O que é isso, Companheiro? Uma História ficcional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é isso, Companheiro? Uma História ficcional"

Transcrição

1 O que é isso, Companheiro? Uma História ficcional Erika Natasha Cardoso Júlia Souza Cabo Introdução Sobre os propósitos da produção de um cineasta, disse Lebedev que não se preocupava em revelar a realidade de uma maneira verídica e não se opunha fazer educação ideológica dos espectadores." 1 Essa declaração em muito se assemelha à que Bruno Barreto comumente faz a respeito de seu polêmico filme O que é isso companheiro?, mas foi extraída de um artigo em que o historiador Marc Ferro analisa o papel histórico da produção cinematográfica. 2 Para Ferro, em quem o presente trabalho busca os fundamentos teóricometodológicos, o filme, pretenda-se ele ficcional ou não, é História 3 na medida em que reflete, oculta, traduz e manifesta elementos muito além do seu conteúdo. Nesse sentido, o objetivo aqui é pontuar alguns desses elementos, relacionandoos com o contexto político-social do período que pretende retratar e os embates de memória do período em que é produzido. 1 O que é isso, Companheiro? O filme analisado, O que é isso companheiro? lançado em 1997, dirigido por Bruno Barreto, produzido por Luiz Carlos e Lucy Barreto e com roteiro de Leopoldo Serran, inspirado no livro homônimo de Fernando Gabeira. Com elenco global e um aparato de superprodução que lhe rendeu a indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 1997, o filme foi um grande sucesso de bilheteria e teve um orçamento de US$ 4,5 milhões. 1 O comentário de Lebedev é sobre o filme soviético Segundo a lei, do cineasta Kulechov, que teria sido baseado no romance O imprevisto. 2 FERRO, Marc. O filme uma contra-análise da sociedade? 3 Idem: p. 203

2 O livro de Gabeira já é polêmico e foi alvo de muita controvérsia na ocasião do seu lançamento, mas o filme conseguiu superar sua inspiração, elevando a limites radicais as caricaturas, dubiedades e equívocos factuais desta. A trama gira em torno do seqüestro do embaixador norte-americano, Charles Elbrick. A ação foi empreendida pelos grupos revolucionários MR8 e ALN 4, em setembro de 1969, que pretendiam trocá-lo por 15 presos políticos. A história é conhecida: dois grupos guerrilheiros empreendem a ação de seqüestro e o embaixador permanece na casa, em Santa Tereza de quinta a domingo, quando é libertado, na confusão de um fim de jogo no Maracanã. Atendendo as reivindicações dos revolucionários, sem as quais o embaixador seria justiçado, um manifesto redigido por eles foi lido, no horário nobre do Jornal Nacional, e 15 presos políticos, previamente indicados numa lista, foram soltos e transportados para o exílio. Essa seqüência de acontecimentos é mantida da trama cinematográfica. As licenças poéticas utilizadas pelo diretor acontecem no sentido de condensar figuras envolvidas em uma só, ou dividir uma em duas, além atribuir ações, escolhas, autorias e protagonismos a quem não os teve. Alem disso, construiu uma caricatura do período, dos personagens e da própria disputa política em si. O problema central do filme gira em torno da responsabilidade histórica que ele tem, negando que tem. Os fatos retratados são verídicos e boa parte dos envolvidos na história real têm sua identidade mantida na ficção, assim como as datas, locais e a coesão cronológica desses fatos. No entanto, a defesa do diretor e dos produtores, de que não se trata de um filme histórico, mas de uma ficção encima da História, amortece a crítica a como essa história é contada: de forma caricatural, simplista e, pode-se dizer, injusta. 2 Uma não-ficção? De acordo com essa perspectiva proposta por Marc Ferro, a análise de O que é isso companheiro?, deve ultrapassar seus aspectos semióticos e considerar, sobretudo 4 Movimento Revolucionário 8 de Outubro e Aliança Libertadora Nacional, respectivamente.

3 as relações do filme com o que não é o filme 5, ou seja, a narrativa, a trilha sonora, os cenários, os diálogos presentes no texto, entre outros, e também os fatores externos ao próprio filme, como o autor, os produtores, a crítica, o público alvo, etc. Esses elementos, em última instância, permitiriam perceber em que tipo de disputas (ideológicas, culturais, políticas, históricas, etc.) esse filme se encontra e de que lado se posiciona. Ferro considera, portanto, o que é o que não é visível no filme, já que entende como impossível a existência de uma produção cinematográfica que esteja isenta de uma ideologia, uma crítica, um reflexo de algum elemento implícito em dada sociedade. Esse tipo de análise é pertinente no caso de O que é isso companheiro? por se tratar de um filme que se auto-define ficção, mas baseia-se em um evento real, histórico. Recusa o comprometimento com esses fatos reais, mas incorpora os nomes, as datas e os locais desses fatos, além de valer-se dessa veracidade para a propaganda do filme. O trabalho de Douglas Kellner descarta a interpretação que coloca a cultura de mídia no plano de uma disputa por dominação em prol de uma outra, que entende que essa disputa, travada em nível cultural, é entre os conflitos fundamentais da sociedade 6. Adotando essa perspectiva, reafirma-se a idéia de que um filme, ficcional ou não, reflete conflitos sociais para além do seu conteúdo fotográfico. No caso do filme aqui analisado, o conflito não poderia ser mais evidente. Um dos problemas oriundos dessa dicotomia diz respeito ao papel de formulador de uma versão e cristalizador de uma memória, a que esse tipo de filme se presta. Ainda que se insista nas declarações de que se trata de uma interpretação ficcional de fatos verídicos 7, e, em alguma medida, justamente por isso, arrisca-se a construir uma imagem profundamente equivocada de um acontecimento real. No caso de O que é isso companheiro? a polêmica é ainda maior, já que o acontecimento real em questão, que constitui o cerne da trama do filme, situa-se na história recente do país, têm alguns de seus personagens ainda vivos e é alvo de muita desinformação por parte da sociedade, encontrando-se, ainda hoje, no campo de batalha das memórias. 5 Idem. 6 KELLNER, 2001: p Barreto

4 3 A questão da memória Um debate acerca da questão da memória se faz pertinente quando se trata de um filme com essas características. Não se trata de resgatar a antiga e ultrapassada tradição histórica que concentra (em vão) suas energias na perseguição de uma verdade, uma versão, uma História. Exatamente por isso não cabe também aos responsáveis pelo filme a saída que justifica o roteiro no argumento da ficção encima de fatos reais. Não apenas o roteiro do filme e a atribuição de discursos, atitudes e responsabilidades a personagens que representam pessoas, de carne e osso, é deliberadamente modificado, sem que nem ao menos um aviso aos navegantes, no melhor estilo quaisquer semelhanças são mera coincidência seja anexado, como, além disso, caricaturas e simbologias, representativas de grupos sociais, ainda em disputa no campo da memória, são construídas. Pode-se dizer que o filme reproduz uma tradição conciliadora que envolve a memória do período retratado, que vem se consolidando no Brasil e que reflete, em alguma medida, o próprio processo de redemocratização e anistia. Nesse palco, existe de um lado a memória das esquerdas, dos grupos guerrilheiros, dos presos políticos, dos exilados e, de outro, a memória do Estado, dos militares, dos torturadores e, é claro, a da sociedade omissa. A saída conciliadora, se vista sob esse prisma, tende a priorizar produções cinematográficas (assim como literárias, teatrais, representativas de uma dada realidade do passado recente, de uma maneira geral) que mantenham isenta essa sociedade e consigam manter no campo de batalha apenas os dois supostos lados de uma batalha, devidamente enquadrados num arquétipo moral e ético que os definam e distanciam dessa sociedade. Essa perspectiva explicaria porque os filmes brasileiros que retratam os anos da ditadura civil-militar adquiriram características distintas ao longo das três décadas que nos separam da democratização. Explicaria também porque alguns deles alcançam sucesso de público, crítica e bilheteria, enquanto outros permanecem em estado de semianonimato.

5 Acontece que em cada momento histórico, a disputa pela memória desse período encontra-se em um determinado patamar o que sinaliza que ela ainda está em curso, renovando-se, adquirindo outros e mais outros significados e, além disso, as tramas em que os horrores da tortura aparecem confinados nos supostos porões, ou que a sociedade aparece de, alguma forma, da condição em que prefere permanecer, a de ignorante, tendem a ser mais bem aceitos. No caso de O que é isso companheiro? a retórica conciliadora falha homericamente em tentar retratar o guerrilheiro como jovem, confuso, assustado, incerto e praticamente um bobo, e o torturador, com a licença do trocadilho, o verdadeiro torturado por toda a carga existencial de angustias que seu ofício lhe confere. Apesar do eco positivo que isso tenha talvez encontrado na sociedade, dado o sucesso da produção, um olhar levemente mais crítico percebe a infelicidade inserida no discurso que, de tão simplista, reduz complexas relações, tensionadas por ideologias, projetos políticos e anseios de uma geração a equívocos rasos de personalidades pouco atraentes. Voltando, contudo, à questão da memória, como bem observou Pollak, o que está em jogo em relação a ela é também um sentido de identidade individual e do grupo 8, já que à esse indivíduo ou grupo é veiculada uma memória, forjada por si ele mesmo ou por outros. Segundo o autor, ainda que o ator social dessa memória deixe de existir, ela persiste, enquanto mito. Nesse sentido a imposição de uma memória que existe em O que é isso companheiro?, ainda que se alegue não ser a intenção é instrumento de rearranjo e enquadramento de uma memória. E, considerando a História como uma articulação do passado, prescrito na narrativa, dada a impossibilidade de reconstituição fiel dos fatos 9, o filme presta um desfavor à leitura desse passado recente e, não seria ousado dizer, comete um desrespeito aos atores sociais envolvidos, isentando-se de responsabilidade sob a égide da ficção artística. Melhor exemplo, contudo, do discurso implícito na constituição da trama e dos personagens, discurso esse que legitima uma memória, é o contra-ataque deferido ao , 9 GAGNEBIN, 2006.

6 longo do intenso debate que sucedeu o lançamento do filme. O livro Versões e ficções: o seqüestro da história, reúne textos, artigos e entrevistas que questionam o filme e sinalizam que essa memória ainda está em disputa. A partir da leitura dos textos que compõe o livro, além de uma análise retrospectiva dos fatos, que nos possibilita um outro ângulo interpretativo e, conseqüentemente, uma crítica ao filme, é possível perceber as reações de diversos envolvidos no episódio, assim como intelectuais especialistas no período, à essa tentativa de enquadramento de memória. Daniel Aarão Reis, historiador e quadro dirigente do MR8 10 da ocasião do seqüestro do embaixador, em entrevista reproduzida no referido livro, declara que: Acho que esse filme se insere numa tendência que é marcante no Brasil de hoje, de recuperação dos anos 60 sob um prisma conciliador. Acho que, como sempre, há uma luta em torno da apropriação do passado 11 O ex-guerrilheiro prossegue a reflexão dizendo que uma das tendências em disputa, presente no livro de Gabeira e reproduzida de forma radicalizada no filme, insere no período um caráter alegre, conciliador. Isso explica, em parte, a ausência de conflitos entre os guerrilheiros, que são retratados como romanticamente equivocados, com a exceção, evidentemente, do personagem Paulo, codnome de Gabeira, que é dotado de uma consciência crítica única, e de Jonas, retratado como um brucutu sádico. Outro aspecto levantado por Aarão é a imagem, que o filme passa, da tortura como uma decisão individual do torturador, e não como uma política sistêmica de Estado. Na memória conciliadora da ditadura e dos anos 60, é recorrente a tentativa de descolar a tortura da política de Estado, assim como confiná-la aos porões, isentando assim, também, a sociedade. No mesmo livro há um artigo de Marcelo Ridenti, em que a pretensão a mero entretenimento que o diretor e os produtores do filme se agarram, é questionada. Não 10 Movimento Revolucionário 8 de Outubro que, junto com a Aliança Libertadora Nacional(ALN), é o grupo responsável pela ação. 11 REIS, Daniel Aarão, GASPARI, Elio, BENJAMIN, César, MARTINS, Franklin, MAGALHÃES, Vera Lúcia, SALEM, Helena, LEITE, Paulo Moreira, NAHAS, Jorge, RIDENTI, Marcelo, FREIRE, Alipio, HORTA, Celso, SADER, Emir, ALMADA, Izaías, LINS, Consuelo, PIVETA, Idibal, MUNIZ, Dulce, TAPAJÓS, Renato, TORRES, Claúdio e BUCCI, Eugênio. Versões e ficções: o seqüestro da História. 2 Ed. São Paulo, Ed. Fundação Perseu Abramo: p. 86.

7 obstante os problemas já mencionados, Ridenti observa que o objetivo declarado de fugir ao maniqueísmo dos personagens, não é alcançado, na medida em que Jonas é claramente um monstro, em relação ao conflituoso torturador Henrique e ao refinado intelectual Paulo. 12 A apresentação de um torturador em crise de consciência, contraposta a de um guerrilheiro monstruoso, mediada por outro guerrilheiro racional, no sentido de expor várias faces da mesma moeda, como se os lados em que os indivíduos tenham se posicionado no período não significassem uma oposição entre o bem e o mal, é sintomática para a saída conciliadora a que tende nossa sociedade. Atribuí-se a ações individuais, escolhas, desvios de caráter e opiniões pessoais o que é parte de um processo político complexo, envolto em disputas ideológicas e que envolvia a sociedade como um todo. Como bem coloca Aarão, a discussão fundamental do filme não é quem escreveu o quê ou quem teve tal ou qual idéia, mas a proposta de memória que ele apresenta para os anos 60 e para o embate ideológico que caracterizou a década. 13 A análise acerca desse debate entre memórias poderia se estender longamente, incluindo a sugestão à redução do papel de militantes femininas à estratagemas sensuais, a atribuição da autoria da ação e do manifesto à quem não era autor de nada, a figura plácida, sábia e compreensiva atribuída ao embaixador e muitos outros elementos sintomáticos e problemáticos. Por ora cabe, no entanto, apenas frisar que, dada a proximidade das produções cinematográficas com os contextos e condições sociais e políticas em que surgem, elas representam uma possibilidade de compreensão das realidades sociais, na qual figuram lutas e embates ideológicos daquele momento. Transferindo essa lógica para O que é isso, Companheiro?, percebe-se que tão conflituosa como a relação entre Estado, resistência e sociedade nos anos de ditadura, é, ainda hoje, a relação dessas memórias. Não existe uma lei, que não a ética, que regulamente a apropriação de fatos para a alegoria cinematográfica e, cada vez mais, a prerrogativa de narrar, reproduzir ou 12 Idem. p Idem. p. 91.

8 divulgar a História, deixa de ser do historiador. Isso de forma nenhuma pode ser encarado como algo negativo, apesar dos riscos que uma obra difundida massivamente, que alcança muito mais pessoas que um artigo do Marc Ferro, apresenta para a formulação e cristalização de uma memória nada crítica. Cabe ao historiador, no entanto, analisar essas obras sob o prima das representações sociais que elas encarnam, mais evidentes no que diz respeito ao tempo em que foram produzidas do que ao tempo que retratam. Cabe ao historiador levantar do tatame a outra, as outras memórias e tornar evidente o combate. Bibliografia REIS, Daniel Aarão, GASPARI, Elio, BENJAMIN, César, MARTINS, Franklin, MAGALHÃES, Vera Lúcia, SALEM, Helena, LEITE, Paulo Moreira, NAHAS, Jorge, RIDENTI, Marcelo, FREIRE, Alipio, HORTA, Celso, SADER, Emir, ALMADA, Izaías, LINS, Consuelo, PIVETA, Idibal, MUNIZ, Dulce, TAPAJÓS, Renato, TORRES, Claúdio e BUCCI, Eugênio. Versões e ficções: o seqüestro da História. 2 Ed. São Paulo, Ed. Fundação Perseu Abramo: KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Estudos culturais: identidade política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP, EDUSC: GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar Escrever Esquecer. São Paulo: Ed. 34, POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. In. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n 3, p FERRO, Marc. O filme uma contra-análise da sociedade?. In. LE GOFF, Jacques e NORA, Pierre. História: novos objetos.

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

A pesquisa histórica e a elaboração de roteiros cinematográficos 1. Dentro da crescente presença e demanda pelo filme histórico como fonte de

A pesquisa histórica e a elaboração de roteiros cinematográficos 1. Dentro da crescente presença e demanda pelo filme histórico como fonte de A pesquisa histórica e a elaboração de roteiros cinematográficos 1 Vitória Azevedo da Fonseca 2 - PPG-UFF Dentro da crescente presença e demanda pelo filme histórico como fonte de informações históricas,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

DA REALIDADE À FICÇÃO: ANÁLISE DA REPRESENTAÇÃO DA DITADURA NOS FILMES HÉRCULES 56 E O QUE É ISSO, COMPANHEIRO?

DA REALIDADE À FICÇÃO: ANÁLISE DA REPRESENTAÇÃO DA DITADURA NOS FILMES HÉRCULES 56 E O QUE É ISSO, COMPANHEIRO? DA REALIDADE À FICÇÃO: ANÁLISE DA REPRESENTAÇÃO DA DITADURA NOS FILMES HÉRCULES 56 E O QUE É ISSO, COMPANHEIRO? Juliana Benetti Introdução A interação do homem em seu meio social permite inúmeras transformações

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan

Comunicação Institucional. Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano. Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan Comunicação Institucional Curso de Administração SECAL Administração Mercadologica - 2. ano Profa Msc Monalisa Rodrigues Zoldan COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL É a estratégia de posicionamento da marca que define

Leia mais

Ditadura e democracia: entre memórias e história

Ditadura e democracia: entre memórias e história e-issn 2175-1803 Ditadura e democracia: entre memórias e história REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. Autores:

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS

QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS QUANDO OS SUJEITOS ENUNCIAM ESPAÇOS DE AÇÃO: TOMADAS DE POSIÇÃO DE HIP HOP, ECOSOL E ESCOLAS Leandro R. Pinheiro - UFRGS FAPERGS Dos anos 1970 aos 1990, visualizamos mudanças no cenário de ação sociopolítica

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO AQUI TEM HISTÓRIA : LUGARES DE MEMÓRIA Adriely M. de Oliveira (C. Sociais UEL/ Bolsista IC/Fundação Araucária). Orientadora: Ana Cleide Chiarotti Cesário. Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso.

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

LITERATURA PORTUGUESA II AULA 04: A PROSA REALISTA TÓPICO 02: A PROSA DE EÇA DE QUEIRÓS Fonte [1] Eça de Queirós em 1882. José Maria de Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 1845 Neuilly-sur- Seine, 1900) estudou

Leia mais

Reflexões de Fernando Peixoto sobre o texto teatral Caminho de Volta (Consuelo de Castro)

Reflexões de Fernando Peixoto sobre o texto teatral Caminho de Volta (Consuelo de Castro) Reflexões de Fernando Peixoto sobre o texto teatral Caminho de Volta (Consuelo de Castro) Victor Miranda Macedo Rodrigues Universidade Federal de Uberlândia Orientadora: Rosangela Patriota Ramos O escritor,

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 INTRODUÇÃO Este projeto tem como problema de pesquisa a relação entre os ciclos de estudos

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CEFOR - CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO ESPECIALIZAÇÃO EM INSTITUIÇÕES E PROCESSOS POLÍTICOS DO LEGISLATIVO. PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA. Projeto de Pesquisa Aluno:

Leia mais

[REDSTOCKINGS] [MANIFESTO,1969]

[REDSTOCKINGS] [MANIFESTO,1969] Consideramos nossa experiencia pessoal, e nossos sentimientos sobre essa experiencia, como a base para uma análise de nossa situação comum. NÃo podemos depender das ideologias existentes uma vez que são

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Os Caminhos do Festival Música Nova

Os Caminhos do Festival Música Nova Os Caminhos do Festival Música Nova por Antônio Eduardo Santos RESUMO Um movimento por uma música revolucionária, nova, em oposição ao academismo dominante, teve nascimento em São Paulo, no começo dos

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema 1 Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema Carlos Adriano F. de Lima Quando os irmãos Augusthe e Lois Lumiere apresentaram seu cinematógrafo

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ESTUDOS CULTURAIS, IDENTIDADES E RELAÇÕES INTERÉTNICAS. GT 8 - Antropologia visual: um olhar sobre as imagens em movimento

III SEMINÁRIO DE ESTUDOS CULTURAIS, IDENTIDADES E RELAÇÕES INTERÉTNICAS. GT 8 - Antropologia visual: um olhar sobre as imagens em movimento III SEMINÁRIO DE ESTUDOS CULTURAIS, IDENTIDADES E RELAÇÕES INTERÉTNICAS GT 8 - Antropologia visual: um olhar sobre as imagens em movimento ENTRE A REBELDIA E A INGENUIDADE: REPRESENTAÇÕES SOBRE AS JUVENTUDES

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA *

O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA * O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA * Fernanda da Silva Alvissu Prizoto Universidade de Taubaté ** RESUMO: O tema desta pesquisa é a sugestão de trabalho com filme

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte pereiradirlei@gmail.com Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Paulo Freire (2000, p.

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

Resenha: SEMPRINI, Andrea. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. São Paulo : Estação das Letras, 2006.

Resenha: SEMPRINI, Andrea. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. São Paulo : Estação das Letras, 2006. Resenha: SEMPRINI, Andrea. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. São Paulo : Estação das Letras, 2006. Nicole Plascak 1 Resumo: A marca pós-moderna é resultado de

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

As relações internacionais para além dos princípios westfalianos

As relações internacionais para além dos princípios westfalianos As relações internacionais para além dos princípios westfalianos Diogo Bueno de Lima Durante boa parte do século XX as relações internacionais foram meramente pautadas por princípios westfalianos de relações

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 30/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15547

Leia mais

Hoje. um filme de Tata Amaral dos mesmos produtores de Antônia e O Cheiro do Ralo. uma produção. entretenimento. Filmes

Hoje. um filme de Tata Amaral dos mesmos produtores de Antônia e O Cheiro do Ralo. uma produção. entretenimento. Filmes Hoje um filme de Tata Amaral dos mesmos produtores de Antônia e O Cheiro do Ralo uma produção entretenimento Filmes sinopse Duas mulheres tentam tomar as rédeas de suas vidas e são assombradas por homens

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO COMANDO VERDE OPERAÇÃO ARCANJO Comando Verde o surpreenderá pela forma que apresenta críticas sociais a problemas enraizados no dia a dia brasileiro, sem que você sinta que está sendo exposto às vísceras

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Bullying e Uso consciente da internet Público: Sétimos anos Data: 25/5/2012 Proposta: Sensibilizar e esclarecer os alunos

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza.

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza. COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos Título de artigo de SCHEINER, Tereza. Nova Teoria do Museu onde este é pensado já não mais apenas como instituição (no sentido organizacional),

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

4º DESAFIO NACIONAL DA REDE PROJETO PESCAR CONCURSO CULTURAL DE DOCUMENTÁRIOS 2014

4º DESAFIO NACIONAL DA REDE PROJETO PESCAR CONCURSO CULTURAL DE DOCUMENTÁRIOS 2014 CONCURSO CULTURAL DE DOCUMENTÁRIOS REGULAMENTO O DESAFIO! O Desafio Nacional Pescar nasceu da vontade de compartilhar com a Rede Pescar práticas inovadoras e criativas que, por vezes, ficavam restritas

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro Durante o regime militar brasileiro, a organização Anistia Internacional (AI), trabalhou na defesa de presos políticos e na divulgação

Leia mais