BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS"

Transcrição

1 Benja Satula BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS Mestrado em Direito Penal sob a orientação do Professor Doutor Germano Marques da Silva UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2010

2 PREFÁCIO É sempre razão para grande contentamento o convite de um antigo aluno para prefaciar um seu trabalho; aceitei com muito gosto, sentindo me, aliás, muito honrado. Acompanhei de perto o agora Mestre Benja Satula no seu curso de mestrado em Direito Penal na Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa e mais de perto ainda, na qualidade de seu orientador, a elaboração da sua dissertação de mestrado que ora publica. A obra é do seu autor. O Mestre Benja Satula tem orgulho dela e por isso a publica. Como orientador que fui dos trabalhos de investigação da sua dissertação acadé-mica de mestrado sinto me também feliz pelo resultado. Trata se do primeiro trabalho científico na área do Direito que o A. publica e sei que o faz consciente das limitações do escrito. A publicação é um testemunho público de trabalho e um compromisso do A. para futuros voos. O Mestre Benja Satula licenciou se na Universidade Católica de Angola e rumou a Portugal para aprofundar os seus estudos na área do Direito a que especialmente se dedica. Acompanhei o seu percurso na Universidade Católica

3 10 BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS Portuguesa e pude testemunhar o seu empenho em manter uma ponte constante com a sua Pátria e o direito angolano a que se quer dedicar com toda a sua inteligência e esforço. Por isso a escolha do tema para a sua dissertação de mestrado: matéria com interesse teórico, de grande actualidade, mas também eminentemente prático, como importa aos estudos de Direito. A dificuldade maior na investigação e redacção final foi minha, porque os meus conhecimentos do direito angolano, nos planos teórico e de aplicação prática, são muito limitados, o que naturalmente dificultou a orientação. Uma dissertação é, porém, um exercício, um trabalho em que o estudante mostra dominar as bases do Direito em geral e em especial do ramo a que a investigação respeita, aplica a metodologia jurídica e mostra a sua capacidade de investigação. Tudo isso foi apreciado por um júri, que reconhecendo as qualidades do Lic. Benja Satula lhe concedeu o grau de Mestre em Direito, na especialidade de Direito Penal. A obra que o Mestre Benja Satula ora publica é um trabalho de estudante, não é obra final. Constitui um ensaio sobre uma matéria que à data da sua elaboração era quase virgem na doutrina angolana. Parte do seu mérito foi o de desbravar caminhos, sempre difíceis em matérias muito sensíveis e actuais e por isso sob os olhos atentos da crítica. Este prefácio, destinado ao público leitor, tem subjacente um recado para o antigo aluno: que a publicação que ora faz da sua dissertação seja mais um estímulo para que continue na procura dos modelos de solução justa, especialmente nesta área do Direito Penal de tão grande actualidade e importância para o desenvolvimento do seu País.

4 PREFÁCIO 11 Espero e desejo que esta publicação seja um estímulo para os estudantes deste ramo do Direito, útil para todos, e a justa recompensa intelectual do Autor: o Mestre Benja Satula, a quem felicito uma vez mais pelo resultado e agora pela publicação, para que conste. Lisboa, 12 de Junho de Germano Marques da Silva (Professor Catedrático da Universidade Católica Portuguesa)

5 139 ÍNDICE Abreviaturas Prefácio Introdução 13 Capítulo I Terminologia e Génese 1. Terminologia Génese Factores Fases do branqueamento 29 A) Colocação (Placement) 31 B) Dissimulação (Layering) 31 C) Integração (Integration) Técnicas de branqueamento 33 a) Confusão de proventos 35 B) Fraccionamento 37 C) Empresas fictícias e empresas de fachada 37 D) Aquisição de bens 38 E) Contrabando de moedas 38 F) Compra de títulos 39

6 140 BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS G) Venda fraudulenta de imóveis 39 H) Operações em offshore 39 I) Jogos de fortuna e azar 40 J) Aquisição de antiguidades e objectos de arte 41 K) Empréstimos fictícios 41 L) Promoção de eventos Características essenciais do branqueamento de capitais 42 a) Internacionalização da actividade branqueadora 42 B) Volume do fenómeno 43 C) Profissionalização 44 D) Diversidade de técnicas 44 Capítulo II Evolução legislativa 7. Génese da prevenção 45 A) Paradigmas de auto-regulação Organizações e instrumentos internacionais A Organização da Nações Unidas A Convenção de Viena A Convenção de Palermo Programa Global contra o Branqueamento de Capitais O Grupo de Acção Financeira sobre o Branqueamento de Capitais 53 A) Acompanhamento do progresso 54 B) Comunicação das tendências e técnicas de branqueamento de capitais 55 C) A Lista PTNC O Comité de Basileia de Supervisão Bancária Declaração de princípios sobre o Branqueamento de Capitais Conselho da Europa A Convenção do Conselho da Europa, n.º 198, Varsóvia, 16/05/

7 ÍNDICE União Europeia A Directiva 2005/60/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho 3.5. Grupo de Egmont 5 9. Conclusão parcial A) Prevenção B) A repressão Capítulo III O regime de prevenção e repressão em Portugal 10. O regime preventivo O regime de repressão (artigo 368.º A) O bem jurídico protegido O Tipo objectivo O Tipo subjectivo Formas especiais do crime 5 A) A tentativa 5 B) Negligência 5 C) Comparticipação Concurso I) Pós-facto compunido vs concurso de normas 88 II) Pós-facto punível Concurso real efectivo Conclusão parcial 5 Capítulo IV O regime de prevenção e repressão em Angola 12. O regime de prevenção Lei n.º 5/97, de 27 Junho, Lei cambial Lei 5/05, de 29 de Junho, Lei do Sistema de Pagamentos de Angola Decreto n.º 56/03, de 26 de Agosto, Regulamento do Sistema de Certificação do Processo Kimberley 108

8 142 BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS 13. O regime de repressão Factores 114 A) Inovação do sistema financeiro 114 B) Forte presença de instituições estrangeiras 116 C) Desempenho do sistema bancário 116 D) Aumento do investimento privado 117 E) Dever jurídico de legislar Conclusão parcial Práticas e realidades indiciárias de branqueamento 121 A) As fronteiras nacionais 121 B) O Câmbio informal Kinguilas 121 C) Imigração ilegal 122 D) Sector imobiliário 122 E) Fenómeno religioso 123 F) Ostentação de riqueza Conclusões finais 130 Bibliografia 133

FASES E METODOLOGIAS DO BRANQUEAMENTO. Bruno Melo Alves

FASES E METODOLOGIAS DO BRANQUEAMENTO. Bruno Melo Alves FASES E METODOLOGIAS DO BRANQUEAMENTO Bruno Melo Alves Bruno.alves@mirandalawfirm.com 22 de Abril de 2009 REGIME PENAL BRANQUEAMENTO CONCEITO (art. 368.º-A Código Penal) converter, transferir, auxiliar

Leia mais

A Educação para os Media em Portugal

A Educação para os Media em Portugal A Educação para os Media em Portugal Experiências, Actores e Contextos Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Novembro de 2009 1. Enquadramento Teórico A Educação para os Media é hoje uma área-chave

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO PETRÓLEO E DO GÁS UM PARADIGMA NA FORMAÇÂO PÓS-GRADUADA

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO PETRÓLEO E DO GÁS UM PARADIGMA NA FORMAÇÂO PÓS-GRADUADA PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO DO PETRÓLEO E DO GÁS UM PARADIGMA NA FORMAÇÂO PÓS-GRADUADA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO (FDUAN) Um curso de excelência pioneiro em Angola que resulta de

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 72, de 18 de Abril. Decreto Presidencial n.º 65/11 de 18 de Abril

Publicado no Diário da República, I série, nº 72, de 18 de Abril. Decreto Presidencial n.º 65/11 de 18 de Abril Publicado no Diário da República, I série, nº 72, de 18 de Abril Decreto Presidencial n.º 65/11 de 18 de Abril O Executivo atribui a maior relevância, no seu programa, à modernização e solidez do sistema

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Gabinete do Ministro Intervenção de Sua Excelência Georges Rebelo Pinto Chikoti, Ministro das Relações Exteriores, na Reunião de Alto Nível do Comité

Leia mais

Sobre o sentido das deliberações adoptadas cabe informar:

Sobre o sentido das deliberações adoptadas cabe informar: Nota Informativa do da 7/2015 Reunião de 28 de Outubro de 2015 Aos vinte e oito dias do mês de Outubro do ano de 2015, pelas 14.30 horas, na sala 1037 do Edifício da, reuniu, com carácter ordinário, o

Leia mais

Direito da Economia. Programa

Direito da Economia. Programa Docente: Profa. Maria Eduarda Gonçalves e-mail: mebg2009@gmail.com mebg@iscte.pt Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Licenciatura em Direito 2010/2011 Direito da Economia Programa 15 de

Leia mais

8 Definir e compreender os princípios fundamentais do Direito processual penal;

8 Definir e compreender os princípios fundamentais do Direito processual penal; DIREITO E PROCESSO PENAL [5453310] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS 1 Definir e compreender o conceito de Direito Penal; 2 Definir e compreender o problema dos fins das penas; 3 - Definir e compreender

Leia mais

Transporte Ferroviário em Angola: Situação Actual e Perspectiva de Desenvolvimento

Transporte Ferroviário em Angola: Situação Actual e Perspectiva de Desenvolvimento Transporte Ferroviário em Angola: Situação Actual e Perspectiva de Desenvolvimento Estratégia da Formação de Quadros, Factor Fundamental para o Desenvolvimento Sustentado do Transporte Ferroviário, no

Leia mais

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa

Germano Marques da Silva. Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa Germano Marques da Silva Professor da Faculdade de Direito Universidade Católica Portuguesa DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO (RELATÓRIO) SOBRE AS RESPONSABILIDADES DAS SOCIEDADES E DOS SEUS ADMINISTRADORES CONEXAS

Leia mais

CONFERÊNCIA TRÁFICO DE SERES HUMANOS PREVENÇÃO, PROTECÇÃO E PUNIÇÃO O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * ENQUADRAMENTO LEGAL GERAL

CONFERÊNCIA TRÁFICO DE SERES HUMANOS PREVENÇÃO, PROTECÇÃO E PUNIÇÃO O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * ENQUADRAMENTO LEGAL GERAL CONFERÊNCIA TRÁFICO DE SERES HUMANOS PREVENÇÃO, PROTECÇÃO E PUNIÇÃO O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * ENQUADRAMENTO LEGAL GERAL * Declaração Universal dos Direitos do Homem Artigo 1º Todos os seres humanos

Leia mais

IDPCC Instituto de Direito Penal e de Ciências Criminais III CURSO PÓS-GRADUADO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL E DA PROVA

IDPCC Instituto de Direito Penal e de Ciências Criminais III CURSO PÓS-GRADUADO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL E DA PROVA III CURSO PÓS-GRADUADO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL E DA PROVA Coordenadores: Professora Doutora Maria Fernanda Palma Professor Doutor Augusto Silva Dias Professor Doutor Paulo

Leia mais

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola.

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola. MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n." 48/98 de 28 de Agosto Havendo necessidade de estabelecer o ordenamento dos recursos pesqueiros nacionais; No uso da faculdade que me é conferida pela

Leia mais

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA Sucursal do Luxemburgo

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA Sucursal do Luxemburgo CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, SA Sucursal do Luxemburgo Declaração sobre Prevenção do Branqueamento de Capitais e do Financiamento do Terrorismo 1. Informação Institucional Nome: Caixa Geral de Depósitos,

Leia mais

1. A CMVM O QUE É A CMVM?

1. A CMVM O QUE É A CMVM? 1.. A CMVM 1. A CMVM O QUE É A CMVM? A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - também conhecida pelas iniciais CMVM - foi criada em Abril de 1991 com a missão de supervisionar e regular os mercados

Leia mais

; Assunto:

;  Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 6 de Outubro de 2009 12:35 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 02/2012

INSTRUTIVO N.º 02/2012 INSTRUTIVO N.º 02/2012 Considerando que o Banco Nacional de Angola é a instituição competente para autorizar a constituição e proceder à supervisão das casas de câmbio, nos termos da Secção I do Capítulo

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Ano lectivo de ºano, Turma A DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA I. Exame escrito. 4 de Junho de 2009

Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Ano lectivo de ºano, Turma A DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA I. Exame escrito. 4 de Junho de 2009 Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Ano lectivo de 2008-2009 2ºano, Turma A DIREITO DA UNIÃO EUROPEIA I Exame escrito 4 de Junho de 2009 Regente: Prof. Doutor Fausto de Quadros Responda às duas

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Angola e Moçambique Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Sofia Vivas 20

Leia mais

AVISO N.º 02/2010 de 20 de Outubro

AVISO N.º 02/2010 de 20 de Outubro AVISO N.º 02/2010 de 20 de Outubro Considerando a necessidade de se centralizar os elementos informativos respeitantes ao risco da concessão e aplicação de crédito e de dispor de um sistema de funcionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS NO 3.º CICLO

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

O novo Mestrado em Engenharia Informática da FCT/UNL FCT/UNL. Departamento de Informática (2007/2008)

O novo Mestrado em Engenharia Informática da FCT/UNL FCT/UNL. Departamento de Informática (2007/2008) O novo Mestrado em Engenharia Informática da FCT/UNL (2007/2008) Departamento de Informática FCT/UNL Contexto Processo de Bolonha Novo enquadramento legal Novo paradigma de 3 ciclos de estudos Redefinição

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Mestrado: Forense Disciplina: Operações Bancárias Docente: Paulo Câmara Ano lectivo: 2009-2010 Semestre: 1º Semestre -2º Trimestre 1. Programa da disciplina: 1.º Introdução CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1. Delimitação

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da.

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Lei n.º /2004. (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da. REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º /2004 (Projecto de lei) Regime Probatório Especial Para a Prevenção e Investigação da Criminalidade A Assembleia Legislativa decreta, nos termos da alínea

Leia mais

ELSA UMINHO PARLAMENTELSIUM. Simulação do Parlamento Europeu ELSA UMINHO. Regras de Participação

ELSA UMINHO PARLAMENTELSIUM. Simulação do Parlamento Europeu ELSA UMINHO. Regras de Participação ELSA UMINHO PARLAMENTELSIUM Simulação do Parlamento Europeu ELSA UMINHO Regras de Participação A. Âmbito Esta actividade tem como finalidade primeira fomentar nos espíritos mais jovens a democracia e integração

Leia mais

DIPLOMAS RELATIVOS À ACTIVIDADE SEGURADORA

DIPLOMAS RELATIVOS À ACTIVIDADE SEGURADORA Legislação 73 DIPLOMAS RELATIVOS À ACTIVIDADE SEGURADORA JUNHO DE 2008 A OUTUBRO DE 2008 2008 Lei n.º 25/2008, de 5 de Junho D.R. n.º 108, I Série Estabelece medidas de natureza preventiva e repressiva

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL E O INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

CONTRATO DE PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL E O INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO CONTRATO DE PARCERIA ENTRE O LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL E O INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO ENQUADRAMENTO O Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e o Instituto Superior Técnico (IST)

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

Prevenção de Branqueamento de Capitais e Financiamento do Terrorismo. Aviso de Banco de Portugal nº 5/2013

Prevenção de Branqueamento de Capitais e Financiamento do Terrorismo. Aviso de Banco de Portugal nº 5/2013 Prevenção de Branqueamento de Capitais e Financiamento do Terrorismo Aviso de Banco de Portugal nº 5/2013 Agenda Enquadramento Aviso nº 5/2015 Solução Agenda Enquadramento Aviso nº 5/2015 Solução Branqueamento

Leia mais

ÍNDICE GERAL DO VOLUME I

ÍNDICE GERAL DO VOLUME I ÍNDICE GERAL DO VOLUME I INTRODUÇÃO 1." A pluralidade e a diversidade dos sistemas jurídicos contemporâneos 19 2." Primeira noção de Direito Comparado 20 3." Modalidades da comparação jurídica 21 4. Principais

Leia mais

REGULAMENTO DE APROVAÇÃO DO PLANO DE CURSO DA LICENCIATURA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DE LISBOA

REGULAMENTO DE APROVAÇÃO DO PLANO DE CURSO DA LICENCIATURA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DE LISBOA REGULAMENTO DE APROVAÇÃO DO PLANO DE CURSO DA LICENCIATURA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DE LISBOA A Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa aprovou

Leia mais

Curso de Qualificação para Marítimos com Funções Específicas de Protecção (Proficiency for Designated Security Duties PDSD)

Curso de Qualificação para Marítimos com Funções Específicas de Protecção (Proficiency for Designated Security Duties PDSD) Curso de Qualificação para Marítimos com Funções Específicas de Protecção (Proficiency for Designated Security Duties PDSD) 1. Enquadramento O presente curso enquadra-se no definido pela Directiva nº 94/58/CE,

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DO AMBIENTE Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO DO AMBIENTE Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO DO AMBIENTE Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO DO AMBIENTE (02341)

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA. 9ª edição revista CONTRIBUTOS PRÁTICOS PARA A ELABORAÇÃO CARLOS A. MOREIRA AZEVEDO ANA GONÇALVES DE AZEVEDO ...

METODOLOGIA CIENTÍFICA. 9ª edição revista CONTRIBUTOS PRÁTICOS PARA A ELABORAÇÃO CARLOS A. MOREIRA AZEVEDO ANA GONÇALVES DE AZEVEDO ... CARLOS A. MOREIRA AZEVEDO ANA GONÇALVES DE AZEVEDO METODOLOGIA... CIENTÍFICA CONTRIBUTOS PRÁTICOS PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÉMICOS 9ª edição revista UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2008 SUMÁRIO

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 181/6 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 1338/2001 DO CONSELHO de 28 de Junho de 2001 que define medidas necessárias à protecção do euro contra a falsificação

Leia mais

Em esta medida, constituem objetivos específicos da unidade curricular:

Em esta medida, constituem objetivos específicos da unidade curricular: DIREITO DAS SOCIEDADES E DOS VALORES MOBILIÁRIOS [9595114] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS A unidade curricular de Direito das Sociedades e dos Valores Mobiliários é complementar de outras unidades curriculares

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento desenvolve e complementa o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL

CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL CORPORATE GOVERNANCE O DESENVOLVIMENTO DO CORPORATE GOVERNANCE EM PORTUGAL Rui Leão Martinho 9 de Julho de 2013 INDÍCE Introdução Corporate Governance Princípios Corporate Governance em Portugal Estudo

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, SEGURANÇA SOCIAL E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO [SEC (2010) 887] [SEC (2010) 888]

COMISSÃO DE TRABALHO, SEGURANÇA SOCIAL E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RELATÓRIO [SEC (2010) 887] [SEC (2010) 888] RELATÓRIO COM (2010) 379 FINAL Proposta de Directiva do Parlamento Europeu e do Conselho Relativa às condições de entrada e de residência de nacionais de países terceiros para efeitos de trabalho sazonal

Leia mais

Governo das Sociedades e Mercado de Capitais

Governo das Sociedades e Mercado de Capitais Instituto de Formação Bancária IFB The Portuguese Bank Training Institute Associação Portuguesa de Bancos 28 Setembro 2006 Seminário Governo das Sociedades e Mercado de Capitais Reforma Legislativa DMIF

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Relatórios #1 - #4, 2008-2011 1979 Criação do sistema de Ensino Superior Politécnico em Portugal

Leia mais

Confiança, Privacidade, Proteção de Dados e Segurança na Era do Consumidor Digital

Confiança, Privacidade, Proteção de Dados e Segurança na Era do Consumidor Digital Confiança, Privacidade, Proteção de Dados e Segurança na Era do Consumidor Digital 1 CONFIANÇA, PRIVACIDADE, PROTEÇÃO DE DADOS E SEGURANÇA Ecossistema Digital Desafios Tendências Internacionais & Melhores

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS

MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS MAPA INTEGRADO DE REGISTO DE RESÍDUOS Ana Marçal Acção de Formação sobre Resíduos Industriais 23 de Novembro de 2010 GESTÃO DE INFORMAÇÃO SOBRE RESÍDUOS A elaboração de estatísticas sobre resíduos é reconhecida

Leia mais

:: Legislação. :: Fundos de Pensões

:: Legislação. :: Fundos de Pensões :: Legislação :: Fundos de Pensões Diretiva 2013/14/EU, de 3 de junho Altera a Diretiva 2003/41/CE relativa às atividades e à supervisão das instituições de realização de planos de pensões profissionais,

Leia mais

CALENDÁRIO DE ESPECIAL DE EXAMES 2016/2017 (De 17 a 29 de Julho de 2017) Mestrado em Direito Administrativo

CALENDÁRIO DE ESPECIAL DE EXAMES 2016/2017 (De 17 a 29 de Julho de 2017) Mestrado em Direito Administrativo Mestrado em Direito Administrativo Direito Administrativo Global Direito Administrativo I Direito do Ambiente Metodologias de Investigação Direito da Contratação Pública Direito Processual Administrativo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio *

Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * Decreto-Lei n.º 172/99 de 20 de Maio * O presente decreto-lei estabelece o regime jurídico dos warrants autónomos, regulando a sua emissão no mercado nacional, prevendo a admissão à negociação em mercado

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AMEAÇAS AMBIENTAIS Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular AMEAÇAS AMBIENTAIS Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular AMEAÇAS AMBIENTAIS Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Políticas de Segurança 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016 FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX 13 de Maio de 2016 MERCADO DE CAPITAIS E INVESTIMENTOS Agenda Breves notas conceptuais Estruturas

Leia mais

DEVERES DO ESTADO DE PROTECÇÃO DE DIREITOS FUNDAMENTAIS

DEVERES DO ESTADO DE PROTECÇÃO DE DIREITOS FUNDAMENTAIS JORGE PEREIRA DA SILVA DEVERES DO ESTADO DE PROTECÇÃO DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Fundamentação e Estrutura das Relações Jusfundamentais Triangulares UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA Lisboa 2015 Nota Prévia

Leia mais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais

1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea. 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais Índice 1. Prova Teórica de Avaliação de História Contemporânea 2. Prova Teórica de Avaliação de História das Artes Visuais 3. Prova Teórica de Avaliação de Língua Portuguesa 4. Prova Teórica de Avaliação

Leia mais

- REGIME LEGAL DE COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS -

- REGIME LEGAL DE COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS - Ficha de Verificação N.º CMI - REGIME LEGAL DE COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS - 1) IDENTIFICAÇÃO PESSOA SINGULAR CLIENTE: RESIDENTE NÃO RESIDENTE Nome Completo Data de Nascimento Local Nacionalidade

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, É presente, hoje, a esta Assembleia, o diploma que adapta à Região Autónoma da Madeira,

Leia mais

AS TAXAS E AS CONTRIBUIÇÕES NA LEI OE/2016 (Lei nº 7-A/2016, de 30 de Março) S U ZA N A TAVA R ES DA S I LVA ESCRITOS BREVES.1 www.cedipre.fd.uc.pt/observatorio ESCRITOS BREVES 1 AS TAXAS E AS CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

Banca, Centros Financeiros Internacionais e Fiscalidade

Banca, Centros Financeiros Internacionais e Fiscalidade Instituto de Formação Bancária IFB The Portuguese Bank Training Institute Associação Portuguesa de Bancos 06 Julho 2006 Seminário Banca, Centros Financeiros Internacionais e Fiscalidade Pertinência A crescente

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

A todas as pessoas anónimas que contribuem para melhorar o dia-a-dia da nossa sociedade

A todas as pessoas anónimas que contribuem para melhorar o dia-a-dia da nossa sociedade VIVER SEM DOR Dossier de Imprensa da Fundação Grünenthal A todas as pessoas anónimas que contribuem para melhorar o dia-a-dia da nossa sociedade OBRIGADO A Fundação Grünenthal dedica-se há mais de dez

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL PENAL Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL PENAL Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL PENAL Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL PENAL

Leia mais

EVOLUÇÃO DO QUADRO LEGAL PORTUGUÊS PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DA CORRUPÇÃO

EVOLUÇÃO DO QUADRO LEGAL PORTUGUÊS PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DA CORRUPÇÃO D i a I n t e r n a c i o n a l C o n t r a a C o r r u p ç ã o 9 D E Z E M B R O 2 0 1 4 EVOLUÇÃO DO QUADRO LEGAL PORTUGUÊS PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DA CORRUPÇÃO ANTÓNIO JOÃO MAIA I NVESTIGADOR DO

Leia mais

Ensino Superior: Exigências e Competências de. Novembro de Magda Pinheiro

Ensino Superior: Exigências e Competências de. Novembro de Magda Pinheiro Ensino Superior: Exigências e Competências de Aprendizagem Novembro de 2010 Magda Pinheiro Competências de Escrita Académica Objectivos da sessão: Perceber a importância da escrita no contexto académico;

Leia mais

Doutoramentos ENSINO PÚBLICO. 1. Universidade Nova de Lisboa

Doutoramentos ENSINO PÚBLICO. 1. Universidade Nova de Lisboa Doutoramentos ENSINO PÚBLICO 1. Universidade Nova de Lisboa *Doutoramento em Ciência Política Metodologias em Ciência Política 10.0 Problemáticas em Ciência Política 10.0 Tese em Ciência Política 180.0

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

Direito Internacional da Segurança Social

Direito Internacional da Segurança Social Direito Internacional da Segurança Social 16 de Abril de 2008 Pierre Guibentif ISCTE / Mestrado em Ciências do Trabalho e Relações Laborais ISCTE 16-4-2008 Introdução histórica Parte 1: até a II Guerra

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Mestrado: Empresarial Disciplina: Direito Bancário Docente: Paulo Câmara Ano letivo: 2016/2017 Semestre: 1.º semestre 1. Programa da disciplina: 1.º Introdução CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1. Delimitação 2. Operações,

Leia mais

BANCO COMERCIAL E DE INVESTIMENTOS, SA

BANCO COMERCIAL E DE INVESTIMENTOS, SA BANCO COMERCIAL E DE INVESTIMENTOS, SA Declaração sobre Prevenção do Branqueamento de Capitais e do Financiamento do Terrorismo 1. Informação Institucional Nome: Banco Comercial e de Investimentos, S.A.

Leia mais

Sumário. Parte I. Introdução ao estudo das organizações internacionais

Sumário. Parte I. Introdução ao estudo das organizações internacionais Sumário Introdução LIVRO I. As organizações internacionais com vocação regional Parte I. Introdução ao estudo das organizações internacionais Capítulo 1. A superação do interestatismo e o surgimento das

Leia mais

Desafios e oportunidades para os profissionais da informação. Alexandra Lourenço

Desafios e oportunidades para os profissionais da informação. Alexandra Lourenço Desafios e oportunidades para os profissionais da informação Alexandra Lourenço Repto da Organização das Jornadas Os profissionais de arquivo nas organizações do século XXI Que papel: proativos ou reativos?

Leia mais

O Direito e o Pensamento Jurídico. Programa (versão provisória) Rui Pinto Duarte

O Direito e o Pensamento Jurídico. Programa (versão provisória) Rui Pinto Duarte O Direito e o Pensamento Jurídico Programa (versão provisória) Rui Pinto Duarte 2011/2012 1. Ideia Geral de Direito 1.1. Sentidos da palavra direito 1.2. Perspectivas sobre o direito; adopção de uma perspectiva

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular IMIGRAÇÃO E SEGURANÇA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Políticas de Segurança 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

RES CFC 1.445/13 DECLARAÇÃO NEGATIVA OU DECLARAÇÃO DE INEXISTENCIA DE OPERAÇÕES AO COAF

RES CFC 1.445/13 DECLARAÇÃO NEGATIVA OU DECLARAÇÃO DE INEXISTENCIA DE OPERAÇÕES AO COAF RES CFC 1.445/13 DECLARAÇÃO NEGATIVA OU DECLARAÇÃO DE INEXISTENCIA DE OPERAÇÕES AO COAF LAVAGEM DE DINHEIRO Convenção contra o tráfico ilícito de entorpecentes e substância psicotrópicas (Convenção de

Leia mais

A POSIÇAO DE ANGOLA. NA ARQUITECTURA DE PAZ E SEGURANÇA AFRICANA

A POSIÇAO DE ANGOLA. NA ARQUITECTURA DE PAZ E SEGURANÇA AFRICANA LUÍS BERNARDINO - A POSIÇAO DE ANGOLA. NA ARQUITECTURA DE PAZ E SEGURANÇA AFRICANA ANÁLISE DA FUNÇÃO ESTRATÉGICA DAS FORÇAS ARMADAS ANGOLANAS \M ALMEDINA ÍNDICE NOTABIOGRÁFICA 5 PREFÁCIO 7 NOTA PRÉVIA

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE REGULAMENTO DA CARREIRA DOCENTE Capítulo I Dos Princípios Gerais Artigo (Âmbito e Constituição do Corpo Docente). O presente Regulamento aplica-se a todos os docentes

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTENCIOSO DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONTENCIOSO DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular CONTENCIOSO DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular CONTENCIOSO DO PODER

Leia mais

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano Departamento de Comunicação e Educação Financeira 06/04/2017 O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Apresentação da Agenda

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Mestrado: Empresarial Disciplina: Direito Bancário Docente: Paulo Câmara Ano lectivo: 2012/2013 Semestre: 1.º semestre 1. Programa da disciplina: 1.º Introdução CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1. Delimitação 2.

Leia mais

Regulamentação da DSETRA, suas operações e outros temas. Portaria n.º 55/2010 de 21 de Janeiro; Lei n.º 105/2009 de 14 de Setembro.

Regulamentação da DSETRA, suas operações e outros temas. Portaria n.º 55/2010 de 21 de Janeiro; Lei n.º 105/2009 de 14 de Setembro. Legislação Regulamentação da DSETRA, suas operações e outros temas 1 Orgânica Lei Orgânica da Secretaria Regional dos Recursos Humanos Decreto Regulamentar Regional n.º 1/2009/M D.R. n.º 5 de 8 de Janeiro;

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão para a Cultura, a Juventude, a Educação, os Meios de Comunicação Social e os Desportos 30 de Maio de 2001 PROVISÓRIO 2001/2086(COS) PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o terceiro

Leia mais

Fabyola Emilin Rodrigues - criminal Newton Coca Bastos Marzagão - cível

Fabyola Emilin Rodrigues - criminal Newton Coca Bastos Marzagão - cível Fabyola Emilin Rodrigues - criminal Newton Coca Bastos Marzagão - cível RESPONSABILIDADE INDIVIDUAL DOS ADMINISTRADORES CENÁRIO ATUAL RESPONSABILIDADE CRIMINAL - PERSPECTIVA GLOBALIZADA Convenção de Viena

Leia mais

DIREITO DAS CONTRA- ORDENAÇÕES

DIREITO DAS CONTRA- ORDENAÇÕES DIREITO DAS CONTRA- ORDENAÇÕES ELEMENTOS DA DISCIPLINA Docência: Prof. Doutor José Lobo Moutinho Ano Lectivo: 2013/2014 1.º Semestre Optativa Carga horária: Prof. Doutor José Lobo Moutinho: 2h30 (2 aulas)

Leia mais

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos

Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Excelência Sr. Presidente da Associação Angolana de Bancos, Distintos Membros dos Conselhos de Administração dos Bancos Comerciais, Caros Convidados, Minhas senhoras e meus senhores. O evento que hoje

Leia mais

I Noções e Problemas Elementares

I Noções e Problemas Elementares Introdução ao Estudo do Direito I 1.º Ano Noite, 2015/ 2016 Professor Doutor Marcelo Rebelo de Sousa PROGRAMA 1 I Noções e Problemas Elementares 1. Primeiros olhares; ideias geralmente associadas ao «direito»

Leia mais

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas Constança Urbano de Sousa Notas preliminares Imigração e Asilo Conceito comunitário de estrangeiro Cidadão comunitário Estrangeiro: nacional de Estado

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros

Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros Perdas fiscais decorrentes da fraude carrossel Em Portugal 2% da receita definitiva de IVA (dados de 2007) correspondem ± 264 milhões de Euros MSP - Janeiro 2008 26 Medidas de combate à fraude A dimensão

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Regulamento de Concursos de Professores Catedráticos, Associados e Auxiliares da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

Regulamento de Concursos de Professores Catedráticos, Associados e Auxiliares da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa Regulamento de Concursos de Professores Catedráticos, Associados e Auxiliares da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa Versão 1.0 Julho de 2010 História do documento A versão

Leia mais

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos SEMINÁRIO CPC A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos O Conselho de Prevenção da Corrupção veio preencher uma lacuna em Portugal.

Leia mais

Direito à Privacidade

Direito à Privacidade Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Ninguém sofrerá intromissões arbitrárias na sua vida privada, na sua família, no seu domicílio ou na sua correspondência, nem ataques à sua honra e reputação.

Leia mais

Regime de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Vantagens Ilícitas e ao Financiamento do Terrorismo. Sector do Imobiliário - AICCOPN 2011

Regime de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Vantagens Ilícitas e ao Financiamento do Terrorismo. Sector do Imobiliário - AICCOPN 2011 Regime de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Vantagens Ilícitas Sector do Imobiliário - AICCOPN 2011 Branqueamento de Capitais Breve Noção Regime de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Vantagens

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO 7º período: 2h/s Aula: Teórica EMENTA Aspectos preliminares. Relações entre o sistema interno e o externo de Direito. A sociedade internacional. O Estado. Organizações

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO An 2-A Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 N.º /2009 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

Leia mais

(Comunicações) COMISSÃO EUROPEIA. ACORDO MONETÁRIO entre a União Europeia e o Principado de Andorra (2011/C 369/01)

(Comunicações) COMISSÃO EUROPEIA. ACORDO MONETÁRIO entre a União Europeia e o Principado de Andorra (2011/C 369/01) 17.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 369/1 II (Comunicações) COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA COMISSÃO EUROPEIA ACORDO MONETÁRIO entre a União Europeia e o

Leia mais