Isso é Legal A forma de mudança

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Isso é Legal A forma de mudança"

Transcrição

1 Isso é Legal A forma de mudança O texto da Lição 4: Fazendo Amigos do livro A Forma de Mudança De Rob Quaden e Alan Ticotsky Com Debra Lyneis Ilustrado por Nathan Walker Publicado pelo Creative Learning Exchange Maio 2004 Revisado Janeiro 2005 Preparado com o apoio da The Gordon Stanley Brown Fund Baseado no trabalho apoiado por The Waters Foundation A Forma de Mudança Apresentando onze atividades de sala de aula Formatadas e ilustradas atrativamente Disponibilizado pela The Creative Learning Exchange Acton, Massachusetts (978) Permissão concedida para cópia e distribuição eletrônica para finalidades educacionais não-comerciais.

2 Introdução Nesta lição, os estudantes aprendem o método científico enquanto medem, interpretam dados, e representam graficamente a mudança da temperatura água fervente em um copo enquanto ela resfria. Eles procuram padrões de comportamento ao longo do tempo e formulam hipóteses. A lição reforça conceitos da ciência incluindo a transferência de energia, a escala de graus centígrados, a técnica de laboratório e as habilidades de medida. As habilidades e os conceitos da matemática incluem a medição, a interpretação de dados, fazer gráficos, e trabalhar com taxas de mudança. 1 Materiais Alguma forma de ferver a água na sala de aula Cronômetro ou relógio que marque a passagem de minutos Um copo para líquidos quentes e um termômetro de laboratório para cada equipe de estudantes Uma copia de cada uma das folhas de trabalho para cada estudante 1. Gráfico da Previsão de Refrigeração (pag.12) 2. Tabela dos Dados de Refrigeração (pag Gráfico da Experiência de Refrigeração (pag.14) Como Funciona Há uma diferença entre o calor e a temperatura. O calor é uma forma da energia que faz as moléculas na água se moverem, ao redor, muito rapidamente. Quando a água é aquecida, esta ganha mais energia de calor. Quando a água esfria, a energia flui para fora da água e vai para o ar. A temperatura é uma medida da quantidade de energia de calor que um objeto tem, e é medido em um termômetro em graus. O calor é a quantidade de energia necessária para trazer a água a uma determinada temperatura. Dois objetos diferentes podem ter a mesma temperatura mas conter quantidades diferentes de energia de calor. Duas quantidades diferentes de água na mesma temperatura prendem quantidades diferentes de energia de calor. Os vários alimentos cozinhando juntos em um forno contêm quantidades diferentes

3 de energia de calor. A energia de calor é medida em calorias ou em BTUs. A energia de calor vai sempre de uma região com temperatura mais alta para uma região com temperatura mais baixa. Na experiência da sala de aula, o calor da água fervendo flui para o ar, a água esfria, e a temperatura cai. A temperatura cai rapidamente no início, mas a taxa de mudança diminui quanto a água se aproxima da temperatura ambiente. Procedimento 1. Explique aos estudantes que eles estarão conduzindo uma experiência científica real. Eles estarão medindo a temperatura de uma água muito quente enquanto ela esfria, registrando e representando graficamente seus dados. 2. Enfatize que a experiência funciona corretamente apenas se os estudantes seguirem as recomendações. A água fervendo é muito quente e perigosa, assim eles devem ter muito cuidado. Eles devem registrar seus dados muito precisamente. Eles devem trabalhar em equipe para completar a tarefa Primeiro Segurança!!! Certifique-se de usar os termômetros e os copos que são projetados para líquidos quentes. Os termômetros comuns podem estourar na água quente 3. É interessante recordar alguns valores da escala Celsius, discuta algumas das seguintes medidas: 100 graus: a água ferve 40 graus: febre 37 graus: temperatura normal do corpo 30 graus: um dia de verão 20 graus: temperatura ambiente 0 graus: a água congela

4 4. Desenhe um gráfico no quadro. A linha horizontal é nomeada Tempo (Minutos). A linha vertical é nomeada Temperatura (Graus Celsius) com um valor mínimo de 0 graus Celsius e um valor máximo de 100 graus Celsius. Escolha estudantes para ir ao quadro desenhar o comportamento do gráfico ao longo do tempo (o comportamento do gráfico com o tempo é uma linha gráfica que esboça como algo muda ao longo do tempo.) A temperatura da água em um recipiente no fogão começa em 50 graus e ascensões em uma taxa constante até 90 graus. A temperatura ambiente é 20 graus e não muda.

5 5. Peça que os estudantes pensem sobre o que acontecerá com a temperatura da água fervendo em um copo ao longo do tempo. Peça que eles esbocem um gráfico do comportamento ao longo do tempo de suas previsões na folha Gráfico da Previsão de Refrigeração (Anexo 1). Previsões Uma previsão é o que os estudantes pensam que acontecera -- não importa se isso for errado ou certo. isso irá ajudá-los a pensar sobre o que está acontecendo na experiência, ao comparar os dados com suas previsões. 6. Dê a cada equipe um copo e encha-o com água fervendo. Peça aos estudantes para medir imediatamente a temperatura inicial e registra-la na folha de trabalho Tabela dos Dados de Refrigeração (Anexo 2). Note que a temperatura inicial é menos de 100 graus porque a fonte de calor foi removida. 7. Usando o cronômetro, anuncie cada minuto subseqüente com um aviso de dez segundos e diga aos estudantes "para medir e registrar" sua temperatura da água

6 Certifique-se de que mais de um estudante lê o termômetro. Isto aumenta a aprendizagem e a precisão das medidas. Quando as equipes recolherem e verificarem seus dados, cada estudante individualmente termina o seu ou a sua própria tabela e o gráfico dos dados. 8. Depois de aproximadamente cinco minutos, quando todas as equipes estiverem bem orientadas, ajude os estudantes a traçarem seus dados na folha de trabalho Gráfico da Experiência de Refrigeração (Anexo 3) Trace uma linha unindo os primeiros poucos pontos, assegurando que os estudantes coloquem a temperatura inicial sobre a linha vertical e um ponto em cada linha de minutos subseqüente. Isto pode ser confuso se não tiverem cuidado. Sugira que os estudantes usem uma régua para seguir exatamente cada linha de minutos, da base até o local onde cruza a linha da temperatura. Enquanto isso, continue a anunciar os minutos com instruções para medir e registrar. Continue representando por ao menos vinte minutos. 7. Finalmente, peça que os estudantes conectem os pontos em seus gráficos. Esta deve ser uma linha curva lisa, assim é melhor se os estudantes fizerem este sem usar uma borda reta.

7 Trazendo a Lição para Dentro de Casa Os estudantes fizeram previsões e conduziram uma experiência. O importante nessa parte e que eles tirem as suas conclusões do experimento. Para a comparação, colete diversos gráficos de previsão e gráficos da experiência dos estudantes e afixe-os na parede. Enquanto os estudantes olham para os gráficos da

8 experiência, conduza uma discussão na classe. Perguntas como estas irão ajudar os estudantes a construírem sua compreensão do processo de refrigeração. Como os gráficos mostram o que aconteceu com a temperatura da água? A temperatura caiu rapidamente no início, depois mais lentamente. Os gráficos mostram uma curva descendente inclinada que começa a nivelar quando a água aproxima da temperatura ambiente. Qual era a temperatura da água no início da experiência? A água estava fervendo no recipiente (100º), mas é refrigerada rapidamente quando derramada nos copos. Os estudantes podem relatar suas leituras iniciais. Qual era a uma temperatura da água após 1 minuto? 5 minutos? 15 minutos? Cada equipe começou com os mesmos resultados? A água esfriou em uma taxa constante? O que você observa sobre a forma da linha? A linha não é reta porque a água não esfriou em uma taxa constante. Quando a água refrigerou mais? A taxa refrigeração era a mais elevada no começo onde a curva é mais inclinada. Neste momento, a diferença entre a temperatura da água e a temperatura ambiente era maior, assim a energia de calor fluiu rapidamente. Quando refrigerou o menos? A taxa de refrigeração era mais baixa no final quando a temperatura ambiente aproximava lentamente da água. Quando a diferença da temperatura for pequena, os fluxos de calor fluem mais lentamente. Os gráficos mostram a temperatura durante um período de 20 minutos. Prediga a temperatura após 30 minutos. Explique sua lógica.

9 A temperatura continuará a ir para baixo, mas em uma taxa mais e mais lenta. Uma vez que a água alcança a temperatura ambiente, ela permanecerá com esta. Prediga a temperatura após 60 minutos, 100 minutos. A temperatura permanecerá constante na temperatura ambiente. Este gráfico mostra como a temperatura da água aproximaria a temperatura ambiente se os estudantes continuarem a experiência por um tempo mais longo. Peça que os estudantes revejam seus gráficos originais de previsão.. Algum dos gráficos são semelhantes? Em que as previsões estavam corretas? Quais as diferenças entre os resultados reais das previsões?

10 Previsões Os estudantes necessitam saber que não importa se suas previsões originais estiverem corretas ou não. O que é importante é que eles fizeram uma previsão. É importante também saber dos estudantes o que eles pensavam antes da experiência e comparar esses pensamentos com os seus pensamentos após a experiência. Envolva-os revendo e explicando a experiência em um diálogo guiado com os estudantes. A água começou quente (a energia de calor foi adicionada na chaleira). A temperatura da água era muito mais elevada do que a temperatura ambiente, assim energia de calor começou a fluir fora da água em uma taxa rápida. Esta perda de calor fez a água refrigerar, assim a diferença da temperatura entre a água e o ar era um pouco menor. Consequentemente, a energia de calor começou fluir fora do copo em uma taxa mais lenta. Este processo foi sobre e sobre, até que a temperatura da água estivesse a mesma que a temperatura ambiente. Esta é a razão do gráfico ser muito curvado no início e depois mais liso enquanto o tempo foi passando. Este padrão da mudança é chamado de declínio exponencial. Você é capaz de pensar em outros exemplos de transferência de calor que apliquem o padrão que nós observamos? Um sorvete derrete muito mais rapidamente em um dia quente do que no inverno. A energia de calor flui mais rapidamente quando há uma grande diferença entre a temperatura do sorvete e a temperatura do ar. Uma casa perde o calor mais rapidamente em um dia frio do inverno Você é capaz de pensar em outros exemplos de declínio exponencial? Excitamento sobre alguns brinquedos: Quando o brinquedo é novo, você está muito interessado nele, mas enquanto o tempo vai passando, você usa o brinquedo menos e menos, até que se você coloque na prateleira com todos os brinquedos restantes.

11 O valor de um carro quando ele envelhece: Primeiramente o valor cai rapidamente e anos depois o valor cai lentamente. O declínio exponencial é comum em muitos outros sistemas. Os estudantes que jogam o Jogo do Mamute (lição 3) reconhecerão o mesmo padrão em uma população declinando.

12

13

14

15 Isso é Legal A forma de mudança Estoques e Fluxos O texto da Lição 4: Isso É legal do livro A Forma de Mudança Estoques e Fluxos Um começo De Rob Quaden e Alan Ticotsky Com Debra Lyneis Ilustrado por Nathan Walker Publicado pelo Creative Learning Exchange Maio 2004 Revisado Janeiro 2005 Preparado com o apoio da The Gordon Stanley Brown Fund Baseado no trabalho apoiado por The Waters Foundation A Forma de Mudança Apresentando onze atividades de sala de aula Ilustradas e formatadas atrativamente Disponibilizado pela The Creative Learning Exchange Acton, Massachusetts (978) Permissão concedida para cópia e distribuição eletrônica para finalidades educacionais não-comerciais.

16 Isso é Legal A construção desta lição nas atividades da sala de aula é descrita na A Forma da Mudança, pelo Rob Quaden, Alan Ticotsky e Debra Lyneis, 2004, The Creative Learning Exchange. Você pode fazer o download do texto da única lição original ou começar os gráficos e a disposição do livro completo do CLE em A Forma da Mudança Na lição 4 da A Forma de Mudança, os estudantes conduziram uma experiência científica para medir, registrar e representar graficamente a mudança da temperatura da refrigeração da água fervente em um copo. Visão Geral Na atividade de refrigeração, o estoque é o calor na água e o fluxo representa a perda desse calor no ar. Entretanto, ao contrário das taxas de nascimento e de morte no Jogo do Mamute (a lição anterior em que esta se constrói), a taxa de refrigeração não é constante. Como os estudantes observaram em suas experiências e gráficos, a temperatura da água caiu rapidamente no início, mas como a diferença entre a temperatura da água e a temperatura ambiente se estreitou, a taxa de refrigeração diminuiu até que a água alcançou a temperatura ambiente.

17 Fazendo a experiência na sala de aula, os estudantes aprenderam que o calor flui sempre de uma área de temperatura mais alta para uma área de temperatura mais baixa, fluindo mais rapidamente quando a diferença da temperatura é maior. Construir um diagrama de estoque/fluxo do processo de refrigeração ajudará explicar porque o gráfico da temperatura não produziu uma linha reta e porque este declínio exponencial aproximouse da temperatura do lugar. Vendo a Estrutura 1. Peça que os estudantes identifiquem o estoque e o fluxo da experiência de refrigeração. Observe que o fluxo de saída está indo para a esquerda desta vez. Os fluxos podem ir em qualquer sentido. A seta diz o sentido do fluxo. 2. Tenha certeza que os estudantes compreenderam a diferença entre o calor e a temperatura. (veja "como funciona") A energia de calor acumula e dissipa-se; isso é medido nos graus de temperatura. Conecte o estoque Temperatura da Água para mostrar que nós necessitaríamos converter a energia de calor para graus Célsius. 3. Peça que os estudantes nomeiem os fatores que afetam a taxa em que o calor escapou da água. Os fatores tipicamente mencionados pelos estudantes incluem as propriedades de isolação do recipiente, a área de superfície da água exposta ao ar, a forma e o tamanho do recipiente, e assim por diante. Para simplificar, combine todos estes fatores em uma variável nomeada de Taxa de

18 Refrigeração ou um nome similar para representar o efeito de todos estes fatores em como o calor rapidamente escapa da água. Quanto mais elevada a taxa, mais rapidamente o calor escapa. 4. Lembre os estudantes a pensarem sobre a forma do gráfico da temperatura. A refrigeração era mais inclinada no começo quando a diferença entre a temperatura da água e a temperatura ambiente era maior. Depois, quando a diferença era menor, a taxa de refrigeração retardou para baixo. Adicione a temperatura ambiente ao diagrama. 5. Lembre que a diferença entre a temperatura ambiente e a temperatura da água determinou como o calor escapou (rapidamente ou lentamente). Adicione uma variável nomeada "diferença" para representar o tamanho da diferença entre as duas medidas. Quanto mais elevada a temperatura da água maior a diferença.

19 6. Finalmente, o tamanho da diferença entre a temperatura da água e a temperatura ambiente afetou a taxa de calor escapando. Quando a diferença era grande, o calor escapava rapidamente, como aconteceu no início da experiência. A medida que o tempo passava, a temperatura ambiente permaneceu constante enquanto a temperatura da água caia, reduzindo a diferença entre as duas medidas. Conecte a "Diferença" ao fluxo Calor Escapando para mostrar que a diferença da temperatura causou a mudança da taxa de calor escapando quanto maior a diferença, mais elevada é a taxa. O diagrama estoque/fluxo explica agora como os fatores refrigeração originais do recipiente e a diferença entre a temperatura da água e a temperatura ambiente afetaram a taxa de refrigeração. Isso explica como a acumulação da energia de calor dissipou ao longo do tempo. 7. Siga o laço de realimentação no diagrama de estoque/fluxo usando setas para acima e para baixo

20 se necessário. Quando o estoque do "Calor" aumenta, a " Temperatura da Água" aumenta. Desde que a " Temperatura Ambiente" é constante, a "Diferença" aumenta. Uma grande "Diferença" faz o "Calor Escapando" aumentar, que faz o "Calor" diminuir desta vez. Como nós aprendemos na lição anterior, quando os elementos invertem em um laço de realimentação, o laço está equilibrado. A experiência de refrigeração é um exemplo de um laço realimentação equilibrado. A temperatura da água aproxima-se da temperatura ambiente em uma taxa decrescente. 8. Olhe o gráfico de refrigeração outra vez e relacione-o ao diagrama de estoque e fluxo. O laço equilibrado produz um gráfico do declínio exponencial da temperatura. O gráfico curva-se com uma taxa elevada no início e aplaina-se, aproximando a temperatura ambiente.

21 Este gráfico é como o declínio exponencial causado pelo laço equilibrado no jogo do mamute. Quando o rebanho era grande, muitos mamutes morreram. Como estas mortes reduziram o tamanho da população, havia menos e assim poucas mortes em cada ano, e a população aproximou-se lentamente de zero - extinção. Nesta lição nós medimos a temperatura de refrigeração de uma água fervente em um copo. Por que a água aproximou-se da temperatura ambiente? A água aproximou-se da temperatura ambiente porque o calor estava fluindo fora da água e indo para o ar mais fresco. Fluiu mais ràpidamente no começo da experiência quando a diferença entre a temperatura da água e a temperatura ambiente era maior. Quando a diferença diminuiu, o calor escapou-se mais lentamente. Quando a água alcançou finalmente a temperatura ambiente, ela permaneceu na temperatura ambiente.

22 Uma Extenção Para um desafio adicional, alguns estudantes podem ser capazes de aplicar o que aprenderam em uma maneira mais ampla. O que aconteceria se nós começassemos com a água congelada em vez da água fervente? O calor fluiria do ar morno (temperatura ambiente) para a água congelada, da mesma forma fluindo mais rapidamente quando a diferença da temperatura for maior, que é no começo da experiência. A água irá aquecer até a temperatura ambiente e permanecerá com ela. Nosso diagrama de esqtoque/fluxo aplica-se para a água congelada também? Sim. Para ficar mais claro, nós mudaríamos o "Calor Escapando" para "Transferência de Calor" que significa que o calor se move sempre da área mais morna para a área mais fresca quer você comece com água fervente ou água congelada. Para a água fervente, os fluxos de calor vão para fora até a água alcançar a temperatura ambiente. Para a água congelada, os fluxos de calor vão para dentro até a água alcançar a temperatura ambiente. O estoque de calor aumenta. A cabeça da seta em ambos os fins do fluxo indica que a energia de calor pode fluir dentro ou fora do estoque, dependendo se você começa com água muito quente ou muito fria. O que o gráfico do aquecimento da água em um copo se assemelha? Seria similar à experiência da refrigeração, exceto que desta vez a água aproxima da temperatura ambiente enquanto se aquece.

23 Para a água congelada, o laço equilibrado faz com que a temperatura da água levante-se aproximando da temperatura ambiente. Diagrama de Laço Causal Este diagrama nos dá uma visão geral do laço de realimentação equilibrado - a temperatura da água

24 ajusta-se para aproximar da temperatura ambiente. Nosso diagrama de estoque/fluxo nos dá uma visão "operacional" mais precisa de como o calor acumula ou dissipa ao longo do tempo. Nós usamos ambos os diagramas para compreender o comportamento que nós observamos e representamos graficamente. Outra Visão Uma forma mais simples e genérica do laço equilibrado poderia mostrar o ajuste da temperatura sem a interverção das conversões de temperature/calor. A taxa de mudança declina enquanto a diferença de temperatura diminui, até que a temperatura da água alcance a temperatura ambiente. Nesta lição, entretanto, nós incluímos as conversões porque o conceito da energia de calor como um estoque era o foco da lição de ciência.

O jogo da Árvore. A forma de mudança. O texto da Lição 6: O jogo da Árvore do livro. A Forma de Mudança

O jogo da Árvore. A forma de mudança. O texto da Lição 6: O jogo da Árvore do livro. A Forma de Mudança O jogo da Árvore A forma de mudança O texto da Lição 6: O jogo da Árvore do livro A Forma de Mudança De Rob Quaden e Alan Ticotsky Com Debra Lyneis Ilustrado por Nathan Walker Publicado pelo Creative Learning

Leia mais

O Jogo do Mamute A forma de mudança

O Jogo do Mamute A forma de mudança O Jogo do Mamute A forma de mudança O texto da Lição 3: O Jogo do Dentro e Fora do livro A forma de mudança De Rob Quaden e Alan Ticotsky Com Debra Lyneis Ilustrado por Nathan Walker Publicado pelo Creative

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

Segurança do usuário. Segurança elétrica. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Segurança do usuário. Segurança elétrica. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Segurança do usuário Seu sistema e os suprimentos recomendados foram projetados e testados para atender a exigências de segurança rígidas. A atenção às seguintes informações garantirá uma operação contínua

Leia mais

ESPAÑOL Instrucciones de uso Página 4 PORTUGUÊS Instruções de utilização Página 10

ESPAÑOL Instrucciones de uso Página 4 PORTUGUÊS Instruções de utilização Página 10 ESPAÑOL Instrucciones de uso Página 4 PORTUGUÊS Instruções de utilização Página 10 3 UTILIZAR PELA PRIMEIRA VEZ Ligue o aparelho à tomada de corrente. Nos modelos com parte eletrónica, será emitido um

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO GELADEIRA DE 2 PORTAS NV-5284

MANUAL DO USUÁRIO GELADEIRA DE 2 PORTAS NV-5284 MANUAL DO USUÁRIO GELADEIRA DE 2 PORTAS NV-5284 PREZADO CLIENTE A fim de obter o melhor desempenho de seu produto, por favor, leia este manual do usuário cuidadosamente antes de começar a usá-lo, e mantê-lo

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

1 Exercícios Pré-Laboratório

1 Exercícios Pré-Laboratório 1 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY 6.071: Introdução ao Laboratório de Eletrônica Laboratório 1: Equipamentos de Laboratório e Redes de Resistores 1 Exercícios Pré-Laboratório 2º Trimestre de 2002

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

CAPÍTULO 6 Termologia

CAPÍTULO 6 Termologia CAPÍTULO 6 Termologia Introdução Calor e Temperatura, duas grandezas Físicas bastante difundidas no nosso dia-a-dia, e que estamos quase sempre relacionando uma com a outra. Durante a explanação do nosso

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA

FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA FÍSICA: CONCEITOS E EXERCÍCIOS DE FÍSICA TÉRMICA 1 SOBRE Apanhado de exercícios sobre física térmica selecionados por segrev. O objetivo é que com esses exercícios você esteja preparado para a prova, mas

Leia mais

Nesta experiência vamos ver que o conceito de temperatura pode ser subjectivo.

Nesta experiência vamos ver que o conceito de temperatura pode ser subjectivo. Estudo do Meio Físico-Natural I P06 - Termodinâmica 1 Objectivo Realizar várias experiências relacionadas com termodinâmica. 2 Quente ou frio? Nesta experiência vamos ver que o conceito de temperatura

Leia mais

Água no feijão, que chegou mais um!

Água no feijão, que chegou mais um! Água no feijão, que chegou mais um! A UU L AL A Sábado! Cristiana passou a manhã toda na cozinha, preparando uma feijoada! Roberto tinha convidado sua vizinha, Maristela, para o almoço. Logo cedo, Cristiana

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF. MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV www.professorwaltertadeu.mat.br 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) = 10 n. Escreva

Leia mais

Determinação da condutividade térmica do Cobre

Determinação da condutividade térmica do Cobre Determinação da condutividade térmica do Cobre TEORIA Quando a distribuição de temperatura de um corpo não é uniforme (ou seja, diferentes pontos estão a temperaturas diferentes), dá-se expontaneamente

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

MUDANÇA DE ESTADO - 2

MUDANÇA DE ESTADO - 2 MUDANÇA DE ESTADO - 2-09 ;4 Mostrar a mudança do estado gasoso para o líquido. Contexto A troca de calor entre materiais, ou seja, propagação de energia térmica, pode causar mudanças nos materiais que

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

Refrigerador Frost Free

Refrigerador Frost Free GUIA RÁPIDO Comece por aqui Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. Refrigerador Frost Free Frost Free Seu refrigerador usa o sistema

Leia mais

Ernesto entra numa fria!

Ernesto entra numa fria! A UU L AL A Ernesto entra numa fria! Segunda-feira, 6 horas da tarde, Cristiana e Roberto ainda não haviam chegado do trabalho. Mas Ernesto, filho do casal, já tinha voltado da escola. Chamou a gangue

Leia mais

FRD-2892 507 MANUAL DO USUÁRIO FRITADEIRA FRD-2892 PREZADO CLIENTE A fim de obter o melhor desempenho de seu produto, por favor, leia este manual do usuário cuidadosamente antes de começar a usá-lo,

Leia mais

A brisa do mar está ótima!

A brisa do mar está ótima! A brisa do mar está ótima! Mais um fim de semana. Cristiana e Roberto vão à praia e convidam Maristela para tomar um pouco de ar fresco e de sol, e tirar o mofo! É verão e o sol já está bem quente. Mas

Leia mais

SISTEMA GÁLATAS EDUCACIONAL DISCIPLINA: CIÊNCIAS - 5ºANO DATA: / /2014 AV2-1ºBIMESTRE. NOME: Vale 10,0

SISTEMA GÁLATAS EDUCACIONAL DISCIPLINA: CIÊNCIAS - 5ºANO DATA: / /2014 AV2-1ºBIMESTRE. NOME: Vale 10,0 SISTEMA GÁLATAS EDUCACIONAL DISCIPLINA: CIÊNCIAS - 5ºANO DATA: / /2014 AV2-1ºBIMESTRE NOME: Vale 10,0 1ª QUESTÃO VALE 0,2 Leia a charge de Maurício de Souza abaixo com atenção: Marque com um x a resposta

Leia mais

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar)

Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) Tópico 8. Aula Prática: Movimento retilíneo uniforme e uniformemente variado (Trilho de ar) 1. OBJETIVOS DA EXPERIÊNCIA 1) Esta aula experimental tem como objetivo o estudo do movimento retilíneo uniforme

Leia mais

BALANÇAS DE COZINHA ELETRÔNICAS INSTRUÇÕES DE USO ESBOÇO DO PRODUTO CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICAÇÕES VISOR DE LCD ILUSTRAÇÃO DAS TECLAS

BALANÇAS DE COZINHA ELETRÔNICAS INSTRUÇÕES DE USO ESBOÇO DO PRODUTO CARACTERÍSTICAS E ESPECIFICAÇÕES VISOR DE LCD ILUSTRAÇÃO DAS TECLAS BALANÇAS DE COZINHA ELETRÔNICAS INSTRUÇÕES DE USO ESBOÇO DO PRODUTO *Figura meramente ilustrativa. Considere o produto físico e suas funções atuais de configuração. * Sempre coloque o objeto a ser pesado

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2).

2. Estude o sinal da função f cujo gráfico é a reta de inclinação 3 e que passa pelo ponto ( 5, 2). MAT1157 Cálculo a uma Variável A - 2014.1 Lista de Exercícios 7 PUC-Rio Função afim: 1. (a) Qual é a inclinação de uma reta horizontal (paralela ao eixo-x)? (b) Qual é a expressão da função cujo gráfico

Leia mais

EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES

EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES UMA UMA BASE BASE FORTE FORTE PARA PARA EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES EDIFÍCIOS MAIS EFICIENTES UMA FUNDAÇÃO SÓLIDA A eficiência energética é o alicerce sobre a qual se constrói edifícios melhores, para hoje

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 9 (pág. 102) AD TM TC. Aula 10 (pág. 102) AD TM TC. Aula 11 (pág. Física Setor B Prof.: Índice-controle de Estudo Aula 9 (pág. 102) AD TM TC Aula 10 (pág. 102) AD TM TC Aula 11 (pág. 104) AD TM TC Aula 12 (pág. 106) AD TM TC Aula 13 (pág. 107) AD TM TC Aula 14 (pág.

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 32 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [ REV04 24112011 ] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções contidas neste manual antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança

Leia mais

BrewStation. Cafeteira. LEIA ANTES DE USAR Visite o site www.hamiltonbeach.com.br para conhecer a nossa linha de produtos completa.

BrewStation. Cafeteira. LEIA ANTES DE USAR Visite o site www.hamiltonbeach.com.br para conhecer a nossa linha de produtos completa. Cafeteira BrewStation LEIA ANTES DE USAR Visite o site www.hamiltonbeach.com.br para conhecer a nossa linha de produtos completa. Dúvidas? Por Favor, ligue - nossos associados estão prontos para ajudar.

Leia mais

Vestibulando Web Page www.vestibulandoweb.com.br - CALORIMETRIA -

Vestibulando Web Page www.vestibulandoweb.com.br - CALORIMETRIA - 1. (Fuvest 2005) Características do botijão de gás: Gás - GLP Massa total - 13 kg Calor de combustão - 40 000 kj/kg Vestibulando Web Page Um fogão, alimentado por um botijão de gás, com as características

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA FAETEC ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL SANTA CRUZ ETESC DISCIPLINA DE QUÍMICA EXPERIMENTAL Profs.: Ana Cristina, Denis Dutra e José Lucas

Leia mais

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º TRIMESTRE 8º ANO DISCIPLINA: FÍSICA

ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º TRIMESTRE 8º ANO DISCIPLINA: FÍSICA ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA 3º TRIMESTRE 8º ANO DISCIPLINA: FÍSICA Observações: 1- Antes de responder às atividades, releia o material entregue sobre Sugestão de Como Estudar. 2 - Os exercícios

Leia mais

Aula: 16.2 Assíncrona Tema: Calor e temperatura

Aula: 16.2 Assíncrona Tema: Calor e temperatura Aula: 16.2 Assíncrona Tema: Calor e temperatura Conteúdo: - Mudanças de estado físico Habilidades: - Entender as mudanças de estado físico de diversas substâncias Mudança de estado físico O que caracteriza

Leia mais

Instruções de montagem de painel luminoso SMD da Kymco

Instruções de montagem de painel luminoso SMD da Kymco Instruções de montagem de painel luminoso SMD da Kymco Português Lista de Peças 1 X 1 Papel de registo 2 X 2 Painel principal 3 X 1 Painel luminoso 4 X 1 Suporte luminoso SMD 5 X 2 Faixas SMD, vermelha

Leia mais

Mudanças de fase. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Mudanças de fase. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I Unidade apítulo 5 Mudanças de fase Seções: 51 onsiderações gerais 52 Quantidade de calor latente Antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas principais do capítulo e marque um X na coluna

Leia mais

Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS

Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS Trabalho Prático MEDIDA DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE DIFERENTES MATERIAIS Objectivo - Determinação da condutividade térmica de 5 diferentes materiais de construção. 1. Introdução O calor pode ser transferido

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES BALANÇA DIGITAL ED-1035

MANUAL DE INSTRUÇÕES BALANÇA DIGITAL ED-1035 MANUAL DE INSTRUÇÕES BALANÇA DIGITAL ED-1035 PREZADO CLIENTE A fim de obter o melhor desempenho de seu produto, por favor, leia este manual de instruções cuidadosamente antes de começar a usá-lo, e mantê-lo

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS!

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS! MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO Página 1- Indicações de uso AVISOS! *Não é permitido para pessoas que não entenderam o manual de instruções, dirigirem a mini-moto. *Deve ser utilizado a mistura de gasolina

Leia mais

FRITADEIRA MEGA FRY INOX

FRITADEIRA MEGA FRY INOX 02/13 973-09-05 782264 REV.0 FRITADEIRA MEGA FRY INOX SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha da Fritadeira Philco. Para garantir o melhor desempenho de seu produto,

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 3 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo.

Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. GUIA RÁPIDO Comece por aqui Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. Refrigerador BRE50 Frost Free Seu refrigerador usa o sistema Frost

Leia mais

214 Efeito Termoelétrico

214 Efeito Termoelétrico 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Hermes Urébe Guimarães ópicos Relacionados Efeito eltier, tubo de calor, termoelétrico f.e.m., coeficiente eltier, capacidade

Leia mais

Lava-Jato de Alta Pressão

Lava-Jato de Alta Pressão Lava-Jato de Alta Pressão Manual de operação LT 18/20M LT 8.7/19M LT 8.7/18M LT 8.7/16M Aviso: Este manual deve ser lido antes de manusear o equipamento. Este manual é considerado uma parte importante

Leia mais

Aluno: Série:_2º Data: Matéria: Fisica Turno: Valor: Nota: Supervisoras: Rejane/Betânia

Aluno: Série:_2º Data: Matéria: Fisica Turno: Valor: Nota: Supervisoras: Rejane/Betânia ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO DE PROGRESSÃO PARCIAL ENSINO MÉDIO - 2012 ESCOLA REFERENCIA Aluno: Série:_2º Data: Matéria: Fisica Turno: Valor: Nota: Supervisoras: Rejane/Betânia

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C

a) Qual a pressão do gás no estado B? b) Qual o volume do gás no estado C Colégio Santa Catarina Unidade XIII: Termodinâmica 89 Exercícios de Fixação: a) PV = nr T b)pvn = RT O gráfico mostra uma isoterma de uma massa c) PV = nrt d) PV = nrt de gás que é levada do e) PV = nrt

Leia mais

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA PROFESSOR PAULO CESAR (www.profpc.com.br) MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES

PORTAL DE ESTUDOS EM QUÍMICA PROFESSOR PAULO CESAR (www.profpc.com.br) MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES MATÉRIA E SUAS TRANSFORMAÇÕES 01- A água é uma substância que existe em grande quantidade no nosso planeta. Ela se apresenta na natureza em três estados físicos. Quais são os estados físicos em que a água

Leia mais

Manual de I Manual de I nstruç nstruçõesões

Manual de I Manual de I nstruç nstruçõesões Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de um aparelho da linha Philco. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se não jogar fora

Leia mais

Identificando áreas de atolamento de papel

Identificando áreas de atolamento de papel Selecionando cuidadosamente os materiais de impressão e carregando-os adequadamente, será possível evitar atolamento de papel na maioria das vezes. (Veja as sugestões em Dicas para evitar atolamentos de

Leia mais

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips ALINHA MENTO DO FEIXE LASER. Este tutorial é para ajudar a pessoa de manutenção da máquina laser no alinhamento do feixe laser que é a coisa mais importante para obter um correto funcionamento de sua máquina

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Iogurteira Naturalle IOG100

MANUAL DO USUÁRIO. Iogurteira Naturalle IOG100 MANUAL DO USUÁRIO Iogurteira Naturalle IOG100 Obrigado por adquirir a Iogurteira Naturalle, modelo IOG100, um produto de qualidade, seguro, eficiente e desenvolvido com a mais alta tecnologia. É muito

Leia mais

REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS

REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS REVISÃO PARA AVALIAÇÃO 1º BIMESTRE CIÊNCIAS 1) A partir das informações dadas, enumere as informações, em ordem sequencial, de acordo com as etapas do método científico: ( ) Conclusões ( ) Possíveis respostas

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Correlação e Regressão Linear

Correlação e Regressão Linear Correlação e Regressão Linear A medida de correlação é o tipo de medida que se usa quando se quer saber se duas variáveis possuem algum tipo de relação, de maneira que quando uma varia a outra varia também.

Leia mais

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984)

Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) Problemas de termologia e termodinâmica vestibular UA (1984) 1 - Um corpo humano está a 69 0 numa escala X. Nessa mesma escala o ponto do gelo corresponde a 50 graus e o ponto a vapor 100 0. Este corpo:

Leia mais

Aquecedor à Óleo de Ambiente. Manual do Usuário

Aquecedor à Óleo de Ambiente. Manual do Usuário Aquecedor à Óleo de Ambiente Manual do Usuário Índice 1. Segurança... 5 1.1 Medidas Importantes de Segurança... 5 1.2 Segurança Elétrica... 6 2. Descrição dos Componentes... 7 3. Instalação... 7 4. Utilização...

Leia mais

OECD PISA 2015 - Programa Internacional de Avaliação de Estudantes

OECD PISA 2015 - Programa Internacional de Avaliação de Estudantes OECD PISA 2015 - Programa Internacional de Avaliação de Estudantes Exemplos de Itens liberados de Ciências 1 Tradução do Documento: CY6_TST_PISA2015FT_Released_Cognitive_Items Produced by ETS (Core 3 Contractor)

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Assunto: Interpretação e Análise de gráficos 1. O que é importante na hora de analisar um gráfico? Atenção

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 1º TRIMESTRE TIPO A 01) Baseado no que foi visto no laboratório sobre transmissão de calor, analise as alternativas abaixo. I. A convecção térmica só ocorre nos fluidos,

Leia mais

Aula 2: Calorimetria

Aula 2: Calorimetria Aula 2: Calorimetria Imagine uma xícara de café quente e uma lata de refrigerante gelada em cima de uma mesa. Analisando termicamente, todos nós sabemos que com o passar do tempo a xícara irá esfriar e

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA EM CAIXA DE MADEIRA Capacidade 84 ovos de galinha Autor: Randolfo Ribeiro Este projeto contém

Leia mais

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE Matéria é tudo em que você puder pensar, destas páginas que você está lendo até a cadeira que você está sentado, a água que

Leia mais

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND

ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO PONTO DE FULGOR VASO ABERTO CLEVELAND ME-26 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. APARELHAGEM...4 6. EXECUÇÃO DO ENSAIO...9 7.

Leia mais

www.alfahogar.com Ferro a Vapor Doméstico MODELO A 7870 A L F A Manual de Instruções

www.alfahogar.com Ferro a Vapor Doméstico MODELO A 7870 A L F A Manual de Instruções 1 www.alfahogar.com Ferro a Vapor Doméstico MODELO A 7870 A L F A Manual de Instruções 2 Importante Por motivos de segurança, leia atentamente estas instruções antes de utilizar o ferro a vapor pela primeira

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES ICE MAKER MÁQUINA DE GELO MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente este Manual, antes de usar seu ICE MAKER. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. Modelo: NI1000A - (Preto 127V) / NI1000B (Preto

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística.

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. MANUAL DO NEBULIZADOR Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. Veja como utilizar e cuidar corretamente do seu Compressor e Nebulizador. Eu sou o compressor. Eu sou o Nebulizador, sou o grande goleador.

Leia mais

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais.

Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7aula Janeiro de 2012 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS I: Papel Milimetrado Objetivos: Construção de tabelas e gráficos, escalas especiais para construção de gráficos e ajuste de curvas à dados experimentais. 7.1

Leia mais

:: Introdução :: A parceria que deu certo. :: Escolhendo seu fogão novo ::

:: Introdução :: A parceria que deu certo. :: Escolhendo seu fogão novo :: :: Introdução :: No dia-a-dia, em muitas ocasições, sem perceber, desperdiçamos água, alimentos, luz, gás, gasolina e outros produtos necessários para o nosso bem-estar por simples falta de consciência

Leia mais

Basicão de Estatística no EXCEL

Basicão de Estatística no EXCEL Basicão de Estatística no EXCEL Bertolo, Luiz A. Agosto 2008 2 I. Introdução II. Ferramentas III. Planilha de dados 3.1 Introdução 3.2 Formatação de células 3.3 Inserir ou excluir linhas e colunas 3.4

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO

ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO ROTEIRO PARA OFICINA DE ANALISE DO DESEMPENHO ESCOLAR E ELABORAÇÃO DO PLANO DE ENSINO DOCUMENTOS BÁSICOS: - Cadernos Paebes; - Ata de resultados finais da Escola em 2010; - Guia de Intervenção Pedagógica;

Leia mais

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br

Estalo Desenvolvimento e Tecnologia Rua Ismael Carlos Correia, 107 CEP 89221-520 - Joinville - SC estalo@estalo.com.br Estalo Thermal Design Conteúdo Apresentação...4 1.1 O QUE É O ESTALO THERMAL DESIGN?...4 1.2 ONDE ELE SE APLICA?...4 1.3 COMO SE REALIZA A ENTRADA DE DADOS?...4 Ajuda para utilização do programa...5 2.1

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS. 3º ano 1º trimestre / 2015. Nome: Data: / /.

ROTEIRO DE ESTUDOS. 3º ano 1º trimestre / 2015. Nome: Data: / /. ROTEIRO DE ESTUDOS 3º ano 1º trimestre / 2015 Nome: Data: / /. Querido (a) Aluno (a), Elaboramos este roteiro com dicas sobre os conteúdos trabalhados no 1º trimestre e que serão abordados nas avaliações

Leia mais

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado.

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Aquecedor central Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Planeje seu uso e habitue-se a ligá-lo apenas o tempo necessário para que você

Leia mais

2ª Lista de Exercícios Função Linear (ou Função polinomial de 1 o grau)

2ª Lista de Exercícios Função Linear (ou Função polinomial de 1 o grau) 2ª Lista de Exercícios Função Linear (ou Função polinomial de 1 o grau) Problema 01. Determine o coeficiente angular das retas cujos gráficos são dados abaixo: a) b) Problema 02. Através do coeficiente

Leia mais

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis

Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Galinhas Saudáveis Pessoas Saudáveis Projecto Celeiro da Vida Album Seriado Manual de Facilitação de Práticas Agrárias e de Habilidades para a Vida Para os Facilitadores das Jffls Galinhas saudáveis

Leia mais

Abastecimento do líquido de arrefecimento

Abastecimento do líquido de arrefecimento Condições para abastecer líquido de arrefecimento Condições para abastecer líquido de arrefecimento Trabalho no sistema de arrefecimento do veículo ADVERTÊNCIA! Use equipamento de proteção ao trabalhar

Leia mais

REVISÃO E CONTROLE DO FUNCIONAMENTO DOS FORNOS DE CURA TÊXTIL

REVISÃO E CONTROLE DO FUNCIONAMENTO DOS FORNOS DE CURA TÊXTIL REVISÃO E CONTROLE DO FUNCIONAMENTO DOS FORNOS DE CURA TÊXTIL As tintas de plastisol curam somente a uma temperatura e tempo determinados; falando em termos analíticos, podemos então dizer que a cura do

Leia mais

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores.

ESTADOS DA MATÉRIA. O átomo é composto por outras partículas ainda menores. ESTADOS DA MATÉRIA A matéria que temos a nossa volta é formada de moléculas que são constituídas por átomos. Uma combinação destes átomos forma as substâncias que conhecemos, porém, devemos salientar que

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV001 Maquete com Instalação Elétrica Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Maquete com Instalação Elétrica Você gostaria de aprender

Leia mais

Física. CURSO Física. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

Física. CURSO Física. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2006/1 Física CURSO Física Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. Este caderno de prova contém dez questões, que deverão ser respondidas

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO DO SUPORTE PARA VEÍCULO CRD TC7X CVCD1 01

GUIA DE INSTALAÇÃO DO SUPORTE PARA VEÍCULO CRD TC7X CVCD1 01 GUIA DE INSTALAÇÃO DO SUPORTE PARA VEÍCULO CRD TC7X CVCD1 01 2 Suporte para Veículo CRD-TC7X-CVCD1-01 A Zebra reserva o direito de fazer alterações em qualquer produto para melhorar a confiabilidade, as

Leia mais

PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica

PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica Engenharia Ambiental Laboratório de Física II PROJETO ENGENHOCAS- Plataforma Hidráulica Grupo Engenhetes : Amanda Pereira Beatriz Stadler Franchini Oliveira Maria Julia Battaglini Mariana Cássia Maio/2014

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

Servidor SGI 1450 Instruções de montagem. Número do documento 007-4242-001PTB

Servidor SGI 1450 Instruções de montagem. Número do documento 007-4242-001PTB Servidor SGI 1450 Instruções de montagem Número do documento 007-4242-001PTB Design da capa por Sarah Bolles, Sarah Bolles Design e Dany Galgani, Publicações Técnicas da SGI. 2000, Silicon Graphics, Inc.

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais