A TEORIA DIALÉTICA DA HISTÓRIA NO JOVEM ENTRE MARCUSE E GIANNOTTI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TEORIA DIALÉTICA DA HISTÓRIA NO JOVEM ENTRE MARCUSE E GIANNOTTI"

Transcrição

1 A TEORIA DIALÉTICA DA HISTÓRIA NO JOVEM MARX ENTRE MARCUSE E GIANNOTTI André de Góes Cressoni Mestrado Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Bolsista CNPq De início, devemos, aqui, assumir a tese de que Marx estabelece o trabalho como princípio primordial ial de sua teoria: no trabalho todas as especificidades do ser humano se completam se fazem de fato existir. A alienação, porém, se mostra como uma mediação histórica que inverte o sentido imediato da universalidade da espécie humana, mas que está pressuposta na própria efetivação desta imediaticidade. Tal como Hegel põe a questão, assim em Marx, a alienação seria o momento necessário da universalidade humana se pôr no mundo, o que, no materialismo histórico, é o desenvolvimento das forças genéricas da espécie. Ao que tudo indica, a alienação somente rompeu o reconhecimento do homem em relação a si mesmo enquanto espécie e em relação ao objeto produzido por ele, a sociabilidade ainda estando ali presente. Assim, tal como Hegel colocaria, o homem somente está estranhado daquilo que ele de fato é. Em outras palavras, a alienação estranhou o homem apenas de sua essência. Deste modo, o homem alienado é, integralmente, social, e reproduz este caráter concretamente. Entretanto, justamente por estar alienado, ele não reconhece este caráter de seu ser, o concreto e o social. Em termos hegelianos, é o homem que não tem a certeza de sua verdade. Entretanto, a essência humana, por ser a verdade imanente, está sempre a emergir de seu esquecimento. A sociabilidade teria caminhado por diversos trajetos da alienação para a atingir a si mesmo tal como é. Na superação da alienação, a imediaticidade da identidade entre o homem e a espécie estaria realizadaada pela mediação da particularização, e esta já não teria a significação de estranhamento to do homem, mas demarcaria a efetivação das potências humanas colocadas à disposição da espécie. As determinações genéricas, universais, têm a sua realização na particularidade das coisas, e somente assim pode o homem ter consciência de si enquanto espécie concretamente realizada: Graças à reflexão consciente, cada indivíduo visa o universal pelo particular, de maneira a somente e atingir a autoconsciência perdendo-se na particularidade das PPG-Fil - UFSCar

2 coisas. Daí o sentido dinâmico do carecimento humano (...) (GIANNOTTI, 1985, p. 176). O fim último e essencial do trabalho é a realização da espécie, e, que perpassa os incômodos da particularização, pois deve realizar-se concretamente nos objetos, e neles estar presente o sentido exterior ao indivíduo e interior ao gênero. No processo de realização do universal, ocorre a particularização para, em cada partícula, realizar-se o todo universal. A relação estabelecida entre homem e natureza pressupõe uma troca energética: no trabalho, o homem exterioriza as suas forças genéricas e as transferem para o interior da natureza humanizada, que, por sua vez, é absorvida pelo homem enquanto espécie. Neste processo, a resistência da natureza à liberdade e projeto humanos impõe ao homem que se especialize, obrigando-o a reduzir a sua universalidade indeterminada a uma particularidade seminatural (GIANNOTTI, 1985, p. 177). Entretanto, a sociabilidade está imanente à essência humana, e dela emerge constantemente como um aquietamento: Instaura-se assim um processo de autoprodução que é ao mesmo tempo autoliberação: a história, cujas raízes se aprofundam na estrutura básica de nosso ser e cujo escopo se orienta para a abolição de todo e qualquer obstáculo à plenitude da vida social e da intensa liberdade (GIANNOTTI, 1985, p. 177). O que fica exposto na análise do trabalho é o caráter da dialética hegeliana presente no movimento de constituição histórica da espécie. De fato, o trabalho se torna, em Marx, o ato ontológico por excelência (GIANNOTTI, 1985, 179), a partir do qual toda formação histórico-social pode ser compreendido através de sua ótica. No movimento do trabalho se encarna o processo histórico de mediação do universal simples e imediato, que se particulariza e efetiva suas potências, primeira negação, e desta alienação/particularização atinge a negação da negação que estabelece a universalidade concreta porque mediatizada. O universal se realiza em cada particularidade efetiva. Como aponta Giannotti, este é o movimento do conceito presente na formulação hegeliana: É de fato possível ver o movimento do trabalho no ritmo ternário do conceito. O projeto é o universal primeiro e abstrato, a execução, o momento do particular, o PPG-Fil - UFSCar

3 produto, a totalidade resultante da união dos tempos anteriores (GIANNOTTI, 1985, p. 179). O que o idealismo hegeliano estabelecia como o movimento da consciência com o da lógica e da história (GIANNOTI, 1985, p. 179), Marx, do seu lado, opondode forma concreta se ao idealismo, estabelece como o movimento do trabalho, a compor a reflexão que se estabelece na história. É baseando-se nestas determinações que Giannotti é levado a afirmar que Marx introduz, na objetividade da história, uma lógica subjetiva, aquela da Fenomenologia do Espírito de Hegel. Destaca, também, que esta adoção da dialética hegeliana confere à filosofia da história do jovem Marx uma pobreza em relação ao seu papel constitutivo. Isso se dá, sobretudo, como aponta Giannoti, de que a história, nestes termos, teria para o jovem Marx a capacidade de formar apenas três ordens de realidade: a comunidade natural, a sociedade civil, e o comunismo futuro (GIANNOTTI, 1985, p. 180). Toda história de formação do homem antes de atingir o comunismo e depois de sair da comunidade natural sendo demarcada meramente como regime de propriedade privada, momento da alienação. Por outro lado, entretanto, seguindo a ótica de Marcuse, o movimento histórico, da negação da negação em Marx acarretará na transformação do elemento crítico hegeliano em uma teoria da prática revolucionária. Vejamos melhor. Na filosofia da história de Hegel há um movimento dialético de negação que percorre todos os momentos do desenvolvimento do espírito. A alienação se mostra, nesse sentido, como a negação que o espírito opera e que recai sobre si, perdendo-se no seu ser-outro para produzir a sua substância, que confirmará, por conseguinte, a verdade de si mesmo. Desta maneira, é na negatividade da alienação que o espírito pode ser para si o que de fato é em si. Surge, então, o sentido positivo da negação, a saber, a negação da negação, que não somente perpassa todos os momentos da história, mas é o próprio princípio de negatividade como movimento e produção de si mesmo do espírito. Esta negatividade se realiza, por sua vez, no trabalho, de modo que o espírito se faz objetivo, externo e estranho a si para assim efetivar no seu oposto a si mesmo integralmente. Esta inovação profunda de Hegel, e que Marx já identifica e reconhece sua grandeza, acarreta no fato de que a história da essência humana é constituída por meio de uma histórica prática, onde o homem realiza a si mesmo através da negatividade, isto é, trata-se de uma essência profundamente transformadora, que supera cada momento dado que se lhe apresenta: PPG-Fil - UFSCar

4 Com isso, Marx aliás de forma extremamente aguda descobre o sentido original da história da essência do homem exposta na Fenomenologia como história da consciência ia de si, história essencial aquela que é uma prática, e uma auto-realização livre, que toma a facticidade imediata a cada momento pressuposta e a supera e transforma (MARCUSE, 1972, p. 54). O que está expressoso em toda Fenomenologia do Espírito é uma estrutura de ser que acarreta ao homem uma essência prática e contestadora, ou seja, uma essência essente, desenvolvendo-se numa atividade vital transformadora de sua situação histórica dada. O novo está sempre a surgir pelas próprias mãos humanas, contestando o que está envelhecendo. Trata-se, sobretudo, do movimento de realização do conceito. O princípio crítico na dialética hegeliana está justamente no processo de figuração, onde uma figura dada é superada para dar lugar a outra figura. Como aponta Rosenfield, o termo crítica na época de Hegel consistia muito mais na significação kantiana de ser um organon epistemológico. Entretanto, buscando o termo no sentido que estamos aqui tratando, pode se dizer que é o direito do homem de dizer não: Em lugar de buscar a ocorrência deste termo nos textos hegelianos, pareceu mais frutífero extrair desta noção uma atitude teórica e prática de não subordinação ao real, e cujo fim é precisamente possibilitar que o ser possa entregar-se ao movimento de sua própria interioridade essencial. A verdade do conceito é, então, a realidade que ele se dá conscientemente. Pode-se, assim, resumir este movimento numa fórmula cujo sentido procura tornar o conceito consciente de sua própria história: é o direito de dizer não (ROSENFIELD, 1983, p. 24). Este direito de dizer não, entretanto, se torna antes um dever, er, pois a prática crítica do homem, na concepção de Hegel, é o próprio movimento o da liberdade. A filosofia da história hegeliana caminha para a realização do conceito, este que, por sua vez, é a idealidade da liberdade realizada. O espírito só é capaz de se auto-produzir na medida em que carrega na sua interioridade o fundamento da liberdade, de modo que todo o movimento da história é um movimento de libertação. Nesse sentido, ser livre é a capacidade de contestação do real, daquilo que é imediatamente dado: O assentimento arbitrário à imediação das coisas é, na verdade, uma recusa de viver a presença da liberdade (RONSENFIELD, 1983, p. 24). O homem é contestador por ser livre, e é livre não somente por contestar o que está dado, mas, sobretudo, desta contestação tornar-se sua prática, de modo que a crítica é essencialmente PPG-Fil - UFSCar

5 transformadora da realidade. É onde o direito de dizer não se torna em seu dever: A vontade tem, então, o direito de dizer não ao que acontece historicamente, ela tem o direito (e o dever) de transformar o existente, ela tem o direito de não aceitar o que lhe é imposto (ROSENFIELD, 1983, p. 25). A posição de Rosenfield é extremamente apropriada para a abordagem que Marcuse está tomando em relação à dialética hegeliana e com a qual Marx está lidando. De fato, Rosenfield cita Marcuse, quando este afirma que para Hegel el o pensamento é extremamente perigoso, na acepção de uma atividade que busca subverter as formas tradicionais da cultura. De e fato, a essência humana, segundo o movimento dialético da negatividade, é, como o afirmamos, profundamente crítica. Entretanto, é preciso que esta lógica especulativa seja uma forma prática real. É com o que Marx está preocupado quando se põe a criticar o modo que Hegel concebe a história. Marx busca colocar o homem e sua história na concreticidade do mundo, reprimindo a teoria hegeliana por compreende-las na sua forma lógico-especulativa. Entretanto, reconhece que Hegel descobriu a expressão especulativa do movimento da história (MARX, 1844, p. 245). Como aponta Marcuse, esta frase carrega ao mesmo tempo o reconhecimento da inovação hegeliana e a crítica que se reprime no mesmo. De um lado, está o fato de que Hegel resumiu-se a colocar a forma lógica e abstrata do homem tal como é; de outro lado, entretanto, Marx vislumbra no movimento da história concebida por Hegel a história concreta: o princípio transformador. Assim, ele procura estabelecer uma teoria que dê conta de superar o formalismo hegeliano ao mesmo tempo em que preserve o princípio de negatividade da dialética. Nesse sentido, Marx estabeleceu o movimento o da história baseada na produção concreta do trabalho, de forma que a alienação seja superada segundo a praxis humana de contestar o dado imediato. Em outras palavras, Marx concilia o princípio crítico do movimento histórico de Hegel para estabelecer a prática revolucionária que irá subverter o regime da propriedade privada: (...) sob essa ocultação lógico-especulativa é necessário que elas sejam atuantes em sua conexão prática: isto é, como formas necessária e realmente superadoras, transformadoras. É preciso que na Fenomenologia já esteja oculta a crítica, a crítica no sentido preciso, revolucionário, que Marx deu a esse conceito (MARCUSE, 1983, p. 55) PPG-Fil - UFSCar

6 Na citação, Marcuse aborda ao mesmo tempo a tentativa marxiana de colocar o movimento da história no mundo concreto e o princípio transformador da negatividade dialética de Hegel. Assim, a herança da dialética hegeliana de Marx está posta no sentido de tratar o homem como essencialmente libertador de si mesmo, na medida em que produz a sua vida, ou seja, de acordo com a dialética do trabalho. O elemento da contestação é o fundamento para a reviravolta revolucionária do comunismo como princípio enérgico sobre o capitalismo. É baseando-se na negatividade histórica que Marx vislumbra a superação da propriedade privada. De fato, Marx não postulou uma proposta concreta daquilo que seria o comunismo, mas postulou a sua concepção baseando-se na contestação daquilo que é o regime do capital. Com a negatividade histórica posta na essência humana, Marx pôde postular filosoficamente a sua teoria revolucionária: Com isso Marx caracterizou com toda precisão a conexão interna da teoria revolucionária com a filosofia de Hegel (MARCUSE, 1983, p. 55). Não cabe aqui colocarmos ou avaliarmos a veracidade da teoria de ambos. Cabe, entretanto, expressarsar que, por um lado, ambos estão apontando o para a presença inegável da dialética hegeliana nos escritos de juventude de Marx, e, por outro lado, que, se Giannotti reprime e a teoria marxiana por deixar uma teoria da história fraca e precária, Marcuse, ao contrario, demarca a efetivação de uma teoria que conseguiu, ao conciliar-se com a herança hegeliana, postular um princípio filosófico para afirmação da revolução. Do mesmo modo, e principalmente, ambos estão lidando com a dialética do trabalho e com o termo fundador da dialética histórica hegeliana: a Aufhebung. Ao mesmo tempo em que Giannotti aponta claramente para o carecimento do carecimento como termo fundamental para a compreensão do trabalho, Marcuse, por seu turno, apesar de não cita-la segundo estes termos, está trabalhando com seus pressupostos quando trata do homem como ser livre e universal. De fato, não se pode fugir ao fato de que o homem é um ser de carecimento, de que o mundo concreto, o, natural, enfim, objetivo é o fundamento de seu ser; de que também a sociedade está pressuposta direta ou indiretamente nos carecimentos humanos. Entretanto, o trabalho surge para entificar esta qualidade humana, uma vez que nenhum ser pode existir senão objetivamente. O trabalho é a parte principal do carecimento humano, já que Marx se apóia nele principalmente, resultando naquilo que Giannotti determinou como dialética do carecimento. Portanto, o ser universal está constituído conjuntamente ao ser livre, uma vez que está ali presente o termo de superação do dado imediato das condições naturais PPG-Fil - UFSCar

7 presentes. Isto é, trata-se do fundamento enérgico do trabalho, pois, novamente, o homem não simplesmente carece passivamente, mas supera, de modo prático, as condições naturais para se propor, para transformar a natureza segundo seus fins. Portanto, é ser livre, uma vez que esta superação não é senão o fato do homem tomar a si mesmo, enquanto gênero, o objeto, conteúdo e fim de si mesmo. Surge, então, a Aufhebung hegeliana na medida em que Marx está sempre operando com a negatividade enquanto princípio de superação e conservação do superado. Fica claro como que o princípio presente é de fato a Aufhebung, pois a superação, tal como em Hegel, tanto quanto em Marx, pressupõe não a eliminação do termo superado, mas antes a suprassunção, ou a suspenção. Trata-se de não eliminar, mas de superar o dado de modo a mantê-lo como o parte integrante do ser que se constituiu processualmente. Assim, em Hegel a boa-consciência mantém, na sua própria delimitação, tanto o em-si imediato e imanente, quanto o ser-outro contingente e exterior, formando o imediato mediatizado, o para-si. Assim, também, em Marx o comunismo mantém da sociabilidade originária a identidade imediata do homem individual de seu gênero humano, e da alienação, a particularização do trabalho que concretiza o desenvolvimento das forças genéricas, formando o comunismomo que realiza mediatizando o imediato essencial, o homem verdadeiro. Ambos Giannotti i e Marcuse apontam, portanto, para um contraponto entre Hegel e Marx baseando-se e na dialética do primeiro herdado pelo segundo. Ao que tudo indica, a dialética do trabalho e a Aufhebung de Hegel herdada por Marx remete a um fato com o qual ambos estão preocupados: a formação histórica do homem. Nesse sentido, Marx e Hegel buscaram fundamentar uma teoria que comporte ao mesmo tempo a formação da essência humana, a substância histórica, e o homem como sujeito desta formação, isto é, como autor de sua própria história. Suas teorias buscavam, enfim, tratar de superações históricas. Esta, como bem apontou Marcuse, é o ponto central não só da Fenomenologia do Espírito e dos Manuscritos Econômico- Filosóficos, mas de toda teoria hegeliana e marxiana. Assim, trataram de fundamentar uma natureza humana que seja essencialmente processual, mas de modo que seu desenvolvimento busque incessantemente uma formação cada vez mais humana, isto é, o ser humano na qualidade de de ser universal e livre. Que seja segundo um idealismo que configura o homem como saber absoluto de si mesmo; que seja segundo um materialismo que trate o homem enquanto concreto, essencialmente relativo às questões materiais de sua condição. o. Ainda assim, ambos autores buscam, cada um segundo suas PPG-Fil - UFSCar

8 convicções filosóficas, conceber uma essência humana que é completamente capaz de tomar as rédeas da história ia e superar todas as condições imediatas de modo a realizar-se segundo sua própria essência: ser universal e livre, que toma a si mesmo como objeto, conteúdo e fim de si mesmo. BIBLIOGRAFIA COSTA, Mônica H. M. da. A exteriorização da vida nos Manuscritos s de Ensaios Ad Hominem. N 1, Tomo IV Dossiê Marx. Santo André: Estudos e Edições Ad Hominem, GIANNOTTI, José Arthur. Origens da dialética do trabalho: estudo sobre a lógica do jovem Marx. Porto Alegre: e: L&PM Editores, HEGEL, G.W.F. Fenomenologia do Espírito. Tradução Paulo Meneses. Petrópolis: Editora Vozes, HYPPOLLITE, Jean. Gênese e Estrutura da Fenomenologia do espírito de Hegel. Tradução Andrei José Vacsi, Denílson Soares Cordeiro, Gilberto Tedéia, Luis Sérgio Repa, Rodnei Antônio do Nascimento, com coordenação de Sílvio Rosa Filho. São Paulo: Discurso Editorial, MARCUSE, Herbert. Idéias sobre uma teoria crítica da sociedade. Tradução Fausto Guimarães. Rio de Janeiro: Zahar Editores, MARKUS, Gyogy. Teoria do conhecimento do Jovem Marx. Tradução Carlos Nelson Coutinho e Reginaldo Di Piero. Rio de Janeiro: Paz e Terra, MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Tradução Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo Editora, MENESES, Paulo. Para ler a Fenomenologia do Espírito. São Paulo: Edições Loyola, ROSENFIELD, Denis L. Política e Liberdade em Hegel. São Paulo: Editora Brasililense, SANTOS, Laymert G. dos. Alienação e Capitalismo. São Paulo: Editora Brasiliense, PPG-Fil - UFSCar

Marx e Lukács: a relação sociedade e natureza

Marx e Lukács: a relação sociedade e natureza Marx e Lukács: a relação sociedade e natureza 6º COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E ENGELS GT 1 - A obra teórica de Marx Thiago Brito 1 As questões sobre a relação sociedade e natureza em Marx não se encontram

Leia mais

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO.

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. Marcelo Lira Silva Tentarei neste breve ensaio levantar alguns aspectos da construção gnósioontológico de um dos pensadores marxistas

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

Título: A estrutura psicológica do espírito segundo Hegel

Título: A estrutura psicológica do espírito segundo Hegel Título: A estrutura psicológica do espírito segundo Hegel Versão parcial primeira versão Marly Carvalho Soares Resumo: A escolha da análise da estrutura psicológica do espírito se deu a partir da curiosidade

Leia mais

A GÊNESE DO CONCEITO DE ALIENAÇÃO THE GENESIS OF THE CONCEPT OF ALIENATION IN MARX

A GÊNESE DO CONCEITO DE ALIENAÇÃO THE GENESIS OF THE CONCEPT OF ALIENATION IN MARX A GÊNESE DO CONCEITO DE ALIENAÇÃO THE GENESIS OF THE CONCEPT OF ALIENATION IN MARX Fabrício J. Brustolin 1 RESUMO O texto consiste em uma analise do conceito de alienação no interior do pensamento de Marx.

Leia mais

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA?

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? 1 Ivo Tonet* 1. Introdução Costuma-se associar o termo teoria crítica à Escola de Frankfurt. Contudo, no presente texto, nosso objetivo não é discorrer sobre a teoria

Leia mais

O HUMANISMO DE KARL MARX: O TRABALHO NA HISTÓRIA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO HOMEM

O HUMANISMO DE KARL MARX: O TRABALHO NA HISTÓRIA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO HOMEM O HUMANISMO DE KARL MARX: O TRABALHO NA HISTÓRIA COMO MEIO DE FORMAÇÃO DO HOMEM Felipe Gustavo Soares da Silva 1 RESUMO Muitas críticas são tecidas já a algum tempo acerca da concepção do trabalho na sociedade

Leia mais

ANTONIO VIEIRA DA SILVA FILHO *

ANTONIO VIEIRA DA SILVA FILHO * Recebido em mai. 2012 Aprovado em jun. 2012 CRÍTICA À POSIÇÃO ECONOMISTA NACIONAL DE HEGEL RESUMO NOS MANUSCRITOS DE MARX ANTONIO VIEIRA DA SILVA FILHO * O presente artigo discute a crítica não sistemática

Leia mais

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica DIALÉTICA NEGATIVA Theodor W. Adorno DIALÉTICA NEGATIVA Tradução MARCO ANTONIO CASANOVA Professor do Depto. de Filosofia, Uerj Revisão técnica EDUARDO SOARES NEVES SILVA Professor adjunto do Depto. de

Leia mais

A ruptura de Marx com a filosofia idealista na década de 1840

A ruptura de Marx com a filosofia idealista na década de 1840 1 A ruptura de Marx com a filosofia idealista na década de 1840 Marlon Garcia da Silva (UFSC) * Rodrigo Prado Evangelista (ALMA) * Resumo O presente artigo expõe resultados do estudo da formação do pensamento

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA

A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA A VIDA COTIDIANA E A CONSTITUIÇÃO DO HUMANO-GENÉRICO NA FILOSOFIA MARXISTA-HELLERIANA Resumo Ademir Aparecido Pinhelli Mendes 1 NESEF/UFPR/UNINTER Geraldo Balduíno Horn 2 NESEF/PPGE//UFPR Grupo de Trabalho

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, GESTÃO DEMOCRÁTICA E A FUNÇÃO POLÍTICA E SOCIAL DA ESCOLA Resumo PARRA, Silvia 1 - SEEDPR Grupo de Trabalho - Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação. Agência Financiadora:

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global

Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global Individualidade pessoal de classe e genericidade humana Notas teórico criticas Nosso objetivo é esclarecer (e desenvolver) alguns elementos categoriais utilizados na aula 5 a análise crítica do filme Morte

Leia mais

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária.

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária. AS TESES DE MARX SOBRE FEUERBACH: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE ERNST BLOCH Larissa Klosowski de Paula Prof. Dr. Roberto Leme Batista (Orientador) Universidade Estadual do Paraná UNESPAR Campus de Paranavaí

Leia mais

DIALÉTICA DE HEGEL A MARX

DIALÉTICA DE HEGEL A MARX Gregório Henrique Silva Duarte Graduando em Ciências Sociais - UFCG Resumo: O objetivo do presente trabalho, é abordar as mais abrangentes perspectivas filosóficas que se propõe a utilizar o método dialético,

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ)

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) *Profa. Ms. Maria Celeste de Sousa Resumo: A filosofia de Lima Vaz é profundamente influenciada por Hegel e os dois conceitos que

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA NAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Sylvio Marinho da Pureza Ramires (UFAL) 1 RESUMO O objetivo deste artigo é evidenciar os efeitos

Leia mais

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda.

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. AUTORA: Sandra Maria Zanello de Aguiar. CREDENCIAIS DO AUTOR: Mestre em Serviço Social-PUC/São Paulo; Professora do Curso de Serviço Social da Universidade

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO GRUPOS EXCLUÍDOS, MOVIMENTOS SOCIAIS E DIREITOS HUMANOS PROFESSOR: MARCUS ORIONE GONÇALVES CORREIA

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA

A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA Devalcir Leonardo (UNESPAR Campus Campo Mourão) devalcirleonardo@gmail.com

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UFMG PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO

FACULDADE DE DIREITO DA UFMG PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO FACULDADE DE DIREITO DA UFMG PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO Disciplina: Fundamentos Filosóficos do Trabalho Professora: Daniela Muradas Aluno: Matheus Campos Caldeira Brant Maio de 2009 A DIALÉTICA MATERIALISTA

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento

Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento Os quatro estágios do método fenomenológico em Ser e Tempo de Martin Heidegger, de acordo com Heidegger e o problema do conhecimento de Charles Guignon Nosso objetivo, no texto que segue, é expor os quatro

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

A Articulação entre Psicologia Histórico-Cultural e Pedagogia Histórico-Crítica numa Proposta de Valorização do Ensino

A Articulação entre Psicologia Histórico-Cultural e Pedagogia Histórico-Crítica numa Proposta de Valorização do Ensino A Articulação entre Psicologia Histórico-Cultural e Pedagogia Histórico-Crítica numa Proposta de Valorização do Ensino Karla Paulino Tonus 1 Resumo Este trabalho originou-se a partir das indagações a respeito

Leia mais

O CONCEITO DE PERSONALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PSICOLOGICA HISTÓRICO-CULTURAL. Marilda Gonçalves Dias Facci UEM mgdfacci@uem.

O CONCEITO DE PERSONALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PSICOLOGICA HISTÓRICO-CULTURAL. Marilda Gonçalves Dias Facci UEM mgdfacci@uem. 1 O CONCEITO DE PERSONALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PSICOLOGICA HISTÓRICO-CULTURAL Luiza Almeida Xavier UEM luiza.ax@hotmail.com - CNPq Marilda Gonçalves Dias Facci UEM mgdfacci@uem.br Introdução O

Leia mais

A IMPORTÂNCIA CATEGORIA MEDIAÇÃO PARA O SERVIÇO SOCIAL

A IMPORTÂNCIA CATEGORIA MEDIAÇÃO PARA O SERVIÇO SOCIAL A IMPORTÂNCIA CATEGORIA MEDIAÇÃO PARA O SERVIÇO SOCIAL Autoras: Josiane Moraes 1 e Maria Lúcia Martinelli 2 Eixo temático nº III: Intelectualidade e política: desafios nas ciências sociais e no Serviço

Leia mais

O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci

O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci Artigos O Estado como Ordem Jurídica: análise da Teoria Pura do Direito de Kelsen à Luz do Pensamento de Gramsci Rommel Madeiro de Macedo Carneiro Advogado da União, Coordenador de Assuntos Administrativos

Leia mais

A dialética em Marx. Data de recepção: 28/03/2014 Data de aprovação: 15/05/2014

A dialética em Marx. Data de recepção: 28/03/2014 Data de aprovação: 15/05/2014 A dialética em Marx Francisco Antonio de Vasconcelos EU-Piauí Doutor em Educação Universidad de la Empresa (reconhecido pela Universidade Federal de Uberlândia). E-mail: franciscoantonio_vasconcelos@yahoo.com.br

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Fundamentos metodológicos da teoria piagetiana: uma psicologia em função de uma epistemologia Rafael dos Reis Ferreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Programa de Pós-Graduação em Filosofia FAPESP

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O ENSINO SUPERIOR: REFLEXÕES SOBRE A DOCÊNCIA ORIENTADA Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Resumo: Esse estudo visa refletir sobre algumas questões referentes à formação de professores

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Sociologia Código: ENGP-191 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Sobre A Sagrada Família: a superação do pensamento especulativo e contemplativo em Marx e Engels

Sobre A Sagrada Família: a superação do pensamento especulativo e contemplativo em Marx e Engels NOTA CRÍTICA Sobre A Sagrada Família: a superação do pensamento especulativo e contemplativo em Marx e Engels Leonardo Dorneles Gonçalves* O contexto da obra A Sagrada Família foi escrita em Bruxelas no

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire)

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Diego Chabalgoity 1 Resumo A pesquisa de doutorado aqui relatada apresentou como objetivo a realização

Leia mais

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Juversino Júnior Lisandro Braga "Em lugar da mercadoria aparecer como resultado de relações sociais enquanto relações de produção, ela aparece como um bem que

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE: O PENSADO O VIVIDO DE SUA NECESSIDADE ÀS BARREIRAS ENFRENTADAS

INTERDISCIPLINARIDADE: O PENSADO O VIVIDO DE SUA NECESSIDADE ÀS BARREIRAS ENFRENTADAS INTERDISCIPLINARIDADE: O PENSADO O VIVIDO DE SUA NECESSIDADE ÀS BARREIRAS ENFRENTADAS Adriana Azevedo Paes de Barros Doutoranda em Comunicação Social e Professora UMESP Não existe nada mais prático do

Leia mais

A natureza ontológica do pensamento de Marx

A natureza ontológica do pensamento de Marx A natureza ontológica do pensamento de Marx Frederico Jorge Ferreira Costa 1 Susana Jimenez Vasconcelos 2 Nosso objetivo neste artigo é identificar os pressupostos que identificam o pensamento de Marx

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética

1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética Ética e linguagem: uma perspectiva marxista Renato Campos Pordeus Mestrando pelo Departamento de Filosofia da UFPE 1. Modo de produção e a formação da estrutura política e ética A compreensão do homem,

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL Resumo Este artigo analisa os limites e as possibilidades históricas à educação omnilateral. Trata se de um ensaio teóricofilosófico sobre o conceito

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT 1 A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT RAMOS, Douglas Rossi 1 ; CARDOSO JR, Hélio Rebello; ROCHA, Luiz Carlos da (Universidade Estadual

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA

RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA RETIFICAÇÃO SUBJETIVA: OS CONTRAPONTOS ENTRE A CLÍNICA PSICANALÍTICA E A EPISTEMOLOGIA HISTÓRICA Marcio Luiz Ribeiro Bacelar Wilson Camilo Chaves A expressão retificação subjetiva está presente tanto nas

Leia mais

Marxismo e educação: contribuições da filosofia da práxis para a formação do ser social

Marxismo e educação: contribuições da filosofia da práxis para a formação do ser social Marxismo e educação: contribuições da filosofia da práxis para a formação do ser social Eliesér Toretta Zen 1 Douglas Christian Ferrari de Melo 2 Resumo: O artigo tem como escopo refletir sobre as contribuições

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS OS FUNDAMENTOS MARXISTAS E GRAMSCIANOS À LUZ DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO ENSINO MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO Problematização Juliana Gimenes Gianelli

Leia mais

HISTÓRIA E EMANCIPAÇÃO NOS GRUNDRISSE

HISTÓRIA E EMANCIPAÇÃO NOS GRUNDRISSE HISTÓRIA E EMANCIPAÇÃO NOS GRUNDRISSE Pedro Leão da Costa Neto Professor do Mestrado em Educação da Universidade Tuiuti do Paraná. O objetivo desta comunicação é discutir a concepção histórica de Marx

Leia mais

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD.

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. Márcia Marques Damasceno Mestrado em Ética e Filosofia Política pela UFC Tutora à Distância

Leia mais

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER

O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER O SER DOS ENTES QUE VÊM AO ENCONTRO NO MUNDO CIRCUNDANTE; UMA ANÁLISE DO PARÁGRAFO 15 DE SER E TEMPO DE MARTIN HEIDEGGER Jupyra Vilela Barreto (Grupo PET - Filosofia) Orientadora: Glória Maria Ferreira

Leia mais

A CRÍTICA DE HEGEL AO DUALISMO SUJEITO-OBJETO DE KANT

A CRÍTICA DE HEGEL AO DUALISMO SUJEITO-OBJETO DE KANT A CRÍTICA DE HEGEL AO DUALISMO SUJEITO-OBJETO DE KANT Marcio Tadeu Girotti 1 Resumo O presente artigo aborda a crítica de Hegel ao dualismo sujeito-objeto de Kant, o qual, segundo Hegel, aponta para um

Leia mais

Os estudos têm como pressuposto a relação entre trabalho, conhecimento e cultura na produção social e histórica da existência humana.

Os estudos têm como pressuposto a relação entre trabalho, conhecimento e cultura na produção social e histórica da existência humana. Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Formação Humana Fundação Oswaldo Cruz Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Programa de Pó-Graduação em

Leia mais

A INDIVIDUALIDADE HUMANA NA OBRA MARXIANA DE 1843 A 1848

A INDIVIDUALIDADE HUMANA NA OBRA MARXIANA DE 1843 A 1848 A INDIVIDUALIDADE HUMANA NA OBRA MARXIANA DE 1843 A 1848 PAULO TOMAZ FLEURY TEIXEIRA* O estudo da história humana e das tentativas de a compreender, assim como a humana aspiração à realização dos potenciais

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

Até o fim de sua vida (Marx) quis escrever uma exposição da metodologia dialética, porém desapareceu sem ter realizado sua vontade.

Até o fim de sua vida (Marx) quis escrever uma exposição da metodologia dialética, porém desapareceu sem ter realizado sua vontade. 1 METODOLOGIA DA MEDIAÇÃO DIALÉTICA E A OPERACIONALIZAÇÃO DO MÉTODO DIALÉTICO: FUNDAMENTOS DA DIALÉTICA E DA ONTOLOGIA DO SER SOCIAL COMO BASE PARA DISCUSSÃO DA QUESTÃO METODOLÓGICA NA EDUCAÇÃO ESCOLAR

Leia mais

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO Eixo Temático: Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Autores: Manoela Lage UERJ (manoelalage@yahoo.com.br)

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 1. EMENTA Visão epistemológica do conhecimento científico. Ciência e método: positivismo, fenomenologia, dialética. Limites da ciência. Ciência e ética. Tipos de pesquisa e sua relação com os objetos de

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte pereiradirlei@gmail.com Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Paulo Freire (2000, p.

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo Andréia Ferreira dos SANTOS; Camilla Machado de SOUZA; Carmelita Brito de Freitas

Leia mais

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins

Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins 2. Os fundamentos do juízo: a faculdade do juízo e a conformidade a fins As considerações iniciais deste capítulo dizem respeito à faculdade do juízo, elemento sem o qual não é possível entender o fundamento

Leia mais

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista

As determinações do trabalho no modo de produção capitalista As determinações do trabalho no modo de produção capitalista Amanda Larissa Magalhães Ferreira 1 Luciene de Barros correia Teotonio 2 Sanney Karoliny Calixto Barbosa 3 Resumo: O presente artigo tem como

Leia mais

O aluno de EJA: jovem ou adolescente?

O aluno de EJA: jovem ou adolescente? 1 O aluno de EJA: jovem ou adolescente? Shirley Costa Ferrari Coord. Curso de Pedagogia. das Faculdades Oswaldo Cruz e Profa. da Faculdade Diadema. Email shifer@ig.com.br Suely Amaral Coord. Curso de Letras

Leia mais

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo À medida que a mente compreende as coisas como necessárias, ela tem um maior poder sobre os seus afetos, ou seja, deles padece menos. Benedictus de Spinoza in Ética Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Pensamento Marxista e a Educação na Sociedade Capitalista Atual

Pensamento Marxista e a Educação na Sociedade Capitalista Atual 1 Pensamento Marxista e a Educação na Sociedade Capitalista Atual DINIZ, Rosemeri Birck - Universidade Federal do Tocantins. rosebirck@uft.edu.br SOUZA, Raquel Aparecida. Universidade Federal do Tocantins.

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO 1. Da justiça particular e do que é justo no sentido correspondente, uma espécie é a que se manifesta nas distribuições de honras, de

Leia mais

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS) Edital nº 01/2014

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS) Edital nº 01/2014 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO GRUPO DE PESQUISA TRABALHO E CAPITAL (ATIVIDADE DE EXTENSÃO 1º. SEMESTRE DE 2014: O TRABALHO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS) Edital nº 01/2014 O Grupo de Pesquisa

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA

O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA 1072 O DIÁLOGO EM PAULO FREIRE: CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA EM CLASSES DE RECUPERAÇÃO INTENSIVA Ana Cristina da Silva Ambrosio Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE-UNESP/PP). E-mail:

Leia mais

ALIENAÇÃO DO TRABALHO

ALIENAÇÃO DO TRABALHO ALIENAÇÃO DO TRABALHO Enquanto ser ativo, o homem se humaniza pelo trabalho e se desumaniza no trabalho. Por que o trabalho, atividade pela qual o homem se produz, também o aliena de si e dos outros? Desde

Leia mais

Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social

Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social Gabriela da Silva 1 Pedagogia para diversidade de gênero e sexualidade: dimensões ontológicas do ser social Resumo: nesta comunicação procuro analisar, quais relações existem entre as políticas públicas

Leia mais

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Cesarino Pessôa, Leonel; Fernandes, Pádua Reseña de "Sofrimento de indeterminação: uma reatualização da Filosofia

Leia mais

RESENHA CRÍTICA. Paulo Meneses e a tradução da Fenomenologia do Espírito de Hegel. José Pinheiro Pertille *

RESENHA CRÍTICA. Paulo Meneses e a tradução da Fenomenologia do Espírito de Hegel. José Pinheiro Pertille * RESENHA CRÍTICA Paulo Meneses e a tradução da Fenomenologia do Espírito de Hegel * Um dos mais importantes avanços nos atuais estudos sobre a filosofia hegeliana foi assegurar como a base para a sua compreensão

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

Introdução. 1 Mestrando do programa de Ciências Sociais / UFSCar. 2 Docente do departamento de Ciências Sociais/ UFSCar.

Introdução. 1 Mestrando do programa de Ciências Sociais / UFSCar. 2 Docente do departamento de Ciências Sociais/ UFSCar. O lugar e o limite da contribuição de Karl Marx para a Sociologia do Conhecimento na perspectiva de Karl Mannheim DEFFACCI, Fabricio.A. 1 CEPÊDA, Vera.A. 2 Introdução O sociólogo alemão Karl Mannheim (1894-1947)

Leia mais