATEMÁTICA I Adição e subtração de frações: Frações com denominadores iguais. Frações com denominadores diferentes. Multiplicação de um número natural por uma fração. Divisão entre um número natural

Leia mais

QUADRILÁTEROS. Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada,

QUADRILÁTEROS. Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada, QUADRILÁTEROS Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada, A B C Lados: AB BC CD AD Vértices: A B C D Diagonais: AC BD D Algumas

Leia mais

O SOFTWARE GEOGEBRA E A CONSTRUÇÃO DO CICLO TRIGONOMÉTRICO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE TRIGONOMETRIA

O SOFTWARE GEOGEBRA E A CONSTRUÇÃO DO CICLO TRIGONOMÉTRICO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE TRIGONOMETRIA ISSN 2316-7785 O SOFTWARE GEOGEBRA E A CONSTRUÇÃO DO CICLO TRIGONOMÉTRICO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE TRIGONOMETRIA Charles Bruno da Silva Melo Centro Universitário Franciscano xarlesdemelo@yahoo.com.br

Leia mais

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA 40 5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA Propriedade: O lugar geométrico dos pontos do plano situados a uma distância constante r de um ponto fixo O é a circunferência de centro O e raio r. Notação: Circunf(O,r). Sempre

Leia mais

Prof. Dra. Vera Clotilde Garcia, Acad. Fabiana Fattore Serres, Acad. Juliana Zys Magro e Acad. Taís Aline Bruno de Azevedo.

Prof. Dra. Vera Clotilde Garcia, Acad. Fabiana Fattore Serres, Acad. Juliana Zys Magro e Acad. Taís Aline Bruno de Azevedo. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA SECRETARIA DE ENSINO À DISTÂNCIA O NÚMERO DE OURO Prof. Dra. Vera Clotilde Garcia, Acad. Fabiana Fattore Serres, Acad. Juliana Zys Magro

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 8.º ANO DE MATEMÁTICA 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de relacionar números racionais e dízimas, completar a reta numérica e ordenar números

Leia mais

Planificação de Matemática -6ºAno

Planificação de Matemática -6ºAno DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 Planificação

Leia mais

CONTEÚDOS METAS / DESCRITORES RECURSOS

CONTEÚDOS METAS / DESCRITORES RECURSOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual de Matemática 6º Ano Ano Letivo 2015/2016

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO SERGIO ALVES IME-USP Freqüentemente apresentada como um exemplo notável de sistema dedutivo, a Geometria tem, em geral, seus aspectos indutivos relegados a um segundo plano.

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Norte marolopes@hotmail.com

Leia mais

Construções Elementares com Régua e Compasso

Construções Elementares com Régua e Compasso TERCEIRLISTDEEXERCÍCIOS Fundamentos da Matemática II MTEMÁTIC DCET UESC Humberto José ortolossi Construções Elementares com Régua e Compasso (Entregar todos os exercícios até o dia 20/04/2004) 1 Construindo

Leia mais

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS

CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS CALEIDOSCÓPIOS DIÉDRICOS SIMETRIAS NO PLANO Introdução O conceito de simetria de figuras planas representadas em obras de arquitetura, de arte, de decoração e em numerosos exemplos naturais, intuitivamente

Leia mais

DESENHO GEOMÉTRICO. Clarissa Ferreira Albrecht Luiza Baptista de Oliveira. Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância

DESENHO GEOMÉTRICO. Clarissa Ferreira Albrecht Luiza Baptista de Oliveira. Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância Departamento de Arquitetura e Urbanismo Clarissa Ferreira Albrecht Luiza Baptista de Oliveira 20 Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância Desenho Geométrico Universidade Federal de Viçosa Reitora

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PROPOSTA DE PLANEJAMENTO DO REFERENCIAL CURRICULAR POR ETAPA - 8º ANO - ETAPA 1

SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PROPOSTA DE PLANEJAMENTO DO REFERENCIAL CURRICULAR POR ETAPA - 8º ANO - ETAPA 1 ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR(A): Números inteiros: operações e problemas. Operações com números racionais na forma Operar com números racionais (fracionários fracionária e decimal; e/ou decimais) em situações

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Vânia de Moura Barbosa Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco vanibosa@terra.com.br Introdução Um dos primeiros questionamentos

Leia mais

Software Régua e Compasso

Software Régua e Compasso 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CPPG TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 1ª Parte - Consulta Rápida Software Régua e Compasso A primeira

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 1. Crie dois pontos livres. Movimente-os. 2. Construa uma reta passando por estes dois pontos. 3. Construa mais dois pontos livres em qualquer lugar da tela, e o

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle 25/11/2012 1 2012 Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle A disciplina de Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle, com 40 horas/aulas, será dividida em 2 (duas) partes, sendo : Metrologia

Leia mais

O coeficiente angular

O coeficiente angular A UA UL LA O coeficiente angular Introdução O coeficiente angular de uma reta já apareceu na Aula 30. Agora, com os conhecimentos obtidos nas Aulas 40 e 45, vamos explorar mais esse conceito e descobrir

Leia mais

Quarta lista de exercícios.

Quarta lista de exercícios. MA092 Geometria plana e analítica Segundo semestre de 2015 Quarta lista de exercícios. Circunferência e círculo. Teorema de Tales. Semelhança de triângulos. 1. (Dolce/Pompeo) Um ponto P dista 7 cm do centro

Leia mais

Questões Complementares de Geometria

Questões Complementares de Geometria Questões Complementares de Geometria Professores Eustácio e José Ocimar Resolução comentada Outubro de 009 Questão 1_Enem 000 Um marceneiro deseja construir uma escada trapezoidal com 5 degraus, de forma

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

47º Problema de Euclides

47º Problema de Euclides 47º Problema de Euclides Como esquadrejar seu esquadro 1 O 47º Problema de Euclides, também chamado de 47ª Proposição de Euclides, assim como o Teorema de Pitágoras é representado por 3 quadrados. Para

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II. Notas de aula de Matemática. 3º ano/ensino Médio. Prof.

COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II. Notas de aula de Matemática. 3º ano/ensino Médio. Prof. COLÉGIO PEDRO II DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIDADE ESCOLAR HUMAITÁ II Notas de aula de Matemática 3º ano/ensino Médio Prof. Andrezinho NOÇÕES DE GEOMETRIA ESPACIAL Notas de aula de Matemática Prof. André

Leia mais

ESTÁTICA DE CORPO EXTENSO: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL. Leonardo Sampaio Motta. Antônio Carlos Fontes dos Santos

ESTÁTICA DE CORPO EXTENSO: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL. Leonardo Sampaio Motta. Antônio Carlos Fontes dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física ESTÁTICA DE CORPO EXTENSO: UMA ABORDAGEM EXPERIMENTAL

Leia mais

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades Marília Lidiane Chaves da Costa marilialidiane@gmail.com Izamara

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE 1. NÚMEROS NATURAIS ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA CLARA DE RESENDE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ESPECÍFICOS (Aprovados em Conselho Pedagógico a 21 de Outubro de 2014) No caso específico da disciplina de Matemática,

Leia mais

EDITAL 2015 Testes de Português e Matemática - Material: com foto PORTUGUÊS Indicação bibliográfica: Na ponta da língua MATEMÁTICA

EDITAL 2015 Testes de Português e Matemática - Material: com foto PORTUGUÊS Indicação bibliográfica: Na ponta da língua MATEMÁTICA EDITAL 2015 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Testes de Português e Matemática - Material: o candidato deverá trazer: lápis apontados, apontador, borracha e o Compreensão e interpretação de textos; exploração

Leia mais

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo.

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. 1. Círculos e cilindros 1.1. Planificação da superfície de um cilindro Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. A planificação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

Gráfico de Funções: Seno, Cosseno e Tangente

Gráfico de Funções: Seno, Cosseno e Tangente Reforço escolar M ate mática Gráfico de Funções: Seno, Cosseno e Tangente Dinâmica 6 1ª Série 4º Bimestre Professor DISCIPLINA Série CAMPO CONCEITO Matemática 1a do Ensino Médio Geométrico Trigonometria

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

MATEMÁTICA Abril 2015

MATEMÁTICA Abril 2015 152547 - Agrupamento de Escolas D. António Ferreira Gomes 342592 - Escola E.B. 2,3 D. António Ferreira Gomes INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA MATEMÁTICA Abril 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico

Leia mais

Trigonometria na circunferência

Trigonometria na circunferência Módulo 2 Unidade 20 Trigonometria na circunferência Para início de conversa... Figura 1: Reportagem do jornal O Globo da década de 1990 mostra o relógio da Central do Brasil, no Rio de Janeiro, sendo limpo

Leia mais

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA 1. Prismas Geometria Métrica

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP Péricles Bedretchuk Araújo Situações de aprendizagem: a circunferência, a mediatriz e uma abordagem com o Geogebra Dissertação apresentada à Banca Examinadora

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA A 1 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2014. Disciplina: MaTeMÁTiCa

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA A 1 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2014. Disciplina: MaTeMÁTiCa Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA A 1 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 201 Disciplina: MaTeMÁTiCa Prova: desafio nota: QUESTÃO 16 Em um paralelogramo, as medidas de dois ângulos

Leia mais

Experimento. O experimento. Engenharia de grego. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. O experimento. Engenharia de grego. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação Geometria e medidas O experimento Experimento Engenharia de grego Objetivos da unidade 1. Aplicar conceitos básicos de geometria plana na solução de um problema de construção civil; 2. Planejar, construir

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB I Semana de Educação Matemática: Discutindo o trabalho docente aliado às novas tendências educacionais 25 a 29 de maio de 2009 Minicurso: GEOGEBRA UM FORTE

Leia mais

Triângulo Retângulo. Exemplo: O ângulo do vértice em. é a hipotenusa. Os lados e são os catetos. O lado é oposto ao ângulo, e é adjacente ao ângulo.

Triângulo Retângulo. Exemplo: O ângulo do vértice em. é a hipotenusa. Os lados e são os catetos. O lado é oposto ao ângulo, e é adjacente ao ângulo. Triângulo Retângulo São triângulos nos quais algum dos ângulos internos é reto. O maior dos lados de um triângulo retângulo é oposto ao vértice onde se encontra o ângulo reto e á chamado de hipotenusa.

Leia mais

Caderno de Apoio 3.º Ciclo

Caderno de Apoio 3.º Ciclo METAS CURRICULARES DO ENSINO BÁSICO MATEMÁTICA Caderno de Apoio 3.º Ciclo António Bivar, Carlos Grosso, Filipe Oliveira, Maria Clementina Timóteo INTRODUÇÃO Este Caderno de Apoio, organizado por ciclos

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: ircunferência p. (Uneb-A) A condição para que a equação 6 m 9 represente uma circunferência é: a), m, ou, m, c) < m < e), m, ou,

Leia mais

caderno Matemática Matemática e suas Tecnologias ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS

caderno Matemática Matemática e suas Tecnologias ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS Matemática Matemática e suas Tecnologias caderno de ELABORAÇÃO DE ORIGINAIS BETO PAIVA Professor e coordenador pedagógico em escolas de ensino médio e cursos pré-vestibulares há mais de 35 anos. LEO PAULO

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Métrica Plana p. 0 Na figura a seguir tem-se r // s // t e y. diferença y é igual a: a) c) 6 e) b) d) 0 8 ( I) y 6 y (II) plicando a propriedade

Leia mais

Espelho, espelho meu...

Espelho, espelho meu... A UU L AL A Espelho, espelho meu... No meio do trânsito ouve-se a sirene da ambulância. Ernesto vira-se e pergunta ao pai: - Por que as letras escritas no capô da ambulância estão todas invertidas? Figura

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2009 Ensino Fundamental e Ensino Médio Nome do (a) Aluno (a): nº Atividade de: Desenho Geométrico Nível: E.Médio Classe: 2-3 Professor (a): 3º Trimestre Data:

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano

Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Distância entre pontos do plano euclidiano MÓDULO - AULA 8 Aula 8 Distância entre pontos do plano euclidiano Objetivos Nesta aula, você: Usará o sistema de coordenadas para calcular a distância entre dois

Leia mais

1 COMO ESTUDAR GEOMETRIA

1 COMO ESTUDAR GEOMETRIA Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA ESPACIAL I 1 COMO ESTUDAR GEOMETRIA Só relembrando a primeira aula de Geometria Plana, aqui vão algumas dicas bem úteis para abordagem geral de uma questão de geometria:

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATEMÁTICA Série: 9º ano do Ensino Fundamental

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

5o Encontro da RPM 3 a 4 de junho de 2011 Salvador - BA Minicurso. Computador na sala de aula: atividades com Geometria Dinâmica

5o Encontro da RPM 3 a 4 de junho de 2011 Salvador - BA Minicurso. Computador na sala de aula: atividades com Geometria Dinâmica 1 5o Encontro da RPM 3 a 4 de junho de 2011 Salvador - BA Minicurso Computador na sala de aula: atividades com Geometria Dinâmica Cristina Cerri IME USP Cada vez mais estamos incorporando o computador

Leia mais

Anual de Física 2014 1ª Lista de embasamento Espelhos Planos e Esféricos

Anual de Física 2014 1ª Lista de embasamento Espelhos Planos e Esféricos nual de Física 2014 Questão 01 figura mostra um par de espelhos E 1 e E 2 verticais distanciados 40 cm entre si. Dois pontos e encontram-se alinhados verticalmente e equidistantes dos dois espelhos como

Leia mais

ENSINAR E APRENDER COM A GEOMETRIA DAS DOBRADURAS. Palavras-chave: Origami; Ensino-Aprendizagem; Geometria Plana.

ENSINAR E APRENDER COM A GEOMETRIA DAS DOBRADURAS. Palavras-chave: Origami; Ensino-Aprendizagem; Geometria Plana. ENSINAR E APRENDER COM A GEOMETRIA DAS DOBRADURAS Luana Lazzari 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Bento Gonçalves luana.lazzari@bento.ifrs.edu.br Marcos

Leia mais

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I:

Unidade: Vetores e Forças. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Vetores e Forças 2.VETORES 2.1 Introdução Os vetores são definidos como entes matemáticos que dão noção de intensidade, direção e sentido. De forma prática, o conceito de vetor pode

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na fgv

CPV O cursinho que mais aprova na fgv O cursinho que mais aprova na fgv FGV economia a Fase 0/novembro/008 MTEMÁTI 0. umentando a base de um triângulo em 0% e reduzindo a altura relativa a essa base em 0%, a área do triângulo aumenta em %.

Leia mais

Atividades com o GeoGebra: possibilidades para o ensino e aprendizagem da Geometria no Fundamental

Atividades com o GeoGebra: possibilidades para o ensino e aprendizagem da Geometria no Fundamental Atividades com o GeoGebra: possibilidades para o ensino e aprendizagem da Geometria no Maria da Conceição Alves Bezerra Universidade Federal da Paraíba Brasil mcabst@hotmail.com Cibelle Castro de Assis

Leia mais

. Para que essa soma seja 100, devemos ter 56 + 2x donde 2x = 44 e então x = 22, como antes.

. Para que essa soma seja 100, devemos ter 56 + 2x donde 2x = 44 e então x = 22, como antes. OBMEP 008 Nível 3 1 QUESTÃO 1 Carlos começou a trabalhar com 41-15=6 anos. Se y representa o número total de anos que ele trabalhará até se aposentar, então sua idade ao se aposentar será 6+y, e portanto

Leia mais

INTERAÇÕES E APRENDIZAGENS EM AULAS DE MATEMÁTICA MEDIADAS POR SOFTWARES LIVRES

INTERAÇÕES E APRENDIZAGENS EM AULAS DE MATEMÁTICA MEDIADAS POR SOFTWARES LIVRES INTERAÇÕES E APRENDIZAGENS EM AULAS DE MATEMÁTICA MEDIADAS POR SOFTWARES LIVRES GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A. Patricia Splilimbergo, UNIJUI, patspi@unijui.edu.br

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

Prova Final 2012 1.ª chamada

Prova Final 2012 1.ª chamada Prova Final 01 1.ª chamada 1. Num acampamento de verão, estão jovens de três nacionalidades: jovens portugueses, espanhóis e italianos. Nenhum dos jovens tem dupla nacionalidade. Metade dos jovens do acampamento

Leia mais

PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 2002 2ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA.

PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 2002 2ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA. PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 00 ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA. QUESTÃO.01.Carlos, Luis e Sílvio tinham, juntos, 100 mil reais para investir por um ano. Carlos

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%) Distribuição das.08 Questões do I T A 9 (8,97%) 0 (9,9%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais (, 0 (9,6%) Geo. Analítica Conjuntos (,96%) Geo. Espacial Funções Binômio de Newton

Leia mais

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab.

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab. MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito Questão 01 [ 2,00 pts ] Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso

Leia mais

DESCOBRINDO O TEOREMA DE PITÁGORAS: UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

DESCOBRINDO O TEOREMA DE PITÁGORAS: UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DESCOBRINDO O TEOREMA DE PITÁGORAS: UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Renata Urruth Rosa, PUCRS e Helena Noronha Cury, PUCRS Neste trabalho, é apresentado um relato de parte de uma investigação

Leia mais

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura.

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura. NOME: ANO: º Nº: POFESSO(A): Ana Luiza Ozores DATA: Algumas definições Áreas: Quadrado: EVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência A, onde representa o lado etângulo: A b h, onde b representa a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO Jorge Costa do Nascimento Introdução Na produção desse texto utilizamos como fonte de pesquisa material

Leia mais

MINICURSO: CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS INTERATIVAS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA

MINICURSO: CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS INTERATIVAS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA ISSN 2177-9139 MINICURSO: CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS INTERATIVAS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA Vanessa Etcheverria Cassuriaga vanessa19921000@hotmail.com Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus

Leia mais

Relações Métricas nos. Dimas Crescencio. Triângulos

Relações Métricas nos. Dimas Crescencio. Triângulos Relações Métricas nos Dimas Crescencio Triângulos Trigonometria A palavra trigonometria é de origem grega, onde: Trigonos = Triângulo Metrein = Mensuração - Relação entre ângulos e distâncias; - Origem

Leia mais

TRABALHO DE DEPENDÊNCIA TURMA: 2ª SÉRIE CONTEÚDOS RELATIVOS AO 1º E 2º BIMESTRE MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ROGERIO

TRABALHO DE DEPENDÊNCIA TURMA: 2ª SÉRIE CONTEÚDOS RELATIVOS AO 1º E 2º BIMESTRE MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ROGERIO TRABALHO DE DEPENDÊNCIA TURMA: 2ª SÉRIE CONTEÚDOS RELATIVOS AO 1º E 2º BIMESTRE MATEMÁTICA 2 PROFESSOR ROGERIO OBSERVAÇÕES: 1) AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA A PARTE COM

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO 3.º CICLO do Ensino BÁSICO Decreto-Lei n.º 139/01, de 5 de julho Prova Final de Matemática 3.º Ciclo do Ensino Básico Prova 9/1.ª Chamada 8 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância:

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 TEOREMA DE TALES. Na figura abaixo as retas r, s e t são (A) 0 (B) 6 (C) 00 (D) 80 (E) 0. Três retas paralelas são cortadas por duas Se AB = cm; BC = 6 cm e XY = 0 cm a medida, em cm, de XZ é: (A) 0 (B)

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

Projeção ortográfica da figura plana

Projeção ortográfica da figura plana A U L A Projeção ortográfica da figura plana Introdução As formas de um objeto representado em perspectiva isométrica apresentam certa deformação, isto é, não são mostradas em verdadeira grandeza, apesar

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS.

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS. ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS ÁLGEBRA I: 003 a 013 Funções: definição de função; funções definidas por

Leia mais

Pré-Seleção OBM Nível 3

Pré-Seleção OBM Nível 3 Aluno (a) Pré-Seleção OBM Nível 3 Questão 1. Hoje é sábado. Que dia da semana será daqui a 99 dias? a) segunda-feira b) sábado c) domingo d) sexta-feira e) quinta feira Uma semana tem 7 dias. Assim, se

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida. 9 ENSINO 9-º ano Matemática FUNDAMENTAL Atividades complementares Este material é um complemento da obra Matemática 9 Para Viver Juntos. Reprodução permitida somente para uso escolar. Venda proibida. Samuel

Leia mais

Jardim de Números. Série Matemática na Escola

Jardim de Números. Série Matemática na Escola Jardim de Números Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir plano cartesiano; 2. Marcar pontos e traçar objetos geométricos simples em um plano cartesiano. Jardim de Números Série Matemática na

Leia mais

Professores: Luiz Davi Mazzei e Marcus Vinicius de Azevedo Basso. Acadêmicos: Andressa dos Santos, Diego Lima e Jean Rodrigo Teixeira.

Professores: Luiz Davi Mazzei e Marcus Vinicius de Azevedo Basso. Acadêmicos: Andressa dos Santos, Diego Lima e Jean Rodrigo Teixeira. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL COLÉGIO DE APLICAÇÃO - INSTITUTO DE MATEMÁTICA OFICINAS DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA LABORATÓRIO DE PRÁTICA DE ENSINO EM MATEMÁTICA Professores: Luiz Davi

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais