Disciplina de Hematologia Veterinária - PPGCA Prof. Dr. Adilson Donizeti Damasceno Professor Adjunto I DMV/EV/UFG

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplina de Hematologia Veterinária - PPGCA Prof. Dr. Adilson Donizeti Damasceno Professor Adjunto I DMV/EV/UFG"

Transcrição

1 Disciplina de Hematologia Veterinária - PPGCA Prof. Dr. Adilson Donizeti Damasceno Professor Adjunto I DMV/EV/UFG

2 INTRODUÇÃO

3 CONCEITO Evento fisiológico responsável pela fluidez do sangue e sua manutenção no interior dos vasos sanguíneos

4 MECANISMOS Hemostasia primária Hemostasia secundária Hemostasia terciária ou fibrinólise

5 MECANISMOS Hemostasia primária

6 MECANISMOS Hemostasia primária

7 MECANISMOS Hemostasia primária

8 MECANISMOS Hemostasia primária

9 MECANISMOS Hemostasia secundária

10 MECANISMOS Hemostasia secundária FIBRINA HEMÁCIAS PLAQUETAS

11 MECANISMOS Hemostasia terciária

12 MECANISMOS Elementos envolvidos Vasos sanguíneos Plaquetas Fatores de coagulação Sistema de fibrinólise

13 MECANISMOS Plaquetas (ou trombócitos) Produção

14 MECANISMOS Plaquetas (ou trombócitos) Produção

15 MECANISMOS Plaquetas (ou trombócitos) Estrutura

16 MECANISMOS Fatores de coagulação FATOR I II III IV V VII VIII IX X XI XII XIII NOMENCLATURA Fibrinogênio Protrombina Atividade plaquetária Cálcio Pró-acelerina Pró-convertina Fator anti-hemofílico Componente antitromboplástico Fator de Stuart-Prower Antecedente tromboplastínico Fator de Hageman Fator estabilizador da fibrina

17 MECANISMOS Fatores de coagulação produzidos pelo fígado FATOR I II III IV V VII VIII IX X XI XII XIII NOMENCLATURA Fibrinogênio Protrombina Atividade plaquetária Cálcio Pró-acelerina Pró-convertina Fator anti-hemofílico Componente antitromboplástico Fator de Stuart-Prower Antecedente tromboplastínico Fator de Hageman Fator estabilizador da fibrina

18 Fatores de coagulação dependentes de vitamina K MECANISMOS FATOR I II III IV V VII VIII IX X XI XII XIII NOMENCLATURA Fibrinogênio Protrombina Atividade plaquetária Cálcio Pró-acelerina Pró-convertina Fator anti-hemofílico Componente antitromboplástico Fator de Stuart-Prower Antecedente tromboplastínico Fator de Hageman Fator estabilizador da fibrina

19 MECANISMOS Cascata de coagulação

20 MECANISMOS Cascata de coagulação

21 ABORDAGEM SANGRAMENTO ESPONTÂNEO TRAUMÁTICO ANORMALIDADE HEMOSTÁTICA PRIMÁRIA ANORMALIDADE HEMOSTÁTICA SECUNDÁRIA

22 SANGRAMENTO Anormalidades hemostáticas Primárias Trombocitopenia Trombocitopatia Lesão vascular Secundária Deficiência de fatores de coagulação

23 SANGRAMENTO Anormalidades hemostáticas Primárias Petéquias Equimoses Hemorragias mucosas Epistaxe Melena Hematoquezia Hematúria Sangramento prolongado após venopuntura

24 SANGRAMENTO Anormalidades hemostáticas Primárias

25 SANGRAMENTO Anormalidades hemostáticas Primárias

26 SANGRAMENTO Anormalidades hemostáticas Primárias

27 SANGRAMENTO Anormalidades hemostáticas Secundárias Hematoma Hemorragia nas cavidades corpóreas Hemoartrose

28 SANGRAMENTO Anormalidades hemostáticas Secundárias

29 DESORDENS HEMOSTÁTICAS ANORMALIDADE HEMOSTÁTICA PRIMÁRIA CONTAGEM DE PLAQUETAS TROMBOCITOPENIA CONTAGEM NORMAL AVALIAÇÃO DA MEDULA ÓSSEA TEMPO DE SANGRAMENTO NORMAL DEPRESSÃO NORMAL ANORMAL Destruição Consumo Produção Defeito Vascular Trombocitopatia Sequestro/Perda

30 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Trombocitopenia Produção diminuída Mieloptise Drogas Fármaco anticancerígenos Estrógenos Fenilbutazona Clortiazida Destruição imunomediada de megacariócitos Insuficiência renal

31 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Trombocitopenia Destruição / Consumo Imunomediadas Sepse Drogas CID Seqüestro / Perda Endotoxinas, esplenomegalia, hepatomegalia, neoplasia, transfusão incompatível, perda massiva

32 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Trombocitopenia Destruição / Consumo Infecções virais, bacterianas e protozoárias PIF, Panleucopenia, PVC, HIC, Leptospirose e Salmonelose Babesiose, Hemobartonelose e Erliquiose Dano direto à plaqueta Adesão plaquetária ao endotélio CID Destruição imunomediada Desordens imunomediadas TCPIM e Lupus eritematoso sistêmico

33 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Trombocitopenia Perda Esplenomegalia Hepatomegalia Transfusão incompatível Perda massiva

34 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Trombocitopatia Hereditárias Doença de von Willebrand Síndrome de Chediak-Higasi em gatos persas Trombopatia trombastêmica (de Glanzmann) Trombopatia do Basset hound e Spitz

35 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Trombocitopatia Adquiridas Uremia (na insuficiência renal crônica) Fígado em estágio terminal Desordens mieloproliferativas Mielomas Autoimune

36 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Trombocitopatia Adquiridas Coagulação intravascular disseminada (CID) Drogas Aspirina Iboprofen, fenilbutazona, indometacin Sulfonamidas e penicilinas Corticosteróides

37 DESORDENS HEMOSTÁTICAS ANORMALIDADE HEMOSTÁTICA SECUNDÁRIA HISTÓRICO TEMPO DE COAGULAÇÃO FUNÇÃO HEPÁTICA TPPA/TP

38 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias Hereditárias Problemas de seleção genética Suspeitar em animais jovens Adquiridas Deficiência de vitamina K Hepatopatias CID

39 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias congênitas Hemofilia A Deficiência do FC VIII Acomete machos (cão, gato e eqüino) Sinais clínicos Hemartrose e hematomas Sangramento pelo TGI e urogenital Diagnóstico Tempo de sangramento NORMAL TP NORMAL TTPA PROLONGADO

40 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias congênitas Hemofilia A

41 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias congênitas Doença de Von Willebrand Defeito do FC VIII Descrita em 54 raças de cães Diagnóstico Tempo de sangramento PROLONGADO TP NORMAL TTPA ± PROLONGADO

42 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias congênitas Hemofilia B Deficiência do FC IX Afeta somente machos (cães e gatos) Diagnóstico TP NORMAL TTPA PROLONGADO

43 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias congênitas Outras Deficiência de fator XII Poodles, German Shorthair Pointer, Sharpei e gatos TP: NORMAL / TTPA: PROLONGADO Deficiência de fator IX Cocker Spaniel, Jack Russel Terrier TP: NORMAL / TTPA: PROLONGADO Deficiência de fator VII Beagles e outras raças TP: PROLONGADO / TTPA: NORMAL

44 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Deficiência de vitamina K Uso de antagonistas Rodenticidas (Warfarin, cumarínicos) Enfermidades gastrintestinais Deficiência de sais biliares Síndrome da Má-Absorção Pancreatite Doenças hepáticas graves

45 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Deficiência de vitamina K Uso de antagonistas warfarin Vit. K hidroquinona Vit. K epóxido CO 2 II i, VII i, IX i e X i II a, VII a, IX a e X a

46 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Deficiência de vitamina K Uso de antagonistas

47 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Deficiência de vitamina K Diagnóstico TTPA TP TP e TTPA = PROLONGADOS

48 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Doenças hepáticas Visto somente em problemas severos 50% dos gatos com lipidose hepática Diagnóstico: TP, TTP, TC : PROLONGADOS Biópsia, aspirados, citologia Testes de função hepática

49 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Coagulação Intravascular Disseminada (CID) Doença secundária de consumo Várias doenças ativam a cascata de coagulação, consumindo fatores, plaquetas e anticoagulantes naturais Principais fatores I (fibrinogênio), V e VII

50 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Coagulação Intravascular Disseminada (CID) Etiologia Lesão endotelial Eletrocussão Choque térmico Sepse Traumatismo

51 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Coagulação Intravascular Disseminada (CID) Etiologia Ativação plaquetária Infecções virais (vírus da PIF) Tromboembolismo aórtico em gatos Metimazol

52 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Coagulação Intravascular Disseminada (CID) Etiologia Liberação de pró-coagulantes tissulares Traumatismo Pancreatite Hepatopatias Infecções bacteriana Neoplasias (hemangiossarcoma) Hemólise

53 DESORDENS HEMOSTÁTICAS Coagulopatias adquiridas Coagulação Intravascular Disseminada (CID) Diagnóstico Contagem de plaquetas DIMINUÍDA Tempo de sangramento PROLONGADO TTPA/TC PROLONGADO TP PROLONGADO Fragmentos de eritrócitos podem ser vistos no esfregaço sanguíneo

54 OBRIGADO!

55 TESTES LABORATORIAIS Avaliação do esfregaço sanguíneo Identificação de grumos de plaquetas Identificar pseudotrombocitopenia Avaliação morfológica (obj. 100x) Contagem de plaquetas obj. 100x (5 campos) 1 plaqueta = 20,000/ L 10 a 20 normal 4 a 10 leve trombocitopenia < 3 severa trombocitopenia

56 TESTES LABORATORIAIS Contagem de plaquetas Métodos diretos Contagem em câmara de Neubauer Contagem automatizada (hemocitométricos) Cão 200 a 500 x 10 3 / L Gato 300 a 800 x 10 3 / L Bovino 100 a 800 x 10 3 / L Eqüino 100 a 350 x 10 3 / L

57 TESTES LABORATORIAIS Avaliação de aspirado de medula óssea

58 TESTES LABORATORIAIS Tempo de sangramento Avalia a capacidade de agregação plaquetária

59 TESTES LABORATORIAIS Tempo de sangramento Avalia a capacidade de agregação plaquetária Parâmetro de normalidade: 1 a 5 minutos

60 TESTES LABORATORIAIS Tempo de coagulação Avalia o mecanismo completo de coagulação Valores de referência Gatos: < 8 minutos Cães: < 13 minutos Bovinos: < 14 minutos

61 TESTES LABORATORIAIS Tempo de coagulação

62 TESTES LABORATORIAIS Tempo de coagulação Valores de referência Gatos: < 8 minutos Cães: < 13 minutos Bovinos: < 14 minutos

63 TESTES LABORATORIAIS Tempo de tromboplastina parcial ativada VIA INTRÍNSECA Fatores XII, XI, IX e VIII TTPA VIA EXTRÍNSECA Fator tissular e VII VIA COMUM Fatores X, V, II e I FIBRINA

64 TESTES LABORATORIAIS Tempo de protrombina VIA INTRÍNSECA Fatores XII, XI, IX e VIII TP VIA EXTRÍNSECA Fator tissular e VII VIA COMUM Fatores X, V, II e I FIBRINA

65 TESTES LABORATORIAIS Tempo de tromboplastina parcial ativada MATERIAL Plasma (100 L) Reagentes (100 L) Ativador plasmático Fosfolipídios Cloreto de cálcio (100 L)

66 TESTES LABORATORIAIS Tempo de tromboplastina parcial ativada 100 L do reagente num tubo e aquecer a 37 o C por 3

67 TESTES LABORATORIAIS Tempo de tromboplastina parcial ativada 100 L do plasma no tubo com reagente e aguardar 2

68 TESTES LABORATORIAIS Tempo de tromboplastina parcial ativada 100 L de cloreto de cálcio e deixar agir por 20

69 TESTES LABORATORIAIS Tempo de tromboplastina parcial ativada Secar externamente o tubo Realizar movimentos de inversão contínuos TTPA: 6 a 16 segundos

70 TESTES LABORATORIAIS Tempo de protrombina MATERIAL Plasma (100 L) Reagente (200 L) Ativador plasmático Cloreto de cálcio

71 TESTES LABORATORIAIS Tempo de protrombina 200 L do reagente num tubo de vidro 200 L do plasma teste 37 o C 3 minutos

72 TESTES LABORATORIAIS Tempo de protrombina 100 L de plasma no tubo do reagente Iniciar a contagem de tempo

73 TESTES LABORATORIAIS Tempo de protrombina Realizar movimentos contínuos de inversão Observar a formação de fibrina TP: 6 a 10 segundos

Avaliação da Hemostasia

Avaliação da Hemostasia Avaliação da Hemostasia Plaquetas Produção : medula óssea Megacariócito plaquetas circulantes Remoção: baço, medula óssea e fígado Meia vida das plaquetas 5 a 6 dias Plaquetas - Funções Hemostasia e trombose

Leia mais

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO. Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba 1.Petéquias: DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO O PACIENTE QUE SANGRA alteração dos vasos ou plaquetas 2.Equimoses, melena, hematúria, hematêmese,

Leia mais

Plaquetas 1) CARACTERÍSTICAS DAS PLAQUETAS 10/4/2017. Thais Schwarz Gaggini. 1) Características das plaquetas; 2) Função; 3) Trombocitopoiese;

Plaquetas 1) CARACTERÍSTICAS DAS PLAQUETAS 10/4/2017. Thais Schwarz Gaggini. 1) Características das plaquetas; 2) Função; 3) Trombocitopoiese; Plaquetas Thais Schwarz Gaggini Médica Veterinária, Msc., Dra. CONTEÚDOS DE AULA 1) Características das plaquetas; 2) Função; 3) Trombocitopoiese; 4) Hemostasia; 5) Alterações da hemostasia; 1) CARACTERÍSTICAS

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA HEMOSTASIA Disciplina LCV UESP Araçatuba Prof.Adjunto Paulo César Ciarlini MEGACARIOPOESE IL-3; IL-6; G-CSF; GM-CSF HEMOSTASIA Vaso + Plaquetas + Fatores de Coagulação Fibrinogênio

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO HEMOSTASIA 1- Componente Vascular Endotélio íntegro: impede a adesão das plaquetas Lesão Vascular: Vasoconstrição mediada por via reflexa (reduz o fluxo

Leia mais

Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural Thaizza Correia

Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural Thaizza Correia Hemostasia: Princípios Gerais Liga de Hematologia da Bahia Aula Inaugural 2012.2 Thaizza Correia Princípios Gerais Limita a perda de sangue interações da parede vascular, plaquetas e proteínas plasmáticas

Leia mais

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA & COAGULAÇÃO Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA Fenômeno fisiológico, dinâmico: mantém o sangue fluido no interior dos vasos e impede sua saída para os tecidos(trombose e hemorragia)

Leia mais

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA

SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA SANGUE PLAQUETAS HEMOSTASIA Fisiologia Molecular BCT 2S/2011 Universidade Federal de São Paulo EPM/UNIFESP DISTÚRBIOS RELACIONADOS ÀS HEMÁCEAS CASO 1: Paciente portador de úlcera péptica Diagnóstico: Anemia

Leia mais

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO À HEMOSTASIA Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Hemostasia A hemostasia compreende as interações que ocorrem

Leia mais

Distúrbios da Coagulação

Distúrbios da Coagulação Distúrbios da Coagulação Hemofilias HEMOFILIAS Doenças hemorrágicas resultantes da deficiência quantitativa e/ou qualitativa do fator VIII ou fator IX da coagulação Genética (cromossomo X) / adquirida

Leia mais

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular.

19 de Agosto de Professor Fernando Pretti. Hemostasia. Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. 19 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Hemostasia Definição É a interrupção da hemorragia no local da lesão vascular. Deve-se inibir a trombose fora do local da lesão vascular. Hemostasia é o

Leia mais

I Curso de Choque Faculdade de Medicina da UFMG INSUFICIÊNCIA DE MÚLTIPLOS ÓRGÃOS MODS

I Curso de Choque Faculdade de Medicina da UFMG INSUFICIÊNCIA DE MÚLTIPLOS ÓRGÃOS MODS I Curso de Choque Faculdade de Medicina da UFMG INSUFICIÊNCIA DE MÚLTIPLOS ÓRGÃOS MODS Alterações Hematológicas Anatomia. Circulação. Distribuição. Função. Adaptação x Disfunção. Alterações Hematológicas

Leia mais

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA Profª Tatiani UNISALESIANO PROCESSO DE HEMOSTASIA- COAGULAÇÃO DO SANGUE Toda vez que ocorre ferimento e extravasamento de sangue dos vasos, imediatamente são desencadeados

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Classificação dos distúrbios hemorrágicos Distúrbios vasculares

Leia mais

HEMOFILIAS E TROMBOSE. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes

HEMOFILIAS E TROMBOSE. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes HEMOFILIAS E TROMBOSE Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.probio.com.br Hemofilia Doença de origem genética caracterizada pela diminuição ou ausência de determinados fatores de coagulação

Leia mais

Trombocitopenia induzida pela heparina

Trombocitopenia induzida pela heparina Trombocitopenia induzida pela heparina Novembro 2012 ULSM Hospital Pedro Hispano, Matosinhos Distinguir Terapêutica curta duração: Profilática Emergência Heparina via parentérica Heparinas baixo peso molecular

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2014 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS - São caracterizadas por alterações

Leia mais

PLAQUETOPENIA: INVESTIGAÇÃO ETIOLÓGICA E MANEJO CLÍNICO

PLAQUETOPENIA: INVESTIGAÇÃO ETIOLÓGICA E MANEJO CLÍNICO PLAQUETOPENIA: INVESTIGAÇÃO ETIOLÓGICA E MANEJO CLÍNICO Dra. Fernanda de Oliveira Dra. Fabiana S. Ghaname Lanche Clínico 25 de agosto de 2010 GRUPAC - Hematologia DEFINIÇÕES Contagem de plaquetas em um

Leia mais

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral TROMBOCITOPATIAS. OLIVEIRA, Gustavo Henrique Rodrigues

Ano VII Número 12 Janeiro de 2009 Periódicos Semestral TROMBOCITOPATIAS. OLIVEIRA, Gustavo Henrique Rodrigues TROMBOCITOPATIAS OLIVEIRA, Gustavo Henrique Rodrigues Dicente da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça / SP FAMED/ ACEG SACCO, Soraya Regina ZAPPA, Vanessa Docentes do curso de Medicina Veterinária

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA. Data criação: 22/02/2010 Data aprovação: 31/05/2012. Numero da versão: 03 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo de EDTA Temperatura ambiente, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C Tempo de Protrombina

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA LABORATÓRIO DE HEMOSTASIA - 1º andar Sala 57 - Fone 3061 5544 PABX. 6099 - Ramal 332-287 - 202 Tempo de Sangramento IVY (NÃO ESTÁ SENDO REALIZADO) Vide observação. Contagem de Plaquetas (manual) 1 tubo

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Quando se suspeita de insuficiência hepática

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Contagem de Plaquetas (manual) Temperatura, até 5 horas da coleta. Para 24 horas, armazenar a 4 C De 2ª à 6ª feira das 07hs às 15hs. Tempo de Protrombina (TP) Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado (TTPA)

Leia mais

COAGULOGRAMA HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA

COAGULOGRAMA HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA E EXAMES RELACIONADOS HEMOSTASIA HEMOSTASIA E EAMES CORRELACIONADOS HEMOSTASIA E EAMES RELACIONADOS Hemostasia Sistema vascular Sistema plaquetário Coagulação Sanguinea Sistema fibrinolítico Exames rotineiros que avaliam a hemostasia

Leia mais

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS INTRODUÇÃO As plaquetas sangüíneas são derivadas dos megacariócitos localizados na medula óssea. São produzidas pela fragmentação do citoplasma da célula de origem,

Leia mais

Abordagem laboratorial da resposta inflamatória Parte I I. Prof. Adjunto Paulo César C atuba

Abordagem laboratorial da resposta inflamatória Parte I I. Prof. Adjunto Paulo César C atuba Abordagem laboratorial da resposta inflamatória Parte I I Prof. Adjunto Paulo César C Ciarlini LCV UNESP Araçatuba atuba Ciarlini@fmva.unesp.br OUTRAS ALTERAÇÕES DO LEUCOGRAMA LINFÓCITO Causas de Linfocitose

Leia mais

Transfusão Em Cirurgia

Transfusão Em Cirurgia Transfusão Em Cirurgia Dante Mário Langhi Jr Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo 2006 Transfusão em Cirurgia Lesões traumáticas - importante causa de morte entre 1 e 44 anos de idade

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DANIEL MERCANTE

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DANIEL MERCANTE DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DANIEL MERCANTE HEMOSTASIA - Primária - Secundária - Sistema fibrinolítico e inibidores da coagulação AVALIAÇÃO CLÍNICA - Anamnese - Exame físico - Exames laboratoriais DISTÚRBIOS

Leia mais

1. Participante do projeto, Departamento de Saúde, Universidade Estadual de Feira de Santana,

1. Participante do projeto, Departamento de Saúde, Universidade Estadual de Feira de Santana, 1271 AVALIAÇÃO DO PERFIL CLÍNICO E DAS PROVAS DE COAGULAÇÃO DOS INDIVÍDUOS ATENDIDOS NAS CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Hélder Lamuel Almeida Mascarenhas Sena 1 ; Marianne

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS - São caracterizadas por alterações

Leia mais

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA

HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Departamento de Fisiologia e Farmacologia HEMOSTASIA E COAGULAÇÃO SANGUÍNEA NEA Davi Matthews Jucá Hemostasia Hemostasia: (Do gr. Haimostasis) Ação ou

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA

Leia mais

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina O SANGUE HUMANO Professora Catarina SANGUE Principais funções: Transportar O 2 e nutrientes a todas as células do corpo; Recolher CO 2 e excreções; Transportar hormônios; Proteger o corpo contra a invasão

Leia mais

HEMORRAGIA Mecanismos Per rexis: ruptura Per diabrosis: corrosão Per diapedesis: aumento de permeabilidade

HEMORRAGIA Mecanismos Per rexis: ruptura Per diabrosis: corrosão Per diapedesis: aumento de permeabilidade HEMORRAGIA Saída de sangue do interior dos vasos para o interstício, cavidades ou exterior do organismo HEMORRAGIA Mecanismos Per rexis: ruptura Per diabrosis: corrosão Per diapedesis: aumento de permeabilidade

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA

EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA Graduação em Odontologia Disciplina: Semiologia 3 o e 4 o Períodos EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA Parte 1 Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 EXAMES COMPLEMENTARES

Leia mais

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários

Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários Fármacos Anticoagulantes, Trombolíticos e Antiplaquetários COAGULAÇÃO SANGUÍNEA A coagulação sanguínea trata-se de uma serie de castas enzimáticas que vão se ativando gradativamente e aumentando os fatores

Leia mais

Aulas e discussão dos casos.

Aulas e discussão dos casos. Aulas e discussão dos casos http://hematofmusp.weebly.com Hematologia Clínica Objetivos do curso Sintomas e Sinais Clínicos História e Exame Físico O que não está funcionando no Sistema Raciocínio Clínico

Leia mais

HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

HEMOSTASIA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria HEMOSTASIA Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria HEMOSTASIA PRIMÁRIA Divisões da hemostasia primária alteração no calibre

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO Maria Francielze Holanda Lavor As síndromes hemorrágicas no período neonatal podem resultar de alterações no mecanismo hemostático como integridade dos vasos sanguíneos,

Leia mais

Avaliação Hematológica, Interpretação e Importância em Nutrição

Avaliação Hematológica, Interpretação e Importância em Nutrição Interpretação de Exames Laboratoriais Aplicados à Nutrição Clínica Avaliação Hematológica, Interpretação e Importância em Nutrição Prof. Marina Prigol 55% plasma 45% celulas: 99% Eritrócitos

Leia mais

UNIDADE IV: Distúrbios circulatórios e hemodinâmicos

UNIDADE IV: Distúrbios circulatórios e hemodinâmicos 1 UNIDADE IV: Distúrbios circulatórios e hemodinâmicos HIPEREMIA E CONGESTÃO Definição: hiperemia e congestão se referem ao aumento de volume de sangue em um tecido deixando os vasos sangüíneos (capilares)

Leia mais

Hemotransfusões em Terapia Intensiva. Sidney Maciel dos Santos Rosa

Hemotransfusões em Terapia Intensiva. Sidney Maciel dos Santos Rosa Hemotransfusões em Terapia Intensiva Sidney Maciel dos Santos Rosa Em terapia intensiva Nº elevado de transfusões 50% 2-3 concentrados/ semana 0,2 a 0,4 concentrados de hemácias/dia Critérios empíricos

Leia mais

Abordagem do paciente com história hemorrágica e exames laboratoriais normais. Samuel de Souza Medina Hematologista Universidade Estadual de Campinas

Abordagem do paciente com história hemorrágica e exames laboratoriais normais. Samuel de Souza Medina Hematologista Universidade Estadual de Campinas Abordagem do paciente com história hemorrágica e exames laboratoriais normais Samuel de Souza Medina Hematologista Universidade Estadual de Campinas Declaração de Conflito de Interesse Declaro que possuo

Leia mais

Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético. Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson

Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético. Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson Farmacoterapia do Sistema Hematopoiético Prof. Dr. Marcelo Polacow Bisson Aspectos Importantes da Coagulação São três os fatores importantes para coagulação: Parede do vaso Atividade plaquetária Fatores

Leia mais

Principais Doenças do Sistema Hematológico

Principais Doenças do Sistema Hematológico Principais Doenças do Sistema Hematológico Medula Óssea Sangue é um tecido conjuntivo liquido, responsável por carrear nutrientes e oxigênio por todo corpo. Em um adulto o volume total de sangue é 5,5

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 20

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 20 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 20 QUESTÃO 17 As plaquetopenias podem ter causas adquiridas (como a Púrpura Trombocitopênica, Coagulopatia de consumo) ou hereditárias. Das hereditárias, um exemplo

Leia mais

HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão

HEMOSTASIA. é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão HEMOSTASIA HEMOSTASIA é o processo no qual o organismo mantém o sangue fluído, solidificando-o quando existe lesão Fatores envolvidos -vasos sanguíneos -plaquetas -fatores prócoagulantes plásmaticos -agentes

Leia mais

TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO

TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO TECIDO HEMATOPOIÉTICO E SANGUÍNEO CARACTERÍSTICAS Denomina-se hematopoiese o processo de formação dos elementos figurados do sangue; A hematopoiese antes do nascimento ocorre no saco vitelínico do embrião

Leia mais

COLETA, CONSERVAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE AMOSTRAS DESTINADAS AO COAGULOGRAMA PONTOS CRÍTICOS PRÉ-ANALÍTICOS NO DIAGNÓSTICO DE DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO

COLETA, CONSERVAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE AMOSTRAS DESTINADAS AO COAGULOGRAMA PONTOS CRÍTICOS PRÉ-ANALÍTICOS NO DIAGNÓSTICO DE DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO COLETA, CONSERVAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE AMOSTRAS DESTINADAS AO COAGULOGRAMA PONTOS CRÍTICOS PRÉ-ANALÍTICOS NO DIAGNÓSTICO DE DISTÚRBIOS DE COAGULAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Os exames de coagulação são amplamente

Leia mais

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki

Plaquetas e hemostasia. Cláudia Minazaki Plaquetas e hemostasia Cláudia Minazaki Plaquetas Corpúsculos anucleados em forma de disco Derivados dos MEGACARIÓCITOS (fragmentos citoplasmáticos) Plaquetas Funções: Manutenção da integridade vascular

Leia mais

www.saudedireta.com.br D50-D89 CAPÍTULO III : Doenças do sangue e dos órgãos Hematopoéticos e alguns transtornos imunitários D50.0 Anemia por deficiência de ferro secundária à perda de sangue (crônica)

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Jair FUNÇÕES Transporte de gases dos pulmões aos tecidos e dos tecidos aos pulmões Transporte dos nutrientes das vias digestivas aos tecidos Transporte de toxinas Distribuição

Leia mais

ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO AC&T NATALIA ARAUJO VIEIRA PLAQUETAS, UMA BREVE REVISÃO

ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO AC&T NATALIA ARAUJO VIEIRA PLAQUETAS, UMA BREVE REVISÃO ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO AC&T NATALIA ARAUJO VIEIRA PLAQUETAS, UMA BREVE REVISÃO Itapetininga-SP 2016 1. Introdução As plaquetas, também denominadas trombócitos, são fragmentos

Leia mais

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO

TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO TECIDO HEMATOPOIETICO E SANGUÍNEO CARACTERÍSTICAS O sangue é o único tecido conjuntivo líquido do copo; Funções: + Transporte (O 2, CO 2, nutrientes, resíduos, hormônios); + Regulação (ph, temperatura,

Leia mais

AS VANTAGENS DO NOVO MODELO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO BASEADO NAS SUPERFÍCIES CELULARES

AS VANTAGENS DO NOVO MODELO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO BASEADO NAS SUPERFÍCIES CELULARES AS VANTAGENS DO NOVO MODELO DA CASCATA DE COAGULAÇÃO BASEADO NAS SUPERFÍCIES CELULARES Rassan Dyego Romão Silva, Antonio Jose Dias Martins e Bruna Rezende Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS Coerências das solicitações; Associar a fisiopatologia; Correlacionar os diversos tipos de exames; A clínica é a observação

Leia mais

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ

COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO. Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ COAGULOPATIAS NO PACIENTE ONCOLÓGICO Dra Carmen Helena Vasconcellos Hospital Veterinário Botafogo - RJ HEMOSTASIA Conjunto de mecanismos que visa manter a fluidez do sangue no interior dos vasos no sistema

Leia mais

Aula: Histologia II. Sangue e linfa. Funções de hemácias, plaquetas e leucócitos.

Aula: Histologia II. Sangue e linfa. Funções de hemácias, plaquetas e leucócitos. Sangue e linfa. Funções de hemácias, plaquetas e leucócitos. PROFESSORA: Brenda Braga DATA: 10/04/2014 7. Tecidos Conjuntivos de Transporte 7.1. Sangue Centrifugação 55 % Plasma 45 % Elementos figurados

Leia mais

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO Mônica H. C. Fernandes de Oliveira Conceito A hemostasia é o processo fisiológico responsável pela manutenção do sangue em estado líquido e a integridade do envelope vascular.

Leia mais

PATOLOGIA DA MEDULA ÓSSEA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria

PATOLOGIA DA MEDULA ÓSSEA. Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria PATOLOGIA DA MEDULA ÓSSEA Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Lesões Alterações degenerativas Alterações inflamatórias

Leia mais

EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA

EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA Disciplina: Semiologia EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 EXAMES COMPLEMENTARES NA ODONTOLOGIA Os exames complementares fornecem

Leia mais

Felipe Rosa Gabriela Dourado

Felipe Rosa Gabriela Dourado Felipe Rosa Gabriela Dourado DISTÚRBIOS PLAQUETÁRIOS: Desordem da função plaquetária Desordem numérica (VR: 150.000 a 450.000/mm³) Trombocitopenia Trombocitose 1 Possui cinco mecanismos distintos: 1. Pseudotrombocitopenia

Leia mais

GABARITO RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 2018 PROVA DISCURSIVA PRÉ-REQUISITO R3 TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA (307)

GABARITO RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 2018 PROVA DISCURSIVA PRÉ-REQUISITO R3 TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA (307) QUESTÃO 01) Trombocitopenia da gravidez (TG) OU trombocitopenia incidental da gravidez; Púrpura trombocitopênica imunológica (PTI); Trombocitopenia espúria OU erro laboratorial; Doença de von Willebrand;

Leia mais

Fisiologia das Plaquetas

Fisiologia das Plaquetas Fisiologia das Plaquetas Definição Funções Origem/Formação = Trombocitopoese Estrutura: 4 regiões Não Activadas e Activadas Participação na Hemostase Caso: Plasma Rico em Plaquetas Componentes do Sangue

Leia mais

A N E M I A S H E M O L Í T I C A S

A N E M I A S H E M O L Í T I C A S ANEMIAS HEMOLÍTICAS INTRAGLOBULARES OU INTRÍNSECAS DIVISÃO EXTRAGLOBULARES OU EXTRÍNSECAS INTRAGLOBULARES HEREDITÁRIAS DEFEITOS DE MEMBRANA DEFEITOS ENZIMÁTICOS DEFEITOS DE HEMOGLOBINA ESFEROCITOSE ELIPTOCITOSE

Leia mais

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS HEMATOLOGIA. 22. Com relação aos basófilos, marque a alternativa ERRADA:

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS HEMATOLOGIA. 22. Com relação aos basófilos, marque a alternativa ERRADA: 2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS HEMATOLOGIA 21. Os plasmócitos são originados: a) Dos linfócitos T. b) Dos linfócitos B. c) Do baço. d) Do fígado. 22. Com relação aos basófilos, marque a alternativa

Leia mais

Avaliação Laboratorial da Hemostasia. Silmara Montalvão Farmacêutica Bioquímica Laboratório de Hemostasia - Hemocentro Unicamp

Avaliação Laboratorial da Hemostasia. Silmara Montalvão Farmacêutica Bioquímica Laboratório de Hemostasia - Hemocentro Unicamp Avaliação Laboratorial da Hemostasia Silmara Montalvão Farmacêutica Bioquímica Laboratório de Hemostasia - Hemocentro Unicamp Sumário Integridade da amostra e variabilidade pré-analítica Principais exames

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO

CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Hematologia Clínica Código: FAR - 121 Pré-requisito: Sem pré-requisitos Período

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Idiopática ( PTI ) em crianças

Púrpura Trombocitopênica Idiopática ( PTI ) em crianças Púrpura Trombocitopênica Idiopática ( PTI ) em crianças Conceito Doença hematológica freqüente que se caracteriza pela produção de auto-anticorpos dirigidos contra glicoproteínas da membrana plaquetária

Leia mais

Faculdade de Medicina. Bioquímica I

Faculdade de Medicina. Bioquímica I Faculdade de Medicina Bioquímica I Aprofundar conhecimentos acerca da composição química do sangue Determinar o Hematócrito INTRODUÇÃO O sangue é constituído por plasma e células sanguíneas, de entre as

Leia mais

Patrícia Ferreira, EV Banco de Sangue Veterinário

Patrícia Ferreira, EV Banco de Sangue Veterinário Patrícia Ferreira, EV Banco de Sangue Veterinário 16/06/2012 O sangue é um fluido corporal composto por uma fracção sólida (celular), em suspensão num líquido (plasma) Sangue Sólido Eritrócitos, Leucócitos,

Leia mais

03/08/2016. Patologia Clínica e Análises Laboratoriais Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo

03/08/2016. Patologia Clínica e Análises Laboratoriais Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo 2 3 4 5 6 Patologia Clínica e Análises Laboratoriais Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Especialidade médica Exames complementares Análise: Sangue; Urina; Líquor; Liquído peritoneal; Etc... Hematologia

Leia mais

Fluidoterapia. Vias de Administração. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Enteral Via oral Via intra retal

Fluidoterapia. Vias de Administração. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Enteral Via oral Via intra retal Vias de Administração Enteral Via oral Via intra retal Parenteral Via Subcutânea Via Intramuscular Via endovenosa Via Intra Óssea Via Intra Cardíaca Via Intra Traqueal Via Epidural Via Subaracnóidea Via

Leia mais

ANEMIAS: CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

ANEMIAS: CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL ANEMIAS: CLASSIFICAÇÃO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Ana Lúzia Schriefer INTRODUÇÃO Anemia manifestação comum a diversas doenças demandando INVESTIGAÇÃO Em algumas situações caracteriza-se como problema de

Leia mais

18/08/2016. Anemia e Policitemia Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo

18/08/2016. Anemia e Policitemia Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo 1 Anemia e Policitemia Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo 2 3 4 5 Principais achados clínicos Mucosas pálidas Fraqueza e apatia Taquicardia Sopro sistólico Polipnéia Hipersensibilidade ao frio Choque (perda

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS PARTE 2 Disciplina: Patologia Geral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

Leia mais

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias

Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses. púrpuras vasculares ou plaquetárias. Fase de coagulação e fibrinólise: coagulopatias DOENÇAS HEMORRÁGICAS INTRODUÇÃO Alterações mecanismo sangramentos ou hemostático tromboses Fase primária da hemostasia: púrpuras (alteração dos vasos ou plaquetas) púrpuras vasculares ou plaquetárias Fase

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE

ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE VetinLab ORIENTAÇÕES PARA COLETA ACONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS DE SANGUE PADRONIZAÇÃO DE TUBOS E COLETORES Como os resultados obtidos pelo laboratório são, em boa parte, consequência da qualidade das amostras

Leia mais

Sangue O primeiro aspecto a ser verificado, em uma análise quantitativa e qualitativa do meio onde esse fluxo é gerado, caracteriza-se na verificação

Sangue O primeiro aspecto a ser verificado, em uma análise quantitativa e qualitativa do meio onde esse fluxo é gerado, caracteriza-se na verificação Sangue A função básica do sistema cardiovascular é comunicação das células entre si, produzindo um fluxo, e com o meio externo, havendo uma integração com os sistemas respiratório, renal e digestivo. Sangue

Leia mais

DESENVOLVIMENTO CARDIOVASCULAR PARTE II PROFª ME. TATIANE DA SLVA POLÓ

DESENVOLVIMENTO CARDIOVASCULAR PARTE II PROFª ME. TATIANE DA SLVA POLÓ DESENVOLVIMENTO CARDIOVASCULAR PARTE II PROFª ME. TATIANE DA SLVA POLÓ CIRCULAÇÃO NO CORAÇÃO PRIMITIVO Inicialmente = circulação tipo fluxo e refluxo final da quarta semana = fluxo unidirecional = contrações

Leia mais

GABARITO APÓS RECURSO 02. E 12. B 03. B 13. A 05. A 15. D 06. C 16. A 07. C 17. B 08. D 18. D 09. A 19. E 10. D 20. D

GABARITO APÓS RECURSO 02. E 12. B 03. B 13. A 05. A 15. D 06. C 16. A 07. C 17. B 08. D 18. D 09. A 19. E 10. D 20. D FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ÁREA PROFISSIONAL DA SAÚDE EM SAÚDE ANIMAL E COLETIVA EDITAL N.º 01/2016 GABARITO APÓS RECURSO 01. ANULADA 11. D 02. E 12. B 03. B 13. A 04. ANULADA 14.

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS PLASMÁTICOS DE TRANSAMINASES E O TEMPO DE PROTROMBINA EM PACIENTES COM LITÍASE BILIAR

CORRELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS PLASMÁTICOS DE TRANSAMINASES E O TEMPO DE PROTROMBINA EM PACIENTES COM LITÍASE BILIAR CORRELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS PLASMÁTICOS DE TRANSAMINASES E O TEMPO DE PROTROMBINA EM PACIENTES COM LITÍASE BILIAR Stephanie Martins Ferreira Bandeira, Faculdade Leão Sampaio, stephaniemartins_13@hotmail.com

Leia mais

Plaquetopenia. Felippe Schirmer

Plaquetopenia. Felippe Schirmer Recapitulando... Plaquetopenia Felippe Schirmer plaquetopenia iniciar com investigação para anemia plaquetas< 150.000 e maisde 3 meses de idade anemia e trombocitopenia hemograma e esfregaço de sangue

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação hematológica em cães errantes da região urbana de Maringá-PR

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação hematológica em cães errantes da região urbana de Maringá-PR PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação hematológica em cães errantes da região urbana de Maringá-PR Rejane Machado Cardozo 1, Raquel Reis 1, Maria José Baptista Barbosa 1, Camila

Leia mais

DEFICIÊNCIA DE FATOR XI, ATUALIZAÇÃO SOBRE UMA SÍNDROME HEMORRÁGICA RARA. Larissa Carrasco a, Marco Aurélio Ferreira Federige a

DEFICIÊNCIA DE FATOR XI, ATUALIZAÇÃO SOBRE UMA SÍNDROME HEMORRÁGICA RARA. Larissa Carrasco a, Marco Aurélio Ferreira Federige a DEFICIÊNCIA DE FATOR XI, ATUALIZAÇÃO SOBRE UMA SÍNDROME HEMORRÁGICA RARA. Larissa Carrasco a, Marco Aurélio Ferreira Federige a a Faculdades Metropolitanas Unidas - FMU RESUMO A deficiência de fator XI

Leia mais

MÔNICA BOTKE OLDRA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO E NA PREVENÇÃO DAS HEMARTROSES EM HEMOFÍLICOS: REVISÃO SISTEMÁTICA

MÔNICA BOTKE OLDRA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO E NA PREVENÇÃO DAS HEMARTROSES EM HEMOFÍLICOS: REVISÃO SISTEMÁTICA MÔNICA BOTKE OLDRA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO E NA PREVENÇÃO DAS HEMARTROSES EM HEMOFÍLICOS: REVISÃO SISTEMÁTICA Cascavel 2003 MÔNICA BOTKE OLDRA ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO

Leia mais

Anticoagulação no ciclo. Adolfo Liao

Anticoagulação no ciclo. Adolfo Liao Anticoagulação no ciclo gravídico-puerperal Adolfo Liao Agenda Razão de mortalidade materna (óbitos maternos / 100.000 NV) Sistema de Informações sobre Mortalidade Mortalidade Materna OMS, 2014 embolia

Leia mais

Peculiaridades do Hemograma. Melissa Kayser

Peculiaridades do Hemograma. Melissa Kayser Peculiaridades do Hemograma Melissa Kayser melissa.kayser@ifsc.edu.br Introdução Simplicidade Baixo custo Automático ou manual Muita informação Introdução eritrócitos Componentes celulares plaquetas linfócitos

Leia mais

SANGUE E COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA

SANGUE E COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA SANGUE E COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA. SANGUE O sangue humano é constituído por um líquido amarelado, o plasma, e por células e pedaços de células, genericamente denominados elementos figurados.

Leia mais

ORGANIZADOR. Página 1 de 9

ORGANIZADOR. Página 1 de 9 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 0 TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA (R) / 0 PROVA DISCURSIVA Página de 9 RESIDÊNCIA MÉDICA UERJ 0 TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA (R) / 0 PROVA DISCURSIVA HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA ) Homem

Leia mais

João Carlos de Campos Guerra, Dirceu Hamilton Cordeiro Campêlo

João Carlos de Campos Guerra, Dirceu Hamilton Cordeiro Campêlo TROMBOCITOPENIAS E TROMBOCITOPATIAS João Carlos de Campos Guerra, Dirceu Hamilton Cordeiro Campêlo INTRODUÇÃO O desenvolvimento da medicina nos últimos anos impôs a realização do hemograma como exame de

Leia mais

Farmacoterapia aplicada em grupos alvo. Profa. Fernanda Datti

Farmacoterapia aplicada em grupos alvo. Profa. Fernanda Datti armacoterapia aplicada em grupos alvo Profa. ernanda Datti atores associados com variação na resposta farmacológica Idade Gravidez Doença Idade Recém-nascidos: menos de 1 mês Bebês: 1 mês a 1 ano. Crianças:

Leia mais

Anemia x agentes infecciosos ANEMIA HEMOLÍTICA. Manifestações clínicas. Anemia hemolítica imunomediada. Anemia hemolítica imunomediada

Anemia x agentes infecciosos ANEMIA HEMOLÍTICA. Manifestações clínicas. Anemia hemolítica imunomediada. Anemia hemolítica imunomediada Anemia x agentes infecciosos Sykes, 2014 ANEMIA HEMOLÍTICA IMUNOMEDIADA Profa Regina Takahira FMVZ Unesp - Botucatu Anemia por perda de sangue Anemia da inflamação Anemia por hipoplasia medular Anemias

Leia mais

Sangue. Características. Vermelho vivo/ vermelho azulado escuro; (4/6 litros); Ph 7,35 a 7,45; Viscosidade 3 a 5 vezes maior que água;

Sangue. Características. Vermelho vivo/ vermelho azulado escuro; (4/6 litros); Ph 7,35 a 7,45; Viscosidade 3 a 5 vezes maior que água; Sangue Características Tecido conjuntivo; Vermelho vivo/ vermelho azulado escuro; Quantidade varia dependente do tamanho do corpo, sexo e idade (4/6 litros); Ph 7,35 a 7,45; Viscosidade 3 a 5 vezes maior

Leia mais

Avaliação Nutricional - Profa. Raquel Simões

Avaliação Nutricional - Profa. Raquel Simões IEL - hematologia Profa. Raquel 1 S 2 1 3 Componentes do sangue Plasma - Água - Íons - Proteinas - Carboidratos - Gorduras - Vitaminas - Hormônios -Enzimas Células - Células vermelhas (Eritrócitos) - Células

Leia mais

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI.

DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO. História familiar: coagulopatias (hemofilia A e B), PTI. DISTÚRBIOS HEMORRÁGICOS DO RECÉM-NASCIDO Podem resultar de alterações no mecanismo hemostático como integridade dos vasos sanguíneos, plaquetas e fatores de coagulação. DIAGNÓSTICO CLÍNICO Baseia-se na

Leia mais

HEMOSTASIA. Prof. Rafael Fighera, Méd. Vet., Me., Dr., Membro CBPA

HEMOSTASIA. Prof. Rafael Fighera, Méd. Vet., Me., Dr., Membro CBPA HEMOSTASIA A hemostasia compreende as interações que ocorrem entre os vasos sanguíneos, as plaquetas e os fatores de coagulação, a fim de que após algum dano vascular o sangue não seja perdido para fora

Leia mais

Hematologia Geral. Anemias Classificação Morfológica das Anemias NORMOCÍTICAS MICROCÍTICAS E E MACROCÍTICAS NORMOCRÔMICAS HIPOCRÔMICAS SIDEROBLÁSTICA

Hematologia Geral. Anemias Classificação Morfológica das Anemias NORMOCÍTICAS MICROCÍTICAS E E MACROCÍTICAS NORMOCRÔMICAS HIPOCRÔMICAS SIDEROBLÁSTICA Anemias Microcíticas e Hipocrômicas. Anemias Classificação Morfológica das Anemias ANEMIAS VCM HCM CHCM ANEMIAS NORMOCÍTICAS MICROCÍTICAS E E MACROCÍTICAS NORMOCRÔMICAS HIPOCRÔMICAS HEMOLÍTICA NÃO HEMOLÍTICA

Leia mais

O Paciente com Manifestações Hemorrágicas

O Paciente com Manifestações Hemorrágicas capítulo O Paciente com Manifestações Hemorrágicas Elbio Antonio D Amico Patrícia Lima Junqueira INTRODUÇÃO Com frequência, ao hematologista é solicitada a avaliação de pacientes com manifestações hemorrágicas,

Leia mais

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27

parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 Sumário parte 1 estratégia básica e introdução à patologia... 27 1 Terapêutica: estratégia geral... 29 terminologia de doenças... 29 História do caso... 34 Disposição do fármaco... 39 Seleção do fármaco...

Leia mais