Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul"

Transcrição

1 Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2011 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras Available at:

2 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Elói Martins Senhoras Boa Vista, 20 de Junho de 2011

3 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR SUMÁRIO

4 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR SUMÁRIO

5

6 A internacionalização é a mais importante e persuasiva força competitiva de mudança dos negócios na última década e abriu mercados nacionais para novos competidores criando novas oportunidades de negócios para pequenas e grandes empresas. Robert McQueen Grant

7 Paradiplomacia

8

9

10

11

12

13 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR

14

15 Padrões de paradiplomacia empresarial na América do Sul a) Processos internacionais paradiplomáticos de fusões e aquisições: - Grandes grupos transnacionais juntamente com fundos de investimento são protagonistas b) Formação de redes corporativas de ação internacional paradiplomática: - Conjunto de ações por empresas nacionais para adquirirem maior competitividade frente aos concorrentes ou como reação à abertura das economias e desregulamentação dos mercados.

16 Padrões de paradiplomacia empresarial na América do Sul a) Processos internacionais paradiplomáticos de fusões e aquisições: - Grandes grupos transnacionais juntamente com fundos de investimento são protagonistas b) Formação de redes corporativas de ação internacional paradiplomática: - Conjunto de ações por empresas nacionais para adquirirem maior competitividade frente aos concorrentes ou como reação à abertura das economias e desregulamentação dos mercados.

17 Padrões de paradiplomacia empresarial na América do Sul a) Processos internacionais paradiplomáticos de fusões e aquisições: - Grandes grupos transnacionais juntamente com fundos de investimento são protagonistas b) Formação de redes corporativas de ação internacional paradiplomática: - Conjunto de ações por empresas nacionais para adquirirem maior competitividade frente aos concorrentes ou como reação à abertura das economias e desregulamentação dos mercados. - Grandes empresas: Concentração regional na internacionalização empresarial - PMEs/MPEs: Internacionalização acoplada a multinacionais ou clusters

18 Transnacionalização empresarial na América do Sul

19 Áreas de atuação internacional das maiores empresas sul-americanas

20 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR

21

22 CARACTERÍSTICAS 1) Instrumentos da diplomacia corporativa - Coalizões empresariais, lobby e negociações direta com Estados ou entes sub-nacionais. 2) Estratégias de internacionalização via near-abroad - Concentradas em padrão de internacionalização primária. 3) Perfil das exportações e dos investimentos - Setores primários e de commodities.

23 INTERNACIONALIZAÇÃO 1A

24 Internacionalização primária de grandes empresas brasileiras

25 INTERNACIONALIZAÇÃO 1ª Mecanismos de financiamento à exportação

26 Sistemasde financiamento

27 Sistemasde financiamento Sistemas de financiamento: São sistemas de apoio creditício e/ou seguro; Tornam as condições financeiras para a compra dos produtos e serviços do exportador mais atrativas.

28 Sistemasde financiamento Sistemas de financiamento: São sistemas de apoio creditício e/ou seguro; Tornam as condições financeiras para a compra dos produtos e serviços do exportador mais atrativas. Sistemas de financiamento governamentais: Export Credit Agencies (ECAs): Agências de Crédito às Exportações. Exemplos:

29 Sistemasde financiamento Sistemas de financiamento: São sistemas de apoio creditício e/ou seguro; Tornam as condições financeiras para a compra dos produtos e serviços do exportador mais atrativas. Sistemas de financiamento governamentais: Export Credit Agencies (ECAs): Agências de Crédito às Exportações. Exemplos:» Eximbank(EUA)» ECGD (Inglaterra)» COFACE (França)» Hermes (Alemanha)

30 Sistemasde financiamento Sistemas de financiamento: ECAs São governamentais: sistemas de apoio Foco creditício em crédito e/ou seguro; para exportação. Tornam as condições financeiras para a compra dos ECAs produtos privadas: e serviços Foco em do seguro exportador para mais exportação atrativas. (crescente participação). Sistemas de financiamento governamentais: Export Credit Agencies (ECAs): Agências de Crédito às Exportações. Exemplos:» Eximbank(EUA)» ECGD (Inglaterra)» COFACE (França)» Hermes (Alemanha)

31 Operaçõesde financiamento

32 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque

33 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria

34 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria

35 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador)

36 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

37 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

38 Operaçõesde financiamento Diferentes taxas de juros Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Diferentes riscos Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

39 Operaçõesde financiamento Diferentes taxas de juros TAXAS BASES DE JUROS Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque -LIBOR (London Interbank Offered Rate) -PRIME (EUA) -TJLP Fase (Taxa de de Juros de Longo Prazo, Fase BNDES) de produção da comercialização da Diferentes riscos mercadoria mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

40

41 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

42 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Fase de produção da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador)

43 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Fase de produção da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) Aquisição de insumos, matérias-primas e outros recursos para a produção. Operações de Crédito ACC: Adiantamento sobre Contrato de Câmbio -Todo produto exportável pode ser amparado pelo ACC -Juros ACC são cobrados, normalmente, no momento da liquidação do contrato de câmbio. São arbitrados a partir da taxa LIBOR. -Programas de crédito BNDES-EXIM: -Pré-embarque (100% valor; 18 meses finc.) -Pré-embarque ágil (100% valor; 6 meses) -Pré-embarque especial (100% valor; 12 meses) -Pré-embarque empresa âncora (100% valor; 18 meses: MPEs e PMEs; Operações via Instituições financeiras credenciadas)

44 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Fase de produção da mercadoria Aquisição de insumos, matérias-primas e outros recursos para a produção. Operações de Crédito ACC: Adiantamento sobre Contrato de Câmbio -Todo produto exportável pode ser amparado pelo ACC -Juros ACC são cobrados, normalmente, no momento da liquidação do contrato de câmbio. São arbitrados a partir da taxa LIBOR. -Programas de crédito BNDES-EXIM: supplier s credit (crédito ao exportador) Produtos têm que ter 60% de índice de nacionalização!

45

46 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

47 Operaçõesde financiamento Crédito pós-embarque Fase de comercialização da mercadoria buyer s credit (crédito ao importador) Propicia condições ao importador para utilizar o próprio bem ou serviço comprado a fim de gerar receita que será utilizada em seu pagamento. Operações de Crédito ACE: Adiantamento sobre Cambiais Entregues -BNDES - Exim PÓS EMBARQUE Supplier s Credit - BNDES concede financiamento de até 100% do valor exportado. - Prazo de pagamento de até 12 anos. -PROEX: Programa de Financiamento às Exportações - Recursos provêm do Tesouro Nacional - O PROEX só está disponível na fase Pós- Embarque. - É operacionalizado pelo Banco do Brasil.

48 Operaçõesde financiamento Crédito pós-embarque Fase de comercialização da mercadoria buyer s credit (crédito ao importador) Propicia condições ao importador para utilizar o próprio bem ou serviço comprado a fim de gerar receita que será utilizada em seu pagamento. Operações de Crédito ACE: Adiantamento sobre Cambiais Entregues -BNDES - Exim PÓS EMBARQUE Supplier s Credit - BNDES concede financiamento de até 100% do valor exportado. - Prazo de pagamento de até 12 anos. -PROEX: Programa de Financiamento às Exportações - Recursos provêm do Tesouro Nacional - O PROEX só está disponível na fase Pós- Embarque. - É operacionalizado pelo Banco do Brasil.

49 Operaçõesde financiamento Crédito pós-embarque Fase de comercialização da mercadoria buyer s credit (crédito ao importador) PROEX a) PROEX Equalização de Taxas de Juros Consiste no pagamento, pelo Tesouro Nacional, de parte dos juros cobrados em financiamentos à exportação de bens e serviços brasileiros, com o objetivo de compatibilizá-los com os padrões do mercado internacional. b) PROEX Financiamento Trata-se de financiamento com juros compatíveis com os praticados no mercado internacional. c) Financiamento com Recursos do Próprio Exportador ou de Terceiros São enquadradas nesta situação as exportações financiadas que não oneram a dotação orçamentária do Governo Federal, sendo conduzidas pelas instituições financeiras ou pelos exportadores, com recursos próprios. todas as operações não enquadradas no PROEX são consideradas como financiamento com recursos do próprio exportador ou de terceiros.

50

51 Operaçõesde financiamento Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

52 Operaçõesde financiamento Crédito Crédito pré-embarque pós-embarque SEGURO DE CRÉDITO Fase de produção da mercadoria Fase de comercialização da mercadoria supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

53 SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO SCE é uma garantia aos créditos decorrentes das vendas externas. Crédito pré-embarque Crédito pós-embarque Proteger o exportador ou a instituição financeira contra o não recebimento dos créditos concedidos aos importadores ou a outros devedores estrangeiros. Objetivo: Segurar as exportações brasileiras de bens e serviços contra os riscoscomerciais, políticos e extraordinários que possam afetar as transações econômicas e financeiras vinculadas a operações de crédito à exportação. Fase de Fase de Seguradora Brasileira produção da de Crédito à Exportação comercialização S.A. da mercadoria mercadoria - SBCE é uma companhia privada. - Composição acionária: (24,18%) - Banco do Brasil e o BNDES (27,46%) - Coface - Compagnie Francaise d Assurancepour le Commerce (48,36%) - Grupo de Seguradoras nacionais: supplier s credit (crédito ao exportador) buyer s credit (crédito ao importador)

54

55 INTERNACIONALIZAÇÃO 2A

56 Estratégias para investimento empresarial

57 Estratégias para investimento empresarial

58 Estratégias para investimento empresarial

59 Estratégias para investimento empresarial

60 Estratégias para investimento empresarial

61 Estratégias para investimento empresarial

62 Palestra A indústria para o militar curso de brasileira comércioem exterior perspectiva UERR

63

64 Impactos da Internacionalização Empresarial no Balanço de Pagamentos

65 Internacionalização Primária

66

67 Impactos de curto prazo: -Aumento de reservas -Apreciação/Valorização cambial

68 Internacionalização Secundária

69

70

71

72 Impactos de curto prazo: -Saída de reservas -Depreciação/Desvalorização cambial

73 Impactos de longo prazo: -Entrada de reservas -Apreciação/Valorização cambial Impactos de curto prazo: -Saída de reservas -Depreciação/Desvalorização cambial

74 Internacionalização dos fluxos geoeconômicos Brasil-América do Sul

75

76 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Universidade Federal de Roraima Núcleo Amazônico de Pesquisas em Relações Internacionais +55 (95) /

77 76

78 77

79 78

80 79

81 80

Paradiplomacia das cidades: A regionalização sulamericana

Paradiplomacia das cidades: A regionalização sulamericana Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2010 Paradiplomacia das cidades: A regionalização sulamericana a partir do local Prof. Dr. Eloi Martins

Leia mais

Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna

Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna Recife Salvador Brasília Ribeirão Preto Campinas São Paulo (3) 105 Gerentes de Negócios Internacionais Belo Horizonte 80 Consultores Rio de Janeiro Curitiba

Leia mais

Valor Aduaneiro. O valor aduaneiro deve ser entendido como o montante que servirá como base de cálculo do Imposto de importação.

Valor Aduaneiro. O valor aduaneiro deve ser entendido como o montante que servirá como base de cálculo do Imposto de importação. Valor Aduaneiro O valor aduaneiro deve ser entendido como o montante que servirá como base de cálculo do Imposto de importação. Daí a importância de se estabelecer, com o devido rigor técnico,a base de

Leia mais

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações 1 PROEX Programa de Financiamento às Exportações 2 Banco do Brasil e o Exportador Garantias Crédito Serviços Mecanismos de Apoio às Exportações 3 ACC/ACE Banco do Brasil e o Exportador Linhas de Crédito

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

Apoio do BNDES às Exportações

Apoio do BNDES às Exportações Apoio do BNDES às Exportações ABINEE São Paulo outubro/2015 Classificação: Documento Ostensivo - Unidade Gestora AEX Objetivos Objetivos Apoiar a exportação de bens e serviços de alto valor agregado; Aumentar

Leia mais

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação PROSOFT Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Prosoft Exportação Florianópolis, 16 de novembro de 2009 1 Apresentação do BNDES Fundado

Leia mais

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. CIRCULAR Nº 2825 Documento normativo revogado pela Circular 3280, de 09/03/2005. Estabelece, altera e sistematiza os procedimentos cambiais relativos às exportações financiadas. A Diretoria Colegiada do

Leia mais

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA Edmilson Milan DÓLAR x REAL Eleições 2002 Crise 2008 Janeiro 1999 DÓLAR x YEN DÓLAR x EURO CENÁRIOS FINANCEIROS A construção de cenário pode contemplar, entre outros: Inflação;

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016 Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016 Programa de Financiamento às Exportações - PROEX O PROEX foi instituído pelo Governo Federal para proporcionar às exportações brasileiras

Leia mais

Unidade III SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade III SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade III SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Pontos de vista da exportação Exportação: é o ato de vender os produtos e serviços de sua empresa em um mercado fora do território

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/124/

Leia mais

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 ACC E ACE Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais

Leia mais

BRITCHAM - CORPORATE DAY

BRITCHAM - CORPORATE DAY BRITCHAM - CORPORATE DAY PAINEL 4 - FINANCIAMENTO Antonio Giglio Neto 23 de março de 2016 SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO I O Papel do Mercado Financeiro e de Capitais na Atividade Econômica II Legislação Relevante

Leia mais

Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75

Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75 Índice Geral Capítulo I - Introdução às Finanças Internacionais 1.0. Introdução...23 1.1. Visão geral das Finanças Internacionais...23 1.2. A Globalização dos Mercados...27 1.2.1. Os Grandes Blocos do

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX

Programa de Financiamento às Exportações PROEX PROEX Equalização Programa de Financiamento às Exportações PROEX PROEX Objetivo: proporcionar às exportações brasileiras condições de financiamento equivalentes às do mercado internacional; Instrumentos

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (PIB) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010

O BNDES Mais Perto de Você. Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010 O BNDES Mais Perto de Você Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010 Material de apoio Formulário de Perguntas Formulário de Avaliação 3 1 7 5 Informações Institucionais Informações gerais Quem somos

Leia mais

^^J-^^ Financiamentos de Exportação e Importação

^^J-^^ Financiamentos de Exportação e Importação ^^J-^^ Financiamentos de Exportação e Importação Os bancos que atuam na área de câmbio oferecem um cardápio de opções em financiamentos às exportações e, em menor grau, às importações. O governo, de sua

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Eloi Martins Senhoras

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO 1. OBJETIVO Financiar na fase pré-embarque a produção, para exportação, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES. 2. BENEFICIÁRIA

Leia mais

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS NERA, 25 de novembro de 2016 Internacionalização Enquadramento Desafios da Internacionalização

Leia mais

Contrato de Câmbio na Exportação.

Contrato de Câmbio na Exportação. Contrato de Câmbio na Exportação. A Momento da Contratação B Liquidação do contrato de câmbio C Alteração D Cancelamento E Baixa do Contrato de Câmbio F Posição de Câmbio: nivelada, comprada e vendida.

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 bndes exim como financiar as exportações Como as micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

OS MECANISMOS FINANCEIROS DE ESTIMULO ÀS EXPORTAÇÕES E O IMPACTO SOBRE A RECEITA DAS EMPRESAS NO BRASIL

OS MECANISMOS FINANCEIROS DE ESTIMULO ÀS EXPORTAÇÕES E O IMPACTO SOBRE A RECEITA DAS EMPRESAS NO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA OS MECANISMOS FINANCEIROS DE ESTIMULO ÀS EXPORTAÇÕES E O IMPACTO SOBRE A RECEITA DAS EMPRESAS

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

Relatório Aprendendo a Exportar. Encontro 4

Relatório Aprendendo a Exportar. Encontro 4 Relatório Aprendendo a Exportar Encontro 4 Grupo 1: ProExport Consultoria Tratamento Tributário e Financiamento Está associado às taxas de impostos que o governo cobra, embora este tenha buscado a isenção

Leia mais

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008 Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G Helena Tenório Chefe do Departamento de Programas e Políticas do 2 de julho de 2008 Parceria Petrobras INVESTIMENTO FINANCIAMENTO Desenvolvimento da

Leia mais

Jose Lopes Vazquez. Comercio. Exterior. Brasileiro. 11- Edigäo

Jose Lopes Vazquez. Comercio. Exterior. Brasileiro. 11- Edigäo Jose Lopes Vazquez Comercio Exterior Brasileiro 11- Edigäo SÄO PAULO EDITORA ATLAS S.A. - 2015 Sumärio Prefacio ä 5 ä edi$äo, xiii Prefdcio ä 2 a edigäo, xv Introdugäo, 1 1 COMERCIO EXTERIOR, 3 1.1 Cenärio

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO BRASIL

EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO BRASIL CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA NO BRASIL JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Brasília, 02 de julho de 2014 2 DEFINIÇÃO

Leia mais

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 OBJETIVOS Consolidar o entendimento de que a internacionalização das empresas brasileiras,

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo IV www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1. EXPORTAÇÃO EM CONSIGNAÇÃO... 03 2. DECLARAÇÃO SIMPLIFICADA DE EXPORTAÇÃO DSE... 2.1 Finalidade... 2.2 Vantagens

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Moeda)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Moeda) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Moeda) Eloi Martins Senhoras Available at:

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS PRINCIPAIS LINHAS DE CRÉDITO AO EXPORTADOR BRASILEIRO ENTRE 2004 E 2008

EVOLUÇÃO DAS PRINCIPAIS LINHAS DE CRÉDITO AO EXPORTADOR BRASILEIRO ENTRE 2004 E 2008 5 EVOLUÇÃO DAS PRINCIPAIS LINHAS DE CRÉDITO AO EXPORTADOR BRASILEIRO ENTRE 2004 E 2008 Julio Cesar de Oliveira 1 RESUMO Este trabalho analisa a evolução das duas principais linhas de crédito aos exportadores

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/136/

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Brasília, 28 de Setembro de 2016 Apoio do BNDES: Aspectos Básicos OPERAÇÕES DIRETAS OPERAÇÕES INDIRETAS Empresa financiada diretamente pelo BNDES Empresas financiadas

Leia mais

Financiamento ao exportador brasileiro, tipos de financiamento e. dificuldades.

Financiamento ao exportador brasileiro, tipos de financiamento e. dificuldades. Financiamento ao exportador brasileiro, tipos de financiamento e Cleyton Izidoro dificuldades. 1 - Introdução A economia brasileira, mais desestatizada e regulamentada, ficou mais complexa. A velocidade

Leia mais

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES O m ercado de crédito e o papel do B N D ES Demian Fiocca Presidente do BNDES FELABAN 13 DE NOVEMBRO DE 2006 www.bndes.gov.br 1 O CRÉDITO NA AMÉRICA LATINA A relação Crédito/PIB na América Latina é expressivamente

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Númer o 04/2007 Cenário Moveleiro Número 04/2007 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS FIESP CIESP Ricardo Cunha da Costa Assessor da Área de Infraestrutura BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 24 de Abril de 2009 1 Missão e Visão

Leia mais

Teorias, paradigma e tendências em Negócios Internacionais

Teorias, paradigma e tendências em Negócios Internacionais Teorias, paradigma e tendências em Negócios prof.danilopastorelli@saojudas.br Mestre em Economia Graduado em História e Pedagogia Teorias, paradigma e tendências em Negócios Estrutura empresarial que desenvolve

Leia mais

ABIMDE. Diretoria de Operações - DIROP

ABIMDE. Diretoria de Operações - DIROP ABIMDE Diretoria de Operações - DIROP Superintendência de Operações Internacionais - SUPOI Gerência Executiva de Operações do Setor Aéreo e Defesa GEAER Gerência de Operações de Defesa 02 de agosto de

Leia mais

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Seminário Internacional sobre Diretivas RoHS e WEEE Brasília, 08 de fevereiro de 2011 Complexo Industrial da Saúde

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

enfrentarem os desafios 2016

enfrentarem os desafios 2016 Contribuição do BNDES para as empresas Economia enfrentarem os desafios 2016 Fevereiro de 2016 1 A racionalidade da contribuição do BNDES aos desafios de 2016 Apoiar necessidades das empresas; atender

Leia mais

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista Renda Variável O produto As operações no mercado de câmbio contemplam a negociação de moedas estrangeiras entre participantes com diferentes objetivos. Podem ser divididas, basicamente, em operações do

Leia mais

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 BNDES - Apresentação Institucional Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade

Leia mais

Apresentação sobre o Seguro de Crédito à Exportação para as Micro, Pequenas e Médias Empresas (SCE/MPME)

Apresentação sobre o Seguro de Crédito à Exportação para as Micro, Pequenas e Médias Empresas (SCE/MPME) Apresentação sobre o Seguro de Crédito à Exportação para as Micro, Pequenas e Médias Empresas (SCE/MPME) Apresentador: Vitor Sawczuk Diretor de Operações ABGF Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Uma avaliação do Custo Brasil e seu impacto na competitividade da indústria brasileira, indústria do vestuário

RESUMO EXECUTIVO Uma avaliação do Custo Brasil e seu impacto na competitividade da indústria brasileira, indústria do vestuário RESUMO EXECUTIVO O chamado Custo Brasil realmente impacta a competitividade da indústria brasileira? Este relatório apresenta a composição deste custo, identificando o impacto sobre suas empresas. O documento

Leia mais

Jornada do CFO O papel do executivo financeiro na crise. Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte

Jornada do CFO O papel do executivo financeiro na crise. Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte Jornada do CFO 2015 O papel do executivo financeiro na crise Othon Almeida, Sócio líder do CFO Program da Deloitte A jornada do CFO O panorama econômico brasileiro mudou ao longo das décadas... 2016-2018:???????

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 Ref.: Linhas de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque, Pré-embarque Ágil, Préembarque Empresa Âncora

Leia mais

AEDB Gestão de Negócios Internacionais

AEDB Gestão de Negócios Internacionais AEDB Gestão de Negócios Internacionais Tema: Marketing Internacional SUMÁRIO Marketing na Empresa Global Prof. Walfredo Ferreira o Estratégia de marketing global o Padronização e adaptação do programa

Leia mais

AEDB Gestão de Negócios Internacionais

AEDB Gestão de Negócios Internacionais AEDB Gestão de Negócios Internacionais Tema: Marketing Internacional SUMÁRIO Marketing na Empresa Global Prof. Walfredo Ferreira o Estratégia de marketing global o Padronização e adaptação do programa

Leia mais

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Sistema financeiro nacional Professor: Msc. Roberto César Sistema Financeiro Consumo Poupança Investimento Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido

Leia mais

Organização: Confederação Nacional da Indústria

Organização: Confederação Nacional da Indústria Videoconferência do Grupo Técnico do Siscoserv com a Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN) Organização: Confederação Nacional da Indústria CNI, Brasília, 19 de Abril de 2012

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 10 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES Índice 1. Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social BNDES...3 2. Sistema de Pagamentos Brasileiro...3

Leia mais

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

A política comercial no período 2005-2010:

A política comercial no período 2005-2010: A política comercial no período 2005-2010: contribuições para o desempenho exportador? Julho de 2010 Estrutura 1. Quando foi o boom exportador? 2. Política comercial pós-boom: - política de proteção (tarifas

Leia mais

SEMINÁRIOS VALOR ECONÔMICO

SEMINÁRIOS VALOR ECONÔMICO SEMINÁRIOS VALOR ECONÔMICO UMA AGENDA PARA DINAMIZAR A EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS PALESTRA O ESPAÇO DO BRASIL NO MERCADO GLOBAL DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 15 de junho de 2015

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial

SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SEMINÁRIO INTERNACIONAL Painel: Experiências bem-sucedidas em CT&I: das estratégias de financiamento à vanguarda na gestão empresarial SÉRGIO PAUPÉRIO SÉRIO FILHO DEZEMBRO/2015 24 QUEM SOMOS De origem

Leia mais

Seguro de Crédito à Exportação. Secretaria de Assuntos Internacionais Ministério da Fazenda

Seguro de Crédito à Exportação. Secretaria de Assuntos Internacionais Ministério da Fazenda Secretaria de Assuntos Internacionais Ministério da Fazenda SAIN & ABGF SAIN/SUCEX: A Subsecretaria de Crédito e Garantia às Exportações- (SUCEX) compõe a estrutura da SAIN e dedica-se às operações de

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/115/

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Introdução Relatório elaborado em concordância com as recomendações do Comitê de Supervisão Bancária de Basiléia e com as determinações do Banco Central do Brasil (Circular

Leia mais

Novos Investimentos no Setor Elétrico. Contribuição dos Comercializadores na Expansão da Oferta. Paulo Pedrosa

Novos Investimentos no Setor Elétrico. Contribuição dos Comercializadores na Expansão da Oferta. Paulo Pedrosa Novos Investimentos no Setor Elétrico Contribuição dos Comercializadores na Expansão da Oferta Paulo Pedrosa Abraceel Abraceel Empr esa Comer ci al i zador a E C E de En er gi a El ét r i ca Lt da Abraceel

Leia mais

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007

Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos. Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Consolidação dos Trabalhos sobre componentes do Balanço de Pagamentos Análise Macroeconômica 1º semestre de 2007 Balanço de Pagamentos do Brasil Componentes destacados Balança Comercial; Balança de Serviços;

Leia mais

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Abril/2011

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Abril/2011 Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa Abril/2011 Contribuições do BNDES Pacote de Medidas de Estímulo ao Financiamento de LP Iniciativas do BNDES Novo Programa de Aquisição de Debêntures

Leia mais

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL

Leia mais

BRDE Soluções para o. Próprios. Paulo Cesar Starke Junior Superintendente Juliana Souza Dallastra Gerente de Planejamento

BRDE Soluções para o. Próprios. Paulo Cesar Starke Junior Superintendente Juliana Souza Dallastra Gerente de Planejamento BRDE Soluções para o Financiamento de Recursos Paulo Cesar Starke Junior Superintendente Juliana Souza Dallastra Gerente de Planejamento 2 Onde conseguir recursos UOL 03/09/2013 A resposta é a mais óbvia

Leia mais

Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G

Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G Área de Insumos Básicos Novembro de 2011 1 1. BNDES e a Indústria de P&G Principais Objetivos A. Contribuir para o desenvolvimento competitivo e sustentável da Indústria

Leia mais

3. Sistema Financeiro

3. Sistema Financeiro 3. Sistema Financeiro 3.1 Mercados e Instrumentos Financeiros Brasil Mercado de Câmbio Bibliografia Feijó, C. et al. (2011), caps. 7 e 8 PMF 6 e 11 1 Câmbio Câmbio é a operação de troca de moeda de um

Leia mais

RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (Art. 22, III, p, da Lei /05)

RELATÓRIO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (Art. 22, III, p, da Lei /05) ANEXO I FLUXO DE CAIXA REALIZADO Período: Dezembro/2005 MOVIMENTAÇÃO TOTAL R$ 1,00 VARIAÇÃO (*) % V % H A SALDO INICIAL 134.232.192,60 100,0% 5,4% B ENTRADAS 8.591.413,28 100,0% 4,9% B.1 RECEITAS 8.583.022,12

Leia mais

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das

Leia mais

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital 12º Encontro da Cadeia de Ferramentas, Moldes e Matrizes - MOLDES ABM Agosto de 2014 Importância do investimento na

Leia mais

Antonio Huertas Presidente da MAPFRE

Antonio Huertas Presidente da MAPFRE ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS PARA ONDE VAMOS? Antonio Huertas Presidente da MAPFRE 11 de março de 2016 Plano Estratégico 2016-2018 Áreas Regionais Compromissos Estratégicos Triênio 2 A nova estratégia

Leia mais

Os Desafios da Indústria Brasileira. Ministro Guido Mantega Setembro 2010

Os Desafios da Indústria Brasileira. Ministro Guido Mantega Setembro 2010 Os Desafios da Indústria Brasileira Ministro Guido Mantega Setembro 2010 Brasil adotou políticas de industrialização Processo de Substituição de importações Neutralizar deterioração dos termos de intercâmbio

Leia mais

Sergio Clemente. Vice-Presidente Executivo

Sergio Clemente. Vice-Presidente Executivo Sergio lemente Vice-Presidente Executivo 2 Agenda Visão Geral das Áreas de Atacado Proposta de Valor Desafios 2015 3 Visão geral das Áreas de Atacado Gestão de 1.300 grupos econômicos com faturamento acima

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite.

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite. Sicredi Cheque Especial Definição Limite de crédito Forma de Limite de crédito disponibilizado em conta corrente para utilização imediata pelo associado, quando e como desejar. do tomador e respectivo

Leia mais

Disciplina de Mestrado: Geografia das Relações Internacionais

Disciplina de Mestrado: Geografia das Relações Internacionais Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2011 Disciplina de Mestrado: Geografia das Relações Internacionais Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras

Leia mais

Apoio à Inovação. Novembro 2009

Apoio à Inovação. Novembro 2009 Apoio à Inovação Novembro 2009 Agenda O BNDES Inovação Política de Inovação do BNDES Instrumentos de Apoio à Inovação Linhas Programas Fundos Produtos Prioridades 1950 1960 1970 1980 1990 Infra-estrutura

Leia mais

MIX FINANCEIRO DE EXPORTAÇÃO. Celso Cláudio de Hildebrand e Grisi (*) Wagner Botelho Godinho (**)

MIX FINANCEIRO DE EXPORTAÇÃO. Celso Cláudio de Hildebrand e Grisi (*) Wagner Botelho Godinho (**) III SEMEAD MIX FINANCEIRO DE EXPORTAÇÃO Celso Cláudio de Hildebrand e Grisi (*) Wagner Botelho Godinho (**) RESUMO As operações comerciais internacionais agregam relevantes riscos às operações das empresas

Leia mais

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO Castelo Branco 19 de Fevereiro de 2015 DO S AND DONT S DA INTERNACIONALIZAÇÃO DONT S Aventureiro Internacionalização para salvar a minha empresa Follow up 1 mês depois Mercados

Leia mais

proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 PROEX PROGRAMA DE financiamento ÀS EXPORTAÇÕES Como as micro, pequenas e médias

Leia mais

Cleoneto Medeiros Silva E_mail: Skepy: cleonetomedeiros

Cleoneto Medeiros Silva E_mail: Skepy: cleonetomedeiros P E R F I L PROFISSIONAL E_mail: cleonetomedeiros@gmail.com Skepy: cleonetomedeiros DADOS PESSOAIS: Nome: Data de Nascimento: 01/09/1967, Estado Civil: Casado End.: Rua Farmacêutico João Carvalho nº 4606

Leia mais

O BID e o Sistema Nacional de Fomento Histórico e Potencial. Goiânia, GO 04 Maio 2016

O BID e o Sistema Nacional de Fomento Histórico e Potencial. Goiânia, GO 04 Maio 2016 O BID e o Sistema Nacional de Fomento Histórico e Potencial Goiânia, GO 04 Maio 2016 O que é o BID Organismo multilateral de desenvolvimento Propósito: financiar projetos viáveis de desenvolvimento econômico,

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Fevereiro de 2016 Bruno Plattek bruno.plattek@bndes.gov.br Como apoiamos Tx. de Interm. Fin. Organização Interna Área

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROEX FINANCIAMENTO FINALIDADE: Proporcionar e apoiar o exportador brasileiro na comercialização com o exterior de bens e serviços em condições de financiamento

Leia mais

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES CIRCULAR N 12/2009 Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2009 Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução

Leia mais

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ):

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ): BNDES/GOIÁSFOMENTO CARTA-CONSULTA 1. RESUMO DA OPERAÇÃO PROPOSTA: 1.1. Sobre a Empresa 1.1.1. Empresa/Proponente: 1.1.2. Objetivo Social: 1.1.3. Localização do Empreendimento Proposto (município): 1.2.

Leia mais

Atuação de Bancos Estrangeiros no Brasil

Atuação de Bancos Estrangeiros no Brasil : Mercados de Crédito e Derivativos de 2005 a 2011 PET-Economia UnB 04 de Novembro de 2015 Raquel de Freitas Oliveira Raquel de Freitas Oliveira Rafael Felipe Schiozer Sérgio Leão Doutora em Administração

Leia mais

FEA RP USP. Principais taxas de juros do mercado (e taxa over) Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1

FEA RP USP. Principais taxas de juros do mercado (e taxa over) Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 FEA RP USP Principais taxas de juros do mercado (e taxa over) Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 Formas de apresentação das taxas de juros Taxa Efetiva Taxa Nominal

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Soluções BNDES para pequenos negócios Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais