Isso (não) é coisa de menino!: Construções de gênero nas brincadeiras infantis em uma escola na Amazônia 1.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Isso (não) é coisa de menino!: Construções de gênero nas brincadeiras infantis em uma escola na Amazônia 1."

Transcrição

1 1 Isso (não) é coisa de menino!: Construções de gênero nas brincadeiras infantis em uma escola na Amazônia 1. Lilian Silva de Sales 2 1- Introdução: Quando lecionava a disciplina Educação Física numa das muitas escolas públicas de Belém do Pará, e propunha aos (às) meus (minhas) alunos (as) alguma atividade considerada socialmente feminina, logo os meninos presentes na turma diziam: eu não posso brincar disso, porque não é coisa de menino. Minha realidade me mostrava que os meninos com os quais eu trabalhava não se percebiam aptos a desenvolverem atividades que não correspondiam ao seu gênero, apesar de, como sabemos, nada biológico ou fisiológico fundamentar tal inaptidão ; somente o peso das pressões sociais/culturais fazia diferença nesse momento. Ou seja, o que os impedia de participar do jogo, considerado socialmente inapropriado para o seu gênero, era a percepção cultural que a sociedade imprime nos que dela fazem parte, referente aos papéis que cada um dos gêneros deve ou não desempenhar. Percebi diante de mim, o que já me haviam ensinado as teorias de gênero - que a consideração social das diferenças biológicas entre meninos e meninas, ainda influenciava (influencia) muito as expectativas dos comportamentos para cada um dos gêneros, e esta permeava (permeia) as ações desenvolvidas pela escola, uma entre os vários locais em que o processo de educação acontece e, inclusive, estava nos discursos das próprias crianças quando inquiridas sobre suas supostas impossibilidades. E que o corpo - frágil/forte, lento/rápido, passivo/ativo, objeto/sujeito, ocultado/expresso se apresentava sempre em evidência; tanto no que se refere ao disciplinamento requerido pela escola (horários marcados para satisfação das necessidades fisiológicas, por exemplo), como quanto às marcas desse disciplinamento na vida dos (as) alunos (as) (a segregação espontânea por ocasião das brincadeiras no recreio). 1 Versão modificada do 3 o Capítulo da Dissertação de Mestrado em Antropologia, intitulada: Escola Mista, Mundo Dividido: Infância e Construções de Gênero na Escola (Belém Pará), defendida em fevereiro de Mestre em Antropologia Social, professora de Educação Física e Pedagogia, docente da Universidade Federal do Pará.

2 2 Falar das marcas culturais que a escola (ou, de um modo geral, as instituições sociais que tem como função a educação dos indivíduos) ajuda a imprimir nos corpos das crianças, jovens e adultos que dela participam, me reporta a uma situação que vivi por ocasião da pesquisa de campo que serviu de base para esse trabalho e que utilizarei, nesse momento, como exemplo para ilustrar o que estou tratando neste artigo. Em um dos vários dias em que estive presente na escola onde pesquisei e fiquei na sala da turma do pré-escolar, notei que as crianças meninas e meninos estavam, quase todas, com um adesivo de letrinhas pregado no rosto, e, de vez em quando, iam mirar-se no espelho que havia em sala de aula; o interessante é que ambos, meninas e meninos, olhavam sua imagem no espelho, mas cada um(a) a seu jeito. As meninas, geralmente, sorriam, ajeitavam os cabelos, dançavam e olhavam-se por inteiro, inclusive, viravam de costas, como que averiguando se tudo estava no lugar. Já os meninos, faziam expressões de raiva ( bad boy ), mostravam os músculos ou realizavam um movimento de luta, geralmente se detinham na observação da parte superior do corpo (peitos e braços em contração muscular) em posição de força, não apresentavam uma preocupação em ajeitar roupa ou cabelo. São essas marcas generificadas ; impressas no corpo, especialmente no corpo que brinca, o nosso assunto principal nesse texto. Vale destacar, também, que falo, especialmente, do lugar aonde realizei a pesquisa, uma escola pública de Belém, uma realidade que, de alguma forma, pode ter semelhanças com as de outras instituições educativas nessa e em outras cidades. 2- Objetivos. Esse trabalho buscou localizar e analisar como crianças, entre seis e nove anos, matriculadas em uma escola pública, de orientação religiosa, situada num bairro de periferia

3 3 de Belém do Pará, na região amazônica, constroem suas identificações de gênero, a partir das experiências que lá vivenciavam. Tendo como foco principal dessas observações e análises, o repertório de gestos e comportamentos corporais das crianças da educação infantil e da primeira série do ensino fundamental, principalmente em momentos de brincadeira. 3- Metodologia de pesquisa. Este trabalho é fruto de pesquisa de campo, com observações do cotidiano da escola, anotações em diário de campo, conversas informais com os alunos (as) durante as aulas e o recreio e oficina de desenho, pintura e modelagem em massa plástica. Vale ressaltar que essas conversas se davam à medida que os acontecimentos ocorriam, com a finalidade de esclarecimento dos fatos observados. Como os (as) meus (minhas) interlocutores (as) nessa pesquisa eram crianças em fase inicial de escolarização, portanto ainda não dominavam ou dominavam pouco a escrita, realizei uma oficina de construção de desenhos e modelagem em massa plástica como instrumento de coleta de dados. Essa se dividia em duas partes; na primeira pedi às crianças que fizessem desenhos de meninos e, depois, quando terminassem, desenhassem meninas. Na segunda parte, o trabalho foi realizado com massa de modelar, onde pedi que elas modelassem meninas e posteriormente meninos brincando. As brincadeiras a serem modeladas deveriam ser, necessariamente, aquelas que elas vivenciavam na escola. Com essa oficina, eu objetivava compreender melhor como as crianças das duas séries estudadas percebiam os seus próprios corpos e também os corpos das outras crianças, além de compreender o que elas apontavam como diferenças entre os gêneros, partindo das experiências vivenciadas por elas na escola. 4- A expressão sócio cultural das diferenças de gênero na vivência da brincadeira: a realidade de uma escola na Amazônia. Gostaria de iniciar essa discussão partindo de um exemplo extraído do campo onde se deu a pesquisa, exemplo que revela muito sobre um certo modelo de ser menino/homem e de ser menina/mulher em nossa sociedade. Como já relatei anteriormente, realizei uma

4 4 oficina com as crianças do pré-escolar e da primeira série da escola pesquisada, e nessa foram produzidos desenhos e modelos em massinha a partir do comando da pesquisadora, foram produzidos trabalhos que possibilitaram revelar como cada um (a) representa seu próprio corpo e o corpo do (a) outro (a), a partir de um enfoque de gênero. Entre as crianças do pré-escolar, o grande diferencial entre os gêneros foram os longos cabelos existentes nas meninas que foram desenhadas; ao contrário, todos os meninos desenhados tinham os cabelos curtos e o curioso é que, mesmo tendo entre essas crianças, uma menina que era completamente sem cabelos 3, calva pode-se dizer, assim como um pequeno número de meninas com cabelos curtos, mesmo assim, ao desenharem suas meninas, todos lhes colocaram cabelos muito compridos. Desenho de um corpo feminino produzido por uma criança da educação infantil Com as turmas de primeira série, observei um maior detalhamento de diferenças corporais entre os gêneros; além dos cabelos, pude encontrar nas meninas desenhadas, a presença de seios e unhas compridas. Além das diferenças corporais, roupas e acessórios também expressavam diferenças; era comum encontrar meninas de vestidos ou saias coloridas ou estampadas com flores e com babados, enfeitando; brincos, pulseiras, colares e 3 A menina em questão tinha um problema de saúde, motivo pelo qual tinha perdido os cabelos. Enquanto realizava a pesquisa, me pareceu que ela não tinha muitos problemas de relacionamento com as outras crianças, sempre estava entrosada no grupo participando de alguma brincadeira com os(as) colegas.

5 5 bolsas. Nos desenhos de meninos estes sempre trajavam shorts e camisetas ou macacões, tendo como acessórios bonés; as roupas dos meninos não tinham tantos detalhes ou enfeites como as das meninas. Um dado interessante, nesta série, é que dos 53 desenhos feitos, em todos os que retratavam meninas, estas estavam sorrindo, enquanto nos que retratavam os meninos, há 16 que tinham uma expressão facial sisuda, parecendo com aquela expressa na marca de produtos esportivos bad boy. Desenho de um corpo masculino produzido por criança da 1º. Série do Ensino Fundamental.

6 6 Desenho de um corpo feminino produzido por criança da 1º. Série do Ensino Fundamental. É interessante perceber que apesar das crianças ainda estarem construindo a noção de seu esquema corporal 4, elas demonstram já estarem lidando com um modelo socialmente vigente do feminino e do masculino, na medida em que nos desenhos elas apresentam um certo tipo de perfil que caracteriza, em nossa sociedade, uma das formas de perceber mulheres e homens. Outra questão fundamental se refere à função importante da socialização, especialmente aquela proporcionada pela escola, para a concepção de corpo que as crianças vão construindo, pois, considerando a quantidade maior de detalhes que os desenhos das crianças da primeira série expressam, a julgar por sua maior experiência de escolarização, principalmente quando relacionadas às crianças do pré-escolar e aos desenhos por elas produzidos, fica evidente o caráter social/cultural da construção da(s) visão (ões) sobre o corpo. 4 A noção de esquema corporal refere-se a percepção que a pessoa tem do conjunto de seu corpo, mas especificamente, de todas as partes que o compõe. No caso das crianças que pesquisei, algumas não tem uma

7 7 Essa possibilidade de perceber o corpo na sua dimensão cultural, como sabemos, foi brilhantemente discutida pelo antropólogo Marcel Mauss no referencial ensaio As Técnicas Corporais. Mauss chamou de técnicas corporais às maneiras como os homens, sociedade por sociedade e de maneira tradicional, sabem servir-se de seus corpos (1974:211), e, ainda, destacou o processo educativo como veículo de disseminação dessas técnicas corporais entre o grupo. Diz-nos esse autor: "Em todos esses elementos da arte de utilizar o corpo humano, os fatos de educação dominam. A noção de educação podia sobrepor-se à noção de imitação. Pois há crianças, em particular, que têm faculdades muito grandes de imitação, outras que as têm bem fracas, mas todas passam pela mesma educação, de sorte que podemos compreender a seqüência dos encadeamentos. O que se passa é uma imitação prestigiosa 5. A criança, como o adulto, imita atos que obtiveram êxito e que ela viu serem bem sucedidos em pessoas em quem confia e que tem autoridade sobre ela. O ato impõe-se de fora, do alto, ainda que seja um ato exclusivamente biológico e concernente ao corpo. O indivíduo toma emprestado a série de movimentos de que ele se compõe do ato executado à sua frente ou com ele pelos outros" (1974:215). Posso dizer, inclusive, que a brincadeira se constitui um momento privilegiado do que Mauss chamou de imitação prestigiosa, já que através dela a criança elabora e organiza sua visão de mundo, pautada, principalmente, nas experiências que ela vivencia ou observa das relações que estabelece com os outros(as) com quem vive. Voltando, pois às técnicas corporais, estas são classificadas, por Mauss, considerando quatro princípios: o sexo, a idade, o rendimento e a transmissão; estes princípios estão imbricados uns nos outros. Diz esse autor, que há uma sociedade de homens e outra de mulheres, isso quer dizer que há movimentos corporais socialmente aceitos para homens e para mulheres diferenciadamente (1974); aliado a isso, cada sociedade irá definir as habilidades que serão consideradas importantes a serem aprendidas pelos indivíduos ou pelos grupos, organizando, assim, os mecanismos que permitam essa aprendizagem. Podemos observar que, desde criança, de acordo com o sexo que temos, nos é permitido brincar de determinados tipos de brincadeiras e de outras não; às meninas geralmente é incentivado que brinquem com bonecas que parecem bebês (para que possam ir treinando a noção completa do corpo, ou seja, os desenhos demonstram essa incompletude, já que, ao desenharem o corpo, deixam de desenhar alguma de suas partes (troncos e pescoços, geralmente). 5 Grifos meus.

8 8 habilidade de serem mães) ou, mais recentemente, com aquelas, como a conhecida boneca Barbie, que estimulam a feminilidade, a vaidade e, em nossa sociedade, o consumismo. Aos meninos, ao contrário, são estimuladas as brincadeiras onde estes possam treinar seu espírito empreendedor, sua capacidade de arriscar-se (até os bonecos oferecidos aos meninos são aqueles que imitam os monstros ou super-heróis dos desenhos animados e que estimulam a visão do masculino como forte, guerreiro, valente). Vale ressaltar, que entre os meninos, apesar de já há muito tempo brincarem de bonecos (soldadinhos de chumbo, forte apache, playmobil, entre outros), não se instituiu, em nossa sociedade, chamar isso de brincadeira de boneco, como se faz no caso das brincadeiras das meninas brincar de boneca. Na escola onde realizei a pesquisa pude observar que existem brincadeiras diferenciadas para cada gênero. Quando pedi às crianças na oficina que modelassem em massa meninas e meninos brincando na escola, as brincadeiras sugeridas para as meninas eram diferentes das experimentadas pelos meninos. Entre as brincadeiras apontadas pelas crianças como sendo de meninas, estavam: a macaca 6, o cemitério, o bambolê, o pular corda, a pira, o elástico e o futebol; para os meninos foram apontadas as seguintes: o futebol, a pira e o boneco super herói 7. Relacionando as informações obtidas na oficina com as que pude coletar a partir da observação e das conversas com as crianças, posso dizer que, mesmo as brincadeiras que aparecem na listagem como possíveis para meninas e meninos participarem, como é o caso da pira e do futebol, quando são vivenciadas concretamente, não acontecem de forma a misturar meninos e meninas; no recreio, onde essas brincadeiras se dão de forma mais espontânea, os meninos quase sempre brincavam em grupos separados das meninas, inclusive quando o jogo era o mesmo. É interessante perceber também que, segundo a perspectiva expressa pelas crianças através dos moldes de massa, há possibilidade de um leque maior de brincadeiras permitidas às meninas, enquanto que há para os meninos uma forte cobrança social para que não participem de brincadeiras consideradas femininas. Essa informação confirmava a idéia que eu tinha, desde a época em que trabalhava como professora de Educação Física, sobre a 6 A macaca e também conhecida como amarelinha. 7 Bonecos que são réplicas dos super-heróis dos desenhos animados, como, por exemplo, Super Homem, Rambo, Power Rangers, entre outros.

9 9 preocupação, por parte da escola, com a sexualidade das crianças, dos meninos, particularmente, no que diz respeito em não propiciar ou incentivar a participação destes em jogos considerados femininos, com intuito de não colaborar com a instalação de nenhum comportamento que ameaçasse o modelo social de masculinidade 8. A preocupação aparecia expressa, por exemplo, através de alguns comentários ou questionamentos feitos por pessoas que trabalhavam nessa escola, como: porque que esse menino só brinca com as meninas? ou põe esse menino pra jogar futebol com os outros. Já com as meninas, a preocupação mais acentuada com a sexualidade ocorre num momento diferenciado daquele que acontece para os meninos. Ocorre quando estas começam a expressar os primeiros sinais de interesse por assuntos referentes a namoro 9, geralmente no período próximo a puberdade; a partir daí elas passam a ser controladas, através de uma vigilância não ostensiva e de comentários do tipo: estão com fogo, são assanhadas, tem que se preocupar é com as notas e não com assunto de namorado ; já que comportamentos escandalosos, podem colocar em risco a imagem, tão necessária, da mulher ( santa ) 10. A questão de, pelo menos até a puberdade, esta escola não expressar uma preocupação com a sexualidade das meninas, pode refletir o fato de que, segundo sua ótica, não há nenhum risco dessas tornarem-se homossexuais, já que naturalmente são destinadas a exercerem a heterossexualidade; o perigo, daí a preocupação, está em se tornarem putas, por isso toda a pressão social para que as meninas não se desviem do caminho do bem e da virtude. 8 Para uma discussão sobre masculinidade, ver, entre outros, os trabalhos de Michael S. Kimmel, A Produção Simultânea de Masculinidades Hegemônicas e Subalternas (Horizontes Antropológicos,1998) e Sócrates Nolasco, A Desconstrução do Masculino: uma contribuição crítica à análise de gênero (A Desconstrução do Masculino, 1995). 9 Sobre o comportamento de jovens e adolescentes em relação ao namoro, ver o estudo clássico de Thales de Azevedo ( Regras do Namoro à Antiga, 1986), e também os de Maria Luiza Heilborn ( O que faz um casal, casal? Conjugalidade, igualitarismo e identidade sexual em camadas médias urbanas, sd), Cristina Donza Cancela ( Adoráveis e dissimuladas: as relações amorosas das mulheres das camadas populares na Belém do final do século XIX e início do XX, 1997) e Syane de Paula Lago, que está concluindo dissertação sobre o tema, entre as camadas populares em Belém. 10 Essa expressão é utilizada por Mary Del Priore em seu estudo Ao sul do Corpo Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia (1993), para se referir a imagem feminina forjada pela igreja, para servir como modelo a ser seguido por toda mulher que se quer virtuosa.

10 10 No minucioso trabalho de pesquisa Trabalhadeiras e Camarados Relações de Gênero, Simbolismo e Ritualização Numa Comunidade Amazônica (1993), a antropóloga Maria Angelica Motta-Maués, nos fala que na comunidade de Itapuá, pequena ilha do nordeste paraense, há também uma preocupação com os papéis sociais que a mulher irá desempenhar no grupo social e este, está largamente relacionado às idéias sobre as etapas de seu ciclo biológico, inclusive, influenciando a diferenciação da educação que será dada a menina, quando tornar-se moça, ou seja, quando da sua primeira menstruação; segundo essa antropóloga: (...), em Itapuá, as meninas costumam participar de brincadeiras com os meninos, correndo pelos caminhos, tomando banho nos igarapés, olhando os pescadores no porto, etc. Porém, todas essas coisas deixam de lhes ser permitidas a partir do momento que se tornam moças. Isto porque as posições não podem mais ser confundidas, e a mulher passa a assumir o seu papel na sociedade, não lhe sendo mais permitido agir de forma que não seja adequada ao seu novo status (1993[1977]:170). O fato é que, assim como em Itapuá, de uma maneira geral, nas instituições educativas em nossa sociedade, a diferenciação biológica ainda é bastante utilizada como parâmetro para a definição dos papéis que podem ou devem assumir meninas e meninos e isso fica bem evidente no modo como nestas o trabalho pedagógico é organizado. A diferenciação pode ser notada desde a atribuição de uma cor específica para cada um dos gêneros rosa para as meninas e azul para os meninos até os modelos de comportamento aceitos como naturais para cada um deles. De acordo com Motta-Maués, que no referido estudo nos fornece, entre outros, um interessante panorama da forma de socialização de meninas e meninos em Itapuá: Até um certo período da infância não existe praticamente diferença quanto aos cuidados e ao treinamento dispensado aos meninos e meninas. É já por volta dos oito e nove anos de idade, quando se iniciam com maior peso as solicitações no sentido de uma prestação de serviços dentro de grupo doméstico de que fazem parte, que essa diferença vai se fazer notar com relevância (1993[1977]:61-62). Nota-se, de certo modo, mais uma semelhança entre o tipo de organização educativa encontrada por Motta-Maués, em Itapuá, com aquela que encontrei na escola pesquisada, apesar da distância temporal entre um estudo e outro e da distinção entre os locais de pesquisa. Observa-se em Itapuá, que há, no início do processo educativo, principalmente entre as crianças menores, uma certa indiferenciação nas atividades vivenciadas por meninos e meninas, assim como, entre as crianças do pré-escolar nessa escola, pode-se encontrá-las

11 11 ainda brincando todas juntas; mas, da mesma forma como na escola, a medida que a idade aumenta, tende-se a separar, ou diferenciar, o que é próprio das meninas, do que é próprio dos meninos. Saindo da Amazônia e indo para a França do século XIX, vamos encontrar um outro trabalho que retrata a realidade de um contexto e de um momento histórico bem mais distante, porém que guarda, com as duas realidades amazônicas, muitas semelhanças. Tratase do romance Como se casa. Como se morre, do romancista francês Émile Zola; onde o autor retrata a sociedade francesa do século XIX, dominada pelas influências provocadas pela Revolução, inclusive no que se refere aos rituais que envolvem dois tradicionais momentos daquela, e porque não dizer da nossa, sociedade: o casamento e a morte. Para esse romancista, além do caráter mercadológico que assumiu o amor no século XIX, após a Revolução, uma das principais causas para o cenário deplorável dos casamentos naquele contexto, era o tipo de socialização diferenciada que moças e rapazes recebiam e que os tornava totalmente estranhos, uns(umas) em relação aos(às) outros(as). Escreve o autor: Vejamos a pequena Marie e o pequeno Pierre. Até os seis ou sete anos, deixam-nos brincar juntos. Suas mães são amigas; eles se tratam com intimidade, trocam palmadas fraternais entre si, rolam pelos cantos, sem qualquer vergonha. Mas, aos sete anos, a sociedade separa-os e toma conta deles. Pierre é internado num colégio onde se esforçam para encher-lhe o crânio com o resumo de todos os conhecimentos humanos; mais tarde, ingressa em escolas especiais, escolhe uma carreira torna-se um homem. Entregue a si mesmo, largado entre o bem e o mal durante esse longo aprendizado da existência, ele bordejou as vilezas, provou dores e alegrias, teve a sua experiência das coisas e dos homens. Marie, ao contrário, passou todo esse tempo enclausurada no apartamento de sua mãe; ensinaram-lhe o que uma moça bem educada deve saber: a literatura e a história expurgadas, a geografia, a aritmética, o catecismo; além disso, ela sabe tocar piano, dançar, desenhar paisagens com o lápis. Assim, Marie ignora o mundo, que viu somente pela janela, e mesmo assim fecharam-lhe a janela quando a vida passava barulhenta demais pela rua. Jamais se arriscou sozinha pela calçada. Guardaram-na cuidadosamente, qual uma planta de estufa, administrando-lhe o ar e o dia, desenvolvendo-a num meio artificial, longe de todo o contato. E agora, imagino que, uns dez ou doze anos mais tarde, Pierre e Marie voltam a se encontrar. Tornaram-se estranhos, o reencontro é fatalmente cheio de constrangimentos. Já não se tratam com intimidade, não se empurram mais nos cantos para rir 11. Ela, ruborizada, permanece inquieta, diante do desconhecido que ele traz consigo. Ele, entre os dois, sente a torrente da vida, as verdades cruéis, das quais não ousa falar alto. Que poderiam dizer um ao outro? Possuem uma língua diferente, não são mais criaturas 11 Grifos meus

12 12 semelhantes. Estão reduzidos à banalidade das conversas comuns, cada um se mantendo na defensiva, quase inimigos, já mentido um ao outro (1999:12-13). Nesta longa, mas esclarecedora citação de Zola podemos perceber quanta semelhança, apesar de tratar-se de lugares e momentos diferenciados, guardam as situações descritas acima e quanto impacto causa a separação imposta socialmente para homens e mulheres, no que diz respeito, inclusive, ao possível futuro relacionamento entre esses dois gêneros. No caso particular da escola pesquisada, em que as crianças aprendem, desde sua entrada, que devem manter-se sempre separadas; basta vê-las brincando nas horas livres, como o recreio e o momento que antecede a entrada em sala de aula, para constatar a eficiência da ação pedagógica, imposta por ela, na relação cultivada entre meninas e meninos. Mas é ainda da França, só que agora do século XX, que nos chega um outro exemplo das implicações de uma educação que, mesmo dentro de uma organização mista, continua reproduzindo, no interior da escola, as separações e segregações sociais. Em um artigo intitulado A administração escolar do regime misto na escola primária, resultado de um estudo realizado sobre o sistema francês de educação, a pesquisadora Claude Zaidman, revela que as trajetórias realizadas por alunas e alunos durante o percurso escolar, ou seja, as experiências pedagógicas que estes (as) vivenciam na escola, influenciam, sobremaneira, nas suas opções profissionais futuras. Segundo Zaidman, referindo-se aos estudos que vem sendo realizados durante décadas e que comparam comportamentos, atitudes e desempenhos dos(as) alunos(as), pondo-os em relação ao meio social: (...) não basta comparar patamar com patamar os comportamentos dos alunos (meninas/meninos), porque é no conjunto do percurso escolar que esses desempenhos divergem de maneira significativa (1994: 350). Como bem demonstram os exemplos, a escola se constitui num dos eficientes mecanismos de transmissão do que, em nossa sociedade, se deseja construir enquanto projeto social; não é a toa, que, como diz Mauss, "a educação da criança é repleta daquilo que chamamos de detalhes, mas que são essenciais" (1974:221); são esses detalhes, que muitas vezes, por parecerem óbvios, passam despercebidos ou como que se naturalizam, que

13 13 garantem a manutenção do grupo social, na forma como prevê/prescreve determinados modelos vigentes. Então, pela aprendizagem, e conseqüente utilização dessas técnicas, criam-se os hábitos que também são, mais ou menos, específicos a cada grupo social. Assim, os indivíduos, em cada sociedade, são reconhecidos pelos gestos, maneiras de andar, sentar, comportar-se em determinadas situações; é o corpo como expressão da identidade do grupo. Observei atentamente na escola, as marcas socioculturais impressas nos corpos das crianças, contribuindo para a definição de suas identidades de gênero; instrumentos simbólicos de grande possibilidade de assimilação como cores, espaços, imagens, ações, signos lingüísticos, compunham (compõem) o cenário que ajuda a delimitar os comportamentos adequados para esse ou aquele gênero. 5- Considerações finais: Inicio essa conclusão dizendo que esse texto expressa o meu esforço de compreender como as crianças meninos e meninas constróem, a partir do contexto de uma escola em particular, suas identificações de gênero e tem a pretensão de ser uma pequena contribuição para a compreensão das tramas que ocorrem no interior das escolas (ou instituições educativas) mistas, de uma forma geral, e que estão relacionadas a uma certa maneira de delimitar o que é ou não é natural de um determinado gênero. Passo agora a destacar alguns pontos que considero importantes para suscitar a reflexão sobre as experiências que proporcionamos, enquanto educadores (as), às crianças que participam de nossas escolas ou projetos educativos. Primeiro, penso que precisamos estar atentos (as) para o que Mauss (1974) chamou de detalhes, presentes no processo educativo e que, muitas vezes, passam despercebidos, justamente, por já estarem naturalizados em nossas práticas; detalhes como estes, objeto de nossa discussão neste texto, que dizem respeito às construções de gênero.

14 14 Precisamos compreender, também, que o gênero é uma das primeiras categorizações sociais a que somos submetidos (as) e desde o momento em que constatamos, através do aparato tecnológico de exames como a ultra-sonografia, o sexo do novo ser que se forma, iniciamos o processo de construção do feminino ou masculino, proporcionando um arsenal de experiências carregadas de informações sobre o que é ou não é adequado a esse ou aquele gênero. Vale ressaltar que, essa categorização tem início na família e se estende ao longo da vida em sociedade. Uma outra questão diz respeito a dificuldade de nós educadores(as) lidarmos com a diversidade 12 presente no cotidiano escolar; as observações que realizei demonstraram que as crianças meninos e meninas - que não apresentam o comportamento esperado menina: dócil, passiva, delicada, comportada; menino: forte, corajoso, empreendedor, ativo - sofrem grande pressão social, por parte da instituição e também por parte de outros(as) colegas de turma ou da escola. Penso que essa forma, rígida e, de certa maneira, preconceituosa de lidar com as diferentes possibilidades de ser e viver dificulta o amplo desenvolvimento pessoal dos sujeitos que vivenciam as experiências pedagógicas as quais proporcionamos. Por último, gostaria de dizer que nós educadores (as), preocupados (as) em construir uma educação que respeite as diferenças e possa realmente contribuir com cidadania plena dos indivíduos os quais somos responsáveis, temos que refletir sobrer os padrões de vida e de ser humano que servem de modelo hegemônico na nossa sociedade; buscando compreender que são justamente as diferenças que enriquecem nossa existência enquanto seres humanos 6- Bibliografia: AZEVEDO, Thales de. As Regras do Namoro à Antiga. São Paulo: Editora Ática, Refiro-me a diversidade de gênero, raça, classe ou condição social, cultural, sexual, entre outras que a escola tem dificuldade em lidar.

15 15 CANCELA, Cristina Donza. Adoráveis e Dissimuladas: As relações amorosas das mulheres das camadas populares na Belém do final do século XIX e início do XX (Dissertação de Mestrado). São Paulo: Campinas, janeiro, HEILBORN, Maria Luiza. O que faz um casal, casal? Conjugalidade e Identidade Sexual em Camadas Médias Urbanas (p: ) (sd). KIMMEL, Michael S. A Produção Simultânea das Masculinidades Hegemônicas e Subalternas. In: Revista Horizontes Antropológicos Corpo, Doença e Saúde. Ano 4, No. 9. Porto Alegre: Programa de Pós Graduação em Antropologia da UFRGS, outubro, MAUSS, Marcel. As Técnicas Corporais. In: Sociologia e Antropologia. Volume II. São Paulo: EPU/EDUSP, MOTTA-MAUÉS, Maria Angelica. `Trabalhadeiras & Camarados Relações de gênero, simbolismo e ritualização numa comunidade amazônica. Belém: Centro de Filosofia e Ciências Humanas/UFPa, NOLASCO, Sócrates. A Desconstrução do Masculino: Uma contribuição crítica à análise de gênero. In: A Desconstrução do Masculino (org. Sócrates Nolasco). Rio de Janeiro: Rocco, PRIORE, Mary Del. Ao Sul do Corpo: Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: EDUNB, ZAIDMAN,Claude. A Administração Escolar do Regime Misto na Escola Primária. Revista Estudos Feministas. No. Especial (p ), ZOLA, Émile. Como se Casa. Como se Morre (tradução Duda Machado). São Paulo: Editora 34, 1999.

Ensino Fundamental Nível II

Ensino Fundamental Nível II Ensino Fundamental Nível II Comp. Curricular: Data: 2º Período Aluno (a): Nº Professor: Turma: DE OLHO NA IMAGEM QUESTÃO 01 No quadro, três crianças estão brincando. Campeão de bolinha de gude (1939),

Leia mais

Escola: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS

Escola: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS e Comunicação Formação Pessoal e Social Escola: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS Nome: Idade: 4 anos Sala: Educação pré-escolar Ano letivo / 1º período Assiduidade Presenças: Faltas: Sabe o seu nome e idade.

Leia mais

A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS. Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho

A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS. Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho Questões sobre o portfólio respondidas pelas crianças: 1. O que é um portfólio? 2. Gostas do teu portfólio? Porquê?

Leia mais

No dia 11/06, sábado, realizaremos nossa tradicional Festa Junina.

No dia 11/06, sábado, realizaremos nossa tradicional Festa Junina. Destinado aos alunos do Minimaternal A Ref.: Apresentação de Dança - Festa Junina Horário previsto para a dança: 11h Meninas: Vestido caipira, tênis ou bota, chapéu opcional. Meninos: Traje caipira: calça

Leia mais

VIVA OS PAIS PAI, MELHOR AMIGO!

VIVA OS PAIS PAI, MELHOR AMIGO! VIVA OS PAIS PAI, MELHOR AMIGO! Não existe melhor amigo que o pai! Pai pequena palavra, não obstante, grande em amor, capaz de renunciar tudo a favor do filho que ama! Muitas vezes é difícil para o filho

Leia mais

TUMBLIGANDO 1 (ACROBACIA DE SOLO PARA ADOLESCENTES)

TUMBLIGANDO 1 (ACROBACIA DE SOLO PARA ADOLESCENTES) OFICINA Nº: 01 TUMBLIGANDO 1 (ACROBACIA DE SOLO PARA ADOLESCENTES) ÁREA: Circo FAIXA ETÁRIA: 13 a 16 anos. CARGA HORÁRIA: 03 horas. OBJETIVOS: Conhecer o universo do circo e suas vertentes. Realizar uma

Leia mais

PORTFÓLIO DE PRÁTICA DE FORMAÇÃO

PORTFÓLIO DE PRÁTICA DE FORMAÇÃO PROFESSOR EM FORMAÇÃO: 1º A ma Nº PORTFÓLIO DE PRÁTICA DE FORMAÇÃO Registro das atividades de Prática de Formação, realizadas no Instituto de Educação Professor Erasmo Pilotto e no Campo de Estágio, em

Leia mais

6. o ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF. FRANCISCA AGUIAR PROF. SUZY PINTO

6. o ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF. FRANCISCA AGUIAR PROF. SUZY PINTO 6. o ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF. FRANCISCA AGUIAR PROF. SUZY PINTO Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos 2 QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A palavra folclore é derivada da palavra inglesa folklore, em

Leia mais

RELATO SOBRE A PRÁTICA AUTORRETRATO E COLCHA DE RETALHOS

RELATO SOBRE A PRÁTICA AUTORRETRATO E COLCHA DE RETALHOS RELATO SOBRE A PRÁTICA AUTORRETRATO E COLCHA DE RETALHOS Jessica Bianca Przygocki (Bolsista PIBID- CAPES-UNICENTRO) Julia Caroline de Matos (Bolsista PIBID-CAPES- UNICENTRO) Denise Cristina Holzer Professor

Leia mais

O QUE SOBE, DESCE... Por. Marcelo Gomes Soares

O QUE SOBE, DESCE... Por. Marcelo Gomes Soares O QUE SOBE, DESCE... Por Marcelo Gomes Soares Copyright 2009 by Marcelo Gomes Soares Todos os direitos resevados. Tel: (71)3314-4483 (71)8889-5015 marcelogomessoares7@gmail.com O QUE SOBE, DESCE... ROTEIRO

Leia mais

LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL CSM 2017 NÍVEL I 1 ANO

LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL CSM 2017 NÍVEL I 1 ANO NÍVEL I 1 ANO 1 lençolzinho (etiquetado) 2m de algodão cru 1 jogo de blocos (grande) para montar (peças apropriadas para a idade) para os meninos. 1 travesseiro pequeno - etiquetado ½ m de velcro Panelinhas

Leia mais

Workbook Livro de exercícios

Workbook Livro de exercícios Workbook Livro de exercícios 2º Etapa da consultoria Coach de Imagem Patrícia Coelho www.voceeunica.com Questionário de Estilo Objetivos Trabalhar todos os aspectos referentes à sua aparência para você

Leia mais

Nasci em Cruz das Almas no interior da Bahia, autodidata nas artes plásticas; desde criança já gostava de pintar e desenhar, mas foi no magistério,

Nasci em Cruz das Almas no interior da Bahia, autodidata nas artes plásticas; desde criança já gostava de pintar e desenhar, mas foi no magistério, Nasci em Cruz das Almas no interior da Bahia, autodidata nas artes plásticas; desde criança já gostava de pintar e desenhar, mas foi no magistério, confeccionando cartazes, que veio a vontade de fazer

Leia mais

FICHA DE OBSERVAÇÃO DO GRUPO DE CRIANÇAS

FICHA DE OBSERVAÇÃO DO GRUPO DE CRIANÇAS FICHA DE OBSERVAÇÃO DO GRUPO DE CRIANÇAS Jardim-de-Infância de: Benavente Faixa Etária: 4 anos Observador: Elisabete Cruz Período de observação: 3 manhãs por semana de 18 de Outubro a 18 de Novembro de

Leia mais

DILEMA DO OBJETIVO. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 30 de julho de w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

DILEMA DO OBJETIVO. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 30 de julho de w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r DILEMA DO OBJETIVO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 2ª edição - 30 de julho de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r DILEMA DO OBJETIVO Desejo é inconsciente. O que você experimenta e chama de desejo não

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Ipanema, o estudante também aprende e desenvolve habilidades além da sala de aula. As turmas das Atividades Extraclasse, para cada modalidade, são divididas de acordo

Leia mais

UNIDADE: Pegar o bonde andando / Brasil SITUAÇÃO DE USO Aprendizagem sobre ditos populares. MARCADORES Cultura; Arte popular; Folclore.

UNIDADE: Pegar o bonde andando / Brasil SITUAÇÃO DE USO Aprendizagem sobre ditos populares. MARCADORES Cultura; Arte popular; Folclore. UNIDADE: Pegar o bonde andando / Brasil SITUAÇÃO DE USO Aprendizagem sobre ditos populares. MARCADORES Cultura; Arte popular; Folclore. EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM - Aprender sobre ditos populares brasileiros.

Leia mais

Atividades Extraclasse 2017

Atividades Extraclasse 2017 Atividades Extraclasse 2017 Atividades com inscrições diretamente com os professores responsáveis nas datas e locais especificados. Início das aulas em março de 2017. Futsal, Vôlei, Basquete, Tênis de

Leia mais

Roteiro. Fade out CENA 1 INTERIOR /DIA /QUARTO DA MENINA

Roteiro. Fade out CENA 1 INTERIOR /DIA /QUARTO DA MENINA Roteiro Fade in (escrito e off)... de todas as histórias que meu pai me contava a que nunca esqueci foi a história do Rei que levava no coraçãouma princesa... A menina Fade out CENA 1 INTERIOR /DIA /QUARTO

Leia mais

Questionário. Engenharia Eletrônica Primeiro período

Questionário. Engenharia Eletrônica Primeiro período Questionário Engenharia Eletrônica Primeiro período 1. Idade a) Menos de 18 b) 18 c) 19 d) 20 e) Mais de 20 2. Residência a) Campo Mourão. b) Cidade vizinha de Campo Mourão. c) Distante de Campo Mourão.

Leia mais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais

As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais As primeiras noções de mapa e a importância da Geografia nas séries iniciais Ler e buscar informações Nas aulas de Geografia, é importante que a criança tenha espaço para desenhar e representar as situações,

Leia mais

MORFOLOGIA CLASSE GRAMATICAL. SUBSTANTIVO: é o que dá nome a todos os seres: vivos, inanimados, racionais, irracionais a fim de identificação.

MORFOLOGIA CLASSE GRAMATICAL. SUBSTANTIVO: é o que dá nome a todos os seres: vivos, inanimados, racionais, irracionais a fim de identificação. MORFOLOGIA CLASSE GRAMATICAL SUBSTANTIVO: é o que dá nome a todos os seres: vivos, inanimados, racionais, irracionais a fim de identificação. PREPOSIÇÃO É a classe de palavras que liga palavras entre si;

Leia mais

ANIMAÇÃO - 2 ARTES PLÁSTICAS - 3 ATLETA - 4 AUDIOVISUAIS - 5 CAMPISTA - 6 COMUNICAÇÃO - 8 CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - 12 COZINHA DE CAMPO - 14

ANIMAÇÃO - 2 ARTES PLÁSTICAS - 3 ATLETA - 4 AUDIOVISUAIS - 5 CAMPISTA - 6 COMUNICAÇÃO - 8 CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - 12 COZINHA DE CAMPO - 14 ESPECIALIDADES ANIMAÇÃO - 2 ARTES PLÁSTICAS - 3 ATLETA - 4 AUDIOVISUAIS - 5 CAMPISTA - 6 COMUNICAÇÃO - 8 CONHECIMENTO DE RELIGIÕES - 9 CONHECIMENTO DO ESCOTISMO - 10 CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - 12 COZINHA

Leia mais

Fundamentos do Movimento Humano

Fundamentos do Movimento Humano Fundamentos do Movimento Humano CORPOREIDADE Corporeidade é a maneira pela qual o cérebro reconhece e utiliza o corpo como instrumento relacional com o mundo. manifesta-se através do corpo, que interage

Leia mais

SALTIMBUM (PULA CORDA PARA CRIANÇAS)

SALTIMBUM (PULA CORDA PARA CRIANÇAS) OFICINA Nº: 03 SALTIMBUM (PULA CORDA PARA CRIANÇAS) ÁREA: Circo FAIXA ETÁRIA: 08 a 12 anos. CARGA HORÁRIA: 03 horas. OBJETIVOS: Conhecer o universo do circo e suas vertentes. Realização de oficina de pular

Leia mais

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física

Ficha de Avaliação e Evolução Educação Física NOME: MATRÍCULA Nº DATA NASCIMENTO: / / IDADE: CID: DATA 1ª AVALIAÇÃO: / / DATA 3ª AVALIAÇÃO: / / DATA 5ª AVALIAÇÃO: / / DATA 2ª AVALIAÇÃO: / / DATA 4ª AVALIAÇÃO: / / DATA 6ª AVALIAÇÃO: / / A avaliação

Leia mais

Nadya Araujo Guimarães FSL Introdução à Sociologia USP, 02/2014

Nadya Araujo Guimarães FSL Introdução à Sociologia USP, 02/2014 Nadya Araujo Guimarães FSL 0114 - Introdução à Sociologia USP, 02/2014 Foco do debate de hoje 1. Hoje seguiremos explorando, sob novas facetas, a noção de corporeidade, que continuará, assim, no centro

Leia mais

como diz a frase: nois é grossa mas no fundo é um amor sempre é assim em cima da hora a pessoa muda numa hora ela fica com raiva, triste, feliz etc.

como diz a frase: nois é grossa mas no fundo é um amor sempre é assim em cima da hora a pessoa muda numa hora ela fica com raiva, triste, feliz etc. SEGUIR EM FRENTE seguir sempre em frente, nunca desistir dos seus sonhos todos nós temos seu nivel ou seja todos nós temos seu ponto fraco e siga nunca desistir e tentar até voce conseguir seu sonho se

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos DGEstE Direção de Serviços da Região Norte Agrupamento de Escolas LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 Departamento da Educação Pré-Escolar Ano Letivo 2016/2017 Perfil de Aprendizagens Específicas,

Leia mais

CURSO: MÚSICA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA EMENTAS - 2017.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: TEORIA E PERCEPÇÃO MUSICAL II Desenvolvimento da percepção dos elementos da organização musical, através de atividades práticas; utilização de elementos

Leia mais

DATA: 02 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA:

DATA: 02 / 05 / 2016 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 02 / 05 / 206 I ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A):

Leia mais

DATA: 02 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA:

DATA: 02 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 0 / / 03 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE LÍNGUA PORTUGUESA 3.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

NOSSO PRINCÍPIO: O PLANO ORIGINAL DE DEUS PARA O CORPO E A SEXUALIDADE.

NOSSO PRINCÍPIO: O PLANO ORIGINAL DE DEUS PARA O CORPO E A SEXUALIDADE. NOSSO PRINCÍPIO: O PLANO ORIGINAL DE DEUS PARA O CORPO E A SEXUALIDADE. CRISTO NOS REMETE AO PRINCÍPIO Cristo revela o homem a si mesmo e descobrelhe a sua vocação sublime (Gaudium et Spes 22). MATEUS

Leia mais

Brinquedo de miriti e a representação idealizada do corpo: questões para o currículo

Brinquedo de miriti e a representação idealizada do corpo: questões para o currículo Brinquedo de miriti e a representação idealizada do corpo: questões para o currículo Joyce Ribeiro joyce@ufpa.br Lidia Sarges lidiasarges@yahoo.com.br Igora Dácio igorarock@hotmail.com 1 O brinquedo de

Leia mais

COMUNICADO IMPORTANTE TURMA: 2º ANO A PROFESSORA ROSÂNGELA. HORÁRIO DA DANÇA: 13h

COMUNICADO IMPORTANTE TURMA: 2º ANO A PROFESSORA ROSÂNGELA. HORÁRIO DA DANÇA: 13h TURMA: 2º ANO A PROFESSORA ROSÂNGELA HORÁRIO DA DANÇA: 13h Camiseta amarela lisa, saia jeans, meia calça branca, bota, cabelo com duas tranças com fita verde e amarela e chapéu de palha Camiseta verde

Leia mais

Quando eu crescer... 2

Quando eu crescer... 2 Primavera/Verão 2016 1 2 Quando eu crescer... Quando temos cinco anos, eles nos perguntam o que queremos ser quando crescer. Nossas respostas são coisas como eu quero ser grandão, eu quero ser super-herói,

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ALINE PELLEGRINO II

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ALINE PELLEGRINO II CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ALINE PELLEGRINO II (depoimento) 2014 FICHA TÉCNICA ENTREVISTA CEDIDA PARA PUBLICAÇÃO NO REPOSITÓRIO DIGITAL

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 8º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Márcio Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Língua Portuguesa Resultado

Leia mais

Lista de Material Maternal 2017

Lista de Material Maternal 2017 Lista de Material Maternal 2017 200 Folhas de sulfite A3 Report 040 Folhas de canson A3 001 Caixa de Gizão de cera triangular 004 Caixas de Massa para modelar 001 Caixa tempera guache fantasia Metallic

Leia mais

Interpretação de textos Avaliação Parcial II. Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade

Interpretação de textos Avaliação Parcial II. Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade Interpretação de textos Avaliação Parcial II Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade Verbo ser Que vai ser quando crescer? Vivem perguntando em redor. Que é ser? É ter um corpo, um jeito, um nome?

Leia mais

SUGESTÃO DE PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE 6º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

SUGESTÃO DE PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE 6º ANO ENSINO FUNDAMENTAL Apresentação Capítulo 1: Fábulas de ontem, hoje Texto: O corvo e o pavão - O texto no contexto Texto: O pavão e o gaio - Conjunção Adversativa SUGESTÃO DE PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE 1ª SEMANA 2ª SEMANA 3ª

Leia mais

Teste O Profissional Eficaz

Teste O Profissional Eficaz . Teste O Profissional Eficaz Este teste pode lhe mostrar em qual nível está a sua carreira, isto é, se você é um profissional abaixo da média, comum ou extraordinário. Responda às perguntas a seguir e

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 PROFESSOR ALUNO ÉRICA PINHEIRO DISCIPLINA Português TURMA SIMULADO: P4 301 Questão 1 Cachos é o coletivo

Leia mais

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Título Contextualização Ementa Objetivos gerais CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A língua portuguesa,

Leia mais

Porque Você Precisa ter Sua Própria. Caricatura?

Porque Você Precisa ter Sua Própria. Caricatura? Porque Você Precisa ter Sua Própria Caricatura? Já pensou em Ser Caricaturado(ª)? Se já pensou nisso, ótimo, logo você vai descobrir como é possível ter uma incrível Caricatura Digital. Se ainda não tinha

Leia mais

ORIENTAÇÕES ENSAIO NEWBORN

ORIENTAÇÕES ENSAIO NEWBORN ORIENTAÇÕES ENSAIO NEWBORN Seu bebê acaba de nascer e o dia da sessão newborn se aproxima, aqui neste manual encontram-se todas as informações sobre o dia das fotos, é MUITO IMPORTANTE seguir todos os

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 89-CEPE/UNICENTRO, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Letras, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Estudante: Ano: 6º Turma: Educador: Wagner Melo C. Curricular: Educação Religiosa O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Deus nos criou para convivermos com outras pessoas e sermos felizes. A

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 025/2011 O Reitor da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA -UESB, no uso de suas

Leia mais

ENQUANTO ESTOU NO HOSPITAL.

ENQUANTO ESTOU NO HOSPITAL. Simone Lopes de Mattos e Vívian Lopes de Mattos ENQUANTO ESTOU NO HOSPITAL. Para colorir o cenário. Ilustrações de Ana Kléa Moraes Simone Lopes de Mattos e Vívian Lopes de Mattos ENQUANTO ESTOU NO HOSPITAL.

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION. Lições de Língua Portuguesa, História e Vivência Religiosa - 4º ano. O galo e a raposa

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION. Lições de Língua Portuguesa, História e Vivência Religiosa - 4º ano. O galo e a raposa COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do Livro Lições de Língua Portuguesa, História e Vivência Religiosa - 4º ano 4º ano A e B quinta-feira Segunda-feira Curitiba, 12 de agosto de 2013. 1- Leia o texto

Leia mais

ÍNDICE O TEXTO DRAMÁTICO PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO. Leitura de cartazes publicitários

ÍNDICE O TEXTO DRAMÁTICO PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO. Leitura de cartazes publicitários O TEXTO DRAMÁTICO O TEXTO DRAMÁTICO ÍNDICE PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO Leitura de cartazes publicitários CATEGORIAS DO TEXTO DRAMÁTICO O TEXTO DRAMÁTICO. Tem

Leia mais

Lista de Materiais Fundamental I 1º ano 2017

Lista de Materiais Fundamental I 1º ano 2017 Lista de Materiais Fundamental I 1º ano 2017 (4 livros no ano) Sistema Ético - Editora Saraiva (encomendado no Colégio) 01 caderno pequeno 50 folhas para recados apontador e uma cola bastão. 01 massinha

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TEMPO planejamento. aprenda a planejar

ORGANIZAÇÃO DO TEMPO planejamento. aprenda a planejar ORGANIZAÇÃO DO TEMPO Por detrás de cada realização, pequena ou grande, encontra-se um planejamento. Lembre-se, se você realmente quer ver suas metas se concretizarem, aprenda a planejar. Mary Kay Ash ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Tendências Verão2013

Tendências Verão2013 Tendências Verão 2013 10 20 azul bic vermelho 08 16 Candy Colors laranja 12 22 Amarelo cores fluor 14 18 pink verde militar couro 24 26 para você ficar bem informado. A Círculo acompanha de perto as tendências

Leia mais

Filha, agora que vais casar tens de tratar bem do teu marido, ter a comida sempre pronta, dar banho e não recusar ter relações sexuais sempre que ele

Filha, agora que vais casar tens de tratar bem do teu marido, ter a comida sempre pronta, dar banho e não recusar ter relações sexuais sempre que ele Filha, agora que vais casar tens de tratar bem do teu marido, ter a comida sempre pronta, dar banho e não recusar ter relações sexuais sempre que ele quiser. É isso Rosa, se ele arranjar uma mulher fora,

Leia mais

9 a 12 MESES de idade

9 a 12 MESES de idade Dr(a) Para 9 a 12 MESES de idade ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DO SEU BEBÊ LINGUAGEM Presta mais atenção ao que se fala. Balbucia com inflexão (como se quizesse falar). Tenta imitar palavras. Entende o não,

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: História / ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS Série: 2ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o : Turma: Professor essora: Data: 10

Leia mais

ROSANA RIOS. Três noites de medo

ROSANA RIOS. Três noites de medo Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente ROSANA RIOS Três noites de medo ILUSTRAÇÕES: GIROTTO PROJETO DE LEITURA Maria José Nóbrega Rosane Pamplona Três noites de medo ROSANA RIOS UM POUCO SOBRE

Leia mais

CONTEÚDO OBJETIVOS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO. - Roda de música. cantadas - Momentos

CONTEÚDO OBJETIVOS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO. - Roda de música. cantadas - Momentos CUIDAR DE I, DO OUTRO E DO AMBIENTE. CONTEÚDO OBJETIVO ETRATÉGIA RECURO Higiene e cuidado pessoal Reconhecimento do próprio corpo Respeito às características pessoais relacionadas ao gênero, etnia, peso,

Leia mais

Sexualidade na infância. Suas etapas e definições

Sexualidade na infância. Suas etapas e definições Sexualidade na infância Suas etapas e definições Os estudos na área da sexualidade humana desenvolvidos por Sigmund Freud, evidenciam a necessidade de compreensão das diversas fases da construção da sexualidade

Leia mais

UMA AVENTURA NO MUNDO DE

UMA AVENTURA NO MUNDO DE Parte integrante do livro Uma Aventura no Mundo de Tarsila. Não pode ser vendido separadamente. UMA AVENTURA NO MUNDO DE T A R S I L A Professor A magia da literatura é, em grande parte, fortalecida pelos

Leia mais

O TEXTO JORNALÍSTICO NA SALA DE AULA TEMA: MUNDO DO TRABALHO

O TEXTO JORNALÍSTICO NA SALA DE AULA TEMA: MUNDO DO TRABALHO CAMPUS BAGÉ CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PIBID LETRAS 2014 O TEXTO JORNALÍSTICO NA SALA DE AULA TEMA: MUNDO DO TRABALHO Bolsista: Pâmela Oliveira de Castro. Coordenadora: Fabiana Giovani Supervisora:

Leia mais

PROGRAMA FÉRIAS DE VERÃO ADSL 2015

PROGRAMA FÉRIAS DE VERÃO ADSL 2015 PROGRAMA FÉRIAS DE VERÃO ADSL 2015 MAIS INFORMAÇÕES: ADSL T. 251795086 / 963937778 ESPAÇO SÉNIOR GONDARÉM T.251709176 www.facebook.com/adslcerveira adslcerveira@gmail.com www.adslcerveira.com 15 DE JUNHO

Leia mais

Uso de miniaturas na decoração reflete perfil do morador

Uso de miniaturas na decoração reflete perfil do morador Terra - SP 12/02/2014-08:02 Uso de miniaturas na decoração reflete perfil do morador Soldadinhos de chumbo e réplicas de carros, animais e até móveis ajudam a deixar o imóvel com a cara do dono PrimaPagina

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Medicina Veterinária CÓDIGO DO TRAJE ACADÉMICO

Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Medicina Veterinária CÓDIGO DO TRAJE ACADÉMICO Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Medicina Veterinária CÓDIGO DO TRAJE ACADÉMICO Grupo Organizado para as Tradições Académicas G.O.T.A. O G.O.T.A. tem como objectivo preservar todas as tradições

Leia mais

LEI N 1175 /2015 ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANATINGA

LEI N 1175 /2015 ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANATINGA LEI N 1175 /2015 Dispõe sobre a revisão e alteração da Lei 1045/2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE PARANATINGA, ESTADO DE MATO GROSSO, Srº Vilson Pires, FAZ SABER, QUE A CÂMARA MUNICIPAL APROVOU E ELE SANCIONA

Leia mais

ACTIVIDADES PARA O 1º CICLO

ACTIVIDADES PARA O 1º CICLO ACTIVIDADES PARA O 1º CICLO Actividade 1 Feminino ou Masculino? Recursos Necessários: Ficha de trabalho para toda a turma. Distribui-se uma ficha de trabalho com uma lista de nomes das partes do corpo

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA BONECA

A CONSTRUÇÃO DA BONECA Por Josiene Muniz 1º dia A CONSTRUÇÃO DA BONECA Hoje conversei com as crianças sobre a nossa Mostra de Arte. Perguntei quem já tinha ido a uma exposição, e quase todos disseram que não. Duas crianças disseram

Leia mais

JUDÔ - (Certificado ISO 9001/2008)

JUDÔ - (Certificado ISO 9001/2008) JUDÔ - (Certificado ISO 9001/2008) Objetivos: Promover e desenvolver a prática do judô, contribuindo para a formação integral da criança, proporcionando-lhe melhor qualidade de vida. No tatame, o aluno

Leia mais

Exercício Extra 31. Nome: Turma:

Exercício Extra 31. Nome: Turma: Exercício Extra 31 Nome: Turma: LÍNGUA PORTUGUESA 3º ano do Ensino Fundamental Data: 10/10/2016 Data de devolução: 17/10/2016 História meio ao contrário [...] Foi um alívio geral. Então, o rei completou,

Leia mais

Projeto de Captação 50 Anos de História

Projeto de Captação 50 Anos de História Projeto de Captação 50 Anos de História APRESENTAÇÃO A dança foi ao lado da música a primeira manifestação humana. Dançar é uma das formas mais adequadas e prazerosas para ensinar, na prática, todo o potencial

Leia mais

Em Círculos. Mateus Milani

Em Círculos. Mateus Milani Em Círculos Mateus Milani Que eu não perca a vontade de ter grandes amigos, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas Ariano Suassuna. Sinopse Círculos. A vida

Leia mais

01- A partir do texto, responda: a) Como eram os brinquedos no tempo em que Rachel de Queiroz era criança? R.:

01- A partir do texto, responda: a) Como eram os brinquedos no tempo em que Rachel de Queiroz era criança? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA E GEOGRAFIA 2 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== No texto a seguir,

Leia mais

79 Dias. por. Ton Freitas

79 Dias. por. Ton Freitas 79 Dias por Ton Freitas Registro F.B.N.: 684988 Contato: ton.freitas@hotmail.com INT. HOSPITAL/QUARTO - DIA Letreiro: 3 de março de 1987. HELENA, branca, 28 anos, está grávida e deitada em uma cama em

Leia mais

Grade de programação TV Escola - Segunda-feira - 26/12/2016

Grade de programação TV Escola - Segunda-feira - 26/12/2016 Grade de programação TV Escola - Segunda-feira - 26/12/2016 06h03 07h00 07h29 08h00 08h05 08h10 08h16 08h22 08h28 08h35 08h41 08h50 08h59 09h15 09h30 10h00 10h30 11h00 11h25 SALTO PARA O FUTURO - ACERVO

Leia mais

OXUM PONTOS DE LINHA. 2. Olha o barquinho de Cinda > Cinda é quem vem trabalhar >2x Cinda é mamãe Oxum, aieiêo > Cinda é a cobra coral >2x

OXUM PONTOS DE LINHA. 2. Olha o barquinho de Cinda > Cinda é quem vem trabalhar >2x Cinda é mamãe Oxum, aieiêo > Cinda é a cobra coral >2x OXUM PONTOS DE LINHA 1. Eu vi mamãe Oxum na cachoeira > Sentada na beira do rio >2x Colhendo lírios, lírio ê Colhendo lírios, lírio a Colhendo lírios Pra enfeitar nosso Congá 2. Olha o barquinho de Cinda

Leia mais

Mude sua vida com - auto estima elevada em 4 semanas. Clique aqui. Acesse o blog mulhercomautoestima e veja mais dicas

Mude sua vida com - auto estima elevada em 4 semanas. Clique aqui. Acesse o blog mulhercomautoestima e veja mais dicas Índice Conteúdo Índice... 2 Dicas simples para te motivar e ensinar como cuidar para manter a auto estima... 3 Aprenda a se valorizar mais... 4 Mais dicas valiosas para iniciar seu dia positiva... 5 A

Leia mais

Língua Portuguesa (contemplando os 4 eixos: Leitura; Produção de textos; Oralidade; Análise Linguística.

Língua Portuguesa (contemplando os 4 eixos: Leitura; Produção de textos; Oralidade; Análise Linguística. PLANEJAMENTO: Identidade PROFESSORA: Iracema Pavão História trabalhada ao longo da sequência: Competências Objetivos Estratégias em Leitura; produção textual; oralidade; análise linguística. - Estimular

Leia mais

Construção de competências matemáticas através do lúdico: Sistema de numeração

Construção de competências matemáticas através do lúdico: Sistema de numeração Construção de competências matemáticas através do lúdico: Sistema de numeração Letícia Fonseca Reis F. Castro Matemática e Livro das Formas 07/06/2011 Conteúdos Matemática Educação Infantil Espaço e forma

Leia mais

PAINTANT STORIES. Lúcia Pantaleoni*

PAINTANT STORIES. Lúcia Pantaleoni* RESENHAS PAINTANT STORIES Lúcia Pantaleoni* A Casa Daros, no Rio de Janeiro, abrigou em um de seus espaços um pintante que impressiona, em primeiro lugar, pela sua dimensão são 100 metros de pintura ;

Leia mais

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN)

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) Linguagem, Língua, Linguística Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) e-mail: fredericoa4@gmail.com Encontro 1 Linguagem Linguagem: a capacidade humana de utilizar

Leia mais

"Caixa de Saída" Roteiro de. Jean Carlo Bris da Rosa

Caixa de Saída Roteiro de. Jean Carlo Bris da Rosa "Caixa de Saída" Roteiro de Jean Carlo Bris da Rosa Copyright 2011. Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir. executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta

Leia mais

Projeto Poesia. Atividade 1: Momento 1: Converse com a turma sobre o que é uma poesia, dê exemplos e apresente alguns poetas e poetisas.

Projeto Poesia. Atividade 1: Momento 1: Converse com a turma sobre o que é uma poesia, dê exemplos e apresente alguns poetas e poetisas. Projeto Poesia http://pixabay.com/pt/livros-certificado-cont%c3%aainer-pote-158066/ Público alvo: Educação Infantil / Crianças de 4 anos. Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: 5 semanas Justificativa:

Leia mais

Inquérito por questionário Alunos

Inquérito por questionário Alunos Inquérito por questionário Alunos INSTRUÇÕES A seguir apresentamos-te um conjunto de perguntas sobre as tuas aulas. Não há respostas certas nem erradas, por isso pedimos-te que respondas com verdade. Obrigado

Leia mais

Infans: o que não fala. Camilla Luiz, Cláudio Fontão, Jéssica Silveira e Vivian Souza

Infans: o que não fala. Camilla Luiz, Cláudio Fontão, Jéssica Silveira e Vivian Souza Infans: o que não fala Camilla Luiz, Cláudio Fontão, Jéssica Silveira e Vivian Souza Introdução Esta obra baseou-se no livro de Javier Naranjo, Casa das estrelas o mundo contato pelas crianças. Foi realizada

Leia mais

INFORMATIVO CURSOS EXTRACURRICULARES 2017 II PARTE (Nado Sincronizado e Escola de Esportes)

INFORMATIVO CURSOS EXTRACURRICULARES 2017 II PARTE (Nado Sincronizado e Escola de Esportes) 1 COLÉGIO BENJAMIN CONSTANT Mantido pela Associação Escolar Benjamin Constant Declarada de Utilidade Pública Federal em 21.07.99 Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio São Paulo, 06 de fevereiro

Leia mais

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS º PERÍODO CURSO: MÚSICA LICENCIATURA EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: LINGUAGEM E ESTRUTURAÇÃO MUSICAL II Teoria e Percepção Musical II. Desenvolvimento da leitura musical em quatro claves de referência:

Leia mais

ROTEIRO DE OBJETO DE APRENDIZAGEM - RIVED- CURSO DE FILOSOFIA Título: Por que devo ser justo? Tela#1 (opção!)

ROTEIRO DE OBJETO DE APRENDIZAGEM - RIVED- CURSO DE FILOSOFIA Título: Por que devo ser justo? Tela#1 (opção!) ROTEIRO DE OBJETO DE APRENDIZAGEM - RIVED- CURSO DE FILOSOFIA 30.10.2007 Título: Por que devo ser justo? Título da animação: [1] Por que devo ser justo? [2] Fui educado assim. Para não ser punido. Porque

Leia mais

CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO

CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA 1ºAno e 2ºAno de escolaridade Domínios Competências Sabe escutar para reproduzir pequenas mensagens

Leia mais

PLANEJAMENTO(POESIA)Professora:Vanessa Magnan

PLANEJAMENTO(POESIA)Professora:Vanessa Magnan PLANEJAMENTO(POESIA)Professora:Vanessa Magnan Nome do poema: INFÂNCIA SÔNIA MIRANDA Competências Objetivos Estratégias em Língua Portuguesa (contemplando os 4 eixos: Leitura; Produção de textos; Oralidade;

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Fernanda Disciplina: L.Portuguesa Turma: 2ª Série E. Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue

Leia mais

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil.

Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Colégio São Francisco de Assis Educar para a Paz e o Bem Província do SS. Nome de Jesus do Brasil. Senhores pais ou responsável: Iremos iniciar as matrículas das atividades extracurriculares. INÍCIO DAS

Leia mais

AGENDA ESPÍRITO DEOUTUBRO JOÃO TORDO

AGENDA ESPÍRITO DEOUTUBRO JOÃO TORDO A minha proposta para o mês de Outubro encontra-se enraizada no significado que este mês tem para um sem-número de culturas em todo o mundo: Outubro como um lugar de abertura, um espaço de mudança e de

Leia mais

Proposta pedagógica CURRÍCULO, PROPOSTA METODOLÓGICA E MATERIAL DIDÁTICO

Proposta pedagógica CURRÍCULO, PROPOSTA METODOLÓGICA E MATERIAL DIDÁTICO Proposta pedagógica CURRÍCULO, PROPOSTA METODOLÓGICA E MATERIAL DIDÁTICO Lucas Mourão Tavares CONSELHEIRO DE ER, PIB EM SÃO GONÇALO (RJ) REVISÕES CURRICULARES são necessárias e acontecem em todos os níveis

Leia mais

De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal.

De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal. PRIMEIRO PERÍODO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DO 1.º CICLO ANO LETIVO 2011-2012 De acordo com o lema A variedade dá sabor à vida, elaboramos a seguinte planificação anual, tendo em conta a articulação horizontal.

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DE FIXAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO VIII PROVA TAREFA 4 Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE Data: 21/9/2011 PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Valor da prova:

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor No diálogo Fédon, escrito por Platão, seu personagem Sócrates afirma que a dedicação à Filosofia implica que a alma

Leia mais

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL IBEROAMERICA. Nome e sobrenome: Samuel Winesse

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL IBEROAMERICA. Nome e sobrenome: Samuel Winesse UNIVERSIDADE INTERNACIONAL IBEROAMERICA Nome e sobrenome: Samuel Winesse Usuário: BeiFPMME1710729 Grupo: fp_mme_2015-06_pt_2 Data: 11/07/2016 Concurso de Olimpiadas-FUNIBER Título dotrabalho: O ESPORTE

Leia mais