Estudo da vida útil da bertalha em diferentes condições de armazenamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo da vida útil da bertalha em diferentes condições de armazenamento"

Transcrição

1 Estudo da vida útil da bertalha em diferentes condições de armazenamento BOTREL, Neide 1 ; MADEIRA, Nuno 1 1 Embrapa Hortaliças, Resumo A bertalha, Basella alba L., é uma hortaliça bastante apreciada, mas com pouca informação pós-colheita. Objetivo deste trabalho foi avaliar a vida útil da bertalha em diferentes temperaturas ( ambiente, 10 o C e 5 o C) e tipos de embalagens (sem embalagem, embalagem aberta e bandeja envolta com filme plástico de baixa densidade), a fim de oferecer subsídios para um maior tempo de comercialização. Foi avaliado a aparência, cor através da medição dos parâmetros colorimétricos L*, a*, b*e perda de massa. A bertalha armazenadas a 10 o C embaladas, permaneceram túrgidos e verdes até 15 dias após o armazenamento, demonstrando o seu vigor e rusticidade até mesmo na fase pós-colheita. Armazenda a 5 o C houve manifestação de sintomas de chilling nas folhas, e em temperatura ambiente um rápido murchamento e perda de frescor. Palavras-chave: hortaliças não convencionais; embalagem; conservação; pós-colheita. Abstract: The Basella alba L., is a vegetable very appreciated, but with little postharvest information. The main goal of research was evaluate the shelf life Basella alba at different temperatures (environment, 10 o C and 5 o C) and types of packaging (unpackaged, open packing, and packing plastic film of low density), in order to offer subsidies for a greater time to market. Were avaliable the appearance, color by measuring colorimetric parameters L, a*, b* e mass loss. Basella alba stored at 10 o C packed, turgor and green remained until 15 days after storage, demonstrating his force and rusticity even postharvest stage.storage at 5 o C there was no manifestation of symptoms of chilling in the leaves, and at room temperature rapid wilting and loss of freshness. Keywords: unconventional vegetables; packaging; conservation; post-harvest Introdução Ações que visem a incentivar a valorização, o resgate e o consumo de hortaliças tradicionais são importantes não só por uma questão de segurança e de soberania alimentar e nutricional, uma vez que visa o incremento da diversidade e riqueza da dieta alimentar e fomento aos bons hábitos alimentares, mas também por abranger aspectos culturais, econômicos e sociais. (MADEIRA, et al.,2013).

2 As hortaliças não convencionais apresentam efetivo potencial de utilização e valor nutricional, e também boa adaptação a diferentes condições edafoclimáticas. A bertalha, Basella alba L., é uma hortaliça bastante apreciada, em especial no Estado do Rio de Janeiro, onde é bastante comercializada em feiras, e apresenta importantes propriedades nutracêuticas (ROSHAN et al, 2012). É uma planta trepadeira, vigorosa, de folhas suculentas. A colheita tem início 60 a 90 dias após o plantio, e é realizada pelo corte das hastes com 20 a 40 cm de comprimento, e posteriormente amarrados em maços. As condições ideais de armazenamento variam largamente de produto para produto e correspondem às condições nas quais estes podem ser armazenados pelo maior espaço de tempo possível, sem perda apreciável de seus atributos de qualidade. As hortaliças folhosas, normalmente apresentam vida útil bastante restrita. O objetivo deste trabalho, foi verificar o tempo de conservação da bertalha em diferentes condições de temperaturas de armazenamento e diferentes tipos de embalagens, a fim de oferecer subsídios para maior extensão da sua vida útil, e consequentemente um maior período de comercialização. Metodologia As hastes da bertalha, foram colhidas na área destinada ao plantio de hortaliças não convencionais da Embrapa Hortaliças, Brasília-DF. Após a lavagem e sanificação das hastes, estas foram embalados e armazenados para estudo da vida útil. Os tratamentos consistiram em três acondicionamento das hastes (sem embalgem (S), em bandejas de polipropileno envoltas com filme de baixa densidade (10 micras) (B) e em plástico aberto, de formato cônico e com microperfurações (P)), e três temperaturas de armazenamento ( ambiente (A); 5 o ± 2 o C(5) C e 10 o C ± 2 o C (10)). A umidade relativa das duas câmaras foi de 80 ± 5 %. A parcela foi composta de 4 hastes. As avaliações foram realizadas no dia da instalação do experimento e até o tempo em que os ramos mantiveram próprios para o consumo. As variáveis analisadas foram as seguintes: perda de massa (pesagem inicial e final); cor da primeira folha adulta do ramo, através da medição dos parâmetros colorimétricos L*,

3 a* e b*, onde L* indica luminosidade; a* a cor verde e b* a cor amarela, utilizando colorimetro (Minolta Modelo CR -400). Foi realizada 6 avaliações periódicas da aparência do produto pela seguinte escala de notas: 1) totalmente turgida; 2- levemente turgida; 3- Início de murchamento; 4- murcha; 5- extremamente murcha. Resultados e discussões Tabela1- Valores médios das notas referentes realizadas durante o período de armazenamento. Aparência a aparência de seis avaliações (notas) Tratamento 1 a 2 a 3 a 4 a 5 a 6 a AS AB AP S B P S B P AS- ambiente sem embalagem; AB- ambiente bandeja; AP- ambiente plástico aberto; 5S- 5 o C sem embalagem, 5B- 5 o C bandeja, 5P- 5 o C plástico aberto; 10S- 10 o C sem embalagem; 10B- 10 o C bandeja; 10P- 10 o C plástico aberto. As hastes da bertalha armazenados em temperatura ambiente, perderam o vigor e se tornaram murchos após 5 dias, com exceção daqueles armazenados em bandejas envoltos com filmes plásticos que permaneceram com boa aparência até a terceira avaliação, que se deu aos 7 dias após o armazenamento. Já os ramos armazenados sob refrigeração, permaneceram turgidos até o final das avaliações, quando embalados em atmosfera modificada ( bandeja com filme plástico), e a 5 o C manifestaram sensibilidade ao chilling (sem embalagem e plástico aberto). Os expostos a temperatura de 10 o C, permaneceram turgidos até 15 dias após o armazenamento, demonstrando o seu vigor e rusticidade até na fase pós-colheita. Quanto a cor da folha analisada, com valor inicial de L* 44,00; a*: - 16,93(verde) e b*:23,79 (amarelo), houve uma intensificação da cor verde opaca, com a perda de frescor nas hastes armazenadas a temperatura ambiente, e depois tornaram amarelas atingindo aos 7 dias b * 25,21. As hastes armazenadas em bandejas com filme plástico, mantiveram o verde semelhante a cor das hastes recém colhidas por 15 dias. A perda de água( perda de massa), foi rápida em temperatura ambiente, reduzindo drasticamente o peso, cerca de 15%, aos sete dias. Já as armazenadas em refrigeração

4 houve menor perda água, pelo efeito positivo da baixa temperatura, associado ao efeito da atmosfera modificada ( bandeja com filme). Conclusões As hastes de bertalha armazenadas a 10 o C, umidade relativa 80 ± 5 %, em atmosfera modificada, se caracterizaram por apresentar uma maior vida útil e com excelente qualidade. Referências bibliográficas: MADEIRA, R. N.; SILVA, P. C.; BOTREL, N.; MENDONÇA, J. L. M.; SILVEIRA, G. S. R.; PEDROSA, W. P. Manual de produção de hortaliças tradicionais. Brasília, DF: Embrapa, p. ROSHAN, A.; KUMAR, HN.; SHRUTHI, SD. A review on medicinal importance of Basella alba L. Internacional Journal of Pharmaceutical Sciences and Drug Research,Karnataka, India, v.4, n.2, p , April- June, 2012.

5 Figura 1- Colheita da bertalha. Figura 2- Aparência das hastes de bertalha armazenadas a 10o C, 5oC e temperatura ambiente, e embaladas com filme de baixa densidade, por um período de 15 dias.

Conservação pós-colheita de pimentas da espécie Capsicum chinense

Conservação pós-colheita de pimentas da espécie Capsicum chinense 159.doc 19/5/yyyy 1 Conservação pós-colheita de pimentas da espécie Capsicum chinense com filme de PVC em duas temperaturas. Otávio Gravina 1 ; Gilmar P. Henz 2, Sabrina I. C. de Carvalho 2 1 UFV, Viçosa-MG;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE FLORES DA CAPUCHINHA (Tropaeolum majus L.) ARMAZENADAS EM DIFERENTES TEMPERATURAS

CARACTERIZAÇÃO DE FLORES DA CAPUCHINHA (Tropaeolum majus L.) ARMAZENADAS EM DIFERENTES TEMPERATURAS XI Brazilian Meeting on Chemistry of Food and Beverages V Simpósio de Engenharia e Ciência de Alimentos 28 de novembro a 02 de dezembro de 2016 Universidade Estadual Paulista São José do Rio Preto, SP

Leia mais

Conservação Pós-Colheita de Umbu sob Diferentes Temperaturas de Armazenamento

Conservação Pós-Colheita de Umbu sob Diferentes Temperaturas de Armazenamento 211 Conservação Pós-Colheita de Umbu sob Diferentes Temperaturas de Postharvest Conservation of Spondias tuberosa Fruits Under Different Storage Temperatures Rosejane Pereira da Silva 1 ; Maria Auxiliadora

Leia mais

CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE FRUTOS DE GRAVIOLA (Annona muricata L.) SOB ATMOSFERA MODIFICADA

CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE FRUTOS DE GRAVIOLA (Annona muricata L.) SOB ATMOSFERA MODIFICADA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE FRUTOS DE GRAVIOLA (Annona muricata L.) SOB ATMOSFERA MODIFICADA SILVANDA DE MELO SILVA 1 LAÉSIO PEREIRA MARTINS 1 JERÔNIMO GALDINO DOS SANTOS 1 LÚCIO BASTOS MEDEIROS 1 RICARDO

Leia mais

PERDA DE PESO PÓS-COLHEITA DE ESPIGAS DE MILHO-VERDE EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE ACONDICIONAMENTO

PERDA DE PESO PÓS-COLHEITA DE ESPIGAS DE MILHO-VERDE EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE ACONDICIONAMENTO PERDA DE PESO PÓS-COLHEITA DE ESPIGAS DE MILHO-VERDE EM FUNÇÃO DE DIFERENTES FORMAS DE ACONDICIONAMENTO RICARDO FIGUEIREDO BRAZ 1, JOÃO CARLOS CARDOSO GALVÃO 2, FERNANDO LUÍZ FINGER 3, GLAUCO VIEIRA MIRANDA

Leia mais

Palavras-chave: Lycopersicon esculentum Mill., Lactuca sativa L., comercialização.

Palavras-chave: Lycopersicon esculentum Mill., Lactuca sativa L., comercialização. PERDAS PÓS-COLHEITA DE FRUTAS E HORTALIÇAS COMERCIALIZADAS EM ANÁPOLIS GO Bruna Nascimento Oliveira 1, 4 ; Maria Madalena Rinaldi 2, 4 ; Rívia Darla Álvares Amaral 3, 4. 1 Bolsista PBIC/UEG 2 Pesquisadora

Leia mais

EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO

EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO EFEITO DA EMBALAGEM NA QUALIDADE DE FARINHAS DE MANDIOCA TEMPERADAS DURANTE O ARMAZENAMENTO Virgínia de Souza ÁLVARES 1 ; Joana Maria Leite de SOUZA 1 ; Jacson Rondinelli da Silva NEGREIROS 1 ; Lauro Saraiva

Leia mais

Hortic. bras., v. 30, n. 2, (Suplemento - CD Rom), julho 2012 S 7049

Hortic. bras., v. 30, n. 2, (Suplemento - CD Rom), julho 2012 S 7049 Conservação pós-colheita de pepino SASSY F1 sob atmosfera modificada e refrigeração Silvia Antoniali 1 ; Juliana Sanches 2 ; Fabiano T. Amikura 1 ; Silmara C. Doreto 1 1 APTA Pólo Extremo Oeste Araçatuba,

Leia mais

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças

Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Efeito da reidratação na coloração da salsinha. Zeuxis R. Evangelista 1 ; Kari K. S. Araújo 1, Carolina C. Sena

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ARÁBICA E ROBUSTA 1

ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ARÁBICA E ROBUSTA 1 ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ARÁBICA E ROBUSTA 1 FAZUOLI, L.C. 2,4 ; BRAGHINI, M.T. 3 ; CONCEIÇÃO, A.S. 3 e SILVAROLLA, M.B. 2 1 Trabalho parcialmente financiado pelo Consórcio Brasileiro

Leia mais

Qualidade de Sementes de Milho Armazenadas em Embalagens Alternativas

Qualidade de Sementes de Milho Armazenadas em Embalagens Alternativas Qualidade de Sementes de Milho rmazenadas em Embalagens lternativas Maize Seeds Quality Stored in lternative Packages OLIVEIR,. C. S. UENF, kisanazario@yahoo.com.br; COELHO, F. C. UENF, fcoelho@uenf.br;

Leia mais

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné 31-06-2016 Introdução A qualidade dos alimentos é um conceito que tem vindo a despertar o interesse

Leia mais

Produção de pimenta cumari em relação a incidência solar

Produção de pimenta cumari em relação a incidência solar Produção de pimenta cumari em relação a incidência solar Anderson I. F. Kobayashi, Denis M. Fernandes, Abílio J. Meiato, Gustavo Pedrazzi, Amalia Estela Mozambani Centro Universitário Moura Lacerda, Caixa

Leia mais

Departamento de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Asa Norte, D. F., Brazil;

Departamento de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Asa Norte, D. F., Brazil; PINELI LLO; Caracterização ROCHA TO; MORETTI física, química CL; CAMPOS e sensorial AB; de BRASILEIRO morangos Osogrande AV; GLEICY e Camino G; SANTANA Real MA; armazenados SANTOS MS; a 5 e CAMPOS a 15

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA ACONDICIONADAS EM DIFERENTES EMBALAGENS E ARMAZENADAS SOB CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE CAMPINA GRANDE-PB Sandra Maria de Figueiredo 1, Fernanda Fernandes de Melo

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

Cinética de degradação de cores de frutas frescas refrigeradas

Cinética de degradação de cores de frutas frescas refrigeradas Agropecuária Técnica (2015) Volume 36 (1): 183-189 Versão Online ISSN 0100-7467 http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/at/index Cinética de degradação de cores de frutas frescas refrigeradas Edilania

Leia mais

Farinhas de Mandioca Seca e Mista

Farinhas de Mandioca Seca e Mista Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amapá Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Farinhas de Mandioca Seca e Mista Valéria Saldanha Bezerra Embrapa Informação Tecnológica Brasília,

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

EFICIÊNCIA DE REVESTIMENTOS DE PARAFINA E FILMES BIODEGRADÁVEIS NA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE MANDIOCA DE MESA.

EFICIÊNCIA DE REVESTIMENTOS DE PARAFINA E FILMES BIODEGRADÁVEIS NA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE MANDIOCA DE MESA. EFICIÊNCI DE REVESTIMENTOS DE PRFIN E FILMES IODEGRDÁVEIS N CONSERVÇÃO PÓS-COLHEIT DE MNDIOC DE MES. Sibery dos njos arros e Silva (siberybarros@gmail.com) 1 ; na Claudia arros dos Santos 2 (ana.agronomia@hotmail.com);

Leia mais

Água de Coco Verde Refrigerada. Lourdes Maria Corrêa Cabral Edmar das Mercês Penha Virgínia Martins da Matta

Água de Coco Verde Refrigerada. Lourdes Maria Corrêa Cabral Edmar das Mercês Penha Virgínia Martins da Matta Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Água de Coco Verde Refrigerada Lourdes Maria Corrêa Cabral Edmar das Mercês

Leia mais

Comunicado. Técnico. Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar. Introdução

Comunicado. Técnico. Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar. Introdução Comunicado 54 Técnico ISSN 1414-9850 Junho, 2008 Brasília, DF Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar Warley Marcos Nascimento 1 Raquel Alves de Freitas 2 Mariana Dierings Croda 3

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

Caderno de Pós Colheita. Produção Integrada de Maçã - PIM. Documento aprovado junto a IN nº 1, em 14/09/2006 Válido para o cíclo

Caderno de Pós Colheita. Produção Integrada de Maçã - PIM. Documento aprovado junto a IN nº 1, em 14/09/2006 Válido para o cíclo Caderno de Pós Colheita Produção Integrada de Maçã - PIM Caderno de Pós - Colheita Produção Integrada de Maçã - PIM Identificação: Nome do produtor/empresa:-------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução ISSN1516-4349 CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO Introdução O amendoim (Arachis hypogaea L), originário da América do Sul, é uma fonte importante de proteína para dieta do povo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS Linha de pesquisa: Caracterização física, química, bioquímica e microbiológica de produtos de origem animal Área de conhecimento: Carnes e produtos derivados Aspectos de produção de carnes (produção, importação

Leia mais

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015

Journal of Fruits and Vegetables, v. 1, n. 1, p. 53-60, 2015 MONITORAMENTO DA MATURAÇÃO PÓS-COLHEITA DE TOMATE VERDE MADURO DOS GRUPOS ITALIANO PIZZADORO E SALADETE ALAMBRA ANJOS, Valéria Delgado de A 1 ; ZANINI, Juliana Salvetti 2 ; ABRAHÃO, Roberta Maria Soares

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM EVAPORÍMETRO VENTILADO

CONSTRUÇÃO DE UM EVAPORÍMETRO VENTILADO CONSTRUÇÃO DE UM EVAPORÍMETRO VENTILADO DOUGLAS MARIANO DA VEIGA 1*, RAPHAEL NASCIMENTO DA SILVA 2, JOSUEL ALFREDO VILELA PINTO 3 1 Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Laranjeiras do Sul, 2 Universidade

Leia mais

Modificações físico-químicas e sensoriais em alface americana minimamente processada.

Modificações físico-químicas e sensoriais em alface americana minimamente processada. Modificações físico-químicas e sensoriais em alface americana minimamente processada. Luana T. Timpone 1 ; Priscila Barcaro 1 ; Roseli A. Ferrari 3 ; Rosana Fernandes Otto 3 ; Priscila C. Niesing 2. 1

Leia mais

INFLUÊNCIA DE EMBALAGENS EM JABUTICABAS 'SABARÁ' 1 PACKAGING INFLUENCE IN JABOTICABAS SABARÁ FRUITS

INFLUÊNCIA DE EMBALAGENS EM JABUTICABAS 'SABARÁ' 1 PACKAGING INFLUENCE IN JABOTICABAS SABARÁ FRUITS 81 INFLUÊNCIA DE EMBALAGENS EM JABUTICABAS 'SABARÁ' 1 BRUNINI, Maria Amalia 2 COELHO, Cristina Vieira 3 RESUMO: Jabuticabas maduras, provenientes de pomar comercial da região de Casa Branca-SP, foram acondicionadas

Leia mais

Flor comestível, trapoeolum majus l., uma fonte de carotenoide Edible flower, Tropaeolum majus L., as a source of carotenoid

Flor comestível, trapoeolum majus l., uma fonte de carotenoide Edible flower, Tropaeolum majus L., as a source of carotenoid Flor comestível, trapoeolum majus l., uma fonte de carotenoide Edible flower, Tropaeolum majus L., as a source of carotenoid BOTREL, Neidel 1 ; MADEIRA, Nuno Rodrigo; RIBEIRO, Ricardo Luiz Vasconcelos

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

Avaliação do uso de filme plástico de policloreto de vinila (PVC) no armazenamento de cenouras

Avaliação do uso de filme plástico de policloreto de vinila (PVC) no armazenamento de cenouras Avaliação do uso de filme plástico de policloreto de vinila (PVC) no armazenamento de cenouras Evaluation of the use of plastic film of polyvinyl chloride (PVC) in the storage of carrots Ricardo Antonio

Leia mais

Effect of delay of withdrawal of plastic film atemoia 'Gefner'

Effect of delay of withdrawal of plastic film atemoia 'Gefner' 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Efeito do retardamento da retirada do filme plástico em atemoia Gefner. Pahlevi A. de Souza 1 ; Hirllen N. B. R.

Leia mais

Uso de Revestimento Comestível e Embalagem Valorizável para Palmito de Pupunha Minimamente Processado

Uso de Revestimento Comestível e Embalagem Valorizável para Palmito de Pupunha Minimamente Processado Uso de Revestimento Comestível e Embalagem Valorizável para Palmito de Pupunha Minimamente Processado Tecnologia desenvolvida pela Embrapa aumenta a vida útil e agrega valor ao produto minimamente processado

Leia mais

Polpa de Fruta Congelada

Polpa de Fruta Congelada Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Polpa de Fruta Congelada Virgínia Martins da Matta Murillo Freire Junior

Leia mais

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS 74 CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS Gilmar Silvério da Rocha (1), Rogério Faria Vieira (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Alexandre Cunha de Barcellos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

Rendimento e qualidade do melão em diferentes espaçamentos de plantio.

Rendimento e qualidade do melão em diferentes espaçamentos de plantio. Rendimento e qualidade do melão em diferentes espaçamentos de plantio. Geraldo M. de Resende; Nivaldo D. Costa Embrapa - Semi-Árido, C. Postal 23, 56302.970 Petrolina - PE. E-mail: gmilanez@ufla.br RESUMO

Leia mais

Tipos de TesTes 1. Cor da epiderme 2. Consistência da polpa 3. Concentração de açúcares 4. Acidez total 5. Teor de amido

Tipos de TesTes 1. Cor da epiderme 2. Consistência da polpa 3. Concentração de açúcares 4. Acidez total 5. Teor de amido 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA RS Curso: Técnico em AgroindúsTriA Disciplina: Tecnologia de FruTas e HorTaliças Tema: TesTes de maturação AulA: Nº 03

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO COLHEITA, SECAGEM ARMAZENAMENTO E CONTROLE DE QUALIDADE DE PLANTAS MEDICINAIS COLHEITA:

Leia mais

PROPOSTA DE NOVOS FACTORES DE EMISSÃO DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA PARA A CULTURA DE ARROZ EM PORTUGAL

PROPOSTA DE NOVOS FACTORES DE EMISSÃO DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA PARA A CULTURA DE ARROZ EM PORTUGAL SEMINÁRIO: Boas Práticas no Cultivo de Arroz por Alagamento, em Portugal, 30 Maio 2013, INIAV, Oeiras, Portugal PROPOSTA DE NOVOS FACTORES DE EMISSÃO DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA PARA A CULTURA DE ARROZ

Leia mais

(Recebido para publicação em 30 de abril de 2004 e aprovado em 31 de março de 2005)

(Recebido para publicação em 30 de abril de 2004 e aprovado em 31 de março de 2005) 810 CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA LIMA, DE L. C. FIGOS et al. VERDES (Ficus carica L.) CV. ROXO DE VALINHOS TRATADOS COM HIPOCLORITO DE SÓDIO E ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO EM ATMOSFERA MODIFICADA PASSIVA Post-harvest

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

Conservação pós-colheita dos frutos de quatro cultivares de quiabo influenciada por filme de PVC e temperatura

Conservação pós-colheita dos frutos de quatro cultivares de quiabo influenciada por filme de PVC e temperatura Conservação pós-colheita dos frutos de quatro cultivares de quiabo influenciada por filme de PVC e temperatura Wagner Ferreira da Mota 1 ; Fernando Luiz Finger 2 ; Paulo Roberto Cecon 4 ; Derly José Henriques

Leia mais

Resgate de Tradições. Hortaliças não convencionais. Banco de Hortaliças Não Convencionais da EPAMIG Centro-Oeste

Resgate de Tradições. Hortaliças não convencionais. Banco de Hortaliças Não Convencionais da EPAMIG Centro-Oeste Resgate de Tradições Hortaliças não convencionais Banco de Hortaliças Não Convencionais da EPAMIG Centro-Oeste Conhecendo um pouco sobre as hortaliças não convencionais No decorrer dos milênios, os seres

Leia mais

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da

Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Influência do armazenamento na durabilidade pós-colheita de helicônia Kessyana Pereira Leite, Paula Guimarães Pinheiro de Araújo, Andreza Santos da Costa e Vivian Loges Introdução Um dos critérios para

Leia mais

Respiratory acitivity and conservation of mango fruit from Germoplasm Bank of Embrapa Tropical Semi-Arid

Respiratory acitivity and conservation of mango fruit from Germoplasm Bank of Embrapa Tropical Semi-Arid 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 Atividade respiratória e conservação de frutos de mangueira do Banco de Germoplasma da Embrapa Semiárido. Nara

Leia mais

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais.

Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. Adubação com composto de farelos anaeróbico na produção de tomate orgânico cultivado sobre coberturas vivas de amendoim forrageiro e grama batatais. RESUMO O trabalho foi conduzido na Área de Pesquisa

Leia mais

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea 1 de 5 10/16/aaaa 11:56 Olericultura A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea Nome Cultura da Abobrinha Produto Informação Tecnológica Data Julho - 2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Leia mais

Critério de Classificação Gérbera Corte.

Critério de Classificação Gérbera Corte. Critério de Classificação Gérbera Corte. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

João Paulo Gollner-Reis (1); Maryanne H. da Silva (2); Maria Andreia da Silva (3); Kimberley K. S. Barbosa (4); Karla T. M. Gollner-Reis (5).

João Paulo Gollner-Reis (1); Maryanne H. da Silva (2); Maria Andreia da Silva (3); Kimberley K. S. Barbosa (4); Karla T. M. Gollner-Reis (5). ESTUDO DO EMPREGO DE PLANTAS ALIMENTICIAS NÃO CONVENCIONAIS (PANCS): CARACTERÍSTICA NUTRICIONAL, PROPRIEDADE FUNCIONAL E EMPREGO NA ALIMENTAÇÃO HUMANA. João Paulo Gollner-Reis (1); Maryanne H. da Silva

Leia mais

Desempenho agronômico de cultivares comerciais de coentro em cultivo solteiro sob condições de temperatura elevada.

Desempenho agronômico de cultivares comerciais de coentro em cultivo solteiro sob condições de temperatura elevada. Desempenho agronômico de cultivares comerciais de coentro em cultivo solteiro sob condições de temperatura elevada. Francisco Bezerra Neto 1 ; Aurélio Paes Barros Júnior 1 ; Maria Zuleide de Negreiros

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE AROEIRA-VERMELHA (Schinus RESUMO

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE AROEIRA-VERMELHA (Schinus RESUMO CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE AROEIRA-VERMELHA (Schinus terebinthifolius RADDl) Antonio Carlos de S. Medeiros * Ayrton Zanon ** RESUMO O objetivo deste trabalho foi o de avaliar ambientes e embalagens para

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS JARDINAGEM

CATÁLOGO DE PRODUTOS JARDINAGEM CATÁLOGO DE PRODUTOS JARDINAGEM BIG PLAST INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PRODUTOS PLÁSTICOS EIRELI - EPP R. Alto da Conceição, 357 - Vila Nova York, São Paulo - SP, CEP 03479-050 VASO PL FORMA ELEGANTE, EM VÁRIAS

Leia mais

Critérios de Classificação Hortênsia Vaso.

Critérios de Classificação Hortênsia Vaso. Critérios de Classificação Hortênsia Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS, EM TRATAMENTO DE SEMENTES, NO CONTROLE DO PULGÃO Aphis gossypii (HOMOPTERA: APHIDIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO

EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS, EM TRATAMENTO DE SEMENTES, NO CONTROLE DO PULGÃO Aphis gossypii (HOMOPTERA: APHIDIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS, EM TRATAMENTO DE SEMENTES, NO CONTROLE DO PULGÃO Aphis gossypii (HOMOPTERA: APHIDIDAE) NA CULTURA DO ALGODOEIRO Crébio José Ávila (Embrapa Agropecuária Oeste / crebio@cpao.embrapa.br),

Leia mais

O cogumelo Champignon de Paris é sem dúvida o mais consumido e sua apresentação mais comum é em conserva, em potes plásticos e ou em copos de vidro.

O cogumelo Champignon de Paris é sem dúvida o mais consumido e sua apresentação mais comum é em conserva, em potes plásticos e ou em copos de vidro. INFORMAÇÕES SOBRE COGUMELOS COMESTÍVEIS Daniel Gomes Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Leste Paulista/APTA daniel.gomes@apta.sp.gov.br Os cogumelos são utilizados como alimento há muitos séculos. São

Leia mais

CONSERVANTES COMERCIAIS E ARMAZENAMENTO A FRIO *

CONSERVANTES COMERCIAIS E ARMAZENAMENTO A FRIO * PÓS-COLHEITA Pós-colheita DE de COPO-DE-LEITE: copo-de-leite: efeito de diferentes EFEITO conservantes DE DIFERENTES... 1189 CONSERVANTES COMERCIAIS E ARMAZENAMENTO A FRIO * Calla lily postharvest: effect

Leia mais

Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento

Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 128 ISSN 1677-2229 Maio, 2015 Armazenamento da Cultivar de Alho Ito em Diferentes Temperaturas e Embalagens Fotos: Neide Botrel (bulbos) e Geovani B. Amaro (lavoura)

Leia mais

HORTÊNSIA DE VASO. Formação da Planta Refere-se ao aspecto e constituição da planta.

HORTÊNSIA DE VASO. Formação da Planta Refere-se ao aspecto e constituição da planta. HORTÊNSIA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E CULINÁRIA DE MANDIOCA DOURADA ORGÂNICA MINIMAMENTE PROCESSADA

QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E CULINÁRIA DE MANDIOCA DOURADA ORGÂNICA MINIMAMENTE PROCESSADA QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICA, MICROBIOLÓGICA E CULINÁRIA DE MANDIOCA DOURADA ORGÂNICA MINIMAMENTE PROCESSADA Luciana Alves de OLIVEIRA 1 ; Eliseth de Souza VIANA 1 ; Jaeveson da SILVA 1 ; Tatiane da Silva

Leia mais

Estádio de abertura floral e qualidade pós-colheita em armazenamento de copo-de-leite (1)

Estádio de abertura floral e qualidade pós-colheita em armazenamento de copo-de-leite (1) Estádio de abertura floral e qualidade pós-colheita em armazenamento de copo-de-leite (1) Maria Leandra Resende de Castro (2), Patrícia Duarte de Oliveira Paiva (2) * Paulo Roberto Corrêa Landgraf (3),

Leia mais

Critério de Classificação Crisântemo Corte.

Critério de Classificação Crisântemo Corte. Critério de Classificação Crisântemo Corte. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO

TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO TECNOLOGIAS TRADICIONAIS DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO O valor agregado em produtos de pescado não deve necessariamente estar vinculado à elaboração de produtos sofisticados

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO DE BANANA RESISTENTE À SIGATOKA NEGRA VARIEDADE CAIPIRA

CARACTERIZAÇÃO DOS ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO DE BANANA RESISTENTE À SIGATOKA NEGRA VARIEDADE CAIPIRA CARACTERIZAÇÃO DOS ESTÁDIOS DE MATURAÇÃO DE BANANA RESISTENTE À SIGATOKA NEGRA VARIEDADE CAIPIRA Melissa de Lima Matias 1 ; Ebenézer de Oliveira Silva 2 ; Raimundo Wilane Figueiredo 3 ; Andréia Hansen

Leia mais

RP 17 TA RP 17 FF RP 23 TAL

RP 17 TA RP 17 FF RP 23 TAL Caixas Plásticas RP 17 TA Aplicação: Transporte de produtos em geral. Cores disponíveis: azul, vermelho, amarelo, cinza, verde, laranja, branco leitoso, preto e branco natural. Medidas: 18A x 40L x 60C

Leia mais

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna 302 770 00 27 3397 Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade Dupla saída de ar Baixa velocidade Bandeja interna Características Técnicas Bandeja interna que evita fugas de ar e concentra fluxo de água

Leia mais

Critérios de Classificação Flor de Maio.

Critérios de Classificação Flor de Maio. Critérios de Classificação Flor de Maio. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro

Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro Substrates for Tomato Seedlings Production PEREIRA, Dercio Ceri. UNIOESTE, dcpereirasp@hotmail.com; COSTA, Luiz Antonio de Mendonça. UNIOESTE, lmendo@ig.com.br;

Leia mais

Formulário para submissão de trabalho SOLUÇÕES PARA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE COPO-DE-LEITE

Formulário para submissão de trabalho SOLUÇÕES PARA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE COPO-DE-LEITE Formulário para submissão de trabalho Título do Projeto: SOLUÇÕES PARA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE COPO-DE-LEITE Nível de Ensino: Graduação Área de conhecimento: Ciências Agrárias Orientador: Marília Maia

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO DE CAFÉ CONTRA GEADAS NO PRIMEIRO INVERNO APÓS O PLANTIO 1

MÉTODOS DE PROTEÇÃO DE CAFÉ CONTRA GEADAS NO PRIMEIRO INVERNO APÓS O PLANTIO 1 MÉTODOS DE PROTEÇÃO DE CAFÉ CONTRA GEADAS NO PRIMEIRO INVERNO APÓS O PLANTIO 1 CARAMORI, P.H.; MORAIS, H.; GRODZKI, L. E JULIATTO, H. - Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Rod. Celso Garcia Cid, Km 375,

Leia mais

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM 20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de híbridos de milho em segunda

Leia mais

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO

EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO EFEITO DO TEOR DE UMIDADE DAS SEMENTES DURANTE O ARMAZENAMENTO NA GERMINAÇÃO DE MILHO CRIOULO Daniela GOETEN 1, Joacir do NASCIMENTO 2, Oscar Emilio Ludtke HARTHMANN 3 1 Acadêmica do curso de Agronomia

Leia mais

Avaliação de cultivares de alface em túnel baixo de cultivo forçado, na região de Jaboticabal-SP.

Avaliação de cultivares de alface em túnel baixo de cultivo forçado, na região de Jaboticabal-SP. FIGUEIREDO, E.B.de.; MALHEIROS, E.B.; BRAZ, L.T. Avaliação de cultivares de alface em túnel baixo de cultivo forçado, na região de Jaboticabal-SP. Horticultura Brasileira, v. 20, n. 2, julho, 2002. Suplemento

Leia mais

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA Página 1417 LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 200910. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Nelson Dias Suassuna 2, Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire

Leia mais

Critérios de Classificação Ixora.

Critérios de Classificação Ixora. Critérios de Classificação Ixora. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica

Leia mais

Qualidade do carvão vegetal para cocção de alimentos com base no quality function deployment

Qualidade do carvão vegetal para cocção de alimentos com base no quality function deployment http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.84-279-1 Qualidade do carvão vegetal para cocção de alimentos com base no quality function deployment Ananias F. Dias Júnior 1, Carlos R. Andrade 2,

Leia mais

Tamanho de amostra para avaliar caracteres de maçã após o armazenamento refrigerado

Tamanho de amostra para avaliar caracteres de maçã após o armazenamento refrigerado Tamanho de amostra para avaliar caracteres de maçã após o armazenamento refrigerado Marcos Toebe 1 Alberto Cargnelutti Filho 2 Vanderlei Both 1 Auri Brackmann 2 Lindolfo Storck 2 1 - Introdução A maçã

Leia mais

IXORA DE VASO. Altura da planta É determinado pelo tamanho da planta desde a borda do vaso até a média final das hastes florais ou folhas.

IXORA DE VASO. Altura da planta É determinado pelo tamanho da planta desde a borda do vaso até a média final das hastes florais ou folhas. IXORA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: FABIOLA DOS REIS LIMA CURSO:

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE EMBALAGEM

ESPECIFICAÇÕES DE EMBALAGEM ESPECIFICAÇÕES DE EMBALAGEM COMPONENTES DO SISTEMA Unidade de Aquisição Sensor Cabo triaxial Embalagens padrão Caixa de cartão apenas Incluído como necessário: espuma protetora, absorvedor de umidade,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE PIMENTÃO

DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE PIMENTÃO Nº 39, dezembro de 2000, p.1-6 DESENVOLVIMENTO DE EMBALAGEM PLÁSTICA PARA TRANSPORTE E COMERCIALIZAÇÃO DE PIMENTÃO LUENGO, R.F.A.¹ MOITA, A.W.² Termos para indexação: pimentão, Capsicum annuum, transporte,

Leia mais

QUALIDADE DO MELÃO AMARELO MINIMAMENTE PROCESSADO EMBALADO SOB ATMOSFERA MODIFICADA INTRODUÇÃO

QUALIDADE DO MELÃO AMARELO MINIMAMENTE PROCESSADO EMBALADO SOB ATMOSFERA MODIFICADA INTRODUÇÃO QUALIDADE DO MELÃO AMARELO MINIMAMENTE PROCESSADO EMBALADO SOB ATMOSFERA MODIFICADA SÉRGIO A. CENCI 4 ; CLAIRE I.G. L. SARANTÓPOULOS 1 ; LÉA M. DE OLIVEIRA 2 ; DANIELE CAROLINA BROGLIATTO 3 INTRODUÇÃO

Leia mais

PEPINOS EDUCAÇÃO BÁSICA 2ºANO CIÊNCIAS III. Ano Lectivo 2009 / 2010

PEPINOS EDUCAÇÃO BÁSICA 2ºANO CIÊNCIAS III. Ano Lectivo 2009 / 2010 1 EDUCAÇÃO BÁSICA 2ºANO CIÊNCIAS III PEPINOS Docente: Paulo Vília Discentes: Alexandra Marques nº4423, Ana Sofia Ferreira nº4268 e Raquel Silva nº4410 Índice Enquadramento Teórico... 3 Classificação Cientifica

Leia mais

Conservação pós-colheita de chicória do Pará minimamente processada RESUMO Palavras-chave:

Conservação pós-colheita de chicória do Pará minimamente processada RESUMO Palavras-chave: Conservação pós-colheita de chicória do Pará minimamente processada Rafaelle Fazzi Gomes 1 ; Josiane Pereira da Silva 1 ; Sérgio Antonio Lopes de Gusmão 2 ; Gisele Teixeira de Souza 1 ; Isabela Mello da

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima

Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação de Cultivares de Sorgo Sacarino em Ecossistema de Cerrado no Estado de Roraima 1 Everton Diel Souza, 2

Leia mais

Combinações de cálcio, atmosfera modificada e refrigeração na conservação pós-colheita da mandioquinha-salsa

Combinações de cálcio, atmosfera modificada e refrigeração na conservação pós-colheita da mandioquinha-salsa Combinações de cálcio, atmosfera modificada e refrigeração na conservação pós-colheita da mandioquinha-salsa Silvana de Paula Quintão Scalon*, Maria do Carmo Vieira e Néstor Antônio Heredia Zárate Universidade

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS Gislaine Paganucci Alves¹; Cinthia Eyng²; Valdiney Cambuy Siqueira²; Rodrigo

Leia mais

ESTUDO SOBRE MATURAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA BANANA PRATA

ESTUDO SOBRE MATURAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA BANANA PRATA Ciên. Agron., 9 (1-2): 5-9 Dezembro, 1979 - FortaIeza-

Leia mais

Restos Vegetais da Mangueira e Sua Importância como Fonte de Inóculo em Diferentes Sistemas de Manejo

Restos Vegetais da Mangueira e Sua Importância como Fonte de Inóculo em Diferentes Sistemas de Manejo 114 Restos Vegetais da Mangueira e sua Importância como Fonte de Inóculo em Restos Vegetais da Mangueira e Sua Importância como Fonte de Inóculo em Diferentes Sistemas de Manejo Mango Debris and Their

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE COENTRO (coriandrum sativum) NO SECADOR DE BANDEJA

ESTUDO DA SECAGEM DE COENTRO (coriandrum sativum) NO SECADOR DE BANDEJA 677 ESTUDO DA SECAGEM DE COENTRO (coriandrum sativum) NO SECADOR DE BANDEJA Gabriel Fraga Sampaio 1 ; Joaquim Vitor da Paz Neto 2 ; Renato Souza Cruz 3, José Ailton Conceição Bispo 4. 1. Bolsista PIBIT/CNPq,

Leia mais

COMPOUND ADESIVO. -colagem de concreto, ferro, madeira, azulejo, cerâmica, pedra, fibrocimento, vidro e plásticos; -reparos em concreto;

COMPOUND ADESIVO. -colagem de concreto, ferro, madeira, azulejo, cerâmica, pedra, fibrocimento, vidro e plásticos; -reparos em concreto; Produto COMPOUND ADESIVO é um adesivo estrutural de base epóxi que apresenta altas resistências em baixas idades, média fluidez, possibilitando grande facilidade para manuseio. Proporciona alto rendimento

Leia mais

Qualidade pós-produção de couve ornamental em função da aplicação de reguladores

Qualidade pós-produção de couve ornamental em função da aplicação de reguladores MATSUZAKI RT; CAMPAGNOL R; MELLO SC. Qualidade pós-produção de couve ornamental em função da Qualidade pós-produção de couve ornamental em função da aplicação de reguladores vegetais. aplicação de reguladores

Leia mais