INSTRUÇÃO DE TRABALHO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÃO DE TRABALHO"

Transcrição

1 1. Modo de Proceder Descrição Capítulo I Disposições e regras genéricas 1. No exercício das competências afectas ao Departamento de Suporte Técnico e Administrativo (DSTA), compete à directora do departamento coordenar, orientar e supervisionar a gestão do sistema municipal de atendimento, através do Gabinete do Munícipe (GM), nomeadamente no que se refere à recolha e processamento de sugestões e de reclamações, registando-as e encaminhando-as para os serviços competentes, conforme definido nos artigos 36º e 54º do Regulamento Orgânico do Município de Lagos (ROML). 2. Os clientes da Câmara Municipal de Lagos poderão apresentar as suas sugestões e reclamações, por escrito, através de correio, fax, , formulário on-line disponível no Balcão Virtual (BV), caixas de sugestões disponíveis nos locais de atendimento, pessoalmente no GM, ou utilizando o Livro de Reclamações disponível nos locais de atendimento. 3. As sugestões e as reclamações deverão ser redigidas em português e, preferencialmente, de forma clara, objectiva e concisa, descrevendo os factos que motivam a sugestão ou a reclamação e, se possível, indicando/sugerindo a solução ou acção correctiva considerada oportuna. 4. Para que as sugestões ou reclamações sejam consideradas, tratadas e respondidas, é indispensável a identificação do cliente, com nome e um número de identificação (contribuinte, bilhete de identidade, ou cartão do cidadão), e a indicação do seu endereço postal e/ou electrónico. Não existindo endereço electrónico, será conveniente a indicação de um número de telefone/telemóvel para uma comunicação mais rápida e directa. 5. Os documentos que cheguem aos serviços municipais sem identificação e/ou sem forma de contacto com o respectivo autor, não poderão ser considerados para efeitos de tratamento e resposta. 6. Sempre que solicitado pelo cidadão, deverão ser emitidos recibos comprovativos da recepção de sugestões ou reclamações, os quais poderão ser fotocópia das mesmas contendo a data e assinatura do colaborador receptor. No caso das reclamações efectuadas no Livro de Reclamações, deverá ser sempre entregue ao reclamante o duplicado da reclamação, conforme indicado no livro. 1/5

2 Capítulo II Metodologia de recepção e tratamento A recepção e tratamento das sugestões e das reclamações, como instrumento de institucionalização de audição e aferição da qualidade dos serviços prestados pela Câmara Municipal de Lagos, concretizar-se-á nos seguintes termos, independentemente se resulta do atendimento efectuado no Gabinete do Munícipe (GM), no Serviço de Arquivo Municipal (SAM) ou da correspondência recepcionada no Serviço de Gestão de Fluxos de Informação (SGFI), encaminhada pelos cidadãos para a Câmara Municipal de Lagos pelo correio, por fax ou por 1. Tratamento e registo das sugestões 1.1 Encontra-se disponível para os cidadãos, nos espaços de atendimento, uma caixa de sugestões e opiniões onde poderão depositar o formulário Sugestão Mod , disponibilizado junto à caixa, manifestando as suas sugestões e opiniões sobre os serviços da Câmara Municipal de Lagos. 1.2 Deverá ser verificada diariamente a existência de sugestões e opiniões nas caixas disponíveis. 1.3 As sugestões e opiniões recepcionadas serão objecto de registo imediato no Sistema de Gestão Documental (SGD), pelo GM e SAM no âmbito do seu atendimento presencial e das respectivas caixas de sugestões, bem como pelo SGFI no caso da correspondência encaminhada pelos cidadãos. Em qualquer das circunstâncias, deverão aqueles serviços, aquando do registo, cumprir, obrigatoriamente, as seguintes condições: Tipo de Registo: Entrada; Tipo de Documento: Sugestão. 1.4 Após o registo, deverá ser adoptado o seguinte procedimento: Caso o assunto diga respeito a alguma das três unidades orgânicas indicadas no ponto anterior, o respectivo coordenador informa da oportunidade da sugestão e submete a despacho da directora do departamento, colhendo previamente o visto da chefe de divisão administrativa no caso do SAM e do SGFI Caso o assunto diga respeito a outra unidade orgânica, será directamente submetido a despacho da directora do departamento para efeitos de encaminhamento, cujos movimentos deverão ficar registados no SGD Cada director de departamento decidirá da oportunidade de implementação das melhorias sugeridas para as actividades desenvolvidas no departamento que dirige. 1.5 Todas as sugestões e opiniões consideradas válidas nos termos do ponto 4 do capítulo anterior, deverão ser objecto de resposta pelo serviço a que o assunto diga respeito, com a maior brevidade possível, que não deverá exceder, em regra, 15 dias úteis. 2/5

3 1.6 Nos casos em que se conclua pela necessidade de alongar o prazo de resposta, deve o serviço dar informação intercalar da fase de tratamento do assunto em análise. 1.7 Toda a tramitação das sugestões e opiniões, os respectivos anexos e os despachos que recaiam sobre as mesmas, deverão ser registadas no SGD; devendo, igualmente, ser efectuadas as ligações ao ofício de resposta, assim como o devido arquivamento, a fim de permitir o tratamento estatístico e outro que se mostre necessário. 2. Tratamento e registo das reclamações 2.1 As reclamações recepcionadas nos termos do ponto 2 do capítulo anterior serão objecto de registo imediato no Sistema de Gestão Documental (SGD), pelo GM e SAM no âmbito do seu atendimento presencial, bem como pelo SGFI no caso da correspondência encaminhada pelos cidadãos. Em qualquer das circunstâncias, deverão aqueles serviços, aquando do registo, cumprir, obrigatoriamente, as seguintes condições: Tipo de Registo: Entrada; Tipo de Documento: Reclamação. 2.2 Do registo de todas as reclamações deverá constar cópias para o Sr. Presidente, para o responsável pela Qualidade e para o interlocutor da Qualidade da unidade orgânica a que o assunto diga respeito, quando exista. Os originais das reclamações serão sempre remetidos para o serviço a que o assunto diga respeito. 2.3 Após do registo, deverá ser adoptado o seguinte procedimento: Caso o assunto diga respeito a alguma das três unidades orgânicas indicadas no ponto 2.1, o respectivo coordenador informa a mesma e submete a despacho da directora do departamento, colhendo previamente o visto da chefe de divisão administrativa no caso do SAM e do SGFI Caso o assunto diga respeito a outra unidade orgânica que não estas, será directamente submetida a despacho da directora do departamento para efeitos de encaminhamento, cujos movimentos deverão ficar registados no SGD. 2.4 A unidade orgânica a quem for distribuído o original da reclamação deverá, caso esteja integrada no Sistema de Gestão da Qualidade, abrir um Boletim de Não Conformidade (Mod.005.0), nos termos do procedimento Tratamento do Serviço Não Conforme, Acções Correctivas e Preventivas (P.003), e remetê-lo ao responsável pela Qualidade 3/5

4 . 2.5 Todas as reclamações deverão ser despachadas pelo Sr. Presidente, após informação do serviço a que o assunto se refira, não sem antes ser colhido o visto/despacho do respectivo chefe de divisão, quando exista, e director do departamento respectivo. 2.6 É obrigatório oficiar ao reclamante no prazo máximo de 15 dias, acusando a recepção da reclamação e informando das decisões tomadas ou do ponto de situação sobre as averiguações e procedimentos em curso. 2.7 Toda a tramitação das reclamações, os respectivos anexos e os despachos que recaiam sobre as mesmas, deverão ser registadas no SGD; devendo, igualmente, ser efectuadas as ligações ao ofício de resposta, assim como o devido arquivamento, a fim de permitir o tratamento estatístico e emissão de relatórios. Capítulo III Relatórios 1. No âmbito das competências cometidas neste âmbito ao DSTA, referidas no ponto 1 do capítulo I da presente Instrução de Trabalho, a directora efectuará mensalmente o devido tratamento estatístico de todas as sugestões e reclamações registadas, elaborando relatórios que contemplarão nomeadamente os seguintes aspectos: número de sugestões e de reclamações registadas, por tipologia, assunto, prazo de resposta e descritivo das medidas tomadas. 2. Os relatórios serão remetidos para a responsável da Qualidade, com conhecimento ao Sr. Presidente, a fim de serem analisados aquando da revisão pela gestão do Sistema de Gestão da Qualidade. 4/5

5 2. Objectivo Esta instrução de trabalho tem como objectivo definir os procedimentos a aplicar à recepção, registo, tratamento e controlo das sugestões e reclamações apresentadas pelos cidadãos, organização ou seu representante, ao Município de Lagos. 3. Âmbito Esta instrução de trabalho aplica-se a todas as sugestões e reclamações apresentadas pelos cidadãos, recebidas nos serviços da Câmara Municipal de Lagos, através dos diferentes meios disponíveis. 4. Responsabilidades As responsabilidades relativas à validação do documento, encontram-se definidas no Procedimento P Controlo dos Documentos. 5. Referências Regulamento Orgânico do Município de Lagos; Código do Procedimento Administrativo; Decreto-Lei nº 135/99, de 22 de Abril. 6. Histórico de Modificações Revisão Modificações Criação do documento 5/5

REGULAMENTO DO CONSULTOR

REGULAMENTO DO CONSULTOR De forma a assegurar o bom funcionamento das atividades de consultoria, o GIAGI Consultores em Gestão Industrial Lda. define um conjunto de regras para serem adotadas pelos consultores e seguidamente apresentadas,

Leia mais

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal

BOLETIM DE VOTO Exercício do Voto por Correspondência Postal Ex.mo. Sr. Presidente da Mesa da Assembleia Geral de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. Voto por Correspondência Postal Assembleia Geral Extraordinária de Accionistas da Sonae SGPS, S.A. de 27 de Abril de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do BCN tem por função principal a defesa e promoção dos direitos, garantias e

Leia mais

Regulamento do Documento Único de Cobrança

Regulamento do Documento Único de Cobrança Portaria n.º 1423-I/2003 ANEXO - Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Documento único de cobrança Artigo 3.º - Emissão Artigo 4.º - Comprovativo do pagamento Artigo 5.º - Envio de informação Artigo 6.º - Registo

Leia mais

GABINETE DO CIDADÃO R E G U L A M E N T O I N T E R N O

GABINETE DO CIDADÃO R E G U L A M E N T O I N T E R N O R E G U L A M E N T O I N T E R N O NOVEMBRO 2009 Regulamento Interno Í N D I C E CAPÍTULO I----------------------------------------------------------------------------------------------- 1 DISPOSIÇÕES

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL 1 - Por força do disposto no EOA, os cidadãos de nacionalidade brasileira diplomados por qualquer faculdade de Direito do Brasil ou de Portugal,

Leia mais

Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição

Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição 1 Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL DE SINTRA EM 26 DE MARÇO DE 2008 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 18 DE ABRIL DE 2008 2 Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo Considerando que nas últimas décadas temos vindo a assistir ao aumento dos índices de envelhecimento e de dependência das pessoas idosas entre

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Sociedade Aberta - Capital Social ,00 - Pessoa Colectiva n.º C.R.C. Lisboa

CONVOCATÓRIA. Sociedade Aberta - Capital Social ,00 - Pessoa Colectiva n.º C.R.C. Lisboa JERÓNIMO MARTINS, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Rua Tierno Galvan, Torre 3 9.º J, Lisboa Capital Social de Euro 629.293.220,00 Matricula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e NIPC: 500 100 144

Leia mais

Litho Formas Portuguesa, S.A.

Litho Formas Portuguesa, S.A. Relatório sobre o governo das sociedades Cotadas A Litho Formas, S. A. respeita e cumpre com as recomendações da CMVM sobre o governo das sociedades cotadas, sempre que aplicável e de acordo com a sua

Leia mais

Programa do 5º Leilão. Artigo 1º

Programa do 5º Leilão. Artigo 1º Programa do 5º Leilão Artigo 1º Objeto O presente procedimento tem como objeto a abertura, e respetiva regulamentação, de Leilão com vista à colocação dos Títulos de Biocombustíveis (TdB) correspondentes

Leia mais

Avenida Luís Bívar, Lisboa, Portugal. Tel: Regulamento Geral. Formação

Avenida Luís Bívar, Lisboa, Portugal. Tel: Regulamento Geral. Formação Avenida Luís Bívar, 85 1050-143 Lisboa, Portugal Tel: +351 21 781 62 82 Regulamento Geral Formação Última revisão Fevereiro 2011 Índice Índice 2 Introdução 3 Inscrições e Condições de Acesso 3 Funcionamento

Leia mais

Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. Sociedade anónima com o capital aberto ao investimento público

Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. Sociedade anónima com o capital aberto ao investimento público Reditus Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. Sociedade anónima com o capital aberto ao investimento público Sede: Av. 5 de Outubro, n.º 125, Loja 2, 1050-052 Lisboa Capital Social de 73.193.455,00

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA RECONHECIMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS POR VIAS NÃO FORMAIS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA RECONHECIMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS POR VIAS NÃO FORMAIS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA RECONHECIMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ADQUIRIDAS POR VIAS NÃO FORMAIS TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS PERCURSO PROFISSIONAL E DE FORMAÇÃO NRP

Leia mais

Regulamento de comunicação interna de irregularidades

Regulamento de comunicação interna de irregularidades Regulamento de comunicação interna de irregularidades Serviço de Auditoria Interna Capítulo I - Enquadramento De acordo com o disposto na alínea b) do n.º 2 do artigo 17.º do anexo II do Decreto-Lei n.º

Leia mais

MUNICÍPIO DO CADAVAL Câmara Municipal HASTA PÚBLICA PARA A CEDÊNCIA TEMPORÁRIA DA EXPLORAÇÃO DO BAR DA PISCINA MUNICIPAL DO CADAVAL

MUNICÍPIO DO CADAVAL Câmara Municipal HASTA PÚBLICA PARA A CEDÊNCIA TEMPORÁRIA DA EXPLORAÇÃO DO BAR DA PISCINA MUNICIPAL DO CADAVAL HASTA PÚBLICA PARA A CEDÊNCIA TEMPORÁRIA DA EXPLORAÇÃO DO BAR DA PISCINA MUNICIPAL DO CADAVAL Com vista à adjudicação de exploração do Bar da Piscina Municipal, a delibera abrir a presente hasta pública,

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO, POR SORTEIO DO DIREITO DE OCUPAÇÃO DOS LUGARES VAGOS DO CAMPO DA FEIRA DO CADAVAL

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO, POR SORTEIO DO DIREITO DE OCUPAÇÃO DOS LUGARES VAGOS DO CAMPO DA FEIRA DO CADAVAL MUNÍCIPIO DE CADAVAL CÂMARA MUNICIPAL CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO, POR SORTEIO DO DIREITO DE OCUPAÇÃO DOS LUGARES VAGOS DO CAMPO DA FEIRA DO CADAVAL PROGRAMA DE CONCURSO Secção I Disposições Gerais ARTIGO

Leia mais

Despacho n.º B/99

Despacho n.º B/99 ENTIDADE REGULADORA DO SECTOR ELÉCTRICO Despacho n.º 21496-B/99 O Decreto-lei n.º 195/99, de 8 de Junho, estabelece o regime aplicável às cauções nos contratos de fornecimento aos consumidores dos serviços

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL. Introdução CAPÍTULO II

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL. Introdução CAPÍTULO II REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL Introdução No cumprimento do disposto no Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, com a redação dada pelo Decreto- Lei n.º 137/2012, de 2 de julho, o do Agrupamento

Leia mais

Manual de Reclamações

Manual de Reclamações Manual de Reclamações A recolha de Reclamações ou consulta no NAVe/SIAC é efectuada através do Menu Gestão/Reclamações. Selecciona: ACEITAÇÃO DE RECLAMAÇÕES Introdução da Reclamação Consulta de Reclamação

Leia mais

Freguesia de Penela da Beira

Freguesia de Penela da Beira EDITAL Alexandre Rui Lopes Escudeiro, Presidente da Junta de Freguesia de Penela da Beira: Torna público que esta Junta de Freguesia em reunião extraordinária de 17 de Setembro de 2010, aprovou o seguinte

Leia mais

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD )

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Unidade de Informação Financeira Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Índice 1. Objectivo da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas (DIPD)... 3

Leia mais

CERTIDÕES OU FOTOCÓPIAS AUTENTICADAS NO ÂMBITO DA REABILITAÇÃO URBANA

CERTIDÕES OU FOTOCÓPIAS AUTENTICADAS NO ÂMBITO DA REABILITAÇÃO URBANA CERTIDÕES OU FOTOCÓPIAS AUTENTICADAS NO ÂMBITO DA REABILITAÇÃO URBANA SM Proc. nº / Registo nº / IMP.PG.02.0677.00 Exmº Sr. Presidente da REQUERENTE (Nome do requerente / sociedade), contribuinte nº, com

Leia mais

Município de Espinho. Câmara Municipal. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor A da Feira Semanal

Município de Espinho. Câmara Municipal. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor A da Feira Semanal Concorrentes 1- Podem candidatar-se ao sorteio as pessoas singulares ou colectivas que sejam portadoras do cartão do cartão de feirante ou do comprovativo do pedido de cartão de feirante ou ainda do título

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

Município de Espinho. Câmara Municipal. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor B da Feira Semanal

Município de Espinho. Câmara Municipal. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor B da Feira Semanal Município de Espinho Câmara Municipal Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor B da Feira Semanal Programa de procedimento Secção I Disposições Gerais Artigo

Leia mais

MANUAL DE Data: 30/09/2009 PROCEDIMENTOS Página 1 de 10 LICENCIAMENTO

MANUAL DE Data: 30/09/2009 PROCEDIMENTOS Página 1 de 10 LICENCIAMENTO OBJECTIVO: DEPARTAMENTO DE URBANISMO Capítulo: II Secção: 3 PROCEDIMENTOS Página 1 de 10 Definir o modo de tratar o pedido de autorização de operação urbanística, ao abrigo do artigo 4.º e dos artigos

Leia mais

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GÓIS REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS PARA A CRIAÇÃO DO LOGÓTIPO DO 1. Promotor e Disposições Gerais O Agrupamento de Escolas de Góis (AEG) leva a efeito o concurso de ideias para apresentação de propostas de

Leia mais

CONVITE. Câmara Municipal de Proença a Nova CESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO BAR DA ZONA DE LAZER DA PEDRA DO ALTAR

CONVITE. Câmara Municipal de Proença a Nova CESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO BAR DA ZONA DE LAZER DA PEDRA DO ALTAR CONVITE Câmara Municipal de Proença a Nova CESSÃO DE EXPLORAÇÃO DO BAR DA ZONA DE LAZER DA PEDRA DO ALTAR A Câmara Municipal de Proença a Nova, sita na Avenida do Colégio, 6150 401 Proença a Nova, com

Leia mais

Proposta de Programa de Concurso. Artigo 1.º. Artigo 2.º. (Entidade Promotora) Artigo 3.º. (Do envio das propostas)

Proposta de Programa de Concurso. Artigo 1.º. Artigo 2.º. (Entidade Promotora) Artigo 3.º. (Do envio das propostas) CONCURSO PÚBLICO PARA CONCESSÃO, EM REGIME DE LOCAÇÃO DE ESTABELECIMENTO COMERCIAL, DO PARQUE DE CAMPISMO DA BARRAGEM DO VILAR, SITO NA FREGUESIA DE VILAR, MUNICÍPIO DE MOIMENTA DA BEIRA Proposta de Programa

Leia mais

Concurso público para selecção de plataformas electrónicas para contratação pública. Programa do Concurso

Concurso público para selecção de plataformas electrónicas para contratação pública. Programa do Concurso Concurso público para selecção de plataformas electrónicas para contratação pública Programa do Concurso ANCP Novembro de 2008 Índice Artigo 1.º Objecto do concurso... 3 Artigo 2.º Entidade pública contratante...

Leia mais

Martifer SGPS, SA REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA DA MARTIFER SGPS/GRUPO MARTIFER

Martifer SGPS, SA REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA DA MARTIFER SGPS/GRUPO MARTIFER 2008 Martifer SGPS, SA REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA DA MARTIFER SGPS/GRUPO MARTIFER REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA E CONDUTA Martifer SGPS, S.A., sociedade aberta ARTIGO 1º (Composição)

Leia mais

X NÚMERO DE PROCESSO. A organização do ano escolar em 2008/2009 processa-se de acordo com o

X NÚMERO DE PROCESSO. A organização do ano escolar em 2008/2009 processa-se de acordo com o DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE PLANEAMENTO E RECURSOS EDUCATIVOS OFÍCIO CIRCULAR CONJUNTO Nº PARA: IRE/DRAE/DREER/DAJ/GGF.. X NÚMERO DE PROCESSO DATA Ensino/Educação: oficial particular...

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Elaborado por: Página 2 de 11 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º

Leia mais

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS

REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS REGULAMENTO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, I.P.

Leia mais

Ficha de Inscrição - VERÃO 2015

Ficha de Inscrição - VERÃO 2015 Ficha de Inscrição - VERÃO 2015 1. Dados Pessoais do Participante Nome Completo: Data de Nascimento: / / Idade: Nº BI/C. do Cidadão/Cédula Pessoal: N.º de Beneficiário: Nº de Contribuinte: Morada: Localidade:

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

Conselho Geral Transitório

Conselho Geral Transitório Direcção Regional de Educação do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GRÃO VASCO VISEU Código 161858 Conselho Geral Transitório REGULAMENTO DO PROCESSO CONCURSAL DE ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS

Leia mais

Concurso para a Criação de Logótipo da Conferência de Ministros Responsáveis pela Juventude e pelo Desporto da CPLP. Regulamento

Concurso para a Criação de Logótipo da Conferência de Ministros Responsáveis pela Juventude e pelo Desporto da CPLP. Regulamento Anexo 2 Concurso para a Criação de Logótipo da Conferência de Ministros Responsáveis pela Juventude e pelo Desporto da CPLP Regulamento Os Ministros Responsáveis pelo Desporto da Comunidade dos Países

Leia mais

Política de tratamento de Clientes BPI Vida e Pensões, S.A.

Política de tratamento de Clientes BPI Vida e Pensões, S.A. Política de tratamento de Clientes BPI Vida e Pensões, S.A. Janeiro de 2016 1 Índice Enquadramento... 3 Regulamento da Política de Tratamento dos Tomadores de Seguro, Segurados, Beneficiários ou Terceiros

Leia mais

Concurso para a Criação do Hino dos Jogos Desportivos da CPLP

Concurso para a Criação do Hino dos Jogos Desportivos da CPLP Concurso para a Criação do Hino dos Jogos Desportivos da CPLP REGULAMENTO Os Ministros Responsáveis pelo Desporto da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, reunidos em Salvador, Brasil, no dia 3 de

Leia mais

SERVIÇO DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES

SERVIÇO DE GESTÃO DE RECLAMAÇÕES O serviço de gestão de reclamações De acordo com o artigo nº 157.º da Lei n.º 14/2015, de 9 de Setembro, referente ao regime jurídico de acesso e exercício da actividade seguradora e resseguradora, as

Leia mais

Campanha A Minha Voz Contra a Pobreza. Concurso Logótipo e Mascote CoimbraContraPobreza. Regulamento

Campanha A Minha Voz Contra a Pobreza. Concurso Logótipo e Mascote CoimbraContraPobreza. Regulamento Campanha A Minha Voz Contra a Pobreza Concurso Logótipo e Mascote CoimbraContraPobreza Regulamento 1. Promotor A Associação Mandinga de Iúna, com a colaboração do Instituto Português da Juventude e da

Leia mais

Município de Fafe. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares da feira Semanal de Fafe. Programa de procedimento

Município de Fafe. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares da feira Semanal de Fafe. Programa de procedimento Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares da feira Semanal de Fafe Programa de procedimento Secção I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto do Procedimento 1- O presente

Leia mais

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO CONCURSO DESENHO OFICIAL SARDINHA ASSADA 16

REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO CONCURSO DESENHO OFICIAL SARDINHA ASSADA 16 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO CONCURSO DESENHO OFICIAL SARDINHA ASSADA 16 Artigo 1.o (Objecto) 1. O Concurso Desenho Oficial Sardinha Assada 16 é uma iniciativa da Comissão de Organização da Festa da Amizade

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO PROVENIENTE DA UNIÃO EUROPEIA

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO PROVENIENTE DA UNIÃO EUROPEIA INSCRIÇÃO DE ADVOGADO PROVENIENTE DA UNIÃO EUROPEIA DOCUMENTOS A ENTREGAR (Reg. Nº 232/2007, de 4 de Setembro) 1) Requerimento de inscrição (Anexo A) 2) Boletim de inscrição com a assinatura pessoal e

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO Departamento de Formação Permanente Desenvolvemos Competências Humanizadas REGULAMENTO DA FORMAÇÃO 1 - MISSÃO, OBJECTIVOS, ESTRATÉGIA 1.1 - Missão O Departamento de Formação Permanente

Leia mais

1. A sociedade tem por objecto:.

1. A sociedade tem por objecto:. CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima e a firma. 2. A sociedade tem o número de pessoa colectiva e o número de

Leia mais

Concurso de Ideias para Logótipo da Federação Portuguesa de Dança Desportiva Regulamento

Concurso de Ideias para Logótipo da Federação Portuguesa de Dança Desportiva Regulamento Concurso de Ideias para Logótipo da Federação Portuguesa de Dança Desportiva Regulamento 1. Promotor e Objectivos Na entrada de um novo mandato, a Federação Portuguesa de Dança Desportiva, leva a efeito

Leia mais

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Lisboa. Capital social: Euro

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Lisboa. Capital social: Euro IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20, 5º andar, Escritório n.º 19 1200-273 Lisboa Capital social: Euro 12.500.000 Matriculada

Leia mais

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações

GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações GTMMI, Lda. Regulamento Geral de Formações Objectivo Para além da prática clínica como actividade principal, o GTMMI desenvolve também actividades no âmbito da formação contínua e pós-graduada. Este presente

Leia mais

Descrição de Funções Biblioteca Municipal de Faro (FBM)

Descrição de Funções Biblioteca Municipal de Faro (FBM) Título da Função: DIRECÇÃO Reporta a: Chefe de Divisão / Directora de Departamento Gerir actividades e pessoal Planeamento e proposta de políticas e estratégias de actuação Proposta de Plano Anual de Actividades

Leia mais

REGULAMENTO. Intercâmbio Nacional de Estudantes para efeitos de orientação ou coorientação de trabalhos de investigação

REGULAMENTO. Intercâmbio Nacional de Estudantes para efeitos de orientação ou coorientação de trabalhos de investigação REGULAMENTO Intercâmbio Nacional de Estudantes para efeitos de orientação ou coorientação de Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.0 (José João Amoreira)) (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto

Leia mais

INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (sociedade aberta)

INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (sociedade aberta) INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (sociedade aberta) Sede: Rua Braamcamp, n.º 40 9.º D, 1250-050 Lisboa Capital social: 180 135 111,43 Número único de pessoa colectiva e de matrícula na

Leia mais

Programa de Procedimento

Programa de Procedimento Programa de Procedimento Hasta Pública Câmara Municipal de Vila Real de Santo António Em cumprimento dos deveres e competências desta Câmara Municipal, vai proceder-se através de hasta pública, à alienação

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL Convocatória

ASSEMBLEIA GERAL Convocatória INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, S.A. (sociedade aberta) Sede: Rua Braamcamp, n.º 40 9.º andar, 1250-050 Lisboa Capital social: 204 176 479,38 Número único de pessoa colectiva e de matrícula

Leia mais

Jr" Comunicação Interna de Irregularidades

Jr Comunicação Interna de Irregularidades UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DO ALTO MINHO, E.P.E. Conse1b~Qe Admlr.!5tra!L~O. 11 Olr sessão N.Q~ Data {..!t..jjllt~lb Jr" Comunicação Interna de Irregularidades Artigo 1 Objetivo e âmbito o presente regulamento

Leia mais

PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE PROGRAMA DE RADIO SOBRE O QREN. Programa do Concurso

PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE PROGRAMA DE RADIO SOBRE O QREN. Programa do Concurso PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE PROGRAMA DE RADIO SOBRE O QREN Programa do Concurso Lisboa, 2009 PROGRAMA DO CONCURSO Concurso público n.º /2009, para a aquisição de serviço de produção e difusão de programa de

Leia mais

Ministério da Comunicação Social;

Ministério da Comunicação Social; Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo N. 75 / 2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Inspecção do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

REGULAMENTO REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO

REGULAMENTO REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO REGULAMENTO REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Fundamentos Decisão Objectivos Genéricos Fundamentos Legais Instrumentos para a implementação Linhas Orientadoras Condições de Acesso Excepções

Leia mais

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor.

1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor. Capítulo I DEFINIÇÃO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. A presente norma transitória reguladora aplica-se aos procedimentos inerentes ao pedido de inscrição e atribuição do cartão de leitor. 2. Entende-se por inscrição

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS NºNº/MÊS/08

NORMA DE PROCEDIMENTOS NºNº/MÊS/08 NORMA DE PROCEDIMENTOS NºNº/MÊS/08 AL/3 Fevereiro de 203 TRAMITAÇÃO PARA ACOMPANHAMENTO DOS DOCUMENTOS PREVISIONAIS E DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DA REGIÃO CENTRO ÍNDICE:. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO RESPEITANTE AO FUNCIONAMENTO DA EXPOSIÇÃO DE VELHARIAS E ANTIGUIDADES DE BRAGA. Artigo 1º. Lei Habilitante

REGULAMENTO RESPEITANTE AO FUNCIONAMENTO DA EXPOSIÇÃO DE VELHARIAS E ANTIGUIDADES DE BRAGA. Artigo 1º. Lei Habilitante REGULAMENTO RESPEITANTE AO FUNCIONAMENTO DA EXPOSIÇÃO DE VELHARIAS E ANTIGUIDADES DE BRAGA Artigo 1º Lei Habilitante O presente Regulamento é elaborado ao abrigo do disposto na alínea a) do n. 0 2 do art.

Leia mais

FLUXO INTERNO DE REVALIDAÇÃO / RECONHECIMENTO DE DIPLOMAS ESTRANGEIROS (TRÂMITE ADMINISTRATIVO DE ABERTURA DO PROCESSO)

FLUXO INTERNO DE REVALIDAÇÃO / RECONHECIMENTO DE DIPLOMAS ESTRANGEIROS (TRÂMITE ADMINISTRATIVO DE ABERTURA DO PROCESSO) (TRÂMITE ADMINISTRATIVO DE ABERTURA DO PROCESSO) 1. Recepção da documentação; 2. Conferência e autenticação dos documentos; 3. Elaboração de CI para abertura de processo; 4. Envio de e-mail aos diretores

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA DE PARCEIROS DO GRUPO DE ACÇÃO LOCAL CASTELOS DO COA PRINCÍPIOS GERAIS O presente regulamento define as normas de funcionamento da Assembleia de Parceiros do Grupo de

Leia mais

guia concurso de ideias

guia concurso de ideias guia do concurso de ideias O Projecto LIMACRIA tem como parceiros as seguintes entidades: CEVAL - Conselho Empresarial do Vale do Lima IPVC - Instituto Politécnico de Viana do Castelo SPI - Sociedade Portuguesa

Leia mais

ESTACIONAMENTO SUBTERRÂNEO DO PELOS TRABALHADORES DA AUTARQUIA

ESTACIONAMENTO SUBTERRÂNEO DO PELOS TRABALHADORES DA AUTARQUIA NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO PARQUE DE ESTACIONAMENTO SUBTERRÂNEO DO EDIFÍCIO PAÇOS DO CONCELHO SÉC. XXI PELOS TRABALHADORES DA AUTARQUIA As presentes normas têm por objecto: Artigo 1.º Objecto 1- Regulamentar

Leia mais

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais

Leia mais

Regulamento de implementação e funcionamento da Loja Social de Alenquer

Regulamento de implementação e funcionamento da Loja Social de Alenquer Regulamento de implementação e funcionamento da Loja Social de Alenquer Nota Justificativa Num contexto marcado por uma profunda crise sócio-económica, que origina o crescente aumento de situações de pobreza

Leia mais

Registo nº. DATA: / /

Registo nº. DATA: / / Registo nº. DATA: / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais AVERBAMENTO DE NOME EM PROCESSO POR SUBSTITUIÇÃO DO DIRECTOR DE OBRA/DIRECTOR DE FISCALIZAÇÃO DE OBRA/EMPREITEIRO

Leia mais

O prazo para entrega de sugestões termina no dia 26 de dezembro de 2016.

O prazo para entrega de sugestões termina no dia 26 de dezembro de 2016. Nº de proc. 01/2016 Objeto (s) Regulamento Interno de Horário de Trabalho do ITQB Departamento responsável pela tramitação do procedimento Conselho de Gestão do ITQB Responsável pela Direção do procedimento

Leia mais

Instrução de Trabalho. Certificados de Formação e de Frequência / Declarações

Instrução de Trabalho. Certificados de Formação e de Frequência / Declarações OBJECTIVO: Garantir a qualidade e padronizar, na sua forma e conteúdos, os certificados entregues aos formandos das várias modalidades da formação. Pretende-se ainda padronizar um modelo de Declaração

Leia mais

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A.

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E LIMPEZA URBANA PELA EGEO TECNOLOGIA E AMBIENTE, S.A. REGULAMENTO TARIFÁRIO E DE EXPLORAÇÃO DA CONCESSÃO DOS SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E RECOLHA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ÁREA DE JURISDIÇÃO DA APL -ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S.A. ANEXO II MODELO

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE COMPARTICIPAÇÃO EM MEDICAMENTOS E TRANSPORTE DE DOENTES Preâmbulo O Concelho de Vieira do Minho, tal como a maioria dos Concelhos do interior do país, tem vindo a assistir nas

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL AVISO CONVOCATÓRIO

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL AVISO CONVOCATÓRIO IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado Rua da Misericórdia, 12 a 20, 5º andar, Escritório n.º 19 1200-273 Lisboa Capital social: Euro 12.500.000 Matriculada

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95)

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95) SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIDADE DA EDUCAÇÃO (Despacho nº 23/ME/95) - Organização de actividades de intercâmbio, entre as escolas, de projectos de inovação ou de investigação REGULAMENTO ESPECÍFICO -

Leia mais

REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA

REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA Área Proponente GGV REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA Data de Emissão 02-08-2013 Regulamento Eleitoral Artigo 1.º (Direito de voto) Compete aos trabalhadores

Leia mais

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para Frequência dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente Regulamento, nos termos do Decreto-

Leia mais

Município de Viana do Alentejo

Município de Viana do Alentejo Assinar PDFs e Outras informações uteis 1 - Como Criar PDF/A Para criar um PDF a partir de um ficheiro de texto ou excel pode guardar o ficheiro em formato PDF. Em outras situações pode-se descarregar

Leia mais

REGULAMENTO DE QUALIDADE DE SERVIÇO

REGULAMENTO DE QUALIDADE DE SERVIÇO REGULAMENTO DE QUALIDADE DE SERVIÇO Relatório Anual ano 2015 ÍNDICE 1. Enquadramento... 2 2. Indicadores de Qualidade de Serviço Comercial... 3 2.1. Indicadores gerais... 3 2.2. Indicadores individuais...

Leia mais

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer,

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, Departamento de Urbanismo Município de Alenquer Câmara Municipal REGISTO DE ENTRADA Nº Em / / Proc. N.º / / O Func. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, EMISSÃO DE ALVARÁ DE OBRAS DE

Leia mais

SONAECOM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

SONAECOM, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta SONAECOM, S.G.P.S., S.A. Sede Social: Lugar do Espido, Via Norte, Maia Matriculada na Conservatória de Registo Comercial da Maia Número único de Matrícula e de Pessoa Coletiva 502 028 351 Capital Social

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO DESPORTIVO

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO DESPORTIVO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE MÉRITO DESPORTIVO PÁGINA 1 DE 12 ÍNDICE PREÂMBULO.. 3 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. 4 CAPÍTULO II BOLSAS DE MÉRITO.. 5 CAPÍTULO III - CONDIÇÕES DE ACESSO E CRITÉRIOS..7

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DA OFERTA DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DA OFERTA DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DA OFERTA DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS Introdução A Lei nº 5/2004, de 10 de Fevereiro, estabelece o regime jurídico aplicável às redes e serviços de comunicações

Leia mais

OET Ordem dos Engenheiros Técnicos REGULAMENTO ELEITORAL 2011

OET Ordem dos Engenheiros Técnicos REGULAMENTO ELEITORAL 2011 OET Ordem dos Engenheiros Técnicos REGULAMENTO ELEITORAL 2011 Artigo 1.º Organização 1. A organização das eleições é da competência do Conselho Directivo Nacional da ANET Associação Nacional dos Engenheiros

Leia mais

INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO

INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO INSCRIÇÃO COMO ADVOGADO RNE 52-A/2005 DOCUMENTOS A ENTREGAR: Requerimento de inscrição de Advogado (anexo A); 3 Boletins de Inscrição com a assinatura pessoal e profissional do requerente, preenchidos

Leia mais

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra (Direção Intermédia de 2º Grau) Designação do Cargo: Áreas

Leia mais

Regulamento DGAE n.º 1/2008 Com alterações introduzidas em

Regulamento DGAE n.º 1/2008 Com alterações introduzidas em Regulamento DGAE n.º 1/2008 Com alterações introduzidas em 12-05-2011 Procedimentos aplicáveis à emissão do Cartão de Feirante instituído pelo Decreto-Lei n.º 42/2008, de 10 de Março O Decreto-Lei n.º

Leia mais

Município de Portalegre

Município de Portalegre Município de Portalegre www.cm-portalegre.pt Candidatura ao Concurso de Atribuição de Habitação em Regime de Arrendamento Apoiado A preencher pelos serviços Entrada n.º: Registado em: Processo n.º: O Funcionário:

Leia mais

Município de Torres Novas

Município de Torres Novas Município de Torres Novas Divisão de Bibliotecas e Museus MVSEV MVNICIPAL CARLOS REIS Regulamento Interno DENOMINAÇÃO Artigo 1º Por deliberação da Câmara Municipal de Torres Novas, de 20 de Abril de 1933,

Leia mais

FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO

FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO FREGUESIA DE OLIVEIRA DO DOURO REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Página 1 Artigo 1º Objecto 1 - O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos de controlo que permitam

Leia mais

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes:

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes: CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA A) Declaram constituir uma sociedade nos termos dos artigos seguintes: Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADES GABINETE PROVEDORIA DO CLIENTE 2016

RELATÓRIO ACTIVIDADES GABINETE PROVEDORIA DO CLIENTE 2016 RELATÓRIO ACTIVIDADES GABINETE PROVEDORIA DO CLIENTE 6 Gabinete de Provedoria do Cliente Criado com a missão de contribuir para a melhoria da qualidade dos serviços prestados pelo BCN aos seus Clientes

Leia mais

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos

REGULAMENTO. Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos REGULAMENTO Gabinete de Consulta Jurídica e de Apoio Jurídico do Municipio de Arruda dos Vinhos Aprovação Câmara Municipal: 02-05-2016 Assembleia Municipal: 27-06-2016 REGULAMENTO DO GABINETE DE CONSULTA

Leia mais

Financiado pela AAC - Agência de Aviação Civil

Financiado pela AAC - Agência de Aviação Civil Concurso Financiado pela AAC - Agência de Aviação Civil Concurso Concurso para Apresentação de Propostas no âmbito de Selecção de um Fiscal Único Nº 02/2017 I. Entidade Contratante: Agencia de Aviação

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

INFORMAÇÕES E MANUAL. Matrícula / Inscrição ALUNOS COLOCADOS NO ISEL PELO 1º ANO 1ª VEZ OU CNAES - 1ª FASE ATUAIS ALUNOS DO ISEL

INFORMAÇÕES E MANUAL. Matrícula / Inscrição ALUNOS COLOCADOS NO ISEL PELO 1º ANO 1ª VEZ OU CNAES - 1ª FASE ATUAIS ALUNOS DO ISEL INFORMAÇÕES E MANUAL Matrícula / Inscrição 2013-14 - ALUNOS COLOCADOS NO ISEL PELO 1º ANO 1ª VEZ OU CNAES - 1ª FASE 2013 - ATUAIS ALUNOS DO ISEL - OUTROS CONCURSOS DE ACESSO Autor Data Inscrições / Matrículas

Leia mais