LEITURA E INCLUSÃO: DO QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS SOBRE ISSO?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEITURA E INCLUSÃO: DO QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS SOBRE ISSO?"

Transcrição

1 Texto parcial da palestra apresentada durante o 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias em novembro de 2014, publicado com autorização da autora. LEITURA E INCLUSÃO: DO QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS SOBRE ISSO? Ana Carolina Carvalho 1 Começo o texto com uma breve memória pessoal. Era janeiro. O ano, Eu estava com quase seis anos e passaria férias inteiras em São Paulo, à espera do nascimento do meu irmão. Perto de casa havia uma biblioteca pública infantil, a Álvaro Guerra. Seu jardim e suas salas foram as minhas férias. Lembro-me de que sentia como se estivesse em casa. Muitas vezes, brincando apenas no jardim. Mas os livros estavam ali, bem perto. À mão. Outras vezes, tomando lanche, conversando num canto qualquer, mas os livros estavam ali, bem perto. À disposição. Há também a memória do frescor da sala ampla, cheia de estantes e da procura por algo para se ler. Lembro-me de que o efeito de estar num lugar onde se guardam e onde se valorizam os livros e a leitura, e a certeza da permanência de algo acessível a qualquer momento me faziam pensar: pode não ser hoje, mas sei que os livros estão aqui, perto de mim e eu posso lê-los. E inevitavelmente aconteceu: estar entre livros e entre outros leitores, para além da experiência que eu já tinha na escola e em casa com a leitura, me posicionou de um modo especial diante dos livros, numa relação mais íntima com eles. O contato constante com aquela biblioteca naquelas férias foi crucial e marcante. E seu efeito não foi efêmero. Penso que reforçou o lugar que construía para mim como leitora, como alguém que toma parte, que se reconhece numa cultura letrada. 1 Psicóloga, formadora no Instituto Avisa Lá, membro do Grupo ALLE Alfabetização, Leitura e Escrita da Faculdade de Educação da UNICAMP e do Instituto Emília.

2 Sentir-se parte de uma cultura letrada é saber-se leitor, saber que aquilo que foi escrito pode me dizer respeito, é também meu. Quando leio um texto literário, por exemplo, a sensação é que aquele texto foi escrito para mim. Naquele momento, é meu. E como dizia o escritor Bartolomeu Campos de Queirós, meu porque produzo um terceiro texto, tecido a partir das palavras do autor e das minhas palavras, aquelas que me habitam e que me fazem ser quem eu sou. Fazer parte dessa cultura letrada é sentir-se incluído dessa maneira. Dialogando intimamente com os textos e concebendo-os como parceiros possíveis na ampliação do conhecimento, na busca de sentido ou referências para a vida, na tentativa de se descolar do imediatismo do cotidiano, em busca de emoção ou de humor. Direito à literatura Em 1988, o crítico literário Antonio Candido escreve seu célebre texto O direito à literatura. Nele, defende que o direito à ficção e, portanto, à literatura, pode ser comparado aos direitos básicos do ser humano, como o de vestir-se e alimentar-se, como o direito à educação e à moradia. O contato com a literatura como arte garante a integridade do espírito, assim como a presença da liberdade individual, o direito de ter uma opinião, o direito ao lazer, à crença religiosa. Os direitos humanos são aqueles que não apenas asseguram a integridade física, mas também a espiritual. Ninguém vive sem o seu quinhão de devaneio, de sonho, de fantasia. Desde que o homem é homem, ele necessita das histórias para viver. A necessidade da ficção é universal e atemporal. Basta pensarmos em nosso cotidiano: quantos de nós consegue passar sem o pequeno devaneio diário, sem cantar uma música, sem a novela, sem sair nem um pouquinho que seja de si? Este é um aspecto que fala-nos da importância das bibliotecas. Do lugar que podem ocupar, entre as necessidades diárias de todos nós. As bibliotecas são, definitivamente, esta fonte ou esta possibilidade de acesso à ficção.

3 Há outro aspecto igualmente fundamental e que tem sido largamente explorado nos últimos anos. Numa sociedade letrada como a nossa, não é mais possível pensarmos numa inclusão verdadeira ou numa cidadania plena sem que se passe pelo domínio da palavra escrita. Como já afirmou a psicolinguista argentina Emília Ferreiro 2, a inserção da leitura e da escrita nas sociedades nem sempre foi a mesma. Há vários séculos, ler e escrever eram atividades reservadas a apenas algumas pessoas, que se preparavam para exercer determinados ofícios. Atualmente, leitura e escrita não são mais sinal de distinção ou de sabedoria, mas de cidadania. Leitura e cidadania Assim escreveu Emília Ferreiro: a democracia, esta forma de governo na qual todos apostamos, demanda, requer, exige indivíduos alfabetizados. O exercício pleno da democracia é incompatível com o analfabetismo dos cidadãos. A democracia plena é impossível sem níveis de alfabetização acima do mínimo conhecimento da ortografia e da assinatura do nome. Não é possível seguir apostando na democracia sem fazer esforços necessários para aumentar o número de leitores (leitores plenos e não apenas decifradores de textos). 3 Acompanhando esta demanda, a universalização do acesso à escola seria o caminho para a democratização da alfabetização plena. Não obstante, por inúmeros motivos, isto nem sempre se dá de fato sobretudo pela tecnização da leitura e da escrita, retiradas do contexto real em que circulam para serem ensinadas apenas como habilidades longe das práticas sociais. No entanto, mesmo quando a educação básica atinge seus objetivos e forma cidadãos plenamente alfabetizados, ainda vemos que as práticas de leitura, em especial a literária, não costumam sobreviver muito tempo após a saída da escola. A leitura, como parte da vida, como este direito inalienável de que nos 2 Pasado y presente de los verbos ler y escribir. Buenos Aires: Fondo de Cultura Economica, Idem. Páginas 17 e 18. Tradução livre feita do espanhol.

4 fala Antonio Candido, costuma ir rareando para muitos dos cidadãos alfabetizados. E então, nos perguntamos: o que será que acontece com esses leitores? Recentemente, tivemos a 3ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, com seus resultados publicados em A pesquisa já é conhecida de um grande público e busca revelar quais sãos as condições da leitura em nosso país. Apesar de precisarmos fazer ressalvas, como por exemplo, o fato da valorização disseminada da leitura influenciar, algumas respostas, a pesquisa nos oferece dados importantes, que nos dizem respeito: a frequência à leitura e às bibliotecas diminuem com o fim da vida escolar. Ou seja, a leitura ainda é vista como atividade ligada à escola e aos estudos. Com esses dados em mãos, podemos interrogar o sucesso da escola na formação de leitores permanentes. Mas também podemos questionar: o que é capaz de manter a leitura na vida do cidadão que sai da escola? Ou mesmo para aquele que está na escola, o que mais sustenta e instiga a leitura, além dos estudos? Nos últimos dois anos, tenho investigado práticas de leitura entre leitores adolescentes de uma escola pública municipal paulistana, na Vila Brasilândia, na zona norte de São Paulo. Numa das entrevistas que realizei com alunos do 7º ano, deu-se este diálogo: Pesquisadora: Alguém já foi em alguma biblioteca, além da Sala de Leitura da escola? Alunos: Não! Pesquisadora: Não? Aluno 1: Eu nem sei como é uma biblioteca por dentro. Pesquisadora: Nem sabe como é uma biblioteca por dentro? Aluno 2: Nem eu! Aluna 1: Eu vejo só nos filmes! Pesquisadora: Então, seria legal mesmo se vocês fizessem um passeio a uma biblioteca, né? Aluna 1: Só nos filmes, que eu vejo como é que é. Aluno 3: Eu não tenho noção, sabe, de como é que é.

5 Pesquisadora: Só nos filmes... Alunas: Nas Chiquititas... Pesquisadora: Nos filmes, nas novelas... Aluno 1: É que daí dá para ver, né, como que é a biblioteca, dá para ver as prateleiras de livro, mas eu não tenho noção como é que pode ser nós vendo mesmo, se nós ia achar legal, eu fico até arrepiado. Aluna 1: Eu imagino que em cada corredor tem um tema, sabe? Poesia, terror... Tem romance, tem tudo! O que podemos refletir a partir deste pequeno trecho de entrevista? Vale dizer que os alunos entrevistados frequentam semanalmente, por 45 minutos, uma Sala de Leitura, retiram livros com frequência quinzenal e são considerados leitores assíduos pela professora orientadora da sala de leitura. Em suma, seres humanos incluídos na cultura letrada. No entanto, as práticas em torno da leitura parecem ficar restritas à escola. Em outros momentos da entrevista, os alunos comentam, por exemplo, que não costumam conversar sobre suas leituras fora da escola, nem em casa, nem em outros círculos que possam frequentar. Além disso, mesmo entre esses alunos leitores, poucos possuem o hábito de buscar leituras fora do espaço escolar: apenas duas entre cerca de 30 alunos já haviam estado em uma livraria e uma aluna de outra turma havia ido a uma biblioteca em um centro de juventude. Literatura e outras artes O que isto nos revela? Fora da escola, morando em um bairro periférico, sem oportunidades de trocas com uma comunidade mais ampla de leitores, sem acesso a outros equipamentos de incentivo à leitura, ou mesmo sem acesso contínuo a outros bens culturais, que dialogam com a leitura como o museu, o cinema, o teatro, é muito difícil que a leitura, enquanto prática frequente e consistente, se mantenha, ainda que tenha sido iniciada na escola. Se pensarmos em nossas práticas leitoras, facilmente concluímos que elas não se sustentam sozinhas, mas numa rede de trocas: lemos críticas literárias nos jornais, conversamos sobre livros e outras leituras com amigos, assistimos a versões cinematográficas de romances ou biografias, vamos ao teatro ver

6 textos encenados. Frequentamos livrarias e bibliotecas. É tudo isso que vai sustentando e alimentando a nossa leitura e a vontade de ir além e seguir lendo. Em que lugar estes cenários reais e ideais colocam a biblioteca pública? Qual seria o seu papel nessa história? O papel das bibliotecas Em seu livro O direito de ler e de escrever, a bibliotecária e editora colombiana Silvia Castrillon aponta para o papel das bibliotecas como instrumento de democratização nas mãos de bibliotecários que devem contribuir na luta contra a miséria e contra tudo o que restrinja a liberdade de pensamento e a liberdade de eleger entre opções que possibilitem uma vida digna, ou seja, contra todas as violações dos princípios universais de justiça e liberdade. Eu diria que sim, as bibliotecas têm esse caráter de inclusão do cidadão na cultura letrada, mas também possuem o importante papel de mantê-lo ali, de alimentar aquilo que começou a ser construído na escola. Neste sentido, a biblioteca é o espaço de permanência da leitura. O papel dos bibliotecários é, sim, o de manter os indivíduos numa rede de troca entre outros leitores, num meio em que se converse sobre livros, seja realizando clubes de leitura, seja assistindo filmes e lendo os livros que os originaram, seja conversando com autores, editores, jornalistas, promovendo palestras, incentivando idas a teatros, cinemas, exposições, fazendo parcerias com escolas. Numa sociedade tão desigual como a nossa, é evidente que a escola por mais democrática que seja, e sabemos que nem sempre o é, e mesmo ocupando um papel crucial na formação dos leitores não vai conseguir vencer sozinha a diferença que é dada pelas condições reais de vida fora dela. A cultura e os equipamentos culturais, em que a biblioteca se encaixa e talvez seja um dos mais importantes são instrumentos fundamentais para a tão almejada democratização. E é preciso que governos e sociedade se aliem nessa tarefa, já que não temos dúvidas de que a leitura e a literatura são bens incompressíveis, ou seja, bens essenciais, segundo Antonio Candido, e

7 capazes de possibilitar respiros e reflexões mais críticas em relação à existência de cada um. Leitores e leituras o comum e o singular De certa forma, o aspecto subjetivo do contato íntimo com a leitura e de direito individual pode nos dar a falsa sensação de que este contato depende apenas de uma escolha pessoal. É evidente que se pensarmos na palavra direito, precisamos considerar os dois lados da moeda: o direito que é dado, que é garantia, e o direito de se fazer o que bem entender com aquilo que nos é dado. O professor e pesquisador Edmir Perrotti costuma dizer que a leitura é assunto de foro íntimo de cada leitor. E ele têm razão, claro, desde que o acesso à leitura e à literatura esteja garantido a todos. Aí sim cada um poderá escolher o que vai ler, se vai ler e o quanto vai ler. Mas estas precisam ser decisões reais feitas quando todos têm escolhas. Penso que agora chegamos em outro ponto relativo à inclusão que pode ser feita pelas bibliotecas. Quando falamos em formação de leitores, quais leitores vêm à nossa mente? Há um leitor ideal que desejamos formar? Há uma única experiência de leitura que almejamos? Além de ser um lugar em que é possível oferecer a permanência da leitura, as bibliotecas também são os espaços da diversidade textual e literária. Há algum tempo, os programas de formação de leitores tanto nas escolas quanto fora delas têm considerado que não se formam leitores genéricos, mas leitores encarnados, que sabem ler textos específicos, pelo simples motivo de que não lemos todos os textos da mesma maneira. E leitores encarnados, ou de carne e osso, porque leem tanto ancorados em práticas coletivas, quanto buscando caminhos e inaugurando gestos pessoais. Esta diversidade saudável e necessária da biblioteca pública que também deve se espelhar em seu acervo considerando hoje, mais do que nunca, tanto os diferentes suportes o livro, o eletrônico quanto os diversos tipos de textos é o que permite o elemento surpresa para o leitor que flana em seus corredores encontrar uma leitura que não procurava. O historiador do livro Roger Chartier

8 fala do leitor que não procura necessariamente um livro, mas é encontrado por ele. Para Chartier, este é o leitor, por excelência da biblioteca pública. O leitor que vive a sua liberdade de escolha em relação ao que, como e quando vai ler. Se a biblioteca é o espaço da diversidade, esta sua propriedade se dá em muitos níveis. Diferentemente da escola, há também uma diversidade enorme de caminhos feitos pelos leitores, de objetivos em relação à leitura e de buscas muito distintas pelo espaço que a biblioteca oferece. Outro dia, assistindo a um programa sobre a Biblioteca Parque de Manguinhos, no Rio de Janeiro, lembro-me de ter visto uma das bibliotecárias contando que, durante certo tempo, um morador do bairro, em uma situação clara de muita vulnerabilidade social, ia à biblioteca para dormir. Quase todas as manhãs, ele entrava e se deitava em um dos sofás. Aos poucos, a bibliotecária foi chegando e oferecendo outras possibilidades de estar ali, de conversa em conversa, descobriu um pouco sobre a vida dele, quem era, pelo que poderia se interessar, daí, passou a sugerir leituras e outras atividades realizadas na biblioteca, mudando o padrão de participação dele. Mediação do bibliotecário O papel do bibliotecário é, sobretudo, o de mediação, no sentido da inserção do cidadão na cultura letrada aquilo que a biblioteca oferece de fato. No entanto, sabemos que, por ser um espaço público, nem sempre aquele que chega é um leitor. Muitas vezes, a entrada na biblioteca se dá pela procura de um espaço diverso da rua, como o caso do morador de Manguinhos. Mas também devemos considerar que houve um movimento de saída de determinada situação e de entrada naquele equipamento. Isto não acontece à toa. A bibliotecária francesa Geneviève Patte ressalta em muitos de seus textos a importância da biblioteca como espaço social, um lugar de convivência e de pertencimento. Em seu livro Qué los hace ler así? los niños, la lectura y las bibliotecas, ela afirma:

9 A leitura provoca, convoca uma vida em comum, particularmente rica e original. Quando um sujeito se inscreve (na biblioteca) assina um formulário de compromisso. Sabe que se tornará membro da biblioteca e que participará da vida que acontece ali. Não é um simples usuário. Nós levamos muito a sério o objetivo de favorecer no leitor um sentimento de pertencimento: ele não vem apenas pegar livros emprestados, mas participar, trocar, compartilhar e fazer parte de uma comunidade. 4 A própria linguagem nos coloca sempre em contato com um outro. A linguagem nos une, ainda que a experiência da leitura possa ser extremamente íntima e solitária, nunca estamos completamente a sós, já que ao lermos, navegamos nesse mar de histórias, expressão utilizada entre povos da Índia para denominar o conjunto de narrativas ancestrais. A leitura, tal e qual a biblioteca, é mais um espaço comum. Assim também assegura o editor e crítico literário espanhol Constantino Bértolo, em entrevista para a Revista Emília: 5 Ler é um ato individual que, através da linguagem, não somente nos coloca em contato com nossa condição de ser individual e social, como também nos faz parte deste nós que reside para além da simples animalidade nossa constituição como pessoas. Esse é o paradoxo que quis apontar no livro: que a leitura silenciosa nos afasta, mas, inevitavelmente, a linguagem nos reúne, nos torna comunidade, precisamente porque é propriedade privada e propriedade coletiva, bem comum. Não sabemos se todos aqueles que buscam a biblioteca vêm também em busca da experiência que a leitura pode oferecer, mas podemos supor que venham em busca de algum tipo de pertencimento. A biblioteca é o espaço público de convivência muitas vezes mais acessível a uma comunidade. E se 4 Tradução livre do espanhol. 5 Entrevista disponível em:

10 nem todos são leitores, todos nós somos feitos de histórias e fomos feitos a partir de histórias. Voltar a elas, reencontrá-las ou encontrar novas tramas pode também significar encontrar novos lugares e novos olhares para o mundo e para si. E cabe aos bibliotecários chamar seu público, ampliando não só o número daqueles que frequentam este espaço, mas qualificando as formas de se estar ali, recebendo e acolhendo quem chega, ajudando-o a habitar um lugar o seu lugar entre as palavras e outros leitores. Referências bibliográficas CANDIDO, Antonio. Vários Escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, CASTRILLON, Silvia. O direito de ler e de escrever. São Paulo: Pulo do Gato, CHARTIER, Roger. A aventura do livro - do leitor ao navegador: conversações com Jean Lebrun/Roger Chartier. Tradução Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Editora Unesp, FERREIRO, Emilia. Pasado y presente de los verbos ler y escribir. Buenos Aires: Fondo de Cultura Economica, PATTE, Geneviève. Qué los hace ler así? Los ninõs, la lectura y las bibliotecas. Buenos Aires: Fondo de Cultura Economica, PRADES, Dolores. Entrevista com Constantino Bértolo. Revista Emília. Disponível em: <www.revistaemilia.com.br/mostra.php?id=428>.

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

INSTRUMENTAL DE DIAGNÓSTICO ESCOLAR ACERCA DA LEITURA. Aos estudantes: 1. Você tem hábito de ler? Sim ( ) Não ( ) Somente às vezes ( )

INSTRUMENTAL DE DIAGNÓSTICO ESCOLAR ACERCA DA LEITURA. Aos estudantes: 1. Você tem hábito de ler? Sim ( ) Não ( ) Somente às vezes ( ) INSTRUMENTAL DE DIAGNÓSTICO ESCOLAR ACERCA DA LEITURA O livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado. (Mário Quintana) Aos estudantes: 1. Você tem hábito de ler? Sim ( )

Leia mais

Na abertura de mais um COLE: compromissos e emoções - TEXTO DE ABERTURA 17º COLE

Na abertura de mais um COLE: compromissos e emoções - TEXTO DE ABERTURA 17º COLE Na abertura de mais um COLE: compromissos e emoções - TEXTO DE ABERTURA 17º COLE O COLE nasceu criado. Parece contraditório dizer a expressão nascer criado, mas a idéia é de que o COLE, ao nascer, não

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

AÇOUGUE CULTURAL T-BONE LER PARA CRESCER

AÇOUGUE CULTURAL T-BONE LER PARA CRESCER AÇOUGUE CULTURAL T-BONE LER PARA CRESCER BRASÍLIA / DF 1 APRESENTAÇÃO O Açougue Cultural T-Bone desenvolve desde 2003 vários projetos na área da cultura, o principal é a Biblioteca Comunitária T-Bone,

Leia mais

CLUBE DE LEITURA PALAVRA MÁGICA

CLUBE DE LEITURA PALAVRA MÁGICA CLUBE DE LEITURA PALAVRA MÁGICA LUCIANA PASCHOALIN (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA), GALENO AMORIM (OBSERVATÓRIO DO LIVRO E DA LEITURA). Resumo Em resposta ao diagnóstico e análise dos dados sobre o comportamento

Leia mais

6º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Projeto: Incentivo à Leitura e Literatura

6º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Projeto: Incentivo à Leitura e Literatura 6º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias Projeto: Incentivo à Leitura e Literatura Realizado por meio de convênio entre a Prefeitura Municipal de Ourinhos e a Associação de Amigos

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2

FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1155 FORMAÇÃO LEITORA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniela Andrade Coelho da Fonseca 1, Marilani Soares Vanalli 2 1 Mestranda

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

PROJETO SEMEANDO LEITORES

PROJETO SEMEANDO LEITORES PROJETO SEMEANDO LEITORES APRESENTAÇÃO: O Projeto Semeando Leitores, é um projeto de iniciativa voluntária que se propõe a contribuir para o estimulo a leitura, promoção da literatura piauiense, valorização

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE

MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE MULHERES, LEITORAS DE ROMANCE PAULA VIRGÍNIA DE ALMEIDA ROCHETTI (FE - UNICAMP). Resumo Vários estudos vêm sendo feitos a fim de investigar a relação que as mulheres têm com o romance. Alguns buscam as

Leia mais

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos professores da UNIGRANRIO. Fevereiro/2012

Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos professores da UNIGRANRIO. Fevereiro/2012 Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos professores da UNIGRANRIO Fevereiro/2012 UM POUCO SOBRE O PROFESSOR Negro 1% Etnia segundo classificação do ENADE Pardo/Mulato

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema JUSTIFICATIVA

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema JUSTIFICATIVA JUSTIFICATIVA O projeto denominado LEITURA EM PROGRESSO é uma proposta do Ponto de Cultura NEC e Biblioteca Comunitária Orlando Miranda, localizados no Centro Cultural Fundição Progresso, Lapa - local

Leia mais

A criança, a escrita e a leitura: sugestões para a ação

A criança, a escrita e a leitura: sugestões para a ação A criança, a escrita e a leitura: sugestões para a ação Geraldina Porto Witter PUC-Campinas As sugestões aqui arroladas decorrem de pesquisas, as quais evidenciam a eficiência das mesmas. Elas servem a

Leia mais

cinema: o que os cariocas querem ver

cinema: o que os cariocas querem ver cinema: o que os cariocas querem ver perfil cultural dos cariocas como foi feita a pesquisa 1.501 pessoas entrevistadas, a partir de 12 anos, de todos os níveis econômicos, em todas as regiões da cidade.

Leia mais

QUESTIONÁRIO 1. ALUNO(A) 4 a Série EF

QUESTIONÁRIO 1. ALUNO(A) 4 a Série EF 1. SEXO a.( ) Masculino. b.( ) Feminino. 2. COMO VOCÊ SE CONSIDERA? a.( ) Branco(a). b.( ) Pardo(a). c.( ) Preto(a). d.( ) Amarelo(a). e.( ) Indígena. 3. QUAL A SUA IDADE? 8 anos 9 anos 10 anos 11 anos

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

cultura: o que querem e fazem os cariocas

cultura: o que querem e fazem os cariocas cultura: o que querem e fazem os cariocas perfil cultural dos cariocas como foi feita a pesquisa 1.501 pessoas entrevistadas, a partir de 12 anos, de todos os níveis econômicos, em todas as regiões da

Leia mais

PROJETO QUARTA LITERÁRIA

PROJETO QUARTA LITERÁRIA PROJETO QUARTA LITERÁRIA * Francisca Wládia de Medeiros Inocêncio ** Leni Oliveira da Silva Este artigo pretende socializar o Projeto Quarta Literária, desenvolvido no Centro Educacional do Projeto SESC

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR Lília Santos NA BIBLIOTECA ESCOLAR, a MEDIAÇÃO com crianças e jovens acontece o tempo todo. É preciso ter atenção com os conteúdos

Leia mais

Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos alunos da UNIGRANRIO. Fevereiro/2012

Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos alunos da UNIGRANRIO. Fevereiro/2012 Avaliação dos hábitos de estudos, culturais e nível de inclusão digital dos alunos da UNIGRANRIO Fevereiro/2012 UM POUCO SOBRE O ALUNO Etnia segundo classificação do ENADE Amarelo (de Origem Oriental)

Leia mais

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual

0 21 anos: Fase do amadurecimento biológico 21 42 anos: Fase do amadurecimento psicológico mais de 42 anos: Fase do amadurecimento espiritual Por: Rosana Rodrigues Quando comecei a escrever esse artigo, inevitavelmente fiz uma viagem ao meu passado. Lembrei-me do meu processo de escolha de carreira e me dei conta de que minha trajetória foi

Leia mais

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É

CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É CONHECENDO-SE MELHOR DESCOBRINDO-SE QUEM VOCÊ É? 13 PASSOS QUE VÃO AJUDÁ-LO PARA SE CONHECER MELHOR E DESCOBRIR QUE VOCÊ REALMENTE É Descobrindo-se... Fácil é olhar à sua volta e descobrir o que há de

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Biblioteca e Leitura, Janelas para o Mundo

Biblioteca e Leitura, Janelas para o Mundo Biblioteca e Leitura, Janelas para o Mundo Um país se faz com homens e livros. Monteiro Lobato O que é uma biblioteca? A palavra biblioteca tem sua origem nos termos gregos biblío (livro) e teca (caixa),

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

O tema da nossa edição deste mês é Ouvindo histórias.

O tema da nossa edição deste mês é Ouvindo histórias. 1 Olá! O tema da nossa edição deste mês é Ouvindo histórias. Este mês, conhecemos histórias muito interessantes que deixaram tantas recordações e aprendizados para nossos alunos! Padrinhos Argumento: EM

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA PESQUISA DIRIGIDA AOS JOVENS COM IDADE ENTRE 15 E 35 ANOS RELATÓRIO : 1º PESQUISA MISSA : 08:30 DATA : 09/04/2011 - Nº de Entrevistados : 16 1º QUESTÃO - IDADE Foi perguntado

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

Minissarau do 1 ano. Saídas pedagógicas

Minissarau do 1 ano. Saídas pedagógicas Agosto/2015 Minissarau do 1 ano Ao final do semestre fizemos uma singela apresentação onde os alunos do 1 ano do Ensino Fundamental puderam experimentar a sensação de estar diante do público e de compreenderem

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro...

Um grupo de alunos e uma professora. que decidiram escrever um livro... Um grupo de alunos e uma professora que decidiram escrever um livro... Tudo começou com um garoto chamado Luan que, num belo dia, resolveu compartilhar sua história... Luan Cardoso era um menino de apenas

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele.

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele. 1.INTRODUÇÃO A leitura consiste em uma atividade social de construção e atribuição de sentidos. Assim definida, as propostas de leitura devem priorizar a busca por modos significativos de o aluno relacionar-se

Leia mais

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema 7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema PROJETO Livro Aberto por Ravel Andrade de Sousa JUSTIFICATIVA O trabalho descrito a seguir foi por mim realizado a partir do início do ano de 2009, na biblioteca

Leia mais

BIBLIOTECA COMUNITÁRIA SARAMENHA: ESPAÇO DESTINADO AO EXERCÍCIO E DIFUSÃO DA LEITURA, CULTURA E CIDADANIA

BIBLIOTECA COMUNITÁRIA SARAMENHA: ESPAÇO DESTINADO AO EXERCÍCIO E DIFUSÃO DA LEITURA, CULTURA E CIDADANIA BIBLIOTECA COMUNITÁRIA SARAMENHA: ESPAÇO DESTINADO AO EXERCÍCIO E DIFUSÃO DA LEITURA, CULTURA E CIDADANIA OLIVEIRA, Sâmyla Viana de 1 MELO, Marli Mamede 2 ALVES, Bárbara Maria Costa de Paula 3 GONÇALVES,

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 38 Discurso na cerimónia do V Encontro

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Às vezes eu tenho medo Autor: Michaelene Mundy Ilustrações: Anne Fitzgerald Coleção: Às vezes eu tenho medo Formato: 20,5 cm

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

Ler literatura Foco na leitura literária inspira mudanças no comportamento leitor do brasileiro

Ler literatura Foco na leitura literária inspira mudanças no comportamento leitor do brasileiro Ler literatura Foco na leitura literária inspira mudanças no comportamento leitor do brasileiro POR ANA CRISTINA DUBEUX DOURADO Doutora em teoria da literatura pela Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

EU CONTO! Autorrepresentação e Cidadania - capacitar pessoas com deficiência intelectual

EU CONTO! Autorrepresentação e Cidadania - capacitar pessoas com deficiência intelectual EU CONTO! Autorrepresentação e Cidadania - capacitar pessoas com deficiência intelectual Eu conto! Palavras explicadas Vai encontrar no texto deste guia algumas palavas a negrito. Estas palavras podem

Leia mais

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil - Justificativa: O projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil iniciou no segundo semestre

Leia mais

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil?

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Conheça o Instituto Bola Pra Frente O Instituto Bola Pra Frente, iniciativa do tetracampeão mundial

Leia mais

Filmes com muitas vontades

Filmes com muitas vontades Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA

PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA PROJETO LITERATUDO JUSTIFICATIVA Iniciado em 2010, o LITERATUDO é um projeto de incentivo à leitura desenvolvido pela Secretaria de Educação de Juiz de Fora (SE), por meio do Departamento de Planejamento

Leia mais

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista

ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA. Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista ACENDA O OTIMISMO EM SUA VIDA Quiz Descubra Se Você é uma Pessoa Otimista Uma longa viagem começa com um único passo. - Lao-Tsé Ser Otimista não é uma tarefa fácil hoje em dia, apesar de contarmos hoje

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM A PARTIR DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO

O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM A PARTIR DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM A PARTIR DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO RESUMO: Maisa Cordeiro Tavares UFPB maisa_cordeiro@hotmail.com Thais Gomes de Vasconcelos UFPB thahis.vasconcelos@hotmail.com O Programa

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE:

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: Encontro com o Livro no Colégio Coração de Maria Me. Maria Aparecida da Costa Bezerra - Bibliotecária escolar e universitária Resumo: O Colégio Coração de Maria proporciona

Leia mais

Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva

Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva Youth and reading: a new perspective PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. Tradução Celina Olga de Souza. São Paulo: Editora 34, 2008.

Leia mais

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso

Nível Médio Prova 1: Compreensão leitora e língua em uso TEXTO 1 Leia o texto abaixo e nas alternativas de múltipla escolha, assinale a opção correta. INTERCÂMBIO BOA VIAGEM 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Cursos de intercâmbio são uma

Leia mais

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY A Rock Content ajuda você a montar uma estratégia matadora de marketing de conteúdo para sua empresa. Nós possuimos uma rede de escritores altamente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

União Popular de Mulheres. de Campo Limpo e Adjacências. em parceria com SARAU DO BINHO. apresentam. Bibliomoto

União Popular de Mulheres. de Campo Limpo e Adjacências. em parceria com SARAU DO BINHO. apresentam. Bibliomoto União Popular de Mulheres de Campo Limpo e Adjacências em parceria com SARAU DO BINHO apresentam Edital ProAC nº 05 de 18 de maio a 12 de julho de 2010 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA São Paulo, Julho

Leia mais

A leitura na escola estadual júlio césar de moraes passos em manaus: um relato de experiência

A leitura na escola estadual júlio césar de moraes passos em manaus: um relato de experiência 1 A leitura na escola estadual júlio césar de moraes passos em manaus: um relato de experiência Ana Algina Cruz (Profª de Língua Portuguesa da rede estadual de ensino fundamental de Manaus/ Pesquisadora

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro , Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro Brasília - DF, 21 de setembro de 2006 Eu poderia deixar você falar, Paim, mas o microfone é alto e você não vai alcançar aqui.

Leia mais

FOME DE LER: UMA PARCERIA EXITOSA

FOME DE LER: UMA PARCERIA EXITOSA FOME DE LER: UMA PARCERIA EXITOSA Angela da Rocha Rolla1 RESUMO FOME DE LER é um Programa de Leitura desenvolvido pelo Laboratório de Leitura e Escrita do Curso de Letras ULBRA/Guaíba em parceria com a

Leia mais

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional Sônia Izecksohn Resumo: O Centro de Convivência do NEPAD/UERJ visa a inclusão social do usuário de drogas. Por tratar-se de um espaço compartilhado,

Leia mais