USJ (26135) Plano de Ação Ambiental e Social (PAAS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USJ (26135) Plano de Ação Ambiental e Social (PAAS)"

Transcrição

1 USJ (26135) Plano de Ação Ambiental e Social (PAAS) Sistema de Gestão Integrado Ação Resultado Prazo 1. Implementar Sistema de Gestão Integrado para Gestão Ambiental, Social e Social e de Saúde e Segurança Implementar sistema de gestão integrado que incorpore os seguintes Comprovação AE +2 anos elementos: (i) organização; (ii) treinamento; (iii) engajamento da comunidade, Documental inclusive procedimento sobre divulgação e consulta junto às comunidades afetadas; (iv) monitoramento e (v) apresentação de relatórios. O programa de gestão tratará de impactos identified e riscos ambientais environmental e de & saúde e segurança, identificados de todas operações e aquisições existentes e futuras. Como parte integrante da,, a USJ desenvolverá programa de gestão, procedimentos, monitoramento e relatórios, e fornecerá training protocolos employees. de apresentação de relatórios, bem como fornecerá treinamento a empregados. 2. Implementar mecanismo de triagem referente a fornecedores de cana de açúcar (i) Desenvolver mecanismo de triagem para avaliar o risco de questões ambientais e (i) Comprovação sociais referentes a fornecedores de cana de açúcar; esta ação incluirá Documental atendimento à legislação trabalhista brasileira (NR31) e (ii) Plano de (ii) AE + 1 ano títulos imobiliários. Este mecanismo deverá ser parte integrante dos Implementação procedimentos de compras da USJ. (ii) Implementar este mecanismo em cada operação. 3. Engajamento da Comunidade (i) Formalizar engajamento da comunidade /procedimento de divulgação/ (i) Comprovação mecanismo de reclamação do público externo. Documental (ii) Contratar Diretor de Comunicação. (ii) Contratação de (ii) AE + 1 ano Diretor de Comunicação 4. Programa de Investimento Social Programa de investimento AE + 2 anos Desenvolver Programa de Investimento Social usando indicadores publicados pelo Instituto Ethos. social com cronograma

2 Condições Trabalhistas 5. Banco de dados de fornecedores de cana-de-açúcar (i) Criação de (i) Montar Banco de dados de fornecedores a fim de reunir banco de dados todas as informações (já coletadas pelos diversos departamentos e e plano (it) AE + 1 ano informalmente) sobre desempenho dos fornecedores em matéria trabalhista, a fim identificar riscos na cadeia de fornecimento (ii) Implementar em todas as operações. de (ii) Implementação em em todas as operações 6. Metas de Produtividade para cortadores de cana-de-açúcar Procedimento adotado AE + 3 Estabelecer teto de 12 toneladas por dia para cortadores de cana-de-açúcar, que assegure atendimento à regulamentação estadual e federal disciplinadora da jornada diária e horas extras. 7. Inexistência de discriminação e igualdade de oportunidade. Desenvolver e apresentar plano de para assegurar atendimento à cota de deficientes estabelecida pelo Governo Federal e para incrementar a diversidade em todos os níveis da organização. 8. Mecanismo de Reclamação (i) A USJ desenvolverá procedimento claro de reclamações, inclusive medidas a serem tomadas, processo de mediação, pessoas responsáveis, e modo de transmissão de feedback. (ii) Implementar procedimento de reclamação para cada operação. Apresentação de plano de, inclusive medidas, indicadores e cronograma. (i) Apresentação de procedimento de reclamação e plano de (ii) Comprovação Documental AE + 6 (ii) AE + 1 ano 9. Monitoramento do Local de Trabalho (i) A USJ desenvolverá um programa de monitoramento do local de trabalho que incluirá qualidade do ar, temperatura e ruído, (ii) Medidas corretivas serão implementadas conforme necessário consoante plano de a ser apresentado, (iii) Dados de monitoramento serão apresentados como parte integrante do Relatório de Monitoramento Anual (). (i) Fornecimento ao IFC de programa de monitoramento do local de trabalho (ii) Fornecimento ao IFC de plano de (iii) Dados de Monitoramento no (ii) AE + 1 ano (iii) Incluído no

3 10. Saúde e Segurança do Trabalho nas plantações (i) Cronograma de Procedimento e (i) Desenvolver e implementar triagem de saúde para trabalhadores rurais (próprios e cadeia de fornecimento), com foco na Doença de Chagas e uso de drogas, acompanhado de programa de conscientização, (ii) A USJ monitorará e reportará dados estatísticos de acidentes em todas as suas plantações próprias e arrendadas. O monitoramento incluirá trabalhadores diretos e subsubcontratados. (ii) Dados de Monitoramento no (ii) Incluídos no Prevenção e Redução de Poluição 11. Aplicação ao Solo de Água Residual A USJ desenvolverá um plano de monitoramento de lençol freático para quantificar o impacto sobre o lençol freático do armazenamento e irrigação de água residual proveniente das usinas de açúcar. A vistoria será realizada por profissionais externos qualificados, aceitáveis ao IFC. Termo de Referência para estudo será desenvolvido em consulta com o IFC. (i) Contratar consultor para concluir estudo sobre lençol freático (ii) Relatório final com recomendações e cronograma de (i) Cópia do contrato e TR (i) CDD (ii) AE + 6 (iii) Implementação de recomendações (ii) Cópia do (iii) Cronograma (iv) Apresentação de Relatório sobre dados de monitoramento de lençol freático Relatório final a ser pactuado (iii) Comprovação com o IFC em documental AE + 1 ano (iv) Dados (iv) Incluído no de Monitoramento no 12. Sustentabilidade de Recursos Hídricos (i) Apresentação A USJ implementará um plano sobre redução do consumo de água em todas as instalações. de plano de (i) Desenvolver plano de conservação de água conservação (ii) Cronograma (ii) Implementar recomendações de águas e a ser (iii) Relatório de dados de monitoramento de consumo de água cronograma de pactuado com o IFC em AE ano (ii) Implementação (iii) Incluído de medidas no

4 13. Emissões atmosféricas em todas as instalações A USJ analisará emissões em todas as suas instalações (enquanto usar bagaço e Bunker Óleo pesado C) C) à luz da regulamentação local bem como as diretrizes aplicáveis do IFC/BM A análise aplicáveis. sera realizada Review por profissionais will be qualificados aceitáveis ao IFC. corretivas Dados de (iii) Monitoramento no (i) Contratar consultor para concluir estudo sobre emissões atmosféricas inclusive (i) Cópia do contrato (i) CDD medidas em emissões de chaminés em todas as instalações e TR (ii) AE + 6 (ii) Relatório final com recomendações, cronograma de e alocação orçamentária (ii) Cópia do relatório final (iii) Cronograma a ser (iii) Implementação de recomendações Comprovação pactuado com (iv) Relatório sobre dados de emissão atmosférica (iii) Documental o IFC em AE + 1 ano (iv) Dados de (iv) Incluído monitoramento no no 14. Saúde e Segurança da Comunidade Comprovação Documental AE + 6 A USJ atualizará suas políticas e procedimentos para evitar os riscos e impactos à saúde e a outras culturas associados à pulverização aérea de herbicidas. A USJ também informará as comunidades circunvizinhas antes e durante o pulverização aérea. Aquisição de Terras e Reassentamento Involuntário 15. Regularização de Terras (i) Lista de fazendas (i) AE + 3 (i) Lista de fazendas próprias e arrendadas inclusive situação da (ii) tabela resumida, regularização das terras e prognóstico de obtenção da regularização esforços (ii) Conforme (ii) Total regularização dos títulos de propriedade das fazendas próprias localizadas comprovados e cronograma nos Estados de São Paulo, Goiás e Mato Grosso, dentro do cronograma relatório de apresentado apresentado andamento 16. Regularização de terras (fornecedores de cana-de-açúcar e terras arrendadas) Prontidão do sistema, AE + 2 anos Envidar esforços para contratar arrendamento e comprar cana-de-açúcar tão-somente de Relatórios operacionais e fazendas que tenham títulos de terras regularizados em São Paulo, Goiás e Mato Grosso, de andamento dentro de prazo específico, de acordo com a medida corretiva 2, descrita acima.. Conservação da Biodiversidade 17. Proteção e Conservação da Biodiversidade (áreas próprias)

5 Dar atendimento às leis de regularização ambiental mediante obtenção de licenciamento ambiental (ou respectivo documento estadual) para suas fazendas próprias em São Paulo, Goiás e Mato Grosso (LAU), no prazo apresentado.. (i) Conforme (i) Apresentar o Goiás/São Paulo documentação cronograma (i) Obter documento expedido pela competente autoridade ambiental (ou ao IFC. apresentado autoridade encarregada de questões ambientais) que indique que a Reserva (ii) Apresentar (ii) CDD protocolo Legal (RL) e a Área de Proteção Permanente (APP), estão sendo devidamente ao IFC. (iii) Bases constantes administradas ou que a Companhia deu início ao processo de licenciamento. (iii) Atualizar relatórios (iv) 1 º (iv) Apresentar licença desembolso Mato Grosso ao IFC. + 6 (ii) Entrar no SLAPR e obter protocolo comprobatório de que deu início aos (v) Apresentar plano procedimentos de licenciamento. (iii) Atender a todos os pedidos de informações da SEMA. (iv) Obter documento expedido pela autoridade ambiental competente (ou autoridade encarregada de questões ambientais) que indique que a Reserva Legal (RL) e a Área de Proteção Permanente (APP), estão sendo devidamente administradas ou que a Companhia deu início ao processo de regularização (por exemplo: TACs). CDD Condição de Desembolso; AE Assinatura do Empréstimo

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Sustentabilidade nas instituições financeiras Uma visão sobre a gestão de riscos socioambientais Como as instituições financeiras devem tratar a gestão de riscos socioambientais? O crescente processo de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Competências a serem trabalhadas ENTENDER OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 E OS SEUS PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Desafios para Programas de Sustentabilidade nas Cadeias de Soja e Pecuária de Corte

Desafios para Programas de Sustentabilidade nas Cadeias de Soja e Pecuária de Corte Desafios para Programas de Sustentabilidade nas Cadeias de Soja e Pecuária de Corte Campo Grande - 2013 Fabiano Luiz da Silva Gestor de Cooperativas Doutor em Ciências Florestais http://www.smcnucleus.com.br/

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Considerando que as usinas de açúcar e álcool podem contemplar a atividade de co-geração de energia;

Considerando que as usinas de açúcar e álcool podem contemplar a atividade de co-geração de energia; RESOLUÇÃO SEMAC N. 009 DE 17 DE MAIO DE 2007 Disciplina sobre o procedimento de licenciamento da co-geração de energia nas Usinas de Processamento de Cana-deaçúcar e dá providências. O Secretário de Estado

Leia mais

Políticas Operacionais

Políticas Operacionais Pág. 1 de 5 Recursos Culturais Físicos Nota: A OP e a BP 4.11 baseiam-se na Revised Draft Operational Policy/Bank Procedure 4.11 (Política Operacional Preliminar Revista/Procedimento Bancário 4.11): O

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores

Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Escola Politécnica da USP Curso de Engenharia Ambiental Modelo de Gestão, Política Ambiental, Missão, Visão e Valores Princípios da Gestão Ambiental 1 Prioridade corporativa 9 - Pesquisa 2 Gestão Integrada

Leia mais

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional

Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos Sistemas de Gestão da Qualidade. Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - QUALIDADE, MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Empresa: Cristal Raidalva Rocha OBJETIVO Implantação de Sistema Gestão Integrado SGI integração dos

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Organizadores Parceiros UFV LINHAS DE AÇÃO I. Qualidade de vida no trabalho II. Melhores práticas de produção e serviço III. Viabilidade

Leia mais

PARCERIA ESTRATÉGICA LICENCIAMENTO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL. Industria do Vinho. Julho 2008

PARCERIA ESTRATÉGICA LICENCIAMENTO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL. Industria do Vinho. Julho 2008 PARCERIA ESTRATÉGICA LICENCIAMENTO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL Industria do Vinho Procedimentos no âmbito de: Normas Disciplinadoras do Exercício da Actividade Industrial - Dec. Lei 69/2003, de 10 Abril,

Leia mais

A empresa possui uma Política Corporativa que contemple os seus aspectos ambientais?

A empresa possui uma Política Corporativa que contemple os seus aspectos ambientais? Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma Política Corporativa que contemple os

Leia mais

GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS

GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS nº 10/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC GESTÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS POLÍTICA INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE POLÍTICA INTEGRADA Disponíveis nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 5 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Auditoria Ambiental Questionário Pré-Auditoria É um instrumento utilizado na etapa de pré-auditoria,

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06

Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 RESOLUÇÃO CONAMA nº 306, de 5 de julho de 2002 Publicada no DOU n o 138, de 19 de julho de 2002, Seção 1, páginas 75-76 Correlações: Artigo 4 e Anexo II alterados pela Resolução CONAMA nº 381/06 Estabelece

Leia mais

Modelo de documentação Universidade de Brasília

Modelo de documentação Universidade de Brasília 1 OBJETIVO Assegurar o bom andamento de um projeto e desenvolvimento, conforme diretrizes regais de qualidade. 2 DEFINIÇÕES 2.1 WBS Work Breakdown Structure. Com base na técnica de decomposição que se

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2015 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO RISCO OPERACIONAL EXERCÍCIO 2016 A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados, Aposentados e Pensionistas da Companhia Estadual de Energia Elétrica e

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

Países em que a organização opera e em que suas principais operações estão localizadas

Países em que a organização opera e em que suas principais operações estão localizadas ÍNDICE REMISSIVO GRI GRI G434 Opção de acordo Essencial CONTEÚDOS PADRÃO GERAIS Indicador e Descrição Onde encontrar / Resposta ESTRATÉGIA E ANÁLISE G41 Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente PERFIL

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: Restrições para Uso: POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Acesso Controle Livre Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais

Pacto Global das Nações Unidas - Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report)

Pacto Global das Nações Unidas - Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) Direitos Humanos 1 - Apoiar e respeitar a proteção dos direitos humanos proclamados internacionalmente Assistência médica e odontológica A empresa oferece um plano de assistência médica e odontológica

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Orientações Consultoria de Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Orientações Consultoria de Segmentos trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria. Fazenda Pinhal e Santo Antonio. Resumo Público 08/02/ /01/ /12/ /12/2016

Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria. Fazenda Pinhal e Santo Antonio. Resumo Público 08/02/ /01/ /12/ /12/2016 Rainforest Alliance Certified TM Relatório de Auditoria Resumo Público Fazenda Pinhal e Santo Antonio Produto(s) da fazenda: Café Arábica Imaflora Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola

Leia mais

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²):

1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Áreas: Terreno (m²): Construída (m²): PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS PGRI Página 1/5 1. Identificação do Empreendimento Razão Social: Endereço completo: Classificação Fiscal: 2. Caracterização do Empreendimento Contato (Fone

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA 1/ 22 LOCAL: Sala de Reunião Presidência HORÁRIO: 14:00 H Assuntos tratados: 1. Resultados das auditorias internas e das avaliações do atendimento aos requisitos legais e outros subscritos pela organização

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Avaliação socioambiental de fornecedores

Avaliação socioambiental de fornecedores Avaliação socioambiental de fornecedores IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: CNPJ: Material/serviço que fornece: Responsável pelas informações: Cargo: Telefone: E-mail: Questionário Gostaríamos de conhecer

Leia mais

nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO

nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO nº 08/2016 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: PREO POLÍTICA INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE POLÍTICA INTEGRADA Disponíveis nos murais e no site da empresa PRINCÍPIOS REQUISITOS LEGAIS:

Leia mais

Progresso dos Compromissos para uma Cadeia de Valor Sustentável

Progresso dos Compromissos para uma Cadeia de Valor Sustentável 23 de dezembro de 2016 Progresso dos Compromissos para uma Cadeia de Valor Sustentável Oleaginosas & Grãos No final do ano de 2015, a Bunge anunciou uma série de compromissos para melhorar a sustentabilidade

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade Declaração Implementação da política Sistema de Gestão Ambiental (SGA)...

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade Declaração Implementação da política Sistema de Gestão Ambiental (SGA)... Sumário 1. Política de Sustentabilidade...05 1.1. Declaração...05 1.2. Implementação da política...05 2. Sistema de Gestão Ambiental (SGA)...06 3. Estrutura do SGA...06 3.1. Agenda Ambiental Operacional...08

Leia mais

Resumo. Avaliação da transparência das informações florestais em Mato Grosso

Resumo. Avaliação da transparência das informações florestais em Mato Grosso N O 3 ANO 3 FEVEREIRO DE 2014 ALICE THUAULT, JORCELINA FERREIRA E LAURENT MICOL Resumo A transparência das informações florestais é garantida no Brasil por um extenso arcabouço jurídico. As normas especificam

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DA CETESB NA PROMOÇÃO DE PRÁTICAS DE P+L NO ESTADO DE SÃO PAULO

EXPERIÊNCIAS DA CETESB NA PROMOÇÃO DE PRÁTICAS DE P+L NO ESTADO DE SÃO PAULO SEMINÁRIO ÍNDICE P+L: EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE EXPERIÊNCIAS DA CETESB NA PROMOÇÃO DE PRÁTICAS DE P+L NO ESTADO DE SÃO PAULO Eng José Wagner Faria Pacheco Setor de Produção e Consumo Sustentáveis Novembro

Leia mais

Roteiro de Solicitação

Roteiro de Solicitação Roteiro de Solicitação Número Roteiro.LP. 6-01 Nome Roteiro: Licença Prévia para comércio varejista de produtos farmacêuticos sem manipulação de fórmulas Objetivo: Requerer a Licença Prévia para comércio

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

FORMULÁRIO PARA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA FORMULÁRIO PARA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Autor: Odilon Machado de Saldanha Júnior Auditor(es): Empresa: Rua Fausto Alvim, 65 Calafate Belo Horizonte/MG

Leia mais

Princípios e critérios para a produção de carvão vegetal utilizado na produção de ferro gusa para a cadeia produtiva do aço sustentável brasileiro.

Princípios e critérios para a produção de carvão vegetal utilizado na produção de ferro gusa para a cadeia produtiva do aço sustentável brasileiro. Princípios e critérios para a produção de carvão vegetal utilizado na produção de ferro gusa para a cadeia produtiva do aço sustentável brasileiro. Introdução ao documento: Os Princípios e Critérios (P&C)

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS. ( ):

NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS. ( ): NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 01/2015 DATA: ( 01/03/2014) COMPONENTE:

Leia mais

nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS

nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS nº 09/2017 PMAS - Pense no Meio Ambiente SIRTEC Tema: GESTÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS POLÍTICA INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE POLÍTICA INTEGRADA Disponíveis nos murais e no site da empresa

Leia mais

Questões sobre a IS014001

Questões sobre a IS014001 Professor: Carlos William Curso/ Disciplina/Período: Administração/ Gestão Ambiental/ 2º ano Aluno: Lázaro Santos da Silva Questões sobre a IS014001 1. A NBR ISO 14001:2004 foi concebida para estabelecer

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução incorpora ao ordenamento jurídico nacional a Resolução GMC MERCOSUL n. 46/15.

Art. 2º Esta Resolução incorpora ao ordenamento jurídico nacional a Resolução GMC MERCOSUL n. 46/15. RESOLUÇÃO - RDC Nº 108, DE 6 DE SETEMBRO DE 2016 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem o art. 15, III e IV aliado ao art. 7º, III, e IV,

Leia mais

Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil

Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil Política Institucional de Responsabilidade Socioambiental Mercantil do Brasil versão 1.0 Belo Horizonte Julho - 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA...

Leia mais

O Estado de Mato Grosso

O Estado de Mato Grosso Logística e Meio Ambiente no Estado de Mato Grosso Governo do Estado de Mato Grosso 6º Seminário Internacional em Logística Agroindustrial Abril 2009 O Estado de Mato Grosso 3 Biomas : Amazônia; Cerrado;

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental 1.0 PROPÓSITO A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ) do Banco CNH Industrial Capital S.A. tem, como finalidade, estabelecer princípios e diretrizes que norteiem as ações da Instituição

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TER - CONS ARQ - 01)

TERMO DE REFERÊNCIA (TER - CONS ARQ - 01) TERMO DE REFERÊNCIA (TER - CONS ARQ - 01) 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Prestação de serviço de consultoria pessoa física à Representação do IICA no Brasil em gestão de projetos de cooperação internacional,

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes PROPOSTAS INICIAIS PARA DIRETRIZES DE LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE MANEJO Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes INEXISTÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS PRIORIDADE COLETA CORRETIVA Geradores Empresas

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558 1. Objetivo A administração de carteiras de valores mobiliários é o exercício profissional de atividades relacionadas, direta ou indiretamente, ao funcionamento, à manutenção e à gestão de uma carteira

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL 2016_2

AUDITORIA AMBIENTAL 2016_2 AUDITORIA AMBIENTAL PROF. DRA. ÉRICA L. ROMÃO. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS E AMBIENTAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA, UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, EEL-USP 2016_2 AS NORMAS DA SÉRIE 14000 Normas ISO

Leia mais

Diretrizes e critérios ambientais para apoio do Sistema BNDES ao setor de açúcar e álcool

Diretrizes e critérios ambientais para apoio do Sistema BNDES ao setor de açúcar e álcool Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 43/2012-BNDES Rio de Janeiro, 28 de junho de 2012 Ref.: Ass.: Produtos BNDES Finame Leasing, BNDES Finame Agrícola, BNDES Finame e BNDES

Leia mais

Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha. Anália Francisca Ferreira

Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha. Anália Francisca Ferreira Política de Fomento em P&D,I nos Contratos de Partilha Anália Francisca Ferreira Oqueé Incluída nos contratos de concessão desde a Rodada Zero, institui a obrigação do concessionário investir em atividades

Leia mais

PACTO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

PACTO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA PACTO COLETIVO DE TRABALHO PROGRAMA DE INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Entre as partes, de um lado o, SINAENCO - SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA, inscrito no

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental PHA2218 Introdução à Engenharia Ambiental Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Aula 10 Prof. Dr. Joaquin Bonnecarrere

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO ITAPOÁ & MONITORAMENTO AMBIENTAL INTEGRADO NA BAIA DA BABITONGA

GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO ITAPOÁ & MONITORAMENTO AMBIENTAL INTEGRADO NA BAIA DA BABITONGA GESTÃO AMBIENTAL DO PORTO ITAPOÁ & MONITORAMENTO AMBIENTAL INTEGRADO NA BAIA DA BABITONGA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SGA PROGRAMA AMBIENTAL VALORES E OBJETIVOS Meio Biótico PROCESSOS CADEIA

Leia mais

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016

Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Instituto de Engenharia do Paraná ABES-PR Setembro -2016 Prof. Msc. Pedro Luís Prado Franco Legislação Ambiental e de Recursos Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/1981) Instrumentos: Padrões

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 1ª 1 / 6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. DIRETRIZES... 2 5. GOVERNANÇA... 3 5.1 De Gerenciamento do Risco Socioambiental... 3 5.2 Das Atividades Internas... 4 5.3 Das

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental PHA2218 Introdução à Engenharia Ambiental Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Aula 10 Prof. Dr. Arisvaldo Méllo Prof.

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

Indicador Informação a ser obtida Página ou Resposta Direta

Indicador Informação a ser obtida Página ou Resposta Direta Índice GRI Índice GRI Perfil Estratégia e análise G4-1 Estratégia de sustentabilidade da companhia e qual sua relevância para a organização Página 18 Perfil organizacional G4-3 Nome da companhia Página

Leia mais

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 PROCEDIMENTO PR 7.02 PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 24/09/2014 01 Adequação da sistemática do processo

Leia mais

EM-8N/Engenharia Ambiental. Gestão Ambiental SGA & ISO D.Sc. Enoque Pereira da Silva. Paracatu - MG

EM-8N/Engenharia Ambiental. Gestão Ambiental SGA & ISO D.Sc. Enoque Pereira da Silva. Paracatu - MG EM-8N/Engenharia Ambiental Gestão Ambiental D.Sc. Enoque Pereira da Silva Paracatu - MG S G A SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA - CONCEITOS E DEFINIÇÕES (O que é um SGA?) - OBJETIVOS E CONSEQUÊNCIAS (Por

Leia mais

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento

Leia mais

Resolução Socioambiental 4.327/14. Alexandre Reis Junho/2015

Resolução Socioambiental 4.327/14. Alexandre Reis Junho/2015 Resolução Socioambiental 4.327/14 Alexandre Reis Junho/2015 Agenda Resolução 4.327/14 Levantamento demanda por crédito Soluções Serasa Experian 2 Resolução 4.327/2014 Público e Pilares Emitida em 25 de

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO E A NR-10 PALESTRA PARA OS COLABORADORES DA RHMED RJ 13/03/2009

SEGURANÇA NO TRABALHO E A NR-10 PALESTRA PARA OS COLABORADORES DA RHMED RJ 13/03/2009 SEGURANÇA NO TRABALHO E A NR-10 PALESTRA PARA OS COLABORADORES DA RHMED RJ 13/03/2009 NR-10 PORTARIA M.T.E 598 DE 07-12-2004 IMPLANTAÇÃO DO PRONTUÁRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS OBJETIVO IMPLEMENTAÇÃO DE

Leia mais

ABNT / CB-38 COMITÊ BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL

ABNT / CB-38 COMITÊ BRASILEIRO DE GESTÃO AMBIENTAL INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (2004), FEVEREIRO 2006 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO Em 2001, o CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas,

Leia mais

GESTÃO DE MELHORIA CONTÍNUA

GESTÃO DE MELHORIA CONTÍNUA Objetivos do treinamento: Abordagem sobre istema de Gestão Discutir conceitos de: Não Conformidade; ação corretiva, preventiva e melhoria. Controle de não conformidade, Apresentação dos procedimentos PG

Leia mais

Cursos / Treinamentos

Cursos / Treinamentos Cursos / Treinamentos Carga Horária 1 Estatística Básica em Todos os Níveis. 16 Horas 2 Estatística Avançada. 60 Horas 3 Formação de Auditores Internos da Qualidade. 32 Horas 4 Controle Estatístico de

Leia mais

Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento ambiental. Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Diretora de avaliação Ambiental

Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento ambiental. Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Diretora de avaliação Ambiental Avaliação de Impacto Ambiental e Licenciamento ambiental Ana Cristina Pasini da Costa CETESB Diretora de avaliação Ambiental Setor de aval. de Proj. de Transp. Rodoviários Setor de aval.de Proj. de Transp.

Leia mais

PROGRAMA GESTÃO AMBIENTAL MOVELEIRA

PROGRAMA GESTÃO AMBIENTAL MOVELEIRA PROGRAMA GESTÃO AMBIENTAL MOVELEIRA IRINEU ANTONIO BORRASCA VICE PRESIDENTE CETEC ONG JULIO CESAR RODRIGUES CONSULTOR UNIDADE SEBRAE ARAPONGAS/PR CLEVERSON FORATO DIRETOR I9GESTÃO Realização: Execução:

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - PRSA

Política de Responsabilidade Socioambiental - PRSA Política de Responsabilidade Socioambiental - PRSA Versão Consolidada: 2.0 Data da Aprovação: 29/12/2015 Aprovado por: Diretoria Data da última revisão 09/11/2016 ÍNDICE OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 VIGÊNCIA...

Leia mais

SEGUNDA MINUTA PARA CONSULTA 01 de julho de Norma Ambiental e Social 2 Condições de Trabalho e Emprego

SEGUNDA MINUTA PARA CONSULTA 01 de julho de Norma Ambiental e Social 2 Condições de Trabalho e Emprego SEGUNDA MINUTA PARA CONSULTA 01 de julho de 2015 O CONTEÚDO DA MINUTA É PARA FINS DE CONSULTA E NÃO FOI APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DO BIRD/IDA. Introdução Norma Ambiental e Social

Leia mais

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade A Elétrica Sena Campos, empresa prestadora de serviços no ramo de manutenção elétrica tem como principal valor preservar a integridade física, mental

Leia mais

Parceria. Visite nossos sites!

Parceria. Visite nossos sites! Parceria http://www.as-solucoes.com.br http://www.allservice.com.br Visite nossos sites! Parceria AS x All Service Visando as alterações de mercado, verificamos a necessidade de muitos clientes que não

Leia mais

CONSULTORIA EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

CONSULTORIA EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Documentos legais: PPRA, LTCAT, PPP, PCMSO, E social; Monitoramento de Ruído, vibração, calor e químicos (NR 15) Emissão de laudos técnicos em atendimento a NR 15 e NR 16 Assistência técnica Pericial;

Leia mais

PRÊMIO VITAE-RIO CICLO 2016 Rev DMP NATUREZAS DAS PROATIVIDADES, PERGUNTAS PARA VALIDAÇÃO E DIRETRIZES ASSOCIADAS CRITÉRIO 1

PRÊMIO VITAE-RIO CICLO 2016 Rev DMP NATUREZAS DAS PROATIVIDADES, PERGUNTAS PARA VALIDAÇÃO E DIRETRIZES ASSOCIADAS CRITÉRIO 1 PRÊMIO VITAE-RIO CICLO 2016 Rev DMP 13-04-2016 DAS PROATIVIDADES, PERGUNTAS PARA VALIDAÇÃO E DIRETRIZES ASSOCIADAS CRITÉRIO 1 DIRETRIZES DE SSO/SMS ASSOCIADA ITEM 1.1 - TEOR DO REQUISITO - IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE AÇÕES DE AQUISIÇÃO DE MÃO DE OBRA, PRODUTOS E SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE MINEIROS GO

RELATÓRIO DE AÇÕES DE AQUISIÇÃO DE MÃO DE OBRA, PRODUTOS E SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE MINEIROS GO RELATÓRIO DE AÇÕES DE AQUISIÇÃO DE MÃO DE OBRA, PRODUTOS E SERVIÇOS NO MUNICÍPIO DE MINEIROS GO Agosto, 2016. ÍNDICE 1. Apresentação... 3 2. Empreendedor... 3 3. Ações de aquisição de mão de obra, produtos

Leia mais

Rita Calca. 1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde

Rita Calca. 1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde 1ª Sessão de trabalho 21 Novembro 2012 - Castro Verde No âmbito do Projecto Capacitação de explorações agrícolas para a certificação de sustentabilidade Apresentação: CERTIFICAÇÃO DA GESTÃO FLORESTAL FSC

Leia mais

Reunião entre a ANP e representantes dos produtores de etanol

Reunião entre a ANP e representantes dos produtores de etanol Reunião entre a ANP e representantes dos produtores de etanol Apresentação da Resolução que regulamenta a produção de etanol no País 6 de outubro de 2014 SRP Ementa Estabelece a regulação e a obrigatoriedade

Leia mais

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Apresentar as principais variáveis a serem observadas na gestão da metrologia industrial, transformando barreiras técnicas em requisitos de competitividade. ABNT NBR ISO

Leia mais

Sistemas de Gestão ambiental

Sistemas de Gestão ambiental ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL Sistemas de Gestão ambiental Profa. Dra. Dione Mari Morita Dra. Zeila Chitolina Piotto Abordagem das empresas para a questão ambiental.

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES ABNT NBR ISO/IEC 17025 NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES Item 4.1 Organização Legalidade do laboratório Trabalhos realizados em instalações permanentes Atendimento aos requisitos da Norma, necessidades

Leia mais

Compra Responsável de Etanol

Compra Responsável de Etanol Compra Responsável de Etanol Introdução A gestão de Fornecedores de Etanol da Braskem conta com dois pilares: Conformidade e Excelência. O primeiro é composto pelo Código de Conduta de Fornecedores da

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

Controles de acordo com o Anexo A da norma ISO/IEC 27001

Controles de acordo com o Anexo A da norma ISO/IEC 27001 Controles de acordo com o Anexo A da norma ISO/IEC 27001 A.5.1.1 Políticas para a segurança da informação A.5.1.2 Revisão das políticas para a segurança da informação A.6.1.1 Funções e responsabilidades

Leia mais

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL A PUMA TAMBORES, com o objetivo de divulgar a sua política ambiental e conscientizar seus fornecedores e prestadores de serviços quanto aos aspectos ambientais, elaborou este Manual de Requisitos Ambientais

Leia mais

SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Instrução de Serviço n 001/2016 de 12 de maio de 2016 EMENTA: Estabelece as diretrizes para definição do cálculo do valor da Compensação Ambiental dos empreendimentos

Leia mais

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Seminário de apresentação da 2.ª geração do sistema de indicadores Adequação da interface com o utilizador

Leia mais

Bem estar da sociedade

Bem estar da sociedade Preservação do Meio Ambiente Já imaginou nosso planeta mais verde, um ar melhor para respirar, com menos resíduos e águas mais limpas para nossas futuras gerações? Deve-se atuar em favor da preservação

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Controles Internos. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

INTRODUÇÃO PROCESSO ANALÍTICO ESTRUTURA ANALÍTICA METODOLOGIA DE RATING DE GESTORES DE RECURSOS

INTRODUÇÃO PROCESSO ANALÍTICO ESTRUTURA ANALÍTICA METODOLOGIA DE RATING DE GESTORES DE RECURSOS INTRODUÇÃO O Rating de Gestores de Recursos (RGR) da Austin Rating reflete a análise de fatores qualitativos e quantitativos aplicados pela entidade visando a gestão eficiente de recursos de terceiros.

Leia mais

O desafio da Gestão de Recursos Humanos. Adriana Cristina Ferreira Caldana

O desafio da Gestão de Recursos Humanos. Adriana Cristina Ferreira Caldana O desafio da Gestão de Recursos Humanos Adriana Cristina Ferreira Caldana Minuto PWC CONCEITO ARH ou DGP? Função gerencial que visa à cooperação das pessoas para o alcance dos objetivos tanto organizacionais

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS O INDICADORES ETHOS Os Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão criada em 2000 pelo Instituto Ethos e que esta em sua terceira geração.

Leia mais