Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4"

Transcrição

1 UPP CAJU 09/2014 0

2 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) LIXO ENERGIA ELÉTRICA EDUCAÇÃO ANALFABETISMO ENTRE CRIANÇAS DE 8 A 9 ANOS DE IDADE ANALFABETISMO ENTRE CRIANÇAS DE 10 A 14 ANOS DE IDADE ANALFABETISMO ENTRE PESSOAS COM 15 ANOS OU MAIS DE IDADE RENDA RENDIMENTO NOMINAL MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA DOS DOMICÍLIOS PARTICULARES RENDIMENTO DOS RESPONSÁVEIS PELOS DOMICÍLIOS

3 Caju - Informações Básicas 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL Mapa 1 Limite da UPP Caju, das que a compõem e das Regiões Administrativas 2013 Fonte: SABREN/ IPP, 2013, ISP 2013 A UPP Caju é composta pelas comunidades Parque Alegria, Parque Vitória, Vila do Mexicano, Parque Boa Esperança (R.A. Portuária), Parque Conquista, Parque São Sebastião, Ladeira dos Funcionários, Parque Nossa Senhora da Penha e Quinta do Caju. As comunidades Parque Alegria e Parque Vitória formam o complexo denominado Complexo Parque Alegria, enquanto as comunidades Parque São Sebastião e Ladeira dos Funcionários compõem o complexo com nome de Complexo Ladeira dos Funcionários. As demais comunidades na UPP Caju não formam complexos, e por isso são classificadas como isoladas. A Tabela 1 mostra a localização das comunidades na Área de Planejamento 1 e na Região Administrativa I - Portuária, enquanto os perímetros destas comunidades estão localizados no bairro do Caju. Tabela 1 A.P., R.A., Bairros e Nome dos Complexos das na UPP Caju 2013 Área de planejamento Região administrativa Bairros Nome do Complexo 1 I - Portuária Caju Fonte: SABREN/ IPP (2013) Parque Alegria Ladeira dos Funcionários - Parque Alegria Parque Vitória Parque São Sebastião Ladeira dos Funcionários Parque Conquista Vila do Mexicano Parque Boa Esperança (RA - Portuária) Parque Nossa Senhora da Penha Quinta do Caju 2

4 A Tabela 2 apresenta resumidamente as legislações urbanísticas específicas das comunidades consideradas, com número e ano do respectivo decreto que regulamenta aquele espaço. Em seguida, a Tabela 3 resume os principais programas de urbanização implementados, em processo de implementação ou planejados nas áreas. Nesta tabela, foi inserida uma coluna indicando a categoria da comunidade conforme uma classificação elaborada para a coordenação do programa Morar Carioca da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro 1. Tabela 2 Legislações Urbanísticas das na UPP Caju 2013 Legislação Urbanística Parque Alegria Lei de Área de Especial Interesse Social (AEIS), n 3692 de 02/12/2003 Parque Vitória Lei de Área de Especial Interesse Social (AEIS), n 3692 de 02/12/2003 Vila do Mexicano Lei de Área de Especial Interesse Social (AEIS), nº 5745 de 26/05/2014 Lei de Área de Especial Interesse Social (AEIS), n 2818 de 23/06/1999 Parque Boa Esperança (RA - Portuária) Decreto de reconhecimento de logradouros, n de 31/05/1999 Resolução de Projeto de Alinhamento (PA), n de 21/12/2007 Parque Conquista - Lei de Área de Especial Interesse Social (AEIS), n 2499 de 26/11/2006 Decreto de regularização administrativa, n de 27/06/2000 Parque São Sebastião Decreto de uso e ocupação do solo, n de 27/12/2000 Resolução de Projeto de Alinhamento (PA), n Decreto de reconhecimento de logradouros, n de 18/05/1999 Ladeira dos Funcionários Lei de Área de Especial Interesse Social (AEIS), n 2499 de 26/11/2006 Decreto de reconhecimento de logradouros, n de 18/05/1999 Decreto de uso e ocupação do solo, n de 27/12/2000 Resolução de Projeto de Alinhamento (PA), n Parque Nossa Senhora da Penha - Quinta do Caju Via Presidente João Goulart (em frente ao n 150 da rua Projetada - antiga Rua Carlos Seixas) Fonte: SABREN/ IPP (2013) Lei de Área de Especial Interesse Social (AEIS), n 2616 de 16/01/1998 Decreto de regularização administrativa, n de 15/08/2001 Decreto de uso e ocupação do solo, n de 29/10/2001 Decreto de reconhecimento de logradouros, n de 05/12/2003 Resolução de Projeto de Alinhamento (PA), n É de se notar na Tabela 2 que sete das comunidades localizadas na UPP Caju se encontram em Área de Especial interesse Social, instituída por leis de 1998, 1999, 2003, 2006 e Entretanto, três comunidades desta UPP não estão dentro da área de abrangência destas AEIS: Parque Conquista, Parque Nossa Senhora da Penha e a Via Presidente João Goulart. Apenas as comunidades Parque Boa Esperança (R.A. Portuária), Parque São Sebastião, Ladeira dos Funcionários e Quinta do Caju possuem Decreto de Reconhecimento de Logradouros. Além disso, estas quatro comunidades também possuem Resolução de Projeto de Alinhamento (PA). Já as comunidades Parque São Sebastião, Ladeira dos Funcionários e Quinta do Caju, ao contrário das demais comunidades aqui consideradas, possuem Decreto de Uso e Ocupação do Solo. Por fim, somente as comunidades Parque São Sebastião e Quinta do Caju são contempladas por Decretos de regularização administrativa. Observa-se na Tabela 3 que as comunidades Parque Alegria, Parque Vitória, Parque Boa Esperança (RA Portuária), Parque Conquista, Parque São Sebastião, Ladeira dos Funcionários e Quinta do Caju já haviam passado por processo de urbanização dos Programas Favela Bairro ou Bairrinho. Já as comunidades Vila - 1 A classificação elaborada para a coordenação do Programa Morar Carioca tem por finalidade dimensionar as ações e os projetos de urbanização a serem implementados. Primeiramente, as comunidades da cidade foram classificadas como urbanizadas ou nãourbanizadas. Segundo, as comunidades não-urbanizadas, objetos do programa, foram classificadas de acordo com o tamanho e o grau de urbanização do complexo que integram. São quatro categorias a) Pequenos Assentamentos; b) Assentamentos entre 100 e 500 domicílios; c) Assentamentos com mais de 500 domicílios Parcialmente Urbanizados e; d) Assentamentos com mais de 500 domicílios Não-Urbanizados. Há também comunidades onde a urbanização ainda está em análise. 3

5 do Mexicano e Parque Nossa Senhora da Penha estão contempladas nas fases 2 e 3 do programa Morar Carioca. Tabela 3 Programas de Urbanização e Classificação no Morar Carioca das na UPP Caju 2013 Programas de Urbanização Classificação no Morar Carioca Parque Alegria Favela Bairro Assentamentos urbanizados Parque Vitória Favela Bairro Assentamentos urbanizados Vila do Mexicano Morar Carioca - Fase 2 Assentamentos não urbanizados entre 101 e 500 dom Parque Boa Esperança (RA - Portuária) Favela Bairro Assentamentos urbanizados Parque Conquista Bairrinho Assentamentos urbanizados Parque São Sebastião Favela Bairro Assentamentos urbanizados Ladeira dos Funcionários Favela Bairro Assentamentos urbanizados Parque Nossa Senhora da Penha Morar Carioca - Fase 3 Assentamentos não urbanizados entre 101 e 500 dom Quinta do Caju Favela Bairro Assentamentos urbanizados Fonte: IPP (2013) 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA 2 A Tabela 4 apresenta as informações de população, domicílios, média de habitantes por domicílio, área total e densidade demográfica das comunidades na UPP Caju e do total delas, assim como do município do Rio de Janeiro, para fins de comparação. O Gráfico 1 ilustra a diferença populacional entre as comunidades. A UPP Caju possui mais de 16 mil habitantes e ocupa uma área de metros quadrados. Dentre as comunidades, Parque Boa Esperança e Quinta do Caju apresentam a maior população: e habitantes, respectivamente. As comunidades Parque Alegria, Parque Vitória, Parque Conquista, Parque São Sebastião, Ladeira dos Funcionários e Parque Nossa Senhora da Penha vêm em seguida e têm entre 1,8 e 1,1 mil habitantes. A comunidade Vila do Mexicano é a que apresenta a menor população, com apenas 326 habitantes. Já no que diz respeito à área, a comunidade Parque Boa Esperança (R.A. Portuária) se destaca por ser a mais representativa ( m²), enquanto a comunidade Vila do Mexicano é a que possui e menor área (8.440 m²). Outro ponto a ser notado na Tabela 4 é a diferença de densidade entre as comunidades que compõem a UPP Caju. As comunidades Vila do Mexicano, Ladeira dos Funcionários e Quinta do Caju são as áreas menos densas, com menos de 400 habitantes por hectare, enquanto a comunidade Parque Vitória é a área mais densa com 890 habitantes por hectare. Vale ressaltar que mesmo a comunidade que apresenta a menor densidade demográfica (Ladeira dos Funcionários com 326,9 hab/ha) é sobremaneira mais densa que a cidade do Rio de Janeiro como um todo, que tem 110 hab/ha. O número médio de habitantes por domicílio é de 3,15 pessoas, superior à média do município do Rio de Janeiro (2,9). De fato, a maior diferença entre as áreas está na densidade demográfica: enquanto no município do Rio de Janeiro a média é de 110,7 hab/ha, na UPP Caju esse número é de 532,3 hab/ha. 2 As estimativas de população e domicílios aqui apresentadas foram feitas pelo IPP em 2010, e resultaram da compatibilização do número de domicílios particulares permanentes e de moradores em domicílios particulares permanentes apurados pelo IBGE no Censo Demográfico 2010 com os limites definidos pelo IPP para as favelas. Como os limites adotados pelos dois órgãos eram muito próximos no ano de 2010, foram produzidos resultados estatísticos confiáveis. 4

6 Tabela 4 População, Domicílios, Habitantes por Domicílio, Área e Densidade Demográfica segundo as na UPP Caju e Município do Rio de Janeiro População (1) Domicílios (1) Habitantes por Domicílio Área (m²) (2) Densidade demográfica (hab/ha) Parque Alegria , ,8 Parque Vitória , ,0 Vila do Mexicano , ,3 Parque Boa Esperança (RA - Portuária) , ,2 Parque Conquista , ,6 Parque São Sebastião , ,3 Ladeira dos Funcionários , ,9 Parque Nossa Senhora da Penha , ,0 Quinta do Caju , ,6 Total , ,3 Rio de Janeiro (3) , ,7 Fonte: (1) Instituto Pereira Passos, com base em IBGE, Censo Demográfico (2010) (2) Instituto Pereira Passos (2010) (3) Censo Demográfico IBGE (2010) Gráfico 1 - População segundo as comunidades na UPP Caju Vila do Mexicano Ladeira dos Funcionários Parque Nossa Senhora da Penha Parque São Sebastião Parque Alegria Parque Conquista Parque Vitória Quinta do Caju Parque Boa Esperança (RA - Portuária) Fonte: Instituto Pereira Passos, com base em IBGE, Censo Demográfico (2010) A distribuição da população segundo o sexo é destacada na Tabela 5. As informações para a R.A. Portuária e para a cidade do Rio de Janeiro também estão expostas na tabela, para fins de comparação. É importante ressaltar que, a partir deste ponto, os dados apresentados para as comunidades na UPP Caju são os divulgados pelo IBGE tendo como base o Censo Demográfico A porcentagem de mulheres é um pouco maior que a de homens, seguindo o padrão da cidade do Rio de Janeiro, exceto na comunidade Vila do Mexicano que possui o percentual de 50,3% de homens. Na Tabela 5 também estão expostas as informações sobre razão de sexo para as comunidades na UPP Caju, para a R.A. Portuária e para a cidade do Rio de Janeiro. A razão de sexos indica quantos homens há numa determinada área para cada 100 mulheres. Observa-se que a razão de sexos é significativamente maior na UPP Caju (92,86) do que na cidade do Rio de Janeiro (88,07). Contudo, deve-se destacar que na R.A. Portuária este número mostra-se superior tanto ao apresentado pela UPP quanto pela cidade como um todo (92,89). 5

7 Tabela 5 Sexo e Razão de Sexos segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro Razão de Sexos (H/M) x 100 Parque Alegria ,8% ,2% % 95,42 Parque Vitória ,0% ,0% % 88,78 Vila do Mexicano ,3% ,7% % 101,23 Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,8% ,2% % 99,17 Parque Conquista ,3% ,7% % 93,24 Parque São Sebastião ,3% ,7% % 86,07 Ladeira dos Funcionários ,5% ,5% % 90,31 Parque Nossa Senhora da Penha ,7% ,3% % 94,97 Quinta do Caju ,7% ,3% % 84,12 Total ,1% ,9% % 92,86 R.A. Portuária 48,2% 51,8% 100% 92,89 Rio de Janeiro 46,8% 53,2% 100% 88,07 Homens % Mulheres % Total A Tabela 6 apresenta as informações referentes aos grupos etários, divididos entre crianças (0 a 14 anos), jovens (15 a 29 anos), adultos (30 a 64 anos) e idosos (65 anos ou mais). Destaca-se nela a diferença proporcional de crianças entre as comunidades. Enquanto as comunidades Vila do Mexicano, Ladeira dos Funcionários, Parque Conquista e Parque São Sebastião são compostas respectivamente em 38%, 33,4%, 32% e 30,3% por crianças, a comunidade Quinta do Caju possui apenas 16,2% de crianças em sua população. Outro dado a ser observado é a diferença proporcional de crianças entre o total das comunidades (25,9%) e a R.A. Portuária (22,9%), assim como a diferença proporcional do número de idosos entre esses dois espaços, já que nas comunidades da UPP Caju apenas 5,3% da população é idosa, enquanto na R.A. Portuária este número é de 7,4% e na cidade do Rio de Janeiro é de 10,4%. Um dado bastante notável é a dessemelhança que surge quando as faixas etárias de crianças e de jovens (0 a 14 e 15 a 29 anos) são consideradas em conjunto. Na UPP Caju o somatório dos indivíduos que compõem estas faixas etárias constitui 55% da população local, enquanto na R.A. Portuária essa taxa é de 49,6% e na cidade do Rio de Janeiro é de apenas 43,5%. Tabela 6 Total e Percentual de Crianças, Jovens, Adultos e Idosos segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro 2010 Faixa Etária 0 a a a Total Pessoas % Pessoas % Pessoas % Pessoas % Pessoas % Parque Alegria ,7% ,5% % 116 7,8% % Parque Vitória ,6% ,5% ,0% 69 3,9% % Vila do Mexicano ,0% 91 27,9% ,7% 1 0,3% % Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,0% ,3% ,3% 122 2,4% % Parque Conquista ,0% ,7% ,6% 25 1,7% % Parque São Sebastião ,3% ,0% ,1% 106 7,6% % Ladeira dos Funcionários ,4% ,9% ,3% 27 2,4% % Parque Nossa Senhora da Penha ,5% ,6% ,7% 111 9,2% % Quinta do Caju ,2% ,0% ,4% ,4% % Total ,9% ,1% ,8% 851 5,3% % R.A. Portuária Rio de Janeiro Fonte: Dados do Censo Demográfico (2010) - IBGE 22,9% 26,8% 42,9% 7,4% 19,4% 24,1% 46,0% 10,4% 100% 100% A Tabela 7 mostra o número de homens e de mulheres em cada comunidade segundo 4 faixas etárias. A divisão por faixa etária se difere da utilizada na Tabela 6. Criou-se um recorte etário diferente para a população idosa: ao invés do recorte ser de 65 anos ou mais, usou-se um de 60 anos ou mais de idade. Nota-se na Tabela 7 que na primeira faixa (de 0 a 14 anos), o total da população masculina na UPP Caju é levemente superior ao total da população feminina. Contudo, quando os dados desta faixa etária são considerados por comunidade, pode-se ver que as comunidades Vila do Mexicano, Parque Conquista, 6

8 Parque São Sebastião, Ladeira dos Funcionários e Parque Nossa Senhora da Penha possuem mais mulheres do que de homens na faixa que vai de 0 e 14 anos. Entre 15 a 29 anos, o número de pessoas do sexo feminino supera sensivelmente a do sexo masculino, exceto nas comunidades Vila do Mexicano e Parque Nossa Senhora da Penha, nas quais esta proporção se inverte. Além disso, é possível observar também que uma maior quantidade de mulheres se verifica durante toda a fase adulta (ente 30 e 59 anos) na UPP Caju (exceto na comunidade Vila do Mexicano). Esta diferença entre o número de homens e mulheres mostra-se igualmente significativa no conjunto da população idosa, visto que aproximadamente 58% da população nesta faixa etária é composta por mulheres. Tabela 7 - Faixa Etária por Sexo segundo as na UPP Caju 2010 Faixa Etária / Sexo 0 a a a Total H M H M H M H M H M Parque Alegria Parque Vitória Vila do Mexicano Parque Boa Esperança (RA - Portuária) Parque Conquista Parque São Sebastião Ladeira dos Funcionários Parque Nossa Senhora da Penha Quinta do Caju Total Fonte: Dados do Censo Demográfico (2010) - IBGE Com a finalidade de representar de forma mais clara e comparar a distribuição etária da população, as pirâmides etárias da UPP Caju e da R.A. Portuária estão apresentadas abaixo. Pode-se perceber que a pirâmide etária da UPP Caju se difere bastante da pirâmide etária referente à R.A. Portuária. Na UPP Caju há um afunilamento maior no topo da pirâmide, o que indica um padrão baixo de envelhecimento da população, bastante diferente do que ocorre na R.A. Portuária, onde o topo da pirâmide é mais largo. Observa-se também que dentre todas as faixas etárias analisadas, na UPP Caju destacam-se as que vão de 20 a 24 anos e de 25 a 29 anos de idade, uma vez que estas faixas etárias mostram-se sobremaneira maiores que as demais faixas etárias consideradas. Ainda no que diz respeito a estas faixas etárias específicas, nota-se que as mesmas também são bastante superiores na UPP Caju se comparadas às apresentadas pela R.A. Portuária. Por fim, é possível perceber que na UPP Caju as faixas etárias que vão de 0 a 4 anos e 5 a 9 anos de idade são significativamente maiores que as apresentadas pela R.A. Portuária. Gráfico 2 Pirâmides Etárias das na UPP Caju e R.A. Portuária 2010 UPP Caju R.A. Portuária Mulheres Homens Mulheres Homens 15% 10% 5% 0% 5% 10% 15% 15% 10% 5% 0% 5% 10% 15% 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS Este item do Panorama dos Territórios apresenta um conjunto de dados socioeconômicos a respeito do território analisado, que revelam aspectos considerados de fundamental importância para entender a realidade de cada área. Os dados estão apresentados em três seções. A primeira resume um conjunto de 7

9 informações referentes à infraestrutura e serviços urbanos, assim como à condição domiciliar. Mais concretamente, dizem respeito ao acesso dos domicílios localizados nas comunidades à infraestrutura adequada de água e de esgotamento sanitário, assim como a serviços de coleta de lixo e de fornecimento de energia elétrica. Além disso, incluiu-se nesta seção a condição de ocupação do domicílio. A segunda seção resume algumas informações censitárias de educação, calculadas através do cruzamento entre dados de alfabetização da população com os de distintas faixas etárias. Optou-se pela delimitação de três faixas etárias: de 8 a 9 anos de idades, de 10 a 14 anos de idade e maiores de 15 anos. Dados absolutos de pessoas alfabetizadas ou não destes três recortes etários estão também apresentadas por sexo. Por fim, a terceira seção apresenta os dados de renda considerados mais pertinentes para este contexto. Os dados sobre o rendimento mensal domiciliar per capita dos domicílios particulares foram observados de acordo com as seguintes faixas de renda: até 1/8 de salário mínimo; de 1/8 até ¼; de ¼ até 1/2; de ½ até 1; de 1 a 2 e de mais de 2 salários mínimos. Já os dados que tratam da renda dos responsáveis pelos domicílios e da renda dos responsáveis pelos domicílios segundo o sexo foram analisados em correspondência com outras faixas de renda: até ½ salário mínimo; de ½ até 1; de 1 até 2; de 2 a 3 e de mais de 3 salários mínimos SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO Os dados censitários indicam uma considerável diferença interna às comunidades que compõem a UPP Caju em relação à condição de ocupação dos domicílios. Por condição de ocupação entende-se que o domicílio pode ser próprio de um ou mais moradores; alugado; cedido gratuitamente por terceiros, seja este pelo empregador ou qualquer outra pessoa, mesmo que os moradores paguem taxas de conservação; ou ainda ocupado por uma forma que não se encaixa em nenhuma das três acima mencionadas, como por exemplo, através de ocupações. É importante frisar que a classificação dos domicílios nas categorias mencionadas é baseada naquilo que os moradores declararam ao Censo Enquanto nas comunidades Vila do Mexicano e Parque São Sebastião a proporção de domicílios próprios dos moradores é de 98,9% e 95,7%, respectivamente, na comunidade Ladeira dos Funcionários esta proporção é de apenas 62,3%. Observando as comunidades da UPP Caju em conjunto, a proporção de domicílios próprios dos moradores é de 75,4%, percentual este que supera significativamente o apresentado pela cidade do Rio de Janeiro (73,1%) e pela R.A. Portuária (61,4%). Já no que diz respeito aos domicílios alugados, as comunidades Parque Alegria e Parque Boa Esperança (R.A. Portuária) são as que apresentam os maiores percentuais (28,1% e 30,4%, respectivamente) e estão bastante acima da média de 21% apresentada pelas comunidades na UPP Caju. Em contrapartida, a comunidade Vila do Mexicano é a que apresenta o menor percentual de domicílios nesta classificação (1,1%). No que tange aos percentuais de domicílios cedidos ou classificados na categoria outros destaca-se a comunidade Ladeira dos Funcionários, uma vez que esta comunidade apresenta os percentuais de 3,7% e 29,6% para estas categorias, respectivamente. A Tabela 8 apresenta as informações referentes à condição de ocupação das comunidades na UPP Caju. 8

10 Tabela 8 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Condição de Ocupação segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro 2010 Condição de Ocupação Próprio Alugado Cedido Outros Total Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Parque Alegria ,7% ,1% 11 2,2% 0 0,0% % Parque Vitória ,8% ,5% 5 0,9% 4 0,7% % Vila do Mexicano 88 98,9% 1 1,1% 0 0,0% 0 0,0% % Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,8% ,4% 10 0,6% 3 0,2% % Parque Conquista ,8% ,7% 5 1,0% 12 2,5% % Parque São Sebastião ,7% 11 2,6% 4 1,0% 3 0,7% % Ladeira dos Funcionários ,3% 14 4,3% 12 3,7% 96 29,6% % Parque Nossa Senhora da Penha ,9% 90 23,4% 10 2,6% 4 1,0% % Quinta do Caju ,9% ,2% 7 0,9% 0 0,0% % Total ,4% ,0% 64 1,2% 122 2,4% % R.A. Portuária 61,4% 29,2% 4,9% 4,5% 100% Rio de Janeiro 73,1% 22,3% 3,9% 0,7% 100% SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) Em relação à cobertura de serviços urbanos de saneamento básico (água e esgoto), constata-se um maior problema de esgotamento sanitário do que de abastecimento de água adequado em todas as comunidades na UPP Caju. Entende-se aqui como abastecimento de água adequado o número total de domicílios cujos moradores declararam que suas residências estavam ligadas à rede geral de água, enquanto que inadequado refere-se àqueles que responderam que seus domicílios têm outras formas de abastecimento, por exemplo, proveniente de poços, rios ou através de caminhões pipa. Vale sublinhar que os dados censitários referem-se apenas à cobertura de abastecimento de água. Não apontam, portanto, para a qualidade deste serviço. Para esta finalidade, seriam necessários dados complementares que remetessem, por exemplo, à intermitência no fornecimento. Por sua vez, entende-se aqui como acesso a esgotamento sanitário adequado, tanto os domicílios conectados à rede geral de esgoto ou à rede pluvial 3 quanto aqueles em que os moradores alegaram estarem ligados a uma fossa séptica para despejo. A precariedade do acesso a esta infraestrutura, classificada aqui como inadequada, é medida pela soma de outras formas de despejo que não sejam estas, a saber, fossas rudimentares, valas, diretamente no mato ou encosta, etc. Os domicílios cujos moradores responderam não possuírem banheiro também foram considerados como uma classificação a parte. Enfatiza-se, novamente, que os dados não apontam para a qualidade do serviço prestado, apenas mensuram a cobertura da infraestrutura instalada. Na Tabela 9 pode-se observar que o percentual de domicílios na UPP Caju cujos moradores disseram ter acesso à rede geral de água é de 100%, percentual este superior ao apresentado pela R.A. Portuária (99,7%) e pela cidade do Rio de Janeiro (98,5%). Em apenas 2 dos domicílios localizados na área da UPP Caju os habitantes declaram que não estavam conectados a esta infraestrutura. Considerando individualmente as comunidades da UPP Caju, apenas as comunidades Parque Conquista e Quinta do Caju apresentam percentuais de domicílios com fornecimento de água adequado levemente inferiores a média da UPP: 99,8% e 99,9%, respectivamente. 3 Segundo as instruções contidas no Manual do Recenseador utilizado durante o levantamento dos dados do Censo 2010, os domicílios conectados à rede geral de esgoto foram contabilizados juntamente com os domicílios que utilizam a rede pluvial como escoadouro. Em função disso, tanto os domicílios ligados à rede geral de esgoto quanto os domicílios que usam a rede pluvial como sistema de coleta serão aqui classificados como domicílios com esgotamento sanitário adequado. 9

11 Tabela 9 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Forma de Abastecimento de Água segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro 2010 Água Adequado Inadequado Total Domicílios % Domicílios % Domicílios % Parque Alegria ,0% 0 0,0% % Parque Vitória ,0% 0 0,0% % Vila do Mexicano ,0% 0 0,0% % Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,0% 0 0,0% % Parque Conquista ,8% 1 0,2% % Parque São Sebastião ,0% 0 0,0% % Ladeira dos Funcionários ,0% 0 0,0% % Parque Nossa Senhora da Penha ,0% 0 0,0% % Quinta do Caju ,9% 1 0,1% % Total ,0% 2 0,0% % R.A. Portuária Rio de Janeiro 99,7% 0,3% 100% 98,5% 1,5% 100% Subdividindo as comunidades na UPP Caju em setores censitários, visualiza-se através do Mapa 2 que não existem grandes diferenças entre os mesmos no que diz respeito ao abastecimento de água adequado. Em geral, todos os setores censitários da UPP Caju possuem entre 99% e 100% de seus domicílios com fornecimento de água adequado. Mapa 2 Percentual de Domicílios Particulares Permanentes com Acesso a Abastecimento de Água Adequado segundo os Setores Censitários das na UPP Caju

12 Como já mencionado anteriormente, os dados de cobertura da infraestrutura de esgotamento sanitário na UPP Caju apontam, no geral, para uma deficiência maior do que a encontrada no abastecimento de água, principalmente dentro de algumas comunidades específicas. No conjunto total das comunidades observadas, moradores de 8 domicílios disseram ter o esgoto despejado de forma outra a da rede geral ou em uma fossa séptica, o que representa 0,2% do universo de domicílios. Além disso, também foram registrados 6 domicílios nos quais não existem banheiro ou sanitário, todos localizados na comunidade Parque Conquista. Ainda assim, a taxa de adequação na cobertura da infraestrutura de esgoto na UPP Caju é de 99,7%, percentual este superior ao apresentado pela R.A. Portuária (99,5%) e pela cidade do Rio de Janeiro (94,9%) Os dados de esgotamento sanitário estão expostos na Tabela 10 e as diferenças internas às comunidades que constituem a UPP Caju estão representadas no Mapa 3. Cores mais escuras no mapa mostram em quais setores censitários há os maiores déficits. De fato, existem setores censitários nas comunidades Quinta do Caju e Parque Conquista nos quais a cobertura de infraestrutura de esgoto apresenta problemas. Tabela 10 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Tipo de Esgotamento Sanitário segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro Esgotamento Sanitário Com Banheiro ou Sanitário Adequado Inadequado Sem Banheiro ou Sanitário Total Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Parque Alegria ,0% 0 0,0% 0 0,0% % Parque Vitória ,0% 0 0,0% 0 0,0% % Vila do Mexicano ,0% 0 0,0% 0 0,0% % Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,9% 1 0,1% 0 0,0% % Parque Conquista ,1% 3 0,6% 6 1,2% % Parque São Sebastião ,0% 0 0,0% 0 0,0% % Ladeira dos Funcionários ,1% 3 0,9% 0 0,0% % Parque Nossa Senhora da Penha ,0% 0 0,0% 0 0,0% % Quinta do Caju ,9% 1 0,1% 0 0,0% % Total ,7% 8 0,2% 6 0,1% % R.A. Portuária Rio de Janeiro 99,5% 0,3% 0,3% 100% 94,9% 5,0% 0,1% 100% 11

13 Mapa 3 Percentual de Domicílios Particulares Permanentes com Acesso a Esgotamento Adequado segundo os Setores Censitários das na UPP Caju LIXO Os dados censitários relativos à existência ou não de coleta de lixo indicam que a cobertura deste serviço não apresenta grandes diferenças entre as comunidades na UPP Caju. Considerou-se para classificar como cobertura adequada aqueles domicílios cuja coleta é realizada, seja diretamente pelo serviço de coleta porta a porta ou indiretamente através de caçambas colocadas pela Comlurb. Chamou-se esta categoria de domicílios com destino de lixo adequado, ou seja, onde existe a coleta. Por sua vez, considerou-se como inadequado aqueles domicílios cujos moradores responderam que o destino do lixo é um terreno baldio, um logradouro, um curso d agua ou queimado e enterrado em algum terreno, assim como qualquer outro tipo de destino. Novamente, é relevante ressaltar que os dados são relativos apenas à cobertura do serviço de coleta, não indicando a qualidade da mesma, como por exemplo, sua frequência ou a condição geral de limpeza local tal como o acúmulo de lixo nos logradouros públicos e nos cursos d água, etc. A Tabela 11 mostra que apenas a comunidade Parque Boa Esperança (R.A. Portuária) não apresenta 100% de cobertura adequada do serviço de coleta de lixo. Nesta comunidade, habitantes de dois domicílios (0,1% do total de domicílios na comunidade) afirmaram não ter acesso direto ao serviço de coleta direta ou às caçambas instaladas pela Comlurb. Ainda assim, até mesmo a comunidade da UPP Caju com menor percentual de domicílios assistidos pela cobertura adequada do serviço de coleta de lixo possui índices superiores aos apresentados pela R.A. Portuária e pela cidade do Rio de Janeiro. Enquanto a comunidade Parque Boa esperança (R.A. Portuária) possui 99,9% de domicílios com acesso à cobertura adequada do serviço de coleta de lixo, na R.A. Portuária este percentual é de 99,5%, e na cidade do Rio de Janeiro é de 99,3%. 12

14 Tabela 11 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Tipo de Destino do Lixo segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro Lixo Adequado Inadequado Total Domicílios % Domicílios % Domicílios % Parque Alegria ,0% 0 0,0% % Parque Vitória ,0% 0 0,0% % Vila do Mexicano ,0% 0 0,0% % Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,9% 2 0,1% % Parque Conquista ,0% 0 0,0% % Parque São Sebastião ,0% 0 0,0% % Ladeira dos Funcionários ,0% 0 0,0% % Parque Nossa Senhora da Penha ,0% 0 0,0% % Quinta do Caju ,0% 0 0,0% % Total ,0% 2 0,0% % R.A. Portuária 99,5% 0,5% 100% Rio de Janeiro 99,3% 0,7% 100% O Mapa 4 mostra que praticamente inexistem diferenças na distribuição espacial do serviço coleta de lixo adequada nas comunidades. Todos os setores censitários das comunidades na UPP Caju possuem entre 99% e 100% de seus domicílios com acesso ao serviço de coleta de lixo adequada. Mapa 4 Percentual de Domicílios Particulares Permanentes com Acesso a Coleta de Lixo Adequado segundo os Setores Censitários das na UPP Caju

15 ENERGIA ELÉTRICA O último tema da seção referente a serviços urbanos e condição domiciliar diz respeito à energia elétrica. As informações apresentadas na Tabela 12 referem-se, primeiramente, à existência ou não de energia elétrica no domicílio, segundo, se a fonte de energia é a companhia distribuidora (Light na cidade do Rio de Janeiro) ou se a origem é outra - o IBGE considera outras fontes como sendo as fontes de energia solar, eólicas e gerador. No entanto, na prática, sabe-se que essa opção ( outras fontes ) significa que a energia é proveniente de companhia distribuidora, mas que não é computada pela agência fornecedora. A tabela mostra ainda se os domicílios conectados à rede de energia da Light possuem relógio ou medidor para registro de consumo. Vale ressaltar que a existência de relógio instalado não implica necessariamente em registro do consumo de energia elétrica exclusiva do domicílio. Esta informação aponta, entretanto, para a condição básica para um serviço de qualidade. Para que se tenha um quadro mais preciso sobre a formalização e a qualidade do serviço de distribuição de energia elétrica, seria necessário, contudo, outras fontes de informações. Com isso em mente, observa-se na Tabela 12 que, assim como na cidade como um todo, praticamente não há domicílios sem energia no território, visto que apenas 1 domicílio em toda UPP Caju não possui energia. Contudo, existem algumas diferenças notáveis entre algumas comunidades na UPP Caju. Enquanto 99,9% dos domicílios da comunidade Quinta do Caju possuem relógio ou medidor da Light para registro do consumo de energia, na comunidade Vila do Mexicano apenas 4,5% dos domicílios estão nas mesmas condições. No que diz respeito aos domicílios que consomem energia da companhia distribuidora, mas não possuem relógio ou medidor da Light para registro do consumo, a Vila do Mexicano se destaca negativamente por apresentar 94,4% de seus domicílios nesta classificação. Em seguida, as comunidades Ladeira dos Funcionários e Parque São Sebastião apresentam, respectivamente, os percentuais de 22,5% e 11,5% de seus domicílios nas mesmas condições. Considerando a UPP Caju como um todo, pode-se constatar que 5,8% dos domicílios consomem energia da companhia distribuidora sem relógio ou medidor da Light para registro do consumo, percentual este inferior ao apresentado pela R.A. Portuária (8,7%) e pela cidade do Rio de Janeiro (6,0%). Por fim, os domicílios que utilizam energia de outras fontes representam 0,3% do total de domicílios na área da UPP Caju, percentual inferior ao registrado para a R.A. Portuária (2,1%) e para a cidade do Rio de Janeiro (1,4%). As informações por setores censitários estão apresentadas de forma espacializada no Mapa 5, onde podese observar um setor censitário no qual menos de 5% dos domicílios possuem energia elétrica e medidor ou relógio, localizado na comunidade Vila do Mexicano. Outro setor censitário preocupante está localizado na Ladeira dos Funcionários, no qual entre 75% e 80% dos domicílios possuem energia elétrica e medidor ou relógio. Tabela 12 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Existência, Tipo de Fonte e Presença de Medidor de Energia Elétrica segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro Energia Elétrica Com Energia de Companhia Distribuidora Com Medidor Sem Medidor Com Energia de Outras Fontes Sem Energia Total Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Parque Alegria ,2% 9 1,8% 0 0,0% 0 0,0% % Parque Vitória ,9% 5 0,9% 1 0,2% 0 0,0% % Vila do Mexicano 4 4,5% 84 94,4% 0 0,0% 1 1,1% % Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,5% 77 4,9% 9 0,6% 0 0,0% % Parque Conquista ,8% 0 0,0% 1 0,2% 0 0,0% % Parque São Sebastião ,2% 48 11,5% 1 0,2% 0 0,0% % Ladeira dos Funcionários ,9% 73 22,5% 2 0,6% 0 0,0% % Parque Nossa Senhora da Penha ,7% 1 0,3% 0 0,0% 0 0,0% % Quinta do Caju ,9% 1 0,1% 0 0,0% 0 0,0% % Total ,9% 298 5,8% 14 0,3% 1 0,0% % R.A. Portuária 89,2% 8,7% 2,1% 0,0% 100% Rio de Janeiro 92,6% 6,0% 1,4% 0,0% 100% 14

16 Mapa 5 Percentual de Domicílios Particulares Permanentes com Energia Elétrica da Companhia Distribuidora e com Medidor ou Relógio segundo os Setores Censitários das na UPP Caju EDUCAÇÃO Os dados de educação do Censo Demográfico do IBGE 2010 referem-se à taxa de alfabetização de pessoas com 5 ou mais anos de idade. Como definição de alfabetizado considera-se a pessoa capaz de ler e escrever um texto simples. Como já mencionado, foram considerados três recortes etários (de 8 a 9 anos; de 10 a 14 anos; e 15 ou mais anos de idade). Encontram-se nesta seção tanto informações sobre o número absoluto e percentual de pessoas alfabetizadas e não alfabetizadas para cada recorte etário, quanto o número absoluto de pessoas alfabetizadas e não alfabetizadas por sexo. O Estatuto da Criança e do Adolescente entende o acesso à educação como um direito, portanto, um dever do Estado. Isso porque há consenso sobre o fato de que ser alfabetizado é fundamental para estar inserido na sociedade moderna, ter acesso à informação e dispor de condições mínimas para desenvolverse integralmente. Os dados apresentados não revelam a cobertura do ensino na área analisada, ou seja, não é possível inferir o número de crianças que frequentam a escola e, portanto, se a demanda está sendo atendida. No entanto, eles sinalizam dois aspectos importantes: a quantidade de crianças alfabetizadas e a quantidade de crianças que não são alfabetizadas, mas deveriam ser ANALFABETISMO ENTRE CRIANÇAS DE 8 A 9 ANOS DE IDADE A Tabela 13 mostra, sobretudo, a existência de 33 crianças de 8 a 9 anos que indicaram não saber ler nem escrever. A comunidade com maior número de crianças não alfabetizadas é a Parque Boa Esperança (R.A. Portuária), onde 20 crianças estão nestas condições. Na sequência, as comunidades Ladeira dos 15

17 Funcionários, Quinta do Caju, Parque Conquista, Parque Alegria e Vila do Mexicano possuem entre 1 e 5 crianças não-alfabetizadas na faixa etária supracitada. Vale lembrar que nesta faixa etária as crianças deveriam estar cursando entre o 2º e o 4º ano e, portanto, já deveriam estar alfabetizadas há pelo menos dois anos. Mais especificamente, é relevante apontar para o fato de que estas 33 crianças que indicaram não saber ler nem escrever correspondem a 6,1% do total de crianças na faixa etária considerada. Em contrapartida, destaca-se positivamente a ausência de crianças não alfabetizadas nas comunidades Parque Vitória, Parque São Sebastião e Parque Nossa Senhora da Penha Tabela 13 Total e Percentual de Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas de 8 a 9 anos segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro 2010 Crianças de 8 a 9 anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total Pessoas % Pessoas % Pessoas % Parque Alegria 31 93,9% 2 6,1% % Parque Vitória ,0% 0 0,0% % Vila do Mexicano 16 94,1% 1 5,9% % Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,5% 20 10,5% % Parque Conquista 50 96,2% 2 3,8% % Parque São Sebastião ,0% 0 0,0% % Ladeira dos Funcionários 48 90,6% 5 9,4% % Parque Nossa Senhora da Penha ,0% 0 0,0% % Quinta do Caju 51 94,4% 3 5,6% % Total ,9% 33 6,1% % R.A. Portuária Rio de Janeiro 92,5% 7,5% 100% 92,7% 7,3% 100% A Tabela 14 mostra o número absoluto de crianças do sexo masculino e feminino não alfabetizadas nesta faixa. Do total de 541 crianças da UPP Caju na faixa etária considerada, nota-se que a diferença entre o número de meninos e meninas é bastante sutil: são 274 meninos contra 267 meninas. Contudo, observando as comunidades da UPP Caju individualmente, a comunidade Parque Boa Esperança (R.A. Portuária) é a área que apresenta a maior desproporção entre meninos e meninas não alfabetizadas. Nesta comunidade foram encontrados 8 meninos não-alfabetizados, enquanto 12 meninas estavam na mesma condição. Tabela 14 Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas de 8 a 9 anos por Sexo segundo as na UPP Caju 2010 Crianças de 8 a 9 anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total H M H M H M Parque Alegria Parque Vitória Vila do Mexicano Parque Boa Esperança (RA - Portuária) Parque Conquista Parque São Sebastião Ladeira dos Funcionários Parque Nossa Senhora da Penha Quinta do Caju Total

18 A distribuição espacial da taxa de analfabetismo para a faixa etária de 8 a 9 anos de idade pode ser visualizada no Mapa 6. Como pode ser observado, na UPP Caju existem comunidades com setores mais críticos no que diz respeito ao analfabetismo da faixa etária supracitada. A comunidade Parque Boa Esperança (R.A. Portuária) apresenta o setor censitário com o percentual mais alto. Neste setor, entre 13% e 17% das crianças com 8 e 9 anos de idade não são alfabetizadas. Mapa 6 Percentual de Pessoas de 8 a 9 anos Não Alfabetizadas segundo as na UPP Caju ANALFABETISMO ENTRE CRIANÇAS DE 10 A 14 ANOS DE IDADE As Tabelas 15 e 16 mostram as informações censitárias de educação entre crianças de 10 a 14 anos de idade que, idealmente, deveriam estar cursando entre o 5º e o 9º ano do ensino fundamental. São 37 as crianças encontradas que não sabiam ler nem escrever em um universo total de Isto representa uma taxa de analfabetismo de 2,5%, ainda consideravelmente acima da taxa da cidade do Rio de Janeiro (2,0%) e da R.A. Portuária (2,2%). É relevante ressaltar também que das 37 crianças analfabetas da UPP Caju neste recorte etário, 51% delas estão concentradas na comunidade Parque Boa Esperança (R.A. Portuária). Nesta comunidade foram encontradas 19 crianças não alfabetizadas. Dentre as comunidades que compõem a UPP Caju, verifica-se que a taxa de analfabetismo nesta faixa etária é menor nas comunidades Quinta do Caju e Parque Vitória, uma vez que estas comunidades possuem apenas, respectivamente, 0,7% e 0,5% de crianças não alfabetizadas. Na Tabela 16 verifica-se que o número de pessoas analfabetas é significativamente diferente entre os sexos na faixa de 10 a 14 anos de idade. No conjunto de 37 pessoas não alfabetizadas localizadas na faixa etária supracitada na UPP Caju, há um número relativo maior de analfabetos do sexo masculino do que do sexo feminino: 22 são homens para 15 mulheres. Isto representa uma proporção de aproximadamente 59% e 41%, respectivamente. 17

19 Tabela 15 Total e Percentual de Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas de 10 a 14 anos segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro Crianças de 10 a 14 anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total Pessoas % Pessoas % Pessoas % Parque Alegria ,3% 4 3,7% % Parque Vitória ,5% 1 0,5% % Vila do Mexicano 34 97,1% 1 2,9% % Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,7% 19 4,3% % Parque Conquista ,9% 2 1,1% % Parque São Sebastião ,2% 3 1,8% % Ladeira dos Funcionários ,9% 4 3,1% % Parque Nossa Senhora da Penha 92 97,9% 2 2,1% % Quinta do Caju ,3% 1 0,7% % Total ,5% 37 2,5% % R.A. Portuária 97,8% 2,2% 100% Rio de Janeiro 98,0% 2,0% 100% As diferenças internas ao território, por setores censitários, para este recorte etário estão representadas no Mapa 7. Pode-se notar que a comunidade Parque Boa Esperança (R.A. Portuária) apresenta os setores censitários mais críticos encontrados na área da UPP Caju. Nestes setores, mais de 6% das crianças com idade entre 10 e 14 anos não são alfabetizadas. Mapa 7 Percentual de Pessoas de 10 a 14 anos Não Alfabetizadas segundo as na UPP Caju

20 Tabela 16 Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas de 10 a 14 anos por Sexo segundo as na UPP Caju 2010 Crianças de 10 a 14 anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total H M H M H M Parque Alegria Parque Vitória Vila do Mexicano Parque Boa Esperança (RA - Portuária) Parque Conquista Parque São Sebastião Ladeira dos Funcionários Parque Nossa Senhora da Penha Quinta do Caju Total ANALFABETISMO ENTRE PESSOAS COM 15 ANOS OU MAIS DE IDADE O último recorte etário utilizado para a análise dos déficits educacionais na UPP Caju concerne à população com 15 anos de idade ou mais. Trata-se de uma informação extremamente relevante por ser um indicador de desenvolvimento social importante para analistas e gestores públicos, pois indica um alto grau de vulnerabilidade social. A Tabela 17 expõe os dados de alfabetização relativos às pessoas desta faixa etária. Enquanto para este recorte etário a média de pessoas não-alfabetizadas na cidade do Rio de Janeiro não excede 3%, nota-se que nas comunidades Vila do Mexicano, Ladeira dos Funcionários e Parque Boa Esperança (R.A. Portuária) esta é de 11,4%, 9,4% e 9,3%, respectivamente. Esta proporção é, de fato, consideravelmente maior do que a média geral de 7,5% da UPP Caju. A diferença entre a área da UPP e o restante da cidade deve ser destacada. Enquanto na R.A. Portuária o percentual de pessoas analfabetas com 15 anos de idade ou mais é de 4,9% e na cidade do Rio de Janeiro é de 2,9%, na área da UPP Caju este percentual atinge a marca de 7,5%, o que representa uma diferença bastante significativa. Outro dado a ser destacado é a dissimilaridade no que diz respeito aos percentuais entre as comunidades Vila do Mexicano e Quinta do Caju: enquanto na primeira 11,4% das pessoas com 15 anos de idade ou mais foram identificadas como sendo não-alfabetizadas, na segunda apenas 1,4% das pessoas na faixa etária considerada está na mesma condição. Em números absolutos, a comunidade Parque Boa Esperança (R.A. Portuária) se destaca negativamente por ser a comunidade com o maior número de pessoas analfabetas com 15 anos de idade ou mais: 345 pessoas. Igualmente, é importante destacar a alta taxa de pessoas alfabetizadas na comunidade Quinta do Caju: 98,6%. Nesta comunidade, a proporção de pessoas que sabem ler e escrever é maior do que a média da cidade do Rio de Janeiro (97,1%) e da R.A. Portuária (95,1%). As diferenças internas às comunidades na UPP Caju para este recorte etário estão representadas no Mapa 8, de acordo com os setores censitários. Pode-se notar que os setores censitários com os percentuais mais preocupantes de pessoas não-alfabetizadas com 15 anos de idade ou mais estão localizados nas comunidades Vila do Mexicano e Parque Boa Esperança (R.A. Portuária). Nestes setores, entre 10% e 12% de pessoas na faixa etária supracitada não são alfabetizadas. 19

21 Tabela 17 Total e Percentual de Pessoas Alfabetizadas e Não-Alfabetizadas com 15 anos ou mais de idade segundo as na UPP Caju, R.A. Portuária e Município do Rio de Janeiro Pessoas com 15 anos ou mais de idade Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total Pessoas % Pessoas % Pessoas % Parque Alegria ,6% 99 8,4% % Parque Vitória ,8% 108 8,2% % Vila do Mexicano ,6% 23 11,4% % Parque Boa Esperança (RA - Portuária) ,7% 345 9,3% % Parque Conquista ,5% 88 8,5% % Parque São Sebastião ,0% 68 7,0% % Ladeira dos Funcionários ,6% 70 9,4% % Parque Nossa Senhora da Penha ,6% 70 7,4% % Quinta do Caju ,6% 26 1,4% % Total ,5% 897 7,5% % R.A. Portuária 95,1% 4,9% 100% Rio de Janeiro 97,1% 2,9% 100% Mapa 8 Percentual de Pessoas com 15 ou mais anos de idade Não-Alfabetizadas segundo os Setores Censitários das na UPP Caju 2010 Quando os dados de alfabetização para pessoas maiores de 15 anos são organizados por sexo, percebe-se uma tendência inversa a das outras faixas etárias consideradas. Verifica-se na Tabela 18 que na UPP Caju, o número absoluto de mulheres que indicaram não saber ler nem escrever é significativamente maior do que a de homens: enquanto 427 homens nesta faixa etária não sabem ler nem escrever, 470 mulheres estão nesta condição. Isto é, do total de pessoas não-alfabetizadas, 48% são homens e 52% são mulheres neste recorte etário. 20

22 Tabela 18 Pessoas Alfabetizadas e Não-Alfabetizadas com 15 anos ou mais de idade por Sexo segundo as na UPP Caju H M H M H M Parque Alegria Parque Vitória Vila do Mexicano Parque Boa Esperança (RA - Portuária) Parque Conquista Parque São Sebastião Ladeira dos Funcionários Parque Nossa Senhora da Penha Quinta do Caju Total Pessoas com 15 anos ou mais de idade Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total RENDA RENDIMENTO NOMINAL MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA DOS DOMICÍLIOS PARTICULARES Os dados referentes ao rendimento nominal mensal domiciliar per capita dos domicílios particulares agregam informações importantes sobre as condições de vida e o grau de vulnerabilidade em que vivem as pessoas. Dessa forma, estes dados são capazes de auxiliar na construção de um panorama mais completo sobre os territórios. A Tabela 19 traz informações apresentadas pelo Censo 2010 sobre o rendimento nominal mensal domiciliar per capita dos domicílios particulares de acordo com as seguintes faixas de renda: até 1/8 de salário mínimo; mais de 1/8 até ¼; mais de ¼ até 1/2; mais de ½ até 1; mais de 1 até 2; mais de 2 salários mínimos; além de informações de domicílios com renda per capita 0 (zero) ou domicílios sem informações de renda. Tendo em vista que os dados foram levantados no ano de 2010, quando o salário mínimo era de R$ 510,00, as faixas de renda mencionadas correspondem respectivamente aos valores de: até R$ 63,75; entre R$ 63,76 e R$ 127,50; entre R$ 127,51 e R$ 255,00; entre R$ 255,01 e R$ 510,00, entre R$ 510,01 e R$1.020,00; e mais de R$1.020,01. A análise do cruzamento feito com as duas primeiras faixas de renda possibilita construir uma estimativa aproximada sobre o número de domicílios nos quais habitam pessoas sob a linha de indigência ou de pobreza 5. Além disso, as quatro primeiras faixas de renda podem indicar, de forma aproximada, a quantidade de domicílios nos quais vivem pessoas elegíveis ou já cadastradas no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico), uma vez que estas faixas de renda são utilizadas como critérios básicos para o cadastramento de pessoas em determinados programas sociais. No que diz respeito à linha de indigência o referencial adotado é o mesmo utilizado pelo CadÚnico, que considera o rendimento familiar per capita de R$ 70,00 como um quesito fundamental para o acesso a diversos programas sociais. Para fazer uma correspondência com esse critério, a faixa de renda que vai até 1/8 de salário mínimo, ou seja, até R$ 63,75, também foi utilizada por apresentar um valor aproximado. Contudo, uma vez que esta faixa de renda mostra-se inferior ao rendimento domiciliar per capita (RDPC) usado para definir a linha de indigência, sabe-se que os domicílios em que habitam pessoas com RDPC entre R$ 63,75 e R$ 70,00 não estão contemplados nesta faixa. Isso significa que o percentual de indigência é superior ao apresentado na tabela, sobretudo se fosse possível levar em consideração o 4 Nas tabelas abaixo, os dados do censo relativos às pessoas sem rendimento encontram-se agregados aos dados referentes às pessoas que não declararam renda. 5 Embora existam outras possibilidades, é importante ressaltar que a definição adotada para caracterizar a linha de indigência e a linha de pobreza está baseada nas frações do salário mínimo. 21

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA Panorama dos Territórios UPP FORMIGA 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 5 3.1.

Leia mais

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1.

Leia mais

UPP S COMPLEXO DA PENHA

UPP S COMPLEXO DA PENHA UPP S COMPLEXO DA PENHA 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 8 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

UPP S DE MANGUINHOS 07/2015

UPP S DE MANGUINHOS 07/2015 UPP S DE MANGUINHOS 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 5 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 9 3.1. SERVIÇOS

Leia mais

QUADRO 1 - COMPOSIÇÃO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA COMPOSIÇÃO ORIGINAL (1) MUNICÍPIOS DESMEMBRADOS INCLUÍDOS POR LEGISLAÇÕES ESTADUAIS (2) Almirante Tamandaré Araucária Balsa Nova Bocaiúva do Sul

Leia mais

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Tabela: Dados de domicílio (continua) Código da unidade da federação (UF) Código do município Código do distrito Código do subdistrito

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

CD 2010 - QUESTIONÁRIO BÁSICO

CD 2010 - QUESTIONÁRIO BÁSICO 1 CD 2010 - QUESTIONÁRIO BÁSICO 1 2 IDENTIFICAÇÃO - CNEFE CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO 2.01 ESTE DOMICÍLIO É: 1- PRÓPRIO DE ALGUM MORADOR JÁ PAGO 4 - CEDIDO POR EMPREGADOR 2 - PRÓPRIO DE ALGUM MORADOR

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO - CNEFE PARA DOMICÍLIOS PARTICULARES PERMANENTES - CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO

IDENTIFICAÇÃO - CNEFE PARA DOMICÍLIOS PARTICULARES PERMANENTES - CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO CD 2010 - QUESTIONÁRIO BÁSICO (EXPERIMENTAL) 1 BÁSICO INDÍGENA IDENTIFICAÇÃO - CNEFE 06/04/2009 2 PARA DOMICÍLIOS PARTICULARES PERMANENTES - CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO 2.01 ESTE DOMICÍLIO É: 1- DE PROPRIEDADE

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Censo Demográfico 2010 Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Rio de Janeiro, 29 de junho de 2012 A presente publicação dá continuidade à divulgação dos resultados do Censo

Leia mais

Abastecimento de água - Investigou-se a existência de água canalizada nos domicílios particulares permanentes e a sua proveniência.

Abastecimento de água - Investigou-se a existência de água canalizada nos domicílios particulares permanentes e a sua proveniência. Conceitos Abastecimento de água - Investigou-se a existência de água canalizada nos domicílios particulares permanentes e a sua proveniência. Quanto a existência de água canalizada, os domicílios foram

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

UPP CIDADE DE DEUS 01/2017

UPP CIDADE DE DEUS 01/2017 UPP CIDADE DE DEUS 01/2017 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 3.1. SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO... 9 3.1.1. CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO... 9 3.1.2. SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO

Leia mais

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Hildete Pereira de Melo Economia/UFF Projeto SPM/CEPAL Caracterização do tema Gênero: visão diferenciada dos papéis de mulheres e homens na vida econômica e social.

Leia mais

UPP S DO LINS 07/2015

UPP S DO LINS 07/2015 UPP S DO LINS 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 5 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 11 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Brasil Novo DEMOGRAFIA População Total 15.690 População por Gênero Masculino 8.314 Participação % 52,99 Feminino 7.376

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Breves DEMOGRAFIA População Total 92.860 População por Gênero Masculino 47.788 Participação % 51,46 Feminino 45.072 Participação

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Palestina do Pará DEMOGRAFIA População Total 7.475 População por Gênero Masculino 3.879 Participação % 51,89 Feminino

Leia mais

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra

EDUCAÇÃO. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Salvaterra DEMOGRAFIA População Total 20.183 População por Gênero Masculino 10.292 Participação % 50,99 Feminino 9.891

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 311,58 Urbana 347,47 Rural 168,26 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Marabá DEMOGRAFIA População Total 233.669 População por Gênero Masculino 118.196 Participação % 50,58 Feminino 115.473

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Itaituba DEMOGRAFIA População Total 97.493 População por Gênero Masculino 49.681 Participação % 50,96 Feminino 47.812

Leia mais

InfoReggae - Edição 09 Os Núcleos: Cantagalo 6 de setembro de 2013. Coordenador Executivo José Júnior

InfoReggae - Edição 09 Os Núcleos: Cantagalo 6 de setembro de 2013. Coordenador Executivo José Júnior O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

ESTUDOS E TRATAMENTO DA VARIÁVEL RENDIMENTO NO CENSO DEMOGRÁFICO 2010

ESTUDOS E TRATAMENTO DA VARIÁVEL RENDIMENTO NO CENSO DEMOGRÁFICO 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Métodos e Qualidade Gerência Técnica do Censo Demográfico ESTUDOS E TRATAMENTO DA VARIÁVEL RENDIMENTO NO CENSO DEMOGRÁFICO 2010 Março de 2012 Introdução No processo

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

UPP SANTA MARTA 07/2015

UPP SANTA MARTA 07/2015 UPP SANTA MARTA 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 5 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1.

Leia mais

O Novo Perfil do Nordeste Brasileiro no Censo Demográfico 2010. (Versão preliminar: normalização e diagramação em execução)

O Novo Perfil do Nordeste Brasileiro no Censo Demográfico 2010. (Versão preliminar: normalização e diagramação em execução) O Novo Perfil do Nordeste Brasileiro no Censo Demográfico 2010 (Versão preliminar: normalização e diagramação em execução) Jurandyr Carvalho Ferrari Leite Kamille Leão de Souza O Novo Perfil do Nordeste

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

UPP FORMIGA 07/2015 0

UPP FORMIGA 07/2015 0 UPP FORMIGA 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 6 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Diagnóstico socioeconômico II

Diagnóstico socioeconômico II R e a l i z a ç ã o : Diagnóstico socioeconômico II R I B E I R A P l a n o d e R e a b i l i t a ç ã o d e Á r e a s U r b a n a s C e n t r a i s Ministério das Cidades PLANO DE REABILITAÇÃO DE ÁREAS

Leia mais

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil

Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil Entenda o cálculo do IDH Municipal (IDH-M) e saiba quais os indicadores usados O Índice de Desenvolvimento Humano foi criado originalmente para medir o nível de desenvolvimento humano dos países a partir

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

UPP JACAREZINHO 01/2017

UPP JACAREZINHO 01/2017 UPP JACAREZINHO 01/2017 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS DEMOGRÁFICOS E ÁREA OCUPADA... 4 3. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS E URBANOS CENSO 2010... 8 3.1. SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados gerais da amostra Rio de Janeiro, 27 de abril de 2012 População e distribuição relativa População e distribuição relativa (%) para o Brasil e as Grandes Regiões 2000/2010

Leia mais

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES)

V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) V. FAMÍLIAS USUÁRIAS DO PSF EM VITÓRIA (ES) As famílias entrevistadas foram selecionadas entre a população cadastrada do PSF em processo composto por três etapas que considerou os seguintes procedimentos:

Leia mais

4. População de estudo

4. População de estudo 4. População de estudo A população de estudo é representada por 23.457 indivíduos, residentes em 10.172 domicílios, conforme figura 4.1 abaixo. No Anexo C encontram-se as informações referentes à distribuição

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra Comunicação Social 02 de dezembro de 2003 Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Em 2000, 5,8 milhões de brasileiros de 25 anos ou mais de idade tinham o curso superior concluído e proporção

Leia mais

Sumário de dados básicos de Diadema - SP - DADOS DEMOGRÁFICOS

Sumário de dados básicos de Diadema - SP - DADOS DEMOGRÁFICOS 1 Sumário de dados básicos de Diadema - SP - DADOS DEMOGRÁFICOS Sumário de dados básicos de Diadema - SP - DADOS DEMOGRÁFICOS Índice Dados Demográficos 04 Características Gerais dos Domicílios 16 Serviços

Leia mais

Redução do Trabalho Infantil e Suas Repercussões no Ceará (2001-2011)

Redução do Trabalho Infantil e Suas Repercussões no Ceará (2001-2011) Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos Nas cidades brasileiras, 35 milhões de usam fossa séptica para escoar dejetos Presentes em 21,4% dos lares brasileiros, tais instalações são consideradas inadequadas no meio urbano, pois podem contaminar

Leia mais

UPP PROVIDÊNCIA 02/2017

UPP PROVIDÊNCIA 02/2017 UPP PROVIDÊNCIA 02/2017 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 6 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

UPP TURANO 07/2015 0

UPP TURANO 07/2015 0 UPP TURANO 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 8 3.1. SERVIÇOS URBANOS E

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

UPP TURANO 02/2017 0

UPP TURANO 02/2017 0 UPP TURANO 02/2017 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 8 3.1. SERVIÇOS URBANOS E

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE PERCEPÇÕES SOBRE SANEAMENTO BÁSICO MARÇO DE 2012 JOB2178 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Entender como a população brasileira percebe questões relacionadas

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS)

MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) MANUAL INSTRUTIVO CADASTRO DE NOVAS PROPOSTAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE (UBS) APRESENTAÇÃO Este Manual

Leia mais

UPP ROCINHA 02/2017 0

UPP ROCINHA 02/2017 0 UPP ROCINHA 02/2017 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 6 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

Relatório da Pessoa Idosa

Relatório da Pessoa Idosa Relatório da Pessoa Idosa 2012 O Relatório da Pessoa Idosa 2012, com base nos dados de 2011, se destina à divulgação dos dados de criminalidade contra a pessoa idosa (idade igual ou superior a 60 anos),

Leia mais

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA

O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA O CENSO 2010: BREVE APRESENTAÇÃO E RELEVÂNCIA PARA A GEOGRAFIA BRUNO DE OLIVEIRA SOUZA 1 e RÚBIA GOMES MORATO 2 brunooliveira_souza@hotmail.com, rubiagm@gmail.com 1 Aluno do curso de Geografia Unifal-MG

Leia mais

Integração de Mapas Temáticos e Dados Censitários

Integração de Mapas Temáticos e Dados Censitários Integração de Mapas Temáticos e Dados Censitários P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t o d e A g r o

Leia mais

UPP TABAJARAS / CABRITOS

UPP TABAJARAS / CABRITOS UPP TABAJARAS / CABRITOS 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS DEMOGRÁFICOS E ÁREA OCUPADA... 4 3. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS E URBANOS CENSO 2010... 7 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013.

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013. PNAD 2013: Uma análise para o Estado de A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013, realizada anualmente pelo Instituto eiro de Geografia e Estatística (IBGE), é dividida em duas partes,

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais