O CENTRO E A CENTRALIDADE EM PRESIDENTE PRUDENTE: A CONSOLIDAÇÃO DO NÚCLEO CENTRAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CENTRO E A CENTRALIDADE EM PRESIDENTE PRUDENTE: A CONSOLIDAÇÃO DO NÚCLEO CENTRAL"

Transcrição

1 O CENTRO E A CENTRALIDADE EM PRESIDENTE PRUDENTE: A CONSOLIDAÇÃO DO NÚCLEO CENTRAL Michelly Souza Lima Arthur Magon Whitacker (Orientador) Faculdade de Ciências e Tecnologia UNESP Introdução: A cidade é, para vários pesquisadores, um objeto de estudo fascinante e desafiador, pois apresenta diferentes formas e significados dentro de um mesmo espaço construído, colocando a questão urbana no centro das discussões atuais em vários ramos da ciência. O centro, forma materializada no espaço geográfico, e o processo de centralidade urbana, constituída pelos fluxos decorrentes da centralização neste mesmo espaço, constituem-se no eixo principal desta pesquisa com a qual nos propomos discutir e colaborar para a compreensão destes processos e formas espaciais tão complexos. É neste sentido que com a presente pesquisa pretendemos analisar o caso da cidade de Presidente Prudente, localizada no interior do Estado de São Paulo, a partir da realização de levantamentos bibliográficos, trabalhos de campo e entrevistas. Neste texto buscamos apresentar os primeiros resultados da pesquisa, alcançados principalmente a partir de pesquisas bibliográficas e levantamentos de campo. Assim, na primeira parte são apresentadas algumas contribuições teóricas sobre o tema, alicerçadas sobretudo em textos clássicos da Geografia Urbana, necessárias para a realização da pesquisa. A seguir é realizada uma breve caracterização da área de estudo, a partir da formação da cidade de Presidente Prudente para, em seguida, apresentarmos alguns resultados obtidos até o momento. Por fim, nas considerações finais, enfatizamos a importância do estudo. Breve discussão teórica: Para a análise da cidade, é necessário que se faça um esforço de compreensão do espaço urbano, sua produção e utilização, uma vez que este é produzido por diferentes agentes que o utilizam e dele se apropriam. Para Corrêa (1989), proprietários dos meios de produção, proprietários fundiários, promotores imobiliários, Estado e grupos sociais excluídos constituem-se em agentes produtores do espaço urbano. Desta forma, compreendemos que as cidades são construídas e apropriadas de maneira diferenciada pela sociedade. Na obra de Corrêa (1989) encontramos importante conceituação sobre o espaço urbano, que baliza nossa interpretação a seguir. No espaço urbano é onde ocorrem os diversos processos constituintes da estruturação urbana de uma cidade, constituindo-se em palco das manifestações sociais, do trabalho e da reprodução ampliada do capital. Por ser produzido por diferentes agentes, o espaço urbano é constituído por diversos usos do solo, formando áreas centrais e periféricas com características bem distintas, seja nos aspectos organizacionais ou populacionais. No que diz respeito ao centro, Corrêa (1989) apresenta que podemos caracterizá-lo por alguns preceitos básicos como: uso intensivo do solo através da concentração de atividades econômicas, especialmente de serviços; pela ampliação da verticalização,

2 visando um maior aproveitamento do terreno, visto que o centro da cidade possui uma área limitada; concentração de pedestres, durante o dia, e uma movimentação quase nula durante a noite, pois não se constitui mais como uma área de residências, embora o tenha sido. É preciso também destacar a importância da área central na cidade, uma vez que o centro reúne diversas atividades comerciais e de serviços, além de possuir, em muitos casos, elementos com valor simbólico para a história do núcleo urbano. Para Santos (1981): É através do núcleo histórico, expressão contínua de formas particulares da vida urbana do passado, que o centro se estabelece associado normalmente a símbolos como praças, catedrais e monumentos civis. (Santos, 1981) Além disso, vale destacar ainda que é no centro da cidade onde se materializam as esferas de decisão, tanto de âmbito particular quanto estatal, representadas pelas diferentes instituições do poder político e comercial. A partir desses papéis desempenhados pela área central é que diferentes fluxos referentes à circulação de pessoas, de mercadorias, de informações, de idéias e valores se intensificam, gerando uma centralidade, como já apontou Sposito (2001). Essa combinação de vários processos sociais que se dão no espaço define a centralidade. É neste sentido que a acessibilidade constitui-se também em uma das principais características do centro, como já apontou Johnson (1974). Para este autor, o centro é o setor da cidade ao qual se pode chegar com maior facilidade, tornando-se a parte mais acessível em geral para os que vivem dentro da esfera de influência da cidade. Cabe ressaltar também que muitas transformações estão ocorrendo no que se refere ao centro da cidade. Para Corrêa (2005), diversos fatores como a localização da área central, tamanho da cidade, funções urbanas, nível de renda da população, dentre outros, geram uma realidade complexa na qual a cidade monocêntrica começa a se transformar, a partir de processos como descentralização e desdobramento do centro (Whitacker, 1997). Sendo Presidente Prudente uma cidade de grande expressividade regional, sua compreensão frente aos novos arranjos espaciais é de fundamental importância em relação à constituição do processo de centralidade urbana. O caso de Presidente Prudente: A análise da presente pesquisa é realizada a partir do estudo da cidade de Presidente Prudente, localizada no interior do Estado de São Paulo, a 560 km da Capital, sendo a sede da 10º Região Administrativa do Estado. É a maior cidade da região, apresentando uma população de mil habitantes, segundo o Censo Demográfico do IBGE Presidente Prudente se caracterizou por possuir níveis bem mais elevados de crescimento populacional, se comparado com as médias nacionais e estaduais, como identificou SPOSITO (1983) especialmente entre as décadas de 1940 a A tabela a seguir apresenta a evolução da população urbana e rural, entre 1940 e Tabela 1: Evolução da população urbana de Presidente Prudente ( ) Pop. Urbana

3 Pop. Rural Total Fonte: IBGE Org.: Michelly S. Lima, 2006 Esse crescimento da cidade teve implicações no que diz respeito à sua área central, gerando transformações que reconfiguraram a centralidade urbana. Assim, serão realizadas análises comparativas e explicativas sobre o arranjo espacial da cidade com ênfase aos processos de estruturação e reestruturação do centro e de sua centralidade, utilizando abordagens da geografia urbana histórica. Presidente Prudente surgiu a partir de dois núcleos de povoamento, sendo um erigido pelo Cel. Francisco de Paula Goulart, fundador da cidade, e outro pelo Cel. José Soares Marcondes, colonizador das terras. O dia 14 de setembro de 1917 é considerado o dia da fundação da cidade, pois foi quando se iniciou a derrubada das matas para implantação do núcleo urbano (SPOSITO, 1983). A Vila Goulart foi construída em frente à estação ferroviária da Estrada de Ferro Alta Sorocabana, consolidando-se depois como o centro atual da cidade. Já a Vila Marcondes se desenvolveu do lado oposto à estação ferroviária, tornando-se posteriormente em um núcleo secundário. Esta desvalorização ocorrida na Vila Marcondes em detrimento da Vila Goulart foi influenciada também pelas condições topográficas do loteamento, apresentando áreas muito acidentadas. Isso pode ter influenciado a escolha de locais para construção de obras mais importantes para cidade, o que merecerá estudo mais aprofundado. A figura abaixo mostra a cidade de Presidente Pudente, evidenciando a sua área central atual. Figura 1: Presidente Prudente: localização do centro da cidade

4 Fonte: Prefeitura Municipal de Presidente Prudente Org.: Michelly Souza Lima Em outras pesquisas sobre esta cidade, encontramos apontamentos sobre os processos presentes no centro urbano de Presidente Prudente. Whitacker (1997) chama atenção para a expansão territorial, adaptação de imóveis residenciais para outros usos e a verticalização. Esses processos podem ser observados com muita intensidade no centro, sobretudo a verticalização e adaptação de imóveis residenciais para outros usos, especialmente na área de desdobramento do quadrilátero central, na Avenida Washington Luiz. A espacialização da centralidade em Presidente Prudente não ocorre somente no centro da cidade, como já indicou Whitacker (1997), mas em outras áreas de grande fluxo de pessoas, mercadorias, idéias, enfim, apontando para um (re) arranjo espacial e a constituição de subcentros. Para contribuir nos estudos sobre o centro de Presidente Prudente, iniciamos levantamentos de campo que visam analisar o tipo de uso e ocupação da área central, bem como o estado de conservação dos imóveis. Esta coleta de dados vem se realizando por meio de verificação de imóvel em imóvel e de um levantamento cartográfico da área. Elaboração e aplicação de questionário aos estabelecimentos comerciais e de serviços da área, aos freqüentadores do centro da cidade, são também alguns dos procedimentos básicos desta pesquisa, buscando compreender o perfil dos freqüentadores

5 através de elementos como renda, idade, ocupação, freqüência, motivo da ida, meio de transporte realizando posteriormente, uma amostragem estatística da população. Os levantamentos realizados até o momento apontam para o intenso processo de verticalização (figura 2) e a presença de prédios antigos ao lado de edifícios construídos mais recentemente, caracterizando aquilo que Santos (1997) apresenta como rugosidades, referentes às marcas de formas pretéritas no espaço interagindo com as formas atuais (figura 3). Figura 2: Processo de verticalização na área central de Presidente Prudente Figura 3: Construções antigas ao lado de edifícios mais recentes Foto: Michelly S. Lima, 2006 Foto: Michelly S. Lima, 2006 Outro aspecto apreendido reforça as constatações de Whitacker (1997) no que se refere à adaptação de imóveis residenciais antigos para serem utilizados como prédios comerciais. Sobre a presença de prédios antigos, muitos deles reformados e adaptados para novas funções, cabe ressaltar as contribuições de Jacobs (2000). Para esta autora, as construções antigas são necessárias no espaço urbano, uma vez que a ausência destas limita a ocupação por parte dos estabelecimentos e famílias de menor poder aquisitivo, já que os prédios novos têm um custo (tanto na aquisição/construção, quanto no aluguel) muito elevado. De modo geral, podemos indicar que houve uma diferenciação do uso do solo na área central de Presidente Prudente. A predominância de bancos e lojas de capitais nacionais nesta área, como nos apontou Whitacker (1997) tem sido substituída por lojas de capitais regionais e estaduais contribuindo para a já evidenciada popularização do comércio naquela área, com produtos a preços mais acessíveis as camadas populares da cidade e região, visto que as lojas de grandes redes com perfil menos popular vêm se deslocando para os shoppings da cidade, apresentando assim a constituição de novas centralidades intra-urbanas na cidade e novas funcionalidades no centro. Considerações finais: Como foi apresentado anteriormente, o estudo do centro e de sua centralidade constitui-se em elemento fundamental para a compreensão da dinâmica urbana. Neste sentido, é preciso realizar uma análise pautada no resgate histórico para entender a estruturação da cidade ao longo do tempo.

6 Frente aos resultados obtidos até o momento, é preciso avançar e avaliar as mudanças e permanências que se processam no centro de Presidente Prudente e em sua centralidade nos últimos anos. As rugosidades presentes neste espaço, bem como a adaptação funcional de imóveis são elementos que continuam presentes no centro desta cidade. No próximo estágio da pesquisa, será preciso avançar na análise da centralidade urbana a partir de entrevistas com os freqüentadores do centro da cidade. Como este estudo analisa o caso de Presidente Prudente, pretende-se contribuir nas discussões sobre os processos e elementos que compõem a realidade urbana das cidades médias brasileiras e na maneira como as distribuições e os arranjos internos se modificam ao longo do tempo. Referências Bibliográficas: CORRÊA, R. L. O espaço urbano. Rio de Janeiro: Ed. Ática, CORRÊA, R. L. Área central - mudanças e permanências: uma introdução. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA URBANA, 9, 2005, Manaus. Anais do IX Simpurb. Manaus: UFAM/UEA/ AGB, JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martin Fontes, JOHNSON, J. Geografia Urbana. Barcelona: Oikos-tau, SANTOS, M. Manual de Geografia Urbana. São Paulo: Hucitec, SANTOS, M. Natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, SPOSITO, M. E. B. O chão em Presidente Prudente: a lógica da expansão territorial urbana f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SPOSITO, M. E. B. Novas formas comerciais e redefinição da centralidade intra-urbana. In: SPOSITO, M.E. B. (org.). Textos e contextos para a leitura de uma cidade média. Presidente Prudente: Gasperr, WHITACKER, A. M. A produção do espaço urbano em Presidente Prudente: uma discussão sobre a centralidade urbana f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 1997.

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

A importância da análise da circulação de ônibus para o estudo das relações interurbanas: o caso da Região Administrativa de Presidente Prudente-SP

A importância da análise da circulação de ônibus para o estudo das relações interurbanas: o caso da Região Administrativa de Presidente Prudente-SP A importância da análise da circulação de ônibus para o estudo das relações interurbanas: o caso da Região Administrativa de Presidente Prudente-SP Introdução: Vitor Koiti Miyazaki Faculdade de Ciências

Leia mais

Mapa 1 - Localização das cidades de Presidente Prudente, Ribeirão Preto e São Carlos no estado de São Paulo.

Mapa 1 - Localização das cidades de Presidente Prudente, Ribeirão Preto e São Carlos no estado de São Paulo. Análise comparativa do Índice de Densidade Informacional das atividades de comércio varejista; reparação de veículos automotores e motocicletas nas cidades médias paulistas de Presidente Prudente/SP, Ribeirão

Leia mais

Palavras Chave: Produção do Espaço Urbano; Segregação Socioespacial; Cidades Litorâneas; Santos SP; Baixada Santista.

Palavras Chave: Produção do Espaço Urbano; Segregação Socioespacial; Cidades Litorâneas; Santos SP; Baixada Santista. INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: Urbanização e segregação socioespacial na Baixada Santista: Mapeamento do município de Santos a partir dos dados do Censo - IBGE Área do Conhecimento

Leia mais

GEOGRAFIA MÓDULO 9. Urbanização I. redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária. Professor Vinícius Moraes

GEOGRAFIA MÓDULO 9. Urbanização I. redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária. Professor Vinícius Moraes GEOGRAFIA Professor Vinícius Moraes MÓDULO 9 Urbanização I redes urbanas, o processo de urbanização, o espaço das cidades e especulação imobiliária O processo de urbanização apresenta diferentes dimensões,

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES 47 A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES Nathália Oliveira Silva Costa 1 ; Alexandre Carvalho de Andrade 2. 1 nathaliacosta40@hotmail.com;

Leia mais

OS LIMITES ENTRE O URBANO E O RURAL: UMA ANÁLISE SOBRE AS DECISÕES NORMATIVAS DA CÂMARA MUNICIPAL NO MUNICÍPIO DE LAJEADO-RS

OS LIMITES ENTRE O URBANO E O RURAL: UMA ANÁLISE SOBRE AS DECISÕES NORMATIVAS DA CÂMARA MUNICIPAL NO MUNICÍPIO DE LAJEADO-RS OS LIMITES ENTRE O URBANO E O RURAL: UMA ANÁLISE SOBRE AS DECISÕES NORMATIVAS DA CÂMARA MUNICIPAL NO MUNICÍPIO DE LAJEADO-RS Juliana Cristina Franz 1 Carlos Vinícius da Silva Pinto 2 Giancarla Salamoni

Leia mais

POLÍTICA HABITACIONAL NO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA MS: PAPÉIS URBANOS E REPRODUÇÃO SOCIAL

POLÍTICA HABITACIONAL NO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA MS: PAPÉIS URBANOS E REPRODUÇÃO SOCIAL POLÍTICA HABITACIONAL NO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA MS: PAPÉIS URBANOS E REPRODUÇÃO SOCIAL Wéliton Carlos dos Santos 1, Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli 2 1 Estudante do Curso de Geografia - UEMS, Unidade

Leia mais

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS Carlos Vinícius da Silva Pinto Juliana Cristina Franz Giancarla Salamoni 1 INTRODUÇÃO A expansão do perímetro urbano,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA EIXO TEMÁTICO: O MUNDO 1 O ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES Compreender o espaço geográfico como resultante das interações históricas entre sociedade e natureza

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. A reestruturação do espaço mundial:modos de 1. Entender a reestruturação

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial 4-2011 Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL EIXO TEMÁTICO I MUNDO COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. Entender a reestruturação do espaço mundial

Leia mais

URBANIZAÇÃO, DINÂMICA ECONÔMICA E SOCIAL DA CIDADE DE UBERABA/MG: ESTUDO DA CIDADE NA PERSPECTIVA CRÍTICA E GEOGRÁFICA

URBANIZAÇÃO, DINÂMICA ECONÔMICA E SOCIAL DA CIDADE DE UBERABA/MG: ESTUDO DA CIDADE NA PERSPECTIVA CRÍTICA E GEOGRÁFICA URBANIZAÇÃO, DINÂMICA ECONÔMICA E SOCIAL DA CIDADE DE UBERABA/MG: ESTUDO DA CIDADE NA PERSPECTIVA CRÍTICA E GEOGRÁFICA Moizes Rodrigues da Silva 1, Frederico Tristão Cruvinel Silva 2 1,2 Universidade Federal

Leia mais

A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP

A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP A AÇÃO DO ESTADO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO NO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL EM ILHA COMPRIDA - SP NASCIMENTO, R. S. Departamento de Geografia - IGCE, Universidade Estadual Paulista Júlio De Mesquita

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 Lei Complementar nº Institui o Macrozoneamento Municipal, parte integrante do Plano Diretor de Organização Físico-territorial de Jaraguá do Sul e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

ESPAÇO O URBANO E TUBERCULOSE: UM ESTUDO DE CASO EM JUIZ DE FORA - MG

ESPAÇO O URBANO E TUBERCULOSE: UM ESTUDO DE CASO EM JUIZ DE FORA - MG ESPAÇO O URBANO E TUBERCULOSE: UM ESTUDO DE CASO EM JUIZ DE FORA - MG Por Jussara Rafael Angelo Luciano Medeiros de Toledo Paulo Chagastelles Sabroza Introdução Tuberculose: 2 milhões de mortes e 9 milhões

Leia mais

Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO

Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO Diana Oneide Montelo de Oliveira UNIFESSPA/Camos Marabá; dianaoneide@gmail.com Análise de Uso e ocupação do solo no Distrito São Félix na cidade de Marabá-Pará INTRODUÇÃO A geografia é uma Ciência essencial

Leia mais

Realizado de 25 a 31 de julho de Porto Alegre - RS, ISBN

Realizado de 25 a 31 de julho de Porto Alegre - RS, ISBN Otávio Augusto de Souza Rodrigues. Universidade Federal do Rio de Janeiro. geotadrigues@yahoo.com.br A relevância da estrutura logística na produção de cidade; o caso Resende-RJ INTRODUÇÃO: Resende é uma

Leia mais

INTERAÇÕES ESPACIAIS E A QUESTÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO: proposições nos municípios de São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar

INTERAÇÕES ESPACIAIS E A QUESTÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO: proposições nos municípios de São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar INTERAÇÕES ESPACIAIS E A QUESTÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO: proposições nos municípios de São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar Juan Guilherme Costa Siqueira (UEMA) Juan_siqueira16@Hotmail.com

Leia mais

MUNICÍPIO DE LONDRINA Plano Municipal de Saneamento Básico Relatório de Diagnóstico da Situação do Saneamento

MUNICÍPIO DE LONDRINA Plano Municipal de Saneamento Básico Relatório de Diagnóstico da Situação do Saneamento 2 CARACTERIZAÇÃO GERAL DO MUNICÍPIO 2.1 INSERÇÃO DE LONDRINA NO CONTEXTO REGIONAL Londrina está localizada na Macrorregião Sul do Brasil, na mesorregião Norte Central Paranaense em uma posição geoeconômica

Leia mais

MAPEAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS EM ALFENAS-MG

MAPEAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS EM ALFENAS-MG MAPEAMENTO DA ARBORIZAÇÃO DE RUAS EM ALFENAS-MG EDUARDO OLIVEIRA JORGE 1 e MARTA FELÍCIA MARUJO FERREIRA 2 dudukotipelto@yahoo.com.br, martafelicia@uol.com.br 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG 2

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

LINHA DE PESQUISA: PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO LINHA DE PESQUISA: PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO Redes urbanas, cidades médias e dinâmicas territoriais Eliseu Savério Sposito Arthur Magon Whitacker O projeto parte da diversidade de cidades que serão estudadas,

Leia mais

9.2. Diretrizes de Projeto para as Áreas de Intervenção Prioritária

9.2. Diretrizes de Projeto para as Áreas de Intervenção Prioritária E S T R A T É G I A S E I N S T R U M E N T O S O N Ú C L E O C O M E R C I A L 9.2. Diretrizes de Projeto para as Áreas de Intervenção Prioritária Foram delimitadas quatro Áreas de Intervenção Prioritária,para

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / DA ATIVIDADE DE EXTENSÃO PBAEX 2016 01. Título do Projeto Diagnóstico da ovinocaprinocultura

Leia mais

TODO O PAPEL DA CIDADE MÉDIA PARA A PEQUENA CIDADE: ESTUDO DE CASO DOS CONJUNTOS HABITACIONAIS DO MUNICÍPIO DE GLÓRIA DE DOURADOS - MS

TODO O PAPEL DA CIDADE MÉDIA PARA A PEQUENA CIDADE: ESTUDO DE CASO DOS CONJUNTOS HABITACIONAIS DO MUNICÍPIO DE GLÓRIA DE DOURADOS - MS 1 TODO O PAPEL DA CIDADE MÉDIA PARA A PEQUENA CIDADE: ESTUDO DE CASO DOS CONJUNTOS HABITACIONAIS DO MUNICÍPIO DE GLÓRIA DE DOURADOS - MS Graciele da Silva Neiva 1 ; Prof. Dr. Marcos Kazuo Matushima 2 Área

Leia mais

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina.

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. RESUMO FRACASSO, Rafael Monari. Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. 2015. 202 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal Área: Produção Florestal) Universidade do

Leia mais

Geografia - 6º AO 9º ANO

Geografia - 6º AO 9º ANO 5ª Série / 6º Ano Eixos norteadores Temas Conteúdo Habilidades Competências A Geografia como uma - Definição de Geografia - Noções de tempo e -Compreender processos - Identificar diferentes formas de representação

Leia mais

ESPACIALIZAÇÃO DA DESIGUALDADE SOCIAL NA CIDADE MÉDIA DE PASSO FUNDO Iuri Daniel Barbosa Graduando em Geografia UFRGS -

ESPACIALIZAÇÃO DA DESIGUALDADE SOCIAL NA CIDADE MÉDIA DE PASSO FUNDO Iuri Daniel Barbosa Graduando em Geografia UFRGS - ESPACIALIZAÇÃO DA DESIGUALDADE SOCIAL NA CIDADE MÉDIA DE PASSO FUNDO Iuri Daniel Barbosa Graduando em Geografia UFRGS - iuribar@yahoo.com.br INTRODUÇÃO A cidade média de Passo Fundo, pólo de uma região

Leia mais

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE Autor: Celso Guilherme de Souza Silva Estudante de Geografia da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR II. META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira.

PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR II. META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira. PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR II META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: entender o conceito

Leia mais

2- Simbolização Cartográfica Manifestações qualitativas

2- Simbolização Cartográfica Manifestações qualitativas 2- Simbolização Cartográfica Manifestações qualitativas Fazemos leitura espacial quase todo o tempo! Seja quando estamos parados ou quando nos movimentamos. Nosso olho observa e analisa tudo que vemos

Leia mais

¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015

¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015 ¹EXPANSÃO IMOBILIÁRIA EM MONTES CLAROS-MG: O FEIRÃO DA CASA PRÓPRIA, 2015 Introdução Sara Cristiny Ramos Meireles A partir da década de 1970 as cidades médias brasileiras destacam-se no contexto nacional

Leia mais

OS DISTINTOS USOS DO SOLO NA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS (MG)

OS DISTINTOS USOS DO SOLO NA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS (MG) 398 OS DISTINTOS USOS DO SOLO NA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS (MG) Mariana Medeiros Alves¹; Nathalia Oliveira Silva Costa², Alexandre Carvalho de Andrade³ ¹marianamedeirosalves@hotmail.com;

Leia mais

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário

PROJETO MILÊNIO: rio, Coesão Social e Governança a Democrática. Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário PROJETO MILÊNIO: Observatório rio das Metrópoles: Território, rio, Coesão Social e Governança a Democrática Pesquisa: Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliário rio-turísticas na transformação

Leia mais

VERIFICAÇÃO DAS ÁREAS VERDES POR BAIRROS E SUA RELAÇÃO COM AS CLASSES SOCIAIS DE ANÁPOLIS-GO

VERIFICAÇÃO DAS ÁREAS VERDES POR BAIRROS E SUA RELAÇÃO COM AS CLASSES SOCIAIS DE ANÁPOLIS-GO VERIFICAÇÃO DAS ÁREAS VERDES POR BAIRROS E SUA RELAÇÃO COM AS CLASSES SOCIAIS DE ANÁPOLIS-GO 1 MORAIS. Roberto P., 2 NASCIMENTO. Adriana S., 3 Silva. Nislaine C. A cobertura vegetal exerce papel de vital

Leia mais

UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79, Dourados-MS, 1

UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79, Dourados-MS,   1 SITUAÇÃO DOS DOMICÍLIOS NA CIDADE DE CORUMBÁ-MS Andressa Freire dos Santos 1 ; Graciela Gonçalves de Almeida 1 ; Daniella de Souza Masson 1 ; Joelson Gonçalves Pereira 2 UFGD/FCBA Caixa Postal 533, 79,804-970-Dourados-MS,

Leia mais

PADRÕES, DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS EM CIDADES DE PORTE MÉDIO NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA ANÁLISE DE ASSIS, ITAPETININGA E BIRIGUI

PADRÕES, DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS EM CIDADES DE PORTE MÉDIO NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA ANÁLISE DE ASSIS, ITAPETININGA E BIRIGUI PADRÕES, DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS EM CIDADES DE PORTE MÉDIO NO ESTADO DE SÃO PAULO: UMA ANÁLISE DE ASSIS, ITAPETININGA E BIRIGUI Vitor Koiti Miyazaki Docente do Curso de Geografia - Faculdade de Ciências

Leia mais

O CRESCIMENTO URBANO E OS IMPACTOS SÓCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS:

O CRESCIMENTO URBANO E OS IMPACTOS SÓCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS: O CRESCIMENTO URBANO E OS IMPACTOS SÓCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS: o caso da Ponta D Areia SÃO LUÍS/MA/BRASIL. Francisco Wendell Dias Costa (Geografia-UFMA) wendeldis@ibest.com.br Getúlio Estefânio

Leia mais

ANÁLISE DE POTENCIAL LOCAL PARA RECEBER ESTAÇÕES FERROVIÁRIAS NO SISTEMA URBANO DE BELO HORIZONTE, USANDO SIG

ANÁLISE DE POTENCIAL LOCAL PARA RECEBER ESTAÇÕES FERROVIÁRIAS NO SISTEMA URBANO DE BELO HORIZONTE, USANDO SIG ANÁLISE DE POTENCIAL LOCAL PARA RECEBER ESTAÇÕES FERROVIÁRIAS NO SISTEMA URBANO DE BELO HORIZONTE, USANDO SIG ANDRE CORREA JOIA FERNANDO RODRIGUES LIMA D. Sc. 23ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS HABITACIONAIS E A QUESTÃO DA MORADIA NO MUNICÍPIO DE DEODÁPOLIS MS

POLÍTICAS PÚBLICAS HABITACIONAIS E A QUESTÃO DA MORADIA NO MUNICÍPIO DE DEODÁPOLIS MS POLÍTICAS PÚBLICAS HABITACIONAIS E A QUESTÃO DA MORADIA NO MUNICÍPIO DE DEODÁPOLIS MS Edmilson Batista Santana 1, Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli 2 1 Estudante do Curso de Geografia - UEMS, Unidade

Leia mais

Renata Rodrigues da Silva Universidade Federal de Uberlândia

Renata Rodrigues da Silva Universidade Federal de Uberlândia A GEOGRAFIA DO COMÉRCIO E OS PROCESSO DE DESCENTRALIZAÇÃO E CRIAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES EM UBERLÂNDIA (MG) A PARTIR DA INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DE SHOPPING CENTERS Renata Rodrigues da Silva Universidade

Leia mais

Prof a Dept o Geociências da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Prof a Dept o Geociências da Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES) OS SUBCENTROS EM COMÉRCIOS E SERVIÇOS COMO NOVAS CENTRALIDADES EM CIDADES MÉDIAS: ESTUDO DO MAJOR PRATES EM MONTES CLAROS/MG Iara Soares de França Doutoranda em Geografia - Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

PLANEJAMENTOS URBANO E (RE)VITALIZAÇÃO DO CENTRO E SUBCENTROS DE NITERÓI-RJ

PLANEJAMENTOS URBANO E (RE)VITALIZAÇÃO DO CENTRO E SUBCENTROS DE NITERÓI-RJ PLANEJAMENTOS URBANO E (RE)VITALIZAÇÃO DO CENTRO E SUBCENTROS DE NITERÓI-RJ João Penido Gama Departamento de Geografia / UFRJ Bolsista do Programa de Educação Tutorial MEC e-mail: joao.penido28@gmail.com

Leia mais

ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE E ARMAZENAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NAS ZONAS URBANA E RURAL DA CIDADE DE ITAPETIM-PE

ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE E ARMAZENAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NAS ZONAS URBANA E RURAL DA CIDADE DE ITAPETIM-PE ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE E ARMAZENAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS NAS ZONAS URBANA E RURAL DA CIDADE DE ITAPETIM-PE 1 Cassio José Sousa Barbosa; 2 Leandro Paes de Brito; 3 Jéssica Maria Alexandre Soares.

Leia mais

As Tecnologias da Informação no campo educacional

As Tecnologias da Informação no campo educacional As Tecnologias da Informação no campo educacional E importante ressaltar que as tecnologias estão inseridas num contexto de produção, distribuição, circulação e consumo de mercadorias no interior do sistema

Leia mais

EXPANSÃO DA MANCHA URBANA DO LITORAL PAULISTA

EXPANSÃO DA MANCHA URBANA DO LITORAL PAULISTA EXPANSÃO DA MANCHA URBANA DO LITORAL PAULISTA Saulo de Oliveira Folharini 1 saulo.folharini@ige.unicamp.br IG/UNICAMP Regina Célia de Oliveira reginacoliveira@ige.unicamp.br IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

ESTAÇÃO EXPERIMENTAL COMO SUBCENTRO DE BENS E SERVIÇOS DA CIDADE DE RIO BRANCO-ACRE-BRASIL

ESTAÇÃO EXPERIMENTAL COMO SUBCENTRO DE BENS E SERVIÇOS DA CIDADE DE RIO BRANCO-ACRE-BRASIL ESTAÇÃO EXPERIMENTAL COMO SUBCENTRO DE BENS E SERVIÇOS DA CIDADE DE RIO BRANCO-ACRE-BRASIL Ivanilson Dias de Oliveira Graduando em Geografia Bacharelado Instituto-Universidade Federal do Acre (UFAC) -

Leia mais

Teoria da Administração (RAD 0111) Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira

Teoria da Administração (RAD 0111) Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Teoria da Administração (RAD 0111) Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Fundamentos da adm. de operações A administração de operações pode ser definida como o campo da administração responsável

Leia mais

Indicadores para avaliação do PDM em vigor

Indicadores para avaliação do PDM em vigor para avaliação do PDM em vigor Primeiro Objectivo Desenvolver, Diversificar e Modernizar a base produtiva Segundo Objectivo Reforço das Acessibilidades Intra-concelhias e Promover o Desenvolvimento Equilibrado

Leia mais

DE OLHO NO FUTURO: COMO ESTARÁ GOIÂNIA DAQUI A 25 ANOS? Elaboração: DEBORAH DE ALMEIDA REZENDE 2 Apresentação: SÉRGIO EDWARD WIEDERHECKER 3

DE OLHO NO FUTURO: COMO ESTARÁ GOIÂNIA DAQUI A 25 ANOS? Elaboração: DEBORAH DE ALMEIDA REZENDE 2 Apresentação: SÉRGIO EDWARD WIEDERHECKER 3 Elaboração: DEBORAH DE ALMEIDA REZENDE 2 Apresentação: SÉRGIO EDWARD WIEDERHECKER 3 GOIÂNIA, 13/11/2013 Elaboração: DEBORAH DE ALMEIDA REZENDE 2 Apresentação: SÉRGIO EDWARD WIEDERHECKER 3 1 Esta apresentação

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 02 PROCESSOS DE URBANIZAÇÃO PELO MUNDO

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 02 PROCESSOS DE URBANIZAÇÃO PELO MUNDO GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 02 PROCESSOS DE URBANIZAÇÃO PELO MUNDO Como pode cair no enem (ENEM) As afirmativas a seguir relacionam-se ao tema as cidades e a produção do espaço. Analise-as. I) A delimitação

Leia mais

MOVIMENTOS SOCIOTERRITORIAIS E ESPACIALIZAÇÃO DA LUTA PELA TERRA

MOVIMENTOS SOCIOTERRITORIAIS E ESPACIALIZAÇÃO DA LUTA PELA TERRA MOVIMENTOS SOCIOTERRITORIAIS E ESPACIALIZAÇÃO DA LUTA PELA TERRA Bernardo Mançano Fernandes Universidade Estadual Paulista, Pesquisador do CNPq - bmf@prudente.unesp.br Introdução Neste texto, apresentamos

Leia mais

OLIVEIRA, Francisco de. Elegia Para uma Re(li)gião. Sudene, Nordeste. Planejamento e conflitos de classe. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

OLIVEIRA, Francisco de. Elegia Para uma Re(li)gião. Sudene, Nordeste. Planejamento e conflitos de classe. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. OLIVEIRA, Francisco de. Elegia Para uma Re(li)gião. Sudene, Nordeste. Planejamento e conflitos de classe. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

a- Estabelecer uma análise crítica do conceito de espaço geográfico e paisagem com o propósito do entendimento das transformações do espaço urbano;

a- Estabelecer uma análise crítica do conceito de espaço geográfico e paisagem com o propósito do entendimento das transformações do espaço urbano; 1. Introdução O trabalho inicialmente estabelece os fundamentos teóricos para se compreender o movimento que transforma o espaço urbano da cidade, para, em seguida, identificar como esse processo se desenvolve

Leia mais

Modelagem de cenários de uso e cobertura da terra no litoral sul de Santa Catarina

Modelagem de cenários de uso e cobertura da terra no litoral sul de Santa Catarina Modelagem de cenários de uso e cobertura da terra no litoral sul de Santa Catarina Um potencial no apoio à identificação de áreas para conservação DANIEL COHENCA A N A L I S TA A M B I E N TA L I B A M

Leia mais

APRENDER E ENSINAR EM ACAMPAMENTOS-MST- TOCANTINS: REFLEXÕES SOBRE SABERES CONSTRUÍDOS NA LUTA PELA TERRA.

APRENDER E ENSINAR EM ACAMPAMENTOS-MST- TOCANTINS: REFLEXÕES SOBRE SABERES CONSTRUÍDOS NA LUTA PELA TERRA. APRENDER E ENSINAR EM ACAMPAMENTOS-MST- TOCANTINS: REFLEXÕES SOBRE SABERES CONSTRUÍDOS NA LUTA PELA TERRA. Mariane Emanuelle da S.Lucena Orientador 2 ; Rejane C. Medeiros de Almeida. 1 Aluno do Curso de

Leia mais

República Conceitos básicos

República Conceitos básicos República Conceitos básicos Estado: e a formação de um povo. Território:, ou seja, representa a base física limitada por suas fronteiras. República Conceitos básicos Povo: é todo o, regulamentados por

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto. Curso de Pós-Graduação em Gestão Imobiliária. Ano Lectivo: 2003/2004 PRINCÍPIOS DE ECONOMIA PARA O IMOBILIÁRIO

Faculdade de Economia do Porto. Curso de Pós-Graduação em Gestão Imobiliária. Ano Lectivo: 2003/2004 PRINCÍPIOS DE ECONOMIA PARA O IMOBILIÁRIO NOME DO ALUNO: Faculdade de Economia do Porto Curso de Pós-Graduação em Gestão Imobiliária Ano Lectivo: 2003/2004 PRINCÍPIOS DE ECONOMIA PARA O IMOBILIÁRIO Grupo I TESTE A Duração: 1h 30m O conjunto de

Leia mais

REESCREVENDO A HISTÓRIA: GRUPO ESCOLAR JOAQUIM SARAIVA ( ).

REESCREVENDO A HISTÓRIA: GRUPO ESCOLAR JOAQUIM SARAIVA ( ). REESCREVENDO A HISTÓRIA: GRUPO ESCOLAR JOAQUIM SARAIVA (1963-1980). Luciete Diniz Castro Universidade Federal de Uberlândia O presente trabalho refere-se ao desenvolvimento de uma investigação do Programa

Leia mais

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA. Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA. Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DE PESQUISA Prof.ª Larissa da Silva Ferreira Alves TCC II Necessidade de compreensão de que MÉTODO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS (METODOLOGIA) ALVES, 2008. MÉTODO NA GEOGRAFIA

Leia mais

AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NAS CIDADES DE BARREIRAS (BA) E CHAPECÓ (SC) ALGUMAS REFLEXÕES INICIAS

AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NAS CIDADES DE BARREIRAS (BA) E CHAPECÓ (SC) ALGUMAS REFLEXÕES INICIAS AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NAS CIDADES DE BARREIRAS (BA) E CHAPECÓ (SC) ALGUMAS REFLEXÕES INICIAS Elissandro Trindade de Santana Doutorando do Programa de Pós Graduação

Leia mais

Modelo de Avaliação de Impacto da Linha 4 Amarela nas Condições de Vida e Viagem da População Pobre Residente em suas Áreas de Influência

Modelo de Avaliação de Impacto da Linha 4 Amarela nas Condições de Vida e Viagem da População Pobre Residente em suas Áreas de Influência Modelo de Avaliação de Impacto da Linha 4 Amarela nas Condições de Vida e Viagem da População Pobre Residente em suas Áreas de Influência Maria Alice Cutrim (Fundação Seade) Maria Paula Ferreira (Fundação

Leia mais

Aula 4 CONCEITO DE TERRITÓRIO. Cecilia Maria Pereira Martins. METAS Apresentar diferentes abordagens do conceito de território

Aula 4 CONCEITO DE TERRITÓRIO. Cecilia Maria Pereira Martins. METAS Apresentar diferentes abordagens do conceito de território Aula 4 CONCEITO DE TERRITÓRIO METAS Apresentar diferentes abordagens do conceito de território OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Distinguir as variadas abordagens de território. Cecilia Maria

Leia mais

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo Bens e serviços imobiliários Alojamento Alojamento colectivo Alojamento de convivência Estabelecimento hoteleiro e similar Alojamento familiar Alojamento familiar clássico Alojamento sobrelotado Alojamento

Leia mais

O programa de saúde da família: evolução de sua implantação no Brasil. Instituto de Saúde Coletiva - Universidade Federal da Bahia

O programa de saúde da família: evolução de sua implantação no Brasil. Instituto de Saúde Coletiva - Universidade Federal da Bahia Título do Estudo: O programa de saúde da família: evolução de sua implantação no Brasil Instituição executora: Instituto de Saúde Coletiva - Universidade Federal da Bahia Instituição financiadora: Ministério

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A ESTRUTURANTES: Dimensão econômica do espaço geográfico; Dimensão política do espaço Geográfico; Dimensão

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Geografia A ENSINO SECUNDÁRIO GEOGRAFIA 11ºANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS

Leia mais

1/9 O CONCEITO O TEMA O LOCAL FLUXOS DOS ÔNIBUS- ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO ESTAÇÃO RODOVIÁRIA E CENTRO TURÍSTICO CULTURAL DE NOVA PETRÓPOLIS - RS

1/9 O CONCEITO O TEMA O LOCAL FLUXOS DOS ÔNIBUS- ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO ESTAÇÃO RODOVIÁRIA E CENTRO TURÍSTICO CULTURAL DE NOVA PETRÓPOLIS - RS A CIDADE_NOVA PETRÓPOLIS REGIÃO CENTRAL BAIRRO CENTRO O LOCAL O TEMA O CONCEITO Desde 2014, o proprietário do edifício e concessionário da Estação Rodoviária alegava ter prejuízos e demostrava interesse

Leia mais

A PAISAGEM COMO FOMENTO À ATIVIDADE TURÍSTICA NA OCUPAÇÃO DA ORLA E ÁREA CENTRAL DE TORRES/RS: APONTAMENTOS PRELIMINARES

A PAISAGEM COMO FOMENTO À ATIVIDADE TURÍSTICA NA OCUPAÇÃO DA ORLA E ÁREA CENTRAL DE TORRES/RS: APONTAMENTOS PRELIMINARES A PAISAGEM COMO FOMENTO À ATIVIDADE TURÍSTICA NA OCUPAÇÃO DA ORLA E ÁREA CENTRAL DE TORRES/RS: APONTAMENTOS PRELIMINARES Autores : Ana Karollina ESPÍNDULA; Patrícia Fagundes GOMES; Fabrine dos Santos GARCIA;

Leia mais

Mariana Cristina da Silva Gomes. Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP. Campus de Presidente Prudente/SP.

Mariana Cristina da Silva Gomes. Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP. Campus de Presidente Prudente/SP. Delimitação, Intensidade e Especialização de áreas comerciais. Uma proposição para os estudos das áreas centrais em cidades médias. Análise a partir de São Carlos (SP) e São José do Rio Preto (SP) Mariana

Leia mais

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Seminário: A Ocupação Dispersa no quadro dos PROT e dos PDM Universidade de Évora Évora 12 de Novembro de 2009 :00 Índice :01 :02 Definição

Leia mais

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM O PROT - Norte Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 1 ENQUADRAMENTO PNPOT: directivas gerais Resolução do Conselho de Ministros 29/2006, de 23

Leia mais

IMPACTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO NA RECEITA TRIBUTÁRIA DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS PERDAS DECORRENTES DA RESERVA DE ÁREA PATRIMONIAL

IMPACTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO NA RECEITA TRIBUTÁRIA DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS PERDAS DECORRENTES DA RESERVA DE ÁREA PATRIMONIAL IMPACTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO NA RECEITA TRIBUTÁRIA DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS PERDAS DECORRENTES DA RESERVA DE ÁREA PATRIMONIAL Rogeria de Arantes Gomes Eller Emmanuel Guerra Junior Instituto

Leia mais

Estudos de viabilidade para implantação do Campus Embu das Artes da UNIFESP. Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo

Estudos de viabilidade para implantação do Campus Embu das Artes da UNIFESP. Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo Estudos de viabilidade para implantação do da UNIFESP Pró-Reitoria de Planejamento Universidade Federal de São Paulo Legenda Centro Histórico Terreno Parque da Várzea Terreno proposto para o Campus Sistema

Leia mais

Vitor Koiti Miyazaki Universidade Federal de Uberlândia Campus Pontal INTRODUÇÃO:

Vitor Koiti Miyazaki Universidade Federal de Uberlândia Campus Pontal INTRODUÇÃO: LOCALIZAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS E DE SERVIÇOS COMO ELEMENTO PARA ANÁLISE DA MORFOLOGIA URBANA: UM ESTUDO SOBRE CIDADES DE PORTE MÉDIO DO ESTADO DE SÃO PAULO Vitor Koiti Miyazaki Universidade

Leia mais

A FEIRA DO PRODUTOR DA AGRICULTURA FAMILIAR FEIRA CORUJÃO NO MUNICÍPIO DE RIO CLARO - SP

A FEIRA DO PRODUTOR DA AGRICULTURA FAMILIAR FEIRA CORUJÃO NO MUNICÍPIO DE RIO CLARO - SP A FEIRA DO PRODUTOR DA AGRICULTURA FAMILIAR FEIRA CORUJÃO NO MUNICÍPIO DE RIO CLARO - SP Wilyan Rodrigo LUCIANO¹ Palavras chaves: Agricultura Familiar, Feiras Livres, Comercialização. 1 Bolsista do Programa

Leia mais

O CONCEITO DE TERRITÓRIO COMO CATEGORIA DE ANÁLISE

O CONCEITO DE TERRITÓRIO COMO CATEGORIA DE ANÁLISE O CONCEITO DE TERRITÓRIO COMO CATEGORIA DE ANÁLISE (Autor) Tiago Roberto Alves Teixeira Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão tiago.porto@hotmail.com (Orientadora) Áurea Andrade Viana

Leia mais

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO RURAL... 7 1.1 O Panorama Mundial... 7 1.2 O Panorama Brasileiro... 9 1.2.1

Leia mais

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Interpretação de imagens e confecção de mapas

Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia. Interpretação de imagens e confecção de mapas Sensoriamento Remoto Aplicado à Geografia Interpretação de imagens e confecção de mapas Prof. Dr. Ailton Luchiari Prof. Dr. Reinaldo Paul Pérez Machado Interpretação de imagens e confecção de mapas Etapas

Leia mais

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO PARA A REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS PROGRAMAÇÃO DAS REUNIÕES DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL 19h00 - ABERTURA 19h15 - APRESENTAÇÃO SOBRE PLANO DIRETOR 19h30 - MOMENTO DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE GO LEI COMPLEMENTAR N /2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO VERDE GO LEI COMPLEMENTAR N /2011 LEI COMPLEMENTAR N. 6.074/2011 Consolidada com LEI COMPLEMENTAR N. 6.216/2012 Dispõe sobre o perímetro urbano do município de Rio Verde GO e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA

Leia mais

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Produção de Hortaliças dos Agricultores Familiares

Leia mais

A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL J O S É IRINEU R A N G E L R I G OT T I ( U F M G ) R E N ATO H A DAD (PUC-MINAS) DESAFIOS: País imenso, heterogêneo

Leia mais

Sistemas de espaços livres e forma urbana

Sistemas de espaços livres e forma urbana Sistemas de espaços livres e forma urbana SILVIO SOARES MACEDO 2011 Sistemas de Espaços Livres Todos os espaços livres, públicos e privados Produzidos de maneira formal e informal Possuem conexão física

Leia mais

A AMOSTRAGEM ESPACIAL POR QUADRÍCULA: UMA TÉCNICA APLICADA PARA ANÁLISE DE ESTUDOS GEOGRÁFICOS

A AMOSTRAGEM ESPACIAL POR QUADRÍCULA: UMA TÉCNICA APLICADA PARA ANÁLISE DE ESTUDOS GEOGRÁFICOS Revista do CERES Volume 1, Número 2 2015 http://www.cerescaico.ufrn.br/ceres/ A AMOSTRAGEM ESPACIAL POR QUADRÍCULA: UMA TÉCNICA APLICADA PARA ANÁLISE DE ESTUDOS GEOGRÁFICOS THE SAMPLING RASTER SPACE: A

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE OS VAZIOS URBANOS NA CIDADE DE LAVRAS- MG

REFLEXÃO SOBRE OS VAZIOS URBANOS NA CIDADE DE LAVRAS- MG REFLEXÃO SOBRE OS VAZIOS URBANOS NA CIDADE DE LAVRAS- MG André Silva Tavares ¹ andresttavares@gmail.com ¹ Discente do curso de Geografia Licenciatura Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG 1254 Palavras

Leia mais

UM EXAME TEÓRICO METODOLÓGICO DA UTILIZAÇÃO DO ESPORTE DE ORIENTAÇÃO COMO ATIVIDADE DIDÁTICA NO ENSINO DE CARTOGRAFIA NO CURSO DE GEOGRAFIA

UM EXAME TEÓRICO METODOLÓGICO DA UTILIZAÇÃO DO ESPORTE DE ORIENTAÇÃO COMO ATIVIDADE DIDÁTICA NO ENSINO DE CARTOGRAFIA NO CURSO DE GEOGRAFIA UM EXAME TEÓRICO METODOLÓGICO DA UTILIZAÇÃO DO ESPORTE DE ORIENTAÇÃO COMO ATIVIDADE DIDÁTICA NO ENSINO DE CARTOGRAFIA NO CURSO DE GEOGRAFIA Guilherme de Oliveira Bueno Graduando em Geografia, Universidade

Leia mais

A VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA EM SÃO JOÃO DEL-REI, TRANSFORMAÇÕES URBANAS

A VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA EM SÃO JOÃO DEL-REI, TRANSFORMAÇÕES URBANAS A VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA EM SÃO JOÃO DEL-REI, TRANSFORMAÇÕES URBANAS Jadna Téssia Oliveira Discente no Programa de Pós-graduação em Geografia da UFSJ email: jadnatessia@gmail.com Bolsista Fapemig Márcio

Leia mais

GEOGRAFIA MÓDULO 11. As Questões Regionais. As divisões regionais, região e políticas públicas, os desequilíbrios regionais. Professor Vinícius Moraes

GEOGRAFIA MÓDULO 11. As Questões Regionais. As divisões regionais, região e políticas públicas, os desequilíbrios regionais. Professor Vinícius Moraes GEOGRAFIA Professor Vinícius Moraes MÓDULO 11 As Questões Regionais As divisões regionais, região e políticas públicas, os desequilíbrios regionais Existem três divisões regionais amplamente divulgadas

Leia mais

O Novo Zoneamento e sua importância para São Paulo. Instituto de Engenharia

O Novo Zoneamento e sua importância para São Paulo. Instituto de Engenharia O Novo Zoneamento e sua importância para São Paulo Instituto de Engenharia Visto que o fundamento da propriedade é a utilidade, onde não houver utilidade possível não pode existir propriedade. Jean Jacques

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL-REI: UMA NOTA

A EXPANSÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL-REI: UMA NOTA A EXPANSÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL-REI: UMA NOTA Jadna Téssia Oliveira 1 Márcio Toledo 2 891 INTRODUÇÃO Esta pesquisa analisa o crescimento urbano do município de São João del-rei levando em

Leia mais

TÍTULO: GRUPO DE TRABALHO HISTÓRIA, PATRIMÔNIO E PRESERVAÇÃO : A ELABORAÇÃO DE PESQUISAS PARA A COMPREENSÃO DA ARQUITETURA DE MONTES CLAROS/MG.

TÍTULO: GRUPO DE TRABALHO HISTÓRIA, PATRIMÔNIO E PRESERVAÇÃO : A ELABORAÇÃO DE PESQUISAS PARA A COMPREENSÃO DA ARQUITETURA DE MONTES CLAROS/MG. TÍTULO: GRUPO DE TRABALHO HISTÓRIA, PATRIMÔNIO E PRESERVAÇÃO : A ELABORAÇÃO DE PESQUISAS PARA A COMPREENSÃO DA ARQUITETURA DE MONTES CLAROS/MG. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA:

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO RURAL POR MEIO DO TURISMO RURAL

VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO RURAL POR MEIO DO TURISMO RURAL VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO RURAL POR MEIO DO TURISMO RURAL Introdução 53 CUNHA, Luiz Alexandre Gonçalves Cunha 1. KLOSTER, Silvana Kloster 2 ; MIRANDA, Everton Miranda 3 ; O turismo rural está inteiramente

Leia mais

O COMÉRCIO NA ÁREA CENTRAL DE GLÓRIA DE DOURADOS MS Josiane da Luz dos Santos¹; Profa. Dra. Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli²

O COMÉRCIO NA ÁREA CENTRAL DE GLÓRIA DE DOURADOS MS Josiane da Luz dos Santos¹; Profa. Dra. Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli² O COMÉRCIO NA ÁREA CENTRAL DE GLÓRIA DE DOURADOS MS Josiane da Luz dos Santos¹; Profa. Dra. Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli² Acadêmica do Curso de Licenciatura em Geografia UEMS Unidade Universitária

Leia mais

A FORMAÇÃO SOCIOESPACIAL DA REDE URBANA DE PATO BRANCO

A FORMAÇÃO SOCIOESPACIAL DA REDE URBANA DE PATO BRANCO ESTUDOS DE REDE URBANA: REDE URBANA DE PATO BRANCO SUDOESTE DO PARANÁ Karim Borges dos Santos Aluna do Programa de Mestrado em Geografia da UNIOESTE Campus de Francisco Beltrão Pr Karim_borges@yahoo.com

Leia mais

MODELO DE LAUDO DE AVALIAÇÃO ATENÇÃO!!!

MODELO DE LAUDO DE AVALIAÇÃO ATENÇÃO!!! MODELO DE LAUDO DE AVALIAÇÃO ATENÇÃO!!! O Laudo de Avaliação aqui elaborado tem por finalidade prover um modelo compatível com as exigências técnicas da NBR 14.653, Parte 1 Procedimentos Gerais e Parte

Leia mais

A Dinâmica dos Bairros de Goiânia (GO) como Apoio ao Estudo do Crescimento Urbano do Município.

A Dinâmica dos Bairros de Goiânia (GO) como Apoio ao Estudo do Crescimento Urbano do Município. A Dinâmica dos Bairros de Goiânia (GO) como Apoio ao Estudo do Crescimento Urbano do Município. Rubia Nara Silva Martins 1 rubianara00@hotmail.com Ivanilton José de Oliveira 2 ivanilton.oliveira@gmail.com

Leia mais

A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1

A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1 A TEMPERATURA E A UMIDADE DO AR EM NOVA ANDRADINA/MS EM AGOSTO DE 2008 ÀS 20h 1 Janaína Lopes Moreira janainamoreira1991@hotmail.com UNESP- Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e Tecnologia,

Leia mais

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA

DISCIPLINA DE GEOGRAFIA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA OBJETIVOS: 1º ano Conhecer o ambiente de moradia e sua localização através de passeios, fotos e desenhos. Conhecer o ambiente de estudo e sua localização através de passeios, fotos,

Leia mais

Nota de Pesquisa AS PEQUENAS CIDADES E O VISLUMBRAR DO URBANO POUCO CONHECIDO PELA GEOGRAFIA

Nota de Pesquisa AS PEQUENAS CIDADES E O VISLUMBRAR DO URBANO POUCO CONHECIDO PELA GEOGRAFIA Nota de Pesquisa AS PEQUENAS CIDADES E O VISLUMBRAR DO URBANO POUCO CONHECIDO PELA GEOGRAFIA LAS PEQUEÑAS CIUDADES Y EL VISLUMBRAR DEL URBANO POCO CONOCIDO POR LA GEOGRAFÍA Elson Rodrigues Olanda Prof.

Leia mais