O Protocolo de Kyoto preocupa-se com o clima do planeta.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Protocolo de Kyoto preocupa-se com o clima do planeta."

Transcrição

1 TRATADO DE KYOTO

2 O Protocolo de Kyoto preocupa-se com o clima do planeta.

3 Protocolo de Kyoto Quioto ou Kyoto, como é mundialmente conhecido, é um tratado internacional que nasceu em conseqüência de uma série de eventos sobre meio ambiente na década de 1990.

4 Protocolo de Kyoto Neste âmbito, muito se discutiu sobre a emissão de gases que provocam o efeito estufa na atmosfera e sobre como reduzir tal emissão.

5

6 Protocolo de Kyoto Negociado na cidade de Kyoto, Japão, em 1997, foi aberto para assinaturas em 16 de Março de 1998 e ratificado em 15 de março de Entrou em vigor em 16 de fevereiro de 2005, depois que a Rússia o ratificou em, novembro de Condição para este entrar em vigor: necessitou da ratificação por 55 países, que juntos, produzem 55% das emissões de gases do efeito estufa ocorridas no ano de 1990.

7 Protocolo de Kyoto O Protocolo de Kyoto institui compromissos mais rígidos para a redução da emissão dos gases de feito estufa, os vilões do aquecimento global.

8 Protocolo de Kyoto Estabelece um calendário pelo qual os Países - membros tem a obrigação de reduzir a emissão de gases poluentes em, pelo menos, 5,2% em relação aos níveis de 1990, no período entre 2008 e 2012.

9 Protocolo de Kyoto A redução das emissões dos gases poluentes deverá acontecer em várias atividades econômicas, sendo os países estimulados a cooperarem entre si, por meio de ações básicas:

10 Protocolo de Kyoto Reformar os setores de energia e transportes; Promover o uso de fontes energéticas renováveis;

11 Protocolo de Kyoto Eliminar mecanismos financeiros e de mercado inapropriados; Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos; e, Proteger florestas e outros sumidouros de carbono.

12 Protocolo de Kyoto As metas de redução de gases não são homogêneas a todos os países, fixando níveis diferenciados para os 38 países que mais emitem gases, prevendo, a redução, para a União Européia em 8%, EUA em 7% e Japão em 6%.

13 Protocolo de Kyoto Países em desenvolvimento, a exemplo do Brasil, México, Argentina, Índia e principalmente a China, não receberam, por ora, metas de redução.

14 Protocolo de Kyoto Todavia, deverão manter a ONU informada sobre o nível de suas emissões, buscando o desenvolvimento de alternativas para a mudança do clima.

15 Protocolo de Kyoto Entre as grandes economias em desenvolvimento, China e Índia também ratificaram o protocolo.

16 MAPA DO PROTOCOLO DE KYOTO EM 2005 Legenda: Verde Países que ratificaram o protocolo. Amarelo Países que ratificaram, mas ainda não cumpriram o protocolo. Vermelho Países que não ratificaram o protocolo. Cinza Países que não assumiram nenhuma posição no protocolo.

17 Protocolo de Kyoto e os Estados Unidos da América Os Estados Unidos da América, mesmo tendo aderido preliminarmente, negaramse a ratificar o Protocolo de Kyoto.

18 Protocolo de Kyoto e os Estados Unidos da América Seu Presidente, George W. Busch, justificou que os compromissos firmados em tal acordo comprometeriam o desenvolvimento econômico do país.

19 Protocolo de Kyoto e os Estados Unidos da América A Casa Branca questiona o consenso científico de que os poluentes emitidos pelo homem sejam a causa da elevação da temperatura da terra, bem como o tratamento dado aos países em desenvolvimento.

20 Protocolo de Kyoto e os Estados Unidos da América Em contrapartida, estados como a Califórnia, municípios e indústrias do nordeste dos EUA, começaram a pesquisar formas de reduzir a emissão desses gases, tentando, por sua vez, manter sua margem de lucro.

21 Protocolo de Kyoto e as Nações Européias A União Européia e o Japão ratificaram o Protocolo,e algumas delas, apesar de terem concordado em reduzir suas emissões em 2010 em 8% abaixo dos níveis de 1990, já confessaram que somente conseguirão reduzir em 1% em 2010.

22 Protocolo de Kyoto e as Nações Européias A União Européia contava atingir suas metas, aproveitando as possibilidades de Inglaterra, França e Alemanha reduzirem suas emissões aos níveis de 1990 ao abandonar o uso do carvão e aumentar o uso da energia nuclear.

23 Protocolo de Kyoto e as Nações Européias Assim, as outras nações, menos desenvolvidas, não precisariam ser tão severas em suas reduções. Como conseqüência, esses países aumentaram sua emissões, apagando os ganhos dos países grandes.

24 Protocolo de Kyoto e as Nações Européias Entre doze dos quinze países europeus, preocupam-se se poderão cumprir suas metas, sendo que nove já romperam-nas, com emissões aumentando ente 20% e 77%.

25 O Aumento das Emissões dos Países em Desenvolvimento Os Estados Unidos, quando da não ratificação do Protocolo, alegou que um dos fatores era a inexistência de metas obrigatórias de redução de gás carbônico para os países em desenvolvimento.

26 O Aumento das Emissões dos Países em Desenvolvimento Conforme a Agência de Avaliação Ambiental da Holanda, em 2006, a China, um país em desenvolvimento, ultrapassou em 8% o volume de gás carbônico emitido pelos EUA.

27 O Aumento das Emissões dos Países em Desenvolvimento A China tornou-se o maior emissor de gás carbônico no mundo, sendo responsável, sozinha, por um quarto do total mundial, mais do que toda a União Européia.

28 O Aumento das Emissões dos Países em Desenvolvimento Ante o rápido crescimento econômico de países emergentes, cuja base energética é dependente da queima de combustíveis fósseis, o aumento nas emissões de gás carbônico parece inevitável para as próximas décadas, frustrando os objetivos do Protocolo de Kyoto.

29 BIBLIOGRAFIA: pt.wikipedia.org, pesquisado em ; pesquisado em ; em ; pesquisado pesquisado em

30 REFERÊNCIAS ANTUNES, Paulo Bessa. Direito Ambiental. 2ed. Amplamente Reformulado. 14ª ed., Rio de Janeiro: Atlas, Amaral, Diogo Freitas, Ciência Política, vol I,Coimbra,1990 AQUINO, Rubim Santos Leão de. et al. História das Sociedades Americanas. 7 ed. Rio de Janeiro: Record, ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: Introdução á Filosofia. São Paulo: Moderna, ARRUDA, José Jobson de A. e PILETTI, Nelson. Toda a História. 4 ed. São Paulo: Ática, ASCENSÃO, José de Oliveira. Breves Observações ao Projeto de Substitutivo da Lei de Direitos Autorais. Direito da Internet e da Sociedade da Informação. Rio de Janeiro: Ed. Forense, BRANCO JR., Sérgio Vieira. Direitos Autorais na Internet e o Uso de Obras Alheias. Ed. Lúmen Júris, BUZZI, Arcângelo. Introdução ao Pensar. Petrópolis; ed. Vozes, CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. V. 2, Parte Especial. 10. Ed. São Paulo: Saraiva, CERQUEIRA, João da Gama. Tratado da Propriedade Industrial, vol. II, parte II. Revista Forense: Rio de Janeiro, CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo,10ª. Ed.,Ática,1998. COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e Geral. 6 ed. São Paulo: Saraiva, CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Forense, DEON SETTE, MARLI T. Direito ambiental. Coordenadores: Marcelo Magalhães Peixoto e Sérgio Augusto Zampol DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: teoria das obrigações contratuais e extracontratuais. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1998, v. 3. DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2002, v. 1, 2 e 3.

31 REFERÊNCIAS FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. 6.ed. São Paulo: Atlas, FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 13ª ed., rev., atual. E compl. São Paulo :Saraiva, FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de direito penal: especial. 11. ed. atual. por Fernando Fragoso. Rio de Janeiro : Forense, GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, vol I: Parte Geral. São Paulo: Saraiva, 2007 GAGLIANO, Plablo Stolze & PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil, v. 1-5 ed. São Paulo: Saraiva GRINOVER, Ada Pellegrini et al. Código Brasileiro de Defesa do Consumidor comentado pelos autores do anteprojeto. 8. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: FU, JESUS, Damásio E. de. Direito Penal V. 2 Parte Especial dos Crimes Contra a Pessoa a dos Crimes Contra o Patrimônio. 30 ed. São Paulo: Saraiva, LAKATOS, Eva Maria. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1997 LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 1999 MARQUES, Claudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime das relações contratuais.4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: RT, MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Manual de direito e processo do trabalho. 18.ed. São Paulo: Saraiva, MARTINS, Sérgio Pinto.Direito do Trabalho. 25.ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1988 MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. São Paulo: RT, MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo penal. 18. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2006.

32 REFERÊNCIAS MORAES, de Alexandre. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, PEIXINHO, Manoel Messias. Os princípios da Constituição de Rio de Janeiro: Lúmen Júris, Piçarra, Nuno, A separação dos poderes como doutrina e princípio constitucional: um contributo para o estudo das suas origens e evolução, Coimbra, Coimbra Editora, 1989 NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 3. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de direito civil, v.1. Rio de Janeiro: Forense POLETTI, Ronaldo. Introdução ao Direito. 4. ed., São Paulo: Saraiva, PRADO, Luiz Regis. Curso de direito penal brasileiro. 11. ed. São Paulo : RT, 2007, v. 2. REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 27.ed São Paulo: Saraiva, REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1977, v. 1 e 2. RUSSOMANO, Mozart Victor. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica. Itajai: EdUnivali, 2002 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil (Parte Geral), v.1 3 ed. São Paulo: Atlas ATENÇÃO Parte deste material foi coletado na internet e não foi possível identificar a autoria. Este material se destina para fins de estudo e não se encontra completamente atualizado.

33 FIM Obrigado pela atenção!! Acimarney C. S. Freitas Advogado OAB-BA Nº Professor de Direito do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA campus de Vitória da Conquista Diretor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA campus de Brumado. Bacharel em Teologia Especialista em Direito Educacional - FTC Especialista em Educação Profissional e de Jovens e Adultos - IFBA Mestrando em Filosofia - UFSC Facebook: Ney Maximus

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 20

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 20 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 20 20.1. Nulidades em matéria de testamento: o exame da existência, da validade e o da eficácia do testamento; a manifestação de vontade válida, o agente capaz, objeto

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 6 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 6 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 6 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 6. CODIFICAÇÃO direito vigente reunido em um texto único e conexo. 6.1. Efeitos: o ideal ensinado nas universidades; aplicação do direito de forma racional.

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 8

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 8 DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 8 8.1. Homem sujeito de Direito Status libertatis: atributos decorrentes da posição ocupada pelo indivíduo; livre era o homem que não pertencesse a outro. 8.1.1.

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 5 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 5 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 5 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 5. SISTEMAS JURÍDICOS conceito abrangente, suplanta o senso comum de normas vigentes ou agrupamento de ordenamentos com elementos comuns. 5.1. Compreensão

Leia mais

Direito - Conceito Clássico. É o conjunto de regras obrigatórias que disciplinam a convivência social humana.

Direito - Conceito Clássico. É o conjunto de regras obrigatórias que disciplinam a convivência social humana. DIREITO EMPRESARIAL Direito - Conceito Clássico É o conjunto de regras obrigatórias que disciplinam a convivência social humana. NORMA JURÍDICA - CONCEITO CLÁSSICO É a regra social garantida pelo poder

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 9

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 9 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 9 9.1. Introdução: para cada dez sucessões legítimas que se abrem ocorre uma única sucessão testamentária (Washington de Barros Monteiro); fatores sociológicos, o excesso

Leia mais

Apuração Eleitoral. É a forma de se saber ou definir quem é vitorioso em uma eleição. Revela a vontade dos eleitores.

Apuração Eleitoral. É a forma de se saber ou definir quem é vitorioso em uma eleição. Revela a vontade dos eleitores. É a forma de se saber ou definir quem é vitorioso em uma eleição. Revela a vontade dos eleitores. Um candidato bem votado está eleito? Não se vota no partido ou coligação. Um candidato com poucos votos

Leia mais

POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS

POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS POLÍTICA DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUA Recurso ou bem econômico -finita -vulnerável -essencial -- Recurso ambiental -alteração adversa -degradação da qualidade ambiental - Controle da poluição -qualidade compatível

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA

A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE HUMANA: NOME PERÍODO CRÂNIO LOCAL CARACTERÍSTICA Australopithecus 4,2 1,4 milhões Homo habilis 2 1,5 milhões 700 cm 3 África Postura semi-ereta, uso de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO O QUE É FONTE DO DIREITO? ORIGEM ETIMOLÓGICA FONS OU FONTIS = NASCENTE DE ÁGUA FONTE = ORIGEM, BASE FONTE DO DIREITO = ORIGEM DO DIREITO ESPÉCIES DE FONTES DO DIREITO MIGUEL

Leia mais

NR-6: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI)

NR-6: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) NR-6: EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) INTRODUÇÃO EPI: Todo dispositivo ou produto, de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança

Leia mais

Princípios gerais de segurança no trabalho

Princípios gerais de segurança no trabalho Princípios gerais de segurança no trabalho Medidas de controle Medidas de proteção coletiva Eliminação do risco prioridade (substituição de matéria prima tóxica) Neutralização do risco impossibilidade

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL Noções de Direito Constitucional Direito Constitucional é o ramo do direito que estuda a Constituição. Mas que tipo de Constituição? Definir pelo definido é extremamente limitador,

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (FAP E NTEP) E SEU IMPACTO NO SETOR DE SAÚDE

ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (FAP E NTEP) E SEU IMPACTO NO SETOR DE SAÚDE ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (FAP E NTEP) E SEU IMPACTO NO SETOR DE SAÚDE CARACTERÍSTICA DO SETOR Importância econômica Índices de acidentes e doenças Desvalorização da prevenção Terceirização

Leia mais

CONSTITUCIONALISMO ASPECTOS HISTÓRICOS

CONSTITUCIONALISMO ASPECTOS HISTÓRICOS CONSTITUCIONALISMO ASPECTOS HISTÓRICOS Pré-história Constitucional Diversos textos com características constitucionais surgiram na história da humanidade, como exemplo a Magna Carta inglesa (1215) que

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12 DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 12 12.1. Pessoa jurídica: atribuição de personalidade a um ente que se torna sujeito de direitos e obrigações. 12.2. Principais pessoas jurídicas: associações

Leia mais

PRINCÍPIOS LIMITADORES DO PODER PUNITIVO ESTATAL

PRINCÍPIOS LIMITADORES DO PODER PUNITIVO ESTATAL DIREITO PENAL I PRINCÍPIOS LIMITADORES DO PODER PUNITIVO ESTATAL OBJETIVO garantia do cidadão perante poder punitivo estatal. Ideias igualdade e liberdade caráter menos cruel. Controle penal voltado para

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 8

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 8 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 8 8.1. Restrição à liberdade de testar. Histórico. Fundamento: a liberdade do testador será restrita se ele tiver descendente ou ascendente sucessível (art. 1.846);

Leia mais

PPRA - É o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, conhecido como NR-9, que objetiva levantar as condições do ambiente de trabalho e indicar os

PPRA - É o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, conhecido como NR-9, que objetiva levantar as condições do ambiente de trabalho e indicar os PPRA - É o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, conhecido como NR-9, que objetiva levantar as condições do ambiente de trabalho e indicar os procedimentos preventivos. NR-9 - Este norma estabelece

Leia mais

SERGIO BUARQUE DE HOLANDA Vida e obra O homem

SERGIO BUARQUE DE HOLANDA Vida e obra O homem SERGIO BUARQUE DE HOLANDA Vida e obra O homem TEXTO E CONTEXTO A criação da identidade nacional. In : Outros Caminhos, p.68-78 HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA Paulo Prado - Retrato do Brasil 1928: obra marcada

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕSES 13

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕSES 13 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕSES 13 13.1. Interação do conceito: o legado é uma deixa testamentária dentro do acervo transmitido pelo autor da herança; o legado deve ser instituído por testamento,

Leia mais

ORIGENS DO SOCIALISMO

ORIGENS DO SOCIALISMO A SOCIAL-DEMOCRACIA ORIGENS DO SOCIALISMO As origens do socialismo estiveram atadas ao desenvolvimento da sociedade industrial, em algum ponto entre meados e fins do século XVIII. O socialismo começou

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 23

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 23 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 23 23.1. Conceito. Fundamento: conforme a dicção do art. 2.002, os herdeiros que receberam doações do ascendente comum, estão obrigados a conferir seus valores, para

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 3 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 3 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 3 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 3. DIREITO ROMANO Importância histórica fundamental. 3.1. Importância: compreensão como direito universal; base da forma de intuição da metodologia e do

Leia mais

FALECIDO EM OUTUBRO DE 1973 COM 92 ANOS; SUA PRIMEIRA OBRA PUBLICADA FOI HAUPTPROBLEME DER STAATSRECHTSSLEHRE EM 1911; KELSEN PUBLICOU MAIS DE 1.

FALECIDO EM OUTUBRO DE 1973 COM 92 ANOS; SUA PRIMEIRA OBRA PUBLICADA FOI HAUPTPROBLEME DER STAATSRECHTSSLEHRE EM 1911; KELSEN PUBLICOU MAIS DE 1. A TEORIA DE KELSEN KELSEN... HÁ DOIS TIPOS DE KELSEN: OS QUE TODOS CONHECEM E ADOTAM COMO LIÇÃO PARA A CIÊNCIA JURÍDICA; E O KELSEN DE AFIRMAÇÕES DIFÍCEIS DE SE SUSTENTAR; NASCIDO EM 1881 EM PRAGA (IMPÉRIO

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 1

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 1 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 1 1.1. Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões: em sentido amplo, a sucessão para o direito compreende a substituição do titular de um direito; uma

Leia mais

Brasil Colônia Econômica Canavieira

Brasil Colônia Econômica Canavieira Brasil Colônia Econômica Canavieira 1 - O CICLO DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor.

Leia mais

Função Social da Propriedade e da Pose

Função Social da Propriedade e da Pose Função Social da Propriedade e da Pose Função Social da Posse Posse e Propriedade de Satélite a Astro. In: A Propriedade e a Posse: um confronto em torno da função Social. 2. ed. Rio de Janeiro: LumenIuris,

Leia mais

500 MAIORES EMPRESAS DO MUNDO

500 MAIORES EMPRESAS DO MUNDO 500 MAIORES EMPRESAS DO MUNDO Das 500 maiores corporações do mundo em valor, 48% são americanas, 30% são européias e 10% são japonesas. Não há sequer uma latino-americana ou africana na lista, e apenas

Leia mais

DEFINIÇÃO. Significa perdão de uma divida RENÚNCIA AO DIREITO DE RECEBER

DEFINIÇÃO. Significa perdão de uma divida RENÚNCIA AO DIREITO DE RECEBER ANISTIA FISCAL DEFINIÇÃO Significa perdão de uma divida RENÚNCIA AO DIREITO DE RECEBER A CONCESSÃO É UMA OPÇÃO POLÍTICA DO GOVERNANTE QUEM RENUNCIA? UNIÃO ESTADO MUNICIPIO AMPARO LEGAL É CONCEDIDA ATRAVÉS

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa: tipos de pesquisa e técnicas de investigação científica

Métodos e técnicas de pesquisa: tipos de pesquisa e técnicas de investigação científica Métodos e técnicas de pesquisa: tipos de pesquisa e técnicas de investigação científica Níveis de Pesquisa Os níveis de pesquisa variam de acordo com os objetivos a que a pesquisa se propõe. Podem ser

Leia mais

DIREITO CIVIL PARTE 9 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL

DIREITO CIVIL PARTE 9 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PARTE 9 INTRODUÇÃO AO DIREITO CIVIL 9.1. Pessoa natural: ser humano, pessoa na acepção jurídica, com capacidade de direito. 9.2. Começo da personalidade natural: a personalidade civil da

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 24

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 24 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 24 24.1. Partilha. Conceito. Início do procedimento: a partilha ocorre quando já se conhece o montante hereditário, dividindo-se os bens entre os herdeiros e legatários

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 14

DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 14 DIREITO CIVIL TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL 14 14.1. As coisas in patrimonio: suscetíveis de propriedade privada. 14.1.1. Res mancipi e res nec mancipi: respectivamente as coisas mais úteis e as coisas

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO NR - 23 23.1 Disposições gerais. 23.1.1 Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço,

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 5

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 5 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 5 5.1. Herança sem herdeiros. Jacência: a herança é jacente quando se desconhece os seus herdeiros, ou então quando os herdeiros conhecidos repudiaram a herança, renunciaram

Leia mais

A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL

A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL A DIFÍCIL CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NO BRASIL BRASIL COLONIAL: AUSÊNCIA DE DIREITOS E DE PODER PÚBLICO Uma das razões fundamentais das dificuldades da construção

Leia mais

ESCOLAS PENAIS. Escola clássica. Kant: pena imperativo categórico retribuição ética.

ESCOLAS PENAIS. Escola clássica. Kant: pena imperativo categórico retribuição ética. DIREITO PENAL I Conceito: o corpo orgânico de concepções contrapostas sobre a legitimidade do direito de punir, sobre a natureza dos delitos e o fim das ações. Escola clássica Kant: pena imperativo categórico

Leia mais

THOMAS HOBBES E O ABSOLUTISMO

THOMAS HOBBES E O ABSOLUTISMO THOMAS HOBBES E O ABSOLUTISMO DADOS PESSOAIS NOME Thomas Hobbes NASCIMENTO 05 de abril de 1588, uma sexta-feira santa. LOCAL DE NASCIMENTO Westport atual Malmesbury Inglaterra. NACIONALIDADE Inglês FILIAÇÃO

Leia mais

DIREITO. Conceito de Lei e de Direito Fontes e hierarquia das leis

DIREITO. Conceito de Lei e de Direito Fontes e hierarquia das leis DIREITO Conceito de Lei e de Direito Fontes e hierarquia das leis Conceito de DIREITO: Ciência = conjunto de regras próprias utilizadas pela Ciência do Direito Norma jurídica = Constituição e as demais

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL AULA 06 PATENTES (USUÁRIO ANTERIOR, NULIDADES E EXTINÇÃO)

PROPRIEDADE INTELECTUAL AULA 06 PATENTES (USUÁRIO ANTERIOR, NULIDADES E EXTINÇÃO) PROPRIEDADE INTELECTUAL AULA 06 PATENTES (USUÁRIO ANTERIOR, NULIDADES E EXTINÇÃO) Usuário Anterior de Boa-Fé Art. 45 da Lei 9.279/96. Vislumbramos duas possíveis aplicações para essa exceção. A primeira

Leia mais

NR5 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA

NR5 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA NR5 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA HISTÓRICO DA CIPA - 1923 ~ Primeira forma de organização dos trabalhadores pela questão da saúde - Década de 30 ERA VA ARGAS ~ melhor legislação

Leia mais

A Patente na Universidade: Contexto e Perspectivas de uma Política de Geração de Patentes na Universidade Federal Fluminense

A Patente na Universidade: Contexto e Perspectivas de uma Política de Geração de Patentes na Universidade Federal Fluminense A Patente na Universidade: Contexto e Perspectivas de uma Política de Geração de Patentes na Universidade Federal Fluminense OBJETO DE ESTUDO A Universidade Federal Fluminense, tendo como eixo a produção,

Leia mais

Divisões do Direito do Trabalho

Divisões do Direito do Trabalho Divisões do Direito do Trabalho A divisão do Direito do Trabalho em Direito Individual do Trabalho e Direito Coletivo do Trabalho é assinalada pela quase unanimidade dos autores. Alguns, preferem utilizar

Leia mais

Parentesco. É a relação que une duas ou mais pessoas por vínculos de sangue (descendência/ascendência) ou sociais (sobretudo pelo casamento).

Parentesco. É a relação que une duas ou mais pessoas por vínculos de sangue (descendência/ascendência) ou sociais (sobretudo pelo casamento). Parentesco É a relação que une duas ou mais pessoas por vínculos de sangue (descendência/ascendência) ou sociais (sobretudo pelo casamento). Parentesco consanguíneo: é o estabelecido mediante um ancestral

Leia mais

HIERARQUIA DAS NORMAS. hierarquia diferenças previsão legal

HIERARQUIA DAS NORMAS. hierarquia diferenças previsão legal HIERARQUIA DAS NORMAS hierarquia diferenças previsão legal Pirâmide de Hans Kelsen Hierarquia das Leis Direito como atividade do Estado Validade das Leis: existência X legitimidade Estado como Ordenamento

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL

PROPRIEDADE INDUSTRIAL PROPRIEDADE INDUSTRIAL Sumário 1. Regime Jurídico 2. Bens Integrantes da Propriedade Industrial 3. Direito Industrial e Direitos Autorais 4. Patentes 5. Segredo Industrial 6. Registro Industrial 7. União

Leia mais

FILOSOFIA ESCOLÁSTICA

FILOSOFIA ESCOLÁSTICA FILOSOFIA ESCOLÁSTICA 1 O que é Escolástica? Ensino teológico-filosófico da doutrina aristotélico tomista; Conjunto de elaborações filosóficas dos doutores da Igreja; Ministrada nos conventos, catedrais

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL I

DIREITO PROCESSUAL PENAL I DIREITO PROCESSUAL PENAL I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O LITÍGIO O homem não pode viver senão em sociedade. As sociedades são organizações de pessoas para a obtenção de fins comuns, em benefício de cada

Leia mais

Albert Camus ( ) foi um escritor e filósofo nascido na Argélia. Na sua terra natal viveu sob o signo da guerra, fome e miséria, elementos

Albert Camus ( ) foi um escritor e filósofo nascido na Argélia. Na sua terra natal viveu sob o signo da guerra, fome e miséria, elementos ALBERT CAMUS Albert Camus (1913 1960) foi um escritor e filósofo nascido na Argélia. Na sua terra natal viveu sob o signo da guerra, fome e miséria, elementos que, aliados ao sol, formam alguns dos pilares

Leia mais

INSTITUIÇÕES DO DIREITO PÚBLICO E PRIVADO. Direito Natural e Direito Positivo

INSTITUIÇÕES DO DIREITO PÚBLICO E PRIVADO. Direito Natural e Direito Positivo INSTITUIÇÕES DO DIREITO PÚBLICO E PRIVADO Direito Natural e Direito Positivo POSITIVISMO atitude mental que visa dar a Filosofia o método positivo das ciências e às ciências a idéia de um conjunto de filosofia.

Leia mais

Absolutismo Inglaterra: Centralização Política

Absolutismo Inglaterra: Centralização Política Absolutismo Inglaterra: Centralização Política Formação das Monarquias Nacionais Burguesia (poder econômico) X Senhores Feudais (poder político) Reis (enfraquecidos) = CENTRALIZAÇÃO POLÍTICA DAS MONARQUIAS

Leia mais

Brasil Colonial: O Ciclo do Ouro

Brasil Colonial: O Ciclo do Ouro Brasil Colonial: O Ciclo do Ouro 1. O CICLO DO OURO Século XVIII. MG, MT, GO Movimento bandeirante (séc XVII): Bandos armados que percorriam o interior do país em busca de riquezas. Origem: São Vicente

Leia mais

Legislação da Informática

Legislação da Informática Legislação da Informática Definições O direito da informática é um ramo de atuação normativa coerciva e estatal, objetivando um dever-ser da conduta, através de uma técnica social específica visando um

Leia mais

5.8 Direito Civil Das Obrigações

5.8 Direito Civil Das Obrigações Divisão do Estudo 5.8.1 Conceito de Direito das Obrigações 5.8.2 Elementos da obrigação 5.8.3 Fontes ou causas das obrigações 5.8.4 Classificação das obrigações 5.8.5 Cláusula Penal 5.8.6 Efeitos das Obrigações

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 7

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 7 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 7 7.1. Sucessão legítima testamentária: o testamento serve para que o autor da herança possa alterar ordem de vocação hereditária exposta na lei; os herdeiros necessários

Leia mais

A CRISE DO ANTIGO REGIME

A CRISE DO ANTIGO REGIME A CRISE DO ANTIGO REGIME Definição: movimento político, militar e religioso que destruiu o absolutismo na Inglaterra instalando naquele país a primeira monarquia parlamentar da história; Quando: século

Leia mais

1 - O PERÍODO PROVISÓRIO

1 - O PERÍODO PROVISÓRIO A ERA VARGAS 1 - O PERÍODO PROVISÓRIO (1930 1934): Decretos-lei. Nomeação de interventores. Atrelamento de sindicatos ao governo. Criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio (a cargo de Lindolfo

Leia mais

Política Nacional de Recursos Hídricos

Política Nacional de Recursos Hídricos Política Nacional de Recursos Hídricos Política Nacional de Recursos Hídricos Legislação: Constituição: Art. 20, 26, 225. Código de Águas Decreto nº 24.643/1934. Lei 9.433/97 - Institui a PNRH. Lei 9.984/00

Leia mais

As consequências do Alcoolismo na Cidade de São Félix - BA

As consequências do Alcoolismo na Cidade de São Félix - BA As consequências do Alcoolismo na Cidade de São Félix - BA Em 2000 se desencadeou um caos por toda a cidade do subúrbio até o centro da cidade. ORGANOGRAMA AS CONSEQÜÊNCIA DO ALCOOLISMO EM SÃO FÉLIX BA

Leia mais

O sistema da propriedade intelectual em Moçambique

O sistema da propriedade intelectual em Moçambique O sistema da propriedade intelectual em Moçambique Propriedade Intelectual A propriedade intelectual engloba todos os tipos de propriedade que resultam das criações da mente humana o intelecto humano.

Leia mais

Atos, Termos, Nulidades e Prazos no Processo do Trabalho

Atos, Termos, Nulidades e Prazos no Processo do Trabalho Atos, Termos, Nulidades e Prazos no Processo do Trabalho Como no Processo Civil, os atos não dependem de forma específica, salvo quando a lei o exigir, reputando-se válidos os que cumprirem a sua finalidade.

Leia mais

A TUTELA DO MEIO AMBIENTE

A TUTELA DO MEIO AMBIENTE A TUTELA DO MEIO AMBIENTE Definição do bem jurídico do meio ambiente De acordo com Ana Maria Moreira Marchesan, Annelise Monteiro Steigleder e Sílvia Cappelli trata-se de um macrobem jurídico, incorpóreo,

Leia mais

SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA

SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA PRINCIPAIS CAUSAS DO AUMENTO DO NÍVEL DE ENDIVIDAMENTO DA ECONOMIA BRASILEIRA DADOS REFENTES AO PERÍODO DE 1.968 A 1.985. 1.968 ABERTURA DA ECONOMIA AO RESTO DO MUNDO

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 6

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 6 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 6 6.1. Inventário e partilha. Judicialidade do inventário. Questões de alta indagação: a descrição pormenorizada dos débitos e créditos do patrimônio do morto a fim

Leia mais

5.9 Direito Civil Dos Contratos

5.9 Direito Civil Dos Contratos 5.9 Direito Civil Dos Contratos Divisão do Estudo 5.9.1 - Dos contratos 5.9.2 - Princípios fundamentais 5.9.3 - Pressupostos e requisitos 5.9.4 - Contratos ilícitos Conceito - Contrato é a convenção estabelecida

Leia mais

Nos dias atuais este tipo de trabalho é visto pela sociedade em geral como algo repugnante, por retirar da criança a infância que é repleta de sonhos

Nos dias atuais este tipo de trabalho é visto pela sociedade em geral como algo repugnante, por retirar da criança a infância que é repleta de sonhos TRABALHO INFANTIL INTRODUÇÃO Desde a revolução industrial o trabalho infantil tem se destacado como uma das forças motoras do desenvolvimento do comércio e da agricultura. Essa dura realidade não é apenas

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 11

DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 11 DIREITO CIVIL DIREITO DAS SUCESSÕES 11 11.1. Introdução: sob o manto da solenidade o legislador protege a manifestação de vontade do testador e sua autonomia; as formalidades para cada tipo de testamento

Leia mais

AS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS E OS SISTEMAS AGRÁRIOS

AS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS E OS SISTEMAS AGRÁRIOS AS ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS E OS SISTEMAS AGRÁRIOS Cerca de 800 milhões de pessoas passam fome no mundo, a maioria na África e na Ásia. O problema da fome continuará existindo enquanto a tecnologia, o

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES, MARCA E PROGRAMA DE COMPUTADOR

PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES, MARCA E PROGRAMA DE COMPUTADOR PROPRIEDADE INTELECTUAL PATENTES, MARCA E PROGRAMA DE COMPUTADOR A PROPRIEDADE INTELECTUAL COMPREENDE: DIREITOS DO AUTOR LEI n. 9.610, de 19/02/1998; PROPRIEDADE INDUSTRIAL LEI n. 9.279, de 14/05/1996;

Leia mais

Brasil Império Período Regencial ( )

Brasil Império Período Regencial ( ) Brasil Império Período Regencial (1831 1840) Transição até a maioridade de D. Pedro II. Instabilidade política (agitações internas). Fases: Regência Trina Provisória (abr/jul 1831); Regência Trina Permanente

Leia mais

Direito Ambiental Evolução Histórica do Direito Ambiental no Brasil:

Direito Ambiental Evolução Histórica do Direito Ambiental no Brasil: Evolução Histórica do Direito Ambiental no Brasil: Na época das Filipinas já existia uma certa proteção ambiental pau-brasil, ouro, etc. Herman Benjamin, retrata que é possível apresentar três regimes

Leia mais

Noções de Software. Definição

Noções de Software. Definição Noções de Software Definição A rigor, tudo o que pode ser armazenado eletronicamente pode ser chamado de software. Consideraremos aqui, como software, apenas os conjuntos de instruções que determinam o

Leia mais

Evolução. Novo Código Civil: Adoção da Teoria da Empresa

Evolução. Novo Código Civil: Adoção da Teoria da Empresa NOME DE EMPRESA Evolução Teoria dos Atos do Comércio Teoria da Empresa Novo Código Civil: Adoção da Teoria da Empresa Teoria dos Sinais Distintivos Direito de Exclusividade Finalidade Comum: identificar/distinguir

Leia mais

PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA

PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA PRESCRIÇÃO E DECADÊNCIA O Código Civil não utiliza a expressão decadência, tratando todos os prazos extintivos nele previstos como prazos de prescrição. Os dois institutos tem por finalidade a proteção

Leia mais

Prevenção e Combate a Sinistros

Prevenção e Combate a Sinistros Prevenção e Combate a Sinistros 1 NR-23 Comentários 2 SUMÁRIO Disposições gerais. Saídas; Portas; Escadas; Ascensores; Portas corta-fogo; Combate ao fogo; Exercício de alerta. Classes de fogo; 3 SUMÁRIO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO O QUE É DIREITO O HOMEM É UM ANIMAL POLÍTICO ARISTÓTELES. POLÍTICO NO SENTIDO DE QUE NÃO PODE VIVER FORA DA SOCIEDADE, DO CONVÍVIO SOCIAL. A RACIONALIDADE HUMANA, DIFERENTE DA INSTINTIVA DOS ANIMAIS QUE

Leia mais

Importância da Proteção Penal do Meio Ambiente

Importância da Proteção Penal do Meio Ambiente Meio Ambiente Definição Legal: art. 3º, I, da Lei 6.938/81. Meio Ambiente conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em

Leia mais

EVOLUÇÃO POLÍTICA DO BRASIL A COLÔNIA - A REVOLUÇÃO - O IMPÉRIO

EVOLUÇÃO POLÍTICA DO BRASIL A COLÔNIA - A REVOLUÇÃO - O IMPÉRIO EVOLUÇÃO POLÍTICA DO BRASIL A COLÔNIA - A REVOLUÇÃO - O IMPÉRIO A COLÔNIA A colonização do Brasil constituiu para Portugal um problema por causa da pouca quantidade de habitantes que tinham, além de outras

Leia mais

A SOCIEDADE, A POLÍTICA E A CULTURA BRASILEIRA

A SOCIEDADE, A POLÍTICA E A CULTURA BRASILEIRA A SOCIEDADE, A POLÍTICA E A CULTURA BRASILEIRA A FORMAÇÃO SOCIAL, POLÍTICA E CULTURAL DO BRASIL ANTECEDENTES - Dependência e subdesenvolvimento: capitalismo europeu desenvolvido versus a América Latina

Leia mais

Direito Comercial - Introdução

Direito Comercial - Introdução Direito Comercial - Introdução Direito Comercial Noção Clássica: Direito privado especial do comércio (MORGADO) Noção Moderna: O Direito Comercial atual não se restringe a regular a profissão de comerciante

Leia mais

O que são os direitos autorais?

O que são os direitos autorais? Direitos autorais O que são os direitos autorais? É o direito que protege trabalhos publicados e não publicados nas áreas da literatura, teatro, música e coreografias de dança, filmes, fotografias, pinturas,

Leia mais

Fontes de informação em Propriedade Intelectual: a quem perguntar e onde buscar

Fontes de informação em Propriedade Intelectual: a quem perguntar e onde buscar Fontes de informação em Propriedade Intelectual: a quem perguntar e onde buscar OBJETIVOS GERAIS Mostrar quem pode responder sobre cada tipo de egistro ou concessão Apresentar alguns conceitos importantes

Leia mais

O surgimento do absolutismo se dá devido alguns motivos, entre eles podemos destacar:

O surgimento do absolutismo se dá devido alguns motivos, entre eles podemos destacar: Absolutismo Introdução A organização social da Europa que emergiu da Idade Média já foi chamada de sociedade de transição entre o Feudalismo e o Capitalismo. Entretanto, por sua longa duração mais de três

Leia mais

ESTADO DE INCONSCIÊNCIA AMBIENTAL REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

ESTADO DE INCONSCIÊNCIA AMBIENTAL REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ABORDAGEM HISTÓRICA ESTADO DE INCONSCIÊNCIA AMBIENTAL REVOLUÇÃO INDUSTRIAL (Século XVIII) - TEORIA ECONÔMICA MERCANTILISTA: A RIQUEZA DAS NAÇÕES ESTÁ NO OURO E NA PRATA - MÃO-DE-OBRA ARTESANAL X TÉCNICA

Leia mais

Visão geral. Saiba o que é necessário para fazer uma apresentação do Microsoft PowerPoint de forma rápida e fácil.

Visão geral. Saiba o que é necessário para fazer uma apresentação do Microsoft PowerPoint de forma rápida e fácil. PowerPoint Aula 1 Visão geral Saiba o que é necessário para fazer uma apresentação do Microsoft PowerPoint de forma rápida e fácil. Visão geral Objetivos Após concluir este curso você poderá: Colocar texto

Leia mais

GESTÃO DA EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS AS RNIs

GESTÃO DA EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS AS RNIs GESTÃO DA EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS AS RNIs GESTÃO: ações coordenadas e direcionadas para organizar, dirigir e controlar uma organização. Em 1994, o MTE reformulou a Norma Regulamentadora (NR) nº 09, e instituiu

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EVITAR RISCOS DE QUEDA

PROCEDIMENTOS PARA EVITAR RISCOS DE QUEDA PROCEDIMENTOS PARA EVITAR RISCOS DE 1 Objetivo e Definição 1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento,

Leia mais

Guerra Fiscal e Comércio eletrônico

Guerra Fiscal e Comércio eletrônico Principais Distorções dos Tributos sobre Bens e Serviços COMPLEXIDADE MULTIPLICIDADE DE LEGISLAÇÕES E COMPETÊNCIAS TRIBUTÁRIAS - UNIÃO: PIS, COFINS, IPI, CIDE-COMBUSTÍVEIS - ESTADOS: ICMS - MUNICÍPIOS:

Leia mais

Brasil Império Reinado ( )

Brasil Império Reinado ( ) Brasil Império Reinado (1840 1889) A) POLÍTICA INTERNA 3 fases: Consolidação (1840 1850): Conciliação (1850 1870): Crise (1870 1889): 2 correntes políticas: Liberais: profissionais liberais urbanos, latifundiários

Leia mais

O QUE É ALIMENTO TRANSGÊNICO?

O QUE É ALIMENTO TRANSGÊNICO? O QUE É ALIMENTO TRANSGÊNICO? OGM - Definição legal: organismo geneticamente modificado é aquele cujo material genético (ácidos desoxirribonucléico - ADN, e ribonucléico - ARN) tenha sido modificado por

Leia mais

Instrumentos da PNMA. EIA/RIMA

Instrumentos da PNMA. EIA/RIMA Instrumentos da PNMA. EIA/RIMA 1 AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA/RIMA OU EPIA/RIMA 2 2 EIA/RIMA OU EPIA/RIMA Legislação: A) Federal: Lei 6938/81 (PNMA), art. 9ª e 10. Resolução CONAMA 001/86 (Dispõe

Leia mais

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA CORES NA SEGURANÇA DO TRABALHO

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA CORES NA SEGURANÇA DO TRABALHO VERMELHO -DISTINGUIR E INDICAR EQUIPAMENTOS DE COMBATE A INCÊNDIO (EX.EXTINTRES, HIDRANTES, TUBULAÇÕES, HASTES, VÁLVULAS DE INCÊNDIO, CAIXAS DE ALARMES, BOMBAS DE INCÊNDIO, SIRENES, LOCALIZAÇÃO DE MANGUEIRAS

Leia mais

Propriedade Intelectual: the basic. - Velhas denominações, novíssimos conteúdos -

Propriedade Intelectual: the basic. - Velhas denominações, novíssimos conteúdos - Propriedade Intelectual: the basic - Velhas denominações, novíssimos conteúdos - Propriedade Intelectual Direito do autor Propriedade industrial direitos conexos patentes/modelo utilidade marcas indicações

Leia mais

Propriedade Intelectual: Noções e Fundamentos Gerais

Propriedade Intelectual: Noções e Fundamentos Gerais Propriedade Intelectual: Noções e Fundamentos Gerais Conceitos e Ramos da Proteção da Propriedade Intelectual Os conceitos e as classificações a serem apresentados são aplicados ao contexto nacional e

Leia mais

TUTELA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL DO MEIO AMBIENTE (Dano Ambiental e Responsabilidade Civil)

TUTELA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL DO MEIO AMBIENTE (Dano Ambiental e Responsabilidade Civil) TUTELA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL DO MEIO AMBIENTE (Dano Ambiental e Responsabilidade Civil) 1 TUTELA CIVIL Origem da responsabilidade civil A responsabilidade civil pode ter origem contratual (artigo 389,

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO E PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS

COMÉRCIO ELETRÔNICO E PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS COMÉRCIO ELETRÔNICO E PROTEÇÃO DOS DADOS PESSOAIS INTRODUÇÃO: Informática aspectos positivos celeridade da informação; Quantidade de informação # qualidade da informação; Direito proteção ao cidadão contra

Leia mais

O DIREITO DO TRABALHO - histórico

O DIREITO DO TRABALHO - histórico O DIREITO DO TRABALHO - histórico Aparece como a expressão do humanismo jurídico e instrumento de renovação social. Constitui atitude de intervenção jurídica em busca de um melhor relacionamento entre

Leia mais

CAPITAL SOCIAL: UM ENTENDIMENTO CONCEITUAL PRELIMINAR

CAPITAL SOCIAL: UM ENTENDIMENTO CONCEITUAL PRELIMINAR CAPITAL SOCIAL: UM ENTENDIMENTO CONCEITUAL PRELIMINAR Capital social: origem e evolução O capital social é um conceito novo com um crescimento rápido nas Ciências Sociais nos anos 90. Há dificuldade na

Leia mais