TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente"

Transcrição

1 TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER vivendopelapalavra.com Revisão e diagramação por: Helio Clemente REALISMO: UMA ALTERNATIVA AO ESSENCIALISMO E AO CONVENCIONALISMO A visão convencionalista de significado a linguagem é claramente uma reação exagerada ao essencialismo platônico. Entretanto, existe uma terceira alternativa que evita tanto a rigidez do essencialismo quanto o relativismo do convencionalismo: o Realismo. O Realismo defende que o significado e objetivo, mesmo que os símbolos sejam culturalmente relativos, pois o significado transcende os nossos símbolos e os meios linguísticos que temos 1 / 7

2 para expressa-los. O significado e objetivo são absolutos, não porque uma expressão linguística especifica o seja, mas porque existe uma Mente absoluta, Deus, que o comunicou as mentes finitas (os seres humanos) por intermédio de um meio comum, mas análogo, de linguagem humana que utiliza princípios transcendentes de lógica, que são comuns tanto a Deus quanto aos seres humanos. Uma Estrutura para Compreender o Significado do Significado As tradicionais seis causas nos ajudarão a explicar este tópico. Na tradição de Aristóteles, os filósofos escolásticos distinguiam seis diferentes causas para as coisas: (1) causa eficiente aquela pela qual algo vem à existência; (2) causa final aquela para a qual algo vem à existência; (3) causa formal aquela da qual algo vem à existência; (4) causa material aquela a partir da qual algo vem à existência; (5) causa exemplar aquela depois da qual algo vem à existência; (6) causa instrumental aquela através da qual algo vem à existência. Por exemplo, uma cadeira de madeira tem o carpinteiro como sua causa eficiente, o proporcionar um assento para alguém como sua causa final, a sua estrutura como uma cadeira como sua causa formal, a madeira como sua causa material, seu projeto (escrito) como sua causa exemplar, e as ferramentas do carpinteiro como a sua causa instrumental. 2 / 7

3 Gramatica de superfície: é aqui definida como aquela que é obvia em uma estrutura linguística, enquanto que gramatica de profundidade e aquela que esta oculta por detrás dela. O Significado E Encontrado na Causa Formal A aplicação destas seis causas ao significado de um texto escrito nos leva a seguinte analise: (1) O escritor e a causa eficiente do significado de um texto. (2) O objetivo do escritor e a causa final do seu significado. (3) A escrita e a causa formal do seu significado. (4) As palavras são a causa material do seu significado. (5) As ideias do autor são a causa exemplar do seu significado. (6) As leis do pensamento são a causa instrumental do seu significado. O significado (a causa formal) de uma expressão inteligível, como a escrita, não e encontrado no significador ; ele e a causa eficiente do significado. A causa formal do significado esta na escrita em si. 3 / 7

4 O objeto a ser significado e encontrado nos sinais que o representam; o significado verbal e encontrado na própria estrutura e na gramatica das frases, no texto literário em si (causa formal), e não no seu proposito (causa final). Observe que o significado não e encontrado nas palavras individuais (causa material). As palavras em si mesmas não tem um significado real, mas somente um significado potencial. Elas tem o seu uso em uma frase, que e a menor das unidades de significado. Retornando a um exemplo anterior, a palavra inglesa bark ( latir, ou casca de uma arvore ) não tem um significado inerente, mas vários usos diferentes (em frases) que tem um significado, tal como o exemplo abaixo a respeito da palavra pena (em português): (1) A ave de grande porte perdeu uma pena. (2) A pena pela desobediência a lei corresponde a dois anos de detenção. Segundo este ponto de vista, as palavras são apenas partes de um todo (do todo da frase), a qual e a única que detém o sentido. De maneira similar, os pigmentos sozinhos não tem beleza por si mesma, mas somente quando formam um belo conjunto em um quadro. O sentido, portanto, e somente encontrado no texto como um todo, e não em partes dele, de maneira independente. Significado: O significado de um texto não esta fora do próprio texto (na mente do autor), por debaixo do texto (na mente de algum místico), ou por detrás do texto (em alguma intenção não expressa pelo autor); antes, ele e encontrado no texto (no significado expressado pelo autor). 4 / 7

5 Da mesma forma, a beleza de uma tela não esta fora, nem debaixo, nem por detrás dela. Todo o significado textual esta no texto. As frases (no contexto do seu paragrafo, e no contexto da obra como um todo) são a causa formal do sentido. Elas são a forma que da o sentido a todas as partes (palavras, pontuação etc.). A Unidade de Significado: Como o significado da Bíblia vem, em ultima instancia, de uma Mente objetiva (Deus) e se encontra em um texto objetivo que utiliza termos com o mesmo tanto para Deus quanto para os seres humanos, temos somente um significado para um texto bíblico aquele que foi dado pelo autor. Obviamente, pode haver muitas implicações e aplicações na verdade, este significado pode ser expresso de varias formas na mesma língua. Isto se torna possível porque existe um emissor objetivo de um significado, um meio objetivo para a transmissão deste significado (lógico), e um meio comum de transmissão (linguagem) entre o emissor e o receptor que e capaz de expressar este significado. Este significado objetivo e encontrado na causa formal (linguagem), que proporciona a estrutura ou forma do significado. Assim, o significado da revelação de Deus, esteja ela na Bíblia ou na natureza, é encontrado em uma expressão objetiva do emissor, Deus, o idealizador do significado. Assim, mesmo que a visão do sentido único seja correta ao afirmar somente um significado para um texto, existe, entretanto, um sentido pleno em termos de implicações e aplicações. Por exemplo, Einstein sabia que E = m x c² (energia e igual a massa multiplicada pela velocidade da luz ao quadrado), da mesma forma que um estudante secundarista normal hoje também sabe. Todavia, Einstein conhecia muito mais as implicações e aplicações disto do que o estudante da escola media. De maneira similar, Deus, visto ter Ele inspirado o texto bíblico, conhece infinitamente mais a respeito do tópico e enxerga mais implicações e aplicações em uma afirmação bíblica do que o seu autor humano consegue enxergar. 2 Timóteo 3,16: Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, 5 / 7

6 para a correção, para a educação na justiça. Mas Ele não afirma um significado que vai além daquele que o autor humano do texto mencionou, pois tudo o que a Bíblia diz, Deus diz; tudo o que ela afirma ser verdadeiro, Deus afirma ser verdadeiro. Tanto o autor divino da Bíblia quanto o humano afirmam um significado único e idêntico em um texto único e idêntico. Não existem dois textos, e não ha dois significados para o texto. A Objetividade do Significado: As línguas humanas variam, mas o significado não. O mesmo significado objetivo pode ser expresso em linguagem largamente diversificada. Ao contrario do Essencialismo, que insiste em uma correlação de um-a-um entre o significado e a expressão, e ao contrario do Convencionalismo, que argumenta em direção da existência de uma correlação de muitos-para-um entre o significado e a expressão, o realismo afirma que existe uma correlação de um-para-muitos. Ou seja, um significado pode ser expresso de muitas maneiras diferentes, em diversos idiomas, e ate mesmo na mesma língua. Assim, a linguagem pode mudar e, na verdade, muda, mas o sentido que ela expressa nao muda. O uso de uma palavra se modifica com o passar do tempo, mas o significado. Daquela palavra em uma frase não muda. Por exemplo, na versão inglesa da Bíblia King James Verso, de 1611, a palavra let (2 Ts 2,7) significava impedir. (No inglês moderno, ela significa o contrario, permitir.) Mas na New King James Version (1982), quando esta palavra foi traduzida, utilizou-se a palavra restrain (impedir) para 6 / 7

7 substituir a palavra let da antiga King James Version (1611). O uso das palavras se modifica com o tempo, mas o seu significado não. Outro exemplo do mesmo ponto e o significado matemático. Se escrevermos dois mais dois é igual a quatro ou = 4 o significado e o mesmo, ainda que o modo de expressar seja diferente. Além disso, o significado e objetivo, ainda que o modo de ele ser expresso seja relativo. CONCLUSAO A objetividade da verdade que o Cristianismo abrange esta baseada na premissa de que o significado é objetivo. Esta objetividade no significado é rejeitada por muitos dos linguistas contemporâneos; a teoria convencionalista predominante do significado é uma forma de relativismo semântico. Entretanto, além de ser uma reação exagerada ao essencialismo platônico, o convencionalismo é autodestrutivo, pois, como já vimos a teoria do convencionalismo ao afirmar que todo significado é relativo se apresenta como uma afirmação não relativa, ou seja, uma falácia auto destrutiva. Todo o significado e relativo é uma afirmação provida de um significado que precisa ser aplicada a todas as afirmações providas de um significado; ela é uma afirmação não convencional alegando que todas as afirmações são convencionais. Dessa forma, ela se auto destrói, pois no próprio processo de se auto expressar ele acaba fazendo uso de uma teoria do significado que contraria o que ele alega ser verdadeiro para todas as afirmações providas de significado. Os usos dos símbolos e das palavras mudam, mas o significado corretamente expressado por eles nas frases e no sentido em que foram utilizados não mudam. 7 / 7

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

Redação (Aula 01) Profª Dayane Cristine Negri Profº Rafael Semensi Profª Tatiane Matos Vieira 02/03/2.010

Redação (Aula 01) Profª Dayane Cristine Negri Profº Rafael Semensi Profª Tatiane Matos Vieira 02/03/2.010 Redação (Aula 01) 02/03/2.010 Profª Dayane Cristine Negri Profº Rafael Semensi Profª Tatiane Matos Vieira 1 Contato: MSN: rafaelsemensi@hotmail.com e-mail pessoal: rafasemensi@gmail.com Rafael Semensi

Leia mais

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE 2014 1º ANO/1º SEMESTRE 2 aulas) Observação: Leitura e Produção de Textos I * * (LNG1050) Habilidades Básicas Integradas do Inglês: Produção

Leia mais

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p Aula 6 GERATIVISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Linguística Gerativa Gerativismo Gramática Gerativa

Leia mais

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas.

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas. Resolução Unesp-41, de 12-7-2007 Publicada no D.O.E. de 13/07/2007 - Seção I pag 53 (Alterada pela Resolução UNESP 20 de 31-3-2009 Publicada no D.O.E. de 01/04/2009, Seção I, página 42 e Resolução UNESP

Leia mais

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN CURSO SOBRE O CREMOS DA ASSEMBLEIA DE DEUS Segundo Artigo de Fé: Cremos, Na inspiração divina verbal e plenária da Bíblia Sagrada, única regra infalível

Leia mais

Lógica Proposicional Sintaxe

Lógica Proposicional Sintaxe Lógica Proposicional Sintaxe José Gustavo de Souza Paiva Lógica Proposicional Forma mais simples da lógica Fatos do mundo real representados por sentenças sem argumento proposições Proposição Sentença

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL MATRIZ CURRICULAR NOTURNO Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 1. Leitura e produção textual I 4 60 2. Introdução a informática 4

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional. 3.1 Relações lógicas de Euler

Lógica Matemática e Computacional. 3.1 Relações lógicas de Euler Lógica Matemática e Computacional 3.1 Relações lógicas de Euler Lógica Ciência dos argumentos; tem por objeto de estudo os argumentos, procurando elaborar procedimentos que permitam distinguir os argumentos

Leia mais

ANEXO I. (Edital de Concurso Público nº 001.6/2016, de 21 de março de 2016) JULGAMENTO DOS RECURSOS INTERPOSTOS

ANEXO I. (Edital de Concurso Público nº 001.6/2016, de 21 de março de 2016) JULGAMENTO DOS RECURSOS INTERPOSTOS ANEXO I (Edital de Concurso Público nº 001.6/2016, de 21 de março de 2016) JULGAMENTO DOS RECURSOS INTERPOSTOS RECURSO QUANTO À QUESTÃO 11 PROFESSOR DE INGLÊS INDEFERIDO No recurso impetrado o candidato

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 16/03/2016 Currículo de Cursos Hora: 13:47:38

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 16/03/2016 Currículo de Cursos Hora: 13:47:38 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 16/03/2016 Currículo de Cursos Hora: 13:47:38 Curso: Nível: Grau Conferido: Turno: Tipo: Modalidade: Funcionamento: Documento de Autorização: Língua e Literatura

Leia mais

A CONFIABILIDADE E A AUTORIDADE DAS ESCRITURAS. Augustus Nicodemus Lopes

A CONFIABILIDADE E A AUTORIDADE DAS ESCRITURAS. Augustus Nicodemus Lopes A CONFIABILIDADE E A AUTORIDADE DAS ESCRITURAS Augustus Nicodemus Lopes O ATAQUE LIBERAL Ataques feitos à Bíblia em nossos dias. O ataque do liberalismo teológico. Johan Solomo Semler (séc. XVIII) distinção

Leia mais

Nova Estrutura do Curso: Avisos

Nova Estrutura do Curso: Avisos Nova Estrutura do Curso: Avisos Nova Estrutura do Curso Disciplinas de Teologia Sistemática: Introdução a Teologia Sistemática Doutrina de Deus Teontologia Doutrina do Ser Humano Antropologia Doutrina

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - UFF

MATRIZ CURRICULAR - UFF Curso: LETRAS Titulação: LICENCIADO Habilitação: PORT-LITERATURAS Enfâse: - Linha de Formação: - Currículo: 87.01.001 Versão: 2 Turno: (OB) Carga horária obrigatória: 2515 (O) Carga horária optativa: 120

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

Modus ponens, modus tollens, e respectivas falácias formais

Modus ponens, modus tollens, e respectivas falácias formais Modus ponens, modus tollens, e respectivas falácias formais Jerzy A. Brzozowski 28 de abril de 2011 O objetivo deste texto é apresentar duas formas válidas de argumentos o modus ponens e o modus tollens

Leia mais

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO ATITUDES E VALORES (5%) CONHECIMENTOS E CAPACIDADES (95%) Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN 2016/2017 Português Leitura/ Educação Literária Componente escrita: Compreensão de textos escritos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Código da Disciplina: NDC 136 Curso: Pedagogia Semestre de Oferta da Disciplina: 1º p Faculdade Responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns Programa em

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

LIÇÃO 02 - A BÍBLIA É A INSPIRADA PALAVRA DE DEUS

LIÇÃO 02 - A BÍBLIA É A INSPIRADA PALAVRA DE DEUS LIÇÃO 02 - A BÍBLIA É A INSPIRADA PALAVRA DE DEUS TEXTO BÍBLICO Salmos 119.1-12 DESTAQUE " Como pode um jovem conservar pura a sua vida? É só obedecer aos teus mandamentos." (Salmos 119.9). LEITURA DEVOCIONAL

Leia mais

ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS)

ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS) ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois minors,

Leia mais

CONCEITOS BASILARES. Vejamos um caso de Interpretação Bíblica:

CONCEITOS BASILARES. Vejamos um caso de Interpretação Bíblica: CONCEITOS BASILARES Claro está que para início de nossos estudos precisaremos compreender alguns conceitos primários e entre eles está o da Hermenêutica. Entenda-se pois Hermenêutica como um viés da Filosofia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Conteúdos Programáticos Critérios de Instrumentos de Comunicação oral Observação direta

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português-5.º Ano Ano letivo Período

Síntese da Planificação da Disciplina de Português-5.º Ano Ano letivo Período Síntese da Planificação da Disciplina de Português-5.º Ano Ano letivo-2016-2017 Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 12 13 12 13 13 3.º período 7 7

Leia mais

EXTERNATO S. VICENTE DE PAULO Lisboa DEPARTAMENTO DE LÍNGUA MATERNA E HUMANIDADES DOMÍNIOS 1.º PERÍODO 2.º PERÍODO 3.º PERÍODO

EXTERNATO S. VICENTE DE PAULO Lisboa DEPARTAMENTO DE LÍNGUA MATERNA E HUMANIDADES DOMÍNIOS 1.º PERÍODO 2.º PERÍODO 3.º PERÍODO DOMÍNIOS 1.º PERÍODO 2.º PERÍODO 3.º PERÍODO Interação discursiva Princípio de cooperação Informação, explicação; pergunta, resposta ORALIDADE Interpretação de texto Intenção do locutor; tema; assunto;

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 12 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

ENEM 2012 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113

ENEM 2012 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113 108. Na leitura do fragmento do texto Antigamente constata-se, pelo emprego de palavras obsoletas, que itens lexicais outrora produtivos não mais o são no português

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Chapecó Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Claude Elwood Shannon, 1948 Autor que estabeleceu os fundamentos da Teoria da Informação Teoria da

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial O que é comunicar? Tornar comum, compartilhar Todas as atividades humanas envolvem comunicação ato vital Comunicação Verbal (falada e escrita) Comunicação não-verbal (sons, músicas,

Leia mais

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA

POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA POR QUE ENSINAR GRAMÁTICA José Fernandes Vilela (UFMG) Quando se indaga por que ensinar teoria gramatical, está-se, na verdade, indagando para que ensiná-la. Ou seja, estão-se buscando, em linguagem pedagógica,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PAREDE Ano letivo de 2016 / 2017 GESTÃO DE CONTEÚDOS Ensino regular Português - 6.º Ano Unidades de Ensino / Conteúdos Nº Aulas Previstas (45 min) Unidades Abordadas: Unidade

Leia mais

ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO & FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Prof. Andriza M. Becker

ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO & FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Prof. Andriza M. Becker ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO & FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Prof. Andriza M. Becker OS SEIS ELEMENTOS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO FALHAS NA COMUNICAÇÃO... E NA COMUNICAÇÃO ESCRITA??? QUE INTERPRETAÇÃO VOCÊ FAZ

Leia mais

CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS Desse modo, a língua de sinais não é uma língua universal, pois adquire características diferentes em cada país e,

Leia mais

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções.

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções. Grice: querer dizer Referências: Grice, Paul, Meaning, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 213-223. Schiffer, Stephen, Meaning, Oxford, Oxford University

Leia mais

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017

PROPOSTA CURSO DE LETRAS HORÁRIO 2017 CURSO DE LETRAS 1 ANO - 1º SEMESTRE - PERÍODO DIURNO E NOTURNO Estudos Literários I LTE5028 Variação e Mudança Linguísticas LNG5027 Língua Alemã I *LEM5108 Introdução à Língua Italiana: noções gerais *LEM5152

Leia mais

Prática Profissional: A Fala e as Questões Sociais. Contextualização. Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas

Prática Profissional: A Fala e as Questões Sociais. Contextualização. Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Prática Profissional: A Fala e as Questões Sociais Teleaula 2 Prof.ª Me. Elys Regina Andretta tutorialetras@grupouninter.com.br Contextualização Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas A

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

Cuidados divinos sobre a elaboração das Escrituras

Cuidados divinos sobre a elaboração das Escrituras Lição 6 Cuidados divinos sobre a elaboração das Escrituras Pr. José Tomaz Rodrigues Lima Texto Áureo Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras, porque pensam que nelas vocês têm a vida eterna. E são as

Leia mais

Você não precisa decorar nada

Você não precisa decorar nada Que aprender inglês é importante e vai mudar a sua vida você já sabe, mas como aprender inglês e como fazer isso por conta própria? Nós separamos abaixo algumas dicas inéditas e que sem dúvida vão fazer

Leia mais

A EXPOSIÇÃO sobre um tema (género textual)

A EXPOSIÇÃO sobre um tema (género textual) A EXPOSIÇÃO sobre um tema (género textual) Português 10º ano Janeiro de 2016 Helena Borges Rosa Amaral ESM Marcas de género específicas: caráter demonstrativo, elucidação evidente do tema (fundamentação*

Leia mais

Sofistas ou Sophistés

Sofistas ou Sophistés - Sofista (sophistés) vem da palavra sophos que significa sábio. Sofistas ou Sophistés Principais sofistas: - Protágoras de Abdera 480-410 a.c. - Gógias de Leontini 487?-380? a.c. - Isócrates de Atenas

Leia mais

PARTE 2 - A PALAVRA NORMATIVA. O CÂNONE BÍBLICO

PARTE 2 - A PALAVRA NORMATIVA. O CÂNONE BÍBLICO Índice Siglas e abreviaturas 6 Introdução 7 PARTE 1 - A PALAVRA INSPIRADA CAPÍTULO I - NATUREZA DA INSPIRAÇÃO BÍBLICA 12 1. A inspiração bíblica no limiar do Vaticano II 13 1.1. Deus, autor principal,

Leia mais

Centro Universitário Adventista de São Paulo - Campus EC Matriz Curricular do Curso de Letras - Licenciatura

Centro Universitário Adventista de São Paulo - Campus EC Matriz Curricular do Curso de Letras - Licenciatura Centro Universitário Adventista de São Paulo - Campus EC Matriz Curricular do Curso de Letras - Licenciatura Início: 2013 - CONSU 2012-41 de 29/11/2012 I Ano, I Semestre I Ano, II Semestre Teoria e Prática

Leia mais

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola. HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

Leia mais

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as 1 Introdução No nosso dia-a-dia, estamos a todo momento emitindo opiniões, defendendo ideias. Opinamos em casa, no trabalho, na escola, na rua, em todos os lugares. Opinar, argumentar, persuadir o outro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA EDU236 Fundamentos da Educação: Sociologia - 30 36 2 0 3º EDU237 Fundamentos da Educação: Filosofia - 30 36 2 0 3º LET812 Estudos de Leitura - 60 72 2 2 3º LET872 Teoria

Leia mais

NETIQUETAS EM 4 PASSOS

NETIQUETAS EM 4 PASSOS EM 4 PASSOS No ambiente virtual, assim como em nossa rotina diária, é preciso seguir uma série de boas condutas para vivermos de forma harmoniosa em sociedade. Ao contrário do que muita gente diz, a internet

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano. Disciplina de Português Ano Letivo /2017. Domínios/Conteúdos/Descritores. Unidade 0 Apresentações

PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano. Disciplina de Português Ano Letivo /2017. Domínios/Conteúdos/Descritores. Unidade 0 Apresentações AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALE DE MILHAÇOS ESCOLA BÁSICA DE VALE DE MILHAÇOS PLANIFICAÇÃO ANUAL 5º Ano Disciplina de Português Ano Letivo - 2016/2017 Metas de aprendizagem/objetivos Domínios/Conteúdos/Descritores

Leia mais

REGULAMENTO NIVELAMENTO

REGULAMENTO NIVELAMENTO REGULAMENTO NIVELAMENTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO Diante do panorama atual da Educação Básica, é possível dizer que o estudante ingressa no ensino superior com uma base que é peculiar a cada

Leia mais

Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões

Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões Prova Global Simulado 6º. Filosofia 2014/2 Devolutiva das questões Questão nº 1 - Resposta B Justificativa: O amante do mito é de certo modo também um filósofo, uma vez que o mito se compõe de maravilhas

Leia mais

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: a Literatura no Enem. Literatura Brasileira 3ª série EM Prof.: Flávia Guerra

Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: a Literatura no Enem. Literatura Brasileira 3ª série EM Prof.: Flávia Guerra Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: a Literatura no Enem Literatura Brasileira 3ª série EM Prof.: Flávia Guerra Competência de área 4 Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação

Leia mais

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima

constituímos o mundo, mais especificamente, é a relação de referência, entendida como remissão das palavras às coisas que estabelece uma íntima 1 Introdução Esta tese aborda o tema da relação entre mundo e linguagem na filosofia de Nelson Goodman ou, para usar o seu vocabulário, entre mundo e versões de mundo. Mais especificamente pretendemos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

Gramática. Prof Guto

Gramática. Prof Guto Gramática Prof Guto O texto é uma reunião de ideias lógicas expressas pela combinação de palavras. A compreensão de texto nada mais é do que a capacidade de entender as partes de um texto e sua relação

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

DIÁRIO DE SALA 9º ANO 4º BIMESTRE 2016

DIÁRIO DE SALA 9º ANO 4º BIMESTRE 2016 DIÁRIO DE SALA 9º ANO 4º BIMESTRE 2016 DESCRIÇÃO TAREFA PARA CASA CIÊNCIAS 04/10 Forças Trabalho Kgm e Joule - - CIÊNCIAS 04/10 Atividades no livro pág. 162 - - PORTUGUÊS 04/10 Preposições - - PORTUGUÊS

Leia mais

A suficiência da Bíblia

A suficiência da Bíblia A suficiência da Bíblia Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente

Leia mais

Currículo - Versão para Imprimir

Currículo - Versão para Imprimir Currículo BACHARELADO EM FILOSOFIA s Obrigatorios: 144 s Eletivos: 28 s Complementares: 6 Semestre selecionado: 2013/1 Etapa 1 HUM01059 HUM01502 HUM01060 HISTÓRIA DA FILOSOFIA GREGA LÓGICA I - A Etapa

Leia mais

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1

MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados 1 Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br http://www.dcc.ufmg.br/~loureiro MD Lógica de Proposições Quantificadas Cálculo de Predicados

Leia mais

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO F2 FORMAÇÃO APRENDES MELHOR ATRAVÉS DA OBSERVAÇÃO, OUVINDO OU PRATICANDO A INFORMAÇÃO QUE RECEBES? Todos somos diferentes quando se trata de aprendizagem e retenção de informação. Existem vários estilos

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÂO DE PROFESSORES EM CARÁTER TEMPORÁRIO 2017 PARECER RECURSOS PROVA 2 ENSINO RELIGIOSO 12) Conforme o disposto no DECRETO

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ

COPYRIGHT TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - SABER E FÉ Aviso importante! Esta disciplina é uma propriedade intelectual de uso exclusivo e particular do aluno da Saber e Fé, sendo proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo, exceto em breves citações

Leia mais

Vimos que a todo o argumento corresponde uma estrutura. Por exemplo ao argumento. Se a Lua é cúbica, então os humanos voam.

Vimos que a todo o argumento corresponde uma estrutura. Por exemplo ao argumento. Se a Lua é cúbica, então os humanos voam. Matemática Discreta ESTiG\IPB 2012/13 Cap1 Lógica pg 10 Lógica formal (continuação) Vamos a partir de agora falar de lógica formal, em particular da Lógica Proposicional e da Lógica de Predicados. Todos

Leia mais

INDICAÇÕES º ANO AxBxC

INDICAÇÕES º ANO AxBxC INDICAÇÕES 2017-1º ANO AxBxC 1º ANO A / ENS. FUNDAMENTAL CLASSE: Atividade de acolhimento com paradidáticos infantis / ORAÇÃO DO DIA: Pai Nosso / CANÇÃO DO DIA: O amor de frases / INGLÊS: Praticando sua

Leia mais

Afirmações Matemáticas

Afirmações Matemáticas Afirmações Matemáticas Na aula passada, vimos que o objetivo desta disciplina é estudar estruturas matemáticas, afirmações sobre elas e como provar essas afirmações. Já falamos das estruturas principais,

Leia mais

LETRAS Habilitação em Português e Literaturas de Língua Portuguesa

LETRAS Habilitação em Português e Literaturas de Língua Portuguesa 408 LETRAS Habilitação em Português e Literaturas de Língua Portuguesa COORDENADORA Elisa Cristina Lopes ec.lopes@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 409 Habilitação em Português e Literaturas de Língua

Leia mais

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores LET 1 - DISCIPLINAS DO SETORES DE LÍNGUA PORTUGUESA,LITERATURAS E LATIM Atenção: As disciplinas em negrito são novas disciplinas propostas.

Leia mais

AVERRÓIS. Catarina Belo. O essencial sobre IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA

AVERRÓIS. Catarina Belo. O essencial sobre IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA Catarina Belo O essencial sobre AVERRÓIS IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA 1 AVERRÓIS NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO ISLÂMICO E OCIDENTAL No panorama da filosofia islâmica medieval, Averróis ocupa um lugar de

Leia mais

IME, UFF 7 de novembro de 2013

IME, UFF 7 de novembro de 2013 em Lógica de IME, UFF 7 de novembro de 2013 Sumário em... em Sintaxe da A lógica que estamos definindo é uma extensão de LS e é chamada de Lógica de Ordem,, por uma razão que será esclarecida mais adiante.

Leia mais

Aula 1 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM

Aula 1 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM Aula 1 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM LANGACKER, Ronald W. A linguagem e sua estrutura: alguns conceitos fundamentais. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1972. cap. 1 (p. 11-19). MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de

Leia mais

INSTITUTO MACHADO DE ASSIS Seriedade, compromisso e competência.

INSTITUTO MACHADO DE ASSIS Seriedade, compromisso e competência. CARGO: PROFESSOR DE ARTES D A B C D A D B B A B B C B B A A B C D CARGO: PROFESSOR DE CIÊNCIAS D A B C D D A A B A C B D C D C C D C B CARGO: PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA D A B C D C B A D D D A D C A

Leia mais

A vida de Enoque. A vida de Enoque Thomas Aner

A vida de Enoque. A vida de Enoque Thomas Aner A vida de Enoque Thomas Aner 2 Dados Internacionais de Catalogação de Publicação (CIP) Aner, Thomas 1982 - A vida de Enoque / Thomas Aner - 1 ed. - Espírito Santo, 2012 ISBN: xxx 1. Biografia 2. Teologia

Leia mais

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 69 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10 / 09 /2015 Etec Tiquatira Código: Município: São Paulo Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

Curso: Licenciatura em Letras

Curso: Licenciatura em Letras Curso: Licenciatura em Letras Módulo: Formação Humanística números de variáveis, com as respectivas abrangendo técnicas e visitas culturais), Atividades Orientadas AO, ministrada por diversos docentes

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés REGULAMENTO DO NIVELAMENTO DA FACULDADE PRESIDENTE ANTONIO CARLOS DE AIMORÉS Regulamenta o Nivelamento no âmbito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés. INTRODUÇÃO Diante do panorama atual da

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 7 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Prof. Tiago Semprebom, Dr. Eng. 09 de abril de 2013

Prof. Tiago Semprebom, Dr. Eng. 09 de abril de 2013 Lógica Clássica e Lógica Simbólica Prof. Tiago Semprebom, Dr. Eng. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Santa Catarina - Campus São José tisemp@ifsc.edu.br 09 de abril de 2013 Prof. Tiago

Leia mais

Aula 00. Raciocínio Lógico para Técnico do INSS. Raciocínio Lógico Professor: Guilherme Neves. Prof.

Aula 00. Raciocínio Lógico para Técnico do INSS. Raciocínio Lógico Professor: Guilherme Neves.  Prof. Aula 00 Raciocínio Lógico Professor: Guilherme Neves www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Aula Demonstrativa Raciocínio Lógico para INSS Apresentação... 3 Modelos de Questões Comentadas - CESPE... 4

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

Critérios e Instrumentos de Avaliação Cursos Profissionais Técnico de Energias Renováveis

Critérios e Instrumentos de Avaliação Cursos Profissionais Técnico de Energias Renováveis Critérios e Instrumentos de Avaliação Cursos Profissionais Técnico de Energias Renováveis Português COMPETÊNCIAS DOS DOMÍNIOS COGNITIVO/MOTOR 80% Compreende enunciados orais de natureza diversa; COMPREENSÃO/EXPRESSÃO

Leia mais

As Revelações do Apocalipse

As Revelações do Apocalipse Page 1 of 5 As Revelações do Apocalipse Este estudo contém ao todo 24 lições. Para imprimir esta lição e respondê-la com auxílio de sua Bíblia CLIQUE AQUI. ESTUDO 01 O Apocalipse, um Livro Aberto A maioria

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes

Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes Linguagens Formais e Autômatos P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação - P. Blauth Menezes

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Materna: uma entrevista com Luiz Carlos Travaglia. ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. LINGUÍSTICA APLICADA AO

Leia mais

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto MÍDIAS NA ESCOLA Continuando nossos estudos... Agosto - 2015 PARA RECORDAR! LEITURA: UM ENFOQUE ALÉM DO TEXTO QUAL O GÊNERO? QUAL O SUPORTE? QUEM ESCREVEU? QUANDO ESCREVEU? PARA QUEM ESCREVEU? PARA QUE

Leia mais

Redação Científica. PPGCC OTC Prof. João Fernando C Silva Departamento de Cartografia

Redação Científica. PPGCC OTC Prof. João Fernando C Silva Departamento de Cartografia Redação Científica PPGCC OTC Prof. João Fernando C Silva Departamento de Cartografia Documentos científicos Planos e Projetos Relatórios Monografias Dissertações Teses Artigos científicos Divulgação científica

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares Aulas de

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares Aulas de Identificação Plano de Ensino Curso: Direito Disciplina: Língua Portuguesa Ano/semestre: 2012/01 Carga horária: Total: 80h Semanal: 4h Professor: Michelle Teixeira da Silva Período/turno: matutino e noturno

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º FL211- HISTORIA DA FILOSOFIA ANTIGA 1 OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: FL233 FL233- HISTORIA DA FILOSOFIA ANTIGA FL252- INICIACAO A PESQUISA FILOSOFICA OBRIG 60 0 60 4.0 A PESQUISA: SUA CARACTERIZAÇÃO;

Leia mais

DISCIPLINAS OPTATIVAS PARA OS CURRÍCULOS, CRIADOS A PARTIR DE 2006, DO CURSO DE LETRAS

DISCIPLINAS OPTATIVAS PARA OS CURRÍCULOS, CRIADOS A PARTIR DE 2006, DO CURSO DE LETRAS CURRÍCULO CÓDIGO DESCRIÇÃO SETOR CLASSE 1/06 GCL00091 CRÍTICA TEXTUAL / ECDÓTICA II Crítica Textual OPTATIVA 1/06 GCL00092 CRÍTICA TEXTUAL / ECDÓTICA III Crítica Textual OPTATIVA 1/06 GCL00093 CRÍTICA

Leia mais

Nº da aula 02. Estudo da Sintaxe

Nº da aula 02. Estudo da Sintaxe Página1 Curso/Disciplina: Português para Concurso. Aula: Estudo da Sintaxe: Sujeito. Conceito; Classificações: sujeito determinado e indeterminado - 02 Professor (a): Rafael Cunha Monitor (a): Amanda Ibiapina

Leia mais

FIP20902 Tópicos em Física Interdisciplinar: Metodologia da Pesquisa Científica. Elaboração de um Artigo Científico

FIP20902 Tópicos em Física Interdisciplinar: Metodologia da Pesquisa Científica. Elaboração de um Artigo Científico FIP20902 Tópicos em Física Interdisciplinar: Metodologia da Pesquisa Científica Elaboração de um Artigo Científico 05/10/2007 Ingredientes Principais Organização Linguagem apropriada É preciso aprender

Leia mais

Luz e Visão. Prof. César Bastos

Luz e Visão. Prof. César Bastos Luz e Visão Prof. César Bastos Introdução ao estudo de Luz e Visão Como você explicaria o que é luz? Você seria capaz de explicar a Luz para uma pessoa que não enxerga? Durante muitos anos, desde a Grécia

Leia mais

Escrito por Hélio Clemente Sex, 09 de Dezembro de :53 - Última atualização Qui, 22 de Dezembro de :44

Escrito por Hélio Clemente Sex, 09 de Dezembro de :53 - Última atualização Qui, 22 de Dezembro de :44 CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER Por: Helio Clemente DA SAGRADA ESCRITURA 5 - Capítulo I, ÍTEM I DA ESCRITURA SAGRADA Ainda que a luz da natureza e as obras da criação e da providência de tal modo manifestem

Leia mais

Parte A Leitura e Interpretação (4,0) Leia com atenção o texto abaixo. Em seguida, responda às questões de interpretação.

Parte A Leitura e Interpretação (4,0) Leia com atenção o texto abaixo. Em seguida, responda às questões de interpretação. Nome: Nº: Disciplina: PORTUGUÊS Prova: MENSAL - TARDE Parte A Leitura e Interpretação (4,0) Leia com atenção o texto abaixo. Em seguida, responda às questões de interpretação. As bruxinhas Data: / /2007

Leia mais

Currículo - Versão para Imprimir

Currículo - Versão para Imprimir Currículo LICENCIATURA EM FILOSOFIA - NOTURNO s Obrigatorios: 164 s Eletivos: 12 s Complementares: 14 Semestre selecionado: 2013/1 Etapa 1 HUM01059 HUM01502 HUM01060 HISTÓRIA DA FILOSOFIA GREGA INTRODUÇÃO

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário INFORMAÇÃO EXAME DE INGLÊS (Continuação) 2017 12º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139/ 2012, DE 5 DE JULHO) Prova 358 (Escrita + Oral) Duração

Leia mais