Aquela garota intrigou Freud. Mais do que isso afinal todos os pacientes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aquela garota intrigou Freud. Mais do que isso afinal todos os pacientes"

Transcrição

1 EDITORIAL Aquela garota intrigou Freud. Mais do que isso afinal todos os pacientes o intrigavam ela o tirou do sério! Tinha só 18 anos e bastante petulância! Não que desdenhasse da psicanálise, só parecia não precisar dela. Concordara em freqüentar Freud para acalmar os pais, mas não desistira de seu projeto amoroso de salvar uma mulher de fama duvidosa de seu triste destino. Sincera e direta, não escondeu de Freud seus propósitos. Aliás, não escondeu de ninguém sua escolha desafiadora. Qual a outra cena que se desenrolava no espetáculo que oferecia nas ruas de Viena e que culminou com um grave risco para sua vida? O que o caso dessa garota do século passado ainda pode nos ensinar sobre as resistências que encontramos, hoje, em nossa clínica? O sucesso dos programas televisivos que expõe a intimidade de seus participantes preço a pagar pela fama que, enfim, os reconhecerá, salvando-os do anonimato poderia nos indicar que algo do simbólico fracassa, sendo delegada à imagem e ao espetáculo a função de referentes que a sociedade parece incapaz de fornecer. Parece ser da fama que o homem moderno autoriza seu lugar no campo das representações, tal como a jovem paciente de Freud, com suas cenas pela cidade. O que pode a Psicanálise dizer num contexto onde a tecnologia e a ciência prometem a realização dos desejos sem qualquer limite, se possível, dispensando a relação com o Outro, com castração, que só produz confusão e queixas? Transferência, resistência, acting-out e passagem ao ato são alguns dos temas que o texto de Freud, Psicogênese de um caso de homossexualidade feminina, de 1920, nos convoca ao estudo e à discussão em nosso tradicional encontro, Relendo Freud e Conversando sobre a APPOA, a ser realizado neste mês, em Canela. A seção temática deste número do Correio busca ser uma contribuição ao debate que promete aquecer nosso encontro de outono. C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

2 NOTÍCIAS NOTÍCIAS RELENDO FREUD A PSICOGÊNESE DE UM CASO DE HOMOSSEXUALIDADE FEMININA O modo que a APPOA encontrou de reunir seus associados para um fim de semana de conversa sobre a instituição foi intitulado de Relendo Freud e Conversando sobre a APPPOA. A retomada da leitura de textos freudianos, que consideramos uma necessidade permanente, cria um solo comum onde plantar novas idéias. Já a conversação sobre a instituição é um espaço genuíno de críticas, autocríticas e planos que adubam cada ano de trabalho. Nosso eixo este ano será um texto, publicado em 1920, denominado Sobre a psicogênese de um caso de homossexualidade feminina. É interessante notar que esta hitória clínica, a única que Freud não batiza a paciente, terminou por ser conhecido por um apelido : O caso da jovem homossexual. Entre as pacientes de Freud que conhecemos, esta jovem é quiçá a mais contemporânea. Se tantas vezes se comenta que a psicanálise precisava atualizar-se para levar em conta as transformações pelas quais as mulheres passaram, este caso é certamente o elo encontrado. A jovem chega à análise com uma queixa que não assume, racionaliza, atua, e parte. Alguém já teve um paciente assim? Ela é como tantas, de todas as idades, que atravessam a porta do consultório de qualquer psicanalista. Basta estar disposto a uma escuta analítica que suporte ser desafiada. Deixamos que suas questões façam eco entre nós e que as reflexões de Freud e Lacan animem o nosso debate. O escrito de Freud é fonte de várias reflexões clínicas e teóricas das quais citaremos apenas algumas das possibilidades: acting out e passagem ao ato entrevistas preliminares o trabalho com a transferência a demanda situada na família decepção/frustração e escolha de objeto o Édipo na mulher CONVERSANDO SOBRE A APPOA Nos dias 24, 25 e 26 de maio estaremos reunidos em canela no hotel Laje de Pedra, para discutirmos este importante texto de Freud. O Cartel preparatório deste fim de semana de trabalho estará se reunindo às segundas-feiras, às 20h30min. A participação esta aberta aos interessados. RESERVAS As reservas devem ser feitas com antecedência pelos participantes. Hotel Laje de Pedra: (54) Outras opções de reservas, em Canela (54) e em Gramado (54) INSCRIÇÕES As inscrições já podem ser feitas na APPOA pelo valor de R$15,00. Este valor corresponde às defesas de coffee-break e correspondência. LOCAL Hotel Laje de Pedra Av. Presidente Kennedy, s/nº Canela RS Homepage: 2 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

3 NOTÍCIAS NOTÍCIAS JORNADA DE ABERTURA No dia 06 de abril, aconteceu no Hotel Embaixador, a Jornada de Abertura dos trabalhos da APPOA 2002, com a proposta de trabalhar o tema A Beira da Loucura. Houve a participação de um grande número de colegas, possibilitando questionamentos e reflexões sobre os assuntos trabalhados. Estavam presentes, também, os freqüentadores das várias turmas do Percurso de Escola, que tiveram esta Jornada como aula inaugural. Após as palavras iniciais de Maria Ângela Brasil, presidente da APPOA, a coordenadora da Comissão de Ensino, Ligia Victora, apresentou o eixo de estudo da Associação para 2002, que tem como proposta discutir o que chamamos estados limites, ou seja, a periferia das estruturas, pontos cruciais da clínica. A seguir, Edson de Sousa divulgou o lançamento de livros: Seminário O Desejo e sua interpretação, de Jacques Lacan Cadernos da APPOA A Terceira, de Jacques Lacan Seminários I, de Alfredo Jerusalinsky Seminários Espetaculares, de Diversos autores Ética e Psicanálise, de Maria Rita Kehl A primeira mesa de trabalhos teve a contribuição de Liliane Froemming com o título A beira da loucura. Partindo da suposição de que a loucura tem uma beira, já demonstrando então a possibilidade da loucura ter traços limites e contornos, passou sobre a discorrer a etiologia da palavra beira, trabalhando concepções de loucura, à luz de diversos postulados teóricos e para ilustrar sua fala, apresentou um trecho do filme Limite, de Mario Peixoto, mostrando a fragilidade do limite das bordas de um barco, contra a imensidão do mar. Maria Lúcia Müller Stein, nos relatou, através de seu trabalho, Fora da casinha: A fragilidade sem abrigo, um caso clínico. Enfocou o uso de drogas por uma adolescente, trabalhando de um lado o acting out, pelo viés do sintoma e, relacionando-o à angústia e, por outro, a posição do analista frente ao acting out. Proposição que provocou importante discussão acerca da posição do analista em sua prática clínica. Angela Lângaro Becker apresentou o trabalho Adolescência como estado-limite, situando a aproximação entre ambos por ser a adolescência um lugar de passagem, lugar de borda, onde o adolescente tem de romper com os laços amorosos que o identifica aos pais e ficar exposto aos fracassos de pretensões fálicas, apontando o lugar paterno como de transmissão e não apenas de fundação. Referiu, ainda, a adolescência como um lugar não definitivo. Alfredo Jerusalinsky, com seu trabalho Além da neurose, aquém da psicose, dedica sua fala às formações fanáticas com todos os seus efeitos dramáticos, apontando o pai como centro de identificação, como falo total, com o todo amor e que pratica o ato de fazer gozar a mãe, como um ato definitivo, ou seja, que as formações fanáticas consistem na identificação absoluta ao pai. Sem dúvida, esta Jornada lança uma série de questões fundamentais em torno da clínica e da teoria, sobre as quais poderemos trabalhar num futuro próximo. Maria Beatriz Kallfelz Maria Elisabeth Tubino Regina de Souza Silva GRUPO TEMÁTICO O SINTOMA NA INFÂNCIA CONTEMPORÂNEA ARTICULAÇÕES EM TORNO DO BRINCAR E A CLÍNICA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS Este grupo tem como proposição de trabalho a reflexão acerca das formas sintomáticas que se processam no campo da infância contemporânea. O sujeito e o brincar na infância; a abordagem psicanalítica do brincar através da leitura de escritos clássicos sobre tema; o estudo dos sintomas clínicos e de estrutura na infância e o brincar na contemporaneidade e na clínica psicanalítica, serão alguns dos eixos abordados. Coordenação: Ana Marta Meira Quinzenal, Sexta-feira, 18h. Próximo encontro: 10 de maio de C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

4 NOTÍCIAS NOTÍCIAS REUNIÕES PREPARATÓRIAS DO COLÓQUIO ADOLESCÊNCIA E CONSTRUÇÃO DE FRONTEIRAS No mês de março tivemos dois encontros dedicados ao tema do espaço. Vamos nos deter no primeiro deles, realizado no dia 09. Nesta ocasião, tivemos a oportunidade de contar com a participação de Maria Rita Kehl. A proposta era abordarmos o tema do espaço a partir da psicopatologia; mais especificamente, apreender o que a fobia pode nos ensinar sobre o espaço. A leituras sugeridas foram O gosto pelo quarto, de Martine Lerude- Flechet e O nó borromeu da fobia, de Charles Melman; ambos encontrados no livro Fobia, tradução de uma publicação da AFI. A partir da fobia pudemos perceber que o mundo nos interpela desde seus objetos, e estes definem nossa circulação no espaço. Naqueles textos, constatamos que toda e qualquer fobia sempre é, fundamentalmente, uma fobia do espaço. Não há fobia do objeto. Este apenas demarca o espaço, pontuando-o e estabelecendo, assim, uma circulação possível. Por isso, a agorafobia é a fobia por excelência. Assim como para o paciente de Flechet o último reduto era o quarto, certamente não é à toa que se fala, então, que o último reduto de um indivíduo é sob sua própria cama. E talvez sob a cama com alguém, como na brincadeira infantil lembrada por Melman, que põe em cena um terceiro que nos surpreende no nosso esconderijo com um parceiro, geralmente do outro sexo. Pois a angústia que o acua, essa que emerge na fobia, é sempre angústia de castração, no que ela é signo do desejo e de uma defesa contra o mesmo. É então que percebemos que essa redução extrema do espaço de circulação do corpo corresponde a uma erotização. A partir daí, podemos pensar a fobia enquanto constitutiva do sujeito, na medida em que ela dá uma dimensão sexual à falta significante. E é por isso que Flechet afirma que a fobia coloca em jogo os limites do corpo e do espaço, bem como o vínculo que os une: o olhar. Aí encontramos um ponto fundamental que pode permitir a um psicanalista apropriar-se de um tema aparentemente tão estrangeiro ao campo da psicanálise como este: o espaço. A propósito, na adolescência vemos escancarada esta questão da colocação em cena do corpo que, ao ganhar a rua, passa a ser aquele por onde circulará a pulsão. Olhar/ser olhado define, então, a partir do encontro com o olhar não parental, os deslocamentos do corpo adolescente no espaço. De fato, o fóbico tem razão na sua certeza de que uma vez saindo do universo materno não há mais volta: já há uma escolha sexuada em curso. Nesse sentido, o interesse que nós, psicanalistas, podemos ter pela temática do espaço está diretamente relacionado às possibilidades de circulação social de um corpo sexuado. Desde Freud sabemos que as teorias sexuais infantis são uma primeira forma de responder ao enigma sobre a origem no desejo materno. Ao criar a ficção de um corpo coletivo mãe/filho, a criança põe em cena o corpo da Mãe como sendo o Outro primordial. A fobia, ao problematizar a separação da Mãe, trata de constituir neste mesmo movimento o corpo materno. Reside aí a angústia fóbica do tudo ou nada: ou eu me separo e sou consumido pelo infinito desejo da Mãe; ou, permanecendo na indiferenciação de um corpo coletivo, não há representação possível. Neste sentido, tal separação equivaleria a passar do corpo da Mãe para o nada. É então que surge o objeto fóbico, ortopedia do limite entre o dentro e o fora do corpo da Mãe. Esse representante paterno define, assim, este corpo como incestuoso e, como tal, interditado. Quanto ao parceiro, é de se notar que na fobia o outro (o acompanhante contrafóbico) se faz presente enquanto o duplo da relação especular a a. Lembramos que o duplo especular comporta, por um lado, a face do semelhante e, por outro, a face do estranho. No texto do Unheimlich, Freud deixa isto muito claro ao mostrar como o familiar traz em si também o não familiar. A partir desta questão, como podemos pensar o controle que é exercido sobre o objeto contrafóbico? No que diz respeito ao espaço urbano, este se constituiria sob a perspectiva fóbica? Ou seria, antes, a fobia o sintoma do espaço nas grandes cidades? O fato é que sofremos todos de uma dificuldade de passar do imaginário para a simbolização do Outro. Mas o que dificultaria esta passagem? 6 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

5 NOTÍCIAS NOTÍCIAS Com certeza, na contemporaneidade, o que determina o simbólico é muito vago e abstrato: não há mais códigos morais nem mitos compartilhados. É nesta direção que segue o autor de Abril despedaçado, Ismail Kadaré. Também Paul Selan, em Ninguém ( Ninguém nos moldará em terra e barro... ) confirma a idéia de que, ao sair do corpo da Mãe, o que encontramos é o nada, um lugar vago. E por aí podemos adentrar na função paterna desempenhada pelas grandes e históricas ficções do Pai e no posterior declínio das mesmas, que faz sentir seus efeitos na cultura e na subjetividade. De qualquer forma, a fobia do escuro ilumina sobremaneira a nossa questão: no escuro não posso ver que a Mãe não está em todos os lugares. Como bem observa Freud, a respeito da criança que nos pede que falemos alguma coisa porque está escuro, quando alguém fala, algo do escuro se ilumina. Ilustrações disto encontramos em O livro dos abraços, de Eduardo Galeano, quando estando pai e filho diante do mar à noite, a criança diz: Pai, me ajuda a ver?. A brincadeira praiana, muito comum na infância, de nadar até chegar na África, por exemplo, vai na mesma direção de buscar um limite para algo que parece infinito: o desejo materno. Podemos entender agora porque razão, segundo Melman, o mar e a montanha são locais preferidos para desfrutar as férias e o tempo de lazer. O vislumbre do infinito proporcionado por tais regiões só não angustia e, antes de tudo, até favorece um descanso, por consistir num espaço limitado pelo tempo definido das férias. Representam, então, uma certa trégua em relação aos limites que nos sustentam. E na adolescência, como se dá a relação ao Outro? Considerando que o adolescente se defronta com a morte da ficção do Pai da infância, que até então comportava em si a estrutura que consiste no lugar do Outro, o que, hoje, o social oferece neste lugar? A juventude como um valor: o ideal passa a ser o filho, e não mais o Pai. A partir disso, a gravidez na adolescência pode ser pensada como uma necessidade de colocar um limite na angústia que comporta o gozo de ser o eu ideal. Ou se está segurando na mão do pai, como na infância; ou se torna mãe/pai segurando a mão de uma criança. Criança esta que ocupa muito claramente a função de objeto contrafóbico, um duplo. Já esse jeito adolescente de ser sujo, fedido, desleixado, indica-nos um movimento de separação do eu ideal apontado pelo olhar materno; mas que tem como resultado uma convocação deste olhar. Percebemos como a erótica da passividade/atividade representa uma espécie de parada em relação a esse movimento que se pretendia inicialmente de saída. Retomando a questão que colocávamo-nos sobre a adolescência na contemporaneidade, o que acontece nesses espaços onde eu não sou ninguém, onde o imaginário prevalente é o publicitário e o das narrativas pobres? Em que reside a grande atração exercida pela Casa dos Artistas ou pelo Big Brother? Ambos carecem de uma narrativa, já que acontecem em tempo real. Pois sabemos que a narrativa consiste num recorte do tempo que permite remetermo-nos a outro tempo e espaço. Se todos reclamamos do tédio cotidiano, o que nos faz querer assistir o cotidiano de outrem? Não estaríamos todos à espera de algo acontecer? Não é justamente quando algo acontece que encontramos sentido na inércia de nosso cotidiano e o transformamos em narrativa? E o que poderia ser este algo que buscamos espreitar pelo buraco da fechadura? Seria um caso amoroso? A Casa dos Artistas, por reunir pessoas (quase) famosas e conhecidas, talvez ainda comporte algo de uma narrativa; afinal a fama é o que transforma ninguém em alguém. Mas, a exemplo da cena encobridora em Freud, um sucesso intenso vem recobrir o que? Qual é a função de encobrimento contida numa exposição excessiva? Lembremos que a cena encobridora surge como uma falsa lembrança formada no lugar, por deslocamento, de uma lembrança infantil sufocada. Então, esse fazer-se por si mesmo (a fama, a imagem) estaria recobrindo a questão do que o Outro vê em nós? De qualquer forma percebemos aí o quanto a imagem se diferencia do imaginário. Este consiste numa imagem associada a uma narrativa. Não é demais notar que o Big Brother, de George Orwell, no livro 1984 remetia a uma outra modalidade de relação ao Outro. Esse indicava a onipresença de um grande olho que tudo sabia sobre nós no melhor estilo paranóico, tal como a grande ficção paterna de nossa infância ou mesmo as ficções que fizeram nossa história cultural. Um filme já antigo, A rosa púrpura do Cairo, também colocava em 8 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

6 NOTÍCIAS NOTÍCIAS pauta esse brincar de real. A protagonista, que refugiava-se no cinema onde entregava-se a devanear um grande romance com o personagem do filme assistido repetida e incansavelmente, um dia se vê obrigada a escolher entre o personagem ou o ator (que representava tal personagem). Acabou optando pelo ator, como se a opção pelo real pudesse servir de garantia de não continuar se enganando. Não é preciso, é claro, contar qual foi o desfecho. Flaubert definia a literatura realista como sendo aquela que cria efeito de real. Mas o efeito de real que a palavra propicia é completamente diferente do efeito totalitário de real que a imagem oferece. De alguma forma sabemos aonde vai encontrar o real aquele que corre o risco escatológico de procurálo na fantasia. Carmen Backes, Luís Fernando de Oliveira e Valéria Rilho p/ Coordenação do Colóquio PRÓXIMAS REUNIÕES DO COLÓQUIO Dia 11 de maio, sábado, às 9h30min, na sede da APPOA. O segundo encontro deste mês (dia 18, à confirmar), será um debate a propósito de um filme, atividade inserida no projeto da APPOA Sessão de cinema. Os textos sugeridos como leitura prévia a cada encontro estarão à disposição para serem reproduzidos na secretaria sempre com uma semana de antecedência à reunião correspondente. FALECIMENTO DE HELENA BESSERMAN VIANNA Reproduzimos abaixo a nota sobre o falecimento veiculado pelo site dos Estados Gerais da Psicanálise. A notícia desta perda teve repercussão no Brasil, Argentina e Europa onde o trabalho de Helena em prol da ética psicanalítica era reconhecido. A APPOA se solidariza com os colegas que enviaram suas manifestações. Com grande tristeza e pesar comunicamos o falecimento de Helena Besserman Vianna, ocorrido em 07/04/02, no Rio de Janeiro. Médica, psicanalista, nossa companheira de trabalho nos Estados Gerais da Psicanálise, que na sua luta em favor da ética na psicanálise, motivou a convocação desse movimento. O seu trabalho no campo da psicanálise nos deixou vários artigos e livros como: As bases do amor materno escritocom Teresa Pinheiro e Não conte a ninguém, traduzido ao francês e aoespanhol. A sua presença inquieta e a sua capacidade realizadora nos fará muita falta. Tendo participado ativamente dos movimentos contra a ditadura militar. Recebeu a medalha Chico Mendes, em homenagem ao seu empenho pela redemocratização do Brasil. S.Paulo, 08/04/2002 Maria Cristina Rios Magalhães pelo Comitê internacional de preparação dos Estados Gerais da Psicanálise no Brasil 10 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

7 SEÇÃO TEMÁTICA PINHO, G. S. A propósito da jovem homossexual. Mês de maio. O outono anuncia nosso encontro anual em Canela, o Relendo Freud e Conversando sobre a APPOA, momento privilegiado de discussão teórica e diálogo sobre nosso laço institucional. Este ano, o texto freudiano escolhido como mote para os nosso trabalhos é A psicogênese de um caso de homossexualismo numa mulher (1920), o caso da jovem homossexual como o chamamos. O Correio da APPOA, sendo a publicação mensal de nossa Associação, propõe, então, como seção temática deste mês de maio, artigos de colegas que se dedicaram a pensar sobre este escrito, bem como sobre as formulações posteriores de Jacques Lacan em seus Seminários, referentes ao tema. Os autores retomam, de forma cuidadosa, os principais elementos deste famoso caso clínico, fazendo o texto freudiano dialogar com as elaborações lacanianas posteriores, mas, acima de tudo, nos remetem a pensar sobre nossa prática clínica ao trazerem importantes considerações teóricas que tem incidência direta em nosso trabalho cotidiano. Assim, percorrendo esta via de mão dupla, que é pratica clínica e a teoria, sempre inseparáveis e decorrentes uma da outra, problematizam nossas certezas teóricas e nos colocam em um constante movimento de construção. Nossos colegas, com seus textos, nos desafiam e convocam a participar desta discussão. Desejamos que a leitura da seção temática provoque questões que venham aquecer nosso encontro. Maria Lúcia Müller Stein Rossana Stella Oliva A PROPÓSITO DA JOVEM HOMOSSEXUAL Gerson Smiech Pinho Psicogênese de um caso de homossexualismo numa mulher é um texto, publicado em 1920, que está no princípio de uma série de importantes elaborações de Freud a respeito da sexualidade feminina. Algumas das idéias desenvolvidas em escritos posteriores, como A organização genital infantil (1923), As conseqüências psíquicas da distinção anatômica entre os sexos (1925) e Sexualidade feminina (1931), já estão presentes no caso da jovem homossexual modo como é conhecida a paciente cuja análise é relatada, no texto de Este texto de Freud, que Lacan diz ser um dos mais brilhantes e dos mais problemáticos 1, trabalha o caso de uma paciente de 18 anos que cortejava apaixonadamente uma dama de reputação duvidosa, despertando fortemente a ira de seu pai. A jovem foi levada à análise com Freud alguns meses depois de uma tentativa de suicídio, decorrente de uma situação em que encontrou o pai na rua, enquanto ela desfrutava da companhia de sua amada. Quando viu as duas juntas, o pai lançou um olhar furioso em sua direção, levando a dama a dizer que elas não se encontrariam mais. Neste momento, a jovem saiu correndo e jogou-se na direção de um muro, caindo na linha ferroviária. Lacan comenta esta história clínica, de modo mais ou menos extenso, em dois momentos de seus seminários. O primeiro deles acontece no seminário IV, A relação de objeto e as estruturas freudianas ; o segundo, no seminário X, intitulado A angústia. A partir de alguns elementos da elaboração apresentada sobre este caso nos seminários de Lacan, procuro trabalhar a mudança de posição que ocorre na adolescência e que conduz à homossexualidade e sua tentativa de 1 Lacan, J. A relação de objeto e as estruturas freudianas. Lição de 09 de janeiro de C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

8 SEÇÃO TEMÁTICA PINHO, G. S. A propósito da jovem homossexual. suicídio. Obviamente, não pretendo esgotar a discussão que Lacan fez desses temas, mas apenas recortar algumas questões que me parecem importantes para o trabalho em torno do escrito de Freud. Retomemos, agora, mais algumas idéias essenciais deste texto. Freud relata que sua paciente, quando tinha 13 ou 14 anos, desenvolvera uma terna e intensa afeição por um menino de 3 anos, revelando, dessa forma, seu desejo de ser mãe. De acordo com a idéia de que, no complexo édipo da menina, o pênis desejado será recebido do pai sob a forma de um substituto, ou seja, uma criança, a jovem se satisfazia com uma criança substituta àquela que desejava ter do pai. A criança cuidada por ela permitiu a substituição fálica imaginária. Neste momento, ela está em uma relação com um pai simbólico que estaria em condições de lhe dar o falo imaginário, ou seja, um filho. Porém, mais adiante, sua atitude se modificou radicalmente. Ela passa a ser indiferente com a criança e desvia seu interesse para mulheres mais velhas, maduras e de aparência jovem. Esta mudança de uma atitude maternal para outra, homossexual coincidiu com uma nova gravidez de sua mãe, seguida do nascimento de um novo irmão. A paciente contava, neste período, com 16 anos. A interpretação feita por Freud deste episódio diz respeito à revivescência do complexo de édipo na adolescência. A atitude maternal dirigida ao menino expressava seu desejo de ter um filho do pai. Este desejo foi seguido por um desapontamento, já que foi a mãe quem teve o filho desejado. Desta forma, a jovem afastou-se do pai e dos homens, repudiando o desejo de ter um filho e o papel feminino em geral. Em A relação de objeto e as estruturas freudianas, Lacan analisa o caso da jovem homossexual a partir dos três termos de referência da falta de objeto por ele estabelecidos, naquele seminário a castração, falta simbólica de um objeto imaginário; a frustração, falta imaginária de um objeto real; e a privação, falta real de um objeto simbólico. A decepção sofrida pela paciente de Freud, quando sua mãe fica grávida e tem outro filho, é situada por Lacan no registro da frustração, conceito que pode ser compreendido como um prejuízo imaginário, pertencente ao domínio da reivindicação e das exigências ilimitadas, que acompanham a tentativa inútil de restabelecer a plenitude do eu. A partir do momento em que entra em jogo uma criança real, o novo irmão que chega, e ocorre uma decepção, o pai passa a ocupar a posição de agente da frustração, fazendo com que a estrutura se modifique e passe a constituir uma relação imaginária. A presença do irmão enquanto objeto real fez com que a jovem fosse reconduzida ao plano da frustração. O objeto da frustração sempre pertence ao registro do real e, neste caso, o nascimento de uma criança real que o pai deu à mãe constitui a frustração que fez a estrutura movimentar-se. A decepção sofrida com o pai tem como efeito uma identificação da paciente com ele. Assim, o pai que estava no nível do Outro passa ao nível do eu (moi), na medida em que ela assume a posição masculina. O pai simbólico passa ao nível do imaginário por uma identificação à função do pai. Freud descreve a atitude da jovem homossexual em relação à dama como sendo um amor tipicamente masculino, cujas características são a supervalorização do objeto sexual e a humildade diante dele. Lacan fala desta transformação que acontece com o nascimento do irmão, dizendo que a mesma ocorre por uma espécie de inversão, a passagem da relação o que está aqui na ordem simbólica que é aquela de sua relação com seu pai a passagem desta relação no sentido da relação imaginária, ou se vocês preferem, de uma certa maneira a projeção da relação da fórmula inconsciente que é naquele momento a de seu primeiro equilíbrio, numa relação perversa, uma relação imaginária que é aquela que entretém com a dama. 2 Podemos dizer que aquilo que não teve sustentação suficiente para seguir seu curso como uma promessa simbólica irrompe, neste caso, como uma violenta reivindicação no plano imaginário. Esta mesma dificuldade de 2 Lacan, J. A relação de objeto e as estruturas freudianas. Lição de 23 de janeiro de C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

9 SEÇÃO TEMÁTICA PINHO, G. S. A propósito da jovem homossexual. se sustentar simbolicamente pode ser encontrada, também, no comentário sobre a jovem homossexual que Lacan fez no seminário sobre A angústia. Se, no seminário IV, ao trabalhar a questão do objeto, Lacan sublinhava a importância das dimensões da falta e da perda; no seminário X, já produziu uma série de avanços em relação a este ponto com a elaboração da noção de objeto a e é em torno deste conceito que gira sua discussão a respeito da angústia. Nesse seminário, Lacan afirma que o objeto da angústia é o objeto a, causa de desejo. A angústia é a única tradução subjetiva desse objeto e pode ser entendida como uma falta da falta. Ali, Lacan retoma o caso da jovem homossexual ao trabalhar as diferenças entre acting out e passagem ao ato. Lacan define o acting out como alguma coisa que se mostra na conduta do sujeito, orientada ao Outro. No caso da jovem homossexual, é publicamente que sua conduta se manifesta. Seu comportamento em relação à dama era bastante explícito, já que não tinha escrúpulos quanto a aparecer junto à amiga diante dos outros, ao mesmo tempo que utilizava alguns meios de embuste para enganar seu pai. Lacan diz que é aos olhos de todos, é na medida mesmo e tanto mais quanto essa publicidade torna-se escandalosa, que a conduta da jovem homossexual se acentua. 3 Toda esta mostração implica uma posição de desafio ao pai e, portanto, pode ser compreendida como um acting out dirigido a ele. O acting out é uma demanda de simbolização dirigida a alguém. É uma conduta que um sujeito assume para ser decifrada por aquele para quem a dirige. Algo é mostrado, fora de qualquer possibilidade de rememoração e fora de qualquer levantamento de um recalque. O acting out da jovem homossexual revela que seu desejo era o de ter um filho do pai, enquanto falo. Diferente do acting out, a passagem ao ato é uma identificação ao objeto a. Trata-se de um ato sem simbolização, através do qual o sujeito entra em uma situação de ruptura integral e alienação radical. Ele se identifica com o objeto a, excluído e rejeitado de qualquer quadro simbólico. A tentativa de suicídio da jovem homossexual pode ser considerada como uma passagem ao ato. É o instante em que, ao cruzar com o olhar furioso de seu pai, ela se precipita sobre uma estrada de ferro, deixando-se cair. Como afirma Lacan, o que acontece, nesse momento aí, com o sujeito, é sua identificação absoluta a esse pequeno a, ao qual ela se reduz. A confrontação do desejo do pai, sobre o qual tudo em sua conduta está construído, com essa lei que se presentifica no olhar do pai, é isso, pelo que ela se sente definitivamente identificada e, ao mesmo tempo rejeitada, ejetada fora da cena. 4 Na passagem ao ato, o sujeito se deixa cair do lugar da cena em que se encontra, precipitando-se do lugar onde poderia estar enquanto sujeito historicizado. Aqui, a palavra Niederkommen, que surge na análise da jovem homossexual, ganha seu sentido, significando tanto se deixar cair quanto dar a luz. Ao contrário do acting out, a passagem ao ato não se dirige a ninguém. Assim, não se trata de um ato que demanda ser decifrado, mas uma tentativa última de encontrar um lugar junto ao Outro. Aqui, novamente, nos deparamos com momentos desse caso em que a dificuldade de sustentação diante do Outro irrompe. A posição de desafio frente ao pai após a decepção sofrida, o acting out junto à dama e a passagem ao ato suicida são fenômenos que permitem pensarmos nas freqüentes situações em que os limites entre a neurose e outras estruturas psicopatológicas são rompidos e ultrapassados. Na medida em que é possível abordar estas questões, a história clínica da jovem homossexual demonstra toda sua atualidade e interesse e vem, mais uma vez, interrogar nossas certezas teóricas a partir da experiência clínica. 3 Lacan, J. A angústia. Lição de 23 de janeiro de Lacan, J. A angústia. Lição de 16 de janeiro de C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

10 SEÇÃO TEMÁTICA FLEIG, C. B. Agieren. AGIEREN Conceição Beltrão Fleig 1 Tendo em vista que nos preparamos para o Relendo Freud, assinalamos nesse texto a título de contribuição, roteiro de possíveis leituras ou mesmo dando continuidade ao trabalho já iniciado algumas questões que consideramos estarem no cerne da prática analítica e que foram abordadas por Lacan a respeito do caso clínico trazido por Freud em A psicogênese de um caso de homossexualismo numa mulher 2. Inicialmente convém esclarecer que Freud emprega o termo Agieren (agir), tanto para o provocativo comportamento amoroso da jovem, que desperta em sua mãe o horror ao escândalo e em seu pai a intensa reprovação, como para o momento em que ela se joga sobre os trilhos do trem. O emprego dessa expressão também diz respeito ao agir de um sujeito fora da análise e no decorrer da mesma. Nos dois clássicos da clínica de Freud, Fragmento da análise de um caso de histeria (Dora) 3 e A psicogênese de um caso de homossexualismo numa mulher, que é o objeto de estudo da reunião desse ano, os Agieren foram anteriores ao início das respectivas análises, referindo-se ao que viria a ser, posteriormente, conceitualizado como acting-out e passagem ao ato, cada um com sua especificidade. Dentro do campo psíquico recoberto pelo Agieren freudiano, no seminário de , A angústia 4, Lacan examina e estabelece essa diferença. Vamos nomear alguns aspectos trabalhados por Lacan nesse seminário e que diz respeito ao caso da jovem homossexual para a seguir nos 1 Esse texto foi discutido no cartel com os colegas Adão Costa, Maria Auxiliadora Sudbrack e Mario Fleig. 2 Freud, Sigmund. A psicogênese de um caso de homossexualismo numa mulher (1920a). Rio de Janeiro: Imago, Freud, Sigmund. Fragmento da análise de um caso de histeria (1905e). Rio de Janeiro: Imago, Lacan, Jacques. A angústia, seminário de (inédito). (Publicação interna, em português, do Centro de Estudos Freudianos do Recife) determos na precisão do que venha a ser um acting-out, elemento primeiro nesse caso. Para começar, vale lembrar que no caso da jovem homossexual, Lacan localiza no impulsivo jogar-se da ponte, uma passagem ao ato como o cair da cena do fantasma representado através do significante niederkommen que pode ser traduzido por cair ou dar a luz. O momento de sua precipitação no vazio (passagem ao ato) se dá no ponto preciso de intersecção entre o olhar furioso de seu pai e a reprimenda de sua amada. Nesta fração de segundo, se rompe o amor sublimado ou amor cortês, cujo caráter sexual suspenso está presente como condição de manter a distância entre si e o si mesma como objeto a. No rompimento operado pelo olhar do pai e a voz da dama, $ v a, advém a e o real da morte consiste na única via possível de buscar a simbolização. Na lição de 23 de janeiro de 1963, é notável a alusão que Lacan faz da passagem ao ato, mas agora do analista, ao referir que Freud interrompera o tratamento quando a paciente começara a relatar os sonhos mentirosos trazendo então, para seu analista, que o inconsciente também pode estar trabalhando para enganá-lo. Nesse ponto, Freud sugere aos pais que a paciente seja encaminhada para uma analista. E, disso, diz Lacan que sem ver com que ele está embaraçado, fica comovido, como o mostra, seguramente, diante dessa ameaça à fidelidade do inconsciente, ele passa ao ato. Ele se encarrega de deixá-la cair. Por outro lado, no mesmo seminário, ilustra através do caso de um paciente neurótico obsessivo relatado por Ernest Cris, o acting-out do analista, que através de sua positivação produz um correlato no paciente. Mas para maior precisão, se nos determos no Agieren estritamente como acting-out, ainda na lição de 23 de janeiro de 1963, diz Lacan que: No caso de homossexualidade feminina, se a tentativa de suicídio é uma passagem ao ato, direi que toda a aventura com a dama de reputação duvidosa, que é elevada à função de objeto supremo, é um acting-out. (...) O acting-out é algo, na conduta do sujeito, que essencialmente se mostra. A ênfase demonstrativa, a orientação para o Outro de todo acting-out é algo que deve ser realçado. 18 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

11 SEÇÃO TEMÁTICA FLEIG, C. B. Agieren. Especificamente no caso da jovem homossexual, o fator desencadeante do acting-out situa-se na vinda do irmão caçula, quando a mocinha estava com treze anos. No desenrolar dessa curta análise, Freud localiza nesse momento da vida de sua paciente uma profunda decepção por não ter recebido do pai esse desejado falo que fora então ofertado a sua rival inconsciente, sua mãe. O conflito existente toma força e quanto maior o amor que reivindica do pai, maior se torna a dívida com a mãe, pois pela traição abandona o lugar de falo materno. A queda do pai idealizado põe em primeiro plano a dívida com o Outro materno. Possivelmente, aí, se represente também o fracasso de sua teoria sexual infantil uma vez que uma teoria sexual infantil é uma teoria pela qual a sexualidade dos pais se manteria sob o controle da criança. 5 Isso nos leva a pensar na referência que Freud faz em Leonardo da Vinci e uma lembrança da sua infância 6, a respeito do caráter duradouro e profundamente depressivo, decorrente do momento de um fracasso de uma dessas teorias, que se fará sentir em todo futuro da criança marcando, também, toda tentativa de independência inteletual. A questão que aí se coloca é que essa jovem recusa esse fracasso e se reergue como falo através do acting-out. Mas, podemos perguntar sobre o que terá aí de sua mãe sua confidente no período inicial da paixão da jovem pela mulher de reputação duvidosa se levarmos em consideração que a teoria sexual infantil conserva uma fragmento de verdade? A criança inventa a teoria ou esta tem algo a ver com a hipótese que a mãe faz sobre o saber da criança? 7 Pelo lado paterno, sem dúvida, ressentimento e vingança são decisivos na relação dessa filha com seu pai. O ressentimento e a vingança são isso, essa lei, esse falo supremo. 8 5 Bergès, Jean e Balbo, Gabriel. A atualidade das teorias sexuais infantis. Porto Alegre: CMC Editora, Freud, Sigmund. Leonardo da Vinci e uma lembrança da sua infância (1910c). Rio de Janeiro: Imago, Bergès, Jean e Balbo, Gabriel. A atualidade das teorias sexuais infantis. Porto Alegre: CMC Editora, Lacan, Jacques. A angústia, seminário de (inédito). (Publicação interna, em português, do Centro de estudos Freudianos do Recife). O início do processo de vingança é destacado por Freud, de forma pontual, quando localiza, entre a decepção e o início do comportamento indesejável e vingativo, o que seria a Ausweichen que pode ser traduzido por desistir ou renunciar, sendo nesse caso relativo à feminilidade. Dá-se uma intensa decepção acompanhada da ausência de luto, iniciando-se a luta a morte por puro prestígio, conforme uma das figuras da consciência tão bem descrita por Hegel. Em vez de fazer o luto, faz a luta através de uma posição desafiadora e de pura mostração, relativa a qual Freud diz que ademais essa inabilidade não era sem intenção. Tomando-se como analogia uma passagem, o acting-out é um bilhete de ida e volta, o que não significa que sempre tenha volta uma vez que na alienação ao senhor supremo, a morte, um acidente fatal pode vir a ocorrer. No caso em questão, a tentativa de suicídio não foi bem sucedida e ela voltou à cena usufruindo os benefícios da benevolência dos pais e arquitetando um casamento por conveniência, com o projeto de manter em paralelo um caso homossexual, persistindo o desejo (repetição). A posição de desafio e vingança perdura em sua fala durante a análise, sendo que a passagem ao ato, com a queda e as possíveis cicatrizes em seu corpo, foram insuficientes para conter o acting-out. Não se operou nenhuma alteração em sua posição subjetiva. Amparando-nos nisso já havíamos proposto ser o acting-out o elemento primeiro de caso clínico. De acordo com o quadro proposto por Lacan, na lição de 14 de novembro de 1962, o acting-out encontra-se no triunfo da turbação, no máximo do movimento e na coluna do impedimento e do sintoma, como uma loucura destinada a evitar uma violenta angústia. Uma vez rompido o impedimento, passa ao ato efetivando a morte (plenitude da dificuldade enquanto embaraço), no caminho inverso da inibição. Sendo o acting-out, o se mostrar é endereçado ao Outro. Nessa mostração, a fatalidade pode vir a ocorrer ou pode acontecer também se o impedimento for rompido quando o sujeito se encontre nessa exuberância fálica. Quanto a relação entre acting-out e transferência, a respeito disso Lacan, nesse mesmo seminário, aponta que se somos analistas, logo, ele 20 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

12 SEÇÃO TEMÁTICA SUDBRACK, M. A. Objeto que cai. se dirige ao analista. Se ocupou este lugar, pior para ele. Ele tem de qualquer forma a responsabilidade que pertence a esse lugar que ele aceitou ocupar. E, nesse ponto, retomamos uma afirmação feita no início desse texto, qual seja de que o Agieren diz respeito ao agir tanto sem análise como em análise. Lacan propõe que, diferentemente do sintoma, o acting-out é o início da transferência. É a transferência selvagem. Não é preciso análise, vocês já sabem disso, para que haja transferência. Mas a transferência sem análise é o acting-out. O acting-out sem análise é a transferência. E lança a pergunta de como fazer para que o elefante selvagem entre no curral, de como fazer para que o acting-out, passe a circular na transferência fazendo com que o paciente possa se re-situar e se inserir de novo no discurso. Talvez possamos, através da figura do pai da jovem homossexual, interrogar ao próprio analista para cujo olhar está endereçada a vistosa, enlouquecida e não menos persistente encenação: Mas o que o pai daquela mocinha poderia fazer, como esse outro poderia decifrar o acting-out, ele mesmo que não sabe que não sustenta mais o lugar onde o sujeito o havia instalado? 9 Encerrando esta contribuição, deixamos estas duas últimas perguntas em aberto e muitas questões a serem examinadas. 9 Emerich, Choula. In Dictionnaire de la psychanalyse. Sob a direção de Roland Chemama e Bernard vandermersch. Paris, Larousse, OBJETO QUE CAI Maria Auxiliadora Sudbrack Sinto uma angústia danada; é terrível porque a gente não sabe de onde vem esta dor... uma realidade prima e tão violenta, que ao tentar apreendê-la, toda imagem rebenta. João Cabral de Melo Não se nasce mulher, torna-se, diz Lacan criticando Jones a partir de Freud. Muito se tem escrito em psicanálise sobre esta mulher que surpreende, que percorre caminhos edipianos assimétricos depois de um ponto de partida comum, que se apega à mãe e depois ao pai, que não se pode universalizar em seu gênero, sendo tomada apenas uma a uma, que provoca a interrogação de Freud: o que quer uma mulher? Freud nos apresenta, em 1920, o relato de uma paciente, intitulado Sobre a psicogênese de um caso de homossexualidade feminina, que lhe proporcionou uma série riquíssima de reflexões. Sabemos que os fracassos de sua prática antecipavam desenvolvimentos teóricos importantes, ao mesmo tempo que sua narração abria pontos de crítica imprescindíveis para o avanço da psicanálise. É do mesmo ano seu trabalho: Além do princípio do prazer, ponto de mudança quanto à teorização do conceito da Repetição, o qual vai influir diretamente ao recolocar a função da Resistência em análise. Isto porque na clínica da perversão o caso clínico da jovem homossexual aparece como limite, assim como a interrupção do atendimento de Freud na direção desta cura, por sua própria iniciativa, levantou questões que poderíamos chamar de fronteiras. Entre os pontos aí estudados por Freud aparece, em dois conceitos não trabalhos em um momento a parte por ele, o Agieren, ou seja, o Acting-out e a 22 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

13 SEÇÃO TEMÁTICA SUDBRACK, M. A. Objeto que cai. Passagem ao ato, porém bastante utilizados pela psiquiatria inglesa, é claro, sem a especificidade psicanalítica. Lacan, entretanto, os retoma em seu seminário sobre A Angústia ao discutir o caso da jovem homossexual, tematizando-os psicanaliticamente. Recordemos as articulações principais do caso: Freud começa pela demanda de análise. Diz ele:...a situação ideal para análise é a de alguém que é seu próprio senhor, estar sofrendo de um conflito interno, que é incapaz de resolver sozinho; assim, leva seu problema ao analista e lhe pede auxílio. No entanto, acrescenta: a jovem não era uma doente, não sofria em si de nada, nem se queixava de sua condição, logo não era da ordem do sintoma o que ali se tratava. Por outro lado, não era o sujeito quem pedia a cura, mas os pais que urgiam ver na filha a normalização de suas opções amorosas, facilitando seu acesso ao sexo oposto. Freud observa as dificuldades encontradas nesse tipo de tratamento por encomenda, com o objetivo de satisfazer as exigências familiares não vai se comprometer com sua seqüência. É a partir da decepção com o pai pelo nascimento de um irmão, quando ela tinha dezesseis anos, que Freud, escutando a história da paciente, vai apontar um ponto de fratura como a irrupção no real do falo paterno, tão aguardado por ela como dom. Faz-se notar então, por seu assédio cortês, amor cortês, a uma dama de má reputação, uma cocotte dez anos mais velha com quem fazia questão de se exibir publicamente e, especialmente, frente ao local de trabalho do pai, deixando-o encolerizado. Um desafio assíduo e tranqüilo dirigido ao pai. Esse amor cortês, acentuado por Lacan, se apresentava como um discurso amoroso essencialmente viril, nos testemunhos de devoção, como um cavaleiro medieval que sofre tudo por sua dama, mas evitando toda a relação corporal. Dar o que não se tem, porém no caso da jovem, sua prova de amor à dama será a de dar o que não tem: o Falo. Certa ocasião, durante um desses passeios, estando bem perto de sua casa, encontra-se diante do pai, que, furioso, lança-lhe um olhar fulminante e vai embora. A dama, aborrecida, resolve dar um fim àquele relaciona- mento pueril e sai de cena. Estes dois fatos precipitam o desenlace: a jovem imediatamente atira-se de uma das pequenas pontes existentes em Viena e se precipita niederkommen nos trilhos da estrada de ferro metropolitana, se deixa cair. Podemos considerar este ato como uma tentativa de suicídio. Passagem ao ato? Freud, na sua escuta atenta à letra, saca um jogo de palavras com o verbo niederkommen, que significa tanto cair, como dar a luz, gravidez, parto, abandono e inicia uma interpretação dizendo que o motivo que a impelira à homossexualidade seria o desejo de ter um filho do pai e agora caira, segundo ela, por culpa do pai. Lacan avança mostrando que quando a jovem cai ela faz um ato simbólico, isto é, o niederkommen de uma criança no parto. E diz mais: que o que é desejado está para além da mulher amada. Seu amor visa a algo que é diferente da dama, pois o que é justamente amado na mulher amada é aquilo que lhe falta, o objeto primordial, o falo, cujo equivalente o sujeito iria achar na criança, como Lacan coloca no Seminário as Relações de Objeto. Assim, ela, a jovem, faz de sua castração de mulher o que faz o cavaleiro em relação a sua dama, a quem oferece o sacrifício de suas qualidades viris, para fazer dela o suporte disso que está na relação por uma inversão: a colocação no lugar da falta, disso que falta no campo do Outro, ou seja, a garantia suprema, o fato de que a lei é realmente o desejo do pai, que há uma lei do pai, um falo absoluto,f, conforme o que Lacan trabalha no Seminário da Angústia. Retomemos agora a pergunta acima: que tipo de Agieren teria caracterizado o comportamento da jovem homossexual? Se a tentativa de suicídio é uma passagem ao ato, então, diz Lacan, toda a aventura com a dama de reputação duvidosa, que é elevada à função de objeto supremo, é um actingout. Por quê? Porque o acting-out é alguma coisa que se mostra na conduta do sujeito. Em contrapartida, a passagem ao ato implica uma retirada da cena que, no caso em questão, é antecedido e também sucedido por um acting-out. 24 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

14 SEÇÃO TEMÁTICA SUDBRACK, M. A. Objeto que cai. Vejamos, Freud não se cansa de insistir sobre a acentuação da conduta escandalosa da jovem, que se mostra cada vez mais diferente, descuidando-se até mesmo dos cuidados femininos, configurando um inegável acting-out. Trata-se de uma mensagem para o Outro, uma provocação à posição do analista para que desperte, para que olhe o que não pode escutar. A plenitude da situação está dada pelo fato de, ainda que na dama se situe a falta imaginária (-ϕ), que a jovem com seus oferecimentos amorosos tenta cobrir, é aquele olhar furioso e fulminante do pai o que vem tapar, cobrir a falta invocada. O objeto a fica aqui imaginariamente incluído, completando o que na cena se apresenta como falta. A dama é, portanto, o olhar, em contraposição ao que, desde o Outro, vem o olhar paterno. Assim, a dama, ao sair da cena, rompe a alternância (-ϕ) e (a) e a jovem literalmente se deixa cair, o que Freud articula com a caída do parto. Ela, a jovem, se identifica quase plenamente com o objeto a, com o olhar do pai, ao mesmo tempo rejeitada, dejectada, fora da cena, precipitando-se no vazio. (Para Lacan a identificação ao objeto seria total, porém isto só poderia acontecer se o suicídio tivesse sido consumado, o que não foi efetivado). Deixar-se cair, lançar-se no vazio, atravessar uma janela, defrenestrarse (etimol., fora da janela), forma mais escolhida para suicídios e que expressa a tentativa de atravessar a abertura, a separação do mundo, onde o sujeito retorna a essa exclusão fundamental, de onde ele se sente no momento mesmo onde se conjugam o desejo e a lei. É de se salientar que logo depois dessa tentativa, o pai da jovem a leva para se analisar, talvez procurando sustentar seu lugar pela mediação de Freud. Porém, Freud a deixa cair, passa ao ato, tendo confessado um impasse em relação a suas possibilidades de êxito na direção da cura, pois nos sonhos enganadores da jovem, ele constatava que ela nada mudara na escolha de suas opções sexuais, procurando a máscara da heterossexualidade como modo de enganar. Lacan comenta que o que escapa a Freud, neste momento, é que se trata aí de uma verdadeira transferência, estando aberto para ele, então, a via da interpretação do desejo de enganar, pois o essencial no inconsciente é a relação do sujeito com o Outro, implicando daí a possibilidade de realizá-la no nível da mentira, já que na análise estamos no nível da verdade e da mentira. Por outro lado, Freud está um tanto embaraçado, acredita que ela tem intenção de desorientá-lo, de conquistar seu favor para depois desapontálo como habitualmente fazia com o pai. Assim, pondo-se em defesa contra as ilusões ele já entrou no jogo, ele realiza o jogo imaginário, fá-lo tornar-se real, já que está dentro dele. E isso não falha (S.Rel.Obj., ). Além disso, interpretando muito precocemente, Freud faz voltar ao real o desejo da paciente, que não era o da intenção de enganá-lo, portanto, ele dá corpo a este simples desejo. Freud a encaminha a uma psicanalista mulher. Continuando, podemos nos perguntar, onde estão os textos de Freud especificamente sobre o suicídio, sobre a passagem ao ato? Na verdade, ele nunca se dedicou exclusivamente a esse tema, sabemos que Freud constantemente nos surpreende, e aqui também, pois sempre vamos encontrá-lo onde não o esperamos. Um desses lugares é a Psicopatologia da Vida Cotidiana, VI, cap.viii, trabalhando aí os Vergreifen, isto é, os atos descuidados e sintomáticos, onde ele apresenta uma série de fatos e atos cujo significante comum, repetido em todos eles, é cair. Escolhemos o último da série. Resumindo, trata-se de Tom e Teddie, conto de Heijermans, que fala sobre um casal de mergulhadores que se apresentava num teatro de variedades, com um tanque de ferro e vidro, onde faziam truques. Teddie recentemente iniciara um caso com o domador, e Tom os surpreendera no camarim, pouco antes do espetáculo. Olhares fulminantes, o marido exclama ameaçador: Depois!. Tom ficará dois minutos e meio debaixo d água trancado num baú hermeticamente fechado pela mulher que costumava, nesse pouco tempo, brincar com a chave atirando-a no tanque. Entretanto,neste dia ela se distraiu ao ouvir, dos bastidores, um curto assoviu do outro homem, o domador, que queria chamar a atenção dela. Ela olhou, sorriu para ele e, com um gesto desajeitado atirou a chave para o alto de tal forma que ela foi cair ao lado do tanque. Ninguém percebeu nada, todos, numa tal ilusão ótica, viram a chave cair dentro do tanque. Não 26 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

15 SEÇÃO TEMÁTICA SUDBRACK, M. A. Objeto que cai. houve como achá-la. Naquela noite Teddie inviuvara. Esta pequena narração sem nenhum comentário, escolhida por Freud como conclusão do capítulo, daria condições para levantarmos uma série de questões importantes. Entretanto, para não nos alongarmos mais, gostaria de me deter um pouco no sujeito Tom deste triângulo. Perdoa-me por me traíres, diria Nelson Rodrigues. Em que medida o próprio sujeito antecipa a ruptura que atribui depois ao outro? Partamos na hipótese de uma posição melancólica por parte de Tom, e sigamos com Lacan em seus itinerários neste campo. Deixar-se cair, deixar-se matar, matarse, o suicídio do melancólico, não há mais palavras possíveis, não há mais como dirigir-se ao Outro, sua última palavra, depois. A perda aí, diferente da falta, faz vacilar o desejo dando ao sujeito o sentimento de que o objeto perdido é justamente aquele que ele desejava, presentificando o objeto a, preenchendo a falta. No Seminário da Angústia Lacan sublinha que a identificação do melancólico com o nada, seria aquilo que não pertenceria ao registro especular, pois na falta de uma imagem narcísica suficientemente afirmada, ele encontra o nada que o define, como diante de uma moldura vazia: eu não sou nada. Note-se a ambigüidade, porque se não sou nada, então sou tudo. Que o sujeito se explique, mas como esse objeto a está de hábito mascarado por trás de i(a) do narcisismo, o i(a) do narcisismo está aí para que o a seja mascarado, desconhecido em sua essência. É isso o que necessita passar o melancólico através de sua própria imagem para poder atingir nesse objeto a que o transcende, aquilo cuja encomenda lhe escapa, isso cuja queda o arrastará para a precipitação, para o suicídio (3.7.63). No Seminário da Transferência, Lacan se pergunta sobre a desafeição melancólica, dizendo tratar-se não de luto, nem de depressão, a propósito da perda de um objeto, mas de um certo tipo de remorso, desencadeado por um desenlace que é da ordem do suicídio do objeto. Teria sido essa a sorte de Tom, a renúncia de seu eu, que o coloca na posição do mais completo abandono, da desistência desejante, de uma acentuada atividade da pulsão de morte, enfim, de uma renúncia geral, que o teria jogado, identificado com o objeto a para a passagem ao ato suicida? Voltemos agora ao nosso poeta João Cabral e ouçamos o que ele diz: REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Escrevo não para me expressar Mas para não cair num vazio (*) Este tema foi alvo de estudo no grupo Momento de Ler e no cartel com Adão Costa, Conceição Beltrão Fleig e Mário Fleig. FREUD, S. Sobre a psicogênese de um caso de homossexualidade feminina. v. XVIII (1920a), Rio de Janeiro, Imago, FREUD, S. Além do princípio do prazer. Rio de Janeiro, Imago, FREUD, S. A Psicopatologia da Vida Cotidiana. v. VI (1901a), Rio de Janeiro, Imago, LACAN, J. O Seminário, A Relação de Objeto. ( a), Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, LACAN, J. O Seminário, A Angústia. ( a), (Publicação interna, em português, do Centro de Estudos Freudianos do Recife). LACAN, J. O Seminário, Os quatro conceitos fundamentais de psicanálise.(1964a), Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, HARARI, R. Caída de un querer. (in cuadernos clinicos de actualidad psicologica). KAUFMANN, P. Dicionário Enciclopédico de Psicanálise O Legado de Freud e Lacan, Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, STEIN, M. L. Fora da casinha: a fragilidade sem abrigo. (Jornada de Abertura da APPOA A Beira da Loucura, abril 2002). 28 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

16 SEÇÃO DEBATES CARDOSO, U. C. DE. A relação de solidariedade... TEXTOS DA SEÇÃO DEBATES A seção debates estará publicando, a partir deste número do Correio, textos produzidos por nossos colegas e colaboradores referentes ao Fórum Social Mundial. Aproveitamos a ocasião para lembrar a todos que queiram contribuir com o Correio da APPOA, que enviem seus textos para a Comissão do Correio, através do A RELAÇÃO DE SOLIDARIEDADE DO SUJEITO DO INCONSCIENTE E O SUJEITO DA ESFERA PÚBLICA 1 Ubirajara Cardoso de Cardoso Os sofrimentos da neurose e da psicose são, para nós, a escola das paixões da alma, assim como o fiel da balança psicanalítica, quando calculamos a inclinação de sua ameaça em comunidades inteiras, dá-nos o índice do amortecimento das paixões da pólis. Jacques Lacan em O estádio do Espelho como formador da função do eu tal como nos é revelada na experiência psicanalítica Sempre que a relevância do discurso entra em jogo, a questão torna-se política por definição. Hannah Arendt Quem tem seguido as conferências desse FSM pode estar perplexo com a quantidade e diversidade das discussões. Contra um modelo chamado de neo-liberal, fundado na produção e consumo de objetos de pouca importância e alto valor agregado, debatem-se saídas onde estão em causa valores simbólicos de alta importância e baixo valor agregado. Contra um estado de coisas que tem no dinheiro seu valor máximo, uma outra partida que tem no humano e na ecologia os seus valores de paz, e para os quais ainda precisam ser equacionadas as bases econômicas sustentáveis. Esse FSM reuniu-se, então, com uma proposta principal: contra a militarização da globalização pretendida pelo atual cenário internacional do- 1 Esse texto é a escritura das questões apresentadas no ambiente do FSM, dentro da oficina da Clínica de Atendimento Psicológico da UFRGS, no dia 2 de fevereiro, numa mesa redondas que se chamou A pertinência pública do ato psicanalítico. 30 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

17 SEÇÃO DEBATES CARDOSO, U. C. DE. A relação de solidariedade... minado pela influência da Casa Branca e seu inquilino idiota, mal legitimado numa eleição de resultado duvidoso num país democrático do assim chamado primeiro mundo. Contra o domínio da violência, considerado fora da política, um outro estado de coisas apoiado no reconhecimento das diferenças e na democracia planetária e que precisa ser aprendido. Dessa forma não é nada surpreendente que nessa reunião um dos pontos altos seja a importância dada à questão da Educação. Quanto a esse ponto, sugiro a leitura do artigo Educar é ensinar a paz, assinado pela psicanalista Betty Milan e publicado na Folha de São Paulo de 31 de janeiro, véspera do FSM. Seguido esse artigo, talvez se possa concordar que está em causa um agenciamento da paz, no seu ensinamento, que exige uma noção de sujeito que não é o da sobrevivência. Há algum tempo atrás eu tentava expor ao psicanalista e professor José Luiz Caon a minha convicção de que, mais do que nunca, o sujeito que seria agente de transformação nesse século se trataria do sujeito da linguagem. Queria dizer com isso que o sujeito dos direitos humanos fundamentais, o sujeito humanitário, subsistiria, mas talvez não seria agente. Ele sobreviveria por causa da ajuda humanitária nas regiões de fome e doença da miséria endêmica, mas não seria agente de transformação. Nesse sentido, seria necessário considerar que nas condições de globalização haveria lugar de agente para um povo quando este pudesse primeiramente se valer da sua própria cultura, isso iniciando da importância que a própria língua possa merecer no seu exercício (principalmente nas produções dos e de escritores). Bem, a resposta que recebi do professor foi esta: que o sujeito será o da aprendizagem, querendo destacar com isso que a sujeitidade se tratará cada vez mais de um processo de aprendizagem e formação permanente. E qual formação será importante na construção de um mundo livre que se deseja? Sugeriria que se trata da formação que faça valer os fundamentos da esfera pública e proporei para o debate o que penso que o psicanalista tem a ver com a isso. Evoco aqui o exuberante esclarecimento que Hannah Arendt faz do estatuto da esfera pública como lugar da ação, definida esta como ato de encontrar as palavras adequadas no momento certo, e portanto constituindo a esfera democrática nos termos de discurso e de discursividade, logo, de linguagem 2. Por isso, afirmo que a esfera pública, tal como definida pela autora, exige necessariamente uma noção ou concepção de sujeito. Antecipo a direção: minha vontade lacaniana me faz observar que encontrar as palavras adequadas no momento certo é uma definição da enunciação que pode esclarecer o que é do suposto de um bem dizer constituir uma ética. Lembro ontem de nossas discussões sobre os casos clínicos apresentados. Falou-se a propósito de ser necessário emprestar o desejo para que faça função com aquelas crianças com dificuldades e impossibilidades tão grandes e precoces de subjetivação 3. Recordo-me também que isso mereceu a dúvida a respeito de se essa prática clínica se caracteriza como psicanalítica. Não pretendo resolver essa questão, mas apontar algumas saídas na direção da pertinência do engajamento do psicanalista com o seu ato na esfera pública. Ainda em relação com os casos clínicos, eu me lembro do texto de Lacan sobre o estádio do espelho em que fala que a assunção jubilatória de sua imagem especular por esse ser ainda mergulhado na impotência motora e na dependência da amamentação que é o filhote do homem nesse estágio de infans nos parecerá pois manifestar, numa situação exemplar, a matriz simbólica em que o [eu] se precipita numa forma primordial, antes de se objetivar na dialética da identificação com o outro e antes que a linguagem lhe restitua, no universal, sua função de sujeito. Nessa assunção jubilatória merece ser observado o momento da concepção do sujeito. Se fosse um instantâneo, seria o momento onde alma e corpo se unem cativos de uma identificação formadora da mediação 2 Para tal conclusão é necessário uma leitura atenta principalmente do capítulo II de A Condição Humana de Hannah Arendt, Editora Forense-Universitária LTDA 3 Trata-se da apresentação dos trabalhos clínicos com crianças com déficits muito precoces de subjetivação e que são abrigadas nos D.R.As. A Clínica de Atendimento Psicológico da UFRGS mantém com essa instituição (ex-febem) um trabalho de muitos anos e que foi um dos eixos da sua participação no FSM. 32 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

18 SEÇÃO DEBATES CARDOSO, U. C. DE. A relação de solidariedade... do outro na superação narcísica do auto-erotismo e da inscrição simbólica do traço distintivo que nomeará esse encontro e que poderá devir assumido como nome próprio, e se nossos lapsos insistiram em chamar os sujeitos pelos seus nomes, e não somente com suas iniciais, é a isso que se deve 4. Um sujeito assim concebido tem um lugar próprio que é ainda o mesmo da alienação do seu encontro com o desejo do outro, ou ainda do Outro,como Lacan precisou interpretar, porque mais do que indicar a permanência de um semelhante, indica a permanência da estrutura, o que para ele equivale a dizer a linguagem. Um sujeito alienado no seu encontro com a linguagem. Esse lugar é preciso para a assunção subjetiva e vimos como a sua falta produz efeitos que não são de negatividade, mas de exclusão. Esse lugar de alienação e também de divisão, divisão que poderíamos dizer significante, sem com isso querer reduzir todo o processo, é também o espaço psíquico que será formado pelos representantes das pulsões do Isso freudiano na resolução de uma conflitiva cuja solução é encontrada e mantida pelas funções do Complexo de édipo e Complexo de castração. Entretanto, se esse enredo serve para fundar um espaço subjetivo, ele ainda será o do assujeitamento e da neurose. Como se pode resolver isso? Desse espaço o sujeito freudiano é um efeito e ao mesmo tempo um produto. É efeito da divisão significante e produto junto com o objeto (pulsional) que instaura seu fantasma. É aqui que é esperado que a análise possa intervir na medida que sua práxis 5 incide sobre um sujeito. 4 Como é comum nesses lances, para preservar a reserva que se deve ter com o que se escuta, prepararam-se trabalhos onde os pacientes eram chamados somente pelas letras iniciais de seus nomes, justamente para evitar que fossem reconhecidos. Por ventura essas apresentações de pacientes não tinham a função de reconhecer o que estava mesmo faltando? Em alguns momentos, na condição de lapso, os nomes insistiam em comparecer na voz do terapeuta que apresentava. Algo que é preciso ser pensado como uma certidão. 5 Cf. Eis por que era importante promover, antes de mais nada, (...) exatamente o fato de que sua práxis [da psicanálise] não implica outro sujeito senão o da ciência. (Lacan, Escritos, p.878, JZE, 1998). Quando Arendt define a ação se trata da tradução do termo grego praxis. Portanto se pode esperar que uma análise sirva para produzir esse sujeito na sua realização em outro espaço do que naquele que o cativa. Que espaço é esse? Primeiramente é o espaço da transferência, que definimos aqui, com Freud, de outra cena. Com isso queremos dizer que esse espaço não é mais o da cena doméstica e privada e nem também é o da cena da esfera pública, em relação à qual entretanto deve ser interrogado, pois o espaço transferencial deve ser definido peculiarmente pelo discurso psicanalítico e precisa da noção de um corte interpretativo que o conclui mas não cessa seus efeitos, e isso de tal forma que, quando resulta na formação de um psicanalista, a permanência desses efeitos dependem de seu desejo junto com outros que vêm para suas próprias análises. Com isso quero dizer que a permanência desses efeitos da análise dependem também das condições de seu exercício estarem dadas. Vimos como para Lacan a ética que pauta essa prática foi dita por último como uma ética do bem dizer que comparamos com a definição arendiana da ação definida como o ato de encontrar as palavras adequadas no momento certo. É com esses termos que propomos que as condições do exercício da enunciação do sujeito do inconsciente dependem da validade com que uma cultura constitua sua esfera pública (que não deve ser confundida nem com o espaço social anônimo e muito menos com a sua contrapartida institucional, equivocadamente chamada de pública, muitas vezes com isso denotando um menos valor, paradoxalmente lugar dos excluídos e dos que não tem acesso). Se afirmamos anteriormente que a definição arendiana de esfera pública exigia uma concepção de sujeito, foi para interrogar qual é a relação desse sujeito com o sujeito formulado por Lacan a partir do campo do inconsciente freudiano. Propomos para a discussão a relação dessas duas necessárias formulações de sujeito. Acompanhamos como os debates desse FSM colocam a questão do sujeito que se deveria esperar ser o agente da transformação do mundo e da consolidação da democracia e da demodiversidade, conceito de que fala o Sr. Boaventura de Souza Santos. Ousamos portanto propor que o sujeito do 34 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

19 SEÇÃO DEBATES CARDOSO, U. C. DE. A relação de solidariedade... inconsciente, em relação à ética analítica, é solidário do sujeito da esfera pública. Vamos preferir usar nesse Fórum esse termo de mediação ao invés de dizer que se trata do mesmo sujeito, o que também poderia ser dito e debatido. O caso ontem apresentado e que lidou com a situação da procura mendicante de comida transformada num pedido da possibilidade de continuar vindo para falar 6, parece-me que figura o que tento concernir e que poderíamos esclarecer num mecanismo que se assemelharia ao do chiste, somente que seria o seu avesso: o excluído teria acesso por sua enunciação, mas ao invés de fazer rir pela queda de sua grandeza interpretaria pela assunção de sua dignidade de fala. Dessa forma compreendemos que esse acesso é estreitamente relativo ao reconhecimento de uma dívida simbólica com as próprias determinações da fala, mais do que com a existência de um acúmulo de riquezas. Pensamos, então, que pode ser estabelecido que o compromisso ético de tal sujeito no engajamento de seu desejo se esclarece no ato de promover as condições de sua enunciação, preservando os efeitos da análise que a constituiu. É por isso que o analista se engaja com a sua ética, porque o ato psicanalítico se fundamenta na produção de significantes, não quaisquer, mas significantes que produzem a separação e a desalienação na medida que revelam um nova formulação da verdade com o saber, com o objeto e com o desejo e com a possibilidade de sua enunciação na palavra falada e escrita. Dessa forma, que o analista engaje seu procedimento tanto na instituição pública como no seu consultório de iniciativa própria (e nunca privado, o que seria um engano conceitual) é a proposição de que a palavra valha em toda a extensão da cultura. Que assim valha a palavra é condição de que o sujeito, o sujeito que interessa à psicanálise, possa triunfar sobre o recalcamento de sua expressão. Que a práxis da psicanálise devolva ou dê originariamente a palavra ao sujeito é uma ética que está de acordo com a sustentação em ato de uma esfera do discurso e da ação onde essa palavra pode ser efetiva. Assim, para concluir, talvez se possa retomar o que ontem foi interrogado com a questão sobre o que está em causa em se emprestar o desejo no tratamento. 6 Caso clínico apresentado que lidou com essa situação e que tratava da questão do pagamento do tratamento na clínica pública institucional. 36 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

20 RESENHA RESENHA SEMINÁRIOS ESPETACULARES BERARDI, Ben; RIBEIRO, Eduardo Mendes; PEREIRA, Robson de Freitas et alli. Porto Alegre : APPOA, CORAG e Casa de Cultura Mário Quintana, p. Seminários Espetaculares é o resultado de um encontro entre psicanalistas da Associação Psicanalítica de Porto Alegre (APPOA) e profissionais de outros campos do saber. O objetivo deste encontro foi uma reflexão crítica acerca das transformações pelas quais está passando nossa cultura. Uma delas é a necessidade de uma certa forma de visibilidade tomando a dimensão de um espetáculo, abrangente em diversos campos sociais. A que responde? Quais são os seus efeitos? São algumas das questões de que se ocuparam os autores. São 18 textos, agrupados em cinco grandes temas. Além de um indiscutível rigor teórico, exibem uma rara beleza na forma com que os autores vão tecendo suas proposições e articulando-as com o nosso cotidiano. É como se cada texto pudesse tomar a dimensão de um livro e cada conjunto outro, dada riqueza e desdobramentos que suscitam. Fato que não poderá, evidentemente, ser contemplado numa resenha. Logo, esta é uma conciliação entre o desejo de apresentar todos os trabalhos e a impossibilidade de fazê-lo como gostaria. ESPETÁCULO E RELIGIÃO O espetáculo, no texto de Pablo Seman, tem a função de dar voz a uma representação que foi banida do nosso cotidiano por sucessivas punições simbólicas, que nossa cultura fez sentir a quem não seguiu as expressões do pensamento da cultura dominante. Neste caso, trata-se do vínculo do homem com o sagrado, fazendo parte dele e, ao mesmo tempo, transcendendo a ele e podendo manifestar-se concretamente nele. A modernidade, ao despojar algumas culturas do saber tradicional, tornou possível o retorno deste nas insígnias de nossa época já apropriadas pelas culturas em questão. Por exemplo, os livros, símbolo das culturas mais eruditas, e Paulo Coelho, reflexo de uma cultura com saberes mais místicos, cinemas, lugar de um tipo de espetáculo, agora sede de cultos religiosos. Considerando a sociedade moderna em seus desdobramentos subjetivos e tecnológicos, Robson de Freitas Pereira toma a questão da religião como um significante/fundamento (principalmente a judaico/cristã), para pensar a função do espetáculo religioso. A partir da observação do crescimento significativo das igrejas neopentecostais, com sua política de difusão 24 horas no ar, entende que nestas estão inseridas características ou necessidades da subjetividade atual. Na falta de uma verdade universal apaziguadora, o ser contemporâneo se permite buscar esta verdade onde quer que pense que ela esteja no momento, sem, necessariamente, ser fiel a uma só prática religiosa. Esse sincretismo religioso é um dos desdobramentos da reforma iniciada por Lutero, acrescido de um certo individualismo de nossos tempos. Porém, não é excludente que à religião seja facultada a possibilidade de ser organizadora do sujeito, na medida que pode tecer malhas de sustentação ao desamparo primordial, pela articulação das ordens Simbólicas, Imaginárias e Reais. A discussão é ampliada pelo autor, que passa a considerar o fundamentalismo como um significante que pode permear o ideal imaginário de qualquer cultura, em qualquer campo do saber, em qualquer tempo...porque fazem parte de um dos ideais mais caros de nossa cultura. O sonho da exclusividade e totalidade (seja sexual ou social). Para Airton Jungblut, a dimensão do espetáculo tem um ângulo mais crítico. Pensa que esta foi a forma encontrada pelas ordens religiosas, para dar conta da necessidade de se vender no mercado, pela crise de credibilidade provocada pelo Calvinismo, que fez surgir várias religiões. Com quem está a verdade e conseqüentemente os fiéis? Essa espetacularização religiosa seria um golpe de marketing, com visão mercadológica muito astuta e precisa, que toma feitos religiosos, como catarses, exorcizações e outros, somente para consolidação de mercado. O Padre Armando Marocco diz que o espetáculo não pode ser um fim para satisfazer qualquer necessidade como pro- 38 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio 2002 C. da APPOA, Porto Alegre, n. 102, maio

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br

Depressão* Marcos Vinicius Z. Portela** Fonte: www.institutoreichiano.com.br Marcos Vinicius Z. Portela** Depressão* Em primeiro lugar, gostaria de agradecer a oportunidade para estar aqui hoje nesta breve exposição - a qual pretendo, com a ajuda de todos, transformar numa conversa

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Maria Auxiliadora Bragança de Oliveira Este trabalho começa com uma modificação em seu título. Em lugar de perguntar Quais as condições necessárias

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

A passagem ao ato do analista

A passagem ao ato do analista A passagem ao ato do analista Flavia Pinhal de Carlos e Marta Regina de Leão D Agord O termo passagem ao ato foi utilizado, assim como o termo acting out, como tradução do termo alemão agieren usado por

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2

A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 A bela Junie 1 : uma conversa sobre o amor Ângela Batista 2 Chistophé Honoré, diretor do filme A bela Junie, inspira-se no romance A Princesa de Clèves, publicado anonimamente por Madame de Lafayette,

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA...

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... Autora: Cristiana Rodrigues Rua O objetivo deste trabalho é formular algumas hipóteses a partir do relato de uma psicoterapia

Leia mais

A palavra que humaniza o desejo

A palavra que humaniza o desejo 1 A palavra que humaniza o desejo Cristina Drummond Palavras-chave: pai, desejo, criança, Gide. Proponho tomarmos o caso Amâncio como um paradigma da função do romance familiar para a amarração de um sujeito.

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

A Outra: o delírio da histérica

A Outra: o delírio da histérica Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 1 Ana Martha Maia e Maria Fátima Pinheiro Desde Freud, podemos dizer que a fantasia e o delírio são construções ficcionais

Leia mais

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha

Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha Aríete Garcia Lopes Vera Vinheiro Apulsão, um dois quatro conceitos fundamentais colocados por Lacan, desenha o horizonte do discurso psicanalítico. Situada aquém do inconsciente e do recalque, ela escapa

Leia mais

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor

Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Sobre o filme Sonata de Outono - Da (im)possibilidade do amor Cristina Marcos No filme Sonata de Outono, Bergman nos dá a ver a conturbada relação entre mãe e filha, marcada pela impossibilidade do amor.

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica

A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica A descoberta freudiana da fantasia fundamental* Palavras-chave: fantasia, clínica, neurose, realidade psíquica Laureci Nunes A fantasia fundamental, aspecto central da vida psíquica, orienta a clínica

Leia mais

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise.

CONTEMPORANEIDADE. Palavras-chave: pai, interdição do incesto, Lei, complexo de Édipo, contemporaneidade, psicanálise. A FUNÇÃO DO PAI NA INTERDIÇÃO E NA LEI: UMA REFLEXÃO SOBRE IDENTIFICAÇÃO E VIOLÊNCIA NA CONTEMPORANEIDADE. Jamille Mascarenhas Lima Psicóloga, Universidade Federal da Bahia. Especialista em psicomotricidade,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1]

Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Patologias narcísicas e doenças auto-imunes: a questão da transferência [1] Teresa Pinheiro [2] Este trabalho é um desdobramento da nossa participação na pesquisa clínico-teórica, Patologias narcísicas

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais:

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais: Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL Declaração de cessão de direitos autorais: Eu Luciano Bregalanti Gomes, autor do trabalho intitulado O amor de transferência no trabalho

Leia mais

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa

O amor em análise: algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 : algumas considerações a partir de depoimentos de passe Jussara Jovita Souza da Rosa [...] Falar de amor, com efeito, não se

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL

REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL 1 REFLEXÕES SOBRE O BRINCAR E O JOGO INFANTIL Júlia Carolina Bosqui 1 RESUMO: Apresentam-se algumas considerações sobre a importância do brincar para o desenvolvimento infantil a partir da experiência

Leia mais

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito

A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito A Função do Nome Próprio no Campo do Sujeito Autor: Felipe Nunes de Lima Bacharel em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrante do Núcleo de Pesquisa: Psicanálise, Discurso e Laço

Leia mais

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS Marien Abou Chahine 1 Resumo Este artigo é resultado da mesa do IV Congresso de Psicologia da Unifil, cujo objetivo foi explanar sobre a prática da Psicanálise com

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO Sandra Chiabi Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três namoradas. Contou que estava envolvido com as três, e uma delas pedira que

Leia mais

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador

O sujeito e o sexual: no contado já está o contador O sujeito e o sexual: no contado já está o contador Nilda Martins Sirelli Psicanalista, doutoranda em Memória Social pela UNIRIO, professora do curso de graduação em Psicologia da Universidade Estácio

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

Toxicomanias - Introdução

Toxicomanias - Introdução Toxicomanias - Introdução Curso de Gerenciamento de Casos Rede SUS e SUAS Patrícia Rachel Gonçalves Psicóloga Clínica CETAD/UFBA Coordenação Núcleo de Clínica Coordenação Programa de Estágio Posição Discursiva

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Entretantos, 2014. Grupo:CURSO CLÍNICA PSICANALÍTICA: CONFLITO E SINTOMA CONFLITO E SINTOMA: UMA ABORDAGEM DA TEORIA PSICANALÍTICA

Entretantos, 2014. Grupo:CURSO CLÍNICA PSICANALÍTICA: CONFLITO E SINTOMA CONFLITO E SINTOMA: UMA ABORDAGEM DA TEORIA PSICANALÍTICA Entretantos, 2014 Grupo:CURSO CLÍNICA PSICANALÍTICA: CONFLITO E SINTOMA Integrantes:Alessandra Sapoznik, Ana Maria Sigal, Christiana Cunha Freire, Daniela Danesi, Eliane Berger, Iso Ghertman, Lucía Barbero

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos

Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Histeria e Corporalidade: O Corpo histérico através dos tempos Este trabalho tem por intuito verificar quais as transformações sofridas pelos sintomas histéricos ao longo dos anos. Esta indagação se deve

Leia mais

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2

Freud, S. Inibições, sintomas e ansiedade (1925). Em: Obras completas. Rio de Janeiro: Imago, 1969. 2 DAR CORPO AO SINTOMA NO LAÇO SOCIAL Maria do Rosário do Rêgo Barros * O sintoma implica necessariamente um corpo, pois ele é sempre uma forma de gozar, forma substitutiva, como Freud bem indicou em Inibição,

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) -------

Transferência. Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Transferência Transferência (Conferências Introdutórias à Psicanálise, 1916/17, Teoria Geral das Neuroses) ------- Erros na tradução da Imago: 1 Página 505: 5a. linha (de baixo para cima: não consenso,

Leia mais

A Estrutura na Psicanálise de criança

A Estrutura na Psicanálise de criança A Estrutura na Psicanálise de criança Maria de Lourdes T. R. Sampaio O que está na cabeça do filho depende de seu desejo 1 Esta frase de Alfredo Jerusalinsky, que se refere à ilusão de alguns pais de que

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO

PROJETO PARA UMA PSICOLOGIA CIENTÍFICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO APARELHO PSÍQUICO Lucy_de_Castro_O_Caso _Emma_uma ilustração_do_projeto 1 Emma_Projeto_Primeira_mentira_ O caso Emma ilustra o capítulo II do Projeto para uma Psicologia Científica, desenvolvido por Freud a partir de suas

Leia mais

Transformações na intimidade no século XXI

Transformações na intimidade no século XXI Transformações na intimidade no século XXI Sissi Vigil Castiel* A clínica de anos atrás era freqüentada principalmente por mulheres que vinham por desventuras amorosas, por não entenderem o que os homens

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Angústia: acting-out e passagem ao ato * Manoel Barros da Motta ** Jacques-Alain Miller, ao estabelecer o Seminário X de Lacan, A angústia 1, dividiu-o em quatro

Leia mais

Entrevista com Petra Costa por Tânia Abreu

Entrevista com Petra Costa por Tânia Abreu ADiretoria Boletim da Escola Brasileira de Psicanálise! na Rede Outubro 2013 Boletim eletrônico das Bibliotecas da EBP Maria Josefina Fuentes (Diretora Secretária da EBP) Tânia Abreu (Coordenadora da Comissão

Leia mais

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático

Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Um olhar psicanalítico sobre o Transtorno de Stress Pós-Traumático Fernando Del Guerra Prota O presente trabalho surgiu das questões trabalhadas em cartel sobre pulsão e psicossomática. Não se trata de

Leia mais

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL?

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL? 1 Autora: Juliana Ribeiro Câmara Lima Eixo Temático: AT e instituição de educação Pertinência Institucional: IECE- Instituto Educacional Casa Escola Domicílio: R Raimundo Chaves, 1652. Casa H 03, Candelária,

Leia mais

Amor, Transferência e Desejo 1.

Amor, Transferência e Desejo 1. Amor, Transferência e Desejo 1. Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na II Jornada Freud lacaniana. Recife, 1997. Trabalho publicado nos Anais da II Jornada Freud lacaniana. Recife, 1998.

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora

Contardo Calligaris. Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses. z Zagodoni. 2 a edição. Editora Contardo Calligaris Introdução a uma Clínica Diferencial das Psicoses 2 a edição z Zagodoni Editora Copyright 2013 by Contardo Calligaris Todos os direitos desta edição reservados à Zagodoni Editora Ltda.

Leia mais

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos?

Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Por que há sonhos dos quais não nos esquecemos? Luciana Silviano Brandão Lopes Quem já não teve a sensação de ter tido muitos

Leia mais