O que é isso, Companheiro? Uma História ficcional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é isso, Companheiro? Uma História ficcional"

Transcrição

1 O que é isso, Companheiro? Uma História ficcional Erika Natasha Cardoso Júlia Souza Cabo Introdução Sobre os propósitos da produção de um cineasta, disse Lebedev que não se preocupava em revelar a realidade de uma maneira verídica e não se opunha fazer educação ideológica dos espectadores." 1 Essa declaração em muito se assemelha à que Bruno Barreto comumente faz a respeito de seu polêmico filme O que é isso companheiro?, mas foi extraída de um artigo em que o historiador Marc Ferro analisa o papel histórico da produção cinematográfica. 2 Para Ferro, em quem o presente trabalho busca os fundamentos teóricometodológicos, o filme, pretenda-se ele ficcional ou não, é História 3 na medida em que reflete, oculta, traduz e manifesta elementos muito além do seu conteúdo. Nesse sentido, o objetivo aqui é pontuar alguns desses elementos, relacionandoos com o contexto político-social do período que pretende retratar e os embates de memória do período em que é produzido. 1 O que é isso, Companheiro? O filme analisado, O que é isso companheiro? lançado em 1997, dirigido por Bruno Barreto, produzido por Luiz Carlos e Lucy Barreto e com roteiro de Leopoldo Serran, inspirado no livro homônimo de Fernando Gabeira. Com elenco global e um aparato de superprodução que lhe rendeu a indicação ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 1997, o filme foi um grande sucesso de bilheteria e teve um orçamento de US$ 4,5 milhões. 1 O comentário de Lebedev é sobre o filme soviético Segundo a lei, do cineasta Kulechov, que teria sido baseado no romance O imprevisto. 2 FERRO, Marc. O filme uma contra-análise da sociedade? 3 Idem: p. 203

2 O livro de Gabeira já é polêmico e foi alvo de muita controvérsia na ocasião do seu lançamento, mas o filme conseguiu superar sua inspiração, elevando a limites radicais as caricaturas, dubiedades e equívocos factuais desta. A trama gira em torno do seqüestro do embaixador norte-americano, Charles Elbrick. A ação foi empreendida pelos grupos revolucionários MR8 e ALN 4, em setembro de 1969, que pretendiam trocá-lo por 15 presos políticos. A história é conhecida: dois grupos guerrilheiros empreendem a ação de seqüestro e o embaixador permanece na casa, em Santa Tereza de quinta a domingo, quando é libertado, na confusão de um fim de jogo no Maracanã. Atendendo as reivindicações dos revolucionários, sem as quais o embaixador seria justiçado, um manifesto redigido por eles foi lido, no horário nobre do Jornal Nacional, e 15 presos políticos, previamente indicados numa lista, foram soltos e transportados para o exílio. Essa seqüência de acontecimentos é mantida da trama cinematográfica. As licenças poéticas utilizadas pelo diretor acontecem no sentido de condensar figuras envolvidas em uma só, ou dividir uma em duas, além atribuir ações, escolhas, autorias e protagonismos a quem não os teve. Alem disso, construiu uma caricatura do período, dos personagens e da própria disputa política em si. O problema central do filme gira em torno da responsabilidade histórica que ele tem, negando que tem. Os fatos retratados são verídicos e boa parte dos envolvidos na história real têm sua identidade mantida na ficção, assim como as datas, locais e a coesão cronológica desses fatos. No entanto, a defesa do diretor e dos produtores, de que não se trata de um filme histórico, mas de uma ficção encima da História, amortece a crítica a como essa história é contada: de forma caricatural, simplista e, pode-se dizer, injusta. 2 Uma não-ficção? De acordo com essa perspectiva proposta por Marc Ferro, a análise de O que é isso companheiro?, deve ultrapassar seus aspectos semióticos e considerar, sobretudo 4 Movimento Revolucionário 8 de Outubro e Aliança Libertadora Nacional, respectivamente.

3 as relações do filme com o que não é o filme 5, ou seja, a narrativa, a trilha sonora, os cenários, os diálogos presentes no texto, entre outros, e também os fatores externos ao próprio filme, como o autor, os produtores, a crítica, o público alvo, etc. Esses elementos, em última instância, permitiriam perceber em que tipo de disputas (ideológicas, culturais, políticas, históricas, etc.) esse filme se encontra e de que lado se posiciona. Ferro considera, portanto, o que é o que não é visível no filme, já que entende como impossível a existência de uma produção cinematográfica que esteja isenta de uma ideologia, uma crítica, um reflexo de algum elemento implícito em dada sociedade. Esse tipo de análise é pertinente no caso de O que é isso companheiro? por se tratar de um filme que se auto-define ficção, mas baseia-se em um evento real, histórico. Recusa o comprometimento com esses fatos reais, mas incorpora os nomes, as datas e os locais desses fatos, além de valer-se dessa veracidade para a propaganda do filme. O trabalho de Douglas Kellner descarta a interpretação que coloca a cultura de mídia no plano de uma disputa por dominação em prol de uma outra, que entende que essa disputa, travada em nível cultural, é entre os conflitos fundamentais da sociedade 6. Adotando essa perspectiva, reafirma-se a idéia de que um filme, ficcional ou não, reflete conflitos sociais para além do seu conteúdo fotográfico. No caso do filme aqui analisado, o conflito não poderia ser mais evidente. Um dos problemas oriundos dessa dicotomia diz respeito ao papel de formulador de uma versão e cristalizador de uma memória, a que esse tipo de filme se presta. Ainda que se insista nas declarações de que se trata de uma interpretação ficcional de fatos verídicos 7, e, em alguma medida, justamente por isso, arrisca-se a construir uma imagem profundamente equivocada de um acontecimento real. No caso de O que é isso companheiro? a polêmica é ainda maior, já que o acontecimento real em questão, que constitui o cerne da trama do filme, situa-se na história recente do país, têm alguns de seus personagens ainda vivos e é alvo de muita desinformação por parte da sociedade, encontrando-se, ainda hoje, no campo de batalha das memórias. 5 Idem. 6 KELLNER, 2001: p Barreto

4 3 A questão da memória Um debate acerca da questão da memória se faz pertinente quando se trata de um filme com essas características. Não se trata de resgatar a antiga e ultrapassada tradição histórica que concentra (em vão) suas energias na perseguição de uma verdade, uma versão, uma História. Exatamente por isso não cabe também aos responsáveis pelo filme a saída que justifica o roteiro no argumento da ficção encima de fatos reais. Não apenas o roteiro do filme e a atribuição de discursos, atitudes e responsabilidades a personagens que representam pessoas, de carne e osso, é deliberadamente modificado, sem que nem ao menos um aviso aos navegantes, no melhor estilo quaisquer semelhanças são mera coincidência seja anexado, como, além disso, caricaturas e simbologias, representativas de grupos sociais, ainda em disputa no campo da memória, são construídas. Pode-se dizer que o filme reproduz uma tradição conciliadora que envolve a memória do período retratado, que vem se consolidando no Brasil e que reflete, em alguma medida, o próprio processo de redemocratização e anistia. Nesse palco, existe de um lado a memória das esquerdas, dos grupos guerrilheiros, dos presos políticos, dos exilados e, de outro, a memória do Estado, dos militares, dos torturadores e, é claro, a da sociedade omissa. A saída conciliadora, se vista sob esse prisma, tende a priorizar produções cinematográficas (assim como literárias, teatrais, representativas de uma dada realidade do passado recente, de uma maneira geral) que mantenham isenta essa sociedade e consigam manter no campo de batalha apenas os dois supostos lados de uma batalha, devidamente enquadrados num arquétipo moral e ético que os definam e distanciam dessa sociedade. Essa perspectiva explicaria porque os filmes brasileiros que retratam os anos da ditadura civil-militar adquiriram características distintas ao longo das três décadas que nos separam da democratização. Explicaria também porque alguns deles alcançam sucesso de público, crítica e bilheteria, enquanto outros permanecem em estado de semianonimato.

5 Acontece que em cada momento histórico, a disputa pela memória desse período encontra-se em um determinado patamar o que sinaliza que ela ainda está em curso, renovando-se, adquirindo outros e mais outros significados e, além disso, as tramas em que os horrores da tortura aparecem confinados nos supostos porões, ou que a sociedade aparece de, alguma forma, da condição em que prefere permanecer, a de ignorante, tendem a ser mais bem aceitos. No caso de O que é isso companheiro? a retórica conciliadora falha homericamente em tentar retratar o guerrilheiro como jovem, confuso, assustado, incerto e praticamente um bobo, e o torturador, com a licença do trocadilho, o verdadeiro torturado por toda a carga existencial de angustias que seu ofício lhe confere. Apesar do eco positivo que isso tenha talvez encontrado na sociedade, dado o sucesso da produção, um olhar levemente mais crítico percebe a infelicidade inserida no discurso que, de tão simplista, reduz complexas relações, tensionadas por ideologias, projetos políticos e anseios de uma geração a equívocos rasos de personalidades pouco atraentes. Voltando, contudo, à questão da memória, como bem observou Pollak, o que está em jogo em relação a ela é também um sentido de identidade individual e do grupo 8, já que à esse indivíduo ou grupo é veiculada uma memória, forjada por si ele mesmo ou por outros. Segundo o autor, ainda que o ator social dessa memória deixe de existir, ela persiste, enquanto mito. Nesse sentido a imposição de uma memória que existe em O que é isso companheiro?, ainda que se alegue não ser a intenção é instrumento de rearranjo e enquadramento de uma memória. E, considerando a História como uma articulação do passado, prescrito na narrativa, dada a impossibilidade de reconstituição fiel dos fatos 9, o filme presta um desfavor à leitura desse passado recente e, não seria ousado dizer, comete um desrespeito aos atores sociais envolvidos, isentando-se de responsabilidade sob a égide da ficção artística. Melhor exemplo, contudo, do discurso implícito na constituição da trama e dos personagens, discurso esse que legitima uma memória, é o contra-ataque deferido ao , 9 GAGNEBIN, 2006.

6 longo do intenso debate que sucedeu o lançamento do filme. O livro Versões e ficções: o seqüestro da história, reúne textos, artigos e entrevistas que questionam o filme e sinalizam que essa memória ainda está em disputa. A partir da leitura dos textos que compõe o livro, além de uma análise retrospectiva dos fatos, que nos possibilita um outro ângulo interpretativo e, conseqüentemente, uma crítica ao filme, é possível perceber as reações de diversos envolvidos no episódio, assim como intelectuais especialistas no período, à essa tentativa de enquadramento de memória. Daniel Aarão Reis, historiador e quadro dirigente do MR8 10 da ocasião do seqüestro do embaixador, em entrevista reproduzida no referido livro, declara que: Acho que esse filme se insere numa tendência que é marcante no Brasil de hoje, de recuperação dos anos 60 sob um prisma conciliador. Acho que, como sempre, há uma luta em torno da apropriação do passado 11 O ex-guerrilheiro prossegue a reflexão dizendo que uma das tendências em disputa, presente no livro de Gabeira e reproduzida de forma radicalizada no filme, insere no período um caráter alegre, conciliador. Isso explica, em parte, a ausência de conflitos entre os guerrilheiros, que são retratados como romanticamente equivocados, com a exceção, evidentemente, do personagem Paulo, codnome de Gabeira, que é dotado de uma consciência crítica única, e de Jonas, retratado como um brucutu sádico. Outro aspecto levantado por Aarão é a imagem, que o filme passa, da tortura como uma decisão individual do torturador, e não como uma política sistêmica de Estado. Na memória conciliadora da ditadura e dos anos 60, é recorrente a tentativa de descolar a tortura da política de Estado, assim como confiná-la aos porões, isentando assim, também, a sociedade. No mesmo livro há um artigo de Marcelo Ridenti, em que a pretensão a mero entretenimento que o diretor e os produtores do filme se agarram, é questionada. Não 10 Movimento Revolucionário 8 de Outubro que, junto com a Aliança Libertadora Nacional(ALN), é o grupo responsável pela ação. 11 REIS, Daniel Aarão, GASPARI, Elio, BENJAMIN, César, MARTINS, Franklin, MAGALHÃES, Vera Lúcia, SALEM, Helena, LEITE, Paulo Moreira, NAHAS, Jorge, RIDENTI, Marcelo, FREIRE, Alipio, HORTA, Celso, SADER, Emir, ALMADA, Izaías, LINS, Consuelo, PIVETA, Idibal, MUNIZ, Dulce, TAPAJÓS, Renato, TORRES, Claúdio e BUCCI, Eugênio. Versões e ficções: o seqüestro da História. 2 Ed. São Paulo, Ed. Fundação Perseu Abramo: p. 86.

7 obstante os problemas já mencionados, Ridenti observa que o objetivo declarado de fugir ao maniqueísmo dos personagens, não é alcançado, na medida em que Jonas é claramente um monstro, em relação ao conflituoso torturador Henrique e ao refinado intelectual Paulo. 12 A apresentação de um torturador em crise de consciência, contraposta a de um guerrilheiro monstruoso, mediada por outro guerrilheiro racional, no sentido de expor várias faces da mesma moeda, como se os lados em que os indivíduos tenham se posicionado no período não significassem uma oposição entre o bem e o mal, é sintomática para a saída conciliadora a que tende nossa sociedade. Atribuí-se a ações individuais, escolhas, desvios de caráter e opiniões pessoais o que é parte de um processo político complexo, envolto em disputas ideológicas e que envolvia a sociedade como um todo. Como bem coloca Aarão, a discussão fundamental do filme não é quem escreveu o quê ou quem teve tal ou qual idéia, mas a proposta de memória que ele apresenta para os anos 60 e para o embate ideológico que caracterizou a década. 13 A análise acerca desse debate entre memórias poderia se estender longamente, incluindo a sugestão à redução do papel de militantes femininas à estratagemas sensuais, a atribuição da autoria da ação e do manifesto à quem não era autor de nada, a figura plácida, sábia e compreensiva atribuída ao embaixador e muitos outros elementos sintomáticos e problemáticos. Por ora cabe, no entanto, apenas frisar que, dada a proximidade das produções cinematográficas com os contextos e condições sociais e políticas em que surgem, elas representam uma possibilidade de compreensão das realidades sociais, na qual figuram lutas e embates ideológicos daquele momento. Transferindo essa lógica para O que é isso, Companheiro?, percebe-se que tão conflituosa como a relação entre Estado, resistência e sociedade nos anos de ditadura, é, ainda hoje, a relação dessas memórias. Não existe uma lei, que não a ética, que regulamente a apropriação de fatos para a alegoria cinematográfica e, cada vez mais, a prerrogativa de narrar, reproduzir ou 12 Idem. p Idem. p. 91.

8 divulgar a História, deixa de ser do historiador. Isso de forma nenhuma pode ser encarado como algo negativo, apesar dos riscos que uma obra difundida massivamente, que alcança muito mais pessoas que um artigo do Marc Ferro, apresenta para a formulação e cristalização de uma memória nada crítica. Cabe ao historiador, no entanto, analisar essas obras sob o prima das representações sociais que elas encarnam, mais evidentes no que diz respeito ao tempo em que foram produzidas do que ao tempo que retratam. Cabe ao historiador levantar do tatame a outra, as outras memórias e tornar evidente o combate. Bibliografia REIS, Daniel Aarão, GASPARI, Elio, BENJAMIN, César, MARTINS, Franklin, MAGALHÃES, Vera Lúcia, SALEM, Helena, LEITE, Paulo Moreira, NAHAS, Jorge, RIDENTI, Marcelo, FREIRE, Alipio, HORTA, Celso, SADER, Emir, ALMADA, Izaías, LINS, Consuelo, PIVETA, Idibal, MUNIZ, Dulce, TAPAJÓS, Renato, TORRES, Claúdio e BUCCI, Eugênio. Versões e ficções: o seqüestro da História. 2 Ed. São Paulo, Ed. Fundação Perseu Abramo: KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Estudos culturais: identidade política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru, SP, EDUSC: GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar Escrever Esquecer. São Paulo: Ed. 34, POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. In. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n 3, p FERRO, Marc. O filme uma contra-análise da sociedade?. In. LE GOFF, Jacques e NORA, Pierre. História: novos objetos.

A pesquisa histórica e a elaboração de roteiros cinematográficos 1. Dentro da crescente presença e demanda pelo filme histórico como fonte de

A pesquisa histórica e a elaboração de roteiros cinematográficos 1. Dentro da crescente presença e demanda pelo filme histórico como fonte de A pesquisa histórica e a elaboração de roteiros cinematográficos 1 Vitória Azevedo da Fonseca 2 - PPG-UFF Dentro da crescente presença e demanda pelo filme histórico como fonte de informações históricas,

Leia mais

DA REALIDADE À FICÇÃO: ANÁLISE DA REPRESENTAÇÃO DA DITADURA NOS FILMES HÉRCULES 56 E O QUE É ISSO, COMPANHEIRO?

DA REALIDADE À FICÇÃO: ANÁLISE DA REPRESENTAÇÃO DA DITADURA NOS FILMES HÉRCULES 56 E O QUE É ISSO, COMPANHEIRO? DA REALIDADE À FICÇÃO: ANÁLISE DA REPRESENTAÇÃO DA DITADURA NOS FILMES HÉRCULES 56 E O QUE É ISSO, COMPANHEIRO? Juliana Benetti Introdução A interação do homem em seu meio social permite inúmeras transformações

Leia mais

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema 1 Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema Carlos Adriano F. de Lima Quando os irmãos Augusthe e Lois Lumiere apresentaram seu cinematógrafo

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ESTUDOS CULTURAIS, IDENTIDADES E RELAÇÕES INTERÉTNICAS. GT 8 - Antropologia visual: um olhar sobre as imagens em movimento

III SEMINÁRIO DE ESTUDOS CULTURAIS, IDENTIDADES E RELAÇÕES INTERÉTNICAS. GT 8 - Antropologia visual: um olhar sobre as imagens em movimento III SEMINÁRIO DE ESTUDOS CULTURAIS, IDENTIDADES E RELAÇÕES INTERÉTNICAS GT 8 - Antropologia visual: um olhar sobre as imagens em movimento ENTRE A REBELDIA E A INGENUIDADE: REPRESENTAÇÕES SOBRE AS JUVENTUDES

Leia mais

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que Os vigilantes da ordem: a cooperação DEOPS/SP e SNI e a suspeição aos movimentos pela anistia (1975-1983). Pâmela de Almeida Resende 1 Mestrado em História Social pela Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

A ditadura que mudou o país Autor: Daniel Aarão Reis, Rodrigo Pato e outros Editora Civilização Brasileira

A ditadura que mudou o país Autor: Daniel Aarão Reis, Rodrigo Pato e outros Editora Civilização Brasileira A ditadura que mudou o país Autor: Daniel Aarão Reis, Rodrigo Pato e outros Editora Civilização Brasileira O golpe militar de 1964 foi o estopim para a instauração de uma ditadura autoritária, opressiva

Leia mais

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia

Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Mostra de Cinema Marcas da Memória da Comissão de Anistia Sobre a Mostra Este projeto tem como objetivo promover sessões públicas e gratuitas de cinema, ao longo de uma semana, dedicadas à memória e à

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

A PALCO ARMADO: TEATRO DE ARENA UMA ESTÉTICA DE RESISTÊNCIA, POR IZAÍAS ALMADA Talitta Tatiane Martins Freitas * Universidade Federal de Uberlândia UFU talittatmf@gmail.com O Teatro de Arena sempre se

Leia mais

Inúmeras maneiras de expor, de forma crítica e responsável, o que vai pelas cabeças das pessoas quando o assunto são as drogas...

Inúmeras maneiras de expor, de forma crítica e responsável, o que vai pelas cabeças das pessoas quando o assunto são as drogas... CRIAÇÃO E PRODUÇÃO: O PROGRAMA Drogas, prevenir ou remediar? Livros, filmes, novelas, documentários, peças teatrais,... Difícil imaginar de que forma esta questão ainda não foi abordada, sob os mais diversos

Leia mais

Aula15 ANOS DE CHUMBO: A CRISE DE 1968 E A LUTA ARMADA. Antônio Fernando de Araújo Sá

Aula15 ANOS DE CHUMBO: A CRISE DE 1968 E A LUTA ARMADA. Antônio Fernando de Araújo Sá Aula15 ANOS DE CHUMBO: A CRISE DE 1968 E A LUTA ARMADA META Discutir a história da resistência armada à ditadura militar no Brasil, situando o fi lme O que é isso, companheiro? (1997), de Bruno Barreto

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE. Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA)

NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE. Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA) NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE MEMÓRIAS A PARTIR DAS AÇÕES ARMADAS DO PCBR (BAHIA, DÉCADA DE 1980). Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA)

Leia mais

LITERATURA PORTUGUESA II AULA 04: A PROSA REALISTA TÓPICO 02: A PROSA DE EÇA DE QUEIRÓS Fonte [1] Eça de Queirós em 1882. José Maria de Eça de Queirós (Póvoa de Varzim, 1845 Neuilly-sur- Seine, 1900) estudou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MEMÓRIA, CINEMA E DITADURA NO BRAIL PROFESSORA JANAÍNA MARTINS CORDEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MEMÓRIA, CINEMA E DITADURA NO BRAIL PROFESSORA JANAÍNA MARTINS CORDEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MEMÓRIA, CINEMA E DITADURA NO BRAIL PROFESSORA JANAÍNA MARTINS CORDEIRO VALESCA DE SOUZA ALMEIDA Julho de 2011 Memória e história A ditadura que se vê em Pra Frente Brasil

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO AQUI TEM HISTÓRIA : LUGARES DE MEMÓRIA Adriely M. de Oliveira (C. Sociais UEL/ Bolsista IC/Fundação Araucária). Orientadora: Ana Cleide Chiarotti Cesário. Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso.

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 INTRODUÇÃO Este projeto tem como problema de pesquisa a relação entre os ciclos de estudos

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação I - Proposta de Redação INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação A proposta de redação do vestibular do ITA pode ser composta de textos verbais, não verbais (foto ou ilustração,

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Hoje. um filme de Tata Amaral dos mesmos produtores de Antônia e O Cheiro do Ralo. uma produção. entretenimento. Filmes

Hoje. um filme de Tata Amaral dos mesmos produtores de Antônia e O Cheiro do Ralo. uma produção. entretenimento. Filmes Hoje um filme de Tata Amaral dos mesmos produtores de Antônia e O Cheiro do Ralo uma produção entretenimento Filmes sinopse Duas mulheres tentam tomar as rédeas de suas vidas e são assombradas por homens

Leia mais

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA.

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. Autora: Mestra Rosicleide Henrique da Silva Universidade Federal de Campina

Leia mais

A participação da sociedade civil e o estímulo ao exercício da cidadania: Uma análise do programa Sociedade Civil 1

A participação da sociedade civil e o estímulo ao exercício da cidadania: Uma análise do programa Sociedade Civil 1 A participação da sociedade civil e o estímulo ao exercício da cidadania: Uma análise do programa Sociedade Civil 1 Profa. Doutora Gabriela Borges Investigadora Ciccom Universidade do Algarve - FCT Introdução

Leia mais

As relações internacionais para além dos princípios westfalianos

As relações internacionais para além dos princípios westfalianos As relações internacionais para além dos princípios westfalianos Diogo Bueno de Lima Durante boa parte do século XX as relações internacionais foram meramente pautadas por princípios westfalianos de relações

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

A memória ressignificada de Fernando Gabeira em O Que é Isso Companheiro, livro e filme.

A memória ressignificada de Fernando Gabeira em O Que é Isso Companheiro, livro e filme. A memória ressignificada de Fernando Gabeira em O Que é Isso Companheiro, livro e filme. José Wandembergue de Oliveira Júnior * INTRODUÇÃO No presente trabalho, serão discutidas as mudanças e ressignificações

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Ditadura e democracia: entre memórias e história

Ditadura e democracia: entre memórias e história e-issn 2175-1803 Ditadura e democracia: entre memórias e história REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. Autores:

Leia mais

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012

COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 COMISSÃO DE CULTURA PROJETO DE LEI Nº 3388, DE 2012 Dá o nome de Ponte Herbert de Souza Betinho, à atual Ponte Presidente Costa e Silva, localizada do km 321 ao 334, na BR 101/RJ. Autor: Deputado Chico

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO SEGUNDO ALUNOS DE PEDAGOGIA: UM ESTUDO EM REPRESENTAÇÕES SOCIAIS RESUMO

MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO SEGUNDO ALUNOS DE PEDAGOGIA: UM ESTUDO EM REPRESENTAÇÕES SOCIAIS RESUMO MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO SEGUNDO ALUNOS DE PEDAGOGIA: UM ESTUDO EM REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SILVA, Bruna UFMT brunaluise@gmail.com RESUMO O presente estudo surgiu a partir de discussões do Grupo de Pesquisa

Leia mais

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1

PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 PROGRAMA FALANDO EM POLÍTICA 1 Juliane Cintra de Oliveira 2 Antônio Francisco Magnoni 2 RESUMO Criado em 2007, o Programa Falando de Política é um projeto de experimentação e extensão cultural em radiojornalismo,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

MANIFESTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO (SBPOT)

MANIFESTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO (SBPOT) MANIFESTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO (SBPOT) Psicologia do trabalho e das organizações: não atuamos pela cisão Quase nenhum estudioso da psicologia ousaria negar

Leia mais

Processo Seletivo Vestibular 2008 REDAÇÃO. Página 0

Processo Seletivo Vestibular 2008 REDAÇÃO. Página 0 Página 0 Nos últimos anos, a violência no Brasil tem atingido níveis assustadores, chegando a um verdadeiro confronto entre governo, polícia e bandido. O filme Tropa de elite, do cineasta José Padilha,

Leia mais

O CINEMA, A RESISTÊNCIA ARMADA E A DITADURA MILITAR NO ENSINO DE HISTÓRIA 1

O CINEMA, A RESISTÊNCIA ARMADA E A DITADURA MILITAR NO ENSINO DE HISTÓRIA 1 O CINEMA, A RESISTÊNCIA ARMADA E A DITADURA MILITAR NO ENSINO DE HISTÓRIA 1 THE CINEMA, THE ARMED RESISTANCE AND THE MILITARY DICTATORSHIP IN HISTORY TEACHING. Celso Luiz Junior 2 Teresa Kazuko Teruya

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

[REVISTA CONTEMPORÂNEA DOSSIÊ 1964-2014: 50 ANOS DEPOIS, A CULTURA AUTORITÁRIA EM QUESTÃO]

[REVISTA CONTEMPORÂNEA DOSSIÊ 1964-2014: 50 ANOS DEPOIS, A CULTURA AUTORITÁRIA EM QUESTÃO] 1 Os incontáveis matizes de cinza (NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.) Luisa Quarti Lamarão * A julgar por sua aparência, o livro 1964: História

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante?

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? São Paulo, Ano II, n. 04, jan./abr. de 2015 Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? Sobre a representação multicultural de personagens em obras audiovisuais educativas Autor:

Leia mais

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte pereiradirlei@gmail.com Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Paulo Freire (2000, p.

Leia mais

TORTURA NO REGIME MILITAR

TORTURA NO REGIME MILITAR TORTURA NO REGIME MILITAR Lívia Bruna da Silva 1 Alessandro Sousa Mendes 2 RESUMO O Regime Militar no Brasil (1964-1985) é objeto de estudo recorrente em diversos gêneros textuais e de investigações, de

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ RESUMO O premiado Ilha das Flores exibe o percurso de um tomate até chegar a um lixão

Leia mais

Quando toca o Coração

Quando toca o Coração Quando toca o Coração Apresentação Quando Toca o Coração é uma peça construída a partir de canções populares que envolvem temas como paixão, traição, desejo e saudade. O espetáculo conta com canções de

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite UFU Universidade Federal de Uberlândia Palavras chave : Formação Teatral; Pedagogia do Teatro; História do Teatro Preâmbulo

Leia mais

Palavras-chave: PIBID; Ditadura civil-militar; História Oral; memória; entrevistas.

Palavras-chave: PIBID; Ditadura civil-militar; História Oral; memória; entrevistas. A DITADURA LÁ EM CASA : APRENDENDO HISTÓRIA A PARTIR DE ENTREVISTAS Heloisa Pires Fazion Rebecca Carolline Moraes da Silva (PIBID/História/UEL) Resumo: A ditadura militar tornou-se um fato marcante na

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Reflexividade docente: Portfólio reflexivo. Formação inicial de professores 1 INTRODUÇÃO

PALAVRAS-CHAVE: Reflexividade docente: Portfólio reflexivo. Formação inicial de professores 1 INTRODUÇÃO O PORTFÓLIO COMO PROMOTOR DE REFLEXIVIDADE NO ESTÁGIO DE PEDAGOGIA RAUSCH, Rita Buzzi Rausch FURB rausch@furb.br Eixo: Formação de Professores/ n.10 Agência Financiadora: Sem financiamento RESUMO Compreendendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA

JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA JUSTIFICATIVA DA INICIATIVA A relevância do projeto: O negro em destaque: As representações do negro na literatura brasileira se dá a partir das análises e percepções realizadas pelo coletivo cultural,

Leia mais

VERSÕES E FICÇÕES: O SEQÜESTRO DA HISTÓRIA. Ponto de Partida

VERSÕES E FICÇÕES: O SEQÜESTRO DA HISTÓRIA. Ponto de Partida VERSÕES E FICÇÕES: O SEQÜESTRO DA HISTÓRIA Ponto de Partida Leia também da Coleção Ponto de Partida Orçamento participativo: A experiência de Porto Alegre Tarso Genro e Ubiratan de Souza Outros lançamentos

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

1964, CINQUENTA ANOS DEPOIS: A ditadura que mudou o Brasil. Ditadura e democracia no Brasil. As universidades e o regime militar

1964, CINQUENTA ANOS DEPOIS: A ditadura que mudou o Brasil. Ditadura e democracia no Brasil. As universidades e o regime militar 1964, CINQUENTA ANOS DEPOIS: A ditadura que mudou o Brasil 50 anos do golpe de 1964 Daniel Aarão Reis, Marcelo Ridenti e Rodrigo Patto Sá Motta (orgs.) Ditadura e democracia no Brasil Do golpe de 1964

Leia mais

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA

A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA A FILOSOFIA E TECNOLOGIAS: FORMAÇÃO E OPINIÃO PÚBLICA CRÍTICA Elvio de Carvalho Graduado em Filosofia pela UFSM/RS. Membro do projeto Formação Cultural. helviocarvalho@hotmail.com Valmir da Silva Acadêmico

Leia mais

Ser jovem é ter arte de inventar... por que pra ser feliz a gente inventa!

Ser jovem é ter arte de inventar... por que pra ser feliz a gente inventa! 1 Ser jovem é ter arte de inventar... por que pra ser feliz a gente inventa! David da Silva Natasha Fonseca (...)ser jovem é viver a vida sim, seja com responsabilidade ou não, mas sempre com muita intensidade,criatividade

Leia mais

Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star

Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star Antes que me esqueçam, meu nome é Edy Star O documentário aborda a trajetória artística de Edvaldo Souza, o Edy Star, cantor, ator, dançarino, produtor teatral e artista plástico baiano. Edy iniciou a

Leia mais

A cultura no pensamento (e na ação) de Celso Furtado: desenvolvimento, criatividade, tradição e inovação

A cultura no pensamento (e na ação) de Celso Furtado: desenvolvimento, criatividade, tradição e inovação crítica A cultura no pensamento (e na ação) de Celso Furtado: desenvolvimento, criatividade, tradição e inovação ensaios sobre cultura e o ministério da cultura. Furtado, Celso. Rio de Janeiro: Contraponto,

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 157 A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 Somos a continuação de um fio que nasceu há muito tempo atrás... Vindo de outros lugares... Iniciado por outras pessoas...

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Eliane A Silva Rodrigues * Desde que a humanidade se afirmou capitalista, conheceu a modernidade e as indústrias se desenvolveram

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

Prefácio... 9 Introdução... 11

Prefácio... 9 Introdução... 11 SUMÁRIO Prefácio... 9 Introdução... 11 1. Um caminho para a produção em vídeo de baixo orçamento: cinema de grupo... 15 Criando um curta-metragem em vídeo...17 2. O roteiro... 20 A ideia (imagem geradora)...20

Leia mais

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO

COMANDO VERDE GUERRA CIVIL NO RIO DE JANEIRO COMANDO VERDE OPERAÇÃO ARCANJO Comando Verde o surpreenderá pela forma que apresenta críticas sociais a problemas enraizados no dia a dia brasileiro, sem que você sinta que está sendo exposto às vísceras

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro

A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro A atuação da Anistia Internacional durante o regime militar brasileiro Durante o regime militar brasileiro, a organização Anistia Internacional (AI), trabalhou na defesa de presos políticos e na divulgação

Leia mais

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação CULTURA NOS CEUs Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação Resumo São Paulo, março de 2013. Por Ney Piacentini O projeto CULTURA NOS CEUs pretende levar às instalações culturais

Leia mais

O Memorial Brasileiro de Direitos Humanos

O Memorial Brasileiro de Direitos Humanos O Memorial Brasileiro de Direitos Humanos Fernando Ponte de Sousa Professor do Departamento de Sociologia e Ciência Política da UFSC, doutor em Psicologia Social pela PUC/SP e integrante do colegiado do

Leia mais

Os governos do PT: poucas mudanças, nenhuma ruptura

Os governos do PT: poucas mudanças, nenhuma ruptura Os governos do PT: poucas mudanças, nenhuma ruptura João Machado Borges Neto * I O PT publicou, em parceria com o Instituto Lula e a Fundação Perseu Abramo, em fevereiro deste ano, o folheto O Decênio

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Pica

Entrevista sobre o Programa Pica Entrevista sobre o Programa Pica Ficha de Identificação Nome: Artur Ribeiro Cargo/Função: Co-Argumenista Programa: Pica Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

Colégio Ari de Sá Cavalcante

Colégio Ari de Sá Cavalcante Colégio Ari de Sá Cavalcante Trabalho de História Tema: Filme O que é isso, companheiro? Prof. Webster Pinheiro 2º Ano / 3ª Etapa Aluno (a) Nº / Turma: Aluno (a) Nº / Turma: "AO POVO BRASILEIRO Grupos

Leia mais

BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL

BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL Marcelo Mazzotti Bono Belascusa (PIBIC/CNPq/FA/UEM), Carlos Lopes Eduardo (Orientador), e-mail: caedlopes@gmail.com, Carolina Laurenti

Leia mais

As representações de Vera Silvia Magalhães no filme O que é isso companheiro? Daiane de Jesus Oliveira

As representações de Vera Silvia Magalhães no filme O que é isso companheiro? Daiane de Jesus Oliveira As representações de Vera Silvia Magalhães no filme O que é isso companheiro? Daiane de Jesus Oliveira Resumo O presente artigo busca analisar as representações de Vera Silvia Magalhães presentes no filme

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR Cesar

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar.

Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. PALAVRAS-CHAVE: Stop motion; animação; filme publicitário; Universitar. Universitar: o Desafio da Cidadania na versão stop motion 1 Annelena Silva da LUZ 2 Filipe Mendes AYOUB 3 Giandra Carla dos SANTOS 4 Mariângela Barichello BARATTO 5 Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DAS NARRATIVAS FÍLMICAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE

CONTRIBUIÇÕES DAS NARRATIVAS FÍLMICAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE CONTRIBUIÇÕES DAS NARRATIVAS FÍLMICAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE GOMES, Iara de Oliveira (UEM/Bolsista CAPES) 1 TERUYA, Teresa Kazuko (Orientadora/UEM) 2 1. Introdução

Leia mais

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Testemunha 4 Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Sinopse Uma personagem, uma atriz e o passar das horas em um interrogatório do Holocausto. Apresentação O documentário acompanha a trajetória

Leia mais

EDUCAÇÃO E BURGUESIA INDUSTRIAL: UM OLHAR SOBRE O EMPREGO E OS PROBLEMAS SOCIAIS. Mário Luiz de Souza 1 INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO E BURGUESIA INDUSTRIAL: UM OLHAR SOBRE O EMPREGO E OS PROBLEMAS SOCIAIS. Mário Luiz de Souza 1 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO E BURGUESIA INDUSTRIAL: UM OLHAR SOBRE O EMPREGO E OS PROBLEMAS SOCIAIS. Mário Luiz de Souza 1 O objetivo desse trabalho é demonstrar os dados e as reflexões preliminares de uma pesquisa,

Leia mais

O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA *

O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA * O FILME COMO RECURSO TECNOLÓGICO EDUCACIONAL NAS AULAS DE LÍNGUA INGLESA * Fernanda da Silva Alvissu Prizoto Universidade de Taubaté ** RESUMO: O tema desta pesquisa é a sugestão de trabalho com filme

Leia mais

A traição de Wilson Aurora Almada e Santos

A traição de Wilson Aurora Almada e Santos r e c e n s ã o A traição de Wilson Aurora Almada e Santos EREZ MANELA The Wilsonian Moment. Self- Determination and the International Origins of Anticolonial Nationalism quase do domínio do senso comum

Leia mais