DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico"

Transcrição

1 DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume um cenário de inflação ainda pressionada, com o indicador de maio superando expectativas, desaceleração econômica e incertezas quanto ao próximo aumento da Selic, se ocorrerá um aumento de +0,25% ou +0,50%. Acreditamos que a carteira de títulos públicos para os próximos trinta dias deve conter 40% dos novos recursos em Tesouro IPCA (vencimento em 2019), 30% em títulos pós-fixados (Tesouro Selic) e 30% em títulos prefixados (Tesouro Prefixado 2018). A exposição em prefixado (Tesouro Prefixado) reflete o prêmio contido no título segundo nossa expectativa com relação à taxa de juros nos próximos anos. Cenário Macroeconômico Embora a última decisão do Copom de elevar a Selic em 0,50% tenha sido largamente antecipada, o comunicado pós-reunião acabou nos surpreendendo e boa parte do mercado exatamente pelo fato de não haver mudanças. Explica-se: o comitê repetiu ipsis litteris pela 4º vez consecutiva o mesmo texto no comunicado. A repetição do texto parece sugerir, ao contrário do que esperávamos, que o ciclo de aperto monetário não está necessariamente próximo do fim. Portanto, estaria o Banco Central integralmente comprometido em levar a inflação ao centro da meta em 2016, custe o que custar? É preciso ressaltar que a convergência ao centro da meta (4,5%) já no ano que vem é uma tarefa nada fácil. Se por um lado a desaceleração econômica e o aumento do desemprego irão contribuir para a melhora nos preços, por outro, a inércia inflacionária será muito relevante: ou seja, a alta inflação esperada para 2015 certamente irá contaminar o IPCA ainda em A ata da reunião, a ser divulgada nesta quinta, deverá fornecer mais pistas sobre a estratégia do Copom, o que poderá nos levar a rever nossas expectativas quanto aos juros. Por ora, esperamos apenas um aumento adicional de 0,25% na reunião de Julho.

2 CARTEIRA RECOMENDADA Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume um cenário de inflação ainda pressionada, com indicador de maio superando expectativas, desaceleração econômica, e incertezas quanto ao próximo aumento da Selic - se ocorrerá um aumento de +0,25% ou +0,50%. Em relação ao cenário externo, dados da economia norte-americana e o aumento nos rendimentos dos títulos soberanos europeus também poderão impactar na volatilidade da curva de juros brasileira (especialmente os títulos mais longos). Para a composição da carteira, continuamos considerando a volatilidade mais intensa dos juros no mercado interno tendo em vista o cenário político conturbado e as dificuldades de aprovação do ajuste fiscal. Dado o cenário atual da economia doméstica com expectativa de retração da atividade econômica, tendência de alta do juro no curto prazo concomitante a uma inflação ainda pressionada, continuamos preferindo principalmente o investimento no juro real próximo de 6,55%. Para os próximos 30 dias mantivemos uma porcentagem elevada da carteira em títulos indexados a inflação, e o restante dividido em títulos pós-fixados e prefixados. Acreditamos que a carteira de títulos públicos para os próximos trinta dias deve conter 40% dos novos recursos em Tesouro IPCA (vencimento em 2019), 30% em títulos pós-fixados (Tesouro Selic) e 30% em títulos prefixados (Tesouro Prefixado 2018). A exposição em prefixado (Tesouro Prefixado) reflete o prêmio contido no título segundo nossa expectativa com relação à taxa de juros nos próximos anos. MACRO-OVERVIEW Embora a última decisão do Copom de elevar a Selic em 0,50% tenha sido largamente antecipada, o comunicado pós-reunião acabou nos surpreendendo e boa parte do mercado exatamente pelo fato de não haver mudanças. Explica-se: o comitê repetiu ipsis litteris pela 4ª vez consecutiva o mesmo texto no comunicado: Avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,50 p.p.. A repetição do texto parece sugerir, ao contrário do que esperávamos, que o ciclo de aperto monetário não está necessariamente próximo do fim. Estaria, portanto, o Banco Central integralmente comprometido em trazer a inflação a 4,5% em 2016 custe o que custar, como tem deixado explícito em sua comunicação? É preciso ressaltar que a convergência ao centro da meta (4,5%) já no ano que vem é uma tarefa nada fácil. Se por um lado a desaceleração econômica e o aumento do desemprego irão contribuir para a melhora nos preços, por outro, a inércia inflacionária será muito relevante: ou seja, a alta inflação esperada para 2015 certamente irá contaminar o IPCA ainda em 2016, via, por exemplo, a alta do salário mínimo, que será baseada na inflação de Uma eventual convergência no próximo ano dependeria de uma considerável alta dos juros ainda por vir, o que certamente impactaria ainda mais a fraca atividade econômica. A ata da reunião, a ser divulgada nesta quinta, deverá fornecer mais pistas sobre a estratégia do Copom, o que poderá nos levar a rever nossas expectativas quanto aos juros. Por ora, esperamos apenas um aumento de 0,25% na reunião de Julho, levando a Selic a 14,0%, um nível que deverá ser mantido pelo menos até o segundo trimestre de Vale lembrar que subir mais os juros não é a única estratégia do Banco Central. Uma alternativa seria convencer o mercado de que os atuais níveis seriam mantidos por mais tempo que é hoje consenso. Afinal de contas, os preços de mercado ainda embutem cortes na Selic sem que haja precificação de inflação mais baixa. Ou seja, o BCB poderia tentar mudar a visão atual do mercado de que os juros cairiam antes que a inflação assim o permitisse. 2

3 Renda Fixa Títulos Públicos No último relatório disponível, as emissões do Tesouro Direto em abril atingiram R$ 828,64 milhões, enquanto os resgates corresponderam a R$ 171,79 milhões, o que resultou em emissão líquida de R$ 656,85 milhões. Os títulos remunerados por índices de preços respondem pelo maior volume no estoque, alcançando 60,1%. Na sequência, aparecem os títulos indexados à taxa Selic, com participação de 26,9% e, por fim, os títulos prefixados, com 13,0%. O estoque do Tesouro Direto alcançou R$ 17,6 bilhões, representando um aumento de 5,4% em relação ao mês anterior. Títulos públicos disponíveis para compra Posição em Título Indexados ao IPCA Vencimento Taxa(a.a.) Compra Tesouro IPCA (NTNB Princ) 15/05/2019 6,56% Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2020 (NTNB) 15/08/2020 6,40% Tesouro IPCA (NTNB Princ) 15/08/2024 6,16% Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 (NTNB) 15/05/2035 6,00% Tesouro IPCA (NTNB Princ) 15/05/2035 5,93% Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTNB) 15/08/2050 5,91% Prefixados Tesouro Prefixado 2018 (LTN) 01/01/ ,14% Tesouro Prefixado 2021 (LTN) 01/01/ ,72% Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2025 (NTNF) 01/01/ ,57% Indexados à Taxa Selic Tesouro Selic 2021 (LFT) 01/03/2021 0,00% Atualizado em: :47:33 Fonte: Tesouro Nacional Evolução dos Principais Indicadores nos Últimos 30 Dias O comportamento dos juros futuros nos últimos 30 dias refletiu: (i) no mercado externo dados da economia americana e inflação na U.E; (ii) no mercado interno o aumento de mais 0,50p.p na Selic e incertezas quanto a inflação. Nos EUA, dados do mercado de trabalho mais fortes que o esperado não foram suficientes para convergir as apostas de quando ocorrerá o aumento dos juros americanos. Por outro lado, na Europa a inflação apresentou uma alta cima do esperado o que proporcionou uma alta nos juros futuros na região. Na agenda local, o Copom aumentou em 0,5% a Selic e o mercado está dividido quando a intensidade da próxima alta dos juros (+0,25% ou +0,5%). Curva DI Futuro (em %) BM&F 14,25 14,00 13,75 13,50 13,25 13,00 12,75 jul-15 out-15 jan-16 abr-16 jul-16 out-16 jan-17 abr-17 jul-17 out-17 jan-18 08/04/ /05/ /06/2015 Fonte: Bloomberg 3

4 O destaque do quadro ao lado ficou por conta da saída líquida de recursos da poupança em maio que somou R$8,0 bilhões, registrando o maior déficit para o mês de maio desde o início da série histórica. Essa queda em parte é explicada pela baixa atratividade desse tipo de aplicação e também pela política de aumento da taxa de juros e inflação pressionada, o que acaba reduzindo o poder de compra e capacidade de poupança das pessoas físicas. Outro destaque ficou por conta do fechamento do volume negociado na BM&F no mês de Maio, em que a somatória de DI Futuro, FRA, Câmbio Futuro e Ibov Futuro atingiu R$3,7 trilhões, recuando 7% em relação ao mês anterior, com destaque para a queda de -11% do volume negociado de DI Futuro. Ativos Financeiros R$ Milhões Abr. Mai. Var. Títulos Públicos * Leilão Tradicional % LTN % LFT % NTN-F % NTN-B % Ativos CETIP Estoque CDB CDI Cotas de Fundos Debêntures Letra Financeira Poupança SBPE Captação Líquida BM&F Vol. Negociado # DI Futuro FRA Câmbio Futuro Ibovespa Futuro Abr. # Principais Ativos * Dados dos Leilões Diários (Relatório Final não Divulgado) Mai. Taxas Relacionado com o quadro de taxas ao lado, o destaque foi à divulgação do IPCA de maio que acelerou para +0,74% (+0,71% em abril). A alta ficou acima do teto do intervalo das estimativas que rondavam entre 0,53% e 0,64%. O principal componente de alta foi energia elétrica que subiu 2,77% com o aumento das tarifas em algumas regiões do país e contribuiu com 0,11% no indicador. Alimentos e bebidas, responsável por um terço do IPCA, também acelerou de 0,97% em abril para 1,32% em maio, puxado pelas altas do tomate (+21,4%) e da cebola (+35,6%). Apesar da queda nos preços de transportes (-0,29%), o IPCA em doze meses atingiu 8,47%, o maior valor desde Proj (1) Nacional Mai Ano Ano SELIC 0,99% 4,78% 14,00% Inflação IGP-M 0,41% 3,64% 7,10% Inflação IPCA 0,74% 5,34% 8,30% BRL/USD (BACEN) 6,19% 19,67% R$ 3,25 Custo Captação % R$ Milhões 180 dias 180 dias 360 dias CDB - Pequenos ,0 a 112,0 - - CDB - Médios ,0 a 104,0 - CDB - Grandes c/ liquidez ,0 a 100,5 CDB - Grandes s/ liquidez ,0 a 101,0 Letras Financeiras ,3 a 105,5³ Outros 30/04/ /05/2015 Var. Bovespa (pontos) ,17% Poupança (Retorno Acumulado) 2,98% 3,62% 0,63% SWAP PRE x DI 13,48% 13,77% 0,29% ¹ Projeção Bradesco Corretora Research - Final do Ano ³ 2 anos Fonte: STN, Bloomberg, BACEN, BM&F, Cetip 4

5 Mercado Secundário Taxas Indicativas Os rendimentos da curva de LTNs ao lado subiram nos vencimentos mais curtos e recuaram nos vencimentos mais longos, a partir de jan/2018. Vale destacar o aumento do rendimento para jan/2016 em pouco mais de 25bps nos últimos 30 dias, o que reflete um aumento na expectativa da Selic para o período. Parte do mercado já projeta uma Selic acima de 14% no início de Com esse ajuste, a curva mostra que os juros começarão a cair a partir de abr/2016. LTN (em %) 14,25 14,00 13,75 13,50 13,25 13,00 12,75 12,50 jul-15 jan-16 jul-16 jan-17 jul-17 jan-18 jul-18 jan-19 08/mai/15 22/mai/15 05/jun/15 O comportamento da curva das NTN- Bs foi diferente da curva de LTNs na ponta mais curta apesar de ter apresentado volatilidade assim como os prefixados. Os títulos com vencimentos mais curtos (mai/2017 e ago/2018) apresentaram queda nos rendimentos, apesar de possuírem pouca liquidez. Por outro lado, os títulos mais longos continuaram apresentando rendimentos decrescentes, assim como as LTNs. NTN-B (em %) 6,70 6,50 6,30 6,10 5,90 5,70 ago-16 ago-19 ago-22 ago-25 ago-28 ago-31 ago-34 08/mai/15 22/mai/15 05/jun/15 13,75 NTN-F (em %) A tendência da curva das NTN-Fs acompanhou as LTNs, (vencimentos longos com rendimento menor que os vencimentos curtos), com uma possível interpretação de que os juros cairão com a atividade econômica fraca e a política fiscal mais restritiva. 13,50 13,25 13,00 12,75 12,50 12,25 12,00 jan-17 jan-18 jan-19 jan-20 jan-21 jan-22 jan-23 08/mai/15 22/mai/15 05/jun/15 Fonte: Anbima 5

6 Rentabilidade dos Títulos Públicos Posição em Rentabilidade Bruta Títulos Vencimento Últ. 30 dias Mês Anterior No Ano 12 Meses Prefixados Tesouro Prefixado 01/01/2016 0,94% 0,85% 4,74% 9,79% Tesouro Prefixado 01/01/2017 1,10% 0,89% 4,46% 8,60% Tesouro Prefixado 01/01/2018 1,69% 1,30% 4,94% 8,75% Tesouro Prefixado 01/01/2021 2,42% 1,75% - - Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 01/01/2017 1,11% 0,90% 4,55% 8,97% Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 01/01/2021 2,17% 1,74% 5,17% 8,95% Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 01/01/2023 2,63% 2,25% 5,25% 8,91% Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 01/01/2025 3,03% 2,87% 4,96% 9,47% Indexados à Taxa Selic Tesouro Selic 07/03/2017 1,01% 0,95% 5,06% 11,57% Tesouro Selic 01/03/2021 0,81% 0,75% - - Indexados ao IGP-M Tesouro IGPM+ com Juros Semestrais 01/07/2017 1,31% 1,25% 4,65% 7,44% Tesouro IGPM+ com Juros Semestrais 01/04/2021 1,36% 0,85% 5,63% 7,61% Tesouro IGPM+ com Juros Semestrais 01/01/2031 1,62% 1,50% 7,67% 9,53% Indexados ao IPCA Tesouro IPCA+ 15/05/ Tesouro IPCA+ 15/05/2019 1,59% 1,23% 6,94% 10,65% Tesouro IPCA+ 15/08/2024 1,86% 1,12% 8,50% 13,01% Tesouro IPCA+ 15/05/2035 2,39% 2,54% 13,21% 15,89% Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/05/ Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/05/2017 1,52% 1,45% 6,22% 11,57% Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/08/2020 1,47% 0,95% 7,10% 11,50% Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/08/2024 1,68% 1,17% 7,88% 12,57% Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/05/2035 1,83% 1,79% 10,03% 13,92% Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/05/2045 2,39% 2,08% 11,44% 14,79% Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/08/2050 2,77% 2,30% 12,19% 15,40% Fonte: Tesouro Nacional 6

7 DISCLAIMER Este relatório foi preparado pelas equipes de análise de investimentos da Ágora Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. ( Ágora ) bem como da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários ( Bradesco Corretora ), sociedades controladas pelo Banco Bradesco BBI S.A. ( BBI ). O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Ágora e da Bradesco Corretora. Este relatório é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer instrumento financeiro. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data em que este relatório foi publicado. Entretanto, as informações aqui contidas não representam por parte da Ágora ou da Bradesco Corretora garantia de exatidão dos dados factuais utilizados. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento, envolvido(s) na elaboração deste relatório ( analistas de investimento ) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações nos termos do art. 17 da Instrução CVM 483: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre os títulos públicos e seus emissores e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Ágora, à Bradesco Corretora, ao BBI e demais empresas do Grupo Bradesco. A remuneração do(s) analista(s) de investimento está, direta ou indiretamente, influenciada pelo resultado proveniente dos negócios e operações financeiras realizadas pela Ágora, Bradesco Corretora e BBI.. Analistas Renda Fixa Altair Maurílio Pereira Caio Lombardi André Sonnervig Economista Chefe Dalton Gardimam Economista Sênior Denis Blum Economista Tarik Migliorini 7

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando principalmente o desafio fiscal nos próximos anos como principal

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico 08/12/2015 DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume que o cenário fiscal e a inflação continuarão sendo as principais variáveis

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando os desdobramentos das medidas fiscais e as incertezas da economia

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera os dois principais fatores impactando a curva de juros, a melhora recente do

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera o cenário de baixa inflação no curto prazo e maior incerteza no médio/longo prazo

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume ainda uma instabilidade no quadro fiscal a medida que a votação no congresso das

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume ainda instabilidade no cenário fiscal, com consequente reflexo nas principais variáveis

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera o cenário de juros e inflacionário favoráveis concomitante ao risco fiscal ainda

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera a queda consistente da inflação concomitante ao risco fiscal ainda presente nas

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume que o cenário político deve continuar refletindo nas taxas de juros, principalmente

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando principalmente o desafio fiscal (reforma da previdência no curto

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera o cenário de inflação mais alta no curto prazo (comparação com ano anterior)

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando a tendência de queda da expectativa de inflação para este ano e o

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 13/08/2013

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 13/08/2013 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada Nossa estratégia de investimento para a Carteira Recomendada do Tesouro Direto neste mês de Agosto reflete o atual cenário de alta na taxa de juros ao longo

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera a queda consistente da inflação e a falta de visibilidade em relação a situação

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera principalmente o desafio fiscal nos próximos anos e o possível impacto desse

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias ainda considera o cenário fiscal como o principal fator de risco para a esperada queda

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera o cenário inflacionário favorável concomitante ao risco fiscal ainda presente

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume um cenário de continuidade da maior aversão ao risco, com inflação pressionada no

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera o cenário de inflação mais alta neste ano (comparação com ano anterior) e maior

Leia mais

Balanço do Tesouro Direto - Agosto 2017

Balanço do Tesouro Direto - Agosto 2017 Balanço do Tesouro Direto - Agosto 2017 1. Vendas e Resgates Em agosto, as vendas do Tesouro Direto atingiram R$ 1.349,3 milhões. Já os resgates totalizaram R$ 1.408,2 milhões, sendo R$ 1.275,2 milhões

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Curva de Juros volta a cair ajudada por Copom e dados da economia americana;

Curva de Juros volta a cair ajudada por Copom e dados da economia americana; 04-abr-2014 Curva de Juros volta a cair ajudada por Copom e dados da economia americana; Dólar voltou a se depreciar (1,1%) na semana frente ao real, influenciado pelos leilões de rolagem de swap cambial

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Curva do DI. 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 7,0 Apr-17. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6, ago-11

Curva do DI. 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 7,0 Apr-17. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6, ago-11 Tesouro Direto Atualização: 21/09/2017 15:03 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, esperamos um crescimento do PIB modestamente acima do potencial de 2,1% em 2017 e vemos o crescimento acelerar para 2,6%

Leia mais

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais.

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais. 28 de Outubro de 2013 Juros encerram a semana em queda seguindo comportamento da Treasury; Dólar encerrou a semana em alta de 0,5%, cotado a R$ 2,189; Ibovespa cai na semana contrariando comportamento

Leia mais

III. Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado

III. Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado Os riscos de maior pressão inflacionária vigentes no início de concorreram para as decisões do Copom sobre a taxa básica

Leia mais

Dólar, commodities e PIB mais forte no Brasil pressionaram juros futuros com alta;

Dólar, commodities e PIB mais forte no Brasil pressionaram juros futuros com alta; 30-ago-2013 Dólar, commodities e PIB mais forte no Brasil pressionaram juros futuros com alta; Agenda com o mercado de trabalho nos EUA e proximidade do FOMC de setembro elevou novamente rendimento das

Leia mais

Acomodação na renda fixa foi interrompida pela alta do dólar e dado forte de emprego nos EUA em junho.

Acomodação na renda fixa foi interrompida pela alta do dólar e dado forte de emprego nos EUA em junho. 05-jul-2013 Acomodação na renda fixa foi interrompida pela alta do dólar e dado forte de emprego nos EUA em junho. Leilões de swap cambial e mais flexibilidade de regras tributárias para a entrada de fluxo

Leia mais

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 10/04/ :36. Curva do DI.

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 10/04/ :36. Curva do DI. Tesouro Direto Atualização: 10/04/2017 14:36 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, projetamos crescimento do PIB de 2,1% para este ano, que deverá acelerar para 2,5% em 2018, devido aos estímulos fiscais

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANCEIRA Agosto/17 INTRODUÇÃO Neste relatório disponibilizamos a conjuntura econômica financeira para

Leia mais

11,5 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 11,5 10,5 9,5 8,5 7,5 6,5 5,5 4,5. 3,5 mai-11.

11,5 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 11,5 10,5 9,5 8,5 7,5 6,5 5,5 4,5. 3,5 mai-11. Tesouro Direto Atualização: 05/07/2017 16:52 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, fizemos uma sutil revisão da projeção para o PIB de 2017, de 2,1% para 2,2% e prevemos que o crescimento irá acelerar para

Leia mais

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 07/06/ :14. Curva do DI.

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 07/06/ :14. Curva do DI. Tesouro Direto Atualização: 07/06/2017 14:14 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, continuamos projetando um crescimento de 2,1% em 2017. Prevemos que o crescimento irá acelerar para 2,6% em 2018, devido

Leia mais

Curva do DI. 11,5 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 Apr-17. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0. jul-11

Curva do DI. 11,5 11,0 10,5 10,0 9,5 9,0 8,5 8,0 7,5 Apr-17. Taxa Selic 15,0 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0. jul-11 Tesouro Direto Atualização: 08/08/2017 18:03 Comentário Geral do Mercado Nos EUA, mantemos nossa projeção de crescimento de 2,2% para o PIB de 2017. Prevemos que o PIB irá acelerar para 2,6% em 2018, devido

Leia mais

DESAFIOS PARA OS PRÓXIMOS ANOS: QUEDA NAS TAXAS DE JUROS E SEUS EFEITOS SOBRE O MERCADO DE CAPITAIS

DESAFIOS PARA OS PRÓXIMOS ANOS: QUEDA NAS TAXAS DE JUROS E SEUS EFEITOS SOBRE O MERCADO DE CAPITAIS DESAFIOS PARA OS PRÓXIMOS ANOS: QUEDA NAS TAXAS DE JUROS E SEUS EFEITOS SOBRE O MERCADO DE CAPITAIS ECONOMIA BRASILEIRA 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 Iochpe-Maxion Recomendação Neutro MYPK3 Preço em 04/01/17 (R$) 12,59 Ações (MM) 95 Valor Mercado (R$ MM) 1.187 Mín. 52 semanas (R$) 8,34 Máx. 52 semanas (R$) 20,31

Leia mais

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 06/12/ :33. Curva do DI.

Tesouro Direto. Citi Corretora. Comentário Geral do Mercado. Gráfico de Indicadores. Atualização: 06/12/ :33. Curva do DI. dez-10 jul-11 fev-12 set-12 abr-13 nov-13 jun-14 jan-15 ago-15 mar-16 out-16 out-10 fev-11 jun-11 out-11 fev-12 jun-12 out-12 fev-13 jun-13 out-13 fev-14 jun-14 out-14 fev-15 jun-15 out-15 fev-16 jun-16

Leia mais

Carta Mensal Fevereiro 2017

Carta Mensal Fevereiro 2017 Carta Mensal Fevereiro 2017 Estratégia Macro Os fundos dentro da estratégia macro da Mauá Capital tiveram um mês de fevereiro bastante positivo, principalmente nas seguintes estratégias: Juros-Brasil Play

Leia mais

25-nov Ibovespa cai em semana com muita oscilação; Dólar se deprecia beneficiado por leilão de aeroportos; Juros futuros encerra semana em alta.

25-nov Ibovespa cai em semana com muita oscilação; Dólar se deprecia beneficiado por leilão de aeroportos; Juros futuros encerra semana em alta. 25-nov-2013 Ibovespa cai em semana com muita oscilação; Dólar se deprecia beneficiado por leilão de aeroportos; Juros futuros encerra semana em alta. O Ibovespa encerrou a semana com queda de 1,22%, cotado

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 08/06/2015 Relatório Semanal 08/06/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram os dados da Pesquisa Industrial Mensal e o resultado da reunião do COPOM. A produção industrial

Leia mais

INDX apresenta queda de 4,07% em junho

INDX apresenta queda de 4,07% em junho 1-jun-11 2-jun-11 3-jun-11 4-jun-11 5-jun-11 6-jun-11 7-jun-11 8-jun-11 9-jun-11 10-jun-11 11-jun-11 12-jun-11 13-jun-11 14-jun-11 15-jun-11 16-jun-11 17-jun-11 18-jun-11 19-jun-11 20-jun-11 21-jun-11

Leia mais

Qual dos tipos de garantia abaixo NÃO se aplica às debêntures?

Qual dos tipos de garantia abaixo NÃO se aplica às debêntures? Qual dos tipos de garantia abaixo NÃO se aplica às debêntures? a) Subordinada, ou seja, os credores só têm preferências sobre os acionistas. b) Quirográfica, ou seja, sem nenhum tipo de garantia ou preferências.

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P O U T U B R O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 26 de outubro de 2017 Crédito imobiliário atinge R$ 3,41 bilhões

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

Cenário Econômico 2018

Cenário Econômico 2018 Cenário Econômico 2018 25/10/2017 7,25% 2 Cenário 2018 3 Cenário político: conturbado, mas ajudou. 4 O espaço conquistado... Boa gestão da política econômica: focada na responsabilidade macroeconômica,

Leia mais

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa ANBIMA - Seminário Conta de Liquidação e Compromissada Intradia Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa Paulo Fontoura Valle Subsecretário da Dívida Pública Secretaria do Tesouro Nacional

Leia mais

Taxa de Juros no Período (SELIC)

Taxa de Juros no Período (SELIC) Os títulos públicos federais são emitidos pelo Tesouro Nacional e compõem a dívida pública interna. Servem como instrumento de captação de recursos para que o governo execute suas atividades. Todos os

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P D E Z E M B R O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 9,0 bilhões Saldo: R$ 516,0 bilhões Financiamentos

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

Operações de Crédito do SFN

Operações de Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) caem 0,2% em mai/17 e 2,6% em 12 meses. A retomada ainda não veio. O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Cenário Econômico e perspectivas para o IMA

Cenário Econômico e perspectivas para o IMA Cenário Econômico e perspectivas para o IMA RUA DOM JAIME CÂMARA, 170 PRIME TOWER - 8 ANDAR - CENTRO - FLORIANÓPOLIS - SC - CEP 88015-120 5,0 PIB - EUA Expectativa 4,0 3,0 2,0 4,1 1,8 2,5 3,5 3,1 2,7 1,9

Leia mais

Os efeitos fiscais da redução da Selic Felipe Scudeler Salto1 e Josué Alfredo Pellegrini2

Os efeitos fiscais da redução da Selic Felipe Scudeler Salto1 e Josué Alfredo Pellegrini2 Os efeitos fiscais da redução da Selic Felipe Scudeler Salto1 e Josué Alfredo Pellegrini2 A redução da Selic, desde outubro do ano passado, já produziu efeitos importantes sobre a dinâmica da dívida pública.

Leia mais

Menor volatilidade de emergentes e dados mais fracos fazem juros ceder na semana;

Menor volatilidade de emergentes e dados mais fracos fazem juros ceder na semana; Semana de 03 a 07 de Fevereiro Menor volatilidade de emergentes e dados mais fracos fazem juros ceder na semana; Dólar se deprecia diante de indicadores menos positivos de atividade americana; Ibovespa

Leia mais

Dólar se aprecia em semana de turbulência em mercados emergentes; Dados fracos na China e incerteza nos emergentes explicam queda do Ibovespa;

Dólar se aprecia em semana de turbulência em mercados emergentes; Dados fracos na China e incerteza nos emergentes explicam queda do Ibovespa; 27-jan-2014 Dólar se aprecia em semana de turbulência em mercados emergentes; Dados fracos na China e incerteza nos emergentes explicam queda do Ibovespa; Juros futuros encerram a semana em forte alta.

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P N O V E M B R O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 2,6 bilhões Saldo: R$ 503,8 bilhões Financiamentos

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas PIB e Performance do Agronegócio

Balanço 2016 Perspectivas PIB e Performance do Agronegócio PIB e Performance do Agronegócio 15 16 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 MESMO COM A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTANDO PARA OS EIXOS EM 2017, O AGRONEGÓCIO NOVAMENTE DEVERÁ SER O SETOR COM MAIOR

Leia mais

VISÃO GERAL O TESOURO DIRETO O TESOURO DIRETO NA PRÁTICA

VISÃO GERAL O TESOURO DIRETO O TESOURO DIRETO NA PRÁTICA TESOURO DIRETO VISÃO GERAL O TESOURO DIRETO O TESOURO DIRETO NA PRÁTICA A DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL Aproximadamente 50% do mercado de renda fixa é composto de títulos públicos Dívida pública: Interna (Títulos

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

Ano I Número 2 Novembro/2011

Ano I Número 2 Novembro/2011 Ano I Número 2 Novembro/2011 Prevalece cenário de menor nível de crescimento e de inflação» Agravamento da crise na Europa a partir de agosto permite convergência dos cenários do mercado com o do Banco

Leia mais

Os dados de abril continuaram mostrando estabilização na margem após um longo período de recessão

Os dados de abril continuaram mostrando estabilização na margem após um longo período de recessão 19 de junho de 2017 Os dados de abril continuaram mostrando estabilização na margem após um longo período de recessão Na semana que passou, houve a divulgação, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Banco Central sinaliza maior rigor em relação ao avanço de preços Levando em consideração o cenário mais desfavorável ao arrefecimento da inflação e o maior rigor adotado pelo Banco Central nos recentes

Leia mais

Alteramos as expectativas para a taxa Selic em 2013 e 2014; Atividade econômica no Brasil poderá ser fraca também no 4º trimestre de 2013.

Alteramos as expectativas para a taxa Selic em 2013 e 2014; Atividade econômica no Brasil poderá ser fraca também no 4º trimestre de 2013. 27-set-2013 Semana foi de dólar e juros em alta, Bolsa em queda; Alteramos as expectativas para a taxa Selic em 2013 e 2014; Atividade econômica no Brasil poderá ser fraca também no 4º trimestre de 2013.

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) registra alta de 0,3% em novembro e retração de 2,3% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 Data: 07/07/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos

Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos Atividade Econômica PIB - Crescimento anual (%) 4, 4,1 4,5 3,2 3,1 3,5 2,1 1,7 2, 4,8 3,6 2, 2 211 212 213 214 215 216 217* 218* * Projeções do FMI

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO - MaM

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO - MaM MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO - MaM Índice 1 - Princípios Gerais... 3 I. Objetivo... 3 II. Princípios... 3 2 - Critérios de Precificação de Ativos... 4 I. Definições... 4 A. Curva pré... 4 B. Cota de Abertura...

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras. Sávio Borba Maio 2015

Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras. Sávio Borba Maio 2015 Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras Sávio Borba Maio 2015 Gestão Ativa/Passiva Gestão de recursos em um maneira geral, consiste na otimização da alocação dos recursos em ativos que

Leia mais

Riscos Crescentes. Roberto Padovani Junho 2017

Riscos Crescentes. Roberto Padovani Junho 2017 Riscos Crescentes Roberto Padovani Junho 2017 Política volta a ser crítica 1. Política duração da crise - voltou a ser variável de controle; 2. Há impasse político: Economia ajuda manter governabilidade

Leia mais

INDX registra alta de 6,4% em janeiro

INDX registra alta de 6,4% em janeiro INDX 3-jan-11 17-jan-11 31-jan-11 14-fev-11 28-fev-11 14-mar-11 28-mar-11 11-abr-11 25-abr-11 9-mai-11 23-mai-11 6-jun-11 2-jun-11 4-jul-11 18-jul-11 1-ago-11 15-ago-11 29-ago-11 12-set-11 26-set-11 1-out-11

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 28º Edição - Setembro 2015 Sumário Conjuntura - Saúde Suplementar Seção Especial 3 Nível de Atividade 4 Emprego 5 Emprego direto em planos de saúde 6 Renda 6 Inflação 7 Câmbio

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

IPCA-15 aponta para crescimento dos preços de 4,7% entre 2016 e 2017

IPCA-15 aponta para crescimento dos preços de 4,7% entre 2016 e 2017 27 de março de 2017 IPCA-15 aponta para crescimento dos preços de 4,7% entre 2016 e 2017 Na última semana, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou o Índice de Preços ao Consumidor

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Federal Reserve sinaliza porta de saída para o atual afrouxamento quantitativo Como já era esperada, a decisão do FOMC (o comitê de política monetária do Federal Reserve) ao término de sua reunião foi

Leia mais

O IPCA deve encerrar 2017 e 2018 abaixo do centro da meta de 4,5%

O IPCA deve encerrar 2017 e 2018 abaixo do centro da meta de 4,5% jan-12 abr-12 jul-12 out-12 jan-13 abr-13 jul-13 out-13 jan-14 abr-14 jul-14 out-14 jan-15 abr-15 jul-15 out-15 jan-16 abr-16 jul-16 out-16 jan-17 Jan-10 Jul-10 Jan-11 Jul-11 Jan-12 Jul-12 Jan-13 Jul-13

Leia mais

O IPCA deve encerrar 2017 e 2018 abaixo do centro da meta de 4,5%

O IPCA deve encerrar 2017 e 2018 abaixo do centro da meta de 4,5% 13 de fevereiro de 2017 O IPCA deve encerrar 2017 e 2018 abaixo do centro da meta de 4,5% Na semana que passou, o principal destaque foi a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) relativo

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P J A N E I R O, 2 0 1 8 São Paulo, 30 de janeiro de 2018 DESTAQUES DO MÊS: Crédito imobiliário atinge o montante de R$ 3,68 bilhões

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005

RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005 MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005 Rio de Janeiro, 13 de abril de 2005. 1. Conjuntura atual O objetivo deste Relatório

Leia mais

INX ADMINISTRADORA E GESTORA DE RECURSOS LTDA.

INX ADMINISTRADORA E GESTORA DE RECURSOS LTDA. INX ADMINISTRADORA E GESTORA DE RECURSOS LTDA. MAM - MANUAL DE MARCAÇÃO À MERCADO VERSÃO 2013 Índice 1 - Princípios Gerais... 3 I. Objetivo... 3 II. Princípios... 3 2 - Critérios de Precificação de Ativos...

Leia mais

INDX apresenta queda de 8,42% em julho

INDX apresenta queda de 8,42% em julho 1-jul-11 2-jul-11 3-jul-11 4-jul-11 5-jul-11 6-jul-11 7-jul-11 8-jul-11 9-jul-11 10-jul-11 11-jul-11 12-jul-11 13-jul-11 14-jul-11 15-jul-11 16-jul-11 17-jul-11 18-jul-11 19-jul-11 20-jul-11 21-jul-11

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P J U N H O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 173 milhões Saldo: R$ 517,6 bilhões Financiamentos

Leia mais

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil 5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de Oliveira Secretário Executivo Ministério da Fazenda 1 Expansão do investimento

Leia mais

Mês de Agosto. Mês de Junho

Mês de Agosto. Mês de Junho Performance Relatório Ágora Graphics - Performance - Ágora Graphics Mês de Agosto Mês de Junho terça-feira, 1 de setembro de 2015 Data de Entrada Papel Operação Preço de Compra Preço de Venda Retorno Rentabilidade

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 25 de maio de 2017 Crédito imobiliário totaliza R$ 3,13 bilhões em abril

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P N O V E M B R O, 2 0 1 7 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 1,7 bilhões Saldo: R$ 540,3 bilhões Financiamentos

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária Informativo Semanal de Economia Bancária Federação Brasileira de Bancos Semana de 11 a 15 de julho de 2016 Ano 8, Nº. 355 Comentário Semanal A pesquisa Focus divulgada na manhã de hoje (11) praticamente

Leia mais

Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015

Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015 Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015 Gestão Visão Prev Bradesco Custódia e Administração VP Finanças Telefonica-Vivo Conselho Deliberativo Comitê Investimentos Conselho Fiscal Diretoria Executiva

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 06/04/2015

A semana em revista. Relatório Semanal 06/04/2015 Relatório Semanal 06/04/2015 A semana em revista No cenário doméstico, os principais destaques da semana foram o desempenho fiscal do governo e os dados do setor industrial ambos do mês de fevereiro. O

Leia mais

Outubro Outubro/14 Icatu Vanguarda FIC OABPrev SP

Outubro Outubro/14 Icatu Vanguarda FIC OABPrev SP Outubro 2014 Outubro/14 Icatu Vanguarda FIC OABPrev SP Não diferente de boa parte de 2014, tivemos mais um mês de intensos acontecimentos macro econômicos locais e internacionais que trouxeram bastante

Leia mais

MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO

MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Em 03 de junho, o COPOM elevou a Selic para 13,75% e emitiu um comunicado igual aos das reuniões anteriores, nas quais subiu a taxa na mesma magnitude, 50 pontos-base (pb). As expectativas

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA MARÇO 2017 MERCADO DE TÍTULOS PÚBLICOS ECONOMIA E MERCADO Ingressamos em março já considerando que não será um período fácil. As escaramuças políticas seguem acontecendo, com as delações

Leia mais

Crise de confiança. Roberto Padovani Setembro 2013

Crise de confiança. Roberto Padovani Setembro 2013 Crise de confiança Roberto Padovani Setembro 2013 jan/92 nov/92 set/93 jul/94 mai/95 mar/96 jan/97 nov/97 set/98 jul/99 mai/00 mar/01 jan/02 nov/02 set/03 jul/04 mai/05 mar/06 jan/07 nov/07 set/08 jul/09

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais