EMPOWERMENT e SERVIÇO SOCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPOWERMENT e SERVIÇO SOCIAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA VISEU DEGCS LICENCIATURA EM SERVIÇO SOCIAL 3º ano OFICINA DO SERVIÇO SOCIAL V EMPOWERMENT e SERVIÇO SOCIAL Payne, Malcolm (2002) Teoria do Trabalho Social Moderno Capítulo 12 - Capacitação e Advocacia Faleiros, Vicente (2001) Estratégias em Serviço Social Capítulo 3 O paradigma de correlação de forças Joana Guerra

2 A competitividade individual se acentua, na nossa época, na disputa pelo emprego, pela forma física, pela aparência, pela performance. Nesse contexto de guerra interindividual, o fortalecimento do sujeito na prática profissional significa a intervenção na capitalização do sujeito, enquanto enriquecimento da vida individual / colectivamente para que se possa enfrentar essa condição de perda do poder, de perda de capitais, de patrimónios afectivos, familiares, culturais, económicos, para enfrentar as mudanças de relações / trajectórias da vida (life course), no tempo histórico e social desta sociedade determinada. As questões sociais se colocam no dia-a-dia das lutas dos oprimidos, já que somente de forma abstracta e genérica é que se pode falar em questão social (p. 23). 1) Comente o excerto do texto de: Faleiros, Vicente de Paula (2001) Estratégias em Serviço Social. S. Paulo: Cortez Editora.

3 A capacitação procura ajudar os utentes a conquistar poder de decisão e de acção sobre as suas próprias vidas através da redução do efeito de bloqueios sociais ou pessoais ao exercício do poder existente, aumentando assim a capacidade e a auto-confiança para utilizar o poder e transferir o poder do ambiente para os utentes. Comunidades oprimidas Grupos minoritários Pessoas institucionalizadas (tantos idosos como crianças) Pessoas a serem reintegradas

4 A capacitação procura ajudar os utentes a conquistar poder de decisão e de acção sobre as suas próprias vidas através da redução do efeito de bloqueios sociais ou pessoais ao exercício do poder existente, aumentando assim a capacidade e a auto-confiança para utilizar o poder e transferir o poder do ambiente para os utentes. Justiça Social Melhor conceito de si Maior auto-confiança Capacidades críticas Potencializa recursos pessoais e sociais

5 Paradigma de Correlação de Forças O objecto de intervenção do Serviço Social constrói-se na relação sujeito / estrutura e na relação utente / instituição, em que emerge o processo de fortalecimento do utente diante da fragilização de seus vínculos, capitais ou patrimónios individuais e colectivos. Fragilização/ Exclusão Fortalecimento/ Inserção Social Conte exto Institucional Acções de rotina (prestação de serviços); Envolvimento e participação da população; E sua organização estratégica

6 Proposta de Empowerment a) O desenvolvimento do sentido do eu mais positivo e poderoso; b) Construção de uma capacidade de compreensão mais crítica da rede das realidades sociais e do meio; c) Fomento de recursos e estratégias ou de competências mais funcionais para alcançar objectivos pessoais e colectivos. Postura de Aliança, p 52 a) Defesa do cliente b) A colectivização c) Materialização dos problemas sociais d) Fortalecimento do utente

7 Uma abordagem participativa é valiosa porque as pessoas querem e têm direito a estar envolvidas em decisões e acções tomadas relativamente a elas. O seu envolvimento reflecte a base dos valores democráticos do trabalho social; aumenta a responsabilidade, é vantajoso para serviços mais eficientes e ajuda a atingir objectivos do trabalho social. Também ajuda a desafiar a discriminação institucionalizada.

8 A sua visão da prática participativa tem quatro elementos: 1. A capacitação envolve desafiar a opressão e fazer com que seja possível para as pessoas tomarem conta de assuntos que as afectam; 2. O controlo na definição das suas próprias necessidades e tendo uma palavra a dizer na tomada de decisões e planeamento; 3. Equipar pessoas com recursos pessoais para, através do desenvolvimento da sua confiança, auto-estima, segurança, expectativas e conhecimento e aptidões, assumir o poder. 4. Organizar a instituição para estar aberta à participação.

9 Alimentar a mutualidade através de reciprocidade, rectidão e sensibilidade aos desejos e necessidades das pessoas. O AS deve mostrar que merece confiança, sendo imparcial e agindo de forma a que os clientes o definam como merecedor de confiança.

10 De acordo com Freire trata-se de um processo educacional. Através do diálogo numa situação de confiança, com pessoas que se comportam com autenticidade, os utentes envolvem-se numa praxis, agindo e experimentando a realidade que resulta das suas acções. Neste contexto a auto-expressão é encorajada, ajudando-os a conquistar vitalidade e aceitação da sua própria capacidade e valor.

11 1. Experiências positivas na vida familiar dão confiança e competência nas interacções sociais 2. Reforça a competência para gerir relações sociais e utilizar as instituições sociais para conquistar mais competência 3. Podem aceitar e desempenhar com bons resultados papeis sociais BLOQUEIOS DE PODER Experiências iniciais negativas Estigma Serviços deficientes Discriminação

12 Os objectivos da capacitação pretendem ajudar as pessoas a ver: A si próprios como agentes causais na busca de soluções os AS como detentores de conhecimentos e aptidões que podem utilizar os AS como par e parceiro na resolução de problemas a estrutura de poder como complexa e parcialmente aberta a influências. Ler exemplo da página 379 Procurar: Explicações alternativas Expressar preocupação genuína e empatia Diplomacia Conhecer expectativas e padrões culturais

13 Papel dos AS: Consultor de recursos Sensibilizador Ensinar processos e aptidões 5 princípios: 1) Todas as pessoas têm aptidões, entendimento e capacidades 2) As pessoas têm direitos 3) Os problemas das pessoas reflectem questões a outros níveis 4) As pessoas agindo colectivamente podem ser poderosas 5) Facilitar não liderar Teoria da Incapacidade aprendida

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

2. As percepções de competência dos parceiros numa relação podem influenciar a forma como cada um responde aos comportamentos outro;

2. As percepções de competência dos parceiros numa relação podem influenciar a forma como cada um responde aos comportamentos outro; PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação COMUNICAÇÃO EM ACÇÃO COMPETÊNCIA COMUNICATIVA Aspectos gerais Mitos sobre competência comunicativa Dimensões da competência comunicativa O comunicador

Leia mais

Competência comunicativa e comunicação interpessoal

Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência Definição de competência comunicativa O comunicador competente A relação competente Melhorar a competência comunicativa COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

23/07/2014. PDL Programa de. desenvolvimento de lideranças

23/07/2014. PDL Programa de. desenvolvimento de lideranças PDL Programa de desenvolvimento de lideranças 2014 PROGRAMAÇÃO 1 Apresentação do Programa 2 Reflexão sobre Liderança 3 Expectativas para o PDL 4 Avaliação da Oficina 1 Apresentação do Programa O objetivo

Leia mais

O Perfil do Psicólogo na Administração Local

O Perfil do Psicólogo na Administração Local CATEGORIA AUTORIA JANEIRO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil do Psicólogo na Administração Local Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil do Psicólogo

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio

A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio A Liderança das Mulheres no Terceiro Milênio ANITA PIRES EMAIL: anitap@matrix.com.br FONE/FAX: (48) 223 5152 Características Históricas Ontem: Relações autoritárias; Trabalho escravo; Patrimônio: tangível

Leia mais

O ENFOQUE DE GÊNERO NA FORMAÇÃO DA POLÍCIA NACIONAL DA NICARÁGUA Elizabeth Rodriguez Obando *

O ENFOQUE DE GÊNERO NA FORMAÇÃO DA POLÍCIA NACIONAL DA NICARÁGUA Elizabeth Rodriguez Obando * Relato Policial O ENFOQUE DE GÊNERO NA FORMAÇÃO DA POLÍCIA NACIONAL DA NICARÁGUA Elizabeth Rodriguez Obando * NICARÁGUA I. INTRODUÇÃO O enfoque de gênero na Polícia Nacional tem sido uma ferramenta de

Leia mais

PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO. Lena Energia SGPS, S.A ANO 2013

PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO. Lena Energia SGPS, S.A ANO 2013 PLANO ANUAL DE FORMAÇÃO Lena Energia SGPS, S.A ANO 2013 ÍNDICE 1. 2. 3. 4. INTRODUÇÃO CURSOS / ACÇÕES CUSTOS DA FORMAÇÃO - ORÇAMENTO ANUAL CRONOGRAMA ANUAL 2013 Lena Energia SGPS, S.A - Página 2 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS

QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS QUESTIONÁRIO SOBRE OS VALORES PESSOAIS Shalom H. Schwartz; Tradução e Adaptação: Menezes & Campos, 989 Recriação: Prioste, Narciso, & Gonçalves (00) Neste questionário deve perguntar-se a si próprio: "Que

Leia mais

ÍNDICE DE FELICIDADE NA 3ª IDADE

ÍNDICE DE FELICIDADE NA 3ª IDADE ÍNDICE DE FELICIDADE NA 3ª IDADE Novembro 2014 INTRODUÇÃO CONSUMIDORES DA TERCEIRA IDADE NO BRASIL AFIRMAM SER SAUDÁVEIS E FELIZES O perfil dos consumidores da terceira idade residentes nas capitais brasileiras

Leia mais

Constituir Equipas e Gerir Pessoas. Prof. Doutora Maria José Sousa

Constituir Equipas e Gerir Pessoas. Prof. Doutora Maria José Sousa Constituir Equipas e Gerir Pessoas Prof. Doutora Maria José Sousa Introdução Conceito de Gestão de Recursos Humanos Conjunto de políticas e práticas necessárias para gerir as pessoas de uma organização,

Leia mais

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos)

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) - No final da educação pré-escolar, a criança identifica as suas características individuais, manifestando um sentimento positivo de identidade e tendo consciência

Leia mais

HUMANO DRAGÃO ÁREA DE DESENVOLVIMENTO AFECTIVO. Autonomia

HUMANO DRAGÃO ÁREA DE DESENVOLVIMENTO AFECTIVO. Autonomia HUMANO DRAGÃO ÁREA DE DESENVOLVIMENTO AFECTIVO Relacionamento e Sensibilidade Valorizar e demonstrar sensibilidade nas suas relações afectivas, de modo consequente com a opção de vida assumida. Respeitar

Leia mais

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização

Anexo D. Guião de Entrevista. Medição do Grau de Uso das Práticas de. Gestão da Qualidade na Organização Anexo D Guião de Entrevista Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização 151 Medição do Grau de Uso das Práticas de Gestão da Qualidade na Organização Guião de Entrevista Organizações:

Leia mais

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação.

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação. IMPORTANTE: Em ótimas condições do ambiente, a grande maioria das pessoas pode ter a capacidade de desempenhar-se adequadamente em quaisquer das seguintes competências. Referimo-nos a "ótimas condições"

Leia mais

JORNADAS DE REFLEXÃO. 6 e 7 de Setembro 2012

JORNADAS DE REFLEXÃO. 6 e 7 de Setembro 2012 JORNADAS DE REFLEXÃO 6 e 7 de Setembro 2012 Formação Científica Sólida BOM POFESSOR Competências Pedagógicas Envolvimento e Sucesso dos Alunos CONCEITO DE ANDRAGOGIA PEDAGOGIA ANDRAGOGIA Educação de Adultos

Leia mais

Avaliação de Desempenho Organizacional

Avaliação de Desempenho Organizacional Avaliação de Desempenho Organizacional O que é avaliar? Avaliar significa julgar alguma atitude ou atividade de forma qualitativa, podendo-se transcrever essa percepção com o auxílio de informações quantitativas

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos

A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos A relação interpessoal: -Actuando Relações: Estratégias e Padrões Comunicativos Características básicas A qualidade da relação Negociação da relações interpessoais Questões de base COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

Fundação Luís Eduardo Magalhães Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração Pública

Fundação Luís Eduardo Magalhães Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração Pública Fundação Luís Eduardo Magalhães Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração Pública Compromisso com o novo A Fundação Luís Eduardo Magalhães tem o compromisso de estimular o desenvolvimento

Leia mais

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL

OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL OBJECTIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS DA EDUCAÇÃO AFECTIVO- SEXUAL Numa perspectiva global pretende-se que no 2º ciclo os alunos Adquiram e aumentem conhecimentos: Sobre o conceito de sexualidade e as suas diferentes

Leia mais

1. Apresentação Miriam Melo. 2. Eventos. 3. Consultoria de imagem empresarial. 4. Consultoria de imagem pessoal. 5. Formações. 6.

1. Apresentação Miriam Melo. 2. Eventos. 3. Consultoria de imagem empresarial. 4. Consultoria de imagem pessoal. 5. Formações. 6. 1. Apresentação Miriam Melo 2. Eventos 3. Consultoria de imagem empresarial 4. Consultoria de imagem pessoal 5. Formações 6. Referências 7. Contactos Miriam Melo Licenciada em Psicologia Clínica e de Aconselhamento

Leia mais

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização

NP Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização NP 4469-1 Sistema de gestão da responsabilidade social: Parte I: Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização Sonia Pires APEE soniapires@apee.pt Relação com a ISO 26000 Segue o mesmo espírito:

Leia mais

Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade?

Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade? Educar em creche que cidadão aos 3 anos de idade? Gabriela Portugal Departamento de Educação, Universidade de Aveiro gabriela.portugal@ua.pt Sumário 1. Importância de orientações pedagógicas para a creche

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO. Colaboradores

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO. Colaboradores RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Colaboradores 2010 1. PROCEDIMENTO Os questionários de avaliação do desempenho dos colaboradores foram aplicados, em suporte papel, pelos respectivos responsáveis de

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE

Leia mais

Gestão em Saúde LIDERANÇA

Gestão em Saúde LIDERANÇA Gestão em Saúde LIDERANÇA Profa. Ms. Raquel J. Oliveira Lima A administração tinha como objetivos principais: alcançar a eficiência e eficácia, Hoje alcançar a excelência por meio da eficiência e eficácia

Leia mais

O Paradigma da Habitação Social

O Paradigma da Habitação Social O Paradigma da Habitação Social A HABISOLVIS E.M., criada em 2004 tem como objecto social principal: A gestão social, patrimonial e financeira da habitação social património do município de Viseu; A gestão

Leia mais

Photovoice: uma nova metodologia de intervenção com famílias pobres

Photovoice: uma nova metodologia de intervenção com famílias pobres Photovoice: uma nova metodologia de intervenção com famílias pobres Sofia Rodrigues Universidade de Aveiro 24 Setembro 2010 Os sistemas formais de apoio atravessam um momento de transição! Modelo tradicional

Leia mais

Gurus da Qualidade. Walter Shewhart W. Edwards Deming Gestão da Qualidade. Cartas de controlo

Gurus da Qualidade. Walter Shewhart W. Edwards Deming Gestão da Qualidade. Cartas de controlo Gurus da Qualidade Gestão da Qualidade Licenciatura em Eng. Alimentar ESAC 2006/2007 Cartas de controlo Causas normais e causas especiais de variação Controlo estatístico do processo Ciclo PDCA Plan, Do,

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES NAS LICENCIATURAS: PERCURSOS E PERCALÇOS. Antonia Edna Brito/UFPI

FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES NAS LICENCIATURAS: PERCURSOS E PERCALÇOS. Antonia Edna Brito/UFPI FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE PROFESSORES NAS LICENCIATURAS: PERCURSOS E PERCALÇOS Antonia Edna Brito/UFPI 1 UMA PAUTA POSSÍVEL... Palavras Iniciais Sobre Formação Inicial Sobre Formação Continuada

Leia mais

Plano Anual Documento Orientador

Plano Anual Documento Orientador Insignare Associação de Ensino e Formação Plano Anual Documento Orientador Actividades de Enriquecimento Curricular 1ºCiclo Animação Cultural É só dos sentidos que procede toda a autenticidade, toda a

Leia mais

A Biglevel foi criada em 10 de Abril de 2006, completando este ano 11 anos de atividade.

A Biglevel foi criada em 10 de Abril de 2006, completando este ano 11 anos de atividade. Quem Somos? A Biglevel foi criada em 10 de Abril de 2006, completando este ano 11 anos de atividade. O projeto Biglevel nasceu da vontade conjunta de 3 pessoas em querer criar o seu próprio espaço como

Leia mais

MODELO DE OCUPAÇÃO HUMANA TERAPIA CENTRADA NO IDOSO

MODELO DE OCUPAÇÃO HUMANA TERAPIA CENTRADA NO IDOSO MODELO DE OCUPAÇÃO HUMANA TERAPIA CENTRADA NO IDOSO Paula Portugal 15 de Maio de 2004 Algumas pessoas à medida que vão envelhecendo, não perdem a beleza; apenas a transferem para o coração. Martin Buxbaun

Leia mais

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso

Anexo A. Protocolo do Estudo de Caso Anexo A Protocolo do Estudo de Caso 140 Protocolo do Estudo de Caso - Especificação do Processo de Recolha de Informação O processo de recolha de informação no decorrer do estudo de caso respeita a três

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Correio(s) electrónico(s) Maria Neves Rua do Passal, Nº 46, 1º D, 9500-096 Ponta Delgada Telemóvel 936602762 / 926592751

Leia mais

Marketing Pessoal Postura e Ética Profissional

Marketing Pessoal Postura e Ética Profissional Ética, enquanto filosofia e consciência moral, é essencial à vida em todos os seus aspectos, seja pessoal, familiar, social ou profissional. Assim, enquanto profissionais e pessoas, dependendo de como

Leia mais

Imagens da infância Crenças e valores das mães com filhos na escola primária

Imagens da infância Crenças e valores das mães com filhos na escola primária Imagens da infância Crenças e valores das mães com filhos na escola primária De Paula Castro e Maria Benedicta Monteiro. Objectivos 1. Conhecer as dimensões representativas a que recorrem as mães para

Leia mais

Área de Intervenção. - Região Norte Porto e Vila Real. - Região Centro Coimbra e Castelo Branco. - Região Alentejo Évora e Beja

Área de Intervenção. - Região Norte Porto e Vila Real. - Região Centro Coimbra e Castelo Branco. - Região Alentejo Évora e Beja Área de Intervenção - Região Norte Porto e Vila Real - Região Centro Coimbra e Castelo Branco - Região Alentejo Évora e Beja Pertinência O Contexto -Factores Motivacionais: relacionados com a própria filosofia

Leia mais

Periodização Táctica

Periodização Táctica Periodização Táctica Do Paradigma da simplicidade ao da complexidade A.N.T.F Carlos Carvalhal Fevereiro de 2006 Edgar Morin Conhecer, cientificamente falando, até metade deste séc., fazia-se (e faz-se?!!)

Leia mais

SOLUÇÃO INTEGRADA CAPTAR, GERIR E FIDELIZAR CLIENTES

SOLUÇÃO INTEGRADA CAPTAR, GERIR E FIDELIZAR CLIENTES GESTÃO EFICAZ DE CLIENTES NA ÁREA DA SAÚDE SOLUÇÃO INTEGRADA CAPTAR, GERIR E FIDELIZAR CLIENTES >Identificar >Segmentar >Conquistar >Gerir >Dinamizar >Fidelizar CLIENTES SOLUÇÃO SAÚDE >Análise Serviços

Leia mais

Solvência II Visão Geral e Experiências Acumuladas

Solvência II Visão Geral e Experiências Acumuladas Solvência II Visão Geral e Experiências Acumuladas Conferências SUSEP-EIOPA sobre Supervisão e Regulação Baseadas nos Riscos 15 de Abril de 2012 Rio de Janeiro 16 de Abril de 2012 São Paulo Agenda 1. Auto-Avaliação

Leia mais

Liderança e Confiança. Alan Alexandre Anneliese Manuella Mariana Beatriz

Liderança e Confiança. Alan Alexandre Anneliese Manuella Mariana Beatriz Liderança e Confiança Alan Alexandre Anneliese Manuella Mariana Beatriz O que é liderança? Liderança x administração; Enfrentamento da complexibilidade; Enfrentamento da mudança; Autoridade natural do

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2017

Programa BIP/ZIP 2017 Programa BIP/ZIP 217 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 58 Ser Velho de Mente Jovem Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 11-6 Lisboa Telefone:

Leia mais

Como Comunicar Projectos de Prevenção

Como Comunicar Projectos de Prevenção A Prevenção [redução] na Produção de Resíduos Como Comunicar Projectos de Prevenção Porto, 28 de Novembro de 2008 A Sair da Casca Quem somos Criada em 1994, a Sair da Casca é a primeira empresa de consultoria

Leia mais

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio José Soares Ferreira Projecto financiado com apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela

Leia mais

Proposta sobre o empowerment : emergência do poder da pessoa (ser, dizer, fazer, etc...) e as suas relações com o poder social

Proposta sobre o empowerment : emergência do poder da pessoa (ser, dizer, fazer, etc...) e as suas relações com o poder social Proposta sobre o empowerment : emergência do poder da pessoa (ser, dizer, fazer, etc...) e as suas relações com o poder social Capítulo 1 (empowerment) Talcott Parsons O Poder é um meio de troca (mais

Leia mais

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL

PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL PROJECTO DE INTERVENÇÃO PRECOCE DO CAP FUNCHAL 1. INTRODUÇÃO O Projecto de Intervenção Precoce do Centro de Apoio Psicopedagógico do Funchal pretende dar resposta a um grupo de crianças em risco biológico,

Leia mais

MODELO CURRICULAR DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO SENIOR DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA: O DESIGN DE UMA RESPOSTA SOCIAL

MODELO CURRICULAR DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO SENIOR DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA: O DESIGN DE UMA RESPOSTA SOCIAL MODELO CURRICULAR DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO SENIOR DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA: O DESIGN DE UMA RESPOSTA SOCIAL Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte - setembro de 2012 Alice Mendonça & António

Leia mais

Planejamento SPU/SC. Cristiano De Angelis

Planejamento SPU/SC. Cristiano De Angelis Planejamento SPU/SC Cristiano De Angelis Tópicos da Apresentação 1. O que é missão? 2. O que é visão? 3. O que é um projeto? 4. O que é uma ação? 5. Sugestão de um projeto. Valores da SPU 1. Compromisso

Leia mais

CARTA DE COMPORTAMENTOS

CARTA DE COMPORTAMENTOS STOP BULLYING! Uma abordagem baseada nos direitos humanos para combater o bullying e a discriminação CARTA DE COMPORTAMENTOS Projeto Co- Projeto Stop Bullying: Uma abordagem baseada nos direitos humanos

Leia mais

Lisboa, 6 de dezembro, 2017 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

Lisboa, 6 de dezembro, 2017 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Lisboa, 6 de dezembro, 2017 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL CANDIDATURA: GERIR A MUDANÇA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO 516 Docentes 2 Campus 25 CTeSP 187

Leia mais

Métodos de Estudo & Investigação Científica

Métodos de Estudo & Investigação Científica medir é saber! Existe um Ensino que tem por objecto separar os que se destinam a saber e governar dos que se destinam a ignorar e obedecer! ( in Filix) MÉTODOS DE ESTUDO Plano Analítico - MEIC 1. Introdução:

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL. Prof. João Gregório Neto

MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL. Prof. João Gregório Neto MEDIDAS DE PREVENÇÃO NA SAÚDE MENTAL Prof. João Gregório Neto PREVENÇÃO Ato ou efeito de prevenir-se Disposição ou preparo antecipado e preventivo Precaução, cautela Modo de ver antecipado, premeditado

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

O RIZZINI EM FAVOR DA PAZ

O RIZZINI EM FAVOR DA PAZ O RIZZINI EM FAVOR DA PAZ EMEF: Carlos de Andrade Rizzini 2011 PROJETO O RIZZINI EM FAVOR DA PAZ Ano de 2011. Professora responsável: Renilda Duraes Viana EMEF: Carlos de Andrade Rizzini Tempo de duração:

Leia mais

FORMAS DE GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: GESTÃO PARTICIPATIVA E HETEROGESTÃO.

FORMAS DE GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: GESTÃO PARTICIPATIVA E HETEROGESTÃO. FORMAS DE GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: AUTOGESTÃO, COGESTÃO, GESTÃO PARTICIPATIVA E HETEROGESTÃO. Disciplina de Administração do Terceiro Setor Profª. Mayara Abadia Delfino dos Anjos Ato

Leia mais

Neste inicio de ano letivo, pedimos que leia este documento com a devida atenção! Muito obrigado desde já, e bem vindos ao novo ano letivo.

Neste inicio de ano letivo, pedimos que leia este documento com a devida atenção! Muito obrigado desde já, e bem vindos ao novo ano letivo. Neste inicio de ano letivo, pedimos que leia este documento com a devida atenção! Muito obrigado desde já, e bem vindos ao novo ano letivo. Adaptação dos pais Para melhor informar o seu filho, ajudá-lo

Leia mais

Implantação e Gestão de Política de RH

Implantação e Gestão de Política de RH Implantação e Gestão de Política de RH Ribeirão Preto 2012 Abordagens Pessoas / Gente Política de Recursos Humanos Resultados Esclarecimentos Sugestões Bibliográficas Base do Nosso Encontro O ÓBVIO: Pessoas

Leia mais

1 Avaliação e Gestão do Desempenho

1 Avaliação e Gestão do Desempenho 1 Avaliação e Gestão do Desempenho Por António Pais Avaliação do Desempenho Qualquer acto de avaliação requer um termo de comparação, com base no qual se afere o grau de concordância entre os entes em

Leia mais

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2005 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário João Noronha ESAC/IPC 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO

TEXTO DE APOIO PARA O FORMANDO CORPO NACIONAL DE ESCUTAS ESCUTISMO CATÓLICO PORTUGUÊS CURSO DE ININIAÇÃO PEDAGÓGICA (C.I.P.) MANUAL ÁREA C SER DIRIGENTE/EDUCADOR MÓDULO C.1 O PAPEL DO DIRIGENTE C.1.1 U.F. DESENVOLVIMENTO PESSOAL TEXTO

Leia mais

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento

O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento CATEGORIA AUTORIA JUNHO 15 Revisão de Dados Gabinete de Estudos e Literatura Científica Técnicos O Papel dos Psicólogos no Envelhecimento Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O

Leia mais

Delivering as One (DaO) Angola

Delivering as One (DaO) Angola Delivering as One (DaO) Angola RASCUNHO DE FICHA TÉCNICA PARA DISCUSSÃO Luanda, 13 setembro 2016 Que é Delivering as One? Delivering as one (DaO) ou Unidos na Acção é uma iniciativa das Nações Unidas que

Leia mais

Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social

Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social Nota de Apresentação Monitorização e Avaliação do Plano de Acção do Plano de Desenvolvimento Social (Referencial) O presente documento constitui uma proposta de referencial do processo de monitorização

Leia mais

Questionário Estruturado Planeamento da Sucessão em Empresas Familiares

Questionário Estruturado Planeamento da Sucessão em Empresas Familiares Questionário Estruturado Planeamento da Sucessão em Empresas Familiares A Universidade Lusíada Norte, Porto, encontra-se a desenvolver um projeto de investigação que tem como objetivo identificar as modalidades

Leia mais

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde

Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Anexo II - Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde 95 96 Princípios das Normas ISO aplicáveis a organizações de saúde Princípio 1 Foco no cliente: dado que as organizações dependem

Leia mais

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação:

Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências. Tema da Comunicação: Tema do Painel: Um novo paradigma de desenvolvimento profissional: Valorização de percursos e competências Tema da Comunicação: O envolvimento das organizações e dos enfermeiros no desenvolvimento e reconhecimento

Leia mais

ATA Assistente Técnico Administrativo Trabalho em Equipe Gestão Pública Keyvila Menezes

ATA Assistente Técnico Administrativo Trabalho em Equipe Gestão Pública Keyvila Menezes ATA Assistente Técnico Administrativo Trabalho em Equipe Gestão Pública Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Evolução do trabalho em equipe Grupos

Leia mais

Transformando organizações e pessoas

Transformando organizações e pessoas Transformando organizações e pessoas Olá! Transformando organizações e pessoas Já é indiscutível o quanto as pessoas são importantes na concretização dos resultados e que quanto mais preparadas, melhor!

Leia mais

Forum AMP Empreendedorismo Social 2020

Forum AMP Empreendedorismo Social 2020 Forum AMP Empreendedorismo Social 2020 Porto 29 junho 2016 www.akdn.org 1 AGA KHAN DEVELOPMENT NETWORK AKDN geographic presence: 30 countries in 7 regions Fundação Aga Khan - Portugal A misão em Portugal

Leia mais

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato

A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO. 14º CIP Oriental Casa do Gaiato A MISSÃO E FINALIDADES DO ESCUTISMO 14º CIP Oriental Casa do Gaiato Objectivos da UF Explicar a Missão do Escutismo Descrever os princípios fundamentais do Escutismo Explicar de que modo se vivem na Unidade

Leia mais

A gestão das emoções e afectos

A gestão das emoções e afectos A gestão das emoções e afectos Carla Ribeirinho Serviço Social / Gerontologia Social Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias A gestão das emoções e afectos de que falamos? O século XXI é o século

Leia mais

Profa. Pos.doc. Hortência de Abreu Gonçalves

Profa. Pos.doc. Hortência de Abreu Gonçalves Profa. Pos.doc. Hortência de Abreu Gonçalves PRÁTICA PEDAGÓGICA O século XXI trouxe consigo, posturas diferenciadas na educação brasileira, em decorrência das transformações sociais, políticas e econômicas

Leia mais

O ENFERMEIRO NA SOCIEDADE PORTUGUESA

O ENFERMEIRO NA SOCIEDADE PORTUGUESA O ENFERMEIRO NA SOCIEDADE PORTUGUESA (conferência proferida no Dia Internacional do Enfermeiro) Maio 1988 José Maria Rodrigues da Rocha Enf.º Monitor na Escola de Enfermagem S. João-Porto e Especialista

Leia mais

Serviço de Psicologia Externato da Luz

Serviço de Psicologia Externato da Luz Serviço de Psicologia Externato da Luz Índice Apresentação do Programa 3 Estrutura do Programa 4 Portefólio e Blogue Interactivo 5 Implementação do Programa 7 Grupos, horários e respectivos orientadores

Leia mais

O green paper da Comissão Europeia sobre Corporate Governance As Grandes Opções

O green paper da Comissão Europeia sobre Corporate Governance As Grandes Opções sobre Corporate Governance As Grandes Opções Seminário O Bom Governo das Sociedades A Situação Nacional e Internacional Lisboa, 19 de Maio de 2011 Carlos Alves Introdução O que é o «Green Paper»? É um

Leia mais

IMSI16. Contributo para a Democracia. Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama

IMSI16. Contributo para a Democracia. Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama IMSI16 Contributo para a Democracia Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama Instituição Particular de Solidariedade Social Organização de voluntariado que apoia de forma individualizada vítimas

Leia mais

Agenda 21 Local e Agenda 21 Escolar Caderno de Apoio à Criação de Projectos

Agenda 21 Local e Agenda 21 Escolar Caderno de Apoio à Criação de Projectos Agenda 21 Local e Agenda 21 Escolar Caderno de Apoio à Criação de Projectos Projecto Mil Escolas Anos Lectivos 2007/2008 e 2008/2009 Programa Integrado de Educação Ambiental: A Água e os Nossos Rios Notas

Leia mais

ABORDAGENS PARA GERIR A MUDANÇA ORGANIZACIONAL

ABORDAGENS PARA GERIR A MUDANÇA ORGANIZACIONAL ABORDAGENS PARA GERIR A MUDANÇA ORGANIZACIONAL Processo de Mudança Kurt Lewin (1951/1965) Shein (1987) Descongelamento Mudança Recongelamento Metodologia Científica da Mudança planeada Diagnóstico Exemplos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Plano de Marketing Para Contadores Renato Marcão * a exemplo da maioria dos profissionais liberais, os contadores, consultores, auditores e demais profissionais da área de contabilidade

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL (TQM)

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL (TQM) GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL (TQM) TOTAL QUALITY MANAGEMENT (TQM) Evolução da Qualidade 2 1 1ª Etapa -Inspecção Surge com a Revolução Industrial, com a passagem de uma economia predominante agrícola para

Leia mais

O que é a Qualidade?

O que é a Qualidade? O que é a Qualidade? 1 Sumário O que é a Qualidade? Definições de qualidade Porque é que a qualidade é importante? A evolução da qualidade A gestão pela qualidade total Conclusões Bibliografia 2 O que

Leia mais

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM:

SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: Facebook: apecsp TM: SEDE: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Contatos: apecp.geral@gmail.com Facebook: apecsp TM: 967 238 912 5 de Junho de 1991 OBJETIVOS Criar e incentivar o aparecimento de instrumentos que permitam

Leia mais

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR

QUALIDADE, HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR Quem Somos QUEM SOMOS A Bioqual é uma empresa especializada em Qualidade, Higiene e Segurança Alimentar. Presente em todo o país através de uma rede de escritórios, com consultores especializados e experiência

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS RELACIONAIS

PÓS-GRADUAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS RELACIONAIS PÓS-GRADUAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS RELACIONAIS DIRECÇÃO DO CURSO Ernesto SPINELLI Londres, Reino Unido Daniel SOUSA DURAÇÃO E ESTRUTURA DO CURSO O curso tem a duração de um ano lectivo dividido

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 216 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 86 mesamiga Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 11-6 Lisboa Telefone: 21 322 73

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Orgânicos e a Economia verde: Oportunidade e desafios.

Orgânicos e a Economia verde: Oportunidade e desafios. Orgânicos e a Economia verde: Oportunidade e desafios. Objetivo Contribuir para o fortalecimento da cadeia produtiva brasileira de alimentos e produtos orgânicos por meio da integração e difusão de informação

Leia mais

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A

Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Disciplina de Cidadania 6º Ano Turma A Conteúdos programáticos e aulas previstas 1º 2º 3º TOTAIS Nº de aulas previstas 13 12 9 34 Nº de aulas para apresentação e autoavaliação 2 1 1 4 Nº de aulas para

Leia mais

GESTÃO. 3.1-Liderança e estilos de liderança Gestão das Organizações DEG/FHC 1

GESTÃO. 3.1-Liderança e estilos de liderança Gestão das Organizações DEG/FHC 1 GESTÃO 3.1-Liderança e estilos de liderança Gestão das Organizações DEG/FHC 1 Liderança Capacidade para influenciar pessoas de forma a conseguir atingir os objectivos e metas da organização. Implica o

Leia mais

PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS COMPETÊNCIA SOCIAL... COMPETÊNCIA SOCIAL... COMPETÊNCIA SOCIAL...

PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS SOCIAIS COMPETÊNCIA SOCIAL... COMPETÊNCIA SOCIAL... COMPETÊNCIA SOCIAL... 5º CONGRESSO CERCILEI HUMANIZAR PARA INTEGRAR A IMPORTÂNCIA DA DIFERENÇA A NO PROJECTO SER PESSOA PROGRAMA DE SOCIAIS PROGRAMA DE SOCIAIS Celeste Simões DEER / FMH / UTL o O que é a competência social

Leia mais

A moderna Gestão de Pessoas

A moderna Gestão de Pessoas A moderna Gestão de Pessoas RH Aula 4 Professor Douglas Pereira da Silva 1 Aspectos fundamentais da moderna Gestão de Pessoas 1. As pessoas como seres humanos. Dotados de personalidade própria e profundamente

Leia mais

Dina Arashiro. Portfólio

Dina Arashiro. Portfólio Dina Arashiro Coach de Realização Profissional e Palestrante. Especializada em atendimento on-line, ajuda pessoas do Brasil e do exterior que desejam alavancar suas carreiras para ter mais realização e

Leia mais

Fórum sobre Cluster Mar Nota Conceptual

Fórum sobre Cluster Mar Nota Conceptual Fórum sobre Cluster Mar Nota Conceptual 21 22 Julho 2011 Mindelo 1. Enquadramento A importância do Mar para Cabo Verde é amplamente reconhecido e efectivamente, trata-se de um eixo importante na estratégia

Leia mais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais

Proporcionar aos participantes a aquisição de aptidões específicas nos domínios da expressão/comunicação e das capacidades relacionais Assertividade Formato do curso: Presencial Localidade: Lisboa Data: 07 Nov. 2016 a 08 Nov. 2016 Preço: 625 Horário: Laboral - 09h00-17h00 Nível: Intermédio Duração: 14 horas No final desta ação, os participantes

Leia mais