Bulimia? Você precisa de quê!? 1. Bulimia? You need what!?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bulimia? Você precisa de quê!? 1. Bulimia? You need what!?"

Transcrição

1 Bulimia? Você precisa de quê!? 1 Bulimia? You need what!? Michele Melo Reghelin 2 Bebida é água. Comida é pasto. Você tem sede de que? Você tem fome de que? A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte. A gente não quer só comida, a gente quer saída para qualquer parte. A gente não quer só comida, a gente quer bebida, diversão, balé. A gente não quer só comida, a gente quer a vida como a vida quer. Bebida é água. Comida é pasto. Você tem sede de que? Você tem fome de que? A gente não quer só comer, a gente quer comer e quer fazer amor. A gente não quer só comer, a gente quer prazer pra aliviar a dor. A gente não quer só dinheiro, a gente quer dinheiro e felicidade. A gente não quer só dinheiro, a gente quer inteiro e não pela metade. Bebida é água. comida é pasto. Você tem sede de que? Você tem fome de que? (Comida - Composição: Arnaldo Antunes, Marcelo Fromer e Sérgio Brito) Resumo: O presente trabalho objetiva analisar um caso de bulimia à luz da teoria psicanalítica. Busca entender como se configura tal patologia e qual o seu significado. Summary: This essay aims to analyze a case of bulimia In the light of the Psychoanalytical Theory. It also intends to understand how this pathology works and its meaning as well. Descritores: Bulimia, vazio e vínculo. Keywords: Bulimia, emptiness and bond. 1 Porto Alegre, outubro de Psicóloga, Membro Efetivo do CIPT. Disponível em: 241

2 Conforme a literatura, os transtornos alimentares são reconhecidos há milênios embora tenham sido bem definidos pela nosologia médica há pouco mais de 30 anos. Muito resumidamente, lembramos que a bulimia caracteriza-se por episódios recorrentes de compulsão por comida - a ingestão rápida de grandes quantidades de alimento seguida de métodos compensatórios inadequados, como vômito ou laxantes. Literalmente significa a fome bovina. A propósito do tema, vamos nos ocupar estritamente do aspecto psicanalítico e recomendamos outros textos para a revisão nosológica psiquiátrica. Pensamos que se trata de uma perturbação ligada ao vazio decorrente das falhas ocorridas na relação mãe-bebê, sendo que as inúmeras alterações peso, perturbação da imagem corporal são sintomas de um evento catastrófico na fixação do psico-soma; trata-se de uma soma-psicose. Este trabalho objetiva, então, traçar como se originaria a bulimia e qual o papel que representa como marca a subjetivação. Para isso, ilustraremos o tema com a apresentação de um caso clinico a partir do viés psicanalítico. Para Alterman (2001), essa patologia surge da mudança de hábitos alimentares, de mudanças de papéis nas estruturas familiares e, principalmente do elo que mãe e filha possuem desde o nascimento, o modo como o bebê recebe o alimento que a mãe oferece, como aprende o amor e como se vinculam. Para Jeammes (In Urribarri, 1999), bulimia é uma patologia do cruzamento, onde aparece neurose, psicose, perversão e psicossomática. Para Herscovici (1997), caracteriza-se pela ingestão de alimentos geralmente calóricos de uma vez só, buscando, em seguida, anular seus efeitos devido à culpa e ao remorso. Esses empanturramentos são conhecidos por binge. Geralmente os pacientes iniciam esse ritual após uma dieta severa, onde ficaram com déficit nutricional. Entretanto, com o passar do tempo o ritual se amplia e se aciona como resposta ao estresse. Os bulímicos denunciam-se pelas pistas que deixam: Desaparece comida e remédios; preocupam-se demais quando falam de peso e corpo, vão ao banheiro regularmente após as refeições, fazem exercícios exageradamente, alimentam-se com produtos dietéticos e aumentam de peso; em casos graves, a acidez do estômago, pelos vômitos freqüentes, coroe o esmalte dentário e o dorso da mão fica machucado pelo contato com os incisivos ao provocar vômito (sinal de Russel) mais freqüentes na anorexia nervosa, uma prima do transtorno em discussão. Além disso, há uma instabilidade de humor, sentem-se angustiadas, necessitam da aprovação do outro. A vida social e a auto-estima dependem do peso atingido. Se pensarmos nas esculturas e pinturas do Renascimento, o belo consistia em mulheres curvilíneas, que lembravam a sexualidade, onde o ventre era enaltecido, o que remete à idéia de maternidade. Porém, para Disponível em: 242

3 chegar até aí, é preciso percorrer um longo e árduo caminho que vai do auto-erotismo até sexualidade genital, construindo a identidade. Em contraste com a maturidade genital, a puberdade é um processo biológico, enquanto a adolescência é um fenômeno psicológico e social, diz Outeiral (1994). Adolescência vem do latim ad (a, para) e olescer (crescer) significando a condição para crescer. Também, deriva do latim adolescere, que significa adoecer. O autor menciona que as transformações corporais são vividas como ameaçadoras e invasoras no início da adolescência. Podem ser vividos de forma persecutória (onde o corpo é depositário de ansiedades confusionais e paranóides); maníacas (onde se nega a dor psíquica que ocorre durante esse movimento de transformação) ou fálica (onde ninguém pode falar sobre o que está acontecendo). Conforme Knobel (In Aberastury, 1981), o adolescente procura estabelecer sua identidade adulta apoiando-se nas primeiras relações objeto parentais internalizadas, verificando o ambiente e utilizando os elementos biofísicos que tendem à estabilidade da personalidade num plano genital, o que se consegue através de luto pela identidade infantil. Para Aberastury e outros (In Aberastury, 1981) durante o luto surgem defesas para negar a perda da infância. Quando o adolescente adquire sua identidade e aceita seu corpo, enfrenta o mundo com o seu sexo em todas as atividades. Assim, se separa da imagem dos pais para formar uma nova relação com eles.... tem que deixar de ser através dos pais para se chegar a ser ele mesmo (p66). Laura, vinte e quatro anos, procurou tratamento há um ano. Bonita, veste-se bem e está acima do peso adequado para sua idade e altura. É inteligente, culta, bastante afetiva, gosta de dar ordens, sendo às vezes rude, especialmente com a mãe. Possui amigas, freqüenta festas e lugares da moda. Geralmente, tenta ser agradável com as pessoas, mesmo quando estas são inconvenientes. Entrou para a faculdade, mas a abandonou por não gostar de estudar. Trabalha desde os quinze anos porque seus pais sempre a estimularam para isso; mora com a mãe e com o irmão mais novo e tem duas irmãs mais velhas. Os pais se separaram quando ela tinha quatorze anos devido ao fato de o pai ter se envolvido com uma mulher mais jovem, com a qual está casado e tem um bebê. Os pais da paciente oferecem-lhe uma boa situação financeira, estudos, oportunidades, interessam-se por ela e pelo seu futuro. Entretanto, eles parecem atribuir-lhe papéis que são deles. De acordo com Laura, o pai é bonito, elegante e bem sucedido profissionalmente. A mãe, por sua vez, é gorda, desorganizada, trabalhadeira e acredita que um dia o pai retornará ao lar. Menciona que os pais não tinham muito tempo para os filhos. Laura gosta de trabalhar, sair à noite com as amigas e namorar. Já teve alguns namorados e foi traída algumas vezes. Deseja ter o próprio negócio, morar sozinha e um dia casar e ter filhos, porém não consegue fazê-lo porque se sente gorda. Quando fica ansiosa ingere grande quantidade de alimento calórico até se empanturrar. Depois toma laxante, remédios e/ou vomita. O primeiro episódio de vômito aconteceu quando tinha 20 anos. Disponível em: 243

4 Refere que naquela época era magra e não se preocupava com dietas. Vomita sempre que se sente gorda e diz que são fases: fica seis meses sem vomitar, aí ocorre um episódio; deseja perder peso sem fazer esforço, não aceita praticar esportes e tem dificuldades para manter as dietas. Laura esta engordando, sente-se feia e sua vida social vem diminuindo. A origem do amor está ligada à necessidade de nutrição. O alimento representa o instrumento usado para acessar o amor e proteção, que nem sempre são sentimentos espontâneos. Dar alimento é a primeira experiência de troca, de vínculo, do ser humano. Freud (1896), na experiência de satisfação no Projeto, assinala que os enchimentos dos neurônios nucleares em psy objetiva a descarga pela via motora. Equiparando com o bebê, pensa-se que ele se expressa através das emoções, inervações musculares, etc. No entanto, para que seja atendido e obtenha satisfação, ele necessita da ajuda externa, da mãe, que lhe fornece o alimento; este que vem acompanhado de cheiro, toque, afeto. Assim, é possível pensar no tipo de comunicação que se estabelece entre a dupla. Este estado de necessidade implicará na representação dos restos mnêmicos. Freud, nas fases do desenvolvimento humano mostra que, ao nascer, o bebê e a mãe estabelecem uma fusão que chamamos de díade (relação a dois). Inicialmente, a mãe está indiscriminada do bebê; este pensa que ela é apenas uma extensão sua. A mãe o alimenta, cuida e proporciona diversas sensações que inauguram o campo sexual (a fase oral). Há um movimento de incorporação e identificação, apresentando uma relação de completude ilusória. Na mente da criança, a mãe ou é boa ou é ruim, e somente com a formação do objeto e constância do self é que é possível criar um objeto total (a fase anal). Essa separação deve ocorrer com a entrada de um terceiro na relação, alguém que exerça a função paterna (geralmente o pai) que apresentará a descoberta da castração (a fase pré-genital). O Complexo de Édipo é o precursor da consolidação das identificações. Num primeiro momento, a menina percebe a mãe como um ser passivo e castrado e tenta se identificar com o pai - Complexo de Édipo negativo. Num segundo momento, a menina reconhece o valor da mãe, suas qualidades e sua capacidade de seduzir, e por desejar um dia ser como ela e assim conquistar o pai busca identificar-se com a mãe - Complexo de Édipo positivo. O pai, por sua vez, mostrará que ele e a mãe fazem coisas do mundo adulto dos quais ela não pode participar. Então, a menina se dá conta que deve crescer, tornar-se mulher e conquistar outro homem para ela. Para Miranda (2005), as falhas ocorridas no processo identificatório, - onde as fases do desenvolvimento ficaram sem representação e onde não foi possível pensar a dor - geram um vazio fazendo com que o aparelho psíquico torne-se incapaz de representar o afeto, resultando os transtornos alimentares e adições oriundas dos actings, dissociações, vazio de significações, concretude das emoções e impulsividade devido à falta de pensamento - mundo sem palavras, sem sustento e sem sentido - onde self e objeto estão fundidos, sem singularidade. A partir disso, Disponível em: 244

5 pensa-se que o self de Laura está fundido com os objetos parentais impedindo-a de construir uma identidade da qual possa apropriar-se e se tornar adulta. Parece que ficou parada na fase oral, pré-genital, agindo como um bebê voraz, ao mesmo tempo em que necessita agradar o outro - estar sob o olhar externo - e dessa forma, talvez, estar sempre buscando corresponder e satisfazer o desejo alheio. Identificada com a mãe que, conforme a paciente é gordinha, Laura trabalha muito, sai somente com as amigas, não tem namorado e espera o pai voltar para casa. Ela estabelece uma relação simbiótica com a mãe que ora a narcisiza através de elogios e ora a rechaça e rivaliza com ela através de comparações físicas e de comportamento. Quando tenta diferenciar-se da mãe, as duas ficam angustiadas, porque Laura poderá trilhar um caminho diferente da mãe, onde se realize mais como pessoa e como mulher. Entretanto, terá que abandonar sua condição infantil, dependente da mãe e seguir em frente, por vezes sozinha, descobrindo e enfrentando as prerrogativas do mundo adulto, além dessa mãe ter que aprender a se virar sozinha (sic). Só assim poderá crescer, desenvolver sua feminilidade que está escondida e, assim, ter um companheiro. Neste momento, inverte os papéis de mãe e filha, projetando na mãe sua próprias dificuldades. Segundo Blos (1996), o primeiro processo de individuação se completa no final do terceiro ano de vida, com a obtenção da constância do objeto e do self. O segundo processo de individuação acontece durante a adolescência. O desligamento dos objetos internalizados abre caminho para a descoberta de objetos externos. Antes, o ego parental era uma extensão arcaica do ego da criança que ajudava no controle da ansiedade e regulação da auto-estima. Com o desligamento das dependências infantis na adolescência, observamos a fragilidade do ego devido à intensificação dos impulsos. Fica claro que sem um desligamento bem sucedido dos objetos infantis internalizados, a descoberta de novos objetos amados torna-se impedida. Sendo assim, esse desligamento acompanha o amadurecimento do ego. A individuação então, implica em assumir responsabilidades - não projetá-las nos outros. Na adolescência, a regressão do ego e do impulso constitui componente obrigatório do desenvolvimento normal. O desligamento dos objetos infantis exige a descatexização, antes que a libido possa novamente buscar gratificação. Na adolescência, a libido objetal é tirada de objetos externos e internos e convertida em libido narcisista e desviada para o self. A inundação do self com libido narcisista tem o efeito de auto-engrandecimento e super valorização do corpo e mente. A bulímica fica numa posição narcísica primária, onde se sente fusionada com a mãe (Kohut, 1984). A idealização da imago parental decorre do narcisismo original da criança. No decorrer do tempo, muda o aparelho cognitivo da criança, muda-se a imagem do genitor. Durante esse período, ocorrem gratificações e frustrações que, a princípio, são reconhecidos como externas ao self e, gradativamente, são percebidas Disponível em: 245

6 como objeto total. As qualidades idealizadas são amadas e, caso o psiquismo tenha sido privado de qualificação instintiva, transformará a imago objetal em objeto introjetado. Um desapontamento grave com o objeto edípico idealizado no começo da latência Pode desfazer uma idealização precocemente estabelecida no superego; pode recatexizar a imago do objeto idealizado e assim, conduzir a uma renovada insistência na busca de um objeto externo de perfeição (p42). Que é o caso de Laura. O ideal seria desidealizar gradativamente e internalizar tais catexias, dando continuidade ao que antes o objeto preenchia. Se isso não acontece, não se adquire a estrutura interna necessária, com todas as aquisições, ficando o psiquismo fixado à imago objetal arcaica, fazendo que sempre dependa de certos objetos - estes que não são reconhecidos pelos seus valores, mas sim por substituírem as funções que não foram estabelecidas na infância - o que seria uma forma intensa de fome objetal. Assim, Alterman (2001) menciona que uma mãe que transmite uma mensagem ambivalente de ódio e amor para sua filha é uma mãe imatura com seus conflitos infantis. A mãe é sempre um modelo para a filha, mas nesta situação, a mãe também a inveja e rivaliza com ela, subordinando-a às suas próprias necessidades infantis e narcísicas. A conduta da bulímica, então, é auto-agressiva, pois se origina a partir da culpa que a adolescente sente por ser tão jovem, objeto de inveja por parte da mãe que gostaria de ser assim também. Dessa forma a mãe condena a filha a uma simbiose com ela. Laura não foi investida narcisicamente o suficiente pela mãe; conforme conta, seus pais eram exigentes e não tinham tempo para cuidar dos filhos, apesar de lhes darem educação, apoio e gostarem deles. Aos quatorze anos, quando seus pais se separaram, ela não conseguiu demonstrar seus sentimentos de tristeza e raiva por medo de perder, definitivamente, o amor dos pais. Não conseguiu manifestar sua tristeza e raiva, pois temia perder o amor do pai que, por tempos, ficou afastado dos filhos. Laura guarda tais sentimentos e raras vezes consegue lembrarse de como foi a separação dos pais porque é muito doloroso. Decepcionou-se muito com o pai por ter enganado e traído a mãe com uma moça bem mais jovem - confirmando a fantasia infantil do incesto. A partir daí envolveu-se com rapazes que a traíram e, com o correr do tempo, desenvolveu a bulimia e engordou muito, ficando identificada com a mãe: gordinha, infeliz, sem namorado e a espera do pai - apesar de negar isso. A paciente age sempre de forma a satisfazer o desejo dos outros e não o seu próprio, o que lhe gera um imenso vazio, parecendo preencher-se através de grande quantidade de alimento. A repetição do ato cava o buraco que se esforça por cobrir (Brusset In Urribarri, 1999, p.96). Disponível em: 246

7 Conforme Zimermann (1998), o aparelho psíquico deve conter a tensão psíquica, postergar satisfação e antecipar a previsão de que o objeto saciador aparecerá (mãe). Pensar consiste em estabelecer correlações, vinculações, confrontamentos e integração de idéias, além de discriminar o verdadeiro do falso, transformar sentidos e significações, raciocinar, julgar, conceituar, ponderar, abstrair, formar símbolos, decidir. Assumir a dor mental é a única forma de o sujeito reintegrar os seus aspectos que estavam dissociados e projetados dentro de outras pessoas, e de suportar as inevitáveis frustrações pelas perdas, privações ou faltas, e assim substituir os vazios resultantes das perdas por uma formação de símbolos. Para ele, isso é que inaugura a condição de ser pensador, e cita Renato Tratchenberg que diz que pensador é aquele que pensa a dor (sic). Em vários momentos Laura trouxe que pensar doía e era cansativo e, para evitar a dor, sempre trazia outros assuntos que não o sofrimento dela, negando o vazio que sentia para se acalmar. A realidade, para esta paciente, é cruel e é sentida como um ataque a ela. Sendo assim, ela tenta constantemente negar o problema que tem. Desde que iniciou o tratamento, faz uma dissociação onde só conta uma parte do problema, omitindo seus episódios de vômito. Quando me aproximo e tento mostrar o sofrimento existente, fica resistente, chegando atrasada e faltando. É muito difícil para ela enxergar a realidade e tolerar suas frustrações, pois é como um bebê: Voraz, que necessita tudo o que lhe dê somente prazer. Toda raiva que sente guarda dentro de si - dirige contra o ego - necessitando colocar para fora - esvaziar-se - através do vômito. Não consegue dividir o medo e a preocupação que sente: como poderia contar para alguém sem saber o que fazer antes? (sic). O objetivo do tratamento consiste em diminuir a dissociação e reconectar a idéia à emoção através da palavra. Essas pessoas tentam se livrar do vazio e da solidão que sentem. O analista e o tratamento são tratados como alimento: Consumidos vorazmente antes de haver um significado para o sujeito (Brusset 2001). Por isso, o analista deve proporcionar espaço onde a subjetividade do sujeito tome forma através da palavra. Quando isso acontecer, significa que o paciente foi capaz de se deparar com a dor e a realidade na qual está inserido, podendo agora pensar sobre. A partir daí cria-se um novo campo para resignificar o que, até então, está oculto. Não precisa mais haver economia de energia psíquica. A fantasia de incorporação lembra Torok (1995); tem o efeito de linguagem rudimentar. Dar alimento como resposta não acalma a fome real da introjeção, apenas engana. Essa atitude se produz na posição maníaca na qual o ego se ilude com a idéia de que comendo dá-se uma introjeção imediata, pois anuncia ao seu inconsciente que come, mas a palavra é vazia. A fantasia de incorporação pode significar um desejo de introjeção impossível, ou que a introjeção aconteceu ou que há um Disponível em: 247

8 deslocamento da introjeção. A fome a saciar equivaleria a um desejo oculto, ainda não introjetado. A voracidade é uma ânsia impetuosa e insaciável, que excede aquilo que o sujeito necessita e o que o objeto é capaz e está disposto a dar. A nível inconsciente, a voracidade visa, primariamente, escavar completamente, sugar até deixar seco e devorar o seio; ou seja, seu objetivo é a introjeção destrutiva... (Klein, 1991, p212). A paciente introjeta os aspectos bons e maus da mãe e se identifica com eles. Nega a realidade triste e cruel que vem enfrentando sozinha ao longo dos anos. Cinde a realidade e projeta nos outros aspectos seus, os quais teme assumir. É onipotente, acha que não precisa da ajuda dos outros e que, sem ela, o trabalho não funciona e a mãe não vive. Intelectualiza, desmente e faz formações reativas. Laura busca somente situações que lhe proporcionem prazer, nem que para isso precise anular sua verdadeira identidade ao moldar-se ao desejo do outro. Parece uma moça perdida no mundo dos sonhos perfeitos, sendo assim intolerável a realidade e impossível de realizar desejos ocultos. Isso impede sua espontaneidade, criatividade e crescimento como adulta e como mulher. Laura não sabe qual é sua verdadeira identidade: quem é, o que deseja... Ela não tem identidade e espera que algo externo lhe conceda isso. Ex. quando eu tiver a minha empresa serei (sic). Só sabemos do que gostamos quando temos uma identidade, e para ela, nada tem sabor. Ex. Viajarei para o exterior, mas não vejo graça nisso. Grande coisa! (sic) Demonstra que muitas vezes é uma pessoa vazia dando a idéia de ser um falso self. Quando a paciente se vê angustiada com seus problemas como, por exemplo, não ter namorado e se achar feia, não consegue pensar, nomear as suas ansiedades, projetando no próprio corpo tais emoções. Então revoltada, ingere uma grande quantidade de alimento, me empanturro, devoro o que vem pela frente (sic). Após esse ato impulsivo e desenfreado, sente um remorso muito grande e vai até o banheiro, onde provoca o vômito com o dedo na boca. Dessa forma, sente-se aliviada. Seu superego é rígido, o que a impede de sentir raiva e ou ciúmes, fazendo com que dirija tais impulsos ao próprio ego através da excessiva ingestão alimentar. Dessa forma, sente-se muito envergonhada e culpada. O ego ideal (narcísico, pré-edípico) é mais difícil alcançar:... quero ser perfeita (sic). Uma completude inatingível. 0 vômito é uma saída entre a apetência e o desejo de emagrecer e conservar o vazio do corpo; é um sintoma, uma defesa e também a realização de um fantasma, conforme Brusset (2001). Os episódios bulímicos consistem num rito de expiação e purificação o que nos remete a pensar que fantasmas estariam aí escondidos. Ademais, o vômito consiste na expulsão do objeto bom incorporado (que se tornou mau) eis que não satisfez a pulsão ou porque a destruiu, tornando insuportável Disponível em: 248

9 tolerar o desprazer. Em Totem e Tabu, Freud (1913) refere que o clã celebra a morte do animal totêmico através de uma refeição onde o comem cru. Conscientemente, cada membro acha que realiza um ato proibido e após o seu término, o luto torna-se obrigatório devido ao medo que sentem de sofrerem uma desforra, de serem vingados, o que faz pensar num rito de expiação que se equipara ao vômito da bulímica. A bulimia se caracteriza pela apetência objetal, (Jeammet In Urribarri, 1999). Busca um objeto a consumir ou para apoiar-se e o encontro com esse objeto se agrava, pois gera uma excitação interna quando se dá pela rejeição e ou indiferença - o narcisismo se sustenta pelos objetos externos. No processo de diferenciação ficaram frágeis os limites e as internalizações. A fragilidade narcísica da bulímica se encontra nas relações, no modo como se vê e na natureza de sua regressão. Para o autor, pode-se dizer que a bulimia é a perversão das pulsões de autoconservação porque ela impede a satisfação completa na medida em que o bulímico consegue perceber que há algo errado consigo mesmo (egodistonia) e dessa forma torna possível a sublimação. Porém, a falta de sublimação gera esse ato repetitivo de loucura, o sintoma. O autor ainda lembra que para Freud falta sempre algo para que a descarga e a satisfação sejam completas, o que faz pensarmos numa regressão a fase oral pré-genital, onde não há gozo. Essa ânsia pela satisfação imediata, diz Schevach (In Urribarri, 1999) nos remete ao processo primário onde, na busca do prazer, prevalece o afeto sobre a representação, devido à precariedade simbólica, esquecendo-se o pensar e atuando, dificultando as negociações entre as instâncias psíquicas (id, ego e superego) e impedindo as formações de compromisso. Assim, falha a repressão secundária gerando os sintomas. Como diz Freud (1996) a pessoa histérica retém afeto com o qual não lidou e quando são provocadas aumentam a tal ponto do indivíduo não conseguir tolerar, convergindo para o corpo. Então é preciso conectar esse afeto com seu significado, e assim, dar um sentido que a faça manter dentro de si o que é dela diminuindo a projeção. Considerações finais Quando nascemos, ansiamos pelo leite materno, mas após algumas mamadas, não é mais essa a fome que buscamos saciar. O toque, o cheiro, o calor que estão implícitos aí tomam formas simbólicas, as quais buscaremos por toda a vida nos relacionamentos que vivenciarmos. Daí por diante, passamos por algumas fases do desenvolvimento até chegarmos à fase adulta, onde nossa identidade estará consolidada. A bulimia gira em torno da identidade do indivíduo, esta que é formada na adolescência. E para isso é necessário formar um bom vínculo com os objetos parentais, que lhes servirão de modelo no futuro. Disponível em: 249

10 Para Cordas (2005) a idéia de ser magro está associada com a idéia de ser competente, ter autocontrole e sentir-se superior, o que muitas vezes leva a crença de que é tudo ou nada, confirmando o sentimento de ser incapaz de tolerar a frustração. Os bulímicos, como Laura, possuem uma dissociação entre ego real e ego ideal gerando uma negação do conflito existente. Tenta ser perfeita em tudo que faz, carregando dentro de si a mensagem de que o eu precisa corresponder as expectativas do outro para ser amada. O fato dela apresentar o sintoma de vômito, ou seja, expelir concretamente suas emoções que não conseguem ser colocadas em palavras, aponta, por incrível que pareça, para algo saudável dela, na medida em que percebe que há algo estranho acontecendo consigo. E assim é Laura. Uma menina em busca do seu verdadeiro eu, apresentando baixa tolerância à frustração e dificuldades para adiar a gratificação imediata. Nega as perdas que teve e vai num crescente desenfrear de voracidade, engolindo o que vem pela frente, sem pensar sem sentir. Encontra-se na fase pré-genital, onde tem fixações na fase oral, no momento tentando sair da posição narcísica - na qual depende do objeto - e ingressando na posição edípica - onde se depara com a castração e com a falta. Apresenta dificuldades para expressar sentimentos de raiva e mostrar desejos que sejam diferentes dos demais, pois teme desapontar outras pessoas. É voraz, impulsiva e sedutora. No que tange ao trabalho, é muito responsável, dedicada e controlada; uma excelente profissional. Entretanto, investe muito mais libido no mundo externo do que em si mesma, o que demonstra sua baixa auto-estima. Sua mãe não conseguiu narcisizá-la o suficiente para que ela se sentisse amada e desejada e, conseqüentemente, conseguisse libertar-se do pai e ir na busca do seu espaço no mundo. Penso na figura de mãe e de mulher que está representada na mente do pai, este por sua vez, passa à filha uma imagem depreciativa da mulher que ele não mais desejou, o que aponta que Laura é usada para conter as identificações projetivas da mãe, o que seria então tema para outro trabalho... Portanto, Miranda (2005) compara a psicanálise com a geologia dizendo que lidamos Com vidas mentais ossificadas, onde as mudanças climáticas variam por vezes na mesma sessão, ou ainda, na mesma fala, passando da era glacial, com pontas de iceberg por todo lado, até áreas áridas e abafadas, quando não caímos em terrenos pantanosos, cheios de areia movediças, impossibilitados de caminhar (p3)". E salienta assim o cuidado que o analista deve ter para não cair nas fendas glaciais, onde poderá haver o rompimento ou a perda de apetite pelo trabalho. Ora, Laura vem à sessão satisfeita - posição maníaca - ora vem triste - depressiva. O objetivo do tratamento é dar-lhe a ferramenta para que possa descobrir quem é, o que realmente deseja e, assim, poder Disponível em: 250

11 explorar seu corpo. Para isso, é preciso ajudá-la a pensar, ainda que isso seja dolorido. Ela precisa adquirir a capacidade simbólica dos seus sentimentos para poder parar de atuar através da ingestão de alimentos e posterior esvaziamento. É preciso que sinta-se mulher, capaz de arcar com suas responsabilidades, capaz de demonstrar sentimentos, capaz de sentir sua própria sexualidade e assim poder complementar-se com o outro. Referências bibliográficas ABERASTURY, Arminda e outros. Adolescência e psicopatia. In: Adolescência normal: um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artes Médicas, ABRAHAM, Nicolas. Torok, Maria. A doença do luto e fantasia do cadáver saboroso. In: Torok, Maria. A casca e o núcleo. São Paulo: Editora Escuta, Alimentos Saudáveis, alimentos perigosos: guia prático para uma alimentação rica e saudável. Rio de Janeiro: Reader s Digest, ALTERMAN, Marta. Anorexia y bulimia: um problema de identidade. Actualidad Psicologica. Transtornos Alimentarios. Jul p BRUSSET, Bernard. bulimia: introdução geral. In: URRIBARRI, Rodolfo. Anorexia e bulimia. São Paulo: Escuta, BRUSSET, Bernard e outros. De la bulimia a los vómitos adictivos. Actualidad Psicologica. Transtornos Alimentarios. Jul p. 2-6 BLOS, Peter. Transição adolescente: questões desenvolvimentais. Porto Alegre: Artes Médicas, CORDA Táki Athanássios. AZEVEDO, Alexandre Pinto de. Contra os estigmas da balança. In: Viver mente e cérebro. São Paulo, set p FREUD, S. Casos Clínicos (5) Srta. Elisabeth Von R. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Ed. Standard Brasileira. Rio de Janeiro: Imago, vol.ii. Projeto para uma psicologia científica. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, Vol.I Disponível em: 251

12 . Totem e Tabu. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Ed. Standard Brasileira. Rio de Janeiro: Imago, vol.xiii HERSCOVICI, Cecile Raush. A escravidão das dietas: um guia para reconhecer e enfrentar os transtornos alimentares. Porto Alegre: Artes Médicas, JEAMMET, Philippe. bulimia: introdução geral. In: URRIBARRI, Rodolfo. Anorexia e bulimia. São Paulo: Escuta, JOSEPH, Beth. A inveja na vida cotidiana. In: Equilíbrio psíquico e mudança psíquica. Rio de Janeiro: Imago, KNOBEL, Maurício. A síndrome da adolescência normal. Adolescência e psicopatia. In: Adolescência normal: um enfoque psicanalítico. Porto Alegre: Artes Médicas, 1981 Kohut, Heinz. Self e Narcisismo. Rio de Janeiro: Zahar Editores S.A LEAL, Glaucia. Você tem fome de quê? Viver mente e cérebro. São Paulo, set p MIRANDA, Marina Ramalho. Distúrbios da Alimentação: anorexia, bulimia e compulsões: histórias de segredos e paixões. São Paulo, nov Apresentado no XX Congresso Brasileiro de Psicanálise. OUTEIRAL, José Ottoni. Adolescer: estudos sobre adolescência. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, SCHEVACH, Judith V. Goldschimidt de. Idéias de Bernard Bruset em Psicoptologia e metpsicologia da dependência bulímica. In: URRIBARRI, Rodolfo. Anorexia e bulimia. São Paulo: Escuta, ZIMERMANN, David E. Nossos pacientes sabem pensar. Ribeirão Preto, set Trabalho apresentado no II encontro do grupo de estudos de psicanálise de Ribeirão Preto. Disponível em: 252

Bulimia? Você precisa de quê!? Michele Melo Reghelin 2007 1

Bulimia? Você precisa de quê!? Michele Melo Reghelin 2007 1 Bulimia? Você precisa de quê!? Michele Melo Reghelin 2007 1 Bebida é água. Comida é pasto. Você tem sede de que? Você tem fome de que? A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte.

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

MOVIMENTO PSICANALÍTICO

MOVIMENTO PSICANALÍTICO MOVIMENTO PSICANALÍTICO Sigmund Freud (1856-1939) Psicanálise: escola psicológica que busca penetrar na dimensão profunda do psiquismo humano. Objeto de Estudo: o inconsciente Métodos: 1. Hipno-catártico

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa)

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Edson Saggese Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutor em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ, psiquiatra, psicanalista,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE

DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Rede7 Mestrado em Ensino do Inglês e Francês no Ensino Básico ÁREAS DE DESENVOLVIMENTO: DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DA PERSONALIDADE Teorias Psicodinâmicas A Psicanálise de Sigmund Freud A perspectiva de

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas )

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) 1 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) I) DEFINIÇÃO A personalidade é a totalidade relativamente estável e previsível dos traços emocionais e comportamentais que caracterizam a

Leia mais

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana

Fome de quê? Daniela Goulart Pestana Fome de quê? Daniela Goulart Pestana O trabalho a seguir fruto de um Cartel sobre sintomas alimentares, propõe a ser uma reflexão dos transtornos alimentares mais comuns de nossa contemporaneidade. O eixo

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 Anelise Scheuer Rabuske Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de,

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

de continuidade, que integraria as experiências já vividas com as atuais, promovendo uma sensação de ser o mesmo, ontem e hoje.

de continuidade, que integraria as experiências já vividas com as atuais, promovendo uma sensação de ser o mesmo, ontem e hoje. 3 Adolescência O significado etimológico da palavra adolescência condiz com o processo vivido nesta etapa da vida, já que vem do latim ad (a, para) e olescer (crescer), referindo-se, portanto, ao processo

Leia mais

Seminários Psicanalíticos 2014

Seminários Psicanalíticos 2014 Seminários Psicanalíticos 2014 CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNDO MENTAL BODERLINE: Teoria e manejo técnico Mara Guimarães Pereira Lima Degani Breve histórico Borderline = Limítrofe = Fronteiriço Conhecidos também

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS

PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA COM CRIANÇAS Marien Abou Chahine 1 Resumo Este artigo é resultado da mesa do IV Congresso de Psicologia da Unifil, cujo objetivo foi explanar sobre a prática da Psicanálise com

Leia mais

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade

Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Quando a cirurgia falha - as implicações da melancolia no tratamento cirúrgico da obesidade Camila Chudek Ribeiro 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A obesidade tem atingido níveis epidêmicos na atualidade.

Leia mais

A FAMÍLIA, SEGUNDO A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA

A FAMÍLIA, SEGUNDO A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA A FAMÍLIA, SEGUNDO A ANÁLISE PSICO-ORGÂNICA Delfina Pimenta Professora de Graduação e de Pós-Graduação em Psicomotricidade, Psicóloga, Psicomotricista e Psicoterapeuta Corporal formada pela EFAPO/CEBRAFAPO

Leia mais

Psicologia Educacional

Psicologia Educacional O que é psicanálise? Psicologia Educacional Pedagogia 1º semestre PSICANÁLISE Professora Miriam E. Araújo Uma área do conhecimento científico que busca compreender o psiquismo humano com um método e um

Leia mais

Mordidas e agressões na escola

Mordidas e agressões na escola Mordidas e agressões na escola É muito comum que nas escolas de educação infantil, mais especificamente nas turmas de maternal, de crianças com aproximadamente dois anos de idade; aconteçam as mordidas

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA CAPACIDADE DE AMAR MICHELE GONÇALVES VIDAL

A CONSTRUÇÃO DA CAPACIDADE DE AMAR MICHELE GONÇALVES VIDAL 73 A CONSTRUÇÃO DA CAPACIDADE DE AMAR MICHELE GONÇALVES VIDAL A construção da capacidade de amar se dá a partir das primeiras relações do bebê, a criança não ama sua mãe quando nasce, porém possui esta

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Isabel Lopes 1 É um Distúrbio Psíquico de carácter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL

KratsPsiquê CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL CONCEITOS BÁSICOS DE DIMENSÃO COGNITIVA, AFETIVA E COMPORTAMENTAL Processos psíquicos envolvem duas áreas do processo psicológico, uma refere-se à cognição e a outra à dimensão afetivo-emocional. Ambas

Leia mais

e suas contribuições para a psicanálise atual

e suas contribuições para a psicanálise atual CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ Ana Paula Sampaio Valera RA 2135001778 Damaris Lima de Oliveira.. RA 2120208661 Maria Anália de Souza Kuball RA 2121215410 Meire de Lima Araújo RA 2135001818

Leia mais

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS

PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS 1 PSICANÁLISE: UM SOBREVÔO SOBRE A HISTÓRIA DE SIGMUND FREUD E DE SUAS IDÉIAS Sandra Mara Volpi 1856: Nasce Sigmund Freud, onde hoje localiza-se a Tchecoslováquia, em uma família de origem judaica em que

Leia mais

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 713 BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia

Leia mais

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924)

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) A dissolução do complexo de Édipo Comentários sobre A dissolução do complexo de Édipo (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) Em extensão sempre crescente, o complexo de Édipo revela sua

Leia mais

Obesidade e Transtornos Alimentares

Obesidade e Transtornos Alimentares Obesidade e Transtornos Alimentares NECPAR Maringá 26 e 27 de Julho de 2013 Transtornos Alimentares (TA) Características Gerais: Severas perturbações no comportamento alimentar, que trazem sérios comprometimentos

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

A Dor da Alma Uma Interface entre a Psiquiatria e a Psicanalise

A Dor da Alma Uma Interface entre a Psiquiatria e a Psicanalise A Dor da Alma Uma Interface entre a Psiquiatria e a Psicanalise Ana Rita Menezes da Silva Pineyro 1 Oh, pedaço de mim Oh, metade arrancada de mim Leva o vulto teu Que a saudade é o revés de um parto A

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS 1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS Orientadora: Profa Dra Maria Anita Carneiro Ribeiro Rio de Janeiro Agosto.2014

Leia mais

Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato

Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato Mães sem nome: a perda de um filho por assassinato Luciana Tiemi Kurogi 1 Maria Virginia Filomena Cremasco 2 A morte é algo muito difícil de ser explicado, por se tratar de um fenômeno que desconhecemos

Leia mais

DISTÚRBIOS ALIMENTARES

DISTÚRBIOS ALIMENTARES CLÍNICA PEDIÁTRICA VER CRESCER DISTÚRBIOS ALIMENTARES Castelo Branco DISTÚRBIOS ALIMENTARES Conjunto de doenças provocadas por alterações significativas nos hábitos alimentares diários, tanto por ingestão

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS

ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS Alessandra da Silva Eisenreich RESUMO Trabalho, família, casa, celular conectado 24h por dia, com tantas demandas onde sobra um espaço

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE Apresentação Seja bem vindo ao curso de Formação em Tanatologia à distancia oferecido pela Rede Nacional de Tanatologia. Você será acompanhado em seus estudos por

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

1 - Noção de comportamento aditivo

1 - Noção de comportamento aditivo Módulo Nº 4 COMPORTAMENTOS ADITIVOS 1 - Noção de comportamento aditivo Entende-se por comportamento aditivo ou dependência, qualquer atividade, substância, objeto ou comportamento que se tornou o centro

Leia mais

Laís, a fofinha. guia para pais. Walcyr Carrasco

Laís, a fofinha. guia para pais. Walcyr Carrasco ilustrações de Jean-Claude R. Alphen Guia para pais Laís, a fofinha Walcyr Carrasco série todos juntos Laís foi morar em outra cidade e, na nova escola, os colegas não param de lhe dar apelidos desagradáveis

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

EM BUSCA DO CORPO PERFEITO: UM ESTUDO DO NARCISISMO

EM BUSCA DO CORPO PERFEITO: UM ESTUDO DO NARCISISMO 1 EM BUSCA DO CORPO PERFEITO: UM ESTUDO DO NARCISISMO Shirlaine Nascimento de Azevedo Resumo A incessante busca pelo corpo perfeito é um sintoma contemporâneo que aponta para desejos e questões da atualidade.

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

A Agressividade 1. The Aggressiveness

A Agressividade 1. The Aggressiveness A Agressividade 1 The Aggressiveness Fábio Stocker 2 Que poderoso obstáculo à civilização a agressividade deve ser, se a defesa contra ela pode causar tanta infelicidade quanto a própria agressividade!

Leia mais

Palavras-chave Transtornos alimentares, anorexia nervosa, obesidade, ansiedade, reeducação alimentar.

Palavras-chave Transtornos alimentares, anorexia nervosa, obesidade, ansiedade, reeducação alimentar. Geração Saúde II Episódio 6 Anorexia, uma doença silenciosa Resumo A personagem central deste episódio é Leila, uma adolescente em vias de desenvolver um transtorno alimentar. Ao se olhar no espelho, Leila

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

DO MOVIMENTO LIVRE A DESCARGA BIOENERGÉTICA POTÊNCIA ORGÁSTICA

DO MOVIMENTO LIVRE A DESCARGA BIOENERGÉTICA POTÊNCIA ORGÁSTICA 1 DO MOVIMENTO LIVRE A DESCARGA BIOENERGÉTICA POTÊNCIA ORGÁSTICA Antônio Roberto de Sousa Henriques e Alessandra da Silva Eisenreich RESUMO A ausência de pulsação biológica e a neurose são os mecanismos

Leia mais

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Belo Horizonte 1999 INTRODUÇÃO A Psicologia Comunitária tem sido um dos campos onde a Psicologia tem tido um expressivo crescimento. Trabalhar em comunidades

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro

A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro 1 A DANÇA DO VENTRE COMO INSTRUMENTO NA PSICOTERAPIA CORPORAL PARA MULHERES Elizabeth Moro A busca por esse trabalho teve inicio, quando de alguma forma, eu procurava encontrar explicações psicológicas,

Leia mais

Patologias alimentares e adolescência: a questão do feminino

Patologias alimentares e adolescência: a questão do feminino Lilia Frediani Martins Moriconi, Tatiana Luisa Cerqueira da Silva e Marta Rezende Cardoso Patologias alimentares e adolescência: a questão do feminino Apresentamos um breve estudo teórico-clínico sobre

Leia mais

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE Élide Dezoti Valdanha, Fernanda Kimie Tavares Mishima e Valéria Barbieri. INTRODUÇÃO De acordo com o DSM-IV-TR - Manual

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS Centro Universitário de Brasília FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - FACS CURSO: PSICOLOGIA REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS CAROLINA MOURA BENTO BRASÍLIA NOVEMBRO/2005 CAROLINA MOURA BENTO REFLEXÕES

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL Professor Responsável: Mohamad A. A. Rahim Quadro sinóptico baseado na bibliografia sugerida em cada aula DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL 1. SEXUALIDADE E LIBIDO Libido : é uma fonte original de energia afetiva

Leia mais

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA...

DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... DOENÇA SOMÁTICA E NEUROSE: SACRIFÍCIO DE UM CORPO, SACRIFÍCIO DE UMA VIDA... Autora: Cristiana Rodrigues Rua O objetivo deste trabalho é formular algumas hipóteses a partir do relato de uma psicoterapia

Leia mais

X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010. Decio Tenenbaum

X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010. Decio Tenenbaum X Congresso Sul Mineiro de Medicina Psicossomática Caxambu, novembro/2010 Decio Tenenbaum Biológica Psicológica Ôntica Social Cultural Espiritual Níveis de consciência (transcendência) Somos formados por

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010 Trabalho para Mesa-redonda TÍTULO: Amor e ódio na neurose obsessiva: a questão do domínio

Leia mais

O estados-limite e o narcisismo freudiano. Tiago da Silva Porto

O estados-limite e o narcisismo freudiano. Tiago da Silva Porto O estados-limite e o narcisismo freudiano Tiago da Silva Porto Onde inserir os pacientes estados-limite dentro da metapsicologia freudiana? O que há é uma nova patologia que não existia no início do século

Leia mais

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO Sérgio Scotti Lacan dizia que a única coisa da qual se pode ser culpado, pelo menos da perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

SUPERVISÃO DE UM MATERIAL CLÍNICO DE ANÁLISE DE CRIANÇA UTILIZANDO A TÉCNICA DE ANNA FREUD.

SUPERVISÃO DE UM MATERIAL CLÍNICO DE ANÁLISE DE CRIANÇA UTILIZANDO A TÉCNICA DE ANNA FREUD. SUPERVISÃO DE UM MATERIAL CLÍNICO DE ANÁLISE DE CRIANÇA UTILIZANDO A TÉCNICA DE ANNA FREUD. Vera Márcia Ramos Membro efetivo e didata da SPRJ O objetivo dessa supervisão foi contribuir com a minha visão

Leia mais

Capítulo 10: Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Adolescência (Pg. 310 à 312)

Capítulo 10: Desenvolvimento Físico e Cognitivo na Adolescência (Pg. 310 à 312) Roteiro Aula 05 Data: 01/10/2014, 08/10/2014 e 15/10/2014 Professora: Ms Ludmilla de Sousa Chaves Cronograma: 2.2 Características específicas do desenvolvimento do Adolescente 2.2.1 Sexo, Droga, Gravidez

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012 Título: A sintonia do eu com o sintoma: a problemática da angústia na neurose obsessiva Autora: Simone Souto Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

ESTRUTURAS PSÍQUICAS

ESTRUTURAS PSÍQUICAS ] ESTRUTURAS PSÍQUICAS ESTRUTURAS PSÍQUICAS (Bergeret) Na linguagem usual, estrutura é uma noção que implica uma disposição complexa, estável e precisa das partes que a compõem. É o modo pelo qual um todo

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

I - A evolução da Psicanálise

I - A evolução da Psicanálise Necessidades e cuidados no setting. Rosa M. C. Reis. Membro Efetivo da SPRJ - Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro FEBRAPSI Federação Brasileira de Psicanálise IPA - International Association Psychoanalytical

Leia mais

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito

Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito Acting out: como tirar proveito dele? Lacan nos diz no seminário As formações do inconsciente, coisas muito interessantes a respeito do acting out, entre elas, que ele é uma mensagem... sempre dirigido

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1

Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Quais as condições necessárias para uma análise com autista? 1 Maria Auxiliadora Bragança de Oliveira Este trabalho começa com uma modificação em seu título. Em lugar de perguntar Quais as condições necessárias

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

Transformações na intimidade no século XXI

Transformações na intimidade no século XXI Transformações na intimidade no século XXI Sissi Vigil Castiel* A clínica de anos atrás era freqüentada principalmente por mulheres que vinham por desventuras amorosas, por não entenderem o que os homens

Leia mais

O Desenvolvimento Emocional na Adolescência

O Desenvolvimento Emocional na Adolescência O Desenvolvimento Emocional na Adolescência O Ambiente e os Processos de Maturação (Família - Escola - Sociedade) material didático: www.tenenbaum.com.br end. correspondência: decio@tenenbaum.com.br O

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL: ERIK ERIKSON

O DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL: ERIK ERIKSON O DESENVOLVIMENTO PSICOSSOCIAL: ERIK ERIKSON DADOS BIBLIOGRÁFICOS Erik Erikson nasceu na Alemanha, em 1902, e morreu em 1990. Uniu-se ao grupo de Freud em 1927; Psiquiatra infantil, emigrou para os EUA

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40

Questão Resposta Questão Resposta 1 21 2 22 3 23 4 24 5 25 6 26 7 27 8 28 9 29 10 30 11 31 12 32 13 33 14 34 15 35 16 36 17 37 18 38 19 39 20 40 SIMULADO SOBRE TEORIAS DA PERSONALIDADE Aluno(a) A prova contém 40 questões de múltipla escolha. Utilize a folha de respostas abaixo para assinalar suas respostas. Ao final da prova, devolva apenas esta

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

Doenças do Comportamento. Alimentar

Doenças do Comportamento. Alimentar Doenças do Comportamento Sinais de alarme: Alimentar Diminuição da ingestão alimentar Ingestão de grandes quantidades de alimentos Aumento do consumo de água Omissão de refeições Restrição da qualidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR Jane Kelly de Freitas Santos (apresentador) 1 Maria Cecília Braz Ribeiro de Souza (orientador) 2 1 Curso de Pedagogia

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais