CINEMA QUEER: O QUE É ISSO,

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CINEMA QUEER: O QUE É ISSO, COMPANHEIR@S?"

Transcrição

1 CINEMA QUEER: O QUE É ISSO, Tatiana Brandão de Araujo 1 Resumo: Neste trabalho será analisado o documentário Fabulous! The Story of Queer Cinema de 2006, dirigido por Lisa Ades e Leslie Klainberg. O filme pretende fazer uma cronologia de produções feitas por/para/sobre gays e lésbicas, principalmente, nos EUA a partir da década de Um dos principais temas que ele aborda, enquanto traça sua cronologia, é a questão da visibilidade, e de que como gays e lésbicas ficaram ausentes por muito tempo enquanto sujeitos das representações cinematográficas. Nesse sentindo, além da temática da visibilidade, o filme discute representação, voz, auto-expressão, e a importância da identificação com o que se vê na tela. Os filmes citados no documentário rompem de alguma forma com os padrões normativos de feminilidades e masculinidades, mas em que sentido o termo queer é pensado quando se referem a estas produções? Segundo Annamarie Jagose (1996) e Jack Halberstam (2005), o queer não pode ser considerado sinônimo de homossexualidade, significando assim, que nem todos gays e nem todas as lésbicas poderiam ser considerados queer. E sendo o queer uma crítica a política de identidades, seria este um termo coerente para demarcar e identificar certos filmes? Palavras-chave: visibilidade. Queer. Cinema. A pergunta O que é Cinema Queer? não se trata de um questionamento simples, já que possivelmente se encontrarão diferentes respostas. Na tentativa de buscar uma resposta, entendo que é importante a discussão do termo queer e do entendimento do mesmo para a teoria, assim como, do modo como essas discussões refletem nas produções cinematográficas. O caminho que escolhi para tentar achar uma resposta é analisar de que forma o documentário Fabulous! The Story of Queer Cinema trabalhou essas questões, quais filmes foram citados, o que existe em comum para estarem ali, e se a Teoria Queer se faz presente no discurso que construiu as escolhas dos títulos apresentados. Entendo que o documentário citado acima, dirigido por Lisa Ades e Lesli Klainberg, tem como principal tema a questão da visibilidade, e de que como gays e lésbicas ficaram ausentes por muito tempo enquanto sujeitos das representações cinematográficas, não somente como representados, mas também como produtores. Ao contrário das primeiras décadas da história do cinema, em que essas representações eram relegadas a subtextos ou partindo apenas de um ponto de vista heteronormativo, com a afirmação dos movimentos sociais, a partir de 1960 nos EUA, os grupos considerados minorias começaram a produzir suas próprias representações, produzindo um contra-imaginário à heteronormatividade vigente na maioria dos filmes lançados até então. Essa heteronoramatividade presente no cinema não acabou, mas atualmente se encontram mais filmes que apresentam outras visões sobre como as pessoas vivem suas relações, seus corpos e 1 Aluna do Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Literatura na Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Brasil. Bolsista CNPq Brasil. 1

2 seus afetos. Desta forma, o documentário analisado procura traçar uma cronologia, mostrando que se presenciamos um momento no qual gays e lésbicas não são mais raridade no cinema, é por que houve um caminho árduo percorrido por cineastas que vivenciaram maiores dificuldades das encontradas hoje em dia. Como B. Ruby Rich afirmou no documentário, no período anterior à década de 60 não existia uma produção de filmes voltados para um público específico homossexual. Segundo a autora, o diretor Kenneth Anger e seu curta Fireworks foram importantes para o começo do que ela chama de uma gay sensibility. Porém, foi apenas nos anos 60 (os filmes do Andy Warhol fazem parte deste marco), e, principalmente, na década de 1970 (momento após Stonewall) que mais filmes começaram a surgir. Apesar de ficarem relegados a um circuito alternativo, eles demonstraram que existia um público que correspondia a esse outro olhar sobre a questão. E para entender a questão da visibilidade no cinema é importante pensar no contexto desses movimentos sociais, e nas discussões que eram feitas naquele momento. Questionamentos esses, versando sobre a representação e voz no espaço público, que tomaram conta de discussões acadêmicas, e também de produções artísticas. Mulheres, negros, homossexuais, queriam representar-se, tomar o lugar de fala, e construir olhares diferentes do dominante, que os colocava como objeto do olhar do homem branco e heterossexual. Na década de 1970 surgiram artistas que caminhavam na margem dos discursos dominante. Filmes como The Rocky Horror Picture Show de Jim Sharman, ou os filmes do diretor John Waters e sua personagem Divine. Títulos que fizeram sucesso, principalmente, nas chamadas sessões de meia noite, e que demonstravam o interesse de um público por temáticas que subvertiam as narrativas normativas predominantes na Hollywood da época. O caminho percorrido pelo documentário tem relação direta com as questões discutidas pelos movimentos de gays e lésbicas, assim como o crescimento e ampliação dessas mesmas discussões. Apesar do contexto conservador estadunidense nos 80, cresceram o número de produções que representavam relações homossexuais, e estas começavam a sair dos circuitos alternativos. E assim como mencionado no filme, com o surgimento do VHS, esses filmes se tornaram mais acessíveis, facilitando para que mais pessoas tivessem contato com essas produções. No documentário, a autora B. Ruby Rich afirma que nos anos 80 existe uma vontade maior de criar essas imagens com as quais gays e lésbicas pudessem se identificar diretamente, na tentativa de conquistar um espaço público para essas representações e para os sujeitos em si, caracterizando o momento em que tais sujeitos não queriam mais ser relegados a uma subcultura. 2

3 Nessa época começou uma produção independente mais forte, procurando romper com a narrativa clássica, representando outros tipos de personagens, e nesse panorama, gays e lésbicas começam a emergir mais dessas representações. E não somente em um formato tão diferente, mas até mesmo assumindo gêneros mais clássicos, como no caso do romance Desert Hearts de 1985, dirigido por Donna Deitch O histórico proposto pelo documentário é muito interessante, pois além de ser uma discussão importante, trata de alguns filmes que são relegados à marginalidade sendo esta uma maneira de conhecê-los. Porém, ao acompanhar a discussão do documentário dá para entender que a compreensão do que significa uma produção cinematográfica queer refere-se apenas aos sujeitos LGBT. Nesse sentindo o mesmo fixa um significado que é contestado por teóricos que trabalham com Teoria Queer, como Richard Miskolci e Annamarie Jagose, e não abre possibilidades para outras desconstruções da heteronormatividade. Segundo Judith Halberstam, o termo queer: refers to nonnormative logics and organization of community, sexual identity, embodiment, and activity in space and time (2005, p.6). Sendo assim, o significado do queer não pode ser limitado à orientação sexual, tendo outros fatores que devem ser pensados. Fabulous! The Story of Queer Cinema traz questões para pensar nessas discussões, no termo Cinema Queer, e quais suas possíveis relações com a teoria. Sobre a teoria queer: Para falar sobre Cinema Queer, entendo como importante traçar alguns paralelos com a Teoria Queer que começou na década de 1980 nos EUA. Como destaca o autor Richard Miskolci (2012), essa teoria surge sob a influência de movimentos sociais de duas décadas atrás. Segundo o autor, foram movimentos... associados à emergência de novos sujeitos históricos que passam a demandar direitos e também a influenciar na produção de conhecimento (Miskolci, 2012, p.13). No entanto, algumas reivindicações feitas nos movimentos de contracultura das décadas de 60 e 70 não foram suficientes para comportar outras identidades que não estavam sendo contempladas. No caso dos feminismos, questionava-se que o movimento não era inclusivo, e tinha como foco dominante mulheres brancas, ocidentais, e heterossexuais. Referente aos movimentos homossexuais, a questão da epidemia da AIDS foi de grande impacto, e os questionamentos queer surgem desse momento de crise, no qual novas idéias e práticas eram necessárias para incluir sujeitos que não estavam nas reivindicações dos antigos movimentos. Como afirmou Annamaria 3

4 Jagose (1996), o queer apresentou as limitações das categorias de identidade para a representação política. A perspectiva branca, Ocidental, classe média e heterossexual não compreendia os múltiplos sujeitos, e suas diferentes vivências de seus corpos, sexualidades, e relacionamentos. Para Miskolci (2012), os movimentos homossexuais dos anos 60/70 queriam incorporação da sociedade vigente, aceitando os valores dominantes, já o queer desafiava e pedia por mudanças dessa sociedade, criticando os valores hegemônicos que a regia. Por mais que queer tenha sido uma palavra usada pejorativamente para falar sobre homossexuais, e depois incorporada pela própria comunidade, a idéia da teoria não refere-se a um sinônimo de homossexualidade, ela abrange outras questões, e vai além da vivência da sexualidade. O queer, portanto, não é uma defesa da homossexualidade, é a recusa dos valores morais violentos que instituem e fazem valer a linha da abjeção, essa fronteira rígida entre os que são socialmente aceitos e os que são relegados à humilhação e aos deprezo coletivo (Miskolci, 2012, p.25) As queer is unaligned with any specific identity category, it has the potential to be annexed profitably to any number of discussions (Jagose, 1996, p.2). Nesse sentido, como afirmou Miskolci, a teoria queer enriquece tanto os estudos gays e lésbicos trazendo uma perspectiva feminista, assim como os estudos feministas, apresentando que as discussões vão além da categoria mulher. Uma questão importante apontada pela teórica Judith Butler, e que se trata de um das discussões queer, é da necessidade de desconstruir uma relação de causalidade entre sexo-gênerodesejo, apresentando que essa suposta estabilidade não é natural, mas sim reforçada por um pensamento heteronormativo. A autora fala dos chamados gênero inteligiveis (Butler, 2003, p.38), que seguem o sistema afirmado acima, e que estes constituem na estabilização de uma fronteira para o aceito e o não-aceito. Judith Butler (2007) trabalha a idéia de que esses corpos normativos são construídos por discurso, e que sua materialização é fruto do mesmo. Porém por não se tratar de algo natural, exige a constante reafirmação de seu status normativo. Desta forma, a autora afirma que nessas brechas e instabilidades que corpos e identidades não normativas vão encontrar meios de colocar em debates os saberes dominantes que os consideram abjetos perante a sociedade. O abjeto designa aqui precisamente aquelas zonas inóspitas e inabitáveis da vida social, que são, não obstante, densamente povoadas por aqueles que não gozam do status de sujeito, mas cujo habitar sob o signo do inabitável é necessário para o domínio do sujeito circunscrito (ibid., p.155). Por isso, deve-se ter em mente que essa matriz que constrói uma idéia de (hetero) normatividade é sempre excludente. E a materialização de seus corpos, que correspondem a uma 4

5 coerência entre sexo-gênero-desejo, é construída sempre pensando no que seria o oposto dessa norma, estabelecendo assim a margem do aceitável, do normal, daquilo que deve ser seguida por homens e mulheres. (New) Cinema queer: O início dos anos 90, principalmente nos EUA, foi um contexto importante para gays e lésbicas no cinema, e/ou o que pode se chamar de cinema queer. Novas e mais produções começaram a ser feitas, tendo espaços em grandes festivais, e apresentando uma variedade de histórias que não correspondiam necessariamente a um imaginário positivo sobre a homossexualidade. Aliás, a tentativa era romper com essa necessidade de incorporação social, pois como afirmado anteriormente, com a epidemia da AIDS dos anos 80 2, outras questões precisavam aparecer, não somente nas discussões acadêmicas, mas também na produção de imagens artísticas. Neste sentido, uma leva de filmes, dirigidos majoritariamente por homens brancos e gays chegaram aos festivais (como o de Sundance, por exemplo) apresentando uma nova proposta, não somente de temática, mas rompendo com uma narrativa clássica hollywoodiana. Filmes que tinham personagens gays que não se conformavam, e até mesmo se rebelavam, perante a sociedade em que viviam, refletindo a revolta do contexto. These filmes give voice to the marginalised not simply in terms of focusing on the lesbian and gay communitiy, but on the sub-groups contained within it (Aaron, 2004, p.3). Desta forma, o contexto da epidemia da AIDS, mais as discussões da Teoria Queer, não podem ser pensadas como questões distanciadas dessas produções cinematográficas. Como afirmou Miskolci, o queer em termos políticos, tem relação com...a luta por desvincular a sexualidade da reprodução, ressaltando a importância do prazer e a ampliação das possibilidades relacionais (2012, p.22). Não somente subverter a relação de causalidade entre sexo-gênero-desejo, apresentando que as normas não se restringem apenas aos relacionamentos heterossexuais, mas também aos homossexuais. Queer represents the resistance to, primarily, the normative codes of gender and sexual expression but also to the restrictive potential of gay and lesbian sexuality (Aaron, 2004, p.5). A autora B. Ruby Rich considerou enquanto um movimento esses filmes que foram lançados no início dos anos 90, reconhecidos em festivais, e que possuíam como características um 2 A maior parte das pessoas, sobretudo as que estavam com HIV, não faziam parte desse grupo pelo qual o movimento homossexual forjado na década de 1960 lutava. Em sua maior parte, o movimento homossexual emerge marcado por valores de uma classe média letrada e branca, ávida por aceitação e até mesmo incorporação social (Miskolci, 2012, p.24). 5

6 desafio à narrativa normativa cinematográfica, assim como os temas e sujeitos tratados nas histórias - ela chamou este movimento de New Queer Cinema. No ano de 1991, quando Paris is Burning de Jennie Livingston e Poison de Todd Haynes ganharam o grande prêmio do júri em Sundance, se apresentou uma mudança e uma abertura que ficaria clara no festival do ano posterior. Mais filmes com personagens gays, de diretores com propostas diferentes, e com narrativas que desafiavam o que costumeiramente se via nos cinemas. New Queer Cinema is gay independent cinema, made in the midst of the AIDS crisis, that defies cinematic convention. This defiance can take the form of being fragmented, non-narrative, and ahistorical (Pearl, 2004, p.23). Para Monical Pearl não tem como dissociar o contexto da AIDS com essa produção de filmes dos anos 90, e independente se eles abordam diretamente a questão da doença ou não, ela estará refletida inclusiva na forma como os filmes são montados narrativamente. It s my contention that New Queer Cinema is AIDS cinema not only because the films (...) emerge out of the time and the preoccupations with AIDS, but because their narratives and also their formal discontinuities and disruptions, are AIDS-related (ibid., p.23). Segundo a autora, as produções do New Queer Cinema podem ser consideradas o oposto do que é produzido no mainstream, contexto no qual não se caracteriza por apresentar desafios e normalmente não representa sujeitos que estão na margem, ou considerados abjetos perante à heteronormatividade. Como B. Ruby Rich afirmou em Fabulous! The Story of Queer Cinema, o momento do New Queer Cinema já passou, e estamos vivenciando um outro momento na representação de sujeitos LGBT no cinema (e também na televisão). Pode-se pensar, inclusive, que existe uma demanda de mercado, e por isso, personagens gays ou lésbicas não são mais um dado raro. Sendo assim, retorno a minha pergunta inicial. Afinal, o que é Cinema Queer? Existe um número de filmes que podem ser classificados como queer? E tal classificação não seria criar uma identidade fechada da qual a própria teoria queer gostaria de evitar? Essa expressão pode ser válida para pensar uma produção que deseja contestar um discurso que legitima a heteronormatividade, mas a questão de como utilizá-la é que ainda permanece em aberto. Considerações finais Se o queer nasceu como uma crítica à política de identidade, e para trazer novas questões aos movimentos LGBT e feministas, falar da existência de um Cinema Queer poderia significar uma limitação? Não seria mais interessante encontrar elementos que tornem um filme queer? E 6

7 sendo assim, a discussão dependeria do espectador, e daquele que se propor a discutir o que tal filme discute ou apresenta que pode ser contestador, ou legitimador, da heteronormatividade. Partindo da discussão do documentário, os filmes citados pelo mesmo são muitos diferentes, do circuito alternativo ao mainstream, da história de amor, à história de crime, tragédia. Porém, todos são sobre relacionamentos e personagens homossexuais. Se queer não é um sinônimo para homossexual, o documentário tem um entendimento diferente do que o pensado por essa teoria que surgiu na década de 80. A palavra queer é usada como referência a sujeitos que sentem desejo pelo mesmo sexo, mas isto não significa, que esta palavra seja um sinônimo para palavras como gay, lésbica e homossexual (Jagose, 1996) Uma coisa é pensar em Festivais de Cinema LGBT, já que estes se organizam a partir de uma temática, focando em sujeitos e relacionamentos que não são heterossexuais. Porém, isso não significa que sejam filmes que apresentam uma visão de mundo queer, com elementos que contestem a heteronormatividade. E esta é uma diferenciação importante de se fazer. Se não é sinônimo de homossexualidade, filmes que apresentam relações ou sujeitos heterossexuais, mas que fogem à heteronormatividade, também deveria ser abordado, mas isso o documentário não faz. Acredito que o melhor caminho para pensar na questão das representações cinematográficas seja na maneira com a qual refletiremos sobre o filme. Não o enquadrando, mas elencando de que maneira sua proposta rompe com a heteronormatividade, se é em sua narrativa, em sua estética, nos temas abordados, ou tudo isso unido. Talvez se um filme apresente inúmeros elementos que podem ser considerados queer, ele pode ser caracterizado como Cinema Queer, mas isso não impede, e não deve excluir, as pequenas subversões que acontecem também em produções mais mainstream, e, consequentemente mais normativas. Segundo Michele Aaron (2004) houve um progresso referente à representação de gays e lésbicas no cinema. Porém, é importante ser cauteloso no momento que se comemora essa suposta vitória. Como a autora afirmou, for it its only certain form of queerness that are flirted with, embraced or even championed by the mainstream (p.198). Entendo como negativo quando nega-se as produções mais mainstream como se não tivessem valor, mas é sempre importante manter o olhar crítico (e também não somente com essas produções, com as independentes também), e pensar sobre as identidades que ainda se encontram invisíveis por trás dessas representações que tanto chegam até nós. Acredito que é indiscutível o alcance da visibilidade de sujeitos LGBT no cinema, e na cultura pop em geral. No meu entendimento, uma vitória que faz parte de todo esse caminho que 7

8 mostrou o documentário Fabulous! The Story of Queer Cinema, e da história daqueles que lutaram para terem suas representações apresentadas nas salas de cinema, e programas de televisão. Dentro disso, a questão queer se apresenta como uma discussão bastante complexa perante a constante legitimação da heteronormatividade. Segundo Michele Aaron, as queerness moves into the centre of mainstream production, it inevitably loses it edge (2004, p.198). A radicalidade dos teóricos e dos cineastas que configuraram o movimento New Queer Cinema se perde na maioria das representações atuais. O que se pensou enquanto um Cinema Queer continua caminhando pelas margens, mas pode-se encontrar pequenas subversões, elementos queer, em produções mais acessíveis, e que são vendidas enquanto algo mais convencional, e que até mesmo, se moldam em gêneros clássicos do cinema. O próprio documentário que inicia falando de produções mais independentes e marginais, como os filmes de John Waters, ou os filmes que chegaram a Sundance no anos de 1991 e 1992, termina por falar em produções como Billy s Hollywood Screen Kiss de Tommy O Haver, D.E.B.S de Angela Robinson, e Saving Face de Alice Wu. Os últimos são filmes que se encaixam em um tipo de história e narrativa mais tradicional, mas apresentam elementos que contribuem para a construção de um contra-imaginário, questionando uma verdade sobre como as pessoas vivem suas relações, sexualidades e corpos. Em acordo com o acima exposto é possível afirmar que a teoria queer, e as discussões que surgem a partir da mesma, pode ser muito válida no momento da análise de um filme, e como este apresenta seus sujeitos e suas relações. Tentando refletir sobre como a história de determinado filme trabalhou as categorias de identidade de gênero, sexualidade, e heteronormativdade, e se seus personagens (heterossexuais ou homossexuais) legitimam posturas normativas ou tentam rompê-las, e quais as formas que isso ocorre. Por isso pode ser mais interessante pensar de que forma tal história é ou não queer, do que categorizá-la como Cinema Queer, como se isso, tivesse se tornado uma espécie de gênero cinematográfico. A proposta do documentário Fabulous! The Story of Queer Cinema é coerente, o mesmo se propôs a tratar de produções que foram feitos por/sobre/para um público LGBT, e a partir disso traça uma cronologia trabalhando a importância da visibilidade e da construção de um outro imaginário. Porém, é importante relativizar a categoria queer, e pensar nas outras possibilidades que ela questiona, e não se fechar apenas sobre uma questão de sexualidade. Referências 8

9 AARON, Michele. New Queer Cinema: An Introduction In: AARON, Michele (Ed.) New Queer Cinema: A Critical Reader. New Jersey: Rutgers University Press, AARON, Michele. The New Queer Spectator In: AARON, Michele (Ed.) New Queer Cinema: A Critical Reader. New Jersey: Rutgers University Press, BEIJO Hollywoodiano de Billy, O. Direção: Tommy O'Haver. 92 min, color Título original: Billy's Hollywood Screen Kiss. BUTLER, Judith. Sujeitos do sexo/gênero/desejo In: BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Corpos que Pesam: sobre os limites discursivos do sexo In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, CORAÇÕES Desertos. Direção: Donna Deitch. 96 min, color Título original: Desert Hearts. D.E.B.S - As Super Espiãs. Direção: Angela Robinson. 91 min, color Título original: D.E.B.S FABULOUS! The Story of Queer Cinema. Direção: Lesli Klainberg; Lisa Ades. 82 min, color HALBERSTAM, Judith. Queer Temporality and Postmodern Geographies In: HALBERSTAM, Judith. In a Queer Time and Place: Transgender Bodies, Subcultural Lives. New York: New York University Press, JAGOSE, Annamarie. Queer Theory: An Introduction. New York: New York University Press, LIVRANDO a Cara. Direção: Alice Wu. 91 min, color Título original: Saving Face. MILSKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica Editora, PEARL, Monica. AIDS and New Queer Cinema In: AARON, Michele (Ed.) New Queer Cinema: A Critical Reader. New Jersey: Rutgers University Press, Poison. Direção: Todd Haynes. 85 min, black and white/color ROCKY Horror Picture Show, The. Direção: Jim Sharman. 91 min, color What is queer cinema? Abstract: This work will analyze the documentary Fabulous! The Story of Queer Cinema (2006), directed by Lisa Andres and Leslie Klainberg. The film aims at building a chronology of the productions made by/for/about gays and lesbians, mainly in the USA beginning in the 1940 s. One of the main themes the film approaches while tracing this chronology is the question of visibility, and of how gays and lesbians as subjects were absent from the cinematographic representations for a long time. In this sense, beyond the thematic of visibility, the film discusses representation, voice, self-expression, and the importance of identification with what is seen on screen. The films cited in the documentary in some ways break with the normative patterns of femininity and masculinity, but 9

10 in what sense the term queer is thought of when referring to these productions? According with Annamarie Jagose (1996) and Jack Halberstam (2005), queer cannot be consideres synonym with homosexuality, meaning, thus, that not all gays and lesbians could be considered queer. Moreover, being queer a criticism of identity politics, would it be a coherent term to demarcate and identify certain films? Keywords: visibility. Queer. Cinema. 10

Nos bastidores do Gênero: Audiovisual, política e a produção de um Festival de Cinema com foco na educação em Gênero e Sexualidade no Ceara.

Nos bastidores do Gênero: Audiovisual, política e a produção de um Festival de Cinema com foco na educação em Gênero e Sexualidade no Ceara. Nos bastidores do Gênero: Audiovisual, política e a produção de um Festival de Cinema com foco na educação em Gênero e Sexualidade no Ceara. Cristhian Caje 1 Resumo A promoção da igualdade de gênero, assim

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade

PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1. Palavras- Chaves: AIDS Análise do Discurso- Heteronormatividade PRÁTICA DISCURSIVA, PRÁTICA SOCIAL O NÃO DITO EM CARTAZES DE CAMPANHA CONTRA AIDS. 1 Camila do Nascimento Carmo 2 Resumo O aparecimento da AIDS provocou um clima de grande pânico coletivo na sociedade.

Leia mais

ANÁLISE HISTÓRICA DO MOVIMENTO LGBT MUNDIAL: DO MOVIMENTO HOMÓFILO A LIBERAÇÃO GAY NOS ESTADOS UNIDOS

ANÁLISE HISTÓRICA DO MOVIMENTO LGBT MUNDIAL: DO MOVIMENTO HOMÓFILO A LIBERAÇÃO GAY NOS ESTADOS UNIDOS ANÁLISE HISTÓRICA DO MOVIMENTO LGBT MUNDIAL: DO MOVIMENTO HOMÓFILO A LIBERAÇÃO GAY NOS ESTADOS UNIDOS Antoniel dos Santos Gomes Filho Faculdade Leão Sampaio 1 Miguel Ângelo Silva Melo Faculdade Leão Sampaio

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÃO SEXUAL NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

ORIENTAÇÃO SEXUAL NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DISJUNÇÕES DA SEXUALIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E NOS PROJETOS ESCOLARES DE EDUCAÇÃO SEXUAL Denise da Silva Braga UERJ Agência Financiadora: CNPQ Os discursos atuais sobre a sexualidade

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR Evelyn Santos Pereira Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil e Secretaria de Educação,

Leia mais

V RAM REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO MERCOSUL Antropologia em Perspectivas

V RAM REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO MERCOSUL Antropologia em Perspectivas V RAM REUNIÃO DE ANTROPOLOGIA DO MERCOSUL Antropologia em Perspectivas ASPECTOS DE GÊNERO: KARIRI-XOCÓ FEMALE EMBODIMENT Sílvia A. C. Martins sac@fapeal.br GRUPO DE TRABALHO XII Sentidos do Gênero : Masculinidades,

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Andreza do Socorro Pantoja de Oliveira Smith Universidade Federal do Pará, Universidade

Leia mais

CIDADANIA NA SOCIEDADE EM REDE: O CIBERATIVISMO E O COMBATE À LGBTFOBIA

CIDADANIA NA SOCIEDADE EM REDE: O CIBERATIVISMO E O COMBATE À LGBTFOBIA CIDADANIA NA SOCIEDADE EM REDE: O CIBERATIVISMO E O COMBATE À LGBTFOBIA CITIZENSHIP IN NETWORK SOCIETY: CYBERACTIVISM AND THE COMBAT OF LGBTPHOBIA Carolina Bonoto Espindola 1 RESUMO O presente artigo visa

Leia mais

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS

A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS A PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROBLEMÁTICAS E PROPOSIÇÕES NA CONSTITUIÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS OLIVEIRA, Márcio de (UEM) MAIO, Eliane Rose (UEM) INTRODUÇÃO A proposta central desse

Leia mais

GÊNERO, DIVERSIDADE SEXUAL E AS LÉSBICAS. Alessandra Acedo

GÊNERO, DIVERSIDADE SEXUAL E AS LÉSBICAS. Alessandra Acedo Texto parcial da palestra apresentada durante o 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias em novembro de 2014, publicado com autorização da autora. GÊNERO, DIVERSIDADE SEXUAL E

Leia mais

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê?

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê? Entrevista com Cláudio Nascimento, membro do Grupo Arco-Íris, coordenador geral da 13ª Parada do Orgulho LGBT do Rio de Janeiro e superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL

É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL É PROIBIDO MIAR: ANÁLISE DA OBRA DE PEDRO BANDEIRA NA PERSPECTIVA HOMOSSEXUAL Sara Regina de Oliveira Lima (PIBID - UESPI) saralima.r@hotmail.com Sislanne Felsan Cunha (MONITORIA UFPI) sisfelsan@hotmail.com

Leia mais

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES

PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRECONCEITO E INVISIBILIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE QUESTÕES ACERCA DAS HOMOSSEXUALIDADES PRADO, Marco Aurélio Máximo & MACHADO, Frederico Viana. Preconceito contra homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade.

Leia mais

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Acaba de sair do forno a mais recente pesquisa social do Núcleo de Opinião Pública (NOP), intitulada Diversidade Sexual e Homofobia no

Leia mais

Questões de identidade(s) de gênero(s) e orientação sexual: uma abordagem através da Pedagogia Queer

Questões de identidade(s) de gênero(s) e orientação sexual: uma abordagem através da Pedagogia Queer Questões de identidade(s) de gênero(s) e orientação sexual: uma abordagem através da Pedagogia Queer 27 JOÃO NEMI NETO * Resumo Este trabalho é o resultado de uma pesquisa que engloba queer theory e queer

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1

AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 AS INTERFACES ENTRE A PSICOLOGIA E A DIVERSIDADE SEXUAL: UM DESAFIO ATUAL 1 CHRISTO, Aline Estivalet de 2 ; MOTTA, Roberta Fin 3 1 Trabalho de Pesquisa referente ao Projeto de Trabalho Final de Graduação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013. Artigo 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir o Programa de Incentivo às

PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013. Artigo 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir o Programa de Incentivo às PROJETO DE LEI Nº 252, DE 2013 Autoriza a criação Programa de Incentivo às Semanas Culturais do Orgulho LGBT e de Inclusão Social da Diversidade nos municípios do Estado de São Paulo, e dá providências

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR

A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR Carla de Oliveira Romão 1 Resumo: O presente artigo problematiza os sentidos de gênero nas pesquisas do campo educacional. Tendo como marco do estudo

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO.

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Mas e quando um/a aluno/a tem dois pais gays ou duas mães lésbicas? Como a escola lida com as novas constituições de familiares?

Mas e quando um/a aluno/a tem dois pais gays ou duas mães lésbicas? Como a escola lida com as novas constituições de familiares? 1 ENTRE SUBVERSÕES E CONVENÇÕES: RESISTÊNCIA ÀS NORMAS DA SEXUALIDADE EM DUAS ESCOLAS DE SALVADOR Introdução Deivide Souza e Carla Freitas 1 Este artigo analisa como duas escolas de Salvador enfrentam

Leia mais

AS RELAÇÕES DE PODER, GÊNERO E SEXUALIDADES ENTRE DISCENTES E DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA - UEPG, PARANÁ.

AS RELAÇÕES DE PODER, GÊNERO E SEXUALIDADES ENTRE DISCENTES E DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA - UEPG, PARANÁ. OLIVEIRA, Fábia A. S. Acadêmica do curso de Bacharelado em Geografia e Aluna pesquisadora do Grupo de Estudos Territoriais GETE, Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG, fabialessandra.geo@gmail.com

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Mariane Souza de Quadros. A PALAVRA L(ÉSBICA) Retratos das homossexualidades femininas no seriado The L Word. Porto Alegre 2009

Mariane Souza de Quadros. A PALAVRA L(ÉSBICA) Retratos das homossexualidades femininas no seriado The L Word. Porto Alegre 2009 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM JORNALISMO Mariane Souza de Quadros A PALAVRA

Leia mais

Palavras-Chave: masculinidades, corporeidades, usina hidrelétrica, construção civil.

Palavras-Chave: masculinidades, corporeidades, usina hidrelétrica, construção civil. Tipo da Atividade: Grupo de Trabalho Temático Área: Gênero, sexualidade, raça e idade Título: CORPOS MASCULINOS CONSTRUÍDOS NA/ PELA CONSTRUÇÃO DE UMA HIDRELÉTRICA Priscila Pavan Detoni - UFRGS. Henrique

Leia mais

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 ADILSON VENTURA DA SILVA Departamento de Estudos Linguísticos e Literários Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Estrada do Bem Querer, km 4 Centro

Leia mais

"MULHERES APAIXONADAS": UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO HOMOERÓTICA E DAS PRÁTICAS DISCRIMINATÓRIAS NA TV BRASILEIRA.

MULHERES APAIXONADAS: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO HOMOERÓTICA E DAS PRÁTICAS DISCRIMINATÓRIAS NA TV BRASILEIRA. "MULHERES APAIXONADAS": UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO HOMOERÓTICA E DAS PRÁTICAS DISCRIMINATÓRIAS NA TV BRASILEIRA. Bruna de Moura Libardi (UEPB-CH / PIVIC / CNPq) brunasorrindo@hotmail.com Isabela Silva Nóbrega

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DE SEXUALIDADE: CONSTRUÇÃO, ESSÊNCIA, HETERONORMATIVIDADE, ATO SEXUAL, SENTIMENTOS...

REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DE SEXUALIDADE: CONSTRUÇÃO, ESSÊNCIA, HETERONORMATIVIDADE, ATO SEXUAL, SENTIMENTOS... REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DE SEXUALIDADE: CONSTRUÇÃO, ESSÊNCIA, HETERONORMATIVIDADE, ATO SEXUAL, SENTIMENTOS... RIBEIRO,PAULA REGINA COSTA;SOARES,GUIOMAR FREITAS;SOARES,BRANCA ESLER DE SOUZA; SEVERO,DEISE

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

O HOMEM TRANS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE

O HOMEM TRANS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE O HOMEM TRANS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE Patrícia Michelini de Matos Batista, discente do curso de Licenciatura em Ciências Sociais, bolsista de iniciação científica da Universidade Estadual de

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

O design de cartazes no Cinema Marginal e na Pornochanchada

O design de cartazes no Cinema Marginal e na Pornochanchada Simone Albertino da Silva O design de cartazes no Cinema Marginal e na Pornochanchada Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Design do Departamento de Artes e

Leia mais

PLANO DE CURSO. Curso: Mestrado em Direitos Humanos Ano: 2013 Semestre: 2º

PLANO DE CURSO. Curso: Mestrado em Direitos Humanos Ano: 2013 Semestre: 2º PLANO DE CURSO 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Direitos Unidade: NDH Humanos (Mestrado) Disciplina: Gênero e Sexualidade: (Des)Construir conceitos e Código: Núcleo:

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Cidade dos outros Espaços e tribos LGBT em Belo Horizonte 1. Vinícius da Silva LUIZ 2. Maria Tereza Novo DIAS 3. Bruno Souza LEAL 4

Cidade dos outros Espaços e tribos LGBT em Belo Horizonte 1. Vinícius da Silva LUIZ 2. Maria Tereza Novo DIAS 3. Bruno Souza LEAL 4 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste Rio de Janeiro 7 a 9 de maio de 2009 Cidade dos outros Espaços e tribos

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Dramaturgia. Oralidade. Ator. Improvisação. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Dramaturgia. Oralidade. Ator. Improvisação. ABSTRACT SILVEIRA, Patrícia dos Santos. Jogos de linguagem e oralidade na construção do texto teatral. Florianópolis: UDESC; CAPES; Mestrado; Orientador Prof. Dr. Stephan Baumgärtel. Atriz. RESUMO Este artigo visa

Leia mais

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. O silêncio da cor

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008. O silêncio da cor Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O silêncio da cor Regina Marques Parente (UFSCar/SP) Mulheres negras, raça e gênero, identidade. ST 69: Pensamento

Leia mais

União Homossexual. Humana Assistida

União Homossexual. Humana Assistida União Homossexual e Reprodução Humana Assistida Dra. Rívia Lamaita II SIMPÓSIO DE DIREITO BIOMÉDICO 04 de junho de 2011 DEBATE ÉTICO SOBRE UNIÃO HOMOSSEXUAL: COMO SURGIU? Parte da razão para o não reconhecimento

Leia mais

"Conquistando identidades, visibilidade e direitos"

Conquistando identidades, visibilidade e direitos Painel / Linha temática 4 Género, famílias e sexualidades: os modelos e as experiências Mesa 4.1 "Conquistando identidades, visibilidade e direitos" Comentadora: Ana Cristina Santos 1 Moderador: Marcelo

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás Corpos em cena na formação crítica docente Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás 1 Nosso trabalho na perspectiva crítica Objetivo: problematizar questões sociais e relações desiguais de poder

Leia mais

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS.

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. Prof. Me. Leonardo Morjan Britto Peçanha Licenciado e Bacharel em Educação Física (UNISUAM);

Leia mais

CONVERSAÇÕES SOBRE GÊNERO, SEXUALIDADE, TEORIA QUEER E EDUCAÇÃO: ENTREVISTA COM GUACIRA LOPES LOURO

CONVERSAÇÕES SOBRE GÊNERO, SEXUALIDADE, TEORIA QUEER E EDUCAÇÃO: ENTREVISTA COM GUACIRA LOPES LOURO CONVERSAÇÕES SOBRE GÊNERO, SEXUALIDADE, TEORIA QUEER E EDUCAÇÃO: ENTREVISTA COM GUACIRA LOPES LOURO Vilma Nonato de Brício 1 vilma@ufpa.br A trajetória de pesquisa da Prof.ª Dr.ª Guacira Lopes Louro contribuiu

Leia mais

PANORAMA CONCEITUAL: e DIVERSIDADE SEXUAL. Prof. Roney Polato de Castro

PANORAMA CONCEITUAL: e DIVERSIDADE SEXUAL. Prof. Roney Polato de Castro PANORAMA CONCEITUAL: SEXUALIDADE e DIVERSIDADE SEXUAL Prof. Roney Polato de Castro 1. Sexualidade é natural? A sexualidade tem sido interpretada como um aspecto natural do ser humano, como uma essência,

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

REFLETINDO SOBRE QUESTÕES DE GÊNERO: A TRÍADE CRIANÇA-ESCOLA- FAMÍLIA EM PERSPECTIVA

REFLETINDO SOBRE QUESTÕES DE GÊNERO: A TRÍADE CRIANÇA-ESCOLA- FAMÍLIA EM PERSPECTIVA REFLETINDO SOBRE QUESTÕES DE GÊNERO: A TRÍADE CRIANÇA-ESCOLA- FAMÍLIA EM PERSPECTIVA Josilene do Nascimento Rodrigues (Universidade Federal de Campina Grande UFCG. E-mail: lene-nr@hotmail.com) Maria Edna

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Joana de Oliveira Brea Sutis Resistências: criação cinematográfica e instâncias de produção de filmes. Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira

A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira Quando falávamos em projetos nas cadeiras teóricas da faculdade não conseguia

Leia mais

A DESTRUIÇÃO DO CORPO E A EMERGÊNCIA DO SUJEITO: A SUBJETIVAÇÃO EM JUDITH BUTLER

A DESTRUIÇÃO DO CORPO E A EMERGÊNCIA DO SUJEITO: A SUBJETIVAÇÃO EM JUDITH BUTLER Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 A DESTRUIÇÃO DO CORPO E A EMERGÊNCIA DO SUJEITO: A SUBJETIVAÇÃO EM JUDITH BUTLER Henrique Caetano Nardi 1 Raquel da Silva Silveira

Leia mais

Uma leitura crítica da teoria do Pós-desenvolvimento

Uma leitura crítica da teoria do Pós-desenvolvimento Uma leitura crítica da teoria do Pós-desenvolvimento Ana Fantasia (CEsA.UL)e Pedro Pereira Leite (CES.UC) Neste trabalho efetuamos uma leitura crítica do artigo Post-development as a concept and social

Leia mais

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA Tatiana da Silva Silveira - IFSUL Angela Dillmann Nunes Bicca - IFSUL Resumo: Neste texto, desenvolvido sob a perspectiva dos Estudos Culturais de inspiração

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

Amor e ódio, prazer e dor / sofrimento, vida e morte são. representações binárias e opostas, formas de sentir e viver que são

Amor e ódio, prazer e dor / sofrimento, vida e morte são. representações binárias e opostas, formas de sentir e viver que são Educação Sexual e sentimental Amor e ódio, prazer e dor / sofrimento, vida e morte são representações binárias e opostas, formas de sentir e viver que são construídas pela cultura e com variações societárias

Leia mais

SINOPSE CURTA SINOPSE

SINOPSE CURTA SINOPSE SINOPSE CURTA No início dos anos 1940, os irmãos Orlando, Cláudio e Leonardo Villas-Boas desistem do conforto da vida na cidade e alistam-se na expedição Roncador Xingu para descobrir e explorar as terras

Leia mais

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire Volunteer Profile Questionnaire 1 Índice 1 VOLUNTEER PROFILE QUESTIONNAIRE... 1.1 Country... 1. AGE... 1. GENDER... 1..1 GENDER vs... 1. Qualification... 1..1 QUALIFICATION GREECE VS PORTUGAL... 1. Are

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE

BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE BARREIRAS ENCONTRADAS/ENFRENTADAS POR HOMOSSEXUAIS NO ESPORTE Jarlson Carneiro Amorim da Silva(1); Iraquitan De Oliveira Caminha (Orientador)(2); Tatiane Dos Santos Silva(3); Jéssica Leite Serrano(4) (1)Mestrando

Leia mais

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES

HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES HOMOSSEXUALIDADE E AMBIENTE ESCOLAR: A TEORIA QUEER COMO PROPOSTA PARA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES Vinícius Lopes Torres 1 Resumo: A homossexualidade é um tema que ganha cada vez mais

Leia mais

Cultura participativa: Um olhar de insider sobre o fã Georgia Natal i

Cultura participativa: Um olhar de insider sobre o fã Georgia Natal i Cultura participativa: Um olhar de insider sobre o fã Georgia Natal i Resumo: O texto visa tratar, de maneira breve, as fronteiras entre produtores e consumidores no âmbito da cultura do fã. Aborda criticamente

Leia mais

IZAAC AZEVEDO DOS SANTOS. NARRATIVAS DE UM ADOLESCENTE HOMOERÓTICO Conflitos do eu na rede de relações sociais da infância à adolescência

IZAAC AZEVEDO DOS SANTOS. NARRATIVAS DE UM ADOLESCENTE HOMOERÓTICO Conflitos do eu na rede de relações sociais da infância à adolescência IZAAC AZEVEDO DOS SANTOS NARRATIVAS DE UM ADOLESCENTE HOMOERÓTICO Conflitos do eu na rede de relações sociais da infância à adolescência Dissertação de Mestrado Dissertação de Mestrado apresentada como

Leia mais

PRODUTOR CULTURAL EM DANÇA: APONTAMENTOS DE UMA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CULTURAL PRODUCER IN DANCE: NOTES OF A PROFESSIONAL EXPERIENCE

PRODUTOR CULTURAL EM DANÇA: APONTAMENTOS DE UMA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CULTURAL PRODUCER IN DANCE: NOTES OF A PROFESSIONAL EXPERIENCE PRODUTOR CULTURAL EM DANÇA: APONTAMENTOS DE UMA EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Mariana Bittencourt Oliveira (UFRJ) i RESUMO: A partir da minha experiência no projeto de pesquisa Arriscado : um diálogo entre

Leia mais

Redes sociais e o acesso público ao cinema brasileiro

Redes sociais e o acesso público ao cinema brasileiro Redes sociais e o acesso público ao cinema brasileiro Cynthia Zaniratti Introdução Hoje, pode-se perceber certa onipresença das redes sociais na chamada Sociedade da Informação. Mais do que um conceito

Leia mais

LAERTE ABRE O JOGO (E TIRA A ROUPA) : REFLEXÕES SOBRE AS PEDAGOGIAS DE GÊNERO E SEXUALIDADE EM UM ARTEFATO CULTURAL Gabriela Garcia Sevilla (SEDUC/RS)

LAERTE ABRE O JOGO (E TIRA A ROUPA) : REFLEXÕES SOBRE AS PEDAGOGIAS DE GÊNERO E SEXUALIDADE EM UM ARTEFATO CULTURAL Gabriela Garcia Sevilla (SEDUC/RS) LAERTE ABRE O JOGO (E TIRA A ROUPA) : REFLEXÕES SOBRE AS PEDAGOGIAS DE GÊNERO E SEXUALIDADE EM UM ARTEFATO CULTURAL Gabriela Garcia Sevilla (SEDUC/RS) O que se passou foi que me vi motivada a retomar a

Leia mais

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL ENLAÇANDO SEXUALIDADES 15 a 17 de Maio de 2013 Universidade do Estado da Bahia Campus I Salvador - BA

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL ENLAÇANDO SEXUALIDADES 15 a 17 de Maio de 2013 Universidade do Estado da Bahia Campus I Salvador - BA O CURRÍCULO E OS PERFORMATIVOS CURRICULARES NO KIT ESCOLA SEM HOMOFOBIA: UMA ANÁLISE DO VÍDEO TORPEDO Maria da Conceição Carvalho Dantas (Marilu) 1 Este trabalho visa analisar o vídeo Torpedo, que compõe

Leia mais

NAS TENDAS DA SEXUALIDADE E GÊNERO FARIA, Lívia Monique de Castro UFLA GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: MEC e DEPEM

NAS TENDAS DA SEXUALIDADE E GÊNERO FARIA, Lívia Monique de Castro UFLA GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: MEC e DEPEM 1 NAS TENDAS DA SEXUALIDADE E GÊNERO FARIA, Lívia Monique de Castro UFLA GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: MEC e DEPEM Introdução Inserir a temática da sexualidade e gênero nos

Leia mais

Autora: Lilian Maria Araujo da Silva (lilianmaria@superig.com.br)

Autora: Lilian Maria Araujo da Silva (lilianmaria@superig.com.br) Dissertação de mestrado THE BODY OF THE CONDEMNED IN ANNE RICE S THE VAMPIRE CHRONICLES: INTERVIEW WITH THE VAMPIRE Autora: Lilian Maria Araujo da Silva (lilianmaria@superig.com.br) Orientadora: Prof a

Leia mais

[Diapositivo 2] Porquê a escolha desta população?

[Diapositivo 2] Porquê a escolha desta população? 1 De que falamos quando falamos de preconceito contra a homoparentalidade: Atitudes face à competência parental e ao desenvolvimento psicossocial das crianças. Jorge Gato [Diapositivo 1] Gostava de partilhar

Leia mais

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE Silvana Marpoara 1, Maria do Rosário de Fátima de Andrade Leitão 2 1 Silvana Marpoara é jornalista, produtora

Leia mais

A ARTE E O HOMEM UMA VISÃO FILOSÓFICA THE ART AND THE MAN A PHILOSOPHICAL VISION

A ARTE E O HOMEM UMA VISÃO FILOSÓFICA THE ART AND THE MAN A PHILOSOPHICAL VISION 98 A ARTE E O HOMEM UMA VISÃO FILOSÓFICA THE ART AND THE MAN A PHILOSOPHICAL VISION José Dettoni 1 Os deuses dançam (Nietzache) Nem os animais nem os anjos são artistas. Só os homens. RESUMO: Viver esteticamente

Leia mais

OS HOMENS DE JORGE AMADO: A HOMOSSEXUALIDE EM SUOR.

OS HOMENS DE JORGE AMADO: A HOMOSSEXUALIDE EM SUOR. OS HOMENS DE JORGE AMADO: A HOMOSSEXUALIDE EM SUOR. Antonio Jeferson Barreto Xavier. 1 Resumo: O presente trabalho propõe analisar a representação de dois personagens homossexuais presente no livro Suor

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Um diálogo emergente entre os vários Suls : Os direitos humanos na perspectiva (inter)cultural

Um diálogo emergente entre os vários Suls : Os direitos humanos na perspectiva (inter)cultural Um diálogo emergente entre os vários Suls : Os direitos humanos na perspectiva (inter)cultural Rosemeire Barboza 1 rosemeire.silva@student.fe.uc.pt «Edouard» Glissant me disse: Eu nunca encontrei você

Leia mais

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009. Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini

SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009. Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini SEMINÁRIO SOCIEDADE, ESCOLA E VIOLÊNCIA 06 de junho de 2009 Violência e Sexualidade: Gênero e Homofobia na Escola Alexandre Bortolini Coordenador do Projeto Diversidade Sexual na Escola Universidade Federal

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: Um desafio na educação infantil

A DIVERSIDADE CULTURAL: Um desafio na educação infantil A DIVERSIDADE CULTURAL: Um desafio na educação infantil Natália Moreira Altoé 1 RESUMO Este trabalho tem como principal objetivo compreender a diversidade cultural e seus impactos para a educação infantil.

Leia mais

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP Sandra Mara Pereira dos Santos soul_mara@yahoo.com.br PPGCSo-UNESP Doutoranda Analiso que na questão de gênero no rap nacional existe

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO Adriana Recla Pós-graduada em Língua Inglesa e Língua Portuguesa Professora da Faculdade de Aracruz - UNIARACRUZ Professora

Leia mais

UNIVERSIDAD DE CALDAS III SEMINARIO INTERNACIONAL SOBRE FAMILIA LAS FAMILIAS: EL RETO DE LA DIVERSIDAD

UNIVERSIDAD DE CALDAS III SEMINARIO INTERNACIONAL SOBRE FAMILIA LAS FAMILIAS: EL RETO DE LA DIVERSIDAD UNIVERSIDAD DE CALDAS III SEMINARIO INTERNACIONAL SOBRE FAMILIA LAS FAMILIAS: EL RETO DE LA DIVERSIDAD Sexualidades y formación familiar en el Brasil contemporâneo Anna Paula Uziel UERJ - Brasil Em primeiro

Leia mais

CULTURA GAY: POR UMA DESCONSTRUÇÃO HETERONORMATIVA GAY CULTURE: FOR A HETERNORMATIVE DESCONSTRUCTION

CULTURA GAY: POR UMA DESCONSTRUÇÃO HETERONORMATIVA GAY CULTURE: FOR A HETERNORMATIVE DESCONSTRUCTION CULTURA GAY: POR UMA DESCONSTRUÇÃO HETERONORMATIVA GAY CULTURE: FOR A HETERNORMATIVE DESCONSTRUCTION Olinson Coutinho Miranda 1 RESUMO: Este projeto é o resultado dos estudos sobre as teorias de Levi-Strauss,

Leia mais

A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design

A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design Marcelo Vianna Lacerda de Almeida A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Design

Leia mais

O som no cinema brasileiro: uma estética em negativo

O som no cinema brasileiro: uma estética em negativo O som no cinema brasileiro: uma estética em negativo Rodrigo Carreiro 1 Quando observamos em paralelo a evolução histórica, técnica e estética do uso do som no cinema brasileiro e em grandes produções

Leia mais

HUAP A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA MULHERES EM NITERÓI

HUAP A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA MULHERES EM NITERÓI HUAP A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA MULHERES EM NITERÓI Rita de Cássia Santos Freitas 1 Nívia Valença Barros 2 Cenira Duarte Braga 3 Maria Cristina Ribeiro dos Santos 4 Cintia Azevedo dos Santos 5 Pois em tempo

Leia mais

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br Preposições na língua inglesa geralmente vem antes de substantivos (algumas vezes também na frente de verbos no gerúndio). Algumas vezes é algo difícil de se entender para os alunos de Inglês pois a tradução

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DOS ESTUDOS DAS HOMOSSEXUALIDADES NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, DE 1992 A 2008

O ESTADO DA ARTE DOS ESTUDOS DAS HOMOSSEXUALIDADES NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, DE 1992 A 2008 O ESTADO DA ARTE DOS ESTUDOS DAS HOMOSSEXUALIDADES NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO, DE 1992 A 2008 André Iribure Rodrigues 1 Lucas Roecker Lazarin 2 Resumo: O texto apresenta os procedimentos

Leia mais

DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA E DIREITOS HUMANOS. Palavras Chave: Sexualidade, Diversidade Sexual, Direitos Humanos e Educação.

DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA E DIREITOS HUMANOS. Palavras Chave: Sexualidade, Diversidade Sexual, Direitos Humanos e Educação. DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA E DIREITOS HUMANOS Laísa Pires Zem El-Dine 1 RESUMO: Este trabalho apresenta uma pesquisa bibliográfica e documental acerca da questão da diversidade sexual na escola e de

Leia mais