REGULAMENTO DE OBRAS OBRAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE OBRAS OBRAS-001 1 1-26"

Transcrição

1 DE OBRAS OBRAS DE OBRAS DO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS II 1 PARA APROVAÇÃO DE PROJETO Os proprietários e seus contratados (engenheiros e arquitetos) são obrigados a cumprir integralmente o Regulamento das Restrições do Loteamento Residencial Gênesis II - Capítulos 1 ao 9 - do COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS II Ficam permitidos, previamente à aprovação do projeto, o Levantamento Topográfico e Sondagem a Percussão do Solo mediante apresentação, por escrito, de solicitação assinada pelo proprietário interessado, informando o período previsto para a execução dos serviços, além do cadastramento do pessoal junto ao Departamento Técnico e Segurança da Associação Após a aprovação do projeto pela Prefeitura de Santana de Parnaíba é obrigatória a apresentação, para arquivo, na Associação Gênesis II de 01 (uma) cópia do projeto aprovado com o respectivo carimbo da Prefeitura, 01 (uma) cópia dos memoriais descritivos e 01 (uma) cópia do Alvará de Construção, antes do início das Obras. 2 A OBRA A obra somente poderá ser iniciada após expedição do Alvará de Construção, emitido pela Prefeitura de Santana de Parnaíba/SP Caracterizará início de OBRA qualquer tipo de atividade no terreno como movimentos de terra, alteração de paisagismo ou intervenção outra que modifique as condições originais do LOTE, assim como a execução do abrigo para água e energia Concomitantemente após o início dos serviços de terraplenagem do terreno, deverão ser executados os tapumes e telas de proteção, conforme estabelecido neste regulamento Quando houver residências vizinhas em fase de acabamento ou concluídas, deverá ser instalada tela de proteção, na cor VERDE que impeça a passagem de resíduos, em toda a extensão da respectiva divisa do lote, com exceção da faixa do recuo de frente, com altura mínima de 2,00m acima da altura da própria obra, durante toda a obra Não será permitido o início da concretagem das fundações da casa ou do muro sem as seguintes instalações: A partir da aprovação deste Regulamento, deverá ser colocado e mantido em perfeitas condições durante todo o período da obra, o tapume pintado na cor VERDE MUSGO, como proteção, com altura mínima de 2,00m (dois metros), recuado 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros) da guia em toda à frente da obra e no mínimo em 5,00m (cinco metros) de suas laterais, a partir do tapume de frente, com a mesma altura, e nos fundos para os lotes que fazem divisa com a faixa de segurança. O restante do perímetro deverá ser fechado com tapume ou tela estruturada na cor VERDE. Qualquer obra localizada em lote de esquina deverá ter tapume com altura de 2,00 m (dois metros) em toda extensão do lote junto às divisas com áreas verdes ou sistemas de lazer do loteamento. Vide croqui, anexo 02;

2 DE OBRAS OBRAS Barracão de Obras; Sanitários devidamente canalizados para fossa séptica, fossa esta que deverá estar a no mínimo 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) das divisas do lote e ser aterrada quando do término da obra. Pode-se pedir a ligação da rede de esgoto junto a Concessionária Local e efetuar a interligação da rede provisória dos sanitários do canteiro na rede pública de coleta de esgotos; Cavalete de água devidamente protegido com alvenaria; Caixa de medição de energia em conformidade às exigências da Concessionária Local; Proteção em caixotes limitantes para materiais a granel (terra, areia, pedra, etc.) para que não migrem para os lotes vizinhos e ou calçadas e sarjetas ou bocas-de-leão A remoção do tapume só será permitida, se for imprescindível para a execução de pavimentação, rampas e paisagismo da respectiva obra, após vistoria efetuada pelo Departamento Técnico da Associação e estando a edificação provida de todos os caixilhos, vidros e portas externas, assim como a completa execução do tratamento arquitetônico dos muros de divisa e arrimo pelo lado externo da obra Após a remoção do tapume a obra deverá ser provida com caçamba para depósito de restos de materiais e entulho Quando houver concretagem, deverão ser protegidas as calçadas, guias, bocas-de-leão e a pavimentação da alameda, de forma a evitar o escoamento do concreto ou óleo sobre estes. No final destes serviços deverá a área pública estar completamente limpa de qualquer resíduo de óleo ou cimento O início das concretagens somente serão permitidas de segunda à sexta-feira, das 8:00hs às 15:00hs, sem qualquer EXCEÇÃO. Após as 16:00h é vetada a entrada de caminhões betoneira carregados no Residencial Quando for necessário o transporte de terra, areia, pedra, concreto ou qualquer elemento vazante, os veículos deverão estar devidamente protegidos a fim de que não sujem as vias e as áreas públicas. A limpeza das áreas afetadas é de única e exclusiva responsabilidade do proprietário da obra e deverá ser efetuada imediatamente O encarregado da obra se responsabiliza pela limpeza dos pneus dos veículos de transporte de materiais ou de serviços, para que não sujem as alamedas Nenhuma caçamba de entulho poderá ficar sobre o passeio público, sendo permitida a colocação de apenas 01 (uma) caçamba por obra. Ela deverá ser colocada dentro do próprio lote da obra, ou lote de apoio, e estar permanentemente coberta por tela ou lona plástica. A caçamba poderá ser colocada sobre a Alameda caso não seja viável sua colocação no lote da obra ou de apoio e após vistoria e autorização do Departamento Técnico. Após a capacidade de carga da caçamba ter sido atingida, esta deverá ser removida em até 48:00 hs (quarenta e oito horas). Fica proibido o depósito de qualquer tipo de lixo doméstico ou orgânico no interior das caçambas Todos os serviços das obras deverão ser feitos dentro dos respectivos limites, ficando vetada à mistura de massa, dobras de ferro, carpintaria, etc., nas alamedas, passeios e jardins públicos Será necessária a autorização prévia da Associação para a execução de serviços nos quais seja necessário o uso de equipamentos e maquinários pesados ou explosivos. O uso de explosivos de qualquer potência, visando a retirada de obstáculos para a execução da OBRA,

3 DE OBRAS OBRAS só poderá ser feito por empresas especializadas, devidamente habilitadas, credenciadas para tal e junto as autoridades competentes. É necessária a entrega de documento atestando a legalidade da empresa. Deverá ser feita comunicação do procedimento com no mínino 72:00 hs (setenta e duas horas) de antecedência ao Departamento Técnico e Portaria do Residencial, por escrito, contendo o nome da empresa prestadora de serviço, bem como das pessoas que terão acesso ao canteiro de obras (nome completo e RG). Caso contrário, qualquer entrada de maquinário no loteamento será negada. Compete ao proprietário do LOTE e à empresa especializada todas as responsabilidades civis e/ou criminais oriundas de quaisquer danos causados a terceiros Toda obra deverá permanecer com os portões fechados, para um maior controle interno e privacidade A Associação não fornece energia elétrica para as obras. Caso seja necessário, a Associação poderá fornecer o abastecimento de água de reuso nos primeiros 15 (quinze) dias de trabalho, após o início da obra. Vale ressaltar que a água fornecida não é adequada para consumo humano A execução da obra deverá obedecer fielmente o projeto aprovado pela Associação Gênesis II e Prefeitura de Santana de Parnaíba Finalizada a implantação do gabarito de locação da construção, o profissional responsável técnico pela OBRA deverá agendar em conjunto com o Departamento Técnico, a vistoria do mesmo, assim como antes da concretagem de pisos e lajes para conferência conjunta dos respectivos níveis em comparação com o projeto aprovado na Associação Gênesis II e Prefeitura de Santana de Parnaíba A Associação Gênesis II não autoriza nenhum de seus funcionários a receber ou a conferir materiais destinados a obras Fossas, cisternas, poços, piscinas e casa máquinas deverão estar a, no mínimo, 1,50 (um metro e cinqüenta centímetros) das divisas, não podendo ocupar o recuo frontal, conforme rege o Código de Obras da Prefeitura de Santana de Parnaíba São proibidas brincadeiras ou jogos, sons de equipamentos eletrônicos ou instrumentos, não pertinentes ao serviços executados em obra, para que não perturbem a tranqüilidade dos demais moradores. 3 PASSEIO PÚBLICO A faixa do passeio público deverá ser mantida sempre limpa e livre de materiais Não será permitido nenhum tipo de construção sobre a faixa do passeio público, exceto a Caixa da Telefônica, que deverá ser construída junto ao alinhamento do terreno, numa das extremidades do lote, conforme padrão estipulado pela concessionária Cestos de lixo e caixas do correio deverão estar fixados no tapume da obra, não sendo permitidas suas instalações no passeio público Qualquer intervenção paisagística em áreas públicas, inclusive passeios, deverão ter autorização prévia da Associação Caso haja execução de calçada, pela Associação Gênesis II, na faixa de passeio público, fica estabelecido que:

4 DE OBRAS OBRAS Toda obra que necessitar de remoção de parte da calçada deverá solicitar a sua retirada e armazenamento na Administração da Associação. A sua recolocação deverá manter os mesmos padrões de instalação inicial sendo esta de responsabilidade do proprietário da obra, como também a reposição de peças perdidas ou danificadas; Toda rampa ou degrau de acesso à residência deverá ser compatível com o calçamento padrão do residencial e terá como ponto de referência para o piso acabado 0,12m acima da guia e 3,00 metros distante desta; Não será permitida a substituição dos blocos intertravados do passeio público por outro padrão assim como a sua pintura ou revestimento. 4 - PESSOAL DA OBRA (EMPREGADOS, EMPREITEIROS, PRESTADORES DE SERVIÇOS E OUTROS) Objetivando a segurança dos moradores do Residencial Gênesis II, todo e qualquer cidadão que venha a prestar algum tipo de serviço na obra, seja ele empregado, empreiteiro, prestador de serviços avulsos, etc, deverá ser, obrigatoriamente, cadastrado junto ao Departamento de Segurança antes de adentrar a obra. O não cumprimento desta exigência implicará na responsabilidade civil do proprietário da obra, por quaisquer danos causados, no futuro, a terceiros, por um desses serviçais O proprietário compromete-se, ainda, a comunicar o desligamento dos empregados citados no item 4.1. O mesmo procedimento deverá ser adotado ao término da obra Fica proibido o pernoite em obra Para obras que já possuem a liberação do pernoite de no máximo 03 (três) funcionários, até a presente data, fica estabelecido que o pernoite destes, inclusive o vigia da obra, não será permitido nos feriados (Municipais, Estaduais e Federais, reconhecidos por Lei) e finais de semana (das 18:00hs de sexta-feira até às 8:00hs da segunda-feira), período este em que a obra deverá permanecer totalmente fechada. Estes alojamentos destinam-se exclusivamente ao pernoite de funcionários, não podendo ser utilizados como residência de famílias ou caracterizando domicílio. A responsabilidade pelos funcionários pernoitantes é exclusiva do proprietário da obra É proibido a existência de armas, entorpecentes, bebidas alcoólicas e animais domésticos (mesmos estes sendo fornecidos pelo proprietário da obra) nos locais das obras, podendo a vigilância proceder a vistorias e apreensão destes, devendo o proprietário ser informado do fato. A desobediência a este item é passível de multa Os funcionários devem estar adequadamente trajados no interior das obras bem como nas áreas externas a estas Deverá ser mantida na obra uma cópia das Normas de Conduta na Obra, para conhecimento dos funcionários e responsáveis pela respectiva obra É proibida a entrada, saída e circulação nas áreas comuns e alamedas do Residencial, de funcionários das obras, fora do horário estabelecido no item A Associação Gênesis II não permite a entrada de menores para trabalho em obra.o Proprietário da obra assume o compromisso de não utilizar trabalho infantil; cumprindo o que determina a CONVENÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA (ONU 1989),

5 DE OBRAS OBRAS CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA (1988) e ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (1990). 5- HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA OBRA O funcionamento da obra será somente de segunda a sexta-feira, das 8:00h às 18:00h Fica, portanto, PROIBIDO o trabalho em obra aos sábados, domingos e feriados (Municipais, Estaduais ou Federais considerados por Lei). A não observância deste dispositivo acarretará em MULTA no valor de 05 (cinco) mensalidades da taxa de manutenção relativa ao lote padrão (420m²), vigente a época da infração, por dia irregular. 6 DOS BARRACÕES PARA GUARDA DE MATERIAL O galpão de obra deverá ser erguido exclusivamente dentro do lote destinado a esta, ou no lote de apoio, podendo ter no máximo 01 pavimento, não podendo ter nenhum tipo de abertura para área pública e prevendo a existência de sanitário (com vaso sanitário, ducha e pia) canalizado para rede pública de esgoto ou fossa séptica (fossa esta que deverá estar localizada no lote da obra, a 1,50m das divisas e ser aterrada quando do término da obra) O galpão deverá ser pintado e mantido nas mesmas condições estabelecidas para o tapume. 7 LOTE DE APOIO Para a execução da obra será permitido o uso de um único lote de apoio, lindeiro ao lote da obra e devidamente autorizado pelo proprietário. Vide modelo de autorização, anexo No lote de apoio poderá ser construído barracão para guarda de material. Neste caso devem ser observados os recuos obrigatórios e, ser construído o tapume de acordo com o Regulamento de Restrições É proibido no lote de apoio: A construção de banheiros e fossas; Modificar sua topografia por quaisquer meios O lote de apoio deverá ser demarcado com tapume nas mesmas condições do lote principal O lote de apoio deverá, ao final da obra ou quando solicitado pelo proprietário, ser entregue LIMPO de todo o detrito e ter sua GRAMA replantada A retirada do tapume somente poderá ocorrer após limpeza total do lote e replantio da grama.

6 DE OBRAS OBRAS MATERIAL DE CONSTRUÇÃO PARA USO DA OBRA É proibida a entrada de material no Residencial, sem que a obra a que se destina, de morador ou proprietário, esteja regularmente aprovada pela Associação e Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba e, conste em relação de obras na Portaria Todo material de construção somente poderá ser armazenado no lote do proprietário ou no lote de apoio. É expressamente vetado utilizar ou manter quaisquer materiais de construção ou preparo desses materiais, em qualquer outro terreno, especialmente no passeio público, jardim público ou faixa de segurança, alamedas ou qualquer área comum do Residencial O horário permitido para entrada e saída de material no Residencial é de segunda a sexta-feira, das 8:00hs às 17:00hs, sendo expressamente proibido aos sábados, domingos e feriados. 9 TERRAPLENAGEM, ESTAQUEAMENTO, FUNDAÇÕES Esses tipos de serviços obedecem aos horários citados no item 8.3, que determina a execução de tais serviços somente de segunda a sexta-feira, das 8:00hs às 17:00hs, sendo expressamente proibido aos sábados, domingos e feriados Todas as obras de aterro, desaterro, estaqueamento, fundações, deverão resguardar as normas de segurança e manter a topografia original com relação aos lotes lindeiros A topografia da faixa de passeio público deverá ser mantida em sua forma original, não sendo permitidos aclives, declives ou obstáculos Caso esse tipo de serviço suje as alamedas do Residencial, deverá o proprietário providenciar, ao final de cada dia de trabalho, a completa limpeza dos locais afetados Para os serviços descritos neste e outros itens deste Regulamento, fica expressamente proibido o trânsito de veículos e máquinas sobre as áreas comuns e jardins do Residencial. 10 INTERRUPÇÃO DE OBRAS Obra não iniciada: Todo material existente no lote e no lote de apoio deverá ser retirado do Residencial, pelo proprietário, que sobre esse fato será intimado, via postal com aviso de recebimento, constando à necessidade de regularização em 15 (quinze) dias Obra Paralisada: o proprietário deverá comunicar, por escrito, a Associação e tomar as seguintes providências: Retirar todos os restos de material, detritos e lixo, existentes em seu lote e no lote de apoio; Demolir banheiros e vasos sanitários; Aterrar fossas e outras escavações; Reunir todo material remanescente e trancá-lo em um dos cômodos da obra;

7 DE OBRAS OBRAS Execução completa do tratamento arquitetônico nos muros de divisa e de arrimo pelo lado externo da obra; Regramar o lote de apoio e retirar tapumes; Fechamento de toda a obra no andar térreo Todos os serviços descritos acima devem ser providenciados pelo proprietário da obra, que sobre esse fato será intimado, via postal com aviso de recebimento, constando à necessidade de regularização em 15 (quinze) dias Pelo não cumprimento dos itens 10.1 e 10.2, caberá a aplicação de uma multa no valor correspondente a 05 (cinco) mensalidades da taxa de manutenção da Associação vigente à época da infração, relativa ao lote padrão (420,00m 2 ) Após a multa, e não ocorrendo o cumprimento do disposto referido, sendo devidamente notificado o proprietário do imóvel, conforme disposto no item 10.3, serão tomadas as medidas administrativas pertinentes, sendo que os serviços descritos nos itens 10.1 e 10.2 serão executados pela Associação Gênesis II, ou profissional por ela indicado,e posteriormente cobrados do adquirente, acrescidos de multa de 20% (vinte por cento), juros moratórios e correção monetária A Associação ficará isenta de toda e qualquer responsabilidade, na eventual perda, furto, quebra ou deterioração de materiais existentes na obra. 11 LIGAÇÕES DE ÁGUA, LUZ e TELEFONIA Todas as ligações de água, luz e telefonia devem ser executadas de acordo com as normas das respectivas concessionárias A ligação de águas pluviais deverá ser feita na boca-de-leão mais próxima, devidamente canalizada, sob a calçada, com um mínimo de 0,60m de profundidade no sentido perpendicular à guia ou rente a esta, se necessário Todas as instalações de luz e telefone deverão ser subterrâneas Como as ligações pelas concessionárias demandam longo prazo, há necessidade da agilização dos pedidos para tais ligações É expressamente proibido utilizar energia e água de outros lotes e residências, que exijam cruzar as alamedas para esse fim A utilização de energia e água de outros lotes e residências lindeiros à obra, deverão observar as Normas Técnicas de Segurança pertinentes aos Órgãos Competentes. 12 FOSSA SÉPTICA E REDE DE ESGOTOS O associado deverá seguir as normas e posturas da engenharia sanitária e as estabelecidas pela ABNT, para a execução do sistema de esgoto É expressamente proibido o lançamento de efluentes ou detritos na rede coletora de águas pluviais.

8 DE OBRAS OBRAS Durante a escavação da fossa, ao final de cada dia de trabalho, essa deverá ser coberta para evitar acidentes. 13 RESPONSABILIDADE DO PROPRIETÁRIO O PROPRIETÁRIO responderá civil e criminalmente perante a Associação Gênesis II e perante terceiros por eventuais danos causados, seja pela utilização de veículos de entrega de materiais, betoneiras, escavadeiras, guindastes, bate-estacas, e outros equipamentos, assim como por atos e atitudes de empregados prepostos, empreiteiros, prestadores de serviços e quaisquer outras pessoas ligadas, direta ou indiretamente à obra. 14 INSPEÇÃO DAS OBRAS É reservado o direito à ASSOCIAÇÃO GÊNESIS II de realizar inspeções em quaisquer das OBRAS em andamento ou paradas dentro do loteamento, sempre que for necessário, mediante prévia convocação por escrito endereçada ao proprietário, visando o cumprimento das obrigações contratuais e o cumprimento quanto à execução do Projeto Arquitetônico e Regulamento de Obras Comunicado o proprietário para que compareça em dia e hora deliberados pela Associação para acompanhamento da inspeção, e em ele não comparecendo ou não designando pessoa para que o faça em seu lugar será a Associação autorizada a realizar a inspeção, sem a sua presença sendo que neste caso a inspeção será acompanhada por 02 (duas) testemunhas Caberá à segurança efetuar vistorias nas Obras sem prévio aviso, desde que seja necessária a fiscalização quando eminente risco de dano aos demais moradores e a própria Associação. Encontrando-se tais irregularidades, o responsável pela OBRA será notificado, com conhecimento do proprietário, arcando automaticamente com a responsabilidade do fato. Na reincidência, seu causador será excluído da base cadastral e/ou impedido de ingressar no Residencial Quando for solicitado pela fiscalização da Associação ou da Prefeitura, o encarregado da obra deverá acompanhar o técnico e fornecer todas as informações e instrumentos necessários para checagem de medidas e níveis pertinentes Durante o curso da construção, para efeito de fiscalização, deverá ser mantida cópia integral da planta aprovada pela Associação e Prefeitura, cópia do Alvará de Construção, bem cópia de todas as comunicações, autorizações e instruções baixadas pela Associação, incluindo o presente Regulamento Na frente da obra, em local visível, deverá ser fixada apenas uma placa de, no máximo, 0,80m X 0,80m indicando: Nome do Autor do Projeto, seu CREA, número do registro na Prefeitura de Santana de Parnaíba, número da ART e telefone; Nome do Responsável Técnico, seu CREA, número do registro na Prefeitura de Santana de Parnaíba, número da ART e telefone;

9 DE OBRAS OBRAS Número do Alvará emitido pela Prefeitura de Santana de Parnaíba; Endereço da obra (Alameda, número, quadra e lote) É proibida a fixação de cartazes, placas, faixas ou pintura sobre o tapume e/ou muros com propaganda de qualquer natureza, inclusive fornecedores de materiais de obra, prestadores de serviços diversos e qualquer outro tipo de placa ou imagens. 15 FIM DA OBRA HABITE-SE A Carta Liberatória de Habite-se da Associação Gênesis II só será emitida com a conclusão das seguintes etapas: Ligação de energia elétrica, água, esgoto e pluviais; Pintura de toda a área externa; Caixilharia; Acabamento e pintura da face externa dos muros de divisa; Caixa do correio, numeração externa da casa; Lote de apoio limpo, livre de entulhos, materiais e equipamentos, regramado e reconstituído em seu estado original; Pagamento de todas as multas que por ventura tenham sido aplicadas; Limpeza de todos os restos de materiais, detritos e lixo da obra; Execução de acordo com o projeto aprovado pela Associação Gênesis II e Prefeitura; Alvará de Instalação e Funcionamento de Elevadores. Caso a Prefeitura de Santana de Parnaíba não possa fornecer o Alvará poderá ser apresentado um Laudo Técnico da Empresa Fabricante referente a Instalação e Funcionamento do equipamento, contendo o modelo, nº de série, ART (apresentar cópia autenticada da ART assinada e recolhida) e se necessário a documentação dos ensaios executados no mesmo As datas para mudanças deverão ser informadas à Associação e, somente poderão ocorrer após cumprimento do item 15.1 e liberação por escrito da Administração. 16 USO DE ÁREAS COMUNS É vetada a incorporação da área comum aos lotes É vetado o acesso provisório e posteriormente o definitivo pelos sistemas de lazer, áreas verdes, áreas institucionais ou jardins É vetado o acesso de funcionários das obras, empreiteiros e prestadores de serviço, em todas as dependências do Centro de Convivência e das Áreas de Lazer. 17 EMBARGO À OBRA

10 DE OBRAS OBRAS Poderá a Associação Gênesis II, baseada no presente Regulamento, demandar junto as Autoridades Competentes o embargo à obra sem prejuízos às multas estabelecidas em cada item O embargo à obra será precedido de aviso ao proprietário, por via postal, o qual terá o prazo determinado para efetuar as regularizações necessárias Durante o embargo não será permitida a entrada ou saída de materiais da obra Durante o embargo não será permitida a entrada de funcionários. 18 MODIFICAÇÃO DO PROJETO E REFORMAS Qualquer alteração do projeto, durante a obra ou qualquer reforma a ser realizada na residência, deverá ser devidamente aprovada pelo Departamento Técnico da Associação Gênesis II e pela Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba/SP Para todo e qualquer tipo de reforma em residências finalizadas, com ou sem Carta de Habite-se, é obrigatório o cumprimento integral do presente "Regulamento de Obras" e do "Regulamento das Restrições do Loteamento Residencial e comercial Gênesis II". 19 TAXAS, MULTAS E PENALIDADES O valor da taxa cobrada para aprovação de projeto pelo Departamento Técnico da Associação Gênesis II, ou para aprovação de Projeto Modificativo (cuja área modificada seja superior a 50% da área total da residência), será de R$ 0,50 (Cinquenta Centavos) por m² de lote acrescido de R$ 0,50 (Cinquenta Centavos) por m² de área construída total da residência (incluindo piscinas e espelhos d'água). No caso de aprovação para Projeto Modificativo cuja área modificada seja inferior a 50% da área total da residência será cobrada uma taxa de R$ 150,00 (Cento e Cinquenta Reais). Estes valores serão corrigidos anualmente pelo Índice Geral de Preços de Mercado (IGPM - FGV) ou por outro índice que vier a substituí- lo A infração de qualquer dos itens deste Regulamento acarretará em respectiva multa, podendo, inclusive, ocasionar o embargo da obra, até sua efetiva regularização, sendo que toda e qualquer responsabilidade será exclusivamente do proprietário do lote Pelo não cumprimento dos itens: 2 ; 3 ; 4 ; 6 ; 7 ; 8 ; 11; e 18, caberá ao Departamento Técnico proceder à devida Comunicação de Irregularidades de Obra. O não atendimento do referido comunicado gerará a Notificação de Irregularidades ao proprietário, na qual se estabelecerá o prazo para atendimento das solicitações, sendo que o não atendimento da Notificação, no prazo estabelecido, implicará na aplicação de multa no valor correspondente a 01 (uma) mensalidade da taxa de manutenção da Associação vigente à época da infração, relativa ao lote padrão (420,00m 2 ) e a reincidência implicará em multa no valor do dobro da inicial e embargo da obra Pelo não cumprimento dos itens 9; 12; 14; e 16, caberá ao Departamento Técnico proceder à devida Comunicação de Irregularidades de Obra. O não atendimento de referido comunicado gerará a Notificação de irregularidades ao proprietário, na qual se estabelecerá o prazo para atendimento das solicitações, sendo que o não atendimento da Notificação, no prazo estabelecido, implicará na aplicação de multa no valor correspondente a 01 (uma)

11 DE OBRAS OBRAS mensalidade da taxa de manutenção da Associação vigente à época da infração, relativa ao lote padrão (420,00m 2 ) e a reincidência implicará em multa no valor do dobro da inicial e embargo da obra O Proprietário será comunicado via postal do prazo para regularização da infração Uma vez detectada irregularidade de execução, ferindo as NORMAS e RESTRIÇÕES que regem esta ASSOCIAÇÃO, o responsável terá a obrigatoriedade de efetuar as devidas alterações in loco mesmo que estas tenham como conseqüência uma DEMOLIÇÃO de OBRA já executada. ELABORADO POR DATA APROVADO POR DATA CONSELHO DE 02/07/11 ASSEMBLÉIA GERAL 13/07/11 ADMINISTRAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DE 13/07/2011

12 DE OBRAS OBRAS ANEXO 01: MODELO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO LOTE DE APOIO AUTORIZAÇÃO PARA USO DO LOTE DE APOIO Pelo presente instrumento, o(a) Sr(a)., portador(a) do RG n.º e do CPF nº, residente a titular dos direitos sobre o Lote (s) da Quadra, autoriza o Sr(a)., portador(a) do RG n.º e do CPF nº residente a, a usar o Lote da Quadra como apoio a construção de sua residência na Alameda Quadra Lote deste Residencial. A previsão de devolução do lote de apoio será em /. Tal uso está subordinado ao "Regulamento de Obras" - conforme capítulo 7, cláusulas 7.1 a 7.6 e capítulo 19, cláusula e "Regulamento das Restrições do Loteamento Residencial e Comercial Gênesis II" constante no Termo de Compromisso de Compra e Venda dos Lotes do Residencial e Comercial Gênesis II - conforme capítulo 5, cláusula 5.3. O autorizado compromete-se, a promover a recuperação do gramado de acordo com o tamanho do lote de apoio, bem como o passeio público, na ocasião da devolução do lote. Salientamos que, a qualquer tempo, o proprietário do lote que está sendo utilizado como apoio poderá solicitar a desocupação de seu lote, solicitação esta que deverá ser cumprida no prazo máximo de 20 (vinte) dias úteis de uma solicitação formal e o seu lote entregue nas condições originais (limpo e gramado). Se por qualquer razão, decorrido o prazo, o associado que utilizou o lote como apoio não o entregar nas condições originais conforme previsto acima, a Associação Genesis II fica, desde já, autorizada a proceder os serviços, cobrando do autorizado o custo destes acrescido de multa de 20% (vinte por cento), juros moratórios e correção monetária, não passíveis de impugnação. Santana de Parnaíba, de de. Proprietário 1 Proprietário 2 ASSOCIAÇÃO GENESIS II

13 DE OBRAS OBRAS ANEXO 02: CROQUI PARA EXECUÇÃO DE TAPUME

14 DE OBRAS OBRAS TERMO DE RESPONSABILIDADE Eu,Sr(a) adquirente do Lote, da Quadra, recebi, nesta data, o DE OBRAS DO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS II, em 02 (duas) vias, publicado pelos responsáveis pela Associação Gênesis II, bem como os seguintes anexos: Regulamento das Restrições do Loteamento Residencial e Comercial Gênesis II, na sua íntegra; Normas de Conduta na Obra; Declaro estar ciente e de acordo com o presente Regulamento e, assumo a responsabilidade de edificar conforme as condições nele descritas. Nome do associado: Telefone para contato: para contato: Nome do Responsável Técnico: Telefone para contato: Endereço da Obra: Santana de Parnaíba, de de. Associado Responsável Técnico Associação Gênesis II

15 DE OBRAS OBRAS

16 DE OBRAS OBRAS R E G U L A M E N T O D A S R E S T R I Ç Õ E S D O L O T E A M E N T O R E S I D E N C I A L E C O M E R C I A L G Ê N E S I S I I CAPÍTULO 1 Generalidades 1.1 Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais, tanto quanto ao uso e ocupação do solo, como quanto à aprovação de projetos. 1.2 As condições seguintes, de normas de proteção, restrições e uso adequado, têm a finalidade precípua de assegurar o uso apropriado do imóvel e atender aos princípios básicos de habitabilidade, com a finalidade de: a) proteger os adquirentes contra o uso indevido e danoso dos imóveis, assegurando o valor de sua propriedade; b) assegurar um desenvolvimento planejado de construções dentro do loteamento, garantindo a qualidade de seu investimento Neste Regulamento é designada por VENDEDORA a empresa GÊNESIS EMPREENDIMENTOS S/A., com sede e foro no Município de Barueri, Estado de São Paulo, na Alameda Madeira, nº º andar Alphaville, inscrita no CNPJ sob nº / CAPÍTULO 2 Restrições de Uso dos Lotes Residenciais 2.1 As restrições aqui descritas não se aplicam ao lote 1 da quadra 1 (destinado à portaria do loteamento), ao lote 1 da quadra 2 (destinado à infra-estrutura do loteamento), ambos pertencentes à ASSOCIAÇÃO GÊNESIS II, que após regularmente constituída, receberá da VENDEDORA o domínio dos referidos lotes, que poderão ter atividades comerciais e terão restrições de acordo com as normas da Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba. 2.2 Não será permitida a construção de mais de uma residência e respectiva edícula por lote prometido; ela se destinará exclusivamente à habitação de uma única família e seus funcionários. 2.3 Fica, portanto, determinado que não será permitida a construção de prédio não residencial, prédios de apartamentos para habitação coletiva, prédios para fins comerciais, industriais e de escritórios, de forma a nunca se exercerem neles atividades de: comércio, indústria, todo e qualquer tipo de estabelecimento de ensino, hospital, clínica, consultório, atelier para prestação de serviços, templos, cinema, teatro, hotel, motel, pensão, clubes e associações recreativas, etc. 2.4 Não será permitida, mesmo em caráter privado (doméstico e sem finalidade comercial), a criação de toda e qualquer espécie de animais e aves, de tal forma que o volume e condições de higiene interfiram na vizinhança. 2.5 Todo e qualquer ADQUIRENTE será obrigado a dar servidão para passagem de águas pluviais e esgotos, na faixa de recuo lateral livre, desde que devidamente canalizados. Correrá por conta do usuário da servidão toda e qualquer despesa inerente a este serviço, inclusive reconstituição de locais danificados no imóvel serviente, bem como sua manutenção. Afora tais ônus, nenhum outro será devido pelo adquirente do imóvel beneficiado. Fica, outrossim, estabelecido que a localização da faixa de servidão dentro do lote serviente deverá já estar prevista no projeto de construção a ser submetido à VENDEDORA e posteriormente à SOCIEDADE GÊNESIS II, ficando facultado a estes alterar o posicionamento desta faixa, de forma a compatibilizar a utilização de todos os lotes.

17 DE OBRAS OBRAS Nos lotes com ou sem direito de uso de servidão, ficam os seus adquirentes obrigados e por sua conta e responsabilidade, providenciar a instalação de bombas de recalque para águas pluviais e de esgotos, quando suas instalações estiverem abaixo do nível necessário para que se atinjam as redes coletoras. CAPÍTULO 3 Afastamento de Divisas 3.1 A construção principal obedecerá aos seguintes recuos mínimos obrigatórios: a) recuo de frente: 5,00m (cinco metros) a partir do alinhamento do lote; b) recuo de fundos: 3,00m (três metros), medidos da divisa de fundos do lote; c) recuos laterais: 1,80m (um metro e oitenta centímetros) de cada lado das divisas, medido da alvenaria e 1,00m (um metro) medido do beiral; d) nos lotes situados nos extremos das quadras e que fazem divisa lateral com jardim público, as edificações deverão ter recuo mínimo de 2,00m (dois metros) a contar da aludida divisa, no restante dos recuos, obedecerão aos itens acima dispostos e devem ter seu acesso unicamente pela frente, sendo proibido o acesso pelas áreas públicas; e) todos os recuos mencionados nas alíneas "a", "b", "c" e "d" serão contados a partir do revestimento externo da alvenaria dos imóveis até as respectivas divisas. As sacadas, jardineiras, dutos de lareira, forno e churrasqueira entre outros elementos arquitetônicos não deverão avançar sobre qualquer recuo. Deverá ser respeitado o recuo mínimo de 1,00m (um metro) entre os beirais da construção principal e as divisas laterais do lote e entre beirais da edícula e da construção principal; f) No caso de existência de abrigos para veículos, será permitido encostar a sua construção numa das divisas laterais até o máximo de 7,00m (sete metros) de extensão, respeitando-se o recuo de frente de 5,00m (cinco metros) conforme item 3.1 alínea a, não podendo a altura do abrigo ultrapassar 4,50m (quatro metros e cinqüenta centímetros), do nível do piso deste abrigo, até o ponto mais alto de sua cobertura, na faixa de recuo lateral (item 3.1 alíneas c e d); g) A faixa de recuo de frente só poderá ser usada como jardim, não podendo ter outra utilização. Neste recuo permite-se apenas a construção de abrigo único para os medidores de água, luz e telefone; é vedada a construção de abrigo para cilindros de gás; h) No caso de fechamento frontal do lote, deverá ele ser executado obrigatoriamente, obedecendo-se o recuo de 5,00m (cinco metros), com altura máxima de 2,00m (dois metros) a partir da topografia original do lote; i) Não poderão ser direcionadas diretamente aos lotes circunvizinhos as águas pluviais, de limpeza ou de irrigação provenientes de qualquer sistema de cobertura ou de áreas internas, devendo ser feito sistema apropriado de captação de águas (calhas, condutores, etc.) nas edificações do próprio lote, ressalvado o disposto nos itens 2.5 e Para os lotes com divisas que confrontam com a faixa de segurança do loteamento, os adquirentes deverão obrigatoriamente providenciar, sob suas custas, a construção de muros de fechamento com as seguintes restrições: [i] Nenhum ressalto, nervura, aba ou qualquer detalhe da construção do muro poderá ultrapassar o limite da divisa do lote; [ii] [iii] O muro deverá obrigatoriamente ser chapiscado pelo lado da faixa de segurança; Não será permitido nenhum tipo de abertura de acesso à faixa de segurança;

18 DE OBRAS OBRAS [iv] Não será permitido o despejo de águas pluviais na faixa de segurança do loteamento, devendo, no caso de lotes em declive, o seu adquirente providenciar, às suas custas à canalização destas águas na respectiva faixa, providenciando para que estas águas não causem danos aos taludes da faixa de segurança; [v] O muro de divisa, com a faixa de segurança, deverá ser de, no mínimo, 1,00m (um metro) e, no máximo, de 2,00m (dois metros) medidos do lado externo à divisa do lote junto à faixa de segurança, exceto, no caso de muros de arrimo conforme disposto no capítulo 4 abaixo, e no caso de construção de edícula. CAPÍTULO 4 Restrições de Construção 4.1 A área de projeção horizontal da construção principal somada à área de projeção da edícula e do abrigo para autos, não poderá ultrapassar 55% (cinqüenta e cinco por cento) da área total do lote Nenhuma habitação poderá ter mais que três pavimentos, dos quais, no máximo, dois pavimentos estarão acima do nível da rua (térreo e superior) É permitido o escalamento de quaisquer dos pavimentos respeitados os seguintes limites máximos: I. a inclinação da topografia original do lote para os fundos e para lateral no caso de lotes com aclive, cujo pavimento térreo não poderá estar situado, em qualquer ponto, acima de 1,40m (um metro e quarenta) da topografia original do lote. II. a inclinação da topografia original do lote para os fundos e para lateral no caso de lotes com declive, cujo sub-solo não pode estar em nenhum ponto acima de 1,00m (um metro) do nível médio da guia e seu pé-direito não poderá ser superior a 4,00m (quatro metros), respeitando as demais restrições à que o sub-solo e a edificação estão sujeitos. III. Os pavimentos escalonados, ou com diferença de níveis, serão considerados do mesmo pavimento quando a diferença de cotas entre eles não ultrapassar 2,00m (dois metros) de desnível e quando a área de construção de cada nível possuir, no mínimo, 20% da área total do pavimento; IV. O escalonamento de pavimentos será admitido, desde que em nenhum ponto da construção haja sobreposição de mais de 03 (três) pavimentos, incluindo o subsolo, que poderá aflorar a sua cobertura, no máximo, 1,00m (um metro) do nível médio da guia Em qualquer ponto da projeção vertical das edificações, a altura do ponto mais alto da cobertura (telhado) deverá ser sempre menor do que: (a) (b) 13,00m (treze metros) em relação à cota do piso do pavimento inferior (subsolo); e 10,00m (dez metros) em relação à cota do piso do pavimento térreo Para o caso de habitações com três pavimentos (térreo, superior e subsolo), o nível do piso do térreo deverá estar no máximo 1,00m (um metro) acima do ponto médio da guia fronteira ao lote e para o subsolo nenhum ponto da laje de sua cobertura poderá aflorar mais de 1,00m (um metro) do ponto médio da guia Será admitida a construção de sótãos no interior das edificações desde que altura total da construção do piso do pavimento térreo ao ponto superior do telhado não ultrapasse a 10,00m (dez metros), e pelo menos duas águas do telhado estejam a 0,50m (cinqüenta centímetros) de altura em relação ao piso deste sótão.

19 DE OBRAS OBRAS A edícula terá sempre um único pavimento, não podendo ultrapassar a altura de 4,50m (quatro metros e cinqüenta centímetros) do nível do piso desta até o ponto mais alto da sua cobertura. Deverá, ainda, ser construída na faixa de recuo de fundos afastada, no mínimo, 3,00m (três metros) da construção principal, podendo estar encostada em uma das divisas laterais do lote, e na outra afastada do recuo lateral mínimo exigido no lote, conforme disposto no item 3.1. Em caso de lotes em extremos de quadra, será obrigatório recuo lateral da edícula para o jardim público; 4.4. Não serão permitidas pergolas ou construções similares invadindo os recuos, ressalvado o disposto nos itens 4.3 e 3.1 alínea f. 4.5 Não será permitida a construção de muros de divisas laterais na faixa compreendida pelo recuo de frente; sua altura máxima poderá ser de 2,00m (dois metros) no trecho restante, contada a partir da topografia original do lote, seguindo eventuais desníveis, inclusive nos fundos Será permitida a construção de muros de arrimo internos ao lote, no recuo de frente, desde que os mesmos, não ultrapassem a altura de 0,50 m em relação à altura do ponto mais próximo da guia a este muro (ou a 0,50 m da cota da linha horizontal perpendicular à guia) No que se refere a muros de arrimo de divisa para suportar aterros devido à elevação da topografia original do lote, estabelece-se que: [i] No caso de lotes em declive, será permitida, a partir do alinhamento da frente do lote, até 0,50m (cinqüenta centímetros) acima do nível da guia fronteira à divisa do lote, a execução de muros de arrimo laterais, sobre os quais podem ser executados muros de divisa até uma altura máxima de 2,00 (dois metros), a partir do recuo de frente. [ii] Ainda, no caso de lotes em declive, será permitida a construção de muros de arrimo de fundo, cuja altura máxima é aquela formada pelo alinhamento dos muros de arrimo laterais, sobre os quais podem ser executados muros de divisa até uma altura máxima de 2,00 (dois metros). [iii] Os muros de arrimo laterais e de fundo quando da existência de vizinhos não poderão ultrapassar a 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros) de altura da topografia original do lote, onde este será executado. No entanto, poderão ser executados muros de arrimo internos, desde que à distância de recuo do outro muro seja, no mínimo, idêntica à sua altura máximo 2,00m (dois metros), ou que apresentem inclinação máxima de 45 0 (quarenta e cinco graus) com cobertura vegetal adequadamente protegida. [iv] Caso não haja vizinhos de fundo, os muros de arrimo laterais e de fundos poderão ter, no máximo, a altura de 5,50m (cinco metros e cinqüenta centímetros) em relação à topografia original do lote onde este será executado. Contudo, poderão ser executados muros de arrimo internos, desde que à distância de recuo do outro muro seja, no mínimo, idêntica à sua altura máximo 2,00m (dois metros), ou que apresentem inclinação máxima de 45 0 (quarenta e cinco graus) com cobertura vegetal adequadamente protegida Para muros de arrimo para suportar cortes feitos na topografia original do lote, com a finalidade de rebaixamento do terreno, não há restrições para a altura máxima destes arrimos As coberturas das edificações dos lotes não poderão ser executadas com telhas fabricadas com compostos de fibrocimento ou amianto As ligações externas de água, energia elétrica, telefone, campainha ou similares, serão obrigatoriamente subterrâneas, entre o abrigo e a edificação principal Toda edificação deverá ter reservatório de água tratada capaz de garantir o consumo durante o prazo mínimo de 48 (quarenta e oito) horas.

20 DE OBRAS OBRAS A captação de águas pluviais das edificações deverá ser conduzida por tubulações embutidas no passeio, descarregando na guia de fronte do lote ou na guia fronteira ao lote da servidão destinada para o lote objeto do presente contrato, de acordo com os itens 2.5, 2.6 e Toda e qualquer despesa decorrente dessa ligação correrá por conta exclusiva do usuário Para todos os efeitos, as regras contidas no capítulo 4, exceto os itens 4.1 e 4.2 (que tratam da taxa de ocupação do lote e do número de pavimentos), poderão ser modificadas por uma decisão tomada em uma Assembléia Geral designada especificamente para essa finalidade, indicando, quando da sua convocação, os itens que se pretende alterar e seus respectivos motivos. Tais modificações, se ocorrerem, devem ser, obrigatoriamente, anuídas pela VENDEDORA, para que seja garantida a manutenção da qualidade das edificações do projeto Fica desde já ressaltado que todas os itens constantes dos capítulos 1, 2 e 3 não podem sofrer modificações sem aprovação prévia e por escrito da VENDEDORA. CAPÍTULO 5 Restrições na Execução de Obras 5.1. As edículas não poderão ser edificadas antes do início da construção principal; todavia, após a expedição do Alvará de Licença do Poder Público, será permitida a construção de um barracão provisório para depósito de materiais de construção ou uso de guarda da obra; esse barracão deverá ser demolido se a obra não for iniciada dentro do prazo de 120 (cento e vinte) dias a contar da data da expedição do referido Alvará Os barracões, banheiros e privadas destinados aos operários da obra deverão ser construídos respeitando-se o recuo mínimo de 1,50 (um metro e cinqüenta centímetros) da guia e obedecendo-se as condições mínimas de higiene e segurança. As portas e janelas deverão estar voltadas para o interior do lote, de modo a não oferecer visão às vias públicas e residências lindeiras. Os banheiros e privadas também não poderão estar localizados junto às divisas do Loteamento e divisas das residências lindeiras A utilização de quaisquer instalações, definitivas ou provisórias, como alojamento para operários da obra poderá ser feita, desde que não haja, no total por obra no lote, mais de três pessoas ali alojadas, os quais devem respeitar as regras impostas pelo loteamento, sobretudo no que se refere a convivência harmônica com os seus moradores ou visitantes, evitando, assim, qualquer tipo de perturbação. Caso ocorra qualquer tipo de transgressão a esta cláusula, fica desde já o executante da referida obra obrigado a promover a remoção dos operários ali residentes Para execução da obra, será permitido o uso de um único lote lindeiro como apoio, desde que o interessado ofereça, no ato do pedido de aprovação do projeto, autorização por escrito do titular do lote lindeiro que será utilizado. O interessado fica obrigado a entregar o lote lindeiro utilizado limpo e livre de qualquer entulho, materiais e equipamentos de obra, sob pena de não obter a carta liberatória do Habite-se O início da obra somente será autorizado após a demarcação do lote de apoio com sarrafos e pontaletes, formando uma cerca de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) de altura nas divisas laterais e de fundos Deverá ser colocado um tapume pintado, como proteção, com altura mínima de 2,00m (dois metros), recuado 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) da guia em toda à frente da obra e no mínimo em 7,00m (sete metros) de suas laterais, a partir do tapume de frente. Qualquer obra localizada em lote de esquina deverá ter tapume com altura mínima de 1,10m (um metro e dez centímetros) em toda extensão do lote junto às divisas com áreas verdes ou sistemas de lazer do loteamento. É vedado, ainda, o acesso provisório e posteriormente o definitivo pelos sistemas de lazer, áreas verdes, áreas institucionais ou jardins.

21 DE OBRAS OBRAS A topografia da faixa do passeio público, definida com largura de 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros), deverá ser mantida na sua forma original, sendo que a calçada fronteira ao lote deverá ser executada conforme exigências da VENDEDORA e, posteriormente, da SOCIEDADE GÊNESIS II, porém com material de revestimento a critério do ADQUIRENTE somente nas entradas de veículos O ADQUIRENTE ou titular de direitos sobre o lote sobre o qual esteja sendo executada a construção responderá perante a VENDEDORA e, posteriormente, perante a SOCIEDADE GÊNESIS II e perante terceiros, pelos eventuais danos causados, seja por falta de adequada proteção dos locais perigosos que possam oferecer riscos a terceiros, principalmente a crianças, (fossas, escavações, ferragens com pontas sem a devida proteção, fios elétricos desencapados, etc.) ou pela má utilização de veículos de entrega de materiais, betoneiras, escavadeiras, guindastes, bate-estacas, explosivos, seja por quaisquer outros danos que equipamentos, empregados, prestadores de serviços ou outras pessoas ligadas à obra venham a causar, direta ou indiretamente, reservado, eventualmente, o direito de regresso contra o detentor da culpa Havendo paralisação da obra causada por motivo de força maior, tal fato deverá ser comunicado à VENDEDORA, ou posteriormente, à SOCIEDADE GÊNESIS II, ficando o adquirente ou titular de direitos sobre o lote de apoio obrigado, no prazo máximo de 15 (quinze) dias, a: 1) remover restos de materiais ou detritos; 2) providenciar a demolição de banheiros e privadas do alojamento; 3) fechar convenientemente a fossa e outras escavações; 4) restaurar o gramado na frente do lote na faixa de 3,50m (três metros e cinqüenta centímetros); 5) agrupar convenientemente o material remanescente; e 6) fechar toda a obra com tapumes O não cumprimento do disposto neste item, após notificação feita ao adquirente por escrito, implicará na tomada de providências em seu nome, sendo os serviços acima executados e posteriormente cobrados do adquirente, acrescidos de multa de 20% (vinte por cento), juros moratórios e correção monetária, isentando-se a VENDEDORA, ou posteriormente a SOCIEDADE GÊNESIS II, de qualquer responsabilidade por perdas e danos O ADQUIRENTE declara-se ciente, desde já, que a carta liberatória para a expedição do "habite-se" somente será fornecida pela VENDEDORA, ou posteriormente pela SOCIEDADE GÊNESIS II após a verificação do integral cumprimento de todas as normas estabelecidas pelos Poderes Públicos e das constantes do presente Regulamento, especialmente as que se referem à limpeza da obra e do lote de apoio Fica expressamente vedada à utilização de jardins, áreas verdes, sistemas de lazer ou quaisquer outras áreas comuns do loteamento, para a deposição de materiais, entulhos ou detritos As ligações de água e esgoto dos barracões de obra deverão ser executadas antes do início efetivo da obra; o lixo deverá ser acondicionado em sacos plásticos apropriados e colocados em lixeira suspensa para coleta Poder-se-ão unir ou recompor dois ou mais lotes contíguos, de modo a formar um ou mais lotes. Todas as obrigações nestas cláusulas pactuadas continuarão a ser aplicadas a esses novos lotes resultantes, além das seguintes restrições específicas para composição e/ou desmembramento de lotes contíguos, abaixo listadas: (a) (b) frente mínima de um lote: 12,00m (doze metros); área mínima de um lote: 420m² (quatrocentos e vinte metros quadrados);

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20

REGULAMENT O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS OBRAS-001 3 1-20 O DE OBRAS DO RESIDENCIAL E COMERCIAL GÊNESIS I 1 PARA APROVAÇÃO DE PROJETO 1.1 - Os proprietários e seus contratados (engenheiros e arquitetos) são obrigados a cumprir integralmente

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS Que entre si celebram, de um lado, a SOCIEDADE ALPHAVILLE RESIDENCIAL 5, inscrita no C.G.C./MF, sob o n.º 51.244.861/0001-56, isenta

Leia mais

Normas de Construção

Normas de Construção Normas de Construção As presentes normas foram elaboradas em complemento as normas e procedimentos já existentes do Residencial Granja Carneiro Viana, objetivando ampliar as disposições e regras da Prefeitura

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Sociedade Residencial REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Aqui a vida se renova. 1) APRESENTAÇÃO: 1.1 A filosofia deste Regulamento é apresentar limitações supletivas, ou seja, prevalecem

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS NO BAIRRO ÁGUAS DE SERRA MORENA ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições limitativas do uso e ocupação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA ÍNDICE ORIENTAÇÕES PRELIMINARES IMPORTANTES pág. 02 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA pág. 03 NORMAS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS pág. 08

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA À ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ATHENAS PROPRIETÁRIO:... TEL:...

AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA À ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ATHENAS PROPRIETÁRIO:... TEL:... AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA À ASSOCIAÇÃO DOS S DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ATHENAS REF. AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA LOTE:... QUADRA:... :... TEL:... Venho através deste, comunicar a

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio:

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio: ANEXO I REGULAMENTO DE OBRAS Cuidados ao iniciar a obra: Toda obra ou reforma na unidade deve ser comunicada ao síndico, com antecedência mínima de 10 dias, através da apresentação de respectivo croqui

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS DO ASSOCIAÇÃOVILLE DES LACS ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições

Leia mais

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO Art. 52 - É condição essencial e imperativa a observância dos termos deste Estatuto Social, Regimento Interno e das Normas para Construção

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE Assunto Itens Página I Principios Gerais 01 a 05 02 II Restrições da Construção e do Uso do Lote 06 a 24 03 III Inicio das Edificações,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA PROVISÓRIA Esta Autorização provisória permitirá a execução dos seguintes itens: - Limpeza do lote e nivelamento; - Implantação da mureta de medidores; - Fechamento

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA

MEMORIAL DESCRITIVO DA OBRA 1 PROJETO Nº 013/2014 Solicitação: MEMORIAL DESCRITIVO Tipo da Obra: PINTURA MURETA, POSTES, BRINQUEDOS DO PARQUE INFANTIL E TROCA PISO SALAS DE AULA Reforma: local indicado em planta Local: EMEI CRIANÇA

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Aprovado em Assembleia Extraordinária de / / Í N D I C E ASSUNTO ITENS PÁGINA I. Princípios Gerais... 01 a 05... 02 II. Restrições da Construção

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções:

CÓDIGO DE OBRAS. 2.1 São consideradas obras provisórias as seguintes intervenções: * Código citado no Artigo 10º, item I do Estatuto Social. 1 - APROVAÇÃO DE PROJETOS 1.1 Para primeira análise: 01(uma) via do projeto arquitetônico completo (inclusive projeto contendo memorial de áreas);

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO. 2. SERVIÇOS PRELIMINARES Limpeza, Barracão de Obra e Placa de Obra 2.1. LIMPEZA DA ÁREA DE INTERVENÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS Obra: Intervenção nos Canteiros Centrais da Avenida Santa Luzia Segunda Etapa. Endereço: Avenida Santa Luzia Área de Intervenção: 4758,52 m² 2. SERVIÇOS PRELIMINARES

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE Estrada do Coco, Km 31 Barra do Jacuípe CEP 42.833-000 Camaçari/Bahia CNPJ 03.380.253/0001-26 Telefones : (071) 3678-1690 e 3678-2356 E-mail : vjacuipe@oi.com.br

Leia mais

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença.

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença. DECRETO N o 1487/2006 DATA: 27 de janeiro de 2006. SÚMULA: Aprova, com ressalvas, o Loteamento denominado LOTEAMENTO ALPHAVILLE. MARINO JOSE FRANZ, Prefeito Municipal de Lucas do Rio Verde, Estado de Mato

Leia mais

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES)

RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) RIVIERA DE SANTA CRISTINA XIII REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO (SAADES) 1. Objetivo e Definições 1.1. O presente Regulamento objetiva

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877 INSTRUMENTO PARTICULAR DE INCORPORAÇÃO Condomínio Horizontal Fechado RESIDENCIAL VILLAVERDE (Identificado no Cartório de Registro Civil do Distrito de Monte Verde Camanducaia Livro 05-B 1º Traslado Fls

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS

REGULARIZAÇÃO POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS POSTO DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS I- Requerimento (modelo fornecido pela EMURB), assinado pelo proprietário ou procurador legalmente constituído. II- Número da inscrição cadastral do imóvel

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL I - DO OBJETO REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Artigo 1º - O presente regulamento disciplina

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015

REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 REVISÃO REGULAMENTO INTERNO ABRIL/2015 ITENS REVISADOS: ARTIGO 14, alínea c c) Todos os recuos mencionados na alínea b deverão ser totalmente livres, sendo que a projeção de beirais com largura de até

Leia mais

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA

Sociedade loteamento MONT BLANC PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA PROCEDIMENTO PARA INÍCIO DE OBRA 1. Apresentar cópia de Planta Aprovada pela Prefeitura Municipal de Campinas, cópia do Alvará de Execução para liberação de obra e cópia da ART recolhida do responsável

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL FINALIDADE 1. Este regulamento tem por finalidade definir direitos e deveres e orientar a conduta de todas as pessoas que se encontrarem, a

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS FLORAIS DA MATA É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ALPHAVILLE RESIDENCIAL 12 Av. Yojiro Takaoka, 6715 Santana de Parnaíba-SP. Fone/fax: 4153.2292. e-mail: sar12@sar12.org.

ASSOCIAÇÃO ALPHAVILLE RESIDENCIAL 12 Av. Yojiro Takaoka, 6715 Santana de Parnaíba-SP. Fone/fax: 4153.2292. e-mail: sar12@sar12.org. Código de Edificação Interno da Associação Alphaville Residencial 12 (Normas para aprovação de projetos e construção de Obras) TÍTULO PÁGINA 1.0 Generalidades 03 2.0 Restrições de Uso dos Lotes 03 3.0

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS

ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS ASSOCIAÇÃO RESIDENCIAL RESERVA BOM SUCESSO MANUAL TÉCNICO DE PROJETOS E OBRAS 1 OBJETIVO Este Manual Técnico de Projetos e Obras tem por objetivo orientar e informar aos proprietários dos lotes, bem como

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

UBATUBA COUNTRY CLUBE

UBATUBA COUNTRY CLUBE CÓDIGO DE OBRAS INTRODUÇÃO Esta codificação pretende estabelecer regras de convivência para os proprietários e freqüentadores do Ubatuba Country Clube (UCC), bem como harmonizar com a paisagem os elementos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a

Art. 1 - O presente regulamento estabelece regras e restrições com a finalidade de disciplinar o uso e ocupação do solo, a REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS VILLA JARDIM É condição essencial ao Contrato de Venda e Compra de Bem Imóvel, Com Pacto Adjeto de Financiamento Com Alienação Fiduciária a observância

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais

REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA

REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA REGIMENTO INTERNO LOTEAMENTO NOVA PALHOÇA Art. 1. O presente Regimento Interno é instituído com o objetivo de estabelecer normas, diretrizes e condicionantes atinentes à conservação e ordem interna do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas

PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas PROJETO URBANÍSTICO Normas Construtivas Tão bom quanto um Damha. só outro Damha. Bem-vindo ao Residencial Damha II O Residencial Damha II Brasília seguirá o mesmo padrão e a mesma infraestrutura de sucesso

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Í N D I C E. Página 1 de 19

Í N D I C E. Página 1 de 19 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Aprovado em Assembleia Extraordinária de 14/04/2014 Í N D I C E ASSUNTO ITENS PÁGINA I. Princípios Gerais... 01 a 05... 02 II. Restrições

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO SUBSTITUIÇÃO DA COBERTURA DA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III. SERVIÇOS

Leia mais

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL PEDRO REZENDE DOS SANTOS 1 - OBJETO:

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015.

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. Dispõe sobre loteamento urbano fechado, condomínio horizontal fechado, responsabilidade do incorporador e loteador, concessão de uso e dá outras providências. O

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 1 DO OBJETO 1.1 Prestação de serviços de instalação de piso elevado acessível, com fornecimento de componentes, acessórios e materiais, visando

Leia mais

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a conservação e a proteção das águas subterrâneas no Estado de Pernambuco e dá outras providências Capítulo I - Da conservação e proteção das águas subterrâneas

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título.

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título. IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU FATO GERADOR E INCIDÊNCIA O Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou posse de todo e qualquer bem imóvel

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO

DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE DA CASA DE LIXO A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO E O PARECER TÉCNICO

Leia mais

Propostas de Alteração do Regimento Interno

Propostas de Alteração do Regimento Interno Propostas de Alteração do Regimento Interno 1- Proposta de Antônio de Jesus Ribeiro Q22 L17: Incluir Único no Artigo 1º Parágrafo único Caso o dano seja no meio, caberá ao proprietário da unidade danificada

Leia mais

LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA)

LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA) LOTEAMENTO FECHADO JARDIM DA PAINEIRA DAS REGRAS E POSTURAS URBANAS (MINUTA) Todo proprietário de lote do Loteamento Fechado Jardim da Paineira, ao executar, qualquer construção complementação, modificação

Leia mais

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO

LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO LIGAÇÃO COMERCIAL OU INDUSTRIAL DE ESGOTO Padronização da caixa de amostragem industrial e/ou comercial de efluentes. 1. Localização e infra estrutura da caixa de amostragem de efluentes: 1.1 Esta caixa

Leia mais

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares.

CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. CAPITULO XII. DA EDIFICAÇAO DE RESIDÊNCIAS PELOS CONDÔMINOS. Seção 1. Disposições Preliminares. Artigo 47º. O CONDOMÍNIO, uma vez instituído na conformidade das disposições constantes do respectivo Memorial

Leia mais

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL 1 APROVAÇÃO DE PROJETOS TRANSCRIÇÃO DE TRECHOS LEGISLAÇÃO PERTINENTE CÓDIGO

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

EQUIPE PROJETOS CONSTRUÇÕES LTDA

EQUIPE PROJETOS CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO EQUIPE PROJETOS CONSTRUÇÕES LTDA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome: Endereço: Porto Oceânico Rua "C", Lote 13, Quadra 28, Lot. Cidade Balneária de Itaipu, Itaipu,

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho)

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) Dispõe sobre a obrigatoriedade de vistorias periciais e manutenções periódicas nas edificações constituídas por unidades autônomas, públicas ou

Leia mais

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

Autores: Deputado SAMUEL MALAFAIA, Deputado LUIZ PAULO A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE: PROJETO DE LEI Nº 2584/2013 EMENTA: DETERMINA QUE SEGUROS IMOBILIÁRIOS DE CONDOMÍNIOS, PRÉDIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E PÚBLICOS SOMENTE SEJAM EMITIDOS MEDIANTE O CUMPRIMENTO DA LEI Nº6400, DE 05 DE

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Heber Xavier Ferreira Coordenador do COPLAN/ALTO VALE RESOLUÇÃO COPLAN Nº 001/2012 O Coordenador do COPLAN/ALTO VALE, no exercício de suas atribuições e, atendendo a deliberação ocorrida na reunião ordinária do dia 07/12/2011, resolve: Art. 1º Fica aprovado,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIDADE DIFERENCIADA LOTEAMENTO PRAIA DE JURERÊ VI ETAPA- A JURERÊ INTERNACIONAL, FLORIANÓPOLIS/SC O presente programa contempla o conjunto de normas, diretrizes e condicionantes

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ

REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS DO CONDOMÍNIO FLORAIS CUIABÁ Srs. Condôminos, Arquitetos e Engenheiros. Assunto: Alterações no Regulamento de Normas Construtivas. Prezados senhores! Desde a entrada em vigor do REGULAMENTO DE NORMAS CONSTRUTIVAS E URBANÍSTICAS em

Leia mais