ANO 6 NÚMERO 54 NOVEMBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANO 6 NÚMERO 54 NOVEMBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO"

Transcrição

1 ANO 6 NÚMERO 54 NOVEMBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos a quase totalidade da parte da sociedade brasileira que acreditava no impeachment como alternativa para mudar o rumo político e econômico do Brasil vai percebendo melhor nossa realidade na medida em que se agravam os problemas políticos e os econômicos não mostram sinais de melhorias.como exemplo disso, temos a nova queda no PIB brasileiro e a permanência dos deficits nas contas fiscais, agora também espalhados para Estados e Municípios. Entre os indicadores mais preocupantes, a taxa de desocupação se apresenta como a principal. Dados recentes divulgados pelo IBGE registram ainda tendência de elevação, embora em ritmo menos acelarado. Preocupam nesse grupo as taxas de 39,7% e 25,7% apuradas no terceiro trimestre de 2016 nas faixas etárias entre 14 a 24. Novos recordes do saldo da Balança Comercial de Novembro, que demonstra expressivo crescimento em relação a mesmo mês de 2015, são resultados de certo dinamismo de alguns setores e da demanda externa para alguns produtos, mas escondem o fato de que são provocados na verdade pelo atual recessão econômica. 2 TAXA DE DESOCUPAÇÃO AINDA CONTINUA EM ALTA Prof. Flávio Riani Informações divulgadas pelo IBGE relativas à taxa de deseocupação no terceiro trimestre de 2016 ainda sinalizam uma ligeira tendência de elevação. Nesse período a taxa de desocupação de 11,8% apresentou aumento de 0,5% em comparação com o segundo trimestre de 2016 e elevação de 2,9 pontos percentuais frente ao mesmo trimentre do ano anterior. A trajetória recente das taxas de desocupação no país está destacada no gráfico 1. Gráfico 1 Brasil - Taxa de Desocupação EXPEDIENTE Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais: Grão-Chanceler Dom Walmor Oliveira de Azevedo Reitor Professor Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães Vice-Reitora Professora Patrícia Bernardes Assessor Especial da Reitoria Professor José Tarcísio Amorim Chefe de Gabinete do Reitor Professor Paulo Roberto Souza Chefia do Departamento de Economia Professora Ana Maria Botelho Coordenação do Curso de Ciências Econômicas Professora Ana Maria Botelho Coordenação Geral Professor Flávio Riani e Professor Ricardo F. Rabelo Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais: Prédio 14, sala 103 Avenida Dom José Gaspar, 500 Bairro Coração Eucarístico CEP: Tel:

2 Os percentuais acima motram a elevação de aproximadamente 72% na taxa de desocupação no curto período de 3. Além dessa informação global sobre a evolução da taxa de desocupação preocupa ainda mais a percepção de que ela é mais representativa entre os mais jovens. A magnitude desses índices podem ser visualizados através da tabela 1 e do gráfico 2. Tabela 1 - Taxa de Desocupação Brasil - Faixa Etária 3º Trim Taxa 14 a 17 39,70 18 a 24 25,70 25 a 39 18,90 40 a 50 6,70 Acima de 60 3,60 Brasil 11,80 Dados da tabela 1 mostram as elevadas taxas de desocupação nas faixas da população mais jovem do país. As informações mostram que nas faixas de 14 a 17 e de 18 a 24 as taxas atingiram 39,70% e 25,70% respectivamente. Gráfico 2 - Taxa de Desocupação Brasil -Faixa Etária -3º Trim ,00 40,00 39,70 30,00 25,70 20,00 10,00 11,80 0,00 14 a a a a 50 Acima de 60 Brasil Do ponto de vista regional existem algumas diferenças marcantes entre os níveis de desocupação apresentados nas cinco regiões geográficas brasileiras. Tais diferenças podem ser observadas através da tabela 2 e do gráfico 3.

3 Tabela 2 - Taxa de Desocupação Brasil - Regiões 3º Trim Regiões Taxa Norte 11,40 Nordeste 14,10 Sudeste 12,30 Sul 7,90 Centro-Oeste 10,00 Brasil 11,80 Observando os dados da tabela 2 nota-se que o nordeste, a região menos desenvolvida do país, sofre ainda mais com maiores taxas de desocupação. A taxa de 14,1% apresentada pela região nordeste é quase o dobro daquela estimada para a região sul do país. Gráfico 3 -Taxa de Desocupaçao Tabela Brasil - Regiões 3º Trim ,00 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 0,00 11,40 14,10 12,30 7,90 10,00 11,80 3 MESMO COM A ELEVAÇÃO NA TAXA DE DESEMPREGO O RENDIMENTO REAL SOFRE POUCAS MUDANÇAS O rendimento médio real de todos os trabalhos habitualmente recebidos por mês, apresentou ligeira elevação no 3º trimestre de 2016 comparativamente ao trimestre anterior. Dados temporais desses rendimentos, destacados no gráfico 4, mostram mudanças relativamente pequenas entre os valores apurados no período em tela.

4 Gráfico 4 Brasil Rendimento Médio Real O valor médio apurado de R$ 2.015,00 no terceiro trimestre de 2016 é 2,7% inferior ao obtido no mesmo período em Apesar dessa queda relativamente pequena não deixa de ser preocupante o fato dos dados apresentaram trajetória decrescente. Do ponto de vista regional, conforme mostram a tabela 3 e o gráfico 5, as diferenças entre os valores do rendimento médio são muito mais expressivas. Tabela 3 - Rendimento Médio Brasil - Regiões 3º Trim R$ Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Brasil 2.015

5 4- BALANÇA COMERCIAL DE NOVEMBRO : AS RAZÕES DOS NOVOS RECORDES Prof. Ricardo F. Rabelo Os últimos resultados da Balança Comercial Brasileira trazem números recordes. Em novembro de 2016, as exportações chegaram ao valor de US$ 16,220 bilhões. Em comparação com novembro de 2015, as exportações registraram uma expansão de 17,5%, e de 18,2% em relação a outubro de Já as importações alcançaram o valor de US$ 11,463 bilhões. Comparando estes resultados com os de Novembro de 2015 nota-se que houve um recuo de 9,1%, e um pequeno crescimento de 0,8% sobre outubro de Os resultados relativos ao Saldo da Balança Comercial mostraram um resultado muito positivo: um superávit de US$ 4,758 bilhões, significativamente maior que o obtido em período equivalente de 2015, US$ 1,198 bilhão. Gráfico 5 Balança Comercial - Brasil - Novembro de 2016/Novembro VALORES (US$ MILHÕES) Exportações Importações Saldo ITENS Nov Nov Fonte: MDIC Estes aparentes resultados positivos escondem no entanto, outros também muito importantes. Considerando o valor acumulado no período janeiro-novembro de 2016, as exportações registraram o expressivo valor de US$ 169,307 bilhões. Sobre 2015, no entanto, as exportações registraram retração de 3,3%, pela média diária Já as importações registraram o valor de US$ 126,025 bilhões, 22,0% menor, pela média diária, que o valor alcançado em relação ao mesmo período de US$ 160,906 bilhões. Isto indica que o crescimento do saldo tem relação direta com a recessão interna que contrai a demanda por produtos importados e também com a pouca recuperação de

6 demanda externa, com preços de commodities ainda muito reduzidos em relação a períodos anteriores. O saldo comercial resultou em um superávit de US$ 43,282 bilhões, valor superior ao alcançado em igual período de 2015, de US$ 13,445 bilhões. 5- AS MUDANÇAS NAS EXPORTAÇÕES EM NOVEMBRO As exportações tiveram um comportamento diferente do usual em Novembro. Em primeiro lugar aparentemente inverte-se a tendência de reprimarização e os produtos básicos apresentam desempenho pior que os de maior valor agregado. Em Novembro as exportações por fator agregado obtiveram os seguintes valores: manufaturados (US$ 7,901 bilhões), básicos (US$ 5,540 bilhões) e semimanufaturados (US$ 2,444 bilhões). Em relação ao ano anterior, cresceram as exportações de manufaturados (+41,8%) e semimanufaturados (+21,3%), enquanto retrocederam as vendas de básicos (-5,5%). Gráfico 6 Exportações - Brasil - Novembro de 2016 (Valor Agregados) 35% 50% Manufaturados Semi-manufaturados Básicos 15% Fonte: MDIC Outro fato inusitado ocorrido em Novembro, é a exportação de uma plataforma p/ extração de petróleo a qual, isoladamente, contribuiu com US$ 1,9 bilhão para o saldo da Balança Comercial, distorcendo de certa forma os dados. Outro dado importante é o aumento expressivo das exportações de automóveis de passageiros (+85,0%, para US$ 532 milhões), e veículos de carga (+35,2%, para US$ 172 milhões), além de outros fortes aumentos da exportação de manufaturados. Já nos semimanufaturados, na mesma base de comparação aumentaram as vendas principalmente de semimanufaturados de ferro/aço (+87,0%, para US$ 252 milhões), açúcar em bruto (+45,6%, para US$ 845 milhões), madeira serrada (+37,4%, para US$ 48

7 milhões), ferro fundido (+25,8%, para US$ 45 milhões), ferro-ligas (+15,2%, para US$ 158 milhões), couros e peles (+7,7%, para US$ 155 milhões), ouro em forma semimanufaturada (+4,7%, para US$ 154 milhões) e celulose (+4,6%, para US$ 464 milhões). Quando se considera o grupo de produtos básicos, os nossos principais produtos de exportação apresentam queda, como milho em grão (-80,4%, para US$ 156 milhões), soja em grão (-76,2%, para US$ 131 milhões), farelo de soja (-30,7%, para US$ 302 milhões), carne bovina (-23,0%, para US$ 336 milhões), carne de frango (-11,8%, para US$ 453 milhões) e algodão em bruto (-10,5%, para US$ 144 milhões). Por outro lado, alguns produtos importantes tiveram crescimento de vendas como petróleo em bruto (+72,9%, para US$ 1,2 bilhão), minério de ferro (+37,0%, para US$ 1,2 bilhão), carne suína (+25,3%, para US$ 153 milhões) e café em grão (+16,2%, para US$ 536 milhões). Em termos de mercados compradores há também alguns resultados inesperados como o grande crescimento para América Central e Caribe (+51,7%), maior que para a Ásia (+30,6%), além do crescimento de vendas para o Oriente Médio (+25,8%) maior do que para os Estados Unidos (+21,8%) e União Européia (+5,7%) e o pequeno crescimento no comércio com o Mercosul (+3,7%). No caso do Mercosul, Argentina isoladamente cresceu 15,0%, por conta principalmente de automóveis de passageiros e veículos de carga. Por outro lado, a relação dos principais paises para os quais exportamos não mostrou mudanças, sendo que os cinco principais mercados foram: 1º) China (US$ 2,159 bilhões), 2º) Estados Unidos (US$ 2,073 bilhões), 3º) Cingapura (US$ 1,670 bilhão), 4º) Argentina (US$ 1,193 bilhão) e 5º) Países Baixos (US$ 991 milhões).

Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas semelhanças nos seus resultados.

Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas semelhanças nos seus resultados. ANO 5 NÚMERO 36 ABRIL DE 215 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos informações agregadas sobre indicadores econômicos brasileiros mostrando algumas

Leia mais

ANO 2 NÚMERO 12 DEZEMBRO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 2 NÚMERO 12 DEZEMBRO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 2 NÚMERO 12 DEZEMBRO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação dos resultados referentes ao nível dos preços e da taxa de crescimento do PIB

Leia mais

1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS ANO 6 NÚMERO 76 NOVEMBRO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS O PIB brasileiro apresentou no terceiro trimestre de 2018 uma sequência de três resultados

Leia mais

-0,09 Indice de setembro 2018 Ìndice de setembro de Índice de agosto de 2018

-0,09 Indice de setembro 2018 Ìndice de setembro de Índice de agosto de 2018 ANO 6 NÚMERO 74 SETEMBR0 DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Há poucos dias após a escolha do novo Presidente da República, no campo econômico são

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 71 JUNHO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 71 JUNHO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 71 JUNHO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS O avanço da seleção brasileira no campeonato mundial de futebol além de trazer um resquício

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 22 NOVEMBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 3 NÚMERO 22 NOVEMBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 3 NÚMERO 22 NOVEMBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Prof. Flávio Riani O descalabro do quadro político brasileiro associado às recentes informações

Leia mais

2 GOVERNO TEM DIFICULDADES DE ALCANÇAR SUPERÁVIT PRIMÁRIO Prof. Flávio Riani

2 GOVERNO TEM DIFICULDADES DE ALCANÇAR SUPERÁVIT PRIMÁRIO Prof. Flávio Riani ANO 4 NÚMERO 42 OUTUBRO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS O impasse político entre o Poder Legislativo, o Poder Judiciário e o Poder Executivo tem

Leia mais

ANO 5 NÚMERO 39 JULHO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 5 NÚMERO 39 JULHO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 5 NÚMERO 39 JULHO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos os níveis de emprego no país vão refletindo o arrefecimento das atividades produtivas

Leia mais

ANO 7 NÚMERO 78 MARÇO DE 2019 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 7 NÚMERO 78 MARÇO DE 2019 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 7 NÚMERO 78 MARÇO DE 2019 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A taxa de 1,1% de crescimento do PIB brasileiro em 2018 frustra a expectativa projetada

Leia mais

Gráfico 1 - % IPCA - Brasil

Gráfico 1 - % IPCA - Brasil ANO 4 NÚMERO 43 NOVEMBRO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Após uma série de ações tomadas, como por exemplo a manutenção ainda elevada da taxa

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 20 SETEMBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 3 NÚMERO 20 SETEMBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 3 NÚMERO 20 SETEMBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Enquanto a economia brasileira apresenta incertezas quanto ao seu desempenho em 2013, as

Leia mais

1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Prof. Flávio Riani

1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Prof. Flávio Riani ANO 5 NÚMERO 35 MARÇO DE 15 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Prof. Flávio Riani Após um período de ajustes no valor dos chamados bens com preços administrados

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 75 OUTUBRO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 75 OUTUBRO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 75 OUTUBRO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Há tempos que se argumenta que o Brasil não precisa mais de leis, mas sim promover ajustes

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 70 MAIO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 70 MAIO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 70 MAIO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS O resultado do PIB brasileiro, no primeiro trimestre de 2018, trouxe um pessimismo generalizado

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 02- SETEMBRO DE 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 02- SETEMBRO DE 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 2- SETEMBRO DE 211 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO CONSIDERAÇÕES INICIAIS As últimas informações referentes aos principais indicadores das atividades econômicas no

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 09 SETEMBRO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 09 SETEMBRO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 09 SETEMBRO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Dados divulgados recentemente revelam que o nível geral de preços em 2012, medido pelo IPCA,

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 26 ABRIL DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 26 ABRIL DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 26 ABRIL DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As informações recentes sobre a trajetória da inflação e sobre os resultados das contas

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 24 FEVEREIRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 24 FEVEREIRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 24 FEVEREIRO DE 214 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Nessa primeira carta de 214 será dado um enfoque sobre alguns dados básicos das contas

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 57 MARÇO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 57 MARÇO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 57 MARÇO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A conjugação de fatores determinantes das variações nos níveis de preços tem se mostrado

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 52 SETEMBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 52 SETEMBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 52 SETEMBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As recentes informações sobre o desempenho do PIB brasileiro são, de certa forma, reflexo

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 01 AGOSTO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 01 AGOSTO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 01 AGOSTO 2011 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO APRESENTAÇÃO Esta primeira Carta de Conjuntura representa a retomada da discussão e divulgação do desempenho econômico

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 15 ABRIL DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 3 NÚMERO 15 ABRIL DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 3 NÚMERO 15 ABRIL DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A trajetória crescente das taxas mensais de inflação colocou o governo em alerta, aumentando

Leia mais

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho):

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho): Julho / 2012 Destaques Julho: - Exportação: 2º maior valor para julho (exp: US$ 21,0 bi); anterior jul-11 (US$ 22,3 bi); - Importação: 2º maior valor para julho (US$ 18,1 bi); anterior jul-11: US$ 19,1

Leia mais

(+0,5% sobre dez-12), 2ª maior média para meses de dezembro, anterior dez-11: US$ 1,006 bi; sobre nov-13, houve redução de 4,8%;

(+0,5% sobre dez-12), 2ª maior média para meses de dezembro, anterior dez-11: US$ 1,006 bi; sobre nov-13, houve redução de 4,8%; Resultados dezembro de - Exportação: US$ 20,8 bilhões e média diária de US$ 992,7 milhões (+0,5% sobre dez-12), 2ª maior média para meses de dezembro, anterior dez-11: US$ 1,006 bi; sobre nov-13, houve

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 33 DEZEMBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 33 DEZEMBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 33 DEZEMBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Inicialmente essa Carta faz uma reflexão e considerações sobre a forma como a indústria

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 21 OUTUBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 3 NÚMERO 21 OUTUBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 3 NÚMERO 21 OUTUBRO 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Uma das formas de tentar controlar ou diminuir a taxa de inflação na economia é através da

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2012 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

Análise da Balança Comercial Brasileira jan-set/2011

Análise da Balança Comercial Brasileira jan-set/2011 Análise da Balança Comercial Brasileira jan-set/2011 Exportação mantém crescimento acelerado puxado pelas commodities No ano de 2011, até setembro, as exportações estão crescendo a uma taxa de 31,1%, em

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 45 FEVEREIRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 45 FEVEREIRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 45 FEVEREIRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS O ano começa com elevados graus de incerteza quanto ao cenário econômico do país ainda

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 50 JULHO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 50 JULHO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 50 JULHO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Aos poucos aumentam a desilusão e a percepção da sociedade brasileira de que o Brasil passa

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 73 AGOSTO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 73 AGOSTO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 73 AGOSTO DE 2018 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS No início do ano, ao tomar a decisão de enviar as tropas do exército para o Rio de Janeiro,

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 32 NOVEMBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 32 NOVEMBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 32 NOVEMBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Deve sempre ficar uma indagação importante no ar quando se diz, como está acontecendo

Leia mais

- 12 MESES - Exportação: US$ 241,1 bi; Importação: US$ 238,9 bi; Saldo: +US$ 2,2 bilhões. Novembro/2013 Resultados de 2013

- 12 MESES - Exportação: US$ 241,1 bi; Importação: US$ 238,9 bi; Saldo: +US$ 2,2 bilhões. Novembro/2013 Resultados de 2013 Novembro / 2013 Resultados de 2013 - NOVEMBRO/2013 - Exportação: média diária de US$ 1,043 bilhão, 2ª maior para meses de novembro, abaixo somente de nov-11: US$ 1,089bi; - Importação: média diária de

Leia mais

INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX

INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX INDICADOR DE COMÉRCIO EXTERIOR - ICOMEX Icomex de abril referente a balança comercial de março Número 24 12.Abril.2019 O volume do comércio recua O saldo da balança comercial de março foi de US$ 5 bilhões,

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 Período Dias Úteis US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 23 DEZEMBRO DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO. Gráfico 1 -Taxa Mensal de Inflação IPCA % Brasil

ANO 3 NÚMERO 23 DEZEMBRO DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO. Gráfico 1 -Taxa Mensal de Inflação IPCA % Brasil ANO 3 NÚMERO 23 DEZEMBRO DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Apesar das contradições entre as políticas fiscais (expansionistas com a elevação dos

Leia mais

Agosto , , , ,9

Agosto , , , ,9 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA AGOSTO 2010 US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Período Dias Valor Média Valor Média Valor Média Valor Média Úteis p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

Análise da Balança Comercial Brasileira de 2011

Análise da Balança Comercial Brasileira de 2011 Análise da Balança Comercial Brasileira de 2011 Saldo comercial aumenta em função das altas cotações das commodities No ano de 2011, as exportações em valor cresceram 26,8%, em relação ao ano de 2010.

Leia mais

Resultados de Junho/2013 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA

Resultados de Junho/2013 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Junho / 2013 Resultados de 2013 - JUNHO/2013 - Exportação: 2ª maior média diária para meses de junho (US$ 1,06 bi); 1º junho/11: US$ 1,128 bi); - Importação: maior média diária para meses de junho (US$

Leia mais

Fevereiro , , , ,9

Fevereiro , , , ,9 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA FEVEREIRO 2010 US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Período Dias Valor Média Valor Média Valor Média Valor Média Úteis p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Brasileiro Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior

Desempenho do Comércio Exterior Brasileiro Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Desempenho do Comércio Exterior Brasileiro -2013 Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Resultados de 2013 - MAIO/2013 - Exportação:média diária (US$ 1,04 bi) acima de US$ 1 bilhão; 3ªmaior

Leia mais

Fonte: Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC)

Fonte: Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) INFORMATIVO Nº. 89 - JANEIRO de 2018 COMÉRCIO BILATERAL BRASIL-CHINA Balança Comercial De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), a corrente comercial

Leia mais

1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS ANO 4 NÚMERO 29 AGOSTO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS De uma maneira geral o gerenciamento econômico de um país é, por natureza, extremamente

Leia mais

Tabela 1 - Balança Comercial: janeiro outubro de 2015 em comparação com janeiro outubro de 2014

Tabela 1 - Balança Comercial: janeiro outubro de 2015 em comparação com janeiro outubro de 2014 INFORMATIVO Nº. 41. NOVEMBRO de 2015 COMÉRCIO BILATERAL BRASIL-CHINA Balança Comercial A corrente de comércio Brasil-China totalizou 58,6 bilhões entre janeiro e outubro de 2015, de acordo com dados divulgados

Leia mais

Geografia. O Comércio Exterior do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. O Comércio Exterior do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia O Comércio Exterior do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia O BRASIL NO COMÉRCIO EXTERIOR O comércio exterior é a troca de bens e serviços realizada entre

Leia mais

Gráfico 1 - Coeficiente de Gini - Brasil. set/16. mar/17. jun/16. jun/17. dez/16

Gráfico 1 - Coeficiente de Gini - Brasil. set/16. mar/17. jun/16. jun/17. dez/16 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 mar/16 jun/16 set/16 dez/16 mar/17 jun/17 set/17 dez/17 mar/18 jun/18 set/18 dez/18 mar/19 ANO 6 NÚMERO 80 MAIO 2019 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI 1 - CONSIDERAÇÕES

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 59 MAIO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 59 MAIO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 59 MAIO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Incertezas e insegurança são as palavras que mais servem para diagnosticar as expectativas

Leia mais

Abril , , , ,2

Abril , , , ,2 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2010 US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Período Dias Valor Média Valor Média Valor Média Valor Média Úteis p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

2 REFLEXÕES SOBRE O AJUSTE FISCAL Prof. Flávio Riani

2 REFLEXÕES SOBRE O AJUSTE FISCAL Prof. Flávio Riani ANO 5 NÚMERO 37 MAIO DE 2015 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1- CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em situações de normalidade política, havendo uma situação econômica mais delicada, se buscariam

Leia mais

Balança Comercial [Jan. 2009]

Balança Comercial [Jan. 2009] Highlight: Balança Comercial [Jan. 2009] A pós queda de demanda mundial, desde de, a trombose do sistema financeiro (em setembro /08), as exportadores brasileiros vem perdendo dinamismo. Seria ingenuidade

Leia mais

CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS PARA OS ESTADOS UNIDOS EM 2015

CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS PARA OS ESTADOS UNIDOS EM 2015 São Paulo, 30 de novembro de 2015 Outubro 2015 CRESCEM AS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS PARA OS ESTADOS UNIDOS EM 2015 Em outubro, a corrente de comércio alcançou valor de US$ 30,1 bilhões, o que significou

Leia mais

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

186/15 02/12/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 186/15 02/12/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Novembro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Outubro

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 53 OUTUBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 53 OUTUBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 53 OUTUBRO DE 2016 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As quedas observadas nas taxas mensais de inflação no período recente dão sinais de que

Leia mais

REVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2012

REVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2012 REVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2012 EXPORTAÇÃO BÁSICOS 108,050 122,457-11,8 INDUSTRIALIZADOS 123,620 128,317-3,7 - Semimanufaturados 32,800 36,026-8,9 - Manufaturados 90,820 92,291-1,6 OPERAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Maio APRESENTA EVOLUÇÃO DA CARGA NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL E SUBSISTEMAS

Maio APRESENTA EVOLUÇÃO DA CARGA NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL E SUBSISTEMAS Maio 2017 1. APRESENTA EVOLUÇÃO DA CARGA NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL E SUBSISTEMAS 1.1. Sistema Interligado Nacional A carga de energia do SIN verificada em maio/17 apresenta acréscimo de 1,8% em relação

Leia mais

ANO 3 NÚMERO 19 AGOSTO DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 3 NÚMERO 19 AGOSTO DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 3 NÚMERO 19 AGOSTO DE 2013 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS As estratégias econômicas conjunturais adotadas pelo governo revelam dois pontos importantes

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA Novembro 2016 DEZEMBRO BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA

BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA Novembro 2016 DEZEMBRO BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA Novembro 2016 DEZEMBRO 2016 BOLETIM DE CONJUNTURA MACROECONÔMICA Brasil Atividade Econômica: recessão persiste mesmo com leve melhora do consumo das famílias. Inflação:

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Dezembro de 2014 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial no Ano de 2014... 4 3.

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 13,4 BILHÕES EM 2015

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 13,4 BILHÕES EM 2015 São Paulo, 18 de dezembro de 2015 Novembro 2015 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 13,4 BILHÕES EM 2015 Em novembro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 335,3 bilhões, o que significou

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

REVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2017

REVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2017 REVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2017 EXPORTAÇÃO US$ BILHÕES US$ BILHÕES 2017 / 2016 BÁSICOS 93,697 79,159 18,4 INDUSTRIALIZADOS 110,320 101,883 8,3 - Semimanufaturados 31,396 27,963 12,3 - Manufaturados

Leia mais

Janeiro 2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL TEM DÉFICIT DE US$ 3,2 BILHÕES NO PRIMEIRO MÊS DO ANO

Janeiro 2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL TEM DÉFICIT DE US$ 3,2 BILHÕES NO PRIMEIRO MÊS DO ANO Janeiro 2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL TEM DÉFICIT DE US$ 3,2 BILHÕES NO PRIMEIRO MÊS DO ANO A balança comercial brasileira iniciou 2015 com um déficit de US$ 3,2 bilhões em

Leia mais

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

173/15 30/10/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 173/15 30/10/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Outubro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Setembro

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2011

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2011 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2011 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

BIC. Encarte Estatístico da Indústria e do Comércio Exterior

BIC. Encarte Estatístico da Indústria e do Comércio Exterior BIC Encarte Estatístico da Indústria e do Comércio Exterior Nº 02.2013 ABRIL JUNHO DE 2013 MARTA DOS REIS CASTILHO Coordenadora JULIA TORRACCA Gestor de Informações / RJ CAROLINA DIAS Gerente Administrativa

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº Segunda-feira, 12 de maio de 2008 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº Segunda-feira, 12 de maio de 2008 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 1.847 Segunda-feira, 12 de maio de 2008 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DO BRASIL E DO PARANÁ JANEIRO A ABRIL DE

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 63 SETEMBRO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 63 SETEMBRO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 63 SETEMBRO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Apesar de alguns indicadores econômicos básicos relativos à economia brasileira tais

Leia mais

Maio 2015 São Paulo, 22 de junho de 2015 BALANÇA COMERCIAL TEM SUPERÁVIT DE US$ 2,8 BILHÕES EM MAIO

Maio 2015 São Paulo, 22 de junho de 2015 BALANÇA COMERCIAL TEM SUPERÁVIT DE US$ 2,8 BILHÕES EM MAIO Maio 2015 São Paulo, 22 de junho de 2015 BALANÇA COMERCIAL TEM SUPERÁVIT DE US$ 2,8 BILHÕES EM MAIO O saldo positivo da balança comercial brasileira resultou de US$ 16,8 bilhões em exportações e US$ 14,0

Leia mais

Balança Comercial Brasil e Minas Gerais Junho Belo Horizonte 2017

Balança Comercial Brasil e Minas Gerais Junho Belo Horizonte 2017 Balança Comercial Brasil e Minas Gerais Junho 2017 Belo Horizonte 2017 No primeiro semestre de 2017, a balança comercial brasileira obteve superávit recorde no âmbito da série histórica do MDIC (Ministério

Leia mais

PRIMEIRO MÊS DE 2014 MARCA DÉFICIT COMERCIAL DE US$ 4,1 BILHÕES

PRIMEIRO MÊS DE 2014 MARCA DÉFICIT COMERCIAL DE US$ 4,1 BILHÕES Janeiro 2014 São Paulo, 28 de fevereiro de 2014 PRIMEIRO MÊS DE 2014 MARCA DÉFICIT COMERCIAL DE US$ 4,1 BILHÕES O saldo da balança comercial brasileira ficou negativo em US$ 4,06 bilhões, o que significou

Leia mais

Produção Industrial e Balança Comercial

Produção Industrial e Balança Comercial Produção Industrial e Balança Comercial 1. Produção Industrial Pesquisa Industrial Mensal Produção Física - IBGE A produção industrial brasileira cresceu 10,5% em 2010. Trata-se do maior crescimento desde

Leia mais

Comércio Brasil-China: 2018 em comparação com 2017 (US$ bilhões) Corrente Exportações Importações Saldo

Comércio Brasil-China: 2018 em comparação com 2017 (US$ bilhões) Corrente Exportações Importações Saldo INFORMATIVO Nº. 108 JANEIRO de 2019 COMÉRCIO BILATERAL BRASIL-CHINA 2018: ANO DE RECORDES Balança Comercial Comércio Brasil-China: 2018 em comparação com 2017 ( bilhões) 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0

Leia mais

078/15 26/05/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

078/15 26/05/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 078/15 26/05/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Maio de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Dezembro 2014 São Paulo, 19 de Janeiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA TEM PRIMEIRO DÉFICIT ANUAL EM 14 ANOS

Dezembro 2014 São Paulo, 19 de Janeiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA TEM PRIMEIRO DÉFICIT ANUAL EM 14 ANOS Dezembro 2014 São Paulo, 19 de Janeiro de 2015 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA TEM PRIMEIRO DÉFICIT ANUAL EM 14 ANOS Apesar do superávit de US$ 293 milhões no último mês do ano, a balança comercial brasileira

Leia mais

ANO 2 NÚMERO 11 NOVEMBRO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 2 NÚMERO 11 NOVEMBRO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 2 NÚMERO 11 NOVEMBRO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A economia brasileira vive no compasso de espera monitorado pelas ações do governo que continua

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2017

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2017 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2017 Agosto/2016)

Leia mais

156/15 30/09/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

156/15 30/09/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 156/15 30/09/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Setembro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Agosto

Leia mais

Boletim informativo Balança comercial. Janeiro/2018. Daiane Leal

Boletim informativo Balança comercial. Janeiro/2018. Daiane Leal Boletim informativo Balança comercial 6 Janeiro/2018 Daiane Leal BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Nesse boletim será analisada a balança comercial do Brasil e do município de Governador Valadares, bem como

Leia mais

Boletim informativo Balança comercial. Maio/2018. Daiane Leal

Boletim informativo Balança comercial. Maio/2018. Daiane Leal Boletim informativo Balança comercial 10 Maio/2018 Daiane Leal 1 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Nesse boletim será analisada a balança comercial do Brasil e do município de Governador Valadares, bem como

Leia mais

Boletim de. Recessão avança com diminuição lenta da inflação em 2015 Inflação e desemprego

Boletim de. Recessão avança com diminuição lenta da inflação em 2015 Inflação e desemprego Julho de 2015 Recessão avança com diminuição lenta da inflação em 2015 Inflação e desemprego No primeiro semestre do ano de 2015, a inflação brasileira acumulou variação de 8,1% ao ano, superando em mais

Leia mais

REDUÇÃO DAS IMPORTAÇÕES ASSEGURA SUPERÁVIT DA BALANÇA COMERCIAL EM 2015

REDUÇÃO DAS IMPORTAÇÕES ASSEGURA SUPERÁVIT DA BALANÇA COMERCIAL EM 2015 São Paulo, 05 de fevereiro de 2016 Dezembro 2015 REDUÇÃO DAS IMPORTAÇÕES ASSEGURA SUPERÁVIT DA BALANÇA COMERCIAL EM 2015 A balança comercial brasileira encerrou o ano de 2015 com um superávit de US$ 19,7

Leia mais

Novembro 2014 São Paulo, 16 de dezembro de 2014 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA PODERÁ ENCERRAR O ANO DEFICITÁRIA

Novembro 2014 São Paulo, 16 de dezembro de 2014 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA PODERÁ ENCERRAR O ANO DEFICITÁRIA Novembro 2014 São Paulo, 16 de dezembro de 2014 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA PODERÁ ENCERRAR O ANO DEFICITÁRIA Em novembro, as exportações brasileiras registraram queda de 25,0% na comparação com o mesmo

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 64 OUTUBRO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 64 OUTUBRO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 64 OUTUBRO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presidente Michel Temer é considerado o presidente com maior taxa de rejeição do mundo,

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO São Paulo, 20 de março de 2016 Fevereiro 2016 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO Em fevereiro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 23,7 bilhões,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

Tabela 1 - Balança Comercial: 2016 em comparação com 2015 (US$ milhões)

Tabela 1 - Balança Comercial: 2016 em comparação com 2015 (US$ milhões) INFORMATIVO Nº. 67 - JANEIRO de 2017 COMÉRCIO BILATERAL BRASIL-CHINA Balança Comercial De acordo com dados divulgados pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, em 2016 a corrente de comércio

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATOGROSSENSES JANEIRO a NOVEMBRO / Balança Comercial

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATOGROSSENSES JANEIRO a NOVEMBRO / Balança Comercial ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATOGROSSENSES JANEIRO a NOVEMBRO - 2010/2009 1- Balança Comercial Mato Grosso registrou até novembro desse ano, um superávit acumulado na Balança Comercial de US$ 6,95 bilhões,

Leia mais

PREVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2014

PREVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2014 PREVISÃO DA BALANÇA COMERCIAL PARA 2014 EXPORTAÇÃO US$ BILHÕES US$ BILHÕES 2014/2013 BÁSICOS 112,137 112,423-0,3 INDUSTRIALIZADOS 121,416 121,851-0,4 - Semimanufaturados 28,771 30,284-5,0 - Manufaturados

Leia mais

Fevereiro 2015 São Paulo, 19 de Março de 2015 FEVERE REIRO REGISTRA O MENOR VALOR PARA AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DESDE JANEIRO DE 2010.

Fevereiro 2015 São Paulo, 19 de Março de 2015 FEVERE REIRO REGISTRA O MENOR VALOR PARA AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DESDE JANEIRO DE 2010. Fevereiro 2015 São Paulo, 19 de Março de 2015 FEVERE REIRO REGISTRA O MENOR VALOR PARA AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DESDE JANEIRO DE 2010. Em fevereiro de 2015 as exportações brasileiras somaram US$ 12,1

Leia mais

Abril 2015 São Paulo, 19 de maio de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA NOVO SUPERÁVIT EM ABRIL

Abril 2015 São Paulo, 19 de maio de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA NOVO SUPERÁVIT EM ABRIL Abril 2015 São Paulo, 19 de maio de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA NOVO SUPERÁVIT EM ABRIL A balança comercial brasileira registou superávit de pouco mais de US$ 500 milhões em abril, próximo ao resultado

Leia mais

Balança mensal registra superávit de US$ 1,2 bilhão. Saldo acumula déficit de US$ 3,7 bilhões no ano. Destaques entre parceiros e produtos

Balança mensal registra superávit de US$ 1,2 bilhão. Saldo acumula déficit de US$ 3,7 bilhões no ano. Destaques entre parceiros e produtos São Paulo, 25 de setembro de 2013. Agosto 2013 Balança mensal registra superávit de US$ 1,2 bilhão Apesar do saldo positivo, o resultado foi 62% menor frente a agosto de 2012. As exportações somaram US$

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR MAIO/2019. Exportações catarinenses atingem maior valor para o período desde o início da série histórica JAN-MAI 2019

COMÉRCIO EXTERIOR MAIO/2019. Exportações catarinenses atingem maior valor para o período desde o início da série histórica JAN-MAI 2019 COMÉRCIO EXTERIOR MAIO/2019 Exportações catarinenses atingem maior valor para o período desde o início 000000 da série histórica De janeiro a maio deste ano, as exportações catarinenses atingiram US$ 3,77

Leia mais

Boletim informativo Balança comercial. Outubro/2017 Daiane Leal

Boletim informativo Balança comercial. Outubro/2017 Daiane Leal Boletim informativo Balança comercial Outubro/2017 Daiane Leal 3 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Nesse boletim será analisada a balança comercial do Brasil e do município de Governador Valadares, bem como

Leia mais

137/15 28/08/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

137/15 28/08/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 137/15 28/08/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Agosto de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Julho

Leia mais

Julho São Paulo, 20 de agosto de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA 5º SUPERÁVIT CONSECUTIVO EM JULHO.

Julho São Paulo, 20 de agosto de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA 5º SUPERÁVIT CONSECUTIVO EM JULHO. Julho 2015 São Paulo, 20 de agosto de 2015 BALANÇA COMERCIAL REGISTRA 5º SUPERÁVIT CONSECUTIVO EM JULHO. A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 2,4 bilhões no mês de julho, resultado

Leia mais

Janeiro Atualizado até 10/02/2012.

Janeiro Atualizado até 10/02/2012. Janeiro 2012 crescem acima das exportações: o saldo da balança comercial brasileira iniciou o ano com um déficit de US$ 1,3 bilhão, após consecutivos saldos superavitários desde fevereiro de 2010. Em relação

Leia mais

São Paulo, 13 de setembro de 2012

São Paulo, 13 de setembro de 2012 São Paulo, 13 de setembro de 2012 Agosto 2012 Superávit comercial mantém trajetória de desaceleração: a balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 3,2 bilhões em agosto. Apesar de registrar

Leia mais

ANO 6 NÚMERO 65 NOVEMBRO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 6 NÚMERO 65 NOVEMBRO DE 2017 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 6 NÚMERO 65 NOVEMBRO DE 27 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Por mais que se queira mudar as expectativas da sociedade brasileira em relação ao desempenho

Leia mais