II SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS - AEA PAULO EVANDO BARBOSA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS - AEA PAULO EVANDO BARBOSA"

Transcrição

1 II SIMPÓSIO DE LUBRIFICANTES E ADITIVOS - AEA PAULO EVANDO BARBOSA

2 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL - FPT

3 FPT - POWERTRAIN TECHNOLOGIES FÁBRICAS FÁBRICAS CENTRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

4 UMA EMPRESA GLOBAL PRESENÇA EM 8 PAÍSES 16 FÁBRICAS E 11 CENTROS DE ENGENHARIA

5 VENDAS POR CLIENTE GRUPO FIAT CLIENTES EXTERNOS

6

7 A FPT AMÉRICA LATINA HOJE

8 APRESENTAÇÃO TÉCNICA

9 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL - AUMENTO DO DESEMPENHO DOS MOTORES - REDUÇÃO DO CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DOS VEÍCULOS - AUMENTO DA DIVERSIDADE DE COMBUSTÍVEIS DE MOTORES - REDUÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO DOS MOTORES - REDUÇÃO DO CUSTO DE MANUTENÇÃO DOS VEÍCULOS

10 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DOS MOTORES / VEÍCULOS - REDUÇÃO DOS LIMITES DE EMISSÕES VEICULARES - AUMENTO DA DEMANDA DE ÓLEO DOS MOTORES

11 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL EVOLUÇÃO AUMENTO DO DESEMPENHO DOS MOTORES (POTÊNCIA ESPECÍFICA) CARBURADOR + DISTRIBUIDOR CARBURADOR + DISTRIBUIDOR INJEÇÃO ELETRÔNICA + IGNIÇÃO ELETRÔNICA INJEÇÃO ELETRÔNICA + IGNIÇÃO ELETRÔNICA + CVCP + SOBREALIMENTAÇÃO INJEÇÃO ELETRÔNICA + IGNIÇÃO ELETRÔNICA + CVCP + SOBREALIMENTAÇÃO + MULTI AIR +?

12 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL AUMENTO DO DESEMPENHO DOS MOTORES - AUMENTO DAS SOLICITAÇÕES MECÂNICAS AUMENTO DA RESISTÊNCIA DO ÓLEO À RUPTURA DO FILME - AUMENTO DAS SOLICITAÇÕES TÉRMICAS AUMENTO DA RESISTÊNCIA DO ÓLEO À DEGRADAÇÃO TÉRMICA

13 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL EVOLUÇÃO - REDUÇÃO DO CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DOS VEÍCULOS (DISTÂNCIA PERCORRIDA POR COMBUSTÍVEL CONSUMIDO) CARB. + DISTR. CARB. + DISTR. INJEÇÃO ELETRÔNICA + IGNIÇÃO ELETRÔNICA INJ. ELETRÔNICA + IGN. ELETRÔNICA + CVCP + SOBREALIMENTAÇÃO INJEÇÃO ELETRÔNICA + IGNIÇÃO ELETRÔNICA + CVCP + SOBREALIMENTAÇÃO + MULTI AIR +?

14 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL REDUÇÃO DO CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DOS VEÍCULOS - REDUÇÃO DE ATRITO (ÓLEOS LOW FRICTION)

15 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL EVOLUÇÃO - AUMENTO DA DIVERSIDADE DE COMBUSTÍVEIS DE MOTORES OTTO GASOLINA E22 GASOLINA E22 OU ÁLCOOL GASOLINA E22 OU ÁLCOOL FLEX / TETRA (GASOLINA E22 + ÁLCOOL + GNV) FLEX / TETRA OU? (GASOLINA E22 + ÁLCOOL + GNV OU?

16 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL EVOLUÇÃO - AUMENTO DA DIVERSIDADE DE COMBUSTÍVEIS DE MOTORES DIESEL DIESEL DIESEL DIESEL DIESEL BIO DIESEL OU ÁLCOOL OU? DIESEL + ( ÓLEOS VEGETAIS OU ÁLCOOL OU?

17 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL AUMENTO DA DIVERSIDADE DE COMBUSTÍVEIS DE MOTORES - AUMENTO DA DIVERSIDADE QUÍMICA AUMENTO DA CAPACIDADE DE PROTEÇÃO DO MOTOR AUMENTO DA RESISTÊNCIA DO ÓLEO À DEGRADAÇÃO QUÍMICA

18 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL EVOLUÇÃO - REDUÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO DOS MOTORES (RUÍDO PERCEBIDO)

19 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL REDUÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO DOS MOTORES - AUMENTO DA RESISTÊNCIA DO ÓLEO À RUPTURA DO FILME

20 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL EVOLUÇÃO - REDUÇÃO DO CUSTO DO ÓLEO LUBRIFICANTE (PREÇO DA TROCA DO ÓLEO LUBRIFICANTE)

21 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS DOS MOTORES / VEÍCULOS NA ÓTICA DO CLIENTE FINAL REDUÇÃO DO CUSTO DE MANUTENÇÃO DOS VEÍCULOS - AUMENTO DA VIDA ÚTIL DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES - REDUÇÃO DO VOLUME DE ÓLEO LUBRIFICANTE DOS MOTORES - REDUÇÃO DO CUSTO DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES

22 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DOS MOTORES / VEÍCULOS EVOLUÇÃO - REDUÇÃO DOS LIMITES DE EMISSÕES VEICULARES (QUANTIDADE POR QUILÔMETRO RODADO) CO HC Nox NMHC CO em marcha lenta

23 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DOS MOTORES / VEÍCULOS REDUÇÃO DOS LIMITES DE EMISSÕES VEICULARES - AUMENTO DO DESEMPENHO DOS MOTORES - REDUÇÃO DO CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DOS VEÍCULOS - REDUÇÃO DAS CARGAS DE ADITIVOS

24 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DOS MOTORES / VEÍCULOS EVOLUÇÃO - AUMENTO DA DEMANDA DE ÓLEO DOS MOTORES LUBRIFICAÇÃO LUBRIFICAÇÃO + TUCHOS HIDRÁULICOS LUBRIFICAÇÃO + TUCHOS HIDRÁULICOS LUBRIFICAÇÃO + TUCHOS HIDRÁULICOS + CVCP + SOBEALIMENTA ÇÃO LUBRIFICAÇÃO + TUCHOS HIDRÁULICOS + CVCP + SOBREALIMENTA ÇÃO + MULTI? AIR

25 EVOLUÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DOS MOTORES / VEÍCULOS AUMENTO DA DEMANDA DE ÓLEO DOS MOTORES - AUMENTO DA QUANTIDADE DE SISTEMAS ACIONADOS HIDRAULICAMENTE

26

O FUTURO DA MATRIZ ENERGÉTICA EM FUNÇAO DOS MOTORES II Simpósio Internacional de Combustíveis, Biocombustíveis e Aditivos JOÃO IRINEU MEDEIROS

O FUTURO DA MATRIZ ENERGÉTICA EM FUNÇAO DOS MOTORES II Simpósio Internacional de Combustíveis, Biocombustíveis e Aditivos JOÃO IRINEU MEDEIROS O FUTURO DA MATRIZ ENERGÉTICA EM FUNÇAO DOS MOTORES II Simpósio Internacional de Combustíveis, Biocombustíveis e Aditivos JOÃO IRINEU MEDEIROS DIRETOR DE ENGENHARIA DO PRODUTO FPT MERCOSUL FÁ BR IC A S

Leia mais

NOVOS MATERIAIS E TECNOLOGIAS PARA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

NOVOS MATERIAIS E TECNOLOGIAS PARA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NOVOS MATERIAIS E TECNOLOGIAS PARA A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA 67º CONGRESSO ABM - 02/08/2012 LUÍS CARLOS MONTEIRO SALES, DSc. ENGENHARIA DO PRODUTO INTEGRAÇÃO VEÍCULO CENÁRIO DRIVERS DE TECNOLOGIA PARA

Leia mais

O PROCONVE L6 E ESBOÇOS PARA O L7

O PROCONVE L6 E ESBOÇOS PARA O L7 IBAMA MMA O PROCONVE L6 E ESBOÇOS PARA O L7 C E T E S B Renato R. A. Linke SEMINÁRIO TENDÊNCIAS E O FUTURO DAS EMISSÕES VEICULARES: IMPACTO NA SAUDE, LEGISLAÇÃO E TECNOLOGIA AEA São Paulo 02 de Abril de

Leia mais

Magneti Marelli: Visão do Sistemista sobre as Tecnologias Envolvendo a Matriz Energética

Magneti Marelli: Visão do Sistemista sobre as Tecnologias Envolvendo a Matriz Energética Magneti Marelli: Visão do Sistemista sobre as Tecnologias Envolvendo a Matriz Energética II Simpósio Internacional de Combustíveis, Biocombustíveis e Aditivos Virgilio Cerutti Presidente Magneti Marelli

Leia mais

Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Gerência de Qualidade do Ar. São Paulo Novembro/2010

Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Gerência de Qualidade do Ar. São Paulo Novembro/2010 Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Mudanças Climáticas Gerência de Qualidade do Ar São Paulo Novembro/2010 Objetivos Implementação dos instrumentos previstos na Política

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL

IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL JOSÉ AUGUSTO MARINHO SILVA IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola Politécnica

Leia mais

Injeção eletrônica de combustíveis

Injeção eletrônica de combustíveis Injeção eletrônica de combustíveis É um sistema de dosagem de combustível nos motores ciclo Otto com o objetivo de controlar a relação estequiométrica (ar/combustível) de forma que a mesma seja sempre

Leia mais

GESTÃO EFICIENTE DE FROTAS

GESTÃO EFICIENTE DE FROTAS GESTÃO EFICIENTE DE FROTAS Veículos Pesados O Custo do Transporte no Brasil O PESO DOS CUSTOS NO NEGÓCIO Depreciação Salários Seguros Diárias Combustível Pneus Manutenção Lavagem Lubrificantes Custos fixos

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Mecânica de Motos 1. A manutenção das motocicletas é dividida em dois tipos

Leia mais

Identificar as propriedades dos principais materiais utilizados na construção mecânica

Identificar as propriedades dos principais materiais utilizados na construção mecânica : Técnico em Manutenção Automotiva Descrição do Perfil Profissional: Executa manutenção preventiva e corretiva de sistemas automotivos; atua em processo de produção mecânica utilizando e aplicando conhecimentos

Leia mais

Principais Características

Principais Características 25 Aditivos de Combustivel Principais Características Um aditivo para combustível é uma substância química agregada a um produto (um combustível) para melhorar suas propriedades e alterar suas características.

Leia mais

TECNOLOGIA SCR DA FORD GARANTE MAIOR ECONOMIA, EFICIÊNCIA E SUSTENTABILIDADE

TECNOLOGIA SCR DA FORD GARANTE MAIOR ECONOMIA, EFICIÊNCIA E SUSTENTABILIDADE TECNOLOGIA SCR DA FORD GARANTE MAIOR ECONOMIA, EFICIÊNCIA E SUSTENTABILIDADE A nova geração Ford Cargo Euro 5 que será comercializada em 2012 traz várias vantagens para o cliente, como menor custo operacional,

Leia mais

Desenvolvimento da Rede - Treinamento

Desenvolvimento da Rede - Treinamento Desenvolvimento da Rede - Treinamento ÍNDICE Introdução... 3 Dados técnicos... 4 Vantagens da utilização do sistema de gerenciamento eletrônico... 5 Inovações técnicas... 6 Componentes e sistemas... 7

Leia mais

NT PowerBox. Dispositivo eletrônico de fácil instalação que aumenta a potência do motor, diminui a emissão de gases tóxicos e protege o óleo.

NT PowerBox. Dispositivo eletrônico de fácil instalação que aumenta a potência do motor, diminui a emissão de gases tóxicos e protege o óleo. NT PowerBox Dispositivo eletrônico de fácil instalação que aumenta a potência do motor, diminui a emissão de gases tóxicos e protege o óleo. SEU MOTOR TEM BAIXA PERFORMANCE? DÊ UMA DOSE DE NT POWERBOX

Leia mais

Agenda. Combustíveis Fosseis X Combustíveis Renováveis. Matrizes Energéticas no Transporte. Alternativas aos Motores Diesel. Opções Tecnológicas

Agenda. Combustíveis Fosseis X Combustíveis Renováveis. Matrizes Energéticas no Transporte. Alternativas aos Motores Diesel. Opções Tecnológicas Ethanol Summit 2009 Etanol: Nova Opção para Motores Diesel Engenharia de Desenvolvimento 3 de Junho de 2009 Agenda Combustíveis Fosseis X Combustíveis Renováveis Matrizes Energéticas no Transporte Alternativas

Leia mais

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MOTORES ALTERNATIVOS DE COMBUSTÃO INTERNA Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 MACI Alimentação - Carburador Carburador Elementar 1. Vazão de Ar 2. Valvula Borboleta Aceleradora

Leia mais

Aula 8 Injeção Eletrônica Direta

Aula 8 Injeção Eletrônica Direta Introdução Aula 8 Injeção Eletrônica Direta Até o lançamento do sistema de injeção eletrônica MED, a mistura de ar e combustível era gerada no tubo de aspiração. A busca por novas possibilidades para melhorar

Leia mais

Mecanização Agrícola e Máquinas Máquinas, implementos e ferramentas

Mecanização Agrícola e Máquinas Máquinas, implementos e ferramentas Mecanização Agrícola e Máquinas Máquinas, implementos e ferramentas Eng. Agr. Me. Andre Gustavo Battistus E-mail: andregustavo@udc.edu.br E-mail alternativo: andre_battistus@hotmail.com Terminologia Mecanização

Leia mais

COMBUSTÍVEIS. Diesel

COMBUSTÍVEIS. Diesel COMBUSTÍVEIS COMBUSTÍVEIS Diesel O Diesel é o combustível mais utilizado no Brasil. A maior parte da frota comercial brasileira é movida a óleo diesel. Assim como a gasolina, ele é um sub-produto do petróleo,

Leia mais

MOTORES Flex. Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM. UFRJ Dezembro de 2012

MOTORES Flex. Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM. UFRJ Dezembro de 2012 MOTORES Flex Tadeu Cordeiro, M.Sc., D.Sc. Consultor Senior CENPES/PDAB/DPM UFRJ Dezembro de 2012 FLEX FUEL BRASILEIRO Permite a utilização de álcool hidratado (E100), gasolina (E22) ou qualquer mistura

Leia mais

Energy in Transports Fuel consumption and emissions from road vehicles. Tiago Lopes Farias

Energy in Transports Fuel consumption and emissions from road vehicles. Tiago Lopes Farias Energy in Transports Fuel consumption and emissions from road vehicles Tiago Lopes Farias Instituto Superior Técnico Otto Engine: : 4 stroke cycle ADMISSÃO COMPRESSÃO EXPANSÃO ESCAPE Main variables curso

Leia mais

BRASIL. 1. Introdução:

BRASIL. 1. Introdução: BRASIL BRASIL 1. Introdução: O Brasil tem a regulamentação de emissões de veículos leves baseada nos procedimentos americanos e a de veículos pesados e motocicletas baseada em procedimentos europeus e

Leia mais

Disciplina: Motores em Sistemas de Propulsão Alternativos. Introdução

Disciplina: Motores em Sistemas de Propulsão Alternativos. Introdução Disciplina: Motores em Sistemas de Propulsão Alternativos Introdução Energia e Meio Ambiente A partir da década de 1960 a indústria automobilística passou a ter de resolver dois grandes problemas relacionados

Leia mais

O impulso para a utilização de lubrificantes mais avançados

O impulso para a utilização de lubrificantes mais avançados O impulso para a utilização de lubrificantes mais avançados Fabio Araujo, Latin America Product Manager, Engine Oils 6 º Encontro Internacional com o Mercado America do Sul 2016 Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

Eficiência energética com sustentabilidade: o etanol e os combustíveis de alta octanagem

Eficiência energética com sustentabilidade: o etanol e os combustíveis de alta octanagem Eficiência energética com sustentabilidade: o etanol e os combustíveis de alta octanagem Marcos Clemente Centro Tecnológico de Jundiaí 25 de outubro de 2017 1 ROTA 2030 O que é? Nova trajetória para a

Leia mais

ARGENTINA. 1. Introdução :

ARGENTINA. 1. Introdução : ARGENTINA ARGENTINA 1. Introdução : A Argentina adota limites de emissões e procedimentos de ensaio baseados nos europeus. As regulamentações argentinas, em seu texto, citam os números das diretivas européias

Leia mais

é igual à de um veículo movido a álcool ou a gasolina?» Quais são as vantagens para o frotista em converter

é igual à de um veículo movido a álcool ou a gasolina?» Quais são as vantagens para o frotista em converter Gás Natural Veicular - GNV»O que é GNV?» Existe perigo de explosão com o uso do Gás Natural Veicular?» Como abastecer um veículo movido a Gás Natural?» Quantos países já possuem Gás Natural Veicular?»

Leia mais

a) pressão máxima do ciclo; b) rendimento térmico; c) pressão média

a) pressão máxima do ciclo; b) rendimento térmico; c) pressão média Lista 1 de Motores de Combustão Interna 1. Para alguns motores Diesel é adequada a representação do ciclo motor segundo um ciclo dual, no qual parte do processo de combustão ocorre a volume constante e

Leia mais

CATÁLOGO FIAT PETRONAS. PRESENTE NO MUNDO. NO BRASIL. NA SUA VIDA.

CATÁLOGO FIAT PETRONAS. PRESENTE NO MUNDO. NO BRASIL. NA SUA VIDA. CATÁLOGO FIAT PETRONAS. PRESENTE NO MUNDO. NO BRASIL. NA SUA VIDA. PETRONAS TOWERS SEDE PETRONAS NA MALÁSIA PETRONAS, NO CAMINHO DO DESENVOLVIMENTO. A PETRONAS foi incorporada como uma indústria de óleo

Leia mais

Funcionamento de um motor CAPITULO 11. Curvas características de um motor - Influencia dos parâmetros de regulagem, de uso e concepção

Funcionamento de um motor CAPITULO 11. Curvas características de um motor - Influencia dos parâmetros de regulagem, de uso e concepção CAPITULO 11 Curvas características de um motor - Influencia dos parâmetros de regulagem, de uso e concepção Curvas características de um motor - Influencia dos parâmetros de regulagem, de uso e concepção

Leia mais

Projeto Veículo Elétrico

Projeto Veículo Elétrico Projeto Veículo Elétrico Palio Weekend Elétrico Leonardo Gaudencio Cavaliere Supervisor de Inovações do Produto Belo Horizonte, 05 julho 2010 GRUPO FIAT NO MUNDO GRUPO FIAT NO BRASIL MONTADORAS COMPONENTES

Leia mais

Motores Térmicos. Programa

Motores Térmicos. Programa Motores Térmicos Programa I II Introdução aos diversos tipos de motores 1 Generalidades 2 Funcionamento dos motores de Explosão 3 Funcionamento dos motores Diesel 4 Funcionamento dos motores a Dois Tempos

Leia mais

CATÁLOGO LINHA MOTORES RAID. Gasolina, Álcool e GNV Flex Diesel Motos 4T Motos 2T

CATÁLOGO LINHA MOTORES RAID. Gasolina, Álcool e GNV Flex Diesel Motos 4T Motos 2T Raid - Interlub Brasil Industria e Comércio de Óleo Automotivo - Catalogo de Produtos - Ano 2016 / 2017 CATÁLOGO LINHA MOTORES Gasolina, Álcool e GNV Flex Diesel Motos 4T Motos 2T RAID 2016 / 2017 CATÁLOGO

Leia mais

Prof. Luís Fernando Pagotti

Prof. Luís Fernando Pagotti Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti energia não pode ser criada nem destruída, só pode ser transformada! Como Converter Energia? Combustores;

Leia mais

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA I

MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA I Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA I LEB0332 Mecânica e Máquinas Motoras Prof. Leandro M. Gimenez 2017 TÓPICOS Motores de combustão interna I Aspectos teóricos,

Leia mais

Óleos Básicos Grupo III Para Lubrificantes Automotivos de Baixa Viscosidade. 8º Lubgrax Meeting de Agosto de 2017 Fecomércio São Paulo Brasil

Óleos Básicos Grupo III Para Lubrificantes Automotivos de Baixa Viscosidade. 8º Lubgrax Meeting de Agosto de 2017 Fecomércio São Paulo Brasil Óleos Básicos Grupo III Para Lubrificantes Automotivos de Baixa Viscosidade 8º Lubgrax Meeting 16 17 de Agosto de 2017 Fecomércio São Paulo Brasil Agenda GTM + quantiq SK Lubricants Tendências Globais

Leia mais

Como aumentar o interesse em desenvolver veículos mais eficientes com etanol?

Como aumentar o interesse em desenvolver veículos mais eficientes com etanol? Como aumentar o interesse em desenvolver veículos mais eficientes com etanol? Eficiência Energética Sustentável - Metodologia incluindo GEE poço à roda - Segurança de abastecimento de etanol -Competitividade

Leia mais

Gás Natural Veicular - FAQ Qua, 13 de Setembro de :00. O que é GNV?

Gás Natural Veicular - FAQ Qua, 13 de Setembro de :00. O que é GNV? O que é GNV? GNV é a sigla de Gás Natural Veicular, ou seja, é o gás natural utilizado em veículos automotores. É o mesmo gás canalizado utilizado em residências, comércio e indústria. Nos veículos ele

Leia mais

w w w. i n t. g o v. b r

w w w. i n t. g o v. b r Instituto Nacional de Tecnologia Unidade de Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, criada em 1921 por Ernesto da Fonseca Costa, com o nome de Estação Experimental de Combustíveis e Minérios.

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 26 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO 307 1.6 16V FLEX BOSCH ME 7.4.9 SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: ONIX - AJUSTES E SCANNER Agora veremos: 307 ME 7.4.9 - AULA

Leia mais

Motores de Combustão Interna

Motores de Combustão Interna Motores de Combustão Interna Professora: Jaciana Silva de Santana Email: jacianasantana@ifpe.recife.edu.br 6 - Temperatura de Auto-Ignição Propriedade dos Combustíveis É a temperatura na qual aquecendo

Leia mais

O Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores

O Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores O Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores CETESB Divisão de Transporte Sustentável e Emissões Veiculares Vanderlei Borsari AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Metrô 16ª Semana

Leia mais

Carburador ecopra ECONÓMICO, ECOLOGICO, EQUITAVEL. Optimizar a qualidade do ar que entra nas câmaras de combustão

Carburador ecopra ECONÓMICO, ECOLOGICO, EQUITAVEL.  Optimizar a qualidade do ar que entra nas câmaras de combustão Optimizar a qualidade do ar que entra nas câmaras de combustão Carburador ecopra ECONÓMICO, ECOLOGICO, EQUITAVEL EM TODOS OS TIPOS DE MOTORES DE TODOS OS TIPOSEQUITAVEL GESTÃO DO CONSOMAÇÃO DESPOLUENTE

Leia mais

Desafios para os Lubrificantes Automo3vos

Desafios para os Lubrificantes Automo3vos Desafios para os Lubrificantes Automo3vos Antonio Alexandre Ferreira Correia Consultor Sênior Petrobras Distribuidora Lubgrax Meeting 2013 Formulação dos Lubrificantes Óleo Lubrificante Formulação dos

Leia mais

PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1

PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1 PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1 TUDO O QUE VOCÊ DEVE SABER TUDO O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE A FASE PROCONVE MAR-1 A FASE PROCONVE MAR-1 ESTABELECE LIMITES DE EMISSÕES DE MOTORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS E DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

LINTEC VEÍCULOS E MOTORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

LINTEC VEÍCULOS E MOTORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LINTEC VEÍCULOS E MOTORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Código: ET 700.018 Data: 05/08/2011 MOTOR 3LD1500 LINTEC PRODUTO: MOTOR APROVADO: Adelair Colombo ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MODELO: MOTOR 3LD1500 ELABORADO:

Leia mais

Legislação Ambiental 1

Legislação Ambiental 1 UFJF Faculdade de Engenharia POLUIÇÃO VEICULAR Profa. Aline S. Procopio (aline.procopio@ufjf.edu.br) Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental O controle das emissões veiculares no Brasil teve início

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR

Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM VEICULAR O Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular é um programa de eficiência energética para veículos leves coordenado

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 415, DE 24 DE SETEMBRO DE 2009 Dispõe sobre nova fase (PROCONVE L6) de exigências do Programa de Controle da Poluição do Ar

Leia mais

Motores Térmicos. Programa

Motores Térmicos. Programa Motores Térmicos Programa I Introdução aos diversos tipos de motores IV Combustão e câmaras de combustão em motores de Explosão II 1 Generalidades 2 Funcionamento dos motores de Explosão 3 Funcionamento

Leia mais

Mecanização Agrícola e Máquinas Motorização e partes do sistema

Mecanização Agrícola e Máquinas Motorização e partes do sistema Mecanização Agrícola e Máquinas Motorização e partes do sistema Eng. Agr. Me. Andre Gustavo Battistus E-mail: andregustavo@udc.edu.br E-mail alternativo: andre_battistus@hotmail.com Terminologia Motorização

Leia mais

Nissan Intelligent Mobility - e-bio Fuel-Cell System -

Nissan Intelligent Mobility - e-bio Fuel-Cell System - Nissan Intelligent Mobility - e-bio Fuel-Cell System - Ricardo Abe Gerente de Engenharia de Produto Nissan do Brasil Automóveis LTDA Maiores desafios para a indústria automotiva atualmente Energia Aquecimento

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: MÁQUINAS TÉRMICAS Código da Disciplina: EMC236 Curso: Engenharia Mecânica Semestre de oferta da disciplina: 8º Faculdade responsável: Engenharia Mecânica Programa em

Leia mais

UNIDADE 1 DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E APLICAÇÕES TÍPICAS DE MCI 1.1 Generalidades 1.2 Perspectiva histórica. 1.3 Motores alternativos e rotativos.

UNIDADE 1 DEFINIÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E APLICAÇÕES TÍPICAS DE MCI 1.1 Generalidades 1.2 Perspectiva histórica. 1.3 Motores alternativos e rotativos. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE CURSO BACHARELADO EM ENGENHARIA DA MOBILIDADE SEMESTRE 2013/2 I. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Código: EMB 5304

Leia mais

Aula 12 -Sistemas de Gerenciamento Motores Diesel UGA

Aula 12 -Sistemas de Gerenciamento Motores Diesel UGA Aula 12 -Sistemas de Gerenciamento Motores Diesel Evolução dos Sistemas de Alimentação Motores Diesel Assim como os motoresciclo Otto, que no final da década de 1980 início da de 1990 tiveram o sistema

Leia mais

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras

PROCONVE. As Fases Passadas e Futuras PROCONVE (PROGRAMA DE CONTROLE DA POLUIÇÃO DO AR POR VEÍCULOS AUTOMOTORES) As Fases Passadas e Futuras Henry Joseph Jr Comissão de Energia e Meio Ambiente ANFAVEA Seminário sobre Emissões de Veículos Diesel

Leia mais

ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO. Dezembro 2013

ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO. Dezembro 2013 ABASTECIMENTO MARKETING & COMERCIALIZAÇÃO Dezembro 2013 Sumario Cenário Especificação da Gasolina S-50 Investimentos e Mercado Atributos e Benefícios da Gasolina S-50 Aspectos Relevantes Aditivação Total

Leia mais

Eletrobomba de combustível Análise e medições.

Eletrobomba de combustível Análise e medições. Eletrobomba de combustível Análise e medições. MOTIVAÇÃO: Avaliação do funcionamento da eletrobomba de combustível. CAUSA TÉCNICA: Melhoria do processo de diagnóstico. [GT] MODELO E VERSÃO: Fiat TT. PASSO

Leia mais

MOBILIDADE URBANA COM GÁS NATURAL E/OU BIOMETANO

MOBILIDADE URBANA COM GÁS NATURAL E/OU BIOMETANO MOBILIDADE URBANA COM GÁS NATURAL E/OU BIOMETANO EM 2030 60% da população mundial viverá em grandes cidades O FUTURO DAS CIDADES A MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL É SERÁ FUNDAMENTAL PARA EVITAR O CAOS TRÊS

Leia mais

ETANOL E AS EMISSÕES LOCAIS

ETANOL E AS EMISSÕES LOCAIS ETANOL E AS EMISSÕES LOCAIS Alfred Szwarc 3 Seminário Internacional - Uso Eficiente do Etanol Campinas, SP 20/21 de setembro de 2016 Poluição do Ar Local e Regional Tema do aquecimento global colocou a

Leia mais

VALIDAÇÃO DA DIAGNOSE DE FALHAS DE COMBUSTÃO (MISFIRE) PARA OBDBR-2 EM VEÍCULOS FLEX

VALIDAÇÃO DA DIAGNOSE DE FALHAS DE COMBUSTÃO (MISFIRE) PARA OBDBR-2 EM VEÍCULOS FLEX VALIDAÇÃO DA DIAGNOSE DE FALHAS DE COMBUSTÃO (MISFIRE) PARA OBDBR-2 EM VEÍCULOS FLEX Alexandre Moura da Silveira, Diego Ramos, Sandra Cruz Domahovski, Adriano Castro, François Vaxelaire Renault do Brasil

Leia mais

VM 4x2R. Raio de giro

VM 4x2R. Raio de giro Dimensões (mm) Cabine L1H1 L1H1 L1H1 L1H1 A - Entre-eixos 3650 4550 4800 5150 B - Balanço traseiro 1275 / 1795 2245 2395 2570 C - Distância eixo dianteiro - implemento (mín) 503 503 503 503 Raio de giro

Leia mais

A etiqueta de eficiência energética e os impactos positivos do óleo negro naftênico nas propriedades dos compostos para pneus

A etiqueta de eficiência energética e os impactos positivos do óleo negro naftênico nas propriedades dos compostos para pneus V Simpósio de Lubrificantes AEA Associação Brasileira de Engenharia Automotiva São Paulo, Brasil 24 / OUT / 2012 A etiqueta de eficiência energética e os impactos positivos do óleo negro naftênico nas

Leia mais

ÓLEOS USADOS CÓDIGO LER: * (*) DESCRIÇÃO LER: Óleos minerais não clorados de motores, transmissões e lubrificação.

ÓLEOS USADOS CÓDIGO LER: * (*) DESCRIÇÃO LER: Óleos minerais não clorados de motores, transmissões e lubrificação. CÓDIGO LER: 13 02 05 * (*) DESCRIÇÃO LER: Óleos minerais não clorados de motores, transmissões e lubrificação. Em caso de dúvidas ligue para o número de telefone CÓDIGO LER: 13 02 06 * (*) DESCRIÇÃO LER:

Leia mais

Empilhadeira hidrostática Linde. Linde STILL - Marcamp. Marcos Moreira, 21/06/2017

Empilhadeira hidrostática Linde. Linde STILL - Marcamp. Marcos Moreira, 21/06/2017 Empilhadeira hidrostática Linde. Linde STILL - Marcamp Marcos Moreira, 21/06/2017 Apresentação pessoal Linde STILL (KION SOUTH AMERICA) Desde Oct.2001 Gerente técnico; Marcos Moreira 41 anos, casado, 2

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO DA GASOLINA UTILIZADA NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB

AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO DA GASOLINA UTILIZADA NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO DA GASOLINA UTILIZADA NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB Anna Raquel Amorim de Araújo Lima 1 ; Lívia Veríssimo dos Santos 2 ; Iliana de Oliveira Guimarães 3 ; Divanira Ferreira Maia

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL N. 18/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL N. 18/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO 1 PREGÃO PRESENCIAL N. 18/2013 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Objeto CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA O FORNECIMENTO DE LUBRIFICANTES, GRAXA, FLUÍDO DE FREIOS E ADITIVOS, PARA USO DE VEÍCULOS E MÁQUINAS

Leia mais

Marca 100% brasileira, que está no mercado há mais de. 30 anos. Atua no segmento de tratores e equipamentos

Marca 100% brasileira, que está no mercado há mais de. 30 anos. Atua no segmento de tratores e equipamentos A TRAMONTINI Marca 100% brasileira, que está no mercado há mais de 30 anos. Atua no segmento de tratores e equipamentos agrícolas, motores, grupo de geradores, motobombas e reversores marítimos. Todos

Leia mais

Scania Oil. Prolongue a vida útil do seu Scania e mantenha o bom desempenho dos seus negócios.

Scania Oil. Prolongue a vida útil do seu Scania e mantenha o bom desempenho dos seus negócios. Scania Oil. Prolongue a vida útil do seu Scania e mantenha o bom desempenho dos seus negócios. DESENVOLVIDOS ESPECIALMENTE PARA O SEU SCANIA. O óleo lubrificante é um dos principais e mais importantes

Leia mais

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica

FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL. Prof.º: Carlos D Boa - geofísica FONTE DE ENERGIA RENOVÁVEL Prof.º: Carlos D Boa - geofísica Introdução Biocombustíveis (Biodiesel, Etanol e Hidrogênio) Biogás Biomassa Energia Eólica Energia das Marés Energia Hidrelétrica Energia Solar

Leia mais

Relação de Bens Imóveis, Intangíveis, Infraestruturas e Móveis - Posição Atual: 12/05/2017

Relação de Bens Imóveis, Intangíveis, Infraestruturas e Móveis - Posição Atual: 12/05/2017 Página 1 Nº / Ano 1.428 AMBULANCIA - SANTANA Compra 31/10/2000 20.866,00 14.606,20 6.259,80 0004 0001 0014 2.749 AMBULÂNCIA( VEÍCULO FURGÃO COR BRANCA MOTOR TURBO DIESEL Compra 29/04/2014 125.000,00 52.500,00

Leia mais

INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA

INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA IBAMA MMA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA CETESB HOMERO CARVALHO MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO ATO PÚBLICO PELA MELHORIA DA QUALIDADE DO DIESEL 12/09/2007 homeroc@cetesbnet.sp.gov.br CENÁRIO

Leia mais

VM 8x2R. Raio de giro

VM 8x2R. Raio de giro Dimensões (mm) Cabine L2H1 L2H1 L2H1 L2H1 A - Entre-eixos 4800 5150 5900 6700 B - Balanço traseiro 2371 2571 1771 1771 C - Distância eixo dianteiro - implemento (mín) 826 826 826 826 Raio de giro 11700

Leia mais

USO EFICIENTE DO ETANOL VEICULAR NO BRASIL

USO EFICIENTE DO ETANOL VEICULAR NO BRASIL USO EFICIENTE DO ETANOL VEICULAR NO BRASIL ÔNIBUS ELÉTRICO HÍBRIDO A ETANOL São Paulo SP, 21 de novembro de 2013 NABOR FERREIRA CABRAL Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável Engenheiro Mecânico

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Turmas de Janeiro / 2013 Atualizado em 28/11/12-14:00

CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Turmas de Janeiro / 2013 Atualizado em 28/11/12-14:00 CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Turmas de Janeiro / 2013 Atualizado em 28/11/12-14:00 Área Período De Período De Climatização Auxiliar de Climatização de Automóveis 62 h 14 anos 07/01/13 13/02/13

Leia mais

Motores de Combustão Interna - MCI

Motores de Combustão Interna - MCI Motores de Combustão Interna - MCI Eng. Nauberto R. Pinto Colaboração: Camila R. de Lacerda 29/01/2016 1 Elementos da Combustão 2 Classificação dos motores quanto ao tipo de combustão: Motores de Combustão

Leia mais

Estudo Reológico Comparativo entre Óleos Lubrificantes Automotivos Sintéticos E Minerais

Estudo Reológico Comparativo entre Óleos Lubrificantes Automotivos Sintéticos E Minerais Estudo Reológico Comparativo entre Óleos Lubrificantes Automotivos Sintéticos E Minerais Arsênio Vasconcelos 1 ; Bruna Guimarães 1 ; Paola Arantes 1 ; Pedro Henrique Silva 1 ; Orlene Silva da Costa 2 1

Leia mais

Combustão Industrial

Combustão Industrial Combustão Industrial JOSÉ EDUARDO MAUTONE BARROS Professor Adjunto da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador do Laboratório de Combustíveis e Combustão Doutor em Engenharia Mecânica - Térmica

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE LIMITES MÁXIMOS DE EMISSÃO DE GASES POLUENTES e RUÍDO PARA VEICULOS AUTOMOTORES

REGULAMENTO TÉCNICO DE LIMITES MÁXIMOS DE EMISSÃO DE GASES POLUENTES e RUÍDO PARA VEICULOS AUTOMOTORES MERCOSUL/GMC/RES. Nº 128/96 REGULAMENTO TÉCNICO DE LIMITES MÁXIMOS DE EMISSÃO DE GASES POLUENTES e RUÍDO PARA VEICULOS AUTOMOTORES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução

Leia mais

Catálogo de Cursos TAL/MECÂNICA SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

Catálogo de Cursos TAL/MECÂNICA SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL TAL/MECÂNICA SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS 1. TÍTULO ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS Preparar profissionais a identificar os ângulos da geometria da direção e

Leia mais

Desenvolvimento da Rede - Treinamento

Desenvolvimento da Rede - Treinamento Desenvolvimento da Rede - Treinamento ÍNDICE Introdução... 3 Dados técnicos... 4 Vantagens da utilização do sistema de gerenciamento eletrônico... 5 Inovações técnicas... 6 Componentes e sistemas... 7

Leia mais

Manutenção e Combustível Adequados Garantia da Durabilidade de Emissões? PAP 0070

Manutenção e Combustível Adequados Garantia da Durabilidade de Emissões? PAP 0070 Manutenção e Combustível Adequados Garantia da Durabilidade de Emissões? PAP 0070 Tadeu Cavalcante Cordeiro de Melo Rogério Nascimento de Carvalho Ricardo Almeida Barbosa de Sá Mauri José Baldini Cardoso

Leia mais

Referência: PROPOSTA PARA MAN SERVICE - CONTRATO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVO

Referência: PROPOSTA PARA MAN SERVICE - CONTRATO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVO São Paulo, xx xx xxxx PCM XXX/XX Concessionário Solicitante (DN/Nome) Responsável Pela Negociação À A/C.: Sr (a) Referência: PROPOSTA PARA MAN SERVICE -

Leia mais

LEI N DE OUTUBRO DE Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências.

LEI N DE OUTUBRO DE Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências. LEI N 8.723 28 DE OUTUBRO DE 1993 Dispõe sobre a redução de emissão de poluentes por veículos automotores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LUNARDELLI ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE LUNARDELLI ESTADO DO PARANÁ TERMO DE ADJUDICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE PROCESSO LICITATÓRIO O prefeito Municipal, HILARIO VANJURA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, especialmente a Lei nrº 8.666/93

Leia mais

Catalisador: O que é e para que serve.

Catalisador: O que é e para que serve. Catalisador: O que é e para que serve. O que significa a palavra catalisador? Por definição, catalisador catalítico é toda a substância que propicia a reação química de outras substâncias sem mesmo participar

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I. Capítulo 4 - Gerenciamento de Sistemas de Eletrônica Embarcada... 23

SUMÁRIO. Parte I. Capítulo 4 - Gerenciamento de Sistemas de Eletrônica Embarcada... 23 SUMÁRIO Parte I Capítulo 1 - Combustão... 3 Processo de combustão... 3 Motores de Combustão Interna... 4 Relação Ar/Combustível... 5 Relação Estequiométrica... 5 Tipos de misturas... 6 Fator Lambda...

Leia mais

OCUPAÇÃO 33 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação: Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 33 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação: Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 33 Data de Aprovação: Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas vigentes

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO EM MOTORES (FLEX) DO TIPO CICLO OTTO

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO EM MOTORES (FLEX) DO TIPO CICLO OTTO BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO EM MOTORES (FLEX) DO TIPO CICLO OTTO MODELO: EE0421 APRESENTAÇÃO A bancada didática para treinamento em motores de combustão interna do tipo CICLO OTTO Flex (motor vivo),

Leia mais

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados

A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados A experiência da IVECO na substituição do diesel em veículos pesados Uma parceria IVECO, FPT, BOSCH e RAIZEN Fabio Nicora IVECO - Innovation T&B LATAM (IVECO) 21 de Novembro 2013 VISÃO DO FUTURO ABORDAGEM

Leia mais

SHELL HELIX ULTRA CORE. Formulação Shell mais avançada para motores de elevado desempenho

SHELL HELIX ULTRA CORE. Formulação Shell mais avançada para motores de elevado desempenho 1 2 SHELL HELIX ULTRA CORE CATEGORIA VISCOSIDADE BENEFÍCIOS Shell Helix Ultra 0W-30, 0W-40, 5W-30, 5W-40 Formulação Shell mais avançada para motores de elevado desempenho Shell Helix Ultra Racing 10W-60

Leia mais

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme.

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme. Apresentar: 1) Alguns conceitos de motores de combustão interna; 2) Funcionamento simplificado da tecnologia Total-Flex ; Motor Otto: Para cada 13,8g de ar você pode colocar 1g de combustível (gasohol);

Leia mais

Engº Giuseppe Sarpa Field Specialist

Engº Giuseppe Sarpa Field Specialist Engº Giuseppe Sarpa Field Specialist 21 de Setembro 2015 Influências do Biodiesel na Vida do Lubrificante e do Motor Canada Óleo de peixe Sebo Europe Canola Norway Óleo de peixe Asia Pinhão Manso Óleo

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Aula 12 Ciclo Otto e Ciclo Diesel

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Aula 12 Ciclo Otto e Ciclo Diesel Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Aula 12 Ciclo Otto e Ciclo Diesel Ciclo de Potência dos Motores Alternativos Deslocamento de todos cilindros: V desl =N ciclo (V max V min )=N ciclo A ciclo

Leia mais

Níveis de Ruído Externo na Condição Estática dos Veículos FIAT. Ruído Estático db(a) / rpm

Níveis de Ruído Externo na Condição Estática dos Veículos FIAT. Ruído Estático db(a) / rpm Níveis de Ruído Externo na Condição Estática dos Veículos FIAT Modelo Versão Motorização Ano Combustível Ruído Estático db(a) / rpm Observação altitudes até 350m altitudes acima 350m Velocidade angular

Leia mais

[QUESTIONÁRIO DE ESTUDO]

[QUESTIONÁRIO DE ESTUDO] 1. Existe um componente mecânico que roda apoiado no bloco do motor, através de casquilhos ou rolamentos. Além disso, ele comanda os sistemas de distribuição, ignição, injeção, arrefecimento e lubrificação

Leia mais

85 (G) / 88 (E) a rpm. 12,4 (G) / 12,5 (E) a rpm. Eletrônica digital incorporada ao sistema de injeção

85 (G) / 88 (E) a rpm. 12,4 (G) / 12,5 (E) a rpm. Eletrônica digital incorporada ao sistema de injeção FIORINO FIORINO 1.4 EVO FLEX 2017 2P MOTOR CILINDROS 04 em linha Nº DE VÁLVULAS POR CILINDRO 2 CILINDRADA TOTAL (CC) POTÊNCIA MÁXIMA (CV) TORQUE MÁXIMO (KGF.M) DIÂMETRO X CURSO ASPIRAÇÃO 1368 85 (G) /

Leia mais

O POTENCIAL E A APLICAÇÃO DOS BIOCOMBUSTÍVEIS

O POTENCIAL E A APLICAÇÃO DOS BIOCOMBUSTÍVEIS O POTENCIAL E A APLICAÇÃO DOS BIOCOMBUSTÍVEIS PROF. JOSÉ CARLOS LAURINDO INTRODUÇÃO CIVILIZAÇÕES ANTIGAS: PREPARO DE BIOCOMBUSTÍVEIS SÓLIDOS CARVÃO DE DE MADEIRA PARA FORJAS DE DE METAIS LÍQUIDOS GORDURAS

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 19 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO FIESTA 1.6 FLEX MARELLI IAW 4CFR SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: FIESTA 1.6 FLEX IGNIÇÃO, ELETROVENTILADOR E PARTIDA A FRIO

Leia mais

Fiat 147 / Spazio / Oggi / Panorama Tubo da Bomba D agua ao Radiador ( Inferior ) 147 / 1050TT / / / 1050TT / 1300 ( Todos )

Fiat 147 / Spazio / Oggi / Panorama Tubo da Bomba D agua ao Radiador ( Inferior ) 147 / 1050TT / / / 1050TT / 1300 ( Todos ) Fiat 147 / Spazio / Oggi / Panorama 23.004 4.349.019 23.005 4.349.020 23.008 4.439.055 23.009 4.461.255 23.010 4.464.802 Saída de Agua do Radiador ( Superior ) 147 / Spazio / 1050TT / 1300.../83 Saída

Leia mais