Doação de Órgãos: você já falou sobre isso?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doação de Órgãos: você já falou sobre isso?"

Transcrição

1 Introdução A Omni Marketing, instituto de pesquisa, realizou um estudo na cidade de São Paulo, para investigar a opinião e familiaridade do paulistano a respeito de doação de órgãos. Sem dúvida, um assunto difícil para todos os envolvidos; é a morte gerando vida. De um lado, o possível doador e seus familiares, sofrendo pela situação e tendo que tomar uma decisão rápida. De outro, uma lista de espera com receptores ansiando por um telefonema. O Brasil possui uma das maiores listas de espera do mundo, com nomes em Maio de 2003, seguido pelos EUA (Fonte de dados: SNT). No entanto, o número de doadores efetivos é crescente desde 1995, mas ainda muito aquém a esta necessidade e principalmente reduzido em proporção à população brasileira. Nesse caso, o Brasil figura em torno do 20 o lugar no ranking mundial (Fonte: ONT, ABTO e Adote Dados de 2000). Dados recentes mostram um quadro favorável, nos 2 primeiros meses de 2004 houve aumento de 44% no número de transplantes realizados em relação ao mesmo período de Esta evolução foi motivada, principalmente, segundo a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos, por campanha nacional promovida pelo Ministério da Saúde e o transplante cardíaco do artista Norton Nascimento, amplamente divulgado pela mídia. Atualmente, a legislação brasileira prevê que a responsabilidade pelo consentimento da doação é da família. Com isso, é primordial falar sobre o assunto entre familiares, explicitar o desejo favorável ou não, mas e o paulistano, fala sobre isso? Metodologia A metodologia utilizada foi de pesquisa quantitativa com abordagem pessoal em pontos de fluxos das diversas regiões da cidade de São Paulo: Centro (Avenida Paulista, Metrô São Bento, Anhangabaú / Praça da República) Norte (Shopping Anália Franco, Metrô Barra Funda, Metrô Tucuruvi) Sul (Metrô Santa Cruz, Shopping Morumbi) Leste (Metrô Artur Alvim, Metrô Tatuapé - Praça Silvio Romero, Metrô Itaquera - Poupa Tempo) Oeste (Teodoro Sampaio Largo da Batata, Parque Água Branca, Shopping Lapa) 1 Foram ouvidas 858 pessoas, entre os dias 3 e 10 de setembro de 2004 com a seguinte distribuição: 48% 52% Feminino Masculino 14% 6% 4 17% Não/ semi alfabetizado 1a à 4a - Ens. Fundamental 5a à 8a - Ens. Fundamental Ensino Médio Ensino Superior 7% 18% 13% 23% 16% 18 a a a a ou + 4% 3% 7% 2 50% Renda Familiar (R$) Até a a a 5200 Mais de % Recusa Católica Protestante Evangélica Doutrina Espírita Cultos Afro-brasileiros Testemunha de Jeová Outras Não pratica nenhuma religião Predisposição para a doação No grupo de entrevistados, identificamos 4 tendências: DOADOR 19% DOADOR POTENCIAL 44% NÃO CONSCIENTIZADO 14% NÃO DOADOR 23% Já conversou sobre o assunto no âmbito familiar e, por vezes, com amigo. Oficializou de alguma forma seu desejo de doar. Ë raro já ter conversado com a família sobre o assunto; expressa o desejo, mas dificilmente oficializa de alguma forma. Nunca conversou com familiares ou pensou sobre o assunto. Não tem opinião formada sobre doação de órgãos. Pode já ter conversado ou não sobre o assunto, mas posiciona-se contrariamente à doação.

2 Doação de órgãos: o assunto em pauta Falar sobre doação de órgãos não é uma situação comum entre os entrevistados, 46% destes nunca conversaram ou pensaram sobre o assunto, independente de sua idade. Mas, também, positivamente, constata-se que não é um tema esquecido pelos paulistanos: 5 em cada 10 entrevistados já se envolveram em conversas sobre o assunto, principalmente as mulheres. E ele se torna mais presente, na medida que o nível de escolaridade e poder aquisitivo da amostra aumentam. Praticantes de algum tipo de religião, demonstraram relativamente maior sensibilidade ao assunto. E, ainda, fala-se mais sobre doação de órgãos entre os espíritas do que católicos. Religiões essas antagônicas no entendimento do significado da morte. Enquanto que, esse número cai para 69% entre aqueles com Ensino fundamental incompleto. Quem nunca conversou sobre o assunto: o que pensa? Mesmo provocados durante a entrevista a se posicionarem sobre suas disposições em serem doadores, 3 em cada 10 entrevistados afirmaram não ter opinião nenhuma sobre o assunto: nunca pensaram sobre doação. Por outro lado, 49% demonstram vontade de serem doadores, sendo que os mais jovens (18 a 24 anos) mostraram-se mais suscetíveis à questão, bem como entrevistados com maior poder aquisitivo (renda entre 10 a 20 SM) e nível de escolaridade (mínimo Ensino médio completo). Não basta conversar: quem tem vontade de doar? No geral, as famílias que conversam sobre o assunto demonstraram predisposição em serem doadoras algum membro ou todos - sendo mais comum as mulheres expressarem este desejo. 4 em cada 10 entrevistados, todos membros da mesma família, expressaram o desejo de serem doadores. No caso do próprio entrevistado, 77% demonstram o desejo. Sim, só eu 37% 16% Sim, eu e outros familiares Sim, todos expressaram 8% Não, não queremos ser doadores Base: 451 entrevistados que já participaram de conversas em família Eu não quero ser doador mas tenho familiares que querem A vontade de ser doador está mais relacionada a questões pessoais do que a fatores como religião, idade ou renda. No entanto, o nível de escolaridade demonstra influência na disposição em ser doador: 93% dos entrevistados com nível superior, possuem na família pelo menos 1 membro com desejo de ser doador. 49% 29% Sim Não Não pensei Base: 407 entrevistados que nunca conversaram ou pensaram sobre doação + os que só conversaram com amigos. Não quero doar: por quê? Entre aqueles que se posicionaram contrariamente à doação, notam-se barreiras, principalmente relacionadas a: Medo (38%): são mitos e preocupações presentes. Receio de tráfico de órgãos, retirada dos órgãos antes de morrer, antecipação da morte para retirada dos órgãos. Convicção pessoal (%): opiniões e valores pessoais, talvez individualistas. São justificativas, como: nasceu no meu corpo, não daria a ninguém, não quero, não adianta prolongar a hora da morte. Esses receios tendem a aparecer com menor intensidade conforme a idade evolui, sendo que no grupo de entrevistados com mais de 60 anos, há preocupações mais presentes em relação à saúde dos órgãos a serem doados. Acreditam que envelheçam junto com a pessoa. Apesar de não se identificar nenhuma religião que proíba expressamente a doação de órgãos, 8% dos entrevistados se apóiam em convicções religiosas 2

3 para se posicionarem contrários ao procedimento. Apenas duas religiões recomendam cuidados, que não estão contemplados na legislação brasileira: Quem foi avisado? Base: % Judaísmo: receptor deve ser identificado e receber imediatamente o órgão. Não se permite destinar a banco de órgãos. Há ainda discussão entre diferentes correntes sobre a aceitação da morte encefálica como fim da existência humana. 2% 10% 10% 9% Testemunhas de Jeová: não permite a doação de órgãos que impliquem na transferência de sangue. Outros Só em docum. Irmão/ã Pai Filho/a Cônjuge Mãe Tem vontade de doar: oficializou? A maioria dos entrevistados que expressou a vontade de ser doador, apenas comentou sobre sua opinião sem formalizar de alguma forma, seja através de documentos ou de comunicado à família. Pela legislação brasileira, onde a decisão cabe à família, é primordial que os parentes próximos tenham ciência sobre o desejo de ser doador, sendo de certa forma irrelevante, ter documento oficial. A decisão é da família em respeitar ou não o desejo do parente. Nem sempre foi assim, já tivemos no Brasil o conceito de doação voluntária (de 92 a 97), onde só poderia ser doador quem tivesse expressado a intenção em vida. Em fevereiro de 1997, a lei instituiu o consentimento presumido, onde todos eram doadores potenciais, salvo aqueles que declarassem em vida objeção a este procedimento. Com a lei de março de 2001, a responsabilidade da decisão passa a ser exclusivamente da família. Apesar das constantes mudanças na legislação, parece que os paulistanos, representados pelos entrevistados, incorporaram o procedimento atual: dos entrevistados oficializaram seu desejo de serem doadores através do RG, carteira de habilitação ou documento escrito; e destes apenas 8% não avisaram à família. 65% Base: 545 entrevistados classificados como Doradores ou Potencial doadores Como tendem a agir as famílias paulistanas? Quando os entrevistados são levados a refletir sobre a hipótese de decidir sobre doar ou não órgãos de parentes próximos até 2 o grau - verificamos que: A maioria tende a autorizar e se preocupa em respeitar a vontade expressa pelo parente em vida. Já para 13% a decisão é baseada exclusivamente em sua opinião, independente do desejo do possível doador. Entre os não doadores há maior sinalização de fazer valer a sua opinião em detrimento da vontade do parente, 2 agiriam desta forma. E quando questionados sobre uma situação real de doação na família, apenas 5% dos entrevistados a vivenciaram, a grande maioria sem dificuldades. Alguns poucos enfrentaram problemas com a demora na retirada dos órgãos (burocracia, decisão tardia), inviabilizando a doação. Doação de órgão: o que se conhece? No geral, os entrevistados mostram-se informados sobre questões relativas à doação de órgãos. Quem enquadra-se como doador, apresenta maior esclarecimento sobre o assunto, enquanto que os não conscientizados, realmente, são os menos familiarizados com o tema e poderiam ser despertados para a questão. O nível de escolaridade e a renda refletem no grau de conhecimento sobre o assunto. 13% 2% Só comentou Está no RG/ habilitação Avisou familiares Documentou 3

4 Quando pode ocorrer a doação? A maioria dos entrevistados (55%) entende acertadamente que é quando ocorre a morte encefálica, mas parcela deles, embora reduzida, julga ser possível em estado de coma. Para 32% a doação só pode ocorrer após a parada cardíaca, que de fato é viável, mas reduz sobremaneira as opções de órgãos para doação restringe-se a: córnea, pele e ossos Curiosamente, também, nível de escolaridade nem sempre resulta em conhecimento mais correto: 16% dos que têm superior completo acreditam na possibilidade de doar a córnea em vida, índice bem próximo dos observados entre pessoas com Ensino Fundamental incompleto (12%). 89% 20% 16% 8% 5% 3% Base: 615 Rim Parte do fígado Medula óssea Córneas/ Olhos Pulmões Coração Outros Não/Semi alfabetiz. (50) 1a à 4a Série (190) 5a à 8a Série (149) Quando há morte celebral Quando está em estado de coma Outra Ensino Médio (353) Ensino Superior (116) Total (858) Quando o coração para de bater Não sabe Quando não pode doar? 46% não têm conhecimento sobre as situações impeditivas para doação. Entre os que dizem saber, a barreira apontada é ser portador de alguma doença, indicando conhecimento parcial, pois as restrições detalhadas são: Insuficiências orgânicas que comprometa órgãos e tecidos; Doenças infecto-contagiosas transmissíveis como: HIV, Chagas, hepatite B e C... Sepse (mega-inflamação); IMOS (Insuficiência Múltipla de Órgãos); Neoplasias malignas exceto tumores restritos a: sistema nervoso central, pele e colo de útero. De forma preocupante, apenas considera a demora na retirada dos órgãos como impeditivo para a doação, justificando assim a falta de agilidade na decisão da família que impede o transplante e, conseqüentemente vidas salvas. Doação em vida Conhecimento bem difundido entre os entrevistados: 72% têm ciência sobre esta possibilidade. O órgão mais mencionado para transplante intervivos é o rim, mas temos poucas mas curiosas menções como: coração, urina e córnea/ olhos. Nesses casos, entrevistados com idade superior a 45 anos tendem a fazer mais confusão entre os órgãos viáveis para este tipo de transplante. Conclusão De forma geral, os resultados evidenciam que as pessoas precisam ter acesso a mais informações sobre doação de órgãos. E mais ainda, há uma parcela significativa que poderia ser sensibilizada através de maior conhecimento sobre o tema. Sem dúvida, conhecimento e entendimento, associados ao grau de sensibilidade e solidariedade típica do povo brasileiro, gerariam maior disposição para a doação. Como observamos, o nível de escolaridade e a renda familiar podem facilitar ou dificultar a compreensão dos aspectos relacionados à doação. Portanto, tornam-se primordiais ações de esclarecimento com caráter educativo para atingir de forma mais efetiva a população. Aliás, campanhas de divulgação e esclarecimentos, em linguagem simples e direta, promoveriam a discussão em família e conscientização sobre a relevância do ato de doar. É a morte gerando vida! Quem sabe, pode entender mais; quem ainda não sabe, pode despertar para a questão. Os números mostram: Entre os que já conversaram sobre o tema: 77% demonstram o desejo de ser doador. Entre quem nunca conversou, o índice cai para 49%. Com o esforço da mídia, de órgãos governamentais e não governamentais na educação e sensibilização da população para discutir em família o tema doação de órgãos, haverá um contingente muito maior de pessoas pré-dispostas a doar. 4

5 No entanto, para que essa sensibilização em torno do tema surta efetivamente efeito, deve-se trabalhar, também, com a outra ponta: os médicos. Cabe á classe médica o papel de provocar a decisão da família. Portanto, além de sensibilizados e devidamente preparados tecnicamente, os médicos precisam saber como conduzir a abordagem deste delicado assunto com os familiares. Assim, com o tema em pauta na família e equipes médicas habilitadas para esta situação, o número de pacientes em listas de espera seria reduzido significativamente. Equipe Omni: Este estudo teve o envolvimento de toda equipe de colaboradores Omni sendo os principais responsáveis: Análise: Maria Amélia Colicchio Processamento: Lúcia Galindo. Campo: Silvana Ricardo. Coordenação Geral: Regina Pacheco Diretora - Tel: (11) Realização: Omni Marketing e Rádio Bandeirantes Colaboração: ADOTE, Via Vida e Cópias e Cia. 5

Doação de. órgãos. Você já falou sobre isso? Realização: Setembro/04. Revisado: 24/09/04 - ES

Doação de. órgãos. Você já falou sobre isso? Realização: Setembro/04. Revisado: 24/09/04 - ES Doação de Revisado: 24/09/04 - ES órgãos Vai ter uma hora que você não vai precisar mais dos seus olhos, dos seus rins, do seu coração, do seu fígado, de todos os seus órgãos. Então, doe. Você já falou

Leia mais

A PRINCIPAL JUSTIFICATIVA PARA A NÃO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS É O MEDO

A PRINCIPAL JUSTIFICATIVA PARA A NÃO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS É O MEDO A PRINCIPAL JUSTIFICATIVA PARA A NÃO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS É O MEDO Inayara Soares da Silva No Brasil, eiste a carência de doadores de órgãos, o que acaba dificultando os processos de transplante em todo o

Leia mais

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES A Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes-CIHDOTT tem por objetivo a organizar todo o processo

Leia mais

MAIORIA NÃO CONVERSA COM A FAMÍLIA SOBRE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS

MAIORIA NÃO CONVERSA COM A FAMÍLIA SOBRE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS MAIORIA NÃO CONVERSA COM A FAMÍLIA SOBRE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS Emmanuelle Serrano Queiroz No Brasil, a doação de órgãos é, sem dúvida, um tema que sempre está em discussão, principalmente no que se refere às

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - ABTO ABTO

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - ABTO ABTO Doação de órgãos e tecidos A vida em suas mãos... Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - O que é Doação de Órgãos? É um ato pelo qual você manifesta a vontade de que, a partir do momento de sua

Leia mais

DOAÇÃO DE SANGUE. Raquel Rocha Gomes

DOAÇÃO DE SANGUE. Raquel Rocha Gomes DOAÇÃO DE SANGUE Raquel Rocha Gomes O dia 25 de novembro é nacionalmente comemorado como o dia do doador de sangue. Aproveitando esse tema, a Futura realizou uma pesquisa com os moradores da Grande Vitória

Leia mais

Transplantes de órgãos crescem 24,3% Qui, 24 de Setembro de 2009 00:00

Transplantes de órgãos crescem 24,3% Qui, 24 de Setembro de 2009 00:00 Qui, 24 de Setembro de 29 : Aumento é relativo ao número de procedimentos realizados com órgãos de doadores falecidos no primeiro semestre de 29 em relação ao primeiro semestre de 28. Ministério da Saúde

Leia mais

DOE SANGUE, DOE VIDA!

DOE SANGUE, DOE VIDA! 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (X) SAÚDE DOE SANGUE, DOE VIDA! Apresentador 1 Patrícia de Vargas Stella Apresentador 2 Josiane Cavali Barros da Silva Autor 3 Celso Luiz Borges

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA ALARCON, Bruna Santana 1 ; SANTOS, Dênis Ferreira dos 2 ; MAYNARDE, Israel Guilharde 2 ; DIAS, Raquel Vieira 2 ; ALMEIDA, Ricardo Araújo Meira

Leia mais

Tema 1. Redução da Maioridade Penal

Tema 1. Redução da Maioridade Penal Tema 1 Redução da Maioridade Penal Questão que sazonalmente aparece nos meios de comunicação e é matéria de discussão acalorada na sociedade civil diz respeito à redução da idade de imputabilidade penal

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

I CIHDOTT Curso para Implantação de Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes. Central de Transplantes de Goiás

I CIHDOTT Curso para Implantação de Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes. Central de Transplantes de Goiás I CIHDOTT Curso para Implantação de Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes Central de Transplantes de Goiás Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Sistema

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON

PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PESQUISA IBOPE / INSTITUTO AVON PERCEPÇÕES E REAÇÕES DA SOCIEDADE SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER 2009 PARCERIAS INSTITUTO PATRÍCIA GALVÃO Planejamento e supervisão da pesquisa IBOPE INTELIGÊNCIA Campo

Leia mais

UNOS LIFE DONATE" TRANSPLANT TRENDS. Waiting list candidates as of today 120,324 Transplants January July 2013 16,669 Donors January July 2013 8,215

UNOS LIFE DONATE TRANSPLANT TRENDS. Waiting list candidates as of today 120,324 Transplants January July 2013 16,669 Donors January July 2013 8,215 DOAÇÃO DE ORGÃOS 1 UNOS DONATE" UNITED NETWORKING FOR ORGAN SHARING LIFE TRANSPLANT TRENDS Waiting list candidates as of today 120,324 Transplants January July 2013 16,669 Donors January July 2013 8,215

Leia mais

Caderno de Redação. 8ª série Ensino Fundamental. Aluno(a):... 27/09/2011

Caderno de Redação. 8ª série Ensino Fundamental. Aluno(a):... 27/09/2011 Caderno de Redação 8ª série Ensino Fundamental Aluno(a):... 27/09/2011 Este Caderno de Redação segue as novas diretrizes estabelecidas pela portaria nº 109, emitida em 27/05/2009, no Diário Oficial da

Leia mais

www.transplante.rj.gov.br

www.transplante.rj.gov.br f AMOR E DOAÇÃO DE ÓRGÃOS S A N D R O M O N T E Z A N O 2 5 / 1 0 / 1 4 O que é transplante? O transplante é um procedimento cirúrgico que consiste na troca de um órgão (coração, rins, pulmão, e outros)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO. Capítulo I REGIMENTO INTERNO Capítulo I Da constituição, localização, finalidade e missão da Comissão Intra- Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes Art. 1º A Comissão Intra-Hospitalar de Doação

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) Dispõe sobre doação de sangue e células do corpo humano vivo para fins de transplante de medula óssea e de outros precursores hematopoéticos, e estabelece

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Relatório Técnico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA O Estatuto do Idoso três anos depois da promulgação 16 a 22 de agosto de 2006 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública de abrangência restrita ao

Leia mais

Jus>fica>va. Obje>vos

Jus>fica>va. Obje>vos Jus>fica>va O Brasil está entre os dez maiores emissores de gases de efeito estufa do mundo e a cada ano os brasileiros de Norte a Sul do país são mais afetados pelas consequências das mudanças climá>cas

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

DIFICULDADES E DESAFIOS NA DOAÇÃO Não faltam doadores. Falta doação.

DIFICULDADES E DESAFIOS NA DOAÇÃO Não faltam doadores. Falta doação. DIFICULDADES E DESAFIOS NA DOAÇÃO Não faltam doadores. Falta doação. Palestra realizada por Francisco N. de Assis, presidente da ADOTE no I Fórum sobre doação de órgãos e tecidos, promovido pelo Conselho

Leia mais

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas

rim medula óssea familiar tecidos córneas tecidos órgãos fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino pâncreas pâncreas familiar rim medula óssea fígado fígado pulmão pulmão pâncreas pâncreas intestino intestino tecidos córneas rim rim pâncreas pâncreas fígado fígado pulmão pulmão órgãos tecidos órgãos rins rins coração

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. Leandro de Souza Lino

PLANOS DE SAÚDE. Leandro de Souza Lino 1 PLANOS DE SAÚDE Leandro de Souza Lino Na atualidade, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a qualidade de vida e, por sua vez, com a saúde. Assim, a necessidade de ter planos de saúde se faz

Leia mais

Previdência Privada no Mercado Brasileiro. Nobody s Unpredictable

Previdência Privada no Mercado Brasileiro. Nobody s Unpredictable Previdência Privada no Mercado Brasileiro Nobody s Unpredictable Objetivos e Características 2 Objetivos e metodologia Metodologia Quantitativa, por meio de pesquisa amostral com questionário estruturado

Leia mais

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de Nesta sexta-feira (12) o Rádio Clube se dedica à solidariedade. Será feita uma campanha de captação de doadores de medula óssea no clube. A intenção da ação é sensibilizar as pessoas para aumentar o número

Leia mais

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ Através do presente sintetizamos as exigências legais previstas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS GABINETE DO VEREADOR ELIAS EMANUEL

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS GABINETE DO VEREADOR ELIAS EMANUEL PROJETO LEI Nº048/2015. Institui no Calendário Oficial do Município o Dia de Conscientização de Doação ao Transplante de Fígado, a ser celebrado anualmente no dia 27 de setembro, e dá outras providências.

Leia mais

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010 Pesquisa e Consultoria Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE 03 a 07 de Novembro de 2010 Rua Grão Pará 737, 4 andar Cep 30150-341 Belo Horizonte MG Tel. 31-33042100

Leia mais

RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 2012/2013 CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS

RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 2012/2013 CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 2012/2013 CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS Fontes: Central de Transplantes do RS/Secretaria Estadual da Saúde Sistema de Informações Gerenciais - Sistema Nacional

Leia mais

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário O desconhecimento sobre a doação de medula óssea é enorme. Quando as pessoas são informadas de como é fácil ser doador voluntário

Leia mais

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros UNIÃO HOMOAFETIVA Tâmara Barros O relacionamento entre pessoas do mesmo sexo ainda é uma questão controversa para a maior parte da população da Grande Vitória, conforme pode ser averiguado através de pesquisa

Leia mais

Você sabia que 56% dos órgãos ofertados não são aproveitados pelas equipes de transplantes?

Você sabia que 56% dos órgãos ofertados não são aproveitados pelas equipes de transplantes? Você sabia que 56% dos órgãos ofertados não são aproveitados pelas equipes de transplantes? O Sistema Nacional de s precisa de nossa ajuda. É chegada a hora de PULSAR VIDA. Através de ações estratégicas,

Leia mais

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício

Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 1 Fidelização dos consumidores aos planos de saúde e grau de interesse por quem não possui o benefício 2013 Índice 2 OBJETIVO E PÚBLICO ALVO METODOLOGIA PLANO DE SAÚDE O MERCADO DE PLANO DE SAÚDE PERFIL

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável

Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Os brasileiros diante da microgeração de energia renovável Contexto Em abril de 2012, o governo através da diretoria da agência reguladora de energia elétrica (ANEEL) aprovou regras destinadas a reduzir

Leia mais

Diretrizes antecipadas

Diretrizes antecipadas Ao ser internado no Western DanburyConnecticut Hospital, você Health precisará Network, informar se precisará possui algum informar tipose de possui Diretrizes algum antecipadas, tipo de Diretrizes como

Leia mais

O CONHECIMENTO COMO INSTRUMENTO NO INCENTIVO A DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS HUMANOS

O CONHECIMENTO COMO INSTRUMENTO NO INCENTIVO A DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS HUMANOS RELATO DE EXPERIÊNCIA O CONHECIMENTO COMO INSTRUMENTO NO INCENTIVO A DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS HUMANOS Carolini Piovesan 1 ; Claudete Adriana Moretti 1 ; Elise Berra 1 ; Gabriela Santana Lemos 1 ; Marciane

Leia mais

Reforma Política. Pesquisa telefônica realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil

Reforma Política. Pesquisa telefônica realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Reforma Política Pesquisa telefônica realizada pelo IBOPE Inteligência a pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Introdução 2 Objetivos Abrangência Geográfica Método de coleta Datas

Leia mais

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UECEVEST. PROPOSTAS DE REDAÇÃO MÊS: agosto/2015. Professoras: Mônica Albuquerque e Lúcia Helena. Proposta 01

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UECEVEST. PROPOSTAS DE REDAÇÃO MÊS: agosto/2015. Professoras: Mônica Albuquerque e Lúcia Helena. Proposta 01 CURSO PRÉ-VESTIBULAR UECEVEST PROPOSTAS DE REDAÇÃO MÊS: agosto/2015 Professoras: Mônica Albuquerque e Lúcia Helena Proposta 01 A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA DESCARTE DE BATERIAS DE CELULARES E REGULAMENTAÇÃO CONAMA 257/99 E 263/99: UM ESTUDO COM CONSUMIDORES NUM COMPLEXO DE INDÚSTRIAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 (Do Sr. Delegado Éder Mauro) O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI Nº DE 2015 (Do Sr. Delegado Éder Mauro) O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Nº DE 2015 (Do Sr. Delegado Éder Mauro) Institui o Programa Nacional de Recuperação de Dependentes Químicos. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.1 Fica instituído o Programa Nacional de Recuperação

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE?

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - POLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL PROFESSORA MORGANA BOZZA ALUNAS DA TURMA 71 DA ESCOLA

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA FARIA,

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA FARIA, EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA FARIA, William Macedo Lourenço de 1 ; SANTOS, Dênis Ferreira dos 1 ; MAYNARDE, Israel Guilharde 1 ; DIAS, Raquel Vieira 1 ; ALMEIDA, Ricardo Araújo

Leia mais

Projeto Elaboração de Jogos sobre Doação de Órgãos e Tecidos

Projeto Elaboração de Jogos sobre Doação de Órgãos e Tecidos 1 Projeto Elaboração de Jogos sobre Doação de Órgãos e Tecidos Márcia Ferret Renner Graduação: Ciências Biológicas Licenciatura Plena/1996 PUCRS. Especialização: Venenos Animais/1997 Instituto Butantan.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

Seguros de Vida no Mercado Brasileiro

Seguros de Vida no Mercado Brasileiro Seguros de Vida no Mercado Brasileiro São Paulo, /06/0 Job -034743 Nobody s Unpredictable Objetivos e metodologia Metodologia Quantitativa, por meio de pesquisa amostral com questionário estruturado a

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS EM AMBIENTES CORPORATIVOS. www.gentispanel.com.br

USO DE REDES SOCIAIS EM AMBIENTES CORPORATIVOS. www.gentispanel.com.br USO DE REDES SOCIAIS EM AMBIENTES CORPORATIVOS www.gentispanel.com.br Só quem tem uma base de 6,5 milhões de pessoas pode resolver suas pesquisas de mercado em poucos dias. Pesquisas ad-hoc Consumidores

Leia mais

Enquete. Dia dos Professores

Enquete. Dia dos Professores Enquete Dia dos Professores No dia 15 de outubro será comemorado o dia do professor. Muito se fala que a profissão, apesar de muito importante, perdeu seu glamour e prestígio, sendo incapaz de atrair a

Leia mais

DO FIM AO RENASCIMENTO

DO FIM AO RENASCIMENTO Foto: Arquivo Sistema de Procura de Órgãos e Tecidos do Hospital das Clínicas (SPOT-HC) DO FIM AO RENASCIMENTO A MORTE DE UNS PODE SALVAR A VIDA DE OUTROS QUE ESTÃO EM RISCO 6 Não há lado bom quando uma

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br. Tema: Passes e Curas Espirituais. Palestrante: Alexandre Lobato

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br. Tema: Passes e Curas Espirituais. Palestrante: Alexandre Lobato Palestra Virtual Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br Tema: Passes e Curas Espirituais Palestrante: Alexandre Lobato Rio de Janeiro 09/01/2004 Organizadores da palestra: Moderador:

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 BENDER, Leticia Silmara 2 ; MARZARI, Carla 3 ; MENEGAZZI, Bruna Boff 4 ; NEVES, Bruna Sartori 5 ; QUADROS,

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA JUNHO DE 2007 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública nacional Universo Eleitores e potenciais eleitores brasileiros que

Leia mais

Pesquisa Quantitativa Plastivida. Setembro de 2012

Pesquisa Quantitativa Plastivida. Setembro de 2012 Pesquisa Quantitativa Plastivida Setembro de 2012 objetivo geral Verificar a opinião da população de Belo Horizonte acerca da retirada das sacolas plásticas dos estabelecimentos comerciais da cidade e

Leia mais

INSTRUÇÕES DOUTRINÁRIAS

INSTRUÇÕES DOUTRINÁRIAS INSTRUÇÕES DOUTRINÁRIAS Muito pouco foi escrito com referência a instruções doutrinárias na Corrente do Amanhecer. O que se tem, fora o Livro de Leis e Chaves Ritualísticas, são trabalhos isolados, como

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei tem como base e inspiração a Lei Federal nº 11.930, de 22 de abril de 2009, de autoria do deputado federal Beto Albuquerque uma homenagem a seu filho e a

Leia mais

BIOLOGIA - PROPOSTA CURRICULAR. 1 -Proposta Curricular : 2ª LEI DE MENDELL. 2 Conteúdos: Conteúdo Estruturante : MECANISMOS BIOLÓGICOS

BIOLOGIA - PROPOSTA CURRICULAR. 1 -Proposta Curricular : 2ª LEI DE MENDELL. 2 Conteúdos: Conteúdo Estruturante : MECANISMOS BIOLÓGICOS BIOLOGIA - PROPOSTA CURRICULAR 1 -Proposta Curricular : 2ª LEI DE MENDELL 2 Conteúdos: Conteúdo Estruturante : MECANISMOS BIOLÓGICOS Conteúdo Básico: Sangue e sua importância Conteúdos Específicos: SISTEMA

Leia mais

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO

Valorizando ideias e experiências participativas que promovam o direito humano à educação REGULAMENTO REGULAMENTO 1. O RECONHECIMENTO PÚBLICO DE OLHO NOS PLANOS 1.1. O Reconhecimento Público é uma ação da iniciativa De Olho nos Planos, composta pelos seguintes parceiros: Ação Educativa, UNICEF, Campanha

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO.

VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. VOCÊ DÁ O SEU MELHOR TODOS OS DIAS. CONTINUE FAZENDO ISSO. Qualquer hora é hora de falar sobre doação de órgãos. Pode ser à mesa do jantar, no caminho para o trabalho ou até mesmo ao receber este folheto.

Leia mais

ABIA 25 Anos. 30 anos de AIDS: a história social de uma epidemia e a resposta brasileira. Rio de Janeiro, 8-9 de Agosto de 2012.

ABIA 25 Anos. 30 anos de AIDS: a história social de uma epidemia e a resposta brasileira. Rio de Janeiro, 8-9 de Agosto de 2012. ABIA 25 Anos 30 anos de AIDS: a história social de uma epidemia e a resposta brasileira Rio de Janeiro, 8-9 de Agosto de 2012 Roda de Conversa O Legado do Betinho: Solidariedade, Direitos Humanos e HIV

Leia mais

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 Este encarte Tendências aborda as manifestações populares que tomaram as grandes cidades brasileiras em junho

Leia mais

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. CELSO RUSSOMANNO (PP-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, transcorreram já mais de duas décadas desde que a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

PROJETO SANGUE CIDADÃO

PROJETO SANGUE CIDADÃO PROJETO SANGUE CIDADÃO 2015 Banco de Dados para Doadores de Sangue Criação de banco de doadores voluntários para atender campanhas emergenciais e fidelização de doadores de sangue B A N C O D E D A D O

Leia mais

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO: PRÁTICAS INTEGRATIVAS SOBRE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Renata de Barros Oliveira (UFPE/CAV) José Phillipe Joanou Santos (UFPE/CAV) Janaina Patrícia Dos Santos (Escola Estadual

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Inscrições apenas antecipadamente, podendo terminar antes da data marcada ao atingir 400 participantes.

Inscrições apenas antecipadamente, podendo terminar antes da data marcada ao atingir 400 participantes. 1ª CORRIDA NIGHT RUN 7K NOVA VENÉCIA - ES. Dia 12 de Dezembro de 2015 Centro de Nova Venécia ES - Brasil Horário: 19:30 horas Largada 7k Inscrição: www.campeaotime.com.br ou RANKING FITNESS ACADEMIA Nova

Leia mais

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!!

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!! OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. OBJEÇÕES VILÃS OU OPORTUNIDADES? A VISÃO ORIENTAL SOBRE Um para CRISE PERIGO (JI) A VISÃO ORIENTAL

Leia mais

Edital PROEX/IFRS nº 408/2014 Curso de Aperfeiçoamento em Língua Inglesa Alamo College/EUA

Edital PROEX/IFRS nº 408/2014 Curso de Aperfeiçoamento em Língua Inglesa Alamo College/EUA Edital PROEX/IFRS nº 408/2014 Curso de Aperfeiçoamento em Língua Inglesa Alamo College/EUA A Pró-reitora de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS),

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Transplante de Órgãos e Tecidos. Centro Médico de Ribeirão Preto 2014

Transplante de Órgãos e Tecidos. Centro Médico de Ribeirão Preto 2014 Transplante de Órgãos e Tecidos Centro Médico de Ribeirão Preto 2014 História dos transplantes Mitos da época da antiga Grécia, da romana e da chinesa apresentam relatos fantasiosos de transplantes realizados

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL INTRODUÇÃO... 2 1. ACESSO À INFORMAÇÃO... 3 1.1. Disposições gerais... 3 1.2. Cumprimento... 3 1.3. Supervisão...

Leia mais