SILICATO F007 INSTRUÇÕES DE USO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SILICATO F007 INSTRUÇÕES DE USO"

Transcrição

1 Português 1/2 SILICATO F007 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Determinação qualitativa do Silicato dissolvido em amostra de água, através de reação colorimétrica. Aplicação manual. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Colorimétrica A Sílica solúvel reage com o Molibdato em meio ácido formando o complexo silicamolibdato de coloração amarela, cuja intensidade é proporcional à concentração de Sílica na amostra. A absorbância do produto da reação deve ser medida nos comprimentos de onda entre 405 e 410 nm. REAGENTES Reagente Nº 1 - Acidificante - Conservar entre 15 e 30 C. Contém Ácido Clorídrico 6,25 N. Corrosivo. Reagente Nº 2 - Catalisador - Conservar entre 15 e 30 C. Contém Molibdato 81 mmol/l (ph 6,0). APRESENTAÇÃO Reagente Volume Nº 1 3,5 ml Nº 2 3,5 ml EQUIPAMENTOS E INSUMOS OPERACIONAIS Aparelhos semi-automáticos de bioquímica, relógio ou cronômetro, tubos de ensaio, kits. Encontram-se no mercado especializado de artigos para Laboratórios de Análises Clinicas. CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO E TRANS- PORTE A temperatura de armazenamento deverá ser entre 15 a 30 C. Manter ao abrigo da luz e evitar umidade. CUIDADOS ESPECIAIS 1- O reagente N 1 é corrosivo, portanto manusear com cuidado. O reagente N 2 pode ocorrer alterações (mudança de cor, formação de precipitados) não indicando contaminação ou impróprio para uso. 2- Seguir com rigor a metodologia proposta para obtenção de resultados exatos. 3- A água utilizada na limpeza do material deve ser recente e isenta de agentes contaminantes. 4- Recomendamos aplicar as normas locais, estaduais e federais de proteção ambiental para que o descarte dos reagentes e do material biológico seja feito de acordo com a legislação vigente. 5- Para obtenção de informações relacionadas à biossegurança ou em caso de acidentes com o produto, consultar as FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) disponibilizadas no site ou através de solicitação pelo SAC (Serviço de Assessoria ao Cliente) da Quibasa. AMOSTRAS A amostra de água deionizada deve ser colhida no momento da determinação. DESCRIÇÃO DO PROCESSO TÉCNICA Selecionar o comprimento de onda de 405 nm a 410 nm. Tomar 1 (um) tubo de ensaio e proceder como a seguir: Água Deionizada Reagente Nº 1 Reagente Nº 2 5,0 ml Homogeneizar e aguardar 2 minutos. Ler a absorbância da amostra frente ao branco de água deionizada. A cor é estável por 20 minutos. CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA Deve ser prática rotineira do Laboratório Clínico o controle da qualidade da água deionizada utilizada no laboratório. Um dos primeiros contaminantes liberados da resina de troca iônica quando esta se aproxima da saturação é a Sílica (Silicato). Em seguida, são liberadas substâncias altamente ionizadas, o que aumenta a condutividade e, conseqüentemente, reduz a resistividade. Sugere-se que a água utilizada no laboratório deva ter condutividade < 1 microsiemens/cm, resistividade > 1 megaohm.cm e concentração de Silicato < 0,10 mg/l. Uma concentração elevada de Silicato na água deionizada pode indicar que as resinas de troca iônica do deionizador já atingiram o ponto de saturação e, conseqüentemente, há necessidade de regeneração de seus leitos de resinas. VALORES DE REFERÊNCIA A absorbância da reação, lida entre 405 e 410 nm, não deve ultrapassar 0,010, o que indica concentrações de Silicato acima de 0,10 mg/l. Caso essa absorbância seja ultrapassada, é sugerida a regeneração das resinas ou a troca das colunas do deionizador. Se a água for obtida por outro processo, o mesmo deverá sofrer uma avaliação para detectar a razão do elevado nível de sílica. A formação de cor amarela visível da reação indica uma concentração de Silicato muito superior aos níveis aceitáveis.

2 DESEMPENHO DO PRODUTO CONTROLE DE QUALIDADE Português 2/2 Sensibilidade Foi calculada a partir de 20 determinações de uma amostra de concentração 0 (zero) de Silicato. A média 0,0016 mg/l com desvio padrão de 0,0007 mg/l. A sensibilidade, que indica o limite de detecção do método, corresponde a média mais 3 vezes o desvio padrão, e é igual a 0,0037 mg/l. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- ASTM - Standard Specifi cacion for Reagents Water. ASTM document D (1991). 2- NCCLS-National Committee for Clinical Laboratory Standards: Preparation and Testing of Reagent Water in the Clinical Laboratory - Third Edition , vol. 17 nr Kaplan, L.A.; Pesce, A.J. - Methods in Clinical Chemistry- Second Edition. St. Louis, Missouri, C.V. Mosby Co., Silicates in Water and Wastewater, Industrial Method No W, Technicon Instruments Corporation, Tarrytown, NY (1973). 5- MANNO, B.R.; ABUKHALAF, I.K.; MANNO, J.E. A Sensitive Spectrophotometric Assay for the Measurement of Soluble Silica in Water - Journal of Analytical Toxicology, Volume 21, Number 6, October 1997, pp GARANTIA DE QUALIDADE Antes de serem liberados para o consumo, todos os reagentes Bioclin são testados pelo Departamento de Controle de Qualidade. A qualidade dos reagentes é assegurada até a data de validade mencionada na embalagem de apresentação, desde que armazenados e transportados nas condições adequadas. QUIBASA QUÍMICA BÁSICA Ltda Rua Teles de Menezes, 92 Santa Branca CEP Belo Horizonte MG Brasil Tel.: (31) Fax: (31) CNPJ: / Indústria Brasileira ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR Serviço de Assessoria ao Cliente Tel.: Produto não passível de registro na ANVISA. Revisão: Outubro/2014 EC EC REP REP REPRESENTANTE EUROPEU AUTORIZADO EC REP MARCA CE PROTEGER DA LUZ E CALOR EC REP EC REP NÃO UTILIZAR SE A EMBALAGEM ESTIVER DANIFICADA

3 Español 1/2 SILICATO F007 INSTRUCCIONES DE USO FINALIDAD Determinación cualitativa del Silicato disuelto en muestra de agua, a través de reacción colorimétrica. Aplicación manual. PRINCIPIO DE ACCIÓN Metodología: Colorimétrica El Sílico soluble reacciona con el Molibdato en medio ácido formando el complejo silicomolibdato de coloración amarilla, cuya intensidad es proporcional a la concentración de Sílico en la muestra. La absorbancia del producto de la reacción debe ser medida en las longitudes de onda entre 405 y 410 nm. REACTIVOS Reactivo Nº 1 - Acidificante - Almacenar entre 15 y 30 C. Contiene Ácido Clorídrico 6,25 N. Corrosivo. Reactivo Nº 2 - Catalizador - Almacenar entre 15 y 30 C. Contiene Molibdato 81 mmol/l (ph 6,0). PRESENTACIÓN Reactivo Volumen Nº 1 3,5 ml Nº 2 3,5 ml EQUIPAMIENTOS E INSUMOS OPERACIONALES Aparatos semi automáticos de bioquímica, reloj o cronómetro, tubos de ensayo, kits. Se encuentran en el mercado especializado de artículos para Laboratorios de Análisis Clínicos. CONDICIONES DE ALMACENAMIENTO Y TRANSPORTE La temperatura de almacenamiento deberá ser entre 15 y 30 C. Mantener al abrigo de la luz y evitar la humedad. CUIDADOS ESPECIALES 1- El reactivo N 1 es corrosivo, portanto manosear con cuidado. El reactivo N 2 puede ocurrir alteraciones (mudanzas de color, formación de precipitados) no indicando contaminación o impropio para uso. 2- Seguir con rigor la metodología propuesta para la obtención de resultados exactos. 3- El agua utilizada en la limpieza del material debe ser reciente e exenta de agentes contaminantes. 4- Se recomienda la aplicación de la ley local, estatal y federal de protección ambiental para la eliminación de reactivos y material biológico se hace de acuerdo con la legislación vigente. 5- Para obtener información relacionada con la seguridad biológica o en caso de accidentes con el producto, consultar la FISPQ (Ficha de Informaciones de la Seguridad de Productos Químicos) disponibles en el site o solicitando a través del SAC (Servicio de Asesoría al Cliente) de Quibasa. MUESTRAS La muestra de agua deionizada debe ser cogida al momento de la determinación. DESCRIPCIÓN DEL PROCESO TÉCNICA Seleccionar la longitud de onda de 405 nm a 410 nm. Tomar 1 (un) tubo de ensayo y proceder como sigue: Agua Deionizada Reactivo Nº 1 Reactivo Nº 2 5,0 ml Homogenizar y esperar 2 minutos. Leer la absorbancia de la muestra frente al blanco de agua deionizada. El color es estable por 20 minutos. CONTROL DE CALIDAD DE AGUA Debe ser una práctica rutinaria del laboratorio clínico, el control de calidad de agua desionizada utilizada en el laboratorio. Uno de los primeros contaminantes emitidos desde la resina de intercambio de iones, cuando se aproxima a la saturación, es la Sílice (Silicato). Entonces sustancias altamente ionizado, lo que aumenta la conductividad y, por consiguiente, reduce la resistividad son liberados. Se sugiere que el agua utilizada en el laboratorio debe tener una conductividad <1microsiemens/cm, la resistividad > 1 megaohm.cm y la concentración de silicatos < 0,10 mg/l. Una alta concentración de Silicato en agua desionizada puede indicar que el desionizador resina de intercambio iónico ya ha alcanzado el punto de saturación y, por lo tanto, hay necesidad de regenerar sus lechos de resina. VALORES DE REFERENCIA La absorbancia de la reacción, se leyeron entre 405 y 410 nm, no debe exceder de 0,010, lo que indica concentraciones de Silicato por encima de 0,10 mg/l. Si se excede la absorbancia, se sugiere la regeneración de resinas de intercambio o de las columnas del desionizador. Si el agua se obtiene por otro proceso, debe someterse a una evaluación para detectar la razón para el alto nivel de sílice. La formación de color amarillo visible en la reacción indica una concentración de silicato mucho mayor a niveles aceptables.

4 DESEMPEÑO DEL PRODUCTO CONTROL DE CALIDAD Español 2/2 Sensibilidad Fue calculada a partir de 20 determinaciones de una muestra de concentración 0 (cero) de Silicato. El promedio 0,0016 mg/l con desvío patrón de 0,0007 mg/l. La sensibilidad, que indica el límite de detección del método, corresponde al promedio más 3 veces el desvío patrón y es igual a 0,0037 mg/l. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1- ASTM - Standard Specifi cacion for Reagents Water. ASTM document D (1991). 2- NCCLS-National Committee for Clinical Laboratory Standards: Preparation and Testing of Reagent Water in the Clinical Laboratory - Third Edition 1997, vol. 17 nr Kaplan, L.A.; Pesce, A.J. - Methods in Clinical Chemistry- Second Edition. St. Louis, Missouri, C.V. Mosby Co., Silicates in Water and Wastewater, Industrial Method Nº W, Technicon Instruments Corporation, Tarrytown, NY (1973). 5- MANNO, B.R.; ABUKHALAF, I.K.; MANNO, J.E. A Sensitive Spectrophotometric Assay for the Measurement of Soluble Silica in Water - Journal of Analytical Toxicology, Volume 21, Number 6, October 1997, pp SIMBOLOGÍA UNIVERSAL GARANTÍA DE CALIDAD Antes de ser liberado para el consumo, todos los reactivos Bioclin son testados por el Departamento de Control de Calidad. La calidad de los reactivos es asegurada hasta la fecha de validad mencionada en el embalaje de presentación, desde que sean almacenados y transportados en las condiciones adecuadas. QUIBASA QUÍMICA BÁSICA Ltda Rua Teles de Menezes, 92 Santa Branca CEP Belo Horizonte MG Brasil Tel.: +55 (31) Fax: +55 (31) CNPJ: / Industria Brasileña ATENDIMIENTO AL CONSUMIDOR Servicio de Asesoría al Cliente Tel.: Producto no es elegible para el registro en la ANVISA. Revisión: Octubre/2014 EC EC REP REP EUROPEA REPRESENTANTE AUTORIZADO EC REP MARCADO CE PROTEGER DEL LUZ Y CALOR EC REP EC REP NO UTILICE SI EL EMBALAJE ESTA DAÑADA

5 English 1/2 SILICATE F007 USAGE INSTRUCTIONS FUNCTION Method for qualitative determination of silicate dissolved in water samples, through colorimetric reactions. Manual appliance. PRINCIPLE OF ACTION Methodology: Colorimetric The soluble silica reacts with molybdate in acid forming silica-molybdate complex of yellow color, whose intensity is proportional to the concentration of silica in the sample. Product absorbance is measured at wavelengths between 405 and 410 nm. REAGENTS Reagent N o 1 - Acidifier - Store between 15 and 30 C. Contains Hydrochloric Acid 6,25N. Corrosive. Reagent N o 2 - Catalyst - Store between 15 and 30 C. Contains Molybdate 81 mmol/l (ph 6,0). PRESENTATION Reagent Volume Nº 1 3,5 ml Nº 2 3,5 ml EQUIPMENTS AND OPERATIONAL INPUTS Semi-automated biochemical devices, watches, stopwatches, test tubes and kits. Can all be found at stores specialized in Laboratories of Clinical Analysis. TRANSPORTATION AND STORAGE CONDITIONS The storage and transportation temperatures should be between 15 to 30 o C. Protect from light and avoid moisture. SPECIAL CARE 1- Reagent N o 1 is corrosive, therefore handle with care. Reagent N o 2 may occur alterations (color shift, formation of precipitates) not indicating contamination or improper for use. 2- Strictly follow the methodology proposed to obtain exact results. 3- Water used in material cleansing must to be recent and free of contaminants. 4- We recommend applying the local, state and federal rules for environmental protection, so that disposal of reagents and biological material can be made in accordance with current legislation. 5- To obtain information related to biosafety or in case of accidents with the product, consult the MSDS (Material Safety Data Sheet) available on the website or upon request by the SAC (Customer Advisory Service) of Quibasa. SAMPLES Deionized water sample must be collected at the moment of determination. PROCESS DESCRIPTION TECHNIQUE Select wavelength between 405 nm to 410 nm. Take 1 (one) test tube and proceed accordingly: Deionized water Reagent Nº 1 Reagent Nº 2 5,0 ml 2 drops 2 drops Homogenize and wait for 2 minutes. Read the sample absorbance against the deionized water blank. The color is stable for 20 minutes. QUALITY CONTROL OF WATER Should be a routine practice of Clinical Laboratory the quality control of deionized water used in the laboratory. One of the fi rst contaminants emitted from the ion exchange resin, when it approaches saturation, is Silica (Silicate). Then highly ionized substances, which increases the conductivity and, consequently, reduces the resistivity are released. It is suggested that the water used in the laboratory must have conductivity < 1 microsiemens/cm, resistivity > 1 megaohm.cm and silicate concentration < 0,10 mg/l. A high concentration of Silicate in deionized water may indicate that the ion exchange resin deionizer already reached the saturation point and, therefore, it is necessary to regenerate its resin beds. REFERENCE VALUES The absorbance of the reaction, read between 405 and 410 nm, should not exceed 0.010, which indicates Silicate concentrations above 0.10 mg/l. If the absorbance is exceeded, it is suggested the regeneration of resins or exchange of the deionizer columns. If water is obtained by another process, it must undergo an evaluation to detect the reason for the high level of silica. The formation of visible yellow color of the reaction indicates higher silicate concentration than acceptable levels.

6 PRODUCT PERFORMANCE QUALITY CONTROL English 2/2 Sensitivity Was calculated from 20 determinations of a sample with 0 (zero) concentration of silicate. The average found of 0,0016 mg/l with standard deviation of 0,0007 mg/l. Sensitivity, that indicates the limits of detection from the method, corresponds the average plus 3 times the standard deviation and is equal to 0,0037 mg/l. BIBLIOGRAPHIC REFERENCES 1- ASTM - Standard Specifi cacion for Reagents Water. ASTM document D (1991). 2- NCCLS-National Committee for Clinical Laboratory Standards: Preparation and Testing of Reagent Water in the Clinical Laboratory - Third Edition 1997, vol. 17 nr Kaplan, L.A.; Pesce, A.J. - Methods in Clinical Chemistry- Second Edition. St. Louis, Missouri, C.V. Mosby Co., Silicates in Water and Wastewater, Industrial Method No W, Technicon Instruments Corporation, Tarrytown, NY (1973). 5- MANNO, B.R.; ABUKHALAF, I.K.; MANNO, J.E. A Sensitive Spectrophotometric Assay for the Measurement of Soluble Silica in Water - Journal of Analytical Toxicology, Volume 21, Number 6, October 1997, pp QUALITY ASSURANCE Before being released for consumption, all Bioclin reagents are tested by the Department of Quality Control. The quality of reagents is assured until expiration date stated on the presentation packaging, when stored and transported under appropriate conditions. QUIBASA QUÍMICA BÁSICA Ltda Rua Teles de Menezes, 92 - Santa Branca CEP Belo Horizonte - MG - Brasil Phone: +55 (31) Fax: +55 (31) CNPJ: / Made in Brazil CUSTOMER SERVICE Customer Advisory Service Phone.: Product not eligible for registration with ANVISA. Review: October/2014

SOLUÇÃO DE LIMPEZA DE CÉLULAS L005 INSTRUÇÕES DE USO

SOLUÇÃO DE LIMPEZA DE CÉLULAS L005 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 SOLUÇÃO DE LIMPEZA DE CÉLULAS L005 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução para a limpeza de aparelhos bioquímicos automáticos. Indicado para: Aparelhos bioquímicos automáticos. Aplicação: A

Leia mais

FLUORETO A006 INSTRUÇÕES DE USO

FLUORETO A006 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FLUORETO A006 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução anticoagulante inibidora da glicólise. Somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO O anticoagulante Fluoreto é formado por

Leia mais

SOLUÇÃO ÁCIDA L003 INSTRUÇÕES DE USO

SOLUÇÃO ÁCIDA L003 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 SOLUÇÃO ÁCIDA L003 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução para a limpeza de aparelhos bioquímicos automáticos. Indicado para: Aparelhos bioquímicos automáticos. Aplicação: A limpeza atua removendo

Leia mais

CITRATO A001 INSTRUÇÕES DE USO

CITRATO A001 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CITRATO A001 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução anticoagulante para testes de coagulação. Somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO O Citrato é utilizado para estudos da

Leia mais

CALIBRADOR HbA1c K092 INSTRUÇÕES DE USO

CALIBRADOR HbA1c K092 INSTRUÇÕES DE USO Português / CALIBRADOR HbAc K09 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Reagente utilizado para monitorar a exatidão e precisão para a determinação quantitativa de hemoglobina Ac (HbAc) em metodologias automatizadas

Leia mais

EDTA A004 INSTRUÇÕES DE USO

EDTA A004 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 EDTA A004 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução anticoagulante para testes em hematologia. Somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO O EDTA (Ácido Etilenodiamino Tetra - Acético)

Leia mais

SOLUÇÃO DE LIMPEZA PARA EQUIPAMENTO SEMI-AUTOMÁTICO L001 INSTRUÇÕES DE USO

SOLUÇÃO DE LIMPEZA PARA EQUIPAMENTO SEMI-AUTOMÁTICO L001 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 SOLUÇÃO DE LIMPEZA PARA EQUIPAMENTO SEMI-AUTOMÁTICO L001 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Solução detergente para a limpeza de cubetas de fluxo contínuo de analisadores bioquímicos semi-automáticos.

Leia mais

TRANSFERRINA K114 INSTRUÇÕES DE USO

TRANSFERRINA K114 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 TRANSFERRINA K114 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação da transferrina em amostras de soro humano. Teste imunoturbidimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

ÍONS SÓDIO AUTOMAÇÃO K132 INSTRUÇÕES DE USO

ÍONS SÓDIO AUTOMAÇÃO K132 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ÍONS SÓDIO AUTOMAÇÃO K132 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa de Sódio em soro humano. Teste enzimático, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

ALBUMINA MONOREAGENTE K040 INSTRUÇÕES DE USO

ALBUMINA MONOREAGENTE K040 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ALBUMINA MONOREAGENTE K040 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Albumina. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

HEMOGLOBINA K023 INSTRUÇÕES DE USO

HEMOGLOBINA K023 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 HEMOGLOBINA K023 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Hemoglobina. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Cianometahemoglobina

Leia mais

FOSFATASE ÁCIDA PROSTÁTICA K018 INSTRUÇÕES DE USO

FOSFATASE ÁCIDA PROSTÁTICA K018 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FOSFATASE ÁCIDA PROSTÁTICA K018 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Fosfatase Ácida Prostática. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

FERRO SÉRICO K017 INSTRUÇÕES DE USO

FERRO SÉRICO K017 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FERRO SÉRICO K017 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do Ferro Sérico Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Goodwin

Leia mais

CALCULO RENAL K 008 INSTRUÇÕES DE USO

CALCULO RENAL K 008 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CALCULO RENAL K 008 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação dos componentes usuais de cálculo renal. Teste somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

FERRO SÉRICO AUTOMAÇÃO K070 INSTRUÇÕES DE USO

FERRO SÉRICO AUTOMAÇÃO K070 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 Português FERRO SÉRICO AUTOMAÇÃO K070 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do Ferro Sérico. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO

Leia mais

BILIRRUBINA K005 INSTRUÇÕES DE USO

BILIRRUBINA K005 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BILIRRUBINA K005 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação da bilirrubina direta e total. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

BILIRRUBINA K005 INSTRUÇÕES DE USO

BILIRRUBINA K005 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BILIRRUBINA K005 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação da bilirrubina direta e total. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

ÍONS CLORO AUTOMAÇÃO K 133 INSTRUÇÕES DE USO

ÍONS CLORO AUTOMAÇÃO K 133 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ÍONS CLORO AUTOMAÇÃO K 133 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa de cloro em soro humano. Teste enzimático, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

BILIRRUBINA K005 INSTRUÇÕES DE USO

BILIRRUBINA K005 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BILIRRUBINA K005 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação da Bilirrubina Direta e Total. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

PROTEÍNA C REATIVA K059 INSTRUÇÕES DE USO

PROTEÍNA C REATIVA K059 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 PROTEÍNA C REATIVA K059 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação quantitativa da Proteína C Reativa (PCR). Teste imunoturbidimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

COLESTEROL LDL DIRETO K088 INSTRUÇÕES DE USO

COLESTEROL LDL DIRETO K088 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 COLESTEROL LDL DIRETO K088 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação de Colesterol LDL. Teste enzimático colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO

Leia mais

FOSFATASE ALCALINA K 019 INSTRUÇÕES DE USO

FOSFATASE ALCALINA K 019 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FOSFATASE ALCALINA K 019 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Fosfatase Alcalina. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

FERRO SÉRICO AUTOMAÇÃO K070 INSTRUÇÕES DE USO

FERRO SÉRICO AUTOMAÇÃO K070 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FERRO SÉRICO AUTOMAÇÃO K070 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do Ferro Sérico. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

MAGNÉSIO MONOREAGENTE K 116 INSTRUÇÕES DE USO

MAGNÉSIO MONOREAGENTE K 116 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 MAGNÉSIO MONOREAGENTE K 116 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do Magnésio. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

FÓSFORO K020 INSTRUÇÕES DE USO

FÓSFORO K020 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FÓSFORO K020 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do Fósforo. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Colorimétrica O

Leia mais

COMPLEMENTO C4 K077 INSTRUÇÕES DE USO

COMPLEMENTO C4 K077 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 COMPLEMENTO C4 K077 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa do Complemento C4 em soros ou plasma humanos. Teste turbidimétrico, somente para uso diagnóstico in

Leia mais

DESIDROGENASE LÁTICA LDH UV K014 INSTRUÇÕES DE USO

DESIDROGENASE LÁTICA LDH UV K014 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 DESIDROGENASE LÁTICA LDH UV K014 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Desidrogenase Lática (LDH). Teste cinético, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE

Leia mais

MINIKIT. 20-500 mg/l Na 2 SO 3 L414350 EN PT ES. Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR

MINIKIT. 20-500 mg/l Na 2 SO 3 L414350 EN PT ES. Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR MINIKIT 20-500 mg/l Na 2 L414350 EN PT ES Sulfite HR Sulfito HR Sulfito HR EN Introduction The Sulfite High Range MINIKIT provides a simple means of checking sulfite levels in water over the range 20-500

Leia mais

GLICOSE MONOREAGENTE K082 INSTRUÇÕES DE USO

GLICOSE MONOREAGENTE K082 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 GLICOSE MONOREAGENTE K082 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Glicose. Teste enzimático colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

COLESTEROL HDL ENZIMÁTICO K015 INSTRUÇÕES DE USO

COLESTEROL HDL ENZIMÁTICO K015 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 COLESTEROL HDL ENZIMÁTICO K015 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do. Teste enzimático colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

BIOLÁTEX ASO K004 INSTRUÇÕES DE USO

BIOLÁTEX ASO K004 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BIOLÁTEX ASO K004 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação qualitativa e semi-quantitativa da Anti-Estreptolisina O mediante aglutinação de partículas de látex, sem diluição

Leia mais

FATOR REUMATÓIDE K058 INSTRUÇÕES DE USO

FATOR REUMATÓIDE K058 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FATOR REUMATÓIDE K058 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação quantitativa do Fator Reumatóide (FR). Teste imunoturbidimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

BILIRRUBINA DIRETA AUTOMAÇÃO K107 INSTRUÇÕES DE USO

BILIRRUBINA DIRETA AUTOMAÇÃO K107 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BILIRRUBINA DIRETA AUTOMAÇÃO K107 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação da Bilirrubina Direta em amostras de soro ou plasma. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico

Leia mais

BIOPROT U/LCR K108 INSTRUÇÕES DE USO

BIOPROT U/LCR K108 INSTRUÇÕES DE USO Português BIOPROT U/LCR K108 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação da proteína total em amostras de urina e líquor. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

MAGNÉSIO K027 INSTRUÇÕES DE USO

MAGNÉSIO K027 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 MAGNÉSIO K027 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do Magnésio. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Mann Yoe. O corante

Leia mais

LIPASE K025 INSTRUÇÕES DE USO

LIPASE K025 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 LIPASE K025 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da atividade da Lipase. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Colorimétrica

Leia mais

WRIGHT CORANTE HEMATOLÓGICO C006 INSTRUÇÕES DE USO

WRIGHT CORANTE HEMATOLÓGICO C006 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 WRIGHT CORANTE HEMATOLÓGICO C006 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para coloração de células de sangue periférico, medula óssea ou para estudo citológico de elementos celulares. Somente

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO LÍQUIDO ESTÁVEL K052 INSTRUÇÕES DE USO

ÁCIDO ÚRICO LÍQUIDO ESTÁVEL K052 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ÁCIDO ÚRICO LÍQUIDO ESTÁVEL K052 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do ácido úrico. Teste enzimático colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE

Leia mais

User s Manual ENGLISH. Manual del Usuario ESPAÑOL. Manual do Usuário PORTUGUES

User s Manual ENGLISH. Manual del Usuario ESPAÑOL. Manual do Usuário PORTUGUES User s Manual ENGLISH M-70-15-0862(02) Manual del Usuario ESPAÑOL Manual do Usuário PORTUGUES USER MANUAL DESCRIPTION PLEASE NOTE! This product is packed sterile (ETO sterilization) and intended for disposal

Leia mais

AMILASE K003 INSTRUÇÕES DE USO

AMILASE K003 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 AMILASE K003 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da atividade da Amilase. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Caraway

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. GESTÃO DA QUALIDADE DE FORNECEDORES ÁGUA REAGENTE Ana Paula Lima 2 Fornecedores O Sistema de Gestão da Qualidade do laboratório deve contemplar o fornecimento

Leia mais

PROTEÍNAS TOTAIS K031 INSTRUÇÕES DE USO

PROTEÍNAS TOTAIS K031 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 PROTEÍNAS TOTAIS K031 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação das Proteínas Totais. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

URÉIA ENZIMÁTICA K047 INSTRUÇÕES DE USO

URÉIA ENZIMÁTICA K047 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 URÉIA ENZIMÁTICA K047 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Uréia. Teste enzimático colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

CK NAC UV K010 INSTRUÇÕES DE USO

CK NAC UV K010 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CK NAC UV K010 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da creatina quinase (CK). Teste cinético, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Cinética

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade Versão: 1 Pg: 1/5 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 DE ACORDO Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 APROVADO POR Dr. Renato

Leia mais

Kit Tecsystem for MVW-01. Kit Tecsystem para MVW-01. Kit Tecsystem Installation, Configuration and Operation Guide

Kit Tecsystem for MVW-01. Kit Tecsystem para MVW-01. Kit Tecsystem Installation, Configuration and Operation Guide Kit Tecsystem for MVW0 Kit Tecsystem para MVW0 Kit Tecsystem Installation, Configuration and Operation Guide Kit Tecsystem Guía de Instalación, Configuración y Operación Kit Tecsystem Guia de Instalação,

Leia mais

MICROALBUMINÚRIA K078 INSTRUÇÕES DE USO

MICROALBUMINÚRIA K078 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 MICROALBUMINÚRIA K078 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa da microalbumina na urina humana por análise de turbidimetria, somente para uso diagnóstico in vitro.

Leia mais

BIOPROT U/LCR K108 INSTRUÇÕES DE USO

BIOPROT U/LCR K108 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BIOPROT U/LCR K108 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação da Proteína Total em amostras de urina e líquor. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

CREATININA K016 INSTRUÇÕES DE USO

CREATININA K016 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CREATININA K016 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da creatinina. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Jaffe modificado.

Leia mais

ANTI ESTREPTOLISINA O K057 INSTRUÇÕES DE USO

ANTI ESTREPTOLISINA O K057 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ANTI ESTREPTOLISINA O K057 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação quantitativa da Anti-Estreptolisina O (ASO). Teste imunoturbidimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro.

Leia mais

CREATININA CINÉTICA K067 INSTRUÇÕES DE USO

CREATININA CINÉTICA K067 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CREATININA CINÉTICA K067 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Creatinina. Teste cinético colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

FOSFATASE ALCALINA CINÉTICA K021 INSTRUÇÕES DE USO

FOSFATASE ALCALINA CINÉTICA K021 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FOSFATASE ALCALINA CINÉTICA K021 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Fosfatase Alcalina. Teste cinético, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

FÓSFORO UV K068 INSTRUÇÕES DE USO

FÓSFORO UV K068 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FÓSFORO UV K068 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do Fósforo. Teste UV de Ponto Final, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: UV de Ponto

Leia mais

ROTAVÍRUS K075 INSTRUÇÕES DE USO

ROTAVÍRUS K075 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ROTAVÍRUS K075 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Teste rápido para determinação do antígeno viral do grupo Rotavírus, baseado na aglutinação direta das partículas de látex. Somente para uso diagnóstico

Leia mais

Design: Pedro Sottomayor ERGOS

Design: Pedro Sottomayor ERGOS Design: Pedro Sottomayor ERGOS ERGOS Classroom A cadeira e a mesa ERGOS foram desenhadas para oferecer uma resistência e estabilidade excepcionais. A mesa ERGOS é um óptimo complemento da cadeira ERGOS,

Leia mais

FERRITINA K081 INSTRUÇÕES DE USO

FERRITINA K081 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 FERRITINA K081 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação quantitativa da Ferritina em soro, em sistemas fotométricos. Teste imunológico turbidimétrico, somente para uso em diagnóstico

Leia mais

PROTEÍNAS TOTAIS MONOREAGENTE K031 INSTRUÇÕES DE USO

PROTEÍNAS TOTAIS MONOREAGENTE K031 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 PROTEÍNAS TOTAIS MONOREAGENTE K031 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação das Proteínas Totais. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO

Leia mais

TRANSAMINASE AST (TGO) CINÉTICA K048 INSTRUÇÕES DE USO

TRANSAMINASE AST (TGO) CINÉTICA K048 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 TRANSAMINASE AST (TGO) CINÉTICA K048 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Aspartato Amino Transferase (AST ou TGO). Teste cinético, somente para uso diagnóstico in vitro.

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso.

ÁCIDO ÚRICO. REAGENTES Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. ÁCIDO ÚRICO Primary Inject (A): Reagente de Cor O reagente está pronto para uso. Aconselhamos a leitura das Instruções de Uso. # Usar os calibrador protéico da Katal. Verificar os parâmetros da aplicação

Leia mais

ÍONS LÍTIO AUTOMAÇÃO K 134 INSTRUÇÕES DE USO

ÍONS LÍTIO AUTOMAÇÃO K 134 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ÍONS LÍTIO AUTOMAÇÃO K 134 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa de lítio em soro humano. Teste enzimático, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

BODY FIT MASSAGEADOR CORPORAL HC004

BODY FIT MASSAGEADOR CORPORAL HC004 BODY FIT MASSAGEADOR CORPORAL MASAJEADOR CORPORAL HC004 MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUCIONES 02_2015 MANUAL PORTUGUÊS 2 Parabéns! Você acaba de adquirir um produto da Serene. A Serene proporciona

Leia mais

IMUNOGLOBULINA M K063 INSTRUÇÕES DE USO

IMUNOGLOBULINA M K063 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 IMUNOGLOBULINA M K063 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para determinação da IgM. Teste imunoturbidimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia: Imunoturbidimetria

Leia mais

CK MB UV K069 INSTRUÇÕES DE USO

CK MB UV K069 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CK MB UV K069 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Creatina Quinase (CK) fração MB. Teste cinético, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

SRW 01-HMI. Remote Keypad (HMI) HMI Remoto HMI Remota. Installation Guide Guía de Instalación Guia de Instalação. English / Español / Português

SRW 01-HMI. Remote Keypad (HMI) HMI Remoto HMI Remota. Installation Guide Guía de Instalación Guia de Instalação. English / Español / Português Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Remote Keypad (HMI) HMI Remoto HMI Remota SRW 01-HMI Installation Guide Guía de Instalación Guia de Instalação English / Español / Português

Leia mais

CHECK DEVICE TRANSPONDER RF REF REF REF 10292

CHECK DEVICE TRANSPONDER RF REF REF REF 10292 IT/EN/ES/PT 1/6 CHECK DEVICE TRANSPONDER RF Prodotto da/manufactured by/fabricado por: DIESSE Diagnostica Senese SpA Via delle Rose 10 53035 Monteriggioni (Siena) - Italy Modifiche introdotte nella revisione

Leia mais

w w w. c e n t r o p a c k. p t c o m e r c i a c e n t r o p a c k. p t

w w w. c e n t r o p a c k. p t c o m e r c i a c e n t r o p a c k. p t w w w. c e n t r o p a c k. p t c o m e r c i a l @ c e n t r o p a c k. p t O prestígio reconhece-se no primeiro olhar El prestigio se reconoce a primera vista Centropack A N G O L A Um olhar para o

Leia mais

GLICOSE MONOREAGENTE K082 INSTRUÇÕES DE USO

GLICOSE MONOREAGENTE K082 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 GLICOSE MONOREAGENTE K082 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Glicose. Teste enzimático colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO Metodologia:

Leia mais

DENGUE NS1 K130 INSTRUÇÕES DE USO

DENGUE NS1 K130 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 DENGUE NS1 K130 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Teste imunocromatográfico rápido de triagem para determinação qualitativa de antígeno NS1 para o vírus da Dengue em amostras de sangue total,

Leia mais

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO)

MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) MF-0427.R-2 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL (DIGESTÃO COM HNO 3 + HClO 4 E REAÇÃO COM MOLIBDATO DE AMÔNIO E ÁCIDO ASCÓRBICO) Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 0424, de 24 de fevereiro

Leia mais

TRANSAMINASE TGO K034 INSTRUÇÕES DE USO

TRANSAMINASE TGO K034 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 TRANSAMINASE TGO K034 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Transaminase Oxalacética (AST ou TGO). Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

BILIRRUBINA CALIBRAÇÃO K006 INSTRUÇÕES DE USO

BILIRRUBINA CALIBRAÇÃO K006 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 BILIRRUBINA CALIBRAÇÃO K006 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Reagente para calibração da Bilirrubina. Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO DE AÇÃO O Padrão utilizado

Leia mais

Dispensadores seguros e modulares para uma etiquetagem conveniente e eficaz dos fármacos.

Dispensadores seguros e modulares para uma etiquetagem conveniente e eficaz dos fármacos. sociedades científicas de anestesia. Adoptado e Recomendado pelas mais importantes Sociedades de Anestesiologia. European Patent N. EP2256045 Cartucho Dispensador Modular Seguro para un conveniente y efectivo

Leia mais

ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE K139 INSTRUÇÕES DE USO

ÁCIDO ÚRICO MONOREAGENTE K139 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ÁCID ÚRIC MNREAGENTE K139 INSTRUÇÕES DE US FINALIDADE Método para a determinação do Ácido Úrico. Teste enzimático colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPI DE AÇÃ Metodologia:

Leia mais

ANATEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

ANATEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES GERÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO E NUMERAÇÃO www.anatel.gov.br Visão geral do processo de certificação e homologação de produtos para telecomunicações no Brasil Lei

Leia mais

ÍONS LÍTIO AUTOMAÇÃO K134 INSTRUÇÕES DE USO

ÍONS LÍTIO AUTOMAÇÃO K134 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 ÍONS LÍTIO AUTOMAÇÃO K134 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa de lítio em soro humano. Teste enzimático, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

Especificações terra. Pre-Roll (Mobile) Copyright 2012, Terra Networks Brasil S.A. Última atualização 16/10/2015

Especificações terra. Pre-Roll (Mobile) Copyright 2012, Terra Networks Brasil S.A. Última atualização 16/10/2015 Pre-Roll (Mobile) Última atualização 16/10/2015 Especificação do formato O vídeo anúncio pre-roll é exibido antes do vídeo de conteúdo de acordo com a frequência pré-definida no canal. O vídeo anúncio

Leia mais

4. Reagentes e Metodologia Analítica

4. Reagentes e Metodologia Analítica 4. Reagentes e Metodologia Analítica 4.1. Reagente para os testes de oxidação Os reagentes P.A empregados durante os testes de oxidação foram: KCN (Merck) NaOH (Vetec) H 2 SO 4 (Vetec) H 2 O 2 (Peróxidos

Leia mais

Vectores. Sentido de un vector. (origen) al punto B (extremo). Dirección de un vector

Vectores. Sentido de un vector. (origen) al punto B (extremo). Dirección de un vector Vectores Un vector fijo es un segmento orientado que va del punto A (origen) al punto B (extremo). Elementos de un vector Dirección de un vector La dirección del vector es la dirección de la recta que

Leia mais

POLYPLAY MASTER INSTRUÇÕES DE MONTAGEM INSTRUCCIONES DE MONTAJE/ASSEMBLE INSTRUCTION. Ref.: 0957.7

POLYPLAY MASTER INSTRUÇÕES DE MONTAGEM INSTRUCCIONES DE MONTAJE/ASSEMBLE INSTRUCTION. Ref.: 0957.7 Com a adição de mais Polyplays ao seu, ele pode tomar a forma que você quiser. Conheça todos os modelos de Polyplays: Super, Master e Mega. Depois disso, sua imaginação é que dita as regras. Super Master

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

SÓDIO ENZIMÁTICO. 01 Português - Ref.: 124. Ref.:124 MS Instruções de Uso. Finalidade. Princípio. Precauções e cuidados especiais

SÓDIO ENZIMÁTICO. 01 Português - Ref.: 124. Ref.:124 MS Instruções de Uso. Finalidade. Princípio. Precauções e cuidados especiais SÓDIO ENZIMÁTICO Instruções de Uso Ref.:24 MS 000900230 Finalidade. Sistema para determinação quantitativa do íon sódio em amostras de soro, por reação enzimática, em modo cinético. [Somente para uso diagnóstico

Leia mais

A product by. Porque merecen lo mejor. Porque merecem o melhor

A product by. Porque merecen lo mejor. Porque merecem o melhor A product by Porque merecen lo mejor Porque merecem o melhor Calidad/Qualidade Nuestro departamento de I+D perfecciona constantemente nuestros productos para satisfacer a todos nuestros clientes. Nuestros

Leia mais

Bibag. Fresenius Medical Care Ltda 650 G/ 700 G/ 900 G/ 950 G

Bibag. Fresenius Medical Care Ltda 650 G/ 700 G/ 900 G/ 950 G Bibag Fresenius Medical Care Ltda Pó 650 G/ 700 G/ 900 G/ 950 G MODELO DE BULA (Profissionais de saúde) BIBAG bicarbonato de sódio APRESENTAÇÃO E FORMA FARMACÊUTICA Bolsa de polietileno com 650g, 700g,

Leia mais

Enclosure Size 2 Ventilation Kit. Kit Ventilación para Tamaño 2. Kit Ventilação para Mecânica 2. Installation Guide. Guia de Instalación

Enclosure Size 2 Ventilation Kit. Kit Ventilación para Tamaño 2. Kit Ventilação para Mecânica 2. Installation Guide. Guia de Instalación Enclosure Size 2 Ventilation Kit Kit Ventilación para Tamaño 2 Kit Ventilação para Mecânica 2 Installation Guide SSW-07 / SSW-08 English / Español / Português Document: 0899.5542 / 02 Guia de Instalación

Leia mais

Energia e Sustentabilidade A Eficiência Energética na Indústria

Energia e Sustentabilidade A Eficiência Energética na Indústria Energia e Sustentabilidade A Eficiência Energética na Indústria Henrique Matos Associate Professor with Habiliation (henrimatos@tecnico.ulisboa.pt) CERENA / Chemical Eng. Department / IST/ ULisboa Instrumentos

Leia mais

Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União e permanecerá em vigor até 30 de abril de 2011.

Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União e permanecerá em vigor até 30 de abril de 2011. Resolução ANP Nº 18 DE 24/03/2011 (Federal) Data D.O.: 25/03/2011 O Diretor-Geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS PROCEDIMENTOS PRÉ-ANALÍTICOS NA DETERMINAÇÃO

INFLUÊNCIA DOS PROCEDIMENTOS PRÉ-ANALÍTICOS NA DETERMINAÇÃO INFLUÊNCIA DOS PROCEDIMENTOS PRÉ-ANALÍTICOS NA DETERMINAÇÃO DE GLICOSE NO SORO INFLUENCE OF PRE-ANALYTICAL PROCEDURES FOR THE DETERMINATION OF GLUCOSE IN SERUM INFLUENCIA DE LA PRE-ANALÍTICOS PROCEDIMIENTOS

Leia mais

α1 Glicoproteína Ácida Mono

α1 Glicoproteína Ácida Mono α1 Glicoproteína Ácida Mono Artigo 4080050K 4080100K Apresentação 2 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de α1 Glicoproteína Ácida 4 x 25 ml + 1 x 1 ml padrão de α1 Glicoproteína Ácida Protocolo de Automação - DIMENSION

Leia mais

Lista de Exercícios 8 Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 8 Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 8 Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) What is the ph of the buffer solution that contains 2,2 g of NH 4 Cl in 250 ml of 0,12M NH 3? Is the final ph lower or higher than

Leia mais

Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA

Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA Linha LumiQuest QUIMIOLUMINESCÊNCIA ao alcance do seu laboratório A Labtest, maior indústria brasileira de diagnósticos in vitro, traz mais uma inovação para o mercado.

Leia mais

Third Party Relationships: Auditing and Monitoring

Third Party Relationships: Auditing and Monitoring Third Party Relationships: Auditing and Monitoring October 3, 2012 3 de octubre del 2012 Agenda Speakers On-going monitoring of third party relationship On-site audits/ distributor reviews Questions &

Leia mais

Home Collection. Metamorfose COLEÇÃO

Home Collection. Metamorfose COLEÇÃO Home Collection COLEÇÃO 2015/2016 A nova coleção 2015/2016 de tecidos para decoração traz referências para instigar transformação. Esta renovação também está presente nos bons momentos de decorar e reformular

Leia mais

MICROALBUMINÚRIA K078 INSTRUÇÕES DE USO

MICROALBUMINÚRIA K078 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 MICROALBUMINÚRIA K078 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação quantitativa da Microalbumina na urina humana por análise de turbidimetria, somente para uso diagnóstico in vitro.

Leia mais

60 Hz e 1750 rpm

60 Hz e 1750 rpm Manual de Curvas Características / Performance Curves Booklet / Manual de Curvas Características Nº A2740/42/44.1P/E/S/7 KSB Meganorm KSB Megabloc KSB Megachem KSB Megachem V Bomba centrífuga com corpo

Leia mais

ÍNDICE ÍNDICE RECUPERADORES SÉRIE CLÁSSICA RECUPERADORES SERIE CLÁSICA RECUPERADORES SÉRIE VISÃO RECUPERADORES SERIE VISIÓN

ÍNDICE ÍNDICE RECUPERADORES SÉRIE CLÁSSICA RECUPERADORES SERIE CLÁSICA RECUPERADORES SÉRIE VISÃO RECUPERADORES SERIE VISIÓN RECUPERADORES DE CALOR A Termofoc é uma empresa especializada no fabrico de soluções de decoração e aquecimento a biomassa. Com mais de 15 anos de experiência no mercado, a Termofoc possui uma vasta oferta

Leia mais

COLESTEROL HDL ENZIMÁTICO K015 INSTRUÇÕES DE USO

COLESTEROL HDL ENZIMÁTICO K015 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 COLESTEROL HDL ENZIMÁTICO K015 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação do Colesterol HDL. Teste enzimático colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro. PRINCÍPIO

Leia mais

ISO Produção e Preparo de Meios de Cultura ABRAPA. Jorge Salim Conrado Nascimento Microbiologia, Higiene e Microscopia Merck Brasil

ISO Produção e Preparo de Meios de Cultura ABRAPA. Jorge Salim Conrado Nascimento Microbiologia, Higiene e Microscopia Merck Brasil ISO 11.133 - Produção e Preparo de Meios de Cultura ABRAPA Jorge Salim Conrado Nascimento Microbiologia, Higiene e Microscopia Merck Brasil PROGRAMA Definições Preliminares CONCEITOS, TENDÊNCIAS E NOVA

Leia mais

CAPACIDADE LIGADORA DE FERRO K009 INSTRUÇÕES DE USO

CAPACIDADE LIGADORA DE FERRO K009 INSTRUÇÕES DE USO Português 1/2 CAPACIDADE LIGADORA DE FERRO K009 INSTRUÇÕES DE USO FINALIDADE Método para a determinação da Capacidade Ligadora de Ferro Teste colorimétrico, somente para uso diagnóstico in vitro PRINCÍPIO

Leia mais

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR

KATAL. BTS 302 a 310 BioSystems ACIDO URICO. SAC INTERTECK KATAL : (_11) LOCALIDAD...* PUNTO FINAL COM ESTANDAR ACIDO URICO : mg/dl MODO LECTURA : MONOCROMÁTICA : 546nm TIEMPO ESTABIL. : 1 VOL.ASP. :800 TIPO DE REACCION : CRESCIENTE ESTANDAR : * Reagente de trabalho: Pronto para uso. Estabilidade: 18 meses, se armazenado

Leia mais

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO POP

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO PADRÃO POP 1 Objetivo Determinar a concentração de íons s através das técnicas de íon seletivo 2 Aplicação Página 1 de 6 Este Método é aplicável a água potável,águas (superficiais e subterrâneas), e efluentes(domésticos

Leia mais