Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional"

Transcrição

1 Gerenciamento do Risco Operacional

2 Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento Data Área Versão Alterações/Inclusões Outubro/2010 Risco Operacional 001 Criação do documento Novembro/2011 Risco Operacional 002 Atualização do documento Dezembro/2012 Risco Operacional 003 Atualização do documento Agosto /2014 Risco Operacional 004 Atualização do documento Aprovação do documento Data Aprovação Versão Gestor Responsável Outubro/2010 SCM 001 François-Xavier Gilliot Dezembro/2011 SCM 002 François-Xavier Gilliot Dezembro/2012 SCM 003 François-Xavier Gilliot Agosto /2014 Diretor Responsável 004 João Luiz Macedo Vigência Este manual de Políticas e Procedimentos de Gerenciamento de Risco Operacional tem caráter permanente. O conteúdo deste documento poderá ser modificado a qualquer momento de acordo com as necessidades vigentes. Página 2 de 11

3 Sumário Gerenciamento do Risco Operacional Introdução Sobre o manual OBJETIVO PÚBLICO ALVO E RESPONSABILIDADES MANUTENÇÃO E REVISÃO DO DOCUMENTO REGISTRO DA QUALIDADE CUMPRIMENTO E SANÇÕES REGULAMENTAÇÃO ASSOCIADA DIVULGAÇÃO 5 2. Política de Risco Operacional PRINCIPAIS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL METODOLOGIA PARA CÁLCULO DA PARCELA RWAOPAD 6 3. Estrutura e responsabilidades de gerenciamento de risco operacional ESTRUTURA DA ÁREA DE OR ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES AGENTES DE RISCO OPERACIONAL 8 4. Estrutura de gestão de risco operacional COMUNICANDO INCIDENTES INCIDENTES SÉRIOS PROCEDIMENTO DE ALERTA PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE INCIDENTE PROCESSO DE AVALIAÇÃO DOS INDICADORES CHAVE DE RISCO 9 5. Mapeamento de risco REVISÃO DO MAPEAMENTO DE RISCO QUANTIFICAÇÃO DO MAPEAMENTO DE RISCO Plano de Continuidade OBJETIVO E ESCOPO OBJETIVOS DE RECUPERAÇÃO DA INSTITUIÇÃO Relatórios de Divulgação Externa GOVERNANÇA E TRANSPARÊNCIA DIVULGAÇÃO INFORMAÇÃO DE CONTROLE 11 Página 3 de 11

4 Introdução O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no do Banco Central do Brasil (BACEN), de 29/7/2006, determinou às instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil a implementação de uma estrutura de gestão de risco operacional. Compreendem-se por risco operacional as seguintes diretrizes determinadas pelo Banco Central do Brasil que estabelecem em sua Resolução nº de 29 de junho de 2006 do CMN, consiste na possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, bem como de eventos externos. A definição de risco operacional inclui o risco legal associado à inadequação ou deficiência em contratos firmados pela instituição, bem como a sanções em razão de descumprimento de dispositivos legais e a indenizações por danos a terceiros decorrentes das atividades desenvolvidas pela instituição. A direção do Natixis e a estrutura de Risk Management reconhecem que o risco é um componente inevitável de todas as operações realizadas e estão comprometidos em estabelecer, manter e aprimorar de forma contínua o gerenciamento dos riscos da instituição. Junto a isso, risco legal e risco reputacional podem afetar o negócio do banco como um todo, trazendo impactos no resultado do negócio. Dessa forma, a instituição financeira visa estabelecer suas estratégias baseadas nos princípios de Governança Corporativa, pautadas por processos e comunicação transparentes, definição adequada de funções e responsabilidades sobre toda a organização. Página 4 de 11

5 1. Sobre o manual 1.1. OBJETIVO Esta política inclui os objetivos do departamento de Risco Operacional ( OR ) do Natixis Brasil S/A Banco Múltiplo ( NB ) e define os componentes para o gerenciamento do Risco Operacional PÚBLICO ALVO E RESPONSABILIDADES As informações constantes neste documento se aplicam a área de Gerenciamento de risco e aos demais colaboradores da instituição MANUTENÇÃO E REVISÃO DO DOCUMENTO Conforme a Resolução nº /06 do Conselho Monetário Nacional, a revisão do manual de políticas e procedimentos da gestão de riscos operacionais deve ser efetuada no mínimo anualmente sendo a área de Compliance responsável pela revisão e a direção do banco responsável pela aprovação. Em caso de alterações nos procedimentos, é responsabilidade do gestor da área comunicar a área de Compliance para que seja realizada a manutenção e a atualização deste documento. Possíveis alterações somente serão efetuadas nos casos relevantes que justifiquem a emissão de uma nova versão REGISTRO DA QUALIDADE Todas as versões deste manual de política e procedimentos da gestão de Risco Operacional devem ser arquivadas pela área de Compliance pelo prazo mínimo de cinco anos a partir de sua data de alteração CUMPRIMENTO E SANÇÕES O cumprimento do manual de políticas e procedimentos da gestão de riscos operacionais será monitorado pelas áreas de Compliance, Auditoria Interna e Natixis US Wholesale Banking Operational Risk REGULAMENTAÇÃO ASSOCIADA Resolução do Banco Central do Brasil, do dia 29 de Junho de DIVULGAÇÃO O Manual deverá ser divulgado a todos os colaboradores pela área de Compliance através de meio eletrônico, no mínimo anualmente. Adicionalmente estará disponível para consultas no diretório público da instituição através do endereço: P:\Services\Division\Audit&Compliance\Public\Políticas e Procedimentos Natixis - Geral Página 5 de 11

6 2. Política de Risco Operacional 2.1. PRINCIPAIS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL A área de Operational Risk (OR) do Natixis Brasil (NB) é responsável por identificar, monitorar e reportar o risco operacional que está inserido no NB. É responsável por implementar e gerenciar a estrutura de risco operacional estabelecido pelo Natixis Risk Department, US Wholesale Banking OR Department, cumprindo com a regulamentação local. Risco operacional, de acordo com a definição da Resolução nº de 29 de junho de 2006 do CMN, consiste na possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, bem como de eventos externos. O gerenciamento de risco operacional do Natixis Brasil S.A. Banco Múltiplo segue as diretrizes globais, juntamente com as normas estabelecidas pela Resolução nº 3.380, e conta com suporte, ferramentas e supervisão do Natixis US Wholesale Banking do Departamento Risco Operacional. A estrutura de gerenciamento de risco operacional foi definida pelo Natixis US Wholesale Banking em conjunto com a alta administração local e é responsável pelo monitoramento e reporte dos riscos operacionais. As principais atribuições são: Monitoramento e reporte dos riscos operacionais; Manter atualizado o mapeamento de risco; Garantir efetiva coleta e reporte dos incidentes de risco; Estabelecer a cultura de sensibilização sobre o Risco Operacional; Gerenciar OSIRISK (ou aplicação de TI); Coordenar ações com outras funções de controle; Participar como um membro ativo do comitê de Novos Produtos. Entre os eventos de risco operacional, incluem-se: fraudes internas; fraudes externas; demandas trabalhistas e segurança deficiente do local de trabalho; práticas inadequadas relativas a clientes, produtos e serviços; danos a ativos físicos próprios ou em uso pela instituição; aqueles que acarretem a interrupção das atividades da instituição; falhas em sistemas de tecnologia da informação; falhas na execução, cumprimento de prazos e gerenciamento das atividades na instituição METODOLOGIA PARA CÁLCULO DA PARCELA RWAOPAD O Natixis Brasil adotou a metodologia de Abordagem do Indicador Básico (BIA), com o objetivo de apurar a parcela de capital para cobertura de Risco Operacional (RWAopad), conforme estabelecido pela Circular nº 3.640/13 publicada pelo Banco Central do Brasil. A metodologia de Abordagem do Indicador Básico estabelece que o capital a ser alocado para riscos operacionais deve ser calculado semestralmente, considerados os últimos três períodos anuais. O Indicador de Exposição ao Risco Operacional (IE) corresponde, para cada período anual, à soma dos valores semestrais das receitas de intermediação financeira e das receitas com prestação de serviços, deduzidas as despesas de intermediação financeira. Página 6 de 11

7 3. Estrutura e responsabilidades de gerenciamento de risco operacional 3.1. ESTRUTURA DA ÁREA DE OR A estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional visa permitir adequada Governança nos controles e decisões estratégicas relacionadas ao risco operacional no Natixis, a saber: Natixis US Wholesale Banking (Operational Risk): Estabelece diretrizes e padrões sobre os mecanismos para a gestão do risco de operacional. O Natixis Brasil possui reporte funcional para a plataforma Americas do Natixis (Natixis US Wholesale Banking em NY); Diretoria Executiva do Natixis Brasil S/A Banco Múltiplo: Acompanha o monitoramento e reporte dos riscos operacionais ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES A área de OR implementa a estrutura de gerenciamento de risco operacional definida pelo Natixis US Wholesale Banking em conjunto com a alta administração local e é responsável pelo monitoramento e reporte dos riscos operacionais. As principais atribuições são: Monitoramento e reporte dos riscos operacionais Garantir que os procedimentos de risco operacional são efetivos e estão aplicados consistentemente pelo NB; Gerenciar e atualizar o conjunto de plano de ações/ações corretivas para mitigar riscos atuais e potenciais; e Preparar relatórios consolidados (diretamente à Alta Administração do NB e US Chief OR Officer). Manter atualizado o mapeamento de risco Conduzir a completa análise de risco das linhas de negócio, suporte e funções de controle. Garantir efetiva coleta e reporte dos incidentes de risco Coletar e reportar os incidentes de risco do NB; Conduzir profundas investigações de incidentes de alta severidade, conforme o Procedimento de Incidentes Sérios; e Gerar de alerta para a Alta Administração do NB quando um evento de alta seriedade ocorrer. Estabelecer a cultura de sensibilização sobre o Risco Operacional Oferecer instruções sobre a estrutura de gerenciamento de Risco Operacional; e Organizar sessões de treinamento. Gerenciar OSIRISK (ou aplicação de TI) Atuar como primeiro contato para gestores de projeto administrando OSIRISK da matriz em Paris; Representar os Agentes de Risco Operacional através da comunicação de suas solicitações e priorizando necessidades junto ao head office; e Prover treinamento de sistema para os Agentes de Risco Operacional. Página 7 de 11

8 Coordenar ações com outras funções de controle Auditoria Interna; Jurídico; Compliance; e Inspeções gerais da Matriz. Participar como um membro ativo dos seguintes comitês New Product Committee 3.3. AGENTES DE RISCO OPERACIONAL A rede de Agentes de Risco Operacional é composta dos funcionários das linhas de negócio, suporte e funções de controle. Eles são responsáveis pela aplicação diária das políticas e procedimentos de Risco Operacional e devem garantir a coleta adequada e transferência de informação relacionada a incidentes. As principais atividades dos Agentes de Risco Operacional são: Organizar a coleta e captura dos incidentes no tempo adequado; Alertar a área de OR imediatamente na descoberta de uma séria incidência; Participar do mapeamento dos riscos nos processos; Reportar os Keys Risk Indicators para a área de OR; e Prover atualizações para a área de OR nos planos de ação/ações corretivas. 4. Estrutura de gestão de risco operacional Este procedimento define como e quando os incidentes são registrados pelos Agentes de Risco Operacional ao longo da instituição. Também descreve o conteúdo do relatório de incidentes do OSIRISK COMUNICANDO INCIDENTES Todos os incidentes que ocorrerem e são reconhecidos como risco operacional devem ser registrados pelo OSIRISK no momento de sua descoberta, independentemente do impacto financeiro. Junto a isso, incidentes que resultarem em ganhos ou perdas, incidentes que tiverem impactos não financeiros (exemplo: risco reputacional) devem ser capturados no OSIRISK. As áreas de negócio, suporte e funções de controle estão permitidas em reportar incidentes recorrentes com periodicidade mensal e de forma agregada. Contudo, devem indicar o número de ocorrências INCIDENTES SÉRIOS Um incidente pode ser considerado sério se: A realizada ou estimada perda financeira é ao menos USD; O incidente causou elevado dano reputacional para o banco (exemplo: disseminação de informação não controlada ao público externo); Informação usada para o gerenciamento das atividades do banco não estão disponíveis (exemplos: dados incorretos, atraso no envio das informações); Ocorrência de fraude interna ou externa; Um incidente em potencial que pudesse causar sérias consequências; e A área de OR classificar o incidente como sério. Página 8 de 11

9 A classificação de um incidente como sério pode estar a critério do Chief US OR Officer ou Head of Risks. A área de OR pode, entre outros aspectos, solicitar o Alert Procedure para ser aplicado mesmo se o incidente não tenha impacto financeiro ou não permita classificação nos critérios adotados PROCEDIMENTO DE ALERTA Conforme o Agente de Risco Operacional determinar que o incidente possa ser considerado sério, um alerta deve ser transmitido para a área de OR pela obtenção do incidente no OSIRISK. Se o incidente é relacionado a uma fraude, a mensagem irá informar que os detalhes do incidente são confidenciais PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE INCIDENTE A área de OR conduz a investigação e elabora um relatório detalhado sobre o incidente. A investigação pode ser conduzida em conjunto com a Auditoria Interna, Jurídico e Compliance. Os Agentes de Risco Operacional indicados para a investigação devem auxiliar na coleta de informações das respectivas áreas que pertencem. A seção sobre a análise do incidente descrito no reporte deve conter a descrição da causa do incidente e a identificação das falhas do processo. Esta análise deve também descrever qualquer fator adicional que possa contribuir na resolução do incidente (exemplo: falha em controles, condições de mercado, eventos de crédito). A seção sobre os aspectos financeiros da ocorrência devem incluir o impacto financeiro em USD, e devem ser reconciliados com a área de OR. O reporte deve listar os planos de ação/ações corretivas (exemplo: ações de proteção no curto prazo, ações de longo prazo) que foram estabelecidos com os Agentes de Risco Operacional e os gestores das áreas. A área de OR deve verificar que o cenário potencial de risco correspondente ao incidente consta do mapeamento de risco para a área. Caso o cenário não conste, o gestor da área de OR adicionará este incidente como um novo cenário de risco em potencial ao mapeamento de risco e mencionar as medidas preventivas que devem ser tomadas baseadas no plano de ação/ações corretivas. O gestor da área de OR é responsável pela publicação do relatório do incidente. O relatório final é distribuído para o Agente de Risco Operacional responsável pela implementação do plano de ação, os membros que receberam o alerta inicial e aos relevantes Heads das áreas de negócio. Em decorrência de um desacordo sobre linhas de negócio e área de OR, a decisão sobre a distribuição do relatório será realizada pelo Head of Risks. Nota: Não é necessário aguardar pela confirmação exata do valor de impacto financeiro antes de reportar e distribuir o relatório de incidente e os planos de ação. Se necessário, um adendo pode ser distribuído posteriormente como complemento da análise do incidente PROCESSO DE AVALIAÇÃO DOS INDICADORES CHAVE DE RISCO A área de OR e os Agentes de Risco Operacional devem realizar anualmente a revisão da relação de todos os indicadores chaves de riscos em conjunto com a área de Risco Operacional do Natixis NY que deve avaliar a adequação dos indicadores sugeridos. Depois do processo de revisão dos indicadores, o CFO/CEO do Natixis Brasil deve avaliar se os indicadores estão de acordo com a realidade do Banco. Os indicadores aprovados devem ser avaliados pela área de OR e os Agentes de Risco Operacional em periodicidade mensal, na qual devem questionar as áreas responsáveis por cada indicador para posterior formalização do relatório denominado KRI (Key Risk Indicators). Ao termino do processo de levantamento de informações com as áreas responsáveis e respectiva formalização do relatório a área de OR e os Agentes de Risco Operacional devem enviar o relatório para análise e aprovação do CFO/CEO do Natixis Brasil. Página 9 de 11

10 5. Mapeamento de risco Gerenciamento do Risco Operacional A área de OR e os Agentes de Risco Operacional periodicamente revisam o mapeamento de risco para cada linha de negócio do NB, suporte e funções de controle REVISÃO DO MAPEAMENTO DE RISCO Mapeamentos de risco são revisados pelos Agentes de Risco Operacional e apresentados aos gestores das áreas de negócio, suporte e funções de controle. Mapeamentos de risco serão distribuídos para o US Wholesale Banking OR Department QUANTIFICAÇÃO DO MAPEAMENTO DE RISCO Não há atualmente uma equipe de OR para a quantificação alocada no NB. A quantificação do mapeamento de risco operacional é conduzida pela equipe de OR da matriz. 6. Plano de Continuidade Maiores detalhes a respeito do plano de continuidade podem ser encontrados no documento de continuidade de negócios OBJETIVO E ESCOPO O objetivo deste plano é fornecer estrutura e informações para ajudar a empresa a recuperar suas atividades críticas durante uma interrupção de negócios ou evento crise. O escopo de negócios deste plano é o seguinte: Local São Paulo, Brasil São Paulo, Brasil refere-se a linhas de negócio existentes, controles e funções de suporte do Natixis Brasil OBJETIVOS DE RECUPERAÇÃO DA INSTITUIÇÃO Em caso de interrupção de negócios, os objetivos principais do Natixis Brasil são: Garantir a segurança e bem-estar dos funcionários do Natixis Brasil, associados e visitantes; Gerenciar riscos financeiros e operacionais; Manter nossas obrigações contratuais com clientes e contrapartes; Proteger os livros da empresa (posições) e registros; Continuar a financiar os requisitos de negócios, e Manter aproximadamente 60-75% do total do volume de negócio. Página 10 de 11

11 O Natixis Brasil concentra-se na recuperação das funções críticas de negócios, conforme indicado pela Diretoria e não buscará ativamente novos negócios até que a recuperação dos negócios existentes e da situação esteja estabilizada. * 60-75% do volume total de negócios é uma diretriz, se o escopo da interrupção do negócio é tal que várias organizações de serviços financeiros foram afetadas, então um menor percentual de volume de negócios pode ser esperado devido às limitações do ambiente de negócios externo. 7. Relatórios de Divulgação Externa 7.1. GOVERNANÇA E TRANSPARÊNCIA Para promoção da transparência, conforme determina a Resolução 3.380/06, o Banco publicará relatório que contém a descrição da estrutura do gerenciamento do risco operacional em local de acesso público. Esse relatório deve ser revisado e aprovado pela diretoria do Natixis Brasil S/A Banco Múltiplo. Ademais, as informações divulgadas constantes nesse documento são de responsabilidade da diretoria do Natixis DIVULGAÇÃO A divulgação da descrição da estrutura de gerenciamento de risco operacional será efetuada por meio de relatório no site da instituição (www.br.natixis.com/), com periodicidade mínima anual e será de responsabilidade da área de Compliance. Adicionalmente, um resumo da descrição da estrutura de gerenciamento de risco operacional deve ser publicado em conjunto com as demonstrações contábeis, semestrais, no site da Instituição INFORMAÇÃO DE CONTROLE O relatório da estrutura de gerenciamento de risco operacional revisado e aprovado pelo Sr. João Luiz Macedo, CFO/COO da Instituição. Página 11 de 11

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital Controle do documento Data Autor Versão Junho/2012 Compliance 001 Agosto/2013 Risk Management 002 Agosto/2014 Risk Management

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão Março de 2015 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL (Política e procedimentos relacionados ao gerenciamento de risco operacional da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 3.380, de 29

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Outubro 2015

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Outubro 2015 Política de Gerenciamento de Risco Operacional Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control RISCO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Este documento formaliza a estrutura organizacional e as principais atividades da área de Permanent Control and Operational Risk, responsável pela detecção, monitoramento,

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional

Risco de Crédito. Estrutura Organizacional Risco de Crédito Estrutura Organizacional A estrutura para gestão de riscos do Banco Fidis deverá ser composta de Comitê de Cobrança e Risco, que é o órgão com responsabilidade de gerir o Risco de Crédito,

Leia mais

Política Institucional Gerenciamento de Capital

Política Institucional Gerenciamento de Capital P a g e 1 1 P a g e 2 Índice: 1. Objetivos... 2 2. Estrutura... 3 Diretoria BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A e BNY Mellon Banco S.A... 4 Diretor Responsável

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco operacional.

Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco operacional. RESOLUCAO 3.380 --------------- Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco operacional. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595, de 31 de dezembro de 1964,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital RISKS Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital 1º Trimestre 2014 Documento de uso interno RISKS Sumário Introdução... 3 1. Sobre o Gerenciamento de Riscos... 4 2. Patrimônio de Referência... 7 3. Ativos

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Sumário 1 Introdução... 1 1.1 Objetivo da Política... 1 1.2 Princípios e Diretrizes... 1 2 Governança... 2 3 Partes Interessadas... 2 4 Definição de Risco Socioambiental...

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional. Departamento Controles Internos e Risco

Política de Gerenciamento de Risco Operacional. Departamento Controles Internos e Risco Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Risco PROPRIEDADE DA FUTURAINVEST DTVM LTDA. PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO SALVADOR, 31

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Atualização: FEV/2009 GESTÃO DE RISCOS Com as constantes mudanças no cenário financeiro mundial mercado globalizado, diversidade de produtos e serviços financeiros

Leia mais

Gerenciamento de Risco de Crédito

Gerenciamento de Risco de Crédito Gerenciamento de Risco de Crédito Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2009 Compliance 001 Revisões do Documento Data Área Versão Alterações/Inclusões Outubro/2009 Compliance 001 Criação do

Leia mais

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital

Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015. Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 1 Relatório de Acesso Público Gerenciamento de Capital 10/ 06 / 2015 Índice: 1. Objetivo... 3 2. Conceito/Definição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1/8 1. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL O Conglomerado Prudencial Safra SAFRA, de acordo com as melhores práticas de mercado

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE JULHO/2014 1. Objetivos O gerenciamento de riscos no BRDE tem como objetivo mapear os eventos de riscos, sejam de natureza interna ou externa, que possam afetar

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A.

Banco Western Union do Brasil S.A. Banco Western Union do Brasil S.A. Relatório de Gerenciamento de Riscos para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no. 3477/09 do Conselho Monetário Nacional. Data Base 31/12/2011 1 1. Introdução...

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL

GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL Definição de Risco Operacional Riscos Operacionais cobrem as instâncias onde a corretora pode sofrer perdas inerentes direta ou indiretamente a processos internos falhos ou

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A.

Banco Western Union do Brasil S.A. Banco Western Union do Brasil S.A. Relatório de Gerenciamento Risco Operacional para atender aos requisitos estabelecidos na Resolução no. 3.380 do Conselho Monetário Nacional. Data base 31/12/2011 1 Índice

Leia mais

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINALS.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GESTÃO DO RISCO OPERACIONAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão de Risco Operacional; 3. Estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Sumário 1. Aplicação... 02 2. Definições... 02 2.1 Risco socioambiental... 02 2.2 Partes relacionadas... 02 2.3 Termos...

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito. RB Capital DTVM

Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito. RB Capital DTVM Política de Gerenciamento de Riscos de Crédito RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção de sistema de Gerenciamento de

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Introdução O Gerenciamento do Risco Operacional no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco de crédito do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL PAPÉIS E RESPONSABILIDADES

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL PAPÉIS E RESPONSABILIDADES ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL O Conglomerado Prudencial Safra SAFRA, de acordo com as melhores práticas de mercado e integral atendimento à regulamentação, implementou a sua Estrutura

Leia mais

Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. RISCO DE MERCADO 7. RISCO OPERACIONAL

Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. RISCO DE MERCADO 7. RISCO OPERACIONAL RISCO DE CRÉDITO 1 Sumário 1. DEFINIÇÃO...4 2. PROJEÇÃO DE PERDAS...4 3. CLASSIFICAÇÃO DO RISCO...5 4. MITIGAÇÃO DO RISCO...5 5. ESTRUTURA...5 5.1 Presidência...5 5.2 Vice Presidência de Risco de Crédito...5

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Sumário 1. Gerenciamento de Riscos... 4 2. Risco de Mercado... 4 2.1 Estrutura para a gestão de risco... 5 2.2 Conceito... 5 2.3 Estrutura Organizacional... 5 2.4 Política Institucional...

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ABRANGÊNCIA... 3 4. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO... 4 5. GERENCIAMENTO DO RISCO... 5 6. ATIVIDADES PROIBITIVAS E RESTRITIVAS... 6 7. ANÁLISE DE CRÉDITO...

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013.

BM&FBOVESPA. Política de Risco Operacional. Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo. Última Revisão: março de 2013. BM&FBOVESPA Diretoria de Controles Internos, Compliance e Risco Corporativo Página 1 Última Revisão: março de 2013 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. REFERÊNCIA... 3 4. CONCEITOS...

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

AKRO DTVM S.A. ( AKRO )

AKRO DTVM S.A. ( AKRO ) AKRO DTVM S.A. ( AKRO ) POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL (Política e procedimentos relacionados ao gerenciamento de risco operacional nos termos da Resolução BCB nº 3.380, de 29 de junho

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental 30/07/2015

Política de Responsabilidade Socioambiental 30/07/2015 Política de REGISTRO DAS ALTERAÇÕES Versão Item Descrição resumida da alteração Data APROVAÇÃO Elaboração Responsável Aprovação Diretoria de Presidência Diretoria de Recursos Humanos Diretoria de Diretoria

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

Política de Responsabilidade So cio Ambiental

Política de Responsabilidade So cio Ambiental Política de Responsabilidade So cio Ambiental Sumário 1. FINALIDADE:... 4 2. ABRANGÊNCIA:... 4 3. DIVULAGAÇÃO... 4 4. IMPLEMENTAÇÃO... 4 5. SUSTENTABILIDADE EM NOSSAS ATIVIDADES... 4 6. REVISÃO DA POLÍTICA...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Banco John Deere S.A No Banco John Deere S.A., a Gestão de Riscos é atribuição do Departamento de Gestão de Riscos e Compliance (DPRC), que se reporta diretamente ao

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, no

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais