Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul"

Transcrição

1 Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2011 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras Available at:

2 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Elói Martins Senhoras Boa Vista, 20 de Junho de 2011

3 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR SUMÁRIO

4 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR SUMÁRIO

5

6 A internacionalização é a mais importante e persuasiva força competitiva de mudança dos negócios na última década e abriu mercados nacionais para novos competidores criando novas oportunidades de negócios para pequenas e grandes empresas. Robert McQueen Grant

7 Paradiplomacia

8

9

10

11

12

13 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR

14

15 Padrões de paradiplomacia empresarial na América do Sul a) Processos internacionais paradiplomáticos de fusões e aquisições: - Grandes grupos transnacionais juntamente com fundos de investimento são protagonistas b) Formação de redes corporativas de ação internacional paradiplomática: - Conjunto de ações por empresas nacionais para adquirirem maior competitividade frente aos concorrentes ou como reação à abertura das economias e desregulamentação dos mercados.

16 Padrões de paradiplomacia empresarial na América do Sul a) Processos internacionais paradiplomáticos de fusões e aquisições: - Grandes grupos transnacionais juntamente com fundos de investimento são protagonistas b) Formação de redes corporativas de ação internacional paradiplomática: - Conjunto de ações por empresas nacionais para adquirirem maior competitividade frente aos concorrentes ou como reação à abertura das economias e desregulamentação dos mercados.

17 Padrões de paradiplomacia empresarial na América do Sul a) Processos internacionais paradiplomáticos de fusões e aquisições: - Grandes grupos transnacionais juntamente com fundos de investimento são protagonistas b) Formação de redes corporativas de ação internacional paradiplomática: - Conjunto de ações por empresas nacionais para adquirirem maior competitividade frente aos concorrentes ou como reação à abertura das economias e desregulamentação dos mercados. - Grandes empresas: Concentração regional na internacionalização empresarial - PMEs/MPEs: Internacionalização acoplada a multinacionais ou clusters

18 Transnacionalização empresarial na América do Sul

19 Áreas de atuação internacional das maiores empresas sul-americanas

20 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR

21

22 CARACTERÍSTICAS 1) Instrumentos da diplomacia corporativa - Coalizões empresariais, lobby e negociações direta com Estados ou entes sub-nacionais. 2) Estratégias de internacionalização via near-abroad - Concentradas em padrão de internacionalização primária. 3) Perfil das exportações e dos investimentos - Setores primários e de commodities.

23 INTERNACIONALIZAÇÃO 1A

24 Internacionalização primária de grandes empresas brasileiras

25 INTERNACIONALIZAÇÃO 1ª Mecanismos de financiamento à exportação

26 Sistemasde financiamento

27 Sistemasde financiamento Sistemas de financiamento: São sistemas de apoio creditício e/ou seguro; Tornam as condições financeiras para a compra dos produtos e serviços do exportador mais atrativas.

28 Sistemasde financiamento Sistemas de financiamento: São sistemas de apoio creditício e/ou seguro; Tornam as condições financeiras para a compra dos produtos e serviços do exportador mais atrativas. Sistemas de financiamento governamentais: Export Credit Agencies (ECAs): Agências de Crédito às Exportações. Exemplos:

29 Sistemasde financiamento Sistemas de financiamento: São sistemas de apoio creditício e/ou seguro; Tornam as condições financeiras para a compra dos produtos e serviços do exportador mais atrativas. Sistemas de financiamento governamentais: Export Credit Agencies (ECAs): Agências de Crédito às Exportações. Exemplos:» Eximbank(EUA)» ECGD (Inglaterra)» COFACE (França)» Hermes (Alemanha)

30 Sistemasde financiamento Sistemas de financiamento: ECAs São governamentais: sistemas de apoio Foco creditício em crédito e/ou seguro; para exportação. Tornam as condições financeiras para a compra dos ECAs produtos privadas: e serviços Foco em do seguro exportador para mais exportação atrativas. (crescente participação). Sistemas de financiamento governamentais: Export Credit Agencies (ECAs): Agências de Crédito às Exportações. Exemplos:» Eximbank(EUA)» ECGD (Inglaterra)» COFACE (França)» Hermes (Alemanha)

31 Operaçõesde financiamento

32 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque

33 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria

34 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria

35 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador)

36 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

37 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

38 Operaçõesde financiamento Diferentes taxas de juros Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Diferentes riscos Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

39 Operaçõesde financiamento Diferentes taxas de juros TAXAS BASES DE JUROS Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque -LIBOR (London Interbank Offered Rate) -PRIME (EUA) -TJLP Fase (Taxa de de Juros de Longo Prazo, Fase BNDES) de produção da comercialização da Diferentes riscos mercadoria mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

40

41 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

42 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Fase de produção da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador)

43 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Fase de produção da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) Aquisição de insumos, matérias-primas e outros recursos para a produção. Operações de Crédito ACC: Adiantamento sobre Contrato de Câmbio -Todo produto exportável pode ser amparado pelo ACC -Juros ACC são cobrados, normalmente, no momento da liquidação do contrato de câmbio. São arbitrados a partir da taxa LIBOR. -Programas de crédito BNDES-EXIM: -Pré-embarque (100% valor; 18 meses finc.) -Pré-embarque ágil (100% valor; 6 meses) -Pré-embarque especial (100% valor; 12 meses) -Pré-embarque empresa âncora (100% valor; 18 meses: MPEs e PMEs; Operações via Instituições financeiras credenciadas)

44 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Fase de produção da mercadoria Aquisição de insumos, matérias-primas e outros recursos para a produção. Operações de Crédito ACC: Adiantamento sobre Contrato de Câmbio -Todo produto exportável pode ser amparado pelo ACC -Juros ACC são cobrados, normalmente, no momento da liquidação do contrato de câmbio. São arbitrados a partir da taxa LIBOR. -Programas de crédito BNDES-EXIM: supplier s credit (crédito ao exportador) Produtos têm que ter 60% de índice de nacionalização!

45

46 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

47 Operaçõesde financiamento Crédito pós-embarque Fase de comercialização da mercadoria buyer s credit (crédito ao importador) Propicia condições ao importador para utilizar o próprio bem ou serviço comprado a fim de gerar receita que será utilizada em seu pagamento. Operações de Crédito ACE: Adiantamento sobre Cambiais Entregues -BNDES - Exim PÓS EMBARQUE Supplier s Credit - BNDES concede financiamento de até 100% do valor exportado. - Prazo de pagamento de até 12 anos. -PROEX: Programa de Financiamento às Exportações - Recursos provêm do Tesouro Nacional - O PROEX só está disponível na fase Pós- Embarque. - É operacionalizado pelo Banco do Brasil.

48 Operaçõesde financiamento Crédito pós-embarque Fase de comercialização da mercadoria buyer s credit (crédito ao importador) Propicia condições ao importador para utilizar o próprio bem ou serviço comprado a fim de gerar receita que será utilizada em seu pagamento. Operações de Crédito ACE: Adiantamento sobre Cambiais Entregues -BNDES - Exim PÓS EMBARQUE Supplier s Credit - BNDES concede financiamento de até 100% do valor exportado. - Prazo de pagamento de até 12 anos. -PROEX: Programa de Financiamento às Exportações - Recursos provêm do Tesouro Nacional - O PROEX só está disponível na fase Pós- Embarque. - É operacionalizado pelo Banco do Brasil.

49 Operaçõesde financiamento Crédito pós-embarque Fase de comercialização da mercadoria buyer s credit (crédito ao importador) PROEX a) PROEX Equalização de Taxas de Juros Consiste no pagamento, pelo Tesouro Nacional, de parte dos juros cobrados em financiamentos à exportação de bens e serviços brasileiros, com o objetivo de compatibilizá-los com os padrões do mercado internacional. b) PROEX Financiamento Trata-se de financiamento com juros compatíveis com os praticados no mercado internacional. c) Financiamento com Recursos do Próprio Exportador ou de Terceiros São enquadradas nesta situação as exportações financiadas que não oneram a dotação orçamentária do Governo Federal, sendo conduzidas pelas instituições financeiras ou pelos exportadores, com recursos próprios. todas as operações não enquadradas no PROEX são consideradas como financiamento com recursos do próprio exportador ou de terceiros.

50

51 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

52 Operaçõesde financiamento Crédito Crédito pré-embarque pós-embarque SEGURO DE CRÉDITO Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

53 SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO SCE é uma garantia aos créditos decorrentes das vendas externas. Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Proteger o exportador ou a instituição financeira contra o não recebimento dos créditos concedidos aos importadores ou a outros devedores estrangeiros. Objetivo: Segurar as exportações brasileiras de bens e serviços contra os riscoscomerciais, políticos e extraordinários que possam afetar as transações econômicas e financeiras vinculadas a operações de crédito à exportação. Fase de Fase de Seguradora Brasileira produção da de Crédito à Exportação comercialização S.A. da mercadoria mercadoria - SBCE é uma companhia privada. - Composição acionária: (24,18%) - Banco do Brasil e o BNDES (27,46%) - Coface - Compagnie Francaise d Assurancepour le Commerce (48,36%) - Grupo de Seguradoras nacionais: supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

54

55 INTERNACIONALIZAÇÃO 2A

56 Estratégias para investimento empresarial

57 Estratégias para investimento empresarial

58 Estratégias para investimento empresarial

59 Estratégias para investimento empresarial

60 Estratégias para investimento empresarial

61 Estratégias para investimento empresarial

62 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR

63

64 Impactos da Internacionalização Empresarial no Balanço de Pagamentos

65 Internacionalização Primária

66

67 Impactos de curto prazo: -Aumento de reservas -Apreciação/Valorização cambial

68 Internacionalização Secundária

69

70

71

72 Impactos de curto prazo: -Saída de reservas -Depreciação/Desvalorização cambial

73 Impactos de longo prazo: -Entrada de reservas -Apreciação/Valorização cambial Impactos de curto prazo: -Saída de reservas -Depreciação/Desvalorização cambial

74 Internacionalização dos fluxos geoeconômicos Brasil-América do Sul

75

76 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Universidade Federal de Roraima Núcleo Amazônico de Pesquisas em Relações Internacionais +55 (95) /

77 76

78 77

79 78

80 79

81 80

Paradiplomacia das cidades: A regionalização sulamericana

Paradiplomacia das cidades: A regionalização sulamericana Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2010 Paradiplomacia das cidades: A regionalização sulamericana a partir do local Prof. Dr. Eloi Martins

Leia mais

Valor Aduaneiro. O valor aduaneiro deve ser entendido como o montante que servirá como base de cálculo do Imposto de importação.

Valor Aduaneiro. O valor aduaneiro deve ser entendido como o montante que servirá como base de cálculo do Imposto de importação. Valor Aduaneiro O valor aduaneiro deve ser entendido como o montante que servirá como base de cálculo do Imposto de importação. Daí a importância de se estabelecer, com o devido rigor técnico,a base de

Leia mais

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel VIII: Como financiar suas exportações Campo Grande, 19 de julho Matheus Andrade Consultor, Barral M Jorge Matheus.andrade@barralmjorge.com.br A Barral

Leia mais

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel IX: Como financiar suas exportações Fortaleza, 07 de julho Wagner Parente CEO, Barral M Jorge Wagner.parente@barralmjorge.com.br Matheus Andrade Consultor,

Leia mais

Paradiplomacia da internacionalização universitária

Paradiplomacia da internacionalização universitária Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2010 Paradiplomacia da internacionalização Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/186/

Leia mais

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações 1 PROEX Programa de Financiamento às Exportações 2 Banco do Brasil e o Exportador Garantias Crédito Serviços Mecanismos de Apoio às Exportações 3 ACC/ACE Banco do Brasil e o Exportador Linhas de Crédito

Leia mais

Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna

Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna Recife Salvador Brasília Ribeirão Preto Campinas São Paulo (3) 105 Gerentes de Negócios Internacionais Belo Horizonte 80 Consultores Rio de Janeiro Curitiba

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

Exportação Passo a Passo

Exportação Passo a Passo Sumário 3 4 5 6 1. INTRODUÇÃO 7 2. IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE EXPORTADORA POR QUE EXPORTAR? 9 2.1. A internacionalização da empresa 10 2.2. Etapas da internacionalização da empresa 2.3. Considerações importantes

Leia mais

Apoio do BNDES às Exportações

Apoio do BNDES às Exportações Apoio do BNDES às Exportações ABINEE São Paulo outubro/2015 Classificação: Documento Ostensivo - Unidade Gestora AEX Objetivos Objetivos Apoiar a exportação de bens e serviços de alto valor agregado; Aumentar

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESP - Outubro de 2016

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESP - Outubro de 2016 Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESP - Outubro de 2016 Programa de Financiamento às Exportações - PROEX O PROEX foi instituído pelo Governo Federal para proporcionar às exportações brasileiras

Leia mais

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. CIRCULAR Nº 2825 Documento normativo revogado pela Circular 3280, de 09/03/2005. Estabelece, altera e sistematiza os procedimentos cambiais relativos às exportações financiadas. A Diretoria Colegiada do

Leia mais

APOIO DO BNDES ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS. Seminário PROMINP-Exportação. Rio Oil & Gas /09/2006

APOIO DO BNDES ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS. Seminário PROMINP-Exportação. Rio Oil & Gas /09/2006 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social APOIO DO BNDES ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Seminário PROMINP-Exportação Rio Oil & Gas 2006 12/09/2006 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: https://works.bepress.com/eloi/134/

Leia mais

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 ACC E ACE Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016 Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016 Programa de Financiamento às Exportações - PROEX O PROEX foi instituído pelo Governo Federal para proporcionar às exportações brasileiras

Leia mais

Unidade III SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade III SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade III SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Pontos de vista da exportação Exportação: é o ato de vender os produtos e serviços de sua empresa em um mercado fora do território

Leia mais

BRITCHAM - CORPORATE DAY

BRITCHAM - CORPORATE DAY BRITCHAM - CORPORATE DAY PAINEL 4 - FINANCIAMENTO Antonio Giglio Neto 23 de março de 2016 SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO I O Papel do Mercado Financeiro e de Capitais na Atividade Econômica II Legislação Relevante

Leia mais

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA Edmilson Milan DÓLAR x REAL Eleições 2002 Crise 2008 Janeiro 1999 DÓLAR x YEN DÓLAR x EURO CENÁRIOS FINANCEIROS A construção de cenário pode contemplar, entre outros: Inflação;

Leia mais

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação PROSOFT Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Prosoft Exportação Florianópolis, 16 de novembro de 2009 1 Apresentação do BNDES Fundado

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX

Programa de Financiamento às Exportações PROEX PROEX Equalização Programa de Financiamento às Exportações PROEX PROEX Objetivo: proporcionar às exportações brasileiras condições de financiamento equivalentes às do mercado internacional; Instrumentos

Leia mais

^^J-^^ Financiamentos de Exportação e Importação

^^J-^^ Financiamentos de Exportação e Importação ^^J-^^ Financiamentos de Exportação e Importação Os bancos que atuam na área de câmbio oferecem um cardápio de opções em financiamentos às exportações e, em menor grau, às importações. O governo, de sua

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Eloi Martins Senhoras

Leia mais

05/06/2017. Câmbio. Agenda da Aula Mercado Cambial. Câmbio. Mercado Cambial. Mercado Cambial

05/06/2017. Câmbio. Agenda da Aula Mercado Cambial. Câmbio. Mercado Cambial. Mercado Cambial Carlos R. Godoy 1 Mercado Financeiro I RCC 0407 Agenda da Aula - 09 Carlos R. Godoy 2 1. Política Cambial e Reservas 2. Intermediação Bancária 3. Operações a Vista e Futuras 4. Arbitragem de Câmbio Câmbio

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010

O BNDES Mais Perto de Você. Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010 O BNDES Mais Perto de Você Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010 Material de apoio Formulário de Perguntas Formulário de Avaliação 3 1 7 5 Informações Institucionais Informações gerais Quem somos

Leia mais

BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 bndes exim como financiar as exportações Como as micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75

Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75 Índice Geral Capítulo I - Introdução às Finanças Internacionais 1.0. Introdução...23 1.1. Visão geral das Finanças Internacionais...23 1.2. A Globalização dos Mercados...27 1.2.1. Os Grandes Blocos do

Leia mais

OS MECANISMOS FINANCEIROS DE ESTIMULO ÀS EXPORTAÇÕES E O IMPACTO SOBRE A RECEITA DAS EMPRESAS NO BRASIL

OS MECANISMOS FINANCEIROS DE ESTIMULO ÀS EXPORTAÇÕES E O IMPACTO SOBRE A RECEITA DAS EMPRESAS NO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA OS MECANISMOS FINANCEIROS DE ESTIMULO ÀS EXPORTAÇÕES E O IMPACTO SOBRE A RECEITA DAS EMPRESAS

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO BRASIL

EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO BRASIL CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO BRASIL JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Brasília, 02 de julho de 2014 2 DEFINIÇÃO

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO 1. OBJETIVO Financiar na fase pré-embarque a produção, para exportação, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES. 2. BENEFICIÁRIA

Leia mais

Contrato de Câmbio na Exportação.

Contrato de Câmbio na Exportação. Contrato de Câmbio na Exportação. A Momento da Contratação B Liquidação do contrato de câmbio C Alteração D Cancelamento E Baixa do Contrato de Câmbio F Posição de Câmbio: nivelada, comprada e vendida.

Leia mais

BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 bndes exim como financiar as exportações Como as micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

Relatório Aprendendo a Exportar. Encontro 4

Relatório Aprendendo a Exportar. Encontro 4 Relatório Aprendendo a Exportar Encontro 4 Grupo 1: ProExport Consultoria Tratamento Tributário e Financiamento Está associado às taxas de impostos que o governo cobra, embora este tenha buscado a isenção

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo IV www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1. EXPORTAÇÃO EM CONSIGNAÇÃO... 03 2. DECLARAÇÃO SIMPLIFICADA DE EXPORTAÇÃO DSE... 2.1 Finalidade... 2.2 Vantagens

Leia mais

O apoio do BNDES à exportação de material de defesa e segurança

O apoio do BNDES à exportação de material de defesa e segurança O apoio do BNDES à exportação de material de defesa e segurança Sergio B. Varella Gomes Departamento de Apoio às Exportações do Setor Aeronaútico São Paulo, 16 de maio de 2017 Sumário 1. O BNDES nas Exportações

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/136/

Leia mais

RI Analise Macroeconomica

RI Analise Macroeconomica Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2010 RI 406 - Analise Macroeconomica Eloi Martins Senhoras Available at: https://works.bepress.com/eloi/167/

Leia mais

Financiamento ao exportador brasileiro, tipos de financiamento e. dificuldades.

Financiamento ao exportador brasileiro, tipos de financiamento e. dificuldades. Financiamento ao exportador brasileiro, tipos de financiamento e Cleyton Izidoro dificuldades. 1 - Introdução A economia brasileira, mais desestatizada e regulamentada, ficou mais complexa. A velocidade

Leia mais

Novas regras para o rotativo do cartão de crédito entram em vigor

Novas regras para o rotativo do cartão de crédito entram em vigor Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras April 5, 2017 Novas regras para o rotativo do cartão de crédito entram em vigor Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras This

Leia mais

Workshop ABDE - BNDES Operações indiretas e instrumentos BNDES para Economia Criativa

Workshop ABDE - BNDES Operações indiretas e instrumentos BNDES para Economia Criativa Workshop ABDE - BNDES Operações indiretas e instrumentos BNDES para Economia Criativa Rio de Janeiro, 13.05.2015 Política de Privacidade: Documento Reservado Empresas do Sistema BNDES - Unidade Gestora

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS FIESP CIESP Ricardo Cunha da Costa Assessor da Área de Infraestrutura BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 24 de Abril de 2009 1 Missão e Visão

Leia mais

Financiamento à Exportação Brasileira Seguro de Crédito à Exportação

Financiamento à Exportação Brasileira Seguro de Crédito à Exportação Export & Agency Finance Financiamento à Exportação Brasileira Seguro de Crédito à Exportação São Paulo, Abril 2016 Visão Geral: Export & Agency Finance Serviços do Santander em transações de ECA e MLA

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS PRINCIPAIS LINHAS DE CRÉDITO AO EXPORTADOR BRASILEIRO ENTRE 2004 E 2008

EVOLUÇÃO DAS PRINCIPAIS LINHAS DE CRÉDITO AO EXPORTADOR BRASILEIRO ENTRE 2004 E 2008 5 EVOLUÇÃO DAS PRINCIPAIS LINHAS DE CRÉDITO AO EXPORTADOR BRASILEIRO ENTRE 2004 E 2008 Julio Cesar de Oliveira 1 RESUMO Este trabalho analisa a evolução das duas principais linhas de crédito aos exportadores

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA. Atualizado em: 06/09/2017

EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA. Atualizado em: 06/09/2017 EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA Atualizado em: 06/09/2017 Eximbanks no mundo É política pública secular: a primeira Agência de Crédito à Exportação foi fundada em 1906, na Suíça. Ao longo do século

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. FINAME (Agência Especial de Financiamento Industrial) BNDESPAR (BNDES Participações)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. FINAME (Agência Especial de Financiamento Industrial) BNDESPAR (BNDES Participações) Mercado Financeiro Os segmentos do Mercado Financeiro e seus Principais Produtos: Fontes de Financiamento de Longo Prazo Módulo: Mercado Financeiro 1 Mercado Financeiro Fontes de Longo Prazo O Banco Nacional

Leia mais

16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 16. EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Linha de Crédito Encargos (% a.a.) Prazo Taxa média médio ponderada ponderado de venc. de juros (a.a.) (anos) 31/12/10 31/12/09 01/01/09 Finame TJLP + Taxa fixa 4,50 4,52

Leia mais

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 OBJETIVOS Consolidar o entendimento de que a internacionalização das empresas brasileiras,

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX

Programa de Financiamento às Exportações PROEX PROEX Financiamento Programa de Financiamento às Exportações PROEX PROEX Objetivo: proporcionar às exportações brasileiras condições de financiamento equivalentes às do mercado internacional; Instrumentos

Leia mais

Jose Lopes Vazquez. Comercio. Exterior. Brasileiro. 11- Edigäo

Jose Lopes Vazquez. Comercio. Exterior. Brasileiro. 11- Edigäo Jose Lopes Vazquez Comercio Exterior Brasileiro 11- Edigäo SÄO PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2015 Sumärio Prefacio ä 5 ä edi$äo, xiii Prefdcio ä 2 a edigäo, xv Introdugäo, 1 1 COMERCIO EXTERIOR, 3 1.1 Cenärio

Leia mais

Apresentação sobre o Seguro de Crédito à Exportação para as Micro, Pequenas e Médias Empresas (SCE/MPME)

Apresentação sobre o Seguro de Crédito à Exportação para as Micro, Pequenas e Médias Empresas (SCE/MPME) Apresentação sobre o Seguro de Crédito à Exportação para as Micro, Pequenas e Médias Empresas (SCE/MPME) Apresentador: Vitor Sawczuk Diretor de Operações ABGF Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores

Leia mais

SEMINÁRIOS VALOR ECONÔMICO

SEMINÁRIOS VALOR ECONÔMICO SEMINÁRIOS VALOR ECONÔMICO UMA AGENDA PARA DINAMIZAR A EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS PALESTRA O ESPAÇO DO BRASIL NO MERCADO GLOBAL DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 15 de junho de 2015

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 Ref.: Linhas de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque, Pré-embarque Ágil, Préembarque Empresa Âncora

Leia mais

3. Sistema Financeiro

3. Sistema Financeiro 3. Sistema Financeiro 3.1 Mercados e Instrumentos Financeiros Brasil Mercado de Crédito Bibliografia Feijó, C. et al. (2011), caps. 7 e 8 BCB (PMF 1) 1 Mercado de Crédito O mercado de crédito corresponde

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES O m ercado de crédito e o papel do B N D ES Demian Fiocca Presidente do BNDES FELABAN 13 DE NOVEMBRO DE 2006 www.bndes.gov.br 1 O CRÉDITO NA AMÉRICA LATINA A relação Crédito/PIB na América Latina é expressivamente

Leia mais

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Brasília, 28 de Setembro de 2016 Apoio do BNDES: Aspectos Básicos OPERAÇÕES DIRETAS OPERAÇÕES INDIRETAS Empresa financiada diretamente pelo BNDES Empresas financiadas

Leia mais

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008 Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G Helena Tenório Chefe do Departamento de Programas e Políticas do 2 de julho de 2008 Parceria Petrobras INVESTIMENTO FINANCIAMENTO Desenvolvimento da

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Organização: Confederação Nacional da Indústria

Organização: Confederação Nacional da Indústria Videoconferência do Grupo Técnico do Siscoserv com a Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN) Organização: Confederação Nacional da Indústria CNI, Brasília, 19 de Abril de 2012

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Moeda)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Moeda) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Moeda) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014 Seminário Financiamento à Exportação Brasileira 2 de Dezembro de 2014 África: Nosso Cartão Postal 1 Visão Geral do Grupo Presença na África Estabelecido em 1862; ICBC, o maior banco chinês, detém participação

Leia mais

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS NERA, 25 de novembro de 2016 Internacionalização Enquadramento Desafios da Internacionalização

Leia mais

proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 PROEX PROGRAMA DE financiamento ÀS EXPORTAÇÕES Como as micro, pequenas e médias

Leia mais

10⁰ Conferência Eurofinance. São Paulo, 8 de novembro de 2016

10⁰ Conferência Eurofinance. São Paulo, 8 de novembro de 2016 10⁰ Conferência Eurofinance São Paulo, 8 de novembro de 2016 Maior aérea de baixo custo da América Latina Frota padronizada de 124 (1) Boeing 737-700 e 800 NG Composição Acionária 65 destinos sendo 13

Leia mais

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Sistema financeiro nacional Professor: Msc. Roberto César Sistema Financeiro Consumo Poupança Investimento Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido

Leia mais

Seguro de Crédito à Exportação. Secretaria de Assuntos Internacionais Ministério da Fazenda

Seguro de Crédito à Exportação. Secretaria de Assuntos Internacionais Ministério da Fazenda Secretaria de Assuntos Internacionais Ministério da Fazenda SAIN & ABGF SAIN/SUCEX: A Subsecretaria de Crédito e Garantia às Exportações- (SUCEX) compõe a estrutura da SAIN e dedica-se às operações de

Leia mais

Políticas comercial e industrial: o hiperativismo do primeiro biênio Dilma. Sandra Polónia Rios Pedro da Motta Veiga

Políticas comercial e industrial: o hiperativismo do primeiro biênio Dilma. Sandra Polónia Rios Pedro da Motta Veiga Políticas comercial e industrial: o hiperativismo do primeiro biênio Dilma Sandra Polónia Rios Pedro da Motta Veiga Junho de 2013 Estrutura: 1. As políticas comercial e industrial: contexto e principais

Leia mais

O BNDES COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO ÀS EXPORTAÇÕES DE EMPRESAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1990 A 2012

O BNDES COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO ÀS EXPORTAÇÕES DE EMPRESAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1990 A 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE BACHARELADO O BNDES COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO ÀS EXPORTAÇÕES DE EMPRESAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1990 A 2012 ALESSANDRA VILAS

Leia mais

Disciplina de Mestrado: Geografia das Relações Internacionais

Disciplina de Mestrado: Geografia das Relações Internacionais Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2011 Disciplina de Mestrado: Geografia das Relações Internacionais Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras

Leia mais

A política comercial no período 2005-2010:

A política comercial no período 2005-2010: A política comercial no período 2005-2010: contribuições para o desempenho exportador? Julho de 2010 Estrutura 1. Quando foi o boom exportador? 2. Política comercial pós-boom: - política de proteção (tarifas

Leia mais

MIX FINANCEIRO DE EXPORTAÇÃO. Celso Cláudio de Hildebrand e Grisi (*) Wagner Botelho Godinho (**)

MIX FINANCEIRO DE EXPORTAÇÃO. Celso Cláudio de Hildebrand e Grisi (*) Wagner Botelho Godinho (**) III SEMEAD MIX FINANCEIRO DE EXPORTAÇÃO Celso Cláudio de Hildebrand e Grisi (*) Wagner Botelho Godinho (**) RESUMO As operações comerciais internacionais agregam relevantes riscos às operações das empresas

Leia mais

BNDES em uma Encruzilhada

BNDES em uma Encruzilhada BNDES em uma Encruzilhada Prof. Ernani T. Torres Filho Instituto de Economia da UFRJ Apresentação no Seminário da AFBNDES 03/2017 1 Sumário 1. Crédito Direcionado e BNDES 2. Mudanças em perspectiva: encolhimento

Leia mais

ABIMDE. Diretoria de Operações - DIROP

ABIMDE. Diretoria de Operações - DIROP ABIMDE Diretoria de Operações - DIROP Superintendência de Operações Internacionais - SUPOI Gerência Executiva de Operações do Setor Aéreo e Defesa GEAER Gerência de Operações de Defesa 02 de agosto de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA POLÍTICA PÚBLICA DE FINANCIAMENTO A EXPORTAÇÃO NO BRASIL

CONTRIBUIÇÃO DA POLÍTICA PÚBLICA DE FINANCIAMENTO A EXPORTAÇÃO NO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE BACHARELADO CONTRIBUIÇÃO DA POLÍTICA PÚBLICA DE FINANCIAMENTO A EXPORTAÇÃO NO BRASIL CAROLLINE LOPES RAMOS matrícula nº: 103113798

Leia mais

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista Renda Variável O produto As operações no mercado de câmbio contemplam a negociação de moedas estrangeiras entre participantes com diferentes objetivos. Podem ser divididas, basicamente, em operações do

Leia mais

O BPI E O SEGMENTO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS

O BPI E O SEGMENTO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS O BPI E O SEGMENTO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS 2017 O BPI E O SEGMENTO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS ÍNDICE 1. O BPI E O APOIO ÀS EMPRESAS E NEGÓCIOS Pág. 3 2. OFERTA BPI EMPRESAS Pág. 6 3. GRUPO BPI Pág. 13 2 1.

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite.

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite. Sicredi Cheque Especial Definição Limite de crédito Forma de Limite de crédito disponibilizado em conta corrente para utilização imediata pelo associado, quando e como desejar. do tomador e respectivo

Leia mais

COMO EFETUAR A GESTÃO DOS

COMO EFETUAR A GESTÃO DOS COMO EFETUAR A GESTÃO DOS! Os riscos do endividamento de curto prazo! Quais as principais fontes de financiamento da NCG! Quais as linhas de crédito utilizadas! Metodologia de cálculo da NCG Autora: Maria

Leia mais

EMPRESAS E INSTITUCIONAIS

EMPRESAS E INSTITUCIONAIS EMPRESAS E INSTITUCIONAIS 2017 EMPRESAS E INSTITUCIONAIS ÍNDICE 1. AS EMPRESAS BPI Pág. 3 2. OFERTA BPI EMPRESAS Pág. 6 3. GRUPO BPI Pág. 13 2 1. AS EMPRESAS BPI PRESENÇA NACIONAL O BPI tem equipas dedicadas

Leia mais

Relatório Aprendendo a Exportar

Relatório Aprendendo a Exportar Relatório Aprendendo a Exportar Encontro 1 O número de empresas exportadoras no Brasil é bastante reduzido, já que não há uma cultura de exportação em larga escala consolidada no país. Para as empresas,

Leia mais

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL

Leia mais

A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal.

A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal. A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal. Comissão Parlamentar de Assuntos Económicos, Inovação e Desenvolvimento Regional Rodolfo Lavrador Colóquio Respostas da Economia Portuguesa

Leia mais

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Balanço de Pagamentos do Brasil Componentes destacados Balança Comercial; Balança de Serviços;

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ BANCO BRADESCO S.A. Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ BANCO BRADESCO S.A. Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2016 - BANCO BRADESCO S.A. Versão : 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo

Leia mais

Etapas da Exportação Trilha de Internacionalização. SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR, CAMPO GRANDE MS julho/2017 1

Etapas da Exportação Trilha de Internacionalização. SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR, CAMPO GRANDE MS julho/2017 1 Etapas da Exportação Trilha de Internacionalização SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR, CAMPO GRANDE MS julho/2017 1 Plano Nacional da Cultura Exportadora P N C E Rede de apoio às empresas brasileiras com potencial

Leia mais

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Seminário Internacional sobre Diretivas RoHS e WEEE Brasília, 08 de fevereiro de 2011 Complexo Industrial da Saúde

Leia mais

BNDES - Apoio às MPMEs

BNDES - Apoio às MPMEs BNDES - Apoio às MPMEs ABIGRAF - SP 14 de maio de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Númer o 04/2007 Cenário Moveleiro Número 04/2007 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO e Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão do Banco Central. Os compradores

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES Índice 1. Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social BNDES...3 2. Sistema de Pagamentos Brasileiro...3

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL: UMA ANÁLISE DA PDP INSTITUTO BRASILEIRO DE EXECUTIVOS DE FINANÇAS / IBEF-SP São Paulo, 28

Leia mais

3º Trimestre de 2013 Resultados Tupy

3º Trimestre de 2013 Resultados Tupy Joinville, 14 de novembro de 2013 1 3º Trimestre de 2013 Resultados Tupy 2 DESTAQUES DO PERÍODO 1 Volume físico de vendas 163,0 mil toneladas no, 4% superior ao 2 Receitas R$ 843,3 milhões no, 13% superior

Leia mais

Os bastidores da Crise. Silvio Claudio

Os bastidores da Crise. Silvio Claudio Os bastidores da Crise Silvio Claudio Personagens da Crise Mario Torós - Diretor de Política Monetária do BC na época da crise de 2008 Pediu demissão poucos dias depois da entrevista dada ao Valor Econômico

Leia mais