Enterprise Application Integration (EAI)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Enterprise Application Integration (EAI)"

Transcrição

1 Enterprise Application Integration (EAI) Histórico Sistemas de Informação (SI) muito caros As empresas passaram a contar com mais de um SI July Any Rizzo Oswaldo Filho Informações perdidas por falta de integração entre SI s Surgiu a necessidade de integração de SI s modernizar, consolidar e coordenar 08 de maio de 2006 Cenário Problema Corporações nos últimos 40 anos: Vários sistemas operacionais Diversas plataformas em diferentes departamentos Variadas linguagens de desenvolvimento Documentação desatualizada Processos não reutilizáveis Inconsistência de informações Como fazer todas essas aplicações funcionarem juntas? Com integração Ex: RH necessita de informações da contabilidade, a área de vendas deve estar ciente do nível de estoque, os vendedores podem dar baixa em um produto do estoque Simplicidade da matemática Qual seria o ideal? Se fosse necessário integrar as N aplicações da empresa? Soluções de integração específicas para cada par de sistemas eram criadas (N(N-1))/2 conexões ponto-a-ponto são necessárias Um único sistema que integrasse todos os outros em uma interface única que permitisse o trânsito de usuários autorizados por eles 1

2 E para que isso seja obtido EAI Infra-estrutura de integração consistente Aplicações heterogêneas interligadas Cenário de constantes mudanças Não há mais tempo para atualizações em massa de sistemas ou estratégias de grandes substituições. Enterprise Application Integration ( Integração de Aplicações Corporativas ) Tecnologia que permite a troca e movimentação de informação entre diferentes Aplicações, internas ou externas à Organização de acordo com definições flexíveis de Processos de Negócio Arquitetura EAI A Tradicional Integração de Sistemas vs. EAI Implementação de um conjunto de definições tecnológicas em termos de Messaging, normalizações do modelo de dados global da empresa (Metadata) e adaptadores destinados a instanciar estas normas e definições na forma como as diversas aplicações comunicam com a Arquitetura Global da Empresa. Tecnologias de Integração usadas pelo EAI Tecnologias de Integração usadas pelo EAI Transparente - Mantendo-se pouco ou nada intrusiva às aplicações Flexível - Adaptando-se a diversos ambientes operacionais, utilizando-se as plataformas de hardware e software já existentes Confiável - Possui mecanismos de garantia de entrega e controle passo a passo do processo Gerenciável - Com ferramentas e procedimentos de controle e customização Reutilizável - Compartilhando os conhecimentos armazenados em repositório Produtiva - Tempos de implementação 30 a 50% mais rápido que os métodos tradicionais 2

3 Diferentes tipos de EAI 1. Integração de Plataformas 1. Integração de Plataformas 2. Integração de Dados 3. Integração de Aplicações 4. Integração de Componentes 5. Integração de Processos 6. Integração B2B Fornecem conectividade entre equipamentos, sistemas operacionais e aplicações heterogêneas Incluem diferentes : Plataformas de hardware Sistemas operacionais Aplicativos Protocolo TCP/IP 2. Integração de Dados 3. Integração de Aplicações Gateways para Bancos de Dados em SQL Ferramentas de extração, transformação, movimentação e carga de dados Permitem o mapeamento de dados entre diferentes sistemas/aplicações Similar a Data-Warehouse ou Data-Mart Tradução e transformação de dados com base em eventos Roteamento dos dados com base em regras e conteúdos Adaptadores de Aplicações através de APIs com sistemas de Back e Front Office Aplicações personalizadas 4. Integração de Componentes 5. Integração de Processos Permite novas funcionalidades pela combinação de sistemas de Back e Front Office usando um Servidor de Aplicações. Inclui serviços como: balanceamento de carga, proteção de falhas, gerenciamento de seções e estado, segurança e acesso a bases de dados relacionais e não relacionais. Pode incluir adaptadores de aplicações e serviços de middleware para mensagens. Permitem definir, monitorar e alterar os processos de negócios Permitem modelar Processos e Workflow Podem ter uma interface gráfica para modelagem São baseados em regras de negócios 3

4 6. Integração B2B EAI é um processo contínuo Além das fronteiras das empresas Integra clientes, fornecedores e parceiros Integra dados, informações, processos e conhecimentos Integrar aplicações não é um processo único mas sim, uma tarefa contínua. A aplicação que estamos desenvolvendo hoje terá que ser integrada amanhã. A experiência nos ensina que: Não existe a última integração Vantagens do EAI Vantagens do EAI Não têm necessidade de modificações diretas no código das Aplicações. Menores custos de manutenção Redução dos custos, em virtude da substituição de Interfaces específicas e do volume de operações periódicas. Abandono da rigidez das Interface hard coded e adoção de um processo flexível e configurável, que pode ser implementado de forma faseada Envolvimento do Negócio nos processos de Integração Capacidade de alargar o esforço de integração para fora da empresa (internet) Você precisa saber também que... Você precisa saber também que... Produtos EAI não oferecem uma solução acabada O mercado dos produtos EAI não é homogêneo Nenhum produto EAI faz tudo EAI integrará produtos de desenvolvimento e de integração de aplicações Soluções EAI são aplicações sérias Os adaptadores de EAI não são criados iguais XML não é uma solução EAI, apenas ajuda na criação dos adaptadores básicos usados na EAI 4

5 Por que EAI é importante? Porque ele soluciona problemas de incompatibilidade de sistemas existentes em praticamente todas as médias e grandes empresas Porque é mais simples integrar do que reconstruir Porque reduz custos Exemplos XI (SAP) (Bea) BizTalk (Microsoft) XMLTalk (Ideais) PSI (SysMap) Conclusão Contato A Tradicional Integração de Sistemas EAI Integração Os 6 Tipos de Integração Vantagens e importâncias O que o EAI não faz Programa de Capacitação em Liderança Exemplos 5

OUTROS TRABALHOS EM:

OUTROS TRABALHOS EM: OUTROS TRABALHOS EM: www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Produção Industrial Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada à Produção Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 5: O Armazenamento

Leia mais

Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães.

Data Warehouse ETL. Rodrigo Leite Durães. Data Warehouse ETL Rodrigo Leite Durães rodrigo_l_d@yahoo.com.br Introdução Um dos desafios da implantação de um DW é a integração dos dados de fontes heterogêneas e complexas, padronizando informações,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA Sistemas Distribuídos Mestrado em Ciência da Computação 1o. Semestre / 2006 Prof. Fábio M. Costa fmc@inf.ufg.br www.inf.ufg.br/~fmc/ds-msc2006 Aula

Leia mais

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles.

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles. Web Services Web Service é um componente de software identificado por uma URI que independe de implementação ou de plataforma e pode ser descrito, publicado e invocado sobre uma rede por meio de mensagens

Leia mais

Web Services - Definição. Web Services - Introdução. Universidade Federal de Santa Catarina. DSOOII Web Services

Web Services - Definição. Web Services - Introdução. Universidade Federal de Santa Catarina. DSOOII Web Services Universidade Federal de Santa Catarina DSOOII Web Services Web Services - Introdução Havia inconsistência de plataformas, sistemas operacionais e/ou linguagens de programação; Acadêmicos: Ariane Talita

Leia mais

Aula 1: Apresentação, Computação Corporativa

Aula 1: Apresentação, Computação Corporativa Aula 1: Apresentação, Computação Corporativa Diego Passos Universidade Federal Fluminense Técnicas de Projeto e Implementação de Sistemas II Diego Passos (UFF) Apresentação, Computação Corporativa TEPIS

Leia mais

Desenvolvimento Baseado em Componentes e o Enfoque de Linha de Produtos

Desenvolvimento Baseado em Componentes e o Enfoque de Linha de Produtos Desenvolvimento Baseado em Componentes e o Enfoque de Linha de Produtos Segundo Workshop de Desenvolvimento Baseado em Componentes Itana Maria de Souza Gimenes itana@din.uem.br Departamento de Informática

Leia mais

LEGEM O SOFTWARE É AUTOEXPLICATIVO E POSSUI UMA INTERFACE PRÁTICA E ADERENTE AOS PRINCIPAIS PADRÕES INTERNACIONAIS

LEGEM O SOFTWARE É AUTOEXPLICATIVO E POSSUI UMA INTERFACE PRÁTICA E ADERENTE AOS PRINCIPAIS PADRÕES INTERNACIONAIS SOLUÇÃO JURÍDICA LEGEM O SOFTWARE É AUTOEXPLICATIVO E POSSUI UMA INTERFACE PRÁTICA E ADERENTE AOS PRINCIPAIS PADRÕES INTERNACIONAIS MODERNA, A SOLUÇÃO INTEGRA TODAS AS ATIVIDADES DO DEPARTAMENTO JURÍDICO

Leia mais

Auditoria de controles organizacionais. Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana

Auditoria de controles organizacionais. Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana Auditoria de controles organizacionais Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana Definição de controles organizacionais Os controles organizacionais e operacionais são os controles administrativos instalados nos

Leia mais

Reuso de Software Aula Maio 2012

Reuso de Software Aula Maio 2012 Reuso de Software Aula 19 Tópicos da Aula Engenharia de Software baseada em Componentes (CBSE) Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com Componentes Modelos de Componentes

Leia mais

Descrição do Requisito

Descrição do Requisito ANEXO III 1 REQUISITOS TÉCNICOS A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste Anexo. Os requisitos não funcionais e técnicos

Leia mais

Arquiteturas para SGBD. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

Arquiteturas para SGBD. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Arquiteturas para SGBD Laboratório de Bases de Dados Arquitetura Centralizada Terminal responsável pela exibição dos resultados sem capacidade de processamento Computador central (mainframe) responsável

Leia mais

Domínio Personalizado 1 Não aplicável. Largura de Banda

Domínio Personalizado 1 Não aplicável. Largura de Banda Serviço Cloud SAP Fiori Serviço Cloud SAP Fiori, edição premium Termos e Condições Suplementares Estes termos e condições suplementares ("Suplemento") fazem parte de um contrato de aquisição de certos

Leia mais

Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning)

Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) O que significa ERP? ERP - Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais) são sistemas de informações que integram todos os dados e processos

Leia mais

PROTEGENDO O AMBIENTE DE GERAÇÃO DE NUVEM

PROTEGENDO O AMBIENTE DE GERAÇÃO DE NUVEM PROTEGENDO O AMBIENTE DE GERAÇÃO DE NUVEM BRADON ROGERS VICE-PRESIDENTE SÊNIOR ESTRATÉGIA DE PRODUTOS E OPERAÇÕES Grandes mudanças levam organizações a repensar a segurança PADRÕES DE USO DE REDE EM EVOLUÇÃO

Leia mais

Aula 3. USANDO A TECNOLOGIA COMO SUPORTE Tecnologias de Apoio

Aula 3. USANDO A TECNOLOGIA COMO SUPORTE Tecnologias de Apoio Aula 3 USANDO A TECNOLOGIA COMO SUPORTE Tecnologias de Apoio Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos:

Leia mais

Por que é importante?

Por que é importante? Disciplina: Engenharia de Software 3 Bimestre Aula 5: ENGENHARIA DE SOFTWARE BASEADA EM COMPONENTES Para o desenvolvimento de softwares customizados, a engenharia de software baseada em componentes é uma

Leia mais

1.2- Ambientes de Middleware

1.2- Ambientes de Middleware 1.2- Ambientes de Middleware Applications RMI, RPC and events Request reply protocol Middleware layers External data representation Operating System Fonte: [Coulouris] 1 1.2- Ambientes de Middleware Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores Prof. Fred Sauer

Redes de Computadores Prof. Fred Sauer Redes de Computadores Prof. Fred Sauer http://www.fredsauer.com.br fsauer@gmail.com Quem sou eu... Prof. Frederico Sauer (Fred) Mestre e Doutor UFRJ com dissertação e tese em Segurança e Gerenciamento

Leia mais

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB : EJB Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta

Leia mais

KASPERSKY ENDPOINT SECURITY FOR BUSINESS Select Ferramentas para capacitar uma equipe de trabalho móvel, garantir a conformidade com políticas de segurança de TI e bloquear malware. O nível Select da Kaspersky

Leia mais

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS Marcelo Henrique dos Santos Marcelo Henrique dos Santos Email: Site: marcelosantos@outlook.com www.marcelohsantos.com.br TECNOLOGIA EM JOGOS

Leia mais

Análise e Projeto de Software

Análise e Projeto de Software Análise e Projeto de Software Proj. Desenvolvimento de Software Prof. Cleverton Hentz cleverton.hentz@ifrn.edu.br 8 de junho de 2017 Material Apresentado Sumário de Aula 1 Introdução 2 Estruturação do

Leia mais

CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação ERP. Tópicos Especiais em Sistemas de Informação

CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação ERP.  Tópicos Especiais em Sistemas de Informação CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação ERP Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Engenharia de Software. Projeto de Arquitetura

Engenharia de Software. Projeto de Arquitetura Engenharia de Software Projeto de Arquitetura O que já vimos? Introdução a Engenharia de Software Processos de Software Desenvolvimento Ágil de Software Engenharia de Requisitos Modelagem de sistemas (outra

Leia mais

Fonte : sistemaerp.org

Fonte : sistemaerp.org Fonte : sistemaerp.org O QUE É SISTEMA ERP? ERP- ENTERPRISE RESOURCE PLANNING É um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais

Leia mais

Gerenciamento de Redes. Alan Santos

Gerenciamento de Redes. Alan Santos Gerenciamento de Redes Alan Santos Ciclo de gerenciamento Quando falamos de gerenciamento de redes devemos primeiro estabelecer o que será gerenciado e o que se espera como resultado desse gerenciamento.

Leia mais

BPMN e BPMS. Ad, Décio, Marcos, Yuri

BPMN e BPMS. Ad, Décio, Marcos, Yuri BPMN e BPMS Ad, Décio, Marcos, Yuri BPM - Business Process Management Surgimento Contexto Conceito Prós e Contras Ciclo de vida Design Modelagem Execução Monitoramento Otimização Reengenharia BPMn - Business

Leia mais

Redes Industriais. Curso: Téc. Automação Professor: Regis Isael

Redes Industriais. Curso: Téc. Automação Professor: Regis Isael Redes Industriais Curso: Téc. Automação Professor: Regis Isael Conceitos Básicos Arquitetura TCP/IP TCP/IP é o nome que se dá a toda a família de protocolos utilizados pela Internet. Oficialmente esta

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas ERP, CRM e SCM 2017 Tipos de Sistemas de Informação Vimos anteriormente que os diversos Sistemas de Informação presentes em uma empresa podem ser vistos sob diferentes

Leia mais

Aplicativos Integrados. Profa. Dra. Ellen Francine Barbosa PAE Lívia Castro Degrossi

Aplicativos Integrados. Profa. Dra. Ellen Francine Barbosa PAE Lívia Castro Degrossi Aplicativos Integrados Profa. Dra. Ellen Francine Barbosa PAE Lívia Castro Degrossi Aplicativos Integrados ERP (Enterprise Resource Planning) CRM (Consumer Relationship Management) SCM (Supply Chain Management)

Leia mais

ORGANIZANDO DADOS E INFORMAÇÕES: Bancos de Dados

ORGANIZANDO DADOS E INFORMAÇÕES: Bancos de Dados ORGANIZANDO DADOS E INFORMAÇÕES: Bancos de Dados Gestão da Informação (07182) Instituto de Ciências Econ., Adm. e Contábeis (ICEAC) Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Gestão de Dados As organizações

Leia mais

Entrega contínua: automatizar o pipeline de implantação

Entrega contínua: automatizar o pipeline de implantação White Paper Deployment Authomation Entrega contínua: automatizar o pipeline de implantação Índice página O valor da entrega contínua.... 1 A desconexão entre criar e implantar.... 3 Automação e integração

Leia mais

Aula de OSM I Sistemas de Gestão Empresarial ERP

Aula de OSM I Sistemas de Gestão Empresarial ERP Aula de OSM I Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Esp. Adriano Rissi ERP ERP, é uma acrônimo em Inglês que significa Enterprise Resource Planning, que em português significa; Planejamento dos Recursos

Leia mais

Conceitos, Arquitetura e Design

Conceitos, Arquitetura e Design capítulo 1 Conceitos, Arquitetura e Design 1.1 O que são os serviços de diretórios? Segundo a Wikipédia: Um serviço de diretório é um software que armazena e organiza informações sobre os recursos e os

Leia mais

RH e Folha de Pagamento Soluções que agregam valor ao seu negócio. People Knowledge Technology

RH e Folha de Pagamento Soluções que agregam valor ao seu negócio. People Knowledge Technology RH e Folha de Pagamento Soluções que agregam valor ao seu negócio People Knowledge Technology Nós Trabalhamos para o seu Sucesso Há duas décadas a Datamace se dedica ao desenvolvimento de soluções integradas

Leia mais

Solisc 2010 Uma Introdução ao Pentaho BI Open Source

Solisc 2010 Uma Introdução ao Pentaho BI Open Source Solisc 2010 Uma Introdução ao Pentaho BI Open Source Marcio Junior Vieira marcio @ ambientelivre.com.br Sobre o Palestrante A 10 anos trabalha nas áreas de análise, consultoria e desenvolvimento de sistemas.

Leia mais

Banco de Dados. Aula 2 - Prof. Bruno Moreno 19/08/2011

Banco de Dados. Aula 2 - Prof. Bruno Moreno 19/08/2011 Banco de Dados Aula 2 - Prof. Bruno Moreno 19/08/2011 Aula passada.. Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza

Leia mais

Arquiteturas. capítulo

Arquiteturas. capítulo Arquiteturas capítulo 2 Modelos de arquitetura de sistemas distribuídos Clientes realizam pedidos a servidores Client invocation invocation Server result Server result Client Key: Process: Computer: Modelos

Leia mais

LÍDER EM VAREJO AUMENTA PRODUTIVIDADE E ROI COM FERRAMENTAS ATLASSIAN 2016 LÍDER EM VAREJO AUMENTA PRODUTIVIDADE E ROI COM FERRAMENTAS ATLASSIAN

LÍDER EM VAREJO AUMENTA PRODUTIVIDADE E ROI COM FERRAMENTAS ATLASSIAN 2016 LÍDER EM VAREJO AUMENTA PRODUTIVIDADE E ROI COM FERRAMENTAS ATLASSIAN LÍDER EM VAREJO AUMENTA PRODUTIVIDADE E ROI COM FERRAMENTAS ATLASSIAN 2016 1 LÍDER EM VAREJO AUMENTA PRODUTIVIDADE E ROI COM FERRAMENTAS ATLASSIAN 2016 Organizações globais que trabalham com times distribuídos

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:25. Centro de Ciências Exatas e Naturais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:25. Centro de Ciências Exatas e Naturais 7// 9:5 Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso: 6 Sistemas de Informação (Noturno) Currículo: / ADM.96.-7 Funções Empresariais I Ementa: Introdução à administração. Conceitos de Organização e Administração.

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE COM O MICROSOFT SQL SERVER

IMPLEMENTAÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE COM O MICROSOFT SQL SERVER 20463 - IMPLEMENTAÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE COM O MICROSOFT SQL SERVER CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Estrutura de tópicos do curso Módulo 1: Introdução ao Data Warehouse Este módulo fornece uma introdução aos principais

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 11 Serviços de Envio de

Leia mais

Ferramentas de front-end no mercado. Carlos Sousa, Elivelton Delfino, Jeann Pereira e Jorge Bastos

Ferramentas de front-end no mercado. Carlos Sousa, Elivelton Delfino, Jeann Pereira e Jorge Bastos Ferramentas de front-end no mercado Carlos Sousa, Elivelton Delfino, Jeann Pereira e Jorge Bastos Introdução Conhecidas também por: ferramentas OLAP, surgiram no final da década de 90; São ferramentas

Leia mais

www.compras.mg.gov.br O PORTAL DE COMPRAS HISTÓRICO Implantação do Sistema Integrado de Administração de Materiais e Serviços - SIAD em 2004 Obrigatoriedade de utilização pela Administração Direta e Indireta

Leia mais

Sustentabilidade. Gestão

Sustentabilidade. Gestão Inovação Solução Completa em Tecnologia da Informação Unimed. Sustentabilidade Competitividade Solução Gestão Integração Capacitação Solução Completa em Tecnologia da Informação Unimed. Processos, pessoas

Leia mais

Uma ferramenta de geração de Workflows para a plataforma ERP5

Uma ferramenta de geração de Workflows para a plataforma ERP5 Uma ferramenta de geração de Workflows para a plataforma ERP5 Vanderson Mota dos Santos Rogério Atem de Carvalho ** Palavras-chave: Geração de código. Workflows. ERP5. UML. ERP. Diagrama de Máquina de

Leia mais

Oracle Healthcare Foundation Acelerando a evolução dos cuidados médicos

Oracle Healthcare Foundation Acelerando a evolução dos cuidados médicos Oracle Healthcare Foundation Acelerando a evolução dos cuidados médicos De indivíduos a populações, preenchendo a lacuna no tratamento médico para uma saúde melhor Desafios enfrentados pelo setor de assistência

Leia mais

Software de Controle de Acesso

Software de Controle de Acesso Software de Controle de Acesso O W-Access é um software de controle de acesso 100% nacional, com padrões internacionais de qualidade, adequado ao mercado brasileiro e totalmente gerenciável por navegadores

Leia mais

Rede de computadores Cliente- servidor. Professor Carlos Muniz

Rede de computadores Cliente- servidor. Professor Carlos Muniz Rede de computadores Professor Carlos Muniz Definição Cliente-servidor é um modelo computacional que separa clientes e servidores, sendo interligados entre si geralmente utilizando-se uma rede de computadores.

Leia mais

ISO/IEC Processo de ciclo de vida

ISO/IEC Processo de ciclo de vida ISO/IEC 12207 Processo de ciclo de vida O que é...? ISO/IEC 12207 (introdução) - O que é ISO/IEC 12207? - Qual a finalidade da ISO/IEC 12207? Diferença entre ISO/IEC 12207 e CMMI 2 Emendas ISO/IEC 12207

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Plano de Curso. Plano de Curso 04/03/12 ! EMENTA:

Sistemas Distribuídos. Plano de Curso. Plano de Curso 04/03/12 ! EMENTA: Sistemas Distribuídos Prof. Msc. André Luiz Nasserala Pires nassserala@gmail.com! EMENTA: Plano de Curso! Conceitos. Comunicação entre processos (IPC). Programação de aplicações cliente- servidor. Sincronização

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSO

TECNOLOGIA DE PROCESSO TECNOLOGIA DE PROCESSO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc INTRODUÇÃO Tecnologia de processo são máquinas, equipamentos e dispositivos que ajudam a produção a transformar materiais, informações e consumidores

Leia mais

Banco de Dados Relacional

Banco de Dados Relacional Centro Federal de Educação Tecnológica de Pernambuco Curso de Tecnologia em Sistemas de Informação Banco de Dados Relacional Renata Lúcia Mendonça Ernesto do Rêgo rlrego@yahoo.com 1 Plano de Ensino Objetivo

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 4-03/05/2006 1 Modelos Prescritivos de Processo Modelo em cascata Modelos incrementais Modelo incremental Modelo RAD Modelos

Leia mais

Programação Distribuída. Metas de um Sistema Distribuído

Programação Distribuída. Metas de um Sistema Distribuído Programação Distribuída Metas de um Sistema Distribuído Programação Distribuída Metas de um Sistema Distribuído Um S.D. deve oferecer: 1. fácil acesso a seus recursos; 2. ocultar onde estão esses recursos,

Leia mais

Os componentes e o ambiente para O desenvolvimento de um SAD. Prof. Walteno Martins Parreira Jr

Os componentes e o ambiente para O desenvolvimento de um SAD. Prof. Walteno Martins Parreira Jr Os componentes e o ambiente para O desenvolvimento de um SAD Prof. Walteno Martins Parreira Jr waltenomartins@yahoo.com Introdução Um sistema de apoio à decisão (SAD) auxilia o processo de decisão gerencial,

Leia mais

Tecnologias da Informação TI /2 Material de apoio ler bibliografia recomendada (Stair)

Tecnologias da Informação TI /2 Material de apoio ler bibliografia recomendada (Stair) Objetivos: Hardware, Software e Sistemas de gerenciamento de Banco de dados. Capítulos 3, 4 e 5 Stair. Hardware (HW) Qualquer maquinário que assiste nas atividades de: Entrada Processamento de um Sistema

Leia mais

Aula 2: Arquitetura em Três Camadas e APIs

Aula 2: Arquitetura em Três Camadas e APIs Aula 2: Arquitetura em Três Camadas e APIs Diego Passos Universidade Federal Fluminense Técnicas de Projeto e Implementação de Sistemas II Diego Passos (UFF) Arquitetura em Três Camadas e APIs TEPIS II

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 É o sistema de informações desenvolvido para atender às necessidades do nível estratégico da corporação. auxilia a direção da corporação

Leia mais

Gerência de Redes Visão Geral

Gerência de Redes Visão Geral Gerência de Redes Visão Geral Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Gerenciamento de Redes Evolução do Gerenciamento Áreas Funcionais Elementos do Gerenciamento Plataformas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA /1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO NA ÁREA DE INFORMÁTICA: HABILITAÇÃO TÉCNICO EM INFORMÁTICA NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2008/1 DC 9481 03/10/07 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 278 do Conselho

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviços SOA

Arquitetura Orientada a Serviços SOA Arquitetura Orientada a Serviços SOA Rápida Definição SOA diz respeito a um estilo de arquitetura de software onde as funcionalidades das aplicações são orientadas a serviços. Elementos do SOA Visão Conceitual

Leia mais

Com o Monitor do sistema, você pode medir o desempenho de seu próprio computador ou de outros computadores da rede, das maneiras a seguir:

Com o Monitor do sistema, você pode medir o desempenho de seu próprio computador ou de outros computadores da rede, das maneiras a seguir: MONITORAMENTO Com o Monitor do sistema, você pode medir o desempenho de seu próprio computador ou de outros computadores da rede, das maneiras a seguir: Coletar e exibir dados de desempenho em tempo real

Leia mais

Introdução a Sistemas de Informação

Introdução a Sistemas de Informação Introdução a Sistemas de Informação Orivaldo Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho, Fernando Fonseca & Ana Carolina Salgado Graduação 1 Introdução Sistema de Informação (SI)

Leia mais

Técnico em Informática. Banco de Dados. Profª Ana Paula Mandelli

Técnico em Informática. Banco de Dados. Profª Ana Paula Mandelli Técnico em Informática Banco de Dados Profª Ana Paula Mandelli Banco de Dados (BD) Existem vários tipos de banco de dados e eles estão presentes na nossa vida há muito tempo. Lista Telefônica Cadastro

Leia mais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais

Curso: Banco de Dados I. Conceitos Iniciais Curso: Conceitos Iniciais Discussão inicial O que são Bancos de Dados? Quais os programas de Bancos de Dados mais conhecidos no mercado? Quais as vantagens do uso de Bancos de Dados nas empresas? Como

Leia mais

Banco de Dados e Engenharia de Software

Banco de Dados e Engenharia de Software Banco de Dados e Engenharia de Software Agenda Introdução a Banco de Dados Lógica Elementar, Conjuntos e Relações Arquitetura de Banco de Dados Linguagem SQL Modelo conceitual para Banco de Dados Transações

Leia mais

PDS. Aula 1.6 Modelos de Processo. Prof. Dr. Bruno Moreno

PDS. Aula 1.6 Modelos de Processo. Prof. Dr. Bruno Moreno PDS Aula 1.6 Modelos de Processo Prof. Dr. Bruno Moreno bruno.moreno@ifrn.edu.br Tipos de Modelos Modelo em Cascata; Prototipação; RAD; Modelo Incremental; Desenvolvimento Evolucionário; Desenvolvimento

Leia mais

E-Guide A GESTÃO DE PLATAFORMAS UNIFICADAS PARA UC EM NUVENS HÍBRIDAS É UMA NECESSIDADE

E-Guide A GESTÃO DE PLATAFORMAS UNIFICADAS PARA UC EM NUVENS HÍBRIDAS É UMA NECESSIDADE E-Guide A GESTÃO DE PLATAFORMAS UNIFICADAS PARA UC EM NUVENS HÍBRIDAS É UMA NECESSIDADE A s i n s t a l a ç õ e s m a i s maduras de comunicações unificadas em nuvem híbrida oferecem um equilíbrio entre

Leia mais

Aula 12 -QS -Engenharia de SW Orientada a Serviço

Aula 12 -QS -Engenharia de SW Orientada a Serviço Aula 12 -QS - Engenharia de SW Orientada a Serviço Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com Roteiro Contexto Arquiteturas Orientadas a Serviços Engenharia de Serviços Desenvolvimento de Software

Leia mais

Desenvolvendo aplicações com LabVIEW FPGA. Rogério Rodrigues Engenheiro de Marketing Técnico Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas

Desenvolvendo aplicações com LabVIEW FPGA. Rogério Rodrigues Engenheiro de Marketing Técnico Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Desenvolvendo aplicações com LabVIEW FPGA Rogério Rodrigues Engenheiro de Marketing Técnico Marcos Cardoso Engenheiro de Vendas Agenda O que são FPGAs e por que eles são úteis? Programando FPGAs Hardware

Leia mais

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Sistemas de Banco de Dados. Profa. Rosemary Melo

Modelagem de Dados MODELAGEM DE DADOS. Sistemas de Banco de Dados. Profa. Rosemary Melo MODELAGEM DE DADOS Sistemas de Banco de Dados Profa. Rosemary Melo SISTEMAS DE BANCO DE DADOS OBJETIVOS Apresentar os conceitos fundamentais de Sistemas de Banco de Dados. Principais componentes dos SGBDs

Leia mais

Desenvolvimento Baseado em Componentes: Tecnologia J2EE

Desenvolvimento Baseado em Componentes: Tecnologia J2EE Desenvolvimento Baseado em Componentes: Tecnologia J2EE Paulo Pires paulopires@nce.ufrj.br http//genesis.nce.ufrj.br/dataware/hp/pires Agenda Introdução Componentes Introdução a Especificação J2EE Modelo

Leia mais

EasyAzure. EasyAzure. Guia do programa. Ingram Micro Brasil. Versão 1.7

EasyAzure. EasyAzure. Guia do programa. Ingram Micro Brasil. Versão 1.7 EasyAzure Guia do programa Versão 1.7 Email: cloud.br@ingrammicro.com Telefone: 55 (11) 2078-4280 Endereço: Av. Piracema, 1341 - Tamboré - Barueri - SP Brasil 1 EasyAzure São pacotes prontos com as soluções

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Acesso

Especificação Técnica Sistema de Acesso 1. Introdução O VW Acesso é um sistema 100% web, para controle de acesso de pessoas. O sistema possui arquitetura robusta e independente de plataforma, atendendo todos os segmentos e portes de empresa.

Leia mais

TRANTEK do BRASIL Ltda. Seu Parceiro em Soluções

TRANTEK do BRASIL Ltda. Seu Parceiro em Soluções State-of-the-art Technology Fault Resilient Distributed Solutions TRANTEK do BRASIL Ltda. Seu Parceiro em Soluções AMT5 Controle e Gerenciamento Distribuído para Infraestrutura Ferroviária Maio 2017 16/09/2017

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? Exercício 01 Resposta Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? É todo

Leia mais

Material baseado nos slides de: Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana

Material baseado nos slides de: Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC643 Avaliaçãode Desempenhode Sistemas Computacionais Aula 5 Sarita Mazzini Bruschi

Leia mais

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s

Introdução. descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD. mostrar o ambiente de programas dos SGBD s Introdução Contribuição do Capítulo 2: discutir modelos de dados definir conceitos de esquemas e instâncias descrever os tipos de interfaces e linguagens oferecidas por um SGBD mostrar o ambiente de programas

Leia mais

OPERA Cloud. Tecnologia que potencializa as operações e distribuição de seu hotel

OPERA Cloud. Tecnologia que potencializa as operações e distribuição de seu hotel OPERA Cloud Tecnologia que potencializa as operações e distribuição de seu hotel O que é o OPERA Cloud? O Oracle Hospitality OPERA Cloud Services (OPERA Cloud) é uma plataforma empresarial, voltada para

Leia mais

REENGENHARIA E ENGENHARIA REVERSA

REENGENHARIA E ENGENHARIA REVERSA REENGENHARIA E ENGENHARIA REVERSA Manutenção de Software Profa. Cynthia Pinheiro Definição: É o exame, análise e/ou reestruturação de um sistema de software para reconstruí-lo em uma nova forma. Objetivos:

Leia mais

Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Professora: Márcia Jani

Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Professora: Márcia Jani Banco de Dados I Conceitos Básicos Professora: Márcia Jani Banco de Dados Dado vs. Informação Dado Registro de um fato Informação Dado que foi processado de forma a se tornar relevante para uma determinada

Leia mais

ANEXO III - REQUISITOS TÉCNICOS

ANEXO III - REQUISITOS TÉCNICOS ANEXO III - REQUISITOS TÉCNICOS A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos itens 1 e 2 deste anexo. Os requisitos não funcionais e técnicos

Leia mais

COMPLEMENTO DE DIREITOS DE USO DO PRODUTO PARA O SYMANTEC DATA LOSS PREVENTION

COMPLEMENTO DE DIREITOS DE USO DO PRODUTO PARA O SYMANTEC DATA LOSS PREVENTION COMPLEMENTO DE DIREITOS DE USO DO PRODUTO PARA O SYMANTEC DATA LOSS PREVENTION Este Complemento de Direitos de Uso do Produto ( Complemento ) contém termos e condições adicionais para o Software Licenciado

Leia mais

Roteiro. Noções de Recuperação de Falhas. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento

Roteiro. Noções de Recuperação de Falhas. BCC321 - Banco de Dados I. Ementa. Posicionamento Roteiro Noções de Recuperação de Falhas Posicionamento Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Introdução ao Desenvolvimento de

Introdução ao Desenvolvimento de Introdução ao Desenvolvimento de Aplicações Web com JSF e PrimeFaces Marcelo Vinícius Cysneiros Aragão ICC Inatel Competence Center marcelovca90@inatel.br Santa Rita do Sapucaí, 15 de março de 2016 Conteúdo

Leia mais

INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE

INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE INF1013 MODELAGEM DE SOFTWARE Departamento de Informática PUC-Rio Ivan Mathias Filho ivan@inf.puc-rio.br Programa Capítulo 1 O Paradigma Orientado a Objetos A Linguagem UML Descrição da Arquitetura 1 Programa

Leia mais

PIGEND206M. Guia de Projeto SAP Fiori. Data da Publicação: Agosto Versão: 1.0

PIGEND206M. Guia de Projeto SAP Fiori. Data da Publicação: Agosto Versão: 1.0 PIGEND206M Guia de Projeto SAP Fiori Data da Publicação: Agosto 2016 Versão: 1.0 DSI - Arquitectura Aplicacional COPYRIGHT 2011 Galp Energia, SA 1 de 13 Controlo de Versões Versão Descrição Parceiro Gestor

Leia mais

Disciplina Gestão da Informação e do Conhecimento (ACA603)

Disciplina Gestão da Informação e do Conhecimento (ACA603) Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Faculdade de Administração e Ciências Contábeis Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação Disciplina Gestão da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES COM JAVA 2EE E UML

DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES COM JAVA 2EE E UML DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES COM JAVA 2EE E UML Jhonattan Vieira do Carmo, Ricardo Ribeiro Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhonattan_si@hotmail.com ricardo@unipar.br Resumo.

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD

Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Aula 01 Conceito de Banco de Dados e SGBD Dado: conjunto de símbolos arranjados a fim de representar a informação fora da mente humana. Elemento de Dado: subconjunto de símbolos que compõem um dado com

Leia mais

RECURSOS HUMANOS. Introdução ao Benner RH. Núcleo da Solução

RECURSOS HUMANOS. Introdução ao Benner RH. Núcleo da Solução RECURSOS HUMANOS Introdução ao Benner RH Núcleo da Solução Sumário Introdução... 4 Módulos do Sistema Benner Recursos Humanos.... 5 Apresentação do Sistema.... 6 Gerenciamento de atualizações... 8 Gerenciamento

Leia mais

Informática. Cloud Computing e Storage. Professor Márcio Hunecke.

Informática. Cloud Computing e Storage. Professor Márcio Hunecke. Informática Cloud Computing e Storage Professor Márcio Hunecke www.acasadoconcurseiro.com.br Informática COMPUTAÇÃO EM NUVEM Cloud Computing ou Computação em Nuvem pode ser definido como um modelo no

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Marcelle Mussalli Cordeiro {mmussalli@gmail.com} Cordeiro Reflexão O que é software?? Cordeiro 2 O que é Software? Programa Dados de configuração Dados de documentação Tudo que esteja

Leia mais

COMPARANDO "BW-IP" "BPC CLÁSSICO" "BPC EMBEDDED"

COMPARANDO BW-IP BPC CLÁSSICO BPC EMBEDDED COMPARANDO "BW-IP" "BPC CLÁSSICO" "BPC EMBEDDED" Comparando SAP BW-IP / SAP BPC NW 10.1 Clássico / SAP BPC NW 10.1 Embedded Irei apresentar uma comparação da BW-IP, BPC NW 10.1 Standard e BPC BPC_10.1_Standard.jpg

Leia mais

Ferramentas CASE. CASE fornece ao engenheiro de software a habilidade de automatizar atividades manuais e de aperfeiçoar o conhecimento de engenharia.

Ferramentas CASE. CASE fornece ao engenheiro de software a habilidade de automatizar atividades manuais e de aperfeiçoar o conhecimento de engenharia. Para qualquer artesão seja mecânico, carpinteiro, engenheiro de software uma boa oficina deve ter 3 características: - uma coleção de ferramentas úteis que ajudam em cada passo da construção do produto

Leia mais

ClassGenerator - Desenvolvendo aplicações em PHP com qualidade e eficiência.

ClassGenerator - Desenvolvendo aplicações em PHP com qualidade e eficiência. ClassGenerator - Desenvolvendo aplicações em PHP com qualidade e eficiência. Marcelio Leal 1 Porto Alegre, Abril, 2006 Apresentação Engenheiro de software do SEPRO Graduado em C. da Computação Mestrando

Leia mais