INTRODUÇÃO. Um pouco de História...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO. Um pouco de História..."

Transcrição

1 INTRODUÇÃO Um pouco de História...

2 Mundo na Antigüidade Estrelas (6000) Lua Marte Mercúrio Júpiter Vênus Saturno S l

3 Esfera das estrelas fixas Sistema Geocêntrico ( Ptolomeu, séc. II ) Neste sistema, tudo gira em torno da Terra Lua Ter Mer Vên Júp Sat Sol Mar

4 Movimento aparente não perfeito Leste Oeste? Laçada A laçada dos planetas sugeria que eles não giravam em torno da Terra

5 Sistema de Epiciclos E Epiciclo Planeta D Terra Apolônio, séc. III a.c. Círculo Deferente

6 Geocentrismo com epiciclos Mar Céu Sat Lua Mer Ter Vên Júp

7 Sistema Complexo de Epiciclos Epiciclo Planeta E Terra Com epiciclos, o planeta não gira em torno da Terra em órbitas circulares Deferente

8 Posição de Mercúrio ou de Vênus em relação ao Sol Vênus após o pôr-do-sol Oeste Vênus antes do nascer do Sol Leste

9 Sistema Híbrido ( Heráclides, séc. IV a.c. ) Esfera das estrelas fixas Mer Lua Vên Neste sistema, Mercúrio e Vênus giram em torno do Sol e este gira em torno da Terra Ter Júp Sat Mar

10 Pitágoras Heráclides Filósofos e Astrônomos Aristóteles Aristarco Eratóstenes Hiparcos Ptolomeu Famosos Ulugh Beg Copérnico Tycho Brahe Galileu Kepler Newton

11 Sistema Heliocêntrico Copérnico, Esfera das estrelas fixas Neste sistema, tudo gira em torno do Sol Mer Vên Sol Júp Sat Ter Lua Mar

12 Explicação das laçadas laçadas no sistema heliocêntrico M3 T3 3 4 M4 T4 Sol T2 T1 M2 M1 2 1 Esfera das estrelas fixas

13 Sistema Heliocêntrico Mer Vên Sol Ter Lua Mar Júp Sat Ura Net Plu

14 A Nova Mecânica

15 ! " # $

16 Tycho Brahe ( ) Astrônomo Dinamarquês. Descobriu que tanto as Tabelas Afonsinas quanto as de Ptolomeu estavam erradas na previsão de uma aproximação aparente entre Júpiter e Saturno. Tycho decidiu ele mesmo compilar tabelas mais precisas.

17 Não conseguiu formular um modelo que ajustasse as observações, contendo o movimento dos planetas ao redor do Sol. O principal problema era o planeta Marte. Órbitas circulares não ajustavam o movimento de Marte (excentricidade 0,1). Em 1599 mudou-se para Praga, onde foi nomeado Matemático Imperial. Em 1600 contratou o jovem Johannes Kepler para ajudá-lo em suas observações.

18 Johannes Kepler ( ) Em 1602 descobriu a Lei das Áreas (Segunda Lei de Kepler), mas não n conseguiu ajustar a forma das órbitas.

19 Analisando arduamente as anotações e observações de Brahe, Kepler concluiu que os planetas se movem ao redor do Sol em órbitas eclípticas, com o Sol em um dos focos (Primeira Lei de Kepler). Esses resultados foram publicados no Astronomia Nova em Em 1619, publicou Harmonices Mundi (Harmonia do Mundo), introduzindo a Terceira Lei de Kepler, descoberta em 15 de Maio de 1618: o quadrado do período é proporcional ao cubo da distância média do planeta ao Sol.

20 Primeira Lei de Kepler (Lei das órbitas elípticas) As órbitas dos planetas são elipses com o Sol como foco. Um corpo ligado a outro gravitacionalmente gira em torno dele numa órbita elíptica, sendo que um deles ocupa o foco da elipse.

21 Segunda Lei de Kepler (Lei das áres) t A Foco A t Um corpo ligado a outro gravitacionalmente gira em torno dele, com seu raio vetor varrendo áreas iguais em tempos iguais.

22 A velocidade de rotação dos planetas ao redor do Sol: não é uniforme. Os planetas andam mais rápido quando estão mais próximos do Sol e mais devagar quando estão mais afastados.

23 M r m r T m T Terceira Lei de Kepler (Lei harmônica) ( r / r ) 3 = ( T / T ) 2 r 3 = T 2 = constante 2 π r 3 = G ( M + m ) T 2 O tempo que um planeta leva para completar uma volta em torno do Sol (período orbital) está relacionado com o tamanho de sua órbita segundo a mesma relação para todos os planetas. Os quadrados dos períodos orbitais são proporcionais aos cubos dos semi-eixos maiores das órbitas.

24 Issac Newton ( ) Inglês, que sessenta anos depois, foi quem deu uma explicação completa ao movimento e à forma como as forças atuam. A descrição está contida nas suas 3 leis. Seu trabalho mais importante foi em Mecânica Celeste, que culminou com a Teoria da Gravitação Universal. Em 1666, deduziu a lei da atração gravitacional usando a Terceira Lei de Kepler e sua lei para a aceleração centrípeta.

25 Primeira Lei de Newton: (Lei da Inércia) = 0 F

26 Segunda Lei de Newton: (Lei da Força) F = ma Terceira Lei de Newton: (Ação e reação)!! F = - 12 F 21

27 A taxa taxa de de mudança do do momento linear (ou (ou quantidade de de movimento) é proporcional à força e na na mesma direção de de força. d( mv) dt = F Como Como m é constante constante F = ma a = dv dt

28 Dois corpos atraem um ao outro com forças iguais e opostas. A magnitude desta força é proporcional ao produto das massas dos corpos e inversamente proporcional ao quadrado da distância entre os centros de massa dos dois corpos Mm Em módulo F = G: F = rˆ G 2 r Mm r 2 F 12 = - F 21 onde G 11 2 = 6, Nm Kg 2

29 Por hoje é só!

30 Um pouco de história Antigamente, antes dos telescópios serem usados nas observações astrônomicas, o homem conhecia pouco sobre o universo. Sabia-se da existência de cerca de 6000 estrelas, da Lua, do Sol, e de alguns planetas: Marte, Mercúrio, Júpiter, Vênus e Saturno, ou seja, apenas os planetas que podiam ser vistos a olho nu. Mesmo assim, muito pouco ou quase nada sabia-se sobre esses planetas, apenas que diferiam das estrelas por se moverem no céu entre elas. A Terra na antiguidade não era contada como planeta. Esse desconhecimento dos astros gerou muita superstição e acabou-se atribuindo uma divindade a cada corpo celeste.

31 Como os planetas se movem em relação às estrelas eles passaram a ser observados com atenção e suas posições no céu determinadas com muita precisão. Ptolomeu, no século II, desenvolveu o Sistema Geocêntrico, onde os planetas (todos) giravam em torno da Terra, com as estrelas estando fixas em uma esfera, ao fundo, que também girava ao redor da Terra. Nesse sistema, inclusive o Sol girava em torno da Terra. Todos acreditavam que a Terra era o centro do Universo. Esse Sistema Geocêntrico, no entanto, não explicava corretamente os movimentos de todos os planetas, o que foi percebido com observações mais cuidadosas de seus movimentos no céu. Percebeu-se que o planeta Marte, por exemplo, dava estranhas laçadas no céu, a medida que ia caminhando. Isso não era explicado pela teoria geocêntrica; alguma coisa estava errada.

32 Para solucionar esse problema, o grego Apolônio propôs um sistema de epiciclos, que ainda era baseado no sistema geocêntrico de Ptolomeu. Nesse sistema, cada planeta girava num círculo chamado epiciclo centrado num ponto E, que girava sobre o círculo deferente por sua vez centrado no centro do deferente (ponto D). A Terra situava-se levemente fora do ponto D, mas isso não feria as convicções filosóficas da época, que obrigavam a Terra a ser o centro do universo, pois era considerado apenas um artifíco geométrico para se obter maior concordância com as observações. É fácil ver que esse sistema explicava os movimentos de laçada de alguns planetas, pois, visto da Terra, o planeta as vezes está indo numa direção, ora está vindo na direção contrária. Embora sabemos hoje que as órbitas dos planetas são elipses em torno do Sol, o sistema de Apolônio era suficientemente preciso para a época.

33 Assim, o sistema com epiciclos passou a ser adotado na determinação da posição do Sol e de todos os cinco planetas conhecidos na época. Era bom para as finalidades, essencialmente astrológicas, religiosas ou para a determinação de inícios das estações do ano. Observações mais precisas, no entanto, levaram os antigos a notaram uma certa diferença entre a posição prevista pelos epicliclos e a observada. Para melhorar a precisão na determinação da posição dos planetas, os astrônomos começaram a adotar um sistema complexo de epiciclos, ou seja, epiciclos em epiciclos! Os astrônomos simplesmente iam adicionando alguns pontos sobre os quais giravam outros pontos, e outros, até os cálculos de movimento dos planetas baterem com as observações. Um tanto quanto complicado, não é? Mas esse sistema tinha uma precisão surpreendente e foi utilizado por mais de 1400 anos.

34 Havia, contudo, um sério problema com o sistema geocêntrico. Se Mercúrio e Vênus girassem em torno da Terra eles poderiam ser vistos em qualquer posição no céu durante a noite, como acontece com os demais planetas. No entanto, simples observação constata que Mercúrio e Vênus não se afastam muito do Sol; são vistos sempre acompanhando o pôr do Sol ou o nascer do Sol. Na verdade, não vemos Mercúrio e Vênus perto do Sol durante o dia devido ao ofuscamento da luz solar. Como então resolver esse problema? Para colocar Vênus e Mercúrio girando em torno do Sol, e a Terra continuar no centro, Heráclides inventou o sistema Híbrido, em que o Sol continuava girando em torno da Terra, mas Vênus e Mercúrio giravam em torno do Sol. Desse jeito, tudo continuava girando ao redor da Terra, como convinha à filosofia da época.

35 Antes dessa construção de Heráclides, não havia corpos nos centros dos epiciclos. Os planetas giravam nos epiciclos mas em torno de nada, o que para nós hoje é inconcebível já que tudo que gira precisa ser atraído para um centro. Portanto, precisa ter um corpo nesse centro. Veja que no sistema de Heráclides, Mercúrio e Vênus giram em epiciclos, mas no centro há o Sol. Esse parece ter sido o começo de um novo pensamento, embora podemos questionar se os gregos assim pensavam, ou apenas estavam sugerindo uma construção geométrica capaz de fazer predições a respeito da posição dos planetas, sem compromisso com as causas dos movimentos.

36 A régua do tempo mostra alguns dos personagens responsáveis pela revolução da astronomia desde os tempos antigos até a idade média. Contrário de astrônomos Egípcios e Babilônios, que tinham a astronomia muito ligada à religião ou à astrologia, os astrônomos Gregos foram mais científicos tentando dar razões para o universo ser como é. Tales de Miletos ( a.c.) era convicto que o universo era racional e o os humanos, portanto, poderiam entendê-lo. Pitágoras ( a.c.) tornou essa idéia de Tales concreta ao notar que muitas coisas podiam ser expressas por relações matemáticas (exemplo, o teorema de Pitágoras). Aristóteles ( a.c.) concluiu que a Terra é redonda baseado na forma da sombra na Lua durante um eclipse lunar. Propôs a Terra imóvel no centro de um universo em rotação. Sua reputação como grande filósofo fez suas idéias em Astronomia perdurarem por quase 2000 anos. Eratóstenes (200 a.c.) trabalhando na biblioteca de Alexandria, fez a primeira medição do raio da Terra.

37 Hiparco (200 d.c.) um dos maiores astrônomos da antiguidade, descobriu o movimento de precessão do eixo da Terra e fez o primeiro catálogo estelar. Para ele, os astros não se moviam em esferas, mas em círculos ao redor da Terra. Ptolomeu (140 d.c.) é o grande astrônomo e matemático da antiguidade. Deu fundamento matemático às idéias de Aristóteles. Para ele, os corpos giravam em torno da Terra em movimento circular uniforme, mas com epiciclos, deferentes e equante, para prever mais corretamente a posição dos astros e explicar as laçadas. Seu livro, hoje conhecido por Almagesto (do Árabe, Al Magisti, o maior), coloca em base matemática a astronomia antiga. Por mais de 1000 anos os Árabes estudaram e adotaram esse livro como representante da ciência Astronomia.

38 Embora o sistema geocêntrico de Ptolomeu, com dezenas de epiciclos, pudesse prever com boa precisão a posição dos astros por digamos um ano, após séculos falhava e eram então necessárias correções. No século XIII um time de astrônomos trabalhando por dez anos construiu a famosa tabela de Alfonsine, a última correção ao sistema Ptolomáico. Nicolau Copérnico ( ) fez uma das maiores revoluções da Astronomia. Defendeu a idéia que os planetas, incluindo a Terra, giravam em torno do Sol. Era o nascimento do sistema heliocêntrico. As idéias de Aristóteles ainda reinavam e com o apoio da igreja que era bem conservadora. Copérnico foi cuidadoso ao expor suas idéias, senão teria sido vítima da Inquisição. Seu trabalho, escrito na obra De Revolutionibus Orbium Coelestium, Sobre a Revolução dos Corpos Celestes, só foi publicado após sua morte. Por essa época a autoridade da Igreja já era questionada de forma que essas novas idéias tiveram adeptos.

39 A teoria de Copérnico, que o Sol está no centro, se mostrou com o tempo correta, mas seu sistema planetário ainda continha epiciclos e deferentes e não fazia previsões melhores que as da tabela de Alfonsine. Talvez a busca por idéias revolucionárias, ou que simplesmente contrariavam aquelas vigentes na época, fez com que o sistema heliocêntrico ganhasse adeptos. 70 anos após a morte de Copérnico ainda se discutia a validade de suas idéias. Um grande defensor do sistema heliocêntrico, e que teve que se explicar perante a Inquisição, foi Galileu Galilei, Em seu livro Sidereus Nuncius, Mensageiro Sideral, de 1610, ele relata suas observações sistemáticas ao telescópio e como elas condizem com o sistema heliocêntrico. Sua grande obra, no entanto, sai em 1629, Dialogo Dei Due Massimi Sistemi, Diálogo Sobre os dois Principais Sistemas do Mundo. É escrita na forma de uma conversa entre três personagens debatendo sobre os sistemas de Ptolomeu e de Copérnico.

40 Talvez um ponto importante a favor do heliocentrismo,e que deve ter atraído muita atenção pela sua beleza, é que todos os planetas são tratados de forma semelhante: todos giram em torno de um centro comum, o Sol. A explicação das laçadas também fica muito simples nesse sistema, como ilustra o slide (T refere-se à Terra e M à Marte). Quantitativamente a favor do modelo de Copérnico foi a discrepância que ele percebeu entre a previsão baseada no sistema geocêntrico e a posição observada de uma conjunção dos cinco planetas, e também da Lua, ocorrida na constelação de Câncer. Como o modelo heliocêntrico de Copérnico mostrou-se correto com o tempo, acabou sendo aceito, e é utilizado até hoje, apenas com algumas diferenças na forma das órbitas, que hoje sabemos não serem perfeitamente circulares mas sim elípticas. Outros planetas também foram descobertos deste então.

INTRODUÇÃO. Um pouco de História...

INTRODUÇÃO. Um pouco de História... INTRODUÇÃO Um pouco de História... Mundo na Antigüidade Estrelas (6000) Lua Marte Mercúrio Júpiter Vênus Saturno S l Um pouco de história Antigamente, antes dos telescópios serem usados nas observações

Leia mais

Capítulo 6. Gravitação Universal

Capítulo 6. Gravitação Universal Capítulo 6 Gravitação Universal Os céus manifestam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem,

Leia mais

Profº Carlos Alberto

Profº Carlos Alberto Gravitação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: As leis que descrevem os movimentos dos planetas, e como trabalhar com

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu PARTE 2 do curso Ptolomeu, Copérnico e Galileu O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

Sistema geocêntrico Epiciclos Sistema heliocêntrico Pontos cardeais Movimentos de revolução e rotação da Terra Fases da Lua Eclipses lunar e solar

Sistema geocêntrico Epiciclos Sistema heliocêntrico Pontos cardeais Movimentos de revolução e rotação da Terra Fases da Lua Eclipses lunar e solar Sistema geocêntrico Epiciclos Sistema heliocêntrico Pontos cardeais Movimentos de revolução e rotação da Terra Fases da Lua Eclipses lunar e solar Estações do ano Mundo na Antigüidade: antes dos telescópios

Leia mais

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP

Modelos do Sistema Solar. Roberto Ortiz EACH/USP Modelos do Sistema Solar Roberto Ortiz EACH/USP Grécia antiga (750 a.c. 146 a.c.) Desenvolvimento da Matemática, Geometria, Astronomia, Filosofia, Política, etc. Em sua obra Metafísica, Aristóteles (384

Leia mais

SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES

SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES SISTEMA SOLAR: O MOVIMENTO DOS PLANETAS E SATÉLITES Mundo antes dos telescópios Terra não era contada como um planeta... Estrelas (6000) S l Lua Mercúrio Vênus Marte Júpiter Saturno Planetas estrelas :

Leia mais

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico

PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico PARTE 2 do curso Ptolomeu, Galileu e Copérnico O que será abordado neste curso: O Caminho até a Teoria da Gravitação de Newton: Parte 1 (4 aulas) Conceitos básicos de Astronomia: Movimento do Sol e dos

Leia mais

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL AS LEIS DE KEPLER A LEI DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Um pouco de História Grécia antiga: Determinação da diferença entre as estrelas fixas e errantes (planetas) Primeiros modelos planetários explicando o movimento

Leia mais

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico

Sumário. O Universo. Modelo geocêntrico Sumário 2- Estudo do Universo - Modelos de organização do Universo: Teoria Geocêntrica e Teoria Heliocêntrica. - Da Astronomia a olho nu às lunetas e telescópios. Explorando o espaço. - Teoria do Big Bang

Leia mais

O Universo e o Sistema Solar

O Universo e o Sistema Solar O Universo e o Sistema Solar 1 O cientista não estuda a natureza porque ela é útil; ele a estuda porque tem prazer nisso, e ele tem prazer nisso porque ela é linda. Se a natureza não fosse linda, não valeria

Leia mais

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP

Movimentos da Terra e da Lua e eclipses. Gastão B. Lima Neto IAG/USP Movimentos da Terra e da Lua e eclipses Gastão B. Lima Neto IAG/USP AGA 210 2 semestre/2006 Nascer do Sol Movimento aparente do Sol Movimento aparente dos astros frequência quotidiana. Interpretação? (1)

Leia mais

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Gravitação Universal. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Gravitação Universal Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Modelos planetários; As leis de Kepler; Lei da gravitação universal. INTRODUÇÃO Denomina-se gravitação, a área da Física

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogemar A. Riffel e-mail: rogemar@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~rogemar Sala: N101 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

Colégio Santa Cruz - Profª Beth

Colégio Santa Cruz - Profª Beth 1 Andreas Cellarius (1660) 2 3 Aristóteles (sec. IV ac): Tratado Do Céu: Mundo terrestre (sublunar): 4 elementos fundamentais (terra, água, fogo e ar) Não é descrito com a matemática Mundo celeste (supra-lunar):

Leia mais

GALILEU GALILEI ( )

GALILEU GALILEI ( ) GALILEU GALILEI (1564-1642) Um dos principais defensores do modelo heliocêntrico de Copérnico. Acreditava na perfeição geométrica. Por isso, não aceitava que as órbitas dos planetas eram elípticas, mesmo

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogério Riffel e-mail: riffel@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~riffel Sala: N106 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

Movimentos da Terra. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Agradecimento ao Prof. Roberto Boczko pelo material cedido

Movimentos da Terra. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Agradecimento ao Prof. Roberto Boczko pelo material cedido Movimento aparente diurno e anual Sistemas geocêntrico e heliocêntrico Leis de Kepler Rotação e translação da Terra Definição de dia e ano Precessão e nutação Estações do ano Movimentos da Terra Gastão

Leia mais

Ondas & Mecânica MEEC/IST Aula # 14

Ondas & Mecânica MEEC/IST Aula # 14 Ondas & Mecânica MEEC/IST Aula # 14 Sumário Prof. Pedro T. Abreu abreu@lip.pt Atrito e Rolamento As Leis de Kepler e a sua dedução a partir do Movimento num campo de Forças central. O Universo está escrito

Leia mais

1. Mecânica do Sistema Solar (I)

1. Mecânica do Sistema Solar (I) 1. Mecânica do Sistema Solar (I) AGA 215 Elisabete M. de Gouveia Dal Pino Astronomy: A Beginner s Guide to the Universe, E. Chaisson & S. McMillan (Caps. 0 e 1) Introductory Astronomy & Astrophysics, M.

Leia mais

Problemas com o modelo de Ptolomeu.

Problemas com o modelo de Ptolomeu. Problemas com o modelo de Ptolomeu. - Apesar do seu imenso sucesso, o sistema de Ptolomeu teve que ser adaptado à medida que observações mais precisas eram feitas. - Uma saída comum era adicionar epiciclos

Leia mais

Introdução. Aula 5 - Movimento dos planetas: o modelo heliocêntrico de Copérnico.

Introdução. Aula 5 - Movimento dos planetas: o modelo heliocêntrico de Copérnico. Aula 5 - Movimento dos planetas: o modelo heliocêntrico de Copérnico. Área 1, Aula 5 Alexei Machado Müller, Maria de Fátima Oliveira Saraiva & Kepler de Souza Oliveira Filho Simulação do movimento aparente

Leia mais

A Ciência em Alexandria. Reconstrução do Átrio da Biblioteca de Alexandria

A Ciência em Alexandria. Reconstrução do Átrio da Biblioteca de Alexandria A Ciência em Alexandria Reconstrução do Átrio da Biblioteca de Alexandria A Escola de Alexandria Após a morte de Alexandre Magno (325 a. C.) o seu império fragmentou-se. O Egipto passou a ser governado

Leia mais

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO - Característica e importância dos modelos e teorias científicas; - Disputas entre teorias científicas; - Modelos geocêntrico e heliocêntrico para o cosmo; - Introdução do conceito

Leia mais

A Ciência em Alexandria. Reconstrução do Átrio da Biblioteca de Alexandria

A Ciência em Alexandria. Reconstrução do Átrio da Biblioteca de Alexandria A Ciência em Alexandria Reconstrução do Átrio da Biblioteca de Alexandria A Escola de Alexandria Após a morte de Alexandre Magno (325 a. C.) o seu império fragmentou-se. O Egipto passou a ser governado

Leia mais

Introdução à Astronomia Fundamental. A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos

Introdução à Astronomia Fundamental. A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos Introdução à Astronomia Fundamental A Astronomia é provavelmente a ciência natural mais antiga, datando a épocas da antiguidade, com suas origens em praticas

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL GAVIAÇÃO UNIVESAL Histórico: Astronomia Uma das ciências mais antigas de que se tem registro. Geocentrismo A erra é o centro do Universo Hiparco ( sec II a.c ) Defensores Cláudio Ptolomeu ( sec II d.c

Leia mais

Modelos astronômicos

Modelos astronômicos Astronomia Modelos astronômicos Durante muitos séculos a ideia de que a Terra era o centro do universo foi aceita, esta teoria se baseava no movimento aparente do Sol. Esta teoria se chama Geocentrismo

Leia mais

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre A filosofia Moderna Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre Uma nova forma de se pensar a realidade A era moderna é marcada por um

Leia mais

NOTAS DE AULA Marta F. Barroso 2006/2 Introdução à Física UNIDADE 4 - NOTAS DE AULA

NOTAS DE AULA Marta F. Barroso 2006/2 Introdução à Física UNIDADE 4 - NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA Marta F. Barroso 006/ UNIDADE 4 - NOTAS DE AULA O Sistema Solar A observação do mundo ao nosso redor é um dos interesses mais antigos da humanidade. Os movimentos do Sol e da Lua, os dois

Leia mais

I Curso Introdução à Astronomia Jan A Terra e a Lua. Daniel R. C. Mello. Observatório do Valongo - UFRJ

I Curso Introdução à Astronomia Jan A Terra e a Lua. Daniel R. C. Mello. Observatório do Valongo - UFRJ I Curso Introdução à Astronomia Jan 2017 A Terra e a Lua Daniel R. C. Mello Observatório do Valongo - UFRJ Nesta aula veremos: O sistema Terra-Lua (dimensões e distâncias) Os Movimentos da Terra, da Lua

Leia mais

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso

Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA. Professora Andréa Cardoso Educação Matemática MATEMÁTICA LICENCIATURA Professora Andréa Cardoso OBJETIVO DA AULA: Reconhecer a importância da Trigonometria na compreensão de fenômenos naturais 2 UNIDADE I: EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E

Leia mais

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V

Esse planeta possui maior velocidade quando passa pela posição: a) ( ) I b) ( ) II c) ( ) III d) ( ) IV e) ( ) V 1. Desde a antiguidade, existiram teorias sobre a concepção do universo. Por exemplo, a teoria Aristotélica propunha que a Terra seria o centro do universo e todos os astros descreveriam órbitas circulares

Leia mais

A história da Astronomia

A história da Astronomia ASTRONOMIA A história da Astronomia Profª Eliana D'Avila OBSERVANDO O CÉU Desde a antiguidade o ser humano observa o céu. As especulações sobre a natureza do Universo devem remontar aos tempos pré-históricos,

Leia mais

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Oliveira Filho & Alexei Machado Müller Introdução O trabalho de Nicolau Copérnico iniciou uma mudança dramática

Leia mais

+ qd + Prof.: Rhafael Roger

+ qd + Prof.: Rhafael Roger TEORIAS PLANETÁRIAS Desde a época do homem das cavernas o ser humano foi, é e sempre será fascinado pelo universo, seus mistérios, suas peculiaridades, seus fenômenos e seu misticismo. Em todas as civilizações

Leia mais

UNIDADE GRAVITAÇÃO

UNIDADE GRAVITAÇÃO UNIDADE 1.5 - GRAVITAÇÃO 1 MARÍLIA PERES 010 DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL DE NEWTON Cada partícula no Universo atraí qualquer outra partícula com uma força que é directamente proporcional ao produto das suas

Leia mais

DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR

DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR ASTRONOMIA DO SISTEMA SOLAR Enos Picazzio (IAGUSP 2006) DINÂMICA DO SISTEMA SOLAR NÃO HÁ PERMISSÃO DE USO PARCIAL OU TOTAL DESTE MATERIAL PARA OUTRAS FINALIDADES. Até o final do século XVII eram conhecidos:

Leia mais

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos

Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Exatas Departamento de Física Introdução ao Estudo dos Fenômenos Físicos Aula 10 Gravitação e relatividade geral A lei da gravitação universal.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA HISTÓRIA DA ASTRONOMIA

FUNDAMENTOS DA HISTÓRIA DA ASTRONOMIA FUNDAMENTOS DA HISTÓRIA DA ASTRONOMIA O céu sempre foi motivo de fascinação e interesse para o homem. Chineses, indianos e as populações que habitavam as regiões consideradas como o berço da civilização

Leia mais

A Lei de Planck: a matemática das estrelas (entre outros)

A Lei de Planck: a matemática das estrelas (entre outros) A Lei de Planck: a matemática das estrelas (entre outros) João Fernandes Departamento Matemática UC Observatório Geofísico e Astronómico UC Centro de Investigação da Terra e do Espaço UC (jmfernan@mat.uc.pt)

Leia mais

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler.

Introdução. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler. Aula 6: Movimento dos Planetas as leis de Kepler. Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Oliveira Filho & Alexei Machado Müller Introdução O trabalho de Nicolau Copérnico iniciou uma mudança dramática

Leia mais

Como para o caso demedidas lineares, medidas angulares podem assumir diferentes referências:

Como para o caso demedidas lineares, medidas angulares podem assumir diferentes referências: Introdução à Astronomia Semestre: 2014.1 1 Sergio Scarano Jr 19/05/2014 Unidades de Medida de Ângulos ou Arcos Como para o caso demedidas lineares, medidas angulares podem assumir diferentes referências:

Leia mais

Breve introdução histórica

Breve introdução histórica Breve introdução histórica Aula 2 Vitor de Souza Desculpas / Aviso: A maior parte do conteúdo destas aulas forão extraídas de livro, aulas e sítios disponíveis na internet e artigos científicos. Nem sempre

Leia mais

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS Anderson Moraes Modelos Cosmológicos modernos. Einstein De Sitter Lemaitre Friedmam Eddington COSMOLOGIA Cosmologia é o estudo em larga escala do Universo, sua

Leia mais

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA

PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA MARATONA PISM I PROFESSOR ALEXANDRE SCHMITZ FÍSICA TÓPICO 1 - MECÂNICA 1.1 CINEMÁTICA CINEMÁTICA ESCALAR VETORIAL MU MUV ANGULAR MCU MU v = CONSTANTE V = Δs Δt s = s 0 + v. t ESCALAR s = s 0 + v 0 t +

Leia mais

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Um pouco de história da Astronomia A regularidade dos movimentos do Sol e das outras estrelas, da Lua, o aparecimento

Leia mais

AGA Introdução à Astronomia Resolução da Lista 1

AGA Introdução à Astronomia Resolução da Lista 1 AGA0210 - Introdução à Astronomia Resolução da Lista 1 Prof. Dr. Alex Cavaliéri Carciofi Monitor: Bruno C. Mota (Dated: 9 de outubro de 2012) I. QUESTÃO 1 Suponha que você esteja em um planeta estranho

Leia mais

MODELOS PLANETÁRIOS I 5

MODELOS PLANETÁRIOS I 5 Licenciatura em Ciências USP/Univesp MODELOS PLANETÁRIOS I 5 38 TÓPICO Enos Picazzio 5.1 Os movimentos aparentes decorrem da visão geocêntrica 5.2 Geocentrismo 5.2.1 Aperfeiçoamentos de Ptolomeu 5.3 Heliocentrismo

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 03: Noções de Gravitação

Astrofísica Geral. Tema 03: Noções de Gravitação ma 03: Noções de Gravitação Outline 1 Leis de Kepler 2 Lei da gravitação de Newton 3 Força de maré 4 Limite de Roche 5 Conceitos de Relatividade 6 Bibliografia 2 / 46 Outline 1 Leis de Kepler 2 Lei da

Leia mais

Modelos planetários. AGA 292 Enos Picazzio

Modelos planetários. AGA 292 Enos Picazzio Modelos planetários AGA 9 Enos Picazzio Paraíso: Divina Comédia (Dante Alighieri- 165-131) 10 ESFERAS 1ª à 7ª planetas ptolomaicos 8ª estrelas fixas, morada da Igreja triunfante, 9ª "Primum Mobile www.settemuse.it/divina_commedia_index.htm

Leia mais

o módulo da quantidade de movimento do satélite, em kg m s, é, aproximadamente, igual a: a) b) c) d) e)

o módulo da quantidade de movimento do satélite, em kg m s, é, aproximadamente, igual a: a) b) c) d) e) 1. Considere que um satélite de massa m 5,0 kg seja colocado em órbita circular ao redor da Terra, a uma altitude h 650 km. Sendo o raio da Terra igual a 6.350 km, sua massa igual a 4 5,98 10 kg e a constante

Leia mais

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra.

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 01/06/2015 As grandes navegações iniciadas no século XV e principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 1 As teorias científicas de

Leia mais

Galileu Galilei ( )

Galileu Galilei ( ) Galileu Galilei (1564 1642) Teve primeiro de derrubar toda a anterior astronomia E depois toda a astrologia Embaixador inglês em Veneza ao tornar conhecimento das teorias que Galileu publicou em Sidereus

Leia mais

GRAVITAÇÃO E MOVIMENTO PLANETÁRIO. Colégio Contato Farol Disciplina: Física (9º ano) Professora Thaís Freitas Capítulo 6 2º bimestre

GRAVITAÇÃO E MOVIMENTO PLANETÁRIO. Colégio Contato Farol Disciplina: Física (9º ano) Professora Thaís Freitas Capítulo 6 2º bimestre GRAVITAÇÃO E MOVIMENTO PLANETÁRIO Colégio Contato Farol Disciplina: Física (9º ano) Professora Thaís Freitas Capítulo 6 2º bimestre Como é possível um objeto se manter girando em torno de outro corpo?

Leia mais

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 Gravitação Universal, Trabalho e Energia COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 UNIVERSO Andrômeda - M31. Galáxia espiral distante cerca de 2,2 milhões de anos-luz, vizinha da

Leia mais

Astronomia Antiga. Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA

Astronomia Antiga. Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA Astronomia Antiga Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA Arqueoastronomia Arché (antigo) + Astro e Nomos (astronomia ou lei das estrelas); Monumentos megalíticos: Mega (grande)

Leia mais

TC I e a LEIC. O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Objectivos da LEIC FEUP: Requisitos de Conhecimentos: Que desafios presentes e futuros?

TC I e a LEIC. O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Objectivos da LEIC FEUP: Requisitos de Conhecimentos: Que desafios presentes e futuros? TC I e a LEIC O que é um Engenheiro da LEIC FEUP? Que desafios presentes e futuros? Objectivos da LEIC FEUP: Conhecimentos, capacidades e atitudes para exercer a profissão? Componentes de "educação liberal

Leia mais

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ

CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL FÍSICA NO ENEM COM IVÃ O ENEM AO LONGO DOS ANOS CONTEÚDO: GRAVITAÇÃO UNIVERSAL 1) (1998) Se compararmos a idade do planeta Terra, avaliada em quatro e meio bilhões de anos (4,5.10 9 anos), com a de uma pessoa de 45 anos, então,

Leia mais

Ciência Grega. Astronomia Fundamental. Tibério B. Vale

Ciência Grega. Astronomia Fundamental. Tibério B. Vale Astronomia Fundamental Tibério B. Vale Descendem dos Minoanos e Micênicos (3000 a 2500 a.c.) Contemporâneos ao Sumérios e Antigo Império Egípcios (Era do Bronze). Mar Egeu: Creta e Cíclades Sofreram diversas

Leia mais

FEP-111 Fisica I para Oceanograa. Márcio Katsumi Yamashita. Lista de Exercícios 6 Gravitação

FEP-111 Fisica I para Oceanograa. Márcio Katsumi Yamashita. Lista de Exercícios 6 Gravitação FEP- Fisica I para Oceanograa Márcio Katsumi Yamashita Lista de Exercícios 6 Gravitação . Kepler determinou distâncias no sistema solar, a partir de suas observações. Por exemplo, ele encontrou a distância

Leia mais

Aula 02: História da Astronomia II. Daniele Benicio

Aula 02: História da Astronomia II. Daniele Benicio Aula 02: História da Astronomia II Daniele Benicio Em resumo da aula passada... Universidade Federal do ABC Alexandria No ano 331 a.c., as tropas de Alexandre o Grande invadiram a região que hoje é conhecida

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 7 ÓRBITA DOS PLANETAS. LEIS DE KEPLER E DE NEWTON. Movimento dos Planetas. O Modelo Geocêntrico. O Modelo Heliocêntrico. Leis de Kepler. Isaac Newton e Suas Leis. Recapitulando as aulas anteriores:

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala: N101 e-mail: rogemar@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~rogemar

Leia mais

Introdução à Astronomia Semestre:

Introdução à Astronomia Semestre: Introdução à Astronomia Semestre: 2015.1 Sergio Scarano Jr 22/10/2013 Terra Redonda Fases da Lua associada a disposição relativa entre a Terra, Lua e Sol. Sombra indicavam que a própria Lua não era plana

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 01: Astronomia Antiga

Astrofísica Geral. Tema 01: Astronomia Antiga ma 01: Astronomia Antiga Outline 1 Curso de Astrofísica 2 Astronomia antes dos gregos 3 Astronomia grega 4 Astronomia nas américas 5 Astronomia pré-telescópio 6 Desenvolvimento dos telescópios 7 Bibliografia

Leia mais

Leis de Kepler. 4. (Epcar (Afa) 2012) A tabela a seguir resume alguns dados sobre dois satélites de Júpiter.

Leis de Kepler. 4. (Epcar (Afa) 2012) A tabela a seguir resume alguns dados sobre dois satélites de Júpiter. Leis de Kepler 1. (Ufpe 01) Um planeta realiza uma órbita elíptica com uma estrela em um dos focos. Em dois meses, o segmento de reta que liga a estrela ao planeta varre uma área A no plano da órbita do

Leia mais

A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos

A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos A Astronomia da Antiguidade aos Tempos Modernos Introdução à Astronomia Fundamental A renascença chegou na astronomia através dos estudos de Nicolau Copérnico, que propôs um modelo heliocêntrico do Universo

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

Forma e Movimentos da Terra

Forma e Movimentos da Terra Forma e Movimentos da Terra Forma da Terra Rotação e Translação da Terra Estações do Ano Precessão e Nutação Sandra dos Anjos IAG/USP Agradecimentos a Prof. Vera Jatenco - IAGUSP Prof. Gastão Lima Neto

Leia mais

MATEMÁTICA BÁSICA II TRIGONOMETRIA

MATEMÁTICA BÁSICA II TRIGONOMETRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA MATEMÁTICA BÁSICA II TRIGONOMETRIA Prof. Márcio Nascimento marcio@matematicauva.org 2014.1

Leia mais

Forma e Movimentos da Terra

Forma e Movimentos da Terra Forma e Movimentos da Terra Forma da Terra Rotação e Translação da Terra Estações do Ano Precessão e Nutação Sandra dos Anjos IAG/USP Agradecimentos a Prof. Vera Jatenco - IAGUSP Prof. Gastão Lima Neto

Leia mais

d)cheia 10. Existe relação entre umbra,penumbra,eclipse e sombra?

d)cheia 10. Existe relação entre umbra,penumbra,eclipse e sombra? 1ª aula : Questões 1. Por quê não acontece eclipse em todo lugar no Brasil na mesma hora? 2. O que é umbra? 3. O que é penumbra? 4. O que é sombra? 5. O que é eclipse? 6. Qual a diferença entre eclipse

Leia mais

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Espaço 1. Universo Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Corpos celestes 1.1 Distinguir vários corpos celestes. Estrela Astro

Leia mais

Alaor Chaves UFMG Observatório da Piedadade - Abril 2011 Instituto Libertas

Alaor Chaves UFMG Observatório da Piedadade - Abril 2011 Instituto Libertas Alaor Chaves UFMG Observatório da Piedadade - Abril 2011 Instituto Libertas - 2010 1 A antiguidade da Astronomia de deve a três razões: Antes da luz elétrica o céu causava forte impressão nas pessoas.

Leia mais

A ciência galilaica lançou as bases para uma nova concepção da natureza que iria ser largamente aceita e desenvolvida: o mecanicismo.

A ciência galilaica lançou as bases para uma nova concepção da natureza que iria ser largamente aceita e desenvolvida: o mecanicismo. 12. IDADE MODERNA A ciência moderna foi preparada pelo Renascimento. Seriam Galileu, graças às observações com o seu telescópio, e o astrônomo alemão, Kepler, (1571-1630), ao descobrir as célebres leis

Leia mais

Explorando o Universo: dos quarks aos quasares. Astronomia de Posição. Professor: Alan Alves Brito Agradecimento: Professor Roberto Bockzo

Explorando o Universo: dos quarks aos quasares. Astronomia de Posição. Professor: Alan Alves Brito Agradecimento: Professor Roberto Bockzo Explorando o Universo: dos quarks aos quasares Astronomia de Posição Professor: Alan Alves Brito Agradecimento: Professor Roberto Bockzo Tópicos e Objetivos da Aula Conceitos Fundamentais Manipulações

Leia mais

Johannes Kepler e a construção do edifício para a Gravitação e as 3 leis dos movimentos planetárias (parte 2)

Johannes Kepler e a construção do edifício para a Gravitação e as 3 leis dos movimentos planetárias (parte 2) Johannes Kepler e a construção do edifício para a Gravitação e as 3 leis dos movimentos planetárias (parte 2) Por: Flávia Polati FEP 131: Gravitação 2016 Facetas de Johannes Kepler Retrospectiva Kepler:

Leia mais

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL. CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS FÍSICA Prof Wildson W de Aragão

GRAVITAÇÃO UNIVERSAL. CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS FÍSICA Prof Wildson W de Aragão GRAVIAÇÃO UNIVERSAL CIÊNCIAS DA NAUREZA E SUAS ECNOLOGIAS FÍSICA Prof Wildson W de Araão Sempre curioso, o homem observa desde os primórdios os fenômenos que acontecem, tanto ao seu redor, quanto lone,

Leia mais

A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA 7ºANO

A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA 7ºANO A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA 7ºANO Estudaremos a Revolução Científica que teve início no Renascimento. Nessa revolução, a matemática teve um importante papel, pois passou a ser considerada o melhor instrumento

Leia mais

Astronomia Grega. Estudante do 2º ano do Ensino Médio Colégio Adventista Boqueirão.

Astronomia Grega. Estudante do 2º ano do Ensino Médio Colégio Adventista Boqueirão. Astronomia Grega Daniele Garcia Leandro 1 Professora Orientadora Daniele Ferreira Almeida de Souza 2 RESUMO A Astronomia é considerada a mais antiga das ciências naturais. Ao longo da história, desde antes

Leia mais

Astronomia de posição (II)

Astronomia de posição (II) Sistema de coordenadas horizontal, equatorial, eclíptico e galáctico. Determinação de distâncias (métodos clássicos): Eratostenes, Hiparco, Aristarco e Copérnico. Astronomia de posição (II) Gastão B. Lima

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 02: Noções de Astronomia

Astrofísica Geral. Tema 02: Noções de Astronomia ma 02: Noções de Astronomia Outline 1 Forma e movimentos da rra 2 Constelações 3 Estações do ano 4 Esfera celeste 5 Medidas de tempo 6 Bibliografia 2 / 48 Outline 1 Forma e movimentos da rra 2 Constelações

Leia mais

2.2 Os planetas e as características que os distinguem

2.2 Os planetas e as características que os distinguem Período de rotação O tempo que um planeta demora para realizar uma rotação completa em torno do seu eixo chama-se período de rotação e corresponde a um dia nesse planeta. Mercúrio Vénus Saturno 59 dias

Leia mais

Módulo VII. 25/12/1642, Wolsthorpe, Inglaterra 20/03/1727, Kensington, Inglaterra

Módulo VII. 25/12/1642, Wolsthorpe, Inglaterra 20/03/1727, Kensington, Inglaterra 1 urso Matemática Para oncursos II Módulo VII Módulo VII Neste módulo estudaremos o Binômio de Newton que foi desenvolvido em 1667, por Isaac Newton. O Binômio de Newton trata dos números binomiais em

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO = 0,1 cm/min . Para as frequências temos: v v 2 f r 2 f r f 1,5 r f r f 1,5 f.

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO = 0,1 cm/min . Para as frequências temos: v v 2 f r 2 f r f 1,5 r f r f 1,5 f. t ESOLUÇÃO COMECE DO ÁSICO [] Dados: n = 4; t = s. Substituindo esses valores na fórmula dada: 4 (360 ) = 70 /s. [D] Dados: = 3,14 e raio da Terra: T = 6.000 km. O período de rotação da Terra é T = 4 h.

Leia mais

Tema 3 - Um panorama histórico da física III. Assunto: A ciência na Renascença. Parte 1

Tema 3 - Um panorama histórico da física III. Assunto: A ciência na Renascença. Parte 1 Universidade Federal de Ouro Preto ICEB - Departamento de Física Professor Armando Brizola FIS119 - A física no mundo moderno Tema 3 - Um panorama histórico da física III Assunto: A ciência na Renascença

Leia mais

FIS-26 Prova 03 Maio/2011

FIS-26 Prova 03 Maio/2011 FIS-26 Prova 03 Maio/2011 Nome: Turma: Duração máxima: 120 min. As questões 1 e 5 valem 20 pontos cada, e as demais valem 15 pontos (cada). 1. Para os problemas (i) a (iii) desta questão, assinale a alternativa

Leia mais

O Surgimento da Física no Século XVII

O Surgimento da Física no Século XVII O Surgimento da Física no Século XVII Antônio C. Roque DF FFCLRP USP 29 de Março de 2017 Física: Modelos e Aplicações O século da Revolução CienRfica K. Somonyi, A Cultural History of Physics. CRC Press,

Leia mais

DE TALES A PTOLOMEU: UM BREVE PANORAMA HISTÓRICO DOS PRINCIPAIS SISTEMAS COSMOLÓGICOS GREGOS

DE TALES A PTOLOMEU: UM BREVE PANORAMA HISTÓRICO DOS PRINCIPAIS SISTEMAS COSMOLÓGICOS GREGOS DE TALES A PTOLOMEU: UM BREVE PANORAMA HISTÓRICO DOS PRINCIPAIS SISTEMAS COSMOLÓGICOS GREGOS Gil Alves Silva 1 1 D.Sc. HCTE/UFRJ 1 gilalvessilva@yahoo.com.br Resumo A história da Grécia Antiga estende-se

Leia mais

A invenção do tempo. Instituto de Educação infantil e juvenil Verão, Londrina, de. Nome: Ano: Edição I MMXII fase 3 Grupo D

A invenção do tempo. Instituto de Educação infantil e juvenil Verão, Londrina, de. Nome: Ano: Edição I MMXII fase 3 Grupo D Instituto de Educação infantil e juvenil Verão, 2012. Londrina, de. Nome: Ano: TEMPO Início: Término: Total: Edição I MMXII fase 3 Grupo D A invenção do tempo Questão 1 O TRÂNSITO DE VÊNUS No dia 8 de

Leia mais

Primeira Lei de Kepler: Lei das Órbitas Elípticas. Segunda Lei de Kepler: Lei das áreas

Primeira Lei de Kepler: Lei das Órbitas Elípticas. Segunda Lei de Kepler: Lei das áreas CONTEÚDOS DA PROVA DE RECUPERAÇÃO FINAL: Hidrostática, Velocidade Escalar Média, Gravitação Universal, 1ª e 2ª Leis de Kepler, Aceleração Escalar, Equações do Movimento Retilíneo Uniformemente Variado

Leia mais

Prof. Márcio Nascimento. 1 de junho de 2015

Prof. Márcio Nascimento. 1 de junho de 2015 Introdução Prof. Márcio Nascimento marcio@matematicauva.org Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina: Matemática Básica

Leia mais

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO AULA 1 ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO CONSTELAÇÃO DE Orion Estrelas são os componentes mais básicos do universo. O universo observável contém tantas estrelas quanto grãos de areia somando

Leia mais

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1

Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Profa. Andréa Cardoso UNIFAL-MG MATEMÁTICA-LICENCIATURA 2015/1 Aula 25: Funcionalidade e Funções 01/06/2015 2 Funcionalidade na Antiguidade Ideia de correspondência ou noção de dependência. Tabelas babilônicas

Leia mais

3.1. Terra e Sistema Solar (1)

3.1. Terra e Sistema Solar (1) 1 Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 3 PLANETA TERRA (1) Movimentos dos planetas Órbitas dos planetas Prof. Marília Silva Soares Unidade 3 PLANETA TERRA Competências No final desta

Leia mais

Física Geral I F semestre, Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton

Física Geral I F semestre, Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton Física Geral I F -18 0 semestre, 010 Aula 5 Força e movimento I: Leis de Newton Leis de Newton (Isaac Newton, 164-177) Até agora apenas descrevemos os movimentos cinemática. É impossível, no entanto, prever

Leia mais

Céu aparente, sistema solar e exoplanetas MODELOS PLANETÁRIOS4. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Enos Picazzio

Céu aparente, sistema solar e exoplanetas MODELOS PLANETÁRIOS4. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Enos Picazzio 4.1 Os movimentos aparentes decorrem da visão geocêntrica 4.2 Geocentrismo 4.2.1 Aperfeiçoamentos de Ptolomeu 4.3 Heliocentrismo 4.3.1 Órbitas circulares (Copérnico) 4.3.2 A importância de Tycho Brahe

Leia mais