REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE NATAÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE NATAÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO PROGRAMA DE NATAÇÃO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Deliberado pela Câmara Municipal de Sintra em 25 de janeiro de 2012 Aprovado pela Assembleia Municipal de Sintra em 26 de abril de 2012 Página 1 de 11

2 PREÂMBULO O presente regulamento têm por objectivo definir o funcionamento do Programa de Natação para os alunos do 1.º ciclo do Ensino Básico das escolas de rede pública do Concelho de Sintra, quer no âmbito das Actividades de Enriquecimento Curricular, no desenvolvimento da natação nos horários da Actividade Física e Desportiva, quer no âmbito da Componente de Apoio à Família. As presentes normas definem ainda a forma de organização dos grupos, distribuição pelos equipamentos, definição dos técnicos responsáveis, formas de planificação e avaliação do programa, transporte dos alunos, regras de utilização das piscinas, deveres e direitos das Escolas, Associações de Pais e Encarregados de Educação, EDUCA, EEM e associações sem fins lucrativos que venham a estabelecer protocolos com o Município, bem como as responsabilidades das entidades parceiras encontradas. O projecto de regulamento, foi sujeito a audiência dos interessados nos termos do artigo 117.º do Código de Procedimento Administrativo, sendo o mesmo simultaneamente submetido, nos termos do disposto no artigo 118.º do mesmo diploma, a apreciação pública pelo prazo de trinta dias, através da publicação do Aviso nº 21847/2011 na II Série do Diário da República nº 211, de 3 de Novembro de 2011 e demais publicitação legalmente prevista. Não foram recebidos quaisquer contributos. Assim, nos termos do disposto nos artigos 112.º n.º 8 e artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, no preceituado na alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º e da alínea b) do n.º 4 do artigo 64.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com a redacção que lhe foi dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, a Assembleia Municipal de Sintra, sob proposta da Câmara Municipal aprova, na sua 2ª Sessão Ordinária de 26 de Abril de 2012, o Regulamento de funcionamento do Programa de Natação para os alunos do 1.º ciclo do Ensino Básico Página 2 de 11

3 Artigo 1º (Lei Habilitante) O presente Regulamento é aprovado ao abrigo do disposto no art.º 241.º da Constituição da República Portuguesa e no respeito pelas competências conferidas pela alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º da Lei n.º 169/99, com a redacção dada pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro e tem enquadramento legal no disposto no art.º 13.º, n.º 1, alínea d) e alínea e) do n.º 3 do art.º 19.º da Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, quanto ao desenvolvimento de actividades complementares de acção educativa, no ensino pré-escolar e no ensino básico, com concretização na alínea l) do n.º 1 do art.º 64.º da Lei 169/99, na redacção dada pela Lei 5-A/2002, de 11 de Janeiro, que estatui o apoio ou comparticipação da Câmara Municipal em actividades complementares no âmbito de projectos educativos e, pela alínea b) do n.º 4 do art.º 64.º que prevê o apoio e comparticipação da Câmara em actividades de interesse municipal, de natureza social cultural, desportiva, recreativa ou outra. Artigo 2º (Objecto) 1 - O Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico assenta, no que diz respeito à definição de objectivos e conteúdos programáticos, no Programa de Natação do Ministério da Educação ( Organização Curricular e Programas [1.º CEB] / Expressão e Educação Físico-Motora / Bloco 8 Natação), ficando sujeito a adaptações de acordo com o nível de prestação motora e idade dos alunos. 2 Sem prejuízo do referido no numero anterior, aplicam-se ainda ao presente Programa as orientações legal e regulamentarmente definidas para as Actividades de Enriquecimento Curricular. 3 O programa referido no número 1 do presente artigo fica subordinado à prévia cabimentação da verba afecta ao mesmo, constante de rubrica prévia em Orçamento Municipal. Página 3 de 11

4 Artigo 3º ( Organização do Programa ) 1 - O Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico organiza-se de acordo com a planificação base constante do Anexo I ao Presente Regulamento. 2 Sem prejuízo do exposto deve ser tidas em conta na execução do Programa, as considerações de ordem pedagógica constantes do Anexo II. Artigo 4.º (Local e tempo das actividades) 1 - As sessões de natação têm lugar nos Complexos Desportivos Municipais de Fitares, João Carlos Cinfuentes (Monte Abraão), de Ouressa e na Piscina Municipal de Mira-Sintra). 2 - Podem ainda ocorrer sessões desta prática desportiva nas piscinas de associações sem fins lucrativos que estabeleçam protocolo de colaboração com o Município. 3 - As actividades têm início a partir do início do ano lectivo, de acordo com a disponibilidade dos espaços e das entidades envolvidas, sendo interrompidas nas pausas lectivas, de acordo com o calendário definido pelo Ministério da Educação. 4 - O horário das sessões é marcado pela Divisão de Educação em articulação directa com as entidades gestoras das piscinas, em consonância com a Direcção Executiva do Agrupamento. Artigo 5.º (Competência e responsabilidade da gestão) 1 - A organização e gestão de todos os procedimentos desenvolvidos no âmbito do presente Regulamento é da competência da Câmara Municipal de Sintra, através da Página 4 de 11

5 Divisão de Educação, ou em caso de alteração estrutural, da unidade orgânica que tenha essa incumbência. 2 Compete à Divisão de Educação, sem prejuízo do demais previsto na Estrutura Flexível da Câmara Municipal de Sintra, designadamente,: a) Organizar o Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico estabelecendo os contactos necessários junto das entidades responsáveis por garantir o acesso às piscinas, bem como o transporte dos alunos; b) Acompanhar e monitorizar os procedimentos de candidatura ao Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico; c) Identificar e seleccionar as escolas que devem estar contempladas no Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico, de acordo com os critérios constantes do presente regulamento; d) Realizar visitas técnicas de acompanhamento ao longo do ano lectivo; e) Proceder à avaliação anual do Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico; f) Proceder à transferência financeira no âmbito do Protocolo estabelecido com as entidades parceiras. Artigo 6.º (Da Direcção Executiva do Agrupamento de Escolas) À Direcção Executiva do Agrupamento de Escolas compete: a) Proceder a candidatura ao Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico entre os dias 15 e 30 de Junho de cada ano civil; b) Seleccionar as turmas a incluir no Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico; c) Informar a Divisão de Educação, até ao dia 31 de Julho de cada ano civil, do número efectivo de alunos a frequentar esta resposta, sendo esse o referencial para o pagamento a efectuar às piscinas; Página 5 de 11

6 d) Enviar para a Divisão de Educação os registos de avaliação individual dos alunos (diagnóstica, intercalar e final); e) Assegurar o acompanhamento dos alunos na piscina e nos balneários; f) Assegurar o acompanhamento dos alunos com necessidades educativas especiais (NEE) por um professor especializado; g) Dar conhecimento, por escrito, à Divisão de Educação sempre que uma turma não possa comparecer à aula, justificando o motivo pelo qual se dará essa ausência; h) Informar a Divisão de Educação sempre que um aluno anule a sua inscrição ou deixe de comparecer às aulas; i) Prever soluções para os alunos de fracos recursos económicos que estejam impossibilitados de adquirir material necessário; j) Elaborar o relatório final de avaliação do programa e enviá-lo à Divisão de Educação. À EDUCA, EEM compete: Artigo 7.º (Da Educa EEM) a) Enviar à Divisão de Educação, em tempo útil, a disponibilidade de horários das piscinas no processo de planeamento do Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico; b) Enviar trimestralmente a assiduidade dos alunos e da respectiva escola para a Divisão de Educação; c) Garantir o apoio técnico nas piscinas, sempre que necessário no âmbito da resposta da componente de apoio à família e das actividades de enriquecimento curricular, de acordo com as respectivas disponibilidades; d) Assegurar a articulação pedagógica dos técnicos da piscina com os Professores de Actividade Física e Desportiva, especialmente no que diz respeito à planificação das sessões, selecção de conteúdos e critérios de avaliação. Página 6 de 11

7 Artigo 8.º (Das Associações sem fins lucrativos) Às associações sem fins lucrativos que estabeleçam protocolo com o Município compete: a) Enviar à Divisão de Educação, em tempo útil, a disponibilidade de horários das piscinas no processo de planeamento do Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico; b) Envio trimestral da assiduidade dos alunos e da respectiva escola para a Divisão de Educação; c) Garantir o apoio técnico nas piscinas, sempre que necessário no âmbito da resposta da componente de apoio à família e das actividades de enriquecimento curricular, de acordo com as respectivas disponibilidades; d) Assegurar a articulação pedagógica dos técnicos da piscina com os Professores de Actividade Física e Desportiva, especialmente no que diz respeito à planificação das sessões, selecção de conteúdos e critérios de avaliação. Artigo 9.º (Dos Professores) Ao professor responsável pela Actividade Física e Desportiva (Actividades de Enriquecimento Curricular), em articulação com o professor titular de turma, compete: a) Elaborar os registos de avaliação individual dos alunos (diagnóstica, intercalar e final); b) Seleccionar os conteúdos programáticos que mais se adequam a casa grupo, definir as competências a desenvolver e os critérios de avaliação formativa; c) Disponibilizar todos os dados solicitados pela Divisão de Educação ao longo do ano lectivo; d) Acompanhar e supervisionar os alunos no cais da piscina; Página 7 de 11

8 e) Assegurar a articulação pedagógica com os técnicos da piscina, especialmente no que diz respeito à planificação das sessões, selecção de conteúdos e critérios de avaliação. Artigo 10.º (Identificação e selecção das Escolas) 1 - No processo de selecção e identificação das escolas a abranger pelo Programa de Natação do 1.º ciclo do Ensino Básico, são tidas em conta as seguintes prioridades: a) Estabelecimentos de ensino que integrem a natação na oferta das Actividades de Enriquecimento Curricular, bem como no Projecto Educativo do Agrupamento de Escolas; b) Estabelecimentos de ensino cuja Junta de Freguesia se comprometa a transportar os alunos, sem custos para o Município nem para a escola, caso não seja possível a deslocação a pé; c) Estabelecimentos de ensino que reúnam as condições legais para a deslocação geográfica dos alunos, no que diz respeito ao número de adultos no acompanhamento dos mesmos; d) Estabelecimento de ensino que não tenha capacidade de proporcionar a prática da Actividade Física e Desportiva, especialmente os alunos dos 3.º e 4.º anos; e) Alunos integrados nas Unidades de Ensino Especial cujas condições de acompanhamento e transporte se proporcionem. 2 - No caso de surgirem candidaturas em número superior à capacidade de resposta, cabe à Câmara Municipal de Sintra, através da Divisão de Educação a selecção das escolas a contemplar, tendo por base a adequação da actividade ao Projecto Educativo do Agrupamento de Escolas. Página 8 de 11

9 Artigo 11.º (Alunos com Necessidades Especiais) 1 - Sempre que se verifiquem todas condições para a prática da natação por parte dos alunos com necessidades educativas especiais, são tomadas todas as diligências para que os mesmos sejam incluídos no planeamento da prática desta modalidade. 2 - Para o correcto enquadramento dos alunos com necessidades educativas especiais (NEE) deve ser apresentado o relatório médico ao professor de Actividade Física e Desportiva, de modo a que as actividades sejam devidamente adaptadas. Artigo 12.º (Vagas) No caso do número de vagas ser superior ao número de candidaturas, a Divisão de Educação pode permitir o alargamento da resposta ao Programa À Descoberta dos Tempos Livres Componente de Apoio à Família no 1.º ciclo e Pré-Escolar, de acordo com a disponibilidade das piscinas e disponibilidade de transporte por parte das respectivas Juntas de Freguesia. Artigo 13º ( Fiscalização ) 1. A verificação do cumprimento do presente Regulamento compete ao dirigente da Divisão de Educação da Câmara Municipal de Sintra, coadjuvado pelos técnicos da aludida unidade orgânica. 2. Qualquer anomalia ou forma de incumprimento deve ser, com a máxima celeridade, transmitida através de relatório fundamentado ao Eleito com competências próprias ou delegadas / subdelegas na área da Educação Página 9 de 11

10 Artigo 14.º ( Integração de lacunas e interpretação ) 1- Em tudo o que não estiver previsto no presente Regulamento, regem as disposições legais aplicáveis. 2 - As dúvidas suscitadas na interpretação deste regulamento e a resolução de casos omissos são resolvidos por despacho do Presidente da Câmara. Artigo 15.º ( Entrada em vigor ) O presente regulamento entra em vigor no prazo de 15 dias úteis sobre a sua publicitação nos termos legais. Página 10 de 11

11 Anexo I ESTRUTURA / ORGANIZAÇÃO COLABORAÇÃO / ACOMPANHAMENTO PLANIFICAÇÃO DAS ACTIVIDADES / AVALIAÇÃO DOS ALUNOS SUPERVISÃO PEDAGÓGICA / AVALIAÇÃO DO PROJECTO - 1 sessão semanal de 40 minutos; - 8 Alunos por pista/professor + técnico de natação; - Sessão no horário das Actividades de Enriquecimento Curricular (2 x 45 minutos seguidos). - Professor de Actividade Física e Desportiva; - Assistente Operacional (escola) e/ou técnico da Associação de Pais e Encarregados de Educação. - Professor de Actividade Física e Desportiva. - Direcção Executiva do Agrupamento; - Câmara Municipal de Sintra Divisão de Educação. Anexo II a) Os professores e os alunos devem apresentar-se com o equipamento adequado, definido pelo regulamento das piscinas; b) Na primeira sessão é imprescindível dar informações sobre as regras de utilização da piscina de forma clara e concisa, nunca esquecendo a apresentação professor-aluno; c) É pedagogicamente importante que os alunos sejam chamados pelo seu nome, pelo que têm que ser encontradas estratégias para conseguir fazê-lo, como por exemplo, pedir aos mesmos que escrevam o seu nome na touca; d) Com o objectivo de rentabilizar o tempo útil de aula é necessário aumentar o tempo de actividade motora, diminuindo o tempo de espera, controlando eficazmente os comportamentos fora da tarefa e melhorando a organização de cada sessão; e) A aula livre deve ser uma aula mais orientada, onde se utilizem jogos, estafetas ou percursos com a orientação do professor, de forma a que se evitem os comportamentos de indisciplina e se tirem proveitos deste tipo de sessão; f) Os alunos com necessidades educativas especiais (NEE), ainda que acompanhadas por um professor especializado, devem estar incluídos física e socialmente no grupo a que pertencem, de modo a promover a inclusão; g) A utilização de reforços positivos deve ser uma preocupação dos técnicos, uma vez tratar-se de uma actividade de carácter educativo; h) Quando se realizam actividades com alunos dos 1.º e 2.º anos, o técnico responsável deve estar dentro de água com os alunos, não só por questões de segurança como também com a finalidade de auxiliar os alunos na execução de algumas situações de exercício, permitindo que as crianças se sintam mais confiantes e à vontade na realização das situações propostas. Página 11 de 11

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS ( Com a alteração constante do Parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais da Assembleia Municipal de Sintra ) 23 DE NOVEMBRO

Leia mais

Regulamento Municipal Da Oficina do Idoso

Regulamento Municipal Da Oficina do Idoso Regulamento Municipal Da Oficina do Idoso ABRIL DE 2009 APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL DE SINTRA EM 14 DE JANEIRO DE 2009 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 23 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA

Leia mais

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso. Referencial para organização das Atividades de Enriquecimento Curricular

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso. Referencial para organização das Atividades de Enriquecimento Curricular Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso Referencial para organização das Atividades de Enriquecimento Curricular 2015 / 2016 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AMADEO DE SOUZA-CARDOSO ENSINO DO INGLÊS AAA

Leia mais

Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição

Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição 1 Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL DE SINTRA EM 26 DE MARÇO DE 2008 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 18 DE ABRIL DE 2008 2 Regulamento

Leia mais

Município de Santarém REGULAMENTO MUNICIPAL DE VISITAS DE ESTUDO

Município de Santarém REGULAMENTO MUNICIPAL DE VISITAS DE ESTUDO REGULAMENTO MUNICIPAL DE VISITAS DE ESTUDO ÍNDICE Preâmbulo 3 Artigo 1.º Lei Habilitante 4 Artigo 2.º Âmbito 4 Artigo 3.º Plano Anual Visitas de Estudo 5 Artigo 4.º Estabelecimentos de Ensino Abrangidos

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS Preâmbulo A criação de um programa de ocupação temporária de jovens contribui, substancialmente, para a sua formação, afastando-os dos perigos que

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A JOVENS DESEMPREGADOS Regulamento. Preâmbulo

PROGRAMA DE APOIO A JOVENS DESEMPREGADOS Regulamento. Preâmbulo PROGRAMA DE APOIO A JOVENS DESEMPREGADOS Regulamento Preâmbulo A criação de um programa de ocupação temporária de jovens contribui, substancialmente, para a sua formação, afastando-os dos perigos que podem

Leia mais

Nota Justificativa. Considerando que:

Nota Justificativa. Considerando que: Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa de Atividades de Animação e de Apoio à Família Acordo de Colaboração para a Educação Pré-Escolar Considerando que: Nota Justificativa - A

Leia mais

Artigo 1º Composição

Artigo 1º Composição REGIMENTO INTERNO Artigo 1º Composição 1. O Departamento Curricular do Pré-Escolar é constituído pelos Docentes dos Jardins de Infância de A-dos- Negros, Gracieira, Gaeiras, A-da-Gorda, Óbidos, Usseira,

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

Regulamento para Atribuição de Transportes Escolares do Município de Mafra NOTA JUSTIFICATIVA

Regulamento para Atribuição de Transportes Escolares do Município de Mafra NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Dando cumprimento às atribuições do Município no domínio da Educação, conforme previsto nas alíneas d) do n.º 1 do artigo 13.º e a) do n.º 3 do artigo 19.º da Lei n.º 159/99, de 14 de

Leia mais

Actividades de Enriquecimento Curricular Regimento

Actividades de Enriquecimento Curricular Regimento Actividades de Enriquecimento Curricular Regimento 2010-2011 REGIMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Considerando a importância do desenvolvimento de Actividades de Enriquecimento Curricular

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS

PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS PROJECTO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIOS PARA ACÇÕES PEDAGÓGICO - CULTURAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTIGO 1º (DEFINIÇÕES ) O presente Regulamento, disciplina a concessão de apoios a prestar, pelas

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro O Regulamento Geral de Estudos da Universidade de Aveiro, aprovado em, publicado no Diário da República

Leia mais

VIGILÂNCIA NOS REFEITÓRIOS ESCOLARES - ORIENTAÇÕES

VIGILÂNCIA NOS REFEITÓRIOS ESCOLARES - ORIENTAÇÕES - ORIENTAÇÕES Finalidade Os refeitórios escolares são locais de aprendizagem de boas práticas, com reflexos positivos no desenvolvimento pessoal e social das crianças. A Vigilância nos refeitórios escolares

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

Ocupação Plena dos Tempos Escolares PLANO ANUAL 2009/2010. prof. [Escolher a data] 1 Projecto Educativo

Ocupação Plena dos Tempos Escolares PLANO ANUAL 2009/2010. prof. [Escolher a data] 1 Projecto Educativo 1 Projecto Educativo Ocupação Plena dos Tempos Escolares PLANO ANUAL 2009/2010 Marinha Grande, 05 de Setembro de 2009 ESPR 2008-2011 prof. [Escolher a data] 2 Critérios de Avaliação Índice I. ENQUADRAMENTO

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTALEGRE

MUNICÍPIO DE MONTALEGRE MUNICÍPIO DE MONTALEGRE CÃMARA MUNICIPAL N.I.P.0 506 149 811 EDITAL N 0212012/DAGF Regulamento de Apoio a Iniciativas Sociais, Culturais, Recreativas, Educativas, Humanitárias, Desportivas, Cooperativas

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO, UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS DA ASSOCIAÇÃO RECREATIVA ALFÂNDEGUENSE

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO, UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS DA ASSOCIAÇÃO RECREATIVA ALFÂNDEGUENSE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO, UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS DA ASSOCIAÇÃO RECREATIVA ALFÂNDEGUENSE Nota justificativa O presente Projecto de Regulamento das Piscinas da Associação Recreativa Alfandeguense, surge

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

REGULAMENTO ANEXO 3. Prova de Aptidão Profissional. Regulamento Interno CTDC. Colégio Torre Dona Chama Apoiado pelo Ministério da Educação.

REGULAMENTO ANEXO 3. Prova de Aptidão Profissional. Regulamento Interno CTDC. Colégio Torre Dona Chama Apoiado pelo Ministério da Educação. Cancela & Carvalho Colégio Torre Dona Chama Apoiado pelo Ministério da Educação Regulamento Interno CTDC ANEXO 3 REGULAMENTO Prova de Aptidão Profissional (Preâmbulo) O presente documento regula a realização

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo Considerando que nas últimas décadas temos vindo a assistir ao aumento dos índices de envelhecimento e de dependência das pessoas idosas entre

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Acordo de Colaboração

Acordo de Colaboração Acordo de Colaboração Extensão de horário das actividades de animação e de apoio à família na educação Pré-escolar nos Jardins do Agrupamento de Escolas de Samora Correia Considerando que: A Educação Pré-escolar,

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS MARÇO 2010 ÍNDICE Âmbito 3 Componentes Obrigatórias da Avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º..

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º.. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho n.º.. Sem prejuízo do regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico

Leia mais

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro)

(Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (Extracto do Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro) (...) SECÇÃO IV RECURSOS EDUCATIVOS Artigo 102.º Centros de Recursos Educativos 1. O Agrupamento de Escolas Venda do Pinheiro

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE

PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE PROJECTO DE REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE PREÂMBULO Desenvolver uma política de juventude que incentive a participação dos jovens na vida social, cultural e económica do concelho, é um

Leia mais

Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio

Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio Decreto executivo n.º 66/99 de 7 de Maio Havendo a necessidade de dar cumprimento ao estatuído no ponto único, artigo 5º do Capítulo V e no nº, artigo.º do Capítulo IV do Decreto- Lei nº 7/97, de 1 de

Leia mais

O Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro, regulamentou o Estatuto da Carreira Docente no que se refere ao sistema de avaliação de

O Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro, regulamentou o Estatuto da Carreira Docente no que se refere ao sistema de avaliação de O Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro, regulamentou o Estatuto da Carreira Docente no que se refere ao sistema de avaliação de desempenho do pessoal docente da educação pré-escolar e dos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA GOLEGÃ PREÂMBULO A Rede Social foi criada pela Resolução do Conselho de Ministros nº197/97, de 18 de Novembro. Pretende-se através deste programa

Leia mais

Regimento do Conselho Pedagógico

Regimento do Conselho Pedagógico Regimento do Conselho Pedagógico CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Finalidades O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa do Agrupamento de escolas,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA OCUPACIONAL DOS TEMPOS LIVRES

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA OCUPACIONAL DOS TEMPOS LIVRES REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA OCUPACIONAL DOS TEMPOS LIVRES Nota Justificativa A ocupação saudável de tempos livres constitui um contributo inequívoco para a formação e desenvolvimento dos jovens,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE A L B U F E I R A

CÂMARA MUNICIPAL DE A L B U F E I R A CÂMARA MUNICIPAL DE A L B U F E I R A REGULAMENTO DO PROCESSO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS PARTICULARES 0 Preâmbulo O Decreto Lei nº 445/91, de 20 de Novembro, prevê, no seu artigo 24º, a criação em cada Município,

Leia mais

Artigo 1º Do Objecto

Artigo 1º Do Objecto ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI Normas Regulamentares das Unidades Curriculares que integram a Profissional (IPP) da Licenciatura em Educação Básica Preâmbulo As alterações legislativas

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo

PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO. Preâmbulo 1 PROJECTO DE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DE VERÃO Preâmbulo A criação de um programa de ocupação de tempos livres para as crianças da Freguesia de Chamusca e Pinheiro Grande,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR

DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR DIREÇÃO DE SERVIÇOS DO DESPORTO ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO O Desporto Escolar (DE) tem de ser entendido como uma responsabilidade da comunidade escolar e é à escola, que compete criar as condições necessárias

Leia mais

Regulamento de Estágios Curso de Ciências da Comunicação Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. Art.º 1.º Âmbito

Regulamento de Estágios Curso de Ciências da Comunicação Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. Art.º 1.º Âmbito Regulamento de stágios Curso de Ciências da Comunicação scola Superior de ducação da Universidade do Algarve Art.º 1.º Âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se à realização dos estágios curriculares

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA JUNTA DE FREGUESIA DE CHAMUSCA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA JUNTA DE FREGUESIA DE CHAMUSCA. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA JUNTA DE FREGUESIA DE CHAMUSCA Preâmbulo A criação de um programa de ocupação de tempos livres para as crianças da Freguesia de Chamusca, contribui

Leia mais

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 O Ministério da Educação e Ciência, através da publicação

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO DE CULTURA PEDRO ÁLVARES CABRAL

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO DE CULTURA PEDRO ÁLVARES CABRAL PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E O CENTRO DE CULTURA PEDRO ÁLVARES CABRAL Considerando que: a) nos termos da Lei 75/2013 de 12 de Setembro que estabeleceu o regime

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REALIZAÇÃO DE LEILÕES (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

Avaliação de Desempenho Docente

Avaliação de Desempenho Docente Dicas para a elaboração de um Portefólio Avaliação de Desempenho Docente O PORTEFÓLIO deve conter um registo das reflexões e das práticas e deve estar devidamente documentado. 13-04-2008 1 Deve conter:

Leia mais

M U N I C Í P I O D E O L I V E I R A D O H O S P I T A L. Normas Regulamentares do Programa Férias + Solidárias

M U N I C Í P I O D E O L I V E I R A D O H O S P I T A L. Normas Regulamentares do Programa Férias + Solidárias Normas Regulamentares do Programa Férias + Solidárias Proposta de Normas Regulamentares do Programa Férias + Solidárias Preâmbulo Cabendo às autarquias locais um papel importante na promoção dos tempos

Leia mais

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras

Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras Regulamento de Apoio a Iniciativas Regulares ou Pontuais, de Natureza Educativa, Desportiva, Recreativa, Cultural, Social e Outras 1 NOTA JUSTIFICATIVA O Município de Chaves entende como sendo de interesse

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013 Universidade do Minho Reitoria Despacho RT-15/2013 Sobre proposta da Escola Superior de Enfermagem, ouvido o Senado Académico, é homologado o Regulamento do Curso de Formação Especializada em Intervenção

Leia mais

III. Sistema de Monitorização

III. Sistema de Monitorização III. Sistema de Monitorização 159 De acordo com as orientações elaboradas para a execução das Cartas Educativas, na Carta Educativa do Concelho de Almeida prevê-se a concepção e operacionalização de um

Leia mais

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Decreto executivo n.º 1/06 de 9 de Janeiro Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento, estruturação e organização do Secretariado Executivo do

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO EMNOP 16 de Dezembro de 2008 1 Legislação de referência Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGIMENTO Do Conselho de Turma

REGIMENTO Do Conselho de Turma REGIMENTO Do Conselho de Turma ÍNDICE Artigo 1.º Disposições gerais 3 Secção I Coordenação de diretores de turma 3 Artigo 2.º Composição 3 Artigo 3.º Exercício de funções do coordenador de diretores de

Leia mais

FREGUESIA DE VÁRZEA DA OVELHA E ALIVIADA

FREGUESIA DE VÁRZEA DA OVELHA E ALIVIADA REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS ÀS ACTIVIDADES DAS ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS, RECREATIVAS E CAPÍTULO I Disposições comuns Artigo 1º Lei Habilitante O presente regulamento é elaborado ao abrigo do

Leia mais

Regulamento FCT. (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais

Regulamento FCT. (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais Regulamento Da FCT (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais (Portaria N.º 550-C/2004 de 21 de Maio) (Desp. N.º 14 758/2004 de 23 de Julho) Revisto pela Portaria nº 74-A/2013 de 15 de Fevereiro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

REGULAMENTO Banco Local de Voluntariado

REGULAMENTO Banco Local de Voluntariado REGULAMENTO Banco Local de Voluntariado Aprovação Câmara Municipal: 12-05-2014 Assembleia Municipal: 23-06-2014 REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO PREÂMBULO A perspetiva de garantir a todos a participação

Leia mais

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS

377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS 377 QUADRO nº 8 - ÁREAS ORGANIZACIONAIS DA ESCOLA, SUAS SUB-ÁREAS, ATRIBUIÇÕES E ESTRUTURAS IMPLICADAS ÁREAS ORGANI- ZACIONAIS ESCOLARESs - CURRICULAR SUB-ÁREAS ORGANIZACIONAIS Concepção e Desenho do currículo

Leia mais

MUNICIPIO DO CRATO CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA DE DINAMIZAÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DO CRATO. "DINÂMICA JOVEM" REGULAMENTO Preâmbulo

MUNICIPIO DO CRATO CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA DE DINAMIZAÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DO CRATO. DINÂMICA JOVEM REGULAMENTO Preâmbulo MUNICIPIO DO CRATO CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA DE DINAMIZAÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DO CRATO "DINÂMICA JOVEM" REGULAMENTO Preâmbulo 1. Portugal integra a União Europeia cujos países membros, acima de quaisquer

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve:

Assim: Nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve: O programa do XVIII Governo Constitucional define como um dos seus principais objectivos concretizar a universalização da frequência da educação básica e secundária de modo a que todos os alunos frequentem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO (GRUPO 110) 2012/2013 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES DO 1º CICLO REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO 1º

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio a Atividades de Interesse Público

Regulamento Municipal de Apoio a Atividades de Interesse Público Regulamento Municipal de Apoio a Atividades de Interesse Público Preâmbulo O associativismo constitui um forte aliado do poder local na prossecução de políticas de desenvolvimento de interesse público,

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS)

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (CLAS) Preâmbulo A Resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro, visa a criação e implementação do Programa. Esta é uma mediada da política social activa, que tem como objectivo desenvolver parcerias

Leia mais

Regulamento da Piscina Municipal Coberta. Preâmbulo

Regulamento da Piscina Municipal Coberta. Preâmbulo Regulamento da Piscina Municipal Coberta Preâmbulo O exercício de actividades físicas e desportivas constitui um factor indispensável no desenvolvimento das condições de saúde e bem estar dos cidadãos,

Leia mais

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página1 Protocolo de Cooperação 2010 Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página2 A Rede de Bibliotecas de Almeida, adiante designada RBA, foi criada por protocolo assinado

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO E GESTÃO DOS REFEITÓRIOS ESCOLARES

REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO E GESTÃO DOS REFEITÓRIOS ESCOLARES REGULAMENTO MUNICIPAL DO FUNCIONAMENTO E GESTÃO DOS REFEITÓRIOS ESCOLARES Reunião de Câmara (aprovação do projecto) 05/09/2011 Edital (apreciação pública) 07/02/2011 Publicado (projecto) no DR II Série,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DE JOVENS

REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE OCUPAÇÃO TEMPORÁRIA DE JOVENS Não queremos jovens "fracotes", jovens que estão por ai e nada mais, que nem sim nem não. Não queremos jovens que se cansam rápido e que

Leia mais

Lei n.º 9/79 de 19 de Março de 1979 Aprova as bases do ensino particular e cooperativo;

Lei n.º 9/79 de 19 de Março de 1979 Aprova as bases do ensino particular e cooperativo; Lei n.º 9/79 de 19 de Março de 1979 Aprova as bases do ensino particular e cooperativo; Decreto-lei n.º 542/79 de 31 de Dezembro de 1979 Estabelece o estatuto dos jardins-deinfância da rede publicado Ministério

Leia mais

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte:

Despacho. Assim, nos termos do n.º 1 do artigo 18º do Despacho n.º 5328/2011, de 28 de Março, determino o seguinte: Despacho O Despacho n.º 5328/2011, de 28 Março, estabeleceu as regras e os princípios orientadores a observar na organização das escolas e na elaboração do horário semanal de trabalho do pessoal docente

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

NORMAS DE AÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

NORMAS DE AÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR NORMAS DE AÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 PREÂMBULO Atenta à diferenciação de oportunidades de acesso à educação, o Município de Almada tem preconizado uma política

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Preâmbulo Competindo ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV), conforme art. 21º do Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, a promoção, coordenação e qualificação do voluntariado,

Leia mais

Projecto de Regulamento. Oficina de Teatro Eç'agorA

Projecto de Regulamento. Oficina de Teatro Eç'agorA Projecto de Regulamento Oficina de Teatro Eç'agorA Preâmbulo O teatro, para além da sua vertente lúdica, é um excelente mecanismo para estimular o nosso autoconhecimento, o interrelacionamento e a capacidade

Leia mais

Regimento Interno. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Regimento Interno. Departamento de Matemática e Ciências Experimentais AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL Regimento Interno Departamento de Matemática e Ciências Experimentais 2013/2014 D E P A R T A M E N T O DE M A T E M Á T I C A E C I Ê N C I A S E X P E R I M E N T A

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares

Regulamento de Transportes Escolares Regulamento de Transportes Escolares Aprovado pela Câmara Municipal, na reunião de 23 de Junho de 2010 Publicado no Boletim Municipal nº 40 MUNICÍPIO DE CORUCHE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE TRANSPORTES

Leia mais

O Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro, regulamentou o Estatuto da Carreira Docente no que se refere ao sistema de avaliação de

O Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro, regulamentou o Estatuto da Carreira Docente no que se refere ao sistema de avaliação de O Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro, regulamentou o Estatuto da Carreira Docente no que se refere ao sistema de avaliação de desempenho do pessoal docente da educação pré-escolar e dos

Leia mais

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições

Artigo 1º Âmbito. Artigo 2º Inscrições Preâmbulo O Programa de Generalização do Fornecimento de Refeições Escolares aos Alunos do 1º CEB e a Componente de Apoio à Família (CAF) procuram dar hoje uma resposta direta às necessidades das famílias

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

REGULAMENTO VIDEOTECA MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Norma Habilitante

REGULAMENTO VIDEOTECA MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Norma Habilitante REGULAMENTO VIDEOTECA MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Norma Habilitante Este Regulamento é elaborado ao abrigo do disposto no art.º 64º, n.º 7, alínea a) da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015

Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015 João Adelino Matias Lopes dos Santos Transição para a vida pós-escolar: Portaria n.º 201-C/2015 Ciclos de Sábados Porto, 16 de abril de 2016 Índice Enquadramento normativo Fases do processo de transição

Leia mais

Município da Nazaré Serviços Municipalizados da Nazaré

Município da Nazaré Serviços Municipalizados da Nazaré Município da Nazaré Serviços Municipalizados da Nazaré Projecto de Regulamento do Pagamento em Prestações de Dívidas referentes à Receita dos Serviços de Fornecimento de Água, de Drenagem de Águas Residuais

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas REGIME JURÍDICO DE AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Decreto-lei nº 75/2008 de 22 de Abril Maio de 2008 Disposições transitórias e finais (Cap. VIII) [artigos 60º-72º] Disposições transitórias Conselho

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS ARTº. 1 (NATUREZA, OBJECTIVOS E ORGANIZAÇÃO) 1. O Departamento de Engenharia

Leia mais

Regulamento dos Transportes Escolares

Regulamento dos Transportes Escolares Preâmbulo O presente Regulamento é elaborado ao abrigo e nos termos do art. 19º, n.º 3, da Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, da alínea a) do n.º 2 do art. 53º, e da alínea d) do n.º 4 do art. 64º da Lei

Leia mais

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO (Anexo I do Regulamento Interno 2009.13) Uma visita de estudo é uma actividade decorrente do Projecto Educativo do Agrupamento e enquadrável no âmbito do desenvolvimento

Leia mais

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA TURMA / SALA

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA TURMA / SALA REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA TURMA / SALA Artigo 1º - Conteúdo O presente Regimento regula a actividade dos Representantes de Pais e Encarregados de Educação (RPEE)

Leia mais

PROPOSTA TRANSPORTES ESCOLARES PARA O ANO LECTIVO 2010/11

PROPOSTA TRANSPORTES ESCOLARES PARA O ANO LECTIVO 2010/11 A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de atribuições e competências das autarquias locais, relativamente à Educação, em especial no seu art.º 19.º. Nos termos do n.º 3, alínea a), do

Leia mais

MUNICIPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL. Proposta de Regulamento Municipal de Transportes Escolares. Ensino Básico e Secundário

MUNICIPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL. Proposta de Regulamento Municipal de Transportes Escolares. Ensino Básico e Secundário MUNICIPIO DE SETÚBAL Proposta de Regulamento Municipal de Transportes Escolares Ensino Básico e Secundário Proposta de Regulamento Municipal de Transportes Escolares Preâmbulo O Regulamento Municipal de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA 1 NOTA JUSTIFICATIVA Desde a entrada em vigor do Decreto-lei nº299/84 de 5 de Setembro na sua actual redação que as autarquias assumiram um conjunto de competências em matéria de organização, financiamento

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO E CONCESSÃO TRANSPORTES ESCOLARES NOTA JUSTIFICATIVA Considerando - Que a Educação é um direito de todos, cabendo ao Estado promover a sua democratização, bem como as condições

Leia mais

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil

Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil Regulamento da Comissão Municipal de Protecção Civil PREÂMBULO A Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho, que aprova a Lei de Bases da Protecção Civil, bem como a Lei n.º 65/2007 de 12 de Novembro (que define o

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE TRANSPORTES ESCOLARES

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE TRANSPORTES ESCOLARES CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE TRANSPORTES ESCOLARES Aprovação pela Assembleia Municipal a 27 de Junho de 2013 Publicado em Diário da República a 12 de Julho de 2013 (aviso n.º

Leia mais