Os condomínios horizontais em Presidente Prudente: um caso de segregação urbana [1]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os condomínios horizontais em Presidente Prudente: um caso de segregação urbana [1]"

Transcrição

1 Os condomínios horizontais em Presidente Prudente: um caso de segregação urbana [1] Oscar Alfredo Sobarzo Miño. Rua 1 o de setembro, 77 (fundos) - Vila Malamam Presidente Prudente-SP. UNESP - Campus de Presidente Prudente. ÍNDICE 1. Introdução 2. Objetivo e metodologia 3. Espaço urbano e segregação: alguns aspectos teóricos 4. O espaço urbano de Presidente Prudente 5. Os condomínios horizontais de Presidente Prudente Referências Bibliográficas 1. INTRODUÇÃO As diferenças sociais que apresentam atualmente as cidades, especialmente as dos países chamados emergentes, não são estranhas para nenhum pesquisador da temática urbana. A identificação de duas ou mais cidades dentro de uma mesma urbe possibilita um exercício simples: existe a cidade pobre e a rica, a dos incluídos e a dos marginalizados, a segura e a insegura, a arborizada e a sem árvores, a legal e a irregular, entre muitas outras, dependendo da característica que tomemos como parâmetro de diferenciação. É importante apontar que o espaço urbano sempre tem se caracterizado pela diferenciação social interna, mas atualmente esta diferenciação tem adquirido níveis de tal magnitude que contraria o próprio espírito da vida urbana: a convivência social. De fato, a diferenciação social tem se traduzido também em segmentação espacial, seja em função da distância que separa as áreas ocupadas pelos grupos de alto e baixo poder aquisitivo, seja pela separação através de muros cada vez mais altos, sistemas de segurança privada ou bairros exclusivos com acesso controlado. Neste contexto, a cidade tem se convertido num espaço caracterizado pela desigualdade e a segregação sócio-espacial da população, que impõem novas condições à vida urbana. Segundo Gottdiener (1993, p.271-2), a segregação elimina a preocupação pelos grupos menos favorecidos economicamente, já que estes não compartilham a cidade com o resto da sociedade, ao encontrar-se cada vez mais marginalizados espacialmente. Além disso, para este autor, a segregação contribui para a perda dos hábitos de vida comunitária em espaços públicos, surgindo novas áreas de convivência associadas ao consumo e a ambientes privados, como os shopping centers, bares, parques de diversão, etc. Em geral, os estudos que tentam identificar esta dinâmica tendem a concentrar-se nas grandes capitais e nas áreas metropolitanas, o que pode criar a falsa idéia de que nas cidades menores a diferenciação e a fragmentação social urbana não se apresentam. Com este texto, tentaremos mostrar que também nestas cidade é possível identificar tais processos. 2. OBJETIVO E METODOLOGIA O objetivo desta comunicação é destacar os condomínios horizontais de Presidente Prudente como um claro exemplo de segregação, no contexto de um espaço urbano fortemente diferenciado. A cidade de Presidente Prudente localiza-se no extremo oeste do Estado de São Paulo, a 560 quilômetros da capital (Figura 1). A sua população alcançava em 1996 os habitantes [2], podendo ser classificada como uma cidade de porte médio. file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 1/12

2 Atualmente a cidade possui cinco condomínios horizontais: o Jardim Morumbi, o Jardim João Paulo II, o file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 2/12

3 Central Park Residence, o Parque Residencial Damha e o Parque Residencial Damha II; encontrando-se este último na fase de implementação e já lançado no mercado (Figura 2). Do ponto de vista metodológico, em primeiro lugar, através de uma revisão bibliográfica foi caracterizada a cidade de Presidente Prudente, em função de sua diferenciação social interna, destacando as ações que a levaram à situação atual. Posteriormente, com a análise de informações da Prefeitura Municipal e do 2 o Cartório de Registro de Imóveis, foram caracterizados os condomínios horizontais da cidade. Finalmente, foi aplicado um questionário aos moradores, que em termos gerais teve 42% de resposta. Nesta comunicação destacaremos o item do questionário referido à relação dos moradores com o resto do espaço urbano. 3. ESPAÇO URBANO E SEGREGAÇÃO: ALGUNS ASPECTOS TEÓRICOS Previamente à analise do caso específico de Presidente Prudente é necessário abordar algumas idéias sobre os conceitos de espaço urbano e segregação, de forma a contextualizar as análises que se desenvolveram mais adiante. Em relação ao espaço urbano, é fundamental a superação das visões ecológicas ou neo-clássicas para as quais a cidade organiza-se e desenvolve-se em função das forças competitivas da oferta e da demanda, num processo em que o mercado é neutro e desempenha um papel de árbitro que resolve os eventuais problemas surgidos entre os diferentes atores urbanos. É evidente, que nem o mercado é neutro e nem a oferta e a demanda são os únicos processos que atuam na cidade. De outro ponto de vista, nem todos os habitantes possuem a mesma capacidade para participar nesta dinâmica, assim como existem alguns atores que com as suas ações determinam fortemente as características do espaço urbano, principalmente o Estado e as empresas imobiliárias. Neste contexto, é preciso avançar para uma abordagem que mostre, de melhor forma, a complexidade que significa o espaço urbano. Os autores com inspiração na Economia Política criaram o termo produção do espaço urbano, o qual embora seja tratado de forma simplista e mecanicista por alguns, ajuda a evidenciar a complexidade e a multiplicidade de fatores que intervêm na cidade. A partir deste conceito, o espaço urbano é tratado como um produto da organização social que reflete suas diferenças e contradições e que é influenciado por uma variedade de fatores e elementos. Nesta perspectiva, ainda que com algumas diferenças, encontramos as contribuições de Castells (1977, p.141), Lefebvre (1983, p.133-4) e Santos (1994, p 118). Um autor que deixa clara esta visão é Gottdiener (1993, p ), quem caracteriza o espaço urbano atual da seguinte maneira: A cidade é produzida pelo sistema de organização social que envolve forças econômicas, políticas e culturais, relacionadas entre elas, além de comportamentos voluntários. Os agentes imobiliários e o Estado são os principais atores produtores do espaço urbano. Do ponto de vista ideológico, a produção da cidade insere-se dentro da ideologia pró-crescimento, que coloca o crescimento econômico como o objetivo fundamental da sociedade. O resultado final do atual processo de produção do espaço urbano é a desigualdade, que manifestada no espaço fragmenta a cidade e segrega à população segundo suas condições sócio-econômicas. Segundo este autor, então, a segregação converte-se numa característica da cidade atual. A seguir analisaremos, brevemente, este conceito. Para Castells (1977, p.204), a segregação é a tendência à organização do espaço urbano em zonas de forte homogeneidade social interna e de forte disparidade social entre elas, entendendo esta disparidade não somente em termos de diferença, mas de hierarquia. Segundo este autor, a origem da segregação encontra-se na distribuição do produto entre as pessoas e na distribuição do produto-habitação no espaço. Corrêa (1995, p.61-2) aponta que a segregação residencial é a expressão espacial das classes sociais que origina-se na localização diferenciada delas no espaço urbano, devido à capacidade também diferenciada que cada grupo social tem para pagar pela sua habitação. file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 3/12

4 Nesta mesma perspectiva, Beltrão Sposito (1996, p.72) define a segregação como a expressão espacial da diferenciação social. O Neill (1983, p.34-5) distingue entre segregação imposta e auto-segregação; a primeira envolve os grupos de baixo poder aquisitivo que não tem, o quase não tem, a possibilidade de escolher o lugar de sua residência, no segundo caso, trata-se da segregação que envolve os grupos de alto poder aquisitivo, que voluntariamente decidem morar em certas áreas da cidade, geralmente, as melhor equipadas e localizadas, onde podem compartilhar com seus iguais. Uma última reflexão em torno do conceito de segregação, refere-se à distinção entre diferenciação file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 4/12

5 social e segregação social. Como já apontamos, desde sempre o espaço urbano incluiu diferenças entre os seus habitantes, mas na atualidade esta diferenciação alcançou níveis tais que eliminou as instâncias de convivência entre as diferenças, separou os diferentes grupos sociais, lavando-os a uma vida urbana entre iguais e com escassa conexão com o resto dos habitantes da cidade. Esta fragmentação da convivência social urbana é a segregação e, como será analisado mais adiante, distingue claramente os condomínios horizontais. 4. O ESPAÇO URBANO DE PRESIDENTE PRUDENTE A cidade de Presidente Prudente caracteriza-se pela diferenciação e segregação da sua população. A Figura 3, que caracteriza a cidade em função da exclusão social [3], mostra claramente esta situação. Nela, podemos observar que a menor exclusão tende a concentrar-se no centro da cidade, e a aumentar progressivamente para a periferia, sendo esta tendência mais forte nas zonas norte e leste. De igual modo, podemos notar como todos os condomínios horizontais localizam-se nas áreas de maior inclusão social. Na estruturação atual do espaço prudentino, representada na Figura 3, foram fundamentais as ações desenvolvidas pelo poder municipal a partir da década de 70, sendo três as principais medidas tomadas. Em primeiro lugar, o aumento do imposto territorial na cidade, levado à prática a partir de 1972, resultou numa política de distribuição ou redistribuição da população no espaço, já que castigou, proporcionalmente de forma mais forte, aos proprietários urbanos de menores rendas e os obrigou, muitas vezes, a vender e migrar para outras áreas da cidade mais baratas, geralmente na periferia (Beltrão Sposito, 1983, p.205). Assim, gerouse um processo de seleção dos moradores nos bairros da cidade segundo suas capacidades financeiras; os pobres saíram e foram morar onde tinha mais pobres, enquanto os ricos ficaram e atraíram outros ricos. Em outras palavras, com esta medida o poder municipal estimulou, consciente ou inconscientemente, a segregação sócio-espacial da população em Presidente Prudente. A segunda medida tomada pelo poder local, tem a ver com a política municipal de investimentos na cidade. Neste contexto, os trabalhos de Beltrão Sposito (1983, p.95-8), Hora & Silva (1991, p.44 e 47) e Silva (1994, p.39-49), mostram, como no caso da canalização do Córrego do Veado, que até então, praticamente cortava a cidade, e a implementação seguinte do Parque do Povo, produziu-se a valorização das áreas adjacentes, que causou a saída da população de menor renda e a chegada de novos proprietários de maior poder aquisitivo. A terceira medida, foi o aumento do perímetro urbano, que também foi uma política que provocou discriminação (Beltrão Sposito, 1983, p.205). A implantação do limite urbano possibilitou a proliferação de loteamentos periféricos, desconectados da malha urbana, destinados aos setores de menores rendas, e com esta expansão da cidade, gerou-se a valorização das terras intermediárias e daquelas que até então eram consideradas periféricas, já que com a nova periferia gerada passaram a ter uma melhor localização relativa. file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 5/12

6 Segundo Melazzo (1993, p.59-60), a incorporação de novas áreas provocou alterações nos preços e nas acessibilidades no interior da cidade, e em geral, a maior disponibilidade de terrenos não significou uma diminuição no preço deles, já que todo o processo tinha um forte componente especulativo imobiliário. Esta dimensão especulativa é tratada por Sposito (1990, p ), que mostra o alto grau de concentração da propriedade do solo urbano de Presidente Prudente. Segundo este autor, no ano 1988, de cada file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 6/12

7 cinco lotes, um era propriedade privada dos grandes especuladores imobiliários, situação que influía fortemente na dinâmica de oferta de lotes no mercado, nos preços do solo urbano e na direção da expansão territorial, já que estes especuladores possuíam um verdadeiro cinturão em torno à cidade. Em geral, toda a dinâmica de produção de loteamentos periféricos e de aumento dos preços dos imóveis do núcleo compacto da cidade, acentuou a diferenciação social no espaço prudentino, obrigando os proprietários mais pobres a migrar para a periferia. Neste contexto, também surgiram os condomínios horizontais que analisaremos no seguinte ponto. 5. OS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE a) A produção dos loteamentos fechados O processo de produção dos condomínios horizontais de Presidente Prudente caracteriza-se pelo aumento constante do tamanho dos empreendimentos. Na Tabela 1, é possível observar que com o decorrer do tempo, os condomínios foram tendo cada vez superfícies maiores, passando dos nove hectares do Jardim Morumbi para mais de 70 hectares do Parque Residencial Damha. Esta evolução nos parece lógica, já que na medida em que o produto-condomínio foi consolidando-se no mercado imobiliário prudentino, foi possível desenvolver empreendimentos cada vez maiores com a certeza de sua comercialização. Também existe uma relação direta com a dinâmica econômica brasileira, já que em função dos altos índices de inflação do final dos 80 e começo dos 90, o investimento em imóveis se transformou num bom empreendimento; dentro desta lógica, comprar um lote num condomínio era um bom negócio. De um outro ponto de vista, esta tendência de evolução do condomínio, também é apontada por Villaça (1998, p.185): Com a concentração de capital nos setores imobiliário e financeiro, grandes massas de capital tornam-se disponíveis e isso exige empreendimentos de porte cada vez maiores e mais complexos. Tabela 1 - Presidente Prudente: Superfície loteada por condomínio ( ) Condomínio Ano de aprovação do loteamento Superfície (m2) % Jd. Morumbi 1975 (*) ,00 4,8 Jd. João Paulo II 1980 (*) ,44 9,3 Central Park Residence ,23 15,1 Pq. Residencial Damha ,00 37,5 Pq. Residencial Damha II (**) ,00 33,3 Total ,67 100,0 (*) Ano de aprovação do projeto de loteamento. (**) Ainda nas obras iniciais. Organização: Oscar Sobarzo Miño. Fonte: Secretaria de Planejamento - Prefeitura Municipal de Presidente Prudente (Pastas dos Loteamentos). Em função da atuação dos agentes produtores da cidade na geração dos condomínios prudentinos, é possível identificar as empresas incorporadoras, as vezes associadas aos proprietários fundiários, e ao Estado, como os principais agentes na produção destas áreas residenciais. No caso do condomínio Jardim Morumbi, o mais antigo da cidade, aprovado em 1975, foi a empresa imobiliária PROVENDA, com sede em São Paulo, que adquiriu a área e que posteriormente desenvolveu o projeto imobiliário. O condomínio Jardim João Paulo II, teve uma origem diferente, já que, para a materialização e comercialização do loteamento, se produz a ação conjunta do proprietário do terreno e de uma empresa imobiliária. No começo da década de 80, o proprietário da gleba original, a Mitra Diocesana de Presidente Prudente, e a incorporadora Damha Urbanizadora e Construtora Ltda., fecharam um acordo pelo qual a primeira ficaria com 52,5% dos lotes e a segunda com 47,5%, como pagamento pelas funções de incorporação imobiliária e comercialização. file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 7/12

8 Em 1991 foi aprovado o condomínio Central Park Residence, o qual teve, assim como o Jardim João Paulo II, uma associação entre o proprietário fundiário e uma empresa construtora. Os condomínios Parque Residencial Damha e Damha II foram lançados no mercado em 1995 e 1998, respectivamente. Nestes casos, a empresa AD Empreendimentos Imobiliários Ltda., proprietária dos terrenos, realizou todo o processo de incorporação e comercialização. Esta empresa corresponde, com outro nome, à mesma que participou na produção do Jardim João Paulo II, de propriedade do empresário Anwar Damha, que possui outros dois condomínios horizontais na cidade de São José do Rio Preto. As ações do poder municipal, em relação aos condomínios, podem ser resumidas na promulgação de três iniciativas legais no período de 1981 a A primeira corresponde a Lei Municipal 2187 de novembro de 1981, que veio a solucionar o problema da ilegalidade dos loteamentos fechados na cidade. É clara e óbvia a intenção desta lei em relação à confirmação, manutenção e legalização da característica de loteamentos fechados dos condomínios Jardim Morumbi e Jardim João Paulo II, assim como para o estabelecimento de um marco legal que assegurasse este tipo de empreendimentos no futuro. Outro elemento que chama a atenção, é a figura legal que cria o Artigo 3 o da citada lei municipal, ao transformar os espaços de uso público, que todo loteamento deve considerar (vias públicas e áreas de lazer de uso público), em objetos de concessão de uso especial para os moradores dos condomínios. Na realidade, com este artifício, tira-se a característica de espaços públicos produzindo-se uma privatização deles em favor de um grupo restrito de cidadãos. A segunda iniciativa legal que favorece os condomínios, corresponde a Lei Municipal 3913 de 1994, que concede isenção do imposto territorial urbano para o loteador, pelo prazo de oito anos, nos loteamentos dotados de infra-estrutura completa, ou seja que possuam ruas asfaltadas, arborização e redes de energia elétrica, iluminação pública, água potável, escoamento de águas pluviais e captação de esgoto. Ainda que esta lei transfira para os loteadores os custos da manutenção da infra-estrutura pelos mesmos oito anos, converte-se numa disposição legal que incentiva a especulação imobiliária, especialmente aquela associada aos condomínios, já que estes caracterizam-se por sua completa infra-estrutura inicial. A terceira ação do poder municipal relacionada aos condomínios, corresponde à confirmação deste tipo de empreendimentos imobiliários em Presidente Prudente, através do seu reconhecimento no Plano Diretor da cidade. Com efeito, o Artigo 58 da Lei Municipal 032 de 1992, que forma parte do Plano Diretor, estabelece que serão admitidos os loteamentos fechados nos casos que cumpram com a legislação vigente, não interfiram no prolongamento das vias públicas e obedeçam os índices urbanísticos definidos no plano. Esta normativa, obviamente, veio a confirmar aquilo que já em 1981 tinha estabelecido a Lei Municipal b) Características dos condomínios horizontais O primeiro aspecto que caracteriza e distingue os condomínios horizontais é, evidentemente, o muro que os rodeia e os separa do resto da cidade. Outra característica geral destes empreendimentos, é a sua completa urbanização inicial, situação que os diferencia, especialmente dos loteamentos populares, os quais geralmente carecem de infra-estrutura completa. Em termos específicos, caracterizaremos os condomínios horizontais de Presidente Prudente por três aspectos: o tamanho dos lotes, as características das habitações e a relação dos moradores com o resto do espaço urbano. Em geral, os lotes dos condomínios superam os 460 m2 (Tabela 2), diferenciando-se claramente dos bairros destinados à população de baixo poder aquisitivo, onde predominam os lotes de tamanhos que variam entre 135 e 200 m2 (Jordão, 1996, p.15). Tabela 2 - Presidente Prudente: Tamanho médio dos lotes por condomínio Condomínio Superfície Uso Habitacional (m2) Número de lotes Tamanho médio lotes (m2) Jd. Morumbi , ,2 Jd. João Paulo II , ,1 Central Park Residence , ,4 file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 8/12

9 Pq. Residencial Damha , ,2 Pq. Residencial Damha II , ,5 Total , ,9 Organização: Oscar Sobarzo Miño. Fonte: Secretaria de Planejamento - Prefeitura Municipal de Presidente Prudente (Pastas dos Loteamentos). Os dados da Tabela 2, também nos levam à identificação de três etapas na produção dos condomínios na cidade de Presidente Prudente: A primeira etapa corresponde ao conceito usado no Jardim Morumbi. Neste loteamento as áreas de lazer para uso comum dos moradores possuem uma posição periférica dentro do condomínio e uma superfície pouco expressiva, em compensação este loteamento possui os lotes de maior tamanho médio. A este conceito vamos chamar de morar com o lazer no próprio lote. Na segunda etapa, incluímos os condomínios Jardim João Paulo II e Central Park Residence, nos quais o tamanho médio dos lotes cai pela metade, em relação ao Jardim Morumbi. Nestes loteamentos, as áreas de lazer continuam significando o mínimo exigido pela Prefeitura Municipal (10% da área total) e sua localização dentro do condomínio segue sendo periférica. Este conceito representa uma transição em direção à seguinte etapa. A terceira etapa, refere-se ao conceito urbanístico usado na materialização dos condomínios Parque Residencial Damha e Damha II, onde a estrutura viária interna do condomínio e a disposição das áreas verdes refletem uma proposta urbanística mais avançada, em relação aos outros condomínios horizontais da cidade. Nestes loteamentos, os lotes possuem tamanhos médios similares aos da etapa de transição, mas as áreas de lazer significam uma maior proporção da superfície total e a sua incorporação ao projeto residencial dá a elas uma localização mais central, o que nos leva a pensar que estes condomínios, ao menos em teoria, dão mais valor ao lazer comunitário, ou nas suas estratégias de comercialização, exploram mais as possibilidades de uma vida associada a amplos espaços de lazer e áreas verdes dentro de uma área com segurança garantida, ou ainda, exploram mais o valor paisagístico e de beleza cênica que estes ambientes possuem na atração de compradores. Em função das superfícies das habitações, os condomínios diferenciam-se claramente das construções que são mais freqüentes na cidade de Presidente Prudente. Os tamanhos médios observados variam de quase 480 m2 no Jardim Morumbi até 320 m2 no Parque Residencial Damha (Tabela 3), enquanto que o tamanho médio no conjunto da cidade alcança 105,5 m2. Esta diferenciação fica ainda mais clara ao considerar a área construída que idealmente corresponde a cada morador nos condomínios e na cidade em geral. Neste sentido, a Tabela 4 mostra que no caso dos loteamentos fechados esta cifra situa-se em torno dos 100 m2 por morador, enquanto que na totalidade da cidade chega somente a 35,2 m2. Obviamente nos bairros periféricos populares esta cifra é ainda menos, já que as habitações são menores que a média da cidade e as famílias, geralmente, possuem mais de três pessoas. Tabela 3 - Presidente Prudente: Tamanho médio das habitações nos condomínios Condomínios Tamanho médio das habitações (m2) Jardim Morumbi 478,8 Jardim João Paulo II 397,4 Central Park Residence 367,1 Parque Residencial Damha 320,6 Média nos condomínios 407,0 Média na cidade 105,5 Organização: Oscar Sobarzo Miño. Fonte: Prefeitura Municipal de Presidente Prudente. Relatório Tributação. file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 9/12

10 Tabela 4 - Presidente Prudente: Área construída correspondente para cada morador nos condomínios horizontais Condomínio Tamanho médio das habitações (m2) (*) Número de pessoas por habitação (**) Área construída para cada morador (m2) Jardim Morumbi 478,8 4,2 114,0 Jardim João Paulo II 397,4 4,2 94,6 Central Park Residence 367,1 3,7 99,2 Pq. Residencial Damha 320,6 4,1 78,2 Média nos condomínios 407,0 4,0 101,8 Média na cidade 105,5 3,0 (***) 35,2 Organização: Oscar Sobarzo Miño. Fonte: (*) Prefeitura Municipal de Presidente Prudente. Relatório Tributação. (**) Questionário aplicado aos moradores dos condomínios no mês de abril de (***) Calculado por Rosemaria do Nascimento em base a informações do IBGE (1996). Assim como as grandes superfícies das habitações caracterizam os condomínios, o padrão destas construções também constitui-se num elemento que cria diferenças. Segundo a Prefeitura Municipal, as construções podem ser classificadas, em função do seu padrão construtivo (material utilizado e acabamento) nos seguintes cinco níveis: luxo, fino, médio, popular e precário. Neste sentido, nos condomínios horizontais destaca-se a concentração majoritária, quase total (95,7%), das construções nas categorias luxo e fino, o que reflete o alto poder aquisitivo dos moradores, que permite-lhes morar simultaneamente em terrenos amplos, em habitações espaçosas e de um alto padrão de construção. Finalmente, a relação dos moradores dos condomínios com o resto do espaço urbano, também constitui um aspecto que caracteriza a segregação que significam estes loteamentos. Nesta perspectiva, a partir da análise dos locais mais freqüentados pelos moradores no consumo de bens e serviços e no lazer, estabeleceu-se que a segregação do condomínio projeta-se fora dele, já que trata-se de lugares aos quais nem todos tem acesso e onde concentram-se, fundamentalmente, os grupos de maior poder aquisitivo da cidade: shopping centers, colégios privados e clubes privados de grande prestígio social na cidade. 6. Conclusões A segregação constitui uma característica da cidade atual, que fragmenta espacial e socialmente os diferentes grupos sociais, levando-os a uma convivência parcelada entre iguais. No caso de Presidente Prudente, identifica-se um espaço urbano diferenciado e segregado, onde a exclusão social concentra-se na periferia norte e leste, associada aos loteamentos populares destinados aos grupos de menor poder aquisitivo. Ao contrário, os condomínios horizontais ocupam a área de maior inclusão social e a sua localização influi fortemente na configuração desta variável no espaço. Em função dos processos de produção e das características dos condomínios, podemos afirmar, que o produto-condomínio em Presidente Prudente, desde sua aparição no mercado em meados da década de 70 até hoje, sofreu um processo de evolução que na atualidade estaria alcançando níveis de maturidade, como um produto consolidado, de grande porte, com projetos urbanísticos refinados, infra-estrutura cada vez mais farta e sofisticada, e com regulamentações mais estritas sobre a convivência interna. Estas características se traduzem, na realidade, na ampliação do processo de diferenciação sócio-espacial dos condomínios em relação ao resto do espaço urbano, e conduzem para a criação de condições para o desenvolvimento de práticas sociais auto-segregativas que são contrárias à convivência social que deveria caracterizar a cidade. Consideramos, que futuras pesquisas, além de estudar as características físicas dos condomínios que os diferenciam claramente na cidade, deveriam aprofundar mais nas relações dos moradores com o espaço urbano, de maneira a contribuir para evidenciar ainda mais os comportamentos segregados, tanto espacial como socialmente, destes grupos da população. Finalmente, espera-se que no futuro consolide-se toda a área sul de Presidente Prudente como uma área residencial orientada à população de alto poder aquisitivo, seguindo a tendência da localização dos condomínios Damha, sem descartar a produção de novos loteamentos fechados, situação que aumentará a segregação da população na cidade, mas que também significará desafios para a circulação e a expansão da cidade. file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 10/12

11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BELTRÃO SPOSITO, Maria Encarnação. O chão em Presidente Prudente: a lógica da expansão territorial urbana. Rio Claro, p. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro, UNESP. BELTRÃO SPOSITO, Maria Encarnação. Reflexões sobre a natureza da segregação espacial nas cidades contemporâneas. Rev. de Geografia, Dourados, n.4, p.71-85, set.-dez CASTELLS, Manuel. La cuestión urbana. 4.ed. México: Siglo Veintiuno, p. CORRÊA, Roberto Lobato. O espaço urbano. 3.ed. São Paulo: Ática, p. GOTTDIENER, Mark. A produção social do espaço urbano. São Paulo: EDUSP, p. HORA, Mara Lúcia Falconi da; SILVA, Maria José Martinelli. Produção x apropriação do espaço urbano: o papel exercido pelo poder público no processo de valorização de áreas urbanas. O exemplo do Jardim Caiçara e da Vila Matilde Vieira em Presidente Prudente - São Paulo. Presidente Prudente, p. Monografia (Bacharelado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP. JORDÃO, Ermelinda Ruani. A política de desfavelamento no município de Presidente Prudente-SP. Presidente Prudente, p. Monografia (Bacharelado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP. LEFEBVRE, Henri. La revolución urbana. Madrid: Alianza, p. MELAZZO, Everaldo Santos. Mercado imobiliário, expansão territorial e transformações intra-urbanas: o caso de Presidente Prudente-SP. Rio de Janeiro, p. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) - Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. MENDES, André et al. A exclusão social em Presidente Prudente. Presidente Prudente: UNESP, p. (Mimeogr). O NEILL, Maria Mônica. Segregação residencial: um estudo de caso. Rio de Janeiro, p. Tese (mestrado em Geografia) - Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro. SANTOS, Milton. Por uma economia política da cidade: o caso de São Paulo. São Paulo: HUCITEC- EDUC, p. SILVA, Maria José Martinelli. O Parque do Povo em Presidente Prudente-SP: a lógica da intervenção do poder público local no processo de (re)estruturação do espaço urbano. Presidente Prudente, p.. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP. SPOSITO, Eliseu Savério. Produção e apropriação da renda fundiária urbana em Presidente Prudente. São Paulo, p. Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Letras e Ciências Humanas, USP. VILLAÇA, Flávio. Espaço intraurbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, p. file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 11/12

12 [1] Esta comunicação apresenta parte dos resultados da pesquisa de mestrado titulada A segregação sócio-espacial em Presidente Prudente: o caso dos condomínios horizontais, que já foi concluída e que se espera defender em maio de O autor é aluno do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UNESP - Campus de Presidente Prudente. [2] FIBGE, Censo Demográfico, [3] Na construção do nível de exclusão utilizaram-se 13 variáveis sócio-econômicas e ambientais, referentes aos seguintes aspectos: renda familiar, nível de instrução da população, disponibilidade de rede de água potável e de esgoto, coleta de lixo, mortalidade infantil, violência urbana, localização de aterros sanitários, grau de acessibilidade ao centro da cidade e disponibilidade de áreas verdes (Mendes et al, 1998, p.3-4). file:///c:/documents and Settings/pedropaulo/Meus documentos/downloads/ena8 (1)/ena8/ena8/VIII_EN_ANPUR/HTML/oscar_mino_a6.htm 12/12

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES 47 A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES Nathália Oliveira Silva Costa 1 ; Alexandre Carvalho de Andrade 2. 1 nathaliacosta40@hotmail.com;

Leia mais

Goiânia. Perfil de consumidores do mercado imobiliário nos bairros Setor Marista, Setor Bueno, Setor Oeste, Jardim Goiás e Alto da Glória.

Goiânia. Perfil de consumidores do mercado imobiliário nos bairros Setor Marista, Setor Bueno, Setor Oeste, Jardim Goiás e Alto da Glória. Report DGBZ Goiânia Perfil de consumidores do mercado imobiliário nos bairros Setor Marista, Setor Bueno, Setor Oeste, Jardim Goiás e Alto da Glória Abril/2017 Qual é o perfil do comprador de imóveis em

Leia mais

POLÍTICA HABITACIONAL NO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA MS: PAPÉIS URBANOS E REPRODUÇÃO SOCIAL

POLÍTICA HABITACIONAL NO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA MS: PAPÉIS URBANOS E REPRODUÇÃO SOCIAL POLÍTICA HABITACIONAL NO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA MS: PAPÉIS URBANOS E REPRODUÇÃO SOCIAL Wéliton Carlos dos Santos 1, Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli 2 1 Estudante do Curso de Geografia - UEMS, Unidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO CONTEMPORÂNEA DO ESPAÇO DA DESIGUALDADE

A CONSTRUÇÃO CONTEMPORÂNEA DO ESPAÇO DA DESIGUALDADE Mesa de Diálogo 2 PRODUÇÃO do ESPAÇO PÚBLICO em SÃO LUIS, MARANHÃO. A CONSTRUÇÃO CONTEMPORÂNEA DO ESPAÇO DA DESIGUALDADE Frederico Lago Burnett Professor Adjunto III UEMA São Luis, Ma. Dezembro, 2014 CIDADE:

Leia mais

Impactos Urbanísticos na Regularização de Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados Prof. Drª Gisela Cunha Viana Leonelli

Impactos Urbanísticos na Regularização de Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados Prof. Drª Gisela Cunha Viana Leonelli 7 a 9 de junho 2017 Instituto de Economia - Unicamp Impactos Urbanísticos na Regularização de Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados Prof. Drª Gisela Cunha Viana Leonelli gisela@fec.unicamp.br

Leia mais

Sistemas de espaços livres e forma urbana

Sistemas de espaços livres e forma urbana Sistemas de espaços livres e forma urbana SILVIO SOARES MACEDO 2011 Sistemas de Espaços Livres Todos os espaços livres, públicos e privados Produzidos de maneira formal e informal Possuem conexão física

Leia mais

UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79, Dourados-MS, 1

UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79, Dourados-MS,   1 SITUAÇÃO DOS DOMICÍLIOS NA CIDADE DE CORUMBÁ-MS Andressa Freire dos Santos 1 ; Graciela Gonçalves de Almeida 1 ; Daniella de Souza Masson 1 ; Joelson Gonçalves Pereira 2 UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79,804-970-Dourados-MS,

Leia mais

CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS POPULARES O PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM CIDADES DE PORTE MÉDIO PAULISTAS

CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS POPULARES O PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM CIDADES DE PORTE MÉDIO PAULISTAS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS POPULARES O PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM CIDADES DE PORTE MÉDIO PAULISTAS Clayton José Budin Discente do bacharel UNESP/ Presidente Prudente claytonbariri@gmail.com 1.

Leia mais

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS Carlos Vinícius da Silva Pinto Juliana Cristina Franz Giancarla Salamoni 1 INTRODUÇÃO A expansão do perímetro urbano,

Leia mais

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário PROJETO MILÊNIO: Observatório rio das Metrópoles: Território, rio, Coesão Social e Governança a Democrática Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação

Leia mais

Palavras Chave: Produção do Espaço Urbano; Segregação Socioespacial; Cidades Litorâneas; Santos SP; Baixada Santista.

Palavras Chave: Produção do Espaço Urbano; Segregação Socioespacial; Cidades Litorâneas; Santos SP; Baixada Santista. INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: Urbanização e segregação socioespacial na Baixada Santista: Mapeamento do município de Santos a partir dos dados do Censo - IBGE Área do Conhecimento

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS HABITACIONAIS SECRETARIA DE ESTADO DA HABITAÇÃO 1 1. APROPRIAÇÃO FÍSICA DE GLEBAS URBANAS: 1.1. PARCELAMENTO DO SOLO (Lei Federal nº 6.766/79, alterada pela

Leia mais

A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP

A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP NASCIMENTO, R. S. Departamento de Geografia - IGCE, Universidade Estadual Paulista Júlio De Mesquita

Leia mais

PRODUÇÃO E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO: O CASO DOS NOVOS LOTEAMENTOS DE ALFENAS-MG

PRODUÇÃO E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO: O CASO DOS NOVOS LOTEAMENTOS DE ALFENAS-MG 428 PRODUÇÃO E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO: O CASO DOS NOVOS LOTEAMENTOS DE ALFENAS-MG INTRODUÇÃO: ¹ Ariádina Aparecida Lelis Ribeiro Orientador: ² Dr. Flamarion Dutra Alves ¹ ariadinaribeiro@bol.com.br

Leia mais

GEOGRAFIA MÓDULO 9. Urbanização I. redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária. Professor Vinícius Moraes

GEOGRAFIA MÓDULO 9. Urbanização I. redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária. Professor Vinícius Moraes GEOGRAFIA Professor Vinícius Moraes MÓDULO 9 Urbanização I redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária O processo de urbanização apresenta diferentes dimensões,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE GO LEI COMPLEMENTAR N /2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE GO LEI COMPLEMENTAR N /2011 LEI COMPLEMENTAR N. 6.074/2011 Consolidada com LEI COMPLEMENTAR N. 6.216/2012 Dispõe sobre o perímetro urbano do município de Rio Verde GO e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA Mesa REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA URBANA ELEUSINA LAVOR HOLANDA DE FREITAS Demacamp PLANO METROPOLITANO DE HIS, 2009 fonte: prefeituras Município CEM João Pinheiro Fichas municipais CEBRAP Total Urbano Rural

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DA DESIGUALDADE SOCIAL NA CIDADE MÉDIA DE PASSO FUNDO Iuri Daniel Barbosa Graduando em Geografia UFRGS -

ESPACIALIZAÇÃO DA DESIGUALDADE SOCIAL NA CIDADE MÉDIA DE PASSO FUNDO Iuri Daniel Barbosa Graduando em Geografia UFRGS - ESPACIALIZAÇÃO DA DESIGUALDADE SOCIAL NA CIDADE MÉDIA DE PASSO FUNDO Iuri Daniel Barbosa Graduando em Geografia UFRGS - iuribar@yahoo.com.br INTRODUÇÃO A cidade média de Passo Fundo, pólo de uma região

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ESTADO DE GOIÁS PODER EXECUTIVO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO CNPJ / Lei nº 1.589/2010 Regulamenta a implantação de CONDOMÍNIO RESIDENCIAL HORIZONTAL e CONDOMÍNIO RESIDENCIAL VERTICAL e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUAÇU, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

MUNICÍPIO DE LONDRINA Plano Municipal de Saneamento Básico Relatório de Diagnóstico da Situação do Saneamento

MUNICÍPIO DE LONDRINA Plano Municipal de Saneamento Básico Relatório de Diagnóstico da Situação do Saneamento 2 CARACTERIZAÇÃO GERAL DO MUNICÍPIO 2.1 INSERÇÃO DE LONDRINA NO CONTEXTO REGIONAL Londrina está localizada na Macrorregião Sul do Brasil, na mesorregião Norte Central Paranaense em uma posição geoeconômica

Leia mais

O DIREITO À CIDADE, AS DESIGUALDADES URBANAS E O ACESSO A TERRA

O DIREITO À CIDADE, AS DESIGUALDADES URBANAS E O ACESSO A TERRA PROGRAMA DE FORMAÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna Curso de Capacitação e Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento

Leia mais

O CENTRO E A CENTRALIDADE EM PRESIDENTE PRUDENTE: A CONSOLIDAÇÃO DO NÚCLEO CENTRAL

O CENTRO E A CENTRALIDADE EM PRESIDENTE PRUDENTE: A CONSOLIDAÇÃO DO NÚCLEO CENTRAL O CENTRO E A CENTRALIDADE EM PRESIDENTE PRUDENTE: A CONSOLIDAÇÃO DO NÚCLEO CENTRAL Michelly Souza Lima Arthur Magon Whitacker (Orientador) Faculdade de Ciências e Tecnologia UNESP michellyslima@gmail.com

Leia mais

Regularização Fundiária em São Mateus

Regularização Fundiária em São Mateus Regularização Fundiária em São Mateus Legislações Pertinente: Lei 6.015/73 Lei 6.766/79 Lei 9.785/99 Lei 10.257/01 Lei 11.977/09 Lei 12.424/11 Legislações Municipais Regularização Fundiária Conceito -

Leia mais

As Ocupações Intramuros Horizontais na Região Metropolitana de Campinas: uma análise dos aspectos fundiários e das legislações (in)existentes¹

As Ocupações Intramuros Horizontais na Região Metropolitana de Campinas: uma análise dos aspectos fundiários e das legislações (in)existentes¹ As Ocupações Intramuros Horizontais na Região Metropolitana de Campinas: uma análise dos aspectos fundiários e das legislações (in)existentes¹ PASQUOTTO, Geise Brizotti; SILVA, Ricardo Alexandre da; LIMA,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DEPARTAMENTO DE TRABALHO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DEPARTAMENTO DE TRABALHO SOCIAL DEPARTAMENTO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DEPARTAMENTO DE TRABALHO SOCIAL NOVEMBRO DE 2015 Dez anos da Política Habitacional: Avanços, Potencialidades e a Continuação de uma Política Principais Urbanizações

Leia mais

AGLOMERADOS SUBNORMAIS 2010 DGC/CGEO, DGC/CETE, DPE/COPIS, COC/CNEFE

AGLOMERADOS SUBNORMAIS 2010 DGC/CGEO, DGC/CETE, DPE/COPIS, COC/CNEFE AGLOMERADOS SUBNORMAIS 2010 DGC/CGEO, DGC/CETE, DPE/COPIS, COC/CNEFE Apresentação Com a aceleração do processo de urbanização do Brasil a ocupação de espaços preteridos pela urbanização formal torna-se

Leia mais

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO POR BAIRROS EM CORUMBÁ-MS. UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79, Dourados-MS,

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO POR BAIRROS EM CORUMBÁ-MS. UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79, Dourados-MS, EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO POR BAIRROS EM CORUMBÁ-MS Graciela Gonçalves de Almeida 1 ; Ana Paula Vieira da Silva 1 ; Andressa Freire dos Santos 1 ; Joelson Gonçalves Pereira 2 UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79,804-970-Dourados-MS,

Leia mais

ESTUDO DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS FECHADOS E LOTEAMENTOS FECHADOS NO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA, SP: UMA ANÁLISE MULTITEMPORAL

ESTUDO DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS FECHADOS E LOTEAMENTOS FECHADOS NO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA, SP: UMA ANÁLISE MULTITEMPORAL ESTUDO DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS FECHADOS E LOTEAMENTOS FECHADOS NO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA, SP: UMA ANÁLISE MULTITEMPORAL Monique Bruna Silva do Carmo 1, ²Orientadora Profa. Dra.Sandra Maria Fonseca da

Leia mais

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AUP 268 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURA URBANAS E REGIONAIS I RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE PLANEJAMENTO URBANO NO BRASIL

Leia mais

Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados: Proposta de Regulamentação

Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados: Proposta de Regulamentação Condomínios Horizontais e Loteamentos Fechados: Proposta de Regulamentação por Victor Carvalho Pinto Conceito Não há uma definição legal do chamado condomínio horizontal. Tal expressão é utilizada, no

Leia mais

Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS

Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS Oficina QUAPÁ-SEL Euro-ELECS Projeto Temático Os sistemas de espaços livres na constituição da forma urbana contemporânea no Brasil: produção e apropriação QUAPÁ-SEL Temas e atividades de trabalho das

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS ÁREAS VERDES POR BAIRROS E SUA RELAÇÃO COM AS CLASSES SOCIAIS DE ANÁPOLIS-GO

VERIFICAÇÃO DAS ÁREAS VERDES POR BAIRROS E SUA RELAÇÃO COM AS CLASSES SOCIAIS DE ANÁPOLIS-GO VERIFICAÇÃO DAS ÁREAS VERDES POR BAIRROS E SUA RELAÇÃO COM AS CLASSES SOCIAIS DE ANÁPOLIS-GO 1 MORAIS. Roberto P., 2 NASCIMENTO. Adriana S., 3 Silva. Nislaine C. A cobertura vegetal exerce papel de vital

Leia mais

Produção da Dinâmica Espacial Urbana e Valorização Imobiliária na Cidade de Itabaiana-SE 1- INTRODUÇÃO

Produção da Dinâmica Espacial Urbana e Valorização Imobiliária na Cidade de Itabaiana-SE 1- INTRODUÇÃO Autora-Taciana Andrade Teles UFS, Taciana_prin@hotmail.com Coautor: Cléverton Machado Reis UFS, Kleverton_iluminado@hotmail.com Coautora: Michele Santana de Jesus UFS,Mitcher2010@gmail.com Produção da

Leia mais

O Programa Minha Casa Minha Vida em cidades médias.

O Programa Minha Casa Minha Vida em cidades médias. Aline Fernanda Coimbra 1 alinefcoimbra@hotmail.com FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente O Programa Minha Casa Minha Vida em cidades médias. INTRODUÇÃO O estudo se desenvolve a partir da Rede de Pesquisadores

Leia mais

CONDOMÍNIO DE LOTES. Salvador-BH/Setembro de 2016

CONDOMÍNIO DE LOTES. Salvador-BH/Setembro de 2016 CONDOMÍNIO DE LOTES Salvador-BH/Setembro de 2016 CONDOMÍNIOS Espécies CONDOMÍNIOS: Geral (entre duas ou mais pessoas); Edilício: De Casas; De Apartamentos; De Lotes, de livre construção. Condomínio Geral

Leia mais

Report DGBZ. São Paulo. Mercado imobiliário nos bairros Vila Olímpia, Itaim Bibi, Pinheiros e Vila Madalena. Maio/2017

Report DGBZ. São Paulo. Mercado imobiliário nos bairros Vila Olímpia, Itaim Bibi, Pinheiros e Vila Madalena. Maio/2017 Report São Paulo Maio/2017 Mercado imobiliário nos bairros Vila Olímpia, Itaim Bibi, Pinheiros e Vila Madalena 02 Qual é o perfil do comprador de imóveis em bairros da Zona Oeste de São Paulo? Panorama

Leia mais

LOTEAMENTOS FECHADOS E A REESTRUTURAÇÃO URBANA DE MONTES CLAROS (MG): Uma análise através do sensoriamento remoto

LOTEAMENTOS FECHADOS E A REESTRUTURAÇÃO URBANA DE MONTES CLAROS (MG): Uma análise através do sensoriamento remoto LOTEAMENTOS FECHADOS E A REESTRUTURAÇÃO URBANA DE MONTES CLAROS (MG): Uma análise através do sensoriamento remoto BATISTA, Ramony Pereira LEITE, Marcos Esdras Laboratório de Geoprocessamento Departamento

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO ZONAS ESPECIAS DE INTERESSE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO ZONAS ESPECIAS DE INTERESSE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO ZONAS ESPECIAS DE INTERESSE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS 424 Felipe Clemente felipeclemente@uol.com.br Pesquisador voluntário de iniciação cientifica Bacharel

Leia mais

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrução Normativa 33/2014 do MARCUS VINÍCIUS REGO Diretor de Gestão de Risco e Reabilitação Urbana reab@cidades.gov.br Brasília, 15 de setembro de 2017 OBJETIVO: IN 33/2014

Leia mais

Comunicado ao Mercado

Comunicado ao Mercado MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF nº 08.343.492/0001-20 NIRE 31.300.023.907 Comunicado ao Mercado Recorde histórico de geração de caixa para o 1º semestre, atingindo R$ 325 milhões. Crescimento

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE OS VAZIOS URBANOS NA CIDADE DE LAVRAS- MG

REFLEXÃO SOBRE OS VAZIOS URBANOS NA CIDADE DE LAVRAS- MG REFLEXÃO SOBRE OS VAZIOS URBANOS NA CIDADE DE LAVRAS- MG André Silva Tavares ¹ andresttavares@gmail.com ¹ Discente do curso de Geografia Licenciatura Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG 1254 Palavras

Leia mais

Atuação das Companhias de Loteamento no 4 0 Distrito de Porto Alegre ( )

Atuação das Companhias de Loteamento no 4 0 Distrito de Porto Alegre ( ) Fórum das Instituições de Ensino Superior 4 0 Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento Atuação das Companhias de Loteamento no 4 0 Distrito de Porto Alegre (1890-1920) Dra. Tânia Marques Strohaecker

Leia mais

Deliberação Normativa COPAM nº., de XX de janeiro de 2010

Deliberação Normativa COPAM nº., de XX de janeiro de 2010 Deliberação Normativa COPAM nº., de XX de janeiro de 2010 Disciplina o procedimento para regularização ambiental e supressão de vegetação em empreendimentos de parcelamento de solo, inclusive dentro dos

Leia mais

Ainda segundo o Regulamento Interno (Associação..., 1999), é proibido o estabelecimento de empreendimentos não residenciais, como de comércio,

Ainda segundo o Regulamento Interno (Associação..., 1999), é proibido o estabelecimento de empreendimentos não residenciais, como de comércio, 163 Muro de divisa Novo acesso Figura 104: Vista parcial dos lotes localizados na Rua das Tulipas, o muro de divisa do loteamento e o novo acesso ao fundo. O loteamento Jardim Haras Bela Vista tem definido

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS - GEOGRAFIA - 1 BIMESTRE

LISTA DE EXERCÍCIOS - GEOGRAFIA - 1 BIMESTRE LISTA DE EXERCÍCIOS - GEOGRAFIA - 1 BIMESTRE ALUNO (A): nº CIANORTE, MARÇO DE 2011 1. (UFMT) Em relação ao processo de urbanização brasileiro, no período de 1940 a 2000, analise a tabela abaixo. (MENDES,

Leia mais

A ATUAÇÃO DO MERCADO IMOBILIÁRIO NA PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: OS LOTEAMENTOS ABERTOS E FECHADOS NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB

A ATUAÇÃO DO MERCADO IMOBILIÁRIO NA PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: OS LOTEAMENTOS ABERTOS E FECHADOS NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB A ATUAÇÃO DO MERCADO IMOBILIÁRIO NA PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO: OS LOTEAMENTOS ABERTOS E FECHADOS NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB Leonardo Barboza da Costa Universidade Federal da Paraíba barbozacosta@gmail.com

Leia mais

CRESCIMENTO URBANO: O VETOR LESTE E O NOVO BAIRRO SÃO GONÇALO EM PELOTAS, RS.

CRESCIMENTO URBANO: O VETOR LESTE E O NOVO BAIRRO SÃO GONÇALO EM PELOTAS, RS. CRESCIMENTO URBANO: O VETOR LESTE E O NOVO BAIRRO SÃO GONÇALO EM PELOTAS, RS. Paula Neumann Novack 1 Gilciane Soares Jansen 2 Sidney Gonçalves Vieira 3 RESUMO O crescimento e expansão urbana existente

Leia mais

a- Estabelecer uma análise crítica do conceito de espaço geográfico e paisagem com o propósito do entendimento das transformações do espaço urbano;

a- Estabelecer uma análise crítica do conceito de espaço geográfico e paisagem com o propósito do entendimento das transformações do espaço urbano; 1. Introdução O trabalho inicialmente estabelece os fundamentos teóricos para se compreender o movimento que transforma o espaço urbano da cidade, para, em seguida, identificar como esse processo se desenvolve

Leia mais

A Construção do Shopping Center Parque das Bandeiras e a Especulação Imobiliária Decorrente

A Construção do Shopping Center Parque das Bandeiras e a Especulação Imobiliária Decorrente A Construção do Shopping Center Parque das Bandeiras e a Especulação Imobiliária Decorrente Mayra Abboudi Brasco Graduanda em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP - SP) mayrabrasco@gmail.com

Leia mais

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo Bens e serviços imobiliários Alojamento Alojamento colectivo Alojamento de convivência Estabelecimento hoteleiro e similar Alojamento familiar Alojamento familiar clássico Alojamento sobrelotado Alojamento

Leia mais

ALEXIOS CENTRO LOCALIZAÇÃO ALEXIOS JAFET - AHD. Distancia do centro: 23 km (percurso de carro) Distancia do centro: 16 km (em linha reta)

ALEXIOS CENTRO LOCALIZAÇÃO ALEXIOS JAFET - AHD. Distancia do centro: 23 km (percurso de carro) Distancia do centro: 16 km (em linha reta) ENTIDADE: ASSOCIAÇÃO POR HABITAÇÃO COM DIGNIDADE (AHD) ASSESSORIA: AMBIENTE ARQUITETURA REGIME DE CONSTRUÇÃO: ADM DIRETA ( AUTOGESTÃO) MODALIDADE DA CONTRATAÇÃO: AQUISIÇÃO DE TERRENO E CONSTRUÇÃO Nº S:

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 Lei Complementar nº Institui o Macrozoneamento Municipal, parte integrante do Plano Diretor de Organização Físico-territorial de Jaraguá do Sul e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

David Ader Santos Lourenço; ¹. Maria José Martinelli Silva Calixto²

David Ader Santos Lourenço; ¹. Maria José Martinelli Silva Calixto² Ciências Humanas. David Ader Santos Lourenço; ¹. Maria José Martinelli Silva Calixto² ¹ Acadêmico do curso de Geografia/UFGD, ² Orientadora de pesquisa Dourados- MS, E-mail: ¹David.ader@hotmail.com ²Mjmartinelli@yahoo.com.br..

Leia mais

Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5

Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 Resolução de Questões de Provas Específicas de Geografia Aula 5 1. (UEMG) circunscrito aos países que primeiro se industrializaram. Após

Leia mais

CIDADE, AGLOMERAÇÃO E METRÓPOLE: UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI/CE.

CIDADE, AGLOMERAÇÃO E METRÓPOLE: UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI/CE. CIDADE, AGLOMERAÇÃO E METRÓPOLE: UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI/CE. Robson Renato Sales do Nascimento Graduando do Curso de Geografia UERN/CAMEAM Bolsista do Programa Institucional

Leia mais

AS FAVELAS DA GRANDE ARACAJU

AS FAVELAS DA GRANDE ARACAJU AS FAVELAS DA GRANDE ARACAJU Ricardo Lacerda 1 O IBGE publicou na semana passada o relatório Censo Demográfico 2010- Aglomerados Subnormais- Informações Territoriais. Trata-se de um amplo estudo sobre

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS HABITACIONAIS E A QUESTÃO DA MORADIA NO MUNICÍPIO DE DEODÁPOLIS MS

POLÍTICAS PÚBLICAS HABITACIONAIS E A QUESTÃO DA MORADIA NO MUNICÍPIO DE DEODÁPOLIS MS POLÍTICAS PÚBLICAS HABITACIONAIS E A QUESTÃO DA MORADIA NO MUNICÍPIO DE DEODÁPOLIS MS Edmilson Batista Santana 1, Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli 2 1 Estudante do Curso de Geografia - UEMS, Unidade

Leia mais

O Novo Zoneamento e sua importância para São Paulo. Instituto de Engenharia

O Novo Zoneamento e sua importância para São Paulo. Instituto de Engenharia O Novo Zoneamento e sua importância para São Paulo Instituto de Engenharia Visto que o fundamento da propriedade é a utilidade, onde não houver utilidade possível não pode existir propriedade. Jean Jacques

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO EM OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO EM OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO EM OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Operação Urbana Consorciada Conceito / Estatuto da Cidade Camila Maleronka Recife, 15 de setembro de 2017. CONCEITO DA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA

Leia mais

Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento

Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento Porto Alegre, 2015 Se encontra no cruzamento da área central e municípios da Região Metropolitana; Grande

Leia mais

¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015

¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015 ¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015 Introdução Sara Cristiny Ramos Meireles A partir da década de 1970 as cidades médias brasileiras destacam-se no contexto nacional

Leia mais

SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL: APONTAMENTOS SOBRE A DINÂMICA RECENTE NA CIDADE DE CHAPECÓ/SC (1991 A 2010)

SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL: APONTAMENTOS SOBRE A DINÂMICA RECENTE NA CIDADE DE CHAPECÓ/SC (1991 A 2010) SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL: APONTAMENTOS SOBRE A DINÂMICA RECENTE NA CIDADE DE CHAPECÓ/SC (1991 A 2010) Mayling Vassoler Bedin Graduanda em Geografia pela UFFS, Campus Chapecó. E-mail: may_bedin@hotmail.com

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA URBANIZAÇÃO BRASILEIRA Urbanização é um conceito geográfico que representa o desenvolvimento das cidades. Neste processo, ocorre a construção de casas, prédios, redes de esgoto, ruas, avenidas, escolas,

Leia mais

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro IBEU Local da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Por Raquel de Lucena Oliveira e João Luis Nery A publicação do Índice de Bem estar Urbano (IBEU), elaborado no âmbito do INCT Observatório das Metrópoles

Leia mais

Salvador Desafios Principais

Salvador Desafios Principais Leitura de Bordo No. 09 (*) NOTA TEMÁTICA Salvador Desafios Principais Gilberto Corso (**) Salvador Problemas Legados Salvador enfrenta em 2015 um conjunto de problemas que podem comprometer seu desenvolvimento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO MERCADO

A INFLUÊNCIA DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO MERCADO A INFLUÊNCIA DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO MERCADO INTRODUÇÃO IMOBILIÁRIO DE RESENDE (RJ) 1995 A 2007. Autor: Lenon Santiago Mendes Suhett e-mail: lenonsuhett@hotmail.com Universidade Federal do Rio de

Leia mais

MUNiCíPIO DE GUARAPUAVA Estado do Paraná LEI N 2074/2012

MUNiCíPIO DE GUARAPUAVA Estado do Paraná LEI N 2074/2012 LEI N 2074/2012 SÚMULA: Altera o Capitulo 111,do Artigo 5, da Lei no045187, que dispõe sobre o Parcelamento do Solo para Fins Urbanos no Municipio de Guarapuava e revoga as Leis nos 1023/2001 e 1025/2001.

Leia mais

Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO

Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO Diana Oneide Montelo de Oliveira UNIFESSPA/Camos Marabá; dianaoneide@gmail.com Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO A geografia é uma Ciência essencial

Leia mais

Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas

Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas Questões estruturais e conjunturais dos loteamentos em São Paulo: o caso do Village Campinas Viviane Candoletta Arquitetura e Urbanismo CEATEC vivi_candoletta@ puc-campinas.edu.br Manoel Lemes da Silva

Leia mais

CONDOMINIOS HORIZONTAIS FECHADOS: NOVAS FORMAS DE MORADIA EM TRÊS LAGOAS - MS. Palavras chave: Três Lagoas, Condomínios fechados, auto segregação.

CONDOMINIOS HORIZONTAIS FECHADOS: NOVAS FORMAS DE MORADIA EM TRÊS LAGOAS - MS. Palavras chave: Três Lagoas, Condomínios fechados, auto segregação. CONDOMINIOS HORIZONTAIS FECHADOS: NOVAS FORMAS DE MORADIA EM TRÊS LAGOAS - MS Willian Cesar Dadalto willdadalto@gmail.com PET Geografia UFMS Três Lagoas Palavras chave: Três Lagoas, Condomínios fechados,

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

CREA, RJ, 30 de novembro de Fabricio Leal de Oliveira (IPPUR/UFRJ)

CREA, RJ, 30 de novembro de Fabricio Leal de Oliveira (IPPUR/UFRJ) Seminário Diretrizes e propostas para a produção habitacional na Cidade do Rio de Janeiro Instrumentos para oferta de moradia nas áreas urbanas centrais e consolidadas CREA, RJ, 30 de novembro de 2011.

Leia mais

Desenvolvimento das cidades

Desenvolvimento das cidades Gestão Desportiva e de Lazer Lazer e Urbanismo Desenvolvimento das cidades Texto base: SPOSITO, Maria Encarnação E. Capitalismo e urbanização Capítulo 03 Industrialização e urbanização Professora: Andréa

Leia mais

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil O que é o DOTS? O Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável é uma

Leia mais

A CIRCULAÇÃO DE PESSOAS E A CENTRALIDADE NA REGIÃO DE GOVERNO DE DRACENA-SP.

A CIRCULAÇÃO DE PESSOAS E A CENTRALIDADE NA REGIÃO DE GOVERNO DE DRACENA-SP. A CIRCULAÇÃO DE PESSOAS E A CENTRALIDADE NA REGIÃO DE GOVERNO DE DRACENA-SP. Carla de Souza Leão carla_sleao@hotmail.com Mestranda do Programa de Pós-graduação em Geografia. PPGG/FCT /UNESP Campus de Presidente

Leia mais

Plano Diretor Estratégico

Plano Diretor Estratégico Plano Diretor Estratégico 2014-2024 PARTE I Lógicas de produção e transformação do espaço urbano e o planejamento urbano 3 processos simultâneos de produção e transformação das cidades Adensamento Consolidação

Leia mais

Reconhecendo a consolidação da Região Metropolitana de Fortaleza como um espaço integrado;

Reconhecendo a consolidação da Região Metropolitana de Fortaleza como um espaço integrado; CARTA VERDE DE FORTALEZA A vida de uma cidade, antes de tudo, é consolidada pela prática da política no seu seio. A política é a grande protagonista do desenvolvimento e é concretizada através dos políticos.

Leia mais

Estudos de viabilidade para implantação do Campus Embu das Artes da UNIFESP. Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo

Estudos de viabilidade para implantação do Campus Embu das Artes da UNIFESP. Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo Estudos de viabilidade para implantação do da UNIFESP Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo Legenda Centro Histórico Terreno Parque da Várzea Terreno proposto para o Campus Sistema

Leia mais

Análise Territorial do Conjunto Habitacional do Monte Verde Florianópolis - SC

Análise Territorial do Conjunto Habitacional do Monte Verde Florianópolis - SC Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Disciplina : Teoria Urbana Acadêmicas: Ana Luiza Tomasi, Natália Moneró, Greice Merin Moresco, Thiele Londero. Análise Territorial

Leia mais

Palavras-chave: Atividades Turísticas, Qualidade de Vida e Estância Turística de Presidente Epitácio (Estado de São Paulo, Brasil).

Palavras-chave: Atividades Turísticas, Qualidade de Vida e Estância Turística de Presidente Epitácio (Estado de São Paulo, Brasil). Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-5 ATIVIDADES TURÍSTICAS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE EPITÁCIO (ESTADO DE SÃO

Leia mais

Desenvolvimento urbano e revitalização urbana das Zonas Leste e Oeste de São Paulo a partir da construção da Linha 3 Vermelha.

Desenvolvimento urbano e revitalização urbana das Zonas Leste e Oeste de São Paulo a partir da construção da Linha 3 Vermelha. Desenvolvimento urbano e revitalização urbana das Zonas Leste e Oeste de São Paulo a partir da construção da Linha 3 Vermelha. Diamantino Augusto Sardinha Neto Doutor em Ciências Sociais PUC/SP Guilherme

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio.

MEMÓRIA DESCRITIVA. A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio. MEMÓRIA DESCRITIVA Descrição e justificação da solução proposta A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio. A pretensão incide sobre um terreno propriedade do

Leia mais

PLANTÕES DE FÉRIAS GEOGRAFIA

PLANTÕES DE FÉRIAS GEOGRAFIA PLANTÕES DE FÉRIAS GEOGRAFIA Nome: Nº: Série: 2º ANO Turma: Profª JÉSSICA CECIM Data: JULHO 2016 1. ROTEIRO a) Industrialização Brasileira e Urbanização 2. EXERCÍCIOS 1. A respeito do processo da industrialização

Leia mais

Política e Programas Habitacionais em São Paulo

Política e Programas Habitacionais em São Paulo Política e Programas Habitacionais em São Paulo Papel de Agentes Públicos e Privados AUP 0563 - Estruturação do Espaço Urbano: Produção Imobiliária Contemporânea Profa. Dra. Luciana de Oliveira Royer LABHAB

Leia mais

EXPANSÃO URBANA E SEGREGEÇÃO SÓCIO-ESPACIAL

EXPANSÃO URBANA E SEGREGEÇÃO SÓCIO-ESPACIAL Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-12 EXPANSÃO URBANA E SEGREGEÇÃO SÓCIO-ESPACIAL Laurinda José Ribeiro 1 Manoel Rodrigues Chaves 2 Resumo

Leia mais

ENTIDADE: ASSOCIAÇÃO DOS TRABALHADORES SEM TETO DA ZONA NOROESTE ASSESSORIA: AMBIENTE ARQUITETURA REGIME DE CONSTRUÇÃO: ADM DIRETA ( AUTOGESTÃO)

ENTIDADE: ASSOCIAÇÃO DOS TRABALHADORES SEM TETO DA ZONA NOROESTE ASSESSORIA: AMBIENTE ARQUITETURA REGIME DE CONSTRUÇÃO: ADM DIRETA ( AUTOGESTÃO) ENTIDADE: ASSOCIAÇÃO DOS TRABALHADORES SEM TETO DA ZONA NOROESTE ASSESSORIA: AMBIENTE ARQUITETURA REGIME DE CONSTRUÇÃO: ADM DIRETA ( AUTOGESTÃO) MODALIDADE DA CONTRATAÇÃO: AQUISIÇÃO DE TERRENO E CONSTRUÇÃO

Leia mais

A Dinâmica dos Bairros de Goiânia (GO) como Apoio ao Estudo do Crescimento Urbano do Município.

A Dinâmica dos Bairros de Goiânia (GO) como Apoio ao Estudo do Crescimento Urbano do Município. A Dinâmica dos Bairros de Goiânia (GO) como Apoio ao Estudo do Crescimento Urbano do Município. Rubia Nara Silva Martins 1 rubianara00@hotmail.com Ivanilton José de Oliveira 2 ivanilton.oliveira@gmail.com

Leia mais

A EXPANSÃO DE LOTEAMENTOS HORIZONTAIS FECHADOS E SUA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD): ESTUDO DE CASO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

A EXPANSÃO DE LOTEAMENTOS HORIZONTAIS FECHADOS E SUA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD): ESTUDO DE CASO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP A EXPANSÃO DE LOTEAMENTOS HORIZONTAIS FECHADOS E SUA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD): ESTUDO DE CASO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP L. F. L. Barroso, J. C. Marques Neto, J. Francisco e

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA I Data: 27/04/2012 Aluno(a): n 0 ano: 7º turma: NOTA: Prof.(a): Haide Mayumi Handa Honda Ciente do Responsável: Data: / /2012 Instruções: 1. Esta avaliação contém 5 páginas e 10

Leia mais

A PRODUÇÃO DESIGUAL DO ESPAÇO URBANO: UMA ANÁLISE DO BAIRRO BUGIO EM ARACAJU- SE

A PRODUÇÃO DESIGUAL DO ESPAÇO URBANO: UMA ANÁLISE DO BAIRRO BUGIO EM ARACAJU- SE A PRODUÇÃO DESIGUAL DO ESPAÇO URBANO: UMA ANÁLISE DO BAIRRO BUGIO EM ARACAJU- SE Lucas de Andrade Lira Miranda Cavalcante Universidade Federal de Sergipe lucassirius@gmail.com Palavras-chave: Segregação;

Leia mais

CONSTRUTORA ESPECIALIZADA NO PLANEJAMENTO E NA REALIZAÇÃO

CONSTRUTORA ESPECIALIZADA NO PLANEJAMENTO E NA REALIZAÇÃO O NEGÓCIO CONSTRUTORA ESPECIALIZADA NO PLANEJAMENTO E NA REALIZAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundada em 2010 Base operacional em Caruaru (Agreste de PE) Base de negócios no Recife (Capital) Imóveis

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA E TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO URBANO DE CATALÃO - GO

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA E TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO URBANO DE CATALÃO - GO ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA E TRANSFORMAÇÃO DO ESPAÇO URBANO DE CATALÃO - GO (2003-2006) MARTINS, Priscila Celeste Graduada em Geografia CAC/UFG. E-mail: cm.priscila@gmail.com RESUMO: Com o rápido processo

Leia mais

Mapa 1 - Localização das cidades de Presidente Prudente, Ribeirão Preto e São Carlos no estado de São Paulo.

Mapa 1 - Localização das cidades de Presidente Prudente, Ribeirão Preto e São Carlos no estado de São Paulo. Análise comparativa do Índice de Densidade Informacional das atividades de comércio varejista; reparação de veículos automotores e motocicletas nas cidades médias paulistas de Presidente Prudente/SP, Ribeirão

Leia mais

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA CONTEÚDO 1. A REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS

IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS IBEU LOCAL: REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS Marcelo Gomes Ribeiro Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO O Observatório das Metrópoles divulgou recentemente a publicação referente ao Índice de Bem Estar

Leia mais

MAPEAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS EM ALFENAS-MG

MAPEAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS EM ALFENAS-MG MAPEAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS EM ALFENAS-MG EDUARDO OLIVEIRA JORGE 1 e MARTA FELÍCIA MARUJO FERREIRA 2 dudukotipelto@yahoo.com.br, martafelicia@uol.com.br 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG 2

Leia mais

Novos Parâmetros para a Regularização Fundiária urbana e rural

Novos Parâmetros para a Regularização Fundiária urbana e rural Novos Parâmetros para a Regularização Fundiária urbana e rural A Lei nº 13.465/17 e suas PerverCidades Rosane Tierno - São Paulo - 10/10/17 PerverCidade 0 Cidade Mercado x Cidade Direito Cidade propriedade

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 02 PROCESSOS DE URBANIZAÇÃO PELO MUNDO

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 02 PROCESSOS DE URBANIZAÇÃO PELO MUNDO GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 02 PROCESSOS DE URBANIZAÇÃO PELO MUNDO Como pode cair no enem (ENEM) As afirmativas a seguir relacionam-se ao tema as cidades e a produção do espaço. Analise-as. I) A delimitação

Leia mais