RENDA FIXA TESOURO DIRETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RENDA FIXA TESOURO DIRETO"

Transcrição

1 DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando a tendência de queda da expectativa de inflação para este ano e o próximo, os desdobramentos das medidas fiscais e as incertezas da economia mundial impactando a curva de juros. No ambiente externo, nosso cenário contempla o juro americano subindo este ano, com novas altas no próximo ano. Acreditamos que a carteira de títulos públicos para os próximos trinta dias deve conter 80% dos novos recursos em Tesouro IPCA (vencimento em 2019) e 20% em títulos pós-fixados (Tesouro Selic). A exposição nula em prefixado deve-se a falta de prêmio contido nestes títulos frente a nossa expectativa de taxa de juros para os próximos anos. Cenário Macroeconômico A eleição do candidato republicano Donald Trump nos EUA alterou significativamente a nossa perspectiva sobre condução da política monetária que deve ser adotada pelo Fed, que deve subir juros ainda esta semana. Para as economias emergentes, esta normalização dos juros nos EUA vai colocar pressão sobre câmbio e juros, o que nos levou a revisar a nossa projeção da Selic de 2017 para 11% (de 10,50%). Entretanto, dada a evolução de algumas variáveis no cenário interno, acreditamos que o Bacen deve intensificar os cortes de juros em Janeiro (-0,50p.p.) e Fevereiro (-0,75p.p.). Uma melhora significativa na inflação aliada a uma recuperação da atividade econômica mais lenta do esperado bem como às expectativas de inflação futura ancoradas próximo à meta de 4,5% justificam tal intensificação. De fato, o próprio Bacen aponta para a intensificação dos cortes em janeiro e utiliza a lenta recuperação da atividade econômica como justificativa para mitigar os efeitos adversos dos riscos negativos do atual cenário. Isto só reforça a nossa expectativa de um corte de 0,50 p.p. em janeiro, dado que acreditamos que a recuperação da economia deve ser realmente muito lenta (prevemos que 2017 deve mostrar um decrescimento de 0,2% no PIB). Projeções Econômicas Ano 2016E 2017E Crescimento Real do PIB (%) -3,5% -0,2% Taxa de câmbio - Final (R$/US$) 3,35 3,70 IPCA (% aa) 6,9% 5,0% Meta SELIC - Final (%) 13,75% % Dívida Bruta total (% do PIB) 69,8% 78,6% Fonte: Bradesco Corretora

2 CARTEIRA RECOMENDADA Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando a tendência de queda da expectativa de inflação para este ano e o próximo, os desdobramentos das medidas fiscais e as incertezas da economia mundial impactando a curva de juros. No ambiente externo, nosso cenário contempla o juro americano subindo este ano, com novas altas no próximo ano. Para a composição da carteira, o principal fator de risco no mercado interno continua sendo a incerteza em relação a questão fiscal e no mercado externo o juro americano. Com o possível adiamento da recuperação econômica, concomitante a queda da expectativa da inflação e a manutenção do elevado patamar do juro real, continuamos alocando um percentual maior para os títulos indexados à inflação, com juro real próximo de 6% e vencimento curto (2019). Para os próximos 30 dias mantivemos uma porcentagem elevada da carteira em títulos indexados à inflação e uma pequena parcela em pós-fixados. Acreditamos que a carteira de títulos públicos para os próximos trinta dias deve conter 80% dos novos recursos em Tesouro IPCA (vencimento em 2019) e 20% em títulos pós-fixados (Tesouro Selic). A exposição nula em prefixado deve-se a falta de prêmio contido nestes títulos frente a nossa expectativa de taxa de juros para os próximos anos. MACRO-OVERVIEW A eleição do candidato republicano Donald Trump nos EUA alterou significativamente a nossa perspectiva sobre condução da política monetária que deve ser adotada pelo Fed. Se antes não acreditávamos que o Fed subiria juros neste ou no próximo ano, agora já esperamos um ciclo de normalização da política monetária começando nesta semana. Isto porque, embora seja cedo para dizer qual será o rumo da política fiscal de Trump, é um consenso que ele deve adotar medidas de estímulo econômico com base em expansão fiscal, tornando factível um processo de normalização dos juros nos EUA. Para as economias emergentes, a normalização dos juros nos EUA vai colocar pressão sobre câmbio e juros, reduzindo o espaço para a realização de um profundo ciclo de afrouxamento monetário. Com isto, revisamos a nossa projeção da Selic de 2017 para 11% (de 10,50%). Entretanto, dada a evolução de algumas variáveis no cenário interno, acreditamos que o Bacen deve intensificar os cortes de juros em Janeiro (-0,50p.p.) e Fevereiro (-0,75p.p.), encurtando a duração do ciclo de cortes na Selic (para chegar aos mesmos 11%). Sinais mais contundentes de melhora na inflação, fracos dados de atividade (que sugerem uma recuperação mais lenta do que o previamente esperado) e expectativas de inflação futura ancoradas próximo ao centro da meta de 4,5% justificam uma intensificação no corte de juros. Os últimos anúncios do próprio Bacen sinalizam justamente para esta direção. Em seu balanço de riscos, os maiores entraves sinalizados pela instituição continuam sendo o cenário externo e os riscos relativos a implementação do ajuste fiscal, cujo caminho é longo e incerto. De fato, acreditamos que o governo terá uma maior dificuldade (mas ainda assim ele deve ter sucesso) em aprovar as medidas da reforma da previdência do que ele teve com a aprovação da PEC dos gastos. Contudo, o Bacen parece mitigar muitos destes riscos negativos ao repetir que a fraca atividade econômica tem um efeito final na redução da inflação que se sobrepõe aos efeitos adversos dos riscos supracitados. Tal argumento também nos leva a crer na intensificação dos cortes, uma vez que esperamos que 2017 seja mais um ano de atividade pífia (-0,2%), marcando o terceiro ano consecutivo de recessão no Brasil.

3 Renda Fixa Títulos Públicos No último relatório disponível, as vendas do Tesouro Direto em Outubro/2016 atingiram R$1.885 milhões, enquanto os resgates totalizaram R$662 milhões. Os títulos remunerados por índices de preços responderam pelo maior volume emitido, alcançando 60% do total. Na sequência, aparecem os títulos indexados a Selic, com participação de 22% e por fim, os títulos prefixados, com 18%. O estoque do Tesouro Direto alcançou R$36,62 bilhões, como uma alta de 4,1% em relação ao mês anterior. Títulos públicos disponíveis para compra Posição em Indexados ao IPCA Tesouro IPCA (NTNB Princ) 15/05/2019 6,03 Tesouro IPCA (NTNB Princ) 15/08/2024 6,11 Tesouro IPCA (NTNB Princ) 15/05/2035 6,05 Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2026 (NTNB) 15/08/2026 6,12 Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035 (NTNB) 15/05/2035 6,05 Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTNB) 15/08/2050 6,01 Prefixados Tesouro Prefixado 2019 (LTN) 01/01/ ,40 Tesouro Prefixado 2023 (LTN) 01/01/ ,05 Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2027 (NTNF) 01/01/ ,89 Indexados à Taxa Selic Título Taxa de Rendimento (% a.a.) Tesouro Selic 2021 (LFT) 01/03/2021 0,04 Atualizado em: 09:41 Fonte: Tesouro Nacional Evolução dos Principais Indicadores nos Últimos 30 Dias Curva DI Futuro (em %) BM&F A curva de juros nos últimos 30 dias refletiu principalmente o cenário político local, a queda nas expectativas de crescimento do Brasil e os dados de inflação melhores que o esperado. Os vencimentos mais curtos recuaram mais em virtude de um quadro inflacionário melhor do que anteriormente esperado, com isso o mercado acredita que existe mais espaço para cortes de juros. Aliado a isso, diversos agentes do mercado já apontam recessão em 2017 e a tendência de cortes nas expectativas de crescimento para o próximo ano está acelerando. No cenário externo, a correlação da curva local com os movimentos dos juros internacionais se amenizou. 14,00 13,75 13,50 13,25 12,75 12,25 11,75 11,25 jan-17 jul-17 jan-18 jul-18 jan-19 jul-19 jan-20 jul-20 jan-21 jul-21 10/10/ /11/ /12/2016 Fonte: Bloomberg

4 No mês de Novembro, o montante leiloado pelo Tesouro Nacional foi 51% inferior ao mês de outubro, com destaque para queda dos títulos prefixados mais longos (NTN-Fs), -78%. Por conta da alta volatilidade das taxas dos títulos públicos ao longo do mês, o Tesouro realizou dois leilões de recompra de NTN-Fs para prover liquidez aos detentores dos títulos e evitar ainda mais volatilidade. Vale destacar também o recuo no estoque de LCIs e LCAs em novembro na ordem de R$1,8 bilhão em razão da falta de lastro dos bancos para renovação dessas aplicações. Em contrapartida os CRAs, que também são títulos isentos, apresentaram aumento de R$1,3 bilhão. Ativos Financeiros R$ Milhões Outubro Novembro Var. Leilões de Títulos Públicos (Total) ,5% LTN ,1% Taxa Média (vencimento 2020) 11,35% 11,70% NTN-F ,5% Taxa Média (vencimento 2023) 11,13% 11,53% NTN-B ,7% Taxa Média (vencimento 2021) 5,92% 6,14% LFT ,4% CETIP Estoque CDB CDI Cotas de Fundos Debêntures Letra Financeira LCIs e LCAs ² CRIs CRAs Outubro Novembro Rent. Nov. Poupança SBPE Captação Líquida ,66% ¹ Posição na quinta-feira # Principais Ativos ² Cetip O destaque de inflação foi a divulgação do IPCA de novembro, que desacelerou para 0,18% em comparação a 0,26% de outubro, ficando abaixo da mediana das estimativas de mercado que apontava alta de 0,27%. Nos últimos doze meses o indicador mostra alta de 6,99% contra 7,87% do mês anterior e acumula alta de 5,97% em As surpresas ficaram por conta de uma queda mais intensa que o esperado de alimentos e bebidas (-0,20%) e artigos de residência (-0,16%). Serviços, por sua vez, apresentou alta de 0,41%, porém mostra uma melhora importante no curto prazo. Essa melhora da inflação mais forte que o esperado deve refletir na convergência da inflação de longo prazo em (4,5%) mais rapidamente. Expectativa de Mercado para IPCA ao final de 2016 e ,8 7,5 7, ,9 6,6 6,3 6,0 5,7 5,4 5,1 4,8 4,5 jan-15 mar-15 mai-15 jul-15 set-15 nov-15 jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 Fonte: Boletim Focus, Banco Central

5 Curvas de Títulos Públicos As curvas dos títulos públicos oscilaram intensamente nos últimos 30 dias e fecharam o período em queda. Nos primeiros quinze dias, a curva ficou bastante correlacionada com a aversão ao risco internacional após as eleições norte americanas, especialmente os vencimentos mais longos. Nota-se movimentos bruscos das curvas prefixadas a partir do começo de novembro. Logo após esse período, ocorreu uma reversão em relação ao gatilho que provoca oscilações na curva, que passou a ser interno e, mais especificamente em relação ao sucesso da aprovação, ou não, dos ajustes fiscais. Ou seja, se aumenta o otimismo em relação ao ajuste, o mercado acredita que há mais espaços para corte de juros e a curva cai, caso contrário, sobe. As NTN-Bs, que pagam juros reais além da inflação, apresentaram um recuo nas taxas extremamente forte a partir do meio do mês (principalmente os mais curtos), isso em razão da melhora das expectativas do quadro inflacionário de curto prazo. Acreditamos que daqui pra frente o cenário político deve ser o principal driver de volatilidade nas taxas dos títulos mais longos, porém, se a expectativa de inflação e de crescimento continuar recuando pode haver mais espaço para corte da Selic. 14,00 LTN 13,50 Evolução das Taxas -LTN 18 e LTN 22 13,50 Rendimento (Pré-fixado) jan-17 mai-17 set-17 jan-18 mai-18 set-18 jan-19 mai-19 set-19 jan nov nov dez-16 jun-16 jul-16 ago-16 set-16 out-16 nov-16 dez-16 BLTN 0 01/01/18 LTN ,50 NTN-B 6,75 Evolução das Taxas -NTN-B 19 e NTN-B50 6,50 Rendimento (IPCA + %) 6,25 6,00 6,25 6,00 5,75 5,75 ago-18 ago-19 ago-20 ago-21 ago-22 ago-23 ago-24 ago-25 ago nov nov dez-16 5,50 jun-16 jul-16 ago-16 set-16 out-16 nov-16 dez-16 NTN-B 2019 NTN-B ,25 NTN-F Evolução das Taxas -NTN-F 23 e NTN-F 27 Rendimento (Pré-fixado) 13,75 13,25 12,75 12,25 11,75 11,25 jan-17 mar-18 mai-19 jul-20 set-21 nov-22 jan-24 mar-25 mai-26 10/nov/16 25/nov/16 12/dez/16 12,75 12,25 11,75 11,25 jun-16 jul-16 ago-16 set-16 out-16 nov-16 dez-16 NTN-F 2023 NTN-F 2027 Fonte: Anbima e Bloomberg

6 Rentabilidade dos Títulos Públicos Posição em Rentabilidade Bruta (%) Títulos Últ. Mês 30 dias anterior No ano 12 meses Prefixados Tesouro Prefixado 01/01/2017 1,02 1,03 14,79 15,82 Tesouro Prefixado 01/01/2018 1,44 1,06 20,17 20,82 Tesouro Prefixado 01/01/2019 1,89 0, Tesouro Prefixado 01/01/2021 1,98-1,29 35,29 32,59 Tesouro Prefixado 01/01/2023 1,8-2, Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 01/01/2017 1,03 1,03 14,75 15,8 Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 01/01/2021 1,74-0,86 30,02 27,64 Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 01/01/2023 1,8-1,76 34,65 30,87 Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 01/01/2025 1,45-2,22 38,51 34,01 Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 01/01/2027 1,96-2,2 - - Indexados à Taxa Selic Tesouro Selic 07/03/2017 1,03 1,04 13,15 13,98 Tesouro Selic 01/03/2021 0,87 0,87 12,77 13,61 Indexados ao IGPM Tesouro IGPM+ com Juros Semestrais 01/07/2017 0,71 0,54 12,94 13,85 Tesouro IGPM+ com Juros Semestrais 01/04/2021 0,96-0,42 17,22 19,17 Tesouro IGPM+ com Juros Semestrais 01/01/2031 0,42-2,13 23,48 23,71 Indexados ao IPCA Tesouro IPCA+ 15/05/2019 1,12 0,48 16,11 18,55 Tesouro IPCA+ 15/08/2024 1,17-0,79 22,56 24,03 Tesouro IPCA+ 15/05/2035-0,9-5,55 38,61 37,67 Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/05/2017 0,86 0,72 12,86 14,24 Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/08/2020 1,04 0,05 16,45 18,95 Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/08/2024 1,07-0,55 19,93 21,65 Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/08/2026 1,22-0, Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/05/2035 0,14-2,8 26,55 27,31 Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/05/2045-0,49-4,09 28,74 27,36 Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 15/08/2050-0,31-4,75 28,7 27,39 Fonte: Tesouro Nacional

7 DISCLAIMER Este relatório foi preparado pelas equipes de análise de investimentos da Ágora Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. ( Ágora ) bem como da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários ( Bradesco Corretora ), sociedades controladas pelo Banco Bradesco BBI S.A. ( BBI ). O presente relatório se destina ao uso exclusivo do destinatário, não podendo ser, no todo ou em parte, copiado, reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Ágora e da Bradesco Corretora. Este relatório é distribuído somente com o objetivo de prover informações e não representa uma oferta de compra e venda ou solicitação de compra e venda de qualquer instrumento financeiro. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data em que este relatório foi publicado. Entretanto, as informações aqui contidas não representam por parte da Ágora ou da Bradesco Corretora garantia de exatidão dos dados factuais utilizados. As opiniões, estimativas, projeções e premissas relevantes contidas neste relatório são baseadas em julgamento do(s) analista(s) de investimento, envolvido(s) na elaboração deste relatório ( analistas de investimento ) e são, portanto, sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado. Declarações nos termos do art. 17 da Instrução CVM 483: O(s) analista(s) de investimento declara(m) que as opiniões contidas neste relatório refletem exclusivamente suas opiniões pessoais sobre os títulos públicos e seus emissores e foram elaboradas de forma independente e autônoma, inclusive em relação à Ágora, à Bradesco Corretora, ao BBI e demais empresas do Grupo Bradesco. A remuneração do(s) analista(s) de investimento está, direta ou indiretamente, influenciada pelo resultado proveniente dos negócios e operações financeiras realizadas pela Ágora, Bradesco Corretora e BBI. Analistas Renda Fixa Altair Maurílio Pereira Caio Lombardi André Sonnervig Economista Chefe Dalton Gardimam Economista Tarik Migliorini

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando principalmente o desafio fiscal nos próximos anos como principal

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando os desdobramentos das medidas fiscais e as incertezas da economia

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando principalmente o desafio fiscal (reforma da previdência no curto

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera principalmente o desafio fiscal nos próximos anos e o possível impacto desse

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias ainda considera o cenário fiscal como o principal fator de risco para a esperada queda

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera os dois principais fatores impactando a curva de juros, a melhora recente do

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume ainda instabilidade no cenário fiscal, com consequente reflexo nas principais variáveis

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico 08/12/2015 DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume que o cenário fiscal e a inflação continuarão sendo as principais variáveis

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume ainda uma instabilidade no quadro fiscal a medida que a votação no congresso das

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume um cenário de inflação ainda pressionada, com o indicador de maio superando expectativas,

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume que o cenário político deve continuar refletindo nas taxas de juros, principalmente

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 13/08/2013

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 13/08/2013 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada Nossa estratégia de investimento para a Carteira Recomendada do Tesouro Direto neste mês de Agosto reflete o atual cenário de alta na taxa de juros ao longo

Leia mais

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico

DESTAQUES DO RELATÓRIO. Carteira Recomendada. Cenário Macroeconômico DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias assume um cenário de continuidade da maior aversão ao risco, com inflação pressionada no

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom

Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom 17/01/2017 12:34 por Redação Ata sinaliza novo corte de 0,75 p.p. na Selic na próxima reunião do Copom Fica mantida expectativa de ciclo longo de afrouxamento, que levará a taxa básica de juros para 9,50%

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização

Iochpe-Maxion Relatório de Atualização jan-16 mar-16 mai-16 jul-16 set-16 nov-16 Iochpe-Maxion Recomendação Neutro MYPK3 Preço em 04/01/17 (R$) 12,59 Ações (MM) 95 Valor Mercado (R$ MM) 1.187 Mín. 52 semanas (R$) 8,34 Máx. 52 semanas (R$) 20,31

Leia mais

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão?

Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Por que o Brasil pode ser um dos primeiros países a sair da recessão? Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO Observa-se tanto em países desenvolvidos como em desenvolvimento quedas generalizadas do crescimento

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P M A I O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S São Paulo, 28 de junho de 2016 Em maio, crédito imobiliário somou R$ 3,9 bilhões Poupança

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Taxa de Juros no Período (SELIC)

Taxa de Juros no Período (SELIC) Os títulos públicos federais são emitidos pelo Tesouro Nacional e compõem a dívida pública interna. Servem como instrumento de captação de recursos para que o governo execute suas atividades. Todos os

Leia mais

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa ANBIMA - Seminário Conta de Liquidação e Compromissada Intradia Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa Paulo Fontoura Valle Subsecretário da Dívida Pública Secretaria do Tesouro Nacional

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 SUMÁRIO Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita de

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras. Sávio Borba Maio 2015

Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras. Sávio Borba Maio 2015 Compatibilizando Títulos Pré e Pós Fixados nas Carteiras Sávio Borba Maio 2015 Gestão Ativa/Passiva Gestão de recursos em um maneira geral, consiste na otimização da alocação dos recursos em ativos que

Leia mais

III. Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado

III. Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado Os riscos de maior pressão inflacionária vigentes no início de concorreram para as decisões do Copom sobre a taxa básica

Leia mais

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Carta de Conjuntura do Setor de Seguros Número 11, Fevereiro/2015 www.ratingdeseguros.com.br 1 Objetivo: O objetivo desta é ser uma avaliação mensal desse segmento e seus setores relacionados (resseguro,

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013

Crescimento e juros. Roberto Padovani Março 2013 Crescimento e juros Roberto Padovani Março 2013 jan-91 dez-91 nov-92 out-93 set-94 ago-95 jul-96 jun-97 mai-98 abr-99 mar-00 fev-01 jan-02 dez-02 nov-03 out-04 set-05 ago-06 jul-07 jun-08 mai-09 abr-10

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO 2017:

CENÁRIO ECONÔMICO 2017: CENÁRIO ECONÔMICO 2017: Lenta recuperação após um longo período de recessão Dezembro 2016 AVALIAÇÃO CORRENTE DA ATIVIDADE ECONÔMICA A RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA DO EMPRESARIADO E DO CONSUMIDOR MOSTRAM ACOMODAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO RENDA FIXA

RELATÓRIO RENDA FIXA RELATÓRIO RENDA FIXA MARÇO 2017 MERCADO DE TÍTULOS PÚBLICOS ECONOMIA E MERCADO Ingressamos em março já considerando que não será um período fácil. As escaramuças políticas seguem acontecendo, com as delações

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 04/2014 Data: 27/02/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

APRENDA A INVESTIR EM RENDA FIXA

APRENDA A INVESTIR EM RENDA FIXA APRENDA A INVESTIR EM RENDA FIXA Vinicio Almeida almeida.vinicio@gmail.com www.quantabr.com.br 2016 2 Vinicio Doutor em Administração pelo Coppead/UFRJ e Pós- Doutorado na UCLA Anderson School of Management

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P D E Z E M B R O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 9,0 bilhões Saldo: R$ 516,0 bilhões Financiamentos

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015

Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015 Visão Mais Perto 2015 Perfil Investimentos 2015 Gestão Visão Prev Bradesco Custódia e Administração VP Finanças Telefonica-Vivo Conselho Deliberativo Comitê Investimentos Conselho Fiscal Diretoria Executiva

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 4º trimestre de 2013 Elaboração: Vice-Presidência de Finanças VIFIN Diretoria Executiva de Finanças e Mercado de Capitais - DEFIN Superintendência Nacional de

Leia mais

CARTA INVA CAPITAL Janeiro/2012 Raphael Cordeiro, CNPI

CARTA INVA CAPITAL Janeiro/2012 Raphael Cordeiro, CNPI CARTA INVA CAPITAL Janeiro/2012 Raphael Cordeiro, CNPI RETROSPECTIVA 2011 2011 foi um ano ímpar! Vimos a Europa entrar em uma crise sem precedentes e o crescimento econômico brasileiro desapontou os investidores.

Leia mais

Rio de Janeiro, novembro de 2010. Renato Andrade

Rio de Janeiro, novembro de 2010. Renato Andrade Tesouro Direto Rio de Janeiro, novembro de 2010 Renato Andrade Visão Geral Vantagens Comprando Tributação e Vendendo Títulos Comprando e Vendendo Títulos Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro

Leia mais

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil 5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de Oliveira Secretário Executivo Ministério da Fazenda 1 Expansão do investimento

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 13/2015 Data: 07/07/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Menor volatilidade de emergentes e dados mais fracos fazem juros ceder na semana;

Menor volatilidade de emergentes e dados mais fracos fazem juros ceder na semana; Semana de 03 a 07 de Fevereiro Menor volatilidade de emergentes e dados mais fracos fazem juros ceder na semana; Dólar se deprecia diante de indicadores menos positivos de atividade americana; Ibovespa

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) registra alta de 0,3% em novembro e retração de 2,3% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I

Brasil - PIB Trimestral 2010.IV 2010.II 2011.II 2010.III 2011.I 2009.II 2009.III 2009.IV 2010.I 2010.II 2010.III 2010.IV 2011.I 2011.II 2011.III 2011.IV 2012.I 2012.II 2012.III 2012.IV 2013.I PIB 1º trimestre de 2013 29/05/13 O produto interno bruto (PIB) do 1º trimestre

Leia mais

Cenário macroeconômico

Cenário macroeconômico Cenário macroeconômico 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016* 2017* TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB DO MUNDO (SOMA DOS PIBs OBTIDA PELA PARIDADE DO PODER DE COMPRA) 1980 - Título 2011 FONTE: FMI. ELABORAÇÃO E

Leia mais

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi

2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa. Marcello Siniscalchi 2005: Cenários para o Mercado de Renda Fixa Marcello Siniscalchi Ampla liquidez internacional provocada por taxas de juros reais negativas e curvas de juros pouco inclinadas. Taxas de juros Reais G3 Inclinação

Leia mais

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil;

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; 01-nov-2013 Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; Dólar inicia novembro em alta respondendo aos dados ruins de economia brasileira; Ibovespa em ligeira queda

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 02/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 02/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 02/2014 Data: 28/01/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: / Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ:

FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: / Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO ANUAL 1º. e 2º. SEM. 2011 1. OBJETIVO E DESCRIÇÃO DO FUNDO

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P N O V E M B R O, 2 0 1 5 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 962 milhões Saldo: R$ 501,2 bilhões Financiamentos

Leia mais

Acomodação na renda fixa foi interrompida pela alta do dólar e dado forte de emprego nos EUA em junho.

Acomodação na renda fixa foi interrompida pela alta do dólar e dado forte de emprego nos EUA em junho. 05-jul-2013 Acomodação na renda fixa foi interrompida pela alta do dólar e dado forte de emprego nos EUA em junho. Leilões de swap cambial e mais flexibilidade de regras tributárias para a entrada de fluxo

Leia mais

Dólar, commodities e PIB mais forte no Brasil pressionaram juros futuros com alta;

Dólar, commodities e PIB mais forte no Brasil pressionaram juros futuros com alta; 30-ago-2013 Dólar, commodities e PIB mais forte no Brasil pressionaram juros futuros com alta; Agenda com o mercado de trabalho nos EUA e proximidade do FOMC de setembro elevou novamente rendimento das

Leia mais

Relatório Mensal. Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2011 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários e Imobiliários 0,53% 39,27%

Leia mais

relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII

relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII relatório mensal BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII Abril 2015 BB Recebíveis Imobiliários Fundo de Investimento Imobiliário FII O fundo BB Recebíveis Imobiliários FII iniciou

Leia mais

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%)

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%) Carteira: CARTEIRA MODELO - MODERADA Patrimônio: R$300.000,00 Índice de comparação: Extrato Carteira CDI Data Início: 31/10/2013 (melhor data) Data Referência: 11/11/2016 SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR

Leia mais

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%)

SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR PERÍODO (%) Carteira: CARTEIRA MODELO - AGRESSIVA Patrimônio: R$300.000,00 Índice de comparação: Extrato Carteira CDI Data Início: 30/08/2013 (melhor data) Data Referência: 28/09/2016 SIMULAÇÃO DE RENTABILIDADE POR

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Junho de Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda fixa

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%)

PETROBRÁS S/A. No resultado de 2013 a receita líquida da companhia tinha a seguinte divisão: - Refino, Transporte e Comercialização (44%) PETROBRÁS S/A Empresa: É uma companhia que atua na exploração, produção e distribuição de petróleo e derivados. A Petrobrás possui atividades operacionais em 25 países, estando presente em todos os continentes.

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO jan/15 fev/15 Ligeira deterioração nos principais indicadores Com o feriado da Semana Santa, os principais indicadores para a semana de 18 a 24 de março apresentaram relativa estabilidade, com os mercados

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Outubro de 2015

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Outubro de 2015 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Outubro de 2015 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) DATA CC FI DI/RF PGA FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES

CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO : DESAFIOS E OPORTUNIDADES CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO 2014-2015: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ABRIL, 2014 Fabiana D Atri Economista Sênior do Departamento de Pesquisas 1 e Estudos Econômicos - DEPEC 17/04/11 17/05/11 17/06/11

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

SINCOR-SP 2016 SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS SETEMBRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira

Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Impactos da Crise Mundial sobre a Economia Brasileira Centro das Indústrias do Estado de São Paulo - CIESP Campinas (SP) 29 de julho de 2009 1 CIESP Campinas - 29/07/09 Crise de 2008 breve histórico Início:

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005

RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005 MINISTÉRIO DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP RELATÓRIO MENSAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA ABRIL 2005 Rio de Janeiro, 13 de abril de 2005. 1. Conjuntura atual O objetivo deste Relatório

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015?

A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTA A CRESCER EM 2015? 13/11/2014 Relatório Mensal-Novembro Rua Laplace 74, conj. 51 São Paulo - SP CEP: 04622-000 Tel.: 11-4305-03-29 E-mail: comercial@fmdassset.com.br R E L A

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS 1 Trimestre RESULTADOS OBTIDOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL

Leia mais

Ano II Número 5 Março/2012

Ano II Número 5 Março/2012 Ano II Número 5 Março/2012 Troca de LFT reflete estratégia de desindexação das taxas de curto prazo» Efeitos da menor oferta de títulos indexados à taxa Selic deve se estender para além dos segmentos diretamente

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A G O S T O, 2 0 1 5 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 7,2 bilhões Saldo: R$ 500,8 bilhões Financiamentos

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Sonae Sierra Brasil. A receita líquida da companhia tem a seguinte composição:

Sonae Sierra Brasil. A receita líquida da companhia tem a seguinte composição: Sonae Sierra Brasil Empresa: A Sonae Sierra Brasil é uma das principais incorporadoras, proprietárias e operadoras de shopping centers no Brasil, tendo em seu portfólio a participação de onze shoppings

Leia mais

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016

Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 Brasília, 16 de dezembro de 2015 BALANÇO DE 2015 E PERSPECTIVAS PARA 2016 ECONOMIA SEGUE PARALISADA PAIS NÃO ENFRENTOU SUAS DIFICULDADES DE FORMA ADEQUADA AMBIENTE AFETADO POR INCERTEZAS ECONÔMICAS E DIFICULDADES

Leia mais

Análise de Empresas 24/06/2016. BRF: Revisão de Estimativas e novo preço-alvo de R$ 60,00. BRFS3. Recomendação: Preço-alvo: 60,00 Upside: 37,0%

Análise de Empresas 24/06/2016. BRF: Revisão de Estimativas e novo preço-alvo de R$ 60,00. BRFS3. Recomendação: Preço-alvo: 60,00 Upside: 37,0% BRF: Revisão de Estimativas e novo preço-alvo de R$ 60,00. Os spreads de carne suína mostram uma forte correlação com as margens Ebit domésticas da BRF; Os spreads indicam uma margem Ebit interna de cerca

Leia mais

Relatório de Mercado Semanal

Relatório de Mercado Semanal Boletim Focus Relatório de Mercado Focus Fonte:Banco Central Cenário A semana que passou foi marcada pelo forte movimento de correção nas bolsas mundiais ocorrido na sexta-feira (9), após declarações hawkish

Leia mais

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008 TESOURO DIRETO BALANÇO DE JULHO DE 2008 O Programa Tesouro Direto, que possibilita a aquisição de títulos públicos por parte de pessoas físicas pela internet, foi implementado pelo Tesouro Nacional em

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA quarta-feira, 1 de abril de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA quarta-feira, 1 de abril de 2015 quartafeira, 1 de abril de 2015 1. Alocação recomendada para Abril de 2015 Classe de Ativo Coservadora Moderada Agressiva Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo PósFixado

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, Banco Central sinalizou a manutenção do ritmo de corte para a próxima reunião. Nos Estados Unidos, o crescimento do PIB acelerou no terceiro trimestre. No Brasil,

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P A G O S T O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 3,5 bilhões Saldo: R$ 495,4 bilhões Financiamentos

Leia mais

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

Coletiva de Imprensa. Resultados de 2016 e Perspectivas para Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente. São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Coletiva de Imprensa Resultados de 2016 e Perspectivas para 2017 Gilberto Duarte de Abreu Filho Presidente São Paulo, 24 de Janeiro de 2017 Índice 1. Conjuntura Econômica 2. Construção Civil 3. Financiamento

Leia mais

a) Pré Fixado: quando a taxa de remuneração do ativo fica definida no início da operação e o valor de resgate já é conhecido.

a) Pré Fixado: quando a taxa de remuneração do ativo fica definida no início da operação e o valor de resgate já é conhecido. Outubro de 2016 TÍTULOS PRÉ Na nossa carta do mês passado salientamos a importância do ajuste fiscal na engrenagem macroeconômica, criando condições para a queda das taxas de juros e consequente crescimento

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS OUTUBRO/2016 Resumo de desempenho Outubro 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P N O V E M B R O, 2 0 1 6 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: R$ 2,6 bilhões Saldo: R$ 503,8 bilhões Financiamentos

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Resultado positivo do IBC-Br em outubro possivelmente elevará as expectativas de crescimento para o ano O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), o qual representa uma proxy mensal do

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015 1. Alocação recomendada para Junho de 2015 Classe de Ativo Carteira Conservadora* Carteira Moderada* Carteira Agressiva* Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Pós-Fixado

Leia mais

ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015

ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG. Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 2015 Milhões ITABIRAPREV - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE ITABIRA - MG Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos Setembro De 215 R$ 12 R$ 1 R$ 8 R$ 6 R$ 4 R$ 2 R$ Evolução do Patrimônio no Ano 89,7

Leia mais

Análise de Empresas. Shoppings: O que esperar no 3T16? 24/10/2016

Análise de Empresas. Shoppings: O que esperar no 3T16? 24/10/2016 Shoppings: O que esperar no 3T16? Acreditamos em uma dinâmica semelhante ao do 2T16, com os shoppings da Iguatemi e Multiplan com desempenhos superiores aos da BR Malls e Aliansce; Entretanto, os indicadores

Leia mais

Alteramos as expectativas para a taxa Selic em 2013 e 2014; Atividade econômica no Brasil poderá ser fraca também no 4º trimestre de 2013.

Alteramos as expectativas para a taxa Selic em 2013 e 2014; Atividade econômica no Brasil poderá ser fraca também no 4º trimestre de 2013. 27-set-2013 Semana foi de dólar e juros em alta, Bolsa em queda; Alteramos as expectativas para a taxa Selic em 2013 e 2014; Atividade econômica no Brasil poderá ser fraca também no 4º trimestre de 2013.

Leia mais

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2017 MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS MAIO 2017 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 7 1. Carta de Conjuntura... 8 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 9 3. Análise macroeconômica... 12

Leia mais