SÍNDROME METABÓLICA. Rosimere J. Teixeira, PhD. Departamento de Medicina Integral, HUPE/UERJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNDROME METABÓLICA. Rosimere J. Teixeira, PhD. Departamento de Medicina Integral, HUPE/UERJ"

Transcrição

1 SÍNDROME METABÓLICA Rosimere J. Teixeira, PhD Departamento de Medicina Integral, HUPE/UERJ

2 A evolução do Homem A evolução do homem 70 anos 20 anos S O B R E V I V Ê N C I A

3 O Estilo de Vida Moderno Alimentação inadequada hipercalórica,, rica em sal e gorduras saturadas e pobre em frutas e vegetais Sedentarismo Tabagismo Uso abusivo de Álcool Estresse Psicossocial peso, adiposidade abdominal, Resistência à Insulina e Risco para DM2 e DCV peso, adiposidade abdominal e Resistência à Insulina Distúrbios hemodinâmicos e DCV, adiposidade abdominal e Resistência à Insulina peso, pressão arterial e triglicerídeos Distúrbios hemodinâmicos e DCV Possível fator de risco para DM2

4 Obesidade Abdominal Resistência à Insulina SÍNDROME METABÓLICA DOENÇA CARDIOVASCULAR ATEROSCLERÓTICA

5 O Conceito de Síndrome Metabólica Síndrome X Sínd. Dismetabólica Sínd. Plurimetabólica Organização Mundial de Saúde, 1999 CID-9 9 (277.7) DIABETES RESISTÊNCIA À INSULINA OBESIDADE HIPERTENSÃO DISLIPIDEMIA Reaven GM. Ann Rev Med., 1988

6 Predisposição Genética Alimentação Inadequada + Redução do gasto calórico SÍNDROME METABÓLICA Resistência à Insulina Acúmulo de Gordura Visceral Maior grau de lipólise

7 Papel da Insulina Carboidratos Tubo digestivo Pâncreas Insulina Glicemia Regulação do metabolismo lipídico: Tecido adiposo inibe lipólise Captação de glicose, produção hepática de glicose e armazena glicogênio Fígado Músculo Captação de glicose mediada pela insulina

8 Resistência à Insulina Aumento compensatório na secreção de insulina Produção excessiva de glicose Carboidratos Pâncreas Insulina Fígado Tubo digestivo Glicemia Músculo Tecido adiposo Diminuição da captação de glicose mediada pela insulina Quebra excessiva de gordura levando ao aumento de Ácidos Graxos Livres Insulina Atividade Simpática Vasoconstricção Retenção de Na Lesão vascular níveis Pressóricos Aterosclerose

9 Autócrino Parácrino Adiponectina TNF-α/IL-6 Leptina PAI-1 TGF-β, TF PCR Sist. Renina- Angiotensina Hormônios esteróides Papel do Tecido Adiposo Endócrino Leptina TNF-α/IL-6 Esteróides sexuais Angiotensina PAI-1 Adiponectina IL-6 interleukin 6; PAI-1- plaminogen activator inhibidor type 1; TF- tissue factor; ; TGF-β Tranforming growth factor β; ; TNFα - tumor necrosis factor α; ; PCR proteína C reativa Situação pró-inflamatória RI e Disfunção Endotelial - estádio inicial de aterosclerose

10 Os adipócitos não são iguais Mesenchymal cell Pre-adipocytes Alta capacidade de armazenar gordura Baixa Sub-cutâneo ou Periférico Alta proliferação e diferenciação Pequenos Alta SI Baixa lipólise Atividade inflamatória Visceral ou Abdominal Baixa proliferação e diferenciação Grandes Baixa SI altamente resistentes Alta lipólise Atividade inflamatória mais acentuada

11 Organização Mundial da Saúde, 1998 Lean MEJ et al. Lancet;1998 Classificação do Estado Nutricional e Risco à Saúde baseados no Índice de Massa Corporal - IMC I M C = Peso (Kg) altura (m) 2 Risco de CLASSIFICAÇÃO IMC Co-morbidade Peso Normal 20-24,9 Baixo Sobrepeso 25-29,9 Pouco Aumentado Obeso I 30-34,9 Moderado Obeso II 35-39,9 Grave Obeso III > 40 Muito Grave

12 OBESIDADE ABDOMINAL AVALIAÇÃO DA CIRCUNFERÊNCIA da CINTURA ABDOMINAL (CA) risco elevado risco elevado Organização Mundial da Saúde, 1998 Lean MEJ et al. Lancet;1998 CA > 88 cm CA > 102 cm RCQ > 0,85 RCQ > 0,90 Europa > 80 Japão > 85 América Sul e Central > 80 Cintura - ponto médio entre o último arco costal e a espinha ilíaca Quadril região de maior circunferência RCQ relação cintura/quadril Europa > 94 Japão > 90 América Sul e Central > 90

13 Dados Antropométricos e Medida da Gordura Abdominal pelo Ultra-som em Participantes do Projeto Atividade Física na Vila Cintura Abdominal r= 0,51 p <0, US abdominal Gordura Visceral Cataldo VGS; Penha, RC; Silva TT; Silva AWS M; Teixeira RJ. VIII CBMFC 2006

14 Obesidade intra-abdominal abdominal ou visceral: associada à resistência à insulina Captação de glicose (mg/kg LBM/min) ,000 2,000 3,000 4,000 5,000 Volume de tecido adiposo visceral por unidade de área de superfície (ml/m 2 ). Captação de glicose (mg/kg LBM/min) Mulheres (n = 20) Homens (n = 32) 0 5,000 10,000 15,000 20,000 Volume de tecido adiposo subcutâneo por unidade de área de superfície (ml/m 2 ). População de estudo: pacientes negros com DM2 P < 0,0001 Banerji MA, et al. Am J Physiol 1997; 273:E425 E432.

15 Definição de Síndrome Metabólica - OMS Definição de Síndrome Metabólica -OMS Fator de risco Obesidade Obesidade Abdominal Dislipidemia Resistência à Insulina ou distúrbio da Glicose (DM, GJA ou TGD) + 2 componentes IMC 30 RCQ: > 0,85 > 0,90 Triglicerídeo 150mg/dL ou HDL: < 39 mg/dl < 35 mg/dl Hipertensão Arterial 140 x 90 mmhg Microalbuminúria EUA 20 μg/min World Health Organization. Definition, diagnosis and classification of diabetes mellitus and d its complications. Part I: Diagnosis and classification of diabetes mellitus. WHO Department of Noncommunicable Disease Surveillance; 1999.

16 Definição de Síndrome Metabólica - NCEP Definição de Síndrome Metabólica -NCEP I Diretriz Bras. de Diagnóstico e Tratamento da SM ** Fator de risco 3 ou + componentes Homeostase da Glicose Obesidade Dislipidemia G jejum 110 mg/dl Cintura abdominal: > 88 cm > 102 cm Triglicerídeo 150mg/dL ou HDL: < 50 mg/dl e < 40 mg/dl Hipertensão Arterial 130 x 85 mmhg National Institutes of Health. Third report of the National Cholesterol Education Program (NCEP) Expert Panel on detection, evaluation and treatment of high blood cholesterol in adults (Adult Treatment Panel III). Publication No : ** Arq BrasCard 2005; 84 (supl1): 1-28

17 Definição de Síndrome Metabólica - IDF Fator de risco Homeostase da Glicose Dislipidemia International Diabetes Federation (IDF / 2005) Obesidade Abdominal + 2 componentes: Cintura abdominal: > 80 cm > 94 cm Europa > 80 e 94 Japão > 85 e 90 América do Sul e Central > 80 e 90 G jejum 100 mg/dl (ADA) Triglicerídeo > 150mg/dL ou HDL: < 50 mg/dl e < 40 mg/dl Hipertensão Arterial 130 x 85 mmhg ADA Associação Americana de Diabetes IDF mg/dl

18 Prevalência da Síndrome Metabólica 12-29% e 11-41% 50-60% - população > 50 anos 3-6% na infância atinge 30% no sobrepeso EUA, no ano 2010 ± 75 milhões Sem dados na pop. Brasileira Crescimento desproporcional da população brasileira DCV causa de morte 50% da população em 2020 Ministério da Saúde -2005

19 Perfil epidemiológico e sua relação com os fatores de risco da Síndrome Metabólica em 99 famílias P< 0,05 Vila Pop. Bras. P< 0,01 99 famílias do Programa Saúde na Vila a indivíduos, entre a, moradores de 7 vilas de Vila Isabel. Prevalência referida dos fatores de risco da SM x literatura. P< 0, NS HAS DM Obes Disl Os dados subestimados refletindo à atenção dispensada como fatores de agravo à saúde. Castro JAF, Teixeira RJ, e cols. IJDMI, 2004

20 Obesidade Abdominal e Fatores de Risco Cardiovascular em participantes do Projeto Atividade Física na Vila Vila Pop. Bras P< 0,01 P< 0,01 NS N= % mulheres 27% fumante 63% sedentários NS HA DM Obes Disl Obes Abd SM 21% Azevedo FS, Simon E, Silva, AWSM, Silva TT, Barbosa JSO e Teixeira RJ. VIII CBMFC 2006

21 Diagnóstico Clínico da Síndrome Metabólica História Clínica Idade, tabagismo, prática de exercícios HPP: DM gestacional, DM2,, HA, DAC, AVC, SOP, doença hepática não-alcoólica, hiperurecemia,, etc HFAM: DM, HA, DCV Uso de drogas hiperglicemiantes: corticóides, Exame Físico betabloqueadores e diuréticos NCEP IMC Cincunferência abdominal Níveis de Pressão Arterial 2 medidas após 5 min. sentado Exame de pele acantose nigricans Exame cardiovascular

22 Diagnóstico Laboratorial da Síndrome Metabólica Exames laboratoriais Glicemia de jejum HDL-colesterol Triglicerídeo NCEP Outros exames Glicose 2 h pós-sobrecarga sobrecarga com 75g de glicose Insulina Hemoglobina glicada Colesterol total e LDL-colesterol Creatinina Ácido Úrico Microalbuminúria Proteína C reativa ECG

23 Outros Doenças Associadas à Obesidade Visceral / Resistência à Insulina DISTÚRBIOS DA DA FIBRINÓLISE e INFLAMAÇÃO SISTÊMICA DISFUNÇÃO ENDOTELIAL MICROALBUMINÚRIA DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO-ALCÓOLICA HIPERURICEMIA (GOTA) PROPORÇÃO AUMENTADA DA LDL PEQUENA E DENSA (LDLpd) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS PUBARCA PRECOCE BAIXO PESO À NASCER CÂNCER: cólon, mama, endométrio, rim, esôfago, pâncreas, vesícula biliar e fígado

24 Prevalência de Doença Renal Crônica e Microalbuminúria estimadas pelo número de componentes da Síndrome Metabólica (NCEP-ATPIII) 10 DOENÇA RENAL CRÔNICA 25 MICROALBUMINÚRIA 8 20 Prevalência (%) 6 4 Prevalência (%) No de componentes da SM No de componentes da SM Adaptado de Chen e cols. Ann Intern Med 2004

25 Esteatose Hepática Não-alcoólica (EHNA) em Participantes do Projeto Atividade Física na Vila 100% 63 US abdominal 25 (40%) pacientes com EHNA sem EHNA 50% EHNA 0% DM2 H A Sobre- Peso Obes Abd DISL Penha RC; Cataldo VGS; Silva AWSM; Silva TT; Teixeira RJ. VIII CBMFC 2006

26 Síndrome dos Ovários Policísticos 5-10% idade reprodutiva Consenso de 2003 no mínimo m 2 critérios: rios: 1- Oligo ou anovulação oligo ou amenorréia 2- Hiperandrogenismo clínico 3- Níveis elevados de androgênios 4- Ovários policísticos Exclusão de outras causas Outros Componentes: Obesidade % Resistência à Insulina Tolerância à Glicose diminuída (30-40%) 30-40% e DM2 (10%) Doença Cardiovascular Uma forma sexo-específica específica de SM 33-46% A presença de SM eleva em até 7x o risco de DCV História familiar, baixo peso ao nascer e Pubarca Precoce risco

27 Baixo peso como marcador pré-natal de Resistência à Insulina, Pubarca Precoce e Síndrome dos Ovários Policísticos Defeito genético na atividade da serina quinase? fosforilação da serina no receptor de insulina Redução do crescimento fetal Hiperinsulinemia Resistência à insulina fosforilação da serina na P450c17 adrenal fosforilação da serina na P450c17 ovariana Pubarca Precoce Sínd.. dos Ovários Policísticos Ibañez L, Zegher F and Potau N. J Endocrinol Invest 1998 Síndrome Metabólica

28 Síndrome Metabólica: uma conseqüência endócrinometabólica em meninas com Pubarca Precoce? RI HF de SM Ov. microcísticos n= 45 7,2 ± 1,4 anos Dislipidemia PA anormal Acantosis Excesso de Peso % Teixeira RJ,, Silva VCG, Ginzbarg D e Freitas JR. SIIC 2004

29 Festa A et al. Circulation 2000; 102:42 47; 47; Reaven GM et al. Annu Rev Med 1993; 44: Dislipidemia Disfunção endotelial Hiperglicemia DM2 OBESIDADE RESISTÊNCIA À INSULINA Hipertensão arterial Microalbuminúria Inflamação vascular SÍNDROME METABÓLICA Hipofibrinólise Doença Cardiovascular Aterosclerótica

30 Estratificação de Risco para DAC: Escore de Framingham Valores estimados para o risco de morte ou infarto do miocárdio em 10 anos (NCEP ATP III 2001)

31 Fatores de Risco Cardiovascular Perfil Clínico e Epidemiológico dos Participantes do Projeto Atividade Física na Vila. N 0 = 48-27% com SM Escore de Framingham X Presença de SM Escore de Framingham (IC 95%) SM+ 11,17 9,46 7,75 SM- 5,43 3,54 1,65 p< < 0,05 Presença de Síndrome Metabólica (SM) Simon E, Teixeira RJ, et al. VIII CBMFC 2006

32 Risco cardiovascular em mulheres com Síndrome Metabólica acompanhadas no Ambulatório de Medicina Integral com SM (n=25) sem SM (n=20) mulheres r= 0,41 p = 0,005 0% 50% 100% Alto (>20%) Médio(10-20%) Baixo (<10%) de Framingham CA, PAS, G, TG foram maiores, enquanto o HDL foi menor na SM Cintura abdominal é marcador útil de RI e bom preditor do desenvolvimento de DCV Leite AB, Farias CASA, Sousa CR, Yugue AM, Aguiar AA e Teixeira RJ. IJDMI 2004

33 Taxa de Mortalidade na SM 1,5 vezes mortalidade geral 2,5 vezes mortalidade cardiovascular

34 Prevenção Primária da Síndrome Metabólica Fatores de risco para morbimortalidade por doenças crônicas não-transmissíveis OMS: Hipertensão Arterial Hipercolesterolemia Ingesta inadequada frutas, hortaliças e leguminosas Sobre-peso e Obesidade Inatividade Física Tabagismo Mudanças no Estilo de Vida

35 Tratamento da Síndrome Metabólica Obesidade Resistência à Insulina DCV SM subclínica Tto não-farmacológico DM2 SM manifesta Dislipidemia Tto farmacológico HA

36 Metas para otratamento da SM Glicemia plasmática (mg/dl( mg/dl) Jejum < 110 mg/dl Pós-prandial (2h) < 140 mg/dl Hemoglobina glicosilada (%) DM2 < limite superior do método Colesterol (mg/dl( mg/dl) Total < 200 mg/dl HDL > 45 mg/dl LDL < 100 mg/dl Triglicerídeos (mg/dl) < 150 mg/dl Pressão Arterial (mmhg( mmhg) < 130 x 85 mmhg DM2 < 130 x 80 mmhg Proteinúria > 1 g < 120 x 75 mmhg Peso (Kg) Perda sustentada de 5-10% 5

37 Estilo de vida desfavorável Alimentação inadequada Sedentarismo 30 Tabagismo Mudanças no Estilo de Vida Medidas não- farmacológica Dieta hipocalórica, pobre em gorduras saturadas, rica em fibras e cereais, ingesta açúcares e sal min. de exercícios moderados caminhar 3x/sem Cessar fumo Álcool Estresse - 30 ml/d etanol e,, SM e peso 15 ml/d Exercício Terapia comportamental

38 Sumário dos Principais Estudos envolvendo Mudança no Estilo de Vida Estudo Malmo MPT N 0 pessoas 181 DM2,, TGD e N 181 TGD e N Da King 577 TGD Duração (anos) 6 12 Tipo de Intervenção Redução incidência DM Dieta, exercício 37% RCV 6 Dieta, exercício ou ambos 31% (dieta) 46% (exercício) 42% (ambos) FinishDPS DPS TGD 3,2 Dieta, exercício 58% DPP TGD 2,8 Dieta, exercício 58% Arq Bras Endocrinol Metab V50,, abril 2006

39 Diabetes Prevention Program (DPP) Eficácia e segurança de uma intervenção intensiva no estilo de vida ou metformina ou placebo na prevenção ou retardo do DM pessoas com pré-dm p/ ±2,8 anos: 1. Recomendações convencionais sobre o estilo de vida + metformin, 2. Recomendações convencionais + Placebo, ou 3. Programa intensivo de modificação no estilo de vida, visando à realização r de exercício físico e diminuição de 7% de peso corporal. DM2 foi de 11, 7,8 e 4,8 casos por 100 mil/pessoas/ano nos grupos placebo, metformina e estilo de vida, respectivamente. A intervenção no estilo de vida reduziu a incidência em 58% e o metformina em 31%, em comparação ao placebo. O estudo foi prematuramente encerrado em decorrência das diferenças estatísticas atingidas precocemente nos diferentes grupos.

40 Tratamento Farmacológico da SM Componentes da SM Diabetes Hipertensão Arterial Dislipidemia Obesidade Inflamação Sub-clínica TTO Medicamentoso Sensibilizadores da Insulina Secretagogos da Insulina Anti-hipertensivos Estatinas Fibratos Sibutramina, Orlistat,, etc. Cirúrgico AAS em baixa dose

41 Declaração conjunta da Associação Americana de Diabetes e da Associação Européia para o Estudo do Diabetes. Na presença de algum fator de risco importante para DCV deve- se avaliar a presença de outros fatores de risco. Pacientes com variáveis de risco da DCV acima do valor de corte da normalidade devem receber aconselhamento sobre Mudança de Estilo de Vida ou na presença de doença manifesta, o tratamento deve corresponder as diretrizes estabelecidas. Os médicos devem evitar rotular os pacientes com o termo Síndrome Metabólica. Todos os fatores de risco devem ser tratados individualmente e de forma agressiva. Não há tratamento farmacológico apropriado para a SM. Diabetes Care 28: , 2304, 2005

42 Síndrome Metabólica Critérios Diagnósticos Mecanismos Fisiopatológicos Ausência de Tratamento específico Avanço Clínico na Prevenção de DCV

43 A evolução do Homem A evolução A do homem Homem Eramos caçadores Viramos presa da síndrome metabólica

44 A evolução do Homem 2000 AC 2000 DC EVOLUÇÃO

45 Atenção Primária à Saúde PROGRAMA SAÚDE DE FAMÍLIA Núcleos de Saúde Integral

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Síndrome de insulino-resistência, síndrome metabólica: definições 15 SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Sandra Paiva Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo; Hospital

Leia mais

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos

Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA Relevância Clínica da Síndrome Metabólica nos Indivíduos Não Obesos Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana Belo*, Manuela Fiuza Serviço de Cardiologia - Hospital de

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

Síndrome Metabólica e Risco Cardiovascular

Síndrome Metabólica e Risco Cardiovascular Síndrome Metabólica e Risco Cardiovascular Farmacoterapia Ano lectivo 2012-2013 Dias 19 e 26 de Novembro Isabel Vitória Figueiredo 1990 50 milhões de mortes em todo o mundo 28% 2030 [8 mil milhões] 32%

Leia mais

Síndrome Metabólica. Curso de Reciclagem SBC-SC Artur Haddad Herdy

Síndrome Metabólica. Curso de Reciclagem SBC-SC Artur Haddad Herdy Síndrome Metabólica Curso de Reciclagem SBC-SC 2006 Artur Haddad Herdy Mestre e Doutor em Cardiologia - UFRGS Chefe do Serviço de Reabilitação Cardiovascular- ICSC Especialista em Medicina Esportiva Não

Leia mais

PROJETO DIRETRIZES RISCO AUMENTADO PARA CA DE ENDOMÉTRIO ALTERAÇÕES NO METABOLISMO DA GLICOSE RISCO DESENVOLVIMENTO PRECOCE DE DIABETES

PROJETO DIRETRIZES RISCO AUMENTADO PARA CA DE ENDOMÉTRIO ALTERAÇÕES NO METABOLISMO DA GLICOSE RISCO DESENVOLVIMENTO PRECOCE DE DIABETES PROJETO DIRETRIZES OBESIDADE INFERTILIDADE RISCO AUMENTADO PARA CA DE ENDOMÉTRIO ALTERAÇÕES NO METABOLISMO DA GLICOSE RISCO DESENVOLVIMENTO PRECOCE DE DIABETES RISCO AUMENTADO DOENÇAS CARDIOVASCULARES

Leia mais

Marta Maria do Amaral dos Santos Mestranda do Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição - PPGAN

Marta Maria do Amaral dos Santos Mestranda do Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição - PPGAN Marta Maria do Amaral dos Santos Mestranda do Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição - PPGAN SÍNDROME METABÓLICA (SM) Contexto histórico Definição Parâmetros Fatores de risco: Obesidade central

Leia mais

Síndrome Metabólica. Wilson Marques da Rosa Filho. (Tratamento pela Acupuntura e Homeopatia)

Síndrome Metabólica. Wilson Marques da Rosa Filho. (Tratamento pela Acupuntura e Homeopatia) Síndrome Metabólica (Tratamento pela Acupuntura e Homeopatia) Wilson Marques da Rosa Filho 1 Síndrome Metabólica 1ª edição: maio de 2017 Síndrome Metabólica / Wilson Marques da Rosa Filho São Paulo: Perse

Leia mais

Insulino-resistência e obesidade

Insulino-resistência e obesidade 62 Manual sobre Insulino-resistência Insulino-resistência e obesidade A associação de obesidade visceral com resistência à insulina, hipertrigliceridemia, aumento da apolipoproteína B, aumento das LDL

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA 44 Manual sobre Insulino-resistência SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA Helena Fonseca Unidade de Medicina do Adolescente, Clínica Universitária de Pediatria Hospital de Santa Maria A prevalência de obesidade

Leia mais

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica

Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Manejo do Diabetes Mellitus na Atenção Básica Daiani de Bem Borges Farmacêutica (NASF/PMF) Preceptora da Residência Multiprofissional em Saúde/UFSC/PMF Doutoranda - Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva/UFSC

Leia mais

Clínica médica e Geriatria

Clínica médica e Geriatria Sérgio Murilo Clínica médica e Geriatria O que é? Qual o foco? Quero todos os exames. Mais benefício ou prejuízo? Como decidir que condições serão avaliadas e como serão avaliadas? Condições (não o teste)

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA I CONGRESSO MÉDICO DA CIDADE DE GUARULHOS OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA Ana Margarida B. Moreira Pediatra e Endocrinologia Pediátrica. H.M.C.A Hospital Municipal da Criança e do Adolescente.

Leia mais

COLESTEROL ALTO. Por isso que, mesmo pessoas que se alimentam bem, podem ter colesterol alto.

COLESTEROL ALTO. Por isso que, mesmo pessoas que se alimentam bem, podem ter colesterol alto. COLESTEROL ALTO Colesterol é uma substância essencial ao organismo, mas quando em excesso, pode prejudicar. Cerca de 40% da população tem colesterol alto. MAS O Colesterol Total não é o valor perigoso,

Leia mais

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE Um dos principais problemas de saúde pública da atualidade, Doença nutricional que mais cresce no mundo e de mais difícil tratamento; Etiologia

Leia mais

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos 41 ANOS DE EXISTÊNCIA 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes 1ª Sede Praça Carlos de Campos UNIDADES DE NEGÓCIOS PROGRAMA DR. SAUDÁVEL EQUIPE MEDICINA PREVENTIVA 04 Cooperados Coordenador Médico Supervisor

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

Hipertensão Arterial. Educação em saúde. Profa Telma L. Souza

Hipertensão Arterial. Educação em saúde. Profa Telma L. Souza Hipertensão Arterial Educação em saúde Profa Telma L. Souza Introdução Conceito Importância HAS DHEG Metas Estratégica Classificação de pressão Fatores de risco Tratamento Introdução Conceito Pressão arterial

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR Março de 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS... 3 3. ESTRATIFICAÇÃO INDIVIDUAL DE RISCO CARDIOVASCULAR... 4 4. CALCULE O SEU RISCO E DE SEUS

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Jejum mínimo. de 8h. Tolerância à glicose diminuída 100 a a 199 -

DIABETES MELLITUS. Jejum mínimo. de 8h. Tolerância à glicose diminuída 100 a a 199 - DIABETES MELLITUS 3.3 - Diagnóstico Glicemias (mg/dl) Categorias Jejum mínimo de 8h 2hs após 75g de glicose Casual Normal 70 a 99 até 139 - Tolerância à glicose diminuída 100 a 125 140 a 199 - Diabetes

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

ORLISTATE SINTÉTICO. Agente antiobesidade de ação periférica

ORLISTATE SINTÉTICO. Agente antiobesidade de ação periférica Informações Técnicas ORLISTATE SINTÉTICO Agente antiobesidade de ação periférica FÓRMULA MOLECULAR: C 23 H 53 NO 5. PESO MOLECULAR: 495,73. CAS N : 96829-58-2. DCB: 06635. NOME QUÍMICO: N-Formyl-L-leucine

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Metabolismo do colesterol e das lipoproteínas

Metabolismo do colesterol e das lipoproteínas Metabolismo do colesterol e das lipoproteínas COLESTEROL Estabiliza o arranjo linear dos ácidos graxos saturados das membranas. Origem do colesterol ENDÓGENA EXÓGENA Como ocorre a síntese do colesterol?

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Dificuldades no manejo das dislipidemias Rogério Friedman

Dificuldades no manejo das dislipidemias Rogério Friedman Dificuldades no manejo das dislipidemias Rogério Friedman rogeriofriedman@gmail.com rfriedman@hcpa.edu.br JLS, 57, história familiar de IAM antes dos 55. Procura atendimento por resultados de exames: Colesterol

Leia mais

Paulo C J L Santos, PhD Department of Pharmacology Federal University of Sao Paulo, EPM-UNIFESP, Sao Paulo, Brazil

Paulo C J L Santos, PhD Department of Pharmacology Federal University of Sao Paulo, EPM-UNIFESP, Sao Paulo, Brazil Paulo C J L Santos, PhD Department of Pharmacology Federal University of Sao Paulo, EPM-UNIFESP, Sao Paulo, Brazil Alfenas, MG 2017 Paulo Caleb J. L. Santos, PhD O que é Diabetes O diabetes mellitus é

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Marina Politi Okoshi Disciplina de Clínica Médica Geral Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP 2008 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - Por

Leia mais

Flutamida, metformina ou ambos para mulheres com sobrepeso ou obesidade e síndrome dos ovários policísticos (SOP).

Flutamida, metformina ou ambos para mulheres com sobrepeso ou obesidade e síndrome dos ovários policísticos (SOP). Artigo Técnico Ginecologia Dezembro / 2006 Flutamida, metformina ou ambos para mulheres com sobrepeso ou obesidade e síndrome dos ovários policísticos (SOP). Estudo dividido em grupos: placebo, metformina,

Leia mais

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura

Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS. Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Prof. Thiago Kastell LIPÍDEOS Substâncias biológicas insolúveis em água Também conhecida como gordura Funções: Precursores hormonais Armazenamento e fonte energética Componentes funcionais e estruturais

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY RESUMO PERFIL NUTRICIONAL E DE SAÚDE DE IDOSOS DIABÉTICOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE NUTRIÇÃO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY FERREIRA 1,Camila da Silva GUIMARÃES, Keyth 2, Sulamitta de Lima

Leia mais

História Clínica. Fatores de Risco e Fisiopatologia Parte 1. Dislipidemia e Hipertensão. Annie Bello PhD

História Clínica. Fatores de Risco e Fisiopatologia Parte 1. Dislipidemia e Hipertensão. Annie Bello PhD História Clínica Fatores de Risco e Fisiopatologia Parte 1. Dislipidemia e Hipertensão Annie Bello PhD Doutora em Fisiopatologia - UERJ Prof. Adjunto Nutrição clínica - UERJ Nutricionista Ensino e Pesquisa

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Registro Brasileiros Cardiovasculares REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Julho de 2011 Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Agosto

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO II Priscila Osório Fernandes¹; Maiane Alves de Macêdo²; Elias Fernandes Mascarenhas Pereira³ Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Hipertensão Diabetes Dislipidemias

Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão A pressão alta atinge 24,3% da população adulta brasileira e é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS

PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS PRESCRIÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA PARA PORTADORES DE DIABETES MELLITUS Acadêmica de medicina: Jéssica Stacciarini Liga de diabetes 15/04/2015 Benefícios do exercício físico em relação ao diabetes mellitus:

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais

LITERATURA MERATRIM REDUTOR DE MEDIDAS DIMINUÇÃO DAS MEDIDAS DE CINTURA E QUADRIL EM 2 SEMANAS!

LITERATURA MERATRIM REDUTOR DE MEDIDAS DIMINUÇÃO DAS MEDIDAS DE CINTURA E QUADRIL EM 2 SEMANAS! MERATRIM REDUTOR DE MEDIDAS DIMINUÇÃO DAS MEDIDAS DE CINTURA E QUADRIL EM 2 SEMANAS! A Organização Mundial de Saúde aponta a obesidade como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. Segundo dados

Leia mais

FEIRA DE SAÚDE TESTE DE ACUIDADE VISUAL ESCALA OPTOMÉTRICA DE SNELLEN LIONS CLUBE: LOCAL: DATA: HORÁRIO: Resultado. Nº Nome Legível Telefone

FEIRA DE SAÚDE TESTE DE ACUIDADE VISUAL ESCALA OPTOMÉTRICA DE SNELLEN LIONS CLUBE: LOCAL: DATA: HORÁRIO: Resultado. Nº Nome Legível Telefone TESTE DE ACUIDADE VISUAL ESCALA OPTOMÉTRICA DE SNELLEN Idade Sexo (anos) (M/F) Resultado Olho Direito Olho Esquerdo Observações FAF MODELO / TESTE DE GLICOSE Idade (anos) Sexo (M/F) Antecedentes na família?

Leia mais

Insulino-resistência e infecção por VIH IR DA SÍNDROME DE LIPODISTROFIA DA INFECÇÃO POR VIH INSULINO RESISTÊNCIA

Insulino-resistência e infecção por VIH IR DA SÍNDROME DE LIPODISTROFIA DA INFECÇÃO POR VIH INSULINO RESISTÊNCIA 54 Manual sobre Insulino-resistência Insulino-resistência e infecção por VIH IR DA SÍNDROME DE LIPODISTROFIA DA INFECÇÃO POR VIH Alterações do metabolismo e redistribuição da gordura: Gordura visceral

Leia mais

DISTÚRBIOS ALIMENTARES. Msc. Roberpaulo Anacleto

DISTÚRBIOS ALIMENTARES. Msc. Roberpaulo Anacleto DISTÚRBIOS ALIMENTARES Msc. Roberpaulo Anacleto Distúrbios alimentares Caracteriza-se por uma grave perturbação do comportamento alimentar, são responsáveis pelos maiores índices de mortalidade entre todos

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DISLIPIDEMIA DISLIPIDEMIA Dislipidemia, também chamada de hiperlipidemia, refere-se ao aumento dos lipídios (gordura) no sangue, principalmente do colesterol e dos triglicerídeos.

Leia mais

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e

Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino. Tem uma função exócrina (segregando suco pancreático que contém enzimas digestivas) e Projecto Tutorial - Diabetes Trabalho realizado por: Carlos Bernardo 2 º Ano Bioquímica No âmbito da Cadeira de M.E.T. III Ano Lectivo: 2007/2008 Pâncreas O Pâncreas é um órgão do sistema digestivo e endócrino.

Leia mais

Atividade Física e Cardiopatia

Atividade Física e Cardiopatia AF e GR ESPECIAIS Cardiopatia Atividade Física e Cardiopatia Prof. Ivan Wallan Tertuliano E-mail: ivantertuliano@anhanguera.com Cardiopatias Anormalidade da estrutura ou função do coração. Exemplos de

Leia mais

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição

Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Aluna: Laise Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição glicose

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR EM CÃES OBESOS RESUMO

AVALIAÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR EM CÃES OBESOS RESUMO AVALIAÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR EM CÃES OBESOS Lidia Maria Melo (¹); Drª. Angela Akamatsu(²) ¹ Monitora do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Itajubá- FEPI, na área de Diagnóstico

Leia mais

1. Estratificação de risco clínico (cardiovascular global) para Hipertensão Arterial Sistêmica

1. Estratificação de risco clínico (cardiovascular global) para Hipertensão Arterial Sistêmica 1. Estratificação de risco clínico (cardiovascular global) para Hipertensão Arterial Sistêmica A VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão (2010) valorizou a estratificação de risco, baseada nos seguintes

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA Qual a dimensão do problema numa consulta de medicina geral e familiar?

SÍNDROME METABÓLICA Qual a dimensão do problema numa consulta de medicina geral e familiar? Síndrome metabólica numa consulta de medicina geral e familiar 121 SÍNDROME METABÓLICA Qual a dimensão do problema numa consulta de medicina geral e familiar? Sónia Cunha Cruz e João Luís Pereira Centro

Leia mais

DIABETES MELITO. Marina Prigol

DIABETES MELITO. Marina Prigol DIABETES MELITO 1 Marina Prigol RELEMBRANDO ALGUNS CONCEITOS!!! O que é um carboidrato? Qual a função? Como ocorre a absorção dos carboidratos nas células intestinais? Glicólise, Glicogenólise, Glicogênese,

Leia mais

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares.

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares. obesidade O que é a obesidade? A obesidade é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a epidemia do século XXI! O excesso de peso e a obesidade são diferentes graus de uma doença em que se verifica

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

Introdução Descrição da condição

Introdução Descrição da condição Introdução Descrição da condição Diabetes mellitus: desordem metabólica resultante de defeito na secreção e\ou ação do hormônio insulina. Consequência primária: hiperglicemia. Crônica: diagnóstico de diabetes.

Leia mais

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b à hipertensão arterial Construindo Estratégias e Avaliando a Implementação de Diretrizes Clínicas no SUS Edital 37/2004 CNPq ENSP/FIOCRUZ

Leia mais

Atualização em Obesidade Infanto Juvenil. Profa. Dra. Fernanda Miraglia CRN2 4526

Atualização em Obesidade Infanto Juvenil. Profa. Dra. Fernanda Miraglia CRN2 4526 Atualização em Obesidade Infanto Juvenil Profa. Dra. Fernanda Miraglia CRN2 4526 Definição de Obesidade Acúmulo excessivo ou anormal de gordura corporal que representa risco para a saúde (OMS, 1995). Ingestão

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROTOCOLOS CINESIOTERÁPICOS COMO

AVALIAÇÃO DE PROTOCOLOS CINESIOTERÁPICOS COMO AVALIAÇÃO DE PROTOCOLOS CINESIOTERÁPICOS COMO INSTRUMENTO DE REABILITAÇÃO DE PACIENTES COM SÍNDROME METABÓLICA Christino Stefani Neto Fabiana da Silveira Bianchi Perez Faculdade Alfredo Nasser netostefani10@gmail.com

Leia mais

GLINIDAS E INIBIDORES DA ALFA GLICOSIDASE

GLINIDAS E INIBIDORES DA ALFA GLICOSIDASE 1/23 GLINIDAS E INIBIDORES DA ALFA GLICOSIDASE Camila Corrêa Costa 2/23 GLINIDAS São representadas por: Repaglinida Posprand; Prandin Nateglinida Starlix Pouco utilizadas por serem drogas de alto custo

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO COM ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE DISLIPIDÊMICOS

EXERCÍCIO FÍSICO COM ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE DISLIPIDÊMICOS EXERCÍCIO FÍSICO COM ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DE DISLIPIDÊMICOS CINTIA AREND POZZATTI MILESI 1 ANA VALQUIRIA DA FONTOURA CORNEL 2 ROSELIANE NAZARÉ AMARAL DOS SANTOS 3 CATI RECKERBERG AZAMBUJA 4 RESUMO

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE

EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS PROF. DR. CARLOS CEZAR I. S. OVALLE EXAMES LABORATORIAIS Coerências das solicitações; Associar a fisiopatologia; Correlacionar os diversos tipos de exames; A clínica é a observação

Leia mais

Síndrome Metabólica: doença multicausal, multigenética e multiinfluenciada requisita novas atitudes dos profissionais de saúde

Síndrome Metabólica: doença multicausal, multigenética e multiinfluenciada requisita novas atitudes dos profissionais de saúde Síndrome Metabólica: doença multicausal, multigenética e multiinfluenciada requisita novas atitudes dos profissionais de saúde Prof. MSc Claudia Boscheco Moretoni 04/2009 Caso clínico 1 Paciente feminina

Leia mais

PAPERPET 02/05/2011 METABOLIC SYNDROME IS ASSOCIATED WITH COLORECTAL CANCER IN MEN. 1 - Introdução. 1 - Introdução. 2 Pacientes e métodos

PAPERPET 02/05/2011 METABOLIC SYNDROME IS ASSOCIATED WITH COLORECTAL CANCER IN MEN. 1 - Introdução. 1 - Introdução. 2 Pacientes e métodos PAPERPET METABOLIC SYNDROME IS ASSOCIATED WITH COLORECTAL CANCER IN MEN Claudio Pelucchi, Eva Negri, Renato Talamini, Fabio Levi, Attilio Giacosa, Anna Crispo, Ettore Bidoli, Maurizio Montella, Silvia

Leia mais

A Saúde do Trabalhador da Indústria da Construção Civil. José Carlos Dias Carneiro

A Saúde do Trabalhador da Indústria da Construção Civil. José Carlos Dias Carneiro A Saúde do Trabalhador da Indústria da Construção Civil José Carlos Dias Carneiro A Saúde do Trabalhador da Construção Civil O que é um canteiro de obras? Características da Atividade (esforço físico intenso)

Leia mais

MODELO DE ALTERAÇÕES METABÓLICAS EM ANIMAIS SUBMETIDOS À DIETA HIPERCALÓRICA À CUSTA DE LIPÍDEOS

MODELO DE ALTERAÇÕES METABÓLICAS EM ANIMAIS SUBMETIDOS À DIETA HIPERCALÓRICA À CUSTA DE LIPÍDEOS MODELO DE ALTERAÇÕES METABÓLICAS EM ANIMAIS SUBMETIDOS À DIETA HIPERCALÓRICA À CUSTA DE LIPÍDEOS Pedro Bruno Estevam Teófilo¹, Ana Flávia Araujo Celestino¹, Keyvid dos Santos Pereira¹ e Tharcia Kiara Beserra

Leia mais

Cardiovascular 29% Infectious & Parasitic 19% Other 3% Injury 9% Digestive 4% Respiratory. Respiratory Infections. 7% Neuropsychiatric

Cardiovascular 29% Infectious & Parasitic 19% Other 3% Injury 9% Digestive 4% Respiratory. Respiratory Infections. 7% Neuropsychiatric Impacto Global das Doenças Cardiovasculares Digestive 4% Respiratory 7% Neuropsychiatric 2% Injury 9% Other 3% Infectious & Parasitic 19% Respiratory Infections 7% Maternal & Perinatal 5% Cardiovascular

Leia mais

Influência dos Ácidos Graxos Saturados da Dieta

Influência dos Ácidos Graxos Saturados da Dieta Influência dos Ácidos Graxos Saturados da Dieta A presença de lipídeos em uma dieta é altamente valorizada para obtenção de energia. Porém, a ingestão de uma dieta rica em ácidos graxos saturados tem sido

Leia mais

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina.

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. Saúde do Homem Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. saúde do Homem O Ministério da Saúde assinala que muitos agravos poderiam ser evitados caso os homens realizassem, com regularidade,

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica

Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica 1 Proposta de Avaliação do Risco Cardiovascular na Atenção Básica Propõe-se a utilização da tabela de Framingham, para estratificação

Leia mais

MUTIRÃO DA SAÚDE. Doutora, Docente do Departamento de Biologia Estrutural, Molecular e Genética da UEPG, 4

MUTIRÃO DA SAÚDE. Doutora, Docente do Departamento de Biologia Estrutural, Molecular e Genética da UEPG, 4 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MUTIRÃO DA SAÚDE CHAVES, Camila

Leia mais

Palavras- chaves: Síndrome metabólica. Doenças cardiovasculares. Obesidade.

Palavras- chaves: Síndrome metabólica. Doenças cardiovasculares. Obesidade. 1 1 SINDROME METABÓLICA: O MAL DA VIDA MODERNA? 2 Eduardo Rodrigues de Queiroz 3 Orientador: Professor Mestre Edson Negreiros dos Santos RESUMO O presente estudo tem como objetivo estudar a síndrome metabólica,

Leia mais

Obesidade e Dislipidemias Prof. Orlando A. Pereira Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS

Obesidade e Dislipidemias Prof. Orlando A. Pereira Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS Obesidade e Dislipidemias Prof. Orlando A. Pereira Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS Obesidade Obesidade Obesidade Tendência secular Obesidade Fatores determinantes da obesidade exógena:

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R3) / ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA PROVA DISCURSIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R3) / ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA PROVA DISCURSIVA RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 05 RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 05 ) Menina de quatro anos (imagem a seguir) é levada à consulta em um ambulatório devido à baixa estatura. Além disso, possui estenose aórtica,

Leia mais

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira OBESIDADE NA INFÂNCIA Dra M aria Fernanda Bádue Pereira Obesidade infantil Um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. >>>>> Ingestão calórica e

Leia mais

Coração Outono/Inverno

Coração Outono/Inverno Coração Outono/Inverno O que posso fazer pelo doente idoso com: Risco Cardiovascular Elevado Maria João Vieira Interna de Formação Específica em Cardiologia 1ª Ano Hospital Distrital de Santarém Cátia

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA: FATORES RELACIONADOS A OBESIDADE E COMPLICAÇÕES. METABOLIC SYNDROME: FACTORS RELATED TO OBESITY AND COMPLICATIONS.

SÍNDROME METABÓLICA: FATORES RELACIONADOS A OBESIDADE E COMPLICAÇÕES. METABOLIC SYNDROME: FACTORS RELATED TO OBESITY AND COMPLICATIONS. SÍNDROME METABÓLICA: FATORES RELACIONADOS A OBESIDADE E COMPLICAÇÕES. METABOLIC SYNDROME: FACTORS RELATED TO OBESITY AND COMPLICATIONS. 1 Emanuelle Carvalho Silva, 2 Andréia Cristina Zago Silva. 1 Acadêmica

Leia mais

Obesidade e emagrecimento: o quê fazer e como proceder?

Obesidade e emagrecimento: o quê fazer e como proceder? O Adipócito Obesidade e emagrecimento: o quê fazer e como proceder? Prof. Esp. Gabriel F. S. Santos Aluno Especial do Programa de Mestrado em Ciências do Movimento Humano UNIMEP Grupo de Pesquisa em Ciências

Leia mais

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial Fisiologia da TA Tensão arterial é a força exercida pelo sangue, devido à pressão do coração, sobre as paredes de uma artéria. Tensão sistólica: pressão

Leia mais

Saiba mais sobre Esteatose Hepática e como cuidar bem do seu fígado

Saiba mais sobre Esteatose Hepática e como cuidar bem do seu fígado Saiba mais sobre Esteatose Hepática e como cuidar bem do seu fígado Conscientização e prevenção para um fígado saudável Índice Esteatose hepática... 4 Quais são as causas de esteatose hepática?... 6 Principais

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

Sindrome Metabólica. Síndrome Metabólica (Diabetes, Hipertensão e Dislipidemia) Síndrome Metabólica 12/3/2012. Reunião de Estudos da AME-ES

Sindrome Metabólica. Síndrome Metabólica (Diabetes, Hipertensão e Dislipidemia) Síndrome Metabólica 12/3/2012. Reunião de Estudos da AME-ES Reunião de Estudos da AME-ES Síndrome Metabólica (Diabetes, Hipertensão e Dislipidemia) Dr Wilson Ayub Lopes SÍNDROME METABÓLICA É uma alteração do metabolismo do açúcar e das gorduras que acarreta Hipertensão,

Leia mais

A DIABETES MELLITUS TIPO 2 NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1

A DIABETES MELLITUS TIPO 2 NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 A DIABETES MELLITUS TIPO 2 NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 GULARTE,Carla 2 ; SAMPAIO,Aline 2 ; SANTOS, Vanderleia 2 ;MATTOS, Karen Mello de 3, COSTENARO, Regina 4, COLOMÉ, Juliana

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, OBESIDADE E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA, OBESIDADE E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA, OBESIDADE E SAÚDE Histórico Jeremy Noah Morris 1910-2009 Efeitos da obesidade na saúde Obesidade diminui a expectativa de vida de 0,8 a 7 anos Adolescente com o IMC mais altos têm

Leia mais

Síndrome Metabólica em Crianças e Adolescentes. Metabolic Syndrome in Children and Adolescents

Síndrome Metabólica em Crianças e Adolescentes. Metabolic Syndrome in Children and Adolescents 40 Cristhine L. Chagas, et al. Síndrome Metabólica em Crianças e Adolescentes Metabolic Syndrome in Children and Adolescents Cristhine L. Chagas, Diego G. Figuerôa, Ênio H. Rios, Gérson Carvalho, Gustavo

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE GORDURA SATURADA E DA SUA ASSOCIAÇÃO COM OS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE MULHERES ATENDIDAS NA CLÍNICA DE NUTRIÇÃO DA UNIBAN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

A Diabetes É uma doença metabólica Caracteriza-se por um aumento dos níveis de açúcar no sangue hiperglicemia. Vários factores contribuem para o apare

A Diabetes É uma doença metabólica Caracteriza-se por um aumento dos níveis de açúcar no sangue hiperglicemia. Vários factores contribuem para o apare Diabetes Mellitus Tipo I Licenciatura em Bioquímica 1º ano 2005/2006 Duarte Nuno Amorim dos Santos A Diabetes É uma doença metabólica Caracteriza-se por um aumento dos níveis de açúcar no sangue hiperglicemia.

Leia mais

LIVRO DE ACTAS COORDENADORES: Maria Helena Pimentel Isabel Pinto Olívia Pereira

LIVRO DE ACTAS COORDENADORES: Maria Helena Pimentel Isabel Pinto Olívia Pereira COORDENADORES: Maria Helena Pimentel Isabel Pinto Olívia Pereira O6. PREVALÊNCIA DE SÍNDROME METABÓLICA NOS UTENTES DE UMA FARMÁCIA DO DISTRITO DE BRAGANÇA Lopes a* F., Lopes b*, M., Serra c, I., Pereira

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino. Pâncreas Endócrino. Anatomia Microscópica. Anatomia Microscópica

Fisiologia do Sistema Endócrino. Pâncreas Endócrino. Anatomia Microscópica. Anatomia Microscópica Fisiologia do Sistema Endócrino Pâncreas Endócrino Prof. Dr. Leonardo Rigoldi Bonjardim Profa. Adjunto do Depto. De Fisiologia-CCBS-UFS Material disponível em: http://www.fisiologiaufs.xpg.com.br 2006

Leia mais

Malnutrição Conceitos gerais

Malnutrição Conceitos gerais Malnutrição Conceitos gerais Desnutrição proteico-calórica (primária) taxas de mortalidade elevadas entre 1 e 4 anos. Kwashiorkor ocorre na 1ª infância durante e/ou após o desmame. Marasmo situação de

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

doenças coronárias Factores de Risco

doenças coronárias Factores de Risco doenças coronárias Factores de Risco Com vista a maximizar o diagnóstico clínico-laboratorial, o Centro de Medicina Laboratorial Dr. Germano de Sousa, coloca à disposição um painel de parâmetros bioquímicos

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

II Encontro ASBAI-BRAGID Alterações metabólicas na ataxia telangiectasia

II Encontro ASBAI-BRAGID Alterações metabólicas na ataxia telangiectasia II Encontro ASBAI-BRAGID Alterações metabólicas na ataxia telangiectasia Roseli Oselka Saccardo Sarni Fenótipo estendido da A-T: - Retardo do crescimento - Envelhecimento precoce - Manifestações de disfunção

Leia mais

ESTUDO PARASITOLÓGICO DE FEZES EM PESSOAS COM DIABETES TIPO 2 E SUA INTERFACE COM INDICADORES METABÓLICOS

ESTUDO PARASITOLÓGICO DE FEZES EM PESSOAS COM DIABETES TIPO 2 E SUA INTERFACE COM INDICADORES METABÓLICOS ESTUDO PARASITOLÓGICO DE FEZES EM PESSOAS COM DIABETES TIPO 2 E SUA INTERFACE COM INDICADORES METABÓLICOS Maria Wendiane Gueiros Gaspar 1, Marcio Flávio Moura de Araújo 2 Resumo: Os altos índices de doenças

Leia mais

Diabetes na gravidez

Diabetes na gravidez Diabetes na gravidez Diabetes Doença conhecida desde o século II da era cristão Diabetes: em grego sifão eliminação exagerada de água pelo organismo Mellitus: em latim doce como mel urina adocicada Diabetes

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais