Fatores que determinam a qualidade das Instruções de Aeronavegabilidade Continuada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fatores que determinam a qualidade das Instruções de Aeronavegabilidade Continuada"

Transcrição

1 Fatores que determinam a qualidade das Instruções de Aeronavegabilidade Continuada Talita Guazzelli Dias Engenheira Mecânica Engenheira de Desenvolvimento do Produto na Embraer José Nogueira da Mata Filho Mestre em Engenharia Aeronáutica Engenheiro de Desenvolvimento do Produto Sênior na Embraer Palavras Chave: Aeronavegabilidade Continuada, Manuais, Mecânicos, Tarefas de Manutenção. BIOGRAFIA Talita Guazzelli Dias, Engenheira Mecânica, formada pela Escola de Engenharia Mauá, em São Caetano do Sul. Com o cargo de Engenheira de Plano de Manutenção na Embraer, situada em São José dos Campos, iniciou sua carreira nesta empresa no Programa de Especialização em Engenharia (PEE), turma 17, em 2011, logo após ter concluído o ensino superior. Este Programa forma alunos no curso de Mestrado Profissionalizante em Engenharia Aeronáutica, com parceria entre a Fundação Casemiro de Abreu, a Embraer e o Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA). Atualmente, é responsável pelas análises do Plano de Manutenção dos sistemas mecânicos da aeronave militar KC-390. José Nogueira da Mata Filho, Engenheiro Eletricista, formado pela Universidade Veiga de Almeida - RJ. Possui título de Mestre em Segurança de Voo pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e MBA em Gestão Empresarial pela Faculdade Getúlio Vargas (FGV). Desde 1987 atua na área de manutenção aeronáutica da Embraer, participando e coordenando atividades de desenvolvimento do Plano de Manutenção de diversas aeronaves. Atualmente, coordena o time de Plano de Manutenção e Confiabilidade da aeronave militar KC-390. É também colaborador nos trabalhos promovidos pelo comitê internacional da Air Transport Association (ATA) Associação de Transportes Aéreos - visando à atualização do documento MSG-3. RESUMO Para suprir a necessidade do aumento da demanda por viagens áreas, as companhias passaram a, além de adquirir novas aeronaves, utilizar de forma mais intensa as aeronaves que já possuem. O aumento de horas de voo e do número de ciclos (pousos e decolagens) requer maiores cuidados às aeronaves, resultando em um maior número de manutenções. No entanto, nem sempre é possível que mais profissionais sejam contratados para suprir esta necessidade e, neste caso, as tarefas de manutenção devem ser realizadas em um menor espaço de tempo e por uma quantidade reduzida de mecânicos. Para que as tarefas de manutenção possam ser realizadas pelos mecânicos no tempo adequado, com qualidade para garantir um voo seguro, atendendo às expectativas dos clientes e sem erros que venham a ocasionar incidentes ou até acidentes, os técnicos devem contar com uma documentação que os auxilie, os faça realizar os procedimentos de manutenção de forma ágil e eficiente e que não deem margem para erro e má interpretação. O objetivo deste trabalho é identificar e demonstrar os fatores que, muitas vezes, fazem com que o mecânico de manutenção, ao invés de seguir os manuais, use sua experiência e consulte outros mecânicos mais experientes para a realização das tarefas de manutenção. Para identificação destes fatores, foram utilizados dados de suporte à manutenção, resultados de pesquisas bibliográficas e pesquisa descritiva com mecânicos de um Centro de Serviço. Dentre os principais fatores levantados, estão a falta de clareza e praticidade das informações de manutenção. A maneira como a tarefa é escrita, de acordo com os mecânicos, muitas vezes não descreve procedimentos básicos e apresenta sequência de passos que dificulta a execução. Através dos dados recolhidos, é possível identificar que o conhecimento da realidade das oficinas de manutenção e uma maior interface entre engenheiros e mecânicos de manutenção é fator determinante para que os procedimentos elaborados sejam de fato utilizados no dia a dia da Manutenção de Aeronaves. INTRODUÇÃO Neste artigo serão apresentados os principais motivos pelos quais os mecânicos de manutenção, muitas vezes, preferem consultar seus colegas ou utilizar sua experiência para realizar as tarefas de manutenção, ao invés de consultar os Manuais de Manutenção Anais do 6º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2013) Direitos Reservados - Página 968 de

2 Também serão identificados os principais fatores que contribuem para a elaboração e execução de uma tarefa de manutenção e serão propostos meios de otimização deste processo, de forma a melhorar a qualidade dos Manuais de Manutenção que são acessados pelos mecânicos. Com o aumento da confiabilidade dos Manuais de Manutenção, é possível então diminuir registros de problemas por parte dos Operadores, com relação aos manuais, e também o número de incidentes/acidentes ocasionados por erros ou falhas na manutenção. MANUTENÇÃO NA INDÚSTRIA AERONÁUTICA Função, tipos e níveis da Manutenção de Aeronaves A função da Manutenção de aeronaves é garantir a Aeronavegabilidade Continuada, retornando o nível de Confiabilidade dos sistemas e estrutura do produto à sua condição inicial. A Manutenção pode ser dividida em dois tipos básicos: a Manutenção Preventiva e a Corretiva. A Manutenção Preventiva é coberta pelas tarefas geradas no Plano de Manutenção da aeronave, ou seja, tarefas programadas para um intervalo específico, que previnem a ocorrência de uma falha ou podem detectar a iminência de falha ou falha prematura. Já a Manutenção Corretiva ocorre quando se tem um problema e, então, é preciso corrigi-lo para que a aeronave continue operando. Quanto aos níveis de Manutenção, estes podem ser divididos em: organizacional, quando as tarefas são realizadas na aeronave, sem retirá-la de operação (onaircraft e line maintenance - manutenção de linha), intermediário, com tarefas realizadas em um hangar, exigindo alguns equipamentos especiais de apoio, e Manutenção nível parque, que é realizada com os equipamentos desmontados da aeronave (off-aircraft). Documentos de Manutenção Para um jato moderno, de acordo com KINNISON (2004), a quantidade de documentos de manutenção necessária é equivalente ao peso desta mesma aeronave. Ou seja, são necessários diversos procedimentos e orientações técnicas para que os mecânicos possam compreender e executar tarefas de manutenção. Além dos manuais de procedimentos e documentos que descrevem a aeronave, produzidos pelo fabricante, existem os procedimentos e manuais de sistemas, elaborados pelos fornecedores, e a documentação gerada pelos operadores, que são destinadas a cada tipo de operação e utilização. Tudo isto constitui a documentação da aeronave que deve ser utilizada na manutenção. Os principais manuais gerados para auxílio na compreensão do funcionamento dos sistemas, execução de tarefas e logística de trabalho dos mecânicos de Manutenção estão listados a seguir. Airplane Maintenance Manual (AMM) - Manual de Manutenção da Aeronave O AMM contém, além dos procedimentos detalhados de cada tarefa de manutenção a ser executada na aeronave, uma introdução com as principais informações sobre os sistemas e orientações para tarefas de servicing, testes funcionais e operacionais, ajustes, reabastecimentos de fluidos e remoção de instalação de diversas LRUs. Component Maintenance Manual (CMM) - Manual de Manutenção de Componentes Quando um componente é projetado pela fabricante da aeronave ou até mesmo quando este componente é fabricado por um fornecedor, devem ser elaborados manuais, que contém procedimentos de teste, métodos de montagem e desmontagem e tarefas específicas de manutenção, que possam ser necessárias e previstas no Plano de Manutenção da aeronave. Structural Repair Manual (SRM) - Manual de Reparo de Estruturas O SRM fornece informações para reparo de partes estruturais da aeronave. Estas informações são elaboradas pelo fabricante da aeronave e, assim como outros procedimentos, aprovadas pela FAA ou algum outro órgão designado por esta. Task Card (TC) - Cartão de Tarefa Os TCs são trechos do AMM que são elaborados para que o mecânico, no momento da execução da tarefa de manutenção, não precise dispor de todo o manual. Os cartões podem estar com os procedimentos modificados, de acordo com a necessidade do operador, e mediante aprovação do fabricante e do órgão regulador aplicável. Service Bulletins (SB) e Service Letters (SL) - Boletins de Serviço e Cartas de Serviço Sempre que o fabricante da aeronave ou de um sistema elabora uma modificação ou sugestões de melhoria para manutenção da aeronave, são gerados documentos que orientam o operador na execução da tarefa. O Boletim de Serviço é, normalmente, uma modificação que melhora a segurança ou operação da aeronave e fica a critério do operador aplicá-lo ou não, exceto nos casos em que este foi gerado por uma Airworthiness Directive (AD) - Diretriz de Aeronavegabilidade - determinada pela FAA. As Cartas de Serviço são geradas para que o procedimento de manutenção possa ser realizado de maneira mais efetiva e adequada, não existindo, neste caso, modificação de componentes ou sistemas. Comunicação entre Engenheiros e Mecânicos de Manutenção Engenheiros trabalham em soluções para problemas práticos. Sendo assim, estes profissionais devem estar presentes não só no desenvolvimento da aeronave, mas também ao longo do seu ciclo de vida e na manutenção. Os profissionais da Manutenção precisam conhecer, não só as operações de manutenção, mas também os requisitos de Anais do 6º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2013) Direitos Reservados - Página 969 de

3 aeronavegabilidade e certificação da aeronave, além de experiência prática, para que os problemas que ocorrem em campo possam ser detectados e corrigidos da melhor forma. Como nem sempre é possível encontrar no mercado um grande número de profissionais que acumulem experiência teórica e prática, é preciso que, na atividade de manutenção de um programa da indústria aeronáutica, existam engenheiros e mecânicos experientes trabalhando juntos. Os mecânicos de manutenção de aeronaves são, geralmente, divididos em especialidades (Elétrica, Aviônica, Hidráulica, Pneumática, Motor, Estruturas) e podem exercer diferentes tipos de atividades de manutenção, como: manutenção de linha, manutenção de base, overhaul, preparação para vôo ou servicing. Porém, independente de sua função ou especialidade, é esperado que o mecânico seja capaz de identificar os sistemas da aeronave, suas funções e os modos de operação. Quando uma falha ou desvio é encontrado, o mecânico deve executar um procedimento para reparo ou detecção/isolamento da falha. A experiência do mecânico pode ajudar em todas estas tarefas, diminuindo o tempo de execução, facilitando a detecção de problemas e aprimorando a solução. A participação em treinamentos em manutenção e específicos para determinados modelos de aeronave também pode fazer com que o mecânico adquira maior conhecimento e tenha assim maior facilidade na execução dos procedimentos. Os engenheiros, presentes tanto na fabricante de aeronaves quanto nas linhas aéreas, possuem conhecimento mais teórico, também especializados em alguma área (Mecânica, Elétrica, Aeronáutica, Química, Civil, etc), com habilidade para análises estatísticas, resolução de problemas e interpretação de resultados. O engenheiro de manutenção, mais especificamente, deve ser a ligação entre os mecânicos e o desenvolvimento do produto, sendo capaz de desenvolver soluções, junto aos engenheiros de desenvolvimento, que facilitem a execução e entendimento de uma tarefa de manutenção, não só modificando ou implementando os manuais, mas também inovando e influenciando na modificação de sistemas, em caso de necessidade. Segundo LEVITT (2008), uma empresa deve ter seus ouvidos voltados para os trabalhadores que estão em campo e seus supervisores, para detectar deteriorações aceleradas. Ou seja, os Mecânicos de Manutenção e Operadores são as figuras que podem, de forma mais concreta, trazer para dentro da empresa e para as áreas envolvidas no processo de elaboração dos Manuais de Manutenção, os reais problemas enfrentados e o que o Mercado espera de seus produtos e de seu serviço de suporte. Departamento de Engenharia de Manutenção O departamento de Engenharia de Manutenção conta, normalmente, com as seguintes tecnologias: Procedimentos de Manutenção, Mantenabilidade, GSEs, Plano de Manutenção, Confiabilidade, Peças de Reposição e Operações em Vôo. Dentre as atividades desenvolvidas, estão: elaboração e revisão de documentos de Manutenção, estudo de acessibilidade para a Manutenção, projeto de equipamentos de apoio em solo Ground Support Equipments (GSEs), desenvolvimento do Plano de Manutenção, gerenciamento da Confiabilidade Operacional da aeronave, levantamento de informações técnicas das peças de reposição e elaboração dos Manuais Operacionais. As tecnologias que mais podem contribuir para que a interface entre o departamento de Engenharia de Manutenção e os mecânicos seja impulsionada são: Procedimentos de Manutenção, Mantenabilidade e Plano de Manutenção. Melhorias nas informações e formatos dos Manuais de Manutenção e estudo para melhores condições de trabalho dos Mecânicos farão com que as áreas de Serviço ao Cliente e os Operadores adquiram maior confiança e utilizem sempre que necessário os manuais elaborados pela fabricante. Fluxo de informações entre as tecnologias no desenvolvimento dos Manuais de Manutenção Os processos em uma empresa são interligados. De acordo com LEVITT (2008), os departamentos são torres funcionais de habilidades e os processos são atividades que atravessam estes departamentos. Os processos devem ser mapeados e inteiramente compreendidos pelos colaboradores que estão nele envolvidos e, para facilitar o entendimento, podem ser representados por flow-charts (diagramas de fluxo), que ilustram a troca de informações e a seqüência de atividades entre parte dos departamentos de uma Indústria Aeronáutica. Cada setor possui responsabilidades e habilidades distintas para a execução de uma ou mais tarefas, que estão dentro dos processos da empresa, e farão parte do produto final. Os departamentos envolvidos no processo de elaboração dos Manuais de Manutenção e atualização dos mesmos ao longo do período de operação da aeronave estão representados no diagrama da Fig. 1, a seguir. Figura 1 - Flow-chart simplificado do processo de desenvolvimento dos Manuais de Manutenção, com as principais áreas de interface e sua funções. PESQUISA DE CAMPO Segundo CHAPARRO (2001), os Manuais de Manutenção podem contribuir com erros nas tarefas de Manutenção, caso contenham informações insuficientes ou errôneas e procedimentos confusos Anais do 6º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2013) Direitos Reservados - Página 970 de

4 Não há um método específico para medir a qualidade dos Manuais de Manutenção. No entanto, a medida de satisfação dos usuários dos manuais pode ser feita através dos dados de Suporte ao Cliente, que capturam a percepção, muitas vezes subjetiva, dos usuários com relação à qualidade e usabilidade dos manuais que utilizam. Em uma pesquisa realizada com mecânicos de Manutenção de nível organizacional (manutenção de linha) e intermediário, com média de 14 anos de experiência em Manutenção, foi constatado que cerca de 54% dos usuários classificaram os manuais que utilizam com boa qualidade e informaram que estes possuem diagramas e figuras também de boa qualidade e 47% informaram que o texto é claro. No entanto, com perguntas mais específicas foi constatado que os mecânicos tem, muitas vezes, dificuldades na utilização dos manuais e entendem que há formas mais fáceis e práticas de escrever os procedimentos. Outro grande problema encontrado foi o fato de os usuários dos manuais, em sua grande maioria, concordarem que quem escreve os procedimentos não compreendem e não conhecem o dia a dia da Manutenção. 19 Discordo O elaborador do manual entende como é feito o procedimento de Manutenção? Discordo Neutro Concordo Concordo Figura 3 - Gráfico com as respostas dos entrevistados para a pergunta O elaborador do manual entende como é feito o procedimento de Manutenção?. (Adaptado de CHAPARRO, 2001) Já realizou uma tarefa de um jeito melhor do que o escrito no Manual? Nos gráficos das figuras a seguir (Fig. 2-6), é possível observar que, embora os manuais tenham sido classificados como manuais de boa qualidade, pela maioria dos entrevistados, estes nem sempre confiam nas informações ali presentes e, desta forma, não conseguem aproveitar o conteúdo da melhor forma motivo que faz com que os mecânicos, muitas vezes, utilizem sua experiência, e a de seus colegas, para realizar as tarefas O manual descreve a maneira mais fácil de executar a tarefa? Nunca Raramente Ocasionalmente Algumas vezes Frequentemente Figura 4 - Gráfico com as respostas dos entrevistados para a pergunta Já realizou uma tarefa de um jeito melhor do que o escrito no Manual?. (Adaptado de CHAPARRO, 2001) Manual com procedimentos não claros já o levou a executar tarefas de maneira diferente do que estava descrito no procedimento? 2 41 Discordo Discordo Neutro Concordo Concordo Figura 2 - Gráfico com as respostas dos entrevistados para a pergunta O manual descreve a maneira mais fácil de executar a tarefa?. (Adaptado de CHAPARRO, 2001) Nunca Raramente Ocasionalmente Algumas vezes Frequentemente Sem resposta Figura 5 - Gráfico com as respostas dos entrevistados para a pergunta Manual com procedimentos não claros já o levou a executar tarefas de maneira diferente do que estava descrito no procedimento?. (Adaptado de CHAPARRO, 2001) Anais do 6º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2013) Direitos Reservados - Página 971 de

5 Manual com procedimentos não claros já o levou a pedir ajuda a um colega para executar uma tarefa? 56 mais de 80% dos acionamentos são para auxiliar na compreensão dos procedimentos, ou seja, podem ser os responsáveis por, muitas vezes, os mecânicos utilizarem sua própria experiência. Dados de pesquisa - Centro de Serviço A pesquisa para substanciação deste artigo foi realizada no Centro de Serviço de uma fabricante de aeronaves, que atende clientes da Aviação Executiva. 3 Nunca Raramente Ocasionalmente Algumas vezes Frequentemente Sem resposta Figura 6 - Gráfico com as respostas dos entrevistados para a pergunta Manual com procedimentos não claros já o levou a pedir ajuda a um colega para executar uma tarefa?. (Adaptado de CHAPARRO, 2001) Dados de pesquisa Setor de Suporte à Manutenção O setor de Suporte à Manutenção recebe dúvidas e sugestões, com relação à operação e manutenção de aeronaves, e, além de ajudar na solução dos problemas apresentados, compila as informações recebidas, com o propósito de melhorar a qualidade dos produtos e manuais, facilitando o dia a dia dos operadores. Entre os anos de 2008 a 2010, foram realizadas cerca de 5300 consultas ao setor de Suporte de um fabricante de aeronaves, com relação à utilização de manuais de manutenção. Segundo pesquisa de MATA FILHO (2011), focada em 1268 consultas, que aconteceram de janeiro a outubro de 2010, grande parte dos acionamentos por parte dos operadores, foi para esclarecimento de dúvidas, com relação às informações contidas no manual. Houve também uma preocupação com procedimentos incompletos, incorretos e até mesmo correções ortográficas, como é possível observar no gráfico da Fig. 7, mostrada a seguir. Informação incorreta ou incompleta 20% Informação Ausente 1% Novo Cenário 2% Melhorias 12% Correção Editorial 1% 6 2 Esclarecimentos 64% Figura 7 - Gráfico com a distribuição de acionamentos feitos por operadores ao setor de Suporte à Manutenção, dos meses de janeiro a outubro de (Adaptado de MATA FILHO, 2011) Foram entrevistados 16 mecânicos, das especialidades de mecânica, elétrica, estruturas, aviônica e motor, com idade média de 36 anos (o mais novo com 24 e o mais velho com 52 anos). Todos com curso técnico e alguns deles com Ensino Superior iniciado e interrompido, para obtenção do certificado ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil, e com experiência média de 13 anos em Manutenção de Aeronaves. Todos citaram o AMM como o manual que mais utilizam no dia a dia e que gastam, normalmente, até 25% do tempo da tarefa buscando informações neste e em outros manuais. O maior número de erros encontrados nos manuais, segundo as entrevistas, são com relação às figuras, porém não com grande frequência. Para eles, as ilustrações são um grande auxílio no entendimento da tarefa e principalmente na localização do sistema na aeronave. A distribuição de capítulos mostra-se adequada, facilitando a busca, e os links (referências a outros manuais ou atas) também auxiliam, quando o sistema e os computadores funcionam corretamente. O inglês técnico é de fácil compreensão, mas algumas vezes há informações que não precisariam estar ali e, portanto, fazem com que o texto se torne mais complexo. Ao mesmo tempo, as práticas padrões não aparecem e mecânicos com menos experiência tem que recorrer a um colega para realizar a tarefa. A ordem das atividades muitas vezes não é coerente, demonstrando procedimentos impossíveis de serem realizados, sendo necessária, novamente, a experiência do mecânico. Todos os entrevistados discordam do fato de que quem escreve o procedimento conhece a tarefa, a aeronave e o ambiente em que eles trabalham. Quase todos fizeram comentários e expressaram o desejo de que os Engenheiros de Publicações (Engenheiros que escrevem os procedimentos de Manutenção) visitem o Centro de Serviço e recebam sugestões para elaboração dos procedimentos. Quando encontram problemas ou erros nos procedimentos, normalmente comunicam a Engenharia, porém, dificilmente recebem o retorno da ação de melhoria ou correção tomada. Isto, de certa forma, faz com que eles percam o interesse em tentar melhorar e informar quando algum problema é encontrado, dificultando assim a comunicação entre áreas e tornando menos freqüente a troca de experiências para melhoria dos produtos finais (Aeronaves e Manuais). Os acionamentos para esclarecimentos de dúvidas somam 64% e os que tem relação com informação incompleta ou incorreta dão um total de 20%. Pode-se concluir então que Anais do 6º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2013) Direitos Reservados - Página 972 de

6 CONCLUSÃO Com o crescente número de aeronaves operando, a carga de trabalho de mecânicos dos Centros de Serviço, que atendem aeronaves de todo o tipo para manutenção, vem aumentando, sem que mais mão de obra seja contratada. O maior número de atividades e a cobrança cada vez mais intensa por qualidade e prazo fariam com que os Manuais de Manutenção fossem os principais aliados dos técnicos para agilizar o trabalho, com a certeza de um resultado de boa qualidade. No entanto, o que se vê é que cada vez mais os mecânicos deixam os manuais de lado e usam de sua própria experiência e a experiência de seus colegas para executar as tarefas. Esta escolha dos mecânicos vem trazendo, há muito tempo, consequências graves para a Segurança de Vôo, ocasionando acidentes como o do DC-10, da American Airlines. A aeronave do voo 191, em 1979, caiu em Chicago logo após a decolagem, depois de ter um de seus motores desprendidos da fuselagem, deixando 273 mortos. Após investigação, foi descoberto que o problema foi ocasionado por um procedimento incorreto, e diferente do emitido no Manual de Manutenção, praticado por facilitar a retirada do motor da aeronave. Na remoção do motor, este não era separado do pilone, conforme recomendado, e o conjunto era retirado da aeronave com a ajuda de uma empilhadeira. A diferença no centro de gravidade do conjunto provocava uma fratura no pilone e, quando este era submetido aos esforços de operação, podia desprenderse da asa, como o ocorrido no voo 191. Springfield: National Technical Information Service, (DOT/FAA/AR-01/43-). GALANTE, S. Segurança de Voo: O DC-10 de Chicago. Disponível em:< 4>. Data de acesso: 03/07/13. KINNISON, H. Aviation Maintenance Management. New York : McGraw-Hill, 2004, 299p. LEVITT, J. Lean Maintenance. 1 ed. New York. Industrial Press, 2008, 200p. MATA FILHO, J. N. Manutenção Aeronáutica: aspectos de fatores humanos na qualidade da informação para aeronavegabilidade continuada. 2011, 155p. Dissertação de Mestrado em Segurança de Aviação e Aeronavegabilidade Continuada Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos. MOUBRAY, J. RCM II: Reliability-centered Maintenance. 2 ed. New York. Industrial Press, 2002, 440p. Os motivos que levam os mecânicos, muitas vezes, escolher trabalhar sem o auxílio dos procedimentos, como pode ser evidenciado pelas pesquisas realizadas, são: achar que já conhecem a tarefa suficientemente para realizá-la sem a ajuda do manual, achar que conhecem meios mais fáceis de executar os procedimentos se comparados aos procedimentos escritos, considerar os procedimentos confusos ou com falta de informações básicas, que auxiliariam o entendimento, considerar algumas etapas da tarefa desnecessárias e, acima de tudo, achar que quem escreve os procedimentos não conhece a rotina das atividades de Manutenção e, por isto, também não consegue explicitar da melhor forma como realizar as tarefas. Fica claro então que uma maneira de fazer com que Mecânicos e Engenheiros de Manutenção trabalhem juntos, tornando maior a qualidade dos Manuais de Manutenção, é investir em uma maneira padrão de comunicação entre as áreas, intensificar o processo de validação de tarefas, antes que estas sejam publicadas nos manuais, e fazer uso dos acionamentos por parte dos clientes para prever problemas e corrigi-los antes que aconteçam. Ou seja, manter as equipes atualizadas com relação aos acionamentos de campo, dispostas a entender os problemas frequentes, rastreá-los e buscar alternativas para evitar que eles venham a se tornar a causa de um acidente ou incidente aéreo. REFERÊNCIAS CHAPARRO, A., GROFF, L. S. Human Factors Survey of Aviation Maintenance Technical Manuals Anais do 6º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2013) Direitos Reservados - Página 973 de

Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: O que um BIAC faz?

Objetivos da Apresentação; Introdução; Proposta de criação do BIAC: O que um BIAC faz? Proposta de Criação e Gerenciamento do documento Boletim Informativo de Aeronavegabilidade Continuada BIAC Ph.D. Eng. Renato Crucello Passos Grupo de Aeronavegabilidade Continuada PAC Agência Nacional

Leia mais

ASPECTOS DE FATORES HUMANOS NA QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PARA MANUTENÇÃO

ASPECTOS DE FATORES HUMANOS NA QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PARA MANUTENÇÃO ASPECTOS DE FATORES HUMANOS NA QUALIDADE DA INFORMAÇÃO PARA MANUTENÇÃO 6 º SIMPÓSIO DE SEGURANÇA DE VOO INSTITUTO DE PESQUISAS E ENSAIOS EM VOO (IPEV) - - - - - - - - - - Anais do 6º Simpósio de Segurança

Leia mais

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO)

PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) PROGRAMA MOSA MAINTENANCE OPERATIONS SAFETY AUDIT (PROGRAMA DE OBSERVAÇÕES DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO) - - - - - - - - - - Anais do 4º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2011) Direitos Reservados - Página

Leia mais

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES.

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. . DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. RESUMO Com a evolução dos tempos a técnica ferroviária foi sendo aperfeiçoada de tal maneira que se formar homens

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR-IS IS Nº 120-001 Aprovação: Portaria nº 7, de 2 de janeiro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 3 de janeiro de 2014, Seção 1, página 2. Assunto: Programa de Manutenção

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

O programa é específico para engenheiros recém-formados e não são selecionadas pessoas com outra formação.

O programa é específico para engenheiros recém-formados e não são selecionadas pessoas com outra formação. Informações importantes: Processo Seletivo Para participar do processo seletivo, faça seu cadastro no site do PEE (link), aguarde receber o link para realização do teste de inglês online e fique atento

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos -

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - - A VEM - A VARIG ENGENHARIA E MANUTENÇÃO - VEM é uma empresa especializada em manutenção

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado)

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) O Gerenciamento de Riscos é uma das áreas contidas no Gerenciamento de Projetos, e uma

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke Seis Sigma Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke O Poka-Yoke é uma importante ferramenta na etapa Control do método DMAIC do Lean Seis Sigma. Por Cristina Werkema O Poka-Yoke termo japonês que significa

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

TAM: o espírito de servir no SAC 2.0

TAM: o espírito de servir no SAC 2.0 TAM: o espírito de servir no SAC 2.0 Os primeiros passos do SAC 2.0 da TAM A trajetória da TAM sempre foi guiada pela disponibilidade de servir seus clientes; nas redes sociais, essa filosofia não poderia

Leia mais

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE

ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE ANEXO II.2 PROJETO BÁSICO SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE Página 1 Anexo II.2 PROJETO BÁSICO: SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE 1. CONCEITUAÇÃO O Sistema de Controle da Qualidade do Serviço Público de

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Avaliação e Treinamento para Motoristas

Avaliação e Treinamento para Motoristas Avaliação e Treinamento para Motoristas Atualmente, resulta cada vez mais necessário treinar o pessoal que dirige veículos automotores, ainda quando dirigir não for sua tarefa principal. A falta de uma

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR Teoria Gestão de Projetos Projetos Atualidades Tipos de Projetos Conceitos e Instituições Certificação Importância

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Certificação da solução para a bateria do 787 Mike Sinnett vice-presidente e engenheiro chefe do projeto 787 Abril de 2013

Certificação da solução para a bateria do 787 Mike Sinnett vice-presidente e engenheiro chefe do projeto 787 Abril de 2013 Certificação da solução para a bateria do 787 Mike Sinnett vice-presidente e engenheiro chefe do projeto 787 Abril de 2013 A solução para a bateria foi aprovada A Administração Federal de Aviação dos Estados

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 torna uma necessidade da empresa por: competitividade no mercado interno Competitividade no mercado externo Aumentar a

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães Agenda Contextualização da Qualidade Dificuldades na construção de software Possíveis soluções

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010

2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de Segurança Operacional. 09 a 11 de novembro de 2010 2º Simpósio Internacional de Confiabilidade e Gestão de 17 a 19 de novembro de 2009 Segurança Operacional 09 a 11 de novembro de 2010 Segurança Acima de Tudo Ferramentas de Segurança Operacional Histórico

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MBA GERENCIAMENTO DE PROJETOS BRUNO ROBERTO DA SILVA CESAR HENRIQUE MACIEL RIBEIRO GUSTAVO HENRIQUE PINHEIRO RICARDO SALLUM DE SOUZA VITOR

Leia mais

Implantação de ERP com sucesso

Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso Implantação de ERP com sucesso, atualmente ainda é como um jogo de xadrez, você pode estar pensando que está ganhando na implantação, mas de repente: Check Mate. Algumas

Leia mais

Prognos SMART OPTIMIZATION

Prognos SMART OPTIMIZATION Prognos SMART OPTIMIZATION A resposta aos seus desafios Menos estimativas e mais controlo na distribuição A ISA desenvolveu um novo software que permite o acesso a dados remotos. Através de informação

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS

CATÁLOGO DE SERVIÇOS Partner MASTER RESELLER CATÁLOGO DE SERVIÇOS SUPORTE TÉCNICO in1.com.br Explore Mundo! seu Conteúdo 1 - Objetivo 2 - Serviços prestados por meio do contrato de manutenção e suporte anual 2.1 - Primeira

Leia mais

Aspectos de Fatores Humanos na Qualidade da Informação

Aspectos de Fatores Humanos na Qualidade da Informação Aspectos de Fatores Humanos na Qualidade da Informação José Nogueira da Mata Filho M. Sc. Embraer Selma Leal de Oliveira Ribeiro - D. Sc. Instituto Nacional para o Desenvolvimento Espacial e Aeronáutico

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS.

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS. SETEMBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 1-2004 A aquisição de equipamentos médico-hospitalares tem ocasionado vários problemas técnicos ou mesmo econômicos por não obedecer a determinados parâmetros.

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Mão de obra técnica; Treinamento e desenvolvimento; Manutenção frota ônibus; Manutenção frota caminhões; Retenção de talentos.

Mão de obra técnica; Treinamento e desenvolvimento; Manutenção frota ônibus; Manutenção frota caminhões; Retenção de talentos. TÍTULO: Projeto manutenção na mão certa. AUTOR: Pedro Diogo Neto MobiBrasil Pernambuco - www.mobibrasil.com - (081) 3525-7500 - pedroneto@mobibrasil.com RESENHA Este trabalho apresenta o projeto manutenção

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção 1 Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Ementa 1. Manutenção Corretiva: características básicas,

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 REGULAMENTO (UE) N. o 593/2012 DA COMISSÃO de 5 de julho de 2012 que altera o Regulamento (CE) n. o 2042/2003 relativo à aeronavegabilidade permanente

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT Autor Gustavo César de Alencar LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar todo o esforço que a Light

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking. Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect

Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking. Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect Prêmio ABRALOG Índice Informações Gerais... 3 Dificuldades Encontradas...............

Leia mais

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO 9001

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO 9001 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO 9001 Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 9001 e catalogando as principais dúvidas dos clientes.

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais