Mudanças Climáticas e Mecanismo de REDD como isso afeta você!

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mudanças Climáticas e Mecanismo de REDD como isso afeta você!"

Transcrição

1 Mudanças Climáticas e Mecanismo de REDD como isso afeta você! 1

2 2

3 Mudanças Climáticas e Mecanismo de REDD como isso afeta você! 3

4 4 Apresentação As mudanças climáticas que o planeta Terra vem sofrendo é um tema que ganha a cada dia maior relevância na agenda de governos, das empresas e da sociedade como um todo. Embora ainda seja marcado por muita polêmica, o aquecimento do planeta fruto da atividade humana é, hoje, reconhecido pela comunidade científica internacional e demanda grande disposição política para sua mitigação. O clima sempre se modificou e continuará se modificando por razões naturais. Ocasionado pela associação de uma série de gases. O efeito estufa é responsável pela retenção do calor emitido pela Terra, o qual é gerado pela radiação do sol. Se esse mecanismo não existisse a temperatura média no planeta seria 30 graus abaixo dos níveis atuais. Com isso. várias espécies animais e vegetais desapareceriam e a configuração natural de inúmeras áreas habitadas pelos seres humanos seria alterada. Se por um lado o efeito estufa é benéfico, por outro a concentração excessiva de seus gases, especialmente o CO2, acaba formando uma barreira que dificulta a liberação para o espaço da energia refletida pela superfície da Terra. Esse fenômeno, provocado pelo homem, tornou-se conhecido como aquecimento global. Causado principalmente pela queima de combustíveis fósseis, o aquecimento global é hoje responsável por alterações drásticas no clima de todos os continentes e pelo aumento do nível dos oceanos. Segundo cientistas do IPCC concluiu que a grande parte do aquecimento observado nos últimos 50 anos se deve a atividades humanas.

5 As alterações climáticas deverão afetar os sistemas agrícolas e florestais com a subida das temperaturas, de uma elevada concentração de dióxido de carbono, de uma alteração dos regimes das chuvas ou do aumento das ervas daninhas, pragas e doenças. Em curto prazo, a frequência dos eventos meteorológicos extremos, como as secas, as vagas de calor, as inundações e as tempestades violentas, deverá aumentar. Essa cartilha é um instrumento que ajudará a desmistificar esse tema, introduzir conceitos básicos sobre meio ambiente, mudanças climáticas e os mecanismos de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD) e Pagamento por Serviços Ambientais (PSA). Bem como despertar sentimentos de responsabilidade perante o meio ambiente a partir da tomada de consciência de que todos fazem parte do ecossistema global e que as ações de cada um refletem em todo o planeta, gerando impacto em toda a humanidade. Resultado de um trabalho da Rede GTA, pelo componente III: Fortalecimento da Sociedade Civil e Movimentos Sociais do Projeto BR 163: Floresta, Desenvolvimento e Participação, que conta com o apoio técnico e a gestão financeira da FAO Brasil, recursos doados pela União Européia e coordenação do Departamento de Políticas de Combate ao Desmatamento da Secretaria Executiva do Ministério do Meio Ambiente este trabalho pretende orientar todas as lideranças e grupos dispostos a desenvolver mais com a temática de mudanças climáticas, bem como os mecanismos de REDD e PSA. 5

6 6 Sumário 8 O que é Mudança Climática? 10 Causas da crise climática 12 O desmatamento e a mudança climática 14 Impactos da mudança do clima na saúde e bem-estar da população 15 O que é IPCC? 16 Tratados e Acordos Internacionais 18 Acordo de Copenhague e Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC 20 Plano Nacional sobre Mudanças do Clima 22 Fundo Nacional de Mudança Climática (Fundo Clima) 23 Impactos das Mudanças Climáticas que podem afetar você diretamente, ou já afetam. 24 O que é mitigação? 26 O que é REDD? 27 Quando surgiu o REDD?

7 29 O que é o Fundo Amazônia? 30 REDD e populações da floresta 31 Riscos do REDD 32 Oportunidades do REDD 33 Existe um programa nacional de REDD+? 34 O que são Serviços Ambientais? 36 Categorização dos Serviços Ambientais 42 Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) 7

8 8 O que é mudança climática? Segundo cientistas do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática) a mudança do clima é o resultado de um processo de acúmulo de gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, que está em curso desde a revolução industrial. Como consequência desse processo a Terra vem aquecendo, estudos mostram que já houve um aumento de 0,7 graus Celsius e estimase que a temperatura média do planeta poderá elevar-se até mais de 2 graus (em alguns locais a temperatura poderá ser de mais de 5 ou 6 graus). Uma mudança na temperatura média do nosso planeta, com essa proporção, tem o potencial para causar grandes impactos sobre todas as formas de vida na Terra.

9 Intensificação do processo de mudança do clima Desde a Revolução Industrial, quando o mundo iniciou um processo acelerado de desenvolvimento o qual demanda grande consumo de fontes poluente de energia, a temperatura do planeta aumentou. Estudiosos apontam para um incremento de aproximadamente 39%. Desde então, a atmosfera tem retido calor, gerando, consequentemente, o efeito estufa, que são gases poluentes emitidos no ar como o dióxido de carbono (CO2), o metano e o óxido nitroso. 9

10 10 Causas da crise climática As principais fontes dos gases poluentes causadores do efeito estufa são a queima de combustíveis fósseis, ou seja, gás natural, carvão e petróleo, provenientes, na maioria das vezes, de termelétricas, indústrias, automóveis, aviões, carros e motos, e do desmatamento das florestas. A duração desses gases na atmosfera é longa. No mínimo cem anos, o que implica em uma alteração climática também de longo tempo.

11 Maiores emissões de gases de efeito estufa Os países desenvolvidos são, historicamente, os maiores responsáveis pelas emissões de gases de efeito estufa. Os Estados Unidos é o país líder no envio desses gases para a atmosfera. Porém, atualmente, países como China, Índia e Brasil, que estão em desenvolvimento ocupam também a posição dos grandes emissores. Isso se dá em função das mudanças no uso da terra, ou seja, a floresta que vai dando lugar à pastagem e agricultura, práticas que liberam uma grande quantidade de CO2 para a atmosfera contribuindo, assim, para o aquecimento global. Mesmo assim, ao calcular o total de emissões de um país dividido pelo tamanho de sua população, suas emissões continuam sendo mais baixas do que os países desenvolvidos ou industrializados. 11

12 12 O desmatamento e a mudança climática Nos últimos anos as florestas brasileiras estão sendo desmatadas para darem lugar à pastagem e ao cultivo de produtos agrícolas, especialmente a soja. A retirada da cobertura florestal causa alterações no regime de chuvas, tornando o clima mais extremo. O desmatamento, a exploração madeireira e os incêndios florestais causam o aumento das emissões de carbono oriundas das mudanças no uso do solo, diminuição da biodiversidade, alteração do ciclo hidrológico, que diminui a quantidade de água que a vegetação libera para a atmosfera (evapotranspiração) e, consequentemente, reduz o volume das chuvas, entre outras causas. Todos estes fatores potencializados pelo aquecimento global tornam mais intensos e frequentes os fenômenos de grande impacto ao meio ambiente, como seca, enchente, furacão, etc.

13 Impactos ambientais da alteração climática Os impactos previstos como consequência da mudança climática são muitos. É possível perceber essa reação nos eventos cotidianos tais como variação da temperatura do ano, frequência das chuvas e intensidade da seca e, também, em situações mais extremas, incidência de furações, enchentes, desertificação, fortes tempestades, derretimento de geleiras, aumento do nível dos oceanos e incêndios florestais. Algumas projeções indicam também que os efeitos da crise do clima afetam também a vida ecossistêmica colocando em risco a sobrevivência de várias espécies de animais, peixes, pássaros, insetos e plantas. 13

14 14 Impactos da mudança do clima na saúde e bemestar da população Além de contribuir para a proliferação de doenças respiratórias, insolação e doenças transmitidas por mosquitos da dengue e malária, a crise climática pode provocar o deslocamento populacional. Comunidades ribeirinhas podem ter suas casas alagadas, pequenos agricultores podem sofrer com a alteração do uso do solo inviabilizando a produção de alguns alimentos e povos indígenas podem ter dificuldades para a caça e a pesca.

15 O que é IPCC? Segundo o IPCC as principais causas das mudanças climáticas estão relacionadas à ação humana. A rapidez do aumento do índice de alteração dessas mudanças e as graves consequências são alertas para cuidarmos mais do nosso planeta. O relatório divulgado pelo IPCC afirma que o aumento de temperatura observado desde a metade do século 20 é resultado do aumento das concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera, provocados por atividades humanas. O IPCC é a sigla para Painel Intergovernamental de Mudança do Clima, ele foi criado em 1988 no âmbito das Nações Unidas, para dar início ao processo de análise e avaliação dos efeitos da mudança climática. As pesquisas no IPCC são debatidas por cientistas, representantes dos países-membros do Painel, incluindo o Brasil. 15

16 16 Tratados e acordos Internacionais A Convenção-quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (em inglês UNFCCC), foi estabelecida em 1992, e teve como objetivo principal afirmar o comprometimento dos países com metas de estabilização das concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera. Essa Convenção reconhece que os países desenvolvidos são os maiores responsáveis pelo aumento das emissões globais de gases de efeito estufa. Dessa forma, cabe a esse grupo de países o estabelecimento de medidas de redução de suas emissões, assim como o investimento em projetos de conservação ambiental e de captura de carbono em países em desenvolvimento, como o Brasil. O funcionamento dessa Convenção acontece por meio da sua Conferência das Partes (COP), que acontece anualmente, reunindo os grupos de apoio técnico e administrativo. Em 2012 será realizada a COP 18 no Catar. COP É o órgão supremo da Convenção que tem como uma de suas principais atribuições a elaboração de propostas para a implementação da Convenção e o acompanhamento das ações empreendidas pelos países-parte para que os objetivos da Convenção sejam alcançados.

17 Protocolo de Quioto Em 1997 foi celebrado o Protocolo de Quioto, que ganhou esse nome, pois foi firmado na cidade de Quioto no Japão, no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. Esse documento estabeleceu metas obrigatórias de redução de 5% das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), tendo como ano base as emissões de Os países desenvolvidos assumiram diferentes metas percentuais de redução dentro da meta global estabelecida. O Brasil, mesmo não fazendo desses países estabeleceu voluntariamente metas próprias para redução de emissões em território nacional, durante a COP 15 em O Protocolo de Quioto também estabeleceu três novos mecanismos, para auxiliar os países a alcançarem suas metas de redução: o Mecanismo de Implementação Conjunta, o Mecanismo de desenvolvimento Limpo (MDL) e o Comércio de Emissões. Por meio dos MDLs e do comércio de emissões, países desenvolvidos podem comprar créditos de carbono constituídos em projetos realizados em países em desenvolvimento como forma de balancear suas emissões. 17

18 18 Acordo de Copenhague e Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC Em 2009 foi realizada a 15ª Conferência das Partes (COP-15) em Copenhague, na Dinamarca, onde foi firmado esse Acordo internacional. Ele recomendou aos países que assinaram a Convenção do Clima que adotassem Ações Nacionais de Mitigação à Mudanças do Clima. Além disso, foi apresentado um guia para o desenvolvimento de atividades relacionadas à Redução de Emissões por desmatamento e Degradação Florestal e Conservação (REDD+) e para o fortalecimento dos estoques de carbono nos países em desenvolvimento.

19 Ainda em 2009 o Brasil instituiu sua Política Nacional sobre Mudança do Clima PNMC, através da Lei Federal n , de dezembro de Essa orientada pelo princípio da precaução e do desenvolvimento sustentável, ela conta com quatro fóruns de articulação institucional: a Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima (CIMGC), o Comitê Interministerial sobre Mudança do Clima (CIM), o grupo Executivo sobre Mudança do Clima (GEX) e o Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC). Essa Política possui ainda três instrumentos que auxiliam a sua execução: Comunicação Nacional do Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança no Clima, o Plano Nacional sobre Mudança do Clima e o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima. 19

20 20 Plano Nacional sobre Mudança do Clima Tem como objetivo principal incentivar o desenvolvimento e o aprimoramento de ações de mitigação no Brasil, como forma de colaborar com o esforço mundial de redução das emissões de gases de efeito estufa e desenvolver condições para que o Brasil possa gerenciar os impactos das mudanças climáticas em seu território. O Plano possui quatro eixos: Oportunidades de mitigação; Impactos, vunerabilidades e adaptação; Pesquisa e desenvolvimento; Educação,capacitação e comunicação.

21 Os diferentes setores econômicos nacionais devem desenvolver os seus planos setoriais de mitigação e adaptação às Mudanças Climáticas, para tanto esses planos devem apontar: a meta de redução de emissões até o período de 2020, para cada setor, incluindo metas com intervalo máximo de três anos. Vulnerabilidade: Significa o quanto um sistema tem de capacidade de lidar com mudanças adversas do clima (Ex: População ribeirinha vive em um local com alto grau de Vulnerabilidade as alterações climáticas, como em grandes cheias de rios e enchentes). 21

22 22 Fundo Nacional de Mudança do Clima (Fundo Clima) O Fundo Clima constitui um dos principais instrumentos de promoção e financiamento das atividades ligadas à Política Nacional sobre Mudança do Clima. Foi regulamentado pelo Decreto nº 7.343, de 26 de outubro de 2010, o Fundo tem como objetivo assegurar recursos de apoio a projetos ou estudos e financiamento para empreendimentos que visem à mitigação da mudança do clima e à adaptação aos efeitos da mudança do clima. Os recursos podem ser aplicados em apoio financeiro reembolsável e não-reembolsável. Este Fundo é gerido por um Comitê Gestor, presidido pelo Secretário-Executivo do Ministério do Meio Ambiente (MMA), que conta ainda com a participação de 10 representantes de ministérios, Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), comunidade científica, Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, organizações não governamentais com atuação na área climática, representantes dos setores industrial, rural, dos governos estaduais e municipais e dos trabalhadores da área rural e urbana.

23 Impactos das Mudanças Climáticas que podem afetar você diretamente, ou já afetam. Na Amazônia brasileira, só nos últimos cinco anos ocorreram duas grandes secas, em 2005 e Além disso, uma das piores enchentes já vistas, no ano de 2006, ocorrendo logo após a seca extrema do ano anterior. Afetando diversas comunidades e setores da vida humana, como o transporte, agricultura, saúde pública e saneamento, esses eventos trouxeram impactos significativo na vida das pessoas e na economia. O interior da região nordeste do país também está entre as mais vulneráveis á mudança do clima. Conhecido como Semi-árido ou sertão, o alto potencial de evaporação deste local combinado com o aumento da temperatura causaria a diminuição de lagos, açudes e reservatórios, além de contribuir para a redução do nível dos rios e riachos. Dentro das zonas urbanas esses impactos também vem acontecendo cada vez mais, eventos extremos como chuvas mais intensas ocasionaram cada vez mais o risco de deslizamentos em morros desmatados, afetando as populações que moram nestes lugares. As inundações e grandes centros urbanos também se tornam mais frequentes. 23

24 24 O que é mitigação? Intervenção humana com o intuito de reduzir ou remediar um determinado impacto negativo. Como mitigar a alteração Climática As atividades de reflorestamento são exemplos de ações que promovem a diminuição da concentração desses gases na atmosfera, desempenhando um importante papel no combate à intensificação do efeito estufa, por meio da remoção ou sequestro de CO2 da atmosfera. Isso é possível graças à fotossíntese, que permite a fixação do carbono nos troncos, galhos, folhas, raízes das plantas e no solo. Conclui-se, então, que a floresta em pé é fundamental para manter o equilíbrio climático.

25 Exemplos de atividades de reflorestamento A atividade de reflorestamento foi reconhecida pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima e pelo Protocolo de Quioto como medida mitigadora de grande importância no combate à mudança climática. O reflorestamento pode ser estimulado pelo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, que é o investimento, por parte dos países, em projetos que contribuam para o desenvolvimento sustentável e para a redução ou captura de emissões de gases. As nações envolvidas com esse tipo de ação recebem certificados de redução de emissões emitidos pelo Conselho Executivo do MDL e que podem ser negociados no mercado global. Recentemente as atividades de reflorestamento foram também incorporadas no conceito de REDD+ - Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal, o qual prevê ações que promovam o aumento dos estoques de carbono em países em desenvolvimento. 25

26 26 O que é REDD? A sigla REDD quer dizer Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal. É o mecanismo adotado para incentivar financeiramente aqueles que mantem as florestas em pé, sem desmatar, e com isso, evitar as emissões de gases de efeito estufa. O que é REDD+ É o conceito de REDD adicionado a atribuição de valores de compensação a práticas de conservação, manejo sustentável de florestas e aumento de seus estoques de carbono florestal em países em desenvolvimento.

27 Quando surgiu o REDD? A sigla REDD surgiu na COP13 em Porém, países participantes e observadores (Ex: Organizações não governamentais) da Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima vêm discutindo, desde 2003, a criação de incentivos para a redução de emissões de desmatamento e degradação florestal em países em desenvolvimento. 27

28 28 REDD no Brasil O Brasil é um dos atores chaves nos debates de REDD por ser detentor da maior floresta tropical do mundo, a Amazônia, e por ter taxas de desmatamento cada vez maiores. Já existem hoje iniciativas de REDD apoiadas pelo Fundo Amazônia e por organizações não governamentais. Alguns projetos em fase de aprovação e outros já em fase de execução. Além disso, existem ações com financiamentos provenientes de outras fontes.

29 O que é o Fundo Amazônia? O Fundo Amazônia tem por finalidade captar doações de investimentos não-reembolsáveis, para promoção de projetos de prevenção, monitoramento, combate ao desmatamento, conservação e uso sustentável das florestas no bioma amazônico. Atualmente o Fundo Amazônia tem 28 projetos aprovados. Tais projetos têm em vista um apoio do BNDES, para ações de combate ao desmatamento, cadastramento e levantamento de dados ambientais e fundiários de propriedades rurais (especialmente em regiões com altos índices de desmatamento), recuperação de áreas degradadas, uso sustentável da floresta e promoção de atividades sustentáveis para as populações locais. 29

30 30 REDD e populações da floresta As comunidades tradicionais e os povos indígenas são os grandes responsáveis pela defesa das florestas. Essas populações vêm desempenhando um papel fundamental no sentido de evitar emissões de gases de efeito estufa por meio do desmatamento evitado em seus territórios. As áreas protegidas (AP) na Amazônia Brasileira, onde vivem os povos das florestas, possuem efeito inibidor do desmatamento dentro e fora dos seus limites.

31 Riscos do REDD As iniciativas de REDD quando realizadas de maneira indevida podem gerar impactos como: a transferência do desmatamento para outra região da floresta ou outro país que não contempla um programa ou projeto de REDD, a não garantia do envolvimento e participação dos povos da floresta na construção de políticas e projetos de REDD, a incerteza de que os recursos serão direcionados de fato aos responsáveis pela conservação da floresta - povos indígenas e comunidades tradicionais. 31

32 32 Oportunidades do REDD O mecanismo de REDD pode ser uma alternativa para manter o equilíbrio climático, frear o desmatamento, reduzir as emissões de gases de efeito estufa à atmosfera, incentivar a atividade de reflorestamento, contribuir para a proteção dos direitos dos povos indígenas e comunidades tradicionais que vivem e dependem da natureza para sobreviver, preservar a Fauna e Flora silvestres e dar subsídios para melhorar as condições socioeconômicas dos povos da floresta, valorizando seu papel de atores responsáveis pela conservação da floresta.

33 Existe um programa nacional de REDD+? O Ministério do Meio Ambiente está em processo de desenvolvimento de uma Estratégia Nacional de REDD+. Um debate com a sociedade civil, setor privado e demais atores envolvidos na temática foi iniciado em 2010 e por meio de grupos de trabalho esses atores elaboraram um documento norteador para apoiar a criação de um marco regulatório. Esse processo ainda está em andamento e a expectativa é que um marco legal seja construído para garantir o direito dos povos da floresta. 33

34 34 O que são Serviços Ambientais? Os serviços ambientais (também conhecidos como serviços ecossistêmicos) são benefícios prestados pela natureza que favorecem o homem e o funcionamento da vida no planeta como um todo. São os resultados de todas as interações existentes na natureza e que proporcionam qualidade de vida para todos os seres vivos. Estes serviços incluem produtos obtidos diretamente do meio ambiente, por exemplo, alimentos, água e remédios e serviços de regulação, como a manutenção da biodiversidade, a manutenção das chuvas, proteção do solo, da erosão, polinização, absorção de CO2, serviços culturais entre outros. Embora não tenham um preço estabelecido, os serviços ambientais são muito valiosos para o bemestar e para própria sobrevivência da humanidade, pois dos serviços ambientais, dependem a agricultura (que demanda solos férteis, polinização, chuva e outros) e a indústria (que precisa de combustível, água, matérias primas de qualidade etc.)

35 Quanto trabalho custaria para o agricultor fazer o serviço de polinização (que as abelhas fazem sem cobrar) garantindo uma boa produtividade? Quanto esforço e tempo seriam necessários para transformar toda a matéria orgânica que existe em uma floresta em nutrientes disponíveis para as plantas, se não existissem os seres da natureza (decompositores) que o fazem de graça? Quantas máquinas seriam necessárias para prestar o serviço de produzir oxigênio e purificar o ar, serviço que as plantas e as algas fazem diariamente? Quanto vale todos esses serviços que a natureza faz? 35

36 36 Categorização dos Serviços Ambientais: Tipos de Seviços Ambientais Alimentos (Cultivos, gado, pesca, alimentos silvestres) Serviços de Provisão Fibras (Madeira, algodão, seda) Recursos Genéticos Bioquímicos. remédios naturais, produtos farmacéuticos Água doce Regulação da qualidade do ar Regulação do Clima (global, regional e local) Regulação da água Serviços de Regulação Regulação da erosão Purificação da água Controle de doenças e pragas Polinização Serviços Culturais Serviços Apoiadores Controle contra desastres naturais Valor espiritual e religioso Valor estético Recreação e ecoturismo Formação dos solos e minérios Fotossíntese Ciclagem de nutrientes

37 Os serviços de provisão são produtos dos ecossistemas e incluem, por exemplo, produtos madeireiros e não-madeireiros das florestas ou frutos do mar. Exemplos de Serviços Ambientais de Provisão Alimentos Fibras Bioquímicos Água Doce 37

38 38 Exemplos de Serviço Ambientais de Regulação: Erosão Erosão é o arraste do solo e das rochas causado principalmente pela chuva. O solo sofre uma desagregação com o impacto da gota de chuva, que depois arrasta-o. Faça o teste, pegue 3 garrafas pets, faça o corte nelas conforme o ilustrado. Em uma das garrafas coloque uma terra com grama, no segundo terra com matéria orgânica (folhas, galhos, etc) e no terceiro apenas terra. Na boca da garrafa coloque um copo para que a água escora nele. Depois é só despejar um pouco de água em cima e ver o resultado. Se o terreno possui cobertura vegetal, ocorrerá diminuição do impacto da chuva e a velocidade da chuva no solo será menor devido aos obstáculos. Como consequência, temos a purificação das águas dos rios e lagos garantindo assim, uma água de qualidade.

39 Exemplos de serviços ambientais de regulação: biodiversidade O termo biodiversidade pode ser definido como a diversidade da vida, ou seja, a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as relações ecológicas nas quais elas ocorrem. A biodiversidade varia com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do que nos climas temperados. A Floresta Amazônica é muito rica em biodiversidade. Por exemplo, a Bacia Amazônica possui mais que um terço de todas as espécies vivas do planeta. Um hectare desta floresta pode conter mais do que 300 espécies de árvores! A biodiversidade fornece alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima que é utilizada por todos nós. 39

40 40 Exemplos de Serviço Ambientais de Regulação: Manutenção das Chuvas e do Clima A chuva que cai na Amazônia é, basicamente, o resultado do somatório da umidade que vem do Oceano Atlântico com a transpiração das plantas e a evaporação da água dos rios e lagos. Até 40% da precipitação na Amazônia deriva da transpiração da própria Floresta. Grande parte da umidade amazônica é levada até a região centro-oeste, sudeste e sul do Brasil, sob a forma de vapor d agua, através de correntes de ar. São verdadeiros rios voadores que fazem chover nessas regiões garantindo a produção agrícola. 1 árvore amazônica, com copa de 10m de diâmetro, pode bombear para a atmosfera cerca de 300L de água por dia.

41 3 Essa umidade avança em sentido oeste até a Cordilheira dos Andes. Durante essa trajetória, o vapor d agua sofre uma recirculação ao passar sobre a floresta. 2 A intensa evapotranspiração e condensação sobre a Amazônia produz a sucção dos alíseos, bombeando esses ventos para o interior do continente, gerando chuvas e fazendo mover os rios voadores. 4 Quando a umidade encontra a Cordilheira dos Andes, parte dela se precipitará novamente, formando as cabeceiras dos rios da Amazõnia 6 Na fase final, os rios voadores ainda podem alimentar os reservatórios de água do Sudeste e da Região Sul, se dispersando pelos países fronteiriços, como Paraguai e Argentina Na faixa equatorial do Oceano Atlântico ocorre intensa evaporação. É lá que o vento carrega-se de umidade. A umidade que atinge a região andina em parte retorna ao Brasil por meio dos rios voadores e pode precipitar em outras regiões. Segundo os dados coletados pelo pesquisador Gérard Moss, a quantidade de vapor de água transportada pelos rios voadores pode ter o mesmo volume, ou mais, que a vazão do próprio rio Amazonas ( m3/s), parte disso é realizado pelos serviços prestados da floresta! A derrubada das matas e substituição por pastos diminuem a transpiração e a umidade, podendo levar mudanças sérias no clima brasileiro

42 42 Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) Colocar preço em uma determinada porção de floresta sempre levou em consideração somente os produtos que, de lá, poderiam ser extraídos. Entrava nesta conta ganhos com venda de madeira, atividade agropecuária (exercida na área desflorestada) etc. Os serviços ambientais, embora essenciais, nunca foram incluídos nos cálculos. Um exemplo disso é o fato de que propriedades rurais desmatadas são mais valorizadas do que aquelas preservadas. No entanto, já entendemos que os serviços ambientais são fundamentais para a manutenção da vida e que as florestas são muito importantes nesse processo. Então, agora podemos discutir como a preservação das florestas pode ser associada a sistema de pagamentos por serviços ambientais (PSA). Desta forma, comunidades tradicionais (índios, ribeirinhos, quilombolas, etc) que vivem da floresta podem receber incentivos para não desmatar e/ou investimentos para manejar sustentavelmente a floresta. O proprietário de uma fazenda com produção agropecuária poderia substituir sua atividade econômica pela prestação de serviços ambientais, bastando, para tanto, recuperar e conservar o ecossistema original da propriedade.

43 Mas quem paga essa conta? Uma das primeiras perguntas que vem à cabeça, quando o assunto é PSA, é quem vai pagar pelos serviços ambientais? Afinal de contas, era um custo até então inexistente. Quem deve pagar por um determinado serviço é quem usufrui do mesmo, concorda? Trata-se, portanto, de um custo que deve ser assumido por toda a sociedade. 43

44 44 Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) Para que o PSA tenha sentido, evidentemente, a preservação do meio ambiente tem de ser mais lucrativa do que sua destruição. Ou seja, os ganhos recebidos pelo prestador de serviços ecológicos têm de ser mais significativos do que seria potencialmente obtido com outras atividades econômicas. Esta equação, contudo, não é tão fácil de se resolver. Para que se crie um mecanismo de pagamento por serviços ambientais pelo menos quatro condições tem que ocorrer: 1. Serviço ambiental definido (o produto): Deve existir um serviço ambiental muito bem definido (como os que discutimos na Seção 1) cuja manutenção seja de interesse para alguém. Este será o produto a ser comercializado. 2. Pagador ou comprador: Alguém (uma pessoa ou grupo de pessoas) que está disposto a pagar por este produto, no caso a conservação do serviço ambiental específico. 3. Provedor ou recebedor: Alguém (uma pessoa ou grupo de pessoas) que recebe um recurso financeiro ou benefício pelo compromisso e prática de manter determinado serviço ambiental.

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS João Paulo Nardin Tavares INTRODUÇÃO Já podemos sentir o aquecimento global No último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, órgão

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br

Marcio Halla marcio.halla@fgv.br Marcio Halla marcio.halla@fgv.br POLÍTICAS PARA O COMBATE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA AMAZÔNIA Programa de Sustentabilidade Global Centro de Estudos em Sustentabilidade Fundação Getúlio Vargas Programa de

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Evitando o Desforestamento na Amazônia: REDD e os Mercados PSA Cuiabá, 1º de abril de 2009

Evitando o Desforestamento na Amazônia: REDD e os Mercados PSA Cuiabá, 1º de abril de 2009 Evitando o Desforestamento na Amazônia: REDD e os Mercados PSA Cuiabá, 1º de abril de 2009 Desflorestamento e Mudança do Clima Luiz Gylvan Meira Filho Pesquisador Visitante Instituto de Estudos Avançados

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Mineração e Sustentabilidade Ambiental. Ricardo Santana Biólogo, MSc

Mineração e Sustentabilidade Ambiental. Ricardo Santana Biólogo, MSc Mineração e Sustentabilidade Ambiental Ricardo Santana Biólogo, MSc Itinga, setembro de 2010 Itinga Mineração - Missão Transformar recursos minerais em riquezas e desenvolvimento sustentável Para nossos

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL Leticia Guimarães Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Maputo, Moçambique, 2-4 de maio de 2012 Estrutura

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Haroldo Palo. Hilton Franco. Mirella Domenich. A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Artur Paiva Engenheiro Florestal MSc. Coordenador

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA)

Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA) Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA) Conteúdo A Política Nacional sobre Mudança do Clima O Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima) Aplicações Não-Reembolsáveis Aplicações Reembolsáveis

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Quais são os gases do efeito estufa?

Quais são os gases do efeito estufa? Foto: Edu Coelho O efeito estufa Nos últimos anos os cientistas têm pesquisado os aspectos climáticos do nosso planeta e uma importante e preocupante descoberta é a elevação de sua temperatura média devido

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima Dr. Osvaldo Moraes Diretor DEPPT/MCTI Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto O regime diferencia obrigações de países

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE Mudanças Climáticas Temperatura Precipitação Nível do Mar Saúde Agricultura Florestas Recursos Hídricos Áreas Costeiras Espécies e Áreas Naturais Mudanças Climáticas

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Clima e mudanças climáticas na Amazônia

Clima e mudanças climáticas na Amazônia Diligência Pública ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS Manaus-AM, 18 de maio de 2009 Comissão Mista de Mudanças Climáticas Clima e mudanças climáticas na Amazônia Antonio Ocimar Manzi manzi@inpa.gov.br

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA TIMBO, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai

Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Fundação Nacional do Índio Diretoria de Proteção Territorial Coordenação Geral de Monitoramento Territorial Povos Indígenas e Serviços Ambientais Considerações Gerais e Recomendações da Funai Mudanças

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Realização: Aquecimento Global. Parceiros: Apoiadores:

Realização: Aquecimento Global. Parceiros: Apoiadores: Realização: Parceiros: Aquecimento Global Apoiadores: O que é o efeito estufa? É um fenômeno natural, provocado por alguns gases da atmosfera, que mantêm o nosso planeta aquecido. Esse processo acontece

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro

Climate Change, Energy and Food Security 13 de novembro de 2008 Rio de Janeiro Climate Change, Energy and Food Security Rio de Janeiro Mudanças Climáticas Amazônia, Problemas Ambientais e Proteção da Biomassa Israel Klabin F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V

Leia mais

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado;

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado; PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima, fixa seus

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

PROTEGENDO AS FLORESTAS DO PLANETA Biodiversidade & Clima

PROTEGENDO AS FLORESTAS DO PLANETA Biodiversidade & Clima UNEP/CBD/COP/9/3: Relatório da SBSTTA13 XIII/2. Revisão da implementação do programa de trabalho sobre Biodiversidade e Florestas PROTEGENDO AS FLORESTAS DO PLANETA Biodiversidade & Clima As mudanças climáticas

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação

Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Portugal e Alterações Climá/cas baixo carbono e adaptação Outubro de 2011 Comissão para as Alterações Climá/cas Comité Execu3vo Em 200 anos, emitimos a quantidade de carbono que havia sido emitida nos

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Brasília, 12 de maio de 2011 MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OS MECANISMOS DE GESTÃO AMBIENTAL Eduardo Delgado Assad Secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Emissões de GEE Média Anual das Emissões

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS. Eduardo de Araujo Rodrigues PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Eduardo de Araujo Rodrigues Nos últimos 50 anos, os ecossistemas do mundo foram agredidos e modificados pela ação do homem, mais rápido e profundamente que em qualquer

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países:

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: A Floresta Amazônica A maior floresta tropical do planeta São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: Bolivia Equador Venezuela Colombia Peru Suriname Guiana Guiana Francesa Brasil A Floresta

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Os organismos retiram constantemente da natureza os elementos químicos de que necessitam, mas esses elementos sempre retornam ao ambiente. O processo contínuo de retirada e de devolução de elementos químicos

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

Cuiabá 23 de Setembro de 2012 REDD+ em Mato Grosso: Rumo à implementação. Panorama de REDD+ no Mundo e no Brasil

Cuiabá 23 de Setembro de 2012 REDD+ em Mato Grosso: Rumo à implementação. Panorama de REDD+ no Mundo e no Brasil Cuiabá 23 de Setembro de 2012 REDD+ em Mato Grosso: Rumo à implementação Panorama de REDD+ no Mundo e no Brasil Apresentação: Paulo Moutinho Diretor Executivo IPAM moutinho@ipam.org.br www.ipam.org.br

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

Propostas de Posição (MMA)

Propostas de Posição (MMA) Rio de Janeiro, 15 de Outubro de 2009 Aos membros do Fórum, Conforme estava previsto, foi realizada no dia 13 de outubro do corrente ano reunião do Presidente da República para tratar da posição da posição

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Nota de Idéia de Projeto

Nota de Idéia de Projeto Nota de Idéia de Projeto Obs.: Esse documento é de caráter orientador, para a FAZENDA FRICAL, tratando do seu potencial de geração de créditos ambientais (carbono). Todas as estimativas apresentadas são

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010 Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília 08 e 09 de Junho 2010 No Programa de Governo Gestão 2009-2012 está previsto o Programa Biocidade e neste o Plano

Leia mais