O "Isso Foi" da era digital: memória, fotografia e tecnologia na cidade de Belém Pará 1. Helio Figueiredo da Serra Netto. UFPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O "Isso Foi" da era digital: memória, fotografia e tecnologia na cidade de Belém Pará 1. Helio Figueiredo da Serra Netto. UFPA"

Transcrição

1 O "Isso Foi" da era digital: memória, fotografia e tecnologia na cidade de Belém Pará 1. Helio Figueiredo da Serra Netto. UFPA Resumo A fotografia é memória e com ela se confunde (KOSSOY, 2005) e também é produtora de múltiplas realidades que são invocadas em uma bricolagem de imagens. De uma foto podemos inferir não só o sentido de existência, de algo que existiu e posou para uma objetiva, que a priori nos torna mais elegível, mas também nos convida a embarcar em uma viagem imaginária no tempo onde a história particular de cada um é restaurada e revivida na solidão da mente e dos sentimentos (IDEM, 2005). Embora tenhamos na memória as imagens de algumas de nossas mais estimadas fotografias, jamais as revemos impunemente, sem com elas rememorar cheiros, sentimentos, situações, pessoas, lugares, temporalidades e coisas mais que a materialidade da fotografia não nos permite vivenciar. Assim, essas sensações são vivenciadas por meio de nosso corpo através da memória que lida com essa amálgama imagética que as fotografias nos impingem. Reconhecer um amigo num retrato, é recolocar-se nos meios em que o vimos (RICOEUR. 2007) e com isso vivenciar essa experiência pretérita. Na atualidade, as fotografias conquistaram outras espacialidades, com a inserção da tecnologia digital, houve uma grande disseminação dessas imagens em ambientes virtuais, bem como a disseminação de diversos aparelhos que nos permitem capturá-las. Sendo assim, há de se questionar como as diferentes gerações de pessoas lidam com essas tecnologias imagéticas, e como se dá a relação delas com as imagens digitais. O jovem de hoje, que imprime uma de suas milhões de fotografias, tem a mesma relação com elas do que a senhora de seus oitenta anos que guarda sua pequena dezena de fotos em um antigo álbum? Este trabalho é fruto de uma pesquisa em andamento e busca traçar uma articulação entre a experiência do tempo, a imagem fotográfica e a memória entre pessoas de diferentes gerações da cidade de Belém do Pará. Atentando para interpretar como essas pessoas recepcionam suas imagens fotográficas pessoais e como elas lidam com a mudança tecnológica ocorrida na prática da fotografia. Para tal empreendimento buscar-se-á realizar uma etnografia da memória e das imagens, na tentativa de construir uma interpretação sobre a relação entre imagem fotográfica, memória e tecnologia em Belém do Pará. Palavras chaves: Imaginário, fotografia e memória Introdução O presente artigo busca empreender uma pesquisa acerca do imaginário e da memória da fotografia na cidade de Belém-Pará e ir um pouco mais além, buscar investigar essa relação com a imagem na era digital, como se dará o processo de recordação e da memória através fotografia em uma era bombardeada de imagens. Para situar o tema, que encontra-se timidamente dando seus primeiros passos, gostaria de fazer um breve histórico do meu trajeto até ele, pois ainda que seja um tema 1 Trabalho apresentado na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e 06 de agosto de 2014, Natal/RN 1

2 novo para mim - pois em minha graduação e no mestrado (SERRA NETTO. 2011) lidei com a temática do corpo investigando a prática da tatuagem ele não surgiu a esmo, ele é fruto de uma percepção dada pelas pesquisas que tenho dedicado em minha carreira acadêmica. Para tal, é importante fazer uma ligação com a temática que desenvolvi em minha graduação e mestrado e a temática que pretendo aqui desenvolver. Tanto na graduação quanto no mestrado estudei a prática da tatuagem e a forma como os sujeitos percebem o seu próprio corpo, entretanto, no mestrado, me dediquei um pouco mais ao imaginário da tatuagem ocidental e como podemos perceber a manifestação desse imaginário no corpo, investigando o simbolismo que emerge da prática da tatuagem. Deste modo, percebi o corpo como local de manifestação da memória é também como espaço da imaginação criadora e do imaginário. Os sujeitos contam suas histórias de vida através de seus corpos, através do processo de rememoração de suas marcações, das tatuagens. Como a tatuagem se trata de uma imagem e possui uma significação simbólica notória para a interpretação dos sujeitos e da própria coletividade, percebi que para a compreensão desta prática eu deveria lançar mão de uma visada hermenêutica que me permitisse uma maior sensibilidade na forma como lidaria com os sujeitos e com a própria temática. Sendo assim, a minha aproximação com a antropologia visual foi inevitável no sentido de implementar uma perspectiva que respeitasse o poder simbólico das imagens que emergiam em minha pesquisa, sejam imagens fotográficas, mentais, publicitárias e literárias. Sendo assim, essas diferentes imagens que emergiam em minha prática etnográfica me fizeram compreender as tatuagens contemporâneas como uma forma simbólica de representar o sentido da vida de alguns sujeitos, ou também, como uma forma de comunicação, ligação entre os sujeitos, ou com o sagrado muitos interlocutores apontavam a tatuagem como um elemento de ligação entre pessoas vivas ou mortas, ou como forma de expressar uma sacralidade. Ao imergir neste campo me deparei com diferentes sujeitos que interpretavam seus corpos evocando traços de uma memória individual, mas que muitas vezes nos remetiam a memória coletiva e ao próprio imaginário dessa coletividade. E foi neste processo de rememorar o próprio corpo, que surgiu a ideia estudar este processo, mas com uma materialidade diferente, deixando as práticas corporais de lado, e embarcando em uma viagem pela memória das fotografias pessoais. De todo modo, é bom salientar que esta nova temática faz parte não só dessa percepção que surge com minha dissertação, mas também de inclinações que surgem com 2

3 minha própria experiência pessoal, de vivência, meus trabalhos possuem forte ligação com meu olhar enquanto sujeito/pesquisador 2, pois não há uma dissociação entre esses dois papeis. Parte disso está ligado a perspectiva que utilizo como forma de orientar meu horizonte hermenêutico, para aludir ao grande mestre Hans George Gadamer, que é uma perspectiva que entende a hermenêutica não só como método, mas também como ontologia, como um horizonte que se amplia com a vivência e a experiência de vida. É por esse motivo que minhas pesquisas também fazem parte de minha trajetória pessoal, o processo compreensivo sobre determinado tema é fruto de uma relação conjunta, entre o olhar afinado e estranho do pesquisador, e a dedicação e sensibilidade do sujeito que aqui escreve. Vejamos um pouco do que pretenderei abordar buscando compreender a relação das subjetividades com as imagens fotográficas. 1. Imagens, fotografia e memória A fotografia me obrigava assim a um trabalho doloroso; voltado para a essência de sua identidade, eu me debatia em meio a imagens parcialmente verdadeiras e, portanto, totalmente falsas. (BARTHES. 1984) Assim escreveu Roland Barthes sobre a dor e a profunda angústia que o invadia ao revisitar suas fotografias de família, logo após o falecimento de um ente querido, sua mãe. Foi então que, tomado pelo fascínio despertado por essas imagens que escreveu uma de suas principais obras, A Câmara Clara ; que embora seja um livro erigido sobre os pilares da semiótica, se percebe que o trabalho é permeado por uma profunda emotividade. As fotografias o convidam para uma viagem interpretativa de sua existência revelando através de sua memória seus gostos, frustrações e a própria subjetividade. Há de se perguntar, quantos outros Barthes anônimos existem pelo mundo? Quantas pessoas ao rememorarem suas fotos não embarcam em uma viagem pelas profundezas da memória e do imaginário coletivo? A este processo dedicamos um gesto em especial, não estamos somente vendo alguma coisa qualquer, estamos mergulhando em fotografias, e não são quaisquer fotografias, elas fazem sentido para que as vê, as fotografias pessoais fixam o espectador num congelamento do tempo do mundo e o convidam a entrar na espessura de uma memória (SAMAIN. 2005). 2 Ver SERRA NETTO, H. F.. O pesquisador-objeto: entre subjetividade, estigma e tatuagens.. In: Seminário Ética e Sociedade: Reflexões Sobre a Violência e Sobre a Paz, 2011, Belém. Mesa Redonda: Diálogos da Antropologia com a Ética,

4 A fotografia é memória e com ela se confunde (KOSSOY, 2005) e também é produtora de múltiplas realidades que são invocadas em uma bricolagem de imagens. De uma foto podemos inferir não só o sentido de existência, de algo que existiu e posou para uma objetiva, que a priori nos torna mais elegível, mas também nos convida a embarcar em uma viagem imaginária no tempo onde a história particular de cada um é restaurada e revivida na solidão da mente e dos sentimentos (KOSSOY, 2005). Por isso, algumas vezes, as fotos nos parecem adquirir vida, nos transmitindo um sentimento de presença e de vivido, que muitas vezes nos dá a possibilidade de sentir um ente ausente ou de vivenciar múltiplas temporalidades. Daí algumas pessoas abraçarem, beijarem e acariciarem certas fotografias, pois elas remetem a esse sentimento de presença. Por outras vezes essa sensação nos é tão forte, que recortamos alguém indesejável de uma fotografia em particular, pois desejamos que ela não faça mais parte de nossas vidas, e essa morte simbólica tenta legar essa pessoa ao esquecimento ou neutralizar o sentimento de presença. É bem verdade que, na maioria das vezes, este nos é um trabalho inútil, ao passo que, embora destruída a imagem materializada, nem sempre alcançamos esse esquecimento nas imagens mnemônicas e/ou oníricas. É certo que há uma mana nestes pedaços congelados de passado (IDEM, 2005). 2. Fotografia e espetáculo Desde a primeira imagem captada por Niépce em 1823 a fotografia passou por diferentes transformações, que tangem tanto o desenvolvimento técnico, quanto os seus múltiplos significados simbólicos, que perpassam por um caráter documental ao estatuto de arte (ROUILLÉ. 2009). Não por menos, quem nunca posou para uma fotografia? Acredito que poucos foram os perfis que jamais foram captados por esta técnica, e cada vez mais, devido a disseminação da tecnologia digital, a fotografia se faz mais presente em nossas vidas. Em Belém, o número de pessoas interessadas em fotografia cresce a cada dia, inclusive pode-se escutar das pessoas mais irônicas a seguinte frase: em Belém, todo mundo é fotógrafo. Embora em tom jocoso, essa afirmativa serve para nos mostrar a que ponto esta prática se disseminou. Podemos encontrar em Belém nichos onde a fotografia tem um destaque especial, do mesmo modo que ainda encontramos disposto na cidade estúdio fotográficos que cruzaram o tempo e as diferentes tecnologias que influenciaram a fotografia. Os estúdios 4

5 mais antigos de Belém ainda guardam um acervo de fotografias analógicas considerável que remetem a cidade e as pessoas que fizeram ou fazem parte dela. Embora tenhamos na memória as imagens de algumas de nossas mais estimadas fotografias sejam as ditas formais de um aniversário passado, ou as informais (LEITE. 2005) que remetem a momentos de ócio ou de férias em família jamais as revemos impunemente, sem com elas rememorar cheiros, sentimentos, situações, pessoas, lugares, temporalidades e coisas mais que a materialidade da fotografia não nos permite vivenciar. Assim, essas sensações são vivenciadas por meio de nosso corpo através da memória que lida com essa amálgama imagética que as fotografias nos impingem. Reconhecer um amigo num retrato, é recolocar-se nos meios em que o vimos (RICOEUR. 2007) e com isso vivenciar essa experiência pretérita. A relação do corpo com a fotografia, com esse o quê quer que seja de passado, nos faz embarcar em múltiplas temporalidades, que re-encenam ou re-montam o passado em uma experiência imaginária, onde as imagens fotográficas se misturam às imagens oníricas em uma miscelânea imagética da memória do vivido. A essa experiência com o passado Roland Barthes (1984) recorre a fenomenologia e atribui para as fotografias o noema Isso-foi, devido a essa característica inalcançável (intratável nas palavras de Barthes). O Isso-foi lida não somente com pessoas, mas com objetos, e com paisagens (SIMMEL. 1996) em geral, através dessas imagens e das histórias de vida podemos também visualizar os lugares, as relações entre pessoas, os personagens dessa trama, as famílias e seus estilos de vida. As fotos nos ajudam a imaginar não só os entes, mas também o cenário que eles habitaram, e assim construindo paisagens urbanas e humanas. Imagens antigas de Belém são dispostas em edifícios contemporâneos, como shopping centers, laboratórios e locais turísticos, e nós faz reconstruir a memória do que foi a cidade e de como ela se apresenta atualmente. Da mesma forma, as fotos fazem parte dos objetos que nos rodeiam não por menos elas costumam figurar em nossas cabeceiras e na parede de nossas casas (será que ainda se encontram nas casas contemporâneas 3?), bem como em nossos ambientes de trabalho muitas vezes elas compõem a materialidade do cenário que nos cerca, elas também dizem aos outros um pouco de quem somos, com quem nos relacionamos, por 3 Jean Baudrillard diagnostica a ausência dos retratos no interior dos ambientes modernos. Ver BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva,

6 qual lugares passamos. Podemos dizer que através das fotos partilhamos um pouco do nosso self e da coletividade que estamos imersos. Na atualidade, as fotos conquistaram outras espacialidades, com a inserção da tecnologia digital, houve uma grande disseminação dessas imagens em ambientes virtuais. O próprio porta-retrato, com o avanço da tecnologia, ganha novas disposições, que ao invés de comportar uma única foto, comporta vários arquivos digitais de imagem que são armazenados em um pequeno cartão de memória e então, projetados em uma pequena tela em uma espécie de Slide Show. Bem como os próprios álbuns de família 4 vão sendo re-significados e vão ganhando outras disposições, sendo que algumas delas superam inclusive a materialidade que são o caso dos álbuns online que se dispõem nas diferentes redes sociais. Vemos na atualidade um número crescente desses álbuns que se dispõem de diversas formas nas páginas da internet sejam através de sites de relacionamento e dos aplicativos de manipulação e postagem de imagens como instagram, flickr, Tumbrl figurando como uma espécie de re-atualização das antigas carte de visite 5, onde se busca tornar pública essas imagens pessoais, ou melhor, a maneira como quero me apresentar para o olhar do outro. Muitas são as mudanças propostas pela tecnologia, e embora haja uma grande profusão dessas imagens virtuais, devido a disseminação da tecnologia digital, a fotografia (mesmo que timidamente) não abandona totalmente sua materialidade. Basta pensarmos que os antigos álbuns ainda sobrevivem em outras versões como é o caso dos scrapbooks, que são álbuns artesanais de fotografias recheado de toques pessoais e artísticos, e os photobooks, onde suas decorações variam de acordo com a temática proposta pelas fotos que eles abarcam, como: fotos de casamento, férias, formatura, aniversários, etc. E ao passo que a tecnologia traz mais portabilidade à fotografia tornando as câmeras cada vez menores e presente em diversos acessórios pessoais, como celulares, reprodutores de arquivos de música (os chamados MP3), computadores portáteis, tablets 4 Ver o trabalho de LEITE, Miriam Moreira. Retratos de Família: imagem paradigmática no passado e no presente. In SAMAIN, Etienne. O Fotográfico. / Etienne Samain, organizador. Editora SENAC São Paulo Carte-de-visite ou carte de visite (em português: cartão de visita) é o nome dado a um antigo formato de apresentação de fotografias, patenteado pelo fotógrafo francês André Adolphe Eugène Disdéri em De tamanho diminuto (9,5 x 6 cm), a foto, geralmente revelada pela técnica de impressão em albumina, era colada em um cartão de papel rígido um pouco maior (10 x 6,5 cm aproximadamente). Ver acessado em 27/09/2010 às 11h. 6

7 e diversos outros temos também, uma maior facilidade de ter essas fotografias impressas em mãos, já que há um grande número de impressoras domésticas, inclusive algumas portáteis, que são capazes de imprimir as imagens diretamente da câmera e em uma velocidade espantosa em relação às revelações analógicas. Bem, mas é também devido a essa mesma tecnologia, que temos a possibilidade de lidar com centenas de milhões de imagens, não só materializadas como também virtuais, pois cada vez se torna mais fácil de armazená-las. A grande profusão de imagens que vivemos no mundo de hoje Guy Debord magistralmente diagnosticou como a sociedade do espetáculo (DEBORD. 1997), onde as relações sociais são permeadas por imagens, imagens essas que perpassam pelas imagens fotográficas. A tecnologia digital proporcionou um aumento significativo na produção e profusão de imagens e teve com a internet uma aliada fundamental na divulgação dessas fotografias, principalmente dos anônimos, que antes estavam relegados ao ostracismo. Isso se dá devido à grande acessibilidade à tecnologia, podemos dizer que ela democratizou (mais ainda), pois agora, cada vez mais, se faz presente nas classes ditas populares. E aqui temos a pedra de toque deste trabalho, no sentido de investigar como as diferentes gerações de pessoas lidam com essas tecnologias, e o que muda nessa relação em comparação com as antigas máquinas fotográficas analógicas. O jovem de hoje, que imprime uma de suas milhões de fotografias, tem a mesma relação com elas do que a senhora de seus oitenta anos que guarda sua pequena dezena de fotos em um antigo álbum? Como se dão os processos de rememoração dessas fotografias? Como esses diferentes corpos se adaptam a essas tecnologias? O corpo retratado adquire outros contornos, a imobilidade de outrora necessária para longas exposições exigidas para a fixação química das imagens é subitamente libertado pela mobilidade do instantâneo. E diante dessa mobilidade e dessa multiplicidade de retratos como se comportará esse corpo? A postura das celebridades, suas construções corporais, tão desejadas pela fotografia são disseminadas em várias versões caseiras, os anônimos tomam voz e reproduzem essa corporalidade das celebridades em seus álbuns virtuais, e assim o corpo é a todo tempo re-atualizado. Assim como a fotografia familiar não é revista impunemente, as imagens proferidas no espetáculo não são neutras e muito menos isentas de sentido, desta forma, iremos lidar com múltiplas subjetividades, não só de quem vivencia essas imagens e 7

8 narrativas, como também de quem as observa, no caso, o antropólogo. Nesse sentido, visamos empreender uma hermenêutica das imagens e das narrativas (RICOEUR, 2010) buscamos compreender como se dá a profusão e a recepção das imagens pelos interlocutores. Este trabalho tem como objetivo traçar uma articulação entre a experiência do tempo, a imagem fotográfica e a memória entre pessoas de diferentes gerações. Atentando para interpretar como essas pessoas recepcionam suas imagens fotográficas pessoais e como elas lidam com a mudança tecnológica ocorrida na prática da fotografia. Com isso buscar-se-á traçar uma hermenêutica da recepção das imagens e sua relação com o papel social da fotografia, da tecnologia da imagem fotográfica e suas mutações da primeira metade do século XX até os dias atuais. 3. Diálogo com a bibliografia Durante muito tempo, desde o seu surgimento, coube imputar a fotografia um papel eminentemente documental, onde tinha-se a foto como uma espécie de película estática do real. Pelo fato de as fotografias terem surgido com a captação da luz emanada dos objetos, tinha-se a ideia de que a fotografia era uma espécie de representação mimética do real, devido a esse contato direto com o referente. Embora seja uma concepção ultrapassada, em termos contemporâneos de filosofia da imagem, esta noção ainda se faz presente em algumas áreas do conhecimento. Um conceito que nos ilustra bem essa concepção mimética da fotografia é a noção de índice fotográfico que: são signos quem mantêm ou mantiveram num determinado momento do tempo uma relação de conexão com o real, contigüidade física, de co-presença imediata com seu referente 6. (DUBOIS. 1993) Apesar da estreita ligação que se tem entre fotografia, pintura e desenho a fotografia herda da pintura os enquadramentos, as posições corporais dos modelos, além do fato de que, devido a popularidade da fotografia, muitos pintores se tornaram fotógrafos há uma distinção fundamental com relação a esses sistemas de representação, bem como em relação aos sistemas linguísticos, que é justamente esse que remete ao seu caráter indiciário, ou seja, esse modelo que concebe a fotografia como resultado de um 6 Conceito proposto a partir da semiótica de Charles Pierce. 8

9 contato direto do objeto com o real. Deste modo, pensava-se que a fotografia atestava a existência de determinado objeto, já que atuava como uma espécie de fixação deste rastro luminoso emanado diretamente do real. Assim, da metade do século XIX ao pós primeira guerra, o valor documental da fotografia, a crença em sua exatidão e em sua verdade, vai estabelecer-se nos mecanismos, nas práticas e nas formas da fotografiadocumento. (ROUILLÉ. 2009) Essa noção de documento e de certa forma, de atestação de fatos, foi uma noção que esteve muito presente, principalmente no meio científico, o que refletia diretamente no fazer ciência. A fotografia foi um instrumento importantíssimo para a pesquisa científica, na antropologia, os primeiros antropólogos utilizaram da fotografia para ilustrar a construção de seus trabalhos, não só documentando as pessoas (nativos) como também construindo um inventário de sua cultura material; o que antes era construindo com esboços e desenhos, cede lugar a fotografia. Bem como a fotografia, o cinema tem uma estreita ligação com as ciências sociais, o filme etnográfico, ao contrário do que muitos poderiam inferir, é tão antigo quanto as primeiras incursões a campo dos primeiros antropólogos. Basta sabermos que três meses depois em que se proclamava o surgimento da cronofotografia (1882) através do fuzil fotográfico, que proporcionava a produção de imagens em movimento o então jovem alemão, geógrafo de formação, Franz Boas, embarca para o Ártico Canadense (...) [e] durante quase dois anos, Boas vive com os Inuit (JORDAN. 1992). Deixando o cinema de lado, o fato é que, desde o surgimento dessas tecnologias de imagem, há uma preocupação de se captar o real, de se atestar a verdade, traço tão característico de nossa ciência e de nosso pensamento ocidental. Mas o fato que se critica é que, embora muito usada, a fotografia ainda não havia se libertado de seu estatuto documental, figurando então nos trabalhos acadêmicos como meras ilustrações e anexos textuais, sendo desprezada dessa forma o seu poder narrativo. Por isso, ao se pensar o estatuto da imagem, dentro do fazer científico percebe-se que alguns dos trabalhos clássicos da antropologia são pioneiros dessa perspectiva mais livre da imagem, onde ela mais que uma ilustração também aparecerá como texto. Em uma análise do clássico trabalho de Bronislaw Malinowski Os Argonautas do Pacífico Ocidental (1984) que queiramos ou não, sempre nos aparece como referência de praticamente tudo na antropologia por Etienne Samain 7 nos é apontado que existia toda 7 Ver SAMAIN, Etinne. Ver e dizer na tradição etnográfica: Bronislaw Malinowski e a fotografia. In: Horizontes Antropológicos: Antropologia visual. Ano 1 número

10 uma preocupação na construção da narrativa em relação a imagem fotográfica, bem como, uma preocupação acerca do que deveria ser retratado na pesquisa. Malinowski, tanto quanto antropólogo tentou ser fotografo, e foi mais além, pensou em uma articulação entre, o fazer antropológico e o uso das imagens fotográficas, deste modo: As fotografias de Malinowski funcionam; não como meros suportes. excrescências do texto que escreve. Não são, também, os álibis forjados em vista do texto que pretende escrever. Nas obras de Malinowski, as fotografias funcionam, ao contrário, como se fossem pontos de partidas, desencadeadoras, molas inspiradoras, do texto que, com elas, procura elaborar. (SAMAIN. 1995) Assim, embora as imagens de um modo geral tentassem ser expurgadas do pensamento ocidental, por serem tidas como indutora do erro como magistralmente tratou Gilbert Durant em relação ao iconoclasmo ocidental (Durand, 1998) é necessário retomarmos um pouco da sensibilidade e da imaginação como forma de compreensão deste processo que aqui estamos apresentando, pois, como estamos lidando com a memória das pessoas é importante possamos proporcionar a construção imagens textuais que sejam capazes de adentrar nesse terreno do sensível e da imaginação criadora. É desta maneira, que para falar de fotografias é necessário empreender uma incursão nos meandros da memória e do imaginativo, já que elas estabelecem em nossa memória um arquivo visual de referência insubstituível para o conhecimento do mundo (KOSSOY.2002). É em face disso que há uma reação de nosso imaginário diante das imagens visuais, reação que se dá de acordo com nossas concepções de vida, situações sócio-econômicas, ideologias, conceitos e pré-conceitos (IDEM. 2002). Para me ajudar a pensar as questões da memória utilizei a obra de Paul Ricoeur A memória, a história e o esquecimento (2007) que nos apresenta uma síntese das principais correntes de estudos mnemônicos desde os gregos com a busca pela recordação passando pelos esforços de memória de Bergson e o trabalho de rememoração de Freud, para então entrar na fenomenologia da memória individual e da memória coletiva em uma espécie de sociologia da memória. E como lidar com fotografia não é somente lidar com memória individual, é importante também adentrarmos no pensamento de Maurice Halbwachs, já que nos ajuda a pensar essa memória dos outros e de como se dá esse lembrar a partir da memória coletiva. Ao passo que cada memória individual é um ponto de vista sobre a memória coletiva, e esse ponto de vista muda segundo o lugar que nele ocupo e que, por sua vez, 10

11 esse lugar muda segundo as relações que mantenho com outros meios (RICOEUR. 2007). Há desta forma, uma alternância entre essas imagens coletivas e individuais. Não se pode rememorar o contexto particular em que se captou a imagem fotográfica considerando a história do momento e dos personagens que a compõem somente com a materialidade dessa imagem, ao passo que, o sentido desse contexto se encontra em outra instância que não a da materialidade. E por este motivo que essa realidade interior não é captada pelo dispositivo óptico, pois ela só pode ser imaginada (KOSSOY.2005). O processo imaginativo, inerente ao rememorar as fotografias, se torna o fio condutor do processo interpretativo da história de vida dessas pessoas, que contam suas vidas a partir desses recortes de passado. Não por menos, as imagens são certamente unidades de devaneio (Bachelard. 1988) e desta forma a imagem só pode ser estudada pela imagem, sonhando-se as imagens tal como elas se acumulam no devaneio (IDEM. 1988). Por isso, para a análise dessas imagens, não se pode proceder através de um ato de contemplação passiva e vazia (DURAND. 1995), mas devemos experiênciá-las com a totalidade das faculdades de uma inteligência ativa (IDEM, 1995). O trabalho etnográfico nesse empreendimento servirá como um processo interpretativo da relação das pessoas com suas fotografias, buscando compreender então como elas lidam com a poética das imagens, pois só através de uma análise sensível pode-se aproximar minimamente dessa viagem imaginária. Devemos então conceber imaginação como a capacidade de fazer e de decifrar imagens (BACHELARD, 1988), já que, faz-se necessário imaginar em busca de um sentido, quando o significado não é mais absolutamente apresentável e não se refere unicamente a um objeto (DURAND, 1998). Como foi proposto aqui, iremos lidar com imagens fotográficas, mas, no entanto, o processo de interpretação dessas pessoas ultrapassam as imagens fotográficas, nessa odisséia pela memória, utiliza-se as mais variadas imagens mentais, sendo então necessário um empreendimento semelhante ao adotado por Benjamim, onde a imagem ocupa uma categoria central de sua teoria da cultura (BOLLE. 1994). É nesse sentido que ele atribui a imagem uma possibilidade de nos dar acesso a um saber arcaico e a formas primitivas de conhecimento, na medida em que ela lida com qualidades míticas e mágicas, capazes de ler a mentalidade de uma época (IDEM. 1994). Lidar com a memória é também lidar com temporalidades, principalmente no que tange a recordação de uma fotografia, ao passo que, no próprio instante em que é tirada a fotografia, o objeto desaparece (KOSSOY, 2002). E é a esse desaparecimento que 11

12 remetemos imediatamente ao sentido de finitude, sentido pela qual busca-se compreender o tempo, pois se o tempo encontra seu sentido na eternidade, é preciso que seja compreendido a partir dela. (HEIDEGGER apud NUNES. 1992). É o sentido de impotência do homem frente ao fim de sua existência, que o faz refletir sobre sua temporalidade, pois só a temporalidade pode abranger o homem como um todo, porque se remete (e nos remete) à morte, ao inultrapassável fim do ser-no-mundo (NUNES. 1992). Articulando a memória com a temporalidade impingida pelas fotografias Barthes escreve: Sozinho no apartamento em que ela há pouco tinha morrido [sua mãe], eu ia olhando sob a lâmpada clara, uma a uma, as fotografias de minha mãe, pouco a pouco remontando com ela o tempo, procurando a verdade da face que eu tinha amado. E descobri. (BARTHES. 1984) É em um pedaço de papel que se sonha com entes queridos que o corpo sente e se transporta, pela via do imaginário, ao ente que se foi, ao tempo que passou, a pessoa que fui, e que agora, olhando em uma espécie de espelho do passado trazemos à tona, sentimentos e experiências vividos que um simples olhar nos faz revivê-los. Referência Bibliográfica: BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, BARTHES, Roland. A câmara clara: notas sobre a fotografia. Rio de Janeiro. Nova Fronteira.1994 BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 2004 BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras Escolhidas, volume II. São Paulo: Brasiliense, Passagens. Belo Horizonte. Editora UFMG; São Paulo. Imprensa Oficial do Estado de São Paulo BOLLE, Willi. Fisiogonomia da Metrópole Moderna: representação da história em Walter Benjamin. São Paulo. Editora USP DUBOIS. Phillippe. O ato fotográfico e outros ensaios.campinas/sp. Papirus Barthes JORDAN, Pierre. Primeiros contatos, primeiros olhares. In Cadernos de Antropologia e Imagem, Rio de Janeiro, UERJ,

13 CARDOSO DE OLIVEIRA, R O movimento dos conceitos na Antropologia, Revista de Antropologia, n. 36. DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, DURAND, G. As Estruturas Antropológicas do Imaginário. Lisboa, Presença, Situação atual do símbolo e do imaginário. In: A fé do sapateiro. Brasília: Editora UNB, 1995, p O imaginário: ensaio acerca das ciências e da filosofia da imagem / Gilbert Durand; Tradução René Eve Levié. Rio de Janeiro: DIFEL, FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, GEERTZ, Clifford. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis: Vozes, KOSSOY, Boris. Realidades e Ficções na Trama Fotográfica. 3ª Ed. Cotia: Ateliê Editorial, Fotografia e memória: reconstituição por meio da fotografia. In SAMAIN. Etienne. O fotográfico. São Paulo. Editora SENAC LEITE, Miriam Moreira. Retratos de Família: imagem paradigmática no passado e no presente. In SAMAIN, Etienne. O Fotográfico. / Etienne Samain, organizador. Editora SENAC São Paulo MALINOWISK, Bronislaw Kasper. Argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné melanésia. São Paulo. Abril Cultural, MENDONÇA, Kátia. Caminhos da sociologia da ética. In: Seminário Ética e Sociedade: Reflexões Sobre a Violência e Sobre a Paz, 2011, Belém. Mesa Redonda: Ética e Sociologia: possibilidades e limites hermenêuticos, NUNES, Benedito. Experiências do Tempo. In Tempo e história / organização Adauto Novaes São Paulo: Companhia das letras : Secretaria Municipal da Cultura PIAULT, M. H. Real e ficção: onde está o problema? In: KHOURI, M. (org.) Imagem e memória: ensaios em antropologia visual. Rio de Janeiro: Garamond, 2001, p ROUILÉE, André. A fotografia: entre o documento e arte contemporânea. São Paulo. Editora SENAC/SP RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. 3.vol.São Paulo.Martins Fontes A memória, a história, o esquecimento.campinas.ed.unicamp SAMAIN. Etienne. Ver e dizer na tradição etnográfica: Bronislaw Malinowski e a fotografia. In: Horizontes Antropológicos: Antropologia visual. Ano 1 número

14 . Um retorno a Câmara Clara: Roland Barthes e a Antropologia visual. in SAMAIN. Etienne. O fotográfico. São Paulo. Editora SENAC SERRA NETTO, H. F.. O pesquisador-objeto: entre subjetividade, estigma e tatuagens.. In: Seminário Ética e Sociedade: Reflexões Sobre a Violência e Sobre a Paz, 2011, Belém. Mesa Redonda: Diálogos da Antropologia com a Ética, O corpo como espaço imaginativo: tatuagem, práticas sociais e simbolismo / Helio Figueiredo da Serra Netto; orientadora, Maria Angelica Motta Maués Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Belém, RICOEUR, Paul. Introducion a la simbolica del mal. Trad. Maria T. la Valle y Marcelo P. Rivas. Argentina A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP. Editora UNICAMP SIMMEL, Georg. A Filosofia da Paisagem. Política & Trabalho 12 (15-24), VELHO, Gilberto (1973). A Utopia Urbana: Um Estudo de Antropologia Social, Rio de Janeiro, Zahar. 14

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Fotografia - Instrumento de registro e alguns efeitos de inovações tecnológicas 1. Mariana Capeletti CALAÇA 2 Erick Rôso HUBER 3

Fotografia - Instrumento de registro e alguns efeitos de inovações tecnológicas 1. Mariana Capeletti CALAÇA 2 Erick Rôso HUBER 3 Fotografia - Instrumento de registro e alguns efeitos de inovações tecnológicas 1 Mariana Capeletti CALAÇA 2 Erick Rôso HUBER 3 Resumo Nós conseguimos nos definir enquanto indivíduo e enquanto grupo, baseado

Leia mais

O POTENCIAL DA ENTREVISTA NARRATIVA COM FOTOGRAFIAS

O POTENCIAL DA ENTREVISTA NARRATIVA COM FOTOGRAFIAS 1 O POTENCIAL DA ENTREVISTA NARRATIVA COM FOTOGRAFIAS Marta Batista de Souza i Andrea Cristina Versuti ii Eixo Temático: Arte, Educação e Contemporaneidade. Resumo: Este artigo analisa a compreensão da

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO 1 POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO RESUMO Colégio Londrinense Alunos (as): Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto; Lucas Assis; Rafael Noriaki Yamamoto Orientadora: Wiviane

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Leila Cristina Leite Ferreira-UFPA RESUMO: Este artigo traz como discussão a captação, a elaboração e a

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

IMAGENS EM SALA DE AULA 1

IMAGENS EM SALA DE AULA 1 IMAGENS EM SALA DE AULA 1 Reinaldo Nishikawa 2 (UNOPAR) reinaldo1@unopar.br Continuidade de palavras não significa necessariamente continuidade de significados. (Carlo Ginzburg) Vivemos numa sociedade

Leia mais

ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO. Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO. Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INTRODUÇÃO Apesar de muitos considerarem Joseph Nicéphore Niépce como sendo o inventor da fotografia, ela não é uma

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

Passagens, móveis e projeções

Passagens, móveis e projeções Passagens, móveis e projeções A fotografia, que tem tantos usos narcisistas, é também um poderoso instrumento para despersonalizar nossa relação com o mundo; e os dois são complementares Susan Sontag Olho

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS COPIADOS DE MODA EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM GOIÂNIA

ORGANIZAÇÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS COPIADOS DE MODA EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM GOIÂNIA ORGANIZAÇÃO SOCIAL NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS COPIADOS DE MODA EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE EM GOIÂNIA Humberto Pinheiro LOPES umpiro@gmail.com Faculdade de Artes Visuais Míriam da Costa Manso

Leia mais

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÕES

Leia mais

Anuários de Criação. Imagens da intimidade em propaganda impressa

Anuários de Criação. Imagens da intimidade em propaganda impressa USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PESQUISAS ACADÊMICAS Anuários de Criação Imagens da intimidade em propaganda impressa Docente Responsável:

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos

O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos O consumo e a produção enquanto esquemas simbólicos Entender o comportamento do consumidor não é tarefa fácil Consumidor: motivações internas (psiqué/personalidade) e externas (pressões sociais: família,

Leia mais

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Cartão postal CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal

Leia mais

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS.

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS. ARTES VISUAIS - HABILIDADE ESPECÍFICA II - PROVA DE CRIAÇÃO - 2 a Etapa ARTES VISUAIS 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II PROVA DE CRIAÇÃO SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite UFU Universidade Federal de Uberlândia Palavras chave : Formação Teatral; Pedagogia do Teatro; História do Teatro Preâmbulo

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Palavras-Chave: Arte, Educação e cultura. Carline Schröder Arend 1 Amarildo Luiz

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

A explicitação da Interdisciplinaridade e da Transdisciplinaridade: aproximando semelhanças e afastando diferenças em uma abordagem cultural

A explicitação da Interdisciplinaridade e da Transdisciplinaridade: aproximando semelhanças e afastando diferenças em uma abordagem cultural A explicitação da Interdisciplinaridade e da Transdisciplinaridade: aproximando semelhanças e afastando diferenças em uma abordagem cultural Ricardo Hage de Matos (FASM - Faculdade Santa Marcelina, Departamento

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás Irene TOURINHO irenetourinho@yahoo.es Faculdade de Artes Visuais

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Cubismo. 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino

Cubismo. 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino Cubismo 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino Guernica Cidade... Loucura... Ou...Arte? Pablo Picasso Nome: Pablo Picasso Nascimento : Andaluzia 1881 Filho de: José Ruiz Blasco E de: Maria Picasso

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS SANTOS, Noeli Batista dos 1 Palavras-chave: imagem, ensino, tecnologia.

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia.

Este foi o título que dei a um primeiro importante trabalho em serigrafia. [ensaio de imagem] Mônica Schoenacker 1967. Artista plástica, Mestre em Printmaking (gravura) no Royal College of Art (RCA) em Londres como bolsista da Capes (1999), quando foi agraciada com o Tim Mara

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

GEOGRAFIA E LITERATURA: APROXIMAÇÕES E ALTERNATIVAS PARA UM DIÁLOGO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

GEOGRAFIA E LITERATURA: APROXIMAÇÕES E ALTERNATIVAS PARA UM DIÁLOGO NA EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA E LITERATURA: APROXIMAÇÕES E ALTERNATIVAS PARA UM DIÁLOGO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Alexandre Nícolas Rennó 1 nikitakadao@yahoo.com.br Cintia Pereira dos Santos 2 cintiapsgeo@gmail.com PODE EXISTIR

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CICLO BÁSICO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CICLO BÁSICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CICLO BÁSICO A evolução da fotografia: Da artesanal à digital Cursistas:

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

RESENHA CRÍTICA A LEITURA DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS: PRELIMINARES DA ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE FOTOGRAFIAS.

RESENHA CRÍTICA A LEITURA DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS: PRELIMINARES DA ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE FOTOGRAFIAS. FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO ISRAEL ANTONIO MANOEL PEREIRA A LEITURA DE IMAGENS FOTOGRÁFICAS: PRELIMINARES DA ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE FOTOGRAFIAS.

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PRIMEIRO SEMESTRE - 2016 ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO 1 Conteúdos conceituais ANEXO VI CURSO DE PSICOLOGIA 1º PERÍODO CONSTRUÇÃO DO PENSAMENTO PSICOLÓGICO Definição dos conceitos de conhecimento científico e de senso comum; Estudo do processo de obtenção

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas

Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas FGV ONLINE Programa de Educação a Distância da Fundação Getulio Vargas ASPECTOS DE MITIGAÇÃO SOBRE EVASÃO ESCOLAR E LUCIDEZ DE ALUNOS DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO E MBA EXECUTIVO EM DISCIPLINAS ONLINE.

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Revisitando o método etnográfico: contribuições para a narrativa antropológica

Revisitando o método etnográfico: contribuições para a narrativa antropológica Revisitando o método etnográfico: contribuições para a narrativa antropológica Giselle Carino Lage Apresento, a seguir, alguns dos significados atribuídos ao conceito de etnografia buscando pensar nos

Leia mais

CONCEITOS. Artes História do retrato-pintura. História do retrato-fotografia. Arte e tecnologia. Matemática Transformações.

CONCEITOS. Artes História do retrato-pintura. História do retrato-fotografia. Arte e tecnologia. Matemática Transformações. Sala de Professor MESTRE JÚLIO: RETRATO PINTADO CONCEITOS Artes História do retrato-pintura. História do retrato-fotografia. Arte e tecnologia. Matemática Transformações. Sociologia Indústria cultural.

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Uma cobertura fotojornalística do futebol americano em Nebraska 1

Uma cobertura fotojornalística do futebol americano em Nebraska 1 Uma cobertura fotojornalística do futebol americano em Nebraska 1 Tiago Zenero de SOUZA 2 Bruce THORSON 3 Francisco Rolfsen BELDA 4 Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), Bauru,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

5 Referências bibliográficas

5 Referências bibliográficas 5 Referências bibliográficas ABRAM, JAN. A linguagem de Winnicott. Ed. Revinter, RJ. (2000) ATALA, A.; DORIA, C. A. Com unhas, dentes e cuca culinária e papo-cabeça ao alcance de todos. Ed. Senac, SP.

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais