EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 2015"

Transcrição

1 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05. (Ia 05) Considere as seguines afirmações sobre números reais: I. Se a expansão decimal de x é infinia e periódica, enão x é um número racional. II.. n n0( ) III. ln 3 e log log 9 é um número racional. 3 É (são) verdadeira(s): a) nenhuma. b) apenas II. c) apenas I e II. d) apenas I e III. e) I, II e III.. (Unesp 05) O cálculo aproximado da área da superfície exerna de uma pessoa pode ser necessário para a deerminação da dosagem de algumas medicações. A área A (em cm ) da superfície exerna de uma criança pode ser esimada por meio do seu peso P (em kg) e da sua alura H (em cm) com a seguine fórmula, que envolve logarimos na base 0 : loga 0,5logP 0,75logH,8 (Delafield Du Bois e Eugene Du Bois. A formula o esimae he approximae surface area if heigh and weigh be known, 96. Adapado.) Rafael, uma criança com m de alura e 6 kg de peso, precisa omar uma medicação cuja dose adequada é de mg para cada 00 cm de área exerna corporal. Deermine a dose adequada dessa medicação para Rafael. Adoe nos seus cálculos log 0,30 e a abela a seguir. x x 0 3, , 5 3,5 36 3, ,7 50 3, , (Unicamp 05) Considere a função x x f(x) 0 0, definida para odo número real x. a) Mosre que f(log 0( 3)) é um número ineiro. b) Sabendo que log0 0,3, enconre os valores de x para os quais f(x) 5.. (Fgv 05) Um invesidor aplicou cera quania, em reais, à axa de juro composo de % ao mês. Nese problema, desprezando qualquer ipo de correção moneária devido à inflação, responda as pergunas a seguir. Página de 0

2 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 a) Nese invesimeno, após meses, seria possível resgaar o valor aplicado com lucro de R$.00,00. Calcule o valor inicialmene aplicado. b) No invesimeno indicado, é possível resgaar um monane de vezes o capial inicialmene aplicado em 39,3 meses. Caso o cálculo fosse feio adoando-se log 0,30 e log0,305, que são logarimos com apenas 3 casas decimais de aproximação, seria obido um valor aproximado de anos. Chamando de E 39,3 ao erro comeido no cálculo devido ao uso de apenas 3 casas decimais de aproximação nos logarimos indicados, calcule E. 5. (Insper 0) Analisando o comporameno das vendas de deerminado produo em diferenes cidades, durane um ano, um economisa esimou que a quanidade vendida desse produo em um mês (Q), em milhares de unidades, depende do seu preço (P), em reais, de acordo com a relação P Q (0,8). No enano, em Economia, é mais usual, nesse ipo de relação, escrever o preço P em função da quanidade Q. Dessa forma, isolando a variável P na relação fornecida acima, o economisa obeve Q a) P log 0,8. Q b) P log 0,8. 8 c) 0,8 Q P 0,5. d) 0,8 Q P. 8 Q e) P 0,5 log0,8. 6. (Unesp 0) O que era impressão virou esaísica: a cidade de São Paulo esá cada dia mais lena. Quem mosra é a própria CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), que concluiu um esudo anual sobre o rânsio paulisano. Os dados de 0 aponam que a velocidade média nos principais corredores viários da cidade foi de, km/h no pico da manhã e de 8,5 km/h no pico da arde. Uma piora de 5% e 0% em relação a 008, respecivamene. Caso a velocidade média do rânsio nos principais corredores viários paulisanos coninue decaindo nos mesmos percenuais pelos próximos anos e sabendo que ln 0,69, ln 3,0, ln 5,6 e ln 9,9, os anos aproximados em que as velocidades médias nos picos da manhã e da arde chegarão à meade daquelas observadas em 0 serão, respecivamene, a) 08 e 09 Página de 0

3 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 b) 068 e 00. c) 0 e 07. d) 05 e 08. e) 057 e (Ia 0) Deermine as soluções reais da equação em x, 3 log0 6x logx log x 3 0. log (Fgv 0) Um biólogo inicia o culivo de rês populações de bacérias (A, B e C) no mesmo dia. Os gráficos seguines mosram a evolução do número de bacérias ao longo dos dias. A parir da informação dos gráficos, responda: a) Em que dia o número de bacérias da população C ulrapassou o da população A? b) Qual foi a porcenagem de aumeno da população de bacérias B, enre o final do dia e o final do dia 6? c) Qual foi a porcenagem de aumeno da população oal de bacérias (colônias A, B e C somadas) enre o final do dia e o final do dia 5? Página 3 de 0

4 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 x 9 9. (Fuves 0) Sobre a equação (x 3) log x x 0, é correo afirmar que a) ela não possui raízes reais. b) sua única raiz real é 3. c) duas de suas raízes reais são 3 e 3. d) suas únicas raízes reais são 3, 0 e. e) ela possui cinco raízes reais disinas. n / 0. (Ia 0) A soma log 3 n log 8 é igual a a) 8. 9 b). 5 c) 5. 6 d) 7. 8 e). /. (Unifesp 0) A inensidade luminosa na água do mar razoavelmene limpa, que é denoada por I, decresce exponencialmene com o aumeno da profundidade, que por sua vez é denoada por x e expressa em mero, como indica a figura. a) Uilizando as informações da figura e denoando por I 0 a consane que represena a inensidade luminosa na água razoavelmene limpa ao nível do mar, deermine I em função de x, com x sendo um ineiro posiivo. b) A relação empírica de Bouguer-Lamber nos diz que um feixe verical de luz, quando penera na água com inensidade de luz I, 0 erá sua inensidade I de luz reduzida com a μx 0 profundidade de x meros deerminada pela fórmula I I e, com e sendo o número de Euler, e μ um parâmero denominado de coeficiene de absorção, que depende da pureza da água e do comprimeno de onda do feixe. Uilizando a relação de Bouguer-Lamber no esudo da inensidade luminosa na água do mar razoavelmene limpa (dados da figura), deermine o valor do parâmero μ. Adoe nos cálculos finais ln = 0,69.. (Espcex (Aman) 0) Na figura abaixo, esá represenado o gráfico da função y = Iog x. Página de 0

5 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 Nesa represenação, esão desacados rês reângulos cuja soma das áreas é igual a: a) Iog + Iog3 + Iog5 b) log30 c) + Iog30 d) + log5 e) + Iog30 3. (Ia 03) Considere as funções f e g, da variável real x, definidas, respecivamene, por x ax b f x e e ax g x ln, 3b em que a e b são números reais. Se f f, enão pode-se afirmar sobre a função composa g f que a) g f ln 3. b) g f 0. c) g f nunca se anula. d) g f esá definida apenas em x : x 0. e) g f admie dois zeros reais disinos.. (Espcex (Aman) 03) Se m é a m a) 6 logam, a log m com a 0, a e m 0, enão o valor de b) c) d) e) 5. (Insper 03) Para combaer um incêndio numa floresa, um avião a sobrevoa acima da fumaça e sola blocos de gelo de uma onelada. Ao cair, cada bloco se disancia da aliude em que foi solo pelo avião de acordo com a lei d 0, em que é o empo em segundos. A massa M do bloco (em quilogramas) varia, em função dessa disância de queda d (em meros), conforme a expressão M log d. Página 5 de 0

6 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 Se o bloco deve chegar ao chão oalmene derreido, a aliude mínima em que o avião deve solá-lo e o empo de queda nesse caso devem ser a) meros e 3 segundos. b) meros e 0 segundos. c).000 meros e 3 segundos. d).000 meros e 0 segundos. e).000 meros e 0 segundos. 6. (Insper 03) Se N é o menor número naural para o qual ( N ) N em pelo menos 30 dígios, enão N é (Uilize a aproximação: log = 0,30.) a) 7. b) 8. c) 9. d) 0. e). 7. (Unicamp 03) A superfície de um reservaório de água para abasecimeno público em m de área, formao reangular e um dos seus lados mede o dobro do ouro. Essa superfície é represenada pela região hachurada na ilusração abaixo. De acordo com o Código Floresal, é necessário maner ao redor do reservaório uma faixa de erra livre, denominada Área de Proeção Permanene (APP), como ilusra a figura abaixo. Essa faixa deve er largura consane e igual a 00 m, medidos a parir da borda do reservaório. a) Calcule a área da faixa de erra denominada APP nesse caso. b) Suponha que a água do reservaório diminui de acordo com a expressão V( ) V 0, em que V 0 é o volume inicial e é o empo decorrido em meses. Qual é o empo necessário para que o volume se reduza a 0% do volume inicial? Uilize, se necessário, log0 0, (Fgv 03) A solução da equação log log 3log3 log 0log0 logx é a)!3!!...9! 0 b)!3!!...9! 0! c)!3!!...9! d) e) 0 (0)!3!!...9! (0!)!3!!...9! 9. (Enem 03) Em seembro de 987, Goiânia foi palco do maior acidene radioaivo ocorrido no Brasil, quando uma amosra de césio-37, removida de um aparelho de radioerapia abandonado, foi manipulada inadveridamene por pare da população. A meiavida de um maerial radioaivo é o empo necessário para que a massa desse maerial se Página 6 de 0

7 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 reduza à meade. A meia-vida do césio-37 é 30 anos e a quanidade resane de massa de um k maerial radioaivo, após anos, é calculada pela expressão M() A (,7), onde A é a massa inicial e k é uma consane negaiva. Considere 0,3 como aproximação para log0. Qual o empo necessário, em anos, para que uma quanidade de massa do césio-37 se reduza a 0% da quanidade inicial? a) 7 b) 36 c) 50 d) 5 e) (Epcar (Afa) 03) No plano caresiano, seja P(a,b) o pono de inerseção enre as curvas x dadas pelas funções reais f e g definidas por f x e gx logx. É correo afirmar que a) a log log a b) a log log a c) a log log a d) a loglog a. (Unicamp 03) Uma barra cilíndrica é aquecida a uma emperaura de 70 C. Em seguida, é exposa a uma correne de ar a 0 C. Sabe-se que a emperaura no cenro do cilindro varia de acordo com a função T T0 TAR 0 TAR sendo o empo em minuos, T 0 a emperaura inicial e T AR a emperaura do ar. Com essa função, concluímos que o empo requerido para que a emperaura no cenro ainja 0 C é dado pela seguine expressão, com o log na base 0: a) log 7 minuos. b) log7 c) log7 minuos. d) log 7 minuos. minuos.. (Insper 03) O número de soluções reais da equação log x(x 3) log x(x ) é a) 0. b). c). d) 3. e). 3. (Fuves 03) O número N de áomos de um isóopo radioaivo exisene em uma amosra diminui com o empo, de acordo com a expressão λ N N e, sendo N 0 o número de áomos dese isóopo em 0 e λ a consane de decaimeno. Abaixo, esá apresenado o 0 Página 7 de 0

8 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 gráfico do log 0 N em função de, obido em um esudo experimenal do radiofármaco Tecnécio 99 meaesável ( 99m Tc), muio uilizado em diagnósicos do coração. A parir do gráfico, deermine a) o valor de log 0 N 0 ; b) o número N 0 de áomos radioaivos de 99m Tc ; c) a meia-vida (T / ) do 99m Tc. Noe e adoe: A meia-vida (T / ) de um isóopo radioaivo é o inervalo de empo em que o número de áomos desse isóopo exisene em uma amosra cai para a meade; log0 0,3; log0 5 0,7.. (Ia 03) Se os números reais a e b saisfazem, simulaneamene, as equações a b e ln a b ln 8 ln 5, um possível valor de a b é a). b). c). d). e) 3. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Considere o exo a seguir para responder à(s) quesão(ões) a seguir. As áreas de coberuras a serem aendidas por um serviço de elefonia móvel são divididas em células, que são iluminadas por esações-radiobase localizadas no cenro das células. As células em uma mesma área de coberura possuem diferenes frequências, a fim de que uma célula não inerfira na oura. Porém, é possível reuilizar a frequência de uma célula em oura célula relaivamene disane, desde que a segunda não inerfira na primeira. Cluser é o nome dado ao conjuno de células vizinhas, o qual uiliza odo o especro disponível. Uma configuração muio uilizada esá exemplificada na Figura, que represena um modelo maemáico simplificado da coberura de rádio para cada esação-base. O formao hexagonal das células é o mais práico, pois permie maior abrangência de coberura, sem lacunas e sem sobreposições. A figura ilusra o conceio de reuilização de frequência por cluser, em que as células com mesmo número uilizam a mesma frequência. Página 8 de 0

9 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS (Faec 03) Um modelo da perda (L) de propagação de sinais enre a anena ransmissora e a recepora em espaço livre de obsáculos é, em decibel (db), expressa por L 3, 0 log0 f 0 log0d em que f é a frequência de ransmissão em mega-herz (MHz) e d é a disância enre as anenas de ransmissão e recepção em quilômeros (km). Considerando que um sinal de radiofrequência de 600 MHz é enviado de uma esação-base para uma anena recepora que esá a 0 km de disância, em espaço livre, enão o valor da perda de propagação desse sinal é, em db, aproximadamene, Adoe: log0 0,30 log0 3 0,8 a) 06. b). c) 6. d) 0. e) 58. Página 9 de 0

10 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 Gabario: Resposa da quesão : [D] [I] Verdadeira, pois oda dízima periódica admie uma fração gerariz. [II] Falsa. A soma indicada represena uma P.G infinia com a Daí, n n0 3 e a razão q. [III] Verdadeira. 3 log ln e log3 log 9 lne log3 log (racional) Resposa da quesão : Considerando P 6 kg e H 00 cm, emos a seguine equação: log A 0,5 log6 0,75 log00,8 log A 0,5 log 0,75,8 log A 0,5 log,5,8 log A,7 0,3 3,9 log A 3,8 3,8 A 0 A 630 cm Sabemos que Rafael deve omar mg para cada diária de Rafael será dada por: ,mg. 00 Resposa da quesão 3: a) Com efeio, emos x x f(x) Logo, sabendo que 00 cm de seu corpo. Porano, a dose loga b a b, com a e b reais posiivos e a, vem Página 0 de 0

11 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 log 0( 3) f(log 0( 3)) 00 log 0( 3) Porano, segue que f(log 0( 3)) 0. b) Tem-se que x f(x) x 0 x x x x log0 5 ou x log0 5. Dado que log0 0,3, vem 0 log0 5 log0 log0 0 log0 0,3 0,7. Porano, os valores de x para os quais f(x) 5 são 0,7 e 0,7. Resposa da quesão : a) Seja C o valor inicialmene aplicado. Tem-se que C ( 0,0) C,00 C R$ 3.90,79 b) Para M C, vem C C ( 0,0) (,0) log log(,0) 0 log log 00 (log0 log0 ) log (log0 log log0) log 0,30,305 0,30 0,30 0,00 50,5. Porano, emos E 50,5 39,3, meses. Resposa da quesão 5: Página de 0

12 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 [A] Lembrando que log a b c c logba e logb b, com a, b, c reais posiivos e b, emos P Q P Q (0,8) (0,8) Q log0,8 log 0,8 (0,8) Q P log0,8 Q P log0,8 Q P log 0,8. P Resposa da quesão 6: [B] V m = velocidade média de pico pela manhã V, 0,95 m /,/, 0,95 (0,95) / ln ln(0,95) 9 ln ln ln 0 0 ln ln9 ln ln5 0,69 (,9 0,69,6) 0,69 ( 0,05) 55, , = 067, aproximadamene 068. V T = velocidade média de pico pela arde / VT 8,5 0,9 8,5 / 8,5 0,9 / Página de 0

13 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 ln (0,9) ln(0,9) 9 ln ln ln 0 0 ln ln9 ln ln5 0,69 (., 0,69,6) 0,69 ( 0,) 7, ,6 = 039,6 aproximadamene 00. Resposa da quesão 7: log 6x log 6x log 0 log00 6 log 6 log 6x log x log 00 0 Calculando, inicialmene, o valor de Subsiuindo o resulado acima na equação pedida, emos: 3 log x log x 3 log x 0 3 log x log x 6 3log x 0 3 log x 7log x 6 0 Fazendo log x y, emos: 3 3 y 7y 6 0 y y 6y 6 0 y(y ) 6(y ) 0 y(y )(y ) 6(y ) 0 (y )(y y 6) 0 y ou y ou y 3. Logo: log x x log x x 6 log x 3 x 6 S,,6 6 Resposa da quesão 8: a) O número de bacérias da população C cresce com o empo. Logo, do gráfico sabemos 3 que a população C de bacérias aingiu indivíduos, superando, porano, a população A no quaro dia, com exaamene indivíduos. b) A variação percenual pedida é dada por % 500%. 6 Página 3 de 0

14 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 c) O resulado é igual a (00 0 ) % ,0%. Resposa da quesão 9: [E] Como x 9 0 para odo x real, vem x 9 (x 3) log x x 0 (x 3)log x x 0 x 3 0 ou x x x 3 ou x x ou x x x 3 ou. (x ou x ) ou (x 0 ou x ) Porano, a equação dada possui 5 raízes reais disinas. Resposa da quesão 0: [D] 5 n n 5 log/ 3 log/ n n 3(n) 3(n ) 3 n (n ) log/ 8 log/ Resposa da quesão : x a) Decrescimeno exponencial: I(x) I0 k, onde x é a profundidade e I a inensidade luminosa na água do mar razoavelmene limpa. I0 I0 k k Logo, x I x I0 b) I() I0 e I0 l() μ Igualando as equações acima, emos: Página de 0

15 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 μ I0 μ μ I0 e e lne ln μ ln μ 0,69, Logo, μ,38. Resposa da quesão : [D] 3 3 A A A3 log log 3 3 log5 log log3 log5 log 3 5 log log0 log5 log5. Resposa da quesão 3: [E] Como f( ) f( ), segue que e ( ) a ( ) b e b a ( ) a ( ) b e b a. Logo, e, porano, Assim, a a a 3 b 3. x g(x) n n x n. A função composa g f é dada por x 3x (g f)(x) n (e ) n x 3x n. Para que a função g f enha dois zeros reais e disinos o discriminane da equação x 3x n 0 deve ser um número real posiivo. De fao, como h :, definida por h(x) n x, é uma função crescene, emos que n n 0. Daí, Δ 3 ( n ) n 0 e, por conseguine, g f possui dois zeros reais e disinos. Resposa da quesão : [E] Página 5 de 0

16 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 Sabendo que log r p log q q p, para quaisquer reais posiivos p, q e r, com q, vem r 6 loga m logam 6 logam log m a logam 6 logam loga m m a. Porano, Resposa da quesão 5: [A] m a a. a m a a a a Quando o bloco esiver oalmene derreido sua massa será M 0. Deerminando, agora a alura, para M log d 0 50 log d.000 log d d 0 d m Deerminando o empo de queda s Resposa da quesão 6: [D] Se NN ( ) em pelo menos 30 dígios, enão N N 9 N 9 ( ) 0 log log0 N log 9 log0 0,3 N 9 N 96,7 N 0. Porano, o menor valor de N é 0. Resposa da quesão 7: Deerminando as dimensões do reângulo, emos: x.x = Resolvendo a equação, emos: x = 00 e x = 800. Página 6 de 0

17 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 a) Considerando A como a área de erra APP. A.A.A.A 3 A π.00. A π A ( π) m b) V( ) V 0,. V =V 0 log log0.log 3 meses log 0,3 3 Resposa: aproximadamene 3 meses e 0 dias. Resposa da quesão 8: [D] Temos log log 3log3 log 0log0 log x 3 0 log log log3 log log0 log x Como 3 0 log 3 0 log x (0!) 3 0 segue-se que 3 0 x ! 3!! 9!, 0 (0!) x.! 3!! 9! Resposa da quesão 9: [E] Queremos calcular para o qual se em M() 0, A. Sabendo que a meia-vida do césio-37 é 30 anos, enconramos Página 7 de 0

18 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 A k30 A M(30) A (,7) k 30 (,7). Assim, omando 0,3 como aproximação para log0, vem k M() 0, A A [(,7) ] 0, A log log0 log log0 30 0, , ou seja, o resulado procurado é, aproximadamene, 00 anos. Resposa da quesão 0: [A] x x log x log x x log log x x log log x x log log x log x log x Porano: a log. log a Resposa da quesão : [C] De acordo com os dados do problema, emos: T T0 TAR 0 TAR log0 7 log7 log7 log7 minuos Página 8 de 0

19 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 Resposa da quesão : [B] Sabendo que logc a logc b logc ab para a, b e c reais posiivos e c, vem log (x 3) log (x ) log (x 3)(x ) x x x x x 6 x x 6. Porano, x 6 é a única solução real da equação. Resposa da quesão 3: a) No gráfico, log 0 N o = 6. b) log 0 N o = 6 N o= 0 6 = c) N N() o No logn() log logn() logno log logn() 6 0,3 logn() 5,7 Observando o gráfico, logn() = 5,7 = 6 horas. Resposa da quesão : [A] Observando que a e b devem ser reais posiivos, vem a b a b a. 6b Simplificando e subsiuindo, obemos n (a b) n 8 n 5 n 8(a b) n 5 8(a b) 5 5 a b 8 5 b 6b 8 6b 0b 0 b ou b. 8 Página 9 de 0

20 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05 Porano, como a. b b implica em a e b implica em 8 a, segue que a ou b Resposa da quesão 5: [B] L = 3, + 0. (log 0 + log600) L = 3, + 0. (log + log 0 + log3 +log + log00) L = 3, + 0.,08 L =,0 db Página 0 de 0

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar . (Pucrj 0) Os números a x, a x e a3 x 3 esão em PA. A soma dos 3 números é igual a: é igual a e o raio de cada semicírculo é igual à meade do semicírculo anerior, o comprimeno da espiral é igual a a)

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar Progressão Ariméica e Progressão Geomérica. (Pucrj 0) Os números a x, a x e a x esão em PA. A soma dos números é igual a: a) 8 b) c) 7 d) e) 0. (Fuves 0) Dadas as sequências an n n, n n cn an an b, e b

Leia mais

Função Logarítmica - Questões Extras

Função Logarítmica - Questões Extras Função Logarímica - uesões Exras Exercícios 1. (Unifor 01) Após acionar um flash de uma câmera, a baeria imediaamene começa a recarregar o capacior do flash, o qual armazena uma carga elérica dada por

Leia mais

Problemas de vestibular funções exponenciais e logaritmos

Problemas de vestibular funções exponenciais e logaritmos Problemas de vesibular funções exponenciais e logarimos Professor Fiore Segue lisa com problemas envolvendo funções exponenciais reirados de vesibulares e concursos. Para resolvê-los pode ser necessário

Leia mais

Calcule a área e o perímetro da superfície S. Calcule o volume do tronco de cone indicado na figura 1.

Calcule a área e o perímetro da superfície S. Calcule o volume do tronco de cone indicado na figura 1. 1. (Unesp 017) Um cone circular reo de gerariz medindo 1 cm e raio da base medindo 4 cm foi seccionado por um plano paralelo à sua base, gerando um ronco de cone, como mosra a figura 1. A figura mosra

Leia mais

Função Exponencial 2013

Função Exponencial 2013 Função Exponencial 1 1. (Uerj 1) Um imóvel perde 6% do valor de venda a cada dois anos. O valor V() desse imóvel em anos pode ser obido por meio da fórmula a seguir, na qual V corresponde ao seu valor

Leia mais

MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS 1º SIMULADO ENEM 017 Resposa da quesão 1: MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Basa aplicar a combinação de see espores agrupados dois a dois, logo: 7! C7,!(7 )! 7 6 5! C7,!5! 7 6 5! C7, 1!5! Resposa da quesão

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa C. Os números inteiros x e y satisfazem a equação

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa C. Os números inteiros x e y satisfazem a equação Quesão Os números ineiros x e y saisfazem a equação x x y y 5 5.Enãox y é: a) 8 b) 5 c) 9 d) 6 e) 7 alernaiva B x x y y 5 5 x ( ) 5 y (5 ) x y 7 x 6 y 5 5 5 Como x e y são ineiros, pelo Teorema Fundamenal

Leia mais

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa CIÉTIC RDIOTIV Inrodução Ese arigo em como objeivo analisar a velocidade dos diferenes processos radioaivos, no que chamamos de cinéica radioaiva. ão deixe de anes esudar o arigo anerior sobre radioaividade

Leia mais

INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas.

INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas. SIMULADO DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - JULHO DE 0. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÕES de 0 a

Leia mais

MATEMÁTICA INSTRUMENTAL PROF. BENFICA

MATEMÁTICA INSTRUMENTAL PROF. BENFICA MATEMÁTICA INSTRUMENTAL PROF. BENFICA benfica@anhanguera.com www.marcosbenfica.com LISTA Função Exponencial. Usando a ecnologia de uma calculadora pode-se calcular a divisão de por 4 e ober um resulado

Leia mais

Logaritmo e Função Logarítmica

Logaritmo e Função Logarítmica Logaritmo e Função Logarítmica. (Unifor 04) Após acionar um flash de uma câmera, a bateria imediatamente começa a recarregar o capacitor do flash, o qual armazena uma carga elétrica dada por t Q(t) Q 0

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web Inerbis SuperPro Web 1. O lucro de uma empresa é dado pela expressão maemáica L R C, onde L é o lucro, o cuso da produção e R a receia do produo. Uma fábrica de raores produziu n unidades e verificou que

Leia mais

RASCUNHO. a) 120º10 b) 95º10 c) 120º d) 95º e) 110º50

RASCUNHO. a) 120º10 b) 95º10 c) 120º d) 95º e) 110º50 ª QUESTÃO Uma deerminada cidade organizou uma olimpíada de maemáica e física, para os alunos do º ano do ensino médio local. Inscreveramse 6 alunos. No dia da aplicação das provas, consaouse que alunos

Leia mais

Introdução às Medidas em Física

Introdução às Medidas em Física Inrodução às Medidas em Física 43152 Elisabeh Maeus Yoshimura emaeus@if.usp.br Bloco F Conjuno Alessandro Vola sl 18 agradecimenos a Nemiala Added por vários slides Conceios Básicos Lei Zero da Termodinâmica

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO. Matemática A B C D E A B C D E. Avaliação da Aprendizagem em Processo Prova do Aluno 3 a série do Ensino Médio

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO. Matemática A B C D E A B C D E. Avaliação da Aprendizagem em Processo Prova do Aluno 3 a série do Ensino Médio AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO Maemáica a série do Ensino Médio Turma EM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO o Bimesre de 6 Daa / / Escola Aluno A B C D E 6 7 9 A B C D E Avaliação

Leia mais

QUESTÕES DISCURSIVAS. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

QUESTÕES DISCURSIVAS. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta QUESTÕES DISCURSIVAS Quesão a) O piso de uma sala reangular de 00 dm de comprimeno por 0 dm de largura vai ser revesido com placas quadradas, as maiores possíveis. Qual é a área de cada uma? b) Sobre uma

Leia mais

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON)

TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 18 LIVRO DO NILSON) TRANSFORMADA DE FOURIER NOTAS DE AULA (CAP. 8 LIVRO DO NILSON). CONSIDERAÇÕES INICIAIS SÉRIES DE FOURIER: descrevem funções periódicas no domínio da freqüência (ampliude e fase). TRANSFORMADA DE FOURIER:

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL420 Coneúdo 1 - Circuios de primeira ordem...1 1.1 - Equação diferencial ordinária de primeira ordem...1 1.1.1 - Caso linear, homogênea, com

Leia mais

Exercícios sobre o Modelo Logístico Discreto

Exercícios sobre o Modelo Logístico Discreto Exercícios sobre o Modelo Logísico Discreo 1. Faça uma abela e o gráfico do modelo logísico discreo descrio pela equação abaixo para = 0, 1,..., 10, N N = 1,3 N 1, N 0 = 1. 10 Solução. Usando o Excel,

Leia mais

COLÉGIO APROVAÇÃO LTDA. (21)

COLÉGIO APROVAÇÃO LTDA. (21) COLÉGIO APROVAÇÃO LTDA. (1) 635-1751 ALUNO/A: DATA: PROFESSOR: Vicor Daniel Carvalho TURMA: PRÉ-VESTIBULAR DISCIPLINA: Maemáica LISTA DE EXERCÍCIOS (Revisão ENEM) 1. (Enem PPL 016) O Código de Trânsio

Leia mais

dr = ( t ) k. Portanto,

dr = ( t ) k. Portanto, Aplicações das Equações Diferenciais de ordem (Evaporação de uma goa) Suponha que uma goa de chuva esférica evapore numa aa proporcional à sua área de superfície Se o raio original era de mm e depois de

Leia mais

Função Exponencial Nível Básico

Função Exponencial Nível Básico Função Eponencial - 16 Nível Básico 1. (Imed 16) Em relação à função real definida por g(g()) corresponde a: a) 1. b). c) 3. d). e) 5. g() 1, é correo afirmar que. (Uel 15) A miose é uma divisão celular,

Leia mais

Teoremas Básicos de Equações a Diferenças Lineares

Teoremas Básicos de Equações a Diferenças Lineares Teoremas Básicos de Equações a Diferenças Lineares (Chiang e Wainwrigh Capíulos 17 e 18) Caracerização Geral de Equações a diferenças Lineares: Seja a seguine especificação geral de uma equação a diferença

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tema II Introdução ao Cálculo Diferencial II

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 12º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tema II Introdução ao Cálculo Diferencial II ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 2º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tema II Inrodução ao Cálculo Diferencial II TPC nº 9 Enregar em 4 2 29. Num loe de bolbos de úlipas a probabilidade de que

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA Inrodução Ese arigo raa de um dos assunos mais recorrenes nas provas do IME e do ITA nos úlimos anos, que é a Cinéica Química. Aqui raamos principalmene dos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 11º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. DINIS 11º ANO DE ESCOLARIDADE DE MATEMÁTICA A Tarefa de revisão nº 17 1. Uma empresa lançou um produo no mercado. Esudos efecuados permiiram concluir que a evolução do preço se aproxima do seguine modelo maemáico: 7 se 0 1 p() =, p em euros e em anos.

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 07/05/05

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 07/05/05 P - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 07/05/05 Nome: Nº de Marícula: Gabario Turma: Assinaura: Quesão Valor Grau Revisão a,0 a,0 3 a,0 4 a,0 5 a,0 Toal 0,0 Consanes: R 8,34 J mol - K - R 0,08 am L mol - K - am

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuios Eléricos I EEL42 Coneúdo 8 - Inrodução aos Circuios Lineares e Invarianes...1 8.1 - Algumas definições e propriedades gerais...1 8.2 - Relação enre exciação

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento 2015 Mat Log/Exp/Teo. Num.

Exercícios de Aprofundamento 2015 Mat Log/Exp/Teo. Num. Eercícios de Aprofundamento 05 Mat Log/Ep/Teo. Num.. (Ita 05) Considere as seguintes afirmações sobre números reais: I. Se a epansão decimal de é infinita e periódica, então é um número racional. II..

Leia mais

Aplicações à Teoria da Confiabilidade

Aplicações à Teoria da Confiabilidade Aplicações à Teoria da ESQUEMA DO CAPÍTULO 11.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS 11.2 A LEI DE FALHA NORMAL 11.3 A LEI DE FALHA EXPONENCIAL 11.4 A LEI DE FALHA EXPONENCIAL E A DISTRIBUIÇÃO DE POISSON 11.5 A LEI

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONA E TECNOÓGICA INSTITUTO FEDERA DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOOGIA DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO EM TEECOMUNICAÇÕES Disciplina: Elericidade e Insrumenação

Leia mais

Voo Nivelado - Avião a Hélice

Voo Nivelado - Avião a Hélice - Avião a Hélice 763 º Ano da icenciaura em ngenharia Aeronáuica edro. Gamboa - 008. oo de ruzeiro De modo a prosseguir o esudo analíico do desempenho, é conveniene separar as aeronaves por ipo de moor

Leia mais

Funções Exponenciais Logarítmicas Modular Inversa

Funções Exponenciais Logarítmicas Modular Inversa Funções Exponenciais Logarímicas Modular Inversa Prof. Edson. (Unicamp) Considere o gráfico da função y f(x) exibido na figura a seguir. O gráfico da função inversa y f (x) é dado por a) b) c) d) x. Em

Leia mais

Escola Secundária da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo de 2003/04 Funções exponencial e logarítmica

Escola Secundária da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo de 2003/04 Funções exponencial e logarítmica Escola Secundária da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Maemáica Ano Lecivo de /4 Funções eponencial e logarímica - º Ano Nome: Nº: Turma: 4 A unção ( ),, é usada para deerminar o valor de um carro (em euros)

Leia mais

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem

Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Seção 5: Equações Lineares de 1 a Ordem Definição. Uma EDO de 1 a ordem é dia linear se for da forma y + fx y = gx. 1 A EDO linear de 1 a ordem é uma equação do 1 o grau em y e em y. Qualquer dependência

Leia mais

RÁPIDA INTRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Coutinho Cardoso & Marta Feijó Barroso UNIDADE 3. Decaimento Radioativo

RÁPIDA INTRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Coutinho Cardoso & Marta Feijó Barroso UNIDADE 3. Decaimento Radioativo Decaimeno Radioaivo RÁPIDA ITRODUÇÃO À FÍSICA DAS RADIAÇÕES Simone Couinho Cardoso & Mara Feijó Barroso Objeivos: discuir o que é decaimeno radioaivo e escrever uma equação que a descreva UIDADE 3 Sumário

Leia mais

F B d E) F A. Considere:

F B d E) F A. Considere: 5. Dois corpos, e B, de massas m e m, respecivamene, enconram-se num deerminado insane separados por uma disância d em uma região do espaço em que a ineração ocorre apenas enre eles. onsidere F o módulo

Leia mais

Capítulo 3 Derivada. 3.1 Reta Tangente e Taxa de Variação

Capítulo 3 Derivada. 3.1 Reta Tangente e Taxa de Variação Inrodução ao Cálculo Capíulo Derivada.1 Rea Tangene e Taxa de Variação Exemplo nr. 1 - Uma parícula caminha sobre uma rajeória qualquer obedecendo à função horária: s() 5 + (s em meros, em segundos) a)

Leia mais

6ROXomR: A aceleração das esferas é a mesma, g (aceleração da gravidade), como demonstrou

6ROXomR: A aceleração das esferas é a mesma, g (aceleração da gravidade), como demonstrou 6ROXomR&RPHQWDGD3URYDGH)VLFD. O sisema inernacional de unidades e medidas uiliza vários prefixos associados à unidade-base. Esses prefixos indicam os múliplos decimais que são maiores ou menores do que

Leia mais

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL Movimeno unidimensional 5 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL. Inrodução Denre os vários movimenos que iremos esudar, o movimeno unidimensional é o mais simples, já que odas as grandezas veoriais que descrevem o

Leia mais

3 Metodologia 3.1. O modelo

3 Metodologia 3.1. O modelo 3 Meodologia 3.1. O modelo Um esudo de eveno em como obeivo avaliar quais os impacos de deerminados aconecimenos sobre aivos ou iniciaivas. Para isso são analisadas as diversas variáveis impacadas pelo

Leia mais

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder 15. Uma pessoa preende medir a alura de um edifício baseado no amanho de sua sombra projeada ao solo. Sabendo-se que a pessoa em 1,70m de alura e as sombras do edifício e da pessoa medem 20m e 20cm respecivamene,

Leia mais

Duas opções de trajetos para André e Bianca. Percurso 1( Sangiovanni tendo sorteado cara e os dois se encontrando no ponto C): P(A) =

Duas opções de trajetos para André e Bianca. Percurso 1( Sangiovanni tendo sorteado cara e os dois se encontrando no ponto C): P(A) = RESOLUÇÃO 1 A AVALIAÇÃO UNIDADE II -016 COLÉGIO ANCHIETA-BA PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA ELABORAÇÃO e PESQUISA: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. QUESTÃO 01. Três saélies compleam suas respecivas

Leia mais

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV

Lista de Exercícios nº 3 - Parte IV DISCIPLINA: SE503 TEORIA MACROECONOMIA 01/09/011 Prof. João Basilio Pereima Neo E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lisa de Exercícios nº 3 - Pare IV 1ª Quesão (...) ª Quesão Considere um modelo algébrico

Leia mais

Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos

Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos Exercícios Sobre Oscilações, Bifurcações e Caos Os ponos de equilíbrio de um modelo esão localizados onde o gráfico de + versus cora a rea definida pela equação +, cuja inclinação é (pois forma um ângulo

Leia mais

Capítulo Cálculo com funções vetoriais

Capítulo Cálculo com funções vetoriais Cálculo - Capíulo 6 - Cálculo com funções veoriais - versão 0/009 Capíulo 6 - Cálculo com funções veoriais 6 - Limies 63 - Significado geomérico da derivada 6 - Derivadas 64 - Regras de derivação Uiliaremos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO O DIA GABARITO 2 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45

PROCESSO SELETIVO O DIA GABARITO 2 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 PROCESSO SELETIVO 27 2 O DIA GABARITO 2 13 FÍSICA QUESTÕES DE 31 A 45 31. No circuio abaixo, uma fone de resisência inerna desprezível é ligada a um resisor R, cuja resisência pode ser variada por um cursor.

Leia mais

Física. Física Módulo 1

Física. Física Módulo 1 Física Módulo 1 Nesa aula... Movimeno em uma dimensão Aceleração e ouras coisinhas O cálculo de x() a parir de v() v( ) = dx( ) d e x( ) x v( ) d = A velocidade é obida derivando-se a posição em relação

Leia mais

As cargas das partículas 1, 2 e 3, respectivamente, são:

As cargas das partículas 1, 2 e 3, respectivamente, são: 18 GAB. 1 2 O DIA PROCSSO SLTIVO/2006 FÍSICA QUSTÕS D 31 A 45 31. A figura abaixo ilusra as rajeórias de rês parículas movendo-se unicamene sob a ação de um campo magnéico consane e uniforme, perpendicular

Leia mais

Primeira Lista de Exercícios

Primeira Lista de Exercícios TP30 Modulação Digial Prof.: MSc. Marcelo Carneiro de Paiva Primeira Lisa de Exercícios Caracerize: - Transmissão em Banda-Base (apresene um exemplo de especro de ransmissão). - Transmissão em Banda Passane

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Nota Sobre Evolução da Produtividade no Brasil. Fernando de Holanda Barbosa Filho

NOTA TÉCNICA. Nota Sobre Evolução da Produtividade no Brasil. Fernando de Holanda Barbosa Filho NOTA TÉCNICA Noa Sobre Evolução da Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Fevereiro de 2014 1 Essa noa calcula a evolução da produividade no Brasil enre 2002 e 2013. Para ano uiliza duas

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACUDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA III icenciaura de Economia (ºAno/1ºS) Ano ecivo 007/008 Caderno de Exercícios Nº 1

Leia mais

Q = , 03.( )

Q = , 03.( ) PROVA DE FÍSIA 2º ANO - 1ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 01) Um bloco de chumbo de massa 1,0 kg, inicialmene a 227, é colocado em conao com uma fone érmica de poência consane. Deermine a quanidade de calor

Leia mais

XXXI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

XXXI OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO XXXI OLIMPÍ RSILEIR E MTEMÁTI PRIMEIR FSE NÍVEL Ensino Médio RITO RITO NÍVEL 6 E 6 7 7 E 9 9 5 0 E 5 0 E 5 ada quesão da Primeira Fase vale pono. Toal de ponos no Nível 5 ponos. guarde a pulicação da Noa

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

) quando vamos do ponto P até o ponto Q (sobre a reta) e represente-a no plano cartesiano descrito acima.

) quando vamos do ponto P até o ponto Q (sobre a reta) e represente-a no plano cartesiano descrito acima. ATIVIDADE 1 1. Represene, no plano caresiano xy descrio abaixo, os dois ponos (x 0,y 0 ) = (1,2) e Q(x 1,y 1 ) = Q(3,5). 2. Trace a rea r 1 que passa pelos ponos e Q, no plano caresiano acima. 3. Deermine

Leia mais

*UiILFRGH&RQWUROH(:0$

*UiILFRGH&RQWUROH(:0$ *UiILFRGH&RQWUROH(:$ A EWMA (de ([SRQHQWLDOO\:HLJKWHGRYLQJ$YHUDJH) é uma esaísica usada para vários fins: é largamene usada em méodos de esimação e previsão de séries emporais, e é uilizada em gráficos

Leia mais

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco

Função de risco, h(t) 3. Função de risco ou taxa de falha. Como obter a função de risco. Condições para uma função ser função de risco Função de risco, h() 3. Função de risco ou axa de falha Manuenção e Confiabilidade Prof. Flavio Fogliao Mais imporane das medidas de confiabilidade Traa-se da quanidade de risco associada a uma unidade

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara Insiuo de Física USP Física V - Aula 6 Professora: Mazé Bechara Aula 6 Bases da Mecânica quânica e equações de Schroedinger. Aplicação e inerpreações. 1. Ouros posulados da inerpreação de Max-Born para

Leia mais

O gráfico que é uma reta

O gráfico que é uma reta O gráfico que é uma rea A UUL AL A Agora que já conhecemos melhor o plano caresiano e o gráfico de algumas relações enre e, volemos ao eemplo da aula 8, onde = + e cujo gráfico é uma rea. Queremos saber

Leia mais

QUESTÃO 60 DA CODESP

QUESTÃO 60 DA CODESP UEÃO 60 D CODE - 0 êmpera é um ipo de raameno érmico uilizado para aumenar a dureza de peças de aço respeio da êmpera, é correo afirmar: ) a êmpera modifica de maneira uniforme a dureza da peça, independenemene

Leia mais

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM

AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM AULA 22 PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 163 22. PROCESSO DE TORNEAMENTO: CONDIÇÕES ECONÔMICAS DE USINAGEM 22.1. Inrodução Na Seção 9.2 foi falado sobre os Parâmeros de Core e

Leia mais

Modelos de Crescimento Endógeno de 1ªgeração

Modelos de Crescimento Endógeno de 1ªgeração Teorias do Crescimeno Económico Mesrado de Economia Modelos de Crescimeno Endógeno de 1ªgeração Inrodução A primeira geração de modelos de crescimeno endógeno ena endogeneiar a axa de crescimeno de SSG

Leia mais

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA

LABORATÓRIO DE HIDRÁULICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ENTRO DE TENOLOGIA LABORATÓRIO DE HIDRÁULIA Vladimir aramori Josiane Holz Irene Maria haves Pimenel Marllus Gusavo Ferreira Passos das Neves Maceió - Alagoas Ouubro de 2012

Leia mais

3 LTC Load Tap Change

3 LTC Load Tap Change 54 3 LTC Load Tap Change 3. Inrodução Taps ou apes (ermo em poruguês) de ransformadores são recursos largamene uilizados na operação do sisema elérico, sejam eles de ransmissão, subransmissão e disribuição.

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA)

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA) PEA 40 - LAORAÓRO DE NSALAÇÕES ELÉRCAS CONDUORES E DSPOSVOS DE PROEÇÃO (CDP_EA) RELAÓRO - NOA... Grupo:...... Professor:...Daa:... Objeivo:..... MPORANE: Em odas as medições, o amperímero de alicae deverá

Leia mais

Séries temporais Modelos de suavização exponencial. Séries de temporais Modelos de suavização exponencial

Séries temporais Modelos de suavização exponencial. Séries de temporais Modelos de suavização exponencial Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção Análise de séries de empo: modelos de suavização exponencial Profa. Dra. Liane Werner Séries emporais A maioria dos méodos de previsão se baseiam na

Leia mais

Tópicos Especiais em Energia Elétrica (Projeto de Inversores e Conversores CC-CC)

Tópicos Especiais em Energia Elétrica (Projeto de Inversores e Conversores CC-CC) Deparameno de Engenharia Elérica Tópicos Especiais em Energia Elérica () ula 2.2 Projeo do Induor Prof. João mérico Vilela Projeo de Induores Definição do úcleo a Fig.1 pode ser observado o modelo de um

Leia mais

MACROECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE QUESTÕES PARA DISCUSSÃO

MACROECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE QUESTÕES PARA DISCUSSÃO MACROECONOMIA DO DESENVOLVIMENTO PROFESSOR JOSÉ LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE QUESTÕES PARA DISCUSSÃO 1 Quesão: Um fao esilizado sobre a dinâmica do crescimeno econômico mundial é a ocorrência de divergências

Leia mais

Exercícios de torção livre em seção circular fechada - prof. Valério SA Universidade de São Paulo - USP

Exercícios de torção livre em seção circular fechada - prof. Valério SA Universidade de São Paulo - USP São Paulo, dezembro de 2015. 1) a. Deerminar a dimensão a de modo a se er a mesma ensão de cisalhameno máxima nos rechos B-C e C-D. b. Com al dimensão pede-se a máxima ensão de cisalhameno no recho A-B.

Leia mais

Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares

Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares Séries de Fourier de Senos e de Cossenos de Índices Ímpares Reginaldo J. Sanos Deparameno de Maemáica-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais hp://www.ma.ufmg.br/~regi 26 de seembro de 21 2 Análogo ao

Leia mais

O gráfico que é uma reta

O gráfico que é uma reta O gráfico que é uma rea A UUL AL A Agora que já conhecemos melhor o plano caresiano e o gráfico de algumas relações enre e, volemos ao eemplo da aula 8, onde = + e cujo gráfico é uma rea. Queremos saber

Leia mais

INF Técnicas Digitais para Computação. Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos. Aula 3

INF Técnicas Digitais para Computação. Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos. Aula 3 INF01 118 Técnicas Digiais para Compuação Conceios Básicos de Circuios Eléricos Aula 3 1. Fones de Tensão e Correne Fones são elemenos aivos, capazes de fornecer energia ao circuio, na forma de ensão e

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL -25/11/06

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL -25/11/06 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL -5//06 Nome: Nº de Marícula: GABARIO urma: Assinaura: Grau Quesão Valor Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 oal 0,0 Consanes F 96500 C mol - C x V J R 8,34 J mol - K - 0,08 am L K -

Leia mais

Nome: N.º Turma: Suficiente (50% 69%) Bom (70% 89%)

Nome: N.º Turma: Suficiente (50% 69%) Bom (70% 89%) Escola E.B.,3 Eng. Nuno Mergulhão Porimão Ano Leivo 01/013 Tese de Avaliação Escria de Maemáica 9.º ano de escolaridade Duração do Tese: 90 minuos 16 de novembro de 01 Nome: N.º Turma: Classificação: Fraco

Leia mais

Expectativas, consumo e investimento CAPÍTULO 16. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Expectativas, consumo e investimento CAPÍTULO 16. Olivier Blanchard Pearson Education Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Expecaivas, consumo e Olivier Blanchard Pearson Educaion CAPÍTULO 16 16.1 Consumo A eoria do consumo foi desenvolvida na década de 1950 por Milon Friedman, que a chamou de eoria do consumo da renda permanene,

Leia mais

Questões sobre derivadas. 1. Uma partícula caminha sobre uma trajetória qualquer obedecendo à função horária 2

Questões sobre derivadas. 1. Uma partícula caminha sobre uma trajetória qualquer obedecendo à função horária 2 Quesões sobre deriadas. Uma parícula caminha sobre uma rajeória qualquer obedecendo à função horária s ( = - + 0 ( s em meros e em segundos. a Deermine a lei de sua elocidade em função do empo. b Deermine

Leia mais

Conceito. Exemplos. Os exemplos de (a) a (d) mostram séries discretas, enquanto que os de (e) a (g) ilustram séries contínuas.

Conceito. Exemplos. Os exemplos de (a) a (d) mostram séries discretas, enquanto que os de (e) a (g) ilustram séries contínuas. Conceio Na Esaísica exisem siuações onde os dados de ineresse são obidos em insanes sucessivos de empo (minuo, hora, dia, mês ou ano), ou ainda num período conínuo de empo, como aconece num elerocardiograma

Leia mais

CIRCUITO RC SÉRIE. max

CIRCUITO RC SÉRIE. max ELETRICIDADE 1 CAPÍTULO 8 CIRCUITO RC SÉRIE Ese capíulo em por finalidade inroduzir o esudo de circuios que apresenem correnes eléricas variáveis no empo. Para ano, esudaremos o caso de circuios os quais

Leia mais

DEMOGRAFIA. Assim, no processo de planeamento é muito importante conhecer a POPULAÇÃO porque:

DEMOGRAFIA. Assim, no processo de planeamento é muito importante conhecer a POPULAÇÃO porque: DEMOGRAFIA Fone: Ferreira, J. Anunes Demografia, CESUR, Lisboa Inrodução A imporância da demografia no planeameno regional e urbano O processo de planeameno em como fim úlimo fomenar uma organização das

Leia mais

Características dos Processos ARMA

Características dos Processos ARMA Caracerísicas dos Processos ARMA Aula 0 Bueno, 0, Capíulos e 3 Enders, 009, Capíulo. a.6 Morein e Toloi, 006, Capíulo 5. Inrodução A expressão geral de uma série emporal, para o caso univariado, é dada

Leia mais

Cálculo Vetorial - Lista de Exercícios

Cálculo Vetorial - Lista de Exercícios álculo Veorial - Lisa de Exercícios (Organizada pela Profa. Ilka Rebouças). Esboçar o gráfico das curvas represenadas pelas seguines funções veoriais: a) a 4 i j, 0,. d) d i 4 j k,. b) b sen i 4 j cos

Leia mais

Circuitos Elétricos- módulo F4

Circuitos Elétricos- módulo F4 Circuios léricos- módulo F4 M 014 Correne elécrica A correne elécrica consise num movimeno orienado de poradores de cara elécrica por acção de forças elécricas. Os poradores de cara podem ser elecrões

Leia mais

Problema Inversor CMOS

Problema Inversor CMOS Problema nersor CMS NMS: V = ol K = 30 μa/v PMS: V = ol K = 30 μa/v A figura represena um inersor CMS em que os dois ransísores apresenam caracerísicas siméricas A ensão de alimenação ale V =5 ol ) Sabendo

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Mat. Professore: Monitor: Fernanda Aranzate

Mat. Professore: Monitor: Fernanda Aranzate Ma. Professore: PC Monior: Fernanda Aranzae Conceio de parição e exclusão e áreas das figuras planas - coninuação 24 ago RESUMO Como vimos na aula passada, as áreas medem o amanho da superfície dessas

Leia mais

Cinemática Vetorial Movimento Retilíneo. Movimento. Mecânica : relaciona força, matéria e movimento

Cinemática Vetorial Movimento Retilíneo. Movimento. Mecânica : relaciona força, matéria e movimento Fisica I - IO Cinemáica Veorial Moimeno Reilíneo Prof. Crisiano Olieira Ed. Basilio Jafe sala crislpo@if.usp.br Moimeno Mecânica : relaciona força, maéria e moimeno Cinemáica : Pare da mecânica que descree

Leia mais

Noções de Espectro de Freqüência

Noções de Espectro de Freqüência MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Campus São José Curso de Telecomunicações Noções de Especro de Freqüência Marcos Moecke São José - SC, 6 SUMÁRIO 3. ESPECTROS DE FREQÜÊNCIAS 3. ANÁLISE DE SINAIS NO DOMÍNIO DA

Leia mais

4 O modelo econométrico

4 O modelo econométrico 4 O modelo economérico O objeivo desse capíulo é o de apresenar um modelo economérico para as variáveis financeiras que servem de enrada para o modelo esocásico de fluxo de caixa que será apresenado no

Leia mais

Experiência IV (aulas 06 e 07) Queda livre

Experiência IV (aulas 06 e 07) Queda livre Experiência IV (aulas 06 e 07) Queda livre 1. Objeivos. Inrodução 3. Procedimeno experimenal 4. Análise de dados 5. Quesões 6. Referências 1. Objeivos Nesa experiência, esudaremos o movimeno da queda de

Leia mais

Cap. 5 - Tiristores 1

Cap. 5 - Tiristores 1 Cap. 5 - Tirisores 1 Tirisor é a designação genérica para disposiivos que êm a caracerísica esacionária ensão- -correne com duas zonas no 1º quadrane. Numa primeira zona (zona 1) as correnes são baixas,

Leia mais

figura 1 Vamos encontrar, em primeiro lugar, a velocidade do som da explosão (v E) no ar que será dada pela fórmula = v

figura 1 Vamos encontrar, em primeiro lugar, a velocidade do som da explosão (v E) no ar que será dada pela fórmula = v Dispara-se, segundo um ângulo de 6 com o horizone, um projéil que explode ao aingir o solo e oue-se o ruído da explosão, no pono de parida do projéil, 8 segundos após o disparo. Deerminar a elocidade inicial

Leia mais

Física I -2009/2010. Utilize o modelo de uma partícula (ou seja, represente o corpo cujo movimento está a estudar por uma única partícula)

Física I -2009/2010. Utilize o modelo de uma partícula (ou seja, represente o corpo cujo movimento está a estudar por uma única partícula) Quesões: Física I -9/ 3 a Série - Movimeno unidimensional - Resolução Q -Esboce um diagrama de ponos para cada um dos movimenos unidimensionais abaixo indicados, de acordo com as seguines insruções: Uilize

Leia mais

Capítulo 2: Conceitos Fundamentais sobre Circuitos Elétricos

Capítulo 2: Conceitos Fundamentais sobre Circuitos Elétricos SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TE041 Circuios Eléricos I Prof. Ewaldo L. M. Mehl Capíulo 2: Conceios Fundamenais sobre Circuios Eléricos 2.1. CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA

Leia mais

N(0) número de núcleos da espécie inicial no instante t=0. N(t) número de núcleos da espécie inicial no instante t. λ constante de decaimento

N(0) número de núcleos da espécie inicial no instante t=0. N(t) número de núcleos da espécie inicial no instante t. λ constante de decaimento 07-0-00 Lei do Decaimeno Radioacivo probabilidade de ransformação elemenar durane d d número médio de ransformações (dum elemeno) ocorridas em d N = Nd número médio de ocorrências na amosra com N elemenos

Leia mais

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS LTROMAGNTISMO II 3 ONDAS LTROMAGNÉTICAS A propagação de ondas eleromagnéicas ocorre quando um campo elérico variane no empo produ um campo magnéico ambém variane no empo, que por sua ve produ um campo

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Dinâmicos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Dinâmicos Análise de Projecos ESAPL / IPVC Criérios de Valorização e Selecção de Invesimenos. Méodos Dinâmicos Criério do Valor Líquido Acualizado (VLA) O VLA de um invesimeno é a diferença enre os valores dos benefícios

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais