ÉTICA APROVADO COMITÉ DE ÉTICA (PEDRO MIRÓ) DATA: JUNHO 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÉTICA APROVADO COMITÉ DE ÉTICA (PEDRO MIRÓ) DATA: JUNHO 2014"

Transcrição

1 APROVADO ASSINADO POR: COMITÉ DE (PEDRO MIRÓ) DATA: JUNHO 2014 ASSINATURA: O documento original, que foi aprovado pela pessoa acima indicada (mediante assinatura) na correspondente data, encontra-se sob custódia da Unidade de Organização ou da delegada de acordo com a normativa em vigor. PROCEDIMENTO DE GESTÃO, INVESTIGAÇÃO E RESPOSTA FACE À COMUNICAÇÃO DE INCIDENTES E DENÚNCIAS DE IRREGULARIDADES RELATIVAS AO CÓDIGO DE E DE CONDUTA DO GRUPO CEPSA DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 1 de 13

2 ÍNDICE PROCEDIMENTO DE GESTÃO, INVESTIGAÇÃO E RESPOSTA FACE À COMUNICAÇÃO DE INCIDENTES E DENÚNCIAS DE IRREGULARIDADES RELATIVAS AO CÓDIGO DE E DE CONDUTA DO GRUPO CEPSA 1. INTRODUÇÃO Objeto Área de aplicação Conceitos de incidente e irregularidade Figuras ou elementos do sistema Responsabilidades Garantia de confidencialidade COMUNICAÇÃO DE INCIDENTES E DENÚNCIA DE IRREGULARIDADES Sobre a obrigação de comunicar incidentes e denúncia de irregularidades Meios para a comunicação de incidentes e denúncia de irregularidades Sobre a comunicação de incidentes e denúncia de irregularidades RECEÇÃO E ANÁLISE PRELIMINAR DAS COMUNICAÇÕES DE INCIDENTES OU DENÚNCIA DE IRREGULARIDADES Aviso de receção Pedido de ampliação das informações recebidas Início da análise preliminar e eventual acumulação de incidentes e/ou irregularidades Conclusão da análise preliminar das informações recebidas Informação ao informador ou denunciante em caso de conclusão da análise preliminar Medidas adicionais Proteção de dados de carácter pessoal PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO Início da investigação Comunicação aos sujeitos investigados Desenvolvimento do procedimento de investigação Relatório final Atuações finais RESOLUÇÃO DO PROCEDIMENTO DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 2 de 13

3 5.1. Órgão responsável Resoluções do Comité de Ética Trâmite de audiência Sanções Outras medidas Comunicação das decisões GESTÃO DO PROCEDIMENTO RELAÇÃO COM OUTROS INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO E CONTROLO DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 3 de 13

4 PROCEDIMENTO DE GESTÃO, INVESTIGAÇÃO E RESPOSTA FACE À COMUNICAÇÃO DE INCIDENTES E DENÚNCIAS DE IRREGULARIDADES RELATIVAS AO CÓDIGO DE E DE CONDUTA DO GRUPO CEPSA A Compañía Española de Petróleos, S.A.U. e o seu grupo de sociedades (de agora em diante, Grupo CEPSA), têm por missão contribuir para o fornecimento de energia segura à sociedade através do desenvolvimento de atividades na cadeia de valor do petróleo e do gás de forma eficiente, responsável e rentável. O objetivo do Grupo CEPSA é ser uma empresa energética e petroquímica integrada e de alto desempenho, orientada para os seus clientes e para a criação de valor, respeitadora do meio ambiente e comprometida com a sociedade. O Grupo CEPSA, assumindo como ponto de partida a sua missão e visão anteriormente descritas, institucionalizou, através do seu Código de Ética e de Conduta, os princípios gerais de atuação e valores éticos de cumprimento obrigatório por parte das Pessoas Afetadas 1 pelo Código de Ética do Grupo CEPSA. De igual modo, estabeleceu na sua estrutura organizativa o Comité de Ética, cuja função, entre outras, é solucionar coerentemente os conflitos éticos que possam surgir no futuro da vida corporativa. Adicionalmente, considera-se necessário e conveniente que se dote de um procedimento para a gestão de eventuais incidentes e irregularidades relacionados com o Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA, através do qual se possa regular a gestão, investigação e resposta aos mesmos. Assim como garantir os direitos à intimidade, honra, presunção de inocência e defesa própria dos sujeitos investigados. 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objeto Este procedimento tem por objeto estabelecer os princípios básicos do sistema interno de gestão, investigação e resposta face à comunicação de incidentes e denúncia de irregularidades relativas ao Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA Área de aplicação Este procedimento é aplicável a todas as Pessoas Afetadas pelo Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA, bem como às pessoas que possam atuar em nome, proveito ou benefício das mesmas, sem qualquer limitação geográfica. 1 O Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA define como Pessoas Afetadas os administradores, diretores e funcionários do Grupo CEPSA, bem como as outras pessoas cuja atividade se submeta expressamente ao Código de Ética e de Conduta. DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 4 de 13

5 1.3. Conceitos de incidente e irregularidade Para os efeitos deste procedimento, considera-se como incidente qualquer atuação de uma Pessoa Afetada que suscite dúvidas na aplicação ou interpretação do Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA ou que possa ser considerada como geradora de um dilema ético. De igual modo, entender-se-á por irregularidade qualquer atuação supostamente contrária aos princípios gerais de atuação e valores éticos ou normas de conduta das Pessoas Afetadas que nele constam, tais como a corrupção, a apropriação indevida, a manipulação contabilística e outros. Também será considerada como irregularidade qualquer contingência que possa constituir um risco para a reputação e imagem do Grupo CEPSA Figuras ou elementos do sistema Neste procedimento podem intervir as figuras seguintes: Denunciante.- Pessoa que, com base no previsto neste procedimento, comunica um incidente ou denuncia uma irregularidade em matéria de ética, baseando-se numa alegada violação dos preceitos do Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA. Denunciado.- Pessoa que, com base no previsto neste procedimento, lhe seja imputado pelo denunciante o alegado cometimento de uma irregularidade relativamente ao cumprimento do Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA. Unidade de Controlo Interno e Cumprimento.- Unidade que intervirá de acordo com as funções originadas deste procedimento, que constam no Manual de Funções. Comité de Ética.- De acordo com o Manual de Funções de tal Comité, é o órgão que tem como responsabilidades, tanto o impulsionamento, seguimento e controlo do cumprimento dos valores, princípios e normas de conduta estabelecidos no Código de Ética e de Conduta, como o aprofundamento da procura de soluções para os dilemas éticos que possam surgir, resolvendo as denúncias que forem recebidas e apoiando a colocação em execução das medidas corretivas necessárias em cada caso Responsabilidades Todas as Pessoas Afetadas pelo Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA têm a obrigação de velar pelo seu cumprimento, bem como de comunicar, através do Canal de Ética, qualquer ato que saia fora do que está estabelecido no mesmo ou na legislação em vigor. As Pessoas Afetadas ficam sujeitas a prestar colaboração na análise/investigação, sempre que o Comité de Ética o solicite. DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 5 de 13

6 O requerente tem como responsabilidade a entrega de todas as provas ou indícios que possa ter à sua disposição. A imputação de factos com conhecimento da sua falsidade ou com temerário desprezo da verdade poderá resultar em responsabilidades penais ou civis nos termos contemplados na legislação em vigor, bem como nas medidas disciplinares pertinentes Garantia de confidencialidade O Grupo CEPSA garante o seu compromisso relativamente à confidencialidade absoluta dos dados da pessoa denunciante, bem como a total ausência de represálias. Todas as pessoas 2 que, tendo por objetivo o tratamento correto do incidente ou irregularidade, devam conhecer o seu conteúdo, e nunca a sua autoria, ficam sujeitas a um compromisso de confidencialidade. Sem prejuízo do que precede, os dados de um denunciante poderão chegar a ser facultados às autoridades administrativas ou judiciais, a pedido destas, cumprindo-se sempre a legislação sobre a proteção de dados de carácter pessoal. 2. COMUNICAÇÃO DE INCIDENTES E DENÚNCIA DE IRREGULARIDADES 2.1. Sobre a obrigação de comunicar incidentes e denúncia de irregularidades Qualquer Pessoa Afetada pelo Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA que tenha conhecimento de algum incidente ou irregularidade deverá comunicá-lo imediatamente através dos canais que o Grupo CEPSA tem ativado para tal efeito. Estes canais estarão abertos tanto a Pessoas Afetadas pelo Código de Ética do Grupo CEPSA e de Conduta como a pessoas ou a qualquer grupo de interesse relacionado com o Grupo CEPSA Meios para a comunicação de incidentes e denúncia de irregularidades A comunicação de incidentes e irregularidades poderá ser efetuada através de duas vias diferentes: Por intermédio do Canal de Ética que o Grupo CEPSA tem ativado para a comunicação de incidentes ou a denúncia de irregularidades, na página da Internet da CEPSA ( na secção relativa a Quem Somos/Governo Corporativo/Conduta Ética. Tal Canal de Ética será gerido pela Unidade de Controlo Interno, sob a autoridade do Comité de Ética. 2 Comité de Ética, Unidade de Controlo Interno e as outras pessoas que o Comité de Ética considerar oportunas. DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 6 de 13

7 Por intermédio da transferência interna das comunicações de incidentes ou das denúncias de irregularidades que possam ser recebidas pelas diferentes Unidades de Negócios ou Áreas do Grupo CEPSA. O responsável pela respetiva Unidade de Negócios ou Área informada deverá facultar imediatamente as informações recebidas à Unidade de Controlo Interno, utilizando para tal o Canal de Ética. Adicionalmente, a Unidade de Controlo Interno poderá solicitar aos responsáveis pelas Unidades de Negócios ou Áreas do Grupo CEPSA que considere oportunas, o acesso aos canais de comunicação onde considere viável a comunicação de incidentes e/ou a denúncia de irregularidades Sobre a comunicação de incidentes e denúncia de irregularidades A comunicação de incidentes ou denúncia de irregularidades deverão ser efetuadas através do Canal de Ética ou através de comunicação interna, tal como se refere na secção 2.2 anterior. Tais comunicações ou denúncias devem ser sempre estabelecidas sob critérios de veracidade, clareza e completude, não devendo nunca ser utilizadas para a consecução de objetivos diferentes dos estabelecidos no Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA. 3. RECEÇÃO E ANÁLISE PRELIMINAR DAS COMUNICAÇÕES DE INCIDENTES OU DENÚNCIA DE IRREGULARIDADES 3.1. Aviso de receção Após a receção de qualquer comunicação de incidente ou denúncia de irregularidade, através dos canais estabelecidos na secção 2.2, o responsável pela Unidade de Controlo Interno acusará a receção de forma imediata e informará, se for o caso, o denunciante sobre a recolha e o tratamento dos seus dados pessoais de acordo com o estabelecido na legislação em vigor relativa à proteção dos mesmos Pedido de ampliação das informações recebidas Quando a Unidade de Controlo Interno, após revisão das informações recebidas, considerar que as mesmas não são claras ou completas, solicitará ao denunciante a sua ampliação, detalhando os aspetos concretos das informações facultadas que devem ser ampliados. Caso as informações facultadas não sejam completas, inclusive depois de se ter solicitado a sua ampliação, a Unidade de Controlo Interno não garante a abertura da investigação. Neste momento, não serão necessárias informações exaustivas sobre o incidente ou irregularidade, mas apenas as estritamente imprescindíveis para a execução da análise preliminar Início da análise preliminar e eventual acumulação de incidentes e/ou irregularidades DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 7 de 13

8 Com as informações recebidas e o respetivo aviso de receção, a Unidade de Controlo Interno efetuará uma análise preliminar, que será numerada para sua melhor identificação. Caso sejam recebidos diferentes incidentes ou irregularidades sobre um mesmo facto ou sobre factos interligados, a Unidade de Controlo Interno poderá acumular diferentes casos Conclusão da análise preliminar das informações recebidas A Unidade de Controlo Interno efetuará uma análise preliminar do incidente ou irregularidade para verificar a veracidade, clareza e completude do(a) mesmo(a), bem como a relevância dos factos reportados. Em função do resultado que tal análise ofereça, poder-se-á adotar uma ou mais das decisões seguintes: a) Admissão da comunicação ou denúncia e início do respetivo processo de investigação relativamente aos factos denunciados. b) Admissão da comunicação ou denúncia e conclusão imediata da análise preliminar quando o conteúdo da mesma for manifestamente irrelevante, quando as informações forem insuficientes para se proceder a qualquer atuação adicional, ou quando as informações não satisfizerem os requisitos de veracidade, completude e clareza. c) Inadmissão da comunicação ou denúncia e conclusão imediata da análise preliminar quando os factos reportados não constituírem nenhum dos casos aos quais a epígrafe 2.1 anterior se refere Informação ao informador ou denunciante em caso de conclusão da análise preliminar Quando a análise preliminar tiver sido levada a cabo em consequência de uma denúncia recebida através do Canal de Ética do Grupo CEPSA, nos casos descritos nas alíneas a) e b) da epígrafe anterior, a Unidade de Controlo Interno notificará o informador ou denunciante sobre a inadmissão da denúncia ou a conclusão da análise preliminar, conforme o caso, bem como qualquer medida adicional que tenha sido adotada Medidas adicionais Paralelamente à adoção das decisões descritas nas alíneas a) e b) da epígrafe 3.4 anterior, a Unidade de Controlo Interno poderá adotar alguma medida adicional com carácter de urgência para evitar determinadas consequências, em coordenação com os respetivos órgãos funcionais. Em qualquer caso, a Unidade de Controlo Interno informará o informador ou denunciante sobre a DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 8 de 13

9 decisão tomada, conforme o caso, bem como sobre qualquer medida adicional que tenha sido adotada Proteção de dados de carácter pessoal O uso do Canal de Ética por parte de qualquer pessoa representa para o Grupo CEPSA a obrigação de garantir a confidencialidade e a proteção dos dados que tenham sido facultados através do mesmo. Os dados serão incluídos num ficheiro de dados pertencente à Compañía Española de Petróleos, S.A.U. (CEPSA) tendo por objetivo facilitar todas ações de investigação que se considerem necessárias. A CEPSA compromete-se a aplicar as medidas de carácter técnico necessárias para garantir a segurança, integridade, não alteração, não tratamento, e acesso não autorizado aos dados facultados. O cancelamento dos dados do Canal de Ética será levado a cabo quando a análise e utilização dos mesmos tenham terminado, desde que do seu tratamento não se originem processos administrativos ou judiciais. Da mesma forma, a CEPSA conservará tais dados enquanto for possível apurar responsabilidades através das ações dos denunciantes ou das atuações levadas a cabo pelo Grupo CEPSA. Os utilizadores do Canal de Ética poderão exercer os direitos de acesso, retificação, cancelamento e oposição relativamente aos seus dados pessoais que nele constam mediante comunicação escrita à CEPSA, enviada para a sua sede social, comprovando a sua identidade mediante o seu B.I., N.I.E. ou Passaporte em vigor. 4. PROCESSO DE INVESTIGAÇÃO 4.1. Início da investigação O objetivo do processo consistirá no esclarecimento dos factos ocorridos e na identificação dos seus responsáveis. Em função do âmbito, alcance e pessoas alegadamente envolvidas no incidente, o responsável pela Unidade de Controlo Interno avaliará a estratégia de investigação a desenvolver em cada caso concreto, podendo escolher uma das opções seguintes: a) Que o processo de investigação seja integralmente concebido, liderado e gerido pelo responsável perante a Unidade de Controlo Interno, sem prejuízo das consultas ou apoio pontual que possa requerer de outros departamentos para a sua tramitação total. b) Que o processo de investigação seja concebido, liderado e gerido por uma equipa designada para tal efeito pela Unidade de Controlo Interno, cujos membros poderão incluir representantes de qualquer unidade do Grupo CEPSA suscetíveis de terem conhecimento dos factos alegadamente ocorridos ou cuja intervenção possa ser relevante para os efeitos DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 9 de 13

10 da investigação. c) Que o processo de investigação seja delegado num órgão ou departamento interno específico do Grupo CEPSA quando isso for recomendável em virtude da sua especialidade ou conhecimentos específicos da área a investigar. d) Que o processo de investigação seja externalizado, no todo ou em parte, dependendo daquilo que as circunstâncias do caso aconselharem. Em qualquer caso a Unidade de Controlo Interno, atendendo sempre à relevância dos factos investigados, poderá levar os mesmos ao conhecimento do Comité, de forma prévia e extraordinária, para a determinação de ações a levar a cabo. Qualquer colaboração na investigação de qualquer Pessoa Afetada pelo Código de Ética do Grupo CEPSA estará sujeita ao dever de confidencialidade relativamente às informações que possa conhecer na sua atuação. De igual modo, é obrigação da pessoa que prestar a colaboração abster-se de fazer parte da equipa de investigação se sobre a mesma puder existir conflito de interesses ou justa causa Comunicação aos sujeitos investigados No decurso da investigação, o investigador entrará em contacto com os sujeitos denunciados, identificando-se aos mesmos como encarregado da investigação da denúncia e informando-os sucintamente sobre os factos que lhes são atribuídos e sobre os principais acontecimentos que poderão ocorrer durante a investigação. Não obstante, nos casos em que tal comunicação implique um risco de manipulação ou eliminação das provas necessárias para a investigação por parte do denunciado, a comunicação poderá ser atrasada no máximo até três meses a contar da receção da denúncia Desenvolvimento do procedimento de investigação Será imprescindível que se inclua no processo a documentação detalhada de todas as ações desenvolvidas e os documentos que tenham sido recolhidos para a obtenção de uma evidência suficiente e adequada. Para tal obtenção da evidência, o investigador poderá exercer as ações que considerar oportunas como, por exemplo, a revisão de documentos ou registos, a análise de processos e procedimentos ou a execução de entrevistas, entre outras. O Grupo CEPSA garantirá a integridade e a não manipulação das evidências obtidas Relatório final Uma vez concluídas todas as diligências de investigação, a Unidade de Controlo Interno elaborará um DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 10 de 13

11 relatório de conclusões destinado ao Comité de Ética, que conterá a descrição dos elementos seguintes: a) Natureza do incidente ou irregularidade.- Identificação dos sujeitos intervenientes. b) Relação dos factos e descobertas relevantes. c) Conclusões e avaliação dos factos, podendo propor duas eventuais ações: i. Arquivamento do processo, se o Comité de Ética considerar que o facto não constitui uma eventual infração. ii. Proposta da continuação do procedimento ao Comité de Ética, de acordo com a epígrafe 5.3 deste procedimento, caso se considere que das diligências efetuadas ficou suficientemente comprovado o cometimento, pelo denunciado, de um ato contrário aos princípios gerais de atuação e valores éticos contidos no Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA. d) Proposta de medidas, controlos e/ou ações a levar a cabo pelo Grupo CEPSA para impedir que tal infração volte a ocorrer Atuações finais O relatório final de investigação, uma vez elaborado, será imediatamente transferido para o Comité de Ética. Os dados pessoais dos afetados serão conservados durante o tempo estritamente necessário, tal como descrito na epígrafe 3.7 anterior. 5. RESOLUÇÃO DO PROCEDIMENTO 5.1. Órgão responsável O órgão competente para dar resposta aos incidentes ou irregularidades que ocorram relativamente ao Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA, resolvendo as propostas apresentadas pela Unidade de Controlo Interno, é o Comité de Ética. Em caso de incompatibilidade de qualquer um dos membros do Comité de Ética para a tramitação de um assunto concreto, tal membro será afastado de todos os trâmites que sejam efetuados relativamente ao mesmo. DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 11 de 13

12 5.2. Resoluções do Comité de Ética O Comité de Ética poderá adotar alguma das decisões seguintes: a) Solicitar a execução de ações de investigação adicionais. b) Arquivar o processo por ausência de prova suficiente ou porque os factos não têm relevância para este efeito, devolvendo-o em tal caso ao responsável pela Unidade de Controlo Interno, para a gestão do arquivamento. c) Declarar o cometimento de um incidente ou irregularidade relativamente ao Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA, instando à respetiva Administração da Unidade de Negócios ou Área a aplicação do regime disciplinar ou a adoção de alguma medida adicional, de acordo com o que se descreve nas epígrafes seguintes. d) Colocar as irregularidades identificadas à disposição da administração da justiça competente. O Grupo CEPSA comunicará às autoridades competentes todas as irregularidades relativas a corrupção e branqueamento de capitais, logo que as conheça Trâmite de audiência Uma vez recebido o relatório final de investigação, o Comité de Ética nos casos descritos no ponto 5.2 com as letras c e d, efetuará a transmissão do mesmo aos sujeitos investigados, aos quais se concederá um prazo de 5 dias úteis para alegarem por escrito tudo o que considerarem conveniente para a sua defesa e para proporcionarem os documentos que considerem de interesse. O Comité de Ética poderá convidar para participação neste trâmite qualquer funcionário, órgão ou unidade interna ou assessor externo que considerar convenientes, com base nos seus conhecimentos específicos Sanções As sanções que poderão ser impostas em cada caso serão as previstas, dependendo do regime de vinculação do denunciado. Tais sanções serão graduadas tendo em atenção a gravidade dos factos cometidos, podendo ser tidas em consideração circunstâncias tais como a reincidência, o dano ou prejuízos causados, as circunstâncias das vítimas, se houver, etc. Para tal efeito, quando for precetiva a tramitação de processo disciplinar, o relatório final do investigador será incorporado no processo, para se evitar a duplicação de atuações Outras medidas No caso c) da epígrafe 5.2 anterior, o Comité de Ética poderá adotar outras medidas adicionais de DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 12 de 13

13 reação e resposta, tais como: a) Reportar os factos a qualquer autoridade com competência sobre os mesmos, quer administrativa quer judicial. b) Adotar ações de ressarcimento relativamente a qualquer pessoa, entidade ou Grupo de Interesse que possam ter sido prejudicados pelos factos. c) Tomar decisões de comunicação, formação ou difusão interna dos factos, tanto a qualquer órgão ou unidade do Grupo CEPSA como em geral ao conjunto das Pessoas Afetadas pelo Código de Ética e de Conduta, quando tal for considerado como uma ferramenta eficaz para prevenir incidentes ou irregularidades semelhantes no futuro e sempre com o respeito escrupuloso pela legislação relativa à proteção de dados pessoais e salvaguardando a confidencialidade e reserva necessárias. d) Propor medidas organizativas ou de prevenção de qualquer tipo Comunicação das decisões. As decisões do Comité de Ética serão imediatamente comunicadas às Administrações da Unidades de Negócios ou das Áreas responsáveis pela aplicação das medidas aprovadas. Tais decisões serão comunicadas, adicionalmente, ao denunciante. 6. GESTÃO DO PROCEDIMENTO A gestão deste procedimento interno é da competência do Comité de Ética, que deverá portanto interpretar as dúvidas que possam surgir na sua aplicação, bem como proceder à sua revisão quando for necessário para atualizar o seu conteúdo. 7. RELAÇÃO COM OUTROS INSTRUMENTOS DE PLANEAMENTO E CONTROLO Este documento normativo está principalmente relacionado com a seguinte normativa do Grupo CEPSA: DI-001 Código de Ética e de Conduta do Grupo CEPSA. Manual de Funções do Comité de Ética do Grupo DI-0001 Código de Ética e de CondutaRev. I/Junho de 2014Edita: Org. e ProcessosGere: Comissão ExecutivaData vigor: Novembro de 2012 Pág 13 de 13

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Entre as diversas mudanças significativas que estão a acontecer no Cepsa, o Conselho de Administração aprovou a revisão do Código de Ética e Conduta que se encontrava em vigor

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO DE EMPRESAS ÍNDICE CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA COMPAÑÍA ESPAÑOLA DE PETRÓLEOS, S.A.U. (CEPSA) E DO SEU GRUPO

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

2.IDENTIFICAÇÃO DA SEDE SOCIAL DO RESPONSÁVEL DO FICHEIRO

2.IDENTIFICAÇÃO DA SEDE SOCIAL DO RESPONSÁVEL DO FICHEIRO 1.PREÂMBULO Em cumprimento do disposto na Lei de Proteção de Dados de Carácter Pessoal, a PRAXIS HISPANIA, S.L. (de ora em diante PRAXIS) informa o utilizador do website www.youngbusinesstalents.com/pt

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

Seja bem-vindo à página do Provedor do estudante da Escola Superior de Enfermagem de São José de Cluny.

Seja bem-vindo à página do Provedor do estudante da Escola Superior de Enfermagem de São José de Cluny. Provedor do Estudante Seja bem-vindo à página do Provedor do estudante da Escola Superior de Enfermagem de São José de Cluny. Ao Provedor do Estudante cabe promover e defender os direitos e interesses

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA BES, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA BES, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A Artigo 1º ÂMBITO 1. A presente Política de Tratamento consagra os princípios adotados pela BES, Companhia de Seguros, S.A. (BES Seguros), no quadro do seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados,

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ARBITRAGEM ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DE LEIRIA COMUNICADO OFICIAL N.º 051 Data: 2012.09.26 Para conhecimento dos Clubes filiados, Comunicação Social e demais interessados, se comunica: REGIMENTO INTERNO DO Cumprindo

Leia mais

Câmara Municipal de São Pedro do Sul

Câmara Municipal de São Pedro do Sul Regulamento A elaboração do presente regulamento resulta da necessidade de definir regras e harmonizar os procedimentos relacionados com a duração e organização do tempo de trabalho, conforme impõe o definido

Leia mais

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint)

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Denúncias - Geral Segurança das denúncias Confidencialidade e proteção de dados Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I: Objetivos Art. 1º - A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial (SOGAOR),

Leia mais

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO

BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO BANCO LATINO-AMERICANO DE COMÉRCIO EXTERIOR S.A. ESTATUTOS DO COMITÊ DE NOMEAÇÃO E REMUNERAÇÃO I. Objetivos O Comitê de Nomeação e Remuneração (o Comitê ) do Banco Latino-Americano de Comércio Exterior

Leia mais

Mandato do Comité de Auditoria

Mandato do Comité de Auditoria BCE-PÚBLICO Mandato do Comité de Auditoria O Comité de Auditoria de alto nível, estabelecido pelo Conselho do Banco Central Europeu (BCE) nos termos do artigo 9.º-A do Regulamento Interno do BCE, reforça

Leia mais

Política de Gestão de Risco de Fraude

Política de Gestão de Risco de Fraude Política de Gestão de Risco de Fraude Versão: 1.0-2015 Alterada: 2 de junho de 2015 Aprovado por: Conselho de Administração Data: 3 de junho de 2015 Preparado por: Conselho de Administração Data: 2 de

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES Direito à prestação de trabalho em condições de Segurança e Saúde O direito de todos os/as trabalhadores/as à prestação do trabalho em condições de Segurança e Saúde encontra-se

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento Disciplinar é aplicável aos estudantes do ISAL - Instituto Superior de Administração e

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto 1.1. Pelo presente documento, a INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. ( Gestora ), vem,

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO COMITÉ DE AGENTES DO MERCADO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO E OBJETO. Artigo 1. Denominação e Regime jurídico. O Comité de Agentes do Mercado constitui-se como um órgão

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A

POLÍTICA DE TRATAMENTO DA GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A Artigo 1º ÂMBITO 1. A presente Política de Tratamento consagra os princípios adotados pela GNB - COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. (GNB SEGUROS), no quadro do seu relacionamento com os tomadores de seguros, segurados,

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 16/93, de 23 de janeiro, este diploma foi retificado pela lei n.º 14/94, de 11 de maio designadamente o seu artigo 10.º, n.º 2, prevê

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NA PESQUISA CIENTÍFICA

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NA PESQUISA CIENTÍFICA MANUAL DE BOAS PRÁTICAS NA PESQUISA CIENTÍFICA BASEADO NO CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS CIENTÍFICAS FAPESP 2012 1. Diretrizes para as atividades científicas Estas diretrizes repousam sobre o princípio geral

Leia mais

2014 Procedimento gestão de denúncias

2014 Procedimento gestão de denúncias 2014 Procedimento 2 Procedimento Índice 1. Premissa... 3 2.Normativa externa e interna aplicável... 3 3.Deveres e responsabilidades... 3 4. Processo... 4 5. Controle... 4 6.Comissão de denúncias... 4 7.

Leia mais

Regulamento Interno. Voluntariado

Regulamento Interno. Voluntariado Regulamento Interno Voluntariado Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/novembro 2012 Aprovado por/data Direção/14.11.2012 Revisto por/data Índice Capitulo I... 4 Disposições Gerais...

Leia mais

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública

SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública SIADAP Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro) 1

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Competências Art. 1º - Compete à Comissão de Ética, no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

A COMISSÃO DE AUDITORIA DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MANDATO

A COMISSÃO DE AUDITORIA DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MANDATO -1- A COMISSÃO DE AUDITORIA DA MOTA-ENGIL AFRICA N.V. MANDATO A Mota-Engil Africa N.V. (a "Empresa") adotou um modelo de governação de um nível. Nos termos do disposto no princípio III.5 (e nas disposições

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE CONSULTA

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE CONSULTA TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE CONSULTA REGULAMENTO DO SERVIÇO DE CONSULTA INDICE ARTIGO 1.º - Norma habilitante ARTIGO 2.º - Serviços de consulta ARTIGO 3.º - Requerimento ARTIGO

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO CONSELHO FISCAL GALP ENERGIA, SGPS, S.A.

REGULAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO CONSELHO FISCAL GALP ENERGIA, SGPS, S.A. REGULAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO CONSELHO FISCAL GALP ENERGIA, SGPS, S.A. Artigo 1.º Objeto O presente documento regulamenta as competências, deveres e funcionamento do Gabinete de Apoio ao Conselho

Leia mais

Termos e Condições de Utilização e Politica de Privacidade. Site CML

Termos e Condições de Utilização e Politica de Privacidade. Site CML Termos e Condições de Utilização e Politica de Privacidade Site CML 1. Termos e Condições de Utilização O uso por todo e qualquer utilizador deste sítio será regulado pelos presentes Termos e Condições,

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

AIR LIQUIDE SOLDADURA, LDA. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

AIR LIQUIDE SOLDADURA, LDA. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA AIR LIQUIDE SOLDADURA, LDA. CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA Junho de 2015 Primeira.- Definições. Produtos significa todos os equipamentos, instalações, consumíveis, processos, sistemas, soluções e serviços relacionados

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado A Direção-Geral do Consumidor (DGC) apresenta um conjunto de respostas às perguntas suscitadas com maior frequência. Em caso de dúvida,

Leia mais

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento Gabinete Do Aluno Regulamento 2012-2013 Preâmbulo A disciplina, entendida como a interiorização de um conjunto de regras básicas do saber - estar e ser -, merece particular atenção por parte de todos os

Leia mais

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A.

Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Política de Privacidade de Dados Pessoais Cabovisão - Televisão por Cabo S.A. Princípios Gerais A garantia que os clientes e utilizadores da Cabovisão-Televisão por Cabo S.A. ( Cabovisão ) sabem e conhecem,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES

POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES POLÍTICA DE GESTÃO DE IRREGULARIDADES GEWISS Departamento de Auditoria Interna Corporate 8 de Maio de 2014 ÍNDICE 1. OBJECTIVO E ÂMBITO... 3 2. REGRAS DE REFERÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. PRINCÍPIOS

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO NACIONAL PARA A ECONOMIA SOCIAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1. (Natureza) O Conselho Nacional para a Economia Social, adiante também identificado como CNES,

Leia mais

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS

CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS CONVENÇAO EUROPEIA SOBRE O EXERCÍCIO DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS Preâmbulo Os Estados-membros do Conselho da Europa, bem como os outros Estados signatários da presente Convenção, Considerando que o objetivo

Leia mais

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO

CAPITULO I OBJECTIVOS DO REGULAMENTO Preâmbulo: O SIADAP visa contribuir para a melhoria do desempenho e qualidade de serviço da Administração Pública, para a coerência e harmonia da acção dos serviços, dirigentes e demais trabalhadores e

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA TOKIO MARINE SEGUROS S.A.

REGULAMENTO DA OUVIDORIA TOKIO MARINE SEGUROS S.A. REGULAMENTO DA OUVIDORIA TOKIO MARINE SEGUROS S.A. DA CONSTITUIÇÃO Artigo 1º - Por decisão da Diretoria Tokio Marine Seguradora S.A., e na forma da Circular Susep nº 279/2013 esta OUVIDORIA atuará nos

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

Regulamento do Passatempo EU VOU e levo Amigos Rock in Rio Lisboa 2012

Regulamento do Passatempo EU VOU e levo Amigos Rock in Rio Lisboa 2012 Regulamento do Passatempo EU VOU e levo Amigos Rock in Rio Lisboa 2012 Os seguintes Termos e Condições destinam-se a regular o passatempo EU VOU e levo Amigos, mediante o qual a Controlinveste Media, SGPS

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento estabelece as regras de funcionamento dos

Leia mais

Regulamento Do Arquivo da Junta de Freguesia de Avanca. Junta de Freguesia de Avanca Sector de Arquivo

Regulamento Do Arquivo da Junta de Freguesia de Avanca. Junta de Freguesia de Avanca Sector de Arquivo Regulamento Do Arquivo da Junta de Freguesia de Avanca Junta de Freguesia de Avanca Sector de Arquivo Avanca 2009 Preâmbulo O Arquivo é, sem dúvida, a materialização da memória colectiva. É com base neste

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Quem Somos? A Portugal Telecom, SGPS, SA. ( PT ) é a holding de um grupo integrado de Empresas (Grupo PT), que atua na área das comunicações

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras Código: NT.00047.GN-SP.

norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras Código: NT.00047.GN-SP. norma técnica Padrão de Segurança e Saúde: avaliação do desempenho em segurança e saúde das empresas colaboradoras Código: NT.00047.GN-SP.ESS Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento

Leia mais

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

Condições Gerais de Venda PREÂMBULO

Condições Gerais de Venda PREÂMBULO Condições Gerais de Venda PREÂMBULO 1.º Estas condições gerais de venda são acordadas entre A Factor de Segurança, Lda, uma sociedade por quotas, com sede na Rua de Goa n.º 321 4465-148 S. Mamede de Infesta,

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos CIRCULAR CAIXA Nº 351, DE 04 DE ABRIL DE 2005 - DOU

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012

PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 PROCEDIMENTO DE RESOLUÇÃO DE DISPUTAS PÓS- DELEGAÇÃO DE MARCAS (PDDRP DE MARCAS) 4 DE JUNHO DE 2012 1. Partes da disputa As partes da disputa serão o titular da marca e o operador de registro do gtld.

Leia mais

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 30/04 REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Olivos para a Solução de Controvérsias no MERCOSUL

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS. Decreto n.º 25/95 Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América Relativo à Assistência Mútua entre os Respectivos Serviços Aduaneiros Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

Código de Ética Fevereiro de 2015

Código de Ética Fevereiro de 2015 Código de Ética Fevereiro de 2015 Índice 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Ética... 3 2.1. Princípios e valores fundamentais... 3 2.2. Proibição de decisão em situação de conflito de interesses... 4 2.3.

Leia mais

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1 Artigo 54.º Faltas do aluno do ensino pré-escolar 1. No ensino pré-escolar, o conceito de falta aplica-se quando a criança não comparece durante todo o dia no Jardim de Infância ou nas atividades previstas

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL A República Portuguesa e Belize a seguir designadas por as Partes, Desejando facilitar a troca de informações em

Leia mais

Acordo ibero-americano sobre o uso da videoconferência na cooperação internacional entre sistemas de justiça

Acordo ibero-americano sobre o uso da videoconferência na cooperação internacional entre sistemas de justiça Acordo ibero-americano sobre o uso da videoconferência na cooperação internacional entre sistemas de justiça Os Estados ibero-americanos signatários este Acordo, doravante designados por as Partes, Manifestando

Leia mais

.1 Comportamentos esperados

.1 Comportamentos esperados Normas de Conduta Normas de Conduta Este documento contém normas de conduta que devem ser respeitadas pelos diretores, auditores, líderes e todos os empregados do Grupo Pirelli, e também por todos que

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Regimento do Conselho Municipal de Educação de Cascais Índice Natureza e Objetivos 2 Competências 2 Composição 3 Comissão Permanente 4 Presidência 5 Periodicidade 5 Convocação das reuniões 6 Quórum 6 Uso

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL INTRODUÇÃO... 2 1. ACESSO À INFORMAÇÃO... 3 1.1. Disposições gerais... 3 1.2. Cumprimento... 3 1.3. Supervisão...

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 11 EMENDA nº 00 PROCEDIMENTOS E NORMAS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGULAMENTOS BRASILEIROS DA AVIAÇÃO CIVIL Aprovação: Resolução

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS - PROCEDIMENTOS INTERNOS - Divisão Administrativa Serviço de Segurança e Higiene no Trabalho Índice CÂMARA Nota Prévia...2 1. Legislação Aplicável...2 2. Âmbito...3 3. Conceitos...3

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais