Isso (não) é coisa de menino!: Construções de gênero nas brincadeiras infantis em uma escola na Amazônia 1.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Isso (não) é coisa de menino!: Construções de gênero nas brincadeiras infantis em uma escola na Amazônia 1."

Transcrição

1 1 Isso (não) é coisa de menino!: Construções de gênero nas brincadeiras infantis em uma escola na Amazônia 1. Lilian Silva de Sales 2 1- Introdução: Quando lecionava a disciplina Educação Física numa das muitas escolas públicas de Belém do Pará, e propunha aos (às) meus (minhas) alunos (as) alguma atividade considerada socialmente feminina, logo os meninos presentes na turma diziam: eu não posso brincar disso, porque não é coisa de menino. Minha realidade me mostrava que os meninos com os quais eu trabalhava não se percebiam aptos a desenvolverem atividades que não correspondiam ao seu gênero, apesar de, como sabemos, nada biológico ou fisiológico fundamentar tal inaptidão ; somente o peso das pressões sociais/culturais fazia diferença nesse momento. Ou seja, o que os impedia de participar do jogo, considerado socialmente inapropriado para o seu gênero, era a percepção cultural que a sociedade imprime nos que dela fazem parte, referente aos papéis que cada um dos gêneros deve ou não desempenhar. Percebi diante de mim, o que já me haviam ensinado as teorias de gênero - que a consideração social das diferenças biológicas entre meninos e meninas, ainda influenciava (influencia) muito as expectativas dos comportamentos para cada um dos gêneros, e esta permeava (permeia) as ações desenvolvidas pela escola, uma entre os vários locais em que o processo de educação acontece e, inclusive, estava nos discursos das próprias crianças quando inquiridas sobre suas supostas impossibilidades. E que o corpo - frágil/forte, lento/rápido, passivo/ativo, objeto/sujeito, ocultado/expresso se apresentava sempre em evidência; tanto no que se refere ao disciplinamento requerido pela escola (horários marcados para satisfação das necessidades fisiológicas, por exemplo), como quanto às marcas desse disciplinamento na vida dos (as) alunos (as) (a segregação espontânea por ocasião das brincadeiras no recreio). 1 Versão modificada do 3 o Capítulo da Dissertação de Mestrado em Antropologia, intitulada: Escola Mista, Mundo Dividido: Infância e Construções de Gênero na Escola (Belém Pará), defendida em fevereiro de Mestre em Antropologia Social, professora de Educação Física e Pedagogia, docente da Universidade Federal do Pará.

2 2 Falar das marcas culturais que a escola (ou, de um modo geral, as instituições sociais que tem como função a educação dos indivíduos) ajuda a imprimir nos corpos das crianças, jovens e adultos que dela participam, me reporta a uma situação que vivi por ocasião da pesquisa de campo que serviu de base para esse trabalho e que utilizarei, nesse momento, como exemplo para ilustrar o que estou tratando neste artigo. Em um dos vários dias em que estive presente na escola onde pesquisei e fiquei na sala da turma do pré-escolar, notei que as crianças meninas e meninos estavam, quase todas, com um adesivo de letrinhas pregado no rosto, e, de vez em quando, iam mirar-se no espelho que havia em sala de aula; o interessante é que ambos, meninas e meninos, olhavam sua imagem no espelho, mas cada um(a) a seu jeito. As meninas, geralmente, sorriam, ajeitavam os cabelos, dançavam e olhavam-se por inteiro, inclusive, viravam de costas, como que averiguando se tudo estava no lugar. Já os meninos, faziam expressões de raiva ( bad boy ), mostravam os músculos ou realizavam um movimento de luta, geralmente se detinham na observação da parte superior do corpo (peitos e braços em contração muscular) em posição de força, não apresentavam uma preocupação em ajeitar roupa ou cabelo. São essas marcas generificadas ; impressas no corpo, especialmente no corpo que brinca, o nosso assunto principal nesse texto. Vale destacar, também, que falo, especialmente, do lugar aonde realizei a pesquisa, uma escola pública de Belém, uma realidade que, de alguma forma, pode ter semelhanças com as de outras instituições educativas nessa e em outras cidades. 2- Objetivos. Esse trabalho buscou localizar e analisar como crianças, entre seis e nove anos, matriculadas em uma escola pública, de orientação religiosa, situada num bairro de periferia

3 3 de Belém do Pará, na região amazônica, constroem suas identificações de gênero, a partir das experiências que lá vivenciavam. Tendo como foco principal dessas observações e análises, o repertório de gestos e comportamentos corporais das crianças da educação infantil e da primeira série do ensino fundamental, principalmente em momentos de brincadeira. 3- Metodologia de pesquisa. Este trabalho é fruto de pesquisa de campo, com observações do cotidiano da escola, anotações em diário de campo, conversas informais com os alunos (as) durante as aulas e o recreio e oficina de desenho, pintura e modelagem em massa plástica. Vale ressaltar que essas conversas se davam à medida que os acontecimentos ocorriam, com a finalidade de esclarecimento dos fatos observados. Como os (as) meus (minhas) interlocutores (as) nessa pesquisa eram crianças em fase inicial de escolarização, portanto ainda não dominavam ou dominavam pouco a escrita, realizei uma oficina de construção de desenhos e modelagem em massa plástica como instrumento de coleta de dados. Essa se dividia em duas partes; na primeira pedi às crianças que fizessem desenhos de meninos e, depois, quando terminassem, desenhassem meninas. Na segunda parte, o trabalho foi realizado com massa de modelar, onde pedi que elas modelassem meninas e posteriormente meninos brincando. As brincadeiras a serem modeladas deveriam ser, necessariamente, aquelas que elas vivenciavam na escola. Com essa oficina, eu objetivava compreender melhor como as crianças das duas séries estudadas percebiam os seus próprios corpos e também os corpos das outras crianças, além de compreender o que elas apontavam como diferenças entre os gêneros, partindo das experiências vivenciadas por elas na escola. 4- A expressão sócio cultural das diferenças de gênero na vivência da brincadeira: a realidade de uma escola na Amazônia. Gostaria de iniciar essa discussão partindo de um exemplo extraído do campo onde se deu a pesquisa, exemplo que revela muito sobre um certo modelo de ser menino/homem e de ser menina/mulher em nossa sociedade. Como já relatei anteriormente, realizei uma

4 4 oficina com as crianças do pré-escolar e da primeira série da escola pesquisada, e nessa foram produzidos desenhos e modelos em massinha a partir do comando da pesquisadora, foram produzidos trabalhos que possibilitaram revelar como cada um (a) representa seu próprio corpo e o corpo do (a) outro (a), a partir de um enfoque de gênero. Entre as crianças do pré-escolar, o grande diferencial entre os gêneros foram os longos cabelos existentes nas meninas que foram desenhadas; ao contrário, todos os meninos desenhados tinham os cabelos curtos e o curioso é que, mesmo tendo entre essas crianças, uma menina que era completamente sem cabelos 3, calva pode-se dizer, assim como um pequeno número de meninas com cabelos curtos, mesmo assim, ao desenharem suas meninas, todos lhes colocaram cabelos muito compridos. Desenho de um corpo feminino produzido por uma criança da educação infantil Com as turmas de primeira série, observei um maior detalhamento de diferenças corporais entre os gêneros; além dos cabelos, pude encontrar nas meninas desenhadas, a presença de seios e unhas compridas. Além das diferenças corporais, roupas e acessórios também expressavam diferenças; era comum encontrar meninas de vestidos ou saias coloridas ou estampadas com flores e com babados, enfeitando; brincos, pulseiras, colares e 3 A menina em questão tinha um problema de saúde, motivo pelo qual tinha perdido os cabelos. Enquanto realizava a pesquisa, me pareceu que ela não tinha muitos problemas de relacionamento com as outras crianças, sempre estava entrosada no grupo participando de alguma brincadeira com os(as) colegas.

5 5 bolsas. Nos desenhos de meninos estes sempre trajavam shorts e camisetas ou macacões, tendo como acessórios bonés; as roupas dos meninos não tinham tantos detalhes ou enfeites como as das meninas. Um dado interessante, nesta série, é que dos 53 desenhos feitos, em todos os que retratavam meninas, estas estavam sorrindo, enquanto nos que retratavam os meninos, há 16 que tinham uma expressão facial sisuda, parecendo com aquela expressa na marca de produtos esportivos bad boy. Desenho de um corpo masculino produzido por criança da 1º. Série do Ensino Fundamental.

6 6 Desenho de um corpo feminino produzido por criança da 1º. Série do Ensino Fundamental. É interessante perceber que apesar das crianças ainda estarem construindo a noção de seu esquema corporal 4, elas demonstram já estarem lidando com um modelo socialmente vigente do feminino e do masculino, na medida em que nos desenhos elas apresentam um certo tipo de perfil que caracteriza, em nossa sociedade, uma das formas de perceber mulheres e homens. Outra questão fundamental se refere à função importante da socialização, especialmente aquela proporcionada pela escola, para a concepção de corpo que as crianças vão construindo, pois, considerando a quantidade maior de detalhes que os desenhos das crianças da primeira série expressam, a julgar por sua maior experiência de escolarização, principalmente quando relacionadas às crianças do pré-escolar e aos desenhos por elas produzidos, fica evidente o caráter social/cultural da construção da(s) visão (ões) sobre o corpo. 4 A noção de esquema corporal refere-se a percepção que a pessoa tem do conjunto de seu corpo, mas especificamente, de todas as partes que o compõe. No caso das crianças que pesquisei, algumas não tem uma

7 7 Essa possibilidade de perceber o corpo na sua dimensão cultural, como sabemos, foi brilhantemente discutida pelo antropólogo Marcel Mauss no referencial ensaio As Técnicas Corporais. Mauss chamou de técnicas corporais às maneiras como os homens, sociedade por sociedade e de maneira tradicional, sabem servir-se de seus corpos (1974:211), e, ainda, destacou o processo educativo como veículo de disseminação dessas técnicas corporais entre o grupo. Diz-nos esse autor: "Em todos esses elementos da arte de utilizar o corpo humano, os fatos de educação dominam. A noção de educação podia sobrepor-se à noção de imitação. Pois há crianças, em particular, que têm faculdades muito grandes de imitação, outras que as têm bem fracas, mas todas passam pela mesma educação, de sorte que podemos compreender a seqüência dos encadeamentos. O que se passa é uma imitação prestigiosa 5. A criança, como o adulto, imita atos que obtiveram êxito e que ela viu serem bem sucedidos em pessoas em quem confia e que tem autoridade sobre ela. O ato impõe-se de fora, do alto, ainda que seja um ato exclusivamente biológico e concernente ao corpo. O indivíduo toma emprestado a série de movimentos de que ele se compõe do ato executado à sua frente ou com ele pelos outros" (1974:215). Posso dizer, inclusive, que a brincadeira se constitui um momento privilegiado do que Mauss chamou de imitação prestigiosa, já que através dela a criança elabora e organiza sua visão de mundo, pautada, principalmente, nas experiências que ela vivencia ou observa das relações que estabelece com os outros(as) com quem vive. Voltando, pois às técnicas corporais, estas são classificadas, por Mauss, considerando quatro princípios: o sexo, a idade, o rendimento e a transmissão; estes princípios estão imbricados uns nos outros. Diz esse autor, que há uma sociedade de homens e outra de mulheres, isso quer dizer que há movimentos corporais socialmente aceitos para homens e para mulheres diferenciadamente (1974); aliado a isso, cada sociedade irá definir as habilidades que serão consideradas importantes a serem aprendidas pelos indivíduos ou pelos grupos, organizando, assim, os mecanismos que permitam essa aprendizagem. Podemos observar que, desde criança, de acordo com o sexo que temos, nos é permitido brincar de determinados tipos de brincadeiras e de outras não; às meninas geralmente é incentivado que brinquem com bonecas que parecem bebês (para que possam ir treinando a noção completa do corpo, ou seja, os desenhos demonstram essa incompletude, já que, ao desenharem o corpo, deixam de desenhar alguma de suas partes (troncos e pescoços, geralmente). 5 Grifos meus.

8 8 habilidade de serem mães) ou, mais recentemente, com aquelas, como a conhecida boneca Barbie, que estimulam a feminilidade, a vaidade e, em nossa sociedade, o consumismo. Aos meninos, ao contrário, são estimuladas as brincadeiras onde estes possam treinar seu espírito empreendedor, sua capacidade de arriscar-se (até os bonecos oferecidos aos meninos são aqueles que imitam os monstros ou super-heróis dos desenhos animados e que estimulam a visão do masculino como forte, guerreiro, valente). Vale ressaltar, que entre os meninos, apesar de já há muito tempo brincarem de bonecos (soldadinhos de chumbo, forte apache, playmobil, entre outros), não se instituiu, em nossa sociedade, chamar isso de brincadeira de boneco, como se faz no caso das brincadeiras das meninas brincar de boneca. Na escola onde realizei a pesquisa pude observar que existem brincadeiras diferenciadas para cada gênero. Quando pedi às crianças na oficina que modelassem em massa meninas e meninos brincando na escola, as brincadeiras sugeridas para as meninas eram diferentes das experimentadas pelos meninos. Entre as brincadeiras apontadas pelas crianças como sendo de meninas, estavam: a macaca 6, o cemitério, o bambolê, o pular corda, a pira, o elástico e o futebol; para os meninos foram apontadas as seguintes: o futebol, a pira e o boneco super herói 7. Relacionando as informações obtidas na oficina com as que pude coletar a partir da observação e das conversas com as crianças, posso dizer que, mesmo as brincadeiras que aparecem na listagem como possíveis para meninas e meninos participarem, como é o caso da pira e do futebol, quando são vivenciadas concretamente, não acontecem de forma a misturar meninos e meninas; no recreio, onde essas brincadeiras se dão de forma mais espontânea, os meninos quase sempre brincavam em grupos separados das meninas, inclusive quando o jogo era o mesmo. É interessante perceber também que, segundo a perspectiva expressa pelas crianças através dos moldes de massa, há possibilidade de um leque maior de brincadeiras permitidas às meninas, enquanto que há para os meninos uma forte cobrança social para que não participem de brincadeiras consideradas femininas. Essa informação confirmava a idéia que eu tinha, desde a época em que trabalhava como professora de Educação Física, sobre a 6 A macaca e também conhecida como amarelinha. 7 Bonecos que são réplicas dos super-heróis dos desenhos animados, como, por exemplo, Super Homem, Rambo, Power Rangers, entre outros.

9 9 preocupação, por parte da escola, com a sexualidade das crianças, dos meninos, particularmente, no que diz respeito em não propiciar ou incentivar a participação destes em jogos considerados femininos, com intuito de não colaborar com a instalação de nenhum comportamento que ameaçasse o modelo social de masculinidade 8. A preocupação aparecia expressa, por exemplo, através de alguns comentários ou questionamentos feitos por pessoas que trabalhavam nessa escola, como: porque que esse menino só brinca com as meninas? ou põe esse menino pra jogar futebol com os outros. Já com as meninas, a preocupação mais acentuada com a sexualidade ocorre num momento diferenciado daquele que acontece para os meninos. Ocorre quando estas começam a expressar os primeiros sinais de interesse por assuntos referentes a namoro 9, geralmente no período próximo a puberdade; a partir daí elas passam a ser controladas, através de uma vigilância não ostensiva e de comentários do tipo: estão com fogo, são assanhadas, tem que se preocupar é com as notas e não com assunto de namorado ; já que comportamentos escandalosos, podem colocar em risco a imagem, tão necessária, da mulher ( santa ) 10. A questão de, pelo menos até a puberdade, esta escola não expressar uma preocupação com a sexualidade das meninas, pode refletir o fato de que, segundo sua ótica, não há nenhum risco dessas tornarem-se homossexuais, já que naturalmente são destinadas a exercerem a heterossexualidade; o perigo, daí a preocupação, está em se tornarem putas, por isso toda a pressão social para que as meninas não se desviem do caminho do bem e da virtude. 8 Para uma discussão sobre masculinidade, ver, entre outros, os trabalhos de Michael S. Kimmel, A Produção Simultânea de Masculinidades Hegemônicas e Subalternas (Horizontes Antropológicos,1998) e Sócrates Nolasco, A Desconstrução do Masculino: uma contribuição crítica à análise de gênero (A Desconstrução do Masculino, 1995). 9 Sobre o comportamento de jovens e adolescentes em relação ao namoro, ver o estudo clássico de Thales de Azevedo ( Regras do Namoro à Antiga, 1986), e também os de Maria Luiza Heilborn ( O que faz um casal, casal? Conjugalidade, igualitarismo e identidade sexual em camadas médias urbanas, sd), Cristina Donza Cancela ( Adoráveis e dissimuladas: as relações amorosas das mulheres das camadas populares na Belém do final do século XIX e início do XX, 1997) e Syane de Paula Lago, que está concluindo dissertação sobre o tema, entre as camadas populares em Belém. 10 Essa expressão é utilizada por Mary Del Priore em seu estudo Ao sul do Corpo Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia (1993), para se referir a imagem feminina forjada pela igreja, para servir como modelo a ser seguido por toda mulher que se quer virtuosa.

10 10 No minucioso trabalho de pesquisa Trabalhadeiras e Camarados Relações de Gênero, Simbolismo e Ritualização Numa Comunidade Amazônica (1993), a antropóloga Maria Angelica Motta-Maués, nos fala que na comunidade de Itapuá, pequena ilha do nordeste paraense, há também uma preocupação com os papéis sociais que a mulher irá desempenhar no grupo social e este, está largamente relacionado às idéias sobre as etapas de seu ciclo biológico, inclusive, influenciando a diferenciação da educação que será dada a menina, quando tornar-se moça, ou seja, quando da sua primeira menstruação; segundo essa antropóloga: (...), em Itapuá, as meninas costumam participar de brincadeiras com os meninos, correndo pelos caminhos, tomando banho nos igarapés, olhando os pescadores no porto, etc. Porém, todas essas coisas deixam de lhes ser permitidas a partir do momento que se tornam moças. Isto porque as posições não podem mais ser confundidas, e a mulher passa a assumir o seu papel na sociedade, não lhe sendo mais permitido agir de forma que não seja adequada ao seu novo status (1993[1977]:170). O fato é que, assim como em Itapuá, de uma maneira geral, nas instituições educativas em nossa sociedade, a diferenciação biológica ainda é bastante utilizada como parâmetro para a definição dos papéis que podem ou devem assumir meninas e meninos e isso fica bem evidente no modo como nestas o trabalho pedagógico é organizado. A diferenciação pode ser notada desde a atribuição de uma cor específica para cada um dos gêneros rosa para as meninas e azul para os meninos até os modelos de comportamento aceitos como naturais para cada um deles. De acordo com Motta-Maués, que no referido estudo nos fornece, entre outros, um interessante panorama da forma de socialização de meninas e meninos em Itapuá: Até um certo período da infância não existe praticamente diferença quanto aos cuidados e ao treinamento dispensado aos meninos e meninas. É já por volta dos oito e nove anos de idade, quando se iniciam com maior peso as solicitações no sentido de uma prestação de serviços dentro de grupo doméstico de que fazem parte, que essa diferença vai se fazer notar com relevância (1993[1977]:61-62). Nota-se, de certo modo, mais uma semelhança entre o tipo de organização educativa encontrada por Motta-Maués, em Itapuá, com aquela que encontrei na escola pesquisada, apesar da distância temporal entre um estudo e outro e da distinção entre os locais de pesquisa. Observa-se em Itapuá, que há, no início do processo educativo, principalmente entre as crianças menores, uma certa indiferenciação nas atividades vivenciadas por meninos e meninas, assim como, entre as crianças do pré-escolar nessa escola, pode-se encontrá-las

11 11 ainda brincando todas juntas; mas, da mesma forma como na escola, a medida que a idade aumenta, tende-se a separar, ou diferenciar, o que é próprio das meninas, do que é próprio dos meninos. Saindo da Amazônia e indo para a França do século XIX, vamos encontrar um outro trabalho que retrata a realidade de um contexto e de um momento histórico bem mais distante, porém que guarda, com as duas realidades amazônicas, muitas semelhanças. Tratase do romance Como se casa. Como se morre, do romancista francês Émile Zola; onde o autor retrata a sociedade francesa do século XIX, dominada pelas influências provocadas pela Revolução, inclusive no que se refere aos rituais que envolvem dois tradicionais momentos daquela, e porque não dizer da nossa, sociedade: o casamento e a morte. Para esse romancista, além do caráter mercadológico que assumiu o amor no século XIX, após a Revolução, uma das principais causas para o cenário deplorável dos casamentos naquele contexto, era o tipo de socialização diferenciada que moças e rapazes recebiam e que os tornava totalmente estranhos, uns(umas) em relação aos(às) outros(as). Escreve o autor: Vejamos a pequena Marie e o pequeno Pierre. Até os seis ou sete anos, deixam-nos brincar juntos. Suas mães são amigas; eles se tratam com intimidade, trocam palmadas fraternais entre si, rolam pelos cantos, sem qualquer vergonha. Mas, aos sete anos, a sociedade separa-os e toma conta deles. Pierre é internado num colégio onde se esforçam para encher-lhe o crânio com o resumo de todos os conhecimentos humanos; mais tarde, ingressa em escolas especiais, escolhe uma carreira torna-se um homem. Entregue a si mesmo, largado entre o bem e o mal durante esse longo aprendizado da existência, ele bordejou as vilezas, provou dores e alegrias, teve a sua experiência das coisas e dos homens. Marie, ao contrário, passou todo esse tempo enclausurada no apartamento de sua mãe; ensinaram-lhe o que uma moça bem educada deve saber: a literatura e a história expurgadas, a geografia, a aritmética, o catecismo; além disso, ela sabe tocar piano, dançar, desenhar paisagens com o lápis. Assim, Marie ignora o mundo, que viu somente pela janela, e mesmo assim fecharam-lhe a janela quando a vida passava barulhenta demais pela rua. Jamais se arriscou sozinha pela calçada. Guardaram-na cuidadosamente, qual uma planta de estufa, administrando-lhe o ar e o dia, desenvolvendo-a num meio artificial, longe de todo o contato. E agora, imagino que, uns dez ou doze anos mais tarde, Pierre e Marie voltam a se encontrar. Tornaram-se estranhos, o reencontro é fatalmente cheio de constrangimentos. Já não se tratam com intimidade, não se empurram mais nos cantos para rir 11. Ela, ruborizada, permanece inquieta, diante do desconhecido que ele traz consigo. Ele, entre os dois, sente a torrente da vida, as verdades cruéis, das quais não ousa falar alto. Que poderiam dizer um ao outro? Possuem uma língua diferente, não são mais criaturas 11 Grifos meus

12 12 semelhantes. Estão reduzidos à banalidade das conversas comuns, cada um se mantendo na defensiva, quase inimigos, já mentido um ao outro (1999:12-13). Nesta longa, mas esclarecedora citação de Zola podemos perceber quanta semelhança, apesar de tratar-se de lugares e momentos diferenciados, guardam as situações descritas acima e quanto impacto causa a separação imposta socialmente para homens e mulheres, no que diz respeito, inclusive, ao possível futuro relacionamento entre esses dois gêneros. No caso particular da escola pesquisada, em que as crianças aprendem, desde sua entrada, que devem manter-se sempre separadas; basta vê-las brincando nas horas livres, como o recreio e o momento que antecede a entrada em sala de aula, para constatar a eficiência da ação pedagógica, imposta por ela, na relação cultivada entre meninas e meninos. Mas é ainda da França, só que agora do século XX, que nos chega um outro exemplo das implicações de uma educação que, mesmo dentro de uma organização mista, continua reproduzindo, no interior da escola, as separações e segregações sociais. Em um artigo intitulado A administração escolar do regime misto na escola primária, resultado de um estudo realizado sobre o sistema francês de educação, a pesquisadora Claude Zaidman, revela que as trajetórias realizadas por alunas e alunos durante o percurso escolar, ou seja, as experiências pedagógicas que estes (as) vivenciam na escola, influenciam, sobremaneira, nas suas opções profissionais futuras. Segundo Zaidman, referindo-se aos estudos que vem sendo realizados durante décadas e que comparam comportamentos, atitudes e desempenhos dos(as) alunos(as), pondo-os em relação ao meio social: (...) não basta comparar patamar com patamar os comportamentos dos alunos (meninas/meninos), porque é no conjunto do percurso escolar que esses desempenhos divergem de maneira significativa (1994: 350). Como bem demonstram os exemplos, a escola se constitui num dos eficientes mecanismos de transmissão do que, em nossa sociedade, se deseja construir enquanto projeto social; não é a toa, que, como diz Mauss, "a educação da criança é repleta daquilo que chamamos de detalhes, mas que são essenciais" (1974:221); são esses detalhes, que muitas vezes, por parecerem óbvios, passam despercebidos ou como que se naturalizam, que

13 13 garantem a manutenção do grupo social, na forma como prevê/prescreve determinados modelos vigentes. Então, pela aprendizagem, e conseqüente utilização dessas técnicas, criam-se os hábitos que também são, mais ou menos, específicos a cada grupo social. Assim, os indivíduos, em cada sociedade, são reconhecidos pelos gestos, maneiras de andar, sentar, comportar-se em determinadas situações; é o corpo como expressão da identidade do grupo. Observei atentamente na escola, as marcas socioculturais impressas nos corpos das crianças, contribuindo para a definição de suas identidades de gênero; instrumentos simbólicos de grande possibilidade de assimilação como cores, espaços, imagens, ações, signos lingüísticos, compunham (compõem) o cenário que ajuda a delimitar os comportamentos adequados para esse ou aquele gênero. 5- Considerações finais: Inicio essa conclusão dizendo que esse texto expressa o meu esforço de compreender como as crianças meninos e meninas constróem, a partir do contexto de uma escola em particular, suas identificações de gênero e tem a pretensão de ser uma pequena contribuição para a compreensão das tramas que ocorrem no interior das escolas (ou instituições educativas) mistas, de uma forma geral, e que estão relacionadas a uma certa maneira de delimitar o que é ou não é natural de um determinado gênero. Passo agora a destacar alguns pontos que considero importantes para suscitar a reflexão sobre as experiências que proporcionamos, enquanto educadores (as), às crianças que participam de nossas escolas ou projetos educativos. Primeiro, penso que precisamos estar atentos (as) para o que Mauss (1974) chamou de detalhes, presentes no processo educativo e que, muitas vezes, passam despercebidos, justamente, por já estarem naturalizados em nossas práticas; detalhes como estes, objeto de nossa discussão neste texto, que dizem respeito às construções de gênero.

14 14 Precisamos compreender, também, que o gênero é uma das primeiras categorizações sociais a que somos submetidos (as) e desde o momento em que constatamos, através do aparato tecnológico de exames como a ultra-sonografia, o sexo do novo ser que se forma, iniciamos o processo de construção do feminino ou masculino, proporcionando um arsenal de experiências carregadas de informações sobre o que é ou não é adequado a esse ou aquele gênero. Vale ressaltar que, essa categorização tem início na família e se estende ao longo da vida em sociedade. Uma outra questão diz respeito a dificuldade de nós educadores(as) lidarmos com a diversidade 12 presente no cotidiano escolar; as observações que realizei demonstraram que as crianças meninos e meninas - que não apresentam o comportamento esperado menina: dócil, passiva, delicada, comportada; menino: forte, corajoso, empreendedor, ativo - sofrem grande pressão social, por parte da instituição e também por parte de outros(as) colegas de turma ou da escola. Penso que essa forma, rígida e, de certa maneira, preconceituosa de lidar com as diferentes possibilidades de ser e viver dificulta o amplo desenvolvimento pessoal dos sujeitos que vivenciam as experiências pedagógicas as quais proporcionamos. Por último, gostaria de dizer que nós educadores (as), preocupados (as) em construir uma educação que respeite as diferenças e possa realmente contribuir com cidadania plena dos indivíduos os quais somos responsáveis, temos que refletir sobrer os padrões de vida e de ser humano que servem de modelo hegemônico na nossa sociedade; buscando compreender que são justamente as diferenças que enriquecem nossa existência enquanto seres humanos 6- Bibliografia: AZEVEDO, Thales de. As Regras do Namoro à Antiga. São Paulo: Editora Ática, Refiro-me a diversidade de gênero, raça, classe ou condição social, cultural, sexual, entre outras que a escola tem dificuldade em lidar.

15 15 CANCELA, Cristina Donza. Adoráveis e Dissimuladas: As relações amorosas das mulheres das camadas populares na Belém do final do século XIX e início do XX (Dissertação de Mestrado). São Paulo: Campinas, janeiro, HEILBORN, Maria Luiza. O que faz um casal, casal? Conjugalidade e Identidade Sexual em Camadas Médias Urbanas (p: ) (sd). KIMMEL, Michael S. A Produção Simultânea das Masculinidades Hegemônicas e Subalternas. In: Revista Horizontes Antropológicos Corpo, Doença e Saúde. Ano 4, No. 9. Porto Alegre: Programa de Pós Graduação em Antropologia da UFRGS, outubro, MAUSS, Marcel. As Técnicas Corporais. In: Sociologia e Antropologia. Volume II. São Paulo: EPU/EDUSP, MOTTA-MAUÉS, Maria Angelica. `Trabalhadeiras & Camarados Relações de gênero, simbolismo e ritualização numa comunidade amazônica. Belém: Centro de Filosofia e Ciências Humanas/UFPa, NOLASCO, Sócrates. A Desconstrução do Masculino: Uma contribuição crítica à análise de gênero. In: A Desconstrução do Masculino (org. Sócrates Nolasco). Rio de Janeiro: Rocco, PRIORE, Mary Del. Ao Sul do Corpo: Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília: EDUNB, ZAIDMAN,Claude. A Administração Escolar do Regime Misto na Escola Primária. Revista Estudos Feministas. No. Especial (p ), ZOLA, Émile. Como se Casa. Como se Morre (tradução Duda Machado). São Paulo: Editora 34, 1999.

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II

VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II VIVÊNCIAS NO PIBID/EDUCAÇÃO FÍSICA/UNIUBE: ASSOCIANDO CULTURA E HABILIDADES MOTORAS NO ENSINO FUNDAMENTAL II Jackson Rodrigues Cordeiro 1, Cíntia Silva de Oliveira 2, Silas Queiroz de Souza 3, Marcelo

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem (PNAISH) 15/07/2011 METALÚRGICO, 26 ANOS Não costumo fazer exame porque sinto meu corpo bom, ótimo. Nunca senti uma dor. Senti uma dor uma vez na

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marcela da Fonseca Lemos Grupo de Pesquisa Linguagem desenhadas e educação ProPEd/UERJ celalora_rj@hotmail.com INTRODUÇÃO O texto

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS

ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS 1 ARTES CIRCENSES E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS Kárita Cabral Machado FEF/UFG RESUMO O objetivo do presente estudo foi identificar a relação entre a educação física e as artes circenses, do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE - Educação Física A DANÇA DO VENTRE NA EDUCAÇÃO. Autor: VIVIANE ESTEVES DE MELLO BRAGA

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE - Educação Física A DANÇA DO VENTRE NA EDUCAÇÃO. Autor: VIVIANE ESTEVES DE MELLO BRAGA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE - Educação Física A DANÇA DO VENTRE NA EDUCAÇÃO Autor: VIVIANE ESTEVES DE MELLO BRAGA Instituição: Universidade Cidade de São Paulo (UNICID) Orientador: Laércio Schwantes Iório

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA 7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Autor(es) MAGDA J. ANDRADE DE BARROS Co-Autor(es) ALCIDES JOSÉ SCAGLIA RILLER SILVA

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES Autor(es) KELLY CRISTINA SILVA COTA Co-Autor(es) CAROLINE MANESCO

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Família nuclear casal e filhos solteiros.

Família nuclear casal e filhos solteiros. Família Uma família é um conjunto de pessoas ligadas por parentesco de sangue, por casamento ou algum outro tipo de relacionamento acordado ou adoção, e que compartilha a responsabilidade básica de reprodução

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio. Eu me remexo muito. E onde eu chego?

Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio. Eu me remexo muito. E onde eu chego? Colégio Sagrado Coração de Maria - Rio Rua Tonelero, 56 Copacabana RJ site:www.redesagradorj.com.br / e-mail:cscm@redesagradorj.com.br Eu me remexo muito. E onde eu chego? Turma: Maternal II A Professora

Leia mais

PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO!

PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO! PIBID UFPR EDUCAÇÃO FÍSICA GÊNERO E SEXUALIDADE MATERIAL DIDÁTICO DE APOIO VAMOS FALAR SOBRE... PRECONCEITO DE GÊNERO! FERNANDA ZARA NICOLAS MOREIRA ?? VOCÊ SABIA?? Que existe um preconceito em relação

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL.

ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. ESTRATÉGIA DE ENSINO - BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS TRADICIONAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA INFANTIL. Carmem Regina Calegari Cunha E. M. de Educação Infantil Prof Edna Aparecida de Oliveira - UDI Resumo Trabalho

Leia mais

PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO IDENTIDADE: UM DIÁLOGO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Dandara Queiroga de Oliveira Sousa Ana Luiza Silva Costa Gleidson Patrick Melo de Paula Maria Aparecida Dias

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL?

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? Cândida Penteado CBES Marinhais Alice Mendonça Universidade da Madeira Objectivo do estudo: determinar se os estereótipos de género se

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Luciana Vieira Professora efetiva rede estadual de ensino de Santa Catarina e doutoranda em Ensino de Geografia/UFRGS lucianageografia1996@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB

EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB EDUCAÇÃO ALIMENTAR PARA CRIANÇAS MATRICULADAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS/PB LINS SANTOS 1, Carlos Augusto MARINHO DA SILVA FILHO 2, Carlos Roberto ARAÚJO SILVA 3, Débora

Leia mais

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental

Sexualidade na infância Acção de Educação Parental Escola Básica 1º ciclo Prista Monteiro O que é a sexualidade? Sexualidade na infância Acção de Educação Parental A sexualidade tem uma vertente emocional, sendo um elemento essencial na formação da identidade

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

Relatório de Grupo. 1º Semestre/2015

Relatório de Grupo. 1º Semestre/2015 Relatório de Grupo 1º Semestre/2015 Turma: Maternal B Professora: Larissa Galvão de Lima Professora auxiliar: Giseli Jancoski Floriano Coordenação: Lucy Ramos Torres Professora: Eleonora Dantas Brum Professora

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás Corpos em cena na formação crítica docente Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás 1 Nosso trabalho na perspectiva crítica Objetivo: problematizar questões sociais e relações desiguais de poder

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Ipanema, o estudante também aprende e desenvolve habilidades além da sala de aula. As turmas das Atividades Extraclasse, para cada modalidade, são divididas de acordo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

EDUCAÇÃO E GÊNERO: UMA ABORDAGEM SOBRE MENINOS E MENINAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

EDUCAÇÃO E GÊNERO: UMA ABORDAGEM SOBRE MENINOS E MENINAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO E GÊNERO: UMA ABORDAGEM SOBRE MENINOS E MENINAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MORAIS, Elyziane Rhaquel Araújo UNINTER DUARTE, Lívia Maria Serafim FIP A escola é perpassada por questões de gênero e que

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Folhas de papel, Xerox com figuras e palavras de frutas e legumes, tesoura, lápis de cor, cola, fita adesiva.

Folhas de papel, Xerox com figuras e palavras de frutas e legumes, tesoura, lápis de cor, cola, fita adesiva. ALGUNS MODELOS DE PLANOS DE AULA NVOLVNDO A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Áreas do conhecimento: Educação ambiental Agricultura familiar Educação artística Objetivos Treinar a ortografia, Exercitar a memória. Estratégias

Leia mais

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE A HISTÓRIA BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com

ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com 1 ALFABETIZAÇÃO MATEMÁTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA Carine Almeida Silva noletocarine@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta um relato de experiência ao realizar as atividades propostas no curso Alfabetização

Leia mais

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO ATIVIDADES PEDAGÓGICAS EM SALA DE AULA DE INGLÊS DURANTE O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Silvana Laurenço Lima 1 Deise Nanci de Castro Mesquita 2 RESUMO: O objetivo desta comunicação é apresentar e discutir

Leia mais

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria

Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Trabalhando com gráfico na Educação Infantil momentos em que brincar é coisa séria Autora: Ana Cristina Fonseca Instituição: PUC-Campinas Fonseca.cris@uol.com.br Co -autor 1: Maria Auxiliadora Bueno Andrade

Leia mais

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaella Oliveira SILVA; Ananda Luiza Bezerra DESTRO; Cecilia Yade Nogueira ALVES; Marlini Dorneles de LIMA. FEF litlle_rafaella@hotmail.com Palavras-chaves:

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

O BRINCAR E A SEGREGAÇÃO DE GÊNERO NA ESCOLA: UMA ANÁLISE DO DOCUMENTO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA

O BRINCAR E A SEGREGAÇÃO DE GÊNERO NA ESCOLA: UMA ANÁLISE DO DOCUMENTO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA O BRINCAR E A SEGREGAÇÃO DE GÊNERO NA ESCOLA: UMA ANÁLISE DO DOCUMENTO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA Samatha Cristina Macedo Périco (PICV), Maria Cristina Simeoni (Orientadora), e-mail gestaoadm@hotmail.com.

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO I A GRUPO I B GRUPO I C GRUPO I D I

Leia mais

Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos Campelo

Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos Campelo 01 Direção: Profª Renata Teixeira Junqueira Freire Vice Direção Administrativa: Márcio Lóes Alcalá Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA UM POSSÍVEL DIÁLOGO ENTRE FUTEBOL E GÊNERO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: O ESTÁGIO NUMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA Tiago Onofre da Silva 1 Rafael Santos Nunes 2 RESUMO: O presente artigo aborda o processo

Leia mais

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo RIBEIRO, Amanda de Cassia Borges - UFSM acbr_amanda@hotmail.com JAHN, Angela Bortoli UFSM abjahn@terra.com.br BELING, Vivian Jamile UFSM

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais