Linha de Crédito Investe QREN. Apresentação a clientes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linha de Crédito Investe QREN. Apresentação a clientes"

Transcrição

1 Linha de Crédito Investe QREN Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua Apresentação a clientes UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

2 Enquadramento Pretende-se com esta Linha beneficiar as empresas com projectos aprovados no âmbito dos Sistemas de Incentivos do QREN, e entidades beneficiárias do Sistema de Apoios a Ações Coletivas (SIAC), que tenham operações aprovadas no âmbito dos sistemas de incentivos QREN ou do SIAC, não concluídas. As empresas com projetos aprovados no âmbito dos sistemas de incentivos do Continente deverão aceder à informação para acesso à Linha de Crédito Investe QREN em: No menu de entrada utilizarão o utilizador e password do seu projeto. Nota: Para SIAC e projetos da Madeira a informação será disponibilizada pelo IFDR e Para projetos dos Açores a informação será disponibilizada pelo Programa Operacional da Região. Podem consultar mais informações no Guia Investe QREN COMPETE Montante global de M Origem do capital: 500 M provêm do empréstimo quadro (QREN EQ) celebrado entre o Estado Português e o BEI 500 M serão assegurados pela Banca Valor a financiar subdividido da seguinte forma 714M - Linha COMPETE (Linha Geral) 286M - Linhas Específicas (100M Linha Jovem ; 100M Linha Valorizar; 21M Açores ; 28 M Madeira ; 29M - Lisboa ; 8M Algarve ). 2.

3 Beneficiários e Tipos de Operação Beneficiários Empresas beneficiárias dos sistemas de incentivos QREN e entidades beneficiárias do Sistema de Apoios a Ações Coletivas (SIAC), designadamente empresas públicas com competências específicas em políticas públicas no domínio empresarial, associações que com aquelas primeiras tenham estabelecido parcerias para a prossecução de políticas públicas, associações empresariais e centros tecnológicos, que tenham operações aprovadas no âmbito dos sistemas de incentivos QREN ou do SIAC, não concluídas. Exclui-se empresas que: Se encontrem em situação de dificuldade ou reúnam as condições para serem objeto de um processo de insolvência; Tenham incidentes não justificados ou incumprimentos junto da Banca e da SGM, ou registando incidentes os mesmos deverão estar justificados ou regularizados na data da aprovação da garantia mútua e na data de emissão dos contratos; Não tenham a situação regularizada junto da Administração Fiscal e da Segurança Social à data da contratação do financiamento; Sejam objeto de processos de recuperação de montantes indevidamente pagos no âmbito do QREN, em situação de incumprimento. Tipos de Operações Empréstimos de M/LP Leasing Mobiliário e Imobiliário. 3.

4 Condições Especificas Montante Máximo de Financiamento por Empresa Prazo Prazo de Utilização Máximo Carência de Capital Reembolso Limite de Garantia Mútua Comissão de Garantia Mútua Spreads e Taxa de Juro Pagamento de Juros 4 M (50% recursos QREN EQ; 50% recursos do Banco) Fixo em 6, 7 ou 8 anos Até 1 ano (máximo de 4 utilizações), à medida da execução dos projetos a financiar, com a indicação dos meses em que vão ocorrer as utilizações. Nota: o mês zero 0 corresponde ao mês contrato. A disponibilização de fundos será efetuada no último dia útil de cada mês. 2 Anos (fixo) Prestações constantes, iguais, trimestrais e postecipadas Cobertura 50% do capital em dívida assegurado com recursos do Banco Cobertura 50% do capital em dívida assegurado com recursos do QREN EQ PMEs há participação da SGM - comissão integralmente bonificada. Não PMEs ou entidades públicas candidadatas ao SIAC (Sistema de Apoios a Ações Coletivas ) - não há participação da SGM Nota: Comissão a cobrar trimestral e antecipadamente pela SGM De acordo com a tabela de spreads e taxa de juro (slide seguinte) Postecipados e trimestrais. Juros integralmente suportados pelas empresas. Nota: Enquadramento sujeito ao regime comunitário de auxílios de minimis.. 4.

5 Condições Especificas (spreads e taxas de juro) CUSTOS PARA AS EMPRESAS SPREADS E TAXAS DE JURO Novas condições em vigor a partir de 22 Julho 2013 * ** * Considerando 50% do capital em dívida coberto por Garantia SGM ** Custo a que o Estado obteve o financiamento do BEI REGRAS DE EXCEÇÃO 1.Empresa sem um ano completo de actividade é classificada como escalão C. 2.Empresa com EBITDA negativo é enquadrável como escalão C. 3.Empresa com Net Debt (ND) negativo é classificada no escalão resultante da aplicação do rácio de autonomia financeira (AF).. 5.

6 Operações Elegíveis e Não Elegíveis Elegíveis Operações aprovadas no âmbito dos sistemas de incentivos QREN ou do SIAC e cofinanciadas pelo FEDER visando-se, com financiamento, assegurar: a contrapartida nacional privada associada à realização do projeto de investimento; os custos não elegíveis a cofinanciamento, associados à realização do projeto de investimento (aplicável unicamente às empresas com projetos aprovados no âmbito do sistema de incentivos QREN); o fundo de maneio necessário à realização do projeto de investimento (aplicável unicamente às empresas com projetos aprovados no âmbito do sistema de incentivos QREN, até ao valor máximo correspondente a um mês médio de vendas no primeiro ano de cruzeiro do projeto; as operações devem observar os critérios específicos de elegibilidade definidos neste protocolo. Não Elegíveis Que se destinem à reestruturação financeira e/ou impliquem a consolidação de crédito vivo; Que se destinem a liquidar ou substituir de forma direta ou indireta, ainda que em condições diversas, financiamentos anteriormente acordados com o Banco; Que Beneficiem de outro empréstimo BEI; Que à data de 16 de Dezembro de 2011, registavam uma realização igual ou superior a 40%, de acordo com os elementos de informação contidos na Monitorização Operacional e Financeira do QREN.. 6.

7 Outras Condições Cúmulo de Operações: No caso da Linha Específica Jovem e da Linha Específica Valorizar apenas será permitido às entidades beneficiárias solicitar o enquadramento de uma operação ao abrigo da mesma, não o devendo fazer simultaneamente junto de mais do que um Banco. No entanto, uma vez recusado o pedido pelo Banco ou anulado formalmente pela empresa, o pedido ao Banco anteriormente contactado, poderá esta solicitar o enquadramento da operação a outra Instituição de Crédito. As entidades beneficiárias poderão apresentar, através da mesma Instituição de Crédito, mais do que uma operação na Linha Específica Geral, desde que as operações em apreço se reportem a diferentes operações aprovadas no âmbito do QREN. Comissões, Encargos e Custos: As operações ao abrigo da presente Linha ficarão isentas de comissões e taxas habitualmente praticadas pelo Banco, bem como de outras similares praticadas pelo Sistema de Garantia Mútua, sem prejuízo de serem suportados pela empresa beneficiária todos os custos e encargos, associados à contratação do financiamento, designadamente os associados a avaliação de imóveis, registos e escrituras, impostos ou taxas, e outras despesas similares. 7.

8 Outras Condições Os financiamentos concedidos não poderão ser alterados, designadamente quanto ao prazo e condições de reembolso, sob pena de perda da bonificação da comissão de garantia. Excepcionam-se as operações em que o valor do cofinanciamento do FEDER seja alterado; É permitido o reembolso antecipado (total ou parcial, neste último caso, cumprindo-se o principio da paridade na amortização de ambas as componentes do financiamento) do capital mutuado, não sendo cobrada qualquer comissão de amortização antecipada bem como a reestruturação de operações, por acordo entre a empresa, o Banco, a SGM e o IFDR; A candidatura ao BEI será enviada pelo IFDR e por indicação da EGL (SPGM); Se a operação de financiamento não for aprovada pelo BEI, os recursos do QREN EQ são substituídos por recursos próprios do banco e transferidos para a conta da Linha, junto do IFDR no prazo de 5 dias úteis, mantendo-se as restantes condições da operação de crédito; A empresa deve fornecer ao Banco a informação sobre as rubricas do investimentos que visa financiar com as utilizações solicitadas. Isto é, a empresa/entidade deve entregar ao Banco um mapa resumo com a identificação dos investimentos a realizar com os recursos financeiros do INVESTE QREN. Em sede de auditoria a empresa terá de apresentar documentos justificativos do investimento. Se a empresa registar situações prévias de incumprimento os spreads e comissões de garantia serão agravados para os valores máximos constantes da Tabela anexa, acrescidos de 0,25%. No caso de se registarem alterações aos valores e datas dos desembolsos estipulados inicialmente, a empresa pode solicitar ao Banco um pedido de alteração devidamente fundamentado, devendo o Banco dar conhecimento ao IFDR e Entidade Gestora da Linha, no prazo de 5 du.. 8.

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha)

Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito PME CRESCIMENTO 2014 (Condições da Linha) Linha de Crédito Bonificada com Garantia Mútua (atualizado a 30 de abril de 2014) UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Enquadramento

Leia mais

ENQUADRAMENTO E SÍNTESE

ENQUADRAMENTO E SÍNTESE LINHA CAPITALIZAR 2017 2017 ENQUADRAMENTO E SÍNTESE LINHA CAPITALIZAR 2017 Linha de crédito bonificada com Garantia Mútua, gerida pela PME Investimentos, destinada a Micro, Pequenas, Médias e Grandes Empresas

Leia mais

Linha de Crédito CAPITALIZAR

Linha de Crédito CAPITALIZAR A Linha de Crédito Capitalizar é uma Linha de Crédito Protocolado disponibilizada pelo Banco BIC para as empresas poderem aceder a crédito bancário em condições mais favoráveis que lhes permita prosseguir

Leia mais

PME INVESTE CRESCIMENTO GERAL

PME INVESTE CRESCIMENTO GERAL PME INVESTE CRESCIMENTO GERAL INFORMAÇÃO SINTETIZADA OBJETO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização do risco das operações

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Geral

PME Investe VI. Linha de Crédito Geral PME Investe VI Linha de Crédito Geral Montante da Linha de Crédito 900 Milhões de euros, sendo o montante a tomar pelo Banco definido em função da ordem de entrada das operações por si propostas no âmbito

Leia mais

INSTRUMENTOS DE APOIO ÀS EMPRESAS. Linha de Crédito PME Investe V

INSTRUMENTOS DE APOIO ÀS EMPRESAS. Linha de Crédito PME Investe V INSTRUMENTOS DE APOIO ÀS EMPRESAS Linha de Crédito PME Investe V Linhas Geral Outras Empresas Micro e Pequenas Empresas Montante global 500 M (Limite 1.400 M ) 250 M (Limite 600 M ) Montante máximo por

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe I

Linha de Crédito PME Investe I Linha de Crédito PME Investe I Condições e processo de candidatura (o presente documento identifica as principais características da Linha de Crédito PME Investe I detalhadas no documento anexo Condições

Leia mais

Estratégia para a Aceleração da Execução de Projectos Empresariais LINHA DE CRÉDITO QREN INVESTE

Estratégia para a Aceleração da Execução de Projectos Empresariais LINHA DE CRÉDITO QREN INVESTE Estratégia para a Aceleração da Execução de Projectos Empresariais LINHA DE CRÉDITO QREN INVESTE Objectivo Objectivo Facilitar o acesso ao crédito a empresas com projectos aprovados no âmbito dos Sistemas

Leia mais

Linha de Microcrédito (FINICIA II)

Linha de Microcrédito (FINICIA II) Linha de Microcrédito (FINICIA II) 2016 ENQUADRAMENTO E SÍNTESE Linha de Microcrédito Linha criada pelo Banco BPI e pelas Sociedades de Garantia Mútua (SGM) no âmbito do Programa FINICIA II do IAPMEI,

Leia mais

LINHA CRÉDITO SUINICULTURA E LEITE. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação v.1.0-

LINHA CRÉDITO SUINICULTURA E LEITE. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação v.1.0- LINHA CRÉDITO SUINICULTURA E LEITE Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação v.1.0- 1. Montante da Linha: até 20 milhões de euros, divididos por linhas específicas: - Linha Especifica-Tesouraria

Leia mais

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO)

PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO) Condições de Acesso (Portaria n.º 985/2009 de 4 de Setembro) 0 PAECPE (PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO

Leia mais

Powered by IFD PME CRESCIMENTO 2015

Powered by IFD PME CRESCIMENTO 2015 PME CRESCIMENTO 2015 ÍNDICE Condições Gerais da Linha de Crédito Condições Gerais das Linhas Específicas.. Operações de Crédito. 3 4 5 2 CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO Beneficiárias Pequenas e Médias

Leia mais

Linha de Crédito Capitalizar Versão v.2

Linha de Crédito Capitalizar Versão v.2 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Linha de Crédito Capitalizar Versão v.2

Linha de Crédito Capitalizar Versão v.2 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Linhas de Apoio ao Investimento. e à Exportação. Millennium bcp

Linhas de Apoio ao Investimento. e à Exportação. Millennium bcp Linhas de Apoio ao Investimento e à Exportação Millennium bcp Junho 2010 1 Linha PME Investe VI Junho 2010 2 I. Principais Características (preliminares) Linha Geral 900 Milhões de euros Linha das Micro

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.2

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.2 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições da Linha, Processo de Candidatura e de Decisão - Versão 3-10 de julho de 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I Condições Gerais...3 CAPÍTULO II Processo de Candidatura...10 CAPÍTULO

Leia mais

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA APOIO AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS A Norgarante é uma Sociedade de Garantia Mútua que: Apoia Micro, Pequenas e Médias Empresas da zona Norte e Centro Norte

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO SOCIAL INVESTE

LINHA DE CRÉDITO SOCIAL INVESTE LINHA DE CRÉDITO SOCIAL INVESTE Condições Gerais da Linha Documento de Divulgação 31 de Maio 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I Condições Gerais... 3 CAPÍTULO II Processo de Candidatura... 7 CAPÍTULO III Outras Informações...

Leia mais

Linha de Crédito e Garantias QREN INVESTE V.2

Linha de Crédito e Garantias QREN INVESTE V.2 V.2 Redução de Spread de Operações Contratadas A partir de agosto de 2013, passa a ser possível a redução do spread de operações contratadas ao abrigo da Linha de Crédito e Garantias QREN Investe, sujeita

Leia mais

Linha de Crédito Capitalizar Versão v.2

Linha de Crédito Capitalizar Versão v.2 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e do Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) que: 1. Tenham

Leia mais

Linha de Crédito Garantida para minimização dos efeitos da. Seca 2017 Alimentação Animal. Documento de Divulgação Versão.1

Linha de Crédito Garantida para minimização dos efeitos da. Seca 2017 Alimentação Animal. Documento de Divulgação Versão.1 Linha de Crédito Garantida para minimização dos efeitos da Seca 2017 Alimentação Animal Documento de Divulgação Versão.1 I - CONDIÇÕES GERAIS 1. Beneficiários: Micro, Pequena e Médias Empresas (MPME),

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema de Apoio a Ações Coletivas

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL Perguntas Frequentes

LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL Perguntas Frequentes LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD 2016-2020 PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL 2020 Perguntas Frequentes Linha de Crédito com Garantia Mútua, IFD 2016-2020 Programa Capitalizar Portugal 2020 PERGUNTAS

Leia mais

Financiamento e Capitalização de PME

Financiamento e Capitalização de PME Financiamento e Capitalização de PME APCMC Associação Portuguesa dos Comerciais de Materiais de Construção Porto, 24 de outubro de 2017 ÍNDICE 1. Projeto IFD 1.1 Financiamento às PME c/ Fundos Europeus

Leia mais

Linha Apoio à Qualificação da Oferta 2017 Turismo de Portugal

Linha Apoio à Qualificação da Oferta 2017 Turismo de Portugal Linha Apoio à Qualificação da Oferta 2017 Turismo de Portugal 2017 ENQUADRAMENTO E SÍNTESE No âmbito do protocolo assinado em Março de 2016 entre o Turismo de Portugal (TP) e o BPI, foi disponibilizada

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) Outras condições Empréstimos a taxa variável 1. Conta Corrente Conta Corrente 2. Linha IFAP - Campanha / Curto

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) Outras condições Empréstimos a taxa variável 1. Conta Corrente Conta Corrente 2. Linha Protocolo SAFIAGRI -

Leia mais

Linha de Crédito Capitalizar Versão v.2

Linha de Crédito Capitalizar Versão v.2 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) Outras condições Empréstimos a taxa variável 1. Conta Corrente Conta Corrente 2. Linha Protocolo SAFIAGRI -

Leia mais

Financiamento e Empreendedorismo Cultural

Financiamento e Empreendedorismo Cultural Financiamento e Empreendedorismo Cultural Instrumentos e Soluções de Investimento Porto, 2 de Julho 2009 Financiamento e Empreendedorismo Cultural 1 Programa Financiamentos ao Sector Cultural Soluções

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) Outras condições 1. Conta Corrente Conta Corrente 2. Linha IFAP - Campanha / Curto Prazo spread 5,000% a 14,800%

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL Perguntas Frequentes

LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL Perguntas Frequentes LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD 2016-2020 PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL 2020 Perguntas Frequentes Linha de Crédito com Garantia Mútua, IFD 2016-2020 Programa Capitalizar Portugal 2020 PERGUNTAS

Leia mais

MISSÃO DO GRUPO. O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local.

MISSÃO DO GRUPO. O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local. MISSÃO DO GRUPO O Grupo Crédito Agrícola é um motor de desenvolvimento local. Conhecedor profundo do tecido empresarial das várias regiões onde actua, oferece as melhores soluções para as expectativas

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e s conexos Crédito Habitação Valor Anual iniciais 1. Comissão de Dossier 260,00 2. Comissão de Formalização Contratual Modalidade de Estrangeiros não Residentes Em % Euros (Mín/Máx)

Leia mais

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. BENEFICIÁRIOS E PROJECTOS ELEGÍVEIS 3. TIPO DE DESPESAS 4. INVESTIMENTOS ELEGÍVEIS 5. SUMÁRIO DAS CARACTERÍSTICAS DA LINHA 6. VANTAGENS PARA

Leia mais

O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS TURÍSTICAS. Linha de Apoio à Qualificação da Oferta

O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS TURÍSTICAS. Linha de Apoio à Qualificação da Oferta O FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS TURÍSTICAS Linha de Apoio à Qualificação da Oferta CENTRO O Financiamento da Atividade Turística LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA 23 Maio 2017 Miguel Mendes Beneficiários

Leia mais

Apresentação a clientes. Parceiros Estratégicos:

Apresentação a clientes. Parceiros Estratégicos: Apresentação a clientes Parceiros Estratégicos: Com o objectivo de garantir a sustentabilidade do seu negócio, o Banco Espírito Santo desenvolveu as Soluções BES Agricultura que lhe apresentam a oferta

Leia mais

Protocolo Bancário BES/Turismo de Portugal (Linha de Apoio à Qualificação da Oferta) Apresentação a clientes

Protocolo Bancário BES/Turismo de Portugal (Linha de Apoio à Qualificação da Oferta) Apresentação a clientes Protocolo Bancário BES/Turismo de Portugal (Linha de Apoio à Qualificação da Oferta) Apresentação a clientes Gestão da Poupança Linha de crédito para apoio à Qualificação da Oferta (1/6) Beneficiários

Leia mais

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídos todos os valores representativos do conjunto da actividade creditícia, as aplicações em títulos que não sejam imobilizações financeiras

Leia mais

Financiamento da contrapartida nacional a projectos QREN

Financiamento da contrapartida nacional a projectos QREN QREN Empréstimo-Quadro Financiamento da contrapartida nacional bjectivoסּ O Empréstimo-Quadro QREN EQ financia a contrapartida nacional em projectos QREN, co-financiados por FEDER ou Fundo de Coesão, no

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

PROTOCOLO PARA O ESTABELECIMENTO DE CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO ESPECIAIS DE APOIO ÀS ATIVIDADES DO SETOR AGRÍCOLA E FLORESTAL

PROTOCOLO PARA O ESTABELECIMENTO DE CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO ESPECIAIS DE APOIO ÀS ATIVIDADES DO SETOR AGRÍCOLA E FLORESTAL PROTOCOLO PARA O ESTABELECIMENTO DE CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO ESPECIAIS DE APOIO ÀS ATIVIDADES DO SETOR AGRÍCOLA E FLORESTAL ENTRE: O Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas, I.P. (IFAP, I.P.),

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e s conexos Crédito Habitação (1) Euros (Mín/Máx) Valor Anual Contratos de crédito para aquisição, construção e realização de obras de habitação própria permanente, secundária

Leia mais

TURISMO: LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA

TURISMO: LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA TURISMO: LINHA DE APOIO À QUALIFICAÇÃO DA OFERTA 2017-2018 TIPOLOGIA E ENQUADRAMENTO Instrumento financeiro disponibilizado pelo Turismo de Portugal (TP), em parceria com o sistema bancário e a Portugal

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO (PAECPE)

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO (PAECPE) PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO (PAECPE) Documento de Divulgação CAPÍTULO I. CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas privadas, que tenham na

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 45/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II Notas de preenchimento I. Notas gerais para o preenchimento do modelo de ficha de informação

Leia mais

C IRCULAR N.º 06/2006

C IRCULAR N.º 06/2006 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO C IRCULAR N.º 06/2006 DATA DE EMISSÃO: 05-09-2006 ENTRADA EM VIGOR: 05-09-2006 Âmbito: Território Continental INDICE 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 2. INTERVENIENTES 3.

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor:

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 30-06-2016 O Preçário completo da Orey Financial Instituição Financeira de Crédito, S.A.,

Leia mais

CRÉDITO BANCÁRIO E CRÉDITO À HABITAÇÃO - O NOVO REGIME DE PROTEÇÃO DE DEVEDORES/CONSUMIDORES

CRÉDITO BANCÁRIO E CRÉDITO À HABITAÇÃO - O NOVO REGIME DE PROTEÇÃO DE DEVEDORES/CONSUMIDORES CRÉDITO BANCÁRIO E CRÉDITO À HABITAÇÃO - O NOVO REGIME DE PROTEÇÃO DE DEVEDORES/CONSUMIDORES REESTRUTURAÇÃO DA DÍVIDA E MEDIDAS SUBSTITUTIVAS DA EXECUÇÃO HIPOTECÁRIA Cristina Bogado Menezes Fevereiro/2013

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe V - Documento de divulgação -

Linha de Crédito PME Investe V - Documento de divulgação - Síntese dos termos e condições da Linha de Crédito PME Investe V (o presente documento identifica as principais características da Linha de Crédito PME Investe V, detalhadas em pormenor no Anexo III) A

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe V

Linha de Crédito PME Investe V Linha de Crédito PME Investe V I - Condições gerais da Linha de Crédito PME Investe V 1. Montante das Linhas Linhas Específicas Montante Micro e Pequenas Empresas 250 milhões Geral 500 milhões Total Linha

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito de aplicação

Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito de aplicação Programa Operacional de Assistência Técnica FEDER 2007-2013 Regulamento de Acesso ao Financiamento FEDER Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente regulamento define as

Leia mais

Com implicações na administração local destacam-se as seguintes normas:

Com implicações na administração local destacam-se as seguintes normas: DECRETO-LEI N.º 25/2017, DE 3 DE MARÇO QUE ESTABELECE AS DISPOSIÇÕES NECESSÁRIAS À EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2017 APROVADO PEL LEI N.º 42/2016, DE 28 DE DEZEMBRO Com implicações na administração

Leia mais

Linha de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego IEFP, I.P. Condições e Procedimentos (v.2)

Linha de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego IEFP, I.P. Condições e Procedimentos (v.2) Linha de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego IEFP, I.P. Condições e Procedimentos (v.2) O Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE), contempla o

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) Outras condições Empréstimos a taxa variável 1. Conta Corrente Conta Corrente Euribor 1, 3 e 6 meses + spread

Leia mais

Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS

Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS Versão de trabalho PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO À EXECUÇÃO DOS PROJECTOS UMCCI Março de 2009 Índice 1 Introdução.. 3 2 - Contabilização do investimento e dos incentivos 3 3 - Execução do projecto 4

Leia mais

Inovação Produtiva Não PME

Inovação Produtiva Não PME Inovação Produtiva Não PME Objetivos 1. Reforçar o investimento empresarial em atividades inovadores, promovendo o aumento da produção transacionável e internacionalizável e a alteração do perfil produtivo

Leia mais

PROTOCOLO BPI/CAP BPI E CAP UNEM ESFORÇOS NO ADIANTAMENTO DE AJUDAS DIRECTAS AOS AGRICULTORES

PROTOCOLO BPI/CAP BPI E CAP UNEM ESFORÇOS NO ADIANTAMENTO DE AJUDAS DIRECTAS AOS AGRICULTORES BPI E CAP UNEM ESFORÇOS NO ADIANTAMENTO DE AJUDAS DIRECTAS AOS AGRICULTORES 2016 ENQUADRAMENTO E VANTAGENS Protocolo BPI/CAP O BPI renovou o protocolo com a Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP)

Leia mais

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO Consideram-se no presente documento os procedimentos a observar, quer pela entidade proponente (ONGD), quer pela entidade financiadora (Camões, I.P.)

Leia mais

Lisboa, 26 de Junho de 2012

Lisboa, 26 de Junho de 2012 Lisboa, 26 de Junho de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a

Leia mais

Linha de Crédito Capitalizar - Documento de divulgação - V.1

Linha de Crédito Capitalizar - Documento de divulgação - V.1 Síntese dos termos e condições da Linha de Crédito Capitalizar (o presente documento identifica as principais características da Linha de Crédito Capitalizar, detalhadas em pormenor no Anexo III) A Condições

Leia mais

Soluções de reabilitação urbana para habitação ou investimento. IFRRU 2020 Linha de crédito cofinanciada pelo Portugal 2020, FEEI, BEI e CEB.

Soluções de reabilitação urbana para habitação ou investimento. IFRRU 2020 Linha de crédito cofinanciada pelo Portugal 2020, FEEI, BEI e CEB. Soluções de reabilitação urbana para habitação ou investimento IFRRU 2020 Linha de crédito cofinanciada pelo Portugal 2020, FEEI, BEI e CEB. IFRRU 2020 Instrumento Financeiro de Reabilitação e Revitalização

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM ENQUADRAMENTO LEGAL E NORMATIVO XIII FORUM REGAR, BAHÍA (BRASIL) António Gaspar 16 e 17 Outubro 2008 POTENCIAR MECANISMOS DO MERCADO Poupança 2 ACTIVIDADE 3 Garantias

Leia mais

Certificado de Responsabilidade para a Reforma Modelo de Pensões C (contributivo, incentivo e ciclo de vida)

Certificado de Responsabilidade para a Reforma Modelo de Pensões C (contributivo, incentivo e ciclo de vida) Certificado de Responsabilidade para a Reforma Modelo de Pensões C (contributivo, incentivo e ciclo de vida) O presente Plano tem como objectivo o estabelecimento de um sistema de poupança para a reforma

Leia mais

TURISMO: EMPRÉSTIMOS A MÉDIO LONGO PRAZO

TURISMO: EMPRÉSTIMOS A MÉDIO LONGO PRAZO TURISMO: EMPRÉSTIMOS A MÉDIO LONGO PRAZO O Turismo de Portugal (TP), em parceria com o sistema bancário, disponibiliza um instrumento financeiro com um orçamento global de 6 milhões de euros para o financiamento

Leia mais

2 - Para ter um crédito à habitação é obrigatório ter conta na instituição credora e contratar seguro de vida?

2 - Para ter um crédito à habitação é obrigatório ter conta na instituição credora e contratar seguro de vida? 1 de 6 18-07-2016 16:40 Menu topo www.bportugal.pt Crédito > Crédito à habitação > Perguntas frequentes Menu de contexto Perguntas frequentes 1 - O que é o crédito à habitação? O crédito à habitação é

Leia mais

REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS. Artigo 1.º. Objeto

REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS. Artigo 1.º. Objeto REGULAMENTO RELATIVO ÀS DESPESAS ELEGÍVEIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece os procedimentos e documentos necessários à verificação das despesas elegíveis necessárias

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.5 Despesas de equipamento

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.5 Despesas de equipamento Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.5 Despesas de equipamento 2 Título Índice 1 Despesas de equipamento... 5 1.1 Contexto.... 5 1.2 Definição... 5 1.3 Princípios

Leia mais

Documento de Divulgação

Documento de Divulgação Objetivos da Linha de Crédito A presente Linha de Crédito tem como objetivo o financiamento das necessidades de tesouraria e de fundo de maneio associados ao relançamento da atividade da empresas que sofreram

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3. Apoio Técnico à Criação e Consolidação de Projetos

Leia mais

Documento de Divulgação

Documento de Divulgação Documento de Divulgação LINHA DE CRÉDITO COM GARANTIA MÚTUA, IFD 2016-2020 PROGRAMA CAPITALIZAR PORTUGAL 2020 IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A. Instituições de Crédito Sociedades de Garantia

Leia mais

Preçário BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 11-agosto-2017

Preçário BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 11-agosto-2017 Preçário BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 11-agosto-2017 O Preçário completo do NOVO BANCO DOS AÇORES, contém o Folheto de Comissões

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO Índice Finalidades do crédito à habitação Avaliação da capacidade financeira Ficha de Informação Normalizada Europeia (FINE) Prazo Modalidades de

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 A Instrução nº 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão nº 2001/193/CE,

Leia mais

Segure as suas vendas, factura a factura

Segure as suas vendas, factura a factura Segure as suas vendas, factura a factura SOLUÇÕES PARA COBERTURA DE OPERAÇÕES INDIVIDUAIS BPI-COSEC Versão 1.0 Conjunto de soluções disponibilizadas pelo BPI em parceria com a COSEC que: permitem apoiar

Leia mais

Refª: OS0080 Versão: 4 Entrada em Vigor:

Refª: OS0080 Versão: 4 Entrada em Vigor: Ordem de Serviço Refª: OS0080 Versão: 4 Entrada em Vigor: 2012-05-25 Título: Crédito Pessoal para Fins Sociais Processo Associado: N/A Sumário Regulamenta a concessão de crédito pessoal para fins sociais

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos 1. Comissão de Gestão de Processo 300,00 2. Comissão de Contrato 200,00 3. Comissão de Avaliação 250,00 Crédito Habitação - Residentes (Contratos de crédito

Leia mais

Sistemas de Incentivos do QREN

Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN Sistemas de Incentivos do QREN 1. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME 2. Sistema de Incentivos à Inovação 3. Sistema de Incentivos à Investigação

Leia mais

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de

Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de QREN: Uma oportunidade para potenciar a inovação nas empresas O que é o QREN? Define as orientações fundamentais para a utilização nacional dos fundos comunitários para o período de 2007-2013. As suas

Leia mais

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO PROCESSO DE COFINANCIAMENTO Consideram-se no presente documento os procedimentos a observar, quer pela entidade proponente (ONGD), quer pela entidade cofinanciadora (Camões, I.P.)

Leia mais

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES)

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos Empréstimos a taxa variável Taxa anual nominal (TAN) Taxa anual efetiva (TAE) CH Taxa Indexada - Euribor 12M Euribor 12 m + spread 1,5% a 5,8% 2,397% 13 a

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS (SIAC) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 02 / SIAC / 2012 SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS (SIAC) Nos termos do regulamento do SIAC, a apresentação de candidaturas processa-se, em regra, através de

Leia mais

Linha de Crédito para Apoio ao Setor Empresarial e à Recuperação de Empresas afetadas por Incêndios - Documento de Divulgação - V.

Linha de Crédito para Apoio ao Setor Empresarial e à Recuperação de Empresas afetadas por Incêndios - Documento de Divulgação - V. Síntese dos termos e condições da Linha de Crédito para Apoio ao Setor Empresarial e à (o presente documento identifica as principais características da Linha de Crédito para Apoio ao Setor Empresarial

Leia mais

Preçário BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 04-dezembro-2017

Preçário BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 04-dezembro-2017 Preçário BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 04-dezembro-2017 O Preçário completo do NOVO BANCO DOS AÇORES, contém o Folheto de Comissões

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos 1. Comissão de Gestão de Processo 300,00 2. Comissão de Contrato 200,00 3. Comissão de Avaliação 250,00 Crédito Habitação - Residentes (Contratos de crédito

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

Lisboa, 25 de novembro de 2011

Lisboa, 25 de novembro de 2011 Lisboa, 25 de novembro de 2011 A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do setor do turismo, enquanto elemento integrante da nossa oferta turística A regeneração urbana estabelece

Leia mais

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER

Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Regulamento específico Assistência Técnica FEDER Capítulo I Âmbito Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o regime de acesso aos apoios concedidos pelo Programa Operacional de Assistência Técnica

Leia mais

Preçário. Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017

Preçário. Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017 Preçário Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Económico e no site www.bancoeconomico.ao.

Leia mais

PROPOSTA. Relativa ao Ponto Sete da Ordem do Dia da reunião da Assembleia Geral Anual da. IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A.

PROPOSTA. Relativa ao Ponto Sete da Ordem do Dia da reunião da Assembleia Geral Anual da. IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A. PROPOSTA Relativa ao Ponto Sete da Ordem do Dia da reunião da Assembleia Geral Anual da IFD Instituição Financeira de Desenvolvimento, S.A. Convocada para o dia 31 DE MARÇO DE 2017 pelas 15h00 Considerando:

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

Spread 5,500% a 15,750% Nota (1a) 2. Linha Millennium Garantia Prazo: sem termo definido Eónia ou Euribor/ Libor a 1, 3, 6 e

Spread 5,500% a 15,750% Nota (1a) 2. Linha Millennium Garantia Prazo: sem termo definido Eónia ou Euribor/ Libor a 1, 3, 6 e 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Taxa Anual Nominal (TAN) Empréstimos a taxa variável (as contas correntes incluem as Contas Correntes com Gestão de Cheques e as Contas Correntes Iva on Time).

Leia mais