PRODUÇÃO DE MUDAS DE NIM SOB IRRIGAÇÃO SUPLEMENTAR COM ÁGUAS SALINAS, BIOFERTILIZANTE E DRENAGEM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO DE MUDAS DE NIM SOB IRRIGAÇÃO SUPLEMENTAR COM ÁGUAS SALINAS, BIOFERTILIZANTE E DRENAGEM"

Transcrição

1 PRODUÇÃO DE MUDAS DE NIM SOB IRRIGAÇÃO SUPLEMENTAR COM ÁGUAS SALINAS, BIOFERTILIZANTE E DRENAGEM F. de O. Mesquita 1 ; L. F. Cavalcante 2 ; B. L. M. T. Diniz 3 ; A. G. de L. Souto 4 ; A. J. Lima Neto ; R. F. Medeiros RESUMO: Um experimento foi executado no período de janeiro a junho de 10, em ambiente telado do Departamento de Solos e Engenharia Rural, CCA/UFPB, Areia, PB, Brasil, para avaliar o desempenho de mudas de nim submetidas à salinidade da água de irrigação no solo com biofertilizante bovino e drenagem do solo. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, esquema fatorial x 2 x 2, com quatro repetições, referente a cinco níveis de salinidade da água de irrigação: 0,; 1,; 3,0; 4, e 6,0 ds m -1, no solo sem e com biofertilizante bovino, na presença e ausência de drenagem do solo. As variáveis analisadas foram: índice de velocidade de emergência, condutividade elétrica do solo e crescimento em altura. O biofertilizante foi diluído em água não salina (0,49 ds m -1 ) e não clorada na razão de 1:1, depois foi aplicado uma única vez, dois dias antes da semeadura, ao nível de 10% do volume do substrato. As irrigações foram feitos com cada tipo de água fornecendo um volume diário suficiente para elevar a umidade do solo para o nível mais próximo da capacidade de campo. O biofertilizante mitiga, mas não elimina a ação da salinidade da água e do solo às plantas de nim. PALAVRAS-CHAVE: Azadirachta indica A. Juss. Insumo Orgânico. Salinidade da Água. PRODUCTION OF NEEM SEEDLINGS UNDER SUPPLEMENTARY IRRIGATION WITH SALINE WATER, BIOFERTILIZER AND DRAINAGE ABSTRACT: An experiment was carried during the period of January to June/10, in conditions of greenhouse, from Department of Soils and Agricultural Engineering, Center for Agricultural Sciences, Federal University of Paraiba, Areia, PB, Brazil, to evaluate the behavior for neem seedlings submitted to salinity of irrigation water in soil with bovine biofertilizer and drainage. The experimental design was in randomized blocks with factorial scheme x 2 x 2, with four repetitions, referring at the five salinity levels of irrigation water: 0., 1., 3.0, 4. and 6.0 ds m -1, in soil without and with bovine biofertilizer, without and with soil drainage. The variables analyzed were: emergency velocity index, 1 Mestrado em Manejo de Solo e Água. CCA/UFPB, Areia PB, 2 Prof. Doutor, Depto de Solos e Engenharia Rural, CEP: , CCA/UFPB, Areia PB, Fone (83) Profa. Doutora, Depto de Agropecuária do Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias da UFPB, Bananeiras, 4 Estudante de graduação, CCA/UFPB, Areia PB, Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Produção Vegetal, Depto de Solos e Adubos, FCAV/UNESP, Jaboticabal SP.

2 electric conductivity of soil and growth in height. The bovine biofertilizer after diluted in noon-saline water (0,49 ds m -1 ) e not chlorinated in reason to 1:1, was applied an once two days before sowing at level to 10% of substrate volume. The plants were irrigated daily with each type of water in volume sufficient to mount the soil with water content at level of field capacity. The biofertilizer mitigates, but does not eliminate the action of water salinity and soil to plants neem. KEY WORDS: Azadirachta indica, organic input, water salinity. INTRODUÇÃO O nim (Azadirachta indica A. Juss) é uma árvore exótica, frondosa, resistente e de rápido crescimento pertencente à família Meliaceae, originária da Ásia (AZEVEDO et al., 10), sendo amplamente estudada devido às substâncias bioinseticidas, produção de madeira e na recuperação de áreas degradadas (NEVES & CARPANEZZI, 09). Devido ao seu uso múltiplo, das características de rusticidade e pela ação potencial da azadiractina como composto mais eficiente no controle de diversas pragas agrícolas constituem segundo Neves (04) critérios para o uso em programas de reflorestamento e recuperação de áreas degradadas fisicamente nas regiões costeira e semiárida do Nordeste, inclusive no estado da Paraíba. Entretanto, no que se refere ao crescimento inicial e ao seu estabelecimento em ambientes afetados pela salinidade as informações são ainda recentes na literatura. Nesse sentido, Freire et al. (10), constataram que o nim durante a formação de mudas e até o primeiro ano comporta-se como moderadamente tolerante e moderadamente sensível à salinidade. Nesse sentido, uma das formas de minimizar os efeitos deletérios da salinidade é a utilização de drenagens ou lavagens dos sais solúveis presente na superfície do solo para além da zona radicular. Haja vista, a qualidade da água, demanda evaporativa alta e poucos índices pluviométricos causam grande preocupação aos sistemas agrícolas bem como a degradação de solos pelo excesso de sais presentes na água de irrigação. Por isso, como método alternativo, têm sido empregados na agricultura alguns insumos, em maior proporção os orgânicos, dentre eles, o biofertilizante bovino, fornecido ao solo na forma líquida (CAVALCANTE et al., 10). Diante do exposto, o trabalho teve como objetivo avaliar o desempenho inicial de nim em solo não salino irrigado com águas salinas, com biofertilizante bovino e drenagem do solo. MATERIAL E MÉTODOS Um experimento foi conduzido em ambiente protegido no período de janeiro a junho de 10, Departamento de Solos e Engenharia Rural, CCA/UFPB, localizado no município de Areia, PB, Brasil e clima da região segundo a classificação de Köppen é do tipo As (quente e úmido), com precipitação média anual de 10 mm e a estação chuvosa caracterizada no período de março a julho ou até agosto. A temperatura média da região de 24, o C, umidade relativa média de 71,%, com valor máximo em maio de 83% e mínimo de 60% no mês de janeiro. Os tratamentos foram distribuídos em blocos casualizados, com quatro repetições, em arranjo fatorial x 2 x 2, referente aos níveis crescentes de salinidade da água de irrigação: 0,;

3 1,; 3,0; 4, e 6,0 ds m -1, em solo sem e com biofertilizante, presença e ausência de drenagem. Os níveis salinos das águas de irrigação foram preparados a partir da diluição de uma água de barragem fortemente salina (CEa = 12,4 ds m -1 ) com água não salina de 0, ds m -1 conforme (MESQUITA et al., 10). Como substrato foi utilizado um LATOSSOLO VERMELHO Amarelo distrófico de textura arenosa (SANTOS et al., 06) coletado na camada de 0-0,10 m. Amostras de solo foram passadas em peneira com malha de 2 mm e analisadas quanto aos atributos químicos e físicos (EMBRAPA, 1997) e de salinidade (RICHARDS, 194) como indicados na (Tabela 1). As unidades experimentais foram compostas por baldes plásticos com diâmetro de 26,11 cm de base e 37 cm de altura, com capacidade máxima para dm -3. O biofertilizante comum (água + esterco fresco de bovino) foi obtido sob fermentação anaeróbica. Para se produzir 0 L de biofertilizante comum ou puro, foram adicionados 100 L de esterco bovino fresco mais 100 L de água em um recipiente com capacidade máxima para 240 L, mantendo-o hermeticamente fechado durante período de trinta dias (SANTOS, 1992). O biofertilizante na proporção de 1:1, foi analisado como se fosse água para irrigação e apresentou os seguintes valores: Ca 2+ = 1,17, Mg 2+ = 0,6, Na + = 2,43, K + = 0,18, Cl - = 3,43; HCO 3 = 0,29 mmol c L -1 e condutividade elétrica a 2 ºC = 3,39 ds m -1 e ph= 6,74 (RICHARDS, 194). As irrigações foram feitos com cada tipo de água fornecendo um volume diário suficiente para elevar a umidade do solo para o nível mais próximo da capacidade de campo. A avaliação da cultura foi feita aos 83 dias após a semeadura, onde se obteve os valores da condutividade elétrica do solo determinados pelo extrator de Richards e os dados de crescimento em altura mensurados quinzenalmente com régua graduada. Os resultados foram submetidos à análise de variância, sendo o nível de significância determinado pelo teste F e as médias comparadas pelo teste de Tukey a % de probabilidade. As variáveis quantitativas foram submetidas à análise de regressão polinomial (BANZATTO & KRONKA, 08). Para o processamento dos dados foi utilizado um software demonstrativo do programa SAS. RESULTADOS E DISCUSSÃO Ao comparar os valores da condutividade elétrica do solo antes de iniciar o experimento na ordem de 0,79 ds m -1 (Tabela 1) com os obtidos aos 180 dias após a semeadura, constata-se que o solo teve sua condutividade elétrica aumentada de 0,79 para até 17,61 ds m -1 nos tratamentos sem drenagem do solo e com biofertilizante (Figura 1D1). Os substratos avaliados pela drenagem do solo e com o incremento da salinidade da água de irrigação, os valores variaram de 11,41 a 13,0 ds m -1 no solo sem e com biofertilizante bovino, respectivamente (Figura 1D2). A superioridade dos níveis salinos no solo tratado com biofertilizante em relação no solo sem o respectivo insumo é devido à elevada condutividade elétrica que apresentava, no momento de sua aplicação, valor de 3,39 ds m -1. Esse valor corresponde a uma água de restrição severa quanto à salinização dos solos (AYERS & WESTCOT, 1999). Além disso, a temperatura média no local de execução do experimento até 44,9 ºC no interior da casa de vegetação também pode ter contribuído para o significativo aumento da salinidade com reflexos negativos no comportamento vegetativo das plantas (CAVALCANTE & CAVALCANTE, 06). No solo sem a drenagem agrícola, os valores referentes ao crescimento em altura variaram de 13,98 até 49,4 cm, isto é, no solo sem e com biofertilizante bovino, respectivamente (Figura

4 2D1). Apesar da elevada dispersão dos dados (Figura 2D2), as mudas de nim tiveram altura aumentada de 16,61 para até 38,28 cm, ambas as situações, foram no solo sem e com insumo orgânico, correspondendo a maior salinidade usada na água de irrigação (6 ds m -1 ). Essa resposta pode ser provavelmente pela componente osmótica resultante de elevadas concentrações de sais dissolvidos na solução do solo, os quais reduzem o potencial osmótico da solução diminuindo, consequentemente, a disponibilidade de água para as plantas (GARCÍA et al., 11). CONCLUSÃO O aumento da salinidade das águas elevou o caráter salino do solo e inibiu o crescimento das plantas, mas com menor comprometimento nos tratamentos com biofertilizante bovino e com drenagem do solo. O biofertilizante mitiga, mas não elimina a ação da salinidade da água e do solo às plantas de nim. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AYERS, R. S.; WESTCOT, D. W. A qualidade da água na agricultura. Trad. H. R. Gheyi et al., Campina grande: UFPB, p. (Estudos FAO: Irrigação e Drenagem, 29). AZEVEDO, A. I. B. de; LIRA, A. da S.; CUNHA, L. C. da.; ALMEIDA, F. de A.; ALMEIDA, R. P. de. Bioatividade do óleo de nim sobre Alphitobius diaperinus em sementes de amendoim. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, vol.14, n.3, p , 10. BANZATTO, D A; KRONKA, SN. Experimentação agrícola. 4. ed. Jaboticabal: UNESP, pp. CAVALCANTE, L. F.; CAVALCANTE, I. H. L. Uso de água salina na agricultura. In: CAVALCANTE, L. F.; LIMA, E. M (eds). Algumas Frutíferas Tropicais e a Salinidade. Jaboticabal: FUNEP, Cap.1, p. 1-17, 06. CAVALCANTE, L. F.; VIEIRA, M. S.; SANTOS, A. F.; OLIVEIRA, V. M.; NASCIMENTO, J. A. M. Água salina e esterco bovino líquido na formação de mudas de goiabeira cultivar Paluma. Revista Brasileira de Fruticultura, Jaboticabal, v. 32, p , 10. EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Manual de métodos de análise do solo. 2ed. Rio de Janeiro (Embrapa CNPS. Documentos, 1). (1997). 212p. GARCÍA, B. L.; ALCÁNTARA, L. P.; FERNÁNDEZ, J. L. M. Soil tillage effects on monovalent cations (Na+ and K+) in vertisols soil solution. Catena, Espanha, v. 84, p , 11. FREIRE, J. L. O.; CAVALCANTE, L. F.; REBEQUI, A. M.; DIAS, T. J.; NUNES, J. C.; CAVALCANTE, I. H. L. Atributos qualitativos do maracujá amarelo produzido com água salina, biofertilizante e cobertura morta no solo. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v., n.1, p , 10. MESQUITA, F. O.; CAVALCANTE, L.F.; REBEQUI, A. M.; LIMA NETO, A. J. DE.; NUNES, J. C.; NASCIMENTO, J. A. M. dos. Produção de mudas de maracujazeiro amarelo em substrato com biofertilizante bovino irrigado com águas salinas. Agropecuária Técnica. Areia, PB, v. 31, n. 2, p.1-9, 10. NEVES, E. J. M. & CARPANEZZI, A. A. Prospecção do Cultivo do nim (Azadirachta indica) no Brasil. Documentos, n. 18, Embrapa Florestas, Colombo, PR, p. NEVES, E. J. M. Importância dos Fatores Edafolimáticos para o uso do nim (Azadirachta indica A. Juss) em Programas Florestais e Agroflorestais nas diferentes Regiões do Brasil. Bol. Pesq. Fl., Colombo, n. 49, p , 04. RICHARDS, L. A. Diagnostico y rehabilitación de suelos salinos y sódicos. México: Departamento de Agricultura de los Estados Unidos de América, (Manual de Agricultura, 60) p.

5 Altura de plantas (cm) Altura de plantas (cm) Condutividade elétrica do solo (ds m Condutividade elétrica do solo (ds m -1 ) F. de O. Mesquita et al. SANTOS, A. C. V.; AKIBA, F. Biofertilizante líquido: uso correto na agricultura alternativa. Seropédica: UFRRJ, Impr. Univ., 3p SANTOS, H. G.; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C.; OLIVEIRA, V. A.; OLIVEIRA, J. B.; COELHO, M. R.; LUMBREBAS, J. F.; CUNHA, T. J. F. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos p. Tabela 1. Caracterização física e química quanto à fertilidade e salinidade do solo nos primeiros cm de profundidade. Atributos Físicos Valor Atributos da Fertilidade Valor Atributos da Salinidade Valor Ds (g cm -3 ) 1,24 ph em água (1: 2,),08 CEes ( ds m -1 ) 0,79 Dp (g cm -3 ) 2,78 MO (g Kg -1 ) 18,31 ph 6,71 Pt (m 3 m -3 ) 0,4 P (mg dm -3 ) 1,82 Ca 2+ (mmol c L -1 ) 1,72 Areia (g kg -1 ) 7 K + (mg dm -3 ) 4,01 Mg 2+ (mmol c L -1 ) 0,67 Silte (g kg -1 ) 63 Ca +2 (cmol c dm -3 ) 0,38 Na + (mmol c L -1 ) 0,2 Argila (g kg -1 ) 380 Mg +2 (cmol c dm -3 ) 0,27 K + (mmol c L -1 ) 110 Ada (g kg -1 ) 26 Na + ( cmol c dm -3 ) 0,11 Cl - (mmol c L -1 ) 4,17 GF (%) 93,26 H + + Al +3 (cmol c dm -3 ),64 2- CO 3 (mmol c L -1 ) - ID (%) 6,84 Al +3 (cmol c dm -3 ) 0,87 HCO - 3 (mmol c L -1 ) 1,1 U cc (g kg -1 ) 16,84 SB (cmol c dm -3 ) 0,88 SO 2-4 (mmol c L -1 ) 2,21 U pmp (g kg -1 ) 4,4 CTC (cmol c dm -3 ) 6,2 RAS (mmol L -1 ) 1/2 0,19 Ad (g kg -1 ) 4,4 V (%) 13,49 PST (%) 1,68 Ds = Densidade do solo; Dp = Densidade de partícula; Pt = Porosidade total; Ada = Argila dispersa em água; GF= Grau de floculação; ID= Índice de dispersão; U cc e U pmp = respectivamente umidade do solo às tensões de 0,01 e - 1, MPa; Ad = Águas disponível; MO = Matéria orgânica; SB = Soma de bases (Na + + K + + Ca 2+ + Mg 2+ ); CTC = Capacidade de troca catiônica = SB + (H + + Al 3+ ); V = Valor de saturação por bases (100 x SB/CTC); CEes = Condutividade elétrica do extrato de saturação; RAS = Relação de adsorção de sódio = Na + [(Ca 2+ + Mg 2+ )/2] 1/2 ; PST = Percentagem de sódio trocável (100 x Na + / CTC). D1 D2-1 ) 1 ( ) Ŷ CEes = 3,20 + 0,299x + 0,349**x 2 R 2 = 0,981 (---) Ŷ CEes = 1, ,91x + 0,269**x 2 R 2 = 0,992 1 (---) Ŷ CEes = 1, ,499x + 0,247**x 2 R 2 = 0,994 ( ) Ŷ CEes = 2, ,29x + 0,211**x 2 R 2 = 0, Figura 1. Condutividade elétrica do extrato de saturação do solo sem (---) e com ( ) biofertilizante bovino, sem (D1) e com (D2) drenagem do solo no período de 180 DAS. 6 0 D1 ( ) Ŷ AP = 3,8-8,43x + 0,833*x 2 R 2 = 0, D2 ( ) Ŷ AP = 61,021-3,633x - 0,026**x 2 R 2 = 0,71 (---) Ŷ AP = 43,619-12,187x + 1,281**x 2 R 2 = 0, (---) Ŷ Média = 13,982 Figura 2. Altura de plantas de nim no solo sem (---) e com ( ) biofertilizante bovino, sem (D1) e com (D2) drenagem em função da salinidade da água de irrigação no período de 180 DAS.

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE INTRODUÇÃO

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE INTRODUÇÃO Acúmulo de biomassa em planta de gergelim irrigada com águas salinas em solo com biofertilizante bovino G. G. de Sousa 1 ; P. G. R. de Sousa 2 ; J. B. de O. Silva 5 ; G. L. da Silva 3 ; V. dos S. Rodrigues

Leia mais

CONSUMO HÍDRICO E BIOMASSA EM PLANTAS DE NONI IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS E BIOFERTILIZANTE BOVINO

CONSUMO HÍDRICO E BIOMASSA EM PLANTAS DE NONI IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS E BIOFERTILIZANTE BOVINO 1 CONSUMO HÍDRICO E BIOMASSA EM PLANTAS DE NONI IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS E BIOFERTILIZANTE BOVINO A. G. de L. Souto 1 ; L. F. Cavalcante 2 ; B. L. M. T. Diniz 3 ; F. de O. Mesquita 4 ; A. J. de Lima

Leia mais

SALINIDADE DA ÁGUA, BIOFERTILIZANTE E LIXIVIAÇÃO NA BIOMETRIA DO NONI 1

SALINIDADE DA ÁGUA, BIOFERTILIZANTE E LIXIVIAÇÃO NA BIOMETRIA DO NONI 1 SALINIDADE DA ÁGUA, BIOFERTILIZANTE E LIXIVIAÇÃO NA BIOMETRIA DO NONI 1 Antônio Gustavo de Luna Souto 2, Lourival Ferreira Cavalcante 3 ; Stella da Silva Prazeres 4, Antônio João de Lima Neto 5 2 Mestrando

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

EFEITO DA SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL EM DOIS TIPOS DE SOLOS DIFERENTES

EFEITO DA SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL EM DOIS TIPOS DE SOLOS DIFERENTES EFEITO DA SALINIDADE NO CRESCIMENTO INICIAL DO GIRASSOL EM DOIS TIPOS DE SOLOS DIFERENTES A. M. A. Medeiros ; J. L. A. Silva ; F. A. Oliveira 2 ; S. S. V. Alves 3 ; I. B. Nascimento 4 ; N. O. Miranda 2

Leia mais

FORMAÇÃO DE MUDAS DE NIM COM APLICAÇÃO DE BIOFERTILIZANTE BOVINO SUBMETIDO À DRENAGEM E ESTRESSE SALINO

FORMAÇÃO DE MUDAS DE NIM COM APLICAÇÃO DE BIOFERTILIZANTE BOVINO SUBMETIDO À DRENAGEM E ESTRESSE SALINO Original Article 47 FORMAÇÃO DE MUDAS DE NIM COM APLICAÇÃO DE BIOFERTILIZANTE BOVINO SUBMETIDO À DRENAGEM E ESTRESSE SALINO FORMATION OF NEEM SEEDLINGS WITH APPLICATION OF BOVINE BIOFERTILIZER SUBJECTED

Leia mais

SOLOS AFETADOS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO SOLOS AFETADAS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO

SOLOS AFETADOS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO SOLOS AFETADAS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AMBIENTAL SOLOS AFETADAS POR EXCESSO DE SAIS E SÓDIO Atributos físicos e

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

CRESCIMENTO VEGETATIVO DA MAMONEIRA IRRIGADA COM ÁGUA SALINA EM LISÍMETRO DE DRENAGEM

CRESCIMENTO VEGETATIVO DA MAMONEIRA IRRIGADA COM ÁGUA SALINA EM LISÍMETRO DE DRENAGEM CRESCIMENTO VEGETATIVO DA MAMONEIRA IRRIGADA COM ÁGUA SALINA EM LISÍMETRO DE DRENAGEM J. dos Santos ; C. V. de Azevedo ; L. F. Cavalcante ; D. dos Santos ; M. Rebequi ; C. R. M. Centeno 6 RESUMO: Um experimento

Leia mais

Tolerância de Genótipos de Caupi à Salinidade no Solo

Tolerância de Genótipos de Caupi à Salinidade no Solo Tolerância de Genótipos de Caupi à Salinidade no Solo Tolerance of Cowpea Genotypes to the Soil Salinity MARINHO, Francisco J. L. ; FERNANDES, Josely D. ; TAVARES, Adriana C. ; SANTOS, Shirleyde A. dos.

Leia mais

CONSUMO HÍDRICO DO MARACUJAZEIRO AMARELO SOB CONDIÇÕES DE USO DE ÁGUA SALINA, BIOFERTILIZANTE BOVINO E COBERTURA MORTA

CONSUMO HÍDRICO DO MARACUJAZEIRO AMARELO SOB CONDIÇÕES DE USO DE ÁGUA SALINA, BIOFERTILIZANTE BOVINO E COBERTURA MORTA CONSUMO HÍDRICO DO MARACUJAZEIRO AMARELO SOB CONDIÇÕES DE USO DE ÁGUA SALINA, BIOFERTILIZANTE BOVINO E COBERTURA MORTA JOSÉ LUCÍNIO DE OLIVEIRA FREIRE 1 ; LOURIVAL FERREIRA CAVALCANTE 2 ; JOSÉ FERREIRA

Leia mais

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE GESSO E LÂMINAS DE LIXIVIAÇÃO PARA CORREÇÃO DE UM SOLO SALINO-SÓDICO

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE GESSO E LÂMINAS DE LIXIVIAÇÃO PARA CORREÇÃO DE UM SOLO SALINO-SÓDICO EFEITOS DA APLICAÇÃO DE GESSO E LÂMINAS DE LIXIVIAÇÃO PARA CORREÇÃO DE UM SOLO SALINO-SÓDICO 1 Romario Rodrigues Diomedes da Silva; 1 Maria de Fatima Cavalcanti Barros; 1 Natália de Souza Cavalcanti 1

Leia mais

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DA BETERRABA (BETA VULGARIS L.) EM FUNÇÃO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA E BIOFERTILIZANTE

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DA BETERRABA (BETA VULGARIS L.) EM FUNÇÃO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA E BIOFERTILIZANTE CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DA BETERRABA (BETA VULGARIS L.) EM FUNÇÃO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA E BIOFERTILIZANTE Ednardo Gabriel de Sousa 1 ; Leandra de Melo Calvante Sousa 2 ; Antônio dos Santos Silva

Leia mais

CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSÓIS ORNAMENTAIS IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA 1

CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSÓIS ORNAMENTAIS IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA 1 CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSÓIS ORNAMENTAIS IRRIGAÇÃO COM ÁGUA RESIDUÁRIA 1 L. O. Andrade 2 ; R. G. Nobre 3 ; H. R. Gheyi 4 ; N. S. Dias 5 ; E. C. S. Nascimento 6 ; H. S. Medeiros 7 RESUMO: Buscou-se,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE SALINIDADE EM DOIS SOLOS SUBMETIDOS A LÂMINAS CRESCENTES DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA

AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE SALINIDADE EM DOIS SOLOS SUBMETIDOS A LÂMINAS CRESCENTES DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA AVALIAÇÃO DE PARÂMETROS DE SALINIDADE EM DOIS SOLOS SUBMETIDOS A LÂMINAS CRESCENTES DE IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA André Souza Lima Eng. Agr. Mestre em Irrigação e Drenagem. UFERSA Universidade Federal Rural

Leia mais

INFLUÊNCIA DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS NO CRESCIMENTO DO NONI CULTIVADO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE MATÉRIA ORGÂNICA

INFLUÊNCIA DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS NO CRESCIMENTO DO NONI CULTIVADO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE MATÉRIA ORGÂNICA INFLUÊNCIA DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS NO CRESCIMENTO DO NONI CULTIVADO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE MATÉRIA ORGÂNICA M. C. M. R. de Souza 1 ; A. S. Menezes 2 ; C. F. de Lacerda 3 ; C. K. G. dos Santos

Leia mais

CRESCIMENTO DO FEIJAO CAUPI (VIGNA UNGUICULATA) EM DIFERENTES NIVEIS DE SALINIDADE

CRESCIMENTO DO FEIJAO CAUPI (VIGNA UNGUICULATA) EM DIFERENTES NIVEIS DE SALINIDADE CRESCIMENTO DO FEIJAO CAUPI (VIGNA UNGUICULATA) EM DIFERENTES NIVEIS DE SALINIDADE J. W. S. Barbosa 1 ; J. R. Andrade 2 ; A. E. V. Alencar 3 ; R. Nascimento 4 ; D. F. M. Costa 3 RESUMO: O feijão-de-corda

Leia mais

SALINIDADE DA ÁGUA E BIOFERTILIZANTE BOVINO: EFEITO SOBRE A BIOMETRIA DO PIMENTÃO

SALINIDADE DA ÁGUA E BIOFERTILIZANTE BOVINO: EFEITO SOBRE A BIOMETRIA DO PIMENTÃO SALINIDADE DA ÁGUA E BIOFERTILIZANTE BOVINO: EFEITO SOBRE A BIOMETRIA DO PIMENTÃO Vinícius Batista Campos Doutorando em Engenharia Agrícola, CTRN, CCA, UFCG E-mail: viniciuspgmsa@hotmail.com Lourival Ferreira

Leia mais

Comportamento de mudas de nim à salinidade da água em solo não salino com biofertilizante

Comportamento de mudas de nim à salinidade da água em solo não salino com biofertilizante 1152 Járisson C. Nunes et al. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.16, n.11, p.1152 1158, 2012 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 103.11 27/05/2011 Aprovado

Leia mais

Crescimento inicial do milho sob diferentes concentrações de biofertilizante bovino irrigado com águas salinas 1

Crescimento inicial do milho sob diferentes concentrações de biofertilizante bovino irrigado com águas salinas 1 Revista Ciência Agronômica, v. 43, n. 2, p. 237-245, abr-jun, 2012 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE Artigo Científico www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Crescimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA, CULTIVADA EM VASOS, SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA EM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO

DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA, CULTIVADA EM VASOS, SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA EM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA, CULTIVADA EM VASOS, SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA EM LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO Cybelle Barbosa e Lima Eng. Agrônoma, Aluna do Mestrado em Agronomia:

Leia mais

Ocorrência, gênese e classificação

Ocorrência, gênese e classificação Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo Seminário em Ciência do Solo Ocorrência, gênese e classificação de solos halomórficos no Brasil Orientador: Prof. Mateus

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

FISIOLOGIA DE PLANTAS DE FEIJÃO-DE-CORDA IRRIGADAS COM ÁGUA SALINA E SUBMETIDAS A DOSES DE BIOFERTILIZANTE

FISIOLOGIA DE PLANTAS DE FEIJÃO-DE-CORDA IRRIGADAS COM ÁGUA SALINA E SUBMETIDAS A DOSES DE BIOFERTILIZANTE FISIOLOGIA DE PLANTAS DE FEIJÃO-DE-CORDA IRRIGADAS COM ÁGUA SALINA E SUBMETIDAS A DOSES DE BIOFERTILIZANTE José Lucas Guedes dos Santos 1, Rafael Santiago da Costa 2, Letícia Kenia Bessa de Oliveira 3,

Leia mais

MANEJO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA NA CULTURA DA SOJA EM SOLO COM BIOFERTILIZANTE

MANEJO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA NA CULTURA DA SOJA EM SOLO COM BIOFERTILIZANTE MANEJO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA NA CULTURA DA SOJA EM SOLO COM BIOFERTILIZANTE V.S. Rodrigues 1, G.G. de Sousa 2, S.S. da Costa 3, E. R. Cardoso 3, E. D. R. de Ceita 3, J. N. Fiuza 3 RESUMO: O excesso

Leia mais

GESSO AGRÍCOLA E LAVAGEM DE UM SOLO SALINO- SÓDICO NA REDUÇÃO DA SALINIDADE E SODICIDADE E NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSOL

GESSO AGRÍCOLA E LAVAGEM DE UM SOLO SALINO- SÓDICO NA REDUÇÃO DA SALINIDADE E SODICIDADE E NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSOL GESSO AGRÍCOLA E LAVAGEM DE UM SOLO SALINO- SÓDICO NA REDUÇÃO DA SALINIDADE E SODICIDADE E NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE GIRASSOL P. D. dos Santos 1 ; L. F. Cavalcante 2 ; H. R. Gheyi 3 ; R. M. Rodrigues

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ÍON NITRATO E PH NO TOMATEIRO SOB NÍVEIS DE SALINIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DO ÍON NITRATO E PH NO TOMATEIRO SOB NÍVEIS DE SALINIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DO ÍON NITRATO E PH NO TOMATEIRO SOB NÍVEIS DE SALINIDADE DO SOLO P. R. F. Medeiros 1 ; E. F. F. Silva 2 ; S. N. Duarte 3 ; A. N. Santos 4 ; R. M. L. Dantas 4 RESUMO: Este trabalho teve como

Leia mais

VII Semana de Ciência Tecnologia IFMG campus

VII Semana de Ciência Tecnologia IFMG campus Avaliação do efeito do corretivo líquido sobre o ph, Ca 2+, Mg 2+, porcentagem de saturação por bases (V) e alumínio (m) em um Latossolo Vermelho distroférrico André Luís Xavier Souza 1 ; Fernando Carvalho

Leia mais

RESPOSTA DO MILHO A NÍVEIS DE REPOSIÇÃO DE ÁGUA NO SOLO E DOSES DE CÁLCIO*

RESPOSTA DO MILHO A NÍVEIS DE REPOSIÇÃO DE ÁGUA NO SOLO E DOSES DE CÁLCIO* RESPOSTA DO MILHO A NÍVEIS DE REPOSIÇÃO DE ÁGUA NO SOLO E DOSES DE CÁLCIO* SILVEIRA, A.L. 1 ; REIS, H.P.O. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; SANTANA, M.J. 3 *Apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FITOMASSA E COMPRIMENTO DAS RAÍZES DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA INFLUENCIADOS PELA FERTILIZAÇÃO ORGÂNICA

AVALIAÇÃO DA FITOMASSA E COMPRIMENTO DAS RAÍZES DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA INFLUENCIADOS PELA FERTILIZAÇÃO ORGÂNICA AVALIAÇÃO DA FITOMASSA E COMPRIMENTO DAS RAÍZES DA MAMONEIRA BRS NORDESTINA INFLUENCIADOS PELA FERTILIZAÇÃO ORGÂNICA Márcia Maria Bezerra Guimarães 1, Vera Lúcia Antunes de Lima 1, Napoleão Esberard de

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE LIMÃO CRAVO EM SUBSTRATO COM BIOFERTILIZANTE BOVINO IRRIGADO COM ÁGUAS SALINAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE LIMÃO CRAVO EM SUBSTRATO COM BIOFERTILIZANTE BOVINO IRRIGADO COM ÁGUAS SALINAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE LIMÃO CRAVO EM SUBSTRATO COM BIOFERTILIZANTE BOVINO IRRIGADO COM ÁGUAS SALINAS PRODUCTION OF RANGPUR LEMON SEEDLINGS IN SUBSTRATE WITH BOVINE BIOFERTILIZER IRRIGATED WITH SALINE WATER

Leia mais

INFLUÊNCIA NO SOLO DA SALINIDADE DO REJEITO DA DESSALINIZAÇÃO USADO PARA IRRIGAÇÃO

INFLUÊNCIA NO SOLO DA SALINIDADE DO REJEITO DA DESSALINIZAÇÃO USADO PARA IRRIGAÇÃO INFLUÊNCIA NO SOLO DA SALINIDADE DO REJEITO DA DESSALINIZAÇÃO USADO PARA IRRIGAÇÃO Everaldo Rocha Porto 1 ; Luiza Teixeira de Lima Brito 2 & José Monteiro Soares 3 Resumo - Objetivando avaliar a influência

Leia mais

FONTES ORGÂNICAS DE NUTRIENTES E SEUS EFEITOS NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA*

FONTES ORGÂNICAS DE NUTRIENTES E SEUS EFEITOS NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA* FONTES ORGÂNICAS DE NUTRIENTES E SEUS EFEITOS NO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA* Márcia Maria Bezerra Guimarães 1 ; Robson César Albuquerque 1 ; Amanda Micheline Amador de Lucena 1 ; Fabiana

Leia mais

SILVA, Toni Halan 1 ; SILVA, Josimar Nogueora 1 ; FIGUEREDO, Janailson Pereira 1 ; ANDRADE, Francisco Hélio Alves 1 ; ANDRADE, Raimundo 2

SILVA, Toni Halan 1 ; SILVA, Josimar Nogueora 1 ; FIGUEREDO, Janailson Pereira 1 ; ANDRADE, Francisco Hélio Alves 1 ; ANDRADE, Raimundo 2 13826 - Produção sustentável de mudas de cajueiro (Anacardim occidentale L.) Orgânico em função de diferentes doses de biofertilizante, volumes e quebras de dormência em ambiente protegido. Sustainable

Leia mais

INFLUÊNCIA DA SALINIDADE NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DO PIMENTÃO CULTIVADO EM DOIS TIPOS DE SOLOS

INFLUÊNCIA DA SALINIDADE NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DO PIMENTÃO CULTIVADO EM DOIS TIPOS DE SOLOS Engenheiro Agrônomo, Mestrando em Engenharia Agrícola Irrigação e Drenagem, Depto. de Engenharia Agrícola, UFC, Fortaleza, CE. E-mail: breno.lclima@gmail.com. Engenheira Agrônoma, Pós-Doutora, Depto de

Leia mais

CORREÇÃO DA SODICIDADE DE DOIS SOLOS IRRIGADOS EM RESPOSTA À APLICAÇÃO DE GESSO AGRÍCOLA 1 RESUMO

CORREÇÃO DA SODICIDADE DE DOIS SOLOS IRRIGADOS EM RESPOSTA À APLICAÇÃO DE GESSO AGRÍCOLA 1 RESUMO 68 Irriga, Botucatu, v., n., p. 68-76, abril-junho, 7 ISSN 88-3765 CORREÇÃO DA SODICIDADE DE DOIS SOLOS IRRIGADOS EM RESPOSTA À APLICAÇÃO DE GESSO AGRÍCOLA Egeiza Moreira Leite ; Lourival Ferreira Cavalcante

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E DIFERENTES NÍVEIS DE FÓSFORO EM SOLOS SALINOS. Palavras-chave: Fósforo. Matéria orgânica. Solos afetados por sais.

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E DIFERENTES NÍVEIS DE FÓSFORO EM SOLOS SALINOS. Palavras-chave: Fósforo. Matéria orgânica. Solos afetados por sais. ADUBAÇÃO ORGÂNICA E DIFERENTES NÍVEIS DE FÓSFORO EM SOLOS SALINOS Edvaldo Renner da Costa Cardoso 1, Francisco Nildo da Silva 2, Crisanto Dias Texeira Filho 3, Rosemery Alessandra Firmino dos Santos 4

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA CULTURA COUVE-CHINESA EM FUNÇÃO DO TIPO DE ÁGUA EM HIDROPONIA

PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA CULTURA COUVE-CHINESA EM FUNÇÃO DO TIPO DE ÁGUA EM HIDROPONIA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA CULTURA COUVE-CHINESA EM FUNÇÃO DO TIPO DE ÁGUA EM HIDROPONIA P. R. F. Medeiros 1 ; R. M. L. Dantas 2 ; E. F. F. Silva 3 ; A. N. Santos 2 ; M. E. H. P. Marques 4 ; V. V. Lima

Leia mais

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Water management in organic cultivation of banana nanica PINTO, José Maria. Embrapa Semiárido, Petrolina, PE, jmpinto@cpatsa.embrapa.br; GALGARO, Marcelo.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INICIAL DA GRAVIOLEIRA SOB FONTES E NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA 1

DESENVOLVIMENTO INICIAL DA GRAVIOLEIRA SOB FONTES E NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA 1 455 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA DESENVOLVIMENTO INICIAL DA GRAVIOLEIRA SOB FONTES E NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA 1 LOURIVAL FERREIRA CAVALCANTE 2, SELCIMAR SEVERIANO DE CARVALHO 3, ELY MARTINS DE LIMA 4, JOSÉ

Leia mais

EFEITO DO DEFICIT DE ÁGUA NO SOLO SOBRE A RELAÇÃO RAIZ/PARTE AÉREA NAS CULTIVARES DE MAMONA BRS 149 e BRS 188

EFEITO DO DEFICIT DE ÁGUA NO SOLO SOBRE A RELAÇÃO RAIZ/PARTE AÉREA NAS CULTIVARES DE MAMONA BRS 149 e BRS 188 EFEITO DO DEFICIT DE ÁGUA NO SOLO SOBRE A RELAÇÃO RAIZ/PARTE AÉREA NAS CULTIVARES DE MAMONA BRS 149 e BRS 188 Genival Barros Júnior 1, Hugo Orlando Carvallo Guerra 1, Mario Luiz Farias Cavalcanti 1, Rogério

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DO ESTERCO DE GALINHA APLICADO EM COBERTURA NO SOLO CULTIVADO COM ABACAXI.

TÍTULO: EFEITO DO ESTERCO DE GALINHA APLICADO EM COBERTURA NO SOLO CULTIVADO COM ABACAXI. TÍTULO: EFEITO DO ESTERCO DE GALINHA APLICADO EM COBERTURA NO SOLO CULTIVADO COM ABACAXI. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MAMONA SUBMETIDOS A DIFERENTES TEMPERATURAS NOTURNAS: CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO*

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MAMONA SUBMETIDOS A DIFERENTES TEMPERATURAS NOTURNAS: CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO* COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MAMONA SUBMETIDOS A DIFERENTES TEMPERATURAS NOTURNAS: CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO* Lígia Rodrigues Sampaio 1, Robson César Albuquerque 2, Liv Soares Severino 3. 1 Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DOS TABULEIROS DE SÃO BERNARDO, MARANHÃO

AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DOS TABULEIROS DE SÃO BERNARDO, MARANHÃO 1 AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DOS TABULEIROS DE SÃO BERNARDO, MARANHÃO M. E. C. Veloso 1 ; F. E. P. Mousinho 2 ; F. F.Blanco 1 ; A. F. Rocha Junior 3 ; A. Borges

Leia mais

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO

ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS CORRIGIDOS COM GESSO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO DISCIPLINA: SEMINÁRIO II PROFº: MARIO DE ANDRADE LIRA JR. Ciência do Solo ABSORÇÃO DE NUTRIENTES E SÓDIO PELO CAUPI EM SOLOS SALINO-SÓDICOS

Leia mais

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER

Causas de GL IVE TMG PGER IVE TMG PGER Efeito Alelopático do Óleo Essencial de Citronela (Cymbopogon winterianus) Sobre a Germinação de Sementes de Picão-Preto e de Milho em Diferentes Épocas de Aplicação. MARIA LITA PADINHA CORREA 1, ANA PAULA

Leia mais

Acadêmicos Carla Regina Pinotti (UNESP/Ilha Solteira) Maria Elisa Vicentini (UNESP/Jaboticabal)

Acadêmicos Carla Regina Pinotti (UNESP/Ilha Solteira) Maria Elisa Vicentini (UNESP/Jaboticabal) FAPESP Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Chamada de Propostas de Pesquisa: Mudanças climáticas e suas relações com Energia, Água e Agricultura EMISSÃO DE CO 2 E ESTOQUE DE CARBONO DO

Leia mais

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química

Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Desenvolvimento e Produção de Sementes de Feijão Adzuki em Função da Adubação Química Flívia Fernandes de Jesus 1, Fabrícia C. Adriano 2, Fabrício de C. Peixoto 3, Adilson Pelá 4, Nei Peixoto 5 1. Bolsista

Leia mais

EFEITO DA APLICAÇAO DE MICROGEO NA QUALIDADE FÍSICA DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO DE GRÃOS SOB PLANTIO DIRETO

EFEITO DA APLICAÇAO DE MICROGEO NA QUALIDADE FÍSICA DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO DE GRÃOS SOB PLANTIO DIRETO EFEITO DA APLICAÇAO DE MICROGEO NA QUALIDADE FÍSICA DO SOLO EM ÁREAS DE PRODUÇÃO DE GRÃOS SOB PLANTIO DIRETO SILVA, Alieze N. da 1 ; FIORIN, Jackson E. 2 ; WYZYKOWSKI, Tiago. 3 Palavras chave: Física do

Leia mais

Enriquecimento de substrato com adubação NPK para produção de mudas de alface

Enriquecimento de substrato com adubação NPK para produção de mudas de alface Enriquecimento de substrato com adubação NPK para produção de mudas de alface Paulo Ricardo Cambraia (1) ; Sheila Isabel do Carmo Pinto (2) (1) Estudante de Agronomia do IFMG-Bambuí. (2) Professor Orientador

Leia mais

Biometria em plantas de noni sob irrigação com águas salinas e lixiviação dos sais do solo 1

Biometria em plantas de noni sob irrigação com águas salinas e lixiviação dos sais do solo 1 Revista Ciência Agronômica, v. 47, n. 2, p. 316-324, abr-jun, 2016 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE Artigo Científico www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Biometria

Leia mais

Biometria em plantas de noni sob irrigação com águas salinas e lixiviação dos sais do solo 1

Biometria em plantas de noni sob irrigação com águas salinas e lixiviação dos sais do solo 1 Revista Ciência Agronômica, v. 47, n. 2, p. 316-324, abr-jun, 2016 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE Artigo Científico www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Biometria

Leia mais

Atributos Diagnósticos

Atributos Diagnósticos UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DOCENTE: Dr. Ribamar Silva ph do Solo. É o logaritmo negativo da atividade (concentração) de H + na solução do solo. ph = - log [H + ] [H + ] = 10 -ph. p H e Acidez são diferentes..

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

TAXAS DE CRESCIMENTO DE FABÁCEAS IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS

TAXAS DE CRESCIMENTO DE FABÁCEAS IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS TAXAS DE CRESCIMENTO DE FABÁCEAS IRRIGADAS COM ÁGUAS SALINAS C. S. dos Santos 1 ; P. T. Carneiro 2 ; V. R. dos Santos 3 ; M. A. L. dos Santos 4 ; R. A. Santos 1 ; J. M. dos S. Junior 1 RESUMO: O excesso

Leia mais

REVISTA CAATINGA ISSN X UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO (UFERSA) Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

REVISTA CAATINGA ISSN X UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO (UFERSA) Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação INFLUÊNCIA DA ÁGUA SALINA NAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO- QUÍMICAS DO SOLO E NO DESENVOLVIMENTO DA MAMONEIRA CULTIVADA EM VASOS Cybelle Barbosa e Lima Eng. Agrônoma, Aluna no curso de doutorado em Fitotecnia

Leia mais

Acúmulo e exportação de nutrientes em cenoura

Acúmulo e exportação de nutrientes em cenoura Acúmulo e exportação de nutrientes em cenoura Rafael Araújo de Oliveira 1 ; Saulo de Tarcio Pereira Marrocos 1 ; Rafaella Rayane Macedo de Lucena 1 ; Jorge Amado da Silva Ramos 2 ; Leilson Costa Grangeiro

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

FORMAÇÃO DE MUDAS DE GIRASSOL PRODUZIDO COM SUBSTRATOS COMPOSTOS COM CASCA DE ARROZ

FORMAÇÃO DE MUDAS DE GIRASSOL PRODUZIDO COM SUBSTRATOS COMPOSTOS COM CASCA DE ARROZ FORMAÇÃO DE MUDAS DE GIRASSOL PRODUZIDO COM SUBSTRATOS COMPOSTOS COM CASCA DE ARROZ Helder Gomes da Silva (1); Viviane Farias Silva (1); Carlos Vailan de Castro Bezerra (2); Elka Costa Santos Nascimento

Leia mais

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis

SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis SELETIVIDADE DOS HERBICIDAS BENTAZON E NICOSULFURON PARA Crotalaria juncea e Crotalaria spectabilis NOGUEIRA, C. H. P (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - nogueirachp@gmail.com), CORREIA, N. M. (Embrapa, Brasília/DF

Leia mais

EFEITO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA EM UM SOLO CULTIVADO COM O FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.)

EFEITO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA EM UM SOLO CULTIVADO COM O FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) EFEITO DA IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SALINA EM UM SOLO CULTIVADO COM O FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) MÁRCIO JOSÉ DE SANTANA 1 JACINTO DE ASSUNÇÃO CARVALHO 2 ÉLIO LEMOS DA SILVA 3 DOUGLAS DA SILVA MIGUEL 4

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-HÍDRICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO PERFÉRRICO SUBMETIDO A DOIS SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO 1

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-HÍDRICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO PERFÉRRICO SUBMETIDO A DOIS SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 31(2): 127-131, 2001 127 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-HÍDRICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO PERFÉRRICO SUBMETIDO A DOIS SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO 1 Gisele de Macedo e Silva 2,Wilian

Leia mais

Evapotranspiração da Cultura da Berinjela Irrigada com Diferentes Concentrações de Sais na Água.

Evapotranspiração da Cultura da Berinjela Irrigada com Diferentes Concentrações de Sais na Água. Evapotranspiração da Cultura da Berinjela Irrigada com Diferentes Concentrações de Sais na Água. Luiz Antonio Augusto Gomes 1 ; Débora Candeias Marques de Moura 2 ; Jacinto de Assunção Carvalho 2. 1 Universidade

Leia mais

ANÁLISE DE CRESCIMENTO DE MUDAS DE MORINGA (Moringa oleífera Lam.) ADUBADAS COM ESTERCO BOVINO

ANÁLISE DE CRESCIMENTO DE MUDAS DE MORINGA (Moringa oleífera Lam.) ADUBADAS COM ESTERCO BOVINO ANÁLISE DE CRESCIMENTO DE MUDAS DE MORINGA (Moringa oleífera Lam.) ADUBADAS COM ESTERCO BOVINO Francisco Marto de Souza 1 ; Adriana da Silva Santos 1 ; Emmanuel Moreira Pereira 2 ; Ellen Caroline Santos

Leia mais

FORMAÇÃO DE MUDAS DE NONI SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS E BIOFERTILIZANTE BOVINO NO SOLO 1.

FORMAÇÃO DE MUDAS DE NONI SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS E BIOFERTILIZANTE BOVINO NO SOLO 1. You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work. You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor FORMAÇÃO DE MUDAS DE NONI SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS

Leia mais

Palavras-chave: Oryza sativa, produção orgânica; composto orgânico; Vigna unguiculata

Palavras-chave: Oryza sativa, produção orgânica; composto orgânico; Vigna unguiculata EFICIÊNCIA RESIDUAL DOS COMPOSTOS ORGÂNICOS NO DESENVOLVIMENTO DO ARROZ E FEIJÃO-CAUPI EM CONSÓRCIO. Edmilson N dami Lopes Cardoso 1, Fred Denilson Barbosa da Silva 2, Maria Clarete Cardoso Ribeiro 3,

Leia mais

TAXAS DE CRESCIMENTO EM ALTURA DA MAMONEIRA SUBMETIDA AO ESTRESSE HÍDRICO- SALINO(*)

TAXAS DE CRESCIMENTO EM ALTURA DA MAMONEIRA SUBMETIDA AO ESTRESSE HÍDRICO- SALINO(*) TAXAS DE CRESCIMENTO EM ALTURA DA MAMONEIRA SUBMETIDA AO ESTRESSE HÍDRICO- SALINO(*) Luis Nery Rodrigues 1, Aparecida Rodrigues Nery 2, Pedro Dantas Fernandes 3 e Napoleão Esberard de Macedo Beltrão 4

Leia mais

MELHORIA QUÍMICA DE SOLO SALINO SÓDICO TRATADO COM GESSO AGRÍCOLA, INSUMOS ORGÂNICOS E LAVAGEM

MELHORIA QUÍMICA DE SOLO SALINO SÓDICO TRATADO COM GESSO AGRÍCOLA, INSUMOS ORGÂNICOS E LAVAGEM MELHORIA QUÍMICA DE SOLO SALINO SÓDICO TRATADO COM GESSO AGRÍCOLA, INSUMOS ORGÂNICOS E LAVAGEM P. D. dos Santos 1 ; R. M. Rodrigues 1 ; L. F. Cavalcante 2 ; E. M. Gomes 3 ; H. R. Gheyi 4 RESUMO: Um experimento

Leia mais

TEMA: Sementes e mudas florestais

TEMA: Sementes e mudas florestais TEMA: Sementes e mudas florestais EFEITO DO TAMANHO DE RECIPIENTE E DOSES DE FERTILIZANTE NO CRESCIMENTO DE MUDAS DE Parapiptadenia rigida (BENTH.) BRENAN. EM PLANTIO A CAMPO Patrícia Mieth; Maristela

Leia mais

Características químicas de quatro solos do Rio Grande do Norte sob irrigação com águas salinas

Características químicas de quatro solos do Rio Grande do Norte sob irrigação com águas salinas Características químicas de quatro solos do Rio Grande do Norte sob irrigação com águas salinas M.O. SILVA (1), M.B.G.S. FREIRE (2), A.M.S. MENDES (3), F.J. FREIRE (2), G.P. DUDA (4), M.B. FERNANDES (5)

Leia mais

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico

Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Avaliação da velocidade de reação do corretivo líquido na camada superficial de um Latossolo Vermelho distroférrico Bruna de Souza SILVEIRA 1 ; André Luís XAVIER 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO 2 ; Fernando

Leia mais

AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO

AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO M. B. BRAGA 1 ; W.A. MAROUELLI 1 ; I. M. R. GUEDES 1 ; M. CALGARO RESUMO: Este trabalho teve como objetivo determinar

Leia mais

Atributos químicos do solo sob diferentes tipos de vegetação na Unidade Universitária de Aquidauana, MS

Atributos químicos do solo sob diferentes tipos de vegetação na Unidade Universitária de Aquidauana, MS Atributos químicos do solo sob diferentes tipos de vegetação na Unidade Universitária de Aquidauana, MS JEAN SÉRGIO ROSSET 1, JOLIMAR ANTONIO SCHIAVO 2 Bolsista CNPq 1 Orientador 2 RESUMO O objetivo deste

Leia mais

Influência da irrigação com água salina sobre o formato dos frutos de coqueiro

Influência da irrigação com água salina sobre o formato dos frutos de coqueiro 10753 - Influência da irrigação com água salina sobre o formato dos frutos de coqueiro Influence of irrigation with saline water on the shape of coconut fruit SOUTO, Erinaldo Almeida¹; MARINHO, Francisco

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE SALINIDADE E BIOFERTILIZANTES NA CULTURA DO ARROZ

INTERAÇÃO ENTRE SALINIDADE E BIOFERTILIZANTES NA CULTURA DO ARROZ INTERAÇÃO ENTRE SALINIDADE E BIOFERTILIZANTES NA CULTURA DO ARROZ José Brendo de Oliveira Silva 1, Geocleber Gomes de Sousa 2, Márcio Henrique da Costa Freire 2, Emanuel Riebeiro de Ceita, Kelly Nascimento

Leia mais

Produção de mudas de maracujazeiroamarelo irrigadas com água salina

Produção de mudas de maracujazeiroamarelo irrigadas com água salina V. 9, n. 4, p. 15-19, out dez, 2013. UFCG - Universidade Federal de Campina Grande. Centro de Saúde e Tecnologia Rural CSTR. Campus de Patos PB. www.cstr.ufcg.edu.br Revista ACSA: http://www.cstr.ufcg.edu.br/acsa/

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

CRESCIMENTO DA MELANCIA EM DIFERENTES ESPAÇAMENTOS NOS CARACTERES COMPRIMENTO DA PLANTA E DIÂMETRO DO CAULE

CRESCIMENTO DA MELANCIA EM DIFERENTES ESPAÇAMENTOS NOS CARACTERES COMPRIMENTO DA PLANTA E DIÂMETRO DO CAULE CRESCIMENTO DA MELANCIA EM DIFERENTES ESPAÇAMENTOS NOS CARACTERES COMPRIMENTO DA PLANTA E DIÂMETRO DO CAULE Caio Nunes Gonçalves 1* ; Carla Michelle da Silva 2 ; Antônio Veimar da Silva 3 ; Wagner Rogério

Leia mais

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DO ARROZ VERMELHO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL

EVAPOTRANSPIRAÇÃO DO ARROZ VERMELHO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL EVAPOTRANSPIRAÇÃO DO ARROZ VERMELHO SUBMETIDO À ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL M. F. Mendonça 1 ; P. H. P. Ribeiro 1 ; A. G. Leite 2 ; W. P. Araújo 1 ; J. Dantas Neto 3 ; P. G. Leite 4 RESUMO: O experimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INICIAL DE GERGELIM COM ADUBAÇÃO NITROGENADA. INITIAL DEVELOPMENT OF NITROGEN FERTILIZATION WITH SESAME Alifer Pires de Souza (1)

DESENVOLVIMENTO INICIAL DE GERGELIM COM ADUBAÇÃO NITROGENADA. INITIAL DEVELOPMENT OF NITROGEN FERTILIZATION WITH SESAME Alifer Pires de Souza (1) DESENVOLVIMENTO INICIAL DE GERGELIM COM ADUBAÇÃO NITROGENADA INITIAL DEVELOPMENT OF NITROGEN FERTILIZATION WITH SESAME Alifer Pires de Souza (1) Resumo Larissa Russo (1) Daniele dos Santos Pinto Ferreira

Leia mais

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo EDUCAR para PRESERVAR el suelo y conservar la vida en La Tierra Cusco Perú, del 9 al 15 de Noviembre del 2014 Centro de Convenciones

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE Digitaria insularis (CAPIM-AMARGOSO)

CONTROLE QUÍMICO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE Digitaria insularis (CAPIM-AMARGOSO) CONTROLE QUÍMICO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE Digitaria insularis (CAPIM-AMARGOSO) ACRA, L. T. (FCAV - UNESP, Jaboticabal/SP - lu.tittoto@hotmail.com), CORREIA, N. M. (EMBRAPA, Brasília/DF - nubia.correia@embrapa.br),

Leia mais

CORREÇÃO DE SOLO SALINO SÓDICO COM USO DE RESÍDUO DE GESSO

CORREÇÃO DE SOLO SALINO SÓDICO COM USO DE RESÍDUO DE GESSO CORREÇÃO DE SOLO SALINO SÓDICO COM USO DE RESÍDUO DE GESSO 1 Romario Rodrigues Diomedes da Silva; 1 Maria de Fatima Cavalcanti Barros; 1 Natália de Souza Cavalcanti UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO,

Leia mais

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia

Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, Bom Jesus da Lapa, Bahia Atributos químicos no perfil de solos cultivados com bananeira sob irrigação, no Projeto Formoso, om Jesus da Lapa, ahia A utilização de solos de baixa fertilidade e a não manutenção de níveis adequados

Leia mais

MONITORAMENTO DE CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DA ÁGUA DO AÇUDE AYRES DE SOUSA, NA REGIÃO NORTE DO CEARÁ, DURANTE 12 MESES.

MONITORAMENTO DE CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DA ÁGUA DO AÇUDE AYRES DE SOUSA, NA REGIÃO NORTE DO CEARÁ, DURANTE 12 MESES. MONITORAMENTO DE CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS DA ÁGUA DO AÇUDE AYRES DE SOUSA, NA REGIÃO NORTE DO CEARÁ, DURANTE 12 MESES. M. A. de L. Sales 1 ; W. M. Eloi 2 ; F. J. C. Moreira 3 ; J. V. de Lira 4 ; F. A.

Leia mais

IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS E USO DE BIOFERTILIZANTE BOVINO NA FORMAÇÃO DE MUDAS DE PINHÃO-MANSO 1 RESUMO

IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS E USO DE BIOFERTILIZANTE BOVINO NA FORMAÇÃO DE MUDAS DE PINHÃO-MANSO 1 RESUMO 288 ISSN 1808-3765 IRRIGAÇÃO COM ÁGUAS SALINAS E USO DE BIOFERTILIZANTE BOVINO NA FORMAÇÃO DE MUDAS DE PINHÃO-MANSO Lourival Ferreira Cavalcante* 1, Alex Matheus Rebequi 1, Guilherme Sá Abrantes de Sena

Leia mais

REDUÇÃO DA SODICIDADE EM SOLO IRRIGADO COM A UTILIZAÇÃO DE ÁCIDO SULFÚRICO E GESSO AGRÍCOLA 1

REDUÇÃO DA SODICIDADE EM SOLO IRRIGADO COM A UTILIZAÇÃO DE ÁCIDO SULFÚRICO E GESSO AGRÍCOLA 1 Universidade Federal Rural do Semiárido Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação http://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/sistema ISSN 0100-316X (impresso) ISSN 1983-2125 (online) REDUÇÃO DA SODICIDADE

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

Densidade populacional de Pratylenchus brachyurus na produtividade da soja em função de calagem, gessagem e adubação potássica

Densidade populacional de Pratylenchus brachyurus na produtividade da soja em função de calagem, gessagem e adubação potássica Densidade populacional de Pratylenchus brachyurus na produtividade da soja em função de calagem, gessagem e adubação potássica BALICO, G. G. 1 ; PINHATA, A. A. 1; FRANCHINI, J. C. 2 ; SANTOS, E. L. 1 ;

Leia mais

Heterogeneidade da fertilidade de um Argissolo sob pomar de pêssego em função da irrigação e posição de amostragem

Heterogeneidade da fertilidade de um Argissolo sob pomar de pêssego em função da irrigação e posição de amostragem Heterogeneidade da fertilidade de um Argissolo sob pomar de pêssego em função da irrigação e posição de amostragem Strieder, G. 1 ; Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Reisser

Leia mais

PODER GERMINATIVO DE SEMENTES DE MELANCIA (Citrulus lanatus L.) SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO

PODER GERMINATIVO DE SEMENTES DE MELANCIA (Citrulus lanatus L.) SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO PODER GERMINATIVO DE SEMENTES DE MELANCIA (Citrulus lanatus L.) SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO A. de A. Ribeiro 1 ; F. J. C. Moreira 2 ; W. M. Eloi 3 ; M. A. de L. Sales 1 ; F.

Leia mais

EMISSÃO E ABORTAMENTO DE FLORES EM Lycopersicon pimpinellifolium SOB ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA

EMISSÃO E ABORTAMENTO DE FLORES EM Lycopersicon pimpinellifolium SOB ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA EMISSÃO E ABORTAMENTO DE FLORES EM Lycopersicon pimpinellifolium SOB ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA Antônio Suassuna de Lima 1, Rennan Fernandes Pereira 2, Salatiel

Leia mais

EFEITO DO TRÁFEGO DE MÁQUINAS SOBRE ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DA AVEIA PRETA. Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC

EFEITO DO TRÁFEGO DE MÁQUINAS SOBRE ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DA AVEIA PRETA. Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC EFEITO DO TRÁFEGO DE MÁQUINAS SOBRE ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DA AVEIA PRETA Vitória, Guilherme 1 ; Weber, Francieli S. 1 ; Lopes, Herberto 1 ; Salvador, Rodrigo 1 ; Alves, Tainah Triani

Leia mais

Fontes e níveis da salinidade da água na formação de mudas de mamoeiro cv. sunrise solo

Fontes e níveis da salinidade da água na formação de mudas de mamoeiro cv. sunrise solo Fontes e níveis da salinidade da água na formação de mudas de mamoeiro cv. sunrise solo Sources and levels of salinity of water on seedlings of papaya tree cv. sunrise solo Lourival Ferreira Cavalcante

Leia mais

Solo características gerais. Definição: solo = f(rocha+ clima + relevo+biota)

Solo características gerais. Definição: solo = f(rocha+ clima + relevo+biota) Solo características gerais Definição: solo = f(rocha+ clima + relevo+biota) Constituintes do solo a matéria mineral a matéria orgânica, a água o ar 45% minerais 5% 20% ar 30% água Propriedades físico-químicas

Leia mais

BIOMETRIA DO COQUEIRO ANÃO SUMETIDO À UTILIZAÇÃO DE BIOFERTILIZANTE LÍQUIDO COM E SEM COBERTURA DO SOLO

BIOMETRIA DO COQUEIRO ANÃO SUMETIDO À UTILIZAÇÃO DE BIOFERTILIZANTE LÍQUIDO COM E SEM COBERTURA DO SOLO BIOMETRIA DO COQUEIRO ANÃO SUMETIDO À UTILIZAÇÃO DE BIOFERTILIZANTE LÍQUIDO COM E SEM COBERTURA DO SOLO José Avelino De Queiroga Neto 1 ; Ubiratan Matias De Queiroga Júnior 1 ; Ériton Eriberto Martins

Leia mais

BIOFERTILIZANTE BOVINO, COBERTURA MORTA E REVESTIMENTO LATERAL DOS SULCOS NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO

BIOFERTILIZANTE BOVINO, COBERTURA MORTA E REVESTIMENTO LATERAL DOS SULCOS NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO Universidade Federal Rural do Semi-Árido Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação http://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/sistema ISSN 0100-316X (impresso) ISSN 1983-2125 (online) BIOFERTILIZANTE BOVINO,

Leia mais

Resposta das bananeiras BRS Platina e PA 9401 à irrigação no segundo ciclo nas condições do Norte de Minas

Resposta das bananeiras BRS Platina e PA 9401 à irrigação no segundo ciclo nas condições do Norte de Minas Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Resposta das bananeiras BRS Platina e PA 9401 à irrigação no segundo ciclo nas condições do Norte de Minas Miquéias Gomes dos

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais