Parecer da Câmara dos Solicitadores sobre o Projeto de Portaria que. regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parecer da Câmara dos Solicitadores sobre o Projeto de Portaria que. regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário"

Transcrição

1 Parecer da Câmara dos Solicitadores sobre o Projeto de Portaria que regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário O Ministério da Justiça remeteu à Câmara dos Solicitadores, para parecer, um projeto de portaria que regulamenta o Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovada pela Lei n.º 23/2013, de 5 de março. A Lei n.º 23/2013 (doravante designada Lei do Inventário) criou um sistema mitigado, em que a competência para o processamento dos atos de inventário é atribuída aos cartórios notariais, sem prejuízo da possibilidade de determinadas questões serem decididas em sede judicial, pelo tribunal da comarca do cartório notarial. Cumpre assim, emitir parecer, sugerindo a Câmara dos Solicitadores as seguintes propostas de alteração: a) Alteração do sítio de internet O artigo 2.º do projeto de portaria estipula que os pedidos e a publicação de atos do processo de inventário fazem-se preferencialmente através de sítio na internet com o endereço No entanto, e como se pode ver através de consulta à página https://www.dns.pt/web/guest/whois?whois=lrxm9zud_qyous6u5_iaiq&, o domínio em causa já se encontra registado, em nome de Altronix, Sistemas Electrónicos, Unipessoal Lda, pelo que deverá ser alterado o endereço do site referido neste artigo (bem como as posteriores referências ao mesmo). b) Artigo 6.º Esta norma prevê um atendimento prévio do interessado a um processo de inventário, o que parece pressupor a realização de um serviço de assessoria jurídica. Para além desta norma contender com a Lei n.º 49/2004, de 24 de

2 agosto, que aprovou a Lei dos atos próprios dos advogados e solicitadores, uma vez que parece pressupor a realização de serviços de aconselhamento jurídico, verifica-se ainda que tal disposição não parece respeitar o princípio de igualdade de partes e de equidistância que devem ser seguidos pelo notário, que assume um papel semelhante ao de juiz. A análise da necessidade de se requerer inventário deve competir a Solicitadores e Advogados, juntamente com os seus clientes, não ao notário. A este respeito, acresce ainda dizer que, nos termos do n.º 1 do artigo 4.º do Estatuto do Notariado, compete, em geral, ao notário redigir o instrumento público conforme a vontade dos interessados, a qual deve indagar, interpretar e adequar ao ordenamento jurídico, esclarecendo-os do seu valor e alcance. Deste modo, o atendimento ao interessado no processo de inventário, previsto no artigo 6.º da Portaria, não deve exceder o que é previsto neste artigo. Ainda, o citado artigo refere que o atendimento é feito pelo cartório notarial e não pelo notário, o que poderá indiciar que a consulta possa ser efetuada por um funcionário. Assim, a Câmara dos Solicitadores sugere a eliminação desta norma ou, em alternativa, a previsão de que o atendimento deve ser feito pelo notário e não pelo cartório. Atendendo ao disposto no artigo 13.º do Estatuto do Notariado, que prevê que o notário se deve abster de assessorar apenas um dos interessados num negócio, a Câmara dos Solicitadores propõe a introdução de mais dois números ao artigo 6.º, que consagrem um dever geral de independência e o dever de o notário revelar o teor do atendimento efetuado a um dos interessados no processo de inventário aos restantes interessados.

3 Assim, caso se pretenda manter a possibilidade de atendimento dos interessados pelo notário, sugerimos que sejam inseridos ao artigo 6.º um n.º 2 e um n.º 3, com a seguinte redação: «2 Após o atendimento, no Notário, de qualquer interessado num inventário, o Notário e respetivos serviços notariais devem manter uma atitude de absoluta independência em relação a qualquer outro interessado. 3 Após o atendimento do interessado, nos termos do n.º 1, o notário deve revelar o conteúdo do atendimento efetuado aos demais interessados no processo de inventário que o requeiram.» c) Instrução do requerimento Colocamos algumas reservas em relação ao artigo 13.º, devendo esclarecer se se dirige a todos os interessados ou apenas ao requerente. De facto, o n.º 2 estabelece que este artigo se dirige apenas ao requerente, mas a norma deve esclarecer se, para além do requerente, os interessados não devem beneficiar da possibilidade de o notário instruir oficiosamente o processo. Ou seja, o interessado que promover o inventário tem direito a que o notário faça todas as consultas e recolha todos os documentos dos bens que indica, mas devia esclarecer-se se os demais interessados têm ou não idêntico direito, para os bens que considerem em falta. d) Arquivamento do processo O Projeto refere que o processo de inventário deve ser arquivado caso não se corrija ou complete o requerimento inicial, sem que haja direito a devolução dos honorários pagos. No entanto, entendemos que deve ser prevista a possibilidade de o requerente reaproveitar os atos já praticados. Assim, sugere-se a introdução de um novo número 4, com a seguinte redação:

4 «4 Se o requerente der o necessário impulso processual, no prazo de 90 dias após a notificação do despacho de arquivamento, recupera-se toda a tramitação anterior e o Notário faz prosseguir o processo.» e) Caixa Notarial de Apoio ao Inventário A portaria estabelece que a Caixa Notarial de Apoio ao Inventário suporta os honorários notariais nos casos em que o requerente beneficia de apoio judiciário com isenção de custas, tendo como receitas os montantes auferidos a título de taxa complementar, nos termos do artigo 20.º, bem como os montantes respeitantes às multas cobradas pelos notários (n.º 2 do artigo 21.º). No nosso entender, devia ficar definido, na Portaria, todo o regime de funcionamento desta Caixa, uma vez que as normas existentes não o definem com clareza. A título de exemplo, falta regulamentar o modo de pagamento de honorários nos casos de apoio judiciário (mantém-se a regra geral do n.º 6 do artigo 18.º, ou deve criar-se um regime especial de pagamento?) bem como os casos em que a Caixa não tenha fundos suficientes para suportar as despesas (considerando que parte dos honorários é paga com a entrega do requerimento inicial, pensamos que deve ficar previsto um montante inicial de financiamento da Caixa, uma vez que as suas receitas apenas ocorrerão em momento posterior à entrega desse requerimento). A Câmara dos Solicitadores sugere que os honorários em caso de apoio judiciário continuem a ser pagos pelo Instituto de Gestão Financeira e de Infraestruturas da Justiça (IGFEJ), devendo as receitas a alocar à Caixa ser também transferidas para o IGFEJ. f) Honorários Relativamente aos honorários, tendo em conta o teor do artigo 26.º da Lei n.º 23/3013 e o atual valor patrimonial dos prédios urbanos, é de prever que o valor

5 do inventário seja muito elevado, pelo que se deve repensar a aplicação da tabela I-A do Regulamento das Custas Processuais, a qual tornará o processo demasiado oneroso. A título de exemplo, vejamos o que se verifica no caso de partilha de um ou dois prédios urbanos com valor patrimonial global de : mesmo considerando que um processo de inventário finde por acordo na conferência preparatória, com valor acordado igual ao valor patrimonial, terá um custo de 18 UC (1 836 ), a que acrescem todos os encargos do artigo. 19.º. Consideramos que tal montante é muito exagerado, se tivermos em conta que a titulação da mesma partilha por via do Balcão de Heranças, incluindo Habilitação de Herdeiros, ascenderia a 425 euros e com redução substancial do valor dos registos. Propõe-se ainda que seja o juiz a determinar os processos de inventário que revistam especial complexidade Sugere-se assim as seguintes alterações: «3 São ainda devidos honorários pelos incidentes que são fixados de acordo com a Tabela I-B referida no Regulamento das Custas Processuais. 4 [ ] 5 Para efeitos de custas processuais o notário tem os poderes que, no âmbito do Regulamento das Custas Processuais, competem ao juiz, com exceção da fixação dos valores de acordo com a tabela I-C referida no Regulamento das Custas Processuais aos processos de inventário que revelem especial complexidade 7 Os honorários do processo de inventário são devidos, nos seguintes termos: a) A primeira prestação é paga pelo requerente, no momento da apresentação do requerimento inicial, no valor equivalente ao constante na tabela I-B do Regulamento das Custas Processuais;

6 b) A segunda prestação é paga pelos interessados diretos na partilha, nos cinco dias posteriores à notificação para a conferência de interessados, no valor equivalente ao constante na tabela I-B do Regulamento das Custas Processuais.». g) Artigo 20.º Esta norma estipula que os interessados que faltem ou não se façam representar na audiência prevista no n.º 4 do artigo 47.º da Lei n.º 23/2013 paguem uma taxa suplementar, no valor de ½ UC. Para além da questão referente ao destino da mesma, já referida, entendemos que a taxa só deve ser devida caso o interessado não justifique a falta, no prazo de cinco dias. h) Artigo 24.º No artigo 24.º entendemos que deve ficar previsto o pagamento de uma taxa suplementar caso fique provado a existência de comportamentos dilatórios. Propõe-se, assim, a seguinte redação para o n.º 1 deste artigo: «1 Pela remessa do processo ao tribunal de primeira instância nos casos dos artigos 5.º, n.º 4 do artigo 16.º, n.º 4 do artigo 57.º e n.º 1 da Lei n.º 23/2013, de 5 de março, nos casos do artigo 2083.º do Código Civil, e nos casos em que se prove que houve da parte requerente ação dilatória, é devida taxa de justiça correspondente à prevista na tabela II do Regulamento das Custas Processuais, para os incidentes/procedimentos anómalos, podendo a final o juiz determinar, sempre que as questões revistam especial complexidade, o pagamento de um valor superior dentro dos limites estabelecidos naquela tabela.» O presidente da Câmara dos Solicitadores José Carlos Resende

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro

Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro Portaria n.º 286/2012 de 20 de setembro A presente portaria vem alterar as Portarias n.os 1416-A/2006, de 19 de dezembro, 1594/2007, de 17 de dezembro, 622/2008, de 18 de julho, 1513/2008, de 23 de dezembro,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO REGIME JURÍDICO DO INVENTÁRIO

REGULAMENTAÇÃO DO REGIME JURÍDICO DO INVENTÁRIO REGULAMENTAÇÃO DO REGIME JURÍDICO DO INVENTÁRIO (Portaria n.º 278/2013, de 26 de agosto) O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa

Leia mais

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto*

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* O Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

Legislação Consolidada. Diploma

Legislação Consolidada. Diploma Diploma Primeira alteração da Portaria n.º 278/2013, de 26 de agosto, que regulamenta o processamento dos atos e os termos do processo de inventário nos cartórios notariais, no âmbito do regime Jurídico

Leia mais

Breviário de funções do secretário de justiça

Breviário de funções do secretário de justiça Breviário de funções do secretário de justiça Centro de Formação de Funcionários de Justiça Direção-geral da Administração da Justiça Breviário PADRONIZAÇÃO de funções DAS do CUSTAS secretário JUDICIAIS

Leia mais

PARECER. I - Medidas de descongestionamento dos tribunais:

PARECER. I - Medidas de descongestionamento dos tribunais: PARECER REGIME JURÍDICO DO PROCESSO DE INVENTÁRIO E ALTERAÇÃO DOS CÓDIGOS CIVIL, PROCESSO CIVIL, REGISTO PREDIAL E REGISTO CIVIL, E REGIME JURÍDICO NACIONAL DE PESSOAS COLECTIVAS. O Governo solicitou a

Leia mais

Enquadramento Legal ARTIGO 38.º DO DECRETO-LEI N.º76-A/2006, DE 29 DE MARÇO

Enquadramento Legal ARTIGO 38.º DO DECRETO-LEI N.º76-A/2006, DE 29 DE MARÇO Enquadramento Legal ARTIGO 38.º DO DECRETO-LEI N.º76-A/2006, DE 29 DE MARÇO "Artigo 38.º Extensão do regime dos reconhecimentos de assinaturas e da Autenticação e tradução de documentos 1 - Sem prejuízo

Leia mais

AS CONTAS NAS CUSTAS PROCESSUAIS

AS CONTAS NAS CUSTAS PROCESSUAIS Conferência 10.MAR.2016 pelas 17:30h AS CONTAS NAS CUSTAS PROCESSUAIS Tema específico: Custas de parte e contas finais. Diamantino Pereira Dispositivos importantes processo civil: Art.º 48.º (Falta insuficiência

Leia mais

Novo Código de Processo Civil, 2.ª Edição Col. Legislação, Edição Académica

Novo Código de Processo Civil, 2.ª Edição Col. Legislação, Edição Académica COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online orquê as atualizações aos livros da COLEÇÃO LEGISLAÇÃO? No panorama legislativo nacional é frequente a publicação de novos diplomas legais que, regularmente, alteram

Leia mais

CUSTAS JUDICIAIS. A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações.

CUSTAS JUDICIAIS. A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações. CUSTAS JUDICIAIS A CÓDIGO DAS CUSTAS JUDICIAIS: Decreto-Lei n.º 224-A/1996 e posteriores alterações. I Regime Geral - Aplica-se aos processos iniciados entre 1 de Janeiro de 1997 e 19 de Abril de 2009;

Leia mais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais 1 Conceito de taxa de justiça no C.C.J. A taxa de justiça do processo corresponde ao somatório das taxas de justiça inicial e subsequente de cada

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ

Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ Regulamento das Custas Processuais Procedimentos a observar na tramitação das secretarias judiciais CFFJ - 2012 Direção-Geral da Administração da Justiça Face à uniformização do sistema de custas consagrado

Leia mais

Código de Processo Civil

Código de Processo Civil Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Código de Processo Civil 2017 31ª Edição Atualização nº 1 1 [1] Código do Trabalho CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Atualização nº 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA

Leia mais

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição Deliberação pública Deliberação 20140510.11.5 Definição do procedimento adotado pela Câmara dos Solicitadores quando lhe é diretamente solicitado uma desassociação de agente de execução Tendo em consideração

Leia mais

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março DIPLOMAS - LEI N.º 41/2013, de 26 de junho: aprova o CPC - PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março - DECLARAÇÃO DE RETIFICAÇÃO N.º 36/2013, de 12 de

Leia mais

REGULAMENTOS DOS LAUDOS SOBRE HONORÁRIOS DE SOLICITADORES

REGULAMENTOS DOS LAUDOS SOBRE HONORÁRIOS DE SOLICITADORES REGULAMENTOS DOS LAUDOS SOBRE HONORÁRIOS DE SOLICITADORES Prevê o Artigo 8º do Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril (Estatuto da Câmara dos Solicitadores) que a Câmara, quando lhe for solicitado pelos tribunais,

Leia mais

Código de Processo do Trabalho

Código de Processo do Trabalho DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Código de Processo do Trabalho 2013 9ª Edição Actualização nº 1 1 LEI GERAL TRIBUTÁRIA CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO Actualização nº 1 EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 273/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 273/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 273/XII Exposição de Motivos 1. A Lei de Organização da Investigação Criminal, aprovada pela Lei n.º 49/2008, de 27 de agosto, alterada pela Lei n.º 34/2013, de 16 de maio, estabelece

Leia mais

QUADRO LEGISLATIVO. SECÇÃO VIII Reconhecimentos. Artigo 153.º Espécies

QUADRO LEGISLATIVO. SECÇÃO VIII Reconhecimentos. Artigo 153.º Espécies QUADRO LEGISLATIVO DL n.º 250/96, de 24 de Dezembro: Altera o Código do Notariado (aprovado pelo Decreto-Lei n.º 207/95, de 14 de Agosto) e procede à abolição dos reconhecimentos notariais de letra e de

Leia mais

Nova Ação Executiva. Sintese de Diplomas CFFJ Direção-geral da Administração da Justiça

Nova Ação Executiva. Sintese de Diplomas CFFJ Direção-geral da Administração da Justiça Nova Ação Executiva Sintese de Diplomas CFFJ - 2012 Direção-geral da Administração da Justiça Nova Ação Executiva Síntese dos Diplomas Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de Março, que bem se pode apelidar de

Leia mais

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX)

Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Apresenta: Nótulas à Lei n.º 32/2014 de 30 de maio (PEPEX) Natureza e finalidade: Procedimento Extrajudicial O Procedimento extrajudicial pré-executivo é um procedimento de natureza facultativa que se

Leia mais

REGULAMENTO DE QUOTAS E TAXAS DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS

REGULAMENTO DE QUOTAS E TAXAS DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGULAMENTO DE QUOTAS E TAXAS DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS NOTA PRÉVIA A Lei n.º 131/2015, de 4 de setembro, procedeu à quarta alteração ao Estatuto da Ordem dos Farmacêuticos, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Diploma. Regulamenta os procedimentos especiais de aquisição, oneração e registo de imóveis

Diploma. Regulamenta os procedimentos especiais de aquisição, oneração e registo de imóveis Diploma Regulamenta os procedimentos especiais de aquisição, oneração e registo de imóveis Portaria n.º 794-B/2007 de 23 de Julho O Decreto-Lei n.º 263-A/2007, de 23 de Julho, veio criar um procedimento

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL. Lei nº /2003

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL. Lei nº /2003 ATUALIZADO EM 20/07/2012 JUSTIÇA ESTADUAL Lei nº. 11.608/2003 Despesas com porte de remessa e retorno de autos Porte de Remessa e Retorno de Autos Porte de Retorno Agravo de Instrumento R$ 25,00 por volume

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 O estágio dos candidatos a solicitadores rege-se pelas disposições do Estatuto da Câmara dos Solicitadores e pelo presente regulamento, aprovado

Leia mais

Diploma DRE. Secção I. Procedimentos simplificados de sucessão hereditária. Artigo 1.º. Atendimento prévio

Diploma DRE. Secção I. Procedimentos simplificados de sucessão hereditária. Artigo 1.º. Atendimento prévio Diploma Regulamenta os termos da prestação do serviço no «Balcão das Heranças» e no balcão «Divórcio com Partilha», no âmbito dos procedimentos simplificados de sucessão hereditária, e de partilha do património

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Objecto

Diploma DRE. Capítulo I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Objecto Diploma Regulamenta o acesso electrónico da Comissão para a Eficácia das Execuções (CPEE) à informação disponível no sistema de informação de suporte à actividade dos tribunais (Citius) e no sistema de

Leia mais

Encerramento do processo: Tramitação após a sentença homologatória

Encerramento do processo: Tramitação após a sentença homologatória Encerramento do processo: Tramitação após a sentença homologatória Figueira da Foz 7 de setembro de 2014 Carlos Oliveira Juiz de Direito DECISÃO JUDICIAL DE HOMOLOGAÇÃO Homologação da partilha constante

Leia mais

Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução. Portaria 331-A/2009. Versão 3 3 de Dezembro de 2013

Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução. Portaria 331-A/2009. Versão 3 3 de Dezembro de 2013 Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Portaria 331-A/2009 Versão 3 3 de Dezembro de 2013 Com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 350/2013 de 3 de dezembro -

Leia mais

Curso de Preparação para o Exame de Acesso à Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução

Curso de Preparação para o Exame de Acesso à Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Departamento de Ciências Jurídicas Curso de Preparação para o Exame de Acesso à Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução Instituto Politécnico de Leiria

Leia mais

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Altera o Código de Processo Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 44129, de 28 de Dezembro de 1961, designadamente procedendo à introdução da regra de competência territorial

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010.

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. EMENTA: Regulamenta a concessão e o pagamento de auxílio funeral no

Leia mais

I. Por comunicação escrita dirigida ao Bastonário da Ordem dos Advogados, datada de ( ), a Sra. Dra. ( ), Advogada, veio expor o que segue:

I. Por comunicação escrita dirigida ao Bastonário da Ordem dos Advogados, datada de ( ), a Sra. Dra. ( ), Advogada, veio expor o que segue: Processo de Parecer n.º 35/PP/2017-G Requerente: ( ) Relator: Dr. Pedro Costa Azevedo I. Por comunicação escrita dirigida ao Bastonário da Ordem dos Advogados, datada de ( ), a Sra. Dra. ( ), Advogada,

Leia mais

Diploma. Regulamenta vários aspetos do Procedimento Especial de Despejo. Portaria n.º 9/2013 de 10 de janeiro

Diploma. Regulamenta vários aspetos do Procedimento Especial de Despejo. Portaria n.º 9/2013 de 10 de janeiro Diploma Regulamenta vários aspetos do Procedimento Especial de Despejo Portaria n.º 9/2013 de 10 de janeiro A Lei n.º 31/2012, de 14 de agosto, retificada pela Declaração de Retificação n.º 59-A/2012,

Leia mais

Regulamento de Arbitragem. Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve

Regulamento de Arbitragem. Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Regulamento de Arbitragem Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Algarve Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico Artigo 1.º Objeto O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem de Conflitos

Leia mais

Deliberação Interpretação do regulamento de delegações

Deliberação Interpretação do regulamento de delegações Deliberação pública Deliberação 20140510.11.6 Interpretação do regulamento de delegações Tendo em consideração que: a) A Senhora Agente de Execução xxxx solicitou à Câmara dos Solicitadores (CS), em 25.03.2014,

Leia mais

PROPOSTA DO CONSELHO GERAL DE FIXAÇÃO DE QUOTIZAÇÃO PARA SOCIEDADES DE ADVOGADOS E DE CRIAÇÃO DO REGULAMENTO DE QUOTAS DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS

PROPOSTA DO CONSELHO GERAL DE FIXAÇÃO DE QUOTIZAÇÃO PARA SOCIEDADES DE ADVOGADOS E DE CRIAÇÃO DO REGULAMENTO DE QUOTAS DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS PROPOSTA DO CONSELHO GERAL DE FIXAÇÃO DE QUOTIZAÇÃO PARA SOCIEDADES DE ADVOGADOS E DE CRIAÇÃO DO REGULAMENTO DE QUOTAS DAS SOCIEDADES DE ADVOGADOS Aprovada em Sessão Plenária do Conselho Geral de 18 de

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL (14.ª Edição) Errata Código do Registo Predial 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL Errata BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Rua Fernandes Tomás, n.ºs 76, 78, 80 3000-167

Leia mais

PARECER SHS Notários Acesso ao Direito Inventário

PARECER SHS Notários Acesso ao Direito Inventário PARECER 02.2014 SHS 30.12.2014 Notários Acesso ao Direito Inventário 1 I. Apresentação 1. Conhecimento dos Factos Denunciados A 11 de Dezembro de 2014, foi reencaminhado pela Sra. Bastonária ao Observatório

Leia mais

REGULAMENTO DE CUSTAS NOS PROCESSOS DE ARBITRAGEM TRIBUTÁRIA

REGULAMENTO DE CUSTAS NOS PROCESSOS DE ARBITRAGEM TRIBUTÁRIA REGULAMENTO DE CUSTAS NOS PROCESSOS DE ARBITRAGEM TRIBUTÁRIA Artigo 1.º Âmbito e objecto O presente Regulamento e as Tabelas anexas que o integram estabelece as taxas de arbitragem aplicáveis nos processos

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS JURÍDICOS PRESTADOS AOS ASSOCIADOS DO STRN Conselho Directivo Regional do Sul e Ilhas. Artigo 1º (Princípios)

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS JURÍDICOS PRESTADOS AOS ASSOCIADOS DO STRN Conselho Directivo Regional do Sul e Ilhas. Artigo 1º (Princípios) REGULAMENTO DOS SERVIÇOS JURÍDICOS PRESTADOS AOS ASSOCIADOS DO STRN Conselho Directivo Regional do Sul e Ilhas Artigo 1º (Princípios) 1 - O apoio jurídico a associados deve ser articulado com a prossecução

Leia mais

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

Portaria n.º 279/2013, de 26 de Agosto (versão actualizada)

Portaria n.º 279/2013, de 26 de Agosto (versão actualizada) [ Nº de artigos:8 ] Portaria n.º 279/2013, de 26 de Agosto (versão actualizada) SUMÁRIO Altera as Portarias n.os 312/2009 e 313/2009, de 30 de março, e 202/2011, de 20 de maio, no âmbito do novo Código

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL

CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL (4.ª Edição) Actualização N.º 5 CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL Actualização N.º 5 Texto da Lei EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Avenida

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO PARA SOLICITADORES

REGULAMENTO DO ESTÁGIO PARA SOLICITADORES NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do artigo 41.º do Estatuto da Câmara dos Solicitadores (ECS) compete ao conselho geral organizar, regulamentar e orientar o estágio dos solicitadores estagiários, devendo

Leia mais

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 1º CICLO MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 1º CICLO MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL ESCOLAR 1º CICLO MANUAIS ESCOLARES Divisão de Educação e Promoção Social Ano Letivo 2014/2015 Regulamento Municipal para atribuição de Auxílios Económicos relativos a manuais escolares,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS. Regulamento n.º 25/2016 (Série II), de 23 de dezembro de 2015

ORDEM DOS ADVOGADOS. Regulamento n.º 25/2016 (Série II), de 23 de dezembro de 2015 Regulamento n.º 25/2016 (Série II), de 23 de dezembro de 2015 / Ordem dos Advogados. - ao abrigo do disposto na alínea d), do n.º 2, do artigo 33.º do Estatuto da Ordem dos Advogados (EOA), aprovado pela

Leia mais

CORRECÇÃO DIREITO E PROCESSO CIVIL ESTÁGIO 2011/2012 JULHO DE 2012

CORRECÇÃO DIREITO E PROCESSO CIVIL ESTÁGIO 2011/2012 JULHO DE 2012 CORRECÇÃO DIREITO E PROCESSO CIVIL ESTÁGIO 2011/2012 JULHO DE 2012 A presente grelha de correção é feita de forma sucinta, indicando o que de essencial deve ser referido pelo aluno estagiário. Cotação

Leia mais

JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009

JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009 I Série Número 96 Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DA EDUCAÇÃO E CULTURA E DO PLANO E FINANÇAS Portaria n.º 119/2009 Fixa as

Leia mais

Regime da Promoção Electrónica de Actos de Registo Comercial e cria a Certidão Permanente

Regime da Promoção Electrónica de Actos de Registo Comercial e cria a Certidão Permanente CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Regime da Promoção Electrónica de Actos de Registo Comercial e cria a Certidão Permanente Todos os direitos reservados

Leia mais

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I

MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I MODELO DE GOVERNAÇÃO ANEXO I Modelo de Governação do Fundo para a Modernização da Justiça ENQUADRAMENTO O Fundo para a Modernização da Justiça (FMJ) foi criado pelo artigo 167.º da Lei n.º 55/2010, de

Leia mais

CÂMAI~ MUNICIPAL DE MAFRA CONDIÇÕES GERAIS PARA ALIENAÇÃO, EM HASTA PÚBLICA, DE MATERIAIS DIVERSOS, CONSIDERADOS COMO SUCATA

CÂMAI~ MUNICIPAL DE MAFRA CONDIÇÕES GERAIS PARA ALIENAÇÃO, EM HASTA PÚBLICA, DE MATERIAIS DIVERSOS, CONSIDERADOS COMO SUCATA CÂMAI~ MUNICIPAL DE MAFRA CONDIÇÕES GERAIS PARA ALIENAÇÃO, EM HASTA PÚBLICA, DE MATERIAIS DIVERSOS, CONSIDERADOS COMO SUCATA CONDIÇÕES GERAIS PARA ALIENAÇÃO POR HASTA PÚBLICA CÂMAlt~ MUNICIPAL DE MAFRA

Leia mais

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos REGULAMENTO Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos Aprovação Câmara Municipal: 02-05-2016 Assembleia Municipal: 27-06-2016 REGULAMENTO DO GABINETE DE CONSULTA

Leia mais

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas EXPROPRIAÇÕES Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública Orientações técnicas 2016 1 Introdução A declaração de utilidade pública da expropriação dos bens imóveis e direitos a eles inerentes

Leia mais

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro

DECRETO N.º 24/XIII. Regime aplicável ao património da Casa do Douro DECRETO N.º 24/XIII Regime aplicável ao património da Casa do Douro A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Secção I Disposições gerais Artigo

Leia mais

Diploma. Regula o regime da promoção electrónica de actos de registo comercial e cria a certidão permanente

Diploma. Regula o regime da promoção electrónica de actos de registo comercial e cria a certidão permanente Diploma Regula o regime da promoção electrónica de actos de registo comercial e cria a certidão permanente O Decreto-Lei n.º 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto conjunto de medidas de simplificação

Leia mais

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa:

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa: Acórdãos TRL Processo: 258/14.8TBPDL.L1 6 Relator: ANABELA CALAFATE Descritores: ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA REMUNERAÇÃO Nº do Documento: RL Data do Acordão: 02 07 2015 Votação: UNANIMIDADE Texto Integral:

Leia mais

Diploma. Altera o Decreto-Lei n.º 55/97, de 8 de Março, que cria os centros de formalidades das empresas. Decreto-Lei n.º 78-A/98 de 31 de Março

Diploma. Altera o Decreto-Lei n.º 55/97, de 8 de Março, que cria os centros de formalidades das empresas. Decreto-Lei n.º 78-A/98 de 31 de Março Diploma Altera o Decreto-Lei n.º 55/97, de 8 de Março, que cria os centros de formalidades das empresas Decreto-Lei n.º 78-A/98 de 31 de Março Com a criação, a título experimental, dos Centros de Formalidades

Leia mais

Decreto Regulamentar nº 14/81 de 7 de Abril

Decreto Regulamentar nº 14/81 de 7 de Abril Decreto Regulamentar nº 14/81 de 7 de Abril Subsídio de Educação Especial Reconhecendo que as crianças e os jovens diminuídos, física, mental ou socialmente, devem receber tratamento, educação e cuidados

Leia mais

TARIFÁRIOS ESPECIAIS i (Tarifa a aplicar e Condições de Acesso)

TARIFÁRIOS ESPECIAIS i (Tarifa a aplicar e Condições de Acesso) Página 1 de 5 TARIFÁRIOS ESPECIAIS i (Tarifa a aplicar e Condições de Acesso) TARIFA A APLICAR a. Tarifa Social para utilizadores domésticos Isenção da Tarifa Fixa para os serviços de Abastecimento Público

Leia mais

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A actividade fiscalizadora do agente de execução 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A Fiscalização através de meios informáticos A Fiscalização através de meios informáticos

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Restituição de Contribuições e de Quotizações

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Restituição de Contribuições e de Quotizações Restituição de Contribuições e de Quotizações Ficha Técnica Título Autor de Segurança Social Restituição de Contribuições e de Quotizações Conceção gráfica Edição Direção de Serviços de Instrumentos de

Leia mais

O Regulamento n.º 668-A/2015, publicado no Diário da República, s.2, n.º 194 (1.º suplemento), de 5 de Outubro de ORDEM DOS ADVOGADOS

O Regulamento n.º 668-A/2015, publicado no Diário da República, s.2, n.º 194 (1.º suplemento), de 5 de Outubro de ORDEM DOS ADVOGADOS O Regulamento n.º 668-A/2015, publicado no Diário da República, s.2, n.º 194 (1.º suplemento), de 5 de Outubro de 2015. ORDEM DOS ADVOGADOS Regulamento n.º668-a / 2015 Por deliberação do plenário do Conselho

Leia mais

Regulamento do Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Regulamento do Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco Regulamento do Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco Artigo 1º Natureza O Programa de Apoio Social Extraordinário do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) é uma

Leia mais

ANEXO II ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO GRUPO DE GESTÃO DA CPEE

ANEXO II ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO GRUPO DE GESTÃO DA CPEE ANEXO II ORDENS DE TRABALHO DAS REUNIÕES DO GRUPO DE GESTÃO DA CPEE Durante o ano de 2009, nas 25 (vinte e cinco) reuniões de Grupo de Gestão da CPEE os assuntos abordados e as matérias alvo de deliberação

Leia mais

Novo Código de Processo Civil, 3.ª Edição Col. Legislação

Novo Código de Processo Civil, 3.ª Edição Col. Legislação COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online orquê as atualizações aos livros da COLEÇÃO LEGISLAÇÃO? No panorama legislativo nacional é frequente a publicação de novos diplomas legais que, regularmente, alteram

Leia mais

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras Regulamento de Assistência Jurídica Capítulo I Disposições gerais e preliminares Artigo 1.º 1. O presente Regulamento visa regular o direito à assistência jurídica dos Associados do SCIF. 2. O SCIF garante,

Leia mais

Publicação dos Documentos de Prestação de Contas das Empresas de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 04/2005-R, de 28 de Fevereiro

Publicação dos Documentos de Prestação de Contas das Empresas de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 04/2005-R, de 28 de Fevereiro Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da Republica NORMA REGULAMENTAR N.º 3/2008-R, DE 6 DE MARÇO Publicação dos Documentos de Prestação de Contas das Empresas de Seguros Alteração

Leia mais

Regulamento das Custas Processuais ADENDA

Regulamento das Custas Processuais ADENDA DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Regulamento das Custas Processuais 2013 9ª EDIÇÃO ALTERAÇÕES ADENDA I O Regulamento alterado pelo Decreto-Lei nº 126/2013, de 30 de agosto 1. Página 109, artigo

Leia mais

COMENTÁRIOS DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS AO PROJETO DE ESTATUTOS

COMENTÁRIOS DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS AO PROJETO DE ESTATUTOS COMENTÁRIOS DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS AO PROJETO DE ESTATUTOS Relativamente aos comentários e alterações efetuados ao projeto de Estatutos da Ordem dos ROC apresentamse os seguintes comentários

Leia mais

DESPACHO N.º 78/2016. Inscrições para a Licenciatura (Ano letivo 2016/2017)

DESPACHO N.º 78/2016. Inscrições para a Licenciatura (Ano letivo 2016/2017) DESPACHO N.º 78/2016 Inscrições para a Licenciatura (Ano letivo 2016/2017) 1. REALIZAÇÃO DA INSCRIÇÃO 1.1. Os alunos do Curso de Licenciatura em Direito que tenham estado inscritos no ano letivo 2015/2016,

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 4/2016. Taxas

Regulamento da CMVM n.º 4/2016. Taxas Regulamento da CMVM n.º 4/2016 Taxas Os Estatutos da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, aprovados pelo Decreto- Lei n.º 5/2015, de 8 de janeiro (Estatutos), preveem um regime que determina que

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO NACIONAL DE INFORMAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO

REGULAMENTO DO CENTRO NACIONAL DE INFORMAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO REGULAMENTO DO CENTRO NACIONAL DE INFORMAÇÃO E ARBITRAGEM DE CONFLITOS DE CONSUMO CAPÍTULO I Objeto, natureza e atuação supletiva Artigo 1.º Objeto O Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

Lei n.º 3/2009, de 13 de Janeiro. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Lei n.º 3/2009, de 13 de Janeiro. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 3/2009, de 13 de Janeiro Regula os efeitos jurídicos dos períodos de prestação de serviço militar de antigos combatentes para efeitos de atribuição dos benefícios previstos nas Leis n. os 9/2002,

Leia mais

Portaria n.º 9/2013, de 10 de janeiro

Portaria n.º 9/2013, de 10 de janeiro Portaria n.º 9/2013, de 10 de janeiro Regulamenta vários aspetos do Procedimento Especial de Despejo A Lei n.º 31/2012, de 14 de agosto, retificada pela Declaração de Retificação n.º 59-A/2012, de 12 de

Leia mais

Aula Demonstrativa DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Prof. Aloizio Medeiros

Aula Demonstrativa DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Prof. Aloizio Medeiros Aula Demonstrativa DIREITO PROCESSUAL CIVIL Prof. Aloizio Medeiros CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ATOS DE OFÍCIO TJ MG DIREITO PROCESSUAL CIVIL 1. Processos: conceito, espécies, =pos de procedimento; distribuição,

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

Respostas às perguntas mais frequentes sobre conversão de valores mobiliários ao portador

Respostas às perguntas mais frequentes sobre conversão de valores mobiliários ao portador Respostas às perguntas mais frequentes sobre conversão de valores mobiliários ao portador O presente documento destina-se a esclarecer algumas dúvidas relacionadas com a aplicação do Decreto-Lei n.º 123/2017,

Leia mais

Sumário PUBLICAÇÃO DOS EDITAIS: - 76/2012; - 78/2012; - 80/2012; - 81/2012-

Sumário PUBLICAÇÃO DOS EDITAIS: - 76/2012; - 78/2012; - 80/2012; - 81/2012- 27.02.2012 Sumário PUBLICAÇÃO DOS EDITAIS: - 76/2012; - 78/2012; - 80/2012; - 81/2012- EDITAL Nº 76/2012 Assunto: Delegação e Subdelegação de competências nos Dirigentes Municipais ALEXANDRE NUNO DE AGUIAR

Leia mais

Regulamento do Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto. Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico. Artigo 1.

Regulamento do Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto. Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico. Artigo 1. Regulamento do Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto Capítulo 1 Objeto, natureza e âmbito geográfico Artigo 1.º Objeto O Centro de Informação de Consumo e Arbitragem do Porto/Tribunal Arbitral

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS E PREÇOS DE MUNICÍPIO DE BEJA (aprovado pela Câmara Municipal de Beja em )

REGULAMENTO DE TARIFAS E PREÇOS DE MUNICÍPIO DE BEJA (aprovado pela Câmara Municipal de Beja em ) PREÂMBULO REGULAMENTO DE TARIFAS E PREÇOS DE MUNICÍPIO DE BEJA (aprovado pela Câmara Municipal de Beja em 27-11- 2011) A presente Tabela de Tarifas e Preços do Município de Beja e respectivo regulamento

Leia mais

ANEXO III DADOS ESTATÍSTICOS DA CPEE

ANEXO III DADOS ESTATÍSTICOS DA CPEE ANEXO III DADOS ESTATÍSTICOS DA CPEE I. PARTICIPAÇÕES.) ANO DE 009 No período compreendido entre 3 de Março e 3 de Dezembro de 009, foram recebidas pela CPEE 7 (setenta e uma) participações/queixas. 0

Leia mais

REGIME JURÍDICO DA ARBITRAGEM SOCIETÁRIA. Artigo 1.º. (Objeto)

REGIME JURÍDICO DA ARBITRAGEM SOCIETÁRIA. Artigo 1.º. (Objeto) REGIME JURÍDICO DA ARBITRAGEM SOCIETÁRIA Artigo 1.º (Objeto) 1 O presente diploma estabelece o regime aplicável à resolução de litígios em matéria societária com recurso à arbitragem. 2 Podem ser submetidos

Leia mais

I - REPRESENTAÇÃO, AUTENTICAÇÃO E RECONHECIMENTOS II CONTRATOS EM ESPECIAL (1)

I - REPRESENTAÇÃO, AUTENTICAÇÃO E RECONHECIMENTOS II CONTRATOS EM ESPECIAL (1) ACTOS NOTARIAIS - EM ESPECIAL: TITULAÇÃO E AUTENTICAÇÃO DE ACTOS POR ADVOGADOS. uma perspectiva prática que permite implementar métodos e procedimentos no escritório I - REPRESENTAÇÃO, AUTENTICAÇÃO E RECONHECIMENTOS

Leia mais

Novo Código de Processo Civil Edição Académica, 4.ª Edição Col. Legislação

Novo Código de Processo Civil Edição Académica, 4.ª Edição Col. Legislação COLEÇÃO LEGISLAÇÃO Atualizações Online orquê as atualizações aos livros da COLEÇÃO LEGISLAÇÃO? No panorama legislativo nacional é frequente a publicação de novos diplomas legais que, regularmente, alteram

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM

CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM Escola Superior de Tecnologia e Gestão Departamento de Ciências Jurídicas CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM PRÁTICA NOTARIAL Instituto Politécnico de Leiria Índice 1. Descrição geral...3 1.1. Designação do

Leia mais

Lei n.º 46/2011 de 24 de Junho

Lei n.º 46/2011 de 24 de Junho Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Lei n.º 46/2011 de 24 de Junho Cria o tribunal de competência especializada para propriedade intelectual e o tribunal de competência

Leia mais

PROCESSOS DISCIPLINARES DOS AGENTES DE EXECUÇÃO

PROCESSOS DISCIPLINARES DOS AGENTES DE EXECUÇÃO ANEXO XII DADOS ESTATÍSTICOS DO GRUPO DE GESTÃO DA COMISSÃO PARA A EFICÁCIA DAS EXECUÇÕES: PROCESSOS DISCIPLINARES DOS AGENTES DE EXECUÇÃO PROCESSOS DISCIPLINARES 40 0 04 00 0 0 40 0 0 009 00 0 0 FIG.

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Proposta de Lei nº 310/XII/4ª (Aprova o Estatuto da Ordem dos Notários e altera o Estatuto do Notariado aprovado pelo Decreto-Lei 26/2004, de 4 de Fevereiro) A Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos,

Leia mais

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2016 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2016

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2016 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2016 RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2016 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2016 1- ATOS DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS VALORES EM R$ ATO VALORES TOTAL BUSCA (POR PERÍODO

Leia mais

PROCEDIMENTOS P/CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES EMERGENTES DE CONTRATOS. INJUNÇÃO

PROCEDIMENTOS P/CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES EMERGENTES DE CONTRATOS. INJUNÇÃO ( Até às alterações do DL n.º 34/2008, de 26 de Fevereiro) PROCEDIMENTOS P/CUMPRIMENTO DE OBRIGAÇÕES EMERGENTES DE CONTRATOS. INJUNÇÃO Artigo 1.º Procedimentos especiais É aprovado o regime dos procedimentos

Leia mais

Objeto Alteração ao Decreto-Lei n.º 209/2005, de 29 de novembro

Objeto Alteração ao Decreto-Lei n.º 209/2005, de 29 de novembro O Decreto-Lei n.º 209/2005, de 29 de novembro criou o regime sancionatório aplicável à violação das obrigações contidas no Regulamento (CE) n.º 261/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de fevereiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA N. o 8 10 de Janeiro de 2002 DIÁRIO DA REPÚBLICA ISÉRIE-B 175 Artigo 17. o Controlo e fiscalização Sem prejuízo de outros mecanismos que venham a ser adoptados, o controlo e a fiscalização serão assegurados

Leia mais

A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração Pública. Juiz Conselheiro Castro Martins ( CADA )

A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração Pública. Juiz Conselheiro Castro Martins ( CADA ) Informação do Sector Público: Acesso, reutilização e comercialização 24 de Novembro de 2004 Representação da Comissão Europeia em Portugal A Informação do Sector Público O acesso aos documentos da Administração

Leia mais

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento Parecer P.º C. C. 73/2012 SJC-CT (Anexo IV) ASSUNTO: Dúvidas Emolumentares decorrentes das alterações introduzidas ao Regulamento Emolumentar dos Registos e do Notariado pelo Decreto-Lei n.º 209/2012,

Leia mais

Minuta CONTRATO PROMESSA COMPRA E VENDA

Minuta CONTRATO PROMESSA COMPRA E VENDA Entre: ANEXO II DO PROCEDIMENTO 02/IPP/2017 Minuta CONTRATO PROMESSA COMPRA E VENDA PRIMEIRA Infraestruturas de Portugal, S.A., matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o número

Leia mais