A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner"

Transcrição

1 A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner A Ecologia do Desenvolvimento Humano O Microsistema O Mesosistema O Exosistema O Macrosistema Copyright, 2005 José Farinha, Prof. Adjunto Urie Bronfenbrenner (UB) Nota biográfica Nasceu em Moscovo em 1917; Emigrou para os EUA com 6 anos; Professor de Human Development and Family Studies e Psicologia na Cornell University, New York; Publica em 1979 The ecology of human development, experiments by nature and design, Harvard University Press. 2 1

2 Aspectos gerais Realce da importância dos contextos sócioculturais nos quais se processa o desenvolvimento humano Crítica à abordagem tradicional da Psicologia do Desenvolvimento muita da Psicologia do Desenvolvimento, como existe actualmente, é a ciência dos estranhos comportamentos de crianças em situações estranhas, com adultos estranhos, nos mais curtos períodos de tempo possíveis (UB, 1979:19) 3 Conceitos básicos Sujeito É encarado não como uma tábua rasa, moldada por acção do meio, mas como um sujeito dinâmico que interage com o ambiente. Interacção Caracterizada pela reciprocidade, interacção mútua. Ambiente Não se limita ao contexto imediato, mas engloba inter- -relações entre vários contextos. Ambiente Sujeito Interacção 4 2

3 Estrutura da ecologia ambiental Definição 1 A ecologia do desenvolvimento humano envolve o estudo científico da adaptação mútua e progressiva entre um ser humano activo, em crescimento e as propriedades, elas próprias em mutação, dos settings imediatos nos quais a pessoa em desenvolvimento vive, sendo que este processo é igualmente influenciado pelas relações entre esses settings e pelos contextos mais vastos nos quais esses settings estão inseridos. 5 Definição 2 Um microsistema é um padrão de actividades, papeis, e relações interpessoais vividas pela pessoa em desenvolvimento num setting determinado com características físicas e materiais particulares vastos nos quais esses settings estão inseridos. 6 3

4 Definição 3 Um mesosistema compreende as inter-relações entre dois ou mais settings nos quais a pessoa em desenvolvimento participa activamente; No caso de uma criança podem ser as relações entre a casa, a escola e o grupo de amigos da vizinhança; para um adulto, as relações entre a família, o trabalho e a vida social.. 7 Definição 4 Um exosistema refere-se a um ou mais settings que não envolvem a pessoa em desenvolvimento enquanto participante activo, mas nos quais ocorrem eventos que afectam ou são afectados pelo que acontece no setting que contém a pessoa em desenvolvimento; O trabalho do pai ou da mãe da criança, o círculo de amigos dos pais, o Conselho Directivo da Escola, o sistema de transportes, etc.. 8 4

5 Definição 5 O macrosistema refere-se a consistências e regularidades (protótipos), na forma e conteúdo de sistemas de nível inferior (micro-, meso- ou exo-) que existem ou poderão existir, ao nível da sub-cultura ou cultura como um todo, acompanhadas por qualquer sistema de crenças ou ideologia subjacente a essas consistências; Tem a ver com o sistema de valores, crenças, maneiras de ser ou de fazer, estilos de vida, etc

6 Movimento através do espaço ecológico Definição 6 Uma transição ecológica ocorre sempre que a posição de uma pessoa no ambiente ecológico se altera como resultado de uma mudança de papel, setting ou de ambos; Ocorrem ao longo de todo o espaço de vida; P. ex. de criança em casa a aluno na escola, de estudante a trabalhador, de mulher a mãe, etc.. 11 Definição 7 O desenvolvimento humano é o processo através do qual a pessoa em crescimento adquire uma concepção mais expandida, mais diferenciada e mais válida do ambiente ecológico, tornando-se assim motivada e capaz para se envolver em actividades que revelam as propriedades, sustentam ou restruturam esse ambiente a níveis de cada vez maior complexidade em termos de forma e conteúdo; O processo de desenvolvimento pode ser inferido através da análise de das actividades, papéis e relações em que o sujeito participa. 12 6

7 Referências bibliográficas Leitura mínima para preparação para este tema: Ecologia e Desenvolvimento Humano em Bronfenbrenner Gabriela PORTUGAL CIDIne, Aveiro, 1992 pp:

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner A Ecologia do Desenvolvimento Humano O Microsistema O Mesosistema O Exosistema O Macrosistema Copyright, 2008 José Farinha, Prof.

Leia mais

Perspectiva Ecológica e Educação Inclusiva Fev-13

Perspectiva Ecológica e Educação Inclusiva Fev-13 PerspectivaEcológica e Educação Inclusiva MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL - DOMÍNIO COGNITIVO E MOTOR Escola Superior de Educação e Comunicação, Universidade do Algarve, 2012/2013 A ECOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Ecologia do desenvolvimento humano

Ecologia do desenvolvimento humano Ecologia do desenvolvimento humano U. Bronfenbrenner 1 A abordagem sistêmica de Bronfenbrenner: modelo bioecológico Ecologia do Desenvolvimento Humano Estudo científico da acomodação progressiva, mútua,

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE: QUE APRENDIZAGENS?

PROMOÇÃO DA SAÚDE: QUE APRENDIZAGENS? ÍNDICE EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO PROMOÇÃO DA SAÚDE: QUE APRENDIZAGENS? Marta Rosa 1 A reflexão que apresentamos relativa aos processos de aprendizagem dos estudantes

Leia mais

8 Os contextos afectam os comportamentos dos indivíduos. Explica esta afirmação. O contexto de vida de cada um, o conjunto dos seus sistemas

8 Os contextos afectam os comportamentos dos indivíduos. Explica esta afirmação. O contexto de vida de cada um, o conjunto dos seus sistemas 1 Quais as principais características do modelo ecológico do desenvolvimento humano? A perspectiva ecológica do desenvolvimento humano encara-o como um processo que decorre ao longo do tempo e a partir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS II CONGRESSO DE COMPORTAMENTO MOTOR O MODELO BIOECOLÓGICO DE BRONFENBRENNER

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS II CONGRESSO DE COMPORTAMENTO MOTOR O MODELO BIOECOLÓGICO DE BRONFENBRENNER UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS II CONGRESSO DE COMPORTAMENTO MOTOR O MODELO BIOECOLÓGICO DE BRONFENBRENNER Prof. Dr. Ruy J. Krebs UDESC - BRASIL TEORIAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO O INATO E O ADQUIRIDO

Leia mais

O Currículo e seus Desdobramentos: Ainda faz sentido discutir?

O Currículo e seus Desdobramentos: Ainda faz sentido discutir? O Currículo e seus Desdobramentos: Ainda faz sentido discutir? O CURRÍCULO E SEUS DESDOBRAMENTOS: AINDA FAZ SENTIDO DISCUTIR? Fruto dos estudos e pesquisas realizadas pelo Grupo de Pesquisa em Currículo

Leia mais

FICHA DA UNIDADE CURRICULAR

FICHA DA UNIDADE CURRICULAR PERSPECTIVA ECOLÓGICA E EDUCAÇÃO INCLUSIVA MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMÍNIO COGNITIVO E MOTOR 2012/2013 FICHA DA UNIDADE CURRICULAR Informação geral BOAS VINDAS Gostaria de lhe dar as boas-vindas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano)

UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a especificidade do ser humano) ANO : 12º PSICOLOGIA B Curso Científico-Humanístico p.1/4 COMPETÊNCIAS A UNIDADE 1 ENTRADA NA VIDA (a humano) TEMA 1: ANTES DE MIM A genética, o cérebro e a cultura (12 aulas de 90`) ADN, genes e cromossomas.

Leia mais

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos Características básicas A qualidade da relação Negociação da relações interpessoais Questões de base COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 3º Teste Turmas A/B Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento,

Leia mais

Bruner. Psicologia da aprendizagem

Bruner. Psicologia da aprendizagem Bruner Psicologia da aprendizagem Biografia Psicólogo americano, nasceu em Nova Iorque em 1915. Graduou-se na Universidade de Duke em 1937. Depois foi para Harvard, onde em 1941 doutorou-se em Psicologia.

Leia mais

PEDIATRIA I. Aula teórica Nº As regras básicas de semiologia em pediatria têm características

PEDIATRIA I. Aula teórica Nº As regras básicas de semiologia em pediatria têm características PEDIATRIA I Aula teórica Nº 2 26.10.2007 INTRODUÇÃO À SEMIOLOGIA PEDIÁTRICA SEMIOLOGIA DA CRIANÇA, DA FAMÍLIA E DA COMUNIDADE DOCENTE: Prof. Doutor João Gomes-Pedro DISCENTE: Mafalda de Alpoim Vieira FISCALIZADOR:

Leia mais

Psicologia B Ano(s) de Escolaridade: 12º Época: Novembro Duração da Prova :

Psicologia B Ano(s) de Escolaridade: 12º Época: Novembro Duração da Prova : Disciplina: Psicologia B Ano(s) de Escolaridade: 12º Época: Novembro Duração da Prova : 90 + 30 MINUTOS I Este grupo é constituído por dez questões de escolha múltipla. Na sua folha de respostas indique

Leia mais

Enzimas e Actividade enzimática

Enzimas e Actividade enzimática Enzimas e Actividade enzimática Energia de activação de uma reacção Em todas as células de um organismo vivo ocorre um número infindável de reacções químicas. Estas reacções implicam a quebra, e posteriormente,

Leia mais

Aula 5. Abordagem Humanística da Administração (Teoria das Relações Humanas)

Aula 5. Abordagem Humanística da Administração (Teoria das Relações Humanas) Aula 5 Abordagem Humanística da Administração (Teoria das Relações Humanas) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração

Leia mais

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal

Aspectos de conteúdo. A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal e inter-grupal Aspectos introdutórios rios Aspectos de conteúdo Copyright, 2005 José Farinha Natureza, objecto e âmbito da Psicologia Social Natureza A Psicologia Social é a ciência dos fenómenos do comportamento inter-pessoal

Leia mais

MODELO DE OCUPAÇÃO HUMANA TERAPIA CENTRADA NO IDOSO

MODELO DE OCUPAÇÃO HUMANA TERAPIA CENTRADA NO IDOSO MODELO DE OCUPAÇÃO HUMANA TERAPIA CENTRADA NO IDOSO Paula Portugal 15 de Maio de 2004 Algumas pessoas à medida que vão envelhecendo, não perdem a beleza; apenas a transferem para o coração. Martin Buxbaun

Leia mais

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento CATEGORIA AUTORIA JUNHO 15 Revisão de Dados Gabinete de Estudos e Literatura Científica Técnicos O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O

Leia mais

Aquilo que aprendemos numa situação (fonte de transferência) outras aprendizagens em outra situação semelhante (destino da transferência

Aquilo que aprendemos numa situação (fonte de transferência) outras aprendizagens em outra situação semelhante (destino da transferência PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre DEFINIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE APRENDIZAGEM TIPOS DE TRANSFERÊNCIA DE APRENDIZAGEM IMPLICAÇÕES DA TRANSFERÊNCIA DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Questionário de Atitudes Face à Escola (QAFE) Estudo psicométrico com crianças e jovens do Ensino Básico Português

Questionário de Atitudes Face à Escola (QAFE) Estudo psicométrico com crianças e jovens do Ensino Básico Português 25-27 Julho 2011 Faculdade de Psicologia Universidade de Lisboa Portugal Questionário de Atitudes Face à Escola (QAFE) Estudo psicométrico com crianças e jovens do Ensino Básico Português Nicole Rebelo,

Leia mais

Comunicação I Análise e caracterização da situação relativa à deficiência motora na Euroregião Galiza Norte de Portugal

Comunicação I Análise e caracterização da situação relativa à deficiência motora na Euroregião Galiza Norte de Portugal Comunicação I Análise e caracterização da situação relativa à deficiência motora na Euroregião Galiza Norte de Portugal Financiado por: Executado por: Estrutura Análise e caracterização da situação relativa

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO FORMAL E A PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR: CONTRIBUIÇÕES DA ABORDAGEM BIOECOLÓGICA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO FORMAL E A PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR: CONTRIBUIÇÕES DA ABORDAGEM BIOECOLÓGICA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ÂMBITO FORMAL E A PERSPECTIVA INTERDISCIPLINAR: CONTRIBUIÇÕES DA ABORDAGEM BIOECOLÓGICA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO Angela Adriane Bersch 1 Andreia Costa Juliano 2 Eliane Lima Piske

Leia mais

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Ano lectivo 2007/2008 Copyright, 2008 José Farinha, Prof. Adjunto Sumário da aula de hoje: Apresentação: Da equipa pedagógica

Leia mais

Apontar uma estratégia de comunicação ambiental de um projeto escolar de EAS

Apontar uma estratégia de comunicação ambiental de um projeto escolar de EAS Apontar uma estratégia de comunicação ambiental de um projeto escolar de EAS Seminário Agentes de educação ambiental, contributos de participação e cidadania Lisboa 9 de Maio de 2014 Associação Nacional

Leia mais

Negociação para Administradores e Executivos

Negociação para Administradores e Executivos www.pwcacademy.pt Negociação para Administradores e Executivos 15 e 16 de Dezembro de 2011 Academia da PwC Um curso com especial incidência sobre as competências essenciais da negociação para a alta direcção,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS DE INTERVENÇÃO Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS DE INTERVENÇÃO Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS DE INTERVENÇÃO Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Musicoterapia 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade

Leia mais

Desenvolvimento cognitivo

Desenvolvimento cognitivo ATIVAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO Mestrado em Psicologia da Educação Ano Lectivo 2011/2012 PRINCIPAIS TEORIAS: DESENVOLVIMENTO COGNITIVO A Epistemologia Genética de Jean Piaget Apontamentos biográficos

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

Crianças e Risco Ambiental Abordagem de um Grupo de Crianças

Crianças e Risco Ambiental Abordagem de um Grupo de Crianças Crianças e Risco Ambiental Abordagem de um Grupo de Crianças Maria Raul Lobo Xavier*; Maria Manuel Quelhas** *Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti; **Ex-Aluna da Escola Superior de Educação

Leia mais

(OS) NÓS E OS LAÇOS: VINCULAÇÃO, SUPORTE SOCIAL E BEM-ESTAR EM JOVENS ADULTOS

(OS) NÓS E OS LAÇOS: VINCULAÇÃO, SUPORTE SOCIAL E BEM-ESTAR EM JOVENS ADULTOS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO (OS) NÓS E OS LAÇOS: VINCULAÇÃO, SUPORTE SOCIAL E BEM-ESTAR EM JOVENS ADULTOS CARLA SUSANA RODRIGUES DA COSTA RAMALHO MESTRADO EM

Leia mais

EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA

EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA As cidades cobrem menos de 1% da superfície terrestre, mas são desproporcionalmente responsáveis pelas alterações climáticas: actualmente, 50% da população mundial vive em cidades, consome 75% da energia

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos

GESTÃO de PROJECTOS. Condições prévias de sucesso para a maioria dos projectos GESTÃO de PROJECTOS para a maioria dos projectos Gestor de Projectos Luís Manuel Borges Gouveia 1 atitude positiva dos clientes (empresa, alta direcção) inter-relações e empenho geral as fases de definição

Leia mais

Ecologia Introdução - Natureza

Ecologia Introdução - Natureza Introdução - Natureza http://travel.guardian.co.uk www.cantodasaves.hpg.ig.com.br Introdução - Ecologia Ecologia - ciência Aplicação do método científico Ciência fundamentalmente empírica, baseada em experimentação

Leia mais

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007

Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007 25 de Novembro de 2009 A publicação Aprendizagem ao Longo da Vida Inquérito à Educação e Formação de Adultos 2007, apresenta,

Leia mais

DETERMINANTES COGNITIVOS PARENTAIS DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR INFANTIL. uma área de intervenção em crianças préescolares.

DETERMINANTES COGNITIVOS PARENTAIS DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR INFANTIL. uma área de intervenção em crianças préescolares. DETERMINANTES COGNITIVOS PARENTAIS DO COMPORTAMENTO ALIMENTAR INFANTIL uma área de intervenção em crianças préescolares Graça Andrade Obesidade Pandemia do século XXI (OMS, 2000) Crescimento alarmante

Leia mais

ACTIVIDADE CARDÍACA E COMPORTAMENTOS PERTURBADOS DE VINCULAÇÃO NA SITUAÇÃO ESTRANHA: ESTUDO COM CRIANÇAS INSTITUCIONALIZADAS

ACTIVIDADE CARDÍACA E COMPORTAMENTOS PERTURBADOS DE VINCULAÇÃO NA SITUAÇÃO ESTRANHA: ESTUDO COM CRIANÇAS INSTITUCIONALIZADAS ACTIVIDADE CARDÍACA E COMPORTAMENTOS PERTURBADOS DE VINCULAÇÃO NA SITUAÇÃO ESTRANHA: ESTUDO COM CRIANÇAS INSTITUCIONALIZADAS Pedro Dias Faculdade de Educação e Psicologia Universidade Católica Portuguesa,

Leia mais

tipos tipos tipos Funções dos estereótipos

tipos tipos tipos Funções dos estereótipos Estereó Aspectos gerais Orientações teóricas no estudo dos estereó Controvérsia rsia sobre a veracidade dos estereó Mudança a dos estereó Funções dos estereó Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais

Leia mais

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes

LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN. Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes LIVRO PRINCÍPIOS DE PSICOLOGIA TOPOLÓGICA KURT LEWIN Profª: Jordana Calil Lopes de Menezes PESSOA E AMBIENTE; O ESPAÇO VITAL Todo e qualquer evento psicológico depende do estado da pessoa e ao mesmo tempo

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

O acolhimento familiar numa perspectiva ecológico-social

O acolhimento familiar numa perspectiva ecológico-social , 2009,14, 157-168 O acolhimento familiar numa perspectiva ecológico-social Paulo Delgado* Palavras-chave Acolhimento Familiar; protecção infantil; perspectiva ecológica. O modelo ecológico-social de Bronfenbrenner

Leia mais

Liderança a e desempenho grupal

Liderança a e desempenho grupal Liderança a e desempenho grupal Definição de liderança Comportamento de liderança Teorias de liderança Copyright, 2006 José Farinha Definição de liderança O que é um líder? l A liderança é o exercício

Leia mais

Recursos. Corpo Docente. Lab. Psicofisiologia. J. Marques-Teixeira. CAEC Centro Apoio ao Estudo do Cérebro. Fernando Barbosa

Recursos. Corpo Docente. Lab. Psicofisiologia. J. Marques-Teixeira. CAEC Centro Apoio ao Estudo do Cérebro. Fernando Barbosa Corpo Docente J. Marques-Teixeira Fernando Barbosa Recursos Lab. Psicofisiologia CAEC Centro Apoio ao Estudo do Cérebro 1 ESTRUTURA GERAL DO PROGRAMA Enquadramento Geral da Psicofisiologia Síntese dos

Leia mais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais Índice 1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais 3. Prova Teórica de Avaliação de Língua Portuguesa 4. Prova Teórica de Avaliação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO COGNITIVO A Epistemologia Genética de Jean Piaget Apontamentos biográficos Pressupostos básicos Conceitos

Leia mais

Balanço de Competências

Balanço de Competências Balanço de Competências Modelo em Árvore de desenvolvimento de competências empreendedoras José Soares Ferreira Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste documento, ou de qualquer uma

Leia mais

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social Preâmbulo A Associação Central das Indústrias Electrónicas e Electrotécnicas, associação registada, (ZVEI) e as suas empresas afiliadas reconhecem

Leia mais

Etapas do ciclo de gestão do projecto de desenvolvimento local

Etapas do ciclo de gestão do projecto de desenvolvimento local Etapas do ciclo de gestão do projecto de desenvolvimento local Identificação Avaliação Monitorização Execução do projecto Concepção Validação Formulação Etapas do ciclo de gestão do projecto de desenvolvimento

Leia mais

Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre. Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA

Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre. Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA IMPACTES AMBIENTAIS 2 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

Comunidades. Quais são as relações entre diferentes populações num determinado local? Atividades na população

Comunidades. Quais são as relações entre diferentes populações num determinado local? Atividades na população Quais são as relações entre diferentes populações num determinado local? Atividades na população Comunidade é uma assembleia de populações de espécies que ocorrem juntas no espaço e no tempo. Comunidades

Leia mais

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades,

Agradecimentos. Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho. e nas minhas capacidades, Agradecimentos Ao meu orientador, Prof. Doutor José António Espírito Santo, pela confiança que depositou no meu trabalho e nas minhas capacidades, pelo apoio incansável nos momentos mais aflitivos, pelas

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISAS CIES 2009 OLHARES SOCIOLÓGICOS SOBRE O EMPREGO RELAÇÕES LABORAIS, EMPRESAS E PROFISSÕES

FÓRUM DE PESQUISAS CIES 2009 OLHARES SOCIOLÓGICOS SOBRE O EMPREGO RELAÇÕES LABORAIS, EMPRESAS E PROFISSÕES FÓRUM DE PESQUISAS CIES 2009 OLHARES SOCIOLÓGICOS SOBRE O EMPREGO RELAÇÕES LABORAIS, EMPRESAS E PROFISSÕES 18 de Dezembro de 2009 Rosário Mauritti rosario.mauritti@iscte.pt O EMPREGO COMO OBJECTO DE PESQUISA

Leia mais

Aspectos introdutórios. rios

Aspectos introdutórios. rios Aspectos introdutórios rios Aspectos teóricos Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Os psicólogos sociais constroem e testam teorias acerca do comportamento social; Teoria psicossociológica o É

Leia mais

1º) Necessidade de estudar os processos psicológicos como um todo, tal como ocorrem no organismo

1º) Necessidade de estudar os processos psicológicos como um todo, tal como ocorrem no organismo A Teoria Organísmica (H. Werner, 1957) Pontos Chave: 1º) Necessidade de estudar os processos psicológicos como um todo, tal como ocorrem no organismo (influência i da Teoria Gestáltica; Escola de Leipzig)

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

Desenvolvimento cognitivo

Desenvolvimento cognitivo PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre Desenvolvimento Cognitivo: A Epistemologia Genética de Jean Piaget Apontamentos biográficos Pressupostos básicos Conceitos

Leia mais

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção pág. 1/18 Índice 1 - Enquadramento do SNIPI 1.1 - Objectivos do SNIPI 1.2 Competências dos 3 Ministérios 1.3 Organização do Sistema 2 - Legislação 3 - Regulamento

Leia mais

Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses

Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses Integridade Familiar na velhice: o caso de ex-emigrantes Portugueses Filipa Marques e Liliana Sousa Secção Autónoma de Ciências da Saúde - Universidade de Aveiro II Congresso Internacional A voz dos avós:

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Outubro / Dezembro 2009

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Outubro / Dezembro 2009 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Outubro / Dezembro 2009 OBJECTIVOS GERAIS Visa-se com este programa a melhoria da qualidade da formação profissional, através da aquisição e do desenvolvimento

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC)

2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC) 2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC) OBJECTIVOS: Formar equipas de voluntariado da CCC. Promover o conhecimento em torno das

Leia mais

DESENVOLVIMENTO HUMANO O QUE FIQUEI A SABER?

DESENVOLVIMENTO HUMANO O QUE FIQUEI A SABER? DESENVOLVIMENTO HUMANO O QUE FIQUEI A SABER? Psicologia do desenvolvimento Nesta primeira abordagem fiquei a saber de uma forma bastante abrangente em que consistia o desenvolvimento humano bem como os

Leia mais

MARCELO CARLOS DA SILVA FUNÇÃO QUADRÁTICA: UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE PARA O ESTUDO DOS COEFICIENTES

MARCELO CARLOS DA SILVA FUNÇÃO QUADRÁTICA: UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE PARA O ESTUDO DOS COEFICIENTES MARCELO CARLOS DA SILVA FUNÇÃO QUADRÁTICA: UMA PROPOSTA DE ATIVIDADE PARA O ESTUDO DOS COEFICIENTES 1ª Edição São Paulo 2014 Todos os direitos reservados Título Função Quadrática: uma proposta de atividade

Leia mais

Avaliação das Competências Sociais

Avaliação das Competências Sociais 25-27 Julho 2011 Faculdade de Psicologia Universidade de Lisboa Portugal Avaliação das Competências Sociais Estudos psicométricos da prova Socialmente em Acção (SA 360º) com crianças e jovens do Ensino

Leia mais

Região do Baixo Vouga Sessão Final

Região do Baixo Vouga Sessão Final Região do Baixo Vouga Sessão Final 29.06.2015 Quem Somos A RHmais Organização e Gestão de Recursos Humanos, SA, é uma empresa portuguesa presente no mercado nacional desde 28 de Maio de 1987. Capital Social:

Leia mais

Micro-simulação de veículos e peões

Micro-simulação de veículos e peões Micro-simulação de veículos e peões Avaliação do impacte da ocorrência de um evento de grande procura na cidade de Coimbra T. FERNANDES 1 ; G. CORREIA 2 1 Departamento de Engenharia Civil, FCTUC Pólo II,

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga. Normas Subjectivas face ao Exercício Físico (NSEF)

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga. Normas Subjectivas face ao Exercício Físico (NSEF) UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 4710-057 Braga Normas Subjectivas face ao Exercício Físico (NSEF) Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt) (2011) Grupo de investigação www.ardh-gi.com

Leia mais

3.1 FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS DA MORALIDADE: AGRESSIVIDADE E EMPATIA A ÉTICA EVOLUCIONÁRIA A PRODUÇÃO CULTURAL DA MORALIDADE

3.1 FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS DA MORALIDADE: AGRESSIVIDADE E EMPATIA A ÉTICA EVOLUCIONÁRIA A PRODUÇÃO CULTURAL DA MORALIDADE ÍNDICE AGRADECIMENTOS XV PREÂMBULO XIX INTRODUÇÃO XXIII SER MORAL É A ESSÊNCIA DA CONDIÇÃO HUMANA XXIII ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO XXVI PARTE I PSICOLOGIA DA MORALIDADE: REVISÃO E CRÍTICA CAPÍTULO 1. GÉNESE

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DISCIPLINA DE PSICOLOGIA

PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DISCIPLINA DE PSICOLOGIA PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DISCIPLINA DE PSICOLOGIA 12 de Junho de 2013 Sala 23 Nome Completo: No do BI: Nº de aluno: Tempo

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III)

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III) Informação à Comunicação Social 16 de Outubro de 2 ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III) 2º Trimestre de 2 No segundo trimestre de 2, a taxa de desemprego na região Norte cifrou-se em 4,1%, registando

Leia mais

Processos de influência social

Processos de influência social Processos de influência social Defição de influência social Modalidades/processos de IS Alguns estudos clássicos Sherif (1935, 1936) Asch (1955, 1956) Copyright, 2006 José Farinha Definição de influência

Leia mais

2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC)

2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC) 2ª Edição do CURSO DE FORMAÇÃO DE VOLUNTARIADO Corações Capazes de Construir Iniciativa e responsabilidade da Associação Corações com Coroa (CCC) OBJECTIVOS: Formar equipas de voluntariado da CCC Promover

Leia mais

Assinale a alternativa que contém a seqüência CORRETA. a) V, F, V, V, V. b) V, V, F, V, V. c) V, V, V, F, F. d) F, V, V, F, F.

Assinale a alternativa que contém a seqüência CORRETA. a) V, F, V, V, V. b) V, V, F, V, V. c) V, V, V, F, F. d) F, V, V, F, F. 1. Acerca do comportamento organizacional, julgue os itens a seguir. O projeto organizacional define uma configuração estrutural para a organização com base na autoridade legal e ordem para qualquer tipo

Leia mais

Abordagem Humanística

Abordagem Humanística Teoria das Relações Humanas Elton Mayo Ênfase nas Pessoas enquanto parte da organização 1. Preocupa-se em analisar o trabalho e a adaptação do trabalhador ao trabalho. - Psicologia do Trabalho ou Psicologia

Leia mais

RESENHA CRITICA DE LIVRO: Aigen, Kenneth. The Study of Music Therapy: Current Issues and Concepts. Nova York: Routledge, 2014.

RESENHA CRITICA DE LIVRO: Aigen, Kenneth. The Study of Music Therapy: Current Issues and Concepts. Nova York: Routledge, 2014. 91 RESENHA CRITICA DE LIVRO: Aigen, Kenneth. The Study of Music Therapy: Current Issues and Concepts. Nova York: Routledge, 2014. André Brandalise - Centro Gaúcho de Musicoterapia-ICD O Simpósio de 1982,

Leia mais

O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se:

O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se: Convenções Referências Burge, Tyler, On knowledge and convention, The Philosophical Review, 84 (2), 1975, pp 249-255. Chomsky, Noam, Rules and Representations, Oxford, Blackwell, 1980. Davidson, Donald,

Leia mais

Cidadania europeia: fundamentos da candidatura

Cidadania europeia: fundamentos da candidatura Cidadania europeia: fundamentos da candidatura De acordo com Castanheira (2013), o léxico político passou a integrar expressões como cidadania europeia, cidadania multicultural, cidadania planetária. Insiste-se

Leia mais

ESCOLINHAS E ESCOLAS DE DESPORTO

ESCOLINHAS E ESCOLAS DE DESPORTO Crianças e jovens dos 8 aos 15 anos Clubes Desportivos do Município ESCOLINHAS E ESCOLAS DE DESPORTO Projecto de formação desportiva no tempo livre das crianças. Dr. Carlos Rabaçal (Divisão de Desporto

Leia mais

Intervenção Precoce na Infância: capacitando famílias e comunidades. Paula Coelho Santos

Intervenção Precoce na Infância: capacitando famílias e comunidades. Paula Coelho Santos Intervenção Precoce na Infância: capacitando famílias e comunidades Paula Coelho Santos tópicos 1 Porquê fazer Intervenção Precoce na Infância (IPI)? 2 O que é IPI? 3 Como fazemos IPI em Portugal? 4 A

Leia mais

Processos de atribuição

Processos de atribuição Processos de atribuição Aspectos gerais Teorias da Atribuição Funções da atribuição Atribuição, crenças e explicações sociais Copyright, 2005 José Farinha Aspectos gerais Natureza e definição Os processos

Leia mais

Integralidade do Cuidado em Saúde I. Profª Drª Ana Carolina Guidorizzi Zanetti DEPCH/EERP- USP

Integralidade do Cuidado em Saúde I. Profª Drª Ana Carolina Guidorizzi Zanetti DEPCH/EERP- USP Integralidade do Cuidado em Saúde I Profª Drª Ana Carolina Guidorizzi Zanetti DEPCH/EERP- USP Plano de aula Primeiro momento apresentação Apresentação da família contemporânea e instrumentos para avaliação

Leia mais

UNIDADES CURRICULARES

UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES Bioética e Gestão em Saúde Docente Responsável: Paula Lobato Faria Objectivos da unidade curricular: Promover a reflexão e debate sobre questões de natureza ética relacionadas com

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa HEADLINE TEXT SUBTITLE Célia Figueira, Ana Galrão & Lília Aguardenteiro Pires Instituto de

Leia mais

XVII Fórum de Apoio ao Doente Reumático

XVII Fórum de Apoio ao Doente Reumático XVII Fórum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas 10 de Outubro de 2014 Auditório da Associação Nacional de Farmácias - Lisboa Impacto social do envelhecimento Isolamento e dependência

Leia mais

Educação: Falta de planeamento compromete desenvolvimento do país*

Educação: Falta de planeamento compromete desenvolvimento do país* Educação: Falta de planeamento compromete desenvolvimento do país* Por Eugénio Rosa** RESUMO A educação é um factor determinante quer do desenvolvimento de um país, quer do nível de rendimento das famílias.

Leia mais

Photovoice: uma nova metodologia de intervenção com famílias pobres

Photovoice: uma nova metodologia de intervenção com famílias pobres Photovoice: uma nova metodologia de intervenção com famílias pobres Sofia Rodrigues Universidade de Aveiro 24 Setembro 2010 Os sistemas formais de apoio atravessam um momento de transição! Modelo tradicional

Leia mais

Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA. Princípios internacionais

Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA. Princípios internacionais Engenharia Civil - 5º ano / 10º semestre Engenharia do Território - 4º ano / 8 º semestre Conceitos base Ciclo de decisão e papel da AIA. Princípios internacionais IMPACTES AMBIENTAIS 2 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

Mini MBA Gestão Avançada

Mini MBA Gestão Avançada Mini MBA Gestão Avançada FORMAÇÃO PARA EXECUTIVOS Gestão Curso FEXMMBA 10 Dia(s) 66:00 Horas Introdução Os Cursos de Formação para Executivos, promovidos pela Actual Training, têm por finalidade responder

Leia mais

Introdução à Psicologia do Envelhecimento 4ªe 5ª aula teórica

Introdução à Psicologia do Envelhecimento 4ªe 5ª aula teórica Introdução à Psicologia do Envelhecimento 4ªe 5ª aula teórica Maria Eugénia Duarte Silva Faculdade de Psicologia 3. A necessidade da compreensão bio-psico-social do envelhecimento 3.1. O ponto de vista

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL 1. INTRODUÇÃO O Projecto de Intervenção Precoce do Centro de Apoio Psicopedagógico do Funchal pretende dar resposta a um grupo de crianças em risco biológico,

Leia mais

A AQUISIÇÃO DE LINGUAGEM/LIBRAS E O ALUNO SURDO: UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DA ATUAÇÃO DO INTÉRPRETE EM SALA DE AULA

A AQUISIÇÃO DE LINGUAGEM/LIBRAS E O ALUNO SURDO: UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DA ATUAÇÃO DO INTÉRPRETE EM SALA DE AULA A AQUISIÇÃO DE LINGUAGEM/LIBRAS E O ALUNO SURDO: UM ESTUDO SOBRE O IMPACTO DA ATUAÇÃO DO INTÉRPRETE EM SALA DE AULA AURÉLIO DA SILVA ALENCAR 1 MARILDA MORAES GRACIA BRUNO 2 Universidade Federal da Grande

Leia mais

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA

Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA Ψ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DE FRADES PSICOLOGIA B 12º ANO 2º Teste Ano lectivo 2010/2011 A prova é constituída por três grupos de itens: - O Grupo I testa objectivos de conhecimento, de compreensão

Leia mais

A A s s i n a t u r a d o N o v o Tr a t a d o R u s s o a m e r i c a n o : u m A c o n t e c i m e n t o H i s t ó r i c o

A A s s i n a t u r a d o N o v o Tr a t a d o R u s s o a m e r i c a n o : u m A c o n t e c i m e n t o H i s t ó r i c o A A s s i n a t u r a d o N o v o Tr a t a d o R u s s o a m e r i c a n o : u m A c o n t e c i m e n t o H i s t ó r i c o Pavel Petrovsky Embaixador da Rússia em Portugal 2010 N.º 126 5.ª Série pp.

Leia mais

Laboratório de Ensaio de Colectores Solares. (Pré-qualificação de equipamentos)

Laboratório de Ensaio de Colectores Solares. (Pré-qualificação de equipamentos) (Pré-qualificação de equipamentos) Maria João Carvalho 1 Desenvolvimento das Actividades de Ensaio de Colectores Solares no DER-INETI (Década de 80) Criação das estruturas mínimas necessárias ao ensaio

Leia mais

CICLO DE VIDA DE PROJECTOS

CICLO DE VIDA DE PROJECTOS CICLO DE VIDA DE PROJECTOS Duncan, W. (1996). A Guide To The Project Management Body Of Knowledge. Upper Darby-USA: Project Management Institute. CICLO DE VIDA DE PROJECTOS Devido ao facto dos projectos

Leia mais

R e s e n h a SÁNCHEZ, Celso. Ecologia do corpo. Rio de Janeiro: Wak Editora, p.

R e s e n h a SÁNCHEZ, Celso. Ecologia do corpo. Rio de Janeiro: Wak Editora, p. R e s e n h a SÁNCHEZ, Celso. Ecologia do corpo. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2011. 87p. Zilda DOURADO 1 A ecolinguística está firmando-se como uma nova epistemologia nos estudos da linguagem, pois estuda

Leia mais

Apresentação do programa (1)

Apresentação do programa (1) SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS 7º ANO 2014/2015 Apresentação do programa (1) Inspira-te! é um programa de intervenção para a Promoção de Competências Sociais,

Leia mais