UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA REABILITAÇÃO ESTÉTICA - FUNCIONAL UTILIZANDO COROAS DE ALUMINA RELATO DE CASO RICARDO HOLANDA ALVES Manaus,

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA RICARDO HOLANDA ALVES REABILITAÇÃO ESTÉTICA - FUNCIONAL UTILIZANDO COROAS DE ALUMINA RELATO DE CASO Monografia apresentada à Disciplina de TCC II da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Amazonas, como requisito parcial para obtenção do título de Cirurgião-Dentista. Orientadora: Profª. Carina Toda. Manaus,

3 RICARDO HOLANDA ALVES REABILITAÇÃO ESTÉTICA - FUNCIONAL UTILIZANDO COROAS DE ALUMINA RELATO DE CASO Monografia apresentada à Disciplina de TCC II da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Amazonas, como requisito parcial para obtenção do título de Cirurgião-Dentista. Aprovado em 10 de novembro de BANCA EXAMINADORA Orientadora: Profª. Msc. Carina Toda UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Prof : Msc. Leandro Moura Martins UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Prof : Dr. Eudes Francisco da Silva Cunha UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS 3

4 AGRADECIMENTOS Ao Senhor Jesus, que várias vezes fez milagres na minha vida, suprindo minhas necessidades tanto financeiras quanto emocional e ouvindo minhas orações pedindo forças para continuar nessa caminhada. A Ele toda a honra, toda glória e todo louvor. Sem Jesus seria muito difícil ou até impossível conquistar essa vitória que muitos não tiveram oportunidade de trilhar, por isso Senhor Jesus, eu te amo! À minha esposa Daiandra que desde o início da faculdade esteve ao meu lado dando carinho e atenção dividindo as minhas aflições e desânimos. Como é bom ter alguém pra dividir todas as coisas! Amo você! O melhor presente que Deus me deu aqui na terra foi você! Aos meus pais, Francisco e Antônia, muito do que eu tenho e sou devo a eles, principalmente o meu caráter que moldaram em mim. Agradeço a minha mãe por cuidar de tudo na minha vida, nos momentos de dificuldades sempre me apoiou com palavras. Por isso e por muito mais a minha mãe é a melhor do mundo! O meu pai é o dos meus maiores exemplos de caráter e integridade, sem contar pela sua bela história de vida sendo um exemplo de superação e determinação, obrigado por tudo, amo-te! Aos meus irmãos, Stanley, Stênio, Franklin, Junior e Smith pelo carinho e cuidado, sendo eu o mais novo entre todos, devo muito a vocês. Meus queridos, amo todos vocês. Aqui meu agradecimento especial ao Stênio, que foi um grande pai nessa caminhada servindo como um grande exemplo de vida! Obrigado pelo carinho e por ser o maior empreendedor desse sonho, mano, eu sei que nunca poderei pagar o que você 4

5 proporcionou nesse meu crescimento tanto como homem quanto profissional, aqui fica o meu carinho e minha gratidão. Ao Franklin que é um grande amigo e que mesmo morando distante sempre me abençoou como podia. Mano, muito obrigado, nunca vou esquecer-me disso... Amo muito você! A minha orientadora e Doutoranda Carina Toda pelo seu exemplo de profissionalismo, responsabilidade, pela substancial ajuda nesse momento de grande realização, mesmo com toda tarefa diária como professora, mãe e doutoranda, sempre esteve disposta a me orientar, mesmo nos momentos de fraquezas, - lembra do painel? senhora soube reverter a situação com habilidade e incentivos. Professora, muito obrigado mesmo por tudo, tudo seria muito difícil sem a sua imprescindível ajuda. Ao mestre Leandro Martins, pela doação e pela ajuda, principalmente no adiantamento da apresentação, visto que casaria no dia marcado. Abraços para você sua esposa, sejam muito felizes e que Deus abençoe seu casamento grandemente. Aos mestres Gustavo e Flávia, a vocês os meus sinceros agradecimentos. Obrigado pelo profissionalismo nesses anos de graduação, principalmente nas clinicas que tiveram sempre dispostos a ensinar o que sabiam, um grande abraço a todos. Ao professor de TCC, Dr. Emílio Carlos Sponchiado Júnior, grande amigo e incentivador sempre interessado em ajudar seus alunos. O Dr. Emílio é um mestre que marca a vida de todos. Sem demagogia alguma, a FAO não seria a mesma sem a sua valiosa contribuição. Parabéns pelo o que o senhor representa e pela linda família que tem. Um grande abraço. 5

6 Ao Dr. Eudes Cunha, muito obrigado por tudo, a paixão que tenho pela prótese deve-se muito ao senhor, um grande abraço. Aos meus grandes amigos da minha turma, em especial a minha dupla, Tamiris, por muitas vezes foi importantíssima nos meus trabalhos, a Mara, grande amiga e mulher de Deus, a Tereza, Patrick, Bruno, em fim, nunca vou esquecê-los. 6

7 RESUMO O desejo de possuir um sorriso bonito é cada vez mais almejado pelos pacientes uma vez que restaurações em dentes anteriores interferem diretamente sobre a aparência facial e autoestima do paciente. Este estudo tem como objetivo apresentar um relato de caso com a confecção de duas próteses unitárias fixas metal free em dentes anteriores, utilizando como infraestrutura o in ceram alumina (VITA). Paciente de 30 anos, estudante, sexo masculino, feoderma, procurou atendimento odontológico na Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Amazonas para tratamento dos incisivos central e lateral superiores. O tratamento teve início com a realização de retratamento endodôntico dos elementos 11 e 12 e colocação de pinos retentores intrarradiculares de fibra de vidro (White Poste DC) que foram cimentados com um cimento resinoso autoadesivo e autocondicionante (RelyX U100 auto A2 3M ESPE). Os preparos das coroas dentais foram realizados por meio da técnica da silhueta. Na moldagem dos preparos utilizou-se silicone de adição (3M Espe Dental Product), pela técnica da dupla moldagem. A técnica do duplo fio para o afastamento gengival foi realizada com #00 e #0 (Ultradent-Oraltech-Brasil). No laboratório, os copings de cerâmica foram confeccionados. Os copings foram testados sobre os preparos e reenviados ao laboratório para aplicação da porcelana de cobertura com a cor previamente selecionada (A3,5), pela escala (VITAPAN Classical - Vita). Na sessão seguinte, as coroas foram cimentadas com cimento resinoso (RelyX U100 auto A2 3M ESPE). Conclui-se que prótese unitária metal free com infraestrutura de in ceram alumina é uma boa alternativa estética restauradora. Palavras Chaves: prótese fixa, estética, in ceram alumina, cerâmicas odontológicas 7

8 ABSTRACT The desire to possess a beautiful smile is increasingly sought by patients who seek dental treatment especially for restorations in anterior teeth where all the aesthetic parameters are required in its fullness, as a direct influence on the facial appearance and self-esteem. The object of this study is a case report with the construction of two metal free unit fixed prostheses in anterior teeth, using the infrastructure in ceram alumina (VITA). Patient with 30 years old, student, male, mulatto, sought dental care at the Faculty of Dentistry, Federal University of Amazonas for the treatment of upper central and lateral incisors. The treatment began with the completion of endodontic retreatment of the elements 11 and 12 and placing within the root pin retainers fiberglass (White Post DC) that were cemented with a self-adhesive resin cement and self condition (RelyX U100 self A2-3M ESPE). The preparation of dental crowns were made using the technique of the silhouette. Was used silicone addition (3M Espe Dental Product) using the technique of double molding of prepared. The technique of double edge to the gingival retraction was performed with # 00 and # 0 (Ultradent-Oraltech-Brazil). In the lab, ceramic copings were fabricated. The copings were tested on the preparation and returned to the laboratory for application of the veneering porcelain with the previously selected color (A3, 5), the scale (VITAPAN Classical - Vita). The next session, the crowns were cemented with resin cement (RelyX U100 self A2-3M ESPE). We conclude that unitary metal free prosthesis with infrastructure in ceram alumina is a good alternative aesthetic restoration. Keywords: bridge, aesthetics, in ceram alumina, dental ceramic. 8

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA OBJETIVO RELATO DE CASO DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

10 INTRODUÇÃO. A estética é definida pelo dicionário Aurélio como sentimento do belo ou que tenha característica de harmonioso. Há uma procura incessante e cada vez mais almejada pela sociedade pelo que é bonito e harmonioso. Na odontologia há uma necessidade de materiais que mimetizem os elementos dentários, por isso, estes produtos são cada vez mais estudados pelos pesquisadores e profissionais do ramo para atender os desejos dos pacientes. A preocupação da estética odontológica está ligada diretamente com a cromacidade, ou seja, o mais branco possível, também com o alinhamento, a forma, tamanho e posição dentária aos quais proporcionam, por sua vez, uma importante harmonia facial. Sabe-se que muitos pacientes buscam tratamento odontológico por razões diversas dentre elas estão: o orgulho pessoal, medo, aceitação social, profissional e intelectual (BOTINO et al., 2001; PAGANI et al., 2003; AVI et al., 2006; BONFANTE et al., 2008; GOMES et al., 2008; MARTINS et al., 2010). A humanidade sempre procurou substituir partes do corpo perdidas, para isso, não mediu esforços para conseguir esse objetivo. Na região bucal não foi diferente, registros mostram essa preocupação mil anos antes de Cristo. Povos da antiguidade usavam como artifícios para repor dentes perdidos desde fios de ouro, marfim, dentes de animais e até mesmo dentes humanos (BOTINO et al., 2001; KINA, 2005). As coroas metalocerâmicas têm sido utilizadas há bastante tempo no tratamento de reabilitação protética na Odontologia por possuir razões importantes como: excelentes resultados em longo prazo, uma estética aceitável, baixo custo, versatilidade, pois podem ser usadas em aplicações que vão desde coroas unitárias até grandes reabilitações orais (BONFANTE et al., 2008). 10

11 As coroas livres de metal surgiram na tentativa de melhorar a estética e substituir as metalocerâmicas, que por sua vez possuem algumas desvantagens como: linha metálica acinzentada na margem gengival e a possibilidade de alergia ao metal (níquel). Essas coroas metal free são utilizadas desde o início do século XX, quando Charles Henry Land introduziu as coroas de jaqueta com boas propriedades estéticas, utilizando como matéria prima a porcelana feldspática, entretanto com baixa resistência e sendo indicada somente para regiões anteriores (BONFANTE et al.,2008; MARTINS et al., 2010). As pesquisas aumentaram buscando alternativas para as exigências funcionais e estéticas das porcelanas, com isso surgiram vários sistemas cerâmicos importantes dentre eles estão: o Procera que é um material baseado em alta concentração de óxido de alumínio, tem como um dos seus diferenciais o processo industrial computadorizado, utilizando tecnologia CAD/CAM (Computer-Aided Design/ Computer-Assisted Machining) indicado para Coroas e pontes anteriores e posteriores, facetas, o IPS Empress emprega a técnica tradicional da cera perdida, sendo indicado para Coroas unitárias, facetas, inlays e onlays. (KINA, 2005). No ano de 1989, na França, o Dr. Mickail Sandoun desenvolveu, o sistema In Ceram que consiste em um material à base de óxido de alumínio (Al 2 O 3 ), disponível em três formas: Alumina, Spinell e Zircônia. Essas cerâmicas vêm acompanhadas por vantagens como otimização da estética pela transmissão de luz, biocompatibilidade, integridade marginal, além de estabilidade de cor, resistência à compressão, resistência à abrasão, baixa retenção de biofilme bacteriano e principalmente elevado potencial de simular a aparência natural dos dentes. A infraestrutura do In Ceram Alumina possui um grande conteúdo de alumina fornecendo uma boa resistência à flexão. Entretanto, essa grande quantidade de óxido de 11

12 alumínio em sua composição diminuiu substancialmente a translucidez e as qualidades óticas da cerâmica, em compensação se tornou uma ótima opção como coping na substituição de subestrutura metálica devido as suas melhores propriedades estéticas, sendo indicado para a confecção de coroas totais anteriores e posteriores e próteses fixas de três elementos para a região anterior até pré-molar. O In Ceram Spinell surgiu com o objetivo de diminuir a opacidade da alumina. Com pequena concentração de alumina e adição de óxido de magnésio a estrutura teve um grande ganho na translucidez melhorando a estética, porém houve uma diminuição da resistência em torno de 40%, sendo indicada como inlays, onlays, facetas e coroas unitárias. Já o sistema In Ceram Zircônia consiste em um acréscimo de 20% de zircônia em sua composição o que o torna o mais resistente do que os outros sistemas In Ceram, sendo indicado tanto para regiões anteriores quanto posteriores. (BARATIERI et al., 2002; PAGANI et al., 2003; AVI et al., 2006; BANDEIRA et al.,2008; BINDO, 2008). Sendo assim, esse trabalho discorre, através de um relato de caso clínico, a confecção de duas coroas unitárias livres de metal utilizando como infraestruturas o In Ceram Alumina para a reabilitação estética e funcional de um incisivo central e um lateral superiores, demonstrando todos os passos clínicos por diversos parâmetros. 12

13 REVISÃO DE LITERATURA Yeo, Yang e Lee (2003) tiveram como objetivo mostrar um estudo in vitro comparando a adaptação marginal de restaurações unitárias anteriores confeccionadas com três sistemas cerâmicos (Celay In Ceram, In Ceram técnica convencional e IPS Empress 2 técnica estratificada) com restaurações metalocerâmicas. As coroas foram feitas para incisivo central superior extraído preparado com uma margem de 1 mm de ombro e 6 graus paredes afiladas. Trinta coroas foram fabricadas por sistema. Medições coroa foram gravadas com um microscópio óptico, com uma precisão de ± 0,1 µm, em 50 pontos espaçados de aproximadamente 400 µm ao longo da margem circunferencial. O critério de 120 µm foi usado como a máxima diferença marginal clinicamente aceitável. A média de dimensões gap e desvios-padrão foram calculados para abertura marginal. Os dados foram analisados com uma análise de variância (α = 0,05). Os autores observaram que a média de desajuste marginal para as metalocerâmicas foi de 87μm, 83μm para Celay In Ceram, 112μm para In Ceram técnica convencional e 46μm para IPS Empress 2 técnica estratificada. Concluíram que a desadaptação marginal apresentada pelos três sistemas cerâmicos testados está dentro do limite clinicamente aceitável de 120μm. Kina (2005) objetivou através deste trabalho, apresentar materiais e sistemas livres de metal, suas indicações e limitações quanto sua utilização. Com o domínio da técnica e dos fornos de queima, as cerâmicas demonstraram características físicas e mecânicas representando uma excelente opção restauradora. Devido aos seus núcleos cristalinos, apresentam uma interação de reflexão óptica muito semelhante às estruturas dentárias, possui propriedades de solubilidade e corrosão bastante adequadas, possibilitando a construção de restaurações com boa estética e tolerância no meio bucal. 13

14 As cerâmicas são excelentes isolantes e têm baixa condutividade, difusão térmica e elétrica. Também são pouco plásticas e com baixa resistência tensional, o que contra indicava sua utilização em região de grande carga mastigatória. Por isso, muitos mecanismos foram estudados, reduzindo assim seu potencial de falhas sob estresse. Aí vieram os copings metálicos do sistema metalocerâmico sendo muito utilizado, mas devido à sua aparência opaca, halo escurecido na margem cervical dentre outros, prejudicaram sua estética, assim, pesquisas foram feitas para substituição dos copings metálicos. Um fator importante foi a evolução dos sistemas adesivos, que diminuiu substancialmente os problemas mecânicos. O autor cita, Charles Henry Land (1903) que introduziu as coroas de jaqueta cerâmica, porém com baixa resistência. Certos da eficácia da cerâmica pura, muitos pesquisadores procuraram soluções que atendessem às exigências funcionais incorporando substâncias às cerâmicas. Com a introdução de óxido de alumínio na composição as propriedades mecânicas melhoram significativamente surgindo o sistema In ceram Alumina pela companhia Vita, em contra partida, houve uma grande diminuição na translucidez e nas qualidades ópticas das cerâmicas. Por isso, não podia ser usado como material de cobertura, em compensação se tornou um bom substituto dos copings metálicos, sendo indicado para coroas totais e prótese fixa de três elementos (até 2º pré-molar). Este sistema In Ceram é comercializado hoje em três variações: In Ceran Alumina, In Ceran Spinell, In Ceran Zircônia, sendo utilizados tanto para região anterior como posterior, como infraestrutura de reforço. As cerâmicas são uma excelente opção para restauração estético funcional, porém, suas indicações devem ser respeitadas para o sucesso e longevidade das mesmas. Albano (2006) avaliou a dureza Knoop de cimentos resinosos duais, com a interposição de diferentes sistemas cerâmicos. Amostras dos cimentos Rely X ARC 14

15 (3M ESPE), Eco-Link (Ivoclar) e Panavia F (Kuraray) foram fotopolimerizados com a interposição de um dos sistemas cerâmicos IPS Empress II ou In Ceram, com espessura de 2 mm ou 4 mm simulando as faces oclusal e interproximal respectivamente (n=11). A microdureza Knoop dos cimentos foi avaliada imediatamente após a fotoativação, após 24 horas e 14 dias. Durante a armazenagem as amostras ficaram em umidade relativa a 37 C, ao abrigo da luz. Os resultados foram submetidos à Análise de Variância e Teste Tukey ao nível de significância de 5%. Na avaliação imediata, o cimento Eco-Link teve dureza menor que o Panavia F com todos os sistemas cerâmicos e o Rely X ARC só apresentou dureza menor que o Panavia F com os sistemas In Ceram 4 mm e IPS Empress 4mm. Após 24 horas o Eco-Link apresentou a menor dureza e o cimento Rely X ARC não diferiu do Panavia F somente no grupo controle e com o sistema In Ceram 2 mm. Após 14 dias a dureza dos cimentos Panavia F e Rely X ARC não diferiu e o cimento Eco-Link apresentou dureza menor que o Panavia F, mas sem diferença do Rely X ARC. Para os cimentos Panavia F e Rely X ARC não foram observadas diferenças entre os sistemas cerâmicos e o grupo controle, em todos os tempos de avaliação. Somente para o cimento Eco-Link no tempo de avaliação de 24 horas foi observada diferença entre os sistemas cerâmicos, sendo que a dureza observada com a interposição do sistema In Ceram 4 mm foi menor que a do grupo controle. Dessa forma concluiu-se que a interposição dos sistemas cerâmicos usados neste estudo não reduziu a microdureza dos cimentos, exceto para o cimento Eco-Link na avaliação após 24 horas da fotoativação. Avi, Michael e Jorg (2006) apresentaram uma visão sistemática do desempenho clínico dos diferentes tipos de In Ceram Classic. Os sistemas cerâmicos usados em coroas ou prótese fixa são superiores em relação ao metalocerâmico do ponto de vista de biocompatibilidade, corrosão e também estético por não possuir estrutura 15

16 metálica, o que pode levar a margens de metal ou descoloração escura nas áreas marginais. O sistema In ceram Alumina (VITA) entrou mercado no final do século passado sendo desenvolvido pelo dentista e cientista francês Michael material Sadoun. É baseado no princípio da infiltração de vidro na cerâmica de óxido de alumínio sinterizado pela técnica slip cast. Pó de óxido de alumínio é misturado com um líquido especial, em um banho ultra-sônico e aplicada como um deslizamento em um gesso especial. A restauração já tem no seu final, o contorno de precisão de ajuste interno e é sinterizadas em mais de C. As partículas de óxido de alumínio fundem-se nos pontos de contato sem encolhimento e é então infiltrado o vidro, dando a restauração a sua cor característica, translucidez e resistência final elevada. Dos 299 artigos somente vinte e um preencheram os critérios de inclusão. Coroas de In Ceram Alumina foram observadas em 12 publicações relevantes, um total de 1724 coroas de In Ceram Alumina foram observados durante um período mínimo de 1,3 meses até um período máximo de 100 meses. As taxas de sobrevivência foram entre 86,5% e 100% em até 6 anos. Os estudos mostraram uma alta taxa de sobrevivência das coroas de In Ceram Alumina, mostrando-se com uma boa alternativa no tratamento de reabilitação estético e funcional em elementos anteriores. Pjetursson, Sailer e Hämmerle (2007) em uma revisão sistemática determinaram as taxas de sobrevida, em cinco anos, de coroas unitárias de cerâmica e compararam-nas com as taxas das coroas metalocerâmicas. Para tanto, os autores realizaram, primeiramente, uma estratégia de busca no MEDLINE, a partir de 1966 até novembro de A segunda pesquisa eletrônica foi realizada na Dental Global Publication Research System (Dental GPRS), de 1990 até dezembro de A busca eletrônica foi complementada por busca manual de bibliografias para os anos de

17 2006. A análise foi realizada, separadamente por dois revisores, em 86 artigos, resultando em 34 estudos que preencheram os critérios de inclusão. Os autores observaram que a sobrevida de cinco anos das coroas de cerâmica foi estimada em 93,3% e 95,6%, para coroas metalo-cerâmicas. As coroas de alumina sinterizada (Procera) apresentaram a maior taxa de sobrevida, de cinco anos, 96,4%, seguida por coroas de cerâmicas vítreas reforçadas por leucita, Empress I (95,4%) e de In Ceram (94,5%). Para coroas vítreas, após cinco anos, a taxa de sobrevida é de 87,5%. Todas as coroas de cerâmica, também foram agrupadas e analisadas quanto à posição na boca. De acordo com os autores, todos os quatro tipos de coroas de cerâmica apresentaram menores taxas de sobrevida quando assentadas em dentes posteriores. Além disso, para coroas de cerâmica vítrea (84,4%) e coroas de In Ceram (90,4%), esta diferença alcançou significância estatística (P = 0,009; P = 0,028). Os autores concluíram que todas as coroas de cerâmica, quando utilizados para dentes anteriores apresentaram sobrevida em 5 anos comparáveis àquelas observadas para coroas metalocerâmicas. Menores taxas de sobrevida 90,4% e 84,4% para coroas de in Ceram e de vitrocerâmica quando utilizadas em molares e pré-molares. Oliveira, Saito e Oliveira (2007) avaliaram in vitro a adaptação marginal inicial obtida por copings de três sistemas cerâmicos diferentes com dois tipos de terminação cervical, por meio de medição da fenda marginal em microscopia óptica. Este trabalho objetivou avaliar a precisão de assentamento marginal de copings dos sistemas cerâmicos: In Ceram; IPS Empress2 e Procera AllCeram. Além disto, duas variações de terminação cervical diferentes foram estabelecidas: ombro 90 graus com ângulo interno arredondado e chanfro. Para este fim, dois incisivos centrais superiores de manequim idênticos receberam preparos padronizados para coroa total, variando apenas o término 17

18 cervical. Assim, seis tipos de tratamentos foram estabelecidos: IO (In Ceram/Ombro); IC (In Ceram/Chanfro); EO (Empress/Ombro); EC (Empress/Chanfro); PO (Procera/Ombro); PC (Procera/Chanfro). Os dentes preparados foram reproduzidos em troquéis de gesso por meio de moldagens padronizadas com silicone de adição, onde setenta e dois copings foram confeccionados, subdivididos em três grupos de vinte e quatro para cada tipo de material cerâmico. Dentro de cada grupo, metade das subestruturas foi construída para preparo com término cervical em ombro 90 graus, e a outra metade para término cervical em chanfro. O desajuste marginal dos copings foi avaliado e mensurado em microscopia óptica, com aumento de quarenta vezes, a partir da observação de moldagens da fenda marginal de cada amostra com silicone de adição de consistência fluida. Para cada amostra, doze mensurações foram tomadas, e os resultados médios mostraram variação de 23,08 a 36,11μm. Os grupos do sistema Procera PO e PC apresentaram os melhores resultados (23,08 e 25,77μm respectivamente) e diferiram estatisticamente do grupo IO (36,11μm), que apresentou o pior resultado médio. Entre os demais grupos não houve diferença estatística significante. Em relação ao tipo de terminação cervical, a análise estatística não foi conclusiva, embora os autores sugerissem um melhor comportamento do chanfro, pois os grupos com este tipo de término cervical apresentaram desvios-padrão baixos em comparação aos grupos com ombro 90 graus. Concluiu-se que os resultados médios de todos os tratamentos estudados ficaram dentro do patamar de aceitabilidade clínica estabelecido de 25 a 40μm. Conrad, Seong e Pesun (2007) fizeram uma pesquisa sobre materiais e sistemas de cerâmica pura, adaptação marginal, propriedades dos materiais, cimentação, longevidade, cor e estética, e forneceram recomendações para sua utilização clínica. De acordo com os autores, o desenvolvimento dos materiais cerâmicos, tais como núcleo 18

19 dissilicato de lítio, óxido de alumínio e óxido de zircônio têm permitido uma aplicação mais generalizada das restaurações em cerâmica. Sendo assim, os autores realizaram, primeiramente, uma estratégia de busca no MEDLINE e PubMed, com foco em artigos de pesquisa baseada em evidências publicadas entre 1996 e Foram revistos estudos randomizados e controlados, não randomizados e controlados, estudos clínicos longitudinais experimentais, estudos longitudinais prospectivos, longitudinais e estudos retrospectivos. Os artigos apropriados para tal trabalho foram submetidos a critérios de inclusão e exclusão. Os critérios de inclusão, para os estudos de longevidade, que os autores utilizaram incluíram um período médio de dois anos, relatórios de complicações, identificação dos materiais, tipo de estudo, ajustamento e dimensão da amostra. No âmbito desta revisão sistemática, não há nenhuma evidência para apoiar a aplicação universal de um único sistema ou material de cerâmica para todas as situações clínicas. A conclusão dos autores demonstra que a aplicação bem sucedida depende do bom senso do profissional em combinar os materiais, as técnicas de fabricação e procedimentos de cimentação, com a situação clínica individual, e que também há a necessidade de mais estudos longitudinais sejam feitos para o crescimento e desenvolvimentos dos sistemas e matérias cerâmicos. Fernandes, Matos e Santos (2007) mostraram através de casos clínicos, algumas características de dois sistemas de cerâmica pura: o IPS Empress 2 e o In Ceram. De acordo com os relatos deste estudo, pôde-se notar que as próteses livres de metal são viáveis e já é uma realidade para a confecção de próteses unitárias. Tendo suas indicações respeitadas, podem fazer parte do dia -a- dia clínico com segurança. Juan (2007) avaliou a resistência adesiva ao cisalhamento de um cimento resinoso à alumina densamente sinterizada testando o tratamento superficial feito pelo fabricante. O cimento utilizado foi o Multilink (Ivoclar Vivadente) e a alumina foi o 19

20 Procera Alumina (Nobel Biocare) constituída por 99,9% de óxido de alumínio densamente sinterizado. Trinta e dois cilindros de alumina foram confeccionados pela Nobel Biocare, onde um dos extremos deste cilindro recebeu tratamento superficial e outro não. Para a aplicação do cimento resinoso sobre os cilindros de alumina, utilizouse uma matriz de Teflon com um orifício central de 3,5mm de diâmetro por 3,0mm de profundidade. Foram determinados 4 grupos experimentais: Grupo 1 superfície sem tratamento; Grupo 2 sem tratamento e com aplicação de adesivo; Grupo 3 superfície com tratamento realizado pelo fabricante; Grupo 4 superfície com tratamento realizado pelo fabricante com adesivo. Após a aplicação do cimento resinoso nos 4 grupos, os espécimes foram armazenados em água deionizada a 37ºC durante 24h, sendo, em seguida, montados em uma máquina universal de ensaio para comparação entre os grupos. A superfície tratada (grupo 3) apresentou valores significativamente maiores que todos os grupos. A presença do adesivo diminuiu a resistência quando aplicado na superfície tratada, mas não deu diferença significativamente na superfície sem tratamento. Luzia (2007) avaliou por testes de microdureza o grau de polimerização de quatro cimentos resinosos duais: Bistite II, Enforce, RelyX ARC e Variolink II, fotopolimerizados através da interposição de barreiras confeccionadas com materiais utilizados em restaurações estéticas indiretas. Foram confeccionados 72 espécimes para cada marca de cimento, divididos em 6 grupos, segundo o tipo de barreira utilizada na interposição, durante a sua foto polimerização: G1: sem barreira; G2: Resina composta Cesead; G3: In ceram alumina/allceram; G4: IPS Empress; G5: In ceram zirconia/allceram; G6: fragmento dental. A foto polimerização foi realizada com luz halógena Optilux 401 (Demetron) com 650 mw/cm2 de potência e os ensaios foram 20

21 realizados em três períodos: imediata, 24h e 7dias, em um Microhardness Tester FM 700, sob cargas de 50gf durante 15s, cujos valores de microdureza foram obtidos em HV. As médias dos valores em HV foram submetidas à ANOVA e teste de Tukey. As condições de G3 e G5 resultaram em polimerização deficiente do cimento, que não permitiram a realização dos ensaios. O cimento Bistite teve a maior dureza no grupo controle e o menor com a interposição de resina composta. O RelyX ARC teve os valores de microdureza mais estáveis nas condições analisadas em todos os períodos de avaliação. O Enforce e o Variolink foram intermediários e semelhantes entre si. A interposição de materiais durante a foto polimerização de cimentos resinosos duais, interfere na microdureza dos mesmos. Quando da utilização de alumina ou zirconia, outro modo de polimerização ou tipo de cimento deve ser utilizado. Badini, Tavares e Guerra (2008) através de uma revisão de literatura procurouse descrever sobre a cimentação adesiva de restaurações indiretas estéticas e livres de metal, em comparação com os demais agentes cimentantes. Percebeu-se que os cimentos resinosos são materiais de uso obrigatório no caso de restaurações em porcelana por apresentarem, quando comparados com outros cimentos, biocompatibilidade, resistência mecânica, fácil manipulação, adesão ao dente e à restauração indireta, baixa solubilidade e, principalmente, estética. Foi observado que autores indicaram os cimentos resinosos duais para a cimentação de restaurações indiretas em porcelana pois, mesmo que a luz do foto polimerizador não atravesse totalmente a camada opaca da porcelana, a polimerização estará garantida nas porções mais profundas graças à polimerização química. Por outro lado, contra indicaram os cimentos resinosos foto ativados para a cimentação dessas restaurações, pois a luz não consegue ultrapassar a camada opaca presente impedindo sua completa polimerização. Desta forma os autores concluíram que os cimentos resinosos possuem indicações e 21

22 vantagens que nenhum outro cimento possui, que a polimerização exclusiva pela luz é os menos utilizados atualmente devido ao seu uso limitado e à forte contração de polimerização que eles proporcionam, podendo gerar fendas e possível infiltração marginal e os cimentos de polimerização dual são os indicados para a cimentação de restaurações estéticas por apresentarem vantagens como melhores propriedades mecânicas, tempo de trabalho, cura dual, controle da contração de polimerização e maior facilidade na remoção dos excessos no ato da cimentação. Gomes, Assunção e Rocha (2008) estudaram alguns materiais cerâmicos disponíveis no mercado e suas indicações. Os materiais cerâmicos usados na odontologia têm propriedades importantes nas características dos dentes naturais como: dureza, biocompatibilidade, ampla aceitação pelo paciente e profissional, difícil pigmentação, natureza refratária, porém tem friabilidade e baixa resistência à tração, por isso, muitos estudos estão sendo realizados visando melhorar algumas deficiências dessas cerâmicas, destacando-se a união a metais (metalocerâmicas), inclusão de alumina ou zircônia nas cerâmicas para infraestrutura (In Ceram alumina, In Ceram zircônia e In Ceram Spinell), cerâmicas termo injetáveis (IPS Empress), cerâmicas com alto teor de alumina (Sistema Procera) e adesão direta à estrutura dentária (facetas, onlays e inlays). Atualmente a classificação mais utilizada para as cerâmicas dentais é aquela que as define de acordo com sua fase cristalina em feldspática, reforçada por leucita, aluminizada, com alto conteúdo de alumina, de zircônia e espinélio infiltrada por vidro, cerâmica vítrea e alumina densamente sinterizada. A cerâmica In Ceram foi desenvolvida visando melhorar os problemas relacionados com a resistência a fratura e tenacidade. Consiste em 2 fases tridimensionais interpenetradas: uma fase de alumina (óxido de alumínio) e uma fase vítrea (à base de óxido de lantânio), sendo sua confecção baseada em alumina porosa que, posteriormente, é infiltrada por vidro. Possui 22

23 boa resistência à tensão, tem uma aceitável adaptação marginal das restaurações. Este sistema apresenta três variáveis, de acordo com o seu principal componente: alumina In Ceram Alumina, Spinell e Zircônia. A In Ceram Alumina apresenta em sua composição conteúdo de alumina variando entre 70 e 85% com resistência flexural de MPa e boa resistência à fratura. Esse sistema é indicado para coroas unitárias anteriores e posteriores, sendo o primeiro a confeccionar prótese parcial fixa de três elementos totalmente cerâmicos para a região anterior até canino. Por existir muitos materiais cerâmicos com boas propriedades mecânicas e estéticas que podem ser usados em prótese fixa ou coroas unitárias, torna-se imprescindível que o cirurgião dentista, de forma criteriosa, saiba suas indicações, tendo em vista que o sistema in ceram alumina é uma boa escolha na reabilitação estético e funcional de dentes anteriores e também posteriores. Alvaro e Kelly (2008) realizaram uma ampla revisão da literatura para compilar e comparar evidências clínicas para o tratamento de dentes com restaurações de cerâmica pura. Os autores pesquisaram a literatura de língua Inglesa revisados por pares de dados MEDLINE e PubMed, com foco em pesquisas publicadas entre 1993 e Eles também realizaram uma busca em publicações odontológicas. Revisaram estudos randomizados controlados, estudos controlados não randomizados, estudos clínicos longitudinais experimentais, prospectivos e retrospectivos. Evidências sugerem que, para facetas, restaurações intracoronários e cobertura completa para restaurações unirradiculares de dentes anteriores, pode-se escolher qualquer sistema de cerâmica pura em função das necessidades estéticas (muitos sistemas tiveram mais de 90 por cento de sucesso em seis anos). Os estudos mostram que as restaurações molares incluem aquelas feitas de alumina e, cada vez mais, zircônia e dissilicato de lítio. Alguns estudos mostraram a eficácia de próteses fixa anterior de três elementos feitas de 23

24 dissilicato de lítio, alumina e zircônia. Para molares os especialistas sugerem o sistema de zircônia. Evidências disponíveis indicam a eficácia de muitos sistemas de cerâmica pura para inúmeras aplicações clínicas. Bandeira, Lagustera e Mendonça (2008) objetivaram revisar a literatura acerca dos métodos de tratamento das superfícies internas de coroas protéticas de cerâmicas reforçadas por vidro. Após análise dos resultados, observaram que o jateamento com (Al 2 O 3 ) nas superfícies da In Ceram Alumina e In Ceram Zircônia não é capaz de modificar as características morfológicas dessas superfícies, deixando-as semelhantes à superfície das amostras que não receberam tratamento superficial algum. Percebe-se que ainda persistem contradições e dúvidas quanto à efetividade das técnicas utilizadas para o condicionamento da superfície das diferentes cerâmicas reforçadas por vidro previamente aos procedimentos de cimentação adesiva. No entanto, as técnicas de jateamento e deposição superficial de sílica parecem ser os métodos mais eficazes para a obtenção de melhores valores de resistência adesiva entre cerâmica reforçada e cimento resinoso. Bruna (2008) realizou uma revisão de literatura de artigos sobre avaliação clínica de diversos sistemas cerâmicos. Foram avaliados diversos sistemas cerâmicos como os sistemas Dicor, IPS Empress, IPS Empress II, In Ceram Alumina, In Ceram Spinell, In Ceram Zircônia, Procera All Ceram entre outros mais novos, como o Lava e o Cercon. A maioria dos estudos analisados obteve resultados clínicos satisfatórios, com variação do índice de sucesso de 50%, obtido com próteses parciais fixas do sistema IPS Empress II após 24 meses de avaliação; a 100%, para coroas do sistema IPS Empress II com o período médio de avaliação de 50 meses. Através do presente trabalho, pode-se concluir que os variados sistemas cerâmicos disponíveis atualmente no mercado podem 24

25 ser utilizados seguramente como opção de tratamento na reabilitação oral, desde que se respeitem as indicações dos fabricantes, assim como se observem as limitações para cada caso clínico. Sugere-se, ainda, a execução de estudos com acompanhamentos clínicos mais longos para obtenção de resultados mais relevantes, pois muitos dos resultados obtidos atualmente ainda são considerados de menor significância quando comparados aos estudos clínicos mais longos das tradicionais coroas metalocerâmicas. Gordilho, Mori e Ivo (2009) investigaram na literatura sobre a adaptação marginal dos principais sistemas de cerâmica pura, visto que, este é um requisito fundamental para a longevidade das restaurações e para a saúde do órgão dentário e dos tecidos circundantes. Ficou estabelecido nesta revisão um patamar de fenda marginal máxima clinicamente aceitável, em torno de120μm. Foi observado ainda que dos tipos término: lâmina de faca, chanfro, ombro e ombro biselado usados para coroas totais de porcelana pura do sistema In Ceram Alumina, os melhores foram o chanfro e ombro biselado. Concluíram que todos os sistemas testados apresentavam adaptação marginal aceitável. Fizeram uma comparação in vitro da adaptação marginal de restaurações unitárias anteriores confeccionadas com três sistemas cerâmicos (Celay In Ceram, In Ceram técnica convencional e IPS Empress 2 técnica estratificada) com restaurações metalocerâmica e concluíram que a desadaptação marginal apresentada pelos três sistemas cerâmicos testados está dentro do limite clinicamente aceitável de 120μm. Martins, Lopes e Bonfante (2010) mostraram os diversos sistemas cerâmicos e seu comportamento mecânico durante a utilização clínica, relatando as localizações, os tipos e as regiões das falhas mais frequentes nos sistemas atuais, visando à busca por soluções. As cerâmicas possuem excelentes características, tais como: biocompatibilidade, estabilidade de cor, baixa condução térmica, baixo acúmulo de 25

26 placa, resistência à abrasão, além de promover uma excelente estética. Já há algum tempo se faz uso de coroas metalocerâmicas, porém essa estrutura de metal não consegue imitar a translucidez do dente natural. Com o intuito de eliminar esta infraestrutura, novos sistemas livres de metal surgiram para melhorar a estética. E esses são disponíveis para diferentes indicações, de acordo com seus fabricantes. Contudo, não existe um único sistema totalmente cerâmico passível de ser empregado em todas as situações clínicas. Com a incorporação do óxido de alumínio nas cerâmicas tradicionais feldspática, houve uma grande melhora em relação à resistência, sendo que representantes deste material, como o In Ceram Alumina e o Procera, apresentam resistência média de 550 MPa e 472 Mpa respectivamente. Uma das principais características dos sistemas cerâmicos relaciona-se com a translucidez da infraestrutura. Quanto mais translúcido for o sistema, mais apropriada será sua indicação para a solução de casos com extrema exigência estética. Contudo, translucidez e resistência são grandezas inversamente proporcionais. Cerâmicas com alto teor de alumina foram desenvolvidas seguindo os conceitos do aumento da rigidez e de deflexão da trinca, utiliza óxidos cerâmicos como limitadores da propagação de trincas. Os autores concluem que cabe ao profissional avaliar a real indicação de cada sistema e aplicá-lo na sua clínica diária. Afirmam ainda que a utilização desses sistemas seja feito com cautela, seguindo estritamente suas indicações, enquanto se espera por resultados de estudos clínicos de longa duração. Galindo, Pedram e Marinelo (2011) objetivaram neste estudo prospectivo estimar a sobrevida em longo prazo de coroas de alumina em região anterior e posterior ao longo de um período de observação de até 10 anos. Entre 1997 e 2005, 155 coroas de alumina foram cimentadas em 50 indivíduos. Em 2005 e 2008, as coroas foram avaliadas clinicamente usando orientações modificadas pelo EUA Public Health Service 26

27 (USPHS). Falha do tratamento foi definida como perda de dentes ou coroa e separados em falhas técnicas ou biológicas. Probabilidades de sobrevivência foram estimadas usando o método Kaplan-Meier. Em 2008, 29 indivíduos com 112 coroas alumina, incluindo 86 (77%) posterior e 26 (23%) coroas anterior, estavam disponíveis para avaliação clínica. O período de observação médio para estes sujeitos foi de 7,8 anos, com uma gama 3-10,7 anos. No total, três falhas técnicas e oito falhas biológicas foram observadas. A probabilidade de sobrevida estimada considerando falhas técnicas foi de 95% (95% Intervalo de Confiança (CI), 89% a 100%). A sobrevida global estimada probabilidade depois de 10 anos foi de 84% (95% CI, 74% a 95%). Não houve diferença significativa em falhas no tratamento de dentes posteriores, em comparação com coroas anteriores (todas as falhas: P =. 713; falhas técnicas: P =. 352). Os resultados sugerem que a expectativa de sobrevida de 10 anos de coroas alumina devido a falhas técnicas é 95% (95% CI, 89% a 100%). 27

28 OBJETIVO Este estudo tem como objetivo apresentar um relato de caso com a confecção de duas próteses unitárias fixas metal free em dentes anteriores, um incisivo central e lateral superiores, utilizando como infraestrutura o In ceram alumina. 28

29 RELATO DE CASO Paciente de 30 anos, estudante, sexo masculino, feoderma, procurou atendimento odontológico na Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Amazonas para tratamento do elemento 12 que foi fraturado enquanto mastigava. Durante a anamnese, o paciente demonstrou insatisfação com a aparência estética de seu sorriso. Os elementos superiores anteriores possuíam amplas restaurações com coloração insatisfatória. Dentre os achados relevantes, o paciente apresentava bom estado geral de saúde e possuía hábito nocivo de onicofagia. Figura 1 - Aspecto inicial intraoral. No exame clínico intrabucal foram verificadas extensas restaurações em resina composta classe IV nos elementos 11, 21 e 22 com colorações insatisfatórias e fratura no elemento 12 (Figura 1). O elemento 21 não tinha vitalidade pulpar, pois não respondeu ao teste vitalidade, sendo necessário tratamento endodôntico. Já o 22 encontrava-se em estado de vitalidade pulpar, com respostas normais, restauração infiltrada (Figuras 2). 29

30 Figura 2 Aspecto radiográfico inicial do elemento 21. Após consentimento do paciente, o tratamento teve início com a realização de retratamento endodônticos dos elementos 11 e 12 (figura 3 e 4), utilizando brocas gates nº 2, 3 e 4 e limas endodônticas seguida da obturação com cones de guta percha pela técnica de termoplastificação. Figura 3 Desobstrução dos elementos 11 e 12. Figura 4 instrumentação dos elementos 11 e

31 As desobstruções dos canais foram realizadas seguidas de seleção de pinos retentores intrarradiculares de fibra de vidro (White Poste DC) os quais passaram por uma limpeza com álcool a 70% e aplicação de Silano FGM em suas superfícies (figura 7 e 8). Na cimentação dos pinos foi empregado um cimento resinoso autoadesivo e auto condicionante (RelyX U100 auto A2 3M ESPE) que dispensa o pré-tratamento do elemento dental, de acordo com as recomendações do fabricante (figura 5), para isso foi utilizado uma seringa Centrix com uma ponta fina (figura 6) para aplicação do cimento no canal radicular (figura 9, 10, 11 e 12), seguida da adaptação dos pinos. Após a retirada do excesso do cimento, foi feita a foto polimerização pela vestibular, incisal e palatina (figura 13). Em seguida realizou-se o condicionamento com ácido fosfórico (Acido Magic 37%) (figura 14) e lavagem abundante (figura 15), posteriormente aplicou-se uma camada de adesivo (Single Bond 3M) (figura 16), pela técnica incremental concluiu-se uma restauração provisória com resina composta Z 350 Filtek (A3,5) da 3M ESPE (figura 17,18 e 19). Figura 5 Cimento resinoso. 31

32 Figura 6 Centrix e ponta. Figura 7 Silano. 32

33 Figura 8 Aplicação do Silano no pino de fibra. Figura 9 Espatulação do cimento resinoso. Figura 10 Carregamento da ponta da centrix. 33

34 Figura 11 Preenchimento do Canal do elemento 12. Figura 12 Posicionamento do Pino de Fibra. Figura 13 Polimerização do Cimento Resinoso. 34

35 Figura 14 Condicionamento Ácido. Figura 15 Lavagem removendo o Ácido. Figura 16 Aplicação do Sistema Adesivo. 35

36 Figura 17 Início do Núcleo de Preenchimento. Figura 18 Aspecto frontal da restauração provisória com resina composta. Figura 19 Aspecto palatino da restauração provisória com resina composta. 36

37 Em uma sessão posterior, deu-se início ao desgaste seletivo da estrutura dentária. O preparo dental foi realizado por meio da técnica da silhueta. Primeiramente, com a broca esférica 1014, confeccionou-se um sulco marginal cervical. Foram confeccionados sulcos de orientação nas faces vestibular e incisal com a ponta diamantada 3216 (KG Sorensen), respeitando a inclinação dos terços cervical, médio e incisal do elemento dental. Na vestibular, foi feito um sulco central e outro mesial, ao longo eixo do dente. Em seguida, realizou-se a segunda inclinação. Na incisal, o desgaste dental foi de 2 mm. O preparo proximal foi efetuado rompendo-se o ponto de contato com a broca 2200 (KG Sorensen). Na face palatina, o desgaste foi efetuado com ponta diamantada 1014 na cervical e na concavidade palatina, com broca em forma de chama, 3118 (KG Sorensen), com profundidade aproximadamente de 0,6 mm. Após a confecção, foi realizada a união dos sulcos de orientação com uso das mesmas brocas. O término cervical foi aprofundado em direção ao sulco gengival cerca de 0,5 mm, com a broca 3216, proporcionando um término em chanfro. Por fim, o preparo foi refinado com as pontas diamantadas de baixa granulação, ficando com paredes lisas e ângulos arredondados (Figura 20). Nesta mesma sessão, foi cimentada uma coroa provisória de resina acrílica quimicamente ativada utilizando cimento de Hidróxido de Cálcio (Dycal da Dentsply), (figura 21). Figura 20 Aspecto final vestibular dos preparos dentários. 37

38 Figura 21 Provisórios cimentados. Na sessão seguinte a moldagem do preparo para confecção da coroa protética foi realizada utilizando silicone de adição (3M Espe Dental Product), pela técnica da dupla moldagem (figura 22 e 23). A técnica do duplo fio para o afastamento gengival foi realizada com Ultrapak #00 e #0 (Ultradent-Oraltech-Brasil). No laboratório, os copings de cerâmica foram confeccionados. Os copings foram testados sobre os preparos observando: a adaptação marginal, com sonda exploradora; o contato interno e espessura para o cimento, com silicone fluido ExpressTM XP Putty Soft VPS Impression Materials (3M Espe Dental Product) e, por fim, o espaço para a porcelana de cobertura (Figuras 24, 25, 26, 28, 29, 30 e 31). Após verificação dos itens acima citados, os copings foram reenviados ao laboratório para aplicação da porcelana de cobertura. Figura 22 Molde em Silicone. 38

39 Figura 23 Molde em Silicone (em detalhe). Figura 24 Modelo Anatômico. Figura 25 Modelo Troquelizado. 39

40 Figura 26 Modelo Troquelizado (em detalhe). A cor da porcelana de cobertura a ser aplicada sobre os copings de Alumina foi previamente selecionada (A3,5), utilizando-se uma escala de cor (VITAPAN Classical - Vita) em uma condição de iluminação natural (Figura 27). Figura 27 Escolha da cor. Figura 28 Copings de Alumina. 40

41 Figura 29 Copings cerâmicos no modelo (vista frontal). Figura 30 Copings cerâmicos no modelo (vista palatina). Figura 31 Prova dos copings de alumina aspecto vestibular. Na sessão seguinte, foi realizada a cimentação da coroa livre de metal sendo empregado um cimento resinoso autoadesivo (RelyX U100 auto A2 3M ESPE), que 41

42 dispensa o pré-tratamento do elemento dental, de acordo com as recomendações do fabricante (figuras 32, 33, 34, 35 e 36). Figura 32 Coroas cerâmicas nos elementos vista frontal 11 e 12. Figura 33 Coroas cerâmicas cimentadas nos elementos vista frontal 11 e

43 Figura 34 Aspecto final do sorriso Figura 35 Resultado Final (visão lateral direita). Figura 36 Resultado Final (visão lateral esquerda). 43

44 DISCUSSÃO A busca pela estética é definitivamente um dos principais objetivos dos pacientes que procuram os consultórios odontológicos, por isso é de suma importância que os profissionais tenham responsabilidade e um modo criterioso para que o resultado seja uma reabilitação estética e funcional duradoura satisfazendo os anseios de cada paciente. O dicionário Aurélio define estética como: sentimento do belo; que tem característica de beleza e harmonioso. Botino et al. (2001) dizem que a preocupação com a beleza do sorriso está principalmente ligada no que diz respeito a cor, o mais branco possível, ao alinhamento dos dentes, e as razões principais de toda esta procura está ligada à aceitação pessoal, ao medo, à aceitação intelectual, ao orgulho e posterior aos benefícios biológicos. No presente caso o paciente queixava-se da aparência do seu sorriso, onde os incisivos superiores apresentavam-se com amplas restaurações classe IV de coloração diferente dos elementos dentais e ainda fratura no elemento 12. Foi então planejado a confecção de duas coroas livre de metal para os elementos 11 e 12. A coroação dos incisivos anteriores é um procedimento exigente tanto pela parte do técnico de prótese e do protesista que necessitam conhecimento e de habilidade quanto do paciente que tem expectativas estéticas geralmente elevadas e o resultado final dependente largamente do protético (BUSATO et al., 2004; MIZRAHI et al., 2008). Sendo assim, decidiu-se confeccionar coroas metal free utilizando como infraestrutura o In Ceram Alumina na qual é uma excelente alternativa estética reabilitadora principalmente quando se trata de restaurações anteriores, pois possuem boas propriedades estéticas e funcionais tais como: biocompatibilidade, integridade marginal, além de estabilidade de cor, resistência à compressão, resistência à abrasão, 44

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm;

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm; DEFINIÇÃO AJUSTES E CIMENTAÇÃO Desgaste e polimento necessários para o correto assentamento da peça protética sobre o preparo, garantindo o vedamento marginal e um adequado equilíbrio de contatos proximais

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio Prof. Dr. Glauco Rangel Zanetti Doutor em Clínica Odontológica - Prótese Dental - FOP-Unicamp

Leia mais

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP Restauração Indireta em Dente Posterior Associando Adesivo e Compósito com Nanopartículas Mario Fernando de Góes Cristiana Azevedo Vinicius Di Hipólito Luís Roberto Martins Cláudio Bragoto Curso de Extensão

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE

Protemp TM 4. Material Provisório à Base de Bisacril. Restauração provisória. qualidade. com a 3M ESPE Protemp TM 4 Material Provisório à Base de Bisacril Restauração provisória com a qualidade 3M ESPE Protemp TM 4 Com 40 anos de experiência em materiais provisórios e amplo conhecimento em produtos com

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA Dr. Dario Adolfi Dr. Ivan Ronald Huanca Duração: 6 meses/módulos de 2 dias. Datas: 11 e 12 de março de 2010 8 e 9 de abril de 2010 13 e 14 de maio de 2010 17 e 18 de junho de 2010 15 e 16 de julho de 2010

Leia mais

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS Dr. Alex Antônio Maciel de Oliveira Especialista em Implantodontia Consultor científico do Sistema Friccional de Implantes Kopp Contato: alexamaciel@hotmail.com Nos

Leia mais

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil Enforce - Sistema Multiuso de Cimentação Adesiva, com Flúor Desde que foi lançado no Brasil, o sistema de cimentação adesiva Enforce com Flúor passou a fazer parte do dia-adia dos profissionais que realizam

Leia mais

Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório!

Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório! Nós acreditamos. Conheça o seu novo laboratório! Bons profissionais procuram bons parceiros e fornecedores. Trabalhar com profissionais diferenciados, prestando serviços de alta qualidade é a nossa prioridade.

Leia mais

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini Caso Selecionado Harmonia Sidney Kina e José Carlos Romanini Na busca para encontrar uma composição agradável no sorriso, alguns fatores de composição estética devem ser observados, para orientação na

Leia mais

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function Ponto de Contato Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function José Norberto Garcia Nesello* Manoel Martin Junior** Carlos Marcelo

Leia mais

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos.

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos. da resistência ao cisalhamento destes materiais, com e sem condicionamento ácido do esmalte, após 48 horas e 10 dias; verificação da influência do período dos ensaios mecânicos sobre a resistência ao cisalhamento;

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOLOGIA PRÉ-CLÍNICA II Código: ODO-028 Pré-requisito:

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

Casos Clínicos. Caso Clínico: Importância do Acabamento e Polimento na Obtenção de Excelência Estética com Resina Composta Direta.

Casos Clínicos. Caso Clínico: Importância do Acabamento e Polimento na Obtenção de Excelência Estética com Resina Composta Direta. Autor: Dr. LUIZ RAFAEL CALIXTO ESPECIALISTA EM DENTÍSTICA PELA UNESP- ARARAQUARA/SP MESTRE EM DENTÍSTICA PELA UNESP- ARARAQUARA/SP DOUTORANDO EM DENTÍSTICA PELA UNESP- ARARAQUARA/SP PROFESSOR DOS CURSOS

Leia mais

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens

Adper Easy One. Adesivo Autocondicionante. Um adesivo Um frasco. Muitas vantagens Adper Easy One Adesivo Autocondicionante Um adesivo Um frasco Muitas vantagens Um adesivo. Uma camada. Uma única etapa. Rápido! PRATICIDADE EM UM FRASCO Com o Adper Easy One, você precisa de apenas um

Leia mais

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020

www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 O Laboratório Julio utiliza produtos com qualidade garantida: www.laboratoriojulio.com.br TELEFAX: (11) 3082-0306 R. Navarro de Andrade, 155 Pinheiros São Paulo SP CEP 05418-020 V I S Ã O & I N S P I R

Leia mais

Coluna Visão Protética

Coluna Visão Protética Coluna Visão Protética 88 PROSTHESIS Prosthes. Lab. Sci. 2013; 2(6):88-97. L A B O R A T O R Y i n Gustavo Bertholdo 1 Elson Bertholdo 2 Eduardo Souza Junior 3 Luis Gustavo Barrote Albino 4 Thays Bertoldo

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

Resinas compostas: o estado da arte

Resinas compostas: o estado da arte Caso Selecionado Resinas compostas: o estado da arte Maurício U. Watanabe Na Odontologia atual, a resina composta é o material de eleição quando se trata de reconstruções de coroas fraturadas de dentes

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico Dr Saul Antunes Neto Desde o surgimento das resinas compostas, das técnicas de condicionamento ácido, das estruturas

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

Disciplina de Prótese Parcial Fixa

Disciplina de Prótese Parcial Fixa Disciplina de Prótese Parcial Fixa Docentes: Profa. Dra. Adriana Cristina Zavanelli Profa. Dra. Daniela Micheline dos Santos Prof. Dr. José Vitor Quinelli Mazaro Prof. Dr. Stefan Fiúza de Carvalho Dekon

Leia mais

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro

Cercon CAD/CAM. Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro Cercon CAD/CAM Soluções Flexíveis, econômicas, prontas para o futuro O que você considera mais importante ao investir em soluções de CAD/CAM? Flexibilidade Quão importante é a flexibilidade para produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Recuperação / Reabilitação SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond Grandio SO Heavy Grandio SO Heavy Aprovados sem restrições para cavidades oclusais Com o lançamento do compósito compactável, a VOCO introduziu no mercado um material de restauração semelhante ao dente

Leia mais

Preparos para elementos unitários

Preparos para elementos unitários 11 Preparos para elementos unitários ALFREDO JÚLIO FERNANDES NETO FLÁVIO DOMINGUES DAS NEVES ADÉRITO SOARES DA MOTA REABILITAÇÕES COMPLEXAS INTERAGINDO - PRÓTESE Apesar dos avanços nos níveis iniciais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências da Saúde Departamento de Odontologia EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES CERÂMICAS DE ZIRCÔNIO: UMA REVISÃO MARINGÁ 2006 2 EMANUELLE DE CARLI RESTAURAÇÕES

Leia mais

www.dentaladvisor.com Quick Up Editors Choice + + + + +

www.dentaladvisor.com Quick Up Editors Choice + + + + + www.dentaladvisor.com Material autopolimerizável para a fixação de attachments e elementos secundários em próteses Editors Choice + + + + + A SOLUÇÃO EM UM KIT É muito comum as próteses totais apresentarem

Leia mais

Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4

Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4 Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4 Carta Molde Informação de Produto Magister Dentes anteriores Classic Magister Dentes anteriores com 4 camadas Os dentes Magister apresentam estética semelhante

Leia mais

REABILITAÇÃO ATRAVÉS DE HÍBRIDA APARAFUSADA.

REABILITAÇÃO ATRAVÉS DE HÍBRIDA APARAFUSADA. LABORATÓRIO Joaquín Madrueño Arranz Direção Técnica em laboratório de prótese dental próprio Formação e Peritagem em próteses dentais (Fotografias clínicas cedidas pelo Dr. Villar) REABILITAÇÃO ATRAVÉS

Leia mais

REABLITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DA GUIA ANTERIOR E CANINA UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) DE UMA PACIENTE COM EROSÃO E BRUXISMO.

REABLITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DA GUIA ANTERIOR E CANINA UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) DE UMA PACIENTE COM EROSÃO E BRUXISMO. REABLITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DA GUIA ANTERIOR E CANINA UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) DE UMA PACIENTE COM EROSÃO E BRUXISMO. Caso clínico realizado pelo especialista em Dentística Restauradora

Leia mais

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL Data: 24 a 27 de novembro de 2015 Atualmente existe uma forte tendência no mercado mundial sobre os Sistemas CAD/CAM. A proposta deste programa é brindar-lhes com toda

Leia mais

Single Bond Universal Adesivo. Single Bond. Universal. O adesivo que você. sempre quis

Single Bond Universal Adesivo. Single Bond. Universal. O adesivo que você. sempre quis Universal Adesivo Universal O adesivo que você sempre quis Chegou o Universal O adesivo mais versátil e confiável do mundo O Universal é o primeiro e único adesivo que pode ser utilizado sob qualquer técnica

Leia mais

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso.

CELTRA CAD E DUO. Porcelana/Cerâmica Odontológica. Instruções de Uso. Apresentação. Composição. Indicações de Uso. Apresentação 5365410005 - CELTRA Cad FC LT A1 C14 (6PCS); ou 5365410011 - CELTRA Cad FC LT A2 C14 (1PCS) ; ou 5365410021 - CELTRA Cad FC LT A3 C14 (1PCS) ; ou 5365410025- CELTRA Cad FC LT A3 C14 (6PCS)

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados

Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Caso Selecionado Excelência estética obtida com diagnóstico, planejamento e tratamento integrados Carlos Eduardo Francischone O caso clínico apresentado mostra resultados estéticos e funcionais excelentes,

Leia mais

Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens)

Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens) Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens) Prótese é a ciência e arte que proporciona substitutos adequados para as porções coronárias de um

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Técnica 1: Faceta I.Dente vital e preparo protético pronto. 1. Medir a altura e a largura do dente homológo do

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X)

TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) TRANSFORMAÇÃO DA FORMA DOS LATERAIS CONÓIDES UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) Caso clínico realizado pelo especialista em Dentística Restauradora HECTOR GREGORY SOCIAS JUNIOR (República Dominicana).

Leia mais

Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica

Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica Restabelecimento estético anterior: clareamento, facetas e coroas em cerâmica Mariana Veras Godeiro Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN. Especialista em Dentística

Leia mais

REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DO SORRISO: RELATO DE CASO CLÍNICO

REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DO SORRISO: RELATO DE CASO CLÍNICO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DO SORRISO: RELATO DE CASO CLÍNICO AESTHETIC AND FUNCTIONAL REHABILITATION OF THE SMILE: A CASE REPORT Rebeca Barroso BEZERRA 1 Lívia Daniella Alves PORTELLA Pitta 2 Dayane

Leia mais

Structur 2 SC / Structur Premium

Structur 2 SC / Structur Premium Structur Structur 2 SC / Structur Premium Excelentes provisórios com Structur Fácil aplicação O tratamento protético dos seus pacientes, em particular o tratamento provisório, requer a utilização de produtos

Leia mais

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES

SIMPLES E EFICIENTES PROCEDIMENTOS PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE DENTES NATURAIS E IMPLANTES PARA AS REABILITAÇÕES ORAIS SOBRE Dr. Dario Adolfi Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Dr. Maurício Adolfi Data: 7 a 11 de outubro de 2013 OBJETIVOS: Saiba como planejar uma reabilitação total e mostrar ao paciente

Leia mais

Quando inicio um novo

Quando inicio um novo A r t i g o s Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Entendendo a química dos cimentos e adesivos: você está cimentando suas peças estéticas corretamente? Quando inicio um novo artigo,

Leia mais

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C O sistema reembasador para qualquer aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c O sistema reembasador para qualquer aplicação A atrofia do osso alveolar

Leia mais

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Fragmento CerâmiCo em incisivo Central: abordagem estética e UltraConservadora

Fragmento CerâmiCo em incisivo Central: abordagem estética e UltraConservadora Visão Clínica Fragmento CerâmiCo em incisivo Central: abordagem estética e UltraConservadora Ceramic fragment in central incisor: Aesthetic approach and ultraconservative Carlos Marcelo Archangelo*, José

Leia mais

ALL BOND 3 GUIA TÉCNICO DPO IMP. EXP. E COM. DE PRODUTOS ODONTOLÓGICOS LTDA

ALL BOND 3 GUIA TÉCNICO DPO IMP. EXP. E COM. DE PRODUTOS ODONTOLÓGICOS LTDA ALL BOND 3 GUIA TÉCNICO DPO IMP. EXP. E COM. DE PRODUTOS ODONTOLÓGICOS LTDA Rua Itapicuru, 495 Perdizes CEP 05006-000 São Paulo SP Fone (11) 3670-1070 www.oraltech.com.br INFORMAÇÕES GERAIS ALL BOND 3

Leia mais

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA

Injete essa Idéia. WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA Injete essa Idéia WOLCAM PRESS Inject Sistem SISTEMA DE CERÂMICA PRENSADA www.wolcampress.com.br 0xx62 3210 3671 Manual Técnico CTO-Central de cursos- 0xx19 3405 6545 www.overtec.com.br Índice: I. Sistema

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37 QUESTÃO 17 Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: a) Sua composição química é bem diferente das resinas compostas de uso

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 QUESTÃO 17 A Prótese Dentária é considerada uma especialidade odontológica de rico intercâmbio com as outras especialidades da odontologia. Esse intercâmbio

Leia mais

2 Revisão da Literatura

2 Revisão da Literatura 15 2 Revisão da Literatura Com o objetivo de avaliar e comparar a resistência de materiais totalmente cerâmicos e suas terminações cervicais utilizadas na confecção de próteses fixas investigou-se na literatura

Leia mais

Historicamente, os pinos de fibras

Historicamente, os pinos de fibras 24 Maio 2010 Pinos de fibras: técnicas de preparo e cimentação Este artigo discute as técnicas com a finalidade de estabelecer um protocolo mais seguro para o preparo e cimentação dos pinos de fibras e

Leia mais

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA

CURSOS ICMDS PROSTODONTIA CURSOS ICMDS PROSTODONTIA OBJECTIVOS Aprimorar a pratica clinica dos profissionais que praticam Prostodontia no seu dia dia e buscam a exelência no planeamento Estético, Mock up, Metal Free, nos Preparos

Leia mais

Amaris naturalmente simples. simplesmente Bonito!

Amaris naturalmente simples. simplesmente Bonito! Naturalmente simples. Simplesmente bonito! Amaris Elegância natural Dois passos simples Estratificação natural Resultados brilhantes Técnica simples Ao longo de décadas, os dentistas utilizaram uma escala

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

C U R S O O D O N T O L O G I A

C U R S O O D O N T O L O G I A C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: CLÍNICA INTEGRADA III Código: Pré-requisito: ODONTOLOGIA

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

Laminados cerâmicos - relato de caso. Ceramic laminates - case report

Laminados cerâmicos - relato de caso. Ceramic laminates - case report 246 COLUNA VISÃO CLÍNICA Laminados cerâmicos - relato de caso Ceramic laminates - case report Weider Silva 1 Moises Cronemberger 2 Gil Montenegro 3 Lêndiel Olímpio 4 Tarcísio Pinto 5 Resumo Os parâmetros

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Daniel da Costa Parrella CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Montes Claros 2014 DANIEL DA COSTA PARRELLA CERÂMICAS METAL- FREE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Monografia

Leia mais

Visão 2. Protocolo Clínico para Confecção de Facetas Diretas em Resina Composta. Clinical protocol for fabrication of direct composite resin veneers

Visão 2. Protocolo Clínico para Confecção de Facetas Diretas em Resina Composta. Clinical protocol for fabrication of direct composite resin veneers Visão 2 Protocolo Clínico para Confecção de Facetas Diretas em Resina Composta Clinical protocol for fabrication of direct composite resin veneers Fernando Fialho *, Rodrigo Proença **, Mariana Proença

Leia mais

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM

APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM APLICAÇÃO CLÍNICA E LABORATORIAL DO SISTEMA CAD/CAM DATA à definir Atualmente existe uma forte tendência no mercado mundial sobre os Sistemas CAD/CAM. A proposta deste programa é brindar-lhes com toda

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRÓTESE DENTÁRIA SANDRA MARIA PANIZZON SPAGNOL ADAPTAÇÃO MARGINAL EM PRÓTESE FIXA LIVRE DE METAL PASSO FUNDO 2008 SANDRA

Leia mais

Restauração semidireta associada a um retentor intrarradicular em dente anterior

Restauração semidireta associada a um retentor intrarradicular em dente anterior Restauração semidireta associada a um retentor intrarradicular em dente anterior 4 Semi-direct restoration in association with an intraradicular retainer in anterior tooth Vanessa Paola Filter 1 Franciele

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

REPARO EM PORCELANA. 3M ESPE Adper Single Bond TM 2 Adesivo Fotopolimerizável

REPARO EM PORCELANA. 3M ESPE Adper Single Bond TM 2 Adesivo Fotopolimerizável REPARO EM PORCELANA Preparação: Isole e limpe a superfície. Deixe a superfície metálica rugosa com uma broca ou através da técnica de jateamento. Remova toda porcelana enfraquecida. Bisele as margens.

Leia mais

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico rtigo Inédito Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico Oswaldo Scopin de ndrade*, José Carlos Romanini** RESUMO literatura científica atual preconiza para a dentição anterior a opção

Leia mais

Balsamo M. Cosmética em anomalias dentais. Dental Science - Clin e Pesq Integrada 2007; 1(2); 134-140.

Balsamo M. Cosmética em anomalias dentais. Dental Science - Clin e Pesq Integrada 2007; 1(2); 134-140. Ponto de contato................... Marcelo Balsamo* Balsamo M.. - Clin e Pesq Integrada 2007; 1(2); 134-140. blemas estéticos decorrentes de anomalias dentárias, sejam elas ocasionadas por fatores de

Leia mais

Caso Selecionado. Como o olhar analítico da Odontologia Estética reconstrói um sorriso

Caso Selecionado. Como o olhar analítico da Odontologia Estética reconstrói um sorriso Como o olhar analítico da Odontologia Estética reconstrói um sorriso Marcelo Moreira*, Marcelo Kyrillos**, Luis Eduardo Calicchio***, Hélio Laudelino G. de Oliveira****, Márcio J. A. de Oliveira*****,

Leia mais

Ponto de Contato. Conjugando Procedimentos Restauradores Indiretos e Diretos: Mimetizando Materiais Restauradores à Estrutura Dental

Ponto de Contato. Conjugando Procedimentos Restauradores Indiretos e Diretos: Mimetizando Materiais Restauradores à Estrutura Dental Ponto de Contato Conjugando Procedimentos Restauradores Indiretos e Diretos: Mimetizando Materiais Restauradores à Estrutura Dental Conjugating direct and indirect restorative procedures: Restorative materials

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Cristina Rech Grandi Molin Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Cristina Rech Grandi Molin Adaptação marginal de infraestruturas de próteses dentossuportadas obtidas por diferentes técnicas: Revisão de literatura

Leia mais

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE MÓDULO Tema: O papel da ASB nas especialidades de Prótese e Dentística. Trabalho

Leia mais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais

TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais TM703 Ciência dos Materiais PIPE Pós - Graduação em Engenharia e Ciências de Materiais Carlos Mauricio Lepienski Laboratório de Propriedades Nanomecânicas Universidade Federal do Paraná Aulas 7 1º sem.

Leia mais

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Grupo: 100-Diagnose - As consultas deverão ser faturadas em Guias de Atendimento - GA, separadamente dos demais procedimentos, que serão faturados na

Leia mais

MILHÕES P O O S A I S O M E N I T M U 8DE SORRISOS. www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES.

MILHÕES P O O S A I S O M E N I T M U 8DE SORRISOS. www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES. MILHÕES 8DE SORRISOS M U I T M U O I T M A I S O M E N P O O S R BRINDES DESCONTOS ECONOMIA QUALIDADE www.fgm.ind.br 0800 644 6100 PROMOÇÕES VÁLIDAS ENQUANTO DURAREM OS ESTOQUES. LEVE AGORA! WHITE CLASS

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA

Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA 1 Laura Tagliari Costa LAMINADOS CERÂMICOS COM DIFERENTES PREPAROS DA ESTRUTURA DENTÁRIA: REVISÃO LITERÁRIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA PUCRS PARA A OBTENÇÃO DO TÍTULO DE CIRURGIÃ-DENTISTA

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

Kit de Teste GrandTEC

Kit de Teste GrandTEC Kit de Teste GrandTEC Cara Utilizadora, Caro Utilizador, Este Kit de Teste foi criado para que possa experimentar num modelo a aplicação das tiras GrandTEC, confeccionadas em fibra de vidro impregnadas

Leia mais

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL

SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL 1 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 2009 2 ETEC PHILADELPHO GOUVÊA NETTO LESSANE CARLA LOZANO SISTEMAS CERÂMICOS SEM METAL Trabalho de

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Dentários Professora: Patrícia Cé Introdução AULA II Materiais de Moldagem Alginato Polissulfeto Poliéter Silicone de condensação

Leia mais

Catálogo Dentística e prótese

Catálogo Dentística e prótese Catálogo Dentística e prótese Pinos e Núcleos Exacto Metal Free Pino intra-radicular cônico em fibra de vidro CURSOR PARA O AJUSTE DE CORTE Apoio de restaurações e coroas protéticas Fibra de vidro: alta

Leia mais

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM SUBSECRETARIA DE ESTADO DE DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE ODONTOLOGIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS ODONTOLÓGICAS Módulo I: MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Instruções de utilização. AH Plus. Material de selamento de canais radiculares

Instruções de utilização. AH Plus. Material de selamento de canais radiculares Instruções de utilização Português 52 AH Plus Material de selamento de canais radiculares AH Plus é um cimento de obturação de canais de dois componente pasta/pasta á base de resinas epoxyamine com as

Leia mais

RESTAURAÇÃO PROTÉTICA COM FACETAS INDIRETAS DE IN-CERAM ALUMINA

RESTAURAÇÃO PROTÉTICA COM FACETAS INDIRETAS DE IN-CERAM ALUMINA RESTAURAÇÃO PROTÉTICA COM FACETAS INDIRETAS DE IN-CERAM ALUMINA PROSTHETIC RESTORATION WITH LAMINATE VENNERS INDIRECT OF IN-CERAM ALUMINA Marcelo Coelho GOIATO 1 Aldiéris Alves PESQUEIRA 2 Daniela Micheline

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

Módulo: REFRATÁRIOS Agosto/2014

Módulo: REFRATÁRIOS Agosto/2014 Módulo: REFRATÁRIOS Agosto/2014 Refratários Isolantes e Cálculos de Isolação Moacir da Ressurreição Agosto 2014 1/30 Isolantes Definição Tipos Finalidade Características Formatos Processo de Fabricação

Leia mais